Agrupamento de Escolas D. Maria II, Sintra Avaliação do PE - dados. Avaliação final do Projeto Educativo (PE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas D. Maria II, Sintra Avaliação do PE - dados. Avaliação final do Projeto Educativo (PE)"

Transcrição

1 Anexo Avaliação final do Projeto Educativo (PE) feito para a Escola Básica e Secundária de Gama Barros para o triénio e aplicado também às restantes escolas do agrupamento em 2012/13 DADOS OBTIDOS 1

2 Meta 1 Desenvolver a educação dos alunos para a cidadania e prepará-los para a vida ativa. Objetivos Estratégias Indicadores de medida Referências à temática cidadania nos PCT, PTT e atas, relatórios/registos dos vários cursos O1. Consolidar a cultura de escola vocacionada para a cidadania (2011/14) Considerar a educação para a cidadania uma temática transversal em todas as áreas curriculares/formativa s e atividades extracurriculares Uniformizar, na escola, as estratégias conducentes ao Referência à temática uniformização de regras de Fontes dos indicadores PCT, PTT, atas, relatórios/registos dos vários cursos Maria João Faria Helena Melo Rita Carreira Manuel Sanches Atas do primeiro conselho de turma Maria João Faria Avaliação A temática cidadania aparece referida, explicitamente, apenas numa turma de 10º ano. De uma forma implícita, o mesmo tema aparece associado aos objetivos de várias visitas de estudo e outras atividades realizadas, no entanto, esta contabilização é difícil de efetuar por se tornar bastante subjetiva. De forma sistemática, na área de Cidadania e Profissionalidade; nas restantes áreas, de forma pontual e não quantificável Todos os Planos de Turma 1ºCEB e ed pé -escolar referem a temática da cidadania, uma vez que foi trabalhada ao longo do ano letivo. A sua avaliação encontra-se nas atas de Conselhos de Ano. A temática não é referida explicitamente em qualquer turma, mas implicitamente verifica-se uma situação idêntica à do ano letivo anterior. A uniformização de regras de comportamento foi referida nas reuniões de pais 2

3 O2. Realizar, pelo menos, uma ação ou campanha de solidariedade social, por período O3. Realizar, pelo menos, uma ação de sensibilização para os valores da tolerância e da diferença, por período cumprimento das regras de comportamento estabelecidas no RI, responsabilizando PD, PND e alunos comportamento nas atas do primeiro conselho de turma Helena Melo A uniformização de regras de comportamento aparece referida nas atas dos CT iniciais em 7 turmas, num total de 22 turmas existentes no E.S.. efetuadas ao longo do ano letivo. A uniformização de regras de comportamento aparece referida em 4 das 20 turmas existentes. NOTA: Considerou-se como reuniões iniciais, o 1º conselho de turma de cada turma, que em alguns casos se realizou no início do ano letivo e na maior parte, no final do 1º período. Rita Carreira Quando necessário, embora raramente, atendendo à faixa etária dos alunos. Manuel Sanches Número de Relatório de execução - 4 do P. Eco-Escola. Ação trissemanal da Ecoações/campanhas final do PAA, - Eco-Lojinha de Lojinha de Solidariedade realizadas relatórios das ACC e Solidariedade Social Social, com regularidade PDE e atas de equipa - P. ESSES/BPASE cada vez menor Dinamizar ações ou pedagógica campanhas de Adérito Cunha solidariedade social. 13 ações/campanhas Dinamizar atividades Número de ações Relatório de execução que visem a realizadas final do PAA, sensibilização da relatórios das ACC e comunidade escolar PDE e atas de equipa para os valores da pedagógica diferença e do Adérito Cunha Dados inconclusivos respeito pelo outro 7 ações Manter o Quadro de Atribuição de Escola Diplomas de conclusão, sim 3

4 O4. Valorizar o sucesso dos alunos (2011/14) O5. Reduzir a ocorrência de situações de indisciplina (2011/14) O6. Realizar, pelo menos, uma ação de formação sobre a temática da indisciplina, por ano Excelência, atribuindo, no final do ano letivo, um prémio simbólico aos alunos que nele constem (ex.: diploma, entrada num museu, etc.) Divulgar, se possível, o trajeto académico e/ou profissional de antigos alunos Envolver os alunos, os pais/ee e os DT na definição das medidas a tomar face a situações de indisciplina Manter uma estreita articulação entre a Direção, a CAQD, os DT e os EE, de modo a resolver célere e eficazmente casos de indisciplina Promover ações de formação internas para PD e PND de modo a prevenir e a lidar com situações de indisciplina dentro e fora da sala de aula Promover ações de formação internas para os pais/ee a fim prémios/diplomas António Gouveia Prémios não Informação recolhida sobre o percurso académico e/ou profissional Publicitação da informação recolhida Ocorrências e medidas aplicadas Número de ações de formação realizadas Número de ações de formação realizadas Programa ENES e outras fontes António Fernandes Não realizado Escola Carmo Passos Não Não Relatórios da CAQD Ana Gama Plano de formação Maria João Faria Rosa Costa Nº de alunos- 215 Nº de presenças- ("Ordens de saída da sala de aula): ações (PD e PND) Nº de alunos-269 Nº de presenças - ("Ordens de saída da sala de aula): ocorrências 2,5% - coordenador de escola 8 ocorrências - 1%-para o diretor Não houve Sem monitor na EBSGB Direção António Gouveia 1 ação (APPIP) 2 ações (APPIP) 4

5 O7. Oferecer, pelo menos, cinco cursos profissionais e de educação e formação, por ano de prevenir e resolver situações problemáticas Adequar as ofertas formativas dos cursos do ensino não regular à realidade envolvente Consolidar parcerias e celebrar protocolos com a Junta de Freguesia do Cacém, CMS e outras instituições que viabilizem a realização de estágios profissionais Número de cursos oferecidos Número de parcerias consolidadas e protocolos celebrados e n.º de alunos colocados em FPCT Plano Curricular de Escola Carmo Passos e António Antunes Direção, DT e Mediadores de Cursos Elsa Barreto Rita Carreira CEF - 3 Profissionais 4 EFA 6 PPT 2 11 protocolos 6 parcerias consolidadas 31 alunos 14 protocolos 29 alunos CEF - 3 Profissionais 4 EFA 3 PPT 2 29 protocolos 12 parcerias consolidadas 86 alunos 5 protocolos Sem dados disponíveis Meta 2 Melhorar o sucesso escolar. Objetivos Estratégias Indicadores de medida O1. Definir metas Promover no seio do Existência de metas mensuráveis de grupo/departamento mensuráveis de sucesso escolar a aferição dos sucesso escolar nos processos departamentos conducentes à curriculares melhoria dos (2011/14) resultados escolares Fontes dos indicadores Documentos produzidos nos grupos Mónica Gutierres Ana Gama Ana Colaço Aldina Sousa Madalena Almeida Fernanda Silva Cláudia Cordeiro Maria João Faria Teresa Lopes Maria dos Anjos Avaliação Não foram definidas médias mensuráveis de sucesso escolar nos grupos: e 110 O grupo 520 assumiu como suas as metas do PEE. O grupo 500 assumiu como 5

6 O2. Melhorar as taxas de transição do ensino básico. alcançar, progressivamente, para o 7º ano os valores de 68% (2011/2012), 71% (2012/13) e 73% (2013/14) de alunos que transitam. alcançar, progressivamente, para o 8º ano os valores de 74% (2011/2012), 76% (2012/13) e 78% (2013/14) de alunos que transitam. alcançar, progressivamente, para o 9º ano os Promover, junto dos alunos, uma cultura de excelência e de valorização do trabalho Manter ou criar projetos/atividades que potenciem as aprendizagens dos alunos (PAM, GAE, sala de estudo, Em linha com o sucesso, visitas de estudo, etc.) Manter a atribuição dos apoios pedagógicos Taxa de transição dos alunos de 7º ano Taxa de transição dos alunos de 8º ano Taxa de transição dos alunos de 9º ano Rosário Cardoso João Pedro Rosado Zé Pedro Ribeiro António Neves Rui Correia Rosa Costa suas as metas do PEE. O grupo 510 assumiu como suas as metas do PEE Grupo 600- Fim do 3ºCEB: superior a 96% de sucesso ES não responde Grupo Acima dos 95% Grupo Foram definidas, mas não divulgadas 6 Fim do 3ºCEB: superior a 96% de sucesso 2ºCEB não responde ES não responde Acima dos 95% Foram definidas, mas não divulgadas Documento sobre o aproveitamento dos alunos do EB Manuel Sanches 72,8% Dados ainda não disponíveis Documento sobre o aproveitamento dos alunos do EB Manuel Sanches 72,5% Dados ainda não disponíveis Documento sobre o aproveitamento dos alunos do EB

7 valores de 82% (2011/2012), 83% (2012/13) e 84% (2013/14) de alunos que transitam O3. Melhorar os resultados dos exames do ensino básico. alcançar, progressivamente, nos resultados dos exames do 9º ano de Língua Portuguesa os valores de 62% (2011/2012), 63% (2012/13) e 64% (2013/14) de classificações positivas. alcançar, progressivamente, nos resultados dos exames do 9º ano de Matemática os valores de 40% (2011/2012), 41% (2012/13) e 42% (2013/14) de classificações positivas (acrescido e tutorial), dos apoios de recuperação e de acompanhamento Apoiar economicamente os alunos e as suas famílias, em articulação com o SASE Comparar os resultados académicos da nossa escola com os de outras escolas inseridas em meios socioeconómicos semelhantes Taxa de classificações positivas no exame de Língua Portuguesa do 9º ano Taxa de classificações positivas no exame de Matemática do 9º ano Manuel Sanches 80,7% Dados ainda não disponíveis Programa ENEB Rosa Costa Programa ENEB Maria dos Anjos Média nacional: 54% de níveis superiores ou iguais a 3 - Média Ex: 2,36 (nível) - Média Interna: 2,87 Dados ainda não disponíveis Dados ainda não disponíveis 7

8 O4. Estabelecer as taxas de transição para o ensino secundário O5. Melhorar os resultados dos exames do ensino secundário. alcançar, progressivamente, nos resultados dos exames de Português os valores de 58% (2011/2012), 59% (2012/13) e 60% (2013/14) de classificações positivas. alcançar, progressivamente, nos resultados dos exames de Matemática os valores de 53% (2011/2012),54% (2012/13) e 55% (2013/14) de Assegurar que o documento produzido pelo OQ, sobre o aproveitamento dos alunos do ES contemple também os valores relativos às taxas de transição Promover o envolvimento dos pais e EE no acompanhamento das atividades escolares dos seus educandos Aplicar os testes intermédios elaborados pelo GAVE (desde que considerada relevante pelo grupo disciplinar) Reforçar a utilização dos recursos da BE/CRE (fundo documental, guiões de pesquisa, etc.) e otimizar, nas práticas letivas e não letivas, as suas ofertas Existência de taxas de transição Taxa de classificações positivas no exame de Português do 12º ano Taxa de classificações positivas no exame de Matemática do 12º ano Documento sobre o aproveitamento dos alunos Helena Melo Não foram definidas Programa ENES Rosa Costa Programa ENES Maria dos Anjos Classificações superiores a 10 valores: 65%. 8

9 classificações positivas. melhorar os resultados obtidos nos exames nacionais das restantes disciplinas, de modo a aproximálos da média nacional ou a superar essa média Promover visitas de estudo que reforcem a aprendizagem de conteúdos programáticos leccionados na sala de aula Diferença entre as médias nacionais e as médias obtidas na escola Programa ENES Mónica Gutierres Ana Gama Aldina Lobo Teresa Lopes João Pedro Rosado Aldina Sousa Rosário Cardoso Madalena Almeida Maria dos Anjos Filosofia Média nacional: 8,9 valores; Média a nível de escola: 6,1; Alemão (Iniciação bienal) Média nacional: 10,2 valores Média da escola: 12,5. PLNM A2: Média a nível de escola: 17,2 Média Nacional: 17,2 valores PLNM B1: Média a nível de escola: 15,8 Média Nacional: 14,53 Biologia e Geologia Média a nível de escola: 9,24 Média Nacional: 9,83 GDA: -5,96 abaixo da média nacional Desenho A: +1,35 acima da média nacional Geografia A Média nacional - 11,3 Média de escola - 10,7 FQ, Média internos escola: 6,9 Média nacional: 8,1 valores Francês Média nacional: 12,1 Média de escola: 11,36 Matemática A - Média Nacional: 10,14 - Média a nível de escola: 9,77 MACS -Média Nacional: 10,52 À data sem informação disponível 9

10 O6. Manter os níveis de sucesso dos cursos profissionais, CEF e EFA Continuar a adotar a diversidade de metodologias que têm vindo a ser implementadas Taxa de sucesso António Neves Rosa Costa Ana Colaço MISI Luís Cordeiro Ana Aurora Colaço Filipa Macedo Média a nível de escola: 10,6 1º PTIG Matriculado em Set 2011: 23 alunos, dos quais - 3 alunos nunca comparecer - 1 aluno foi EF - 3 AM - 3 transferências Taxa de sucesso: - 4 alunos sem módulos em atraso - 3 alunos com menos de 4 módulos em atraso - 1 aluno com menos de 8 módulos em atraso - 3 alunos com mais de 8 módulos em atraso 2.º PTIG Matriculados em Set 2011: 14 alunos Taxa de sucesso: - 4 alunos sem módulos em atraso - 10 alunos com menos de 8 módulos em atraso- Pautas fim de período e pautas finais dos cursos CEF - e PTG (+pautas modulares) e EFA - Avaliação da FCT, resultados das PAF e das PAP - Avaliação do monitor e do tutor da FCT (EFA) PTAS 1º ano Matriculados em Set 2011: 20 alunos, dos 2.º PTIG Matriculados em Set 2012: 8 alunos Taxa de sucesso: - 4 alunos com menos de 4 módulos em atraso -1 aluno com menos de 8 módulos em atraso -3 alunos com mais de 8 módulos em atraso 3.º PTIG Matriculados em Set 2012: 14 alunos Taxa de sucesso: -10 alunos com possibilidades de concluir -4 alunos com muita dificuldade em concluir ainda este ano. -Todos os alunos se encontram em estágio 10 PTAS 1º ano Matriculados em Set 2012: 21 alunos, dos

11 O7. Diminuir a taxa de abandono escolar (2011/14). atingir, para o EB, valores iguais ou inferiores a 2%. atingir, para o ES, valores iguais Combater o absentismo dos alunos Taxa de abandono escolar do EB Taxa de abandono escolar do ES Júlio César Cláudia Vaz PRODESIS ou atas dos CT ou relatórios dos DT ou sinalizações feitas à CPCJ Manuel Sanches Maria João Faria Helena Melo quais: - 1 AM - 3 transferências Taxa de sucesso: -3 alunos sem módulos em atraso -10 alunos com de 8 módulos em atraso -3 alunos com + de 8 módulos em atraso quais: - 2AM - 3 transferências - 2 EF Taxa de sucesso: -3 alunos sem módulos em atraso -13 alunos com de 8 módulos em atraso -0 alunos com + de 8 módulos em atraso PTAS 2º ano Matriculados em Set 2012: 14 alunos - 2 AM - 0 transferências Taxa de sucesso: --2 alunos sem módulos em atraso -8 alunos com de 8 módulos em atraso -2 alunos com + de 8 módulos em atraso 11 5,7% 10º 11º 12º 6,8% 10,1% 0,8% 6 alunos nunca compareceram (+-1%) 10º 11º 12º 6,7% 8,6% 4,6%

12 ou inferiores a 10% O8. Garantir que, pelo menos, 25% dos alunos que frequentam, sob proposta e assiduamente, a sala de estudo tenham sucesso escolar na(s) disciplina(s) em causa, por ano O9. Garantir que, pelo menos, 20% dos alunos com NEE que frequentam assiduamente os APA tenham sucesso escolar na(s) disciplina(s) em causa, por ano Reforçar a orientação vocacional dos alunos Manter a sala de estudo Prestar APA aos alunos com NEE Número de alunos sujeitos a orientação vocacional Relação entre o número de alunos apoiados e a melhoria dos resultados escolares desses alunos na(s) disciplina(s) em causa Relação entre o número de alunos com NEE apoiados e a melhoria dos resultados escolares desses alunos na(s) disciplina(s) em causa Atas dos CT e relatórios Projeto K João Belo Relatórios dos professores que prestam apoios Sílvia Nogueira Teresa Madeira Relatórios dos professores que prestam apoios Raquel Palácios O10. Realizar Entregar Existência de materiais Dossiês existentes na 7º Ano - 77 % dos alunos que frequentaram assiduamente a SE transitaram Ensino Básico Disciplinas Nº alunos Nº alunos apoiados: 83 (11,4%) Nº apoiados retidos: 24 (29%) Nº alunos apoiados PLNM: 18 (2,5%) 5º ano - Universo de 60 alunos (10 por turma). Destes apenas 50 (83%) transitaram. 7º ano- 78 % dos alunos que frequentaram assiduamente a SE transitaram 12 % Sucess o Português Matemática 5 60 Francês 1 0 FQ Ensino Secundário Português 1 Inglês 1 Filosofia 2 MACS 1 HCA 1 Matemática A Sem dados disponíveis Alunos com NEE: 58 (8%) alunos nas Unidades: 16 (27,5% dos NEE) Alunos NEE retidos: 3 (7%, dos alunos sem Unidades)

13 atividades de substituição para, pelo menos 80% das turmas, nas situações de absentismo do PD por ano O11. Elaborar e viabilizar um plano de formação de PD da escola, por ano atempadamente as atividades de substituição Privilegiar as permutas como estratégia para evitar o absentismo do PD Promover a formação do PD com base nas necessidades diagnosticadas nos relatórios de autoavaliação e/ou inventariadas em CG, em articulação, sempre que possível, com o Centro de Formação Novafoco para atividades de substituição Relação entre turmas com absentismo do PD e o número de aulas de substituição realizadas Existência de um plano de formação viável sala de estudo e/ou impressos das permutas preenchidos nas reuniões dos CT no final de cada período letivo Carmo Passos Sim, têm todos Sim, têm todos Livros de ponto Carmo Passos Plano de formação Maria João Faria Rosa Costa A informação não foi recolhida por falta de instrumentos de registo 6 ações na escola Não cumprido Sem monitor na EBSGB Meta 3 - Reforçar uma dinâmica de escola que assegure uma cultura de cidadania e de sucesso. Objetivos Estratégias Indicadores de medida Potenciar as O1. Optimizar os estruturas de serviços e informação e de rentabilizar comunicação interna recursos que na escola promovam a Assegurar um bom Número de dinâmica da funcionamento das reclamações escola (2011/14) redes informáticas Fontes dos indicadores Registo de reclamações Avaliação Falta de meios de comunicação com o exterior A EB Cacém1 esteve todo o 13

14 O2. Melhorar o nível de satisfação do PD Criar mecanismos de recolha de opinião da comunidade escolar, avaliar os resultados da recolha e elaborar, em conformidade, planos de ação de melhoria Utilizar a BE/CRE como agente potenciador da transversalidade de saberes Criar equipas responsáveis pela recolha, pelo tratamento e pela análise de todos os dados necessários para a avaliação da concretização dos objetivos do PE Proporcionar um enquadramento institucional e Resultados da análise de todas as informações recolhidas relativas à avaliação dos serviços e dos recursos Número de parcerias e de atividades realizadas Existência de um manual de acolhimento Carmo Passos 1, por escrito, na secretaria Todos os documentos utilizados para recolher informações junto da comunidade educativa (ex.: inquéritos, registos de opinião, sugestões, relatório de avaliação da BE/CRE, etc.) A direção não promoveu António Gouveia nada a este nível BE/CRE Filomena Lima Parcerias: 9 Atividades: 35 Direcção António Gouveia Foi feito e quase não usado; também já não se justifica ano sem Internet e 5 meses consecutivos sem telefone, nem fax) EBRC - 2 reclamações encaminhadas para o Diretor 0 (por escrito) A direção não promoveu nada a este nível 25 (EBRC) 4 (outras escolas do 1º CEB) Parcerias: 9 Atividades: 65 14

15 recém-chegado e PND (2011/14) O3. Desenvolver um trabalho de equipa na gestão horizontal, vertical e transversal de conteúdos, na construção e na aferição dos instrumentos de avaliação (2011/14) pedagógico aos docentes recémchegados (manual de acolhimento, etc.) Promover ações de formação para o PND, com base nas necessidades diagnosticadas Estimular o PND para participar nas atividades realizadas no âmbito dos PDE/ACC e nas estruturas legais onde têm assento Incluir, quando se justificar, na OT dos CG um ponto referente à gestão vertical dos currículos Existência da formação para PND Número de PND que participa nas atividades e estruturas legais Registo da existência de trabalho de equipa na gestão vertical de conteúdos Plano de formação Carmo Passos e Rosa Costa Registo dos participantes nas atividades e estruturas legais Adérito Cunha Atas dos CG Mónica Gutierres Ana Gama Ana Colaço 7 ações 2 ações. 21 com o P. Segurança (2 ações). Poucos com o P. Estufa. Alguns com o P. ESSES/BPASE O grupo 410 implementou estratégias de modo a atingir os objetivos definidos, em equipa: - produziu as planificações; - avaliou o cumprimento das planificações em cada um dos períodos letivos; - produziu os critérios de avaliação. O grupo 330 procedeu de igual modo para as disciplinas de Inglês e Alemão. O grupo 430 produziu em grupo: - Critérios de avaliação - Planificação das diversas disciplinas do grupo. - Cumprimento de. 47 com o P. Segurança (2 ações). Poucos com o P. Estufa, 15

16 Fernanda Silva Teresa Lopes planificações. - Aplicação de avaliação diversificada a alunos NEE. - PAA -Partilha de materiais; participação em atividades letivas de colegas do grupo; permuta de aulas e lecionação de disciplinas de colegas do grupo com aulas em atraso. O trabalho de equipa verificou-se em: - Critérios de Avaliação - Planificações - Currículos Diferenciados - Adequações no Processo de Avaliação - PAA - Partilha de materiais No início do ano letivo, realizaram-se em grupo: - planificações anuais e por período, tendo em conta a gestão vertical e transversal dos conteúdos (nomeadamente dos comuns às disciplinas do grupo dos vários níveis de ensino e destas com disciplinas dos grupos de FQ e de Geografia) - estabeleceu-se um horário semanal para trabalho em equipa dos professores de cada disciplina e ano de escolaridade, para gestão 16

17 Cláudia Cordeiro João Pedro Rosado Aldina Sousa Rosário Cardoso horizontal - planificação aula a aula, construção de materiais didáticos e de instrumentos de avaliação e sua aferição O trabalho de equipa realizado no grupo verificouse em: - Critérios de Avaliação -Planificações - Adequações no Processo de Avaliação - PAA - Partilha de materiais O grupo 600 promoveu a gestão vertical dos conteúdos em: - planificações de disciplina (em particular no EB) - planos de trabalho (em particular no ES). A gestão horizontal de conteúdos, entre grupos diferenciados apenas se aplicou em sede de turma. A gestão vertical dos programas de Geografia no 3ºCEB ficou comprometida, devido ao nº insuficiente de tempos letivos de que a disciplina dispõe. Desde as últimas alterações nos currículos do EB foram acordadas, entre grupos (embora sem registo): os conteúdos; 17

18 Maria João Faria José Pedro Ribeiro Madalena Almeida António Neves Maria dos Anjos Rui Correia Rosa Costa No grupo foram estabelecidas: - a definição de n.º igual de elementos de avaliação realizados pelas turmas do mesmo ano; - a participação nos testes intermédios a nível dos EB e ES. Abordado em 3 reuniões Registo das planificações, dos critérios de avaliação, das PEF. A gestão vertical do currículo já vem sendo aplicada e aperfeiçoada no grupo, de molde a conseguir uma continuidade pedagógica. Os grupos 100 e 110 reuniram mensalmente, para: - monitorização do cumprimento curricular, - evolução de aprendizagens - concertação de estratégias, - produção, avaliação do cumprimento e exequibilidade de planificações semanais, - elaboração de matrizes para avaliação aferida interna e - construção instrumentos Não abordado 18 idem

19 Elaborar projetos que promovam atividades conjuntas Registo da existência de trabalho de equipa na gestão transversal de conteúdos Atas do CT/equipas pedagógicas, relatórios dos DT/mediadores/forma dores, PCT/PTT Luís Cordeiro Ana Colaço Filipa Macedo Helena Melo Rita Carreira Trabalho de equipa na gestão transversal incluiu: -planificação/aferição de competências/estratégias de avaliação/grelhas de correção/partilha de experiências entre disciplinas de formação técnica - Visitas de estudo - Sessões de esclarecimento - FCT Trabalho de equipa na gestão transversal, incluiu planificação/aferição de competências/estratégias de avaliação/grelhas de correcção/partilha de experiências com entidades formadoras em saúde e técnicos especializados. Não foi encontrado registo da existência de trabalho de equipa na gestão transversal de conteúdos. Pontualmente no seio das equipas pedagógicas e nas co-docências, mas não quantificável. Realizaram-se 18 actividades conjuntas, de acordo com o PAA. 19 Visitas de estudo - Sessões de esclarecimento - Estabelecimento de um protocolo com a DECO - FCT (9.º ECOM, 11.º e 12.º PTG) - PAF (9.º ECOM) e PAP (12.º PTG), agora abrangendo a entidade formadora HFF e seus técnicos/monitores e serviços que acompanharão os alunos em FCT idem idem Realizaram-se 10 actividades conjuntas, de acordo com o PAA que ainda não foi atualizado.

20 Uniformizar, tanto quanto possível, a tipologia e estrutura dos instrumentos de avaliação e os respetivos critérios de correção Júlio César Cláudia Vaz Manuel Sanches Luís Cordeiro Ana Colaço Filipa Macedo A tipologia, estrutura, instrumentos de avaliação critérios de correção são específicos de cada departamento curricular e, consequentemente, definidos, aferidos e utilizados em cada grupo disciplinar de acordo com as orientações do CP. Critérios de avaliação iguais para as disciplinas da componente técnica - Definição de critérios de avaliação dos relatórios da FCT do CPTG - Critérios de avaliação da PAP do CPTG do CP. A tipologia, estrutura, instrumentos de avaliação, e critérios de correção são específicos de cada departamento curricular e consequentemente definidos, aferidos e utilizados em cada grupo disciplinar de acordo com as orientações do CE. Assim as Línguas (Português, estrangeiras), as Ciências (HSGC, GOSC, Saúde, Biologia, FQ, Mat.), CRI, AI apresentaram critérios 20

21 O4. Salvaguardar a adequação dos PDE/ACC dinamizados às metas do PE (2011/14) O5. Valorizar os sucessos, quer individuais, quer coletivos, da comunidade escolar (2011/14) O6. Reforçar o contributo dos alunos e dos EE no processo de melhoria da qualidade da escola (2011/14) Seleccionar, anualmente, os PDE/ACC que se orientem para, pelo menos, 4 das metas do PE Privilegiar atividades do programa Eco- Escolas Publicitar os sucessos dos elementos da comunidade escolar de diversas formas (ex: exposições, jornais, pág. Internet da escola, plataforma Moodle, etc.) Recolher, nas reuniões com a AE e com a associação de pais/ee, as sugestões/opiniões pertinentes para a melhoria da escola Incentivar a participação dos EE, estabelecendo parcerias com as suas atividades profissionais Apoiar a AE e tê-la como parceira na Resultados da análise das propostas dos PDE/ACC Ocorrência de publicitações Resultados da análise das informações recolhidas Nº de pais/ee que participaram em atividades promovidas pela escola Nº de ações em que a AE é tida como específicos e uniformes Propostas PDE/ACC António Gouveia Foram todos aprovados Escola António Gouveia Atas das reuniões António Gouveia Atas dos CT, relatórios/registos dos vários cursos Helena Melo Rita Carreira Manuel Sanches Documentos comprovativos da Quadros de excelência Entrega de diplomas e prémios em concursos (poucos) Não houve Não foi encontrado registo do número de pais/ee que participaram em atividades promovidas pela escola. Não se aplica aos EFA 21 As publicações na página do agrupamento foram significativamente inferiores aos artigos enviados. 2 reuniões com AP Não houve Não há AP 26

22 dinâmica da escola (ex: na prevenção e resolução de problemas disciplinares, na organização de atividades, etc.) parceira participação da AE Fábio Dias Não houve parcerias Não houve parcerias; apenas 4 atividades da AE (Taça AE, desfile baile de máscaras, paintball e Miss e Mister Gama Barros) Meta 4 Consolidar uma política ativa de inclusão socioescolar. Objetivos Estratégias Indicadores de medida Desenvolver, em Análise feita pelo colaboração com o docente de Educação Projeto K, condições Especial que viabilizem a integração e o sucesso educativo de alunos com NEE O1. Integrar os alunos com NEE (2011/14) O2. Integrar os alunos provenientes de diferentes culturas (2011/14) Promover formação do PD e PND no âmbito da temática da educação especial Dinamizar pelo menos duas atividades vocacionadas para a integração de alunos provenientes de minorias étnicas, por ano Promover pelo menos duas atividades no âmbito da disciplina de PLNM, por ano Existência da temática educação especial nos planos de formação Número de atividades realizadas Número de atividades realizadas Fontes dos indicadores Relatórios do Projeto K Avaliação João Belo Planos de formação Rosa Costa Não houve nenhuma ação Sem monitor Relatório de execução final do PAA e atas das equipas pedagógicas Aldina Lobo 15 6 Relatório de avaliação da disciplina de PLNM Aldina Lobo

23 Meta 5 - Desenvolver hábitos saudáveis, consolidar uma cultura ambiental e promover comportamentos de segurança. Objetivos Estratégias Indicadores de medida Manter a cultura Nº de atividades desportiva na escola, realizadas realizando, pelo menos, 2 atividades que envolvam um nº significativo de alunos por período O1. Desenvolver hábitos saudáveis (2011/14) O2. Consolidar uma cultura Manter um projeto no âmbito da Educação para Saúde (alimentação, higiene, sexualidade, etc.) Seleccionar os produtos alimentares disponíveis no bar e nas máquinas de distribuição de alimentos Desenvolver mecanismos de prevenção face a eventuais epidemias Sensibilizar os elementos da Realização de um projeto Tipo de produtos disponíveis Operacionalização de um plano de contingência (se se justificar) Nº de ações desenvolvidas e Fontes dos indicadores Relatório de execução final do PAA José Pedro Ribeiro Relatório de avaliação do projeto Adérito Cunha Maria João Faria Registo dos produtos disponíveis D. Cristina (secretaria) Relatório de avaliação do plano António Gouveia Documentos comprovativos das Avaliação atividades com mais de 300 alunos cada. 2 ações com o P. Estufa. P. ESSES/BPASE. 1 projeto do PES 12 ações 12 atividades com mais de 300 alunos cada. 1 com P. Estufa e PLNM "Bochechos de Flúor", ao longo do ano letivo, em todo o 1ºCEB; Escovagem para os 1º anos ; Distribuição de cheques dentista ; Houve seleção, nomeadamente pela diferenciação de preços: por exemplo, a fruta manteve, o leite baixou. Não há coca-cola nem gomas. Gripe A: foi feito, correu bem. Não há relatório. 4 do P. Eco-Escola, - 9 do P. CATS Não houve incidências. 6 do P. Eco-Escola (Brigadas do Ambiente do 5.º ano) 23

24 ambiental (2011/14) 03. Promover uma cultura de segurança (2011/14) comunidade escolar para a necessidade de preservar o espaço escolar Realizar os sete passos previstos no âmbito dos vários domínios do programa Eco- Escolas por ano 1º Passo: Formar o Conselho Eco-Escolas; 2º Passo: Auditoria Ambiental; 3º Passo: Plano de Ação; 4º Passo: Monitorização e Avaliação; 5º Passo: Trabalho Curricular; 6º Passo: Informação à Escola e Comunidade 7º Passo: Eco-Código e Cartaz Realizar pelo menos uma campanha vocacionada para os valores ambientais (energias renováveis, recolha selectiva de resíduos, poupança de água, etc) por ano Promover a valorização estética do espaço escolar Realizar, pelo menos, 2 exercícios de evacuação por ano medidas tomadas Nº de atividades realizadas Nº de campanhas realizadas Número de exercícios realizados ações Rosário Portugal e Adérito Cunha Documentos de avaliação do PAA do programa Eco-Escolas Rosário Portugal. Manutenção permanente da estufa, - 8 do P. Estufa. P. ESSES/BPASE 1º Passo: 2 2º Passo: 2 3º Passo: 1 4º Passo: 5 5º Passo: 6 6º Passo: 5 7º Passo: 2 Relatório para a Candidatura à Bandeira Verde e certificados Internacionais e nacionais: 1 Documentos de avaliação do PAA do programa Eco-Escolas Rosário Portugal Foram realizadas 5 campanhas Relatório de avaliação do exercício de evacuação Artur Neves 2 2. Manutenção permanente da estufa, mais 6 do P. Estufa. 42 com os P. CATS e Em Rede 1º Passo: 12 2º Passo: 7 3º Passo: 4 4º Passo: 12 5º Passo: 38 6º Passo: 19 7º Passo: 10 Relatório para a Candidatura à Bandeira Verde e certificados Internacionais e nacionais: 5 24

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Relatório da avaliação do PE

Relatório da avaliação do PE A comissão ad-hoc do conselho geral do Agrupamento de Escolas D. Maria II, Sintra, constituída pelas professoras Aldina Lobo, Ana Isabel Araújo, Elisabete Rodrigues, Fátima Saraiva, Leonor Henriques e

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso

Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 20 julho 2012 É no diálogo entre perspectivas internas e externas que as instituições se desenvolvem e melhoram. Também a avaliação da

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna 2013/2015 Índice Plano de Ação... 3 Constituição da Equipa de Autoavaliação... 3 Etapas/fases do ciclo de avaliação... 4 Cronograma do 1º ano do ciclo de avaliação

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 1. Identificação agrupamento de escolas Identificação: Agrupamento

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Organização do Ano Letivo 2014/2015

Organização do Ano Letivo 2014/2015 Organização do Ano Letivo 2014/2015 Distribuição de serviço, elaboração de horários e constituição de turmas 1) Aplicação das normas e organização do ano letivo (Despachos normativos n.º 6/2014 ) a) Duração

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

Literacia, Cidadania, Sucesso

Literacia, Cidadania, Sucesso Literacia, Cidadania, Sucesso A existência humana é uma tarefa permanente de leitura da vida: ler a vida é escrever e reescrever o mundo. Rosa (2008: 107) Projecto Educativo 2010 / 2013 2 INTRODUÇÃO Dando

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

PROGRAMA ECO-ESCOLAS

PROGRAMA ECO-ESCOLAS PROGRAMA ECO-ESCOLAS Programa de Educação Ambiental e/ou Educação para o Desenvolvimento Sustentável PLANO DE AÇÃO 2014/2015 O Eco-Escolas é um Programa internacional, coordenado em Portugal pela Associação

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Mira, a vigorar no quadriénio de 2014 a 2018. O projeto não é um futuro qualquer mas um futuro a construir, o que exige, à partida,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 PAR Índice Introdução 4 1. Avaliação Final do Sucesso Académico 5 1.1. Ensino

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

PROJETO DE APOIO EDUCATIVO PROJETO DE APOIO EDUCATIVO 1- INTRODUÇÃO: No âmbito da organização do ano escolar de 2014/2015 aprovou o Conselho Executivo (CE), após parecer favorável do Conselho Pedagógico (CP), o projeto de apoio

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

AGIR + e MELHOR em EDUCAÇÃO

AGIR + e MELHOR em EDUCAÇÃO + PROJETO EDUCATIVO 2013-2016 AGIR + e MELHOR em EDUCAÇÃO Continuidade, com Coerência, em Comunidade Agrupamento Vertical de Escolas e Jardins de Infância do Concelho da Chamusca Índice Introdução... 2

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO DO ESTÁGIO FORMATIVO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Regulamento

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

1- Atividades do início do ano letivo

1- Atividades do início do ano letivo 1- Atividades do início do ano letivo Ensino Profissional Data Hora Reunião Sala 1 a 11 de 1º Ciclo 2 de Pessoal docente Pessoal não docente Início de Pré-escolar 7 de 1º ciclo 14:00h Delegados de grupo

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PROJETO EDUCATIVO 2013-2017 ÍNDICE Introdução 1 Caracterização 2 Diagnóstico 4 Plano Estratégico 6 Avaliação do Projeto Educativo 12 Divulgação 14 Siglas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul PLANO DE ORGANIZAÇÃO 2015/2016

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul PLANO DE ORGANIZAÇÃO 2015/2016 Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul PLANO DE ORGANIZAÇÃO 2015/2016 Índice INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO I... 1 MATRIZES CURRICULARES... 1 EDUCAÇÃO PRÉ-

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567 Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016 A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes é, nomeadamente,

Leia mais

IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGULAMENTO INTERNO Anexo IV EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGULAMENTO 2013 REGULAMENTO DOS CURSOS EFA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS 2 EFA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Artigo

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DAS MENÇÕES DE EXCELÊNCIA E DOS PRÉMIOS ESCOLARES A atribuição das menções de excelência e prémios escolares tem por objetivo incentivar a responsabilidade dos alunos na sua própria

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL 2015/2016 A EQUIPA: Fátima Martins, Manuela Parreira, Ana Paula Melo, Vera Moura, Manuela Simões, Anabela Barroso, Elsa Carvalho, Graça

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

P r o j e t o d e A p o i o E d u c a t i v o

P r o j e t o d e A p o i o E d u c a t i v o P r o j e t o d e A p o i o E d u c a t i v o Dando cumprimento ao estipulado nos Artigos 33º e seguintes do Regulamento da Gestão Administrativa e Pedagógica de Alunos anexo à Portaria nº 60/2012 de 29

Leia mais

CONSELHO PEDAGÓGICO. Ata número oito

CONSELHO PEDAGÓGICO. Ata número oito Ano letivo 2014 / 2015 CONSELHO PEDAGÓGICO Ata número oito Aos vinte e três dias do mês de junho de dois mil e quinze, pelas quinze horas e trinta minutos, reuniu na sala dez do piso A desta escola o Conselho

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário

Regulamento. Curso Vocacional do Ensino Secundário Regulamento Curso Vocacional do Ensino Secundário Página 1 Artigo 1. Âmbito 1 - Os cursos vocacionais do ensino secundário constituem uma oferta formativa que se desenvolve no âmbito de uma experiência-piloto

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio

AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA Relatório intermédio Fevereiro de 2013 1 I. Introdução A Escola prossegue, no corrente ano letivo, o seu processo de autoavaliação. Com ele, pretende se proporcionar uma reflexão

Leia mais

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015

Relatório 2015. Interna do. Agrupamento RAIA. Barreiro, 04 de setembro de 2015. Página 1 de 39 RAIA 2015 Avaliação Interna do Agrupamento Relatório 2015 RAIA Cândida Santos Carlos Pegacha Jaime Filipe Paulo Cardoso Barreiro, 04 de setembro de 2015 Página 1 de 39 "A autoavaliação é um processo que pode ser

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais