Projeto Curricular de Agrupamento. Agrupamento de Escolas do Levante da Maia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Curricular de Agrupamento. Agrupamento de Escolas do Levante da Maia"

Transcrição

1 Projeto Curricular de Agrupamento Agrupamento de Escolas do Levante da Maia

2 Índice INTRODUÇÃO 5 1. ASPETOS ORGANIZACIONAIS E FUNCIONAIS PERÍODOS DE FUNCIONAMENTO PERÍODOS DE FUNCIONAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO PERÍODOS DE FUNCIONAMENTO DO 2.º, 3.º CEB, CURSO VOCACIONAL E ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE FORMAÇÃO/CONSTITUIÇÃO DE GRUPO/TURMA CRITÉRIO/NORMAS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO DOCENTE E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS FUNCIONAMENTO/ORGANIZAÇÃO DOS CONSELHOS DE DOCENTES DE ANO / CONSELHOS DE TURMA CONSELHO DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR CONSELHOS DE DOCENTES DO 1º CICLO CONSELHOS DE TURMA DOS 2.º, 3.º CEB E ENSINO SECUNDÁRIO OCUPAÇÃO PLENA DOS TEMPOS ESCOLARES DOS ALUNOS ORGANIZAÇÃO DO PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES AVALIAÇÃO DO PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES CIRCULAÇÃO DOS CANAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO EDUCATIVO OFERTA EDUCATIVA E PLANOS CURRICULARES EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR º CEB º CEB º CEB CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO ENSINO SECUNDÁRIO: MATRIZ DO CURSO CIENTÍFICO - HUMANÍSTICO DE LÍNGUAS E HUMANIDADES MATRIZ DOS CURRÍCULOS ESPECÍFICOS INDIVIDUAIS (CEI) OFERTA COMPLEMENTAR - ENSINO BÁSICO - LITERACIA/CIDADANIA 18 Projeto Educativo 2014/

3 2.3. ENQUADRAMENTO ORGANIZACIONAL DE EMR ARTICULAÇÃO CURRICULAR E PEDAGÓGICA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS APOIOS EDUCATIVOS: QUADRO DE MÉRITO E DE REVELAÇÃO: SALA DE ESTUDO DA ESCOLA SEDE GABINETE DE APOIO AO ALUNO TUTORIAS BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE APRENDIZAGENS (BE/CA) SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO / ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS PROJETOS/CLUBES E ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR PROJETOS CLUBES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA (CAF) PRÉ- ESCOLAR E SERVIÇO DE APOIO FAMÍLIA (SAF) - 1.º CEB28 5. AVALIAÇÃO MODALIDADES DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENSINO BÁSICO /CURSO VOCACIONAL E ENSINO SECUNDÁRIO CURRÍCULO ESPECÍFICO INDIVIDUAL EFEITOS DA AVALIAÇÃO / CRITÉRIOS DE PROGRESSÃO E RETENÇÃO EFEITOS DA AVALIAÇÃO / CRITÉRIOS DE PROGRESSÃO E RETENÇÃO NO 1.º CEB EFEITOS DA AVALIAÇÃO / CRITÉRIOS DE PROGRESSÃO E RETENÇÃO NO 2.º E 3.º CEB EFEITOS DA AVALIAÇÃO / CRITÉRIOS DE PROGRESSÃO E RETENÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL PONDERAÇÕES PONDERAÇÕES ESCALAS AVALIATIVA ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA 38 Projeto Educativo 2014/

4 7. PROCESSO INDIVIDUAL DO ALUNO PROCESSO INDIVIDUAL DO ALUNO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PROCESSO INDIVIDUAL DO ALUNO NOS 1.º, 2.º E 3.º CEB E ENINO SECUNDÁRIO PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE PESSOAL NÃO DOCENTE PARCERIAS / PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO DIVULGAÇÃO AVALIAÇÃO / ATUALIZAÇÃO/REFORMULAÇÃO 41 Projeto Educativo 2014/

5 INTRODUÇÃO O Projeto Curricular de Agrupamento é um projeto aberto e integrado. Este documento pretende ser um instrumento de ação na concretização do sucesso educativo dos alunos, numa lógica de articulação de saberes e competências e, em simultâneo, deve dar resposta à realidade do Agrupamento, não descurando a sua singularidade caracterizadora. Numa lógica dinâmica, o mesmo constitui a base de uma reflexão contínua de todo o trabalho desenvolvido e da aplicação do currículo no nosso contexto escolar. Sendo o Projeto Educativo o motor de desenvolvimento da ação educativa, elencado num trabalho participativo e colaborativo entre todos os agentes educativos da comunidade escolar, o Projeto Curricular de Agrupamento surge na qualidade de operacionalizar as linhas orientadoras aí estabelecidas e concretizadas nos planos de grupo / turma e no Plano Anual de Atividades, nomeadamente nas vertentes: Relacional de Gestão e Administração; Articulação e Desenvolvimento Curricular; Sucesso Escolar; Projetos/Clubes/Parcerias; Comunidade Educativa / Divulgação; Inclusão e Solidariedade. Assim, este documento estabelece as opções curriculares e organizativas que servirão de suporte para o triénio 2014/2017, visando a escola que queremos construir. Projeto Educativo 2014/

6 1. ASPETOS ORGANIZACIONAIS E FUNCIONAIS 1.1. Períodos de funcionamento Períodos de funcionamento do pré-escolar e 1.º CEB O horário de funcionamento das escolas do Pré-Escolar e do 1.º CEB do Agrupamento contempla as atividades letivas, atividades de animação e apoio à família e a componente de apoio à família (AAAF/CAF) e atividades de enriquecimento curricular (AEC), que são promovidas pelos serviços da educação da Câmara Municipal da Maia, em parceria com o Agrupamento. As AEC a implementar e o horário de funcionamento são definidos anualmente em reunião entre a autarquia e a direção do Agrupamento. Horários do pré escolar Atividades Inicio (horas) Fim (horas) AAAF acolhimento (CAF na nomenclatura da CMM) 7:30 9:00 Atividades letivas 9:00 12:00 Almoço 12:00 13:30 Atividades letivas 13:30 15:30 AAAF prolongamento (CAF na nomenclatura da CMM) 15:30 19:00 Tabela 1 - Horários do pré escolar Horários do 1.º CEB Atividades Inicio (horas) Fim (horas) CAF acolhimento (SAF na nomenclatura da CMM) 7:30 9:00 Atividades letivas 9:00 12:30 Almoço 12:30 14:00 Atividades letivas 14:00 15:00* AEC 15:00** 17:30 CAF Prolongamento (SAF na nomenclatura da CMM) 17:30 19:00 Tabela 2 Horários do 1.º CEB *duas vezes por semana das às 15.00; uma vez por semana das às 16:00; duas vezes por semana das 14:00 às 17:30 **duas vezes por semana das às 17.30; uma vez por semana das às Projeto Educativo 2014/

7 Períodos de funcionamento do 2.º, 3.º CEB, Curso Vocacional e Ensino Secundário Os horários das turmas são elaborados tendo em vista a organização mais eficaz para o aluno. O limite de tempo máximo admissível entre aulas de dois turnos distintos do dia corresponde a 3 tempos letivos. O período mínimo destinado ao almoço é de 60 minutos. O esquema de funcionamento do Agrupamento de Escolas do Levante da Maia, definido em função da previsão do número de turmas, número de tempos curriculares de cada ano e capacidade dos respetivos espaços, obedece aos seguintes regimes: 1.1. Pré-Escolar normal º CEB normal º CEB - normal º CEB normal 1.5. Secundário normal A elaboração de horários pode estar condicionada à disponibilidade de espaços específicos. No entanto, procurarse-á concentrar as aulas de uma só turma numa mesma sala, exceto nas disciplinas que exigem uma sala específica. Os horários devem possibilitar o acesso de todas as turmas às salas específicas, nomeadamente: Laboratórios; Salas de EVT, EV e TO; Salas de EM; Salas de Informática; Pavilhão Gimnodesportivo, entre outras. Nos dias com um maior número de aulas, os horários deverão ter uma distribuição onde se intercalem disciplinas de carácter teórico e disciplinas de carácter prático. As aulas de EMR não devem criar tempos desocupados à turma, atendendo ao seu carácter facultativo; como tal, estas aulas ocorrem no início ou final de cada turno, caso a sua frequência não abranja a totalidade dos alunos de uma turma. As aulas de uma disciplina à mesma turma não devem ter lugar em dias consecutivos e, sempre que possível, evitar que seja sempre ao mesmo tempo. As aulas de Língua Estrangeira não devem ser lecionadas em tempos letivos consecutivos. Em turmas de alunos que frequentem o regime articulado, a opção de Expressão Artística deve ficar em início ou fim de turno. As disciplinas de Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas funcionam em regime de desdobramento, num segmento de 50 minutos. A carga horária do Curso Vocacional poderá ser flexibilizada de acordo com necessidades pontuais de lecionação, atendendo sempre à sua matriz curricular. Projeto Educativo 2014/

8 MANHÃ TARDE No ensino básico e secundário os tempos letivos estão organizados em períodos de 50 minutos ou blocos de 100 minutos e 150 minutos nas disciplinas de Física e Química A e Biologia e Geologia, destinados á componente prática. É atribuído tempo para reforço às disciplinas específicas e sujeitas a exame nacional. As turmas do ensino secundário funcionam preferencialmente no turno da manhã. Turno Início /Fim da atividades Turno Início /Fim da atividades 8:30h 9:20h 13:30h 14:20h 9:25h 10:15h 14:25h 15:15h 10:35h 11:25h 15:25h 16:15h 11:30h 12:20h 16:35h 17:25h 12:30h 13:20h 17:30h 18:20h Tabela 3 Turnos e inícios /fim das atividades letivas 1.2. Critérios de formação/constituição de grupo/turma Tendo presentes os princípios consignados na Lei de Bases do Sistema Educativa - Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, republicada pela Lei n.º 49/2005, de 30 de agosto e n.º 85/2009, de 27 de agosto-, no Estatuto do Aluno e Ética Escolar -Lei n.º 51/2012, de 5 de dezembro, no Regime de Autonomia, Administração e Gestão dos estabelecimentos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário -, no Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, republicado pelo Decreto Lei n.º 137/2012, de 02 de julho, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 224/2012, de 2 de agosto e no Despacho n.º 5048-B/2013, de 12 de abril, retificado pela Declaração de Retificação n.º 525/2013, de 29 de abril, os critérios de formação / constituição de grupos / turma sintetizam as normas no processo de constituição dos grupos e turmas, onde prevalecem critérios de natureza pedagógica, definidos e aprovados em Conselho Pedagógico e publicitados na página do Agrupamento, competindo ao diretor aplicá-los no quadro de uma eficaz gestão e rentabilização de recursos humanos e materiais existentes e no respeito pelas regras constantes na legislação. Tendo por base os documentos legais, o contexto que molda o agrupamento e a procura do sucesso educativo, o Projeto Turmas do Levante foi implementado de acordo com os seguintes pressupostos: 5º ano de escolaridade - Os professores titulares de turma do 4º ano, constituem grupos de alunos que apresentam ritmos de aprendizagem semelhantes a Português e Matemática, tendo como base de trabalho os fatores seguintes: Conhecimento dos alunos durante o 1.º CEB; Resultado da avaliação final do 4.º ano a Português e Matemática; Análise dos resultados obtidos nos exames nacionais realizados no final do 4.º ano a Português e Matemática; Distribuição dos alunos repetentes do 5.º ano por grupos, respeitando dentro do possível, os seus ritmos de aprendizagem; Projeto Educativo 2014/

9 Estes grupos podem ser alterados, durante o ano letivo, conforme avaliação dos docentes do 5.º ano, sendo permitida a permuta de alunos entre grupos; Os grupos formados funcionam no mesmo tempo letivo das turmas base. 7.º ano de escolaridade - Os alunos são agrupados obedecendo aos seguintes critérios: A média da classificação final de Português e Matemática; A média da classificação da prova final (avaliação externa) de Português e Matemática; A média da classificação de frequência (avaliação interna) de Português e Matemática; Classificação de frequência de Língua Estrangeira I; Ainda são tidos em conta, outros critérios, como a distribuição equilibrada dos alunos de acordo com o nível etário e o género e o perfil traçado pelo diretor de turma do ano letivo anterior. 9.º ano de escolaridade Os alunos beneficiam de apoio às disciplinas com avaliação externa, Português e Matemática assinalado nos horários dos docentes e dos alunos, desde o início do ano e haverá coadjuvação em sala de aula, às disciplinas com avaliação externa, Português e Matemática, colocada também nos horários dos docentes e dos alunos, desde o início do ano Critérios/normas para a distribuição de serviço docente e elaboração de horários A distribuição do serviço docente é da competência do diretor, tendo como princípios a qualidade do ensino, os legítimos interesses dos alunos, o eficaz aproveitamento dos recursos disponíveis e a maximização da função dos professores e educadores. A distribuição de serviço deve ter em linha de conta a adequação do perfil do professor às necessidades e complexidade da turma, designadamente nas que apresentem problemas de assiduidade, indisciplina, insucesso repetido, entre outros. As turmas com disciplinas sujeitas a exame devem ser atribuídas a professores para os quais não haja previsibilidade de ausência prolongada ou que, em anos anteriores, não apresentem um padrão de baixa assiduidade. No âmbito das competências previstas na alínea k, do art.33º do Decreto-lei n.º137/ 2012, de 2 de julho, o Conselho Pedagógico aprovou critérios gerais a ter em conta na elaboração de horários das turmas e dos professores: A elaboração dos horários obedece, primordialmente, a critérios de ordem pedagógica, definidos e aprovados anualmente pelo Conselho Pedagógico e publicitados na página do Agrupamento; A continuidade do professor/educador numa turma, bem como do Diretor de Turma, prevalece ao longo dos diferentes ciclos, desde que não haja motivos que levem à sua substituição e/ou alteração, nomeadamente situações registadas em documentos oficiais ou do conhecimento do diretor; O serviço distribuído ao docente estende-se ao longo de 5 dias / semana; O horário do docente não deve incluir, sempre que possível, mais de 3 níveis de lecionação diferentes nos 2.º/3.º CEB e Secundário e 2 no 1.º CEB; Projeto Educativo 2014/

10 O número de horas a atribuir à componente não letiva de estabelecimento é de 150 minutos/semana; Parte da componente não letiva do trabalho de estabelecimento é marcada para que o docente possa acompanhar os respetivos alunos; Os apoios / aulas de complemento / reforço curricular/ tutorias a prestar aos alunos são atribuídos, preferencialmente, aos docentes que lecionam as disciplinas a que pertencem os alunos indicados para tal; Os docentes da mesma área disciplinar têm um tempo comum destinado a reuniões de área disciplinar (RAD) Funcionamento/organização dos conselhos de docentes de ano / conselhos de turma Conselho de Docentes da Educação Pré-Escolar O Conselho de Docentes da Educação Pré-Escolar é constituído por todos os Educadores de Infância, em exercício efetivo de funções no Agrupamento. É uma estrutura que se destina a articular e harmonizar todas as atividades desenvolvidas nos jardim-de-infância, competindo-lhe desenvolver a cooperação dos docentes entre si e colaborar com o Conselho Pedagógico e Direção; assegura a qualidade científica pedagógica e a adequação do processo de ensino e aprendizagem às características e necessidades das crianças que o frequentam, bem como a interação da escola com a família, na perspetiva da promoção da qualidade educativa. No final do ano letivo, o Coordenador do Departamento de Educação Pré-Escolar reúne com o Coordenador do Departamento Curricular do 1.º CEB, tendo como fim o encaminhamento das crianças da Educação Pré-Escolar para o 1.º CEB Conselhos de Docentes do 1.º ciclo Os conselhos de docentes de ano, no 1º CEB, são constituídos por todos os professores das escolas do agrupamento que lecionam o mesmo ano de escolaridade: a) O conselho de docentes do 1º ano; b) O conselho de docentes do 2º ano; c) O conselho de docentes do 3º ano; d) O conselho de docentes do 4º ano. Sempre que necessário, poderão estar presentes nas reuniões outros docentes, designadamente de disciplinas ou áreas disciplinares, de apoio educativo/educação especial e das atividades de enriquecimento curricular, com vista à adoção de medidas de pedagogia diferenciada e de reforço da articulação interdisciplinar Conselhos de Turma dos 2.º, 3.º CEB e Ensino Secundário No início do ano letivo, o Diretor de Turma efetua a caracterização pormenorizada da turma. O Conselho de Turma reúne e elabora, com base nos elementos recolhidos em documentos do ano anterior, estratégias de Projeto Educativo 2014/

11 intervenção ajustadas às características específicas dos alunos/turma, dando particular atenção aos alunos com necessidades educativas especiais. A ação do Conselho de Turma deve promover: o estabelecimento de estratégias de intervenção ajustadas às características dos alunos, tendo em conta o seu perfil (dados biográficos, antecedentes de aprendizagem), necessidades, interesses e expectativas; a definição de metas educativas comuns; o desenvolvimento da ação educativa centrada no aluno, facilitador da aquisição de aprendizagens específicas de cada disciplina; a articulação curricular possibilitadora de complementaridade e transversalidade de aprendizagens, de modo a adquirirem coerência e significado para os alunos; a valorização da língua portuguesa enquanto suporte de todas as aprendizagens; o estabelecimento de um código de conduta em contexto de sala de aula, resultante do debate sobre o Projeto Educativo e o Regulamento Interno da escola no início do ano letivo; a atribuição das classificações no final de cada período letivo, tendo em conta que a deliberação final em cada disciplina é da competência do Conselho de Turma que, para o efeito, aprecia a proposta apresentada por cada professor, as informações que a suportam e a situação global do aluno. Deve ainda prever-se, tendo em conta a situação de cada turma, a possibilidade de serem desenvolvidos projetos próprios em turmas específicas, de modo a melhorara formação integral dos alunos. No 2.º e 3.º CEB e ensino secundário, os conselhos de turma reúnem, para avaliação, ordinariamente, no final de cada período e, extraordinariamente, sempre que necessário. Reúnem ainda para elaboração e avaliação dos planos de turma a meio do 1.º período letivo Ocupação plena dos tempos escolares dos alunos Organização do plano de ocupação dos tempos escolares De acordo com o estipulado no Despacho Normativo n.º 6/2014, de 11 de junho e as orientações definidas pelo Conselho Pedagógico do Agrupamento onde se estabelecem as orientações e execução das atividades educativas que se mostrem necessárias à plena ocupação dos alunos do ensino Pré-Escolar, Básico e Secundário, durante o período de permanência no estabelecimento escolar, o Agrupamento de Escolas do Levante da Maia visa promover e reforçar os mecanismos conducentes à programação e planeamento das mesmas, nomeadamente: O aproveitamento dos tempos escolares dos alunos do 1.º, 2.º e 3.º CEB e Ensino Secundário para o cumprimento do currículo e dos programas de cada disciplina/área disciplinar; O desenvolvimento de atividades através da criação de recursos humanos, físicos e materiais; A ocupação plena dos alunos durante o seu horário letivo, na situação de ausência do docente titular de turma/disciplina. Assim, o plano de ocupação plena dos tempos escolares dos alunos, em situação de ausências previstas e/ou imprevistas de docentes, estrutura-se através da implementação de permutas, antecipações e reposições de aulas e atividades educativas de substituição. (Documento anexo ao Regulamento Interno) Projeto Educativo 2014/

12 DOMÍNIO S Avaliação do plano de ocupação dos tempos escolares No final do ano letivo, procede-se à avaliação global do plano, através da equipa de avaliação interna, que deve, também, inquirir os Encarregados de Educação e Associação de Estudantes. Os resultados são objeto de análise e parecer do Conselho Geral Circulação dos canais de informação e comunicação Para além dos canais de comunicação, presencial e em suporte de papel, por razões de economia de tempo e eficácia da comunicação, a comunidade educativa recorre a outros suportes, nomeadamente: O correio eletrónico meio privilegiado para se fazer chegar informações ou avisos, em particular, a professores, pais representantes de cada turma, Associação de Pais e Encarregados de Educação, Associação de Estudantes, SPO e restante comunidade educativa; A página Web do Agrupamento; Página do Portal da Educação; Os blogues da BE/CA (biblevantemaia.blogspot.com) e da Eco Escolas (ecosdolevante.blogspot.com); O GIAE-online, meio de consulta, de toda a comunidade escolar, dos mais variados dados e serviços da escola e do cartão do aluno. Todos os membros da comunidade escolar são possuidores de um cartão eletrónico que lhes permite a identificação no espaço escolar, efetuar pagamentos de serviços e, ainda, registar a entrada e saída da escola dos alunos e pessoal não docente. 2. SERVIÇO EDUCATIVO 2.1. Oferta educativa e planos curriculares Educação Pré Escolar Conhecimento do Expressões e Áreas de Conteúdo Linguagem Oral e Abordagem à Escrita Matemática Carga horária semanal 25 horas Projeto Educativo 2014/

13 TOTAL DO CICLO 2800` Mundo Comunicação Expressões: Plástica; Dramática; Musical; Motor Formação Pessoal e Social (transversal às restantes áreas e domínios) Tabela 4 Áreas de Conteúdo do Pré-escolar º CEB Componentes do Currículo Carga horária semanal x 60` Educação para a cidadania Português Matemática Estudo do Meio Expressões Artísticas e Físico-Motoras Apoio ao Estudo Reforço a Português (1h) e Matemática (1h) Oferta Complementar Educação para a Cidadania Total: 25 horas 8horas 8horas 3horas 3horas 2 horas 1 hora Educação Moral e Religiosa(a) AEC Tabela 5 Componentes do Currículo do 1.º CEB (a) Disciplina opcional a deduzir às AEC. 1 hora 5 horas As Atividades de Enriquecimento Curricular têm como finalidade o desenvolvimento das crianças e, consequentemente, o sucesso escolar futuro, previsto no Despacho n.º 9265-B/ 2013, de 15 de julho. Consideram-se Atividades de Enriquecimento Curricular as que estão consignadas no referido Despacho. As atividades implementadas nas escolas do Agrupamento são: Atividade Física e Desportiva, Inglês e Atividades Lúdico Expressivas (Expressão Musical e Ligação da Escola com o Meio). As Atividades de Enriquecimento Curricular são de inscrição/frequência, facultativa/gratuitas e programadas em parceria com a entidade promotora, Câmara Municipal da Maia º CEB 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Distribuição 5º Ano Distribuição 6º Ano Componentes do da carga da carga currículo 50` Tempo/min. 50` Tempo/min. horária horária Português ` ` Projeto Educativo 2014/

14 TOTA H.G.P ` ` Inglês ` Matemática ` ` Ciências Naturais ` ` Educação Visual ` ` Edu. Tecnológica ` ` Educação Musical ` ` Educação Física ` ` Oferta Complementar ` ` Total ` ` Apoio ao estudo*/ ** ` ` Total ` ` Educação Moral e Religiosa disciplina de frequência facultativa com carga horária fixa de 45` *. AE.P E AE.M Frequência obrigatória **. Frequência obrigatória para os alunos propostos pelo Conselho de Turma Nota: O EE só pode prescindir dos apoios mediante declaração escrita. Tabela 6 Componentes do Currículo e distribuição da carga horária do 2.º CEB O Apoio ao Estudo visa: Proporcionar uma aprendizagem mais personalizada, adequado aos ritmos de cada aluno/turma; Abranger metodologias diversificadas, de acordo com necessidades específicas e gerais; Possibilitar a participação de professores de diferentes áreas curriculares, de modo a que a compreensão, a concentração e a aquisição de conhecimentos proporcionem um desenvolvimento mais harmonioso e abrangente da especificidade das diferentes áreas do saber. Sendo uma oferta obrigatória por parte da escola, o Apoio ao Estudo funciona nos seguintes moldes: i) A referenciação dos alunos constará do Plano de Turma; ii) O funcionamento é em grupo, podendo agregar alunos de diferentes turmas; iii) Com uma carga horária semanal de 4 tempos letivos, cada grupo conta com professores das diferentes áreas curriculares, sendo preferencialmente de Português, Matemática e Inglês º CEB 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Componentes do currículo 7º Ano 8º Ano 9º Ano DCH* 50` Tempo/min DCH 50` Tempo/min DCH 50 Tempo/min Projeto Educativo 2014/

15 350` 300` 250` 250` 250` 300` 200` 250` 250` 200` 250` Português ` ` ` Inglês ` ` ` ` L.E. II ` ` ` História ` ` ` 250` Geografia ` ` ` Matemática ` ` ` C. Naturais ` ` ` Fís. E Quím ` ` ` Ed. Visual ` ` ` Ed. Física ` ` ` TIC ` ` OE -Exp.Art ` OE - Música ` Oferta Complementar Total ` ` ` 1 50` 1 50` 1 50` Total ` ` ` Educação Moral e Religiosa - disciplina de frequência facultativa com carga horária fixa de 45` Tabela 7 Componentes do Currículo e distribuição da carga horária do 3.º CEB DCH* Distribuição da Carga Horária L.E. II 7.º Ano: Alemão; Francês; Espanhol OE Oferta de Escola Expressões Artísticas e Música Nas disciplinas de Ciências Naturais e Físico Química do 3.º CEB há desdobramento de turmas exclusivamente para a realização de trabalho prático ou experimental, numa duração de 50 minutos semanais e apenas nos casos em que o número de alunos da turma for igual ou superior a 20. O desdobramento anteriormente referido deve funcionar para cada turno (turno 1 e turno 2) semanalmente em cada uma das disciplinas. Para efeitos da numeração de aulas destas disciplinas, considera-se sempre a perspetiva do aluno, pelo que, para uma dada disciplina, à numeração correspondente a uma aula de contexto prático-laboratorial para um dos turnos de uma turma deve corresponder igual numeração para a aula prático-laboratorial de outro turno, a decorrer no mesmo dia Cursos Vocacionais CURSO VOCACIONAL DE HOTELARIA E RESTAURAÇÃO Projeto Educativo 2014/

16 Comp. De Formação Comp. Do Currículo 1.º Ano 2.º Ano Tempo Tempo Distribuição Distribuição 50` 50` Português Geral Matemática Inglês Ed. Física História e Geografia Complementar Ciências Naturais Físico- química Francês Vocacional Novas Tecnologias Serviço Mesa e Bar Pastelaria / Panificação Total Tempos/Minutos Vocacional Prática Simulada 1.º ano 2.º ano Tabela 8 Componentes do Currículo e distribuição da carga horária do Curso Vocacional 210 horas 210 horas Ensino secundário Ensino secundário: Matriz do Curso Científico - Humanístico de Ciências e Tecnologias Comp. De Formação Geral Específica Comp. Do Currículo ENSINO SECUNDÁRIO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Tempo 50` 10.º Ano 11.º Ano 12.º Ano Distribuição Tempo 50` Distribuição Tempo 50` Distribuição Português LE I Filosofia Ed. Física Trienal- M Bienal1 - FQA Bienal2 - BG Opção Opção Total Tempos/Minutos Projeto Educativo 2014/

17 Áreas curriculares partilhadas com a turma (10+1) Áreas Específicas (24) Outros docentes Com docente EE Educação Moral e Religiosa (disciplina de frequência facultativa com carga horária de 90`) Tabela 9 Componentes do Currículo e distribuição da carga horária do Curso de Ciências e Tecnologias Ensino secundário: Matriz do Curso Científico - Humanístico de Línguas e Humanidades Comp. De Formação Geral Específica Comp. Do Currículo ENSINO SECUNDÁRIO LÍNGUAS E HUMANIDADES Tempo 50` 10.º Ano 11.º Ano 12.º Ano Distribuição Tempo 50` Distribuição Tempo 50` Distribuição Português LE I Filosofia Ed. Física Trienal- H.A Bienal1 - G Bienal2 - MACS Opção Opção Total Tempos/Minutos Educação Moral e Religiosa (disciplina de frequência facultativa com carga horária de 90`) Tabela 10 Componentes do Currículo e distribuição da carga horária do Curso de Línguas e Humanidades Matriz dos Currículos Específicos Individuais (CEI) CEI Menor de 15 CEI com PIT 2º ciclo 3º ciclo 3º ciclo Secundário sem protocolo Secundário com protocolo Comunicação Matemática Independência Pessoal/Autonomia Mundo Atual Motricidade Hortofloricultura Artes tradicionais AVD E.F. 3 2/ EV ET LC EM TIC Projeto Educativo 2014/

18 CRI Inglês 1 Francês 1 C.N (parte experimental) 1 EMRC Total 29 27/28 28/ Total da carga letiva do grupo turma Tabela 11 Componentes do Currículo e distribuição da carga horária do Currículo Específico Individual O Agrupamento propõe-se proporcionar, aos alunos com a medida educativa Currículo Específico Individual CEI, um currículo que desenvolva as potencialidades destes e que os prepare para a vida pós-escolar. Esta matriz curricular representa a oferta do Agrupamento até ao ensino secundário (12.º ano). Contudo, os horários dos alunos e a carga horária de cada área específica poderá variar conforme o perfil de funcionalidade do discente e, o horário da turma em que esses alunos se encontrem integrados. O horário é definido com a aprovação dos Encarregados de Educação. 2.2.Oferta Complementar - Ensino Básico - Literacia/Cidadania A Oferta Complementar é de frequência obrigatória para os alunos, desde que criada pela escola, em função da gestão do crédito letivo disponível. Os objetivos da Oferta Complementar de Literacia / Cidadania são: Promover o exercício de uma cidadania esclarecida e participativa; Desenvolver o espírito crítico dos alunos; Consciencializar os alunos para os seus direitos e deveres enquanto membros de uma comunidade; Desenvolver o gosto pela leitura individual, recreativa e coletiva; Desenvolver hábitos de vida saudável; Promover uma maior autonomia dos alunos na busca e seleção de informação; Desenvolver a capacidade de comunicação oral. No âmbito da direção de turma: Identificação, análise e resolução de situação problemáticas; Discussão de temas da atualidade. No âmbito de projetos: Projeto Educativo 2014/

19 Participação em projetos dinamizados pela escola/turma no âmbito da saúde e sexualidade e/ou orientação vocacional; Desenvolvimento dos hábitos de leitura, de acordo com as orientações da RBE. No caso de haver repetição dos temas ao longo dos dois ciclos, esta pretende ser uma apropriação progressiva dos conteúdos, cuja operacionalização deve assumir opções diferenciadas. A avaliação resulta na atribuição dos níveis de 1 a 5, com base no domínio de saber ser/ saber estar. A avaliação da disciplina de oferta complementar Literacia e Cidadania não é considerada para efeitos de retenção de um aluno Enquadramento organizacional de EMR Estando a organização dos tempos letivos suportada em aulas de 50 minutos e face à fixação da carga letiva de EMR em 45 minutos semanais nos 2.º e 3.º CEB e, em 90 minutos, no Ensino Secundário, torna-se necessária a definição do regime horário desta disciplina, tanto na perspetiva do aluno como na do professor. As aulas de EMR iniciam-se ao mesmo tempo que as aulas das outras disciplinas, sendo o início marcado pelo toque de entrada da campainha; terminam 45 minutos após o seu início, sem que o final seja assinalado pela campainha da escola, devendo ser o docente a controlar o tempo decorrido. Por motivos de facilitação de procedimentos administrativos, as aulas de EMR aparecem assinaladas na grelha horária da turma como sendo aulas de 50 minutos, sendo a correção disposta em campo próprio do horário. No 1.º ciclo, as aulas tem a duração de 60 minutos, em cumprimento do Decreto Lei n.º 91/ 2013, de 10 de julho. 3. ARTICULAÇÃO CURRICULAR E PEDAGÓGICA Uma organização clara e eficiente dos processos pedagógicos da escola é condição imprescindível para a obtenção de resultados escolares de acordo com o nível esperado. Ao Conselho Geral da Escola compete a definição dos princípios e linhas orientadoras da atividade da escola, sendo o Conselho Pedagógico o órgão de coordenação, supervisão pedagógica e orientação educativa. As estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica articulam-se em três níveis principais: os departamentos e os grupos disciplinares, os conselhos de docentes, os conselhos de turma e os conselhos de Diretores de Turma. Pré-Escolar A articulação no Pré-Escolar é feita a nível do departamento curricular, bem como através do desenvolvimento de um projeto partilhado entre educadoras/ docentes do 1º ano de escolaridade e restante comunidade educativa. 1.º Ciclo - Os Conselhos de Ano são estruturas que colaboram com o Conselho Pedagógico e com a Direção, das quais fazem parte todos os docentes, em funções no Agrupamento. Estão implementadas reuniões regulares, que decorrem das reuniões de Departamento do 1.º CEB. Projeto Educativo 2014/

20 2.º, 3.º CEB e Secundário - O Agrupamento implementa na E.B. Secundária do Levante da Maia reuniões semanais de 50 minutos entre os professores que constituem o mesmo grupo de recrutamento, de modo a realizar a coordenação pedagógica e a articulação curricular, privilegiando a gestão do programa e a coordenação curricular entre os professores da mesma disciplina/ano/ciclo. Procura-se desta forma privilegiar o trabalho em equipa e tirar partido das sinergias resultantes da conjugação de esforços. Articulação vertical entre ciclos - O Agrupamento promove reuniões no início e fim do ano letivo entre equipas do pré-escolar, dos 1.º, 2.º, 3.º CEB e do Ensino Secundário, para realizar a coordenação pedagógica e articulação curricular entre os diferentes ciclos. Articulação AEC/1.º CEB- A planificação das AEC envolve os Departamentos Curriculares do 1.º CEB e outros (de acordo com as áreas em oferta) e é aprovada em Conselho Pedagógico. A supervisão das AEC é da responsabilidade dos órgãos competentes do Agrupamento. É assegurada em reuniões da Equipa de Coordenação das AEC, que conta com a presença da Direção, das entidades parceiras, dos Coordenadores de Escola e de Departamento e de outros convidados. Os docentes das AEC participam, sempre que possível, nas reuniões de avaliação. 4. PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS 4.1. Apoios Educativos: Os apoios educativos destinam-se a alunos que revelem dificuldades de aprendizagem ou um défice na aquisição de determinados conteúdos considerados relevantes para a sua progressão. Os alunos são encaminhados para os apoios educativos/reforços por proposta do professor titular de turma do 1.º CEB e do conselho de turma dos 2.º e 3.º CEB ou Ensino Secundário. No 1.º CEB, os apoios são prestados em função da legislação em vigor. Em geral, nos restantes ciclos, procura-se que os apoios educativos sejam disponibilizados em horário compatível pelo professor da disciplina. Os alunos abrangidos pelo Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, alterado pela Lei n.º 21/2008, de 12 de maio, podem ainda beneficiar deste apoio, desde que não estejam inseridos no artigo 21.º do referido decreto. Para os alunos abrangidos pelo art.º 21º do Decreto- Lei n.º 3/2008 (Currículo Específico Individual), cabe aos professores de educação especial prestar apoio direto e, ainda, assegurar, de acordo com o legislado, outras medidas ou intervenção. Estes terão em conta a adequação do processo educativo dos alunos com NEE de caráter permanente, com limitações significativas ao nível da atividade e da participação num ou vários domínios da vida, devendo os professores e diretores de turma trabalhar em estreita relação com os docentes de educação especial. Projeto Educativo 2014/

21 São disponibilizados os seguintes apoios: Apoio individualizado para alunos com necessidades educativas especiais, de acordo com o previsto nos respetivos PEI(s); Aulas de apoio às diferentes disciplinas curriculares (preferencialmente às disciplinas de Matemática e Português); Aulas de preparação para exame nas disciplinas de Português e Matemática do 9.º ano; Aulas de reforço / aulas de preparação para exame nas disciplinas terminais nos 10º, 11º anos e 12.º anos. Assim, dentro dos limites impostos pelos recursos humanos existentes, as modalidades de apoio devem ser atribuídas preferencialmente: Aos alunos com necessidades educativas especiais de caráter permanente; Aos alunos com comprovadas dificuldades de aprendizagem; Aos alunos que por falta de assiduidade, devidamente justificada, revelem lacunas na aquisição de determinados conteúdos, considerados pertinentes para a sua progressão; Aos alunos que, no ano letivo anterior, tenham tido um défice de lecionação a uma ou mais disciplinas; Aos alunos vindos do estrangeiro, cuja língua materna não é a portuguesa e/ou com baixo nível de proficiência na língua portuguesa; Aos alunos de alta competição. Para o sucesso dos apoios educativos é essencial o envolvimento dos Encarregados de Educação e a identificação, por parte do professor titular e dos conselhos de turma, das necessidades específicas dos discentes Quadro de Mérito e de Revelação: Os quadros de mérito e revelação têm como finalidade o reconhecimento de mérito e de esforço no trabalho escolar ou atos meritórios praticados na escola ou na comunidade. Tem ainda como finalidade servir de incentivo ao uso de boas práticas junto de toda a comunidade educativa. O aluno que demonstre esforço, dedicação e empenho nas atividades escolares e através deles conseguir atingir resultados excecionais, que desenvolva iniciativas ou ações exemplares no âmbito da solidariedade, demonstre excelência no comportamento e assiduidade notável, represente, com excelência, o Agrupamento, participe com destaque em projetos, concursos ou outras atividades e demonstre capacidade de diálogo, tolerância e prevenção /resolução de conflitos, vê inscrito o seu nome no quadro de mérito do Agrupamento. O quadro de revelação é uma estrutura administrativa, onde são registados os nomes dos alunos que revelem atitudes exemplares, nomeadamente no âmbito da solidariedade; comportamento e assiduidade notável; representem, com excelência, o agrupamento; participem, com destaque, em projetos, concursos ou outras atividades e demonstrem capacidade de diálogo, tolerância e prevenção /resolução de conflitos. Projeto Educativo 2014/

22 4.3. Sala de estudo da escola sede A sala de estudo (SE) é entendida, essencialmente, como uma modalidade de apoio e complemento educativo. Na sua missão, pretende ser um ambiente educativo e formativo diferente, aproveitando o tempo livre dos alunos de uma forma construtiva e enriquecedora. Assim, o aluno adquire um espaço onde lhe é facultado um apoio mais individualizado, proporcionado por um grupo de professores de todas as áreas científicas, que o orientará a estudar e a adquirir ferramentas de autonomia. Este espaço funciona, também, como meio de realizar trabalhos de casa ou de grupo, para além de um estudo autónomo. 4.4.Gabinete de Apoio ao Aluno O gabinete de apoio ao aluno é um local onde estão professores disponíveis para apoiar os alunos no estudo e de intervenção face a alunos com ordem de saída da sala de aula, conforme regulamento próprio, anexo ao Regulamento Interno. 4.5.Tutorias A ação tutorial prossegue os seguintes princípios: O princípio da implicação Os diferentes atores, nomeadamente, a escola, a família, a comunidade e as instituições que intervêm no processo educativo deverão estar implicadas, tendo para esse efeito o professor tutor, em parceria com o diretor de turma, um papel fundamental; O princípio da individualidade e confidencialidade Atender e respeitar as características específicas do aluno, mantendo a sua confidencialidade; O princípio da avaliação Avaliar o processo de ação tutorial, utilizando, para o efeito, uma diversidade de registos escritos. 4.6.Biblioteca escolar/centro de aprendizagens (BE/CA) Atualmente as escolas e as bibliotecas escolares/ centros de aprendizagens (BE/CA) deparam com uma panóplia de desafios vindos de uma sociedade em constante mutação, onde rapidez, diversidade e qualidade de informação, serviços eficientes e economicamente acessíveis competem entre si. Este cenário leva a que as Bibliotecas Escolares/ Centros de Aprendizagens revejam e repensem os seus objetivos, as suas funções, os serviços que prestam e que estejam atentas a uma planificação que potencie as suas capacidades de intervenção na comunidade escolar e local. Uma vez que as BE/CA Manuel António Pina Escola (Básica e Secundária do Levante Maia), Biblioteca Álvaro Magalhães (Escola Básica de Monte das Cruzes) e Biblioteca Maria Teresa Calçada (Escola Básica de Arcos) integram a rede de bibliotecas escolares, tomamos como referencia as diretivas, sugestões e orientações por elas emitidas e procuramos transpô-las para a nossa realidade. Projeto Educativo 2014/

23 As atividades desenvolvidas e a desenvolver pelos professores bibliotecários e equipa encontram-se nos documentos estruturantes das BE/CA, nomeadamente plano de ação para 4 anos, Plano Anual de Atividades, regulamento interno das BE/CA, política documental e desenvolvimento de coleções, projetos de animação/ promoção da leitura. A missão e visão das bibliotecas das escolas do nosso agrupamento estão definidas e norteiam a atuação das mesmas. Os domínios de intervenção da Biblioteca/CA são: Domínio A - Apoio ao desenvolvimento curricular; Domínio B - Leitura e literacias; Domínio C Projetos, parcerias e atividades livres e de abertura à comunidade; Domínio D - Gestão da biblioteca escolar. As planificações, avaliações e ações de melhoria encontram-se organizadas e disponíveis para a comunidade escolar, em pasta identificada no computador das BE/CA, após aprovação nos órgãos de gestão do Agrupamento. 4.7.Serviços Especializados de Apoio Educativo / Alunos com Necessidades Educativas Especiais Os serviços especializados de apoio educativo destinam-se a promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação na promoção da melhoria da qualidade de ensino e permitir responder à diversidade de características e necessidades de todos os alunos num Agrupamento inclusivo que visa a equidade educativa. Constituem serviços especializados de apoio educativo: 1. Educação Especial O Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, vem definir o grupo-alvo da educação especial. Assim, a educação especial visa, nos termos deste diploma, responder às necessidades educativas especiais dos alunos com limitações significativas ao nível da atividade e da participação, decorrentes de alterações funcionais e estruturais de carácter permanente, dando lugar à mobilização de serviços especializados para promover o potencial de funcionamento biopsicossocial. A referenciação das crianças e jovens, a elaboração, coordenação e acompanhamento do programa educativo individual e as respetivas medidas educativas (adequações no processo de ensino e de aprendizagem, medidas educativas que integram a adequação do processo de ensino e de aprendizagem - apoio pedagógico personalizado, adequações curriculares individuais -, adequações ao processo de matrícula, adequações no processo de avaliação, currículo especifico individual, tecnologias de apoio) encontram se consignadas no supracitado diploma. 2. Apoio Educativo A atuação dos docentes que prestam apoio no 1.º CEB visa colmatar dificuldades manifestadas pelos alunos durante o processo de aprendizagem. Projeto Educativo 2014/

24 Os professores que prestam apoio educativo devem, de acordo com as dificuldades de aprendizagem apresentadas pelos alunos, definir medidas e estratégias de superação das mesmas, identificando-as nos Planos de Acompanhamento Pedagógico. Os alunos sujeitos à aplicação destes planos têm prioridade de apoio em relação aos que apresentam dificuldades pontuais. Para se rentabilizar as medidas de apoio educativo, estas devem ser baseadas no diagnóstico de dificuldades de aprendizagem e na utilização de estratégias diversificadas de ensino-aprendizagem. A intervenção do docente do apoio educativo é formalizada num plano de intervenção delineado para cada um dos alunos apoiados. Os alunos são encaminhados para a medida apoio educativo, pelo professor titular de turma, em função da proposta elaborada por ele e de acordo com as seguintes prioridades: i) Alunos com necessidades educativas especiais; ii) Alunos com plano de acompanhamento pedagógico; iii) Outros alunos. No final de cada período letivo, cada docente elabora um relatório descritivo das competências trabalhadas com cada aluno que beneficia de apoio educativo. Esse relatório, deverá referir a necessidade do aluno continuar a usufruir de apoio educativo ou se este lhe pode ser retirado. Refira-se, ainda, que esta proposta deverá ser realizada conjuntamente pelo professor titular de turma e pelo professor de apoio educativo. 3. Serviços de psicologia e orientação Compete aos referidos serviços cumprir com os seguintes objetivos: Prestar apoio psicopedagógico às atividades educativas; Desenvolver atividades de orientação escolar e profissional; Apoiar o desenvolvimento do sistema de relações da comunidade educativa; Elaborar o plano anual das suas atividades, integrado no plano anual de atividades do Agrupamento; Participar e colaborar nas reuniões dos serviços especializados e apoio educativo PROJETOS/CLUBES E ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR O Agrupamento de Escolas do Levante da Maia promove diversos projetos e atividades de enriquecimento curricular, de caráter inter e transdisciplinar, que têm como objetivo desenvolver a formação integral dos alunos e potenciar as suas capacidades para melhor os preparar para os desafios do mundo atual Projetos Banco solidário As dificuldades das famílias agravam-se em momentos de crise. As recentes transformações do mundo do trabalho têm implicado a precarização e instabilidade dos vínculos laborais. Os reflexos traduzem-se em todos os contextos, especialmente naqueles onde o ritmo das mudanças é mais acelerado. A comunidade do Agrupamento Projeto Educativo 2014/

25 corresponde exatamente a uma situação paradigmática de reestruturação produtiva traduzida no encerramento de várias unidades fabris e no colapso das profissões ligadas à construção civil. É exatamente neste contexto onde gravitam as preocupações da maioria das famílias dos alunos pertencentes ao Agrupamento de Escolas do Levante da Maia. Esta evidência é verificada na grande percentagem de alunos que beneficiam de apoios da Segurança Social, mas também nos relatos que nos chegam através dos Diretores de Turma. O encadeamento destas problemáticas de natureza sócio económica mas também cultural tem reflexos evidentes no desempenho escolar dos nossos alunos. O Banco Solidário Escolar define-se como um espaço que serve os alunos mais carenciados através da recolha e organização de donativos nesse sentido Desporto escolar O desporto escolar visa especificamente a promoção da saúde e condição física, a aquisição de hábitos e condutas motoras e o entendimento do desporto como fator de cultura, estimulando sentimentos de solidariedade, cooperação, autonomia e criatividade, devendo ser fomentada a sua gestão pelos estudantes praticantes, salvaguardando-se a orientação por profissionais qualificados. De acordo com a Direção Geral da Inovação e do Desenvolvimento Curricular, que elaborou o programa do desporto escolar, a prática desportiva nas escolas, para além de um dever decorrente do quadro normativo vigente no sistema de ensino, constitui um instrumento de grande relevo e utilidade no combate ao insucesso escolar e de melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. O projeto de desporto escolar deve integrar-se, de forma articulada e continuada, no conjunto dos objetivos gerais e específicos do plano de atividade das escolas Eco- escolas O Programa Eco Escolas é um programa vocacionado para a educação ambiental e para a cidadania, implementado em vários países da Europa. Desenvolve um conjunto de ações com o objetivo de consciencializar a comunidade escolar para a importância de adotar comportamentos de defesa e conservação do património natural e de recuperação do equilíbrio ecológico. A sua equipa multidisciplinar continua a integrar elementos das várias instituições parceiras (Agrupamento de Escolas do Levante, Câmara Municipal da Maia, Lipor, Porto Editora, Portucalea, Escola Segura, Bombeiros da Maia, Junta de Freguesia de Nogueira da Maia e Silva Escura, Siderurgia Nacional da Maia, Associação de Pais e Jardiland) que se revelaram uma mais-valia na génese do mesmo. Reativar e requalificar os terrenos à volta da escola sede que se encontram abandonados, criando uma Horta Biológica é um dos propósitos principais do Agrupamento, assim como o aumento da biodiversidade em todas as nossas escolas. Projeto Educativo 2014/

26 Este projeto permite a partilha de experiências e saberes inter-geracionais, a revitalização de sistemas de cultura tradicionais, a utilização racional da água, o desenvolvimento da compostagem doméstica, a preservação, requalificação e reorganização de espaços abandonados Educação para a Saúde e Educação Sexual O PRESSE é o programa regional de educação sexual em saúde escolar, promovido pela Administração Regional de Saúde do Norte, I.P. (ARSN) através do seu Departamento de Saúde Pública (DSP) em parceria com a Direção de Serviços da Região Norte (DSRN), que apoia a implementação da educação sexual nas escolas, de uma forma estruturada e sustentada, envolvendo o trabalho conjunto entre os profissionais de educação e de saúde escolar. O modelo de intervenção PRESSE assenta na metodologia de projeto e promove a intervenção interdisciplinar. A operacionalização do programa é assegurada pela equipa-presse (e-presse), uma equipa multidisciplinar, constituída por: dois profissionais da saúde escolar (médicos e/ou enfermeiros), pelo professor coordenador de educação para a saúde e, se possível, por um psicólogo a desempenhar funções na saúde ou na educação. Desta forma, o programa PRESSE desenvolve-se através de várias medidas, tais como: Formação dos profissionais de saúde escolar, professores e psicólogos em sexualidade humana, educação sexual e metodologias pedagógicas; Disponibilização de recursos pedagógicos (guiões de formação de professores, cadernos de atividades para alunos, jogos pedagógicos, entre outros) que facilitam a aplicação dos conteúdos curriculares em educação sexual previstos para os vários níveis de ensino; Promoção de iniciativas de complemento curricular que contribuem para dinamização da educação sexual nas escolas tais como: teatro-debate, concursos, comemoração de dias temáticos, exposições, entre outras; Apoio para a implementação de gabinetes de informação e apoio (GIA) no âmbito da educação para a saúde e educação sexual. O programa PRESSE tem como população-alvo alunos e professores do 1.º, 2.º, 3.º CEB e Ensino Secundário, envolvendo também pais, encarregados de educação, pessoal não docente e restante comunidade, possuindo todos estes atores um papel ativo no desenvolvimento deste programa Dia do Agrupamento O dia do Agrupamento pretende ser um dia de convívio entre toda a Comunidade Educativa do Agrupamento através da implementação de atividades que permitam uma maior interação entre todos os estabelecimentos de ensino do Agrupamento. Neste dia, os alunos do 4.º ano, pais e encarregados de educação, professores titulares de turma e assistentes operacionais são recebidos na escola sede pelo Conselho Geral, Direção, equipa das bibliotecas escolares, docentes do 2.º CEB, alunos do 8.º e 9.º e 10.º anos, representantes das Associações de Pais e representante dos assistentes operacionais e administrativo, a fim de serem integrados na escola sede. Projeto Educativo 2014/

27 O Dia do Agrupamento coincide ainda com a valorização das boas práticas através da entrega dos prémios de mérito e revelação Testes intermédios Os testes intermédios, realizados pela primeira vez no ano letivo de 2005/2006, são instrumentos de avaliação disponibilizados pelo IAVE e têm como principais finalidades permitir a cada professor aferir o desempenho dos seus alunos por referência a padrões de âmbito nacional, ajudar os alunos a uma melhor consciencialização da progressão da sua aprendizagem e, complementarmente, contribuir para a sua progressiva familiarização com instrumentos de avaliação externa. O Agrupamento optou pela adesão aos testes intermédios a todas as disciplinas e anos de escolaridade disponíveis Amnistia Internacional STOP Bullying Este projeto é uma abordagem baseada nos direitos humanos para combater a discriminação nas escolas, sendo desenvolvido em colaboração com 4 secções europeias Irlanda, Polónia, Itália e Portugal. Envolve todos os elementos da Comunidade Educativa e engloba várias atividades a serem desenvolvidas no decurso de dois anos Outros projetos Os alunos das escolas do Agrupamento têm vindo a participar em projetos e atividades em parceria com diversas instituições. Os temas abordados nas diferentes iniciativas são enquadrados no âmbito dos conteúdos curriculares e têm contribuído para melhorar os resultados dos alunos Clubes Mediante a apresentação de projetos, o parecer favorável do Conselho Pedagógico, as linhas orientadoras do projeto educativo e do plano de grupo/turma e, caso os recursos humanos e físicos da escola o permitam, poderão ser implementadas no Agrupamento atividades de complemento curricular, tais como: clubes, oficinas ou laboratórios de diversas disciplinas/áreas. Os clubes são definidos, sob proposta de professores, a apresentar ao diretor, no início ou no final de cada ano letivo: As horas de funcionamento dos clubes devem atender à disponibilidade de horário dos alunos; As horas a atribuir aos docentes serão na sua componente não letiva; O funcionamento dos clubes implica a inscrição de pelo menos dez alunos. Na proposta referida no número anterior, devem os proponentes indicar os objetivos, as atividades a desenvolver, os recursos necessários, a previsão de custos e o número previsível de alunos. Os projetos e clubes estão abertos a toda a comunidade educativa, mediante o preenchimento de uma ficha de inscrição. Projeto Educativo 2014/

28 Clube Europeu Os Clubes Europeus ou Clubes da Europa são centros dinamizadores de atividades no domínio da educação europeia que estão sedeados em estabelecimentos de ensino. Os Clubes são compostos por um professor e grupos de alunos que desenvolvem um conjunto de atividades com vista a alargar os conhecimentos sobre a União Europeia e o seu funcionamento. O Clube Europeu pretende contribuir para a criação do sentido de responsabilidade dos alunos jovens cidadãos europeus designadamente no que respeita à paz, aos direitos do homem e à defesa e conservação do ambiente e do património cultural Clube de Música O Clube de Música concentra os seus objetivos no desenvolvimento de capacidades que contribuam para a formação integral do aluno. Visa a participação em diversos momentos do ano letivo, tais como, Concerto de Natal, Festa de Natal, Comemoração do Dia da Europa, Participação na abertura da semana da leitura, Concerto Final Dia Eco escolas, entre outros Clube da Proteção Civil O Clube da Proteção Civil tem uma vertente multidisciplinar, contando com o envolvimento de entidades externas à escola. Reveste se de uma vertente mais teórica, elaborando uma apresentação em PowerPoint, folhetos e cartazes de divulgação, planificando e organizando um conjunto de atividades para a comunidade educativa e comemorando o Dia da Proteção Civil com palestras dinamizadas pela Proteção Civil da Maia e Escola Segura e reveste-se ainda de uma vertente mais funcional, operacionalizando o plano de emergência Clube das Expressões O Clube de Expressões destina-se a atender alunos que o queiram frequentar em regime de voluntariado, em função do preenchimento útil e criativo do tempo de permanência no espaço escolar para além do horário curricular disciplinar normal, e para tal sejam autorizados pelos encarregados de educação respetivos. As atividades realizadas no Clube tenderão a compatibilizar os desejos dos alunos com as possibilidades de realização de experiências de ordem expressiva e criativa em diferentes áreas de interesse para uma formação integral e valorização do trabalho enquanto característica específica dos seres humanos: Pintura, Cerâmica, Tecelagem e Tapeçaria, Brinquedos e Utilidades em Madeira, Cartonagem e Encadernação. 4.9.COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA (AAAF) PRÉ- ESCOLAR E SERVIÇO DE APOIO FAMÍLIA (CAF) - 1.º CEB As Atividades de Animação e de Apoio à Família para o Pré-Escolar e a Componente de Apoio à Família para o 1.º CEB, são serviços oferecidos pela Autarquia em articulação com o Agrupamento. São constituídos pelos serviços Projeto Educativo 2014/

29 de refeições e acolhimento/prolongamento do horário, perante uma inscrição por parte dos Encarregados de Educação. Têm como principal objetivo a resposta eficaz enquanto medida social, à realidade socioeconómica com que as famílias se defrontam atualmente. Este serviço funciona igualmente nas interrupções letivas, excetuando o mês de agosto. 5. AVALIAÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem e visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas, com o objetivo de promover o sucesso escolar de todos os alunos. PRINCÍPIOS GERAIS A avaliação é um elemento que integra e regula o processo educativo, que certifica os conhecimentos e as aprendizagens definidas no Currículo Nacional, nas diferentes disciplinas e áreas disciplinares e nas metas curriculares estabelecidas para o Ensino Básico. Na avaliação dos alunos, são utilizados modos e instrumentos de avaliação variados, adequados à diversidade das aprendizagens, à sua natureza e ao contexto em que ocorrem, sendo os alunos e Encarregados de Educação informados sobre os critérios usados na sua avaliação, no início do 1.º Período Modalidades de avaliação A avaliação diagnóstica realiza-se no início de cada unidade temática ou sempre que se considere oportuno, visando fundamentar estratégias de diferenciação pedagógica, superar dificuldades dos alunos, facilitando a sua integração escolar. A avaliação tem um caráter predominantemente formativo, assenta na valorização da evolução do aluno e assume um caráter contínuo e sistemático que consiste numa recolha diversificada de informações, de acordo com a natureza e o contexto das aprendizagens, visando rever e melhorar os processos e estratégias de trabalho, conduzir a uma tomada de decisões adequada às capacidades individuais dos alunos, podendo conduzir a reajustamentos dos Planos de Turma e ao Plano de Apoio Pedagógico Individual. Na avaliação sumativa, é formulado um juízo globalizante sobre o desenvolvimento do aluno em relação aos conhecimentos adquiridos e às capacidades desenvolvidas e é feita a aferição do grau de cumprimento das metas curriculares estabelecidas. A avaliação sumativa inclui uma avaliação sumativa interna, da responsabilidade dos professores e dos órgãos de gestão pedagógica da escola, resultante de uma síntese de informações recolhidas durante um período de tempo (período letivo, ano letivo ou ciclo letivo) relativamente à realização das aprendizagens, das capacidades desenvolvidas nos alunos e do grau de cumprimento das metas curriculares, correspondendo a um perfil de aproveitamento do aluno, baseado em parâmetros de avaliação específicos Projeto Educativo 2014/

30 definidas para cada disciplina e área disciplinar e uma avaliação sumativa externa, da responsabilidade dos serviços ou entidades do Ministério da Educação e Ciência. Os resultados da avaliação sumativa Interna poderão conduzir a reajustamentos do Plano de Turma, podendo ser feita a revisão de metas estabelecidas e/ou a mudança das estratégias globais definidas para alguns alunos que, não tendo realizado as aprendizagens para prosseguir, com sucesso, os seus estudos, serão submetidos a um Plano de Acompanhamento Pedagógico Individual (PAPI) a elaborar pelo Professor Titular de Turma / Diretor de Turma. A avaliação sumativa dá origem à decisão sobre a Progressão ou a Retenção do aluno expressas, respetivamente, através das menções de Transitou ou Não Transitou e Aprovado(a) ou Não Aprovado(a) Critérios e Instrumentos de avaliação Os critérios de avaliação aplicam-se às crianças e aos alunos dos três ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário. Os critérios gerais de avaliação de fim de ano letivo e de fim de ciclo constituem referenciais comuns no Agrupamento, procurando, a nível de cada área curricular e ao nível de todas as escolas, uniformizar procedimentos na ponderação da situação escolar dos alunos no que respeita aos conhecimentos adquiridos necessários para prosseguirem, com sucesso, os seus estudos no ano de escolaridade ou no ciclo seguintes. Nas reuniões de Conselho de Ano / Áreas Curriculares Disciplinares, devem ser elaborados critérios específicos de avaliação, definindo-se perfis de desempenho, a partir dos seus objetivos, dos seus parâmetros de avaliação e das Metas Curriculares em vigor. Aos alunos abrangidos pela modalidade da Educação Especial, serão aplicados os mesmos critérios de avaliação à exceção dos alunos que, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 3/2008 tenham no seu Programa Educativo Individual (PEI), condições devidamente fundamentadas decorrentes de adaptações, os quais serão avaliados nos termos das condições específicas referidas nesse programa. Compete aos órgãos de gestão da escola / estruturas de orientação pedagógica assegurar a divulgação dos critérios gerais de avaliação aos vários intervenientes, em especial aos Encarregados de Educação. Compete a cada professor divulgar e explicar aos seus alunos, no início do ano letivo, os critérios específicos de avaliação da sua disciplina Educação Pré-Escolar A avaliação na Educação Pré-Escolar assume uma dimensão marcadamente formativa e informativa e não classificadora ou seletiva. Define-se como um processo continuo, interpretativo que se assume mais pelos processos do que pelos resultados e procura tornar a criança protagonista da sua aprendizagem de modo a que vá tomando consciência do que já conseguiu, das dificuldades que vai tendo e como as vai ultrapassando, ao longo do seu percurso na Educação Pré-Escolar. Projeto Educativo 2014/

31 DOMÍNIOS No final de cada período será comunicado aos pais/encarregados de Educação, através de ficha própria, o resultado global das aprendizagens mais significativas de cada criança com a seguinte terminologia de classificação: Em Aquisição e Adquirido. Para além dos momentos informais de reflexão e autoavaliação que serão proporcionados às crianças nas diferentes atividades de sala, durante o ano letivo, no final do ano será aplicada uma ficha de autoavaliação das aprendizagens, apenas às crianças de cinco anos. A avaliação incidirá sobre três áreas curriculares: Formação Pessoal e Social. Expressão e Comunicação. A esta área estão associados os domínios: Motora Dramática Expressões Plástica Tabela 12 Domínios da área de Expressão e Comunicação Musical Linguagem Oral e Abordagem à Escrita Matemática Conhecimento do Mundo. A avaliação no Pré-escolar baseia-se nos seguintes itens: Observações e registos feitos ao longo do ano, por crianças e adultos (escritos, fotográficos, gravações áudio ou vídeo ); Produções das crianças; Momentos de interação; Entrevistas e inquéritos realizados aos pais ou encarregados de educação; Reuniões de balanço com as famílias; Reuniões de balanço de educadores e animadoras; Grelhas de observação das crianças/ficha de avaliação formativa; Análise dos produtos de trabalho da criança; Pontualidade; Assiduidade e avaliação articulada entre os educadores e os professores da educação especial no que diz respeito aos alunos com necessidades educativas especiais ENSINO BÁSICO /CURSO VOCACIONAL E ENSINO SECUNDÁRIO A Avaliação Sumativa Interna no 1.º CEB é da responsabilidade do professor titular de turma, depois de ouvir o Conselho de Docentes, podendo envolver a participação de técnicos dos serviços especializados e apoio educativo, quando se justifique. A avaliação sumativa interna no 1.º CEB nos três períodos letivos, expressa -se de forma descritiva em todas as componentes não facultativas do currículo. Nas disciplinas de Português e de Matemática no 4º ano de escolaridade, expressa-se numa escala de 1 a 5. No 1.º CEB, os instrumentos de avaliação baseiam-se em listas de verificação e registos diversos; Provas de avaliação (teóricos e/ou práticos); Testes intermédios; Relatórios; Portefólios; Trabalhos práticos/ Projeto Educativo 2014/

32 Cognitiva experimentais/pesquisa/recolha de informação; Trabalhos individuais e/ou em grupo; Registos de heteroavaliação; Questionários de escolha múltipla e outros elementos considerados relevantes (leitura; oficina de escrita e Fichas de autoavaliação). A elaboração dos critérios gerais de avaliação para o 2.º e 3.º CEB regula-se pelo Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, com alteração do Decreto Lei n.º 91/2013, de 10 de julho, diplomas que estabelecem os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos dos ensinos básico e secundário, da avaliação dos conhecimentos a adquirir e das capacidades a desenvolver pelos alunos ( ), e pelo Despacho Normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro. Os critérios gerais de avaliação, aprovados pelo Conselho Pedagógico, constituem referenciais comuns no Agrupamento. Os critérios específicos de disciplina terão de conter os instrumentos referentes à avaliação sumativa interna integrada no processo de ensino-aprendizagem: testes; fichas de trabalho; observação em aula (grelhas); relatórios; portefólios e cadernos diários; apresentações orais; trabalhos individuais e/ou em grupo; trabalhos práticos/ experimentais/ de pesquisa e recolha de informação. Os critérios gerais de avaliação da Escola Básica e Secundária do Levante da Maia, para os cursos de nível secundário, regula-se pelo Decreto-Lei n.º 91/2013, de 10 de julho e pela Portaria n.º 243/2012 que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos dos ensinos básico e secundário, da avaliação dos conhecimentos a adquirir e das capacidades a desenvolver pelos alunos. Os critérios gerais de avaliação, os instrumentos e escalas de avaliação, a ponderação das classificações de cada período e a de final de ano, definidos pelo Conselho Pedagógico, constituem referenciais comuns no Agrupamento, sendo operacionalizados pelo Conselho de Turma. Os critérios gerais definidos na escola contemplam os domínios conceptual, processual e atitudinal, sendo reforçados pela adoção dos quadros de mérito e excelência. ENSINO BÁSICO /CURSO VOCACIONAL E ENSINO SECUNDÁRIO Áreas Domínios Parâmetros Saber (Concetual) Conhecimento de factos, conceitos, princípios, regras. Conhecimento específico de cada área curricular. Projeto Educativo 2014/

33 Atitudinal Metodológica Saber fazer (Processual) Capacidade de fazer uso do conhecimento/ informação/procedimentos, de analisar, de sintetizar, de avaliar Ações (físicas ou mentais) que indicam a capacidade adquirida. Saber ser/saber estar (Atitudinal) Responsabilidade. Participação. Organização. Autonomia. Tabela - 13 Critérios gerais do ensino básico / curso vocacional e ensino secundário A elaboração dos critérios específicos de disciplina deve ter em conta a sua especificidade. Os critérios específicos de disciplina terão de conter os instrumentos referentes à avaliação sumativa interna integrada no processo de ensino-aprendizagem: Testes; Fichas de trabalho; Grelhas de observação em aula; Relatórios; Portefólios e cadernos diários; Comunicações orais; Trabalhos de pesquisa; Trabalhos de grupo e trabalhos experimentais. Os instrumentos de avaliação devem ser aplicados de uma maneira equitativa a todos os alunos. A classificação final de ano do ensino secundário é o resultado da aplicação dos documentos legais em vigor. A informação resultante da aplicação de um teste escrito de avaliação ou de um trabalho de natureza teórica/prática/experimental no ensino secundário conduz à atribuição de uma classificação Currículo específico individual O currículo específico individual que pressupõe alterações significativas no currículo comum, que dá prioridade ao desenvolvimento de atividades de cariz funcional centradas nos contextos de vida, à comunicação e à organização do processo de transição para a vida pós-escolar, pauta se pelos seguintes critérios. Educação Especial Currículo Específico Individual (ao abrigo do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro) Áreas Curriculares Específicas - Português Funcional / Matemática Funcional / Meio Físico e Social / Independência Pessoal / Comportamento Social - Critérios Gerais de Avaliação Projeto Educativo 2014/

34 Domínios Parâmetros Atribuição % Instrumentos de Avaliação Desenvolvimento das competências, definidas no Observação de Programa Educativo atividades; Individual, no âmbito das Produtos áreas curriculares específicas 75% permanentes Área do Saber /Saber - de Português Funcional, (portfólio); Fazer Matemática Funcional, Meio Registos formais e Físico e Social e informais; Independência ( ). Pessoal/Comportamento Social. Área do Saber Ser/Estar Interesse e empenho; Evolução do empenho; Hábitos de trabalho; Assiduidade; Pontualidade; Comportamento; Responsabilidade; Socialização/ afetividade; Cooperação; Autonomia pessoal/ social. Tabela 14 - Critérios de Avaliação da Educação Especial 25% Observação atividades; Produtos permanentes (portfólio); Observação; Registos; ( ). de 5.3. Efeitos da Avaliação / Critérios de Progressão e Retenção Efeitos da Avaliação / Critérios de Progressão e Retenção no 1.º CEB A Avaliação Sumativa Interna realizada no fim do 3.º Período dá origem à decisão sobre a Progressão ou Retenção. No primeiro ano, caso o aluno tenha ultrapassado o número limite de faltas e após cumpridos os procedimentos previstos no Estatuto do Aluno e Ética Escolar, o professor titular da turma, em articulação com o Conselho de Docentes, decide pela retenção do aluno, expressa respetivamente, através das menções, Transitou e Não Transitou. A retenção em qualquer um dos ciclos do ensino básico implica a repetição de todas as componentes do currículo do respetivo ano de escolaridade. Verificando-se a retenção, compete ao professor titular de turma identificar os conteúdos, conhecimentos não adquiridos / capacidades não desenvolvidas pelo aluno, as quais devem ser tomadas em consideração na elaboração do Plano da Turma (PT) / PAPI (Plano de Acompanhamento Pedagógico Individual). No final do 1.º CEB, a avaliação sumativa dá origem a uma tomada de decisão sobre a progressão ou a retenção do aluno, expressa através das menções de Aprovado ou de Não Aprovado. De acordo com o Despacho normativo n.º 13/ 2014, de 15 de setembro, no final de cada um dos ciclos do ensino básico, o aluno não progride e obtém a menção de Não Aprovado, se estiver numa das seguintes condições: Projeto Educativo 2014/

35 Tiver obtido simultaneamente classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português ou PLNM e de Matemática; Tiver obtido classificação inferior a 3 ou em Português ou PLNM ou em Matemática e simultaneamente menção Insuficiente nas outras disciplinas. Os alunos autopropostos do ensino básico não progridem e obtêm a menção de Não Aprovado se estiverem nas condições referidas no número anterior. A não realização dos exames nacionais implica a retenção do aluno. Um aluno retido nos 1º, 2º e 3º anos de escolaridade pode integrar a turma a que pertencia por decisão do diretor, sob proposta do Professor Titular de Turma, ouvido o Conselho de Docentes. A disciplina de EMR não é considerada para efeitos de progressão Efeitos da Avaliação / Critérios de Progressão e Retenção no 2.º e 3.º CEB A avaliação sumativa dá origem a uma tomada de decisão sobre a progressão ou a retenção do aluno, expressa através das menções, respetivamente, de Aprovado ou de Não Aprovado, no final de cada ciclo. No 2.º CEB e, no que diz respeito ao 5º ano de escolaridade, um aluno não transita, se: Tiver obtido classificação inferior a 3 em mais de três disciplinas. Desta situação de retenção, o Conselho de Turma deve refletir sobre o efeito da não progressão do aluno, tendo em conta: aprendizagens, assiduidade, capacidades reveladas, competência em Português, comportamento, empenho, idade e o seu percurso escolar. Quando um aluno não progride deve ser elaborado e aplicado um Plano de Acompanhamento Pedagógico Individual (PAPI), como medida especial de prevenção do insucesso repetido. A tomada de decisão relativamente a uma retenção repetida no 5º ano deve ser especialmente ponderada pelo Conselho de Turma. No 6.º ano de escolaridade, o aluno não progride e obtém a menção de Não Aprovado, se: Tiver obtido simultaneamente classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português ou PLNM e de Matemática; Tiver obtido classificação inferior a 3 em três ou mais disciplinas. No 3.º CEB e, no que diz respeito aos 7.º e 8.º anos de escolaridade, um aluno não transita, se: Tiver obtido classificação inferior a 3 em mais de três disciplinas. Projeto Educativo 2014/

36 Nesta situação, o Conselho de Turma deve refletir sobre o efeito da não progressão do aluno, tendo em conta: aprendizagens, assiduidade, capacidades reveladas, competência em Português, comportamento, empenho, idade e o seu percurso escolar. Quando um aluno não progride deve ser elaborado e aplicado um Plano de Acompanhamento Pedagógico Individual (PAPI), como medida especial de prevenção do insucesso repetido. A tomada de decisão relativamente a uma retenção repetida no 7º ou 8º anos deve ser especialmente ponderada pelo Conselho de Turma. A avaliação da disciplina de oferta complementar Literacia e Cidadania e de EMR, não é considerada para efeitos de retenção de um aluno. No 9º ano de escolaridade, o aluno não progride e obtém a menção de Não Aprovado(a) se: Tiver obtido simultaneamente classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português ou PLNM e de Matemática; Tiver obtido classificação inferior a 3 em três ou mais disciplinas Efeitos da Avaliação / Critérios de Progressão e Retenção na Educação Especial A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do ensino básico abrangidos pelo artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, expressa -se numa menção qualitativa de Muito bom, Bom, Suficiente e Insuficiente, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno. O Regime de Adequações Curriculares Individuais (Art.º 18º do Dec. Lei n.º 3/2008) e o Regime de Currículo Específico Individual (Art.º 21º do Dec. Lei nº 3/2008) concedem aos alunos Adequações no Processo de Avaliação (art.º 20º do Dec.- Lei 3/2008) Ponderações e Escalas Ponderações Ponderação Domínios 1.º / 2.º CEB 3.º CEB Secundário Saber e Saber fazer (Conceptual / Processual) 75% 80% 80% - 90% Projeto Educativo 2014/

37 Saber Ser / Saber Estar Atitudinal 25% 20% 20% - 10% Tabela 15 Ponderações Nota 1- Na disciplina de EMR são aplicadas as percentagens de 75% para a área atitudinal, sendo as restantes de 25%. Nota 2 Na disciplina de Educação Física são aplicadas as percentagens de 80% para a área atitudinal, sendo as restantes de 20% Escalas Avaliativas Ensino Básico No Ensino Básico a escala avaliativa é de natureza qualitativa (com a respetiva transposição para uma escala quantitativa/percentual) e considera cinco níveis: Escala Qualitativa (1.º CEB) Escala Qualitativa (2.º e 3º CEB) Escala Quantitativa/ Percentual (%) Níveis (.2º CEB e 3.º CEB) Insuficiente Fraco Insuficiente Suficiente Suficiente Bom Bom Muito Bom Muito Bom Tabela 16 Escala Avaliativa para o Ensino Básico No Ensino Básico e Secundário, a escala classificativa relativa ao aproveitamento e comportamento global da turma, utilizada nos conselhos de turma, é a seguinte: Aproveitamento Aproveitamento Comportamento Ensino Básico Ensino Secundário Fraco Muito fraco Mau Pouco Satisfatório Insuficiente Pouco Satisfatório Satisfatório Suficiente Satisfatório Bom Bom Bom Muito Bom Muito Bom Muito Bom Projeto Educativo 2014/

38 Ensino Secundário A informação resultante da aplicação de um teste escrito de avaliação ou de um trabalho de natureza teórica/prática/experimental no Ensino Secundário conduz à atribuição de uma classificação. A avaliação processa-se numa escala de 0 a 20 valores, sendo obrigatória a menção quantitativa. Valores Escala Qualitativa Escala Quantitativa 0 a 4 Muito Fraco 0 a 44 pontos 5 a 9 Insuficiente 45 a 94 pontos 10 a 13 Suficiente 95 a 134 pontos 14 a 17 Bom 135 a 174 pontos 18 a 20 Muito Bom 175 a 200 pontos Tabela 17 Escala Avaliativa Ensino Secundário 6. ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA O Plano de Turma assume a forma particular como em cada turma se reconstrói e se apropria um currículo face a uma situação real, definindo opções e intencionalidades próprias e construindo modos específicos de organização e gestão curricular, adequados à consecução das aprendizagens. A sua elaboração é da responsabilidade do Educador/ Professor Titular de Turma / Conselhos de Turma que devem analisar a evolução da turma, identificar características específicas dos alunos a ter em conta no processo de ensino e aprendizagem, identificando diferentes ritmos de aprendizagem e necessidades educativas especiais dos alunos, adotar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam as aprendizagens dos alunos; em suma planificar o desenvolvimento das atividades a realizar com os alunos em contexto de sala de aula. (Cf. Página do Agrupamento) 7. PROCESSO INDIVIDUAL DO ALUNO 7.1. Processo Individual do Aluno na Educação Pré-Escolar Desde o seu ingresso na Educação Pré-Escolar, o percurso educativo da criança deve ser documentado de forma sistemática de forma a permitir uma visão global da sua evolução, facilitar o seu acompanhamento e intervenção adequada. Ao longo da frequência da Educação Pré-Escolar, no Processo Individual devem constar: Elementos de identificação da criança; Relatórios médicos e/ou de avaliação psicológica, caso existam; Planos educativos individuais, no caso de a criança ser abrangida pela educação especial; Planos e relatórios de apoio pedagógico, quando existam; documento(s) com a informação global Projeto Educativo 2014/

39 das aprendizagens mais significativas da criança, realçando o seu percurso, evolução e progressos; Outros elementos considerados relevantes para o processo de aprendizagem e desenvolvimento da criança. Os elementos constantes do Processo Individual da criança devem ser exclusivamente do conhecimento dos educadores, dos encarregados de educação, de outros intervenientes no processo de aprendizagem e desenvolvimento da criança e, posteriormente, do professor do 1.º CEB, sendo garantida a confidencialidade dos dados nele contidos. Na transição para o 1.º CEB, o processo acompanha a criança Processo Individual do Aluno nos 1.º, 2.º e 3.º CEB e Ensino Secundário Todo o percurso escolar do aluno deve estar devidamente documentado no Processo Individual do Aluno, que o acompanha desde a entrada na Educação Pré-Escolar até ao final do Ensino Básico. É da responsabilidade do professor titular de turma, no 1.º ciclo, e do diretor de turma, nos 2.º e 3.º ciclos. Os registos sistemáticos devem integrar: Os elementos fundamentais de identificação do aluno; Os registos de avaliação; Relatórios médicos e ou de avaliação psicológica, quando existam; Planos e relatórios de apoio pedagógico, quando existam; O Programa Educativo Individual, no caso de o aluno estar abrangido pela modalidade de Educação Especial; As informações relevantes do seu percurso educativo, designadamente as relativas a comportamentos meritórios e medidas disciplinares aplicadas e seus efeitos; Uma autoavaliação do aluno, no final de cada ano, com exceção dos 1.º e 2.º anos; Outros elementos considerados relevantes para a evolução e formação do aluno. Todos os intervenientes no processo de aprendizagem podem aceder ao dossiê, nas condições definidas no Regulamento Interno, tendo a obrigatoriedade de garantir a confidencialidade dos dados nele contidos. 8. PLANO DE FORMAÇÃO 8.1. Pessoal docente Com base nas necessidades expressas pelos docentes, é elaborado um plano de formação, a nível do Centro de Formação de Associação de Escolas maiatrofa (CFAEmaiatrofa) para todos os Agrupamentos do concelho da Maia. Projeto Educativo 2014/

40 8.2. Pessoal não docente Com base nas necessidades expressas pelo pessoal não docente, é elaborado um plano de formação, a nível do Centro de Formação de Associação de Escolas maiatrofa (CFAEmaiatrofa) ara todos os Agrupamentos do concelho da Maia. 9. PARCERIAS / PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO O desenvolvimento de parcerias é um dos domínios que importa aprofundar pelo facto de permitir a constituição de mecanismos que promovem a corresponsabilização entre a escola e a comunidade na procura da melhoria da qualidade educativa. O Agrupamento tem reforçado a cooperação com diversas instituições no sentido de criar projetos e parcerias no âmbito escolar, material, profissional, de promoção da saúde e da segurança e de formação de professores e pessoal não docente. Estão estabelecidas parcerias com as seguintes instituições: Câmara Municipal da Maia, na adaptação das atividades extracurriculares às necessidades e expectativas da comunidade educativa; Quinta da Gruta; Maiambiente; Juntas de freguesia de Folgosa, Milheirós, S. Pedro Fins, Nogueira e Silva Escura; Universidade Lusíada; Instituições, Associações Culturais, Recreativas e Desportivas, nomeadamente Maiabasket, Acroclube, Clube de Ténis da Maia; Instituto da Droga e da Toxicodependência; LIPOR; Porto Editora; Escola Segura; Siderurgia Nacional; Liga Portuguesa Contra o Cancro; Bombeiros Voluntários de Moreira da Maia e Centro de Emprego e Formação Profissional. Estão estabelecidos protocolos com as seguintes instituições: Entidades da Proteção Civil; Santa Casa da Misericórdia; Empresas do concelho; Centros de Saúde - Maia, Milheirós e Nogueira e Silva Escura. Por último, e para além da colaboração em estudos de investigação, realizados por doutorandos de várias faculdades da Universidade do Porto e docentes do nosso Agrupamento, foi ainda estabelecida colaboração com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, com o Tribunal de Menores e com a Instituição Socialis. 10. DIVULGAÇÃO Sendo um referencial do agrupamento é divulgado: Página Web do agrupamento; Plataforma Moodle do Agrupamento; Colocação de exemplares nas bibliotecas escolares (para possível consulta e requisição) e nos serviços administrativos. Projeto Educativo 2014/

41 11. AVALIAÇÃO / ATUALIZAÇÃO/REFORMULAÇÃO A atualização e reformulação são feitas anualmente pelos departamentos/grupos disciplinares e pelo grupo de acompanhamento, designado pela Direção. O presente documento deve ser revisto no final de cada ano letivo, promovendo a sua adaptação às transformações ocorridas, bem como deve ser objeto de avaliação específica no âmbito do processo de avaliação interna do Agrupamento. Agrupamento de Escolas do Levante da Maia, 27 de Janeiro de 2015 A Presidente do Conselho Pedagógico, (Maria da Conceição Carneiro) A Presidente do Conselho Geral, (Ana Maria Botelho Garrido) Projeto Educativo 2014/

42 Agrupamento de Escolas Levante da Maia Projeto Curricular de Agrupamento Crescer, Saber e Ser

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS ANO LETIVO DE 2012/2013 CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS SUMÁRIO A PRINCÍPIOS GERAIS B - CRITÉRIOS

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa

2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO RESULTADOS ESCOLARES 2013/2014 Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa A intencionalidade do Projeto Educativo a missão e visão

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Organização do Ano Letivo 2014/2015

Organização do Ano Letivo 2014/2015 Organização do Ano Letivo 2014/2015 Distribuição de serviço, elaboração de horários e constituição de turmas 1) Aplicação das normas e organização do ano letivo (Despachos normativos n.º 6/2014 ) a) Duração

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

ADENDA Ano letivo 2015/2016

ADENDA Ano letivo 2015/2016 ADENDA Ano letivo 2015/2016 INTENCIONALIDADE EDUCATIVA Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo 2013/2017 3.2. Desenho Curricular e Carga Horária das Ofertas Educativas do Agrupamento 3.2.1. Desenho

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO VIANA DO ALENTEJO, 2015 Índice Nota Introdutória Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo do Agrupamento Entende-se por currículo o conjunto de conteúdos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 O presente documento é um instrumento que define as estratégias de desenvolvimento do currículo nacional,

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Monitorização para a Melhoria das Aprendizagens GUIMARÃES INDICE Introdução 03 Objetivos 05 Áreas/Domínios de Monitorização 06 1. Ocupação Plena dos Tempos

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras Inglês

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul PLANO DE ORGANIZAÇÃO 2015/2016

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul PLANO DE ORGANIZAÇÃO 2015/2016 Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul PLANO DE ORGANIZAÇÃO 2015/2016 Índice INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO I... 1 MATRIZES CURRICULARES... 1 EDUCAÇÃO PRÉ-

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Projeto Curricular de Escola Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Lisboa Projeto Curricular de Escola 2 O valor das coisas não está No tempo em que elas duram,

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO

PLANO DE ESTUDOS E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO PLANO DE ESTUDOS E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS E JARDINS DE INFÂNCIA DO CONCELHO DA CHAMUSCA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ÁREAS DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA... 3 3. ORGANIZAÇÃO...

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL 2015/2016 A EQUIPA: Fátima Martins, Manuela Parreira, Ana Paula Melo, Vera Moura, Manuela Simões, Anabela Barroso, Elsa Carvalho, Graça

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015/2016 1 INDÍCE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CALENDÁRIO ESCOLAR 4 3. CONSTITUIÇÃO DE TURMAS.........5 3.1. CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA EDUCAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO 171062

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO 171062 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO 171062 1 Introdução PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Ano Letivo 2012 /2013 O ordenamento jurídico de autonomia e gestão das escolas implica a criação

Leia mais

ANO LETIVO 2015/2016 Matrícula e constituição de turmas Normas orientadoras

ANO LETIVO 2015/2016 Matrícula e constituição de turmas Normas orientadoras ANO LETIVO 2015/2016 Matrícula e constituição de turmas Normas orientadoras Constituição de turmas 1 Na constituição das turmas prevalecem critérios de natureza pedagógica definidos no projeto educativo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567 Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016 A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes é, nomeadamente,

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento do Currículo do Agrupamento 2015/2016

Projeto de Desenvolvimento do Currículo do Agrupamento 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. ENQUADRAMENTO LEGAL... 5 1.2. PERÍODO DE VIGÊNCIA E DESTINATÁRIO... 6 2. ORGANIZAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR... 7 2.1. CALENDÁRIOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes Consciencializar toda a Comunidade Escolar para a Preservação do Meio Envolvente; Sensibilizar a comunidade para a poupança de recursos, promovendo a reutilização e a reciclagem. Valorizar a Educação para

Leia mais

IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGULAMENTO INTERNO Anexo IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGULAMENTO 2013 REGULAMENTO DOS CURSOS EFA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS 2 EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Artigo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial ANO LETIVO 2015 / 2016 Departamento de Educação Especial Proposta para o Ano Letivo 2015 / 2016 Avaliação dos alunos com NEE de carácter

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

S ucesso A c a démico 1. º P e r íodo

S ucesso A c a démico 1. º P e r íodo A v a liação do Sucesso A c a démico 1.º P eríodo A v a liação do S ucesso A ca démico 1. º P e r í o d o A v a l i a ç ã o d o S ucesso A c a démico 1.º P e r íodo Avaliação do S ucesso Relatório A c

Leia mais

Projeto aler+ SEMEAR LEITURAS

Projeto aler+ SEMEAR LEITURAS Projeto aler+ SEMEAR LEITURAS 2013-2014 ÍNDICE 1.CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. INTERVENIENTES...... 3 3. OBJETIVOS. 4 4. REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO. 5 5. ATIVIDADES/AÇÕES/ESTRATÉGIAS... 6/ 7 6. DIVULGAÇÃO..

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS QUADRIÉNIO 2013/2017 ANEXO II PLANO DE TRABALHO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS

PLANO DE TRABALHO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS QUADRIÉNIO 2013/2017 ANEXO II PLANO DE TRABALHO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS ANEXO II PLANO DE TRABALHO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS E.B. de Alvares E.B. de Vila Nova do Ceira J.I. de Ponte do Sótão QUADRIÉNIO 201/2017 1 15 outubro de 2014 Índice Introdução 1. Organização

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO DO AGRUPAMENTO Ano Letivo 2014/2015 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO...4 1.1 - Enquadramento Legal...5 1.2 - Período de vigência

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Freamunde

Agrupamento de Escolas de Freamunde Agrupamento de Escolas de Freamunde dezembro 2011, revisto em dezembro de 2013. Projeto Curricular de Agrupamento 1 ÍNDICE 1. Introdução. 3 2. Objetivos do Projeto Educativo. 3 3. Métodos e Princípios

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais