plano de estudo/ desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "plano de estudo/ desenvolvimento"

Transcrição

1 plano de estudo/ desenvolvimento do currículo escola técnica e liceal salesiana - estoril

2 Uma casa que acolhe, paróquia que evangeliza, escola que forma para a vida e lugar de encontro entre amigos que sabem viver em alegria. (Constituições Salesianas, art.º 40)

3 - 4 -

4 Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo I. Introdução Documento orientador para o ano letivo 2013/ 2014 O Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo é um instrumento de gestão pedagógica que adequa de forma harmónica os objetivos próprios do currículo nacional à realidade e contexto da escola. Daí, a necessidade de refletir, de por em ação, de avaliar e otimizar as decisões tomadas, num processo dinâmico sempre em aberto, visando o interesse dos alunos, como principais beneficiários do objetivo primordial da escola o processo do ensino-aprendizagem, constituindo este a razão primeira da existência da escola na sua missão contribuir para a formação integral de cada membro da comunidade educativa, especialmente os alunos e alunas. Tirando partido do exercício da sua autonomia e da possibilidade de fazer opções fundamentais, o Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo oferece as orientações que servirão de base aos projetos de turma, no sentido de lhes conferir consistência e sentido, numa lógica que terá sempre em atenção a especificidade de cada turma, visando deste modo, encontrar as melhores estratégias e dinâmicas conducentes ao sucesso de todos os intervenientes no processo de ensino-aprendizagem. Este instrumento exige, naturalmente, a autonomia e promove uma cultura reflexiva e analítica sobre o modo de ensinar e de aprender. Num ano em que fazemos a opção por ser felizes agora e na eternidade pretendemos, também nós na nossa escola, ser portadores desta felicidade, da possibilidade real de todos os intervenientes neste processo, educadores e educandos, multiplicarem o que cada um tem de melhor, isto é, fazermo-nos fecundos e gerar fecundidade nos outros. A Escola, o ensino e a aprendizagem, enquanto espaços privilegiados de aprendizagem, de conhecimento e relação interpessoal, podem e devem ser sempre espaços de felicidade. Este é o nosso ponto de partida, para que educar, uma das missões mais nobres que alguém pode porventura assumir, consista em fazer algo que mereça a pena, alguma coisa grande, de valor, com as próprias possibilidades reais. Paula Cristina Cardoso Baptista Diretora Pedagógica - 5 -

5 O presente documento pretende ajudar a concretizar, com base na Gestão Flexível do Currículo, as finalidades e os objetivos definidos no Projeto Educativo de Escola. Ele define, em função do currículo nacional e do Projeto Educativo de Escola, as prioridades da escola ao nível de capacidades, de competências e de organização das diferentes áreas e a sua articulação. Neste sentido, o Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo define as linhas de ação com o intuito de modelar e adaptar os conteúdos propostos às especificidades dos alunos e à particularidade de cada contexto escolar, é a expressão fiel dessa intenção. Princípios Orientadores do Projeto Educativo Como atrás foi referido, o Projeto educativo, através das suas metas a atingir, adiante discriminadas, orienta a elaboração do Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo. METAS 1. Melhorar espaços 2. Melhorar segurança 3. Consagrar uma preparação académica que garanta o prosseguimento de estudos e a aquisição de conhecimentos e competências relevantes para a vida futura 4. Diversificar a oferta extracurricular 5. Desenvolver a metodologia de projeto 6. Estabelecer mecanismos de articulação eficazes entre os diferentes Órgãos de Gestão, Estruturas de Orientação Educativa, Equipas Pedagógicas e demais intervenientes no processo educativo, investindo na melhoria de vias e modos de circulação e transmissão da informação 7. Enriquecer a ligação Escola/ Comunidade Educativa através de formas de contacto diversificadas 8. Participar, empreender e praticar a educação cívica. in Projeto Educativo da Escola Salesiana do Estoril, p. 43 a 45 MISSÃO promover uma formação integral dos alunos e alunas de acordo com a conceção cristã da pessoa, da vida e do mundo; propor uma síntese entre fé, cultura e vida; criar um ambiente que favoreça o testemunho e a ação evangelizadora; - 6 -

6 promover itinerários de educação qualificados na descoberta e a valorização dos elementos e dos valores específicos da realidade humana e cultural; vivenciar um espírito de família entre educadores, educandos e toda a comunidade educativa; destacar a personalização da relação educativa mediante a presença dos educadores entre os alunos, a sua participação na vida dos jovens e a disponibilidade para fazer caminho, caminhando com eles; formar honestos cidadãos, com sentido crítico, autonomia, participativos e corresponsáveis na construção de uma sociedade melhor; acreditar em todas as possibilidades dos alunos e desenvolvê-las até ao máximo das suas possibilidades. in Projeto Educativo da Escola Salesiana do Estoril, p. 23 VALORES 1. Opção preferencial pelos jovens e o seu mundo (atentos aos aspetos positivos, aos novos valores, às possibilidades de recuperação e a uma atitude de escuta, de simpatia, de compreensão e de diálogo) 2. Comunidade Educativo-Pastoral Uma experiência comunitária (pensar a escola como espaço privilegiado de comunicação de ideias e ideais, de reflexão e ação, de solidariedade e respeito pela diferença. Deste modo, a organização da escola, a metodologia de trabalho, os referenciais teóricos e os recursos didáticos são instrumentos para a construção deste projeto). 3. A animação como estilo de gestão (responsabilizar as pessoas no processo de personalização e de crescimento da consciência; desenvolver a capacidade crítica e a participação ativa; responsabilizar e tornar as pessoas protagonistas dos seus próprios processos educativos e pastorais; criar comunhão à volta de valores, critérios, objetivos, aprofundando a identidade vocacional dos educadores; incentivar a colaboração, a complementaridade e a coordenação de todos à volta de um projeto partilhado) 4. Educação integral (atividades e intervenções educativas para a promoção integral dos jovens proporcionando um desenvolvimento harmónico e progressivo de todas as dimensões do ser humano) 5. Ambiente educativo (favorece o bom relacionamento, a alegria, a corresponsabilidade, a aceitação do outro) 6. Método didático-educativo (didática ativa, que desenvolva nos alunos a capacidade de descoberta, e faça amadurecer hábitos de criatividade e crescimento cultural autónomo; complementaridade e integração entre trabalho pessoal e trabalho de grupo; interdisciplinaridade; uso da linguagem total (palavra, imagem, som, audiovisual, multimédia, expressão corporal) no interior do processo de interação comunicativa; lugar privilegiado ao conhecimento e ao saber, de modo a que o rigor científico e pedagógico e a qualidade das didáticas e das práticas pedagógicas, conduzam à excelência e ao empenho por saber mais e melhor). Cfr. Projeto Educativo da Escola Salesiana do Estoril, p. 26 a

7 Relevância do Regulamento Interno O Regulamento Interno constitui um documento discriminativo de direitos e de deveres dos elementos da comunidade educativa, bem como o funcionamento dos diferentes espaços e estruturas escolares. Desta forma, articula-se com o presente documento uma vez que, para que este possa fluir na sua prática contínua, é necessário atender à necessidade de presença de regras e de regulamentos. Intenções do Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo No Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo são definidas as seguintes áreas prioritárias de intervenção para assegurar, a todos os alunos, aprendizagens mais significativas e para desenvolver capacidades e competências nos vários domínios, nomeadamente no domínio social. a) Tema geral: Ser felizes agora e na eternidade, tema que será desenvolvido em todos os projetos a realizar na escola, nomeadamente no Plano de Turma. b) A Educação para a Cidadania, que deverá estar presente em todos os ciclos e com um carácter transversal, e que deve contribuir para a criação da identidade, desenvolvimento da responsabilidade e respeito na vida cívica dos alunos. A aula de Formação é o espaço privilegiado para o seu desenvolvimento. c) A utilização das tecnologias da informação e de comunicação deve também assumir um carácter transversal contribuindo para a formação dos alunos. Neste sentido, e tendo em atenção que as novas tecnologias devem estar presentes em todos os ciclos de ensino, é necessária a criação de atividades (em aula ou fora dela) nas diferentes disciplinas que permitam o desenvolvimento destas competências. Plano anual de atividades O Plano Anual de Atividades dará expressão às diferentes atividades das turmas, grupos disciplinares, órgãos da escola. Tendo em conta que qualquer atividade desenvolvida com os alunos, ou para os alunos, faz parte integrante do seu currículo. Cada departamento, tendo em conta as competências, os objetivos, os conteúdos e as estratégias de cada disciplina ou área disciplinar, define, mediante o preenchimento de ficha própria, as atividades a desenvolver. Estas atividades deverão responder ao que é definido no Projeto Educativo e no presente Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo - 8 -

8 para serem aplicadas nos Planos de Turma/Projetos Curriculares de Turma. Devem ser tidos como critérios prioritários na escolha e seleção de atividades a interdisciplinaridade, a formação integral dos alunos em contextos diferenciados e a pluralidade e multifacetada ambivalência das propostas/atividades. Ao longo do ano letivo, este plano pode ser enriquecido com outras atividades, desde que aprovadas pela Direção Pedagógica. As atividades são depois aprovadas em departamento após consulta dos respetivos diretores de ciclo para se evitarem repetições e sobreposições de atividades e proporcionar uma distribuição equilibrada e equitativa das mesmas entre as várias turmas. Cada atividade, após a sua realização, deve ser avaliada com um relatório sobre a forma como a mesma decorreu, uma reflexão sobre a sua pertinência e continuidade que deverá ser entregue ao respetivo coordenador de departamento e ao diretor de ciclo. No final do ano letivo, cada departamento fará um balanço das atividades realizadas, a ser apresentado à Direção Pedagógica. O Plano Anual de Atividades é aprovado anualmente pelo Conselho Pedagógico. Esquema Conceptual Proposta Educativa Salesiana Projeto Educativo da Escola Salesiana do Estoril Regulamento Interno Plano de Estudo/Desenvolvimento do Currículo Plano de Turma X Plano de Turma Y - 9 -

9 II. Órgãos de gestão e de coordenação Organograma a) Direção e Coordenação Diretor (representante da entidade titular) Pe. Tarcízio António de Castro Morais Vice-Diretor Pe. Jerónimo da Rocha Monteiro Diretora Pedagógica Dra. Paula Cristina Cardoso Baptista Coordenador de Pastoral Pe. António Marcelino Administrador Dr. Orlando Camacho

10 Diretores de Ciclo: Dra. Leonor Grácio (Pré-Escolar; 1º Ciclo) Dra. Ana Paula Ramalho (2º Ciclo) Dr. Miguel Ângelo Dias (3º Ciclo) Dr. Nelson Silva (Ensino Secundário) Coordenadores de Departamento: Departamento de Língua Portuguesa Dra. Florinda Costa Departamento de Línguas Estrangeiras Dra. Manuela Dinis Departamento de Matemática e Novas Tecnologias Dr. Pedro Ramalho Departamento de Ciências Físicas e Naturais Dra. Gisele Simões Departamento de História, Geografia, Filosofia e Economia Dra. Maria do Rosário Gama Departamento de Educação Física e Desporto Dr. Miguel Reinaldo Departamento de Artes Visuais e Ed. Tecnológica Dra. Ana Rita Fernandes Departamento de Ed. Moral e Religiosa Católica e Ed. Musical Dr. Álvaro Gomes b) Comissões de Apoio Comissão de Revisão do Projeto Educativo em 2012/2013 Dr. António Salgueiro (Pré-Escolar; 1º Ciclo) Dra. Carla Pires (2º Ciclo) Dra. Florinda Costa (3º Ciclo) Dra. Rita Rosa (3º Ciclo) Dra. Paula Cristina Baptista (Ensino Secundário) Pe. Tarcízio Morais (Diretor Pedagógico)

11 Comissão de Revisão do Regulamento Interno em 2012/2013 Dr. Miguel Ângelo Dias (3º Ciclo) Coordenadores de Departamento Pe. Tarcízio Morais (Diretor Pedagógico) Coordenador Desporto Escolar Dr. Hélder Marcos Comissão de Educação para a Saúde e Educação para o Amor Dra. Paula Cristina Cardoso Baptista (Diretora Pedagógica) Enfª. Margarida Nogueira (Enfermaria) Enfª. Lília Marina de Sousa Vaz (Enfermaria) Departamento Psicopedagógico Dra. Isabel Serra (OK Saúde Medicina do Trabalho)

12 III. Enquadramento do tema do ano: Ser felizes agora e na eternidade O tema-guia deste ano letivo divide-se em três partes estruturantes que queremos fazer encarnar na comunidade educativa ao longo deste ano: 1. Porquê este tema? Neste último ano de preparação da celebração do bicentenário do nascimento de D. Bosco, somos convidados pelo Reitor Mor, a descobrir e ir à fonte da experiência espiritual de Dom Bosco, para caminhar na santidade segundo a nossa vocação específica. A espiritualidade é, no contexto em que nos encontramos, um desafio para todo o ser humano. Na verdade, o nosso tempo é marcado por uma intensa procura de espiritualidade, nem sempre de uma espiritualidade que valoriza o que de mais sublime ela encerra, a experiência feita por cada homem da presença interpelante de Deus. É-se espiritual porque se sabe captar, no ruído das coisas do quotidiano, esta presença intimíssima e misteriosa. Para nós cristãos, a espiritualidade é um caminho para educar a fé, é um estilo de vida e de autoconsciência reflexa desse estilo. Somos seres espirituais, na medida em que podemos afirmar uma identidade pessoal, com significado e orientada pela Pessoa de Jesus Cristo e pela Sua mensagem. D. Bosco soube por em prática esta espiritualidade que brota do seu viver somente para Deus. Tudo o que viveu e experienciou, tudo o que fez pelos jovens foi reflexo do seu intenso amor por Deus e pelos jovens. Aliás, os jovens foram sempre o seu lugar de encontro com Deus e aos jovens procurou ensinar a encontrar Deus nas rotinas e pequenos gestos do dia-adia. De que forma? Ensinando-os a viver a vida como vocação, vivendo cada dia com confiança e otimismo e em oração a cada instante. A sua espiritualidade é educativa, expressando-se numa síntese harmoniosa entre educação e evangelização, numa proposta de fé intensa que compromete a vida do jovem e a torna numa vida com sentido para si e para os outros. D. Bosco olhou para os jovens do seu tempo, não obstante as adversidades que muitos enfrentavam, como pessoas dotadas de energia de bem, suscetíveis de serem desenvolvidas e que encontram a sua força motriz na opção por Jesus e o Seu evangelho. O seu maior desejo foi sempre que eles se doassem totalmente a Deus e fossem felizes. Felizes e santos. Espiritualidade, identidade cristã, santidade são realidades de tal modo indissociáveis que acabam por se identificar comumente. Sistema Preventivo, espírito salesiano e espiritualidade salesiana são realidades organicamente relacionadas numa unidade vital. Continua a ser nossa missão e, cada vez mais, desenvolver uma pedagogia da santidade juvenil salesiana que possa ir beber do rico património do passado e que seja uma resposta efetiva e real aos jovens do mundo de hoje

13 2. O que entendemos por ser felizes agora e na eternidade? A proposta da espiritualidade salesiana hoje pode traduzir-se neste desejo que D. Bosco nos deixou na Carta de Roma: O meu único desejo é ver-vos felizes no tempo e na eternidade. Ser feliz e, consequentemente, fazer os outros felizes é construir, num processo dinâmico, uma visão integradora da nossa existência, apenas possível quando se faz uma reflexão prévia sobre quem somos, para e porque queremos viver, sobre as mudanças claramente assumidas, sobre as pessoas que queremos vir a ser, transportando para a vida de todos os dias, para tudo o que fazemos e para a relação com os outros, aquilo que nos faz sentido e se torna o propósito do nosso existir. Atendendo à origem da palavra, felicidade (do latim felicitas, fé, fecundo, em concomitância com a origem anglo-saxónica happiness, que se refere a acontecer) significa fazer-se fecundo e gerar fecundidade nos outros. Os chineses para dizer felicidade unem duas palavras: aberto e coração. Ser feliz é acreditar em si e nos outros, é ser significativo, fazer acontecer coisas felizes, abrir o coração ao outro e dar-se. Os jovens têm grandes dificuldades em captar a felicidade no nosso tempo. Sentem-se atraídos a procurar a felicidade do instante e do instantâneo, do radical e do que dá prazer, da comunicação à distância, da solidão, de tudo o que não implique compromisso consigo mesmos e com os outros. Acreditamos, porém, que a felicidade deve ser encarada e vivida por todos como a realização do seu projeto de vida e com a própria autorrealização. Para que a possamos viver com intensidade é necessário que tenhamos objetivos e metas, que nos relacionemos com pessoas felizes, que construamos um bom ambiente familiar e de trabalho. Sermos otimistas. Eis-nos chegados à pergunta crucial: como ser felizes na Escola? Esta é uma pergunta de difícil resposta, já que a escola tanto pode ser um contexto ecológico humano com pessoas saudáveis, que se sabem estimar, acolher e valorizar, que participam de atividades enriquecedoras, planeadas num ambiente acolhedor, produtivo e bem cuidado, como pode ser palco de outro tipo de experiências que, ao invés de fortalecer, vulnerabilizam, por exemplo, vivências de bullying e outras formas de violência, situações de conflito entre alunos e entre alunos e professores, a falta de articulação entre os conteúdos e o modo como são trabalhados nos contextos escolares e a realidade social que irão enfrentar num futuro próximo. Por isso, acreditamos que é de especial importância a construção de uma escola feliz, de uma escola que promova a curiosidade e o gosto pela aprendizagem, a capacidade de liderança, a justiça, a generosidade e o sentido de humor. O educador, dentro da proposta de construção de uma escola feliz, deve ser capaz de alimentar os interesses dos jovens, despertar curiosidades, usufruindo dos resultados proveitosos dos seus alunos, mantendo e reacendendo, a cada instante, a própria alegria e a sua felicidade de ensinar e aprender. Por isso, a nossa escola de ser feliz no tempo e na eternidade é um espaço e um tempo amado pelos nossos alunos, nos quais se deixam encantar e seduzir por propostas significativas, onde se regressa com saudade e de que se tem boas memórias; um ambiente agradável que integra, humaniza e é, em si mesmo, educativo; um ambiente de alegria e de

14 confiança no qual a personalidade do jovem pode amadurecer e desenvolver-se em todos os aspetos: intelectual, relacional, artístico, desportivo, cultural e religioso, numa síntese entre fé, cultura e vida. Em síntese, a escola feliz incrementa o otimismo, promovendo emoções positivas; é inclusiva, respeitando a singularidade de cada membro da comunidade educativa; valoriza a solidariedade e a empatia; aprofunda a formação cristã, iluminando as situações menos agradáveis da vida com a Palavra de Deus. Os educadores de uma escola feliz vivem e motivam a viver o trabalho quotidiano do estudo, do profissionalismo, da vida em família, com empenho e perseverança, como resposta de amor a Deus e de serviço ao outros. Fazem dos conteúdos um meio de chegar à riqueza da pessoa e do seu saber, motivando ao desenvolvimento de conhecimentos, de comunicação, de partilha. São guias, acompanhando os jovens na maturação das próprias motivações para a concretização de um projeto de vida com sentido. 3. Pontos de referência A partir do conhecimento da pedagogia de Dom Bosco, que somos convidados a aprofundar ou a redescobrir, os grandes pontos de referência e os compromissos do Lema deste ano são os seguintes: 1. A espiritualidade do quotidiano, lugar onde o jovem reconhece a presença de Deus e vive a própria realização pessoal. 2. A espiritualidade da alegria e do otimismo no quotidiano, sem que isso signifique renunciar ao compromisso e à responsabilidade. A festa e a alegria são referências essenciais da espiritualidade salesiana. Referimo-nos não a uma alegria balofa, mas a uma alegria autêntica que brota do coração de quem se sente contente com a vida porque a reconhece, por mais adversidades que apresente, como um dom de Deus. 3. A espiritualidade da amizade com o Senhor Jesus. Uma espiritualidade de amizade e relação pessoal com o Senhor Jesus, conhecido e invocado na oração, na Eucaristia e na Palavra, como o Bom Pastor. Uma espiritualidade mariana, que se entrega plena de confiança à ajuda materna de Nossa Senhora. 4. Uma espiritualidade da comunhão Eclesial, ambiente natural para o crescimento na fé. 5. Uma espiritualidade do Serviço Responsável, através do serviço generoso, pois acreditamos que Deus a todos Se manifesta e salva, servindo-se para tal das nossas ações e do nosso empenho para a construção de um mundo melhor, mais humano e fraterno, de uma sociedade evangélica que é chamada a ser neste mundo a cidade de Deus. 6. O Sistema Preventivo, que representa a síntese entre a razão, a religião e a amorevolezza. 7. A formação do honesto cidadão e do bom cristão. Formar bons cristãos e honestos cidadãos é o objetivo central da espiritualidade salesiana, para que os jovens possam viver a própria existência humana e cristã em plenitude

15 PROPOSTAS DE INTERVENÇÃO Tendo em conta o Projeto Educativo, as intenções do Plano de Estudo/Desenvolvimento para este ano, propõe-se algumas respostas concretas na ação pedagógica e educativa. A operacionalização específica será feita na perspetiva de cada disciplina ou área curricular tendo em conta os saberes, procedimentos, instrumentos e técnicas essenciais de cada área do saber e visando o desenvolvimento pleno do aluno. Iniciativas gerais - formação de docentes sobre o tema ser felizes agora e na eternidade (formação inter escolas com Manique e OSJ de Lisboa); - aplicação do tema às diversas disciplinas concretizada nas diferentes planificações; - divulgação do tema junto dos alunos (cartazes, logótipo, formação, iniciativas, bons dias, temas, festas, jornal Jovens, etc.) e demais comunidade educativa; - avaliação da proposta integradora no final do processo. Iniciativas específicas SER FELIZES AGORA E NA ETERNIDADE EDUCAÇÃO PARA OS VALORES/FORMAÇÃO INTEGRAL Criar na escola espaços e tempos que incentivem a alegria de educandos e educadores; Formar no âmbito da educação para a paz; Conhecer e ir ao encontro dos interesses dos alunos procurando, desse modo, adequá-los aos conteúdos e às práticas específicas de cada disciplina, manifestando entusiasmo na exploração dos mesmos; Propiciar situações de aprendizagem que conduzam à promoção da autoestima e da autoconfiança; Contribuir, através de atividades em grupo, o desenvolvimento do sentido de pertença; Fomentar hábitos de voluntariado; Fomentar hábitos de permanente questionamento das diferentes realidades sociais e intervenção cívica. Organizar atividades cooperativas de aprendizagem e projetos conducentes à tomada de consciência de si, dos outros e do meio, promotoras da autonomia, responsabilidade e espírito de entreajuda, essenciais na construção de uma vida feliz e autorrealizada

16 PEDAGOGIA ATIVA Abordar os conteúdos da área do saber com base em situações e problemas; Organizar o ensino com base em materiais e recursos diversificados, dando atenção a situações do quotidiano e adequados às diferentes formas de aprendizagem; Organizar o ensino prevendo a utilização de linguagens de comunicação diversificadas; Organizar o ensino prevendo a experimentação de técnicas, instrumentos e formas de trabalho diversificados; Organizar atividades cooperativas de aprendizagem; Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, atividades que permitam ao aluno fazer escolhas, confrontar pontos de vista e resolver problemas. PROJETOS/METODOLOGIA DE PROJETO Desenvolver atividades integradoras de diferentes saberes, nomeadamente, a realização de projetos; Rentabilizar os meios de comunicação social e o meio envolvente; Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, atividades dirigidas a pesquisa, seleção, organização e interpretação de informação; Promover intencionalmente, na sala e fora dela, a realização cooperativa de projetos, atividades dirigidas para o trabalho cooperativo, desde a sua conceção à sua avaliação e comunicação aos outros; METACOGNIÇÃO Apoiar o aluno na descoberta das diversas formas de organização da sua aprendizagem; Apoiar o aluno na descoberta das diversas formas de organização da sua aprendizagem e na construção da sua autonomia para aprender. TICS Organizar o ensino prevendo a utilização de fontes de informação diversas e das tecnologias da informação e comunicação; Rentabilizar as potencialidades das tecnologias de informação e de comunicação no uso adequado de diferentes linguagens; Organizar o ensino prevendo a utilização de fontes de informação diversas e das tecnologias da informação e comunicação para o desenvolvimento de estratégias de resolução de problemas

17 LÍNGUA PORTUGUESA Organizar o ensino prevendo situações de reflexão e de uso da língua portuguesa, considerando a heterogeneidade linguística dos alunos; Organizar o ensino valorizando situações de interação e de expressão oral e escrita que permitam ao aluno intervenções personalizadas, autónomas e críticas. APOIOS Promover intencionalmente, na sala de aula e fora dela, atividades dirigidas à expressão e ao esclarecimento de dúvidas e de dificuldades. Pastoral Linhas de ação por sectores de intervenção A. Bons dias Proposta diária de reflexão e oração no início de cada dia. Potenciar os bons dias como espaço de evangelização; Apresentar um leque alargado de valores/temas da proposta educativa salesiana, que têm origem na pessoa de D. Bosco; Potenciar a partilha de experiências entre os diferentes ciclos. B. Catequese Proposta semanal, de carácter facultativo, para aprofundamento do mistério cristão; Dar mais organização e qualidade à catequese; Privilegiar os momentos celebrativos mais importantes do ano litúrgico. C. Associativismo Juvenil Potenciar o Associativismo Juvenil no 2 e 3 ciclos; Convocar os nossos jovens para os encontros do Movimento Juvenil Salesiano

18 D. Voluntariado e solidariedade Coordenar todas as iniciativas solidárias a partir do projeto SOLSAL Projeto Solidário Escola Salesiana do Estoril e das «Mãos que ajudam»; Criar a Bolsa de Voluntários de «Mãos que ajudam»; Dar continuidade e organização às propostas de voluntariado, dentro e fora da escola. E. Pastoral vocacional Dar estabilidade à equipa local de Pastoral vocacional; Elaboração do Programa de Pastoral Vocacional Local; Propor iniciativas que possam dar a conhecer a identidade da vida consagrada salesiana

19 IV. Metas Curriculares O currículo é definido em função das necessidades de cada aluno, uma vez que a sua atuação não se restringe ao espaço da sala de aula. O objetivo da escola deve ser preparar os alunos para uma cidadania efetiva, comprometida social e solidariamente, responsavelmente interventiva, que torne o cidadão, na sociedade globalizada em que vivemos, em pessoa capaz de potenciar as capacidades criadoras do ser humano, sem esquecer os limites éticos e técnicos. A par do currículo surge a necessidade da articulação ativa entre o saber académico e o saber prático na medida em que é algo que habilita o aluno a saber atuar em qualquer situação que lhe seja colocada na sua vida futura. Assim, procura-se não a memorização, não o saber abstrato, mas sim a problematização, a conceptualização e a resolução de questões atuais, práticas e úteis. As metas estabelecem o que de essencial nos programas os alunos devem saber no final de cada ano ou de cada ciclo às várias disciplinas: são meio privilegiado de apoio à planificação e à organização do ensino, incluindo a produção de materiais didáticos e constituem-se como referencial para a avaliação interna e externa, com especial relevância para as provas finais de ciclo e exames nacionais. As metas curriculares para as várias disciplinas e anos de escolaridade ganham carácter obrigatório a partir deste ano letivo e de forma progressiva até As metas começam a ser aplicadas com carácter obrigatório no ensino básico a partir deste ano letivo a Português e Matemática no 1º e 3º anos e apenas a Português no 4º ano. No próximo ano, serão introduzidas as metas na disciplina de Matemática no 2º e 4º ano, assim como na de Português no 2º ano. No 2.º ciclo, tornam-se obrigatórias no mesmo período para Português, Matemática (ambas no 5º ano), Educação Visual e Educação Tecnológica (5º e 6º anos). As metas serão introduzidas nas disciplinas de História e Geografia de Portugal, Ciências Naturais e Inglês no ano letivo de , no 5º e 6º anos, tal como nas disciplinas de Português e Matemática no 6º ano. No 3.º Ciclo, vigoram para este ano letivo as metas na disciplina de Educação Visual no 7º, 8º e 9º ano; na disciplina de Português, no 7º e 9º ano e na disciplina de Matemática, apenas no 7º ano. No próximo ano letivo, as metas terão caráter obrigatório, no 7º e 8º ano,

20 nas disciplinas de Física e Química, Ciências Naturais, História, Geografia, Inglês e TIC. No 8º ano, assumirão também caráter obrigatório nas disciplinas de Português e Matemática. No 9.º ano, as metas serão de aplicação obrigatória no ano letivo de , nas disciplinas de Matemática, Físico-Química, Ciências Naturais, História, Geografia e Inglês. No ensino secundário, a calendarização de aplicação das metas curriculares inicia-se no ano letivo nas disciplinas de Português, Matemática A, Biologia e Geologia e Física e Química, no 10º ano, sendo progressiva a sua aplicação até ao ano letivo de , nas disciplinas de Biologia, Física e Química do 12º ano. À saída da educação básica, a par do perfil de aluno definido no Projeto Educativo, o aluno deverá ser capaz de: 1) Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano; 2) Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar; 3) Usar corretamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio; 4) Usar línguas estrangeiras para comunicar adequadamente em situações do quotidiano e para a apropriação de informação; 5) Adotar metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagem, adequadas a objetivos visados; 6) Pesquisar, selecionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável; 7) Adotar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões; 8) Realizar atividades de forma autónoma, responsável e criativa; 9) Cooperar com outros em tarefas e projetos comuns; 10) Relacionar harmoniosamente o corpo com o espaço, numa perspetiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida. 11) Participar na vida cívica de forma crítica e responsável, respeitando a diversidade cultural, religiosa ou outra; 12) Contribuir para a proteção do património natural, cultural e arquitetónico; 13) Procurar uma atualização permanente face às constantes mudanças tecnológicas e culturais, na perspetiva da construção de um projeto de vida pessoal, social e profissional

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Projeto Curricular do 1.º Ciclo

Projeto Curricular do 1.º Ciclo Projeto Curricular do 1.º Ciclo Tema Felizes os que constroem a vida na verdade e no bem. INTRODUÇÃO Este ano letivo 2014/2015 ficou definido como tema geral Felizes os que constroem a vida na verdade

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Projeto Curricular de Escola Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Lisboa Projeto Curricular de Escola 2 O valor das coisas não está No tempo em que elas duram,

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

Introdução. 1.2 Escola Católica

Introdução. 1.2 Escola Católica Introdução A Escola Sagrada Família Externato é uma Escola Católica e é regida pelo Ideário das Escolas da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e o Estatuto da Associação Portuguesa

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique...

O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique... Introdução O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique......pressupõe a prévia aceitação de uma conceção do homem na qual se reveja a ideia da construção de uma sociedade livre, plural, geradora

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC)

Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC) Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC) INTRODUÇÃO: De acordo com o DL 91/2013, artº 14º e os despachos normativos da organização do ano letivo n.s 7 e 7-A/2013 e o recente despacho de organização

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva

Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Pastoral Juvenil Salesiana Concepção e Fundamentos Gilberto Antonio da Silva Fundamentos Dom Bosco Madre Mazzarello Movidos pelo ES tiveram clara consciência de ser chamados por Deus a uma missão singular

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

Projeto Curricular de Escola

Projeto Curricular de Escola Projeto Curricular de Escola 2012 201 MOD02PR02V01 Colégio do Sagrado Coração de Maria Lisboa Projeto Curricular de Escola 2012/201 i ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Caracterização Humana (notas sumárias)...2.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Gondomar

Agrupamento de Escolas de Gondomar Agrupamento de Escolas de Gondomar 1.Nota Prévia O projeto de intervenção pedagógica Aprender a Crescer visa contribuir para a atenuação das dificuldades na leitura e compreensão de textos, fatores determinantes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Conceição, o estudante aprende e desenvolve habilidades dentro e fora da sala de aula, por meio de atividades esportivas, artísticas, culturais, científicas e de solidariedade.

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

Operacionalização da Missão Educativa

Operacionalização da Missão Educativa Operacionalização da Missão Educativa Pilares Educativos Opções educativas, Projetos e atividades Tempo e Educativa O aluno centro do processo educativo Intercâmbio com escola de S. Tomé e Príncipe 6º

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Gondifelos. Voar mais alto

Agrupamento de Escolas de Gondifelos. Voar mais alto Sumário Siglas 3 Nota introdutória 3 O papel do projeto curricular na escola 3 Linhas mestras do PCE 6 Metas definidas a nível nacional 6 Projeto Educativo / SER SABER FAZER / Formação integral do aluno

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Aos dezanove dias do mês de Setembro de dois mil e quinze realizou-se em Fátima, na Casa Nossa Senhora do Carmo, o encontro de apresentação

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias

Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias 1. INTRODUÇÃO Este documento tem como principal objetivo apresentar algumas propostas de intervenção pedagógica no âmbito do Campo de Férias do Centro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

Departamento de Psicologia e de Educação Especial

Departamento de Psicologia e de Educação Especial Departamento de Psicologia e de Educação Especial 1- Avaliação e acompanhamento psicológico Avaliação e acompanhamento psicológico e psicopedagógico individual (promoção da autoestima e comportamentos

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Caracterização... 5 a) Breve historial... 5 b) Atual estrutura... 5 c) Caracterização geográfica e sócio-cultural... 6 d) Comunidade

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Aventura da Acrobática

Aventura da Acrobática Atividades Extracurriculares 2015-2016 Aos Pais Queridos pais: A nossa oferta de atividades extracurriculares pretende ser o mais variada possível, de modo a cobrir as áreas de interesse das nossas crianças.

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 O presente documento é um instrumento que define as estratégias de desenvolvimento do currículo nacional,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico Sumário Executivo e Recomendações Entidade responsável pelo Estudo: Centro de Investigação em Educação

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 2. 2. Organização, Gestão e Funcionamento da Escola 2.1. Oferta Educativa... 3

ÍNDICE. 1. Introdução... 2. 2. Organização, Gestão e Funcionamento da Escola 2.1. Oferta Educativa... 3 2012/2013 www.esfhp.pt ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Organização, Gestão e Funcionamento da Escola 2.1. Oferta Educativa... 3 2.2. Planos Curriculares do Ensino Básico... 3 2.2.1. 3.º Ciclo Ensino Regular

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes Consciencializar toda a Comunidade Escolar para a Preservação do Meio Envolvente; Sensibilizar a comunidade para a poupança de recursos, promovendo a reutilização e a reciclagem. Valorizar a Educação para

Leia mais

Projecto Educativo e Regulamento

Projecto Educativo e Regulamento Projecto Educativo e Regulamento Porto Índice Projeto Educativo 3 - Princípios e orientações gerais -... 3 INTRODUÇÃ O... 4 PRINCÍPIOS EDUCATIVOS... 6 OBJETIVOS EDUCATIVOS E LINHAS ORIENTADORAS DA AÇÃO...

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 6 de junho de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho normativo n.º 4/2013 Regulamenta a avaliação e certificação

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO COLÉGIO

PROJETO CURRICULAR DO COLÉGIO PROJETO CURRICULAR DO COLÉGIO Ano letivo 2012/2013 Todos têm direito à educação e à cultura O Estado promove a democratização da educação e as demais condições para que a educação, realizada através da

Leia mais

Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima

Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima A. Preâmbulo A missão do professor de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) não

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO VIANA DO ALENTEJO, 2015 Índice Nota Introdutória Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo do Agrupamento Entende-se por currículo o conjunto de conteúdos

Leia mais

PROJETO CLUBE EUROPEU

PROJETO CLUBE EUROPEU ESCOLAS BÁSICA DE EIXO PROJETO CLUBE EUROPEU Título: CLUBE EUROPEU Responsáveis: Maria de Lurdes Silva Maria Isaura Teixeira Páginas: 5 Ano letivo: 2014-2015 Escola Básica de Eixo Impresso a 12.11.14 Conteúdo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais