Guia do Aluno. Licenciatura em Gestão Bancária INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF BANK MANAGEMENT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia do Aluno. Licenciatura em Gestão Bancária INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF BANK MANAGEMENT"

Transcrição

1 INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF BANK MANAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS Guia do Aluno Licenciatura em Gestão Bancária

2 ÍNDICE 1. A INSTITUIÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS E REGIMES DE HORÁRIOS A VIGORAREM EM 2012/ PROCEDIMENTOS RELATIVOS A ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES CALENDARIZAÇÃO DE ACTIVIDADES SERVIÇOS ACADÉMICOS ISGB ONLINE SERVIÇO A ALUNOS VIA INTERNET BIBLIOTECA E CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS MEIOS INFORMÁTICOS PREÇÁRIOS PARA O ANO LECTIVO DE 2012/ PROCEDIMENTOS REFERENTES A PAGAMENTOS ESTÁGIOS PROFISSIONAIS TRABALHADOR-ESTUDANTE REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS ANEXOS PÁG. 1

3 2

4 1. A INSTITUIÇÃO O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Sector Financeiro. Foi constituído, em 1991, pela Associação Portuguesa de Bancos (APB) ao abrigo do Estatuto do Ensino Superior Particular e Cooperativo, e utiliza métodos pedagógicos flexíveis, nomeadamente o Ensino a Distância. Ao decidir frequentar o Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) aceitou: Tornar-se o principal dinamizador de um processo pessoal de valorização profissional e académica que exigirá de si estudo, empenho e dedicação; Integrar o projecto que, desde 1991, esta instituição tem vindo a desenvolver numa procura permanente de antecipação de necessidades e da correspondente oferta de produtos e metodologias adequadas à obtenção de qualificações e valências de diversos níveis e ao longo da vida, numa perspectiva de desenvolvimento contínuo de competências. Neste Guia encontrará um conjunto de informações que lhe serão muito úteis ao longo do seu percurso formativo no ISGB, desde a calendarização das actividades lectivas, às normas de utilização dos vários meios de apoio disponibilizados aos alunos, integrando também diversas informações gerais. Em princípio, qualquer dúvida que lhe surja no tocante ao funcionamento do curso encontrará aqui resposta. Desejamos-lhe um bom trabalho e pleno sucesso no ano escolar! 2. CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA O Curso de Gestão Bancária prepara técnicos e quadros para a actividade bancária e financeira: Constitui um curso de licenciatura (1º Ciclo de estudos), com a duração de três anos; Proporciona uma sólida formação em gestão com especialização em gestão de serviços financeiros; Alia a transmissão de conhecimentos técnico-científicos com o desenvolvimento de competências profissionais; Permite a conciliação do estudo com o desenvolvimento de uma actividade profissional exigente, utilizando uma metodologia inovadora e flexível: o Ensino a Distância, baseada em materiais de auto-estudo e sessões presenciais, complementada com a possibilidade de aprendizagem num regime de blended-learning suportado por uma plataforma de e-learning. 3

5 PLANO DE ESTUDOS DO CURSO C DE GESTÃO BANCÁRIA (CG GB) (Registo de Adequação R/B AD 14/2007 e Despacho n.º BI/2007) 1.º ANO 1.º SEMESTREE 2. º SEMESTREE DISCIPLINAS Áreas ECTS* DISCIPLINAS S Áreas ECTS* Contabilidade Financeira I GES 7 Contabilidade Financeira II GES 7 Conceitos Fundamentais de Matemática MQ 7 Tecnologias de Informação** GES 4 Introdução à Gestão GES 5 Gestão e Organizaçãoo na Bancaa GES 5 Comportamento Organizacional ** GES 4 Cálculo Financeiro MQ 7 Microeconomia ECO 7 Macroeconomia ECO 7 ECTS do 1º Ano / 1º Semestre 300 ECTS do 1º Ano / 2º º Semestre 300 * ECTS: European Credit Transfer and Accumulation System (vide Decreto-Lei nº Março, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) 74/2006, de 24 de ** Por razões de natureza operacional, no semestre entree si. corrente ano lectivo as disciplinas assinaladas trocarão de 4 Copyright 2012 by ISGB/APB, Lisbon

6 2.º ANO 1.º SEMESTREE 2.º 2 SEMESTREE DISCIPLINAS Áreas ECTS* DISCIPLINAS Áreas ECTS* Diagnóstico Económico-Financeiro de Empresas GES 6 Contabilidade de Custos e Gestão Orçamental I GES 7 Estatística Aplicada I MQ 7 Estatística Aplicada III MQ 7 Noções Gerais de Direito OCS 4 Direito na Actividade Bancária OCS 4 Avaliação de Investimentos GES 7 Introdução aos Mercados Financeiros GES 6 Gestão de Recursos Humanos GES 5 Gestão da Produção de d Serviços Bancários GES 5 Desenvolvimento de Competências Interpessoais I OCS 1 Desenvolvimento de Competências Interpessoais II OCS 1 ECTS do 2º Ano / 1º Semestre 30 ECTS do 2º Ano / 2º º Semestre º SEMESTREE 3.º ANO 2. º SEMESTREE DISCIPLINAS Áreas ECTS* DISCIPLINAS Áreas ECTS* Financiamento e Crédito Bancário I GES 6 Financiamento e Créditoo Bancário II GES 6 Contabilidade de Custos e Gestão Orçamental II GES 6 Princípios de Marketing GES 6 Análise de Risco GES 7 Finanças Empresariais GES 7 Fiscalidade GES 6 Fiscalidade dos Produtos Bancários e Financeiros GES 5 Gestão de Activos e Passivos GES 5 Análise Financeira de Bancos GES 6 ECTS do 3º Ano / 1º Semestre 300 ECTS do 3º Ano / 2º SemestreS 30 TOTAL 180 ECTS ÁREAS CIENTÍFICAS Gestão GES Economia ECO Métodos Quantitativos MQ Outras Ciências Sociais OCS ECTS

7 3. METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS E REGIMES DE HORÁRIOS A VIGORAREM EM 2012/2013 METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS UTILIZADAS Procurando ir ao encontro das expectativas manifestadas pela generalidade dos alunos do ISGB, na sua maioria desenvolvendo actividade profissional no sector financeiro, serão exploradas as potencialidades das novas tecnologias da informação e da comunicação ao serviço do processo de ensino-aprendizagem. Assim, a par de uma metodologia de Ensino a Distância (ED) baseada em materiais de auto-estudo e sessões presenciais, será introduzida também a possibilidade de realizar a aprendizagem num regime de blended learning (b-learning), suportada por uma plataforma de colaboração online, com apoio tutorial, por materiais pedagógicos de auto-estudo e sessões de apoio presenciais. No remanescente do presente documento, para simplificação, as diversas metodologias a utilizar nos dois cursos seguirão a seguinte nomenclatura: METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS ABREVIATURA DESIGNAÇÃO DESCRIÇÃO ED ED/AC (ou somente AC) EP Ensino a Distância (Auto-Estudo Assistido) Ensino a Distância com Apoio Complementar (Auto-Estudo Assistido Reforçado) Ensino Presencial Ensino a Distância, com base em materiais pedagógicos de autoestudo e sessões de apoio presenciais. e/ou b-learning com base numa plataforma colaborativa, materiais pedagógicos de auto-estudo e sessões de apoio presenciais. Ensino a Distância com Apoio Complementar, com base em materiais pedagógicos de autoestudo e sessões de apoio presenciais. e/ou b-learning com base numa plataforma colaborativa, materiais pedagógicos de auto-estudo e reforço do número de sessões de apoio presenciais. Ensino Presencial, sessões em sala, teóricas e práticas, com utilização de métodos activos de aprendizagem; inclui seminários. 6

8 REGIMES DE HORÁRIOS ESCOLARES HORÁRIOS ESCOLARES ABREVIATURA DESIGNAÇÃO DESCRIÇÃO HL Horário Laboral 2ª a 6ª feira 08h30; 13h30 HPL Horário Pós-Laboral 2ª a 6ª feira 18h00; 23h00 S Horário Não-Laboral Sábado 9h00; 12h00 e / ou 13h30; 17h00 1. O aluno pode frequentar, simultaneamente, diferentes disciplinas em diferentes regimes de horário e/ou diferentes metodologias pedagógicas. 2. A situação do aluno em relação a cada disciplina ou grupo de disciplinas (maxime a totalidade das disciplinas de um determinado ano curricular) é referida simplificadamente por um código constituído por três elementos curso (C), metodologia pedagógica (MP), regime de horário (RH), com a seguinte configuração: C/MP/RH. Estes códigos serão utilizados, para o efeito, nos parágrafos seguintes deste documento. 3. Vide Anexo 1: Códigos utilizados para designar os diferentes regimes pedagógicos e de horários em que podem funcionar as disciplinas das Licenciaturas do ISGB. 1º ANO (1º e 2º Semestres) METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS ED ED/AC EP CURSOS REGIMES DE HORÁRIOS CGB CGB/ED/S CGB/AC/HL CGB/AC/HPL CGSI CGSI/ED/S CGSI/AC/HL CGSI/AC/HPL 7

9 2º E 3º ANOS (1º e 2º Semestres) METODOLOGIAS PEDAGÓGICAS ED ED/AC EP CURSOS REGIMES DE HORÁRIOS CGB CGB/ED/S CGSI CGSI/ED/S (*) CGB/AC/HL CGB/AC/HPL CGSI/AC/HL (*) CGSI/AC/HPL (*) CGSI/EP/HPL(**) (*) Aplicável às disciplinas comuns ao CGB e ao CGSI. (**)Aplicável exclusivamente às disciplinas dos 2º e 3º anos do CGSI não comuns ao CGB. 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES INSCRIÇÕES Não serão permitidas inscrições em disciplinas após: 15 de Janeiro para as disciplinas em funcionamento no 1º Semestre; 31 de Maio para as disciplinas em funcionamento no 2º Semestre. A inscrição para a realização de exames associados à formação complementar estabelecida para os alunos a quem foi atribuída creditação de formação académica anterior só será permitida: até à data limite definida para o efeito, no ano lectivo da atribuição de creditação; até 31 de Outubro, nos anos lectivos subsequentes. Poderão excepcionalmente ser aceites pela Direcção pedidos de inscrição efectuados após as datas referidas desde que devidamente fundamentados ou decorrentes de normativos estabelecidos. ANULAÇÕES 1. Anulação de Inscrição em unidade curricular a) As anulações de inscrição em unidade(s) curricular(es) deverão ser comunicadas por escrito à Direcção do ISGB sem o que a sua conta-corrente com esta instituição continuará a contabilizar as prestações e multas em que for incorrendo até à data da anulação. b) Estas anulações poderão ser efectuadas em qualquer momento. No entanto, para que entrem em efectividade a partir da facturação do mês seguinte, deverão ser comunicadas ao ISGB até ao dia 8 do mês em que ocorram. 8

10 c) Não serão permitidas anulações de inscrição em unidades curriculares após: 15 de Janeiro para as unidades curriculares em funcionamento no 1º Semestre; 31 de Maio para as unidades curriculares em funcionamento no 2º Semestre. 2. Anulação de matrícula a) A anulação de matrícula deverá ser comunicada por escrito à Direcção do ISGB sem o que a sua conta-corrente com esta instituição continuará a contabilizar as prestações e multas em que for incorrendo até à data da anulação. b) A anulação de matrícula pode ser efectuada em qualquer momento. No entanto, para que entre em efectividade a partir da facturação do mês seguinte, deverá ser comunicada ao ISGB até ao dia 8 do mês em que ocorra. c) Os alunos que procedam à anulação da matrícula no ano de ingresso no curso perdem o vínculo ao ISGB e, consequentemente, caso desejem vir a ingressar novamente no curso, têm que se sujeitar a novo processo de candidatura nas condições que vierem a vigorar no ano em causa. Para poder efectuar nova matrícula em anos lectivos subsequentes sem ter que se submeter a novo processo de candidatura, o aluno deverá manter a inscrição no ano de ingresso no curso a, pelo menos, uma disciplina de cada um dos semestres lectivos. Para os alunos que já frequentaram o curso pelo menos durante um ano lectivo, a anulação de matrícula cessa o vínculo de ligação do aluno à escola/curso nesse ano e o aluno poderá posteriormente, em anos subsequentes, renovar esse vínculo procedendo a nova inscrição (Reingresso). Note-se que para que possa proceder a essa nova inscrição o aluno, caso tenha pagamentos por regularizar correspondentes a anos anteriores, terá que proceder previamente à respectiva regularização. TURMAS Existindo diferentes metodologias pedagógicas e regimes de horário a constituição de turmas observa os seguintes princípios: 1. Anualmente é definido: a) o número limite de turmas em funcionamento em cada uma das metodologias pedagógicas e regimes de horário; b) o número limite de alunos a inscrever em cada uma das turmas. 2. No ano de ingresso na escola/curso os alunos têm prioridade na colocação em turmas correspondentes à metodologia pedagógica e horário que seleccionaram, até aos limites definidos em 1 supra. 3. Após a disponibilização da informação sobre a atribuição de turmas aos alunos é facultada a estes a possibilidade de solicitar a alteração de opção de metodologia pedagógica e horário das unidades curriculares em que se encontram inscritos até: a) 31 de Outubro para as unidades curriculares de 1º semestre; b) 15 de Março para as unidades curriculares de 2º semestre. 9

11 Para além das datas indicadas poderão ser admitidos pela Direcção, a título excepcional, pedidos de alteração que sejam considerados devidamente fundamentados e justificados. Os pedidos de alteração apresentados serão analisados e deferidos ou indeferidos em função da existência de disponibilidade para os acolher (cf. pontos 1 e 2 supra). 4. Os alunos apenas poderão assistir às actividades das turmas em que se encontram inscritos. O aluno que não observe o princípio expresso acima será advertido e, caso aplicável, solicitado a sair da sala. 5. CALENDARIZAÇÃO DE ACTIVIDADES Ensino a Distância (a) (CGB/ED) Período Lectivo Unidades curriculares de 1.º Ano (b) Unidades curriculares de 2.º e 3.º Ano 1º SEMESTRE 29 de Setembro de 2012 a 19 de Janeiro de de Outubro de 2012 a 19 de Janeiro de 2013 Período de Exames Época Normal A indicar Época de Recurso A indicar Férias de Natal e Ano Novo 20 de Dezembro de 2012 a 2 de Janeiro de º SEMESTRE Período Lectivo 16 de Fevereiro a 25 de Maio de 2013 Período de Exames Época Normal A indicar Época de Recurso A indicar Férias de Páscoa 25 a 29 de Março de 2013 (a) A calendarização das Sessões de Apoio das disciplinas correspondentes aos diferentes anos curriculares do CGB/ED constará de documentos produzidos para o efeito, distribuídos no início do ano lectivo. A calendarização inicial de Sessões de Apoio poderá, no entanto, vir a registar ligeiras alterações que, eventualmente, se revelarão mais significativas no início de cada um dos semestres. Essas eventuais alterações serão comunicadas pelos Serviços Académicos aos alunos das disciplinas/turmas em que se registem, utilizando a via de contacto mais adequada a cada uma das situações , SMS, etc. (b) As Sessões de Apresentação das disciplinas correspondentes ao 1.º ano curricular do CGB serão efectuadas no decurso da Sessão de Abertura do, a realizar em Lisboa e no Porto no dia 29 de Setembro de

12 Apoio Complementar (CGB/AC) Período Lectivo Unidades curriculares de 1.º Ano (a) Unidades curriculares de 2.º e 3.º Ano 1º SEMESTRE 29 de Setembro de 2012 a 18 de Janeiro de de Outubro de 2012 a 18 de Janeiro de 2013 Período de Exames Época Normal A indicar Época de Recurso A indicar Férias de Natal e Ano Novo 20 de Dezembro de 2012 a 2 de Janeiro de º SEMESTRE Período Lectivo 18 de Fevereiro a 31 de Maio de 2013 Período de Exames Época Normal A indicar Época de Recurso A indicar Férias de Páscoa 25 a 29 de Março de 2013 (a) As Sessões de Apresentação das disciplinas correspondentes ao 1.º ano curricular do CGB/AC serão efectuadas no decurso da Sessão de Abertura do, a realizar no dia 29 de Setembro de 2012 (Sábado). Após a Sessão de Abertura as actividades no horário de funcionamento (Laboral ou Pós-Laboral) correspondente ao 1.º ano do regime de Apoio Complementar serão retomadas a partir de 3 de Outubro. 11

13 6. SERVIÇOS ACADÉMICOS Os Serviços Académicos do ISGB (Secretaria) procedem à organização, promoção e acompanhamento de todos os procedimentos administrativos inerentes ao regular desenvolvimento de actividades dos cursos de licenciatura do ISGB. Os Serviços de Apoio estão localizados na Av. Barbosa du Bocage, 87 R/c Lisboa. Contactos: Tel , Fax , Horário de Funcionamento (atendimento telefónico e presencial): De Outubro a Maio 2ª, 4ª e 5ª feira das 11h00 às 19h30 3ª e 6ª feira das 11h00 às 17h30 Sábados em que decorram Sessões de Apoio do CGB das 9h00 às 12h00 e das 13h00 às 16h00 De Junho a Setembro e em períodos de férias e interrupções escolares 2ª a 6ª feira das 11h00 às 17h30 Com o objectivo de constituir uma forma alternativa de acesso a alguma da informação disponibilizada pelos Serviços de Apoio, encontra-se em funcionamento o Serviço a Alunos Via Internet que adiante se descreve. 7. ISGB ONLINE SERVIÇO A ALUNOS VIA INTERNET Procurando, de uma forma estruturada, levar a escola ao aluno para que ele a sinta cada vez mais próxima e acessível em qualquer momento, existe disponível o Serviço a Alunos Via Internet designado por ISGB ONLINE. Este serviço visa constituir-se como uma forma alternativa versátil e permanente de acesso à informação prestada pelos serviços do ISGB. A qualquer momento e à distância de um clique poderá ter disponível um conjunto de informações quer de carácter geral, quer referentes à sua situação como aluno desta Instituição. O acesso a este serviço requer Microsoft Internet Explorer 5.5 ou superior. 1. Condições de Acesso ao Serviço Dado o carácter confidencial e pessoal da informação, o acesso ao serviço só será possível através de Introdução de Utilizador e Palavra-Passe. (Esta informação integra o conjunto de documentação fornecida aos novos alunos. Os demais alunos poderão solicitá-la junto dos Serviços Académicos.) Se esquecer a Palavra-Passe poderá obter esta informação via colocando no campo Palavra-Passe o seu endereço de . 12

14 1.2. O serviço só estará disponível após a aceitação das condições de utilização apresentadas quando concretiza o primeiro acesso Sempre que o aluno tenha situações irregulares para com o Instituto (facturas em atraso, documentos em falta,...), o acesso será limitado ou mesmo retirado. Note que não obstante a designação, o ISGB ONLINE é um serviço onde as rotinas de actualização de dados dependem de uma série de processamentos de que podem resultar atrasos na correspondente actualização. Assim, por exemplo, se pagar uma factura na data limite de vencimento poderá suceder que, em determinadas circunstâncias, o ISGB ONLINE apenas venha a registar a actualização da informação dois ou três dias depois (actualização da informação pela SIBS, importação da informação da SIBS pelo ISGB e actualização de dados no ISGB ONLINE), período durante o qual poderá ver limitado o seu acesso ao serviço em questão. Deverá, por conseguinte, fazer uma gestão da utilização do serviço disponibilizado tendo em consideração a informação referida no presente ponto. 2. Opções Disponíveis 2.1. Dados Pessoais Dados Pessoais Permite consultar alguma informação referente ao utilizador. Esta opção está sempre disponível. Se a informação se apresentar desactualizada deverá contactar os Serviços de Apoio dando nota das alterações a efectuar Alterar Password Possibilita a alteração de password com a reintrodução da mesma para confirmação. Esta opção está sempre disponível Consultas Documentos Situação de Documentos Possibilita a visualização de quais os documentos entregues e em falta. Esta opção está sempre disponível Matrículas Inscrições Permite consultar a inscrição do aluno no ano lectivo seleccionado. Para cada uma das unidades curriculares a que o aluno se encontra inscrito fornece informação sobre o semestre, regime de frequência, turma e data em que foi efectuado o registo da inscrição. 13

15 Avaliação Adicionalmente, surge informação sumária (S/N) sobre o estado de anulação da matrícula e da situação referente à regularização do processo de atribuição de estatuto de trabalhador-estudante. Esta opção está sempre disponível Calendário de Exames Permite consultar o calendário de exames por ano lectivo / semestre. Esta opção está sempre disponível Provas Realizadas Permite consultar os resultados das provas (exames, testes,...) realizadas, para os vários anos lectivos. Esta opção está disponível sempre que o aluno não registe no ISGB ONLINE situações irregulares documentos ou pagamentos em falta Situação Curricular Possibilita a visualização das disciplinas concluídas e das que faltam concluir. Adicionalmente, apresenta o resumo de situação, indicando o número de créditos/disciplinas concluídas e por concluir. Esta opção está disponível sempre que o aluno não registe no ISGB ONLINE situações irregulares documentos ou pagamentos em falta Facturação 2.3. Pedidos Plano de Pagamentos Permite consultar, para cada ano lectivo, o plano de pagamentos e quais as facturas emitidas para o efeito. Adicionalmente, disponibiliza informação adicional sobre cada uma das facturas emitidas, nomeadamente, estado, dados para pagamento por MB, data limite de pagamento, etc. Esta opção está sempre disponível Situação de Facturação Permite listar as facturas por pagar, indicando para cada uma delas o número de meses em atraso. Esta opção está sempre disponível Situação de Multas Permite listar quais as multas atribuídas e a atribuir. Esta opção está sempre disponível. Nesta versão só estará disponível informação sobre o pedido de Certificados, Cartas de Curso e segundas vias dos mesmos Visualizar Pedidos Permite acompanhar o andamento de um pedido acima descrito. Esta opção está sempre disponível. 14

16 2.3.2 Preçário de Pedidos Permite visualizar os preços dos pedidos disponíveis. Esta opção está sempre disponível Informações Gerais Circulares Permite consultar ou fazer download das circulares e informações genéricas (avisos, formulários, calendários, etc.) relativas a cada curso. Esta opção está sempre disponível Guia do Aluno Permite consultar ou fazer download do Guia do Aluno e do Regulamento de Avaliação de Conhecimentos. Esta opção está sempre disponível Termo de Aceitação Permite consultar as condições de utilização aceites quando foi efectuado o primeiro acesso ao serviço. Esta opção está sempre disponível Dados de Acesso ao campus.isgb.pt Informação sobre o login e password inicial de acesso a uma área de interacção entre docentes e discentes no âmbito de alguma(s) unidade(s) curricular(es) Apoio Pedagógico Documentação Permite consultar ou fazer download, para as disciplinas a que o aluno se encontra inscrito, dos guias pedagógicos e documentação disponibilizada pelos docentes por esta via Enunciados de Exames Permite consultar ou fazer download de exames de anos anteriores. O objectivo desta funcionalidade é constituir-se, para cada uma das disciplinas, como exemplo de um possível teste. Assim, para cada disciplina apenas é exigível a disponibilização de um enunciado. Esta opção está disponível sempre que o aluno não registe no ISGB ONLINE situações irregulares documentos ou pagamentos em falta Recursos Biblioteca Permite o acesso à Base de Dados da Biblioteca, possibilitando a realização de várias pesquisas à informação aí residente Recortes de Imprensa Monografias Glossário 15

17 8. BIBLIOTECA E CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO A Biblioteca do IFB/ISGB é uma biblioteca de tipo escolar, que tem por objectivo a disponibilização de um conjunto de serviços de informação junto dos seus utilizadores, tendo um carácter especializado nas áreas directamente relacionadas com a actividade bancária. 1. Utilizadores Destina-se, prioritariamente, a servir os alunos, formandos, docentes e formadores do IFB/ISGB, bem como outros colaboradores da instituição (utilizadores internos). Podem ainda ter acesso à Biblioteca, profissionais bancários e estudantes de outros estabelecimentos de ensino, que como tal devidamente se identifiquem (utilizadores externos). 2. Organização A biblioteca tem um carácter especializado nas áreas que mais directamente se relacionam com a actividade bancária. Para o efeito, procede à recolha, tratamento técnico e difusão da informação. O fundo documental é constituído por cerca de três mil quatrocentos e sessenta monografias nacionais e estrangeiras e trinta e cinco títulos de publicações periódicas, igualmente nacionais e estrangeiras. Distribui-se pelas seguintes áreas fundamentais: IFB - Publicações do Instituto GE - Gestão (gestão bancária, mercados financeiros, planeamento e estratégia, marketing, etc.) ECO - Economia CS - Ciências Sociais DT - Direito INF - Informática MM - Métodos Matemáticos CE - Comunidades Europeias REF - Obras de Referência CONF - Conferências Este fundo está disponível em catálogos informáticos, permitindo a pesquisa nas seguintes categorias: Monografias Analíticos de publicações periódicas 16

18 3. Funcionamento e Serviços Prestados 3.1. Requisições Todos os utilizadores da Biblioteca poderão fazer requisição para consulta presencial no espaço físico destinado à leitura na Biblioteca. Apenas os utilizadores internos podem efectuar empréstimos de monografias em regime domiciliário por um período de 3 a 8 dias. Para o efeito é necessário que procedam ao preenchimento de uma ficha de requisição. Todos os utilizadores devem restituir a documentação no estado de conservação em que a mesma se encontre a quando da requisição. Se houver extravio ou danificação da obra requisitada os utilizadores incorrerão nos respectivos encargos. 3.2 Pesquisas A pesquisa on-line de monografias existentes na Biblioteca é acessível a todos os utilizadores através do site do ISGB (www.isgb.pt). Aos utilizadores internos está acessível para pesquisa via internet todo o fundo documental da Biblioteca, quer ao nível das monografias quer dos artigos de publicações periódicas, podendo para o efeito ser utilizados os seguintes endereços: biblio.ifb.pt/bibl/ (acesso disponível apenas para utilizadores do ISGB ONLINE) Para efectuarem as pesquisas os alunos do ISGB podem utilizar os meios informáticos disponíveis nos laboratórios de computação. 4. Horários A Biblioteca situa-se nas instalações do ISGB, Av. Barbosa du Bocage, nº 87 R/c e encontra-se aberta, com possibilidade de leitura presencial, nos seguintes horários: 2ª a 6ª feira das 8h30 às 12h00 e das 13h00 às 16h30, com excepção do(s) período(s) de férias ou ausências da colaboradora Sábados das 8h00 às 12h00 e das 13h00 às 16h00 (calendário a definir) Para além do horário acima mencionado, a documentação, requisitada previamente, poderá ser levantada na recepção do ISGB pelos alunos, desde que apresentem o cartão de leitor da Biblioteca. Caso o utilizador não possa deslocar-se à Biblioteca no seu horário de funcionamento poderá solicitar informações por telefone, fax ou Contactos Telefone: (Sra. D. Lúcia Mata Nunes) Fax: / / 17

19 9. NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS MEIOS INFORMÁTICOS As instalações do ISGB na Av. Barbosa du Bocage disponibilizam, para utilização por alunos e docentes, um conjunto de meios informáticos de diversa natureza. A utilização destes recursos deverá pautar-se pelo cumprimento dos princípios definidos nas Normas de Conduta Informática e em conformidade com o estabelecido relativamente à Utilização dos Laboratórios de Computação do ISGB. NORMAS DE CONDUTA INFORMÁTICA Os recursos informáticos do Instituto são disponibilizados exclusivamente para o desempenho das tarefas de cada colaborador como empregado do Instituto e/ou para fins educativos, de formação ou de investigação. Não deve ser feito, ou sequer tentado, uso não autorizado de recursos alocados a outrem. Qualquer pessoa carece de autorização para poder utilizar os recursos informáticos do Instituto. O Registo é o meio pelo qual é concedida autorização para o uso de recursos informáticos do Instituto. Durante o registo podem ser atribuídos um nome-de-utilizador e uma palavra-passe. Estes destinam-se ao uso exclusivo da pessoa que requer a utilização de recursos informáticos. Qualquer tentativa de aceder ou utilizar um nome-de-utilizador a que o utilizador não está autorizado é proibida. O utilizador é responsável e imputável por todas as actividades desenvolvidas sob o seu nome-de-utilizador. A palavra-passe associada a um determinado nome-de-utilizador não deve ser divulgada a outra pessoa ou registada noutro sistema computacional sem a permissão escrita do Instituto. As palavras-passe utilizadas devem estar de acordo com o que se considera uma boa prática no uso de palavras-passe. O utilizador compromete-se a respeitar toda a legislação em vigor aplicável ao uso dos recursos informáticos e dados disponibilizados pelo Instituto e ainda, a respeitar qualquer direito de autor sobre documentação ou software. O utilizador compromete-se a não desenvolver qualquer acção que possa pôr em causa o bom nome do Instituto. Ninguém deve violar a integridade, desempenho e fiabilidade do equipamento computacional, software ou qualquer outra informação gravada. Por software deverá entender-se programas, rotinas, procedimentos e a documentação a eles associada que podem ser implementados num sistema computacional, incluindo computadores pessoais e estações de trabalho. A integridade dos sistemas computacionais do Instituto é violada sempre que os utilizadores não tomem as precauções adequadas contra software malicioso (p.ex., vírus informáticos). Não é permitido ao utilizador alterar a configuração do equipamento informático ou instalar software, ou sequer tentar, sem a autorização expressa do Instituto. As normas existentes de comportamento aplicam-se a qualquer tecnologia de informação tal como a quaisquer meios mais tradicionais. A capacidade para levar a cabo uma acção 18

20 particular não significa que a mesma seja aceitável. O exame a ficheiros no disco de um colega equivale a uma pesquisa em gavetas ou armários, tal como a procura de ficheiros não protegidos num sistema multi-utilizador. Nenhum utilizador deverá interferir, ou sequer tentar, de qualquer maneira com a informação pertencente a outro utilizador. De igual modo, nenhum utilizador deverá copiar sem autorização informação pertencente a outro utilizador. Qualquer software e/ou cópia de informação ou dados que não sejam fornecidos ou gerados pelo próprio utilizador mas estejam disponíveis pelo uso de recursos computacionais ou de comunicações não deve ser usado ou copiado sem autorização expressa do Instituto, ou do fornecedor do software. O utilizador compromete-se a não utilizar o equipamento computacional ou de comunicações do Instituto para utilizar ou publicar material ofensivo, difamatório ou que viole qualquer direito de terceiros. O software e/ou informação fornecidos pelo Instituto só podem ser utilizados para o desempenho dos deveres do utilizador como empregado do Instituto ou para fins educativos ou de investigação. O utilizador compromete-se a respeitar todos os acordos de licença de utilização a que tenha acesso através do Instituto. Quando autorizado para o efeito o utilizador poderá fazer uso de ligações do sistema informático do Instituto a outros. Na utilização de recursos externos o utilizador compromete-se a respeitar as regras ou códigos em vigor na respectiva instituição. As pessoas que infrinjam o estipulado nestas normas de conduta incorrem em acção disciplinar e/ou procedimento criminal. UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO DO ISGB EQUIPAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE COMPUTAÇÃO Computadores Hewlett Packard 6000 Pro SFF, equipado com processador Intel Core 2 Duo E7500, 4 GB de RAM e 500 Gb de armazenamento em disco local. Para leitura e transferência de informação estão equipados com 10 portas USB 2.0 e leitor de CD/DVD. Nas estações colocadas nas posições destinadas aos docentes os computadores encontram-se ligados a um projector multimédia com capacidade para som. As portas USB estão activas assim como o leitor de CD/DVD permitindo assim aos utilizadores das salas a utilização de dispositivos de armazenamento de dados USB e a leitura de CD/DVD. As salas dispõem de ligação à Internet contínua e em banda larga. Instalação e Funcionamento dos Laboratórios de Computação A peça central do funcionamento dos laboratórios de computação do ISGB é um servidor de rede que se destina a 3 funções específicas: - Autenticação na rede; - Servidor para área comum de armazenamento de dados (esta área destina-se a ser um espaço onde os docentes poderão disponibilizar ficheiros para consulta pelos alunos) 19

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Setor Financeiro.

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Regulamento de Bolsas de Investigação Científica REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO BIBLIOTECA Regulamento À Biblioteca do ISCTE compete facultar, nas melhores condições de utilização, os recursos bibliográficos e informativos necessários

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia

Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia Ensinar a saber fazer Profissionais com Futuro desde 1990 L I C E N C I A T U R A S ADEQUADAS AO PROCESSO DE BOLONHA Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia A estratégia do ISTEC

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 O presente regulamento disciplina, no cumprimento da Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril, os concursos

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos

Licença Especial Ciclomotores. 14 15 anos Licença Especial Ciclomotores 14 15 anos Licença Especial 50c.c. Destinase a jovens com 14 ou 15 anos já feitos, com aptidão física e mental, com frequência mínima do 7º ano de escolaridade e autorização

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14 Tesouraria REGULAMENTO Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL Direção do ISPA - CRL O presidente da Direção do ISPA - CRL (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) O presidente da Direção do

Leia mais

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 3.1 (José João Amoreira) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1 I - Disposições comuns... 2 1. Creditação... 2 2. Requerimentos... 3 3. Âmbito... 3 4. Procedimento... 3 5. Decisão e recurso... 3 6. Transição de ano... 4 7. Renúncia... 4 8. Certificação de creditações...

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos de Especialização Tecnológica, doravante designados

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA Proposta de regulamento da BIBLIOTECA escolar I - CONCEITO A Biblioteca Escolar é um núcleo de organização pedagógica da Escola e deve ser entendida como um centro

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP)

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) Critérios de elegibilidade do Estudante Erasmus Estatuto legal do estudante: Os estudantes devem ser nacionais de um estado membro participante no Programa de Aprendizagem

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO 2014/2015

TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO 2014/2015 TABELA DE PROPINAS, TAXAS, EMOLUMENTOS E MULTAS A APLICAR NO ANO LECTIVO Página n.º 0 1º Ciclo (Licenciatura 3 anos) LISTA DE CURSOS Grupo 1 Grupo 2 Administração de Unidades de Saúde Ciências da Comunicação

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira Secretaria Virtual INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA MANUAL DE MATRÍCULA / INSCRIÇÃO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO CONCURSOS ESPECIAIS REINGRESSOS MUDANÇAS DE CURSO E TRANSFERÊNCIAS CTESP Revisão

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

SITUAÇÕES ESPECIAIS. Formação de Voluntários em Saúde. savlita 2015/16 DURAÇÃO DO CURSO OUTUBRO

SITUAÇÕES ESPECIAIS. Formação de Voluntários em Saúde. savlita 2015/16 DURAÇÃO DO CURSO OUTUBRO Universidade Católica Portuguesa - savlita SITUAÇÕES ESPECIAIS DURAÇÃO DO CURSO OUTUBRO 2015 a JUNHO 2016 ESTRUTURA DO CURSO Módulo 1 Voluntariado e Identidade Módulo 2 A saúde e a doença Módulo 3 Questões

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas.

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas. 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 高 等 教 育 輔 助 辦 公 室 Governo da Região Administrativa Especial de Macau Gabinete de Apoio ao Ensino Superior Financiamento para as instituições do ensino superior de Macau Instruções para

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Gestão Logística Edital 1ª Edição 2012 1 Enquadramento Tem vindo a ser reconhecida, por políticas governamentais

Leia mais

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada 1. Missão, Política e Estratégia da Entidade Num mundo em permanente mutação onde a investigação científica e o desenvolvimento das ciências ocupa um lugar determinante, a formação contínua ao longo da

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Informações gerais. Formação Inicial de Instrutores de Condução

Informações gerais. Formação Inicial de Instrutores de Condução Informações gerais Formação Inicial de Instrutores de Condução Condições de Acesso 12º Ano completo, equivalente ou superior 2 anos de Carta de Condução Não possuir doença contagiosa ou deficiência física

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS I. ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO E EQUIPA EDUCATIVA Espaço 1. O Centro de Recursos Educativos (a seguir identificado pela sigla CRE) constitui

Leia mais

1. Titularidade do domínio www.estrelacoop.pt

1. Titularidade do domínio www.estrelacoop.pt 1. Titularidade do domínio www.estrelacoop.pt O site www. www.estrelacoop.pt encontra-se registado ao abrigo do Regulamento do registo de domínios/subdomínios de. PT", e é propriedade Estrelacoop Cooperativa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Preâmbulo No seguimento da terceira alteração ao Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, introduzida pelo Decreto-Lei

Leia mais

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Instituto Politécnico de Beja Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Serviços Académicos (Sector I) Introdução O presente documento constitui um breve guia que visa ajudar

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais