COMUNICAR A TRANSPORTES METROPOLITANOS DO PORTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAR A TRANSPORTES METROPOLITANOS DO PORTO"

Transcrição

1

2 ENQUADRAMENTO A INTEGRAÇÃO DA METRO DO PORTO E DA STCP E A PERSPECTIVA DE PRIVATIZAÇÃO COMUNICAR A TRANSPORTES METROPOLITANOS DO PORTO ANÁLISE OBJECTIVOS MENSAGENS-CHAVE ACÇÕES A DESENVOLVER

3 ENQUADRAMENTO A INTEGRAÇÃO DA METRO DO PORTO E DA STCP E A PERSPECTIVA DE PRIVATIZAÇÃO A presente proposta visa apresentar um plano de PR com vista à integração das Marcas Metro do Porto e STCP numa única entidade gestora a Transportes Metropolitanos do Porto prevista no Plano Estratégico de Transportes (PET). A Metro do Porto detém a concessão da rede de Metropolitano da Área Metropolitana do Porto (6 linhas, 67 km de extensão, 81 estações e 7 concelhos servidos). Com 11 anos de operação comercial, a Metro do Porto apresenta uma elevada taxa de satisfação do cliente e caracterizase pela modernidade, fiabilidade e profissionalismo, não existindo qualquer registo de instabilidade laboral ou memória de greves. Por outro lado, a STCP (Sociedade de Transportes Colectivos do Porto) que opera a rede de autocarros e eléctricos do Porto, é uma empresa centenária e uma marca histórica da cidade. Ao contrário do que acontece com a Metro do Porto, a instabilidade laboral por vezes registada afecta a imagem da empresa, pondo em causa os seus valores de responsabilidade social, competência e proximidade ao cliente. A integração de ambas as marcas numa única entidade gestora, prevista no PET, é bastante polémica e tem sido amplamente discutida na comunicação social, havendo informação difusa e pouco clara sobre o assunto. É importante realçar que esta integração está intrinsecamente ligada ao processo de concessão de transportes públicos a privados, uma vez que o Governo Português decidiu que haverá apenas dois concursos, agregando as redes de metropolitano e autocarro de Lisboa e Porto. Para além da inevitável especulação relativa a modelos a adoptar e a potenciais investidores, habitual em todos os processos de privatização, outros temas alimentam a polémica na comunicação social. Neste cenário, a delineação e execução de uma correcta estratégia de comunicação para o lançamento da Transportes Metropolitanos do Porto assume especial relevância. A dimensão e reconhecimento público da Metro do Porto e da STCP, em paralelo com a necessidade de proximidade com clientes e stakeholders, tornam imprescindível uma comunicação coerente, clara e que desmistifique eventuais questões que possam gerar dúvidas e causar polémica.

4 - ANÁLISE Como foi já referido, a Transportes Metropolitanos do Porto passará a ser a entidade responsável pela gestão da Metro do Porto e da STCP, pelo que incorporará as forças e fraquezas de ambas as marcas comerciais. Desta forma, é muito importante que a estratégia de comunicação desta nova entidade procure manter e reforçar os valores positivos de cada uma das marcas, transportando-os para a nova entidade, e procure minimizar, ao máximo os aspectos mais negativos das mesmas. FORÇAS Tradição e história da STCP na cidade do Porto Modernidade, fiabilidade e profissionalismo da Metro do Porto Proximidade de ambas as empresas em relação ao cliente Infra-estruturas, frotas e carruagens modernas Os resultados operacionais das empresas têm vindo a registar uma melhoria significativa FRAQUEZAS Integra o sector empresarial do Estado Perspectiva de privatização Conflitos laborais consubstanciados pela influência interna de alguns sindicatos Envolvimento no caso dos SWAPS

5 - OBJETIVOS A comunicação da Transportes Metropolitanos do Porto requer: - que os stakeholders entendam o que é a Transportes Metropolitanos do Porto e como funciona; - que a Transportes Metropolitanos do Porto entenda o que procuram os jornalistas, como difusores de informação; - que a Transportes Metropolitanos do Porto entenda o que procuram os investidores para melhor definirem uma estratégia das suas carteiras - de títulos; - que a Transportes Metropolitanos do Porto entenda as exigências das entidades reguladoras, nacionais e internacionais; - que a Transportes Metropolitanos do Porto saiba chegar ao público em geral de forma adequada e eficaz. A estratégia de comunicação deverá ter como objectivo: Lançar e posicionar a Transportes Metropolitanos do Porto junto dos stakeholders Demonstrar a sua importância para o mercado Enaltecer a qualidade da equipa de gestão e dos serviços prestados Desmistificar os receios que advêm da integração da Metro do Porto e da STCP numa única entidade

6 - MENSAGENS-CHAVE Em termos de comunicação, a Transportes Metropolitanos do Porto deve posicionar-se através das seguintes mensagens-chave: Transportes Metropolitanos do Porto Estabilidade de gestão Aproveitamento de sinergias entre a Metro do Porto e a STCP Prestação de um melhor serviço ao cliente Sector responsável Utilização mais eficiente dos recursos Conhecimento das melhores práticas

7 - ACÇÕES A DESENVOLVER Teaser No período que antecede o lançamento da Transportes Metropolitanos do Porto (cerca de duas semanas antes) deverá ser lançado um teaser, utilizando, por exemplo, como suporte as paragens da STCP e do Metro, onde figurará apenas o novo slogan da empresa. Sugerimos que este slogan seja Juntos, o Porto fica mais perto. Pretende-se que este momento aguce a curiosidade da população do Porto e a expectativa em relação ao que será anunciado. Conferência de Imprensa de lançamento da nova entidade Para dar o pontapé de saída do lançamento da nova empresa- Transportes Metropolitanos do Porto consideramos imprescindível a realização de uma conferência de imprensa onde será apresentada a nova entidade e os seus objectivos. Para que tal seja impactante, sugerimos que a mesma tenha lugar num local com clara conotação às duas marcas. Por exemplo: convocar os membros dos órgãos de comunicação social a estar a x horas na sede da STCP onde um autocarro da empresa os levará para um local da Metro do Porto onde a conferência terá lugar dentro de uma carruagem. Assim, o efeito surpresa permitirá demonstrar o entrosamento que se pretende com a coabitação de ambas as empresas sob uma gestão comum. Para que a harmonia desta operação seja visível, seria fulcral contar com a presença de um membro do governo- por exemplo o Secretário de Estado dos Transportes- assim como membros da Câmara Municipal do Porto. Adicionalmente, deverá ser preparado um Press Kit para ser distribuído aos jornalistas no local onde devem constar todas as mensagens-chave que se pretende difundir. Entrevista do CEO a um meio de referência Paralelamente à conferência de imprensa, deverá ser seleccionado um meio de referência nacional para uma grande entrevista do CEO. Esta entrevista terá um enfoque puramente institucional e terá como objectivo incrementar o interesse de potenciais candidatos ao processo de concessão. Criação de um vídeo em gráficos animados Propõe-se a criação de um vídeo em gráficos animados sobre a operação de integração das duas marcas, com recurso a números, gráficos, imagens, voz-off apelativa para divulgação nos websites da Metro do Porto e da STCP e nas redes sociais.

8 - ACÇÕES A DESENVOLVER Campanha Q&A Após o lançamento da Transportes Metropolitanos do Porto, deverá ser realizada uma campanha de esclarecimento em formato Q&A, sendo utilizadas as estações, paragens e suportes existentes dentro das carruagens de metro, autocarros e eléctricos. De forma simples e objectiva, deverão ser seleccionadas três ou quatro questões com respectivas respostas, de forma a esclarecer os utentes. Criação de um ou de um espaço nos websites das duas marcas para envio de dúvidas Para além da campanha Q&A sugerida, e de forma a evitar que os utentes tenham alguma dúvida adicional sobre a integração da Metro do Porto e da STCP numa única entidade, somos da opinião que deverá ser criado um ou criado um espaço nos websites de ambas as marcas onde os utentes poderão colocar as suas dúvidas em relação a esta integração para posterior resposta da entidade. Este /espaço deverá ser mencionado nos cartazes da campanha Q&A. Promoção de peças sobre a nova entidade em meios nacionais e regionais Nos meses a seguir ao lançamento da Transportes Metropolitanos do Porto, deverão ser promovidas peças junto dos meios nacionais e regionais sobre a nova entidade, de forma a assegurar que toda a população servida pela rede de metro, autocarros e eléctricos da Área Metropolitana do Porto fica esclarecida sobre a operação. Há, assim, que ter em conta que o target que queremos atingir é muito diversificado, pelo que nenhum meio - nacional ou regional - deverá ser descurado. Promoção de peças de televisão sobre a evolução dos transportes na Área Metropolitana do Porto Deverão também ser promovidas peças televisivas sobre a evolução dos transportes na Área Metropolitana do Porto, demonstrando a sua importância e a sua adaptação à nova realidade. Assim, é fundamental uma cooperação activa com os meios televisivos no que respeita a cedência de materiais e documentação.

9 - ACÇÕES A DESENVOLVER Criação de newsletter digital semanal, dirigida aos utentes, para divulgação de notícias da empresa e promoção de eventos na cidade Para criar uma relação de proximidade com os utentes dos serviços da Metro do Porto e da STCP, já sob a chancela da Transportes Metropolitanos do Porto, sugerimos a criação de uma newsletter digital semanal para divulgação de notícias da empresa e respectivas marcas e promoção de eventos na Área Metropolitana do Porto a decorrer na semana em vista. A newsletter deve ser enviada para a base de dados de clientes e parceiros de ambas as marcas. Jornal mensal gratuito para distribuição no metro e nos autocarros Aproveitando os melhores conteúdos das newsletters semanais, consideramos que deverá ser criado um jornal da Transportes Metropolitano do Porto, de periocidade mensal, a ser distribuído no metro e nos autocarros. Criação de uma aplicação da Transportes Metropolitanos do Porto Numa fase em que o mundo digital ganha cada vez mais importância devido à proliferação de dispositivos móveis inteligentes, consideramos que é fundamental a criação de uma aplicação da Transportes Metropolitanos do Porto que integre a já existente imetroporto e a complemente com conteúdos da STCP. Esta aplicação deverá planear as rotas aos utentes, jogando com a interacção entre os serviços disponibilizados pelas marcas. Criação de uma página no Facebook da Transportes Metropolitanos do Porto Consideramos também indispensável a criação de uma página de Facebook da Transportes Metropolitanos do Porto que agregue conteúdos relativos à Metro do Porto e à STCP, de forma a criar uma interacção saudável com os internautas nesta rede social. Criação do Roteiro Turístico Transportes Metropolitanos do Porto Sugere-se a criação de um Guia Turístico, composto por diversas fichas individuais, em que cada ficha está ligada a uma estação/paragem. Estas fichas deverão conter dicas de lazer, nomeadamente restaurantes aconselhados, locais para compras, museus, monumentos, etc. Este roteiro poderá ser elaborado em parceria com outras entidades que tenham interesse em estar presentes no Guia e deverá ser vendido ao público por um valor simbólico.

10 - ACÇÕES A DESENVOLVER Organização da I Corrida Transportes Metropolitanos do Porto De forma a apelar a uma vida mais saudável, e aproveitando um fenómeno que tem ganho muitos adeptos nos últimos tempos, consideramos que se deverá organizar a I Corrida Transportes Metropolitanos do Porto que deverá ter o seu início e fim em locais emblemáticos das duas marcas. Realização de exposição de fotografias sobre a história e evolução das duas marcas Utilizando como suportes as paragens de metro e autocarro, sugerimos a realização de uma exposição de fotografias sobre a história e evolução das duas marcas. Esta exposição deverá ter dois momentos: um primeiro em que seriam utilizadas as fotografias que constam do espólio da Metro do Porto e da STCP; e um segundo momento em que seriam utilizadas as fotografias que os utentes enviassem para um , criado para o efeito. Ao abrir esta exposição à participação dos utentes personificar-se-ia a exposição. Realização de concurso dirigido a jovens artistas para decoração do metro e autocarros De forma a fomentar a arte urbana e a adaptação dos meios de transportes em questão aos dias que correm, consideramos que se deverá desenvolver um concurso dirigido a jovens artistas. Os melhores trabalhos teriam a oportunidade de concretizar a sua arte no metro e autocarros. Criação de uma campanha Segurança nos Transportes dirigida ao público infantil De forma a atingir um target infantil (futuros utentes dos transportes) e os respectivos familiares, sugerimos a criação de uma campanha promovida pela Transportes Metropolitanos do Porto com enfoque na segurança do público infantil nos transportes. Para além de um guia onde constassem pequenas dicas de segurança dirigidas ao público mais novo, cujo download pudesse ser feito nos websites das marcas, consideramos que deverão ser realizadas acções pontuais de prevenção (realizadas pelos próprios colaboradores) no metro e autocarros. Desenvolvimento de acções de responsabilidade social que envolvam os trabalhadores das duas marcas A integração da Metro Porto e da STCP numa só entidade não poderá descurar o envolvimento dos colaboradores de ambas as marcas. Assim, consideramos que deverão ser promovidas acções de responsabilidade social que contem com a participação dos colaboradores das duas marcas e posterior divulgação destas acções na newsletter e jornal. Poderá também ser dirigido convite a um órgão de comunicação social para acompanhar uma destas acções.

ENQUADRAMENTO OBJETIVO ANÁLISE DESAFIO. Integração das empresas Metro do Porto e STCP na entidade Transportes Metropolitanos do Porto

ENQUADRAMENTO OBJETIVO ANÁLISE DESAFIO. Integração das empresas Metro do Porto e STCP na entidade Transportes Metropolitanos do Porto ENQUADRAMENTO OBJETIVO Integração das empresas Metro do Porto e STCP na entidade Transportes Metropolitanos do Porto ANÁLISE Não há memória de greves no Metro do Porto CONFIANÇA Antiguidade e tradição

Leia mais

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura Espaço de Arquitectura O Espaço de Arquitectura é um portal dedicado à Arquitectura em Portugal, que assumiu o seu posicionamento em 2010, com o propósito de privilegiar a proximidade entre arquitectos

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

comunicação & marketing

comunicação & marketing A glow é uma empresa especializada em comunicação integrada, criada para dar resposta às necessidades específicas das empresas, associações e instituições que operam nos sectores dos transportes e logística,

Leia mais

SESSÃO "SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 2015" RELATÓRIO FINAL

SESSÃO SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 2015 RELATÓRIO FINAL SESSÃO "SEMANA EUROPEIA DA ENERGIA SUSTENTÁVEL 015" RELATÓRIO FINAL ENQUADRAMENTO No âmbito da Semana Europeia da Energia Sustentável (15 a 19 de Junho de 015),, a Câmara Municipal de Lisboa e a Lisboa

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

Concurso de Ideias. Congresso Ibérico de Jovens Engenheiros

Concurso de Ideias. Congresso Ibérico de Jovens Engenheiros Congresso Ibérico de Jovens Engenheiros Braga, Maio 2012 REGULAMENTO O Prémio rege-se pelo presente regulamento, sendo o Júri soberano na sua interpretação, aplicação, e resolução de eventuais lacunas.

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Apresentação Programas de Apoio

Apresentação Programas de Apoio Apresentação Programas de Apoio Índice Programa MOP APOIO SOCIAL Introdução Suportes para apoio Redes formatadas Descrição Tabela de custos Outros formatos Descrição Tabela de custos Contatos 2 4 5 7 12

Leia mais

Em dúvida do que fazer em 2012?

Em dúvida do que fazer em 2012? { Em dúvida do que fazer em 2012?? Anuncie no jornal {O Polifônico!!! Pesquisas comprovam: O jornal O Polifônico tem o público leitor mais crítico de Rio das Ostras. Saiba mais em breve. Mídia Kit 2012

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

Programa de Promoção Turística e Cultural

Programa de Promoção Turística e Cultural Programa de Promoção Turística e Cultural Sintra encontra-se em 11º lugar no ranking dos 50 melhores lugares a visitar, nas escolhas dos leitores do jornal New York Times? Sintra é uma das 21 finalistas

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

CONNECTING IDEAS. www.lusocom.pt

CONNECTING IDEAS. www.lusocom.pt CONNECTING IDEAS PRESS KIT 2009 A AGÊNCIA quem somos somos quem A LUSOCOM é uma Agência de Comunicação, Marketing e Relações Públicas que actua nas mais variadas áreas do universo comunicativo. Além de

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Conferência de Imprensa Apresentação do Congresso aos Meios de Comunicação Social Horácio Pina Prata Presidente da Direcção da ACIC

Conferência de Imprensa Apresentação do Congresso aos Meios de Comunicação Social Horácio Pina Prata Presidente da Direcção da ACIC Conferência de Imprensa Apresentação do Congresso aos Meios de Comunicação Social Horácio Pina Prata Presidente da Direcção da ACIC Coimbra, 18 de Março de 2004 As métricas O Projecto TIM, globalmente,

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão

CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão 20 - CERCINA [PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES] Este é um documento orientador da atividades com vista a prosseguir a missão Índice Enquadramento... 3 Estratégia Organizacional... 3 Visão... 3 Missão... 3 Valores...

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO Fevereiro 2014 AVISO: Este documento de consulta é exclusivamente

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal aposta no Sistema Educativo Formação e Criação de Novas Infra-Estruturas UMA OPORTUNIDADE PARA O SEU SECTOR CO-FINANCIADO 75% 1ª PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA DA FILEIRA DA EDUCAÇÃO AIP - Feiras, Congressos

Leia mais

incorporação de um novo colaborador

incorporação de um novo colaborador incorporação de um novo colaborador Manual de Excelência no Serviço 21 4. A Incorporação de um Novo Colaborador Recrutamento e Selecção Antes da incorporação de um novo colaborador no Hotel será obrigatório

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Relatório de Gestão e Sustentabilidade. Relatório de Gestão e Sustentabilidade 2011 1

Relatório de Gestão e Sustentabilidade. Relatório de Gestão e Sustentabilidade 2011 1 Relatório de Gestão e Sustentabilidade Relatório de Gestão e Sustentabilidade 2011 1 As melhores vistas da cidade Relatório de Gestão e Sustentabilidade Índice 1 MENSAGEM DA PRESIDENTE 7 2 O ANO DE 2011

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Dossier de Apresentação

Dossier de Apresentação www.impactus.org Dossier de Apresentação II Conferência Anual Revista Im))pactus Comunicar a Gestão através dos Relatórios de Contas e de Sustentabilidade Apresentação do estudo O que valorizam os media

Leia mais

Página. Plano. de Gestão Sustentável do IFDR. Poupança. Boas Práticas. Energia. Reciclagem. Plano de Gestão Sustentável do IFDR

Página. Plano. de Gestão Sustentável do IFDR. Poupança. Boas Práticas. Energia. Reciclagem. Plano de Gestão Sustentável do IFDR Página Plano de Gestão Sustentável do IFDR 2010 Energia Poupança Boas Práticas Reciclagem Dezembro de 2010 Página 2 Energia Poupança Página Reciclagem Boas Práticas Índice 1. Enquadramento 5 2. Objectivos

Leia mais

Índice. Novo canal. Canais de Comercialização. Canais de Comunicação

Índice. Novo canal. Canais de Comercialização. Canais de Comunicação Índice Novo canal Canais de Comercialização - Diretório - Trader - Pesquisa - Feiras profissionais - Catálogos digitais - Certificação - Associações ecológicas - Encontros bilaterais online Canais de Comunicação

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Estratégia de Marketing na Comunicação Interna O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Conferência Mercator XXI Lisboa, 7 de Outubro 2004 O papel da comunicação no desenvolvimento dos negócios

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 18 de Julho de 2013 Resolução sobre a Luta Contra o Trabalho Infantil na CPLP O Conselho de Ministros

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

A reabilitação como parte da estratégia coletiva do Cluster Habitat Sustentável

A reabilitação como parte da estratégia coletiva do Cluster Habitat Sustentável Sustentabilidade na Reabilitação Hotel Altis Lisboa 06.02.2014 A reabilitação como parte da estratégia coletiva do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Lisboa,

Leia mais

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009

Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009 Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação Lisboa, 8 de Julho de 2009 Índice 1. Enquadramento 2. Proposta O Projecto Missão e Princípios Fases do Projecto O Nosso Desafio A Nossa Resposta O Conceito

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA APRESENTAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL PARCEIROS: UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA CONFEDERAÇÃO DE EMPRESÁRIOS DE PONTEVEDRA

Leia mais

Conferência Espaço de Arquitectura 2010

Conferência Espaço de Arquitectura 2010 Nota Introdutória: O tema da reabilitação urbana é um dos tópicos centrais da análise actual sobre Planeamento e Urbanismo e uma janela aberta para encontrar soluções na recuperação dos centros históricos

Leia mais

NOVOS TEMPOS, NOVOS DESAFIOS E MUITAS OPORTUNIDADES.

NOVOS TEMPOS, NOVOS DESAFIOS E MUITAS OPORTUNIDADES. NOVOS TEMPOS, NOVOS DESAFIOS E MUITAS OPORTUNIDADES. INOVAÇÃO, CRIATIVIDADE E PROFISSIONALISMO A SERVIÇO DA IGREJA NO BRASIL Somos uma agência especializada em gerar soluções criativas em comunicação on

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade APPACDM Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências 3. Promulgação V - Apresentação

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS. SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL

GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS. SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL Introdução GUIA MEDICAMENTOS GENÉRICOS SOFTWARE PARA CONSULTA EM POCKET PC e TELEMÓVEL Este será um novo instrumento de consulta que irá permitir reforçar e tornar mais acessível um suporte de informação

Leia mais

elemento digital Dossier de Serviços para Empresas www.e-noivos.com

elemento digital Dossier de Serviços para Empresas www.e-noivos.com elemento digital Dossier de Serviços para Empresas www.e-noivos.com Julho 2003 1. A quem se dirige este documento? Este documento dirige-se a responsáveis pelo Marketing e/ou pela promoção e dinamização

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

Concurso de Fotografia Revela o teu.pt

Concurso de Fotografia Revela o teu.pt Concurso de Fotografia Revela o teu.pt Desafio O DNS.pt, entidade responsável pelo domínio de topo de Portugal, o.pt, realiza um concurso de fotografia subordinado ao tema Revela o teu.pt. O objetivo é

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

9.ª EDIÇÃO 24 Fevereiro a 02 Março ORGANIZAÇÃO SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL PRODUÇÃO RM PREMIUM EVENTS

9.ª EDIÇÃO 24 Fevereiro a 02 Março ORGANIZAÇÃO SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL PRODUÇÃO RM PREMIUM EVENTS 9.ª EDIÇÃO 24 Fevereiro a 02 Março ORGANIZAÇÃO SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL PRODUÇÃO RM PREMIUM EVENTS conceito O futebol, fonte de paixão e emoção, continua a potenciar extremismos

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS

NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS O PROJECTO COMO NASCEU O CARTÃO SOLIDÁRIO O projecto Cartão Solidário nasceu da vontade de responder de forma contínua e sustentável às necessidades das Instituições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

PROPOSTA PANNA K.O. BRASIL TURNÊ 2014

PROPOSTA PANNA K.O. BRASIL TURNÊ 2014 PROPOSTA PANNA K.O. TURNÊ 2014 Projeto aprovado pelo Ministério dos Esportes pela lei de incentivo ao esporte no. 11.438/06 e o Decreto no. 6.180/07. Número do processo: 58701.000099/2011-93, publicado

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

Campanha de Verão Cartão Ofereça Açores

Campanha de Verão Cartão Ofereça Açores Campanha de Verão Cartão Ofereça Açores Esta é uma campanha Única! Uma campanha estrutural para as Nossas empresas! Que vai Revolucionar a comunicação da Sua Empresa com os seus clientes! Esta Campanha

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA'11

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA'11 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO SARDINHAS FESTAS DE LISBOA'11 Artigo 1º (Objecto) 1. O Concurso Sardinhas das Festas de Lisboa'11 é uma iniciativa da EGEAC Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

CONTRIBUTOS DA UGT SOBRE A DINAMIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA ATRAVÉS DA DESCENTRALIZAÇÃO DE BASE NEGOCIAL. (documento de 10 de Janeiro de 2011)

CONTRIBUTOS DA UGT SOBRE A DINAMIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA ATRAVÉS DA DESCENTRALIZAÇÃO DE BASE NEGOCIAL. (documento de 10 de Janeiro de 2011) CONTRIBUTOS DA UGT SOBRE A DINAMIZAÇÃO DA CONTRATAÇÃO COLECTIVA ATRAVÉS DA DESCENTRALIZAÇÃO DE BASE NEGOCIAL (documento de 10 de Janeiro de 2011) I. Resolução do Conselho de Ministros n.º 101-B/2010de

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA Gil, Artur* & Calado, Helena** CIGPT Centro de Informação Geográfica

Leia mais

Praça José Fontana, 4-5º 1050-129 Lisboa T 213 156 200 808 202 922 microcredito@microcredito.com.pt

Praça José Fontana, 4-5º 1050-129 Lisboa T 213 156 200 808 202 922 microcredito@microcredito.com.pt Praça José Fontana, 4-5º 1050-129 Lisboa T 213 156 200 808 202 922 microcredito@microcredito.com.pt Com o Apoio : 2014 RELATÓRIO Notas introdutórias O ano de 2014 foi um ano marcado por uma recuperação

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA Melhores Planos de Negócio 2014 REGULAMENTO Preâmbulo Consciente dos novos cenários económicos, que se observam à escala global, e atenta ao papel que

Leia mais

Privatização dos CTT arranca com reestruturação da rede em fase final

Privatização dos CTT arranca com reestruturação da rede em fase final A1 Privatização dos CTT arranca com reestruturação da rede em fase final Tipo Meio: Internet Data Publicação: 11-06-2013 Meio: URL: Sábado Online http://www.sabado.pt/ultima-hora/dinheiro/privatizacao-dos-ctt-arranca-com-reestruturacao-da.aspx

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896 Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas desde 1896 Quem Somos? Instituição de Utilidade Pública Restauração Pastelarias e Cafés Mais de um século de existência Empreendimentos Turísticos

Leia mais

FUNCHAL 500 Maiores e Melhores Prémio de Responsabilidade Social REGULAMENTO. Preâmbulo

FUNCHAL 500 Maiores e Melhores Prémio de Responsabilidade Social REGULAMENTO. Preâmbulo FUNCHAL 500 Maiores e Melhores Prémio de Responsabilidade Social REGULAMENTO Preâmbulo Num mercado cada vez mais globalizado, a iniciativa das 500 Maiores e Melhores pretende dinamizar e enaltecer o núcleo

Leia mais

CATEGORIAS COMUNICAÇÃO SECTORES DE ACTIVIDADE PRÉMIOS

CATEGORIAS COMUNICAÇÃO SECTORES DE ACTIVIDADE PRÉMIOS SECTORES DE ACTIVIDADE Ambiente & Energia Nesta categoria vamos premiar as melhores aplicações na área do ambiente energia, podendo estas ser veiculadas Associações e Sector Público Nesta categoria vamos

Leia mais