GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL MANUTENÇÃO PROJETO BÁSICO ÍNDICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL MANUTENÇÃO PROJETO BÁSICO ÍNDICE"

Transcrição

1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE TRANSPORTES COMPANHIA DO METROPOLITANO DO DISTRITO FEDERAL METRÔ-DF MANUTENÇÃO PROJETO BÁSICO Página 1 Emissão 11/03/2003 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO PRAZOS E INÍCIO DOS SERVIÇOS ESCOPO DOS SERVIÇOS REFERÊNCIAS DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA TERMINOLOGIA CONCEITOS DE ESTRUTURAÇÃO DO MEIO FÍSICO...8 a) Sistema... 8 b) Subsistema... 8 c) Instalações... 8 d) Equipamento... 8 e) Componentes... 9 f) Estruturas e Espaços Físicos DAS AÇÕES DE MANUTENÇÃO SOBRE O MEIO FÍSICO...9 a) Manutenção... 9 b) Manutenção Corretiva... 9 c) Manutenção Preventiva... 9 d) Plano de Manutenção... 9 e) Esquemas de Manutenção... 9 f) Ensaio... 9 g) Inspeção... 9 h) Teste i) Revisão j) Serviço k) Processo l) Tarefa m) Atividade n) Atividades Críticas DOS RECURSOS NECESSÁRIOS ÀS AÇÕES DE MANUTENÇÃO...10 a) Dispositivo b) Simulador c) Ferramenta d) Instrumento e) Lista (ou Catálogo) de Peças f) Sobressalentes g) Sobressalentes de Consumo h) Sobressalentes de Reparáveis (ou de Giro) i) Materiais de Consumo j) Manual de Manutenção k) Atividades de Manutenção Preventiva l) Memorial Descritivo m) Relatório de Defeitos e Causas Prováveis n) Procedimento Operacional o) Procedimento de Remoção e Instalação p) Procedimento de Desmontagem e Montagem q) Procedimento de Inspeção, Ajuste e Teste r) Procedimento de Serviços Complementares s) Procedimento de Armazenagem e Preservação DIRETRIZES...13

2 METRÔ-DF Página INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DAS PROPOSTAS CONDIÇÕES GERAIS MOBILIZAÇÃO COOPERAÇÃO COM OUTRAS PARTES ACIDENTES, CALAMIDADES E SIMILARES DE GRANDE MONTA CENÁRIO OPERACIONAL QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS SISTEMAS SISTEMA MATERIAL RODANTE SISTEMA SINALIZAÇÃO E CONTROLE SISTEMA TELECOMUNICAÇÕES SISTEMA ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA VIA PERMANENTE Subsistema Infra-Estrutura: Subsistema Superestrutura:...24 a) Aparelho de Mudança de Via AMV b) Máquinas de Chave SubsistemaTerceiro Trilho SISTEMA OBRAS CIVIS E EDIFICAÇÕES SISTEMA VENTILAÇÃO SISTEMA BILHETAGEM SUBSISTEMA REDE ADMINISTRATIVA DO COMPLEXO Características Físicas da Rede Equipamentos...34 a) Servidores b) Impressoras: c) Equipamentos de Rede VEÍCULOS DO CORPO DE SEGURANÇA OPERACIONAL (CSO) LIMITES DE FORNECIMENTO E RESPONSABILIDADES DO METRÔ - DF OPERAÇÃO DO SISTEMA METROVIÁRIO CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO...40 a) Estrutura Organizacional b) Engenharia c) Estado da Frota d) Ordens de Serviço e) Suprimentos/Almoxarifado f) Gestão de mão-de-obra g) Gestão de Projetos INFRA-ESTRUTURA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO...41 a) Outros/Licenças PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES DOCUMENTOS TÉCNICOS...42 a) Procedimentos de Interface Operação - Manutenção FISCALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO FISCALIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO FISCALIZAÇÃO DAS REPARAÇÕES EM OFICINA MOVIMENTAÇÕES DE TRENS FORNECIMENTO DAS INSTALAÇÕES DE MANUTENÇÃO Termo de Recebimento VIGILÂNCIA PATRIMONIAL LIMPEZA DO COMPLEXO METROVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL LIMITES DE FORNECIMENTO E RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO GERAL MANUTENÇÃO PREVENTIVA MANUTENÇÃO CORRETIVA E RESTABELECIMENTO DOS SISTEMAS REPAROS E REVISÕES...47 a) Área para Materiais Irrecuperáveis/Sucata:... 49

3 METRÔ-DF Página MANUTENÇÃO DOS VEÍCULOS DO CORPO DE SEGURANÇA OPERACIONAL...49 a) Responsabilidades SERVIÇOS DE MATERIAL RODANTE SERVIÇOS NA VIA PERMANENTE EDIFICAÇÕES, OBRAS CIVIS E INSTALAÇÕES PREDIAIS MANUTENÇÃO E SUPORTE PARA O SISTEMA BILHETAGEM ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CONTRATUAL LOCAL ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO...51 a) Arquivo Técnico b) Apresentação dos Documentos PLANEJAMENTO DOS SERVIÇOS PROGRAMAÇÃO DOS SERVIÇOS (semanal e diária) ALMOXARIFADO APROVISIONAMENTO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÕES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DOS SISTEMAS APONTAMENTO DAS ATUAÇÕES E REGISTRO DE HISTÓRICO CONTROLE DA EXECUÇÃO RECURSOS HUMANOS OBRIGACÕES TRABALHISTAS OBRIGAÇÕES LEGAIS E DE SEGURANÇA RECURSOS HUMANOS PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA RECURSOS HUMANOS PARA MANUTENÇÃO CORRETIVA E RESTABELECIMENTO RECURSOS HUMANOS PARA REPAROS E REVISÕES RECURSOS HUMANOS PARA ENGENHARIA RECURSOS HUMANOS PARA ALMOXARIFADO RECURSOS HUMANOS PARA APOIO ADMINISTRATIVO E LOGÍSTICO SERVIÇOS OPERACIONAIS...58 a) Serviços de controle operacional b) Serviços de operação de trens c) Serviços de alinhamento de rotas PROFISSIONAIS EXIGIDOS PARA A EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS Coordenação e Administração do Contrato Responsável Técnico do Contrato Sistema de Material Rodante Sistemas de Sinalização e Controle Sistemas de Telecomunicações Sistema de Alimentação Elétrica Sistema de Via Permanente Engenharia de manutenção Sistema Bilhetagem Automática Outros Profissionais RECURSOS MATERIAIS CONSUMÍVEIS E SOBRESSALENTES DE CONSUMO (Anexo I-A) SOBRESSALENTES REPARÁVEIS (OU DE GIRO) (Anexo I-B) APARELHAGEM E MONTAGEM DAS OFICINAS E ALMOXARIFADO...64 a) Oficinas b) Almoxarifado INDICADORES E PENALIDADES DISPONIBILIDADE DE MATERIAL RODANTE - DT Cálculo da Disponibilidade para o Material Rodante, Dt Valor esperado para o Material Rodante Penalidades associadas à Dt DISPONIBILIDADE DE SISTEMAS - DS Cálculo da Disponibilidade de Sistemas, Ds Valores Esperados para os Sistemas Penalidades associadas à Disponibilidade dos Sistemas TEMPO MÉDIO DE LIBERAÇÃO - TML Cálculo do TML Valor do TML esperado para o Material Rodante e Sistemas Penalidades associadas ao TML do Material Rodante e Sistemas ATENDIMENTO À PROGRAMAÇÃO DA MANUTENÇÃO PREVENTIVA - APP...68

4 METRÔ-DF Página Cálculo do APP Valor esperado para APP Penalidades associadas ao APP QUILOMETRAGEM MÉDIA ENTRE FALHAS - MKBF Cálculo do MKBF Valor esperado para MKBF Penalidades ORDENS DE SERVIÇO PENDENTES HÁ MAIS DE 60 DIAS Penalidades para as OS com mais de 60 dias DISPONIBILIDADE DO LOCOTRATOR Penalidades para o locotrator DISPONIBILIDADE DOS SERVIÇOS DE OPERAÇÃO...70

5 METRÔ-DF Página INTRODUÇÃO Este documento se constitui na Especificação Técnica para a contratação dos serviços de Manutenção dos Sistemas: Material Rodante, Via Permanente, Sinalização, Controle e Telecomunicações, Energia e Auxiliares, Edificações e Instalações, Bilhetagem e equipamentos instalados no Cenário 4 do METRÔ-DF, e serviços de operação. Tais serviços têm por objetivo assegurar a disponibilidade operacional dos Sistemas mantendo as condições de segurança, conforto e higiene para que o METRÔ-DF possa atender a demanda de transporte prevista, assegurando a vida útil de projeto dos equipamentos. A presente especificação foi formulada para garantir a prestação dos serviços dentro dos padrões de desempenho e disponibilidade indicados nas normas técnicas nacionais (ou internacionais na falta da norma nacional), sem inibir a CONTRATADA de aportar sua experiência e tecnologia em beneficio da qualidade dos serviços oferecidos ao METRÔ-DF. A CONTRATADA somente poderá atuar em desacordo com esta especificação em situações de emergência resultantes de força maior, devidamente identificadas e mediante autorização do METRÔ-DF. Todos os valores monetários expressos no presente documento estão referenciados à base outubro/ PRAZOS E INÍCIO DOS SERVIÇOS Os serviços serão prestados pelo período de 12 meses de vigência do contrato. A CONTRATADA deverá estar preparada para prestar os serviços contratados, conforme descrito no item MOBILIZAÇÃO. Cada PROPONENTE deverá submeter ao METRÔ-DF quando da apresentação da Proposta Técnica, o planejamento de suas atividades, sistematizado numa Macro-Programação. A CONTRATADA deverá entregar em até 15 (quinze) dias após a assinatura do Contrato, sua Macro-Progamação com os eventuais ajustes solicitados pelo METRÔ-DF, ficando, o pagamento do primeiro mês de execução, condicionado a tal evento. 3 - ESCOPO DOS SERVIÇOS Este Projeto Básico define as exigências para: - Serviços de Manutenção dos equipamentos do Sistema Metroviário (Material Rodante, Via Permanente, Sinalização, Controle e Telecomunicações, Energia e Auxiliares, Edificações e Instalações Prediais e Bilhetagem) conforme definido no item 6 - deste documento, buscando manter a disponibilidade dentro dos níveis estabelecidos pelo mesmo; - Serviços de reparos e revisões em oficinas; - Serviços de manutenção/aferição em equipamentos, ferramentas, instrumentos e utensílios de manutenção, incluindo os computadores, impressoras, rede lógica, servidores, etc., utilizados no Sistema de Gerenciamento da Manutenção;

6 METRÔ-DF Página 6 - Serviços de manutenção na rele lógica administrativa dos Prédios do Complexo Administrativo do METRÔ-DF; - Fornecimento de equipamentos de infra-estrutura e instalações de apoio à execução dos serviços, veículos auxiliares, ferramentas, instrumentos, dispositivos e materiais sobressalentes e de consumo ao METRÔ-DF; - Estudos, através da Engenharia de Manutenção, para otimização da vida útil e desempenho dos equipamentos e sistemas em conformidade com a concepção original dos mesmos estabelecida em projeto; - Serviços operacionais no Centro de Controle (CCO), nos Trens e no Pátio de Águas Claras. 4 - REFERÊNCIAS DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Os, manuais, desenhos, especificações e demais documentos listados a seguir estarão à disposição dos licitantes, para análise e consulta, nos termos do item deste documento: - Trem; Manuais e Desenhos dos Sistemas: - Sinalização e Controle; - Telecomunicações; - Alimentação de Energia; - Bilhetagem. Documentação Técnica do Sistema de Via Permanente; Plano de Vias Sinalizadas; Procedimentos Operacionais e Administrativos de Interface e Convivência com a Operação; Lay-out das Oficinas de Manutenção e do Almoxarifado sugeridos; Manual do Sistema de Gerenciamento da Manutenção; Atividades de Manutenção Preventiva dos Sistemas (Anexo I-C): - Material Rodante; - Sinalização e Controle; - Telecomunicações; - Alimentação de Energia; - Via Permanente; - Ventilação TERMINOLOGIA - AMV Aparelho de Mudança de Via; - CCO Centro de Controle Operacional;

7 METRÔ-DF Página 7 - CAO Centro Administrativo e Operacional; - CCM Centro de Controle da Manutenção; - CIM Centro de Informação da Manutenção; - CONTRATADA Empresa Vencedora do processo de licitação relativo a este escopo de fornecimento; - CSO Corpo de Segurança Operacional; - MKBF Quilometragem Média entre Falhas (Mean Kilometer Between Failures); - PAC Pátio de Águas Claras; - PAS Pátio Asa Sul; - PCL/PCT Painel de Controle Local/Painel de Controle de Tráfego; - PER Ponto de Entrega e Recebimento de trens no pátio de Águas Claras; - PROPONENTE Empresa isolada ou consórcio de Empresas devidamente qualificada(s) que se propõe(m) à execução de manutenção, objeto deste Projeto; - RPG Relatório de Planejamento Global; - RPM Relatório de Progresso Mensal; - SA Subestação Auxiliar; - SR Subestação Retificadora; - SM Subestação de Manutenção; - UTRT Unidade Terminal Remota de Tráfego; - UTRE Unidade Terminal Remota de Energia; - CDE Concentrador de Dados de Energia; - CDT Concentrador de Dados de Tráfego. ESTAÇÕES - CTL Central (E01); - GAL Galeria (E02); Sul (E03/PP1); Sul (E04/PP2); Sul (E05/PP3); Sul (E06/PP4); Sul (E07/PP5); Sul (E08/PP6); Sul (E09/PP7); - ASA Estação Asa Sul (E10); - SHP Estação Shopping (E11); - FEI Estação Feira do Guará (E13); - ARN Estação Arniqueiras (E16);

8 4.3 - CONCEITOS METRÔ-DF Página 8 - CLA Estação Águas Claras (E17); - CON Estação Concessionárias (E18); - EPQ Estação Estrada Parque (E19); - REL Estação Praça do Relógio (E20); - CIR Ciretran (E21); - ADM Centro Metropolitano (E22); - CES Ceilândia Sul (E23); - GBA Guariroba (E24); - CEC Ceilândia Centro (E25); - CEN Ceilândia Norte (E26); - CEI Ceilândia (E27); - TAS Estação Taguatinga Sul (E30); - FUR Estação Furnas (E31); - SAS Estação Samambaia Sul (E32); - SAM Estação Samambaia (E33). São definidos aqui alguns conceitos relativos às atividades de manutenção que são utilizados neste documento e nos anexos e que deverão ser empregados pelos Proponentes na formulação de suas propostas. Os conceitos aqui apresentados estão agrupados em três universos, a saber: DE ESTRUTURAÇÃO DO MEIO FÍSICO a) Sistema Conjunto de objetos, estruturalmente organizados em um projeto e entre os quais pode-se encontrar ou definir uma relação que permite ao todo cumprir uma função complexa. Exemplo: O Material Rodante, a Alimentação Elétrica e a Ventilação. b) Subsistema Divisão ou decomposição dos sistemas em conjunto de partes que agrupam equipamentos de mesma natureza ou função. Exemplo: O truque e a subestação primária c) Instalações São elementos ou espaços físicos que estabelecem as ligações ou relações entre as diversas partes de um sistema. Exemplos: Fiação, eletrodutos, cabos e postes. d) Equipamento Objeto que possui função autônoma que, quando associado a outros equipamentos e instalações passam a se constituir em sistemas que, em geral, como um todo, têm função distinta. Exemplos: bloqueio, escada rolante, seccionadora de 3 º trilho, bomba. Geralmente em áreas não operacionais destina-se a auxiliar a execução de tarefas tais como acessar, transportar, levantar, manufaturar, limpar, aparafusar, lubrificar, comunicar, etc. Exemplos: escada, empilhadeira, macaco, ponte rolante, torno, prensa, aspirador, parafusadeira, almotolia, transceptor.

9 METRÔ-DF Página 9 e) Componentes Itens ou partes indivisíveis sob o aspecto de manutenção que são agrupados fisicamente em um equipamento. Exemplos: engrenagens, eixos, rolamentos, capacitores, diodos. f) Estruturas e Espaços Físicos São construções, edificações, viários e áreas verdes que, em geral, podem ser tratados com a mesma hierarquia de sistemas, equipamentos e instalações, dependendo do referencial que se estabeleça. Exemplos: estações, blocos, elevados, viadutos, torres de controle, passarelas, vigas-suportes, muros e taludes DAS AÇÕES DE MANUTENÇÃO SOBRE O MEIO FÍSICO a) Manutenção É a ação ou o conjunto de ações exercidas sobre um objeto, quando em uso ou em operação para evitar a sua degradação ou, se degradado repô-lo em sua condição anterior. Quando não em uso ou operação, as ações denominam-se conservação ou preservação. b) Manutenção Corretiva É aquela destinada a restabelecer uma condição funcional de um sistema, equipamento ou instalação, operacional ou de suporte, anteriormente degradada, podendo ser programada ou não. c) Manutenção Preventiva É programável e destinada a evitar ou reduzir qualquer degradação funcional ou de vida útil de um sistema, equipamento ou de instalação operacional ou de suporte. d) Plano de Manutenção É a determinação das necessidades de intervenções periódicas através de manutenções preventivas nos equipamentos, instalações e de suporte e dos recursos humanos e materiais necessários a execução das atividades. Deve levar em consideração a inter-relação e inter-dependência entre os equipamentos, os sistemas e as necessidades operacionais. Tais intervenções e atividades têm como objetivo satisfazer às exigências de disponibilidade operacional com segurança e no menor custo possível, assegurando as condições de projeto. e) Esquemas de Manutenção São as diferentes formas de organizar as ações de um mesmo tipo de manutenção. Exemplos: progressiva, preditiva e revisão geral. f) Ensaio Verificação ou identificação das características de um objeto, mediante método que requer o uso de instrumento e condições locais especiais de controle. g) Inspeção Observação visual ou com instrumentos da conformidade ou não de um objeto ou de suas características com norma, especificação ou padrão preestabelecido.

10 METRÔ-DF Página 10 h) Teste Consiste nas ações necessárias para constatar desempenho do sistema, equipamento ou componente quanto ao funcionamento ou estado em relação a padrões preestabelecidos. i) Revisão Esquema de manutenção programada segundo a vida útil prevista e garantida que visa colocar um equipamento dentro das especificações, originais ou atualizadas. Envolve: desmontagem total do equipamento; limpeza profunda de componentes e peças; inspeção de todos eles; reparos; substituição de alguns componentes e peças, incorporação de eventuais modificações, montagens; testes e certificado de serviço. j) Serviço Resultado da atividade humana que, sem assumir a forma de um bem material, satisfaz a uma necessidade (trabalho feito para outro). Exemplo: transporte, aula, corte de cabelo. k) Processo Conjunto tarefas interligadas e sucessivas com início e final definidos, através dos quais se objetiva um resultado. l) Tarefa Série de atividades ordenadas, que faz parte de um processo. m) Atividade Ação ou trabalho específico dirigido para a execução de uma tarefa. n) Atividades Críticas Relação das ações básicas e mais importantes a serem seguidas para a execução de uma tarefa DOS RECURSOS NECESSÁRIOS ÀS AÇÕES DE MANUTENÇÃO a) Dispositivo Ferramenta auxiliar destinada à execução de tarefa específica e única que, geralmente, devido às características próprias de aplicação, não se encontra disponível no mercado, portanto requer projeto específico para sua obtenção. Exemplos: gabaritos, bases de apoio e elementos para auxílio de fixação e movimentação. b) Simulador Equipamento destinado a reproduzir as condições normais de funcionamento de um determinado sistema com o objetivo de reparar e testar os reparos realizados em módulos e placas de circuito impresso. c) Ferramenta Objeto destinado à execução de tarefas específicas tais como aparafusar, raspar, furar, cortar, bater, socar, rebocar, limar, etc. Exemplos: chave de fenda, talhadeira, broca, pastilha de metal duro, martelo, colher de pedreiro, lima, etc.

11 METRÔ-DF Página 11 d) Instrumento Equipamento destinado à indicação ou registro de grandezas físico- químicas. Exemplo: torquímetro, paquímetro, osciloscópio, freqüencímetro, registrador gráfico, ultra-som, etc. e) Lista (ou Catálogo) de Peças Documento que fornece as informações necessárias para identificar através de ilustrações em vista explodida e listas de descrição, as peças integrantes de um sistema ou equipamento, com as devidas quantidades e códigos de referência. f) Sobressalentes Designação geralmente atribuída aos componentes dos equipamentos (ou ao próprio equipamento quando ele fizer parte de um sistema maior), que de acordo com o consumo, desgaste ou importância dentro do sistema devem ser preservados em almoxarifado para cobrir necessidades de manutenção. g) Sobressalentes de Consumo São aqueles sobressalentes, de médio ou alto custo, que, uma vez substituídos por imposição de atividades de manutenção ou por término de vida útil, não são reparados e não são mais utilizados no sistema. Quando esses sobressalentes de consumo possuem baixo custo de aquisição e são utilizados em vários equipamentos dentro do sistema podem ser considerados como Materiais de Consumo. Exemplo: componentes de circuitos eletrônicos, parafusos, porcas e arruelas de uso geral, rebites, etc. h) Sobressalentes de Reparáveis (ou de Giro) São aqueles sobressalentes que, uma vez substituídos em atividades de manutenção, são reparados e reutilizados no sistema. i) Materiais de Consumo Designação geralmente atribuída a materiais que não pertencem aos equipamentos e são por eles ou sobre eles utilizados e se desgastam com o uso, tais como, panos, produtos de limpeza, óleos lubrificantes, graxas, etc. j) Manual de Manutenção Documento que reúne o conjunto de orientações gerais para a manutenção dos diversos sistemas, equipamentos e instalações operacionais ou de suporte, podendo utilizar-se dos dados contidos na documentação de projeto. Tais orientações, reunidas em diferentes fascículos ou tipos de documentos, indicam o conjunto de instruções e procedimentos necessários, inclusive quanto à segurança do trabalho, que devem ser obedecidos em cada caso. k) Atividades de Manutenção Preventiva Documento que fornece para cada sistema e equipamento, a relação de atividades de manutenção preventiva (o que fazer), com as respectivas periodicidades (quando fazer) e os recursos humanos e materiais necessários para desenvolver cada atividade. l) Memorial Descritivo Documento que identifica o equipamento ou sistema e fornece as informações quanto à função, aplicação no conjunto maior, quantidade

12 METRÔ-DF Página 12 instalada, localização, características técnicas e de funcionamento para diferentes níveis, quer seja sistema, equipamento ou componente. m) Relatório de Defeitos e Causas Prováveis Documento que fornece as árvores de defeitos, com vistas a facilitar a pesquisa, quando a complexidade exigir ou fornecer uma relação de prováveis causas, em função dos defeitos característicos apresentados pelo sistema, equipamento ou componente. n) Procedimento Operacional Documento que descreve a seqüência de ações sobre os diversos comandos que permitem acionar e operar equipamentos de suporte da manutenção ou instrumentos. o) Procedimento de Remoção e Instalação Documento que descreve, na seqüência adequada e através de ilustrações com vistas explodidas, os passos para a execução das atividades de remoção e instalação dos equipamentos ou componentes, incluindo a especificação de ferramentas, equipamentos e materiais de consumo necessários em cada passo, sempre que a complexidade das atividades assim o exigir. p) Procedimento de Desmontagem e Montagem Documento que descreve, na seqüência adequada e através de ilustrações com vistas explodidas, os passos para execução das atividades de desmontagem e montagem dos equipamentos em seus componentes ou estes em seus sub-componentes, incluindo a especificação de ferramentas, equipamentos e materiais de consumo necessários em cada passo, sempre que a complexidade das atividades assim o exigir. q) Procedimento de Inspeção, Ajuste e Teste Documento que descreve, na seqüência adequada e através de ilustrações os passos para a execução das atividades de inspeção, ajuste e teste, referenciando norma específica, caso exista, incluindo a especificação de instrumentos, ferramentas, dispositivos e materiais de consumo utilizados em cada passo, sempre que a complexidade das atividades assim o exigir. r) Procedimento de Serviços Complementares Documento que fornece as informações necessárias para as atividades que por características próprias não se enquadrem nos demais tipos de procedimentos, tais como: métodos genéricos para detecção de defeitos ou específicos para reparos, limpeza e lubrificação. s) Procedimento de Armazenagem e Preservação Documento que fornece as informações necessárias que devem ser obedecidas para armazenar e preservar os equipamentos e materiais em condições adequadas de uso durante o período de estocagem (pela manutenção) ou inoperância (pela montagem) para a garantia de sua futura utilização. Inclui a especificação de instrumentos, ferramentas, dispositivos especiais e recursos humanos necessários aplicáveis em cada caso.

13 METRÔ-DF Página DIRETRIZES As condições gerais descritas neste documento apresentam as diretrizes básicas para o fornecimento dos serviços a serem contratados objetivando a Manutenção e o Apoio à Operação do METRÔ-DF, bem como o fornecimento de todos os sobressalentes e materiais de consumo, ferramentas, instrumentos, equipamentos, simuladores e dispositivos complementares e veículos auxiliares para o atendimento das necessidades operacionais do METRÔ-DF e para garantir que o sistema Metrô possa dispor dos mesmos por uma vida útil igual ou superior à estimada pelos fabricantes e montadoras INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DAS PROPOSTAS Para possibilitar a elaboração das propostas, o METRÔ-DF disponibilizará, em suas dependências, localizadas à Av. Jequitibá, lote n.º 155, Águas Claras/DF, na seção de Arquivo Técnico, os manuais, catálogos, plantas, diagramas, esquemas, e demais documentos pertinentes, dos Fabricantes/Fornecedores, descritos no item deste projeto, para consulta. O Anexo I-D apresenta a lista de documentos que o METRÔ-DF possui (excetuandose a lista referente às Obras Civis), que se encontram no endereço acima. As PROPONENTES, para consulta, deverão se referenciar a tal lista, obedecendo às regras estipuladas pela seção de Arquivo Técnico. Serão realizadas visitas técnicas obrigatórias onde os PROPONENTES conhecerão o sistema e se certificarão das atividades a serem desenvolvidas. No Anexo I-C estão relacionadas às atividades de manutenção preventiva previstas para os sistemas de: - Material Rodante; - Sinalização e Controle; - Telecomunicações; - Alimentação de Energia; - Via Permanente; - Ventilação. Os PROPONENTES deverão utilizar estas atividades para elaboração de seus planos de manutenção incluindo o dimensionamento de recursos humanos e materiais, que farão parte do escopo de sua proposta de serviços. Os preços dos serviços de manutenção preventiva dos PROPONENTES deverão ser calculados considerando que as referidas atividades e respectivas periodicidades serão integralmente obedecidas. Caso os PROPONENTES, baseados em sua experiência, considerem que os referidos documentos de atividades de Manutenção Preventiva geram dúvidas, apresentam divergências ou omissões relevantes que possam trazer dificuldades à execução do objeto, deverão questionar o METRÔ-DF em até dez dias antes da data prevista para recebimento das propostas, apresentando, quando cabível, alternativas com as devidas justificativas. As informações prestadas pelo METRÔ-DF serão divulgadas a todos os PROPONENTES. O METRÔ-DF ainda não dispõe das atividades de manutenção preventiva para o sistema Bilhetagem. Para este sistema estarão disponíveis os manuais dos fabricantes para que cada PROPONENTE estime seus custos para executar a manutenção. A CONTRATADA terá 60 dias de prazo, após a assinatura do contrato para fornecer ao METRÔ-DF os procedimentos para manutenção preventiva do sistema Bilhetagem.

14 5.2 - CONDIÇÕES GERAIS METRÔ-DF Página 14 A operação do serviço metroviário é atribuição do METRÔ-DF. Durante todo o período de vigência contratual o METRÔ-DF utilizará critérios definidos nesse documento para avaliação dos serviços prestados pela CONTRATADA, podendo-se utilizar inclusive de empresas de auditoria técnica externa. O não cumprimento dos padrões de qualidade e dos níveis de desempenho do sistema, preestabelecidos neste Projeto Básico e o não cumprimento das Normas Técnicas e de segurança, tanto de desempenho quanto de manutenção e engenharia, permitirá ao METRÔ-DF imputar à CONTRATADA multas contratuais, suspensão de pagamentos e rescisão de contrato. A empresa PROPONENTE deverá considerar que os equipamentos, sistemas e instalações fixas, relacionados neste Projeto Básico estão devidamente comissionados e aceitos pelo METRÔ-DF, possuindo o Certificado de Recebimento Provisório CRP, ou Certificado de Recebimento Definitivo CRD, sem nenhum tipo de pendência. No entanto, todos os equipamentos, sistemas e instalações fixas objeto deste Projeto Básico serão vistoriados por representantes do METRÔ-DF e da PROPONENTE adjudicatária da licitação em data anterior à assinatura do contrato. Deverá ser lavrado um Termo de Vistoria e Recebimento, o qual deverá ser assinado pelas partes, contendo a relação de todas as eventuais não conformidades encontradas e as providências recomendadas para saná-las e a redefinição de responsabilidades no período em que as pendências ainda não estiverem sido removidas. O prazo final para a assinatura do Termo de Vistoria e Recebimento é de 30 (trinta) dias após a assinatura do contrato. A utilização de materiais, componentes de equipamentos ou equipamentos retirados de sistemas, edificações ou instalações, para atividades de manutenção será permitida mediante aprovação do METRÔ-DF, devendo constar em capítulo próprio nos Relatórios de Progresso Mensal (RPM). Estas permissões não desobrigam a CONTRATADA de recuperar e/ou disponibilizar os equipamentos e materiais substituídos. O METRÔ-DF disponibilizará as instalações das Oficinas do seu Centro de Manutenção em Águas Claras (no estado em que se encontram), excetuando-se o mezanino da Oficina Eletromecânica, reservado para o METRÔ-DF, além de vestiários e área para refeições. Qualquer alteração, quer seja, de infra-estrutura, predial, suporte, etc., ficará a cargo da CONTRATADA, necessitando de autorização do METRÔ-DF para sua execução, sendo incorporada ao patrimônio do METRÔ-DF ao final do contrato. O aluguel de linhas telefônicas, compra ou aluguel de equipamentos de telefonia para o objeto do contrato de Manutenção, bem como as contas telefônicas mensais serão de responsabilidade da CONTRATADA. Para a execução dos serviços o METRÔ-DF colocará à disposição da CONTRATADA sobressalentes, ferramentas, equipamentos, dispositivos e instrumentos disponíveis que deverão permanecer sob a guarda deste. Os itens do METRÔ-DF que serão utilizados pela CONTRATADA serão listados no primeiro Relatório de Progresso Mensal (RPM) do presente contrato. O METRÔ-DF garantirá o acesso dos funcionários da CONTRATADA aos locais de execução dos serviços. A CONTRATADA poderá utilizar, sem ônus, o transporte metroviário para os seus deslocamentos quando em serviço. A CONTRATADA deverá fornecer todas as condições e recursos materiais para o seu pessoal realizar os serviços, atendendo a legislação trabalhista e o cumprimento das normas técnicas nacionais e internacionais vigentes, incluindo o fornecimento de EPI s

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

Linha 17 Ouro. Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária. Linha 17 Ouro

Linha 17 Ouro. Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária. Linha 17 Ouro Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICA PRINCIPAL Sistema de Monotrilho Trem com tração elétrica e sustentação por pneus, que se desloca sobre uma viga,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

RECEBIMENTO DEFINITIVO

RECEBIMENTO DEFINITIVO RECEBIMENTO DEFINITIVO HORÁRIO DE INÍCIO: LOCAL: LOCOMOTIVA Nº: HORÁRIO DE TÉRMINO: PAÍS: DATA: OK? OBS. COM O MOTOR DIESEL DESLIGADO: ITENS DO SISTEMA MECÂNICO, TRUQUE, HIDRÁULICO E PNEUMÁTICO: 1 - Inspecionar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÃO PREDIAL GERAL 1.1. Prestação de Serviços de Manutenção Predial Geral, para as dependências do Centro Cultural José Bonifácio localizado na Rua Pedro Ernesto, nº

Leia mais

SUB-TÍTULO TRENSURB HOJE CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA

SUB-TÍTULO TRENSURB HOJE CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA 1 TRENSURB SUB-TÍTULO HOJE CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA Extensão da Linha: 38,8 km em operação e 4,8 km em construção; Número de Estações: 19 em operação e 3 em construção; Demanda Atual: 180.000pass/dia

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE: Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas Concessionárias de Serviços Públicos de Transporte Ferroviário de Cargas, no transporte de produtos perigosos, nos trechos da malha ferroviária. A Diretoria

Leia mais

Manual de Referência Técnica Elevac 200

Manual de Referência Técnica Elevac 200 Apresentação O Elevador Pneumático Elevac, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, com patente registrada, é um sistema de transporte vertical pneumático, sem cabos, pistões

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

Em atenção ao pedido de esclarecimento formulado por licitante à Concorrência nº 01/2015, informamos o que se segue:

Em atenção ao pedido de esclarecimento formulado por licitante à Concorrência nº 01/2015, informamos o que se segue: CIRCULAR Nº 28/2015 CEL Brasília, 28 de dezembro de 2015. Prezados Senhores, Em atenção ao pedido de esclarecimento formulado por licitante à Concorrência nº 01/2015, informamos o que se segue: QUESTIONAMENTO

Leia mais

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1 MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, é um sistema de

Leia mais

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES Objetivo: Analisar as condições de funcionamento e segurança dos seus equipamentos 19/06/2015 Autor: LUIZ BARATTA - SENGE / RJ 1 HISTÓRICO Estima-se que no Brasil

Leia mais

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Gostaria de solicitar

Leia mais

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias casa de vácuo Manual do Usuário ÍNDICE INTRODUÇÃO Apresentação Dados Técnicos Cuidados Segurança Limpeza 2 3 4 5 6 MANUTENÇÃO Instruções Manutenção Preventiva INSTALAÇÃO 8 9 10 GARANTIA Garantia 12 Contato

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO O objeto de Termo de Referência consiste na contratação de empresa especializada na prestação de serviços de reforma e modernização do sistema de transporte vertical

Leia mais

Manutenção Full Service. Um modelo para melhor aproveitamento da estrutura existente

Manutenção Full Service. Um modelo para melhor aproveitamento da estrutura existente Manutenção Full Service Um modelo para melhor aproveitamento da estrutura existente Um mundo de soluções espalhadas por todo o mundo. Composta por um +me com mais de 4.500 colaboradores em mais de 100

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO 1. Identificação: ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER 1.1. Elevador nº 1 Uso privativo dos juízes 1.2. Elevador nº 2 Uso de Serviço (Cargas)

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS Página 1 de 7 I. OBJETIVO O presente documento visa estabelecer os requisitos, condições e diretrizes técnicas e administrativas necessárias

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4 CERTIFICADO DE GARANTIA Este produto é garantido pela Amelco S.A. Indústria Eletrônica dentro das seguintes condições: 1- Fica garantida, por um período de 1 (hum) ano a contar da data de emissão da nota

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE DOCUMENTO COMPLEMENTAR 05 PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE ÍNDICE A. INTRODUÇÃO...

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO

CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 2 TAG Condição esperada / Atividade IL Quantidade de luminárias

Leia mais

ANEXO I AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO Nº 3/2009-ER01 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO Nº 3/2009-ER01 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO Nº 3/2009-ER01 TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, HIDRÁULICAS, SANITÁRIA, COMBATE A INCÊNDIO E GRUPO

Leia mais

REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES

REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES Revisão Motivo da revisão Data 0 1 Este documento foi motivado para dar transparência das normas e padrões técnicos comuns das

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

Divisão Administrativa e Financeira Seção de Suprimento e Material

Divisão Administrativa e Financeira Seção de Suprimento e Material 1. OBJETIVO O presente memorial descritivo tem por finalidade indicar os serviços a serem executados estabelecendo Normas, Especificação de Serviços e Materiais nos aspectos pertinentes às particularidades

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Avenida Generalíssimo Deodoro, nº 367 Umarizal- CEP: 66.055-240 - Belém - PA (91)3221-4100/4102- e-mail: cphgabinete@cph.pa.gov.br

Avenida Generalíssimo Deodoro, nº 367 Umarizal- CEP: 66.055-240 - Belém - PA (91)3221-4100/4102- e-mail: cphgabinete@cph.pa.gov.br ANEXO II PLANO DE MANUTENÇÃO 1- OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada para prestação de serviços contínuos de operação, manutenção preventiva e corretiva, com fornecimento de peças, materiais

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

PORTA ROMA 80 MANUAL DA CONSTRUTORA

PORTA ROMA 80 MANUAL DA CONSTRUTORA MANUAL DA CONSTRUTORA PORTA ROMA 80 REV.1 Aviso As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. Todos os cuidados foram tomados para garantir a acuidade das informações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

ANEXO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 285/ADCO-4/SBBR/2011 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 285/ADCO-4/SBBR/2011 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 285/ADCO-4/SBBR/2011 TERMO DE REFERÊNCIA LOCAÇÃO DE 25 (VINTE E CINCO) MÓDULOS DE CONTAINERS HABITÁVEIS ACOPLADOS PARA AS INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS DA SEÇÃO DE CONTRAINCÊNDIO

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente

Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente LST51 E LST51 B (Elétrica a cabo) (Bateria) A maior concentração de soluções técnicas de engenharia e de experts em limpeza, aplicadas a uma lavadora de piso

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA ÍNDICE Introdução 01 Principais aplicações 01 Características técnicas 02 Descrição de funcionamento 03 Instalação 04 Armazenamento 05 Assistência

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 021/2015 Termo de Referência 1. DO OBJETO 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo a aquisição, por intermédio de licitação na modalidade de Pregão Presencial, de

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Em um cenário competitivo, o sucesso não é determinado apenas pela oferta

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência Art. 363 - É o conjunto de componentes e equipamentos que, em funcionamento, proporcionam a Iluminação suficiente e adequada para permitir a saída fácil e segura

Leia mais

MP-SM-101129-1100-rev 110129 fl 1 de 7

MP-SM-101129-1100-rev 110129 fl 1 de 7 MP-SM-101129-1100-rev 110129 fl 1 de 7 Local: MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº MP-SM-101129-1100 CEGEF- UFG - CENTRO DE GESTÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA UFG Endereço: AV. UNIV. 1583 Obra: SISTEMAS DE MOVIMENTAÇÃO

Leia mais

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA SERRA CIRCULAR ESQUADREJADEIRA SCEO/R 2950 Índice DADOS DA MÁQUINA... 3 NORMAS DE SEGURANÇA... 4 Norma NR-12:... 5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 6 CARREGAMENTO...

Leia mais

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO BRASIL PARAGUAI CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO 2 1 No DESCRIÇÕES APROV. DATA REVISÕES Elab. :

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 OBJETIVO: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento básico sobre Mezaninos, seus acessórios e suas aplicações, facilitando a solução de problemas

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio

Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio www.stoebich.com.br, dirk.mueller@stoebich.com.br 1 Conteúdo 1. Introdução: sistemas têxteis 2. Características de sistemas têxteis 3. Cortinas contra

Leia mais

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos.

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA O USUÁRIO Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA SOLICITAR AS PEÇAS Entre em contato com nosso representante mais próximo,

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO Quem Somos Missão: Ser reconhecida como referência em sistema de adequação de energia com responsabilidade social e ambiental e alto grau de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO

ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO Este case apresenta a aplicação do E3 para monitorar e executar comandos junto aos mais diferentes setores,

Leia mais