GERENCIAMENTO DE CRISES,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DE CRISES,"

Transcrição

1 tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz Eclesiastes 3: 8 GERENCIAMENTO DE CRISES, UMA NECESSIDADE NO CONTEXTO DO SISTEMA DE TRANSPORTE SOBRE TRILHOS IRAN FIGUEIREDO LEÃO OTAVIO AUGUSTO TEIXEIRA NETO V.01 Maio/2007

2 SINOPSE... 4 INTRODUÇÃO... 5 CAPITULO 1 CASES Daegu Coréia do Sul... 6 COMO FOI O INCÊNDIO... 6 SEGURANÇA... 7 CRONOLOGIA DOS FATOS (1) Jr West Amagasaki Osaka (2) Características Operacionais do Sistema Metroferróviário Histórico de Acidentes no Sistema A Cultura A Linha A Via O Acidente O Trem - Jr West série O Operador do Trem A Reação do Público A Reabertura do Trecho QUAIS FORAM OS PRINCIPAIS PRECURSORES DOS ACIDENTES? SÍNTESE DOS ACIDENTES CONSIDERAÇÕES GERAIS CAPÍTULO 2 - GERENCIAMENTO DE CRISES Crise Incidente e Acidente Características Essenciais de uma Crise Graus de Ameaça Níveis de resposta Fases de uma Crise Gerenciamento de Crise Requisitos Básicos de um Plano de Atendimento em Emergência Definições Específicas

3 Situação Normal Situação Anormal Situação de Crise Plano de Gerenciamento de Crises Estrutura de Acionamento em Emergência EAE Planos de Atendimentos em Emergências PAE Centro de Gerenciamento de Crises CGC Sistema de Informações Centralizadas de Gerenciamento de Crises SGC Coordenação Local de Emergência CLE Reunião de Avaliação pós Crise - RAPC Coordenador Geral da Crise CG Coordenador Técnico CT Coordenador Local de Campo CLC CAPÍTULO 3 Configuração de um Plano de Emergência Configuração Seqüências da resposta emergencial Etapas estruturadoras Preparação Nivelamento Controle e Execução A Ação Inicial (Contenção e Isolamento) Coordenação Local de Emergência - CLE Centro de Gerenciamento de Crises Controle da Crise Síntese da Etapa de Controle e Execução Manutenção / Mitigação Pós-Crise / Recuperação Requisitos de um Plano de Atendimento de Emergência PAE CAPÍTULO 4 CONCLUSÃO ANEXO I MINDMAP AÇÕES COORDENADAS E VITAIS ANEXO II CENTRO DE GERENCIAMENTO DE CRISES - CGC REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 SINOPSE O presente trabalho pretende estimular a necessidade das Operadoras de Transporte sobre Trilhos adotarem programas de Gerenciamento de Crises, de maneira sistêmica e estruturada inserido na Política de Gerenciamento de Riscos das Companhias, em virtude da possibilidade de ocorrências de grandes repercussões de paralisações na sua prestação de serviço, cujos impactos comprometem a continuidade do seu principal negócio, assim como sua imagem perante a sociedade. Como forma de sensibilização, dois estudos de casos referentes a acidentes metroferroviários, acontecidos em Daegu Coréia do Sul e Tóquio Japão, foram analisados, os quais geraram a perda de vidas e danos dos seus ativos. Discorre também sobre os principais conceitos que sustentam o tema, ingressando no contexto de atendimento em situações de crises, apontando os princípios básicos de um Plano de Atendimento em Emergências, estabelecendo os aspectos relevantes de sua estruturação. Concluindo neste trabalho, a necessidade de uma visão prevencionista das empresas, sensibilizando uma consciência e capacidade de ação de seus colaboradores diante da ocorrência de eventos notáveis, recomendando um roteiro para abordagem do referido evento junto à mídia, além de apresentar uma ferramenta de gestão de tratamento da crise, estruturado e sistematizado num modelo de um Centro de Gerenciamento de Crises. 4

5 INTRODUÇÃO Infelizmente, um dos aspectos mais cruciais da sociedade moderna, é o fato de convivermos com incontáveis tragédias, patrocinadas pela exploração de maneira não sustentada da natureza, falhas humanas de toda sorte, não conformidades com sistemas, equipamentos e legislação vigentes (leis, normas, procedimentos), além da conjunção de pequenos fatores variados que não explicam mas conduzem a grandes catástrofes. O resultado trágico de tsunamis, acidentes aéreos, afundamento de plataformas e navios, quedas de pontes, viadutos e edifícios, vazamentos de produtos químicos, choques ferroviários entre outros, são a multiplicação de perdas de vidas, seqüelas físicas, emocionais e morais, enormes prejuízos financeiros e danos, muitas vezes irrecuperável, da imagem de uma empresa, construída ao longo de árduos anos de operação. O Gerenciamento de Riscos é a área do conhecimento humano que se ocupa da nobre, silenciosa, não reconhecida e não raras vezes considerada injustificada prevenção das referidas tragédias, de identificar os riscos e propor ações mitigadoras ou de se evitar os acontecimentos trágicos, os quais se têm presenciado com uma freqüência crescente. Porém, a natureza consumista, imediatista e veloz do mundo em que vivemos via de regra, colocam a questão da prevenção como custo e não como investimento de uma empresa, portanto, não figurando entre as prioridades estratégicas, em tempos de competitividade acirrada. Em que pese à natureza prevencionista do Gerenciamento de Riscos, as tragédias continuam e continuará a acontecer, ocasião em que ações integradas, devidamente coordenadas, com agilidade, espírito de equipe, treinamento e foco, poderão reduzir o número de vítimas fatais ou não, os prejuízos financeiros e preservar a continuidade da prestação dos serviços, impactando o mínimo possível a imagem de uma empresa. O Gerenciamento de Crises se apresenta como ferramenta de tratamento das ocorrências de natureza crítica. 5

6 CASE 01 CAPITULO 1 CASES 01 - Daegu Coréia do Sul 18/02/2003 Incêndio no Metrô de DAEGU - CORÉIA DO SUL Parentes aguardam identificação de vítimas COMO FOI O INCÊNDIO Um incêndio criminoso em uma estação do metrô matou mais de 130 pessoas na cidade de Daegu, sudeste da Coréia do Sul. Além dos mortos, 136 ficaram feridas e 99 desapareceram nesta terça-feira. A previsão é de que o número de vítimas fatais aumente consideravelmente e as autoridades acreditam que o número de mortos pode passar de 200. O fogo atingiu dois trens lotados na hora do rush, por volta das 10h da manhã (1h da manhã, hora de Brasília) e foi extinto cerca de três horas depois. A polícia prendeu Kim Dae-Hwan, que é apontado como suspeito de ser o autor do crime. Segundo as autoridades, ele conta com um histórico de problemas mentais. Algumas testemunhas disseram que Dae- Hwan colocou fogo numa embalagem de leite que continha um líquido inflamável e a jogou dentro de um vagão quando as portas do metrô estavam se fechando, o que impossibilitou que os passageiros saíssem. Logo após, um outro trem chegou à estação e também foi atingido pelo fogo, que já tinha dominado o primeiro veículo. No total, os trens levavam cerca de 400 passageiros. Os bombeiros encontraram diversos corpos carbonizados dentro dos veículos, que só terão identidade conhecida depois de exame de DNA. Eles fazem buscas nos metrôs para tentar salvar possíveis sobreviventes que estão presos nas ferragens. Os hospitais da cidade atendem inúmeros pacientes com graves intoxicações por causa depois da inalação da fumaça. Do lado de fora da estação, pessoas buscam informações de parentes que poderiam estar na estação na hora do crime. Alguns identificavam o nome de seus familiares na lista de mortos e se desolavam. Outros disseram ter recebido telefonemas de pedido de socorro por parte das vítimas minutos antes delas falecerem. O presidente da Coréia do Sul, Kim Dae-jung, enviou suas condolências às famílias das vítimas. As autoridades de Daegu disseram que mais de pessoas foram mobilizadas para combater o incêndio e socorrer as vítimas na estação de metrô, incluindo quase bombeiros. Daegu é uma cidade de 2,5 milhões de habitantes, que fica 320 quilômetros a sudeste de Seul, a capital. A cidade foi uma das sedes da Copa do Mundo de Futebol de 2002, e muitas obras e melhorias foram feitas para o evento. Fonte: INCENDIO+CRIMINOSO+NA+COREIA+DO+SUL+MATA+MAIS+DE.html 6

7 CASE 01 SEGURANÇA As autoridades sul-coreanas estão sendo acusadas de descuidar da infra-estrutura de segurança do metrô de Daegu. Um funcionário do metrô informou que o sistema de comunicação entrou em colapso depois do início do incêndio, impedindo que um outro trem fosse avisado antes de entrar na estação em chamas o que aumentou a escala da tragédia. De acordo com a imprensa local, não existiam no teto da estação os sprinklers (chuveirinhos), que deveriam ser acionados automaticamente em caso de fumaça. A energia elétrica da estação foi automaticamente cortada durante o incêndio, o que teria impedido os passageiros de abrir as portas dos vagões. Fonte: CRONOLOGIA DOS FATOS (1) 09h48min O Sr. Kim Dae-Hwan, 56 anos, taxista desempregado e com sérios distúrbios mentais, embarca no trem numero 1079 da única linha de metrô da cidade. Traz consigo uma embalagem de leite, de papelão, preenchida com um líquido inflamável (tiner) e um isqueiro. Naquela manhã, o Sr. Kim, sobrevivente da tragédia que provocou, segundo declarou depois, estava decidido a se suicidar e pensou que era melhor morrer com outras pessoas do que sozinho h52min O trem 1079 com o incendiário a bordo para na estação Joongang. Ali, este trem deveria ter parado por somente 30 segundos, mas não chegaria mais a sair desta estação. Durante a parada na estação, o Sr. Kim atirou sua garrafa ao chão do trem e ateou fogo ao líquido derramado. Passageiros tentaram reagir ao incidente, batendo suas jaquetas contra o foco de incêndio. Apesar deste trem de 6 carros contar com 2 extintores por carro, estes não chegaram a ser usados. Este incidente que evoluiu para uma tragédia deixou um saldo de 130 feridos e 134 vítimas fatais. Deste total, apenas 12 destas vítimas fatais estavam neste trem. Como e por quê houve uma perda de mais 122 vidas? 7

8 CASE 01 09h54min Dois minutos após seu início, tomam consciência do incêndio os operadores de uma sala de controle local na estação. Esta sala localizava-se no piso superior ao da plataforma e era denominada sala de controle de emergência. Esta era equipada com monitores de CFTV, com visão da plataforma abaixo e sistema de rádio-comunicação. Os operadores da sala de controle de emergência decidem então cortar a energia elétrica de tração dos trens e também a energia elétrica de iluminação da plataforma. 09h54min Em conseqüência, os passageiros que saíam do trem 1079, encontravam a plataforma cheia de fumaça e completamente às escuras. Declarações de sobreviventes dão conta de que era muito difícil encontrar a saída da estação. Sobreviventes declararam que se os agentes de estação tivessem dado aos passageiros algum direcionamento às saídas, eles não teriam tido dificuldade em achá-las. 09h55min Os operadores da sala de controle local da estação começaram a operar o sistema de ventilação, mas este não foi suficiente para dispersar a densa fumaça. Os operadores da sala de controle local comunicaram o Incêndio ao Centro de desastres Municipal, mas não o comunicaram ao Centro de Controle do Metrô, nem aos outros trens. Às 09:55 horas, exatamente, 1 minuto após o controle local já ter conhecimento do incêndio: 8

9 CASE 01 Com a rota corretamente alinhada pelo Centro de Controle do Metrô e validada pelo sistema de intertravamento, outro trem, de número 1080 que servia a outra via, parte da estação anterior em direção a estação Joongang... 09h56min Sem conhecimento do incêndio, o condutor, com o trem 1080, chega à estação, vê o fogo e notifica aos passageiros para se manterem calmos. Após o trem 1080 parar próximo do trem 1079 em chamas, o condutor tenta partir o trem novamente, mas a energia elétrica de tração havia sido cortada... O trem 1080 começa a pegar fogo imediatamente. 09h57min O condutor do trem 1080, Sr. Choi, sobrevivente, entra em pânico, e sai do trem, tirando a chave ao escapar, pensando que os passageiros tinham saído e fugido, segundo declaração posterior dada à polícia local. A retirada da chave fez com que o trem 1080 fechasse as portas, deixando os passageiros presos no seu interior. Apesar das equipes de resgate terem chegado logo em seguida, não puderam acessar imediatamente a estação devido aos gases tóxicos e o calor. As operações de resgate começaram somente três (3) horas e meia mais tarde. 9

10 CASE 01 As equipes de resgate encontraram quatro dos seis vagões do trem 1080 com as portas fechadas. Nesta composição foram encontradas 90% das vítimas fatais do incêndio. (1) Fontes: e Korea Times e BBC.Brasil.com 10

11 CASE Jr West Amagasaki Osaka (2) 25/04/05 - Descarrilhamento e choque contra edifício, de trem da JR West, provoca a morte de 107 pessoas e deixa 549 feridos 11

12 CASE 02 Características Operacionais do Sistema Metroferróviário trens em circulação; 60 milhões de passageiros por dia; Um dos mais seguros do mundo. Histórico de Acidentes no Sistema 1963: Trem de carga se choca com trem metropolitano descarrilhado em Tóquio, matando 161 pessoas; Abril de 1991: 42 mortos em colisão de dois trens próxima à Shigaraki; Março de 2000: Trem do Metrô de Tóquio se choca com trem descarrilado, matando 5 pessoas. A Cultura A cultura japonesa é bastante rígida quanto à pontualidade, com usuários que dependem freqüentemente de cronometragem próxima da perfeição, por parte de trens, para chegar diariamente ao trabalho na hora certa. Atrasos superiores a 6 segundos do Shinkansen não são tolerados, enquanto em outros países atrasos de 30 a 40 segundos são considerados normais. 12

13 CASE 02 Os operadores de trem recebem penalidades financeiras devido a atrasos na programação e são incluídos em programas de treinamento severos, considerados humilhantes; A Linha Em estações como a de Amagasaki (seria a próxima parada programada do trem) os trens se encontram na mesma plataforma para permitir às pessoas a transferência entre os trens expressos e locais, que correm na mesma linha. A Via O sistema automático ao longo da extensão onde o trem sofreu o acidente é um dos mais antigos do Japão e não possibilita parada de trens de altas velocidades. A legislação referente a edificações japonesas não regulamenta a distância entre as linhas de trem e os edifícios residenciais devido à elevada confiança na engenharia do sistema (linhas de trem passam freqüentemente a poucos metros de edifícios em áreas metropolitanas). 13

14 CASE 02 O Acidente Às 9:18, logo após a hora do pico, o trem de Serviço Rápido rumo à Doshisha-mae saiu dos trilhos na Linha de Fukuchiyama (JR Takarazuka Line), na região de Amagasaki, perto de Osaka, logo antes da estação Amagasaki e os dois primeiros carros se chocaram com um edifício de apartamentos. O operador poderia ter acelerado para compensar o tempo que perdeu, quando passou a estação anterior, por quarenta metros e teve de retornar. O trem estava atrasado em cerca de noventa segundos. 14

15 CASE 02 O Trem - Jr West série 207 Formado por sete carros e levando cerca de 700 passageiros; 4 carros descarrilaram; Foi registrada pelo trem a velocidade de 100km/h - superior ao limite de 70km/h para a curva onde ocorreu o acidente. O Operador do Trem Ryujiro Takami - 23 anos de idade: Considerado relativamente sem experiência pois estava na empresa há apenas 11 meses; Havia sido repreendido em 2004 por ter ultrapassado uma plataforma de estação em 100m; Havia sido repreendido duas vezes em seu emprego anterior como operador de trem. 15

16 CASE 02 A Reação do Público Muito da raiva do público foi dirigida para Takami, mas os relatos de que outros empregados da JR West foram para uma festa jogar boliche e golfe no dia do acidente, também transtornaram muitos dos parentes das vítimas que criticaram a companhia por ser insensível. O público também ficou furioso com a notícia de que dois funcionários da JR West que se encontravam no trem caminharam para longe do local sem oferecer ajuda para os feridos. A Reabertura do Trecho O trecho onde o acidente aconteceu, entre as estações Takarazuka e Amagasaki, foi reaberto para serviço no dia 19 de junho de As velocidades máximas foram reduzidas tanto nas seções retas como nas curvas próximas ao local do acidente, passando de 120 km/h nas seções retas e 70 km/h nas seções curvas, para 95 km/h e 60 km/h respectivamente. On April 25, 2005, a train of the Company caused a truly tragic accident of derailment, resulting in 106 fatalities and more than 500 injuries among the passengers. We pray for all the victims of the accident and would like to express our sincerest apology to their bereaved families. We also would like to express our sincerest apology to the injured passengers and wish them recover as soon as possible. We in all sincerity will exert our company-wide efforts to respond to those who suffered great trouble from the accident. We will take our all-out efforts to build a corporate culture of placing first priority on safety, in carrying out Safety Enhancement Plan that we formulated and reported to the Minister of Land, Infrastructure and Transportation on May 31, 16

17 CASE Although we have just started our effort, I pledge to exercise leadership so that management and all employees always remember to place first priority on safety and sincerely undertake actions with the utmost energy. From the first train on June 19, we resumed transportation service between Amagasaki and Takarazuka on the Fukuchiyama Line. Before resuming, we implemented full-scale preparations for securing safety, including installation of ATS-Ps and revision of timetable accompanied by crew training. Furthermore, as a railway operator, we promise to act incessantly on the basis of safety-first in the future. We understand we have a long and tough way to go to restore the confidence. We, however, will never fade the memory of the accident and will continue our effort to regenerate safe railway that is trusted by all customers. Simultaneously, we would like to express our sincerest apology to the commuters and any other train users along the line for any inconvenience we have caused them for a prolonged period. We would appreciate it if you kindly understand our future effort. June 19, 2005 Takeshi Kakiuchi President and Representative Director (2) Fonte: Parte da apresentação realizada na CPTM, pelo Engº Wilmar Fratini MetrôSP. 17

18 CASES - ANÁLISE QUAIS FORAM OS PRINCIPAIS PRECURSORES DOS ACIDENTES? CASE 01 Falta de Procedimentos Operacionais e Planos de Contingência: Desligamento da iluminação da estação; Desligamento da energia de tração dos trens; Rota concedida ao segundo trem após o conhecimento do incêndio; Retirada da chave do segundo trem; Comunicação Ineficaz entre: Centro de Controle Equipes de Atuação e usuários Ausência de Sistemas de Gerenciamento de Riscos; Ausência de resposta reativa eficaz; Material altamente inflamável presente na estrutura do Trem Falta de Treinamento em situações de Crises e Simulados; CASE 02. Pressão Cultural (Horário Atraso); Reincidente em falha operacional. SÍNTESE DOS ACIDENTES A falta de treinamento, de informação e de procedimentos protocolares para identificação da crise na estação / CCO local aumentou a severidade do acidente; a falta de um adequado protocolo de acesso ao fogo voltado para a segurança contribuiu para a severidade do acidente; e a inobservância dos bombeiros às recomendações de segurança, não levando em conta um grande gama de riscos em tais situações, aumentou a severidade do acidente. 18

19 CASES - ANÁLISE A falta de um plano de emergência efetivo foi o principal agravante da catástrofe. Poderia nunca ter sequer iniciado se providências que constam de planos de emergência estivessem em prática. A pressão de cumprimento de Horário, fator cultural, foi causa principal do desencadeamento do acidente, evento de topo descarrilamento no case 02. CONSIDERAÇÕES GERAIS A observação dos casos relatados, dentre outros, registrados na modalidade Metrô- Ferroviário permite tecer e clarificar pontos comuns e críticos como: o despreparo dos empregados (falta de treinamento e da pratica constante de simulados quiméricos ou em escala real) falta de informação, comunicação qualificada, implementações de campanhas de Orientação e Alerta com a comunidade lindeira das ocorrências de gravidade considerável, ou seja, relevantes envolvendo a modalidade de risco social. Cabe lembrar que a sociedade, numa abrangência global, está cada vez mais organizada e exigente quanto à cobrança dos serviços prestados pelas Operadoras de Transporte sobre Trilhos. O Desafio maior não está só na gravidade das ocorrências relevantes registradas e veiculadas na mídia sobre acidentes e incidentes. O maior é, frente a este universo de eventos indesejáveis, o desconhecimento ou o como atuar e proceder a ações que mitiguem, com resposta rápida ao atendimento emergencial e de controle, os referidos eventos. Ao ocorrer um acidente, exemplificados nos casos acima, onde testemunhas oculares, transeuntes e agentes dos órgãos de apoio e socorro, estarão diante de uma situação totalmente desconhecida e ignorada, ao se aproximarem para a retirada de vítimas fatais e não fatais, com possibilidade de contaminação, explosão ou outras conseqüências graves, o farão com base na fraternidade, porém com total ignorância de procedimentos em situação de emergência. 19

20 CASES - ANÁLISE Cabe lembrar que países considerados desenvolvidos, com visão prevencionista já implantada e aceita pela comunidade em geral, assistem a agravamentos de acidentes devido à ignorância sobre os procedimentos frente a situações específicas, como no caso de Tokyo. Percebe-se que, nos últimos anos, uma crescente preocupação das autoridades, de ONGs e de instituições governamentais, buscam disciplinar legalmente o PROCESSO DE CRISE. Pode-se observar, como constatação as declarações abaixo da ALAMYS E UITP, reforçado pelos congressos e Seminários ao redor de todo o mundo sobre Segurança. A Segurança na sua amplitude é considerada um dos pilares fundamentais nas atividades dos metrôs e trens metropolitanos, devendo estar presente nos aspectos relacionados com a Segurança na Circulação, Segurança Pública, Prevenção ao Terrorismo, Proteção Civil, Prevenção de Riscos Laborais, Saúde Ocupacional, Segurança na Construção e Segurança do Meio Ambiente. Associação Latino-Americana de Metrôs e Subterrâneos ALAMYS A busca constante de implementações para uma cultura prevencionista deve fazer parte dos valores essenciais da Companhia. Conseqüentemente uma estrutura organizacional de Gerenciamento deve ser desenvolvida e mantida. União Internacional dos Transportes Públicos UITP A falta de uma cultura prevencionista reflete numa carência de conscientização da sociedade, sobre o tema: A veiculação pela mídia, aproveitando seu potencial de agente educador de Segurança, sobre como reagir ao inesperado, como observa-se no site do Metro de Nova York, ( consulte SITE e do Metrô São Paulo (consulte SITE 4/12/ Metrô terá simulação de incêndio salvamento na estação São Joaquim), é uma prática absolutamente necessária. 20

21 CASES - ANÁLISE Em síntese, este trabalho tem por objetivo, conceituar e fornecer conhecimentos sobre os elementos essenciais para estruturação de Planos de Atendimento em Emergência, procurando trazer uma maior integração entre o Gerenciamento de Riscos e o Gerenciamento de Crises na sua plenitude dos contextos ouvido, visto e sabido, utilizando para isto, a experiência e prospecção em outras empresas como referenciais do processo. 21

22 CAPÍTULO 2 - GERENCIAMENTO DE CRISES 2.1 Apresenta-se alguns conceitos sobre o tema, tendo-se como referencia várias fontes consagradas: Crise Aurélio, dicionário. Fase difícil (grave) na evolução das coisas, dos sentimentos, dos fatos; colapso. Parte de transição entre uma época de prosperidade e outra de depressão. Dicionário Webster Um ponto ou Situação crucial ou decisiva. Peter Sarna Qualquer situação, evento, série de circunstâncias, incidente ou condição que tenha as seguintes características: Apresenta uma séria ameaça; Desvia recursos significativos; Exige coordenação em nível de cadeia de comando. F.B.I. Evento ou situação crucial que exige uma resposta especial a fim de assegurar uma solução aceitável Incidente e Acidente Jaques Sherique assim diferenciou os termos: Incidente: um acontecimento não desejado ou não programado que venha a deteriorar ou diminuir a eficiência operacional de uma empresa. Acidente: Um acidente é o evento não desejado que tem por resultado uma lesão ou enfermidade a um trabalhador ou um dano a propriedade. 22

23 O autor classifica os incidentes como quase acidentes Características Essenciais de uma Crise Imprevisibilidade (pode acontecer a qualquer momento); Urgências (requer respostas imediatas - compressão do tempo); Ameaça a vida (quase sempre carrega um potencial de ameaça às vidas humanas); Requer aplicação de múltiplos recursos especializados, em tarefas simultâneas; Ambiente carregado de stress Graus de Ameaça 1º Grau Alto risco: Interrupção parcial ou total das atividades operacionais; 2º Grau Altíssimo risco: Ameaça concreta a vida; 3º Grau Ameaça extraordinário: Ameaça à vida ou à continuidade da operação que exigem respostas especializadas. 4º Grau Ameaça exótica: Ameaças produzidas por agentes químicos, bacteriológicos, ambientais entre outros, os quais exigem uma resposta específica levadas a efeito por recursos externos Níveis de resposta Nível 1: A crise exige respostas implementadas por recursos locais de rotina. Nível 2: A crise exige respostas implementadas por recursos locais especializados, devidamente coordenados. Nível 3: A crise exige respostas implementadas em níveis anteriores acrescida por recursos externos especializados. Nível 4: A crise exige respostas implementadas em níveis anteriores acrescida por recursos externos específicos Fases de uma Crise 23

24 1. Pré-evento: estabelecimento de Planos de Contingência. 2. Resposta imediata: Adoção de medidas técnicas definidas em planejamento prévio, com objetivo de mitigar as conseqüências da crise. Respostas tardias ou mal preparadas podem ser mais danosas que a própria crise. 3. Implementação das ações de socorro às vítimas 4. Contenção do ambiente garantindo a estabilidade e imobilidade da crise. Isolamento da crise, criando um ambiente propício para as ações de Gerenciamento. 5. Plano específico: Critérios de aplicação dos recursos identificados para a solução da crise ou Plano de Contingência. 6. Solução: Garantir o restabelecimento da normalidade operacional e assistência às vítimas da crise. 7. Fase posterior ao evento: Avaliação crítica das causas do evento crítico, análise do plano de contingência e avaliação do desempenho das equipes empenhadas na resolução da crise Gerenciamento de Crise É o processo de identificação, obtenção e aplicação dos recursos necessários à antecipação, prevenção e resolução de uma crise Requisitos Básicos de um Plano de Atendimento em Emergência Os problemas associados a ações emergenciais envolvendo situações de crises são, em resumo, grandes e complexos. Dividindo estes grandes eventos em uma série de pequenos eventos, interligados e buscando a solução de cada um deles setorialmente, poderá propiciar aos envolvidos tomarem decisões e ações mais eficientes e eficazes no âmbito da referida situação, tendo-se entendimento do panorama global mais clarificado. 24

25 Colocando cada peça da crise em seu devido lugar, no mesmo processo de aprendizado de quebra-cabeça, possibilitando de maneira pedagógica, ver e entender toda a configuração de Plano de Atendimento Emergencial.. Para elaborar um Plano de Atendimento Emergencial devemos estabelecer, inicialmente, quais os requisitos de cada etapa deste plano, possibilitando assim uma maior concentração de esforços para a resolução da crise que inviabilizem ou dificultem o atendimento aos requisitos de segurança e atendimento emergencial Definições Específicas Os termos definidos abaixo clarificam o uso da linguagem técnica, mencionados neste trabalho, aplicados ao Sistema de Transporte Sobre Trilhos, visando melhor compreensão e uniformização de comunicação de entendimento. Cabe lembrar que é vital numa empresa o entendimento e divulgação dos termos utilizados em um evento crítico, em razão da comunicação protocolar a ser praticada em situações de crises, facilitando este processo, que é um gargalo nestas situações de predomínio de elevado nível de pressão e tensão Situação Normal Condição de operação contínua do sistema no processo Ciclo da Prestação de Formatados: Marcadores e numeração Serviço do Sistema de Transporte Sobre Trilhos - STST Situação Anormal Condição de degradação da operação com paralisações parciais, estabelecidas por Formatados: Marcadores e numeração incidentes, acidentes de pequena monta ou intervenções programadas na infra-estrutura que afetem o processo Ciclo da Prestação de Serviço do STST Situação de Crise Qualquer situação em condições operacionais especiais ou emergenciais que Formatados: Marcadores e numeração ultrapasse o domínio patrimonial e operacional da Companhia, que cause danos em vidas humanas (vitimas não fatais e fatais), prejuízos ao meio-ambiente e ativos da empresa, 25

26 gerando impactos negativos à sua imagem, refletindo no equilíbrio econômico-financeiro e na capacidade de continuidade da prestação dos serviços de transporte Plano de Gerenciamento de Crises Plano que estabelece papéis, atribuições, responsabilidades e ações a serem Formatados: Marcadores e numeração adotadas durante uma situação de crise com o objetivo de minimizar o seu impacto na organização Estrutura de Acionamento em Emergência EAE Estrutura que estabelece as áreas que devem ser acionadas em situações de crises Formatados: Marcadores e numeração no horário comercial da empresa e principalmente fora dele Planos de Atendimentos em Emergências PAE São os conjuntos de procedimentos coordenados a serem aplicados em respostas às Formatados: Marcadores e numeração situações de crises. Validados principalmente pelas áreas de supervisão e rastreamento dos veículos ferroviários, tração, estações, segurança pública e Atendimento aos Usuários, descrevendo com clareza as responsabilidades de atuações de cada equipe Centro de Gerenciamento de Crises CGC Sala preferencialmente localizada no Centro de Controle Operacional CCO da Formatados: Marcadores e numeração empresa, dotada da infra-estrutura necessária para o gerenciamento da crise Sistema de Informações Centralizadas de Gerenciamento de Crises SGC Formatados: Marcadores e numeração Sistema de informações e dados, contemplando os recursos necessários para subsidiar a tomada de decisão, supervisão e agilidade na atuação pelo Coordenador Geral da Crise, Coordenador Local e equipes envolvidas Coordenação Local de Emergência CLE Local próximo à ocorrência que deverá ser estruturado para subsidiar as equipes Formatados: Marcadores e numeração envolvidas na crise. 26

6 - Gerenciamento de Risco através de Sistema de Controle Integrado

6 - Gerenciamento de Risco através de Sistema de Controle Integrado Segurança na Ferrovia-Roteiro da Apresentação 1 - Estudo de Caso - Metrô de Daegu 2 - Pós-análise 3 - Incidentes de Riscos: Classificação Qualquer um pode ver um incêndio florestal. A habilidade reside

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Plano de continuidade de negócios

Plano de continuidade de negócios Plano de continuidade de negócios Plano de continuidade de negócios INTRODUÇÃO "O seguro vai cobrir tudo, certo?" Infelizmente, não é bem assim. A NECESSIDADE DE PLANEJAR Crises acontecem. Todos os anos

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM

Leia mais

GESTÃO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMUNICAÇÃO AMBIENTAL EM ACIDENTES DE TRANSPORTE

GESTÃO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMUNICAÇÃO AMBIENTAL EM ACIDENTES DE TRANSPORTE GESTÃO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMUNICAÇÃO AMBIENTAL EM ACIDENTES DE TRANSPORTE Planos de emergência ISO 14001 Emergências ambientais Resultados ambientais Crises ambientais NORMA ISO 14001

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência.

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência. INTRODUÇÃO Em virtude do grande número de vítimas que os incêndios tem causado nos locais de maior concentração humana, principalmente edifícios e, tendo como causas principais à falta de conhecimento

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE RISCO E COORDENAÇÃO DE STAKEHOLDERS NA GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS

COMUNICAÇÃO DE RISCO E COORDENAÇÃO DE STAKEHOLDERS NA GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS COMUNICAÇÃO DE RISCO E COORDENAÇÃO DE STAKEHOLDERS NA GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS Outubro, 2014 Agenda... Introdução Comunicação Corporativa & o Risco de Imagem Perfil dos Stakeholders em Áreas Contaminadas

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO DE EMERGÊNCIA FILIAL DUQUE DE CAXIAS ANO BASE 2009 1. INTRODUÇÃO Todas as instalações que operem com derivados de petróleo devem possuir um PLANO DE EMERGÊNCIA para controle

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

COMISSÃO MUNICIPAL PARA O TRANSPORTE DE CARGAS PERIGOSAS PLANO DE EMERGÊNCIA PARA O ATENDIMENTO A ACIDENTES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

COMISSÃO MUNICIPAL PARA O TRANSPORTE DE CARGAS PERIGOSAS PLANO DE EMERGÊNCIA PARA O ATENDIMENTO A ACIDENTES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMISSÃO MUNICIPAL PARA O TRANSPORTE DE CARGAS PERIGOSAS PLANO DE EMERGÊNCIA PARA O ATENDIMENTO A ACIDENTES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1. INTRODUÇÃO No município de São Paulo registra-se diariamente

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

COMUNICADO COMUNICADO REFERENTE ÀS PLATAFORMAS DE EMBARQUE, DESEMBARQUE E LOCAIS DE ACESSO AO METRÔ-DF

COMUNICADO COMUNICADO REFERENTE ÀS PLATAFORMAS DE EMBARQUE, DESEMBARQUE E LOCAIS DE ACESSO AO METRÔ-DF COMUNICADO COMUNICADO REFERENTE ÀS PLATAFORMAS DE EMBARQUE, DESEMBARQUE E LOCAIS DE ACESSO AO METRÔ-DF O Colégio Militar Dom Pedro II informa aos pais, responsáveis, servidores, monitores, professores

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar

Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Carta de Santos O que ocorreu e o que precisa mudar Aos vinte dias de maio do ano de dois mil e quinze, realizou-se na Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos - AEAS o fórum Incêndio Alemoa O

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO

NPT 032 PRODUTOS PERIGOSOS EM EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 032 Produtos perigosos em edificações e áreas de risco CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RESUMO DO ARTIGO Este artigo se propõe a apresentar uma panorâmica do uso da Segurança da Informação e sua importância como diferencial competitivo

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP

Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP Alinhando ABNT-NBR-ISO/IEC 17799 e 27001 para a Administração Pública -USP César Augusto Asciutti Agência USP de Inovação, São Paulo (SP), 3091-2933, asciutti@usp.br Resumo Este artigo apresenta uma breve

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto A Prefeitura, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), da CET-Rio e da Concessionária

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Introdução PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO Por Edson Haddad Os estudos de análise de risco são considerados como importantes ferramentas de gerenciamento, tanto sob o ponto de vista ambiental, como

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS Barbosa, Maria Beatriz; Fortes, Melissa Belato; Fischer, Ligia C. Projeto de Estações e Gestão dos Serviços de Transporte A gestão das estações

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

A tendimento Emergencial Gerenciamento de riscos no transporte terrestre de produtos perigosos

A tendimento Emergencial Gerenciamento de riscos no transporte terrestre de produtos perigosos A tendimento Emergencial Gerenciamento de riscos no transporte terrestre de produtos perigosos Ronaldo de Oliveira Silva; Técnico ambiental do Setor de Operações de Emergência da Cetesb - Companhia de

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE: Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas Concessionárias de Serviços Públicos de Transporte Ferroviário de Cargas, no transporte de produtos perigosos, nos trechos da malha ferroviária. A Diretoria

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 02/03/29 Página 1 de 23 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 02/03/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R STMA / RMGC APROVAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SSTMA / SFL ANÁLISE

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES GESTÃO DE DESASTRES A expressão gestão de desastres foi recentemente conceituada pela Estratégia Internacional para a Redução de Desastres,

Leia mais

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES 10 COMUNICAÇÕES O gerenciamento das comunicações do projeto é a área de conhecimento que emprega os processos necessários para garantir a geração, coleta, distribuição, armazenamento, recuperação e destinação

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

SP 01/04/91 NT 128/91

SP 01/04/91 NT 128/91 SP 01/04/91 NT 128/91 Gerenciamento de Grandes Eventos Antonio Carlos Rissardo (DO) Marco Aurélio Reginatto (GET 5) Maria Cecília Figueiredo de Toledo (GDT) Marta Maria Alcione Pereira (AA) Milton Roberto

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 1. INTRODUÇÃO O presente anexo busca delimitar e detalhar as atividades e serviços sob responsabilidade da CONCESSIONÁRIA no âmbito

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais