RELATÓRIO TÉCNICO N O RT0112/12 Isolação sonora de parede Drywall e mantas de fibra plástica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO TÉCNICO N O RT0112/12 Isolação sonora de parede Drywall e mantas de fibra plástica"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Depto. de Engenharia Mecânica Laboratório de Vibrações e Acústica Campus universitário, Trindade, CP 476 CEP , Florianópolis-SC Fone: / 9227 / 9278 Ramal: ALTENBURG Indústria Têxtil Ltda. Rodovia BR 470 km 61, 7235 Bairro Badenfurt, Bairro saudade, Blumenau SC, CEP Fone: (47) Fax: (47) Florianópolis, 12 de dezembro de RELATÓRIO TÉCNICO N O Isolação sonora de parede Drywall e mantas de fibra plástica 1. Introdução Este relatório se refere ao contrato de cooperação técnica, vinculado ao projeto 194/2011, assinado entre a FAPEU e a ALTENBURG, de 28 de novembro de Entre 09 e 27 de novembro de 2012, foram ensaiadas oito amostras de parede Drywall, com ou sem recheio de manta de fibras, para a determinação dos índices de redução sonora. Cada amostra foi instalada no vão entre as duas câmaras reverberantes do Laboratório de Vibrações e Acústica (LVA) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), campus Trindade, em Florianópolis, SC. O ensaio para determinar a redução sonora de divisórias verticais é constituído por medições do nível de pressão sonora nas duas câmaras e pela medição do tempo de reverberação na câmara de recepção (câmara reverberante número 2). Utilizou-se o procedimento baseado na norma ISO :2010. Posteriormente, foram calculados os índices de redução sonora por bandas de frequências. A partir destes valores, calculou-se o índice ponderado de redução sonora R w conforme procedimento descrito pela norma ISO 717-1:1996. As montagens e desmontagens das amostras foram realizadas pela empresa Embazza, conforme acordo com a Altenbug. 1

2 2. Descrição das Amostras Foram ensaiadas oito amostras de parede Drywall com ou sem recheio de mantas flexíveis. A descrição de cada amostra, conforme declarado pelo cliente e pelo montador, se encontra a seguir junto com os respectivos resultados dos ensaios (ver Tabela 1). Não houve controle sobre a secagem da massa utilizada para vedação (massa para tratamento de juntas e acabamento superficial sobre gesso acartonado). Tabela 1: Material ensaiado: parede Drywall com ou sem recheio. Ensaio Espessura total [mm] Acabamento Data do Ensaio 1 73 Sem recheio 09/11/ Ecofiber wall, 10 kg/m 3, 50 mm 10/11/ Ecofiber wall, 13 kg/m 3, 50 mm 10/11/ Lã de vidro 10 kg/m 3, 50 mm 12/11/ Sem recheio 20/11/ Ecofiber wall, 13 kg/m 3, 75 mm 21/11/ Sem recheio 23/11/ Ecofiber wall, 13 kg/m 3, 100 mm 28/11/ Procedimento Os procedimentos utilizados foram baseados na norma ISO :2010. As medições do nível de pressão sonora foram realizadas simultaneamente nas câmaras reverberantes de emissão e de recepção. Para a determinação dos valores médios no tempo e no espaço, foram utilizados microfones em movimento giratório, com período de 32 segundos e durante seis voltas completas. Foram utilizadas duas posições independentes de fonte sonora e obtidos os valores médios das diferenças de nível de pressão sonora para cada banda de frequências. Os valores do tempo de reverberação na câmara de recepção foram obtidos pela média dos decaimentos sonoros realizados com a utilização de seis posições independentes de fonte sonora e microfone, com três repetições para cada posição. 2

3 Figura 1: Foto com detalhe do vão entre câmaras, durante a colocação da banda acústica, primeira etapa da montagem da amostra. Figura 2: Foto da primeira placa de gesso acartonado instalada (esquerda) e foto da colocação das mantas como recheio das placas (direita). 3

4 LVA/UFSC Figura 3: Foto das duas mantas instaladas, separadas pelo perfil metálico central (esquerda) e foto da aplicação da massa de vedação sobre placa de gesso acartonado nas bordas e furos de parafusos. Figura 4: Foto da amostra montada no vão entre câmaras, pronta para o ensaio, vista da câmara de emissão; microfone montado no dispositivo giratório. 4

5 Figura 6: Foto da amostra, vista da câmara de recepção e microfone montado no dispositivo giratório Instrumentação utilizada Analisador digital de sinais Brüel & Kjaer modelo Pulse 3109 (patrimônio FEESC: ) Notebook Toshiba modelo Satelitte A355-S6925 Microfone GRAS tipo 40AQ (número de série 54295) Pré-amplificador GRAS tipo 26CA (CCP) (número de série 74730) Microfone GRAS tipo 40AQ (número de série 21532) Pré-amplificador GRAS tipo 26CA (número de série 36658) Rotating Microphone Boom Brüel & Kjaer tipo 3923 (duas unidades) Calibrador acústico pistonphone GRAS tipo 42AA (número de série ) Amplificador de potência Cygnus modelo PA 1800X Caixa acústica com alto-falantes Selenium 3.2. Câmara reverberante 1 (emissão) Volume = 148 m 3. Área das superfícies internas = 191 m Câmara reverberante 2 (recepção) Volume de ar interno: 199 m 3. Área das superfícies internas = 210 m 2. 5

6 Figura 6: Fotos da câmara reverberante 1 (esquerda) e câmara reverberante 2 (direita) e parte da instrumentação: caixas acústicas e microfones fixados no respectivo dispositivo giratório Vão entre câmaras Espaço destinado para instalação da amostra: 1810 mm x 1130 mm (ver Figura 7) Vão livre entre câmaras Área de transmissão sonora da amostra: 1755 mm x 1082 mm (ver Figura 7). Figura 7: Fotos do vão entre câmaras para montagem da amostra. 4. Resultados Os resultados obtidos se referem à amostra ensaiada, nas condições do ensaio. 6

7 Ensaio 1 PAREDE DRYWALL 73 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/M48/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 48 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica Data do Ensaio: 09/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 umidade relativa do ar: 85 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 24 o C Índice de Redução Ponderado R w = 35 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 7

8 Ensaio 2 PAREDE DRYWALL 73 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/M48/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 48 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica, com manta de fibra Ecofiber Wall densidade 10 kg/m³ espessura 50 mm Data do Ensaio: 10/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 umidade relativa do ar: 88 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 24 o C Índice de Redução Ponderado R w = 40 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 8

9 Ensaio 3 PAREDE DRYWALL 73 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/48/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 48 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica, com manta de fibra Ecofiber Wall densidade 13 kg/m³ espessura 50 mm Data do Ensaio: 10/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 umidade relativa do ar: 88 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 24 o C Índice de Redução Ponderado R w = 40 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 9

10 Ensaio 4 PAREDE DRYWALL 73 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/48/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 48 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica, com manta de lã de vidro densidade 10 kg/m³ espessura 50 mm Data do Ensaio: 12/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,6 umidade relativa do ar: 85 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 24 o C Índice de Redução Ponderado R w = 41 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 10

11 Ensaio 5 PAREDE DRYWALL 95 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/M70/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 70 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica Data do Ensaio: 20/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,1 umidade relativa do ar: 80 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 24 o C Índice de Redução Ponderado R w = 38 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 11

12 Ensaio 6 PAREDE DRYWALL 95 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/M70/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 70 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica, com manta de fibra Ecofiber Wall densidade 13 kg/m³ espessura 75 mm Data do Ensaio: 21/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,9 umidade relativa do ar: 80 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 25 o C Índice de Redução Ponderado R w = 43 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 12

13 Ensaio 7 PAREDE DRYWALL 115 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/90/ST) espessura 12,5 mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50 mm composta por montantes e guias 90 mm dispostos a cada 600 mm e banda acústica Data do Ensaio: 23/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC 100 7, , , , , , , , , , , , , , , , , ,4 umidade relativa do ar: 80 % pressão atmosférica: 1008 mbar temperatura do ar: 24 o C Índice de Redução Ponderado R w = 38 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 13

14 Ensaio 8 PAREDE DRYWALL 115 mm, composta por uma placa de gesso acartonado de cada lado (ST/M90/ST) espessura 12,5mm, painéis parafusados sobre estrutura de aço galvanizado espessura 0,50mm composta por montantes e guias 90mm dispostos a cada 600mm e banda acústica, com manta de fibra Ecofiber Wall densidade 13 kg/m³ espessura 100 mm Data do Ensaio: 28/11/2012 Local: LVA/UFSC - Florianópolis-SC , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 umidade relativa do ar: 85 % pressão atmosférica: 1012 mbar temperatura do ar: 27 o C Índice de Redução Ponderado R w = 45 Os valores do Índice de Redução foram obtidos em laboratório por procedimento baseado 14

15 5. Referências ISO :2010 Acoustics Laboratory measurement of sound insulation of building elements Part 2: Measurement of airborne sound insulation. ISO 717-1:1996 Acoustics Rating of sound insulation in buildings and of building elements Part 1: Airborne sound insulation. 6. Conclusões As amostras ensaiadas apresentaram isolamento acústico compatível com os materiais utilizados, ou seja, paredes montadas no sistema Drywall com duas chapas de gesso acartonado e com ou sem mantas fibrosas no seu interior. Isso pode ser visto, resumidamente, pela comparação dos valores dos índices ponderados obtidos por estes ensaios com aqueles apresentados em publicações técnicas e/ou comerciais de materiais semelhantes. Os resultados apresentados neste relatório também são compatíveis com aqueles apresentados em trabalhos científicos que utilizaram o mesmo tipo de sistema construtivo. O conhecimento mais profundo do desempenho de cada montagem pode ser obtido pela análise detalhada dos resultados por bandas de frequências. Com isso, é possível ter indicativos de medidas para melhorar o isolamento acústico dos materiais e assim aumentar os valores dos índices utilizados para avaliação do desempenho, como o R w. Atenciosamente, Prof. E. Felipe Vergara, Dr. Eng. Eng o Mauricy C. R. Souza, Dr. Eng. 15

Relatório de Ensaio PD.33.10.61A.0886A/RE-01-AC. Ensaios e Medição de Pressão Sonora no Operador Sentado

Relatório de Ensaio PD.33.10.61A.0886A/RE-01-AC. Ensaios e Medição de Pressão Sonora no Operador Sentado Ensaios e Medição de Pressão Sonora no Operador Sentado Modelo: Positivo Master D550 Fabricante: Positivo Informática S.A. Cotação: 29982/12 OS: 67631 Cliente: Positivo Informática S.A. Contato: Laerte

Leia mais

série KAT Unidades de transferência de ar acústica www.koolair.com

série KAT Unidades de transferência de ar acústica www.koolair.com série Unidades de transferência de ar acústica www.koolair.com 1 Unidade de transferência de ar acústica ÍNDICE Unidade de transferência de ar acústica. 2 Dimensões. 3 Dados técnicos. 5 Codificação. 7

Leia mais

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo

Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo PÁGINA 01/05 TÍTULO : Ensaios Avaliação Sonora. INTERESSADO : Fise Fechoplast Indústria de Sistemas para Esquadrias Ltda - Rua dos Inocentes, 393 Socorro - São Paulo REFERÊNCIA : N/D NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

Tabela 1 Identificação das amostras ensaiadas. Espessura (mm) 01 Manta PISO EBIOS AM A 10 Referência Laje+contrapiso+porcelanato 170

Tabela 1 Identificação das amostras ensaiadas. Espessura (mm) 01 Manta PISO EBIOS AM A 10 Referência Laje+contrapiso+porcelanato 170 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 32208461 Lab. Acústica

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS

Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de drywall ABNT INSTITUTO DE ENGENHARIA DIVISÕES TÉCNICAS Análise dos requisitos da parte 4 da NBR 15.575 para vedações internas de

Leia mais

Construção Civil. Lajes Nervuradas com EPS / Fachadas e Rodatetos em EPS. A leveza do EPS, gerando economia

Construção Civil. Lajes Nervuradas com EPS / Fachadas e Rodatetos em EPS. A leveza do EPS, gerando economia Construção Civil Lajes Nervuradas com EPS / Fachadas e Rodatetos em EPS A leveza do EPS, gerando economia Enchimento para Lajes EPS Unidirecional Moldada (330 e 400mm) 330 / 400mm 1000mm 30 40 330 / 400

Leia mais

Relativamente ao isolamento acústico em Apartamentos, Moradias e Lojas, é necessário alertar para alguns pontos em termos de execução em obra:

Relativamente ao isolamento acústico em Apartamentos, Moradias e Lojas, é necessário alertar para alguns pontos em termos de execução em obra: Relativamente ao isolamento acústico em Apartamentos, Moradias e Lojas, é necessário alertar para alguns pontos em termos de execução em obra: 1 - Sons aéreos entre o exterior e o interior dos apartamentos

Leia mais

sistema construtivo Steel Frame

sistema construtivo Steel Frame sistema construtivo Steel Frame A Allmas é uma indústria da construção civil, especializada na fabricação de estruturas e na construção em Steel Frame ou Light Steel Frame (LSF). Atua nos segmentos residenciais,

Leia mais

Forros. Pesquisa de Materiais Kely Medeiros Carvalho

Forros. Pesquisa de Materiais Kely Medeiros Carvalho Forros Pesquisa de Materiais Kely Medeiros Carvalho Tipos de Forros!! Índice! Forro Monolítico Knauf D112 Unidirecional - slide 03 Forro Monolítico Knauf D112 Bidirecional - slide 11 Forro de Madeira -

Leia mais

Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos:

Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos: Toda situação acústica envolve, necessariamente, 3 elementos: RECEPTOR FONTE MEIO DE PROPAGAÇÃO A resposta acústica de um ambiente depende das características morfológicas do meio de propagação. PROPAGAÇÃO

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO DE DIVISÓRIAS VERTICAIS EM BLOCOS DE GESSO: UMA AVALIAÇÃO A PARTIR DE MEDIÇÕES DE CAMPO E EM LABORATÓRIO

DESEMPENHO ACÚSTICO DE DIVISÓRIAS VERTICAIS EM BLOCOS DE GESSO: UMA AVALIAÇÃO A PARTIR DE MEDIÇÕES DE CAMPO E EM LABORATÓRIO parc research in architecture and construction revistaparc.fec.unicamp.br unicamp ISSN 980-6809 received in 03..204 accepted in 02.0.205 available online on 9.02.205 DESEMPENHO ACÚSTICO DE DIVISÓRIAS VERTICAIS

Leia mais

ANEXO I AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DAS SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PARA PAVIMENTOS CÁLCULO

ANEXO I AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DAS SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS PARA PAVIMENTOS CÁLCULO ESCOLA DE ENGENHARA Departamento de Engenharia Civil Mestrado em Engenharia Civil -Novas tecnologias construtivas com vista à sustentabilidade da construção- ANEXO AVALAÇÃO DA SUSTENTABLDADE DAS SOLUÇÕES

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTORES PARA O ISOLAMENTO SONORO DAS FACHADAS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTORES PARA O ISOLAMENTO SONORO DAS FACHADAS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTORES PARA O ISOLAMENTO SONORO DAS FACHADAS PACS : 43..Ev Bragança, Luís 1 ; Silva, Sandra 1 ; Patrício, Jorge 2 1 UM, Dep. Eng. Civil, Azurém, 4800 Guimarães, Portugal Tel: 1 3 5

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Gesso Acartonado Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 6.1. Introdução: Comparado com países Estados Unidos e Japão, o mercado de drywall no Brasil é ainda incipiente.

Leia mais

GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GVS

GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/205.755/A/10 TELHAS DE FIBROCIMENTO COLORIDAS ESTUDO DE TEMPERATURA

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/205.755/A/10 TELHAS DE FIBROCIMENTO COLORIDAS ESTUDO DE TEMPERATURA Página: 1/7 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/205.755/A/10 TELHAS DE FIBROCIMENTO COLORIDAS ESTUDO DE TEMPERATURA INTERESSADO: MONIER TEGULA SOLUCOES PARA TELHADOS LTDA. Avenida Tégula, 333 Ponte Alta. 12953-162

Leia mais

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES DO SISTEMA DRYWALL (PSQ-Drywall)

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES DO SISTEMA DRYWALL (PSQ-Drywall) PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES DO SISTEMA DRYWALL (PSQ-Drywall) Diagnóstico e evolução do setor, considerando os três primeiros semestres (setoriais) do Programa Abril de 2006 PROGRAMA

Leia mais

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio L A U D O T É C N I C O Segurança estrutural contra incêndio GINASIO POLIESPORTIVO TAPEJARA RS MAIO DE 2015 OBJETIVO: Este laudo tem por objetivo estabelecer as condições mínimas que os materiais existentes

Leia mais

Palavras-chave: Isolamento sonoro. Parede em light steel frame. Banda acústica. Barra resiliente. Índice de redução sonora ponderado (Rw).

Palavras-chave: Isolamento sonoro. Parede em light steel frame. Banda acústica. Barra resiliente. Índice de redução sonora ponderado (Rw). ISSN 1678-1740 http://ulbratorres.com.br/revista/ Torres,Vol. I - Novembro, 2016 Submetido em: Jul/Ago/Set, 2016 Aceito em: Out/2016 BANDA ACÚSTICA FIXADA EM GUIAS E MONTANTES PROMOVE AUMENTO DO ISOLAMENTO

Leia mais

PermaBase. Placas Cimentícias

PermaBase. Placas Cimentícias PermaBase Placas Cimentícias PAREDES EXTERIORES 2. Malha de fibra de vidro anti-alcalina 5. Perfil "C" com 75 x 50 x 1 mm em aço galvanizado 6. Guia "U" com 75 x 40 x 1 mm em aço galvanizado 7. Lã mineral

Leia mais

uso externo Nº 2117 1

uso externo Nº 2117 1 Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 12 DESENHO 2 - CORPO DA CAIXA DISPOSITIVO PARA LACRE DE SEGURANÇA A B ROSCA M6 x 1 TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x 1,5 C TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x

Leia mais

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206.

NBR 5629 Execução de tirantes ancorados no solo, 17/03/206. ATENDIMENTO DE DE SERVIÇOS E TECNOLÓGICO 1 DE 8 1. NORMAS DE DE SERVIÇOS 1.1 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO NBR 13133 - Execução de levantamento topográfico, 30/05/1994. Errata em 30/12/1996. 1.2 SOLOS E FUNDAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS ALGE Metalúrgica SP: 08.445.558/0001-92 ALGE ALTENBURG Têxtil SC: 75.293.662/0004-49 ECOFIBER WALL Lã de PET para isolamento para Montante 48

Leia mais

Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade

Case study of acoustic performance of corrections in junctions of internal wall and curtain wall façade Buenos Aires 5 to 9 September 2016 Acoustics for the 21 st Century PROCEEDINGS of the 22 nd International Congress on Acoustics Architectural Acoustics Room and Building Acoustics: FIA2016-93 Case study

Leia mais

MEDIÇÃO AUTOMÁTICA DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO ACÚSTICA DE MATERIAIS

MEDIÇÃO AUTOMÁTICA DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO ACÚSTICA DE MATERIAIS 1 MEDIÇÃO AUTOMÁTICA DO COEFICIENTE DE ABSORÇÃO ACÚSTICA DE MATERIAIS HENRIQUE FORLANI MASINI 1 ; ELIAS BITENCOURT TEODORO 2 Resumo: Este trabalho apresenta como proposta o desenvolvimento de um equipamento

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 Descrição

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO. Data: 02/10/14 Nº: 038/14

RELATÓRIO DE ENSAIO. Data: 02/10/14 Nº: 038/14 Av. Rhodes, 01- Bairro: Santa Edwiges Cambuí MG CEP: 37600-000 CNPJ: 60.657.624/0001-08 I.E.: 106.743.864.0040 Email: laboratorio@rhodes.ind.br Telefone: (35) 3431-9243 Laboratório pertencente à Rede Brasileira

Leia mais

O conceito para portas Sauerland

O conceito para portas Sauerland O conceito para portas O conceito para portas Oferecemos mais do que somente um painel de enchimento para portas. Oferecemos um conceito: O conceito para portas Ao utilizar os nossos painéis, você irá

Leia mais

Comércio de Grades e Ferragens Ltda. Catálogos de Produtos

Comércio de Grades e Ferragens Ltda. Catálogos de Produtos Comércio de Grades e Ferragens Ltda. Catálogos de Produtos S DE PISO As grades COM são utilizadas largamente em plataformas industriais, passarelas, canaletas, circulares, plataformas circulares, degraus,

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação LI-100 Indicador de Nível Cod: 073AA-018-122M Outubro / 2003 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999 FAX: (11) 3488-8980

Leia mais

Um mecânico recém-formado foi admitido

Um mecânico recém-formado foi admitido A U A UL LA Junções III Introdução Um mecânico recém-formado foi admitido para trabalhar numa indústria de máquinas agrícolas. O supervisor o encaminhou à área de montagem de comandos e sistemas hidráulicos.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

Quimicryl S/A. Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP

Quimicryl S/A. Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP Quimicryl S/A Empreendimento Veredas de Itaquá Rua Netuno, 222 Itaquaquecetuba/SP Avaliação Normalizada para ensaio de campo do isolamento ao som de impacto em pisos Relatório nº 16-761-EIM-E1 Este relatório

Leia mais

1. Objetivo. 2. Requisitos para avaliação do desempenho de sistemas de vedação vertical interna conforme NBR 15575:2013 - Parte 4

1. Objetivo. 2. Requisitos para avaliação do desempenho de sistemas de vedação vertical interna conforme NBR 15575:2013 - Parte 4 1. Objetivo Os sistemas Drywall Knauf destinam-se às paredes internas não estruturais e têm por objetivo atender às exigências e recomendações da norma NBR 15575:2013 Parte 4 Requisitos para sistemas de

Leia mais

Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma.

Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma. WWW.CS-TELHAS.PT Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma. Plasma TX1, cor Antracite e Plasma TX2, cor Cinza Aço. As fachadas

Leia mais

Canaletas PVC DLP & Acessórios

Canaletas PVC DLP & Acessórios Centro de Suporte Técnico T 0800-11 11-8008 servmercado@piallegrand.com.br Canaletas PVC DLP & Acessórios CONTEÚDOS PÁGINAS 1.Linha 1 a 2 2.Acessórios de acabamento 3 a 5 3.Acessórios complementares 6

Leia mais

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA.

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. Relatório de Ensaio (RAE) N.º 10811015 Pág.: 1 / 6 Data de emissão: 23/10/2015 1 Solicitante: Ultra Safe Comercio, Importação e Exportação Eireli Endereço:

Leia mais

3 Barreiras de Fogo - Sistema C-AJ-5030

3 Barreiras de Fogo - Sistema C-AJ-5030 3 Barreiras de Fogo - Sistema C-AJ-5030 Dados Técnicos Junho/02 Substitui: Janeiro/01 Tubos Metálicos Isolados F 1 and 2 horas (veja o item 1) T 0 horas L Temperatura Ambiente 0,30 m³/m² ( 2 CFM/sq ft)

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

FICHA TÉCNICA PRODUTO

FICHA TÉCNICA PRODUTO Modelo: ÚNICO Descrição do modelo: O modelo base de toda a gama OPENSPACE é composto por um caixilho de embutir para aplicação de uma porta de correr em madeira ou vidro. Com uma enorme versatilidade de

Leia mais

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems

Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Architectural Acoustics - Room and Building Acoustics: FIA2016-38 Sound insulation field measurements of Brazilian traditional internal horizontal partition systems Josiane Reschke Pires (a), Sérgio Klippel

Leia mais

Um Sistema de Baixo Custo para o Aluno de Acústica de Salas

Um Sistema de Baixo Custo para o Aluno de Acústica de Salas Um Sistema de Baixo Custo para o Aluno de Acústica de Salas Marcelo Santos Portela Laboratório de Vibrações e Acústica Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Caixa Postal 476 Florianópolis SC Brasil

Leia mais

Placa de orifício, modelo FLC-OP Flange de orifício, modelo FLC-FL Câmara anular, modelo FLC-AC

Placa de orifício, modelo FLC-OP Flange de orifício, modelo FLC-FL Câmara anular, modelo FLC-AC Medição de vazão Placa de orifício, modelo FLC-OP Flange de orifício, modelo FLC-FL Câmara anular, modelo FLC-AC WIKA folha de dados FL 10.01 Aplicações Geração de energia Produção de óleo e refino Tratamento

Leia mais

IVENTEA INSTALAÇÃO DE VENTILAÇÃO E ESTUDOS AERÓLICOS EXPERIÊNCIA 3 DETERMINAÇÃO DE CAUDAL DE AR ATRAVÉS DE VÁRIOS MEDIDORES

IVENTEA INSTALAÇÃO DE VENTILAÇÃO E ESTUDOS AERÓLICOS EXPERIÊNCIA 3 DETERMINAÇÃO DE CAUDAL DE AR ATRAVÉS DE VÁRIOS MEDIDORES IVENTEA INSTALAÇÃO DE VENTILAÇÃO E ESTUDOS AERÓLICOS EXPERIÊNCIA 3 DETERMINAÇÃO DE CAUDAL DE AR ATRAVÉS DE VÁRIOS MEDIDORES Maio de 2012 Regras de utilização do equipamento 1. Antes de iniciar qualquer

Leia mais

Pressão INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Unidades usuais de pressão. Conversão de Unidades de Pressão. Tipos de pressão. Quanto a referência utilizada

Pressão INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Unidades usuais de pressão. Conversão de Unidades de Pressão. Tipos de pressão. Quanto a referência utilizada Pressão É a razão entre a força exercida sobre uma superfície e a área desta superfície. INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Medidores de pressão Unidades SI P: pressão em N/m 2 = Pa = Pascal F: força normal (ortogonal)

Leia mais

1ª Ficha de Avaliação Física e Química do 8ºAno Avaliação:

1ª Ficha de Avaliação Física e Química do 8ºAno Avaliação: 1ª Ficha de Avaliação Física e Química do 8ºAno Avaliação: Ano Letivo:2013/2014 Data: 7/11/2013 Prof: Paula Silva Nome: Nº. Turma: 8ºH Professor: E. Educação: 1. Observa a banda desenhada ao lado e comenta-a

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção

Leia mais

ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO. Sons Aéreos. Isolamento.

ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO. Sons Aéreos. Isolamento. ISOLAMENTO DE RUÍDOS DE PERCUSSÃO Isolamento Sons Aéreos Sons de Percussão Afecta apenas os locais mais próximos da fonte de emissão Propaga-se até locais muito afastados da fonte de emissão. A transmissão

Leia mais

Distância entre o eléctrodo de medida e a parede do tanque ( eléctrodos ). Área da superfície dos eléctrodos. Constante dieléctrica da substância.

Distância entre o eléctrodo de medida e a parede do tanque ( eléctrodos ). Área da superfície dos eléctrodos. Constante dieléctrica da substância. O nível de líquidos, interfaces e sólidos granulares pode ser medido usando o efeito de capacitância eléctrica.. A capacitância do condensador é principalmente influenciada por três elementos: Distância

Leia mais

07/05/2014. Professor

07/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Introdução a Engenharia Civil Área de Construção Civil MSc. Dr. André Luís Gamino Professor Definição

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO 18 Janeiro.2012 ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO INSPEÇÃO E ENSAIOS A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO INSPEÇÃO

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING CONTRIBUTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TINTA COM CARACTERÍSTICAS DE ABSORÇÃO SONORA PACS: 43.35.NS António P. O. Carvalho; Ricardo Santelmo T. Gomes Laboratório de Acústica, Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Selabilidade de juntas tipo duplacamisa para trocadores de calor em flanges com e sem nubbin

Selabilidade de juntas tipo duplacamisa para trocadores de calor em flanges com e sem nubbin Selabilidade de juntas tipo duplacamisa para trocadores de calor em flanges com e sem nubbin Resumo José Carlos Veiga Teadit Indústria e Comércio Ltda Devido às suas dimensões, juntas de vedação duplacamisa,

Leia mais

55. X X X X. XXX. líquido: 1 - glicerina 2 - seco

55. X X X X. XXX. líquido: 1 - glicerina 2 - seco Manômetros Balflex Os manômetros Balflex são utilizados para medição de pontos com pressão dinâmica, pulsação ou com vibrações elevadas, na hidráulica ou em compressores. A gama de manômetros Balflex é

Leia mais

III-502 - APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE GIRASSOL NA CONSTRUÇÃO DE PLACAS PARA ISOLAMENTO ACÚSTICO

III-502 - APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE GIRASSOL NA CONSTRUÇÃO DE PLACAS PARA ISOLAMENTO ACÚSTICO III-502 - APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE GIRASSOL NA CONSTRUÇÃO DE PLACAS PARA ISOLAMENTO ACÚSTICO Camila Stockey Erhardt (1) Acadêmica de Engenharia Civil na Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Bolsista

Leia mais

O sistema de cofragem para oaredes e pilares

O sistema de cofragem para oaredes e pilares O sistema de cofragem para oaredes e pilares Sistema de módulos adaptável a cada obra Stem ofrece soluções de cofragem para paredes de qualquer dimensão e forma, acoplando os seus paineis no sentido vertical

Leia mais

Instruções complementares. Conector de encaixe M12 x 1. para sensores de medição contínua. Document ID: 30377

Instruções complementares. Conector de encaixe M12 x 1. para sensores de medição contínua. Document ID: 30377 Instruções complementares Conector de encaixe M2 x para sensores de medição contínua Document ID: 30377 Índice Índice Para sua segurança. Utilização conforme a finalidade... 3.2 Utilização não permitida...

Leia mais

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS EMPRESAS PARTICIPANTES E SUA CLASSIFICAÇÃO NO PROGRAMA (ordem alfabética por empresa) CNPJ Marca comercializada Componentes comercializados

Leia mais

Difusor de Jato de Ar de Longo Alcance

Difusor de Jato de Ar de Longo Alcance 1/5/P/4 Difusor de Jato de Ar de ongo Alcance Série DUE TROX DO BRASI TDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br

Leia mais

A m a r c a d a c o n s tr u ç ã o

A m a r c a d a c o n s tr u ç ã o Passo-a-passo 1. Analisando o Contrapiso Verifique se o contrapiso apresenta irregularidades, com a utilização de uma régua. Faça a medição de parede a parede em tiras de 1,5 metro. Se apresentar saliências

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução... 1. Capítulo 2 Componentes elétricos básicos... 17. Capítulo 3 Noções de eletricidade em corrente alternada...

Sumário. Capítulo 1 Introdução... 1. Capítulo 2 Componentes elétricos básicos... 17. Capítulo 3 Noções de eletricidade em corrente alternada... Sumário Capítulo 1 Introdução.................................... 1 Objetivos do capítulo.............................................. 1 1.2 Controle de processo..............................................

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA

SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA SITUAÇÃO FÍSICA DA ÁREA Os espaços estão distribuídos em dois pontos: a) Identificado no Mix Comercial/PDIR, como área nº 017. Localiza-se no primeiro piso, área restrita de desembarque internacional,

Leia mais

MATERIAL COM RESÍDUO DE EVA PARA A REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO DO RUÍDO DE IMPACTO

MATERIAL COM RESÍDUO DE EVA PARA A REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO DO RUÍDO DE IMPACTO MATERIAL COM RESÍDUO DE EVA PARA A REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO DO RUÍDO DE IMPACTO Maria Fernanda de Oliveira Nunes; Jeferson Rauber. Laboratório de Conforto Ambiental, Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade

Leia mais

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções.

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções. Manual de instruções. Esquadrias Metálicas Ltda. PORTA DE CORRER A Atimaky utiliza, na fabricação das janelas, aço galvanizado adquirido diretamente da Usina com tratamento de superfície de ultima geração

Leia mais

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA INTRODUÇÃO PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA Volume de entrada no setor Consumo autorizado Perda de água Consumo autorizado faturado Consumo autorizado

Leia mais

Forros. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

Forros. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II Forros Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II Definição Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM

PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM Objetivo Geral do Planejamento das Obras 1) Considerando que os serviços de dragagem, normalmente, exigem não só elevados custos em sua execução, mas ainda, uma técnica

Leia mais

Industrial e Comercial Eletroservice LTDA.

Industrial e Comercial Eletroservice LTDA. Dissipadores de Calor eletroservice LTROSRVIS Industrial e Comercial letroservice LTDA. Rua da Barra, 6 - Parque Rincão - CP: 65-4 - Cotia, SP. Fone: (11) 43-11 - Fax: (11) 43-84 www.eletroservice.com.br

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 2ª MEDIÇÃO OBRA: EXECUÇÃO DE REFORMA NO FÓRUM TRABALHISTA DE FRANCISCO BELTRÃO. CONTRATADA: CONSTRUTORA SUDOESTE LTDA ME. Considerando a instituição da Comissão de Recebimento e Fiscalização

Leia mais

AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS EM MADEIRA

AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS EM MADEIRA Coimbra, Portugal, 2012 AVALIAÇÃO EM LABORATÓRIO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS EM MADEIRA Marco A. Oliveira 1 *, Sandra M. Silva 2, Jorge M. Branco 3, Luís M. Bragança 4 e Paulo B.

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário

COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET. Termo de Referência Mobiliário COTAÇÃO ELETRÔNICA Nº 0001/2012 COMPRASNET Termo de Referência Mobiliário Objeto O presente Termo de Referência tem por objetivo a aquisição de mobiliários para atender as demandas decorrentes das novas

Leia mais

RELATÓRIO 2ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO 2ª MEDIÇÃO RELATÓRIO 2ª MEDIÇÃO OBRA: EXECUÇÃO DE REFORMA NO FÓRUM TRABALHISTA DE CORNÉLIO PROCÓPIO - IMÓVEL LOCADO. CONTRATADA: NS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA - EPP. Considerando a instituição da Comissão de Recebimento

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por José Carlos Valente de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por José Carlos Valente de Oliveira. Informação Esta publicação é uma tradução do Guia de Calibração EURAMET Calibração de Comparadores de Blocos-Padrão (EURAMET/cg-02/v.01, November 2007). Os direitos autorais do documento original pertencem

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO PARA O RANGE DE CAIXAS ABTECH BPG SIRA99ATEX3173

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO PARA O RANGE DE CAIXAS ABTECH BPG SIRA99ATEX3173 ABTQ-34 rev 05 Última Revisão 22nd March 2010: INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO & MANUTENÇÃO PARA O RANGE DE CAIXAS ABTECH BPG SIRA99ATEX3173 A marcação mostrada é para uma caixa de terminação certificada.

Leia mais

Produtos para Parede de Gesso Acartonado. Exclusivo sistema de isolamento* Impede a corrente galvânica; Evita corrosão; Aumenta a durabilidade.

Produtos para Parede de Gesso Acartonado. Exclusivo sistema de isolamento* Impede a corrente galvânica; Evita corrosão; Aumenta a durabilidade. Linha Produtos para Parede de Gesso Acartonado Exclusivo sistema de isolamento* Impede a corrente galvânica; Evita corrosão; Aumenta a durabilidade. *Patente Requerida Produtos para Parede de Gesso Acartonado

Leia mais

O Painel Frigorífico possui uma série de características e qualidades que o colocam na vanguarda do sector:

O Painel Frigorífico possui uma série de características e qualidades que o colocam na vanguarda do sector: Painel Frigorífico DESCRIÇÃO O Painel Frigorífico é uma solução isolante utilizada como fecho de câmaras frigoríficas, naves frigoríficas e compartimentação de locais que precisam manter um determinado

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3.

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1 Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. 1 Parte integrante do Projeto de pesquisa Análise, Modelagem e Desenvolvimento

Leia mais

KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla

KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla série KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla www.koolair.com Série KD 1 ÍNDICE Descrição 2 Execuções e dimensões 3 Quadros de selecção e codificação 4 2 Série KD Caixa mistura de conduta dupla,

Leia mais

Medição de comprimentos, massas e tempos

Medição de comprimentos, massas e tempos José Mariano Departamento de Física, FCT Universidade do Algarve jmariano@ualg.pt 1 Objectivo Pretende-se com este trabalho prático realizar medidas de diferentes grandezas físicas, nomeadamente diâmetros,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

TAMPÕES DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL

TAMPÕES DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL Rev. 0 1 DIRTEC Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul. 1 de 6 ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS EMISSÃO INICIAL REVISÃO GERAL DATA: 24/06/05 30/05/12 EXECUÇÃO: Hebert Michael

Leia mais

P r o t e g e m, e m b e l e z a m e v a l o r i z a m s e u a m b i e n t e.

P r o t e g e m, e m b e l e z a m e v a l o r i z a m s e u a m b i e n t e. PROTETORES DE PAREDE CORRIMAOS, CANTONEIRAS E BATE-MACAS - EM PVC PVC P r o t e g e m, e m b e l e z a m e v a l o r i z a m s e u a m b i e n t e. Protetor de Parede/Bate-Macas TEC 200 O protetor de parede

Leia mais

SOLDAGEM S99. Dimensões. Características Técnicas. Montagem CONJUNTO DE REPARO - COD B1562 (MONTADO) Registro Dupla Saída Oxigênio.

SOLDAGEM S99. Dimensões. Características Técnicas. Montagem CONJUNTO DE REPARO - COD B1562 (MONTADO) Registro Dupla Saída Oxigênio. Registro Dupla Saída Oxigênio série FDS modelo FDS-30 Construído em Latão com sistema de fechamento tipo agulha em aço inox, são utilizados para distribuição de oxigênio através de mangueiras. Dimensões

Leia mais

Conjuntos mecânicos II

Conjuntos mecânicos II A UU L AL A Conjuntos mecânicos II Nesta aula trataremos de outro assunto também relacionado a conjuntos mecânicos: o desenho de conjunto. Introdução Desenho de conjunto Desenho de conjunto é o desenho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE UTILIZAÇÃO DE UM SENSOR BASEADO EM TUBO DE PITOT PARA MEDIR ESCOAMENTOS

Leia mais

Projeto ABNT NBR 7809. Agregados graúdo Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro - Método de ensaio. Apresentação

Projeto ABNT NBR 7809. Agregados graúdo Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro - Método de ensaio. Apresentação ICS 91.100.20 SET 2005 Projeto ABNT NBR 7809 ABNT Associação Brasileira de Agregados graúdo Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro - Método de ensaio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de

Leia mais

ISOLADORES DE VIBRAÇÕES

ISOLADORES DE VIBRAÇÕES ISOLADORES DE VIBRAÇÕES FLS Com restrição vertical BOLETIM B068-PS-09-ISOLADORES_FLS Os isoladores de vibrações FLS da SOMAX, em cooperação tecnológica com a KINETICS NOISE CONTROL, são do tipo free standing

Leia mais

ENSAIOS NO CONCRETO. Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com ENSAIOS NO CONCRETO

ENSAIOS NO CONCRETO. Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com ENSAIOS NO CONCRETO Universidade ederal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Referências para essa aula: (NBR 12655, 2006) MEHTA; MONTEIRO

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS BENS MOBILIÁRIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS BENS MOBILIÁRIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS BENS MOBILIÁRIOS 1. ESTAÇÕES DE TRABALHO MOV02 (C=1.50m X P=1.50m X A=0.75m) Espessura do tampo: 25 mm Descrição Técnica Sistema modular de estação de trabalho com tampo

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

Capítulo 4 - Medição de rotação, torque e potência

Capítulo 4 - Medição de rotação, torque e potência Capítulo 5 - Medição de rotação, torque e potência 5.1 - Medição de rotação Os instrumentos usados para medir a velocidade angular de eixos rotativos são chamados tacômetros. Existem basicamente três tipos

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DO FLUÍDO DE ARREFECIMENTO COM MEDIDOR TIPO TURBINA

MEDIÇÃO DE VAZÃO DO FLUÍDO DE ARREFECIMENTO COM MEDIDOR TIPO TURBINA MEDIÇÃO DE VAZÃO DO FLUÍDO DE ARREFECIMENTO COM MEDIDOR TIPO TURBINA F. V. RADEL 1, M. ESPOSITO 1 1 Universidade Federal de Pelotas, Centro de Engenharias, Engenharia de Controle e Automação E-mail para

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO REGIONAL DO AMBIENTE DO ALGARVE AVALIAÇÃO DO GRAU DE INCOMODIDADE SONORA BAIXA DE LAGOS

MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO REGIONAL DO AMBIENTE DO ALGARVE AVALIAÇÃO DO GRAU DE INCOMODIDADE SONORA BAIXA DE LAGOS AVALIAÇÃO DO GRAU DE INCOMODIDADE SONORA BAIXA DE LAGOS RUA 25 DE ABRIL E RUA SILVA LOPES LAGOS 1 - INTRODUÇÃO Desde 1988, tem sido constante a apresentação de reclamações contra o ruído provocado pelo

Leia mais

Projecto cbloco Aspectos Estruturais

Projecto cbloco Aspectos Estruturais Projecto cbloco Aspectos Estruturais Paulo B. Lourenço, G. Vasconcelos, J.P. Gouveia, P. Medeiros, N. Marques pbl@civil.uminho.pt www.civil.uminho.pt/masonry 2008-06-26 2 Alvenaria de Enchimento As alvenarias

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA REVESTIMENTOS

DESENHO E ARQUITETURA REVESTIMENTOS CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA REVESTIMENTOS Elisa Furian elisafurian@outlook.com REVESTIMENTOS É a camada externa que cobre e protege a alvenaria, o piso ou o forro dando

Leia mais

Neste tipo de medidor o elemento sensível é um fole que pode ser interno ou externo.

Neste tipo de medidor o elemento sensível é um fole que pode ser interno ou externo. O Manómetro de Fole é um medidor de pressão em que a medição se faz por equilíbrio da força produzida numa área conhecida com a tensão actuante num meio elástico. Neste tipo de medidor o elemento sensível

Leia mais

(54) Epígrafe: PROCESSO PARA COLOCAÇÃO DE PAINÉIS SOLARES TÉRMICOS

(54) Epígrafe: PROCESSO PARA COLOCAÇÃO DE PAINÉIS SOLARES TÉRMICOS (11) Número de Publicação: PT 10588 T (51) Classificação Internacional: F24J 2/04 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2010.06.14 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS ALGE Metalúrgica Ltda. SP: 08.445.558/0001-92 ALGE ANANDA Metais Ltda. SP: 4.215.721/0001-70 ANANDA ASFOR Comercial Ltda. EPP SP: 01.321.046/0001-75

Leia mais