Agrupamento de Escolas Miguel Torga - Bragança PROJETO EDUCATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas Miguel Torga - Bragança PROJETO EDUCATIVO 2013-17"

Transcrição

1 - Bragança PROJETO EDUCATIVO

2 ÍNDICE Índice 2 Preâmbulo 3 1. Da caracterização à construção da matriz identitária do Agrupamento de Escolas Miguel Torga 4 2. A visão 5 3. A missão 6 4. A oferta formativa 6 5. O diagnóstico O contexto socioeconómico de origem dos alunos/índices de escolarização dos Pais/Encarregados de Educação Resultados da avaliação externa e da autoavaliação da organização Resultados escolares dos alunos 8 6. O enquadramento da ação futura Os objetivos gerais As metas O plano de ação estratégica O organograma 13 A concretização/gestão do currículo Medidas de Promoção do sucesso escolar 14 Aulas Previstas = Aulas dadas Os recursos humanos 16 Os serviços de apoio e os espaços/equipamentos educativos 18 Gabinete de Apoio ao Aluno (GAA) 18 O gabinete de Saúde escolar 18 O apoio social aos alunos e famílias 18 As bibliotecas escolares Os laboratórios 20 Os espaços desportivos 20 Os refeitórios e bares 20 O Espaço Cultural Miguel Torga 21 Sala de Estudo Orientado 21 Sala de Prolongamento de Horário Programas, projetos e atividades A internacionalização do AEMT Envolvimento da comunidade e parcerias A avaliação âmbito, modelos, processos e referenciais A avaliação do AEMT A avaliação das bibliotecas escolares (específica) A avaliação do pessoal docente A avaliação dos alunos 27 A avaliação dos não docentes A avaliação do projeto educativo A divulgação, a monitorização, a atualização e a vigência do projeto educativo Anexos: Formação Específicas; Plano de Desenvolvimento Europeu; Critérios de Avaliação Aprovados 29 Pág. 2/39

3 PREÂMBULO O projeto educativo constitui um documento objetivo, conciso e rigoroso, tendo em vista a clarificação e comunicação da missão e das metas da escola no quadro da sua autonomia pedagógica, curricular, cultural, administrativa e patrimonial, assim como a sua apropriação individual e coletiva. Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, atualizado pelo Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho. E de novo se rasgam horizontes, se procura ir mais além, porque o conquistado, na etapa que se fecha, dilata a experiência, sedimenta o conhecimento e impulsiona a firmeza da resposta a constantes desafios. O caminho é granítico na sua escultórica solidez educativa, é lavrado pela sensibilidade que o traça, pela determinação que o mantém aberto, pela reflexão que o interpreta e pela cooperação que o sustenta. Cada pilar deste empreendimento é reforçado na perseverança e na confiança que genuinamente o poeta evoca: Confiança O que é bonito neste mundo, e anima, É ver que na vindima De cada sonho Fica a cepa a sonhar outra aventura E que a doçura Que se não prova Se transfigura Numa doçura Muito mais pura E muito mais nova Miguel Torga Pág. 3/39

4 1. Da caracterização à construção da matriz identitária do Agrupamento de Escolas Miguel Torga Em 1986, por imperativo da crescente população escolar, é criada, em Bragança, a terceira escola secundária com 3º ciclo do ensino básico a futura Escola Secundária de Miguel Torga, inaugurada em 19 de março de Instalada na zona histórica da cidade, em poucos anos, afirma a sua centralidade no meio educativo, em comunhão com a grandeza da monumentalidade próxima que, conjuntamente com a escolha do Patrono, parece ter sido inspiradora no que respeita à construção da sua própria história. O vigor da alternativa que foi capaz de edificar, consolidou-se ao ponto de se tornar uma escola de referência para a comunidade local. A Escola Miguel Torga aprimorou a sua dinâmica estratégica na rutura paradigmática proclamada nos anos 80, quer ao nível dos modelos de ensino e aprendizagem, quer na dimensão social e cultural. No início da década de 90, a Escola Miguel Torga já havia conquistado um lugar de destaque pela via da proximidade relacional, pela humanidade na ação que desenvolvia, pela competência e cooperação dos seus recursos humanos, pelas práticas inovadoras em articulação com uma multiplicidade de projetos distintos, pela inovação tecnológica e pela capacidade inclusiva. Acolhedora de uma população escolar heterogénea alunos oriundos de agregados familiares letrados, de classe média-alta e outros pertencentes a meios socioecónomicos desfavorecidos, a escola prosseguia uma estratégia de sucesso para todos, através da atenção aturada à diferença, da ação solidária e colaborativa, do diálogo com as famílias e restantes membros da comunidade e da mobilização de vontades e meios através de protocolos e parcerias estratégicas. Nesta base, foi perspetivado, desde cedo, o crescimento da instituição, desígnio que se consolidou na recente constituição do Agrupamento de Escolas Miguel Torga (AEMT). A constituição do AEMT e a consequente oferta e articulação de todos os níveis de ensino, desde o Pré-Escolar ao final do Secundário, e o acompanhamento, apoio e educação dos alunos, desde a nascença à entrada na vida ativa ou no ensino superior, configura a concretização de uma ideia mobilizadora e o passo definitivo para a assunção integral da função educativa ao serviço da total inclusão e da abertura a todos. A criação do AEMT, prevista na Carta Educativa do Concelho de Bragança, deveu-se a uma decisão conjunta da Câmara Municipal de Bragança e da DREN que, associando a Escola Secundária Miguel Torga à EB de Quintanilha, ao JI de Gimonde e ao Centro Escolar de Santa Maria, deu luz verde a um projeto globalizante e integrador que veio permitir: a) Um percurso escolar integrado nas diversas modalidades de ensino (o préescolar, os três ciclos do ensino básico e o ensino secundário), e também um percurso educativo com continuidade de projetos e atividades de enriquecimento curricular, do ensino experimental e das novas tecnologias; b) Uma transição harmoniosa e devidamente acompanhada entre níveis e ciclos de ensino, uma relação próxima entre o agrupamento e as famílias num espaço temporal mais alargado; c) A articulação curricular entre os níveis e ciclos educativos, tendo como base um projeto educativo comum e uma gestão partilhada focados no sucesso escolar e educativo; d) A união de duas escolas construídas em terrenos confinantes e com acesso interno que possibilita, por um lado, a partilha da cantina, do ginásio e dos espaços de recreio e, por outro, do pessoal docente e não docente; e) O reforço da prevenção e da luta contra a exclusão social e escolar, através de protocolos já existentes e outros que apoiem os alunos das famílias mais carenciadas; Pág. 4/39

5 f) O aumento da segurança dos alunos e das instalações com uma gestão articulada da vigilância; g) A maior dinamização da zona histórica potenciando o desenvolvimento harmonioso da cidade; Com a existência de um ano apenas, o AEMT, constituído pela Escola Básica e Secundária Miguel Torga, a Escola Básica de Santa Maria, a Escola Básica de Quintanilha e o Jardim de Infância de Gimonde, assimilou as características que constituem a matriz identitária original uma instituição marcadamente humanista, onde se destaca a capacidade inclusiva, a valorização pessoal, a atenção solidária, o respeito pela singularidade individual, o espírito de partilha, a responsabilidade coletiva e a mobilização contínua, tendo em vista o sucesso da sua comunidade. Constituição do AEMT no ano letivo de 2013/14: Escolas Docentes Alunos Assistentes Operacionais Técnicos Superiores /Técnicos J. I. de Gimonde E. B. de Santa Maria E.B. de Quintanilha E.B.S. Miguel Torga A visão O Agrupamento de Escolas Miguel Torga assume, com orgulho e sentido de pertença, o seu projeto de escola pluridimensional e inclusivo e o avaliar muito positivamente a forma de ser e de estar muito própria que se traduz no trabalho desenvolvido em prol do sucesso educativo e escolar dos alunos, das famílias, dos docentes e dos funcionários e em prol de Bragança. Quer continuar, em parceria com a cidade, um passo à frente a caminho do futuro no desenvolvimento de um projeto renovado que mereça da comunidade uma confiança certificada também no que somos: Uma Escola com forte sentido de serviço público que presta especial atenção aos mais carenciados, vivendo intimamente o conceito de inclusão, sem diferenciar credos, ideais políticos, raças ou estatutos sociais; Uma Escola que olha os seus alunos como filhos queridos, crescendo com orgulho de serem transmontanos e cidadãos do mundo; Uma Escola que procura a excelência abraçada ao Humanismo, a eficácia na senda de melhores resultados aliada à formação de pessoas livres e democratas; Uma Escola em que os órgãos constituídos cooperam, com respeito entre si, assumindo as competências próprias definidas na lei e nos normativos internos; Uma Escola que, naturalmente, se abre à comunidade, estabelecendo relações biunívocas em prol do desenvolvimento mútuo, da promoção do desporto, da saúde, da arte, da cultura e da defesa ambiental; Uma Escola onde cada um se reveja e possa dar o melhor de si; Uma Escola que considera a liberdade uma conquista essencial, onde cada um apresenta críticas e sugestões que são acolhidas, e tendo sempre como prioridades uma melhor e mais eficaz organização e o bem estar e sucesso pessoal e profissional da comunidade escolar, com especial realce para os Alunos, sua razão de ser. Esta visão não invalida a necessidade de redefinição da ação estratégica em face das ameaças emergentes. Em prospetiva, definem-se 7 eixos primordiais, a saber: o desenvolvimento das capacidades cognitivas, afetivas, sociais, morais e estéticas de todos, numa perspetiva de apoio à construção de projetos de Pág. 5/39

6 vida viáveis e de sucesso; a implementação de uma estratégia eficaz na mobilização e bem-estar de toda a comunidade, elevando simultaneamente o seu grau de satisfação e o número de alunos; o desenvolvimento profissional dos professores e demais agentes educativos, condição essencial para garantir um projeto sustentável de qualidade no funcionamento da instituição; a instauração de dispositivos geradores de bem-estar, de satisfação e de realização pessoal que facilitem compromissos de cooperação; a participação em projetos/programas nacionais e/ou internacionais, visando o desenvolvimento profissional e pessoal da comunidade escolar bem como a melhoria constante do Agrupamento através da formação específica e da partilha de experiências; a consolidação da articulação horizontal e vertical no Agrupamento; a implementação do Contrato de Autonomia. 3. A missão O AEMT assume como princípio primeiro a prestação de um serviço público de referência na formação de cidadãos europeus e do mundo, dotados dos valores estruturantes de qualquer sociedade moderna e democrática e das necessárias competências para o êxito no prosseguimento de estudos e/ou para um desempenho profissional consonante com as exigências do amplo e complexo mundo de trabalho. 4. A oferta formativa Pré-escolar Ensino Básico 1.º Ciclo Currículo Nacional Oferta complementar: Inglês. Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC): Francês, Atividade Desportiva, TIC, Ciências Experimentais, Leitura e Escrita Criativa, Educação para a Cidadania, A Escola e o Meio, Artes Perfomativas. 2.º Ciclo Currículo Nacional Oferta complementar: Francês. 3.ºCiclo Currículo Nacional Oferta complementar: Apoio às Disciplinas com Avaliação Externa (ADAE). Línguas estrangeiras: Espanhol, Francês, Inglês. Oferta de escola: Educação Tecnológica (7.º e 8.º anos). PIEF Desporto (2.º/3.º ciclos). Ensino Articulado de Dança, em colaboração com o Conservatório de Música e Dança de Bragança. Ensino secundário - Currículo Nacional Ciências e Tecnologias. Línguas e Humanidades. Oferta Complementar Apoio ao Estudo Pág. 6/39

7 Ensino profissionalizante Ensino Vocacional a implementar Ensino de Educação e Formação de Adultos Formação em Competências Básicas 5. O diagnóstico Os referentes primordialmente considerados no diagnóstico da organização dizem respeito à EBSMT, uma vez que em relação ao AEMT só existem dados relativos ao ano letivo 2012/2013. Contudo, com base nestes últimos dados, naqueles anteriores e considerando a similitude contextual, é possível traçar o diagnóstico preliminar do AEMT O contexto socioeconómico de origem dos alunos/índices de escolarização dos Pais/Encarregados de Educação Os alunos do AEMT são oriundos do meio urbano e rural. No que diz respeito à situação face ao emprego, 6% dos pais e 8% das mães dos alunos estão desempregados. Neste âmbito, 18% dos pais e 10% das mães registam uma situação desconhecida face ao emprego. Assim, 76% dos pais e 82% das mães têm emprego. No AEMT, em 758 alunos, estão abrangidos pela Ação Social Escolar 109 alunos. As habilitações literárias dos pais e das mães dos alunos apresentam a seguinte distribuição, de acordo com os diferentes níveis académicos: Habilitações literárias Pais dos alunos Mães dos alunos Ensino Superior Ensino Secundário Ensino Básico 3º Ciclo Ensino Básico 2º Ciclo Ensino Básico 1º Ciclo Sem habilitações/habilitações desconhecidas 26% 40% 24% 22% 15% 15% 16% 12% 13% 8% 6% 3% 5.2. Resultados da avaliação externa e da autoavaliação da organização A avaliação externa, realizada, na Escola Básica e Secundária Miguel Torga, em 2011, reconheceu: Pontos fortes da instituição: (1) a interação com a comunidade local; (2) a oferta formativa ajustada às necessidades da comunidade local; (3) as dinâmicas de socialização e de elevação da autoestima dos alunos; (4) a diversidade de projetos e parcerias com instituições locais. Áreas de melhoria:(1) os resultados escolares; (2) as taxas de anulação de matrícula nos cursos profissionais; (3) o processo de acompanhamento e supervisão Pág. 7/39

8 da prática letiva em sala de aula; (4) a aferição dos critérios de avaliação interna e a calibragem dos instrumentos de avaliação; (5) a valorização das lideranças intermédias e a participação do pessoal docente e não docente; (6) os circuitos de informação e comunicação interna e externa; (7) o processo de autoavaliação da escola. Processo de Autoavaliação Do processo de autoavaliação da Escola Básica e Secundária Miguel Torga, em 2012 resultou a média final de 64,6 pontos, indicador positivo considerando que corresponde a uma fase inicial de implementação de um processo rigoroso de autoavaliação e que permite destacar progressos consideráveis e sustentáveis, de acordo com os critérios do modelo selecionado (CAF Educação). A aplicação do modelo CAF Educação, ampliada a todo o Agrupamento, é enriquecida com nova parceria estabelecida. O AEMT é uma das sete instituições escolares de ensino público selecionadas no Projeto de Avaliação em Rede (PAR), iniciado em 2014 e por um período de dois anos, beneficiando de formação inicial no projeto e do acompanhamento de um amigo crítico com formação especializada em autoavaliação da Associação PAR, Universidade do Minho, assim como da partilha de documentos e de experiências das escolas e agrupamentos ligadas ao PAR Resultados escolares dos alunos Em termos de sucesso global, as taxas de transição estão em consonância com os objetivos definidos no Projeto Educativo da ESMT e contratualizados no programa Educação 2015, à exceção do 12.º ano de escolaridade, que exige uma intervenção mais eficaz no sentido de uma melhoria sustentada dos resultados (quadros 1 e 2). Taxas de transição Taxas de transição dos alunos BÁSICO 2009/ / / º - 94% 8.º - 85% 9.º - 100% 7.º - 100% 8.º - 100% 9.º - 98% 7.º - 86% 8.º - 100% 9.º - 88% Média 93 % 99% 92% Quadro 1 Taxas de transição no triénio Taxas de transição dos alunos 2009/ / /2012 SECUNDÁRIO 10.º - 94% 11.º - 89% 12.º - 56% 10.º - 69% 11.º - 95% 12.º - 55% 10.º - 100% 11.º - 100% 12.º - 62% Média 79% 73% 87% Quadro 2 Taxas de transição no triénio Avaliação externa no ensino básico O histórico, no ensino básico regular, designadamente na avaliação externa, mostra que as classificações têm sido comummente superiores à média nacional (quadro 3). Pág. 8/39

9 Ano letivo Língua portuguesa 9.ºano Matemática 9.ºano Média Média Média Média Nacional EBSMT Nacional EBSMT % 57% 51% 47% % 57% 43% 52% % 61% 54% 61% Quadro 3 Resultados dos exames no 9º ano de escolaridade Avaliação externa ensino secundário No 11.º ano de escolaridade, as classificações obtidas, na avaliação externa, são inferiores à média nacional (quadros 4 e 5). 11.º ano de escolaridade Ano Física e Química A 11.º Biologia e Geologia 11.º letivo Nacional EBSMT Nacional EBSMT ,5 7,0 9,9 7, ,5 8, , ,1 6,7 9,8 9,1 Quadro 4 Resultados dos exames no 11.º ano de escolaridade Ano letivo Geografia 11.º MACS 11.º Nacional EBSMT Nacional EBSMT ,0 10,8 10,1 10, ,3 9,4 11,3 8, ,7 7,8 10,6 9,4 Quadro 5 Resultados dos exames no 11.º ano de escolaridade 12.º ano de escolaridade No 12.º ano de escolaridade, as classificações obtidas nas disciplinas de Português e História, na avaliação externa, são próximas ou ligeiramente superiores à média nacional. As classificações de Matemática são inferiores à média nacional (quadro 6). Ano letivo PORTUGUÊS 12.º MATEMÁTICA 12.º HISTÓRIA 12.º Média Naciona l Média EBSMT Pág. 9/39 Média Nacional Média EBSMT Média Nacional Média EBSMT ,0 11,1 12,2 11,4 11,9 11, ,7 9,6 10,6 8,1 10,5 11, ,4 11,6 10,4 8,2 11,8 11,7 Quadro 6 Resultados dos exames no 12.º ano de escolaridade

10 Percursos Alternativos Nos percursos alternativos ao ensino regular, as taxas de conclusão são elevadas, embora haja necessidade de diminuir a taxa de abandono escolar. Agrupamento de Escolas Miguel Torga 2012/13 No ano letivo 2012/13, ano da constituição do Agrupamento, os resultados foram os seguintes: Taxas de transição Ciclos 1.º ciclo 2.ºciclo 3.º ciclo Secundário Taxas de transição dos alunos 1.º- 100% 2.º - 95% 3.º -96% 4.º - 100% 5.º - 93% 6.º - 92% 7.º - 81% 8.º - 87% 9.º - 83% 10.º- 83,3% 11.º- 87,2% 12.º- 60% Média 98% 93% 84% 79% Quadro 7 Taxas de transição no ano letivo 2013/14 Avaliação externa 9.º ano Ano letivo Língua portuguesa Matemática Média Média Média Média Nacional EBSMT Nacional EBSMT 9º ano 48% 57% 44% 49% Quadro 8 Resultados dos exames no 9.º ano de escolaridade Avaliação externa 11.º ano Física e Química A Biologia e Geologia Nacional EBSMT Nacional EBSMT 11.º ano 8,1 7,7 8,4 8,2 Quadro 9 Resultados dos exames no 11.º ano de escolaridade Geografia MACS Nacional EBSMT Nacional EBSMT 11.º ano 9,8 8,8 9,9 8,0 Quadro 10 Resultados dos exames no 11.º ano de escolaridade Avaliação externa 12.º ano 12.º ano PORTUGUÊS MATEMÁTICA HISTÓRIA Média Nacional Média EBSMT Média Nacional Média EBSMT Média Nacional Média EBSMT 9,8 9,4 9,7 9,2 10,6 9,0 Quadro 11 Resultados dos exames no 12.º ano de escolaridade Pág. 10/39

11 6. O enquadramento da ação futura 6.1. Os objetivos gerais 1. Assegurar a coesão organizacional do AEMT, garantindo as condições necessárias à implementação do Projeto Educativo da instituição, cimentado na colaboração e cooperação dos docentes, não docentes, dos discentes e encarregados de educação; 2. Alicerçar o sucesso escolar dos alunos através de uma articulação vertical/horizontal substantiva ao longo dos ciclos de escolaridade; 3. Manter uma ação responsiva aos imperativos educativos, socioecónomicos e culturais específicos das comunidades que serve; 4. Garantir a inclusão de alunos, nomeadamente dos alunos com necessidades educativas especiais; 5. Intervir de forma coerente e sustentada na formação/educação dos membros da organização, nomeadamente em articulação com o CFAE Bragança Norte; 6. Implementar/aprofundar mecanismos promotores de conhecimento e de autorregulação consonantes com os resultados pretendidos; 7. Participar em projetos, programas nacionais e/ou internacionais; 8. Promover a segurança nas escolas do Agrupamento; 9. Promover a Qualidade no Agrupamento; 10. Implementar o contrato de autonomia; 6.2. As metas 1. Atingir ou aproximar o abandono de 0% na escolaridade obrigatória; 2. Aumentar a taxa global de sucesso escolar entre 0,1% e 0,5%, em relação ao observado em 2013 e de acordo com o perfil da turma, entendendo-se por taxa global de sucesso escolar a taxa de rendimento escolar dos alunos que frequentaram pelo menos metade do ano letivo no AEMT; 3. Melhorar os resultados da avaliação externa nas disciplinas cuja média se situa abaixo da média nacional; 4. Melhorar ou manter os resultados da avaliação externa nas disciplinas cuja média se situa acima da média nacional; 5. Reduzir em, pelo menos, 0,1% por ano a discrepância entre os resultados da avaliação interna e externa; 6. Aumentar o nível de participação dos membros da comunidade educativa na vida do Agrupamento; 7. Aumentar a prática de supervisão dos membros das estruturas intermédias no sentido de consolidar uma dinâmica de aprendizagem e desenvolvimento profissional em colaboração; 8. Elevar o grau de satisfação dos utentes em relação aos diferentes serviços prestados; 9. Implementar um plano interno de formação/atualização do corpo docente e não docente, tendo em conta as necessidades diagnosticadas; 10. Aumentar a participação da comunidade em projetos/programas/parcerias nacionais e/ou internacionais; 11. Promover a segurança no Agrupamento; 12. Obter uma avaliação de Muito Bom na avaliação externa; 13. Assinar o Contrato de Autonomia durante o quadriénio; 14. Propor uma oferta formativa que vá ao encontro das expetativas da comunidade. Pág. 11/39

12 7. O plano de ação estratégica No presente, colocam-se desafios que exigem uma dinâmica renovada no sentido de continuar a afirmar esta instituição na qualidade do serviço que presta às comunidades que serve, nomeadamente: o combate à diminuição de alunos e ao abandono escolar, a melhoria dos resultados escolares dos alunos, a vivência de facto da articulação curricular ao longo dos ciclos, a motivação e a formação contínua da comunidade escolar, o reforço das relações com outras entidades e a conquista da autonomia preconizada nos normativos externos e assumida pela tutela. Assim, preconiza-se uma praxis harmonizada, convergente, informada e refletida, potenciando os recursos mobilizáveis, numa gestão organizacional eficiente. Estratégias Tendo em conta os objetivos e as metas estabelecidas, desenvolver-se-ão, nomeadamente, as seguintes estratégias: 1. Oferta de disciplinas complementares ao Currículo Nacional; 2. Oferta, nos horários dos alunos e dos docentes, de horas para Apoio ao Estudo nas disciplinas com avaliação externa; 3. Oferta de outra língua estrangeira no 2.º ciclo Francês; 4. Projeto Organização e gestão do 1.º ciclo ; 5. Realização dos Testes Intermédios; 6. Definição de adequações relativas ao processo ensino- aprendizagem, para responder às necessidades educativas especiais permanentes dos alunos; 7. Generalização da metodologia usada nos testes intermédios e nos exames (critérios, cotação, correção adaptada a cada ano de escolaridade); 8. Manutenção dos conselhos de turma durante o ciclo de ensino; 9. Análise/ reflexão sobre resultados escolares em grupo/departamento/órgãos; 10. Monitorização dos vários projetos implementados; 11. Redefinição das estratégias em função dos resultados obtidos; 12. Promoção da leitura e da literacia através de atividades/projetos ligados a esta área; 13. Participação da comunidade no processo de autoavaliação; 14. Participação em projetos/programas que permitam inovar e que sejam potenciadores de aprendizagens; 15. Realização de reuniões de grupo/departamento/ciclo/níveis, tendo em vista a articulação efetiva no Agrupamento; 16. Atribuição de 2 horas comuns, nos horários dos docentes de cada grupo, para trabalho conjunto; 17. Promoção da partilha de recursos entre as escolas do agrupamento; 18. Disponibilização, na página Web do agrupamento, de toda a informação relevante para a comunidade; 19. Aferição da qualidade do serviço prestado; 20. Rentabilização das TIC como meio de comunicação e de aprendizagem entre os membros da comunidade educativa; 21. Auscultação da comunidade, tendo em vista a proposta da oferta formativa; 22. Promoção de parcerias nacionais e internacionais; 23. Construção partilhada do Contrato de Autonomia. Pág. 12/39

13 7.1. O organograma A associação de pais A APAMT- Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do AEMT é uma instituição sem fins lucrativos, que tem como missão: Representar os pais e encarregados de educação junto da Direção e de outros órgãos do Agrupamento. Zelar pelos interesses morais e educacionais dos alunos. Avaliar e denunciar as situações lesivas dos interesses dos alunos, bem como contribuir para a sua resolução. Fomentar atividades de caráter pedagógico, formativo, cultural, científico, social, desportivo e outras. A associação de estudantes A associação de Estudantes do AEMT é uma instituição sem fins lucrativos, que tem como missão: - Representar os alunos junto da Direção e de outros órgãos do Agrupamento; - Fomentar atividades de caráter pedagógico, formativo, cultural, científico, social, desportivo e outras; - Zelar pelos interesses e bem-estar dos alunos bem como denunciar as situações lesivas dos interesses dos alunos e contribuir para a sua resolução A concretização/ gestão do currículo O AEMT assume a autonomia conferida genericamente e/ou contratualizada com o Ministério de Educação e Ciência no que respeita ao currículo, no sentido de facilitar a consecução das metas estabelecidas. Neste domínio, pondera regularmente a implementação de metodologias construídas a partir da atualização científica do corpo docente, mas também da sua experiência refletida, da partilha de boas práticas individuais e de grupo, da colaboração organizada internamente, da aprendizagem em rede e do benchlearning Pág. 13/39

14 como processo ativo de apoio ao conhecimento e à inovação através das práticas de sucesso de outras organizações similares, ou não, nacionais ou estrangeiras. Educação Pré-escolar A Educação Pré-Escolar é primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida, sendo complementar à ação educativa da família, com a qual deve estabelecer estreita relação, favorecendo a formação e desenvolvimento equilibrado da criança, tendo em vista a sua plena inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário. O desenvolvimento curricular na educação pré-escolar é da responsabilidade do educador. Este deve prever e organizar um tempo simultaneamente estruturado e flexível em que os diferentes momentos tenham sentido para as crianças, com a finalidade de proporcionar processos de desenvolvimento e de aprendizagem pensados e organizados, numa abordagem integrada e globalizante das diferentes áreas de conteúdo. Enquanto quadro de referência deve o educador ter em conta: -Os objetivos gerais enunciados na Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar; - As áreas de conteúdo definidas nas Orientações Curriculares para a Educação Pré- Escolar; - Metas de Aprendizagem para a Educação Pré-Escolar; Uma educação de qualidade preconiza a continuidade educativa como condição de base para a sua efetivação. Assim pretendemos uma educação pré-escolar que conduza ao sucesso das nossas crianças, contribuindo para um desenvolvimento adequado das competências fundamentais para a continuidade do seu percurso educativo, nomeadamente na articulação gradual das expressões físicas e artísticas. 1.º ciclo No âmbito do 1.º ciclo, a articulação efetiva, aprovada em Conselho Geral, encontra-se, nomeadamente, na distribuição de disciplinas curriculares a docentes do Agrupamento com formação específica nas áreas a lecionar. Assim, os docentes do grupo 110 (1.º ciclo) lecionam as disciplinas de Português, Matemática e Estudo do Meio e coadjuvam no Apoio ao Estudo, nas Expressões Fisico-Motoras e Artísticas que estão atribuídas a docentes do 3.º ciclo e secundário com formação para as referidas disciplinas. Paralelamente, as Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) deste nível de ensino estão pensadas de forma a oferecer aos alunos uma complementaridade na sua formação, desenvolvendo competências extra curriculares que os auxiliem na preparação para o futuro: No ano letivo de 2013/14, foram oferecidas: - Francês; - Ciências Experimentais; - Educação para a Cidadania; - A Escola e o Meio; - TIC; - A Leitura e as TIC; - Artes Perfomativas. As AEC são desenvolvidas por docentes do Agrupamento com formação nestas áreas. 2.º e 3.º ciclos Para além das disciplinas que integram o currículo nacional, o AEMT oferece: - 2.º ciclo- como Oferta Complementar, a disciplina de Francês, promovendo o contacto dos alunos com uma segunda língua estrangeira desde o 5.º ano e o Apoio ao Estudo direcionado para as disciplinas com exame nacional e para a formação cívica; Pág. 14/39

15 -3.º ciclo - a disciplina de Educação Tecnológica nos 7.º e 8.º anos, como Oferta de Escola, e o Apoio às Disciplinas com Avaliação Externa (ADAE), permitindo um reforço nas diciplinas com exame no 9.º ano de escolaridade; Ensino secundário No secundário, o Apoio ao Estudo, nas disciplinas com exames nacionais, é integrado nos horários dos alunos e dos professores, reforçando o tempo de cada disciplina e permitindo ao professor um maior acompanhamento dos alunos com a realização, nomeadamente, de exercícios preparativos para os exames. Na transversalidade, reforça-se a educação para a saúde, para a educação sexual, para a cidadania, para as literacias e para o bem-estar coletivo. Medidas de promoção do sucesso escolar Como medidas de promoção do sucesso escolar, o AEMT implementa, desde o ano letivo de 2013/14, uma série de estratégias que visam, essencialmente, o apoio, o reforço e o acompanhamento mais individualizado dos alunos: - Apoio ao Estudo, no 1.º ciclo: Efetuado por docentes dos grupos 110, 300 e 500, tendo por objetivo apoiar os alunos na criação de métodos de estudo e de trabalho e visando prioritariamente o reforço do apoio nas disciplinas de Português e de Matemática; - Reforço das medidas de Apoio ao Estudo no 1.º ciclo: A ser realizado por docentes dos grupos 110, 300 e 500 em coadjuvação com a docente do 1.º CEB titular da turma que garantam um acompanhamento eficaz do aluno face às dificuldades detetadas. - Acompanhamento extraordinário dos alunos no 1.º e 2.º ciclo: A ser realizado no âmbito da preparação para os exames; - Acompanhamento específico a alunos do 2.º e 3.º ciclo: A ser realizado no Apoio ao Estudo e na Oferta Complementar, nomeadamente aos alunos que progridam com classificação final inferior a 3 a Português e/ou a Matemática no ano escolar anterior. - Medidas de Apoio ao Estudo no Secundário com vista à Melhoria da CE: Horas de cumprimento obrigatório, colocadas nos horários dos docentes e das turmas, nas disciplinas do secundário com avaliação externa. Visam garantir um acompanhamento eficaz do aluno pelo professor face às dificuldades detetadas e orientar para a satisfação de necessidades específicas e para a preparação dos exames, devendo o professor, nomeadamente, trabalhar com os alunos os tipos de pergunta de exame e a resposta a dar em cada item que cumpra o nível de exigência dos critérios de classificação específicos emanados pelo IAVE; - Constituição temporária de grupos de homogeneidade: A ser realizada por indicação dos Conselhos de Turma, em disciplinas estruturantes; Pág. 15/39

16 - Coadjuvação em sala de aula: A ser realizada por indicação dos Conselhos de Turma; Agrupamento de Escolas Miguel Torga As estratégias de concretização e desenvolvimento do currículo são, nos termos do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, objeto de planos de atividades ( ) adaptados às características das turmas ( ) a desenvolver pelos professores titulares das turmas, em articulação com o conselho de docentes, ou pelo conselho de turma, consoante os ciclos. Aulas Previstas = Aulas dadas O projeto Aulas previstas = Aulas dadas visa assegurar a ocupação dos alunos durante o seu horário letivo, nomeadamente na situação de ausência temporária de um docente titular da disciplina e Criar ou favorecer mecanismos de programação e planeamento das atividades educativas que, de forma flexível e adequada, proporcionem o aproveitamento dos tempos escolares dos alunos do ensino básico e do ensino secundário, com prioridade para o cumprimento do currículo e dos programas de cada disciplina/área. - Despacho normativo n.º 7/2013, de 10 de junho. Assim, estão contempladas, neste projeto, as permutas entre docentes do mesmo conselho de turma/mesmo grupo ou a alteração temporária de horários, para que o aproveitamento dos tempos escolares e os programas de cada disciplina sejam cumpridos. Plano de atividades da turma No AEMT os planos de atividades da turma obedecem ao seguinte referencial e formato: Plano de atividades da turma (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho) Objetivos do Plano de Atividades da Turma Caracterização da turma: Proveniência dos alunos Distribuição dos alunos por idades; Histórico escolar próximo; Habilitações e S. Profissional dos Pais/contexto socioeconómico; Pontos fortes da turma; Pontos fracos; Identificação das necessidades educativas de cada aluno; Resultados anteriores; Dificuldades individuais de superação; Medidas/estratégias definidas para melhoria de resultados. Identificação dos ritmos de aprendizagem dos alunos Planificação da ação educativa de acordo com o currículo nacional, as opções da escola e o ponto de partida dos alunos Apoio ao estudo. Articulação disciplinar. Projetos/atividades de enriquecimento curricular. Processo de avaliação dos alunos. Ajustamento estratégico do PAT - Planos de Acompanhamento Pedagógico. Avaliação do PAT Os recursos humanos O AEMT convoca o diálogo no seio da comunidade, a nível externo e interno, implicando as pessoas numa ação criativa de complementaridade, para responder congruentemente aos imperativos educativos e sociais. Pág. 16/39

17 Neste sentido, as decisões são tomadas ouvindo os órgãos representativos do agrupamento, auscultando-os através de reuniões de grupo/departamento/órgãos onde os assuntos são analisados, debatidos e de onde emanam sugestões, contributos e orientações para a melhoria do funcionamento. Os processos e as estratégias implementadas são alvo de monitorização, servindo de análise e de avaliação à prática educativa do agrupamento, e a realização de inquéritos permite ter o feed-back dos vários intervenientes (alunos, pais/encarregados de educação, professores e funcionários) sobre as opções tomadas. Como forma de tornar mais eficaz e mais célere a comunicação interna e externa, a utilização do é o meio mais utilizado para a divulgação das informações a toda a comunidade educativa, não deixando, todavia, os métodos tradicionais. A página do Agrupamento tem, também, um papel fundamental na divulgação da informação necessária à comunidade. O Agrupamento aposta, ainda, na generalização da utilização de uma plataforma eletrónica como a Moodle. Os assistentes operacionais A ação desenvolvida por estes profissionais, em relação aos alunos, aos pais e encarregados de educação, aos professores e aos restantes membros da comunidade alargada, pauta-se por princípios de evidente mérito: profissionalismo, sentido de missão, discrição, disponibilidade, cooperação e simpatia. Este grupo profissional, portador de um variado leque de habilitações académicas, que vão até ao grau de licenciado, é ainda dotado de formação específica/complementar em vários domínios (anexo 1) Os assistentes técnicos O suporte administrativo é assegurado por uma equipa de técnicos com habilitações diversificadas que vão até ao grau de licenciado e é dotado de formação específica, nomeadamente na área das TIC (anexo 1). Na colaboração com instituições estrangeiras, designadamente no reconhecimento de equivalência de habilitações de alunos que concluem a sua escolaridade em escolas estrangeiras, o AEMT foi agraciado com um reconhecimento escrito pela direção da ACEP Fénelon, Paris, em função do bom atendimento e do trabalho realizado. Os professores O corpo docente do AEMT colabora na reconceptualização da escola/educação em função de princípios de eficácia e de qualidade inerentes a organizações aprendentes que se desenvolvem a partir de si mesmas, das boas práticas das suas congéneres, das dinâmicas das comunidades em que se inserem e de uma globalização determinante de reptos, nem sempre explícitos, que, quer na sua vertente positiva, quer na negatividade que lhe é intrínseca, força os sistemas educativos a adaptações céleres e constantes. Nesta perspetiva, o papel, definitivamente alterado e muito mais exigente, do professor, requer uma gestão refletida e equilibrada por parte do próprio e por parte da liderança dos estabelecimentos de ensino. No âmbito do desenvolvimento profissional, o corpo docente do AEMT vem acrescentando à sua formação inicial uma formação académica especializada e contínua que lhe permite assegurar um desempenho de qualidade consonante com os objetivos e as metas do Agrupamento. De entre as muitas áreas do conhecimento, o corpo docente privilegiou a formação que confere graus académicos, pós-graduada, especializada e contínua, constante no anexo 1. Pág. 17/39

18 7.4. Os serviços de apoio e os espaços/ equipamentos educativos Gabinete de Apoio ao Aluno (GAA) No AEMT, o serviço de psicologia e orientação é assegurado por um psicólogo que trabalha em articulação, nomeadamente, com a equipa de Educação Especial existente no Agrupamento. O Gabinete de Apoio ao Aluno é um serviço especializado, assegurado pelos docentes do Educação Especial cuja atividade é, nos termos legais, orientada para os alunos com necessidades educativas especiais (NEE). O gabinete de Saúde Escolar O projeto da saúde escolar resulta do trabalho de uma equipa multidisciplinar, que integra representantes, tanto da área da educação como da área da saúde. Deste modo é possível conceber um Projeto de Educação para a Saúde com linguagens e interesses comuns, sustentado e articulado, sendo, também, o principal motor do programa Educação Sexual. Esta metodologia permite estabelecer uma situação de compromisso e corresponsabilização em que serviços de educação e de saúde desenvolvem um plano de ação conjunto. Há que conciliar esforços e articular intenções. Pretende-se criar um Agrupamento de referência em termos de Educação para a Saúde, um autêntico Agrupamento promotor de saúde. Neste contexto, propõe-se uma abordagem pedagógica sistemática de temas ligados à saúde em contexto curricular, promovendo a responsabilidade individual e comunitária no que concerne à saúde e desenvolvendo nos alunos competências que lhes permitam tomar decisões conscientes e informadas, fazer opções responsáveis e adotar estilos de vida saudáveis. É também indispensável providenciar, nos diversos estabelecimentos de ensino, ambientes seguros e saudáveis, disponibilizar ofertas equilibradas e, ainda, facilitar o desenvolvimento de relações humanas saudáveis entre os diversos agentes da comunidade educativa. Este Projeto de Educação para a Saúde, enquanto instrumento de trabalho integrador das preocupações da escola e da comunidade, incorpora todas as atividades educativas que concorrem para a promoção e educação para a saúde, as estratégias adotadas permitirão, assim, criar sinergias com o ambiente social, assegurar respostas adequadas às necessidades e aos problemas diagnosticados, através do desenvolvimento do currículo de educação para a saúde fomentando, neste sentido, a participação de parceiros técnicos e dos outros setores da comunidade no desenvolvimento dos princípios das escolas promotoras da saúde. O apoio social aos alunos e às famílias Educação Pré-Escolar A Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar (Lei nº5/97, de 10 de fevereiro) consigna os objetivos da educação pré-escolar e prevê que para além dos períodos específicos para o desenvolvimento das atividades pedagógicas, existam atividades educativas de animação e de apoio às famílias tendo em conta as necessidades destas. Assim assegura-se a permanência das crianças, na instituição a partir das 8:00 h. e até às 19:00 h., incluindo serviço de almoço, sempre que a necessidade das famílias o justifique. As famílias podem requerer o prolongamento da manhã (8:00h às 9:00h), o da tarde (das 16:00h às 19:00h) e o serviço de almoço, conforme as suas necessidades, usufruindo dos três momentos, só de dois ou apenas um. A criação do AEMT permitiu que o serviço de almoço, para o Centro Escolar de Santa Maria, fosse, através da celebração de um protocolo com a Câmara Municipal, da responsabilidade do Agrupamento que confeciona esta refeição na cantina. Optouse por não deslocar os alunos para o espaço da cantina, na escola sede, por serem muito pequenos, por isso, a refeição é transportada para o refeitório do Centro Escolar Pág. 18/39

19 de Santa Maria, dentro das condições adequadas a este tipo de transporte. 1.º Ciclo No 1.º ciclo, o apoio social destina-se a todos os alunos inseridos em agregados familiares cuja situação económica determina a necessidade de comparticipação financeira: distribuição diária e gratuita de Leite Escolar; fornecimento, em refeitório escolar, de uma alimentação equilibrada e adequada às necessidades da população escolar, seguindo os princípios dietéticos preconizados pelas normas de alimentação definidas pelo Ministério da Educação e Ciência e com observância das normas gerais de higiene e segurança alimentar e o apoio às famílias nas deslocações dos seus filhos para a escola. Para alunos inseridos em agregados familiares cuja situação económica determina a necessidade de comparticipações, existe, ainda, uma comparticipação total ou parcial para: refeições com isenção ou redução de 50% do custo da refeição escolar, suplemento alimentar e manuais escolares conforme lhes tenha sido atribuído o escalão 1 ou 2. Também neste ciclo, a existência do AEMT permitiu que o serviço de almoço, para o Centro Escolar de Santa Maria, fosse, através da celebração de um protocolo com a Câmara Municipal, da responsabilidade do agrupamento que confeciona esta refeição na cantina. Os alunos deslocam-se, pelo interior do espaço do agrupamento, para a cantina, na escola sede, onde, com horário diferenciado, podem almoçar em boas condições. Completando os apoios sociais, o AEMT oferece o prolongamento de horário no 1.º ciclo, (8:00h às 9:00h e 17:30h às 19:00h) com atividades desenvolvidas, gratuitamente, por docentes do Agrupamento, indo, desta forma, ao encontro das necessidades das famílias e possibilitando a participação em clubes e outras atividades que estão de acordo com o nível e o interesse dos alunos. 2.º Ciclo 3.º Ciclo Secundário Os alunos do 2.º e 3.ºciclos e do ensino secundário beneficiam da ação social escolar, de acordo com a situação económica das famílias e das medidas de apoio que o agrupamento define, em termos alimentares, nomeadamente a oferta do leite e da fruta grátis. No 2.º ciclo do ensino básico, levando em linha de conta as características dos alunos deste nível etário e a ocupação das famílias, além dos apoios económicos e alimentares referidos para os outros ciclos, a escola oferece um leque variado de atividades (cf. Projetos e Atividades) de índole curricular e extracurricular, destinadas a assegurar a ocupação dos alunos até às 17:15 horas, de segunda a sexta-feira. As bibliotecas escolares O Plano de desenvolvimento das BE acompanha, em termos de ação estratégica, o Projeto Educativo do Agrupamento, sendo a biblioteca encarada como recurso fundamental no desenvolvimento do gosto pela leitura e das novas literacias. A biblioteca escolar assume claramente a sua vocação de espaço agregador de conhecimentos e recursos diversificados, uma estrutura atuante e um serviço implicado na mudança das práticas educativas, no suporte às aprendizagens, no apoio ao currículo, no desenvolvimento da literacia da informação, tecnológica e digital, na formação de leitores críticos e na construção da cidadania. O AEMT possui 2 bibliotecas escolares integradas na Rede de Bibliotecas Escolares, servindo as suas 4 escolas e todos os níveis de ensino: a biblioteca sedeada na EBSMT e a da Escola Básica de Santa Maria. A equipa das bibliotecas escolares do AE, sob coordenação de um professor bibliotecário, integra docentes dos vários níveis de ensino e de áreas disciplinares diversificadas, no sentido de promover uma integração plural e transversal dos recursos nas práticas curriculares e culturais, firmando boas práticas colaborativas e Pág. 19/39

20 mantendo a preocupação de desenvolver as múltiplas literacias necessárias numa escola do século XXI. A BE da EBSMT conta ainda com uma Assistente Operacional a tempo inteiro, cuja formação tem sido orientada no sentido de se especializar nas áreas do tratamento técnico documental, competências informáticas e o atendimento ao público em bibliotecas. Praticam, as bibliotecas escolares do AE, uma efetiva forma de trabalhar em rede, internamente e a nível local (grupo concelhio de trabalho dos professores bibliotecários, no âmbito do SABE, e integração na RBB, Rede de Bibliotecas de Bragança, de que o AEMT é um dos parceiros fundadores) e bem assim a nível nacional (articulação com o Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares e a coordenadora interconcelhia). Pontos fortes das BE do AEMT Um dos pontos fortes da atuação das BE tem sido a disponibilização dos espaços e serviços de biblioteca a tempo inteiro, acompanhando o horário das atividades escolares, em contínuo, e nas interrupções escolares, funcionando, ainda, como espaço de formação. Outro ponto forte é a presença em ambientes digitais variados (Página web; blogue; Facebook; marcadores sociais em Diigo; Moodle; Goodreads; Wikispaces), marcando assim a valência das competências digitais e informacionais atualizadas. Laboratórios No AEMT existem dois laboratórios bem equipados de Física e de Química com hotte, duas salas laboratoriais, adequadas às exigências do ensino das ciências Naturais, da Biologia e da Geologia, bem como salas anexas específicas para o apoio, o armazenamento e a preparação, conjunta, de materiais necessários. A rendibilização destes recursos visa o cumprimento dos programas das respetivas disciplinas, a motivação dos alunos para a aprendizagem das ciências e a consolidação do conhecimento em termos científicos. No sentido de promover precocemente a adesão dos alunos à aprendizagem das ciências e divulgar a atividade realizada para a comunidade local, os professores destas áreas curriculares implementam projetos específicos dirigidos aos alunos do 1.º ciclo e do ensino pré-escolar das escolas da cidade: Física e Química para todos e Ciência em ponto pequeno. Espaços desportivos O AEMT é dotado de instalações regulamentares para o ensino e aprendizagem da Educação Física e da prática desportiva, em diversas modalidades, disponíveis nos horários de treino e competição: três campos exteriores para a prática de futebol, basquete e voleibol, um campo de ténis, um pavilhão coberto com um ginásio e uma sala de ginástica que são utilizados pelos alunos da EBSMT e os do EBSM, com horário diferenciado para que os alunos do pré-escolar e do 1.º ciclo, acompanhados por docentes e por assistentes operacionais, possam usufruir destes espaços de forma regular e em segurança. O AEMT proporciona, aos seus alunos, a prática da Natação, na piscina municipal, e outras modalidades no âmbito do Desporto Escolar. Pág. 20/39

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA CONSELHO GERAL LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA 2015 O regime jurídico dos apoios concedidos pelo Estado no âmbito da

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Conselho Geral. Linhas orientadoras do planeamento e execução, pelo diretor, das atividades no domínio da ação social escolar para 2013/2014

Conselho Geral. Linhas orientadoras do planeamento e execução, pelo diretor, das atividades no domínio da ação social escolar para 2013/2014 Conselho Geral Linhas orientadoras do planeamento e execução, pelo diretor, das atividades no domínio da ação social escolar para 2013/2014 De acordo com a alínea i) do ponto 1 do artigo 13.º do decreto-lei

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Anabela Martins Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Sumário Nota prévia Objetivos da Saúde Escolar Literacia em saúde Eixo estratégicos Exemplos de Boas

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO Estabelecimentos de ensino EB2,3 de Fernando Pessoa EB1 com JI Infante D. Henrique EB1 com JI Adriano

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura Agrupamento de Escolas das Taipas Plano Nacional de Leitura 1. Estrutura organizacional Coordenador: Carlos Monteiro Grupo de Recrutamento: 300 Departamento: Línguas Composição do grupo de trabalho: docentes

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Famalicão Cidade Educadora Vila Nova de Famalicão, cidade educadora, aderente ao movimento das Cidades Educadoras,

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala 0 Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala Regulamento das Bibliotecas Escolares Centro de Recursos Educativos

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação 2012/2013 (adenda) A. Apoio ao desenvolvimento curricular Responsável

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais