Donato Antonio Marino Junior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Donato Antonio Marino Junior"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Núcleo de Computação Eletrônica Donato Antonio Marino Junior REDES METRO ETHERNET: Uma Visão Geral da Tecnologia Rio de Janeiro 2005

2 Donato Antonio Marino Junior REDES METRO ETHERNET: Uma Visão Geral da Tecnologia Monografia apresentada para obtenção do título de Especialista em Gerência de Redes de Computadores no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Redes de Computadores e Tecnologia Internet do Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/UFRJ. Orientador: Prof. Moacyr Henrique Cruz de Azevedo, M.Sc., UFRJ, Brasil Rio de Janeiro 2005

3 Donato Antonio Marino Junior REDES METRO ETHERNET: Uma Visão Geral da Tecnologia Monografia apresentada para obtenção do título de Especialista em Gerência de Redes de Computadores no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência de Redes de Computadores e Tecnologia Internet do Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/UFRJ. Aprovada em setembro de Prof. Moacyr Henrique Cruz de Azevedo, M.Sc., UFRJ, Brasil

4 Dedico este trabalho ao meu Pai, que sempre me apoiou, mesmo que nem sempre de forma clara. Jovem, nos deixou no decorrer deste curso de Pós-Graduação para sentar-se ao lado do Criador.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço ao Prof. Moacyr, pelo seu tempo e apoio dispensado neste trabalho. Sua orientação foi fator fundamental para que esta monografia tenha sido realizada com grande satisfação, apesar de todos os problemas encontrados no caminho. A todos os professores do Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ, sem exceção, por sua excelência e dedicação na construção do nosso conhecimento. A todos os amigos do MOT, pela seriedade e pela alegria, sempre no momento certo.

6 RESUMO MARINO Jr., Donato Antonio. REDES METRO ETHERNET: Uma Visão Geral da Tecnologia. Monografia (Especialização em Gerência de Redes e Tecnologia Internet). Núcleo de Computação Eletrônica, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Este trabalho sintetiza uma visão da tecnologia Metro Ethernet e sua utilização nas redes metropolitanas e de longa distância. Apresenta desde a criação do padrão Ethernet e sua evolução, até a implementação do Metro Ethernet sob a infra-estrutura de redes metropolitanas de legado. Além disso, apresenta o padrão definido pelo Metro Ethernet Fórum, com os parâmetros e atributos utilizados nos serviços Ethernet em redes metropolitanas.

7 ABSTRACT MARINO Jr., Donato Antonio. REDES METRO ETHERNET: Uma Visão Geral da Tecnologia. Monografia (Especialização em Gerência de Redes e Tecnologia Internet). Núcleo de Computação Eletrônica, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, This work synthesizes a vision of the Metro Ethernet technology and its use in the metropolitan area networks and wide area networks. It presents since the creation of the Ethernet standard and its evolution, until the implementation of Metro Ethernet under the legacy metropolitan area infrastructure. Moreover, it presents the standard defined in the Metro Ethernet Forum, with the parameters and attributes used in Ethernet services in metropolitan area networks.

8 LISTA DE FIGURAS Página Figura 1 O esboço de Metcalfe 13 Figura 2 Visão geral do Metro Ethernet 21 Figura 3 O Ethernet over SONET 23 Figura 4 Exemplo de utilização do VCAT 24 Figura 5 O dispositivo RPR age como um packet ADM conectado a um meio compartilhado 29 Figura 6 A proteção do RPR 29 Figura 7 O Resilient Packet Ring 31 Figura 8 Ethernet hub-and-spoke 33 Figura 9 A proteção do Ethernet com o protocolo spanning-tree 34 Figura 10 Separação lógica do tráfego e dos serviços 43

9 LISTA DE TABELAS Página Tabela 1 As características do SONET 17 Tabela 2 Protocolos de rede suportados pelo GFP 27 Tabela 3 Serviços UNI 45 Tabela 4 Serviços EVC 46

10 SUMÁRIO Página 1 INTRODUÇÃO 10 2 O PADRÃO ETHERNET E AS REDES METROPOLITANAS DE LEGADO O PADRÃO ETHERNET A Evolução do Padrão O Fast Ethernet e o Full Duplex O Gigabit Ethernet AS REDES METROPOLITANAS DE LEGADO TDM Time Division Multiplexing SONET/SDH Hierarquia de Sinais Digitais As Tecnologias utilizadas na Interligação de Redes MAN / WAN O ATM Assynchronous Transfer Mode O Frame-Relay 19 3 AS REDES METRO ETHERNET TECNOLOGIAS METRO ETHERNET Ethernet over SONET/SDH RPR Resilient Packet Ring Transporte Ethernet 32 4 OS SERVIÇOS METRO ETHERNET PADRÕES O METRO ETHERNET FÓRUM OS SERVIÇOS METRO ETHERNET Parâmetros e Atributos dos Serviços Ethernet Atributo de Interface Física Ethernet Parâmetros de Tráfego Parâmetros de Performance Parâmetros de Classes de Serviços (CoS) Atributos de Serviço de Entrega de Quadros Atributo de Suporte a Tag VLAN 42 5 CONCLUSÃO 47 REFERÊNCIAS 49

11 10 1 INTRODUÇÃO O objetivo principal deste trabalho é apresentar, de forma sintetizada, a tecnologia Metro Ethernet, suas vantagens técnicas e estudos para sua utilização nas redes metropolitanas de legado. As grandes operadoras de telecomunicações já se movimentam na direção desta tecnologia, adequando a infra-estrutura instalada para tal. Conceitos como simplicidade, otimização de recursos, performance e segurança, são perseguidos por estas empresas ao implementarem esta tecnologia. A oferta de enlaces mais rápidos e robustos às empresas e ao público em geral é fator importante para o desenvolvimento de nosso país, assim como o crescimento qualitativo do conhecimento e da cultura de nossa população. Indiretamente, a utilização de tecnologias com estas vantagens possibilitarão a democratização da informação nos vários campos do conhecimento. Desta forma, o tema em questão torna-se de grande relevância na criação de uma infra-estrutura cada vez melhor e mais disponível a todos. A tecnologia Metro Ethernet deve ser a próxima área no crescimento da indústria de infra-estrutura de redes, e representará uma grande mudança de como os serviços de dados são oferecidos à empresas e aos usuários residenciais. A rede metropolitana sempre foi um ambiente desafiador na entrega de serviços de dados pois foi construída de forma a atender as necessidades de disponibilidade e confiabilidade do tráfego de voz. As operadoras de telecomunicações deverão definir importantes mudanças para a implementação de uma nova geração de serviços de dados demandados pelas empresas e consumidores. Esta não será somente uma mudança tecnológica, mas também uma mudança no modelo operacional e

12 11 empresarial que possibilitará que estas operadoras passem a oferecer novos e melhores serviços de dados. O trabalho apresentado foi estruturado para mostrar a visão geral desta nova tecnologia. O capítulo 2 discorrerá sobre a criação do padrão Ethernet, sua evolução para os padrões Fast Ethernet, Gigabit Ethernet e o mais recente 10 Gigabit Ethernet. Ainda no capítulo 2, é apresentada a atual estrutura das redes metropolitanas, com as principais tecnologias utilizadas. O capítulo 3 apresenta a tecnologia Metro Ethernet, seus conceitos e soluções para a utilização na infra-estrutura existente, preservando assim o investimento feito anteriormente pelas operadoras de telecomunicações. Por fim, o capítulo 4 apresenta o Metro Ethernet Fórum, órgão criado para definir o escopo, conceitos e terminologias de implementação do Metro Ethernet e os atributos e parâmetros mais importantes para a implementação desta tecnologia.

13 12 2 O PADRÃO ETHERNET E AS REDES METROPOLITANAS DE LEGADO 2.1 O PADRÃO ETHERNET A tecnologia de redes locais Ethernet foi criada por Robert Metcalfe em 1973, no PARC (Palo Alto Research Center, da Xerox), que provê a interconexão de estações de trabalho, para troca de dados entre elas e para impressoras [SPURGEON]. O Ethernet foi uma evolução do ALOHA, que foi idealizado para transmitir dados entre vários computadores utilizando um canal de rádio. Cada estação poderia enviar dados quando quisesse e aguardava por uma confirmação. Caso esta confirmação não fosse recebida por um determinado tempo, presumia-se que teria havido uma colisão, fato gerado pela transmissão simultânea de duas ou mais estações. Neste caso, as estações aguardavam um tempo aleatório para retransmitir os dados. Porém, à medida que o tráfego aumentava, a taxa de colisão do canal também aumentava. Devido a este fato, o percentual de utilização real do canal ficava em torno de apenas 18%. Para tentar minimizar o problema, foi idealizado o Slotted Aloha, que através de um clock central dividia o tempo em slots, e só era possível iniciar uma transmissão no início desta faixa de tempo. Com isto, a utilização máxima do canal ficava em torno de 37%. Pensando em melhorar o Aloha, Robert Metcalfe desenvolveu um sistema que incluía mecanismo de detecção de colisão. Além disso, incluiu neste novo sistema um mecanismo de verificação do meio antes de transmitir, ou escutar antes de falar. O meio físico compartilhado poderia ser utilizado por acessos múltiplos, aonde cada estação escutava o meio antes de transmitir. No caso de ser detectada

14 13 uma colisão, cancelava-se a transmissão, aguardava-se um tempo aleatório e depois o quadro era retransmitido. O algoritmo deste novo sistema é o CSMA/CD, ou Carrier Sense Multiple Access with Collision Detect (Sensor de Portadora de Acesso Múltiplo com Detecção de Colisão). Com este novo sistema, Metcalfe conseguiu uma utilização do canal de até quase 100%. Figura 1 O esboço de Metcalfe A taxa de transmissão da primeira versão do Ethernet era de apenas 2,94 Mbps, adaptado para os padrões da Xerox, já que toda a pesquisa foi feita dentro da empresa. Em 1980 foi realizado um consórcio de empresas e o Ethernet começou a se tornar um padrão de tecnologia de interligação de redes locais. A DEC, a Intel e a Xerox lançaram uma versão chamada DIX Ethernet que utilizava taxa de transmissão de 10Mbps utilizando o cabo coaxial grosso (ou Thick Ethernet, padrão 10Base5). O IEEE (Instutute of Electrical and Electronics Engineers), órgão mundial responsável por desenvolver padrões técnicos, incluindo computares e telecomunicações, publicou em 1985 o IEEE Carrier Sense Multiple Access

15 14 with Collision Detection (CSMA/CD) Access Method and Phisical Layer Specifications A evolução do padrão Com o tempo, outros meios físicos de transmissão foram surgindo, e vários suplementos do IEEE padronizavam vários outros tipos de mídias, tais como o cabo coaxial fino (IEEE 802.3a), o cabo par trançado (IEEE 802.3i), a utilização de fibra ótica (IEEE 802.3j) e outros. Além de novos meios físicos, novas taxas de transmissão foram desenvolvidas mantendo o funcionamento básico do padrão Ethernet. A primeira evolução em termos de taxa de transmissão foi publicada no suplemento IEEE 802.3u, que padronizou o Fast Ethernet e a autonegociação de transmissão, possibilitando a utilização da taxa de 10 Mbps junto com a nova taxa de 100 Mps introduzida na publicação do suplemento O Fast Ethernet e o Full Duplex O Fast Ethernet foi publicado em junho de 1995 no suplemento 802.3u. Trabalha a 100 Mbits/s, com protocolos e formato idêntico ao Na sua utilização half-duplex não apresentou grandes diferenças em relação ao 10 Mbits/s além de, é claro, a sua velocidade de propagação. Com a publicação do suplemento 802.3x em 1997, que se refere ao Ethernet Full-Duplex, houve uma mudança na forma de acesso ao meio com a suspensão da detecção da colisão, desta forma duplicando a banda de transmissão [SPURGEON]. O full duplex baseia-se na transferência ponto-a-ponto entre dois hosts, com a utilização de switches (criando micro-segmentos) não havendo necessidade da

16 15 detecção de colisão. Por outro lado, a criação de um link ponto a ponto também tira do Ethernet Full-duplex a necessidade do sensor de portadora, já que sendo apenas dois pontos não é preciso escutar o meio. Portanto, o algoritmo CSMA/CD não é utilizado no fast ethernet full-duplex, melhorando ainda mais sua performance e mantendo a confiabilidade O Gigabit Ethernet Desenvolvida entre 1998 e 1999, a tecnologia de redes Gigabit Ethernet alia várias vantagens em relação a tecnologias de alta velocidade em WANs. Pelo fato de ser uma tecnologia essencialmente de LANs, possui fácil configuração e provisionamento simples. Foi publicada em junho de 1998, no suplemento 802.3z. Funciona essencialmente em full-duplex, mantendo o protocolo e formatos idênticos ao e é utilizada apenas com switches [AZEVEDO]. A evolução do Ethernet para a plataforma full-duplex permitiu o suporte para conexões dedicadas e escaláveis a taxas de transmissão que já chegam a 10 Gbits/s (10 Gigabit Ethernet, padrão IEEE 802.3ae). Mantendo a base e a simplicidade do padrão e sua evolução e aperfeiçoamento, várias operadoras de telecomunicações começaram a alavancar o emprego do Ethernet na agregação de tráfego de dados e voz, em múltiplos pontos de acesso nas redes metropolitanas (daí o nome Metro Ethernet, popularizado pelo mercado). Estuda-se neste momento a utilização do Ethernet para a implementação do acesso local das redes de telecomunicações, o EFM, Ethernet in the First Mile (muitas vezes chamado de Last Mile).

17 AS REDES METROPOLITANAS DE LEGADO As redes metropolitanas de legado (ou a atual estrutura das MANs) consistem principalmente da tecnologia TDM, ou time division multiplexing, que foi projetada e otimizada para serviços de voz TDM Time Division Multiplexing Tipo de multiplexação onde dois ou mais canais de informação são transmitidos através do mesmo meio de transmissão, através de alocação de um intervalo de tempo diferente (time slot) para a transmissão de cada canal [AZEVEDO]. Um sinal de sincronismo ou identificador é normalmente necessário para saber qual o canal a ser utilizado. O TDM é ineficiente se o tráfego é intermitente porque o slot de tempo é alocado independente do canal possuir dados a transmitir. Para tentar solucionar este problema foram idealizados os multiplexadores determinísticos, que mesmo assim podem desperdiçar banda pela necessidade de sinais de controle e uma alocação de tempo mínima, mesmo que o canal não possua dados a transmitir SONET/SDH Hierarquia de Sinais Digitais O SONET (Synchronous Optical Network) é uma tecnologia de camada física (padronizada pela ANSI Institute) desenvolvida para prover uma estrutura universal de transmissão e multiplexação, com taxas de transmissão na faixa do megabit ao gigabit por segundo, com sistema sofisticado de operação e gerenciamento. O SDH (Synchronous Digital Hierarchy), padronizado pelo ITU é bastante similar ao SONET, porém sua hierarquia de multiplexação de sinais é derivada do SONET [BATES].

18 17 Uma das funções do SONET é prover o transporte de sinais digitais de níveis mais baixos, tais como links DS-1, DS-2 e DS-3. De acordo com as características de seu quadro, como quantidade de bytes e taxa de amostragem, o canal básico do SONET (STS-1, Synchronous Transport Signal 1) possui taxa de 51,84 Mbps. A taxa do canal básico do SONET comporta 28 canais DS-1 (1.544 Mbps) ou 1 canal DS-3 ( Mbps). A tabela 1 apresenta as principais taxas de transmissão do SONET e suas características: Tabela 1 As características do SONET As Tecnologias Utilizadas na interligação das Redes MAN / WAN As tecnologias mais utilizadas na interligação entre redes metropolitanas e de longa distância são o ATM e o Frame-Relay O ATM Assynchronous Transfer Mode O ATM é uma tecnologia baseada na comutação e multiplexação de células de dados, com mecanismo de transporte orientado à conexão para um grande conjunto de serviços [TRILLIUM]. Células ATM de tamanho fixo possibilitam a comutação rápida em dispositivos de hardware. Permitem que diferentes fluxos de dados de dados sejam multiplexados em um canal de dados. Cada fluxo de dados

19 18 de dados é um canal de conexão virtual (PVC ou SVC), identificado no cabeçalho de cada célula ATM. Como principais vantagens do ATM, temos o controle de fluxo, roteamento de células pelo melhor caminho, utilização otimizada de banda, QoS definida para cada tipo de conexão e outros. Uma grande quantidade de aplicações como dados, voz e imagem podem utilizar o ATM. Vários tipos de camadas de adaptação (AAL) foram definidas para que as diferentes aplicações sejam mapeadas dentro das células ATM. Dentre várias interfaces físicas, o ATM pode facilmente utilizar o SONET como meio de transporte para suas células. Vários recursos foram desenvolvidos para o ATM de modo a adaptá-lo para vários tipos de tecnologias já existentes. São eles: a. Classical IP-over-ATM Permite aos usuários do IP migrarem para a utilização do ATM como tecnologia de transporte de dados, mantendo as aplicações existentes de sistemas IP de legado. Cria sub-redes lógicas IP (LIS) para comunicação via roteadores e utiliza o protocolo ATMARP em substituição ao tradicional ARP. b. Lan Emulation (LANE) Emula dentro da estrutura ATM uma rede Ethernet ou Token Ring. Através da LANE é possível a comunicação de hosts utilizando uma interface similar à comunicação através de endereços MAC. Possibilita a utilização de qualquer protocolo de camada de rede. c. Multiprotocol Over ATM (MPOA) No evento da disseminação do uso de redes IP sob ATM e a utilização de redes virtuais emuladas, a carga dos roteadores aumentou. Para amenizar este fato, foi especificado pelo ATM Fórum o serviço MPOA, que utiliza os recursos do ATM para estabelecer uma conexão

20 19 permanente durante uma transmissão. Uma das principais funções do MPOA é prover conexão fim-a-fim entre as inter-subredes que estão diretamente conectadas ao ATM ou redes legadas, que podem ou não estar usando LANE, conseguindo assim aproveitar as vantagens oferecidas pelo QoS do ATM O Frame-Relay O Frame-Relay é uma tecnologia de comutação de pacotes em alta velocidade [BATES]. A comutação de pacotes é uma tecnologia store and forward para redes onde as mensagens dos usuários são quebradas em pedaços menores chamados de pacotes. Cada pacote possui o seu cabeçalho contendo o endereço de destino e informações de controle. Os pacotes são enviados da origem ao destino através do compartilhamento de links de dados e utilizam o conceito do TDM para compartilhar estes meios de transmissão. A comutação de pacotes em alta velocidade é uma combinação de comutação de pacotes com a utilização de links de alta velocidade e baixo retardo. A comutação de pacotes em alta velocidade é uma tecnologia hold and forward desenhada para reduzir o atraso, diminuir o overhead e processamento e reduzir custos. Foi idealizada para ser utilizada em circuitos de alta velocidade com baixo ou nenhum erro. Os erros são corrigidos nas duas pontas, ao invés de sobrecarregar os roteadores no caminho. O Frame-Relay insere os dados em um quadro (opera no nível 2 da camada OSI) e o transporta através de um circuito virtual permanente (PVC) sem necessitar do tratamento de erros que as antigas redes X.25 utilizavam. Diferente das redes X.25, o Frame-Relay não utiliza o reconhecimento positivo de dados (ACK) ou negativo de dados (NACK). No X.25, qualquer pacote corrompido gerava um pedido

21 20 de retransmissão pelo nó da rede, o que não acontece no Frame-Relay onde as camadas superiores fazem esta correção. Apesar destas diferenças, os dois serviços utilizam conceitos do TDM.

22 21 3 AS REDES METRO ETHERNET Metro Ethernet é um termo genérico usado para descrever uma tecnologia de rede Ethernet em uma área metropolitana. Utiliza toda a escalabilidade, simplicidade e flexibilidade que a tecnologia Ethernet tem a oferecer [WHALLEY]. Nas redes corporativas, o Metro Ethernet tem dois propósitos principais: a conectividade com a Internet e a conectividade entre sites corporativos geograficamente distantes. Na ilustração abaixo é apresentada uma visão geral do Metro Ethernet. Figura 2 - Visão geral do Metro Ethernet De acordo com a figura 2: a. Os enlaces são ponto a ponto e podem ser de qualquer taxa de transmissão em Ethernet. b. Os nós podem ser switches ou roteadores, dependendo de sua localização na MEN (Metro Ethernet Network), de acordo com os serviços fornecidos.

23 22 c. Em grandes distâncias, enlaces WAN podem interligar as MEN. Os serviços podem ser classificados em ponto-a-ponto, multiponto-a-multiponto ou pontoa-multiponto. Podem ser também classificados de acordo com a largura de banda necessária. A largura de banda pode ser fornecida por demanda de 1Mbps a 1Gbps, em incrementos de apenas 1Mbps. d. Vários níveis de resiliência 1 podem ser obtidos na combinação de técnicas de proteção de redes. Podem ser fim-a fim ou nó-a-nó. e. A Qualidade de Serviços (QoS) é conseguida através de várias técnicas de hardware ou software, além de uma taxa máxima de perda de pacotes garantida. Na perspectiva do usuário final, a qualidade de serviços está definida no contrato comercial junto à operadora de telecomunicações (SLA Service Level Agreement) 3.1 TECNOLOGIAS METRO ETHERNET Ethernet over SONET/SDH Muitas operadoras de telecomunicações realizaram grandes investimentos em infra-estrutura SONET/SDH nas redes metropolitanas. Para a utilização desta infra-estrutura foi idealizado o EoS (Ethernet over SONET) que além de proteger o investimento, traz vantagens na utilização deste meio [HALABI]. 1 Resiliência: Capacidade da infra-estrutura de se recobrar facilmente ou se adaptar às mudanças no estado dos enlaces.

24 23 O EoS otimiza as redes de transporte para adaptar o tráfego de dados e armazenamento, principalmente para o Ethernet e redes óticas. Recursos como VCAT (Virtual Concatenation), que possibilita a utilização flexível de largura de banda, LCAS (Link Adjustment Capacity Scheme), que provê um ajuste dinâmico da utilização desta banda, e GFP (Generic Framing Procedure), que possibilita a utilização de outros quadros além do Ethernet, são as principais vantagens desta tecnologia Metro Ethernet [JANDE]. Figura 3 O Ethernet over SONET O VCAT, Virtual Concatenation, é uma técnica de multiplexação inversa, que endereça alocação de banda associada com a hierarquia de sinais digitais do SONET/SDH. Possibilita qualquer combinação de canais SONET/SDH em um fluxo de dados, concatenando-os para obter melhor aproveitamento da largura de banda [HALABI].

25 24 Normalmente o Ethernet pode ser mapeado em um canal que encapsula toda a largura de banda, o que resulta na possível ociosidade deste canal, já que o SONET/SDH opera com canais de largura de banda de tamanho fixo. Com o VCAT, o Ethernet pode ser mapeado em vários canais de menor tamanho que podem ser roteados separadamente através da rede. O ponto de chegada pode compensar qualquer atraso no caminho e reagrupar os canais virtuais novamente no fluxo de dados único original. Os dispositivos intermediários da infra-estrutura da rede SONET/SDH não precisam suportar o VCAT, possibilitando a compatibilidade com as redes de legado instaladas. Figura 4 Exemplo de utilização do VCAT O exemplo da figura 4 mostra a eficiência da utilização da largura de banda que o VCAT pode proporcionar. Se a concatenação padrão for utilizada e a largura de banda requerida é de 300 Mbps, a operadora de telecomunicações tem a opção de fornecer múltiplas interfaces DS-3, utilizando técnicas de multiplexação de pacotes para distribuir o tráfego através destas interfaces. Fornecer múltiplas DS-3

26 25 ( Mbps) ao cliente é normalmente ineficiente, pois aumenta muito o custo e não garante a utilização da totalidade da largura de banda, devido à característica do SONET e sua hierarquia de sinais. A alternativa seria alocar uma OC-12 (622 Mbps) mas também haveria um grande desperdício de largura de banda. Com a VCAT, a operadora poderia fornecer um canal de 300 Mbps concatenando 6 canais DS-3 como se fosse um canal único, evitando o desperdício de largura de banda. O LCAS, Link Adjustment Capacity Scheme, é uma extensão do VCAT que permite a mudança dinâmica do número de canais SONET em um grupo de canais virtuais [CISCO]. Estes canais podem ser adicionados ou excluídos durante o fornecimento do serviço, sem causar impacto no tráfego deste canal virtual. O LCAS fornece um mecanismo de controle que incrementa ou decrementa a capacidade do grupo de canais virtuais (VGC Virtual Group Channel) para a largura de banda requerida. Além disso tem a capacidade de remover temporariamente um canal membro que apresentou falha. Este serviço ocorre de forma transparente, sem perdas. As vantagens do LCAS incluem: Possibilidade de incrementar ou decrementar a capacidade do grupo de canais virtuais em fragmentos de sua largura de banda; Mudanças na capacidade da largura de banda de forma transparente; Remoção automática de canais membro que apresentem falhas, assim como a alocação de canais para suprir esta falha; Interligação de grupos de canais virtuais que utilizam LCAS com outros que não utilizam e vice-versa; Controle unidirecional do grupo de canais virtuais, oferecendo a possibilidade de conexões assimétricas.

27 26 O GFP, Generic Framing Procedure, é o primeiro mecanismo de enquadramento capaz de endereçar um grande número de aplicações de transporte de dados dando suporte a uma variedade de protocolos de rede (resumidos na tabela 2) [FISCHABER]. O GFP foi apresentado pelo ITU na recomendação G.7041/Y.1303, e provê um mapeamento flexível e eficiente de vários protocolos em uma rede de transporte de dados. O GFP utiliza um fluxo de dados baseado em byte que mapeia diretamente em um fluxo de dados síncrono, como o SONET/SDH. O GFP mapeia protocolos baseados em pacotes, como o Ethernet, Fibra Ótica, FICON e ESCON (tecnologias usadas pela IBM em computadores de grande porte para comunicação com unidades de armazenamento de dados ou storages através de fibra ótica), e vários formatos de vídeo digital no SONET/SDH, normalmente utilizando o VCAT para prover canais de dados com taxas específicas. Comparado a outros tipos de enquadramentos, tais como o PoS (Packet over SONET/SDH), ATM e codificação 8B/10B, o GFP oferece uma redução significativa da latência e melhoria da utilização da largura de banda. O GFP utiliza dois modos de mapeamento, o GFP-F e o GFP-T. O GFP-F é normalmente utilizado para enquadrar protocolos baseados em pacotes/quadros tais como o IP/PPP ou Ethernet/MAC. Um quadro GFP é gerado antes de ser transmitido através da rede SONET/SDH. O GFP-T oferece transmissão direta de fluxos de dados que necessitam de baixa latência, tais como VoIP, video digital (ex. DVB-ASI) e aplicações SAN (Storage Area Network) tais como FICON/ESCON. O GFP-T é otimizado para protocolos que utilizam a codificação 8B/10B.

28 27 Tabela 2 Protocolos de rede suportados pelo GFP Protocolos com Mapeamento de Quadros Ethernet PPP RPR (IEEE ) FC-BBW Multiple - Access Protocol Over SDH (MAPOS) Protocolos com Mapeamento Transparente Fibre Channel Gigabit Ethernet ESCON DVB ASI FICON Asynchronous FC A principal vantagem do GFP é permitir de forma flexível e eficiente a utilização da largura de banda com um mecanismo que combina elementos comuns e específicos de cada tipo de pacote RPR Resilient Packet Ring O Resilient Packet Ring oferece duas grandes vantagens que antes eram exclusivas do SONET, que são o suporte eficiente à topologia em anel e a recuperação rápida em caso de rompimento físico de fibras óticas ou falhas em links de dados [RESILIENT PACKET RING ALLIANCE]. Além disso, procura efetivar um controle de congestionamento e justiça na utilização da largura de banda. A utilização da topologia em anel nas redes metropolitanas tem larga utilização devido à possibilidade de recuperação à falhas. A topologia em anel é muito utilizada nas redes SONET/SDH, porém possui a desvantagem conhecida de desperdiçar banda em seus canais de largura fixa, ineficiência na utilização de tráfego multicast (já que reserva um canal fixo para cada ponto) e na utilização de

29 28 um anel duplo para a redundância e recuperação de falhas, desperdiça 50% da banda disponível. Em um cenário de topologia em anel utilizando a tecnologia Ethernet, comparado ao SONET/SDH, utiliza melhor a largura de banda. Porém é lento na recuperação de falhas, já que utiliza o protocolo spanning tree para esta recuperação, comparado a outras técnicas existentes. O RPR, aprovado como Standard (802.17) pelo IEEE em meados de 2004, é um protocolo MAC que opera na camada 2. Preservando a independência das camadas, pode operar sobre o SONET, Ethernet ou DWDM, tecnologias de camada física. O MAC RPR é baseado na arquitetura Add-Drop Muxes (ADM), em comparação à arquitetura de comutação do Ethernet. No RPR os dispositivos implementam a noção de caminho de trânsito, em que cada nó deixa passar o tráfego não direcionado a ele, não havendo necessidade de recebê-lo, enfileirá-lo e agendar sua transmissão. Basicamente a entidade MAC existente em cada nó executa três funções. Add, para inserir o tráfego destinado a outro nó, Drop, para receber e retirar o tráfego assinado ao nó (no caso de uma transmissão multicast ele não retira o tráfego do anel) e Pass, para encaminhar o tráfego em trânsito de um nó para outro. O caminho de trânsito efetivamente se transforma em parte do meio de transmissão e faz com que o anel RPR se comporte como um único e contínuo meio compartilhado por todos os nós do anel, o que facilita a utilização em altas taxas de transmissão.

30 29 Figura 5 O dispositivo RPR age como um packet ADM conectado a um meio compartilhado O RPR possui um grau de resiliência natural, por ser um protocolo de pacotes dentro de uma topologia em anel. Mensagens de proteção são trocadas entre estações para informar o estado do anel. Estão definidos mecanismos de redirecionamento e de cobertura. Todas as estações em um anel devem usar o mesmo mecanismo de proteção. Figura 6 A proteção do RPR

31 30 Uma importante característica do RPR é o controle de igualdade ou justiça (fairness). O protocolo de justiça RPR proporciona uma distribuição justa da largura de banda disponível para todas as estações em um anel, mesmo nos momentos em que o anel possui alto tráfego ou congestionamento [RESILIENT PACKET RING ALLIANCE]. Alguns dos objetivos do protocolo de justiça RPR: a. Justiça baseada no peso da fonte transmissora. Em qualquer segmento ligado ao anel, a largura de banda disponível é alocada a cada nó na proporção ao seu peso relativo. Por exemplo, se todos os nós possuem peso similar, a largura de banda disponível será compartilhada de forma similar por todos os nós. Caso um dos nós possua um peso maior, a largura de banda alocada ao nó será proporcional ao peso do nó dividido pela soma dos pesos de todos os nós. b. Requerimento de largura de banda. O protocolo de justiça deve ser capaz de requerer largura de banda não utilizada que é disponibilizada mas não utilizada. c. Tempo de resposta rápida. Pelo fato do tráfego ser muito variável, para possibilitar a máxima utilização da largura de banda e para garantir que o protocolo seja responsável por mudanças instantâneas no tráfego, ele deve responder de forma imediata a estas mudanças. d. Utilização de grandes taxas de largura de banda. O protocolo deve ser habilitado a lidar com grandes taxas de largura de banda, mesmo sob cargas próximas a 100% de utilização do anel. e. Escalabilidade. O protocolo deve ser escalável e deve ser capaz de atender as taxas de largura de banda e diâmetros do anel previstos no padrão.

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Tecnologia e Comutação Ethernet. Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Universidade do Sul de Santa Catarina. Tecnologia e Comutação Ethernet. Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Universidade do Sul de Santa Catarina Tecnologia e Comutação Ethernet Conceitos de Ethernet Nos anos 80 foi publicado o primeiro padrão Ethernet por um consórcio entre a Digital Equipment Company, a Intel,

Leia mais

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON

PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON PASSIVE OPTICAL NETWORK - PON É uma solução para a rede de acesso, busca eliminar o gargalo das atuais conexões entre as redes dos usuários e as redes MAN e WAN. A solução PON não inclui equipamentos ativos

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Evolução do Padrão Ethernet

Evolução do Padrão Ethernet Beethovem Zanella Dias bzdias@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Evolução do Padrão Ethernet Resumo A rápida evolução dos padrões de tecnologias de rede nós leva a várias

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio II PADRÃO ETHERNET

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Ethernet Conceitos de Ethernet Introdução ao Ethernet Formato do quadro CSMA/CD Tipos de colisão Tipos de erro Autonegociação Introdução ao Ethernet É essencial ter um entendimento

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra

Fundamentos de Carrier Ethernet. Jerônimo A. Bezerra <jab@rnp.br> Fundamentos de Carrier Ethernet Jerônimo A. Bezerra 1 Índice Crescimento das redes metropolitanas Ethernet e seus desafios Metro Ethernet Forum - papel, aevidades e envolvimento Introdução

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo 2 Conceitos Tratamento de Colisão Histórico 3 Características Regras de Controle Tipos de Cabo e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Camada de Enlace Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Serviços Técnicas de Detecção e correção de Erros Protocolos de Acesso múltiplo Endereçamento Ethernet VLANs Relembrando

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

RCO2. WAN: MetroEthernet

RCO2. WAN: MetroEthernet RCO2 WAN: MetroEthernet 1 Carrier Ethernet Carrier Ethernet: definido pelo MEF como: Uma rede e serviços de transmissão ubíquos e padronizados definidos por cinco atributos que os diferem de LANs Ethernet

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Enlace Redes de Computadores 2 1 Modelo OSI O que os protocolos fazem? controle de erros: canais mais confiáveis - retransmissão reseqüenciamento: reordenar

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica.

Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica. Ethernet Óptica Este tutorial apresenta os principais conceitos sobre a revolução da Ethernet Óptica. Em aproximadamente trinta anos de existência, a Ethernet tornou-se onipresente; uma tecnologia plug

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Ethernet. Fast Ethernet

Ethernet. Fast Ethernet Ethernet Desenho feito por Robert Metcalfe em 1973 no centro de pesquisas da Xerox. Fast Ethernet Padrão IEEE 802.3u 1995 Switches com função: Full duplex / Controle de Fluxo (802.3x) Virtual LAN (VLAN)

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais