ILLA CRISTINA CYRINO GERENCIAMENTO DE CRISE: UMA ANÁLISE DO ACIDENTE DO METRÔ DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILLA CRISTINA CYRINO GERENCIAMENTO DE CRISE: UMA ANÁLISE DO ACIDENTE DO METRÔ DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 ILLA CRISTINA CYRINO GERENCIAMENTO DE CRISE: UMA ANÁLISE DO ACIDENTE DO METRÔ DE SÃO PAULO Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes para obtenção do título de especialista em Comunicação Empresarial, do curso de Pós-graduação Lato Sensu. Orientadora: Prof ª Adélia Araújo Rio de Janeiro 2007 i

2 Dedico este trabalho a minha mãe, Luiza de Marilac, por todo incentivo dado a minha escolha profissional. ii

3 RESUMO A importância de se ter um departamento de comunicação interna na empresa tem se tornado cada vez mais claro. As empresas têm enxergado que este tipo de ação não é apenas um gasto inicial, mas também um investimento em longo prazo. Vale lembrar que, tão valioso quanto a presença deste departamento na empresa é o fato de que se tenha uma equipe devidamente preparada para atuar nele e enfrentar situações fortes e que requerem mais conhecimento com o caso de crises empresariais. O estudo de caso apresentado ao final deste trabalho exemplifica esta opção de se trabalhar com uma equipe de assessoria nestes momentos.. iii

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 07 1 COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Histórico da Comunicação Empresarial no Brasil Endomarketing e Exomarketing Profissional de Comunicação Interna: quem é e o que faz Importância do Departamento de Comunicação Interna 21 2 INFORMAÇÃO E TRANSPARÊNCIA: GERENCIANDO CRISES Como Atuar Diante de Uma Crise Não Existe Silêncio em Gerenciamento de Crises Baseado em Fatos Reais 32 3 ESTUDO DE CASO: METRÔ DE SP Perfil da Empresa Avaliação do Serviço do Metrô SP Usuário do Metrô: Perfil e Percepção da Empresa Acidente na Futura Estação Pinheiros da Linha 4 Amarela ) Histórico de Acidentes na Linha 4 Amarela ) Era possível Prever o Desastre 43 CONCLUSÃO 45 BIBLIOGRAFIA 47 ANEXOS 50 iv

5 INTRODUÇÃO v

6 A Comunicação Empresarial é um novo nicho que tem atraído inúmeros profissionais de diversas áreas relacionadas à Comunicação e Gestão Empresarial. O fascínio por este setor tem feito com que esses profissionais procurem cada vez mais, especializações para ter mais know how e base para a solução de problemas que possam vir a surgir e macular o nome da empresa. É o que acontece com aqueles que lidam de perto com situações de crise e/ou momentos de conflitos na companhia. Dada esta importância, apresentamos uma pesquisa que visa analisar o valor de se ter um departamento de comunicação dentro da empresa e suas principais atividades. Desta forma, neste primeiro capítulo, faremos como introdução um breve histórico da Comunicação Empresarial no Brasil, além de outros conceitos relacionados a este assunto. Assim como também abordaremos o papel da Comunicação Empresarial para as organizações na contemporaneidade e o valor do investimento em endomarketing para as empresas. Começamos o primeiro capítulo com base no Manual de Comunicação Empresarial, do autor Fernando Braga, falando sobre os primórdios deste setor no país, na década de 40. Esta assessoria dada à empresa era uma espécie de ouvidoria, uma forma de estreitar o relacionamento com os usuários dos serviços da empresa. A Comunicação Empresarial começa a ganhar mais expressão, no final dos anos 70, início dos 80, no período do Autoritarismo. Depois de contextualizar esta área, damos início ao processo de definições e conceitos das funções que englobam a Comunicação Organizacional. Para isso, fundamentamos essas descrições, com base nas obras de grandes autores especializados nesta área, tais como Roger Cahen, Paulo Clemen, Wilson Bueno e Juarez Bahia. Neste momento, conseguimos esclarecer o que é, qual a importância e o quais são as funções desempenhadas por este setor. Por isso, falamos sobre endomarketing e exomarketing (relacionamento com o público interno e externo, respectivamente), além de enumerar e explicar as tarefas desenvolvidas por estes profissionais. É importante ressaltar, que descrevemos também quem são os profissionais que trabalham diretamente com este tipo de serviço. Para fundamentar este tópico, inserimos uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial Aberje, sobre o perfil deste profissional e as funções desempenhadas dentro da empresa. (Pesquisa completa em anexo). Visto isso, fazemos uma análise da importância da existência deste setor nas organizações: relacionamento com o cliente interno e externo, realização de projetos voltados para estes dois públicos, além de outras informações pertinentes que comprovem a eficácia e as vantagens de se ter esse departamento sempre atuante de forma expressiva na empresa. vi

7 A partir daí, passamos para a segunda parte deste estudo, onde focamos no gerenciamento de crise: como as empresas costumam proceder, quem as representa nestes momentos, o que e como a equipe de comunicação reage nestes casos. Aqui, usamos principalmente as palavras de Adriana Moreira, Nara Damante e Carlos Magno, para exemplificar estes ensinamentos. E, para fechar o capítulo, citamos dois casos muito conhecidos sobre administração de crise: um bem sucedido e outro com algumas falhas que levaram a empresa ao insucesso na resolução daquela crise. Para ilustrar este trabalho, apresentamos um estudo de caso referente ao ocorrido com Metrô de São Paulo em janeiro deste ano. Começamos com a apresentação da empresa e a forma de relacionamento que a mesma tem com o usuário de seus serviços. Este capítulo tem por base o clipping cedido pela assessoria de imprensa da empresa, além de outras informações publicadas em sites jornalísticos e na página virtual desta empresa. Este conteúdo nos possibilitou avaliar e obter conclusões sobre o processo de gerenciamento de crise: as melhores maneiras de se enfrentar períodos turbulentos, como agir e como analisar o período após o acontecido. Vale ressaltar que este não traz fórmulas certas e fechadas para se acertar e obter sucesso na administração de crises empresariais, mas sim, apresentar a importância e a diferença nos resultados, quando se tem uma equipe treinada e verdadeiramente atuante por trás de momentos com estes apresentados. vii

8 1) COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL A tão falada Comunicação Empresarial é um novo ramo que tem atraído inúmeros profissionais da área. Apesar desta expressiva procura, as escolas de comunicação ainda focam a formação dos futuros comunicólogos na grande mídia, mesmo sendo as assessorias de imprensa, comunicação e marketing aquelas que mais oferecem campo para atuação destes profissionais. Apesar de este não ser o foco desta pesquisa, é importante ressaltar que são estes jornalistas, relações públicas e marketeiros os principais responsáveis pelo trabalho de formação, correção e manutenção da imagem das empresas, atualmente. Ou pelo menos, deveria ser. Pois, para que uma empresa possa sobreviver a crises e/ou outras turbulências, sem macular sua imagem, a mesma precisa ter uma equipe de profissionais treinados e capacitados para administrar estes possíveis problemas. Hoje em dia ainda é possível encontrar empresas que praticam algum tipo de ação de comunicação, mas que utiliza profissionais com outras formações (como apenas os de Recursos Humanos, por exemplo), que não essas já citadas, para ficarem no comando das atividades. Porém, este tipo de pensamento e atitude vêm se modificando. Isso não significa que a comunicação interna deva ser feita sem o auxílio deste profissional, especificamente. O endomarketing pode e deve ser feito com o RH. Mas, há a necessidade de se diferenciar o que é ou não notícia para este seguimento e saber como aplicá-la. Ainda que esse tipo de preocupação seja evidente, o emprego de tempo e verba em um departamento de comunicação não é algo antigo, nem mesmo corriqueiro. Muitas organizações ainda enxergam este tipo de trabalho como dispêndio e não como investimento. viii

9 Neste primeiro capítulo, teremos como introdução um breve histórico da Comunicação Empresarial no Brasil, além de outros conceitos pertinentes. Assim como também abordaremos o papel da Comunicação Empresarial para as organizações na contemporaneidade e o valor do investimento em endomarketing para as empresas. 1.1) HISTÓRICO DA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL A Comunicação Empresarial no Brasil tem seus primeiros registros no início dos anos 40 (BRAGA, Fernando, 2004), quando apenas concessionárias de serviço público ou algumas estrangeiras formulavam projetos para a área de comunicação (para que pudessem atender melhor seus usuários). Durante o período do Estado-Novo ( ), Getúlio Vargas criou, através do decreto 3.371/38, um departamento dentro do Governo para divulgar seus atos e feitos, preferencialmente, positivos. Esta prototípica assessoria funcionava junto ao Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão que emitia a censura oficial a todos os veículos de comunicação da época. Assim, só eram produzidas notícias (previamente) aprovadas e, aquelas não oficiais ou as que fizessem críticas ao Governo seriam vetadas. A Comunicação Empresarial ganhou força no final da década de 70, início dos anos 80, durante o Autoritarismo. Por causa da censura e cerceamento de expressão, os profissionais procuraram outros meios de comunicação, e as empresas foram o alvo desta nova busca. Mas, de acordo com o jornalista e professor da ECA, Manuel Carlos Chaparro (CHAPARRO, 2002), em Assessoria de Imprensa e Relacionamento com a Mídia, o momento específico em que a Comunicação Empresarial no Brasil começou a atrair os jornalistas foi durante o regime militar, em 1964, tanto no serviço público como no privado. O autor fala também sobre a Assessoria Especial de Relações Públicas da Presidência da República AERP, um ministério que serviu de modelo para os governos estaduais e municipais, além, das empresas estatais. Neste período, para alimentar as redações com a versão oficial, havia de se produzir muitos releases para cobrir os acontecimentos da época: elevados índices de crescimento econômico, obras e orçamentos faraônicos, a vitória da Copa de 70, dentre outros. ix

10 A partir dos anos 90, a comunicação empresarial passou a ser vista como uma estratégia para as instituições e ser liderada por profissionais com ampla visão de futuro. Hoje, mais do que isso, a Comunicação Empresarial é um processo integrado que norteia o relacionamento de uma empresa com todos os seus públicos de interesse. 1.2) ENDOMARKETING E EXOMARKETING Nos dias atuais, a Comunicação Empresarial vai muito mais além do que simplesmente assessorar o governo. Atualmente, essa vertente busca atingir o posicionamento ideal de uma empresa, passando informações precisas em todos os níveis e áreas para todos os seus públicos. Porque, o que está em jogo é a visibilidade da empresa, transparência, novas oportunidade de negócios e como esta vai ser vista por seus potenciais clientes. O autor Roger Cahen ( CAHEN, 2005), em Comunicação Empresarial, a Imagem Como Patrimônio da Empresa e Ferramenta de Marketing, conceitua esta área: Comunicação Empresarial é uma atividade sistêmica, de caráter estratégico, ligada aos mais altos escalões da empresa e que tem por objetivos: criar onde ainda não existir ou for neutra manter - onde já existir - ou ainda, mudar para favorável - onde for negativa a imagem da empresa junto a seus públicos prioritários. (CAHEN, 1990) Desta forma, podemos dizer que Comunicação Empresarial é um conjunto de práticas de construção da imagem de uma empresa para com seus públicos interno e externo. É um guardachuva sob o qual encontram-se todas ferramentas necessárias para se praticar as ações elaboradas por uma empresa (comunicação institucional) (BENEVIDES, 2007) x

11 Dentre os propósitos da comunicação corporativa, encontram-se: a criação de conceitos, administração da imagem institucional, construção da credibilidade, geração de boa vontade (good will) e abertura e manutenção de canais de comunicação (relacionamento). O jornalista Juarez Bahia (BAHIA, 1995), em Introdução à Comunicação Empresarial, complementa esta definição, dizendo que esta é o conjunto de modelos ou instrumentos de ação que a empresa se utiliza para falar e se fazer ouvir. Interna e externamente, a informação prestada por ela corresponde a uma estratégia. Esta estratégia, na maioria das vezes, tem por objetivo a melhoria de um produto ou serviço, a valorização dos recursos humanos ou a construção de uma melhor imagem. Para isto, as ações são dirigidas à basicamente dois grupos distintos público interno e externo. Ainda segundo as palavras de Bahia, temos a descrição do trabalho feito para esses dois targets: Comunicação interna é aquela que se verifica entre a organização e seu pessoal. Comunicação externa é aquela que abrange consumidores, clientes, fornecedores, acionistas e o público amplamente afetado por jornal, revista, rádio, televisão, agência de notícias, etc. (BAHIA, 1995). Ambas formas de comunicação são importantes, pois é delas que sairão dúvidas, críticas e sugestões que poderão influenciar positivamente no desenvolvimento da empresa; elas servirão para fortalecer decisões e é fundamental para reciclar, vitalizar objetivos de melhoria de produtos ou de serviços (BAHIA, 1995). Para que tudo corra bem, as empresas devem estar prontas para informar seus clientes sobre suas atividades, assim como expor as suas idéias e opiniões. Para tanto, as mesmas dispõem de alguns meios de comunicação, além de publicidade paga, tais como assessoria de imprensa (ou de comunicação), jornal, mural, revistas, vídeos, Internet e intranet, dentre outros. E para analisar e acompanhar essas divulgações e retorno, o clipping (BAHIA, 1995). Este último, o jornalista define como um serviço de recortes (...) cabendo estabelecer um fluxo de notícias de fora para dentro e de dentro para fora. A Comunicação Interna, também chamada de endomarketing, nasce da necessidade de transmitir aos empregados da empresa, com transparência e franqueza, os pensamentos e ações dela. Os valores da casa têm que ser absorvidos de forma que o cliente interno, verdadeiramente, vista a camisa do lugar que o acolhe. Mas, para que isso aconteça, também é importante lembrar xi

12 que estes funcionários devem ser motivados a assumir e transmitir os valores da empresa. Em Nada Substitui o Diálogo, os autores Nara Damante e Marcelo Lopes (DAMANTE E LOPES, 2002) confirmam esta teoria dizendo: Com todo o aprimoramento e qualidade das ferramentas utilizadas pelas empresas na busca do melhor relacionamento interno nas organizações, a abertura de canais de duas mãos entre líderes e subordinados, seja via escrita ou oral, é vital para conscientizar e engajar funcionários numa mesma diretriz empresarial. A participação dos funcionários como verdadeiros embaixadores das empresas em relação aos diversos públicos tem feito, cada vez mais, com que as empresas incentivem a contribuição deles em atividades de comunicação. Seja em sugestões de pauta para os veículos internos, em conselhos editoriais ou em pesquisas e enquetes, promover o "sentimento de pertencer" enriquece os processos da organização como um todo. (DAMANTE E LOPES, 2002) Assim, podemos concluir que todos os funcionários têm que participar das atividades empresariais e estarem integrados. Eles devem se sentir parte de uma família. Mas, vale ressaltar que é praticamente impossível motivar funcionários sem que a empresa forneça condições básicas e adequadas de trabalho ao seu público interno. As cobranças devem ser coerentes com a política de benefícios (não somente financeiros) praticada pela empresa. Para realizar trabalhos como estes, as ações de comunicação feitas dentro da instituição exigem profissionais, tempo e dinheiro. De acordo com Paulo Nassar professor e diretor executivo da ABERJE, (NASSAR, 2002), sem esses três fatores a comunicação interna se torna uma falácia, uma ilusão, um território de, no máximo, boas intenções. Ainda de acordo com as palavras de Nassar, existem outros itens que também contribuem para a excelência da comunicação interna. xii

13 Entre eles: gestores que antecipem rapidamente oportunidades e ameaças simbólicas, que consigam avaliar o impacto e a importância de informações em meio à enxurrada de mensagens que chegam e que saem diariamente da empresa (...) que estruturem ritos e rituais, que funcionem como transmissores de mensagens positivas da empresa para a rede de públicos e que tenham a capacidade de falar no cotidiano com simplicidade, ética e clareza. Como se pode avaliar, a implantação excelente passa necessariamente pela humanização da empresa. (NASSAR, 2002) A comunicação com o público externo, também chamada de exomarketing, é igualmente importante para o crescimento e boa formação de imagem para uma empresa. Esta comunicação é dirigida basicamente a fornecedores, comunidade, imprensa, consumidores e clientes. Nesse processo se incluem toda a veiculação de informações e todos os comunicados emitidos pela organização empresarial para um público ou uma opinião pública fora dos limites internos, (BAHIA, 1995). 1.3) PROFISSIONAL DE COMUNICAÇÃO INTERNA: QUEM É E O QUE FAZ A Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) realizou um estudo de Comunicação Interna com 117 companhias classificadas entre as 500 maiores empresas do Brasil, de acordo com um levantamento feito pela revista Exame (edição de 2005). O estudo, elaborado no período de 15 a 30 de agosto daquele ano, foi coordenado por Paulo Nassar, diretor-presidente da ABERJE e professor da ECA-USP, e Suzel Figueiredo, diretora da DATABERJE e professora da FAAP. (ANEXO 1) De acordo com a mostra, a comunicação feita pelas empresas continua sendo multidisciplinar, abrigando profissionais de diversas áreas, tendo como resultado, as seguintes porcentagens: os profissionais de Marketing e Administração somam cada área 4,3% de presença nas empresas como responsáveis pela comunicação interna; os publicitários fazem parte de 13,7% xiii

14 do todo das empresas entrevistadas; os RP s estão presentes em 15,4% dos casos e os jornalistas mantém-se em peso na elaboração de planos de comunicação, somando 47,9% de participação. Ainda segundo esta pesquisa, pode-se destacar a estrutura das equipes que executam este trabalho nas empresas. As ações de comunicação institucional são divididas entre equipes internas e externas. Apenas 1,7% das empresas consultadas utilizam-se de equipe externa para elaborar a comunicação interna da empresa. O que é extremamente sensato, já que para implantar e efetuar este tipo de trabalho é necessário conhecer e estar a par dos acontecimentos dentro da empresa. 24,8% delas usam o modelo de equipe interna, e a grande maioria, 73,5%, aposta no trabalho realizado por equipe mista. Apesar de a comunicação interna ser feita por todos os integrantes de uma organização, o jornalista Fernando Braga (BRAGA, 2004) enumera os profissionais que têm participação majoritária dentro das empresas. São eles: os relações públicas, os publicitários e os jornalistas. Em seu trabalho Manual de Comunicação Empresarial, Braga descreve a participação de cada um deles dentro da empresa e define a atuação dos RP s como a ponte direta com os públicos-alvo. Além disso, complementa dizendo: Para o público externo, ele [RP] organiza as apresentações públicas e recepções, a participação em feiras e congressos, momentos em que a empresa se torna alvo de exposição pública. Gerencia mídias como as malas-diretas, as cartas que são enviadas pela empresa para clientes, bem como a recepção e resposta das mensagens remetidas pelos clientes. Organiza programas de visitas às instalações da empresa, promove concursos, programas comunitários e campanhas de cunho social, entre outras atividades. Para o público interno, cria e implanta programas de integração, realiza festividades, promove homenagens e cumprimentos. (BRAGA, 2004) Ou seja, de acordo com suas palavras, o RP está basicamente voltado para ações dirigidas ao público externo, porém com algumas responsabilidades de cunho interno. Já os profissionais de propaganda e publicidade têm suas funções delimitadas por Braga, que diz que este deve se envolver com os estudos mercadológicos da instituição e cuidar da xiv

15 comunicação paga, ou seja, dos anúncios produzidos pela empresa. Assim, é este também, quem planeja, coordena, produz e administra as peças de publicidade e propaganda da instituição e os contatos com o setor comercial dos veículos de comunicação (BRAGA, 2004). Já o jornalista seria responsável pela comunicação jornalística. Fazendo assessoria de imprensa e utilizando a mídia externa, promoveria a inserção gratuita de notícias da empresa nos veículos de comunicação. Seria este também quem cuidaria das mídias elaboradas na organização onde atua. Sua preocupação é a difusão das idéias, (...) pessoas e a marca da instituição. Ele produz, como assessor de imprensa ou ainda quando tem seu trabalho voltado para a mídia externa, as matérias enviadas para os veículos ou releases (BRAGA, 2004). Além destes afazeres, Braga lista outros, tais como promover e organizar entrevistas dadas pelos dirigentes das empresas (media training) e ser responsável pelo clipping. Somado a isso, caberia ao jornalista realizar:... como assessor de imprensa, dos contatos com a mídia existente, o jornalista também produz as mídias próprias da empresa, para públicos internos e externos. Há, ainda, os veículos híbridos, como a aquisição de espaços em jornais de grande circulação, colunas fixas onde as instituições divulgam notícias produzidas por seus profissionais de imprensa. Há, também, programas de rádio e de televisão das empresas, em horários comprados. (BRAGA, 2004) Ainda que na teoria a divisão de tarefas seja perfeita e complementar, todos os profissionais responsáveis por esta área se unem e praticam todas as funções. Por isso, Fernando Braga, termina dizendo que o que se vê no mercado são esses profissionais desdobrando-se para fazer a comunicação da empresa como um todo, independentemente das limitações. xv

16 Visto essas funções, fica claro que comunicação empresarial significa muito mais do que simplesmente fazer o jornalzinho da empresa (house organ). Mas, qual a verdadeira importância deste departamento para uma instituição na atualidade? Este tipo de investimento é realmente relevante? De acordo com o autor Wilson Bueno (BUENO, 1995), "hoje, não se pode imaginar uma empresa que se pretenda líder de mercado e que volte as costas para o trabalho de comunicação". Os gestores já estão se conscientizando de que se conhecer e adaptar a empresa aos processos comunicacionais terão maior facilidade de enfrentarem possíveis problemas e não terão mais o pensamento: o público que se dane. 1 O autor Paulo Clemen (CLEMEN, 2005) complementa afirmando que os motivos para se implantar esse setor em uma empresa parecem ser óbvios. Desta forma, esclarece:... para serem bem sucedidas (...) as empresas precisam perceber o quanto é estratégica a Área de Comunicação Interna. Para que você seja bem-sucedido no processo interno de convencimento na sua empresa, deve ter em mente ainda outros aspectos que garantem a conquista de espaço da Comunicação Interna na estrutura de sua organização. (CLEMEN, 2005) Alguns desses aspectos a que o autor se refere são a transparência com os público-alvo, as mensagens e as linguagens adequadas, os momentos oportunos, o mix de ferramentas e os resultados obtidos a partir da comunicação realizada. Clemen frisa o detalhe de que são as pessoas que fazem com que esses resultados aconteçam, mas ressalta: é claro que as máquinas, o serviço, o produto, a logística e tudo mais também têm sua importância. Até porque, são as pessoas que fazem estas escolhas (CLEMEN, 2005). 1 O público que se dane : célebre frase dita por William Henry Vanderbilt, empresário norteamericano, proprietário de empresas de transporte, respondendo a jornalistas que tentavam entrevistá-lo, em 1882, sobre a suspensão de um serviço que beneficiava uma comunidade. xvi

17 E, em se tratando de escolhas, o momento de implantação deste setor em uma organização é de grande importância para o sucesso da instituição. Em sua obra Como Implementar uma Área de Comunicação Interna, Clemen afirma que logo que uma companhia é criada, a mesma deve ter atenção especial para este departamento, pois nada é melhor do que crescer cuidando de sua cultura organizacional desde a fundação da empresa (CLEMEN, 2005). Outro fator importante que o autor destaca é que criar este setor em um momento de crise não é o ideal. Mas, se for necessário, a empresa deve fazer este investimento. Isto porque a área de Comunicação Interna tem papel importante na divulgação dos verdadeiros fatos relacionados à crise. Ainda assim, Clemen ressalta que a pré-existência da área é o ideal, já que a Comunicação Interna, antes ou simultaneamente aos fatos, é fundamental. E complementa, se o setor foi criado em função de um ocorrido em específico, o setor deve cumprir com rigor e adequadamente o seu papel. E sua atuação deverá ser contínua, mesmo após o encerramento da crise. Ainda que o valor deste departamento seja incontestável, este setor ainda sofre alguns preconceitos. A mestra em Comunicação Empresarial Andréa Batista (BATISTA, 2007) cita a imprecisão na medição dos resultados como uma das causas desta incredibilidade.... por trabalhar com aspectos intangíveis, difíceis de serem mensurados quantitativamente, sofre discriminação, muitas críticas e um total desconhecimento por parte dos gestores de empresa. Mas, adverte: Investir em comunicação pode não parecer viável porque, não há como garantir que o resultado das ações corresponda ao esperado. No plano de comunicação ocorre a tentativa de evitar problemas, entender o que não está funcionando a contento, melhorar o que já está sendo feito, testar novas possibilidades e, principalmente, planejar ações comunicacionais. (BATISTA, 2000) Um acompanhamento deve ser feito para orientar os investimentos, listar as metas alcançadas, mesmo que essas não sejam, especificamente, financeiras. Mas, apesar disso, a autora ressalta que esta área possui uma ligação muito forte com as tomadas de decisão de uma organização e é responsável pela sobrevivência das empresas no mercado. Ela é inerente à vida empresarial e quando planejada auxilia e promove o desenvolvimento organizacional. xvii

18 1.4) IMPORTÂNCIA DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA Como visto, o setor de comunicação organizacional existe para desempenhar funções importantes dentro de uma empresa. Além do desenvolvimento das ações descritas, a comunicação interna também é responsável pelo comportamento dos funcionários. Fazer com que estes se sintam parte de um grupo e unidos pelos ideais da corporação. Para que isso seja possível, é necessário que todo o conteúdo informativo pertinente à empresa seja transmitido a todos eles. Nada é mais desanimador do que descobrir novas informações sobre o local de trabalho por terceiros ou pela mídia externa. Casos como estes intensificam o chamado rádio corredor ou rádio peão. Estes tipos de rumores (mensagens não oficiais) afetam a credibilidade da empresa junto a seus empregados e pode acarretar nas mais diferentes reações negativas por parte deles. Por isso que uma das principais e primordiais funções do departamento de comunicação interna é trabalhar na integração do cliente interno. O setor deve ser o elo entre todas as divisões da empresa. De acordo com a autora Juliana Fascina (FASCINA, 2006), é graças a essas e outras tarefas que o setor de comunicação interna vem ganhando espaço e adquirindo status de área fundamental. E completa enumerando outras necessidades que fazem com que este departamento seja criado na empresa: As empresas, em sua maioria, buscam na Comunicação Interna uma forma de suprir as necessidades dos cidadãos corporativos para poderem assim, atingirem seus objetivos, que são: aumento dos lucros ou produtividade, melhor relacionamento entre os cidadãos corporativos, melhoria da imagem interna e externa da xviii

19 empresa entre outros objetivos que são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento da empresa. (FASCINA, 2006) Os cidadãos corporativos são os principais responsáveis pelo sucesso da organização e isto deve estar claro nas atitudes da mesma para com eles. Como dito, o volume e qualidade daquilo que é requisitado pela empresa tem que ser condizente com a política da organização para com seus funcionários. Outro ponto importante que deve ser destacado é que este setor não existe para fazer com que os empregados aceitem todas as decisões tomadas pelos altos escalões da empresa, sem contestação, e sim, para passar estas decisões, ouvir opiniões e evitar as possíveis mensagens não oficias nos corredores da empresa. Afinal, burburinhos podem tomar grandes proporções e até mesmo causar desânimo e pânico entre os empregados. Isso pode diminuir a produção, afetar a lucratividade da empresa, bem como sua imagem interna e externa. Não se pode esquecer da importância deste membro, já que funcionário satisfeito é a melhor propaganda da empresa. xix

20 2) INFORMAÇÃO E TRANSPARÊNCIA GERENCIANDO CRISES A imagem corporativa é um dos itens mais importantes e de valor para as companhias. Acontecimentos de natureza diversas podem causar sérios danos a essa imagem, arranhando a reputação da empresa. Porém, como o auxílio de um bom departamento de comunicação, as empresas podem controlar e, em certos casos, até mesmo se prevenir contra momentos como esses. Para atenuar os efeitos negativos destes eventos, a empresa deve investir em uma equipe que se comprometa com o preparo contra crises, antes mesmo do início de uma. As crises bem controladas podem vir a ser tornar oportunidades para reposicionar uma marca e até mesmo, torná-la mais forte. De acordo com as palavras do professor e jornalista Carlos Magno (MAGNO, 2007), é importante lembrar que, a Assessoria de Imprensa da empresa não carrega a responsabilidade de solucionar o problema e sim, ajudar na resolução do mesmo. Desta forma, complementa: xx

21 ... na maior parte das vezes, é necessário o envolvimento das áreas Operacional e Jurídica para tomar decisões e realizar ações no sentido de resolver ou minimizar o problema. A Assessoria de Imprensa recomendará e executará ações relacionadas à comunicação com jornalistas e poderá também sugerir iniciativas em outras áreas que possam suavizar o impacto do problema, mas a decisão sobre tais sugestões deverá ser de um representante do cliente (empresa). (MAGNO, 2007) O professor frisa ainda que para se atuar diante de um evento como este não pode haver envolvimento, crise não tem emoções. Trabalha-se muito, mas sem emoções. Para a palavra crise, temos por definição: fase difícil, grave, na evolução das coisas, (...) dos fatos; deficiência, penúria; ponto de transição entre uma época de prosperidade e outra de depressão e vice-versa (OLANDA, 1977). Nem todas as crises têm origens semelhantes e, assim, as maneiras de abordá-las também diferem umas das outras. O autor de Comunicação Empresarial Integrada, Roberto de Castro Neves, conceitua crise empresarial como uma situação inesperada que foge ao controle dos administradores e cujo desdobramento vai prejudicar a atuação normal da empresa (NEVES, 2000). Neves comenta em seu trabalho que em média, por ano, 20 mil processos contra empresas foram abertos na década de 90 e explica o porquê disto. As empresas nunca investiram tanto em qualidade de seus produtos e diz que esta grande revolução se dá porque o consumidor está ficando mais esperto, mais exigente e mais demandante. Bobos não existem mais, afirma Neves. Ainda assim, o autor diz que as crises empresariais podem ser inesperadas, porém não imprevistas, afinal: várias crises empresariais deram sinais importantes antes de aparecerem (NEVES, 2000). Para enfrentar uma crise, uma empresa deve contar com uma equipe, na qual se integrem a direção e os responsáveis de diversas áreas, visando sempre resguardar a imagem corporativa e a imagem de seus produtos ou serviços. xxi

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL Resumo Silmara de Fátima Narciso Brancalhão Esse artigo problematiza a importância da escolha das estratégias a serem

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE RISCO E COORDENAÇÃO DE STAKEHOLDERS NA GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS

COMUNICAÇÃO DE RISCO E COORDENAÇÃO DE STAKEHOLDERS NA GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS COMUNICAÇÃO DE RISCO E COORDENAÇÃO DE STAKEHOLDERS NA GESTÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS Outubro, 2014 Agenda... Introdução Comunicação Corporativa & o Risco de Imagem Perfil dos Stakeholders em Áreas Contaminadas

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral PRÁTICA 1) TÍTULO FEEDBACK DE INTERAÇÕES CLIENTES E GESTORES REDES SOCIAIS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: 1. APRESENTAÇÃO O Serviço de Monitoramento em Redes Sociais da Infraero,

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS

APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS APÊNDICES APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS Este roteiro de perguntas foi estruturado com a função de cumprir o objetivo geral de descobrir a realidade das assessorias e agências dentro do mercado londrinense.

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC, no âmbito do IPEA. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

Assessoria de imprensa em crise 1 Renata Leal 2. PALAVRAS-CHAVES: Assessoria; imprensa; crise; jornalismo.

Assessoria de imprensa em crise 1 Renata Leal 2. PALAVRAS-CHAVES: Assessoria; imprensa; crise; jornalismo. Assessoria de imprensa em crise 1 Renata Leal 2 RESUMO: O artigo trata sobre a crise da assessoria de imprensa envolvendo fatos negativos que escapem ao controle da mesma e que ganhem visibilidade pública

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e Art. 3º Determinar que o Estado-Maior do Exército, os órgãos de direção setorial e o Comando Militar da Amazônia adotem, em suas áreas de competência, as providências decorrentes. Art. 4º Estabelecer que

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Planejamento de comunicação para a empresa Paraná Transportes¹

Planejamento de comunicação para a empresa Paraná Transportes¹ Planejamento de comunicação para a empresa Paraná Transportes¹ Paula Jordana Silka² Jéssica Vitória Tokarski Mazeto³ Ana Paula Mira 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O planejamento de comunicação

Leia mais

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1

Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 1 Comunicação Interna e Publicidade: uma relação de ajuda mútua 1 Danielle Rocha Gonzales 2 Resumo: A comunicação de uma organização, para ser eficiente depende de diversos setores e de como os diversos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana

Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana Ana Carla CANDIDO 2 Gabriela Almeida MINGHINI 3 Maria Juliana Gomes de OLIVEIRA 4 Renata Andrade de RAMOS 5 Marcel José CHEIDA 6 Pontifícia

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME APRESENTAÇÃO Este projeto trata do Planejamento de Comunicação da Estratégia da Justiça Militar do Estado do

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa 1 Conceito Uma atividade desenvolvida na Comunicação Social, com a finalidade, de unir uma entidade (indivíduo ou instituição) e o público através dos meios de comunicação. Em outras palavras é administração

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO

Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO Comunicação Empresarial MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h às

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

Políticas Corporativas. Código Interno de Ética

Políticas Corporativas. Código Interno de Ética Políticas Corporativas Versão: Janeiro de 2014 Área: Risco e Compliance Responsável: Leonardo Tavares Pereira Objetivo : Este Código tem por objetivo estabelecer os princípios, conceitos e valores que

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 R E S O L U Ç ÃO:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 R E S O L U Ç ÃO: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 727, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações da Universidade Federal

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

AULA 5 Utilização da Comunicação Interna nas Organizações

AULA 5 Utilização da Comunicação Interna nas Organizações AULA 5 Utilização da Comunicação Interna nas Organizações Estratégias para Comunicação Oficial Os textos sobre Comunicação Interna apresentam, muitas vezes, um cenário utópico. É preciso sugerir estratégias

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Guia da Assessoria de Imprensa UNIFESP. Departamento de Comunicação Institucional. São Paulo 2012

Guia da Assessoria de Imprensa UNIFESP. Departamento de Comunicação Institucional. São Paulo 2012 Guia da Assessoria de Imprensa UNIFESP Departamento de Comunicação Institucional São Paulo 2012 Reitor Prof. Dr. Walter Manna Albertoni Vice-Reitor Prof. Dr. Ricardo Luiz Smith Chefe de Gabinete Prof.

Leia mais

1 INSTITUIÇÕES E ENTIDADES ENVOLVIDAS NO PROJETO

1 INSTITUIÇÕES E ENTIDADES ENVOLVIDAS NO PROJETO TITULO: Assessoria de Comunicação às Instituições da UFSM no norte gaúcho EJE: Incorporación curricular de la extensión AUTORES: Mariana Cristina Raimondi, Bruna Occhi, Tássia Becker Alexandre. REFERENCIA

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

INOVAÇÃO E MARKETING PARA O SUCESSO EMPRESARIAL

INOVAÇÃO E MARKETING PARA O SUCESSO EMPRESARIAL INOVAÇÃO E MARKETING PARA O SUCESSO EMPRESARIAL XV CONGRESSO NACIONAL DE TRANSITÁRIOS MONTE REAL 10 OUTUBRO 2015 RENATO PÓVOAS Fundador e Managing Partner da Guess What e da Improve Autor de dois livros

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 1 Graduada em Comunicação Social - UFV, Gerente de Marketing da Lifesys Informática Ltda.

Leia mais

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo Bravante apresenta a todos os seus colaboradores o seu Código de Ética. O objetivo deste é definir com clareza os princípios e valores éticos que norteiam todos os procedimentos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Construindo um bom relacionamento com a mídia

Construindo um bom relacionamento com a mídia Unidade de Projetos de Termo de Referência para Construindo um bom relacionamento com a mídia Dezembro de 2009 Elaborado em: 4/12/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 10 LÍDER DO GRUPO TEMÁTICO

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 17, de 02 de junho de 2014.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 17, de 02 de junho de 2014. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP - ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD - ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 17, de 02 de

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES

A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES A ENERGIA NUCLEAR, A OPINIÃO PÚBLICA E O TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES NUCLEARES Valéria Pastura 1, Antônio Carlos de A. Mól 1,2,3, Ana Paula Legey 1,2,3, e Celso Marcelo F. Lapa 1,2,3 Instituto

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TOPE [EA]². Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência

TOPE [EA]². Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência Assessoria de imprensa voltada à divulgação da ciência Camila Delmondes Assessoria de Relações Públicas e Imprensa Faculdade de Ciências Médicas Unicamp Divulgação Cientifica e Cultural Laboratório de

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

Security Officer Foundation

Security Officer Foundation Security Officer Foundation As comunicações e os meios de armazenamento das informações evoluíram mais nestes últimos anos do que em outro tempo na história conhecida. A internet comercial foi consolidada

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

Aula 2. Comunicação Organizacional como ferramenta estratégica. Profa. Ms. Daniela Cartoni

Aula 2. Comunicação Organizacional como ferramenta estratégica. Profa. Ms. Daniela Cartoni Aula 2 Comunicação Organizacional como ferramenta estratégica Profa. Ms. Daniela Cartoni Conceito Comunicação Empresarial Comunicação Corporativa Comunicação Organizacional Comunicação Institucional Comunicação

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-003-R00 RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Media Training

Assessoria de Imprensa e Media Training Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Habilitação: Relações Públicas Disciplina: Assessoria de Comunicação Profª. Nadege Lomando Assessoria de Imprensa e

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Análise do contexto da organização A Pirelli é a quinta maior empresa do mundo no mercado de

Leia mais