Agrupamento de Escolas Mães d Água. Projecto Educativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas Mães d Água. Projecto Educativo"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas Mães d Água Projecto Educativo 2009/2013

2 A Aprender Para Saber Ser e Estar Lema do Projecto Educativo do Agrupamento Tu dizes-me, eu esqueço-me. Tu ensinas-me, eu recordo-me. Tu implicas-me, eu aprendo. Provérbio chinês Projecto Educativo 2009/2013

3 Índice 1- Introdução Caracterização do Agrupamento O Concelho A Freguesia O Agrupamento Caracterização das Escolas pertencentes ao Agrupamento Escola sede do Agrupamento Mães d Água Escola Básica do 1º ciclo Artur Bual Jardim de Infância da Falagueira Jardim de Infância da Quinta da Lage Caracterização Escolas do Agrupamento Escola sede - Mães d Água Recursos Humanos Pessoal docente Serviço de Psicologia e Orientação Pessoal não docente Corpo discente Organização do espaço Horário de funcionamento Escola do 1º ciclo Artur Bual Recursos Humanos Pessoal docente Corpo discente Organização dos espaços Horário de funcionamento 4.3- Jardim de Infância da Falagueira Jardim de infância da Quinta da Lage Alunos com Acção Social Escolar (ASE) Alunos com Necessidades educativas Especiais (NEES) Resultados Escolares no ano lectivo 2008/ º ciclo Avaliação interna Avaliação externa Comparação dos resultados com os Nacionais 2º ciclo Avaliação interna Avaliação externa Comparação dos resultados com os Nacionais º ciclo Avaliação interna Avaliação externa Avaliação nos cursos de Educação e Formação (CEF) Avaliação interna no Ensino Secundário 2008/ Avaliação do 10º ano Ensino Regular Avaliação do 10º ano Tecnológico de Desporto Avaliação do 11º ano Ensino Regular Avaliação do 11º ano Tecnológico de Desporto Avaliação do 12º ano Ensino Regular Avaliação do 12º ano Ensino Tecnológico Avaliação externa do 11º ano e 12º ano Exames a nível de escola Exames a nível Nacional Avaliação Interna dos Cursos Profissionais Oferta Educativa Projecto Educativo 2009/2013

4 9.- Plano de Formação para o ano lectivo 2009/ Necessidades de Formação do Pessoal Docente Plano de formação do departamento de Línguas Plano de formação do departamento de Ciências Sociais e Humanas Plano de formação do departamento de Matemática e Ciências Experimentais Plano de formação do departamento de Expressões Plano de formação do Departamento do 1º ciclo Necessidades de Formação do Pessoal não Docente Pessoal Administrativo Pessoal Auxiliar de Acção Educativa Representante de Associação de Pais e Encarregados de Educação Missão Princípios e Valores Objectivos Gerais Problemas diagnosticados Estratégias Articulação vertical e horizontal Indisciplina In(sucesso) escolar Formação do pessoal docente e não docente 15.- Metas Quantificadas Avaliação do Projecto Educativo Considerações Finais Projecto Educativo 2009/2013

5 1. Introdução O Projecto Educativo do Agrupamento, pelo enquadramento legal que lhe é dado, aparece como o instrumento definidor das políticas e dinâmicas de organização da escola e dos processos de gestão curricular, confirmando a escola enquanto lugar da decisão na afirmação da autonomia desta. O Projecto Educativo confere singularidade à escola e é reflexo da sua identidade. No cumprimento dessa função deve assumir-se como documento essencial na concretização do princípio segundo o qual, para além da prossecução de desígnios nacionais, a escola deve procurar incorporar nas suas respostas uma crescente atenção aos problemas e expectativas locais e, por essa via, integrar e integrar-se cada vez mais na comunidade envolvente. Neste sentido, a escola deve promover uma reflexão tendente a uma crescente aproximação do mercado de trabalho, nunca deixando de dar resposta a quem nela está com os olhos virados para o prosseguimento de estudos. 2. Caracterização do Agrupamento 2.1- O Concelho O Concelho da Amadora está inserido no distrito de Lisboa, o qual corresponde à Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo. O Concelho da Amadora tem uma área de 23,8 Km 2, distribuídos por 11 freguesias, onde habitam cerca de 1,78% da população nacional, isto é, 7393 habitantes por km 2. Entre 1950 e 1970, assistiu-se a uma autêntica explosão demográfica na Amadora que, atingiu nos anos 50, a mais elevada taxa de crescimento de toda a região de Lisboa. Esta situação deriva de vários factores, como a melhoria das infra-estruturas de transporte da região, a electrificação da linha de caminho-de-ferro e os largos contingentes migratórios que afluem à Amadora, atraídos pela criação de novos postos de trabalho nas indústrias e serviços que aí se instalaram. Projecto Educativo 2009/2013 1

6 No entanto, a escassez verificada no mercado da habitação, aliada à especulação imobiliária na capital, conduziram a um crescimento desgovernado nas periferias, em que a Amadora não foi excepção. Começaram a desenvolver-se bairros clandestinos, que constituíram o submercado ilegal a que a população menos favorecida economicamente tinha acesso. No início da década de 70, a população residente na Amadora provinha principalmente de Lisboa, Alentejo, Beiras, zona centro do país e Cabo Verde (na altura ainda Colónia Portuguesa). Este Município foi criado após o 25 de Abril de 1974, deixando de ser uma freguesia do Concelho de Oeiras a 11 de Setembro, de Outrora considerada uma cidade dormitório, a Amadora passou por um processo de autonomização em relação à capital, que culminou na criação gradual de uma vida própria. Actualmente, o Município encontra-se dotado de diversos equipamentos culturais, desportivos e serviços públicos ao dispor da população. Os investimentos na habitação, na educação e na rede viária do Município são pólos de desenvolvimento e de investimento no futuro desta jovem cidade, cujos objectivos se prendem com a melhoria do bem-estar e das condições de vida da população que escolheu esta cidade para viver e trabalhar A freguesia A freguesia da Falagueira, onde se insere a Escola, confina com as freguesias da Brandoa, Venda-nova Mina e São Brás. A extensão da rede do metropolitano, com uma estação nas proximidades da escola, vai fomentar o aparecimento de mais uma polaridade de urbanização com características diferentes, em termos sócio -culturais, das que tradicionalmente se instalavam à nossa volta. Preparar a escola para responder, com qualidade, às exigências e expectativas dessas famílias e da sociedade, deve ser um factor ponderado neste projecto educativo. No que respeita ao tecido empresarial da freguesia, destacam-se no comércio as lojas de pequena dimensão; nos serviços, o ensino, os bancos e seguradoras; na indústria, as pequenas e médias empresas gráficas, metalúrgicas e mecânicas. Projecto Educativo 2009/2013 2

7 2.3- O Agrupamento O Agrupamento de Escolas Mães D Água localiza-se na freguesia da Falagueira, um dos núcleos mais antigos do Concelho da Amadora enquadrando-se num contexto urbano periférico, dada a proximidade de Lisboa. Encontra-se num meio que cresceu anarquicamente, sem as infraestruturas necessárias, com bairros degradados e problemas habitacionais, de inserção social, de segurança e de ordem sócio - económica, reflectindo os problemas das cidades periféricas nomeadamente a mobilidade diária para Lisboa, onde se encontram a maior parte dos locais de trabalho. A maioria das famílias possuem um nível sócio - cultural baixo e médio baixo, com reflexo no ensino aprendizagem, sendo parte significativa da população escolar e originária dos PALOP. As escolas pertencentes ao Agrupamento estão geograficamente próximas e são as seguintes: a) Jardim-de-infância da Falagueira; b) Jardim-de-infância da Quinta da Laje; c) Escola do 1º ciclo Artur Bual; d) Escola com 2º, 3º ciclo e Ensino Secundário Mães D Água. Designação Morada Telefone/fax Escola Sede Mães d Água Rua da Quinta da Bolacha Falagueira Amadora / Fax: Escola do 1º ciclo Artur Bual Jardim de Infância Quinta da Lage Jardim de Infância da Falagueira Praceta das Roiçadas Amadora Assoc. Moradores Quinta da Lage R. Principal 1, 1 ( ) Amadora Pct. da Conceição ( )-Amadora Tel: fax: Projecto Educativo 2009/2013 3

8 3. Caracterização das escolas pertencentes ao Agrupamento 3.1- Escola Sede de Agrupamento Mães d Água A escola sede de Agrupamento deve o seu nome ao facto de ter no interior do seu perímetro parte do aqueduto subterrâneo da Galega, subsidiário do aqueduto das Águas Livres (do qual ainda há memória concretizada nos dois respiradouros existentes na sua área) e de se encontrar num Concelho tradicionalmente fornecedor de água a Lisboa. A Escola do 2º e 3º Ciclo com Ensino Secundário Mães d Água foi criada, sob a denominação de Escola Secundária c/ 3º Ciclo da Falagueira, em resposta às necessidades geradas por uma população escolar crescente que, no nosso concelho, se traduzia numa superlotação das escolas existentes. Daí ter sido inserida num plano de "emergência" que levou à sua construção num tempo recorde. Inaugurada em 13 de Janeiro de 1984, enquanto secção da Escola Secundária da Brandoa, abriu com 30 turmas do 7º ano, num total de 812 alunos, 53 professores, 4 funcionários administrativos e 8 auxiliares de acção educativa. Tornou-se "autónoma" a partir de 1 de Outubro de 1985 (Portaria Nº 465/85 de 85/07/17) com uma Comissão Instaladora e elegeu o seu primeiro Conselho Directivo no ano lectivo de 1987/88. A Escola tinha então alargado os níveis que leccionava ao 11º ano (o ensino secundário iniciara-se no ano anterior com 5 turmas do 10º ano) e contava com 1753 alunos. Continuava, no entanto, a ser uma escola predominantemente de ensino unificado e nem mesmo a introdução do 12º ano (4 turmas), no ano lectivo de 1992/93, alterou esta situação. A preocupação em alargar as ofertas da Escola e em criar alternativas para os alunos, levou à abertura dos cursos técnico-profissionais de Mecanotecnia e de Técnicas de Secretariado, respectivamente nos anos de 1988/89 e 1991/92. Esta vertente reforçou-se após a entrada em vigor da Reforma do Sistema Educativo, com a introdução de cursos orientados para a vida activa, como foram os Tecnológicos de Mecânica, de Design e de Administração. A vocação da Escola para o Ensino Secundário e a abertura de novas Escolas EB 2+3 no concelho, levou à redução do número de turmas do Ensino Básico a partir do ano lectivo de 94/95. No ano lectivo de 1998/1999 foi proposto, ao abrigo do Decreto-Lei 324/97 de 15 de Novembro o novo nome para a escola, Escola Secundária c/ 3º Ciclo do Ensino Projecto Educativo 2009/2013 4

9 Básico Mães d Água, conforme aprovado em Conselho Pedagógico de 15 de Julho de 1998 e em sessão da Câmara Municipal da Amadora de 6 de Janeiro de A nova designação foi aprovada pelo Despacho 15597/99 de 12 de Agosto. A partir de 2007 a escola passou a pertencer ao agrupamento, Agrupamento de Escola Mães D Água, sendo homologado a 12 de Junho de 2007 pela Direcção Regional de Educação Escola Básica do 1º ciclo - Artur Bual A Escola Básica do 1º ciclo de Artur Bual fica situada na Praceta das Roiçadas, Falagueira, Amadora. É uma escola recente, cujo edifício foi inaugurado em 4 de Maio de 2004 pelo Sr. Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio. Durante muitos anos tinha existido neste espaço uma escola do Plano Centenário, denominada Escola Primária da Falagueira nº1. Dos acontecimentos relevantes ligados à Escola destacam-se em 8 de Abril de 2005 a visita do pintor José Ruy e em 31 de Maio de 2005 a Exposição da Vida e Obra de Artur Bual com homenagem ao pintor contando com a presença da sua família. O pintor Artur Bual, patrono da escola, teve grande ligação afectiva com a freguesia da Falagueira, pois foi membro do Grupo ARTEVER, Grupo de Artistas Plásticos situado na Falagueira. Esteve ainda ligado ao Grupo Geral de Cantares Alentejanos que faziam parte desta comunidade e com os quais tinha grande ligação artística. Na Fábrica da Cultura da Amadora, situada nesta freguesia da Falagueira, fez a sua maior Exposição de Artes Plásticas no ano de Pessoalmente teve ainda grandes ligações com a Escola Artur Bual, pois muitas vezes aí se deslocava, trazendo e levando a filha e, mais tarde, o neto, que foram alunos desta Escola. Nascido em Torres Vedras a 16 de Agosto de 1926, Artur Bual cedo se revelou um dos artistas mais dotados da sua geração, considerado um pioneiro da pintura gestual em Portugal, desde o início dos anos cinquenta. Pintor, Escultor e Ceramista, realizou diversas exposições em Portugal e no estrangeiro. Está representado em diversas colecções: Palácio da Justiça de Lisboa, Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Museus Nacionais, Câmaras Municipais, Centro de Formação Profissional de Pegões, Governo Regional dos Açores, etc. Executou diversos frescos em 12 capelas, no Alentejo e Ribatejo. Executou painéis-mosaico para a estação da Projecto Educativo 2009/2013 5

10 CP da Amadora e para o Metropolitano de Lisboa. Falecido na Amadora em 1999, Bual deixa uma obra vasta e muito característica. A Escola é constituída apenas por um edifício, contudo algumas salas com dimensões reduzidas e não são suficientes para o desenvolvimento de todas as actividades Jardim de Infância da Falagueira Para dar resposta às necessidades sentidas pela população, a Câmara Municipal da Amadora criou em 1980 o Centro de Infância Municipal da Falagueira, num edifício pré-fabricado situado na Quinta da Conceição, Amadora. No ano lectivo 2000/2001 duas salas deste centro passaram para a tutela do Ministério da Educação integrando a Rede Pública de Educação Pré-Escolar com o nome de Jardim-de-Infância da Falagueira nº3. Encontra-se actualmente em obras de remodulação Jardim de Infância da Quinta da Lage O CAIC (Centro de animação infantil e comunitária) da Quinta da Lage iniciou as suas actividades no ano lectivo 2001/2002. A sua abertura deveu-se a duas constatações básicas: a inexistência de qualquer equipamento de educação pré-escolar neste bairro e o reconhecimento deste bairro como uma zona com níveis de insucesso escolar elevado. A Câmara Municipal da Amadora e a Junta de Freguesia da Falagueira, num trabalho de parceria, contactaram a DREL para implementação do CAIC. Após uma visita às instalações da Associação de Moradores da Quinta da Lage, foram definidos os moldes de funcionamento. A sua criação foi autorizada, com o destacamento de duas educadoras de infância. No ano lectivo de 2007/2008, o CAIC da Quinta da Lage passou a Jardim de Infância, através de uma portaria do Ministério da Educação. Projecto Educativo 2009/2013 6

11 4.Caracterização das escolas do Agrupamento 4.1- Escola Sede Mães d Água Recursos Humanos A escola sede é constituída por 120 docentes. O pessoal não docente envolve 42 funcionários, nove dos quais pertencentes aos serviços de administração escolar e ASE, 33 assistentes operacionais. A segurança está a cargo de dois elementos do gabinete de segurança do Ministério da Educação. Actualmente encontram-se matriculados na escola 966 alunos Pessoal Docente O corpo docente encontra-se distribuído pelos seguintes departamentos: DEPARTAMENTOS LÍNGUAS MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS EXPRESSÕES GRUPOS DE RECRUTAMENTO 300 / / Os grupos de recrutamento têm a seguinte constituição: GRUPOS DESIGNAÇÃO Nº PROFESSORES RECRUTAMENTO 250 Educação Musical Educação Moral e Religiosa Católica 1 300/320 Português / Francês /340 Inglês / Alemão História Filosofia Geografia Economia e Contabilidade Matemática Física e Química Biologia e Geologia Educação Tecnológica (Expressões) Educação Tecnológica (D.M.C.E.) Educação Tecnológica (D.C.S.H.) Informática Artes Visuais Educação Física Educação Especial 1 2 TOTAL 120 Projecto Educativo 2009/2013 7

12 O Agrupamento conta com o apoio de um psicólogo no Serviço de Psicologia e Orientação (SPO). Na Escola Sede existe supervisão pedagógica nas disciplinas de Português, Francês e Informática Serviço de Psicologia e Orientação O Serviço de Psicologia e Orientação funciona em gabinete próprio na escola Sede do Agrupamento Mães D Água, serve a Escola Básica 2º/3º Ciclos - Secundária, a Escola Básica do 1º Ciclo, o Jardim de Infância Quinta da Lage e o Jardim de Infância da Falagueira, é constituído por um psicólogo que intervém a nível psicológico e psicopedagógico, na observação, orientação e apoio dos alunos, colaborando na promoção do seu desenvolvimento cognitivo, pessoal, social e vocacional em cooperação com a comunidade educativa e em articulação com os recursos da comunidade. O psicólogo do SPO no ano lectivo de 2009/2010, faz orientação de estágio a uma aluna do curso de Psicologia da Educação da Universidade Lusófona. O serviço labora em consonância com o Projecto Educativo do Agrupamento. A intervenção e o uso de técnicas, estratégias e procedimentos gerais da área das disciplinas de apoio, reeducação e serviço social são uma necessidade visível, muito presente nesta escola, uma vez que o território populacional que o agrupamento de escolas abrange possui um número considerável de agregados familiares marcados por carências económicas e necessidades sociais ao nível de serviços pessoais e familiares, cuja especificidade exige a participação de técnicos especializados Pessoal não docente Categoria Número de funcionários Chefe de serviços 1 Assistente técnico 9 Assistente Operacional 33 Projecto Educativo 2009/2013 8

13 Corpo Discente CICLO 2º 3º Secundário Cursos Regulares Oferta Escola CEF - Tipo 2 Nº Nº ANO ALUNOS TURMAS 5º º º º º º º º º DESIGNAÇÃO Ensino Regular Curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologias Curso Científico Humanístico de Línguas e Humanidades Curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologias Curso Científico Humanístico de Línguas e Humanidades Curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologias Curso Científico Humanístico de Línguas e Humanidades Marcenaria Operador de Informática 9º Serralharia Mecânica Operador de Informática Artesanato - Olaria CEF - Tipo 3 9º 13 1 Hotelaria e Restauração Serviço de Mesa Oferta Escola Cursos Profissionais Oferta Escola 10º º º Técnico de Apoio à Infância Técnico de Gestão e Programação de Sist. Informáticos Técnico de Apoio à Infância Técnico de Gestão e Programação de Sist. Informáticos Técnico de Contabilidade Técnico de Design Design de Equipamento Técnico de Produção em Metalomecânica Técnico de Apoio à Infância Técnico de Informática e Gestão Técnico de Secretariado Técnico de Design Design de Equipamento 10º 27 1 Curso Tecnológico de Desporto Cursos Tecnológicos 11º 13 1 Curso Tecnológico de Desporto 12º 17 1 Curso Tecnológico de Desporto TOTAIS Projecto Educativo 2009/2013 9

14 Percentagen de alunos percentagem Tem-se notado ao longo dos anos um aumento de alunos de outras culturas, tornando-se a escola um ponto de encontro multicultural. Os dados dos seguintes gráficos, foram recolhidos pelo Observatório de Escola, no ano lectivo 2007, quando a escola ainda não era agrupamento. Nacionalidade Origem dos alunos dos alunos do Ensino do ensino Básico básico 100% 80% 80% 60% 40% 20% 17% 1% 0% 2% 0% Portuguesa Africana Asiática Leste Brasileira Nacionalidade Origem dos alunos dos alunos do do Ensino ensino Secundário secundário 100% 88% 80% No ano lectivo frequentam a 60% escola 44 alunos de outras nacionalidades, 40% sendo 10 do Ensino 9% 20% Secundário e os 1% 2% 0% restantes do 2º e 3º 0% Portuguesa Africana Asiática Leste Brasileira Outra ciclo. Os discentes de outras culturas são oriundos dos seguintes países: Guiné Bissau 10 alunos, Angola-4, Cabo Verde-21, S. Tomé e Princípe-2, Roménia-4, Paquistão-2 e Ucrânia-1. 0% Projecto Educativo 2009/

15 Organização do Espaço A escola sede do Agrupamento possui dez pavilhões sendo um gimnodesportivo. A distribuição dos vários sectores é feita da seguinte forma: LOCALIZAÇÃO Pavilhão A SERVIÇOS R/c: Serviço Administrativo Escolar; A.S.E.; Central Telefónica/PBX/Recepção; sala Professores; Gab. Enc. pessoal não docente; Arrecadação; GAE; Reprografia; sala reservada; WCm; WCf; WC def. 1º Piso: Gab. Direcção Executiva; Sala trabalho CE; Gab. Informática; Sala trabalho Profs/B2; Sala DT; Biblioteca/CRE; Mediateca; WCm; WCf. Pavilhão B Pavilhão C Pavilhão D R/c: Salas Desenho BD1; BD2; BD3; BInf.; BSer./Gab. Fotografia; Arrecadação; WCm; WCf; WC def. 1º Piso: Gab. SPO; Gab. Estágios; BTIC; BS1; B1; B2; B3; B4 R/c: C1;C2;C3;C4;C5;CD1; Arrecadação; WC m; WC f; EC def. 1º Piso: Gab. Assoc. de pais/ee; C7; C8, C9; C10; C11; C12; CS2 Sala D1; Sala Estudo/Música/Teatro D2; Auditório; Arrecadação; Sala apoio de Português como língua não materna; WCm; WCf; WCdef. Pavilhão E Polivalente; Refeitório; Bar/Bufete; Papelaria; Cozinha; Arrecadação; Vestiário; Despensa; WCm; WCf. Pavilhão F Pavilhão G Pavilhão H Pavilhão I Pavilhão Gimnodesportivo R/c: Gab. 1ºs Socorros/Saúde; Lab.s Biologia/Geologia 1 e 2; Salas preparação/biotério/anexas; F1; Sala pessoal não docente; Arrecadação; WCm; WCf; WCdef. 1º Piso: FSec; FS1; F2; F3; F4; F5 R/c: Lab.s Ciências Físico/Químicas LF1; LQ1 ; salas preparação Física e Química/anexas; Arrecadações Química/Física e manutenção; Sala AAE; WCm; WCf; WCdef. 1º Piso: Salas de informática: GInf.1; GInf.2; Sala trabalho Inf.; GS1; G1; G2; G3 e Lab Fís 2 Oficina Marcenaria; salas anexas; H1; HD5; Arrecadação; Vestiário; WCm; WCf. Associação de estudantes. Oficinas de Serralharia e Auto; salas anexas; Gab.s Professores; Vestiário; Arrecadação; I1; I2; sala Inf. WCm; WCf. Sala ginástica; Campo Desporto Interior; Sala prof.s; 2 Arrecadações; Balneários M/F; WC funcionários; Bancada; Galeria; Bar; WC público. Campo de Desporto Exterior Projecto Educativo 2009/

16 Horário de Funcionamento 1. As actividades lectivas da escola sede funcionam, de 2ª a 6ª feira, em regime normal diurno com um horário compreendido entre as 8.30 às 18:35 horas. Da parte da manhã há um intervalo de 20 minutos entre as e horas e de 10 minutos entre as e horas. Da parte da tarde há dois intervalos, um das 15:10 às 15:20 e outro entre as 16:50 e as 17:05 horas. 2. As tardes das 4ªs feiras a partir das 15:10 destinam-se ao desenvolvimento de actividades de articulação curricular e outras inerentes à vida escolar. 3. Nas disciplinas de carácter experimental do ensino secundário regular, existem blocos de 135 minutos Escola do 1º Ciclo - Artur Bual Recursos Humanos Para assegurar o funcionamento da escola existem 13 professores, 5 assistentes operacionais. Para as actividades de enriquecimento curricular, a funcionar no ATL da Junta de Freguesia e na Escola, existe um professor de educação física, duas professoras de música, uma professora de inglês, duas monitoras de Educação pela Arte e quatro da Hora do conto. Estes funcionários pertencem ao quadro da Câmara Municipal. Prestam apoio aos alunos uma equipa do Serviço de Psicologia e Orientação, constituído por um psicólogo e uma docente do Ensino Especial, e ainda uma Terapeuta da Fala, que desenvolve o seu trabalho na escola Pessoal docente O corpo docente, grupo 110, da Escola EB1 Artur Bual é constituído por doze professores com turma e uma coordenadora. A escola conta ainda com o apoio de um professor do Ensino Especial e um do Apoio Pedagógico Acrescido. Projecto Educativo 2009/

17 Corpo discente Das 12 turmas existentes na escola, duas são do 1º ano; três do 2º ano; três do 3º ano e quatro do 4º ano, havendo na totalidade 244 alunos, 12 com apoio pedagógico acrescido e 155 abrangidos pelo apoio dos serviços de acção social escolar. A população desta escola apresenta algumas características marcantes, como sejam o facto de existir uma grande heterogeneidade cultural. A escola recebe discentes oriundos de famílias com um baixo nível sociocultural e economicamente desfavorecidas, em que o número significativo é de etnia cigana, africana, oriental e países de leste. Origem Portuguesa africana romena brasileira cigana paquistanesa ucraniana Totais 1A B A B C A B C /4C /4D A B Totais Para além dos problemas económicos, existem problemas sócio -familiares e de carências afectivas. Todo este contexto determina as inúmeras dificuldades de aprendizagem e a agressividade perante qualquer problema que surja, despoletando de imediato Projecto Educativo 2009/

18 discussões e desacatos. Esta situação é agravada pela indiferença e a influência exterior ao contexto escolar Organização do Espaço A Escola sofreu obras recentemente e contempla apenas um edifício, contudo algumas salas têm dimensões reduzidas e não são suficientes para o desenvolvimento de todas as actividades. A escola tem dois pisos. O piso superior é constituído por seis salas de aula, uma sala destinada ao apoio educativo, duas salas para arrumação e duas casas de banho (uma para rapazes e outra para raparigas). No piso inferior há um ginásio, dois balneários, duas casas de banho (uma para rapazes e outra para raparigas), a cantina, a biblioteca, um gabinete de coordenação, a sala de professores, a sala de assistentes operacionais e uma casa de banho para adultos Horário de Funcionamento A escola funciona em dois turnos: seis turmas da parte da manhã e outras seis da parte da tarde. O turno da manhã inicia-se às 8 horas e 15 minutos e termina às 13 horas e 5 minutos e o turno da tarde inicia-se às 13 horas e 15 minutos e termina às 18 horas e 5 minutos. 4.3-Jardim-de-infância da Falagueira O Jardim de Infância da Falagueira funciona com duas educadoras de infância e duas assistentes operacionais. Os alunos com necessidades educativas especiais são acompanhados por duas professoras do ensino especial e uma psicóloga. Estão matriculados 44 alunos, dos 3 aos 6 anos, dos quais 5 têm necessidades educativas especiais de vários graus. - Caracterização etária dos discentes: Rapazes Raparigas Total Idades Grupo 1 Grupo 2 Grupo 1 Grupo 2 Grupo 1 Grupo 2 Mais de 6 anos anos anos anos Total Projecto Educativo 2009/

19 -Caracterização étnica dos discentes: Rapazes Raparigas Total Origem/ Etnia Sala 1 Sala 2 Sala 1 Sala 2 Sala 1 Sala 2 Portugueses Africanos Ciganos Romenos Brasileiros Total O horário lectivo do Jardim é das 9 às 13h e das 13 às 15h, sendo o período de almoço das 12 às 13h. No presente ano lectivo, este jardim - de - infância está a funcionar, provisoriamente, em 4 contentores no espaço do Jardim de Infância do Cerrado da Bica. Dois dos contentores são utilizados como salas de aula e os outros como casas de banho. O refeitório, a sala de isolamento e o recreio são comuns ao Jardim do Cerrado da Bica. Os prolongamentos são assegurados pela CEBESA (Centro de Bem Estar Social da Amadora), das 15 às 19h e funcionam num contentor, numa das salas do Jardim de Infância da Falagueira e noutra sala do Jardim do Cerrado da Bica. Após a conclusão das obras (prevista para Janeiro de 2010), far-se-á a caracterização do novo espaço. Projecto Educativo 2009/

20 4.4- Jardim-de-infância da Quinta da Lage Este jardim-de-infância funciona com duas educadoras e uma assistente operacional. Conta ainda com a colaboração de uma professora do ensino especial para apoio aos alunos com necessidades educativas especiais. No presente ano lectivo estão matriculadas 40 alunos, dois dos quais com necessidades educativas especiais Caracterização etária dos discentes: RAPAZES RAPARIGAS Total IDADES Grupo1 Grupo2 Grupo1 Grupo2 Grupo1 Grupo2 5 anos anos anos TOTAL Caracterização étnica dos discentes: RAPAZES RAPARIGAS TOTAL Origem Grupo1 Grupo2 Grupo1 Grupo2 Grupo1 Grupo2 Portuguesa /Europeia Africana Cigana Brasileira Paquistanesa Total Este Jardim-de-infância funciona no 1º piso de uma antiga Associação de Moradores. Tem duas salas e instalações sanitárias para alunos. No piso inferior funciona o refeitório em sistema de catering. As refeições são servidas por uma funcionária da empresa de serviço e pela assistente operacional do jardim-de-infância. Este jardim-de-infância não possui espaços exteriores para os alunos brincarem, sala de reuniões nem computador. O horário lectivo do Jardim-de-infância é das 9.00 às e das às horas, sendo o período de almoço das às horas. Das às horas funciona no espaço do refeitório um ATL, da responsabilidade da Junta de Freguesia da Falagueira. Projecto Educativo 2009/

21 5. Alunos com Acção Social Escolar (ASE) Os alunos de todos os níveis de ensino com carências sociais são subsidiados pela Acção Social Escolar (ASE), nos escalões A e B. Número de Alunos a Bonificar (não inclui alunos com deficiência) Pré-Escolar 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Secundário Escalão A B A B A B A B A B TOTAL É atribuída uma bolsa de mérito aos alunos subsidiados que se destacaram em anos anteriores. NÚMERO DE ALUNOS COM BOLSA DE MÉRITO ATRIBUÍDA 10ºano 11ºano 12ºano TOTAL Projecto Educativo 2009/

22 6.Alunos com Necessidades Educativas Especiais Alunos com NEE de Carácter Permanente (refere-se ao Ano lectivo 2009/2010) Escola: Jardim Infância da Falagueira Problemática de acordo com a CIF Medidas Educativas do Dec-lei 3/2008 Nº Alunos Mental-Cognitivo/Motor Art. 17º,18º,19º,22º 1 Mental-Cognitivo/Motor Art.17º,18º,19º,20º,22º 1 Mental-Cognitivo/Linguagem Art.17º,18º 1 Em avaliação - 2 TOTAL 5 Escola: Jardim Infância Quinta da Lage Problemática de acordo com a CIF Medidas Educativas do Dec-lei 3/2008 Nº Alunos Mental Cognitivo Em avaliação 1 Escola EB1 Artur Bual Problemática de acordo com a CIF Medidas Educativas do Dec-lei 3/2008 Nº Alunos Mental Cognitivo Art. 17º 1 Mental- Cognitivo Art. 17º, 18º, 20º 2 Mental- Cognitivo Art. 17º, 20º, 21º 2 Mental- Linguagem Art. 17º, 18º, 20º 1 Mental- Emocional Art. 17º, 18º, 20º 2 Mental- Cognitivo/Linguagem Art. 17º, 18º, 20º 1 Mental - Cognitivo/ Emocional Art. 17º, 18º, 20º 1 Em Avaliação 1 TOTAL 11 Projecto Educativo 2009/

23 Escola Sede EB2,3 com E. Secundário Mães D Água Problemática de acordo com a CIF Medidas Educativas do Dec-Lei3/2008 Nº Alunos Síndrome de Asperger Sem medidas aplicadas 1 Mental- Cognitivo Art. 17º, 18º, 19º 1 Mental- Cognitivo Art. 17º, 18º, 20º,22º 1 Mental- Cognitivo Art. 17º 2 Mental- Linguagem Art. 17º, 20º 3 Mental- Linguagem Art. 20º 1 Mental- Emocional Art. 17º, 18º, 1 Mental- Emocional Ao abrigo do Dec-Lei319/91 1 Mental- Cognitivo/Emocional Art. 17º, 18º, 20º,22º 1 TOTAL 12 Medidas Educativas para alunos com NEE de carácter permanente Dec- Lei 3/ 2008 de 7 de Janeiro de 2008 Artigo 17º - Apoio pedagógico personalizado; Artigo 18º - Adequações curriculares individuais; Artigo 19º - Adequações no processo de matrícula; Artigo 20º - Adequações no processo de avaliação Artigo 21º - Currículo específico individual; Artigo 22º - Tecnologias de apoio. Projecto Educativo 2009/

24 7. Resultados escolares no ano lectivo 2008/ º ciclo Avaliação interna Ano portugueses estrangeiros total c/ase NEE Planos escolaridade Recuperação Acomp Desenv Total 1ºAno ºAno ºAno ºAno Total Ano de escolaridade Transitaram Transitaram de ano Transitaram sem Transitaram com planos aproveitamento Ling. Mat. Ling. Recuperação Acompanhamento Desenvolvimento Port Port e Mat 1ºAno ºAno ºAno ºAno Total Taxa de transição do 4º ano(%) 91% Ficaram retidos Ano de escolaridade Retidos Retidos por: Retidos com planos Aproveitamento Desistência Recuperação Acompanhamento Total 2ºAno ºAno ºAno Total Taxa de retenção e desistência ao fim do 1º ciclo (%) 9% Concluíram o 1º ciclo Anos de frequência até à conclusão do ciclo 3 anos 4 anos 5 anos 6 anos 7 ou + anos Total Sem aproveitamento Língua Portuguesa Matemática Língua Portuguesa e Matemática Projecto Educativo 2009/

25 Avaliação externa Resultados das provas de aferição do 4º ano. Resultados das provas de aferição do 4º ano Língua Portuguesa Matemática 2007/ / / /09 Nível N.º % N.º % N.º % N.º % A 2 3,33 1 2,27 5 8, ,63 B 17 28,3 7 15, , ,39 C , , ,02 D 8 13, ,95 E Faltas 14 18, , , Comparação dos resultados do Agrupamento com os Nacionais Verifica-se uma ligeira semelhança com os resultados nacionais; Nos resultados abaixo do nível dois há uma diferença de 3% a mais para a nossa escola; Na classificação de C (3) a média da escola é superior em 6% à média nacional; Nas classificações acima do nível C (3) nota-se que a nossa escola obteve 9% abaixo do nível nacional; Verifica-se que 75% dos alunos obtiveram classificação superior a D- (2). Verifica-se uma ligeira semelhança com os resultados nacionais; Nos resultados abaixo do nível dois há uma diferença de 10% a mais para a nossa escola; Na classificação de C (3) a média da escola é inferior em 3% à média nacional; Nas classificações acima do nível C (3) nota-se que a nossa escola obteve 7% abaixo do nível nacional; Verifica-se que 78% dos alunos obtiveram classificação superior a D-(2). Projecto Educativo 2009/

26 7.2-2º Ciclo Avaliação interna Alunos Ano escolaridade portugueses estrangeiros total c/ase NEE Planos Recuperação Acomp Desenv Total 5ºAno ºAno Total Ano de escolaridade Transitaram Transitaram de ano Transitaram sem Transitaram com planos aproveitamento Ling. Mat. Ling. Recuperação Acompanhamento Desenvolvimento Port Port e Mat 5ºAno ºAno Total Taxa de transição do 6º ano(%) 90% Ficaram retidos Ano de Retidos Retidos por: Retidos com planos escolaridade Falta de Desistência Recuperação Acompanhamento Total aproveitamento 5ºAno ºAno Total Taxa de retenção e desistência ao fim do 2º ciclo (%) 10% Concluíram o 2º ciclo Anos de frequência até à conclusão do ciclo 1 ano 2 anos 3 anos 4 anos 5 ou + anos Total Sem aproveitamento Língua Portuguesa Matemática Língua Portuguesa e Matemática Projecto Educativo 2009/

27 Avaliação externa Resultados das provas de aferição do 6º ano. Resultados das provas de aferição do 6º ano Língua Portuguesa Matemática 2007/ / / /09 Nível N.º % N.º % N.º % N.º % A B 7 9,72 3 4,35 C 40 55, ,78 D 23 31, ,07 E 2 2,78 4 5,8 Faltas 7 8, , Comparação dos resultados do Agrupamento com os Nacionais Verifica-se uns valores mais baixos que os resultados nacionais; Nos resultados abaixo do nível dois há uma diferença de 25% a mais para a nossa escola; Na classificação de C (3) a média da escola é superior em 8% à média nacional; Nas classificações acima do nível C (3) notase que a nossa escola obteve 36% abaixo do nível nacional; Conclui-se que na disciplina de Língua Portuguesa, no 6º ano, os valores divergem 25% abaixo dos resultados nacionais; Mesmo assim a maioria dos alunos 66% obtiveram resultados acima de D-(2). Verifica-se na Matemática que os valores divergem completamente dos valores nacionais, sendo muito piores; Nos resultados abaixo do nível dois há uma diferença de 48% a mais para a nossa escola; Na classificação de C (3) a média da escola é superior em 17% à média nacional; Nas classificações acima do nível C (3) nota-se que a nossa escola obteve 32% abaixo do nível nacional; Conclui-se que na disciplina de Matemática, no 6º ano, os valores divergem 25% abaixo dos resultados nacionais; Na disciplina de Matemática verifica-se que só 39% dos alunos obtiveram classificação acima de D-(2); Projecto Educativo 2009/

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1.1- Enquadramento territorial e contexto físico O Concelho da Moita onde se localiza o Agrupamento de escolas Fragata do Tejo está situado na região de

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2013-2017

PROJETO EDUCATIVO 2013-2017 A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S 172 303 MÃES D ÁGUA SEDE - Escola Básica e Secundária Mães d Água PROJETO EDUCATIVO 2013-2017 Esc. Básica 2,3,Sec. Mães d Água- Esc. Básica Artur Bual Jardim de

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo

Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo Escola Básica da Sobreda Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo A Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira nº 1 (E.B. Miquelina

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

MUNICÍPIO DO CARTAXO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Acta n.º3/2004

MUNICÍPIO DO CARTAXO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Acta n.º3/2004 MUNICÍPIO DO CARTAXO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Acta n.º3/2004 Aos dez dias do mês de Maio do ano de 2004, no Auditório Municipal da Quinta das Pratas, reuniu o Conselho Municipal de Educação do Concelho

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

TIPOLOGIA / INSTALAÇÕES DAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA

TIPOLOGIA / INSTALAÇÕES DAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA TIPOLOGIA / INSTALAÇÕES DAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 1. JARDIM DE INFÂNCIA PAI DO VENTO Iniciou as suas atividades em Abril de 1999 está integrado no complexo escolar da Escola Básica

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Resolução Nº 1/DP-CCC/2005 1 COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Resolução nº 1/DP-CCC/2005, de 16 de Fevereiro Os planos de estudo dos cursos secundários científico-tecnológicos aprovados pela Portaria 189/2005,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar...

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar... Anexos ÍNDICE Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2 Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2 Alunos por escalão da Ação Social Escolar... 2 Alunos com Necessidades Educativas Especiais... 3

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO Estabelecimentos de ensino EB2,3 de Fernando Pessoa EB1 com JI Infante D. Henrique EB1 com JI Adriano

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 204 Nos termos da Lei n.º 2-A/2008, de 27 de Fevereiro SECÇÃO DE APOIO E DE COORDENAÇÃO GERAL (Capitulo III do Regulamento da Organização dos Serviços)

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES. PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES. PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)v INTRODUÇÃO No início de mais um ano lectivo, uma preocupação nova existe nas escolas: o vírus H1N1 que poderá marcar

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra. Data final da candidatura : 2014-02-03. Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57.

Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra. Data final da candidatura : 2014-02-03. Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57. Nome da Escola : Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra Data final da candidatura : 2014-02-03 Disciplina Projeto: Higiene, Saúde e Segurança no trabalho Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57 Nº Candidato

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO)

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA (3ª ACTUALIZAÇÃO) (3ª Actualização JULHO/2008) 1 Mês: Abril/2008 ANULAR (Estava na 1ª versão sem data) ANULAR (estava na 2ª versão para o 3º

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO Évora, junho 2015 1. Enquadramento geral A realização deste painel temático enquadra-se no processo de elaboração da

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

A Qualificação de Jovens e Adultos

A Qualificação de Jovens e Adultos A Qualificação de Jovens e Adultos Na região do Algarve, a rede de oferta formativa tem vindo a ser construída, alargada e consolidada com a colaboração e empenho de um número crescente de entidades públicas

Leia mais

Oferta Formativa E depois do 9.º Ano Ano Letivo 2012/2013 (Concelho de Guimarães) Serviço de Psicologia e Orientação (Paulo Rodrigues)

Oferta Formativa E depois do 9.º Ano Ano Letivo 2012/2013 (Concelho de Guimarães) Serviço de Psicologia e Orientação (Paulo Rodrigues) Oferta Formativa E depois do 9.º Ano Ano Letivo 2012/2013 (Concelho de Guimarães) Serviço de Psicologia e Orientação (Paulo Rodrigues) 9.º Ano!!!!!!! E agora? F Cursos (áreas) Científico- Humanísticos

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo 1 CARTA DE MISSÃO Ministério: Trabalho e Solidariedade Social Serviço/Organismo: Casa Pia de Lisboa, I.P. Cargo e Titular: Presidente do Conselho Directivo Período da Comissão de Serviço: de 15 de Maio

Leia mais

Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS)

Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS) Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS) Relatório de Actividades do ano letivo 2014/15 A Escola Profissional de Pedagogia Social (EPPS), tutelada pela API e apoiada pelo Ministério da Educação,

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Ano / Disciplina Título ISBN Autor(es) Editora 5º ANO

Ano / Disciplina Título ISBN Autor(es) Editora 5º ANO 5º ANO 5.º Ano - Ciências Naturais Clube Da Terra - C.N. 5º ano Nova Edição 978-972-47-4867-2 Anabela de Sales, Isabel Portugal, João Augusto Morim 5.º Ano - Educação Moral e Religiosa Católicas CONTA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS OFERTA DO COLÉGIO (2010/2011) CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior. Têm a duração de 3 anos de escolaridade. Conferem um diploma de conclusão do

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho O Programa do XVII Governo prevê o lançamento de uma nova geração de políticas locais e de políticas sociais de proximidade, assentes em passos decisivos e estruturados

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Gestor de Atividades e Recursos Educativos

Gestor de Atividades e Recursos Educativos 21/01/ Imprimir atividade Gestor de Atividades e Recursos Educativos Agrupamento de Escolas de Data Atividade Público Alvo Início Término Préescolar Titulo, Tipologia, Proponente, Escola Desafios da Matemática

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 30 10 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1095 ANEXO IV (a que se refere o n. o 7 do anexo II) No quadro das iniciativas destinadas a alcançar tal desiderato, e em paralelo com a revisão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

Ano / Disciplina Título ISBN Autor(es) Editora Preço

Ano / Disciplina Título ISBN Autor(es) Editora Preço Ano / Disciplina Título ISBN Autor(es) Editora Preço 1.º Ano - Estudo do Meio Alfa 1 - Estudo do Meio 978-972-0-12301-5 Porto Editora, S.A. 8.47 1.º Ano - Matemática Alfa 1 - Matemática 978-972-0-13231-4

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais