(avaliação interna - transições) 3.º PERÍODO 2013/2014. A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(avaliação interna - transições) 3.º PERÍODO 2013/2014. A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico 2 0 3."

Transcrição

1 A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d1.ª o Parte do S Relatório u c e s sde o Avaliação A c ad é m i c o / A v aliaç do Sucesso ão dacadémico o S u c e s s o A c ad é m i c o (avaliação interna - transições) / A v aliaç ão d o S u c e s s o 3.º PERÍODO A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o 2013/2014 S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad1.ª Parte é mdo Relatório i c de o Avaliação do - Sucesso Académico º 1Período 3 / A v aliaç ão d o 1 S u c e s s o A c ad é m i c o / A v aliaç ão d o S u c e s s o A c ad é m i c o /

2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA METODOLOGIA SUCESSO ACADÉMICO ALCANÇADO NO 3.º PERÍODO (COMPONENTE INTERNA) Cumprimento Eficácia Interna e Qualidade Interna (nas áreas disciplinares/disciplinas) Eficácia Interna e Qualidade Interna (nas transições) Juízos de valor globalizante da componente interna do Sucesso Académico ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBL IOGRÁFICAS ANEXOS ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 2

3 ÍNDICE DE TABELAS E QUADROS TABELA 2.1. Fluxos escolares 1.º, 2.º e 3.º períodos... 7 TABELA 2.2. Número de alunos avaliados no 1.º ciclo e por disciplina nos restantes ciclos, no 1.º, 2.º e 3.º períodos... 9 TABELA 2.3. Número de alunos do ensino secundário regular avaliados, por disciplina, no 1.º, 2.º e 3.º períodos TABELA 2.4. Taxas de sucesso (%) e médias das diferentes disciplinas do 1.º ciclo TABELA 2.5. Taxas de sucesso (%) e médias das diferentes disciplinas do 2.º ciclo TABELA 2.6. Taxas de sucesso (%) e médias das diferentes disciplinas do 3.º ciclo TABELA 2.7. Taxas de sucesso (%) e médias do Curso de Ciências e Tecnologias TABELA 2.8. Taxas de sucesso (%) e médias do Curso de Ciências Socioeconómicas TABELA 2.9. Taxas de sucesso (%) e médias do Curso de Línguas e Humanidades TABELA Síntese da análise desenvolvida pelos docentes do Ensino Básico TABELA Síntese da análise desenvolvida pelos docentes das diferentes disciplinas do Ensino Secundário.20 TABELA 3.1. Estratégias Organizacionais Quadro ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 3

4 ÍNDICE DE GRÁFICOS GRÁFICO 2.1. Taxas de Transição interligadas com as transições com sucesso perfeito e imperfeito (Ensino Básico) GRÁFICO 2.2. Peso das áreas disciplina res integradas na matriz curricular do 1.º ciclo nas transições com sucesso imperfeito GRÁFICO 2.3. Peso das disciplinas integradas na matriz curricular do 2.º ciclo nas transições com sucesso imperfeito GRÁFICO 2.4. Peso das disciplinas integradas na matriz curricular do 3.º ciclo nas transições com sucesso imperfeito GRÁFICO 2.5. Taxas de Transição interligadas com as transições com sucesso perfeito e imperfeito nos 10.º e 11.º anos do ensino secundário regular e as taxas de conclusão do 12º ano GRÁFICO 2.6. Peso das disciplinas integradas na matriz curricular do 10.º ano de escolaridade nas transições com sucesso imperfeito GRÁFICO 2.7. Peso das disciplinas integradas na matriz curricular do 11.º ano de escolaridade nas transições com sucesso imperfeito GRÁFICO 2.8. Cruzamento das Taxas de Transição interligadas com os valores de referência definidos (Ensino Básico) GRÁFICO 2.9. Cruzamento das Taxas de Transição com Sucesso Perfeito com os valores de referência definidos (Ensino Básico) GRÁFICO Cruzamento das Taxas de Transição interligadas com os valores de referência definidos (ensino secundário) ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 4

5 NOTA INTRODUTÓRIA A autoavaliação de escola é conceptualizada como um processo desenvolvido pelos atores internos, proporciona e estimula a consciencialização das dinâmicas nela existentes, para construir e conduzir ações coletivas que promovam a melhoria. Neste sentido, a sua institucionalização abrirá as portas ao desenvolvimento da aprendizagem organizacional ao serviço da melhoria das aprendizagens dos alunos e do desenvolvimento profissional dos docentes. Trata-se de uma perspetiva de regulação, que implica que a escola se assuma como sujeito da sua própria avaliação, ou seja, que envolva os seus atores na procura do sentido coletivo da organização.(correia 2011) O presente relatório constitui-se como a versão definitiva da 1.ª parte do relatório do SA, está associado ao Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico (PAASA) sob a égide do Projeto de Avaliação em Rede (PAR) e surge em cumprimento da planificação definida como prioritária na autoavaliação do Agrupamento, no início deste ano letivo. É de referir que o processo avaliativo do Sucesso Académico (SA) no final do ano letivo 2014/2015 foi dividido em duas partes: - A primeira parte diz respeito à avaliação da componente interna do SA em que o enfoque se faz sobre o tratamento dos dados dos resultados internos alcançados pelos alunos, nas diferentes áreas disciplinares e disciplinas, bem como os dados relativos às transições / conclusões que, numa primeira fase, não incluía os alunos dos 9.º, 11.º e 12.º anos de escolaridade tal como consta da versão provisória deste relatório. Nesta fase, a Equipa 1 PAASA apresenta a versão definitiva do relatório, que contém essa primeira parte e inclui o tratamento dos dados de todos os alunos do ensino regular, face aos resultados da respetiva avaliação externa, em particular, no que diz respeito às transições, retenções e conclusões. (Foram alterados os gráficos 2.1 ao 2.10, assim como as respetivas análises e, consequentemente, foi possível completar o quadro 1.1, que contém os juízos globalizantes do SA, segundo os indicadores e critérios apresentados no referencial). - A segunda parte do relatório de avaliação diz respeito à avaliação da componente externa do SA, pois o enfoque recai sobre o tratamento dos dados dos resultados externos alcançados pelos alunos internos, nas áreas disciplinares e disciplinas sujeitas a exame. Com estes relatórios pretende-se, tal como refere a alínea c) do artigo 9º, do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de abril, proceder à identificação do grau de concretização dos objetivos fixados no Projeto Educativo, à avaliação das atividades realizadas pelo Agrupamento de escolas e da sua organização e gestão, designadamente no que diz respeito aos resultados escolares e à prestação do serviço educativo. No final do 3.º período, o processo avaliativo possuía um cariz de prestação de contas, através de uma reflexão crítica sobre o Sucesso Académico alcançado nesse ano letivo e, em paralelo, o processo avaliativo assumia o cariz de promoção da melhoria do Agrupamento, que consistiu na apresentação de um conjunto de estratégias organizacionais a implementar no ano letivo 2014/15. Assim, este relatório definitivo está dividido em quatro partes, agora completadas com a informação recebida posteriormente: - a primeira refere a metodologia usada no desenvolvimento deste processo; - a segunda inclui a análise estatística dos resultados da avaliação interna dos alunos, em que se destaca a referida reflexão crítica produzida com base nos critérios e respetivos indicadores definidos para cada um dos elementos constitutivos do referencial, aprovado em Conselho Pedagógico. 1 Utilizar-se-á o termo Equipa (com E maiúsculo) para designar a Equipa responsável pela dinamização da avaliação do Sucesso Académico do Agrupamento. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 5

6 - a terceira parte contém um conjunto de estratégias organizacionais de melhoria e/ou de reforço de boas práticas, que foram tidas em conta na organização do atual ano letivo, resultante das sugestões discutidas e recolhidas nos diversos órgãos colegiais deste Agrupamento; - por último, na quarta parte, como conclusão e síntese da temática em estudo, foram apresentadas recomendações. 1. METODOLOGIA A dinâmica avaliativa do Sucesso Académico no ano letivo transato foi o principal foco do trabalho desenvolvido pela Comissão de Avaliação Interna (CAI), tal como previsto na respetiva planificação. Os elementos da Equipa PAASA frequentaram a ação de formação denominada Avaliação do Sucesso Académico: um processo a integrar na rotina avaliativa da instituição escolar com o Doutor Serafim Correia. Começaram por apresentar aos Coordenadores de departamento curricular/área disciplinar o projeto de autoavaliação a desenvolver neste âmbito. Ao longo do ano, elaboraram vários guiões e instrumentos de recolha, com o intuito de clarificar os vários procedimentos e estratégias que os docentes deveriam realizar para uma cabal concretização e envolvimento neste processo avaliativo. A organização dos resultados académicos alcançados no final de cada período do presente ano letivo, foi apresentada em dois ficheiros Excel, separando o ensino básico (EB) do ensino secundário regular (ES) e permitiu, não só um conhecimento global dos resultados académicos internos obtidos pelos alunos nas diferentes áreas disciplinares (1.º ciclo) e disciplinas (2.º, 3.º ciclos e secundário), como também o conhecimento dos resultados académicos internos de cada uma das áreas disciplinare s (1.º ciclo) e disciplinas (2.º e 3.º ciclos e secundário), de acordo com os critérios definidos no referencial. Associada a estes ficheiros, a Equipa enviou uma grelha de registo das reflexões realizadas em sede de área disciplinar, cujo preenchimento decorreu após a reflexão sobre os resultados académicos obtidos, no final de cada período. Os coordenadores enviaram as conclusões registadas e a Equipa elaborou dois relatórios síntese (no início do 2.º e 3.º períodos), contendo também as sugestões de melhoria, quer de caráter pedagógico, quer organizacional. Estes relatórios foram apresentados em Conselho Pedagógico, tendo a Equipa recorrido à plataforma PREZI para o efeito. Acrescentou-se, no final do 3.º período, o registo das transições, transições com sucesso perfeito, imperfeito, bem como o cálculo percentual das disciplinas cujos resultados influenciaram a imperfeição no sucesso das transições. Agora foram introduzidos os resultados da avaliação externa e analisadas as respetivas implicações, em termos de transições/conclusões. 2. SUCESSO ACADÉMICO ALCANÇADO NO 3.º PERÍODO (COMPONENTE INTERNA) Os docentes das diversas áreas disciplinares reuniram no final do mês de junho para fazerem uma avaliação/balanço do trabalho desenvolvido neste ano letivo e preencheram um Relatório de Atividades da área disciplinar/departamento curricular onde, para além do cumprimento das planificações, avaliaram o trabalho colaborativo entre os pares, o funcionamento de dive rsos serviços da instituição e também analisaram/refletiram sobre uma primeira organização dos dados relativos ao sucesso académico (interno) do 3.º período. Este envolvimento dos docentes no desenvolvimento da avaliação do SA, em sede de área disciplinar, permitiu a produção de juízos de valor e a justificação dos resultados académicos alcançados. De seguida, a Equipa solicitou às coordenações de departamento curricular/área disciplinar, o preenchimento das grelhas G3 - Grelhas de Avaliação do SA Interno, que se encontram em anexo. Nestas, 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 6

7 foram registadas as propostas de estratégias organizacionais de melhoria e/ou de reforço de boas práticas a serem tidas em conta na organização do próximo ano letivo, face à análise dos resultados efetuada e com base nos ficheiros e gráficos enviados. 2.1 Cumprimento Na tabela 2.1., é apresentado o número de alunos matriculados, avaliados, que abandonaram o agrupamento e que foram transferidos. MATRICULADOS AVALIADOS ABANDONO TRANSFERIDOS 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º Ano º Ano º Ano º Ano º Ciclo º Ano º Ano º Ciclo º Ano º Ano º Ano º Ciclo º - Ciências e Tecnologias º - Ciências Socioeconómicas º - Línguas e Humanidades º Ano º - Ciências e Tecnologias º - Ciências Socioeconómicas º - Línguas e Humanidades º Ano º - Ciências e Tecnologias º - Ciências Socioeconómicas º - Línguas e Humanidades º Ano TOTAL TABELA 2.1. Fluxos escolares 1.º, 2.º e 3.º períodos. Relativamente ao 1.º ciclo, destaca-se que não houve alunos transferidos durante o 3.º período. Os 12 alunos transferidos reportam-se ao 1.º período (2,7%). Já em relação ao abandono escolar, verifica-se que existe o mesmo número de alunos, relativamente ao 2.º período (0,9%). Salienta-se ainda que, dos alunos matriculados, 4 mudaram de turma. No 2.º ciclo, o número de alunos não avaliados é 12, dos quais 7 foram transferidos ainda no 1.º período (3,2%), 2 se encontram em situação de abandono escolar (1%) e 3 alunos não foram avaliados por 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 7

8 se encontrarem ao abrigo do Dec. Lei n.º3/2008 com Currículo Específico Individual (CEI) (1,4%). Destacase, ainda, que 4 alunos mudaram de turma. No 3.º ciclo, constata-se que aumentou o número de alunos matriculados. Não foram avaliados 7 alunos por se encontrarem ao abrigo do Dec. Lei n.º3/2008, com Currículo Específico Individual (CEI). Verificou-se, ainda, que 3 alunos mudaram de turma e não se registaram situações de abandono. No ensino secundário regular, manteve-se o número de alunos matriculados e, neste período, apenas um aluno foi transferido (do 10.º ano). A Equipa, ao confrontar a realidade apresentada na tabela precedente com os indicadores definidos no referencial, no âmbito do critério designado por cumprimento 2, considera que em qualquer ano de escolaridade, o critério ficou cumprido, uma vez que apenas quatro alunos não concluíram o 4.º ano e um aluno não concluiu o 6.º ano. Da mesma forma, se considera que foi cumprida a meta relativamente aos alunos que concluíram o ensino básico e secundário regular. No ensino secundário, ainda se verifica que, a diferença entre o número de alunos avaliados e inscritos por disciplina, isto é, o número de alunos que anularam a matrícula, é inferior ao registado no ano letivo anterior. Este resultado poderá dever-se ao facto da lei permitir, aos alunos, a realização dos Exames Nacionais finais como autopropostos. A tabela 2.2. apresenta o número de alunos avaliados (n) por área disciplinar (1.º Ciclo) e por disciplina (2.º e 3.º Ciclos), valores que foram usados para calcular as taxas de sucesso e as médias respetivas, em cada período. 2 Entende-se por cumprimento a frequência dos três períodos letivos. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 8

9 NÚMERO DE ALUNOS AVALIADOS 1.º Ano 2.º Ano 3.º Ano 4.º Ano 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º CICLO DISCIPLINAS 5.º Ano 6.º Ano 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 2.º CICLO Português (PORT) Inglês (ING) História e Geografia de Portugal (HGP) Matemática (MAT) Ciências Naturais (CN) Cidadania (CID) Educação Física (EF) Educação Musical (EM) Educação Tecnológica (ET) Educação Visual (EV) º Ano 8.º Ano 9.º Ano 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 3.º CICLO Português (PORT) Inglês (ING) Francês (FRA) Espanhol (ESP) História (HIST) Geografia (GEO) Matemática (MAT) Ciências Naturais (CN) Físico-Química (FQ) Educação Visual (EV) TIC (TIC) Educação Tecnológica (ET) Educação Física (EF) TABELA 2.2. Número de alunos avaliados no 1.º ciclo e por disciplina nos restantes ciclos, no 1.º, 2.º e 3.º períodos. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 9

10 PAR - Projeto de Avaliação em Rede Constata-se, na tabela anterior que, neste período, não houve alteração relativamente ao número de alunos avaliados no ensino básico regular, quando o comparamos com o registado no 2.º período. Na tabela 2.3. observa-se o número de alunos: matriculados (M), avaliados (AV), transferidos (TF), excluídos por faltas (EF) e que anularam a matrícula (AM), por disciplina, no nível do Ensino Secundário. M AV TF EF AM DISCIPLINAS 1.ºP 2.ºP 3.ºP 1.ºP 2.ºP 3.ºP 1.ºP 2.ºP 3.ºP 1.ºP 2.ºP 3.ºP 1.ºP 2.ºP 3.ºP 10.º Ano Português (PORT) Inglês (ING) Espanhol (ESP) Filosofia (FIL) Educação Física (EF) Matemática A (MAT A) Física e Química A (FQ A) Biologia e Geologia (BG) Economia A (ECO A) Geografia A (GEO A) História A (HISTA) Matemática Aplic. às C. Sociais (MACS) º Ano Português (PORT) Inglês (ING) Espanhol (ESP) Filosofia (FIL) Educação Física (EF) Matemática A (MAT A) Física e Química A (FQ A) Biologia e Geologia (BG) Economia A (ECO A) Geografia A (GEO A) História A (HISTA) Matemática Aplic. às C. Sociais (MACS) º Ano Português (PORT) Educação Física (EF) Matemática A (MAT A) História A (HISTA) Biologia (BIO) Química (QUI) Psicologia (PSIC) Física (FIS) Sociologia (SOC) Economia C (ECO C) Espanhol (ESP) TABELA 2.3. Número de alunos do ensino secundário regular avaliados, por disciplina, no 1.º, 2.º e 3.º períodos. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 10

11 Ao analisar esta tabela, salienta-se que, no 3.º período, foi nas disciplinas de Português e Matemática que mais alunos anularam a matrícula (no 11.º e no 12.º anos). O principal motivo destas anulações de matrícula parece dever-se ao facto de esses alunos se encontrarem em situação de melhoria de classificação nessas disciplinas, o que não se concretizou, e ainda ao facto da anulação de matrícula lhes permitir dispor de mais tempo para se dedicarem às restantes disciplinas. 2.2 Eficácia Interna e Qualidade Interna (nas áreas disciplinares/disciplinas) Na tabela 2.4., observa-se a distribuição da taxa de sucesso e a média das diferentes áreas disciplinares do 1.º ciclo, nos 1.º, 2.º e 3.º períodos. ÁREAS DISCIPLINARES 1.º ANO 2.º ANO 3.º ANO 4.º ANO 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P n Português (PORT) % 93,3 85,6 87, ,8 83,3 88,9 84,6 86,3 87,6 93,8 96,9 Média 3,6 3,7 3,8 3,2 3,4 3,5 3,6 3,5 3,7 3,5 3,6 3,8 n Matemática (MAT) % 96,7 93,3 93, ,3 82,6 74,4 83,8 83,8 84,5 85,4 88,5 Média 3,9 3,9 4,0 3,4 3,5 3,5 3,2 3,5 3,6 3,5 3,6 3,7 n Estudo do Meio (ESTM) % 97,8 98,9 98,9 87,9 87,1 87,9 94,0 92,3 94,0 89,7 94,8 95,8 Média 4,1 4,2 4,3 3,7 3,8 3,8 3,8 3,9 3,9 3,8 4,1 4,1 n Expressão Artística (ExART) % ,8 97,8 97,7 99,2 100,0 99,1 100,0 100,0 99,0 100,0 100,0 Média 3,7 3,8 4,0 3,6 3,6 3,9 3,6 3,9 4,0 3,8 4,0 4,2 n ,2 Expressão Físico-Motora (ExFM) % ,8 97,8 98,5 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 99,0 99,0 100,0 Média 3,8 3,8 4,0 3,6 3,7 4,0 3,6 3,9 4,1 3,9 3,9 4,2 n Estudo Acompanhado (EA) % 95,6 96,7 96,7 94,7 97,0 98,5 96,6 97,4 98,3 94,8 97,9 97,9 Média 3,6 3,7 3,9 3,5 3,5 3,7 3,5 3,7 3,9 3,7 3,9 4,0 n Educação para a Cidadania (EC) % 97,8 100,0 100,0 96,2 96,2 97,7 97,4 98,3 100,0 99,0 100,0 100,0 Média 3,8 3,8 4,0 3,4 3,6 3,8 3,6 3,9 4,1 3,8 4,0 4,2 TABELA 2.4. Taxas de sucesso (%) e médias das diferentes disciplinas do 1.º ciclo. No 1.º ciclo, verifica-se que, na disciplina de Português, a taxa de sucesso se mantém dentro dos mesmos valores positivos nos primeiros três anos, assim como no 1.º período do 4.º ano e sofre uma franca melhoria nos dois últimos períodos do 4.º ano. Na disciplina de Matemática, a taxa de sucesso e a respetiva média, mantem-se nos mesmos valores ao longo do ciclo de estudos. Nas restantes disciplinas, os valores referidos são francamente positivos. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 11

12 Na tabela 2.5., observa-se a distribuição da taxa de sucesso e a média das diferentes disciplinas do 2.º ciclo, ao longo do ano letivo. DISCIPLINAS 5.º ANO 6.º ANO 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P n Português (PORT) % 69,4 82,2 82,2 78,6 78,6 89,8 Média 2,8 3,1 3,2 2,9 3,0 3,2 n Inglês (ING) % 74,8 68,2 72,2 70,4 78,6 84,7 Média 3,1 2,9 3,0 2,9 3,1 3,2 n História e Geografia de Portugal (HGP) % 76,6 72,6 85,0 85,7 83,7 88,8 Média 3,1 3,0 3,2 3,3 3,3 3,4 n Matemática (MAT) % 57,4 52,3 64,5 61,2 57,1 69,4 Média 2,8 2,8 3,0 2,8 2,8 3,0 n Ciências Naturais (CN) % 84,3 81,3 93,4 84,7 87,8 94,9 Média 3,3 3,3 3,5 3,1 3,2 3,6 n Educação Musical (EM) % 95,0 100,0 99,0 98,9 95,6 100,0 Média 3,5 3,6 3,9 3,9 3,7 4,2 n Educação Física (EF) % 94,5 99,1 99,1 98,0 100,0 99,0 Média 3,5 3,7 4,0 3,4 3,6 3,7 n Cidadania (CID) % 93,5 91,7 96,3 100,0 96,9 98,0 Média 3,6 3,7 4,0 3,3 3,7 4,0 n Educação Visual (EV) % 93,5 98,1 99,1 100,0 100,0 100,0 Média 3,3 3,5 3,6 3,4 3,5 3,8 n Educação Tecnológica (ET) % 93,5 98,1 99,1 98,9 100,0 100,0 Média 3,1 3,3 3,4 3,4 3,5 3,9 TABELA 2.5. Taxas de sucesso (%) e médias das diferentes disciplinas do 2.º ciclo. No 2.º ciclo, verifica-se, desde logo, naquilo que é comparável, uma descida da taxa de sucesso à disciplina de Português, por comparação com a do 1.º ciclo (cf. Tabela 2.4.), mesmo considerando a ligeira recuperação da mesma no 3.º período do 6.º ano. Se se atender somente às médias obtidas, é visível a quebra de valores de um ciclo para outro. Na disciplina de Matemática, à diminuição das médias, acresce a diminuição da taxa de sucesso do 1.º para o 2.º ciclo, não obstante registar-se uma ligeira recuperação dos seus resultados no 3.º período do 6.º ano. As disciplinas de Inglês, História e Geografia de Portugal e Ciências Naturais, registam uma evolução francamente positiva das taxas de sucesso do 5.º para o 6.º ano mas, relativamente às médias, se excetuarmos a de Ciências Naturais, os valores são medianos. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 12

13 Na tabela 2.6., observa-se a distribuição da taxa de sucesso e a média das diferentes disciplinas do 3º ciclo, ao longo do ano. DISCIPLINAS 7.º ANO 8.º ANO 9.º ANO 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P n Português (PORT) % 79,4 82,1 90,7 67,9 74,8 84,2 56,0 63,9 78,9 Média 3,1 3,2 3,3 2,9 3,0 3,1 2,7 2,8 3,0 n Inglês (ING) % 80,1 82,1 87,9 65,7 75,5 75,5 70,0 84,2 86,4 Média 3,5 3,5 3,7 3,0 3,1 3,2 3,2 3,4 3,5 n Francês (FRA) % 73,0 78,1 84,2 75,4 73,5 77,0 61,7 69,6 83,5 Média 3,1 3,2 3,4 3,0 3,1 3,3 2,8 3,0 3,2 n Espanhol (ESP) % 92,0 100,0 100,0 92,3 96,2 100,0 94,2 88,2 98,5 Média 3,4 3,6 3,6 3,4 3,4 3,5 3,3 3,3 3,3 n História (HIST) % 79,4 79,3 85,7 85,7 87,8 96,4 58,7 65,3 77,6 Média 3,3 3,3 3,5 3,3 3,3 3,5 2,8 2,9 3,1 n Geografia (GEO) % 73,5 78,6 86,4 64,3 89,9 97,1 76,7 87,1 89,8 Média 3,2 3,3 3,4 3,0 3,2 3,5 3,0 3,2 3,3 n Matemática (MAT) % 47,8 56,4 58,6 65,0 67,6 74,8 55,3 49,7 59,9 Média 2,7 2,8 2,9 3,0 3,1 3,2 2,8 2,7 2,8 n Ciências Naturais (CN) % 68,4 74,3 80,7 92,1 97,8 99,3 58,7 61,2 77,6 Média 2,9 3,1 3,2 3,4 3,6 3,7 2,8 2,9 3,0 n Físico-Química (FQ) % 85,3 80,0 91,4 85,7 92,8 97,8 78,7 81,6 90,5 Média 3,3 3,2 3,4 3,2 3,5 3,7 3,1 3,2 3,4 n Educação Visual (EV) % 96,9 99,3 99,3 91,4 99,3 100,0 90,7 93,2 96,6 Média 3,5 3,7 3,8 3,4 3,7 3,8 3,5 3,5 3,7 n Educação Tecnológica (ET) % 94,6 91,0 97,7 84,8 90,8 97, Média 3,3 3,4 3,7 3,1 3,3 3, n TIC (TIC) % 100,0 100,0 100,0 93,2 100,0 100, Média 3,7 4,0 4,4 3,5 4,1 4, n Educação Física (EF) % 98,5 98,6 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Média 3,7 3,8 3,9 3,9 3,9 4,2 3,8 4,1 4,2 TABELA 2.6. Taxas de sucesso (%) e médias das diferentes disciplinas do 3.º ciclo. Finalmente, no 3.º ciclo, verifica-se que, na disciplina de Português, a taxa de sucesso mantém-se positiva, mas a média situa-se sempre na casa dos 3 valores, havendo, inclusive, médias negativas em períodos precedentes, nomeadamente no 9.º ano; na disciplina de Matemática, havendo uma tímida evolução da taxa de sucesso, as médias continuam inferiores a 3, no 7.º e 9.º ano de escolaridade; na 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 13

14 disciplina de Inglês, regista-se uma taxa de sucesso claramente positiva, acompanhada pela manutenção de uma taxa de sucesso razoável, ao longo do ciclo; na disciplina de Ciências Naturais, a irregularidade dos resultados traduz-se numa boa taxa de sucesso e razoáveis médias no 8.º ano, mas resultados bem inferiores no 7.º e 9.º ano de escolaridade. Nas restantes disciplinas, verifica-se evoluções na taxa de sucesso, mas com médias razoáveis. Apenas se destaca, na disciplina de História, uma diminuição dos resultados no 9º ano. Nas tabelas 2.7., 2.8. e 2.9., observa-se a distribuição da taxa de sucesso e a média das diferentes disciplinas, nos diferentes cursos, do ensino secundário regular. DISCIPLINAS 10.º ANO 11.º ANO 12.º ANO 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P n Português (PORT) % 88,2 88,9 93,3 73,4 77,0 81,7 58,5 66,0 76,4 Média 121,8 124,7 129,7 116,4 116,1 117,7 104,2 107,7 112,7 n Inglês (ING) % 82,9 81,8 85,3 95,0 94,9 98,0 - - Média 130,1 128,8 132,8 149,3 147,4 151,5 - - n Espanhol (ESP) % 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 - - Média 167,2 164,8 161,2 152,9 157,6 155,7 - - n Filosofia (FIL) % 94,1 92,6 93,3 88,4 87,3 93,2 - - Média 132,9 131,2 134,1 134,9 130,1 136,1 - - n Educação Física (EF) % 100,0 100,0 100,0 99,2 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Média 155,8 164,7 173,1 163,8 169,8 177,0 179,4 187,4 195,0 n Matemática A (MAT A) % 73,0 67,6 79,3 61,3 55,7 66,7 72,3 72,3 73,7 Média 119,1 117,9 123,7 117,0 111,5 114,8 121,6 116,9 118,3 n Física e Química A (FQ A) % 76,6 82,4 88,1 72,1 75,6 91, Média 123,0 124,4 133,1 117,4 120,3 129, n Biologia e Geologia (BG) % 78,1 85,3 89,6 78,9 64,8 89, Média 123,5 126,7 131,9 117,6 112,0 125, n Biologia (BIO) % ,0 100,0 100,0 Média ,6 164,7 181,2 n Química (QUI) % ,0 100,0 100,0 Média ,7 171,6 174,1 n Psicologia (PSIC) % ,0 100,0 100,0 Média ,0 157,0 158,1 n Física (FIS) % ,0 98,0 100,0 Média ,4 146,9 166,3 TABELA 2.7. Taxas de sucesso (%) e médias do Curso de Ciências e Tecnologias. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 14

15 Numa análise comparativa com os resultados dos períodos anteriores, nas disciplinas do Curso de Ciências e Tecnologias, no 10.º ano, verifica-se, neste período, uma ligeira subida a todas as disciplinas, tanto da taxa de sucesso, como das respetivas médias, o que contribuiu para a melhoria dos resultados do 10.º ano. Destacam-se as disciplinas de Matemática A, Inglês e Física e Química A como aquelas que apresentam a mais baixa taxa de sucesso; já quanto às médias, as mais baixas são as de Matemática A, Português e Biologia e Geologia. No 11.º ano, mantém-se a mesma tendência de subida, quer da taxa de sucesso, quer da média. As disciplinas que registam valores mais baixos nos dois itens, são as de Matemática A, Português e Biologia e Geologia. Contudo, fazendo já uma comparação com os resultados do 10.º ano, verifica-se uma clara diminuição das taxas de sucesso às disciplinas de Português e Matemática A, enquanto Física e Química A vê a sua taxa subir; quanto às médias, a diminuição dos seus valores volta a registar-se a Português e Matemática A, estendendo-se também a Espanhol, Física e Química A e Biologia e Geologia, enquanto Filosofia regista uma subida da respetiva média. No 12.º ano, nas três disciplinas de continuidade (Português, Educação Física e Matemática A), continua a haver evolução do 2.º para o 3.º período, embora mais ténue. Contudo, comparando com o 11.º ano, regista-se uma melhoria da taxa de sucesso e das médias a Matemática A e Educação Física, o mesmo não acontecendo a Português, que vê os seus resultados voltarem a diminuir nos dois itens considerados. Nas restantes disciplinas do 12.º ano (Biologia, Química, Psicologia e Física), não só se regista uma taxa de sucesso perfeita, como se verifica também uma melhoria da respetiva média a todas elas. DISCIPLINAS 10.º ANO 11.º ANO 12.º ANO 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P n Português (PORT) % 100,0 100,0 100,0 57,9 57,9 66,7 50,0 65,9 64,3 Média 129,6 127,8 126,3 102,1 99,5 104,4 103,6 112,9 112,9 n Inglês (ING) % 66,7 69,2 69,2 88,2 94,1 100, Média 113,7 109,6 115,4 127,6 132,4 136, n Filosofia (FIL) % 82,1 85,2 92,6 88,9 94,1 94, Média 116,8 119,3 118,5 132,2 138,8 143, n Educação Física (EF) % 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Média 133,8 148,4 142,8 143,5 147,6 162,8 186,0 195,0 197,0 n Matemática A (MAT A) % 67,9 74,1 81,5 81,0 66,7 66,7 68,8 43,8 60,0 Média 109,3 115,9 116,3 130,0 118,6 117,1 108,1 99,4 103,3 n Economia A (ECO A) % 96,4 100,0 100,0 89,5 94,7 94, Média 131,8 130,7 139,3 130,5 136,3 139, n Geografia A (GEO A) % 85,7 77,8 92,6 100,0 100,0 100, Média 125,7 114,8 119,3 126,1 130,6 130, n Sociologia (SOC) % ,0 100,0 100,0 Média ,0 164,0 179,0 Economia C (ECO C) n ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 15

16 DISCIPLINAS 10.º ANO 11.º ANO 12.º ANO % ,0 100,0 100,0 Média ,0 164,0 178,0 TABELA 2.8. Taxas de sucesso (%) e médias do Curso de Ciências Socioeconómicas. No Curso de Ciências Socioeconómicas, numa análise comparativa de todos os períodos, verifica-se que, no 10.º ano, há uma melhoria da taxa de sucesso a todas as disciplinas; mesmo relativamente às médias, a evolução poderia considerar-se generalizada, não fosse a ligeira diminuição da respetiva média às disciplinas de Português e Educação Física. A disciplina de Inglês continua com a mais baixa taxa de sucesso relativamente a todas as outras disciplinas do curso, registando também a menor média, embora esse valor não se afaste muita dos de Filosofia, Matemática A e Geografia. No 11.º ano, verifica-se, desde logo, comparativamente ao 10.º, uma descida significativa a Português e uma subida, também significativa, a Inglês, quer da taxa de sucesso, quer das respetivas médias. Na mesma linha comparativa, as disciplinas de Educação Física, Filosofia e Geografia mantêm a mesma taxa de sucesso, registando-se, contudo, uma significativa melhoria das médias das duas últimas disciplinas consideradas. No 12.º ano, nas três disciplinas de continuidade (Português, Educação Física e Matemática A), verifica-se uma diminuição das taxas de sucesso, comparativamente ao 2.º período e mesmo ao 11.º ano, a Português, e uma melhoria da respetiva média, embora com valores ainda abaixo dos genéricos do 12.º ano. Na disciplina de Matemática A, continua a registar-se uma diminuição da taxa de sucesso e média, ao longo dos três anos do secundário. DISCIPLINAS 10.º ANO 11.º ANO 12.º ANO Português (PORT) Inglês (ING) Filosofia (FIL) Educação Física (EF) História A (HIST A) Matemática Aplic. às C. Sociais (MACS) Geografia A (GEO A) Espanhol (ESP) 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P 1.º P 2.º P 3.º P n % 87,8 86,3 84,9 68,3 76,9 76,9 57,1 65,9 67,5 Média 116,9 112,9 112,6 109,0 107,9 109,2 101,2 106,3 107,3 n % 55,4 60,8 67,6 66,7 72,2 84, Média 105,5 104,9 107,7 110,8 111,9 119, n % 81,4 81,2 79,7 73,7 70,3 80, Média 114,9 116,1 116,7 114,2 113,2 117, n % 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Média 154,9 160,4 155,3 146,3 144,3 151,4 175,8 175,5 182,1 n % 80,0 76,0 84,0 80,0 84,6 86,8 92,7 90,2 95,1 Média 106,8 112,0 113,3 117,0 119,2 126,3 132,9 129,8 134,1 n % 82,9 76,3 89,5 81,4 81,0 85, Média 118,3 122,6 123,0 118,4 115,7 119, n % 66,0 55,3 63,8 68,8 80,0 73, Média 102,3 101,1 103,0 104,4 105,3 110, n % 96,2 96,2 96,2 91,3 91,3 95, ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 16

17 DISCIPLINAS 10.º ANO 11.º ANO 12.º ANO Psicologia B (PSIC) Sociologia (SOC) Espanhol (ESP) Média 156,5 153,5 153,5 126,1 132,2 135, n % ,0 100,0 100,0 Média ,5 154,0 156,0 n % ,0 97,4 100,0 Média ,5 146,1 164,5 n % ,0 100,0 100,0 Média ,9 161,8 170,9 TABELA 2.9. Taxas de sucesso (%) e médias do Curso de Línguas e Humanidades. Na mesma linha de comparação já utilizada, no Curso de Línguas e Humanidades, no 10.º ano, constata-se, desde logo, uma ligeira descida da taxa de sucesso, ao longo dos três períodos, à disciplina de Português e de Filosofia, acompanhada da manutenção da respetiva média; e uma subida da mesma taxa à disciplina de Inglês, com a respetiva média a não sofrer grandes variações. Acresce, como dado comum, a alternância de valores (quebra no 2.º período, recuperação no 3.º) da mesma taxa, às disciplinas de História A, MACS e Geografia A, com uma evolução positiva das respetivas médias, nomeadamente a MACS. Atendendo aos resultados obtidos ao longo do 11.º ano, verifica-se, comparativamente ao 10º, uma evolução positiva da taxa de sucesso e respetivas médias, à disciplina de Inglês, Geografia A e História A, com uma significativa melhoria da média desta última disciplina. A Filosofia, os resultados mantêm-se, enquanto que a MACS, se verifica uma ligeira quebra. A disciplina de Espanhol, a par da de Educação Física, continua a registar uma interessante taxa de sucesso, mas com uma quebra da média, comparativamente ao ano anterior. No 12.º ano, relativamente às disciplinas comuns, excluindo a Educação Física, com excelentes resultados, verifica-se, por comparação com os outros dois anos, uma quebra da taxa de sucesso à disciplina de Português, acompanhada pela manutenção de uma média que, embora positiva, é baixa; e uma franca melhoria, não só da taxa de sucesso, como da respetiva média, à disciplina de História A. Nas restantes disciplinas do 12.º ano (Psicologia B, Sociologia e Espanhol), os resultados são francamente bons. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 17

18 PAR - Projeto de Avaliação em Rede Apresentados os resultados académicos alcançados no 3.º período nas diferentes áreas disciplinares / disciplinas, importa agora apresentar os juízos de valor produzidos em torno dos critérios eficácia interna e qualidade interna (tabela 2.10.). R E F E R E N C I A L CRITÉRIO Eficácia Interna Qualidade Interna ITENS - Como se situam as taxas de sucesso face às metas - Como se situam as médias face aos valores definidas? alcançados no ano letivo anterior? Áreas disciplinares / Disciplinas 1.º Ciclo 2.º Ciclo 3.º Ciclo 1.º Ciclo 2.º Ciclo 3.º Ciclo 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º Português (PORT) Matemática (MAT) Estudo do Meio (ESTM) Expressão Artística (ExART) Expressão Físico Motora (ExFM) Estudo Acompanhado (EA) Educação para a Cidadania (EC) Português (PORT) Inglês (ING) História e Geografia de Portugal (HGP) Matemática (MAT) Ciências Naturais (CN) Educação Física (EF) Educação Musical (EM) Educação Tecnológica (ET) Educação Visual (EV) Francês (FRA) Espanhol (ESP) História (HIST) Geografia (GEO) Físico-Química (FQ) TIC (TIC) - - Tabela Síntese da análise desenvolvida pelos docentes do Ensino Básico 3 No 1.º ciclo, globalmente, as taxas de sucesso às diferentes áreas disciplinares, superaram as metas definidas, com exceção de Português e Matemática. É de salientar a superação da meta à disciplina de Português, apenas no 4.º ano. O mesmo se verifica quanto às médias, face aos valores alcançados no ano letivo anterior. No 2.º ciclo, globalmente, as taxas de sucesso situam-se acima das metas definidas, exceto a Inglês, Português e Matemática do 5.º ano e Educação Musical do 6.º ano. Quanto às médias, os resultados situam-se abaixo dos valores alcançados no ano letivo anterior, exceto a Português, onde se mantêm. 3 Legenda: - Abaixo; - Idêntica; - Acima. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 18

19 No 3.º ciclo, a situação é muito divergente. Analisando, por anos, verifica-se que, no 7.º ano, as metas foram superadas, exceto às disciplinas de Matemática e Ciências Naturais; no 8.º ano, globalmente, a maioria das disciplinas está acima das metas definidas, ao contrário do 9.º ano, em que grande parte das disciplinas está abaixo das metas definidas, incluindo as disciplinas sujeitas à avaliação externa. Esta tendência verifica-se também, no que se refere à situação das médias, face aos valores alcançados no ano letivo anterior. Na reflexão crítica da realidade, os docentes do 1.º ciclo apontaram razões para a superação das metas, em algumas das áreas disciplinares, estabelecidas no Sucesso Académico, das quais se destacam as seguintes: - A eficácia das estratégias delineadas; - O interesse demonstrado pelos alunos acerca das matérias lecionadas. Para justificar não terem sido alcançadas as metas estabelecidas para o Sucesso Académico neste ciclo, em algumas das áreas disciplinares, destaca-se: - falta de hábitos de estudo dos alunos; - alunos com graves dificuldades de aprendizagem; - situações de absentismo intermitente de alunos de cultura cigana; - acentuadas dificuldades de alguns alunos ao nível da compreensão, raciocínio e à existência de alunos cuja língua materna não é o Português; - no 3.º ano, é referida a complexidade dos conteúdos lecionados, dificuldade s no raciocínio lógicomatemático e dificuldades na compreensão leitora e na escrita autónoma e criativa de textos. Na reflexão crítica da realidade, os docentes do 2.º e 3.º ciclos apontaram razões para a superação das metas, em algumas das áreas disciplinares, estabelecidas no Sucesso Académico, das quais se destacam as seguintes: - o impacto positivo das estratégias delineadas; - os alunos apresentaram uma postura relativamente positiva; - maior responsabilização dos encarregados de educação; - maior exigência dos docentes na avaliação no final do 2.º período; - o empenhado e a responsabilidade dos discentes na realização das propostas de trabalho solicitadas. As razões referidas pelos docentes que concorrem para os resultados menos satisfatórios obtidos prendem-se com: - a falta de hábitos de trabalho e dificuldades de concentração; - a falta de pré-requisitos; - o elevado número de alunos por turma; - alguns alunos terem interesses divergentes dos escolares; - a existência de uma grande heterogeneidade nas turmas; - o desconhecimento de regras básicas de conduta na sala de aula; - a falta de autonomia; - dificuldades de expressão escrita/oral; - dificuldades de organização, aquisição e aplicação de conhecimentos; - dificuldades ao nível da compreensão, da interpretação de textos, da produção escrita e domínio dos conteúdos gramaticais; 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 19

20 - na disciplina de Português, a extensão dos programas impostos pelas novas metas curriculares, torna-se particularmente preocupante no 9.º ano; - na disciplina de Ciências Naturais, relativamente aos 7.º e 9.º anos, os alunos sentem dificuldades de adaptação em relação à tipologia das questões dos testes de avaliação. - na disciplina de Matemática, no 5.ºano, a extensão do programa, o nível de abstração exigido, aliados à falta de tempo para introduzir conceitos não dados, leva a uma difícil e deficiente assimilação e acomodação dos conhecimentos; - os docentes consideraram que as metas estão demasiado elevadas; - o apoio dado pelos professores da Educação Especial deveria ser mais contínuo nas aulas de Matemática. Na tabela 2.11., são sintetizados os juízos de valor produzidos pelos docentes das diferentes disciplinas integradas na matriz curricular do ensino secundário. R E F E R E N C I A L CRITÉRIO Eficácia Interna Qualidade Interna ITENS - Como se situam as taxas de sucesso face às - Como se situam as médias face aos valores metas definidas? alcançados no ano letivo anterior? Disciplinas Ensino Secundário Ensino Secundário 10.º 11.º 12.º 10.º 11.º 12.º Português (PORT) Inglês (ING) - - Espanhol (ESP) - - Filosofia (FIL) - - Educação Física (EF) Matemática A (MAT A) Física e Química A (FQ A) - - Biologia e Geologia (BG) - - Economia A (ECO A) - - Geografia A (GEO A) - - História A (HISTA) Mat. Aplic. às C. Sociais (MACS) - - Biologia (BG) Química (QUI ) Psicologia (PSIC) Física (FIS) Sociologia (SOC) Economia (ECO C) Espanhol ? Tabela Síntese da análise desenvolvida pelos docentes das diferentes disciplinas do Ensino Secundário 4. No ensino secundário, globalmente, os valores obtidos no 10.º ano superaram as metas definidas relativas à taxa de sucesso. Já no 11.º ano, embora a maioria das disciplinas tenha superado as metas, destacam-se as disciplinas de Português, Matemática A, MACS, Geografia e Biologia e Geologia, que 4 Legenda: - Abaixo; - Idêntica; - Acima. 1.ª Parte do Relatório de Avaliação do Sucesso Académico 3.º Período 20

S ucesso A c a démico 1. º P e r íodo

S ucesso A c a démico 1. º P e r íodo A v a liação do Sucesso A c a démico 1.º P eríodo A v a liação do S ucesso A ca démico 1. º P e r í o d o A v a l i a ç ã o d o S ucesso A c a démico 1.º P e r íodo Avaliação do S ucesso Relatório A c

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o 1-2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1)

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2 AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) NOTA INTRODUTÓRIA Integrado no Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO

AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO Os processos e as tecnologias podem unir aspectos importantes para melhores desempenhos organizacionais, mas são as pessoas, através dos seus desempenhos e comportamentos,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

Projeto Educativo 2012/2015. Avaliação da concretização das metas

Projeto Educativo 2012/2015. Avaliação da concretização das metas Agrupamento de Escolas de Alfena Projeto Educativo 2012/2015 Avaliação da concretização das metas Conselho Pedagógico de 15 de outubro de 2014 1 Metas do Projeto Educativo Meta 1: Manter a taxa de sucesso

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 20 julho 2012 É no diálogo entre perspectivas internas e externas que as instituições se desenvolvem e melhoram. Também a avaliação da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO 1º CICLO PROVAS FINAIS - 1ª FASE 19/05/2014 21/05/2014 Português (Código 41) Português (Código 31) Prova Oral - 12h* Matemática (Código 42) Matemática (Código 32) PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 1ª

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013-2º PERÍODO Abril de 2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Mantendo uma estrutura idêntica à do documento

Leia mais

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Português (41) Português Matemática (42) Estudo do Meio (22) (Prova escrita 60 minutos) Expressões Artísticas (23) 90 minutos)

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES

OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO Ano Lectivo 2009/2010 OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES Portefólio de Avaliação Sumativa Interna/ Externa De nada vale pensar, é preciso reflectir primeiro! (Pierre

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CONDEIXA-A-NOVA RESULTADOS DO SUCESSO ESCOLAR 2014/2015-3º PERÍODO Julho de 2015 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 1. INTRODUÇÃO Neste documento é feita uma análise retrospetiva

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015 Avaliação Interna do Agrupamento Relatório 2015 RAIA Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 04 de setembro de 2015 Página 1 de 39 "A autoavaliação é um processo que pode ser

Leia mais

Resultados Aproveitamento & Comportamento

Resultados Aproveitamento & Comportamento Resultados & Comportamento 1.º Período 1/15 Conteúdos Conteúdos 2 Tabelas e Gráficos Abreviaturas 5 Critérios para Atribuição das Menções Qualitativas Comportamento Resultados Escolares 7 Ensino Básico

Leia mais

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Aneo 1 Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Quadro 1 Área a avaliar: Resultados do 1º Período Sucesso

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 PAR Índice Introdução 4 1. Avaliação Final do Sucesso Académico 5 1.1. Ensino

Leia mais

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Aulas de Apoio 1º Ciclo 2 Na generalidade, os alunos do 1º ciclo, revelaram maiores dificuldades a Português e a Matemática, nomeadamente no cálculo mental

Leia mais

Departamentoento Curricular de Matemática e. Ciências Experimentais. avaliação interna e externa do

Departamentoento Curricular de Matemática e. Ciências Experimentais. avaliação interna e externa do Departamentoento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais Relatório de análise dos resultados da avaliação interna e externa do departamento, no ano letivo 2012-2013 Coordenadora ra de Departamento,

Leia mais

Colégio da Imaculada Conceição

Colégio da Imaculada Conceição AVALIAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO 2014/15 Resultados da avaliação (taxas de não transição/ não conclusão, em percentagem) Proposta do PDC Ano 09/10* 10/11* 11/12* 12/13 13/14 14/15 5.º

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Impacto das Atividades nos resultados escolares

Impacto das Atividades nos resultados escolares Impacto das Atividades nos resultados escolares O Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro (AEVP) sistematiza e analisa os resultados relativos ao desempenho escolar dos alunos no ano letivo que agora

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015

REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Abril de 2015 Júri Nacional de Exames Ordem de Trabalhos 2 Provas Finais de Ciclo e de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA)

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (10º, 11º e 12º anos) ENSINO SECUNDÁRIO ATITUDES E VALORES Assiduidade e Pontualidade 3% Fichas de registo de observação Responsabilidade e

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS INGLÊS ESPANHOL FRANCÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

HORÁRIO - Ano Letivo 2015/2016

HORÁRIO - Ano Letivo 2015/2016 Turma: 5ºA 08:30 E.F C.N L.E. I Inglês E.T E.M 09:15 E.F C.N L.E. I Inglês E.T E.M 10:20 PORT EV MAT MAT PORT 11:05 PORT EV MAT MAT PORT 12:00 L.E. I Inglês E.M.R.C APOIO EUCARISTIA H.G.P 14:30 MAT H.G.P

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e A r a d a s A n o s l e c t i v o s 2 0 0 7 / 2 0 0 8 2 0 0 8 / 2 0 0

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES A atribuição das menções de excelência e prémios escolares tem por objetivo incentivar a responsabilidade dos alunos na sua própria

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras Inglês

Leia mais

2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa

2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO RESULTADOS ESCOLARES 2013/2014 Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa A intencionalidade do Projeto Educativo a missão e visão

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Gondomar

Agrupamento de Escolas de Gondomar Agrupamento de Escolas de Gondomar 1.Nota Prévia O projeto de intervenção pedagógica Aprender a Crescer visa contribuir para a atenuação das dificuldades na leitura e compreensão de textos, fatores determinantes

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho Situação em junho de 2014 Trabalho realizado por: José Pedro Ferreira, Elisabete Pacheco e Isabel Santos Serviços para a Garantia da Qualidade Miguel

Leia mais

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO GUIÃO DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR De acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (Despacho N.º 220/97, de 4 de Agosto), avaliar o processo e os efeitos, implica tomar consciência

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO. Ex Agrupamento de Escolas do Castelo. Resultados finais 2012-2013. 1.1 Aproveitamento Escolar

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO. Ex Agrupamento de Escolas do Castelo. Resultados finais 2012-2013. 1.1 Aproveitamento Escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO Ex Agrupamento de Escolas do Castelo Resultados finais 2012-2013 1.1 Aproveitamento Escolar 1.1.1 Aproveitamento geral da Educação Pré-Escolar Áreas de Conteúdo/ Domínios

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Mortágua 13 a 15 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

[ Para alunos de outros cursos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior]

[ Para alunos de outros cursos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior] CONDIÇÕES e CALENDÁRIO de INSCRIÇÃO/ REALIZAÇÃO de EXAMES - 2014 ENSINO SECUNDÁRIO ( Decreto -Lei n.º 139/2012, de 05 de julho, estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos,

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais