Plano Anual de Actividades 2010/2011. Mais de 40 anos de Progresso! Plano Anual de Actividades 2010/2011. Colégio D. Duarte Pág. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Anual de Actividades 2010/2011. Mais de 40 anos de Progresso! Plano Anual de Actividades 2010/2011. Colégio D. Duarte Pág. 1"

Transcrição

1 Mais de 40 anos de Progresso! Plano Anual de Actividades 2010/2011 Colégio D. Duarte Pág. 1

2 ÍNDICE 1. Nota Prévia 1. Reuniões Pedagógicas 2. Estruturas de Apoio Educativo 2.1. Sala de estudo 2.2. Aulas de Apoio 2.3. Acompanhamento de alunos na ausência do professor 2.4. Orientação Pedagógica 2.5. Aulas Extra 3. Áreas Curriculares Não Disciplinares 3.1. Formação Cívica/ Área de Projecto/ Estudo Acompanhado 2º Ciclo 3.2. Formação Cívica/ Área de Projecto/ Estudo Acompanhado 3º Ciclo 3.3. Educação Sexual - Ensinos Básico e Actividades de Complemento e Extensão Curricular 5. Actividades Lúdico-Pedagógicas 1º Período 5.1 Datas Comemorativas 5.2 Actividades Desportivas 5.3 Visitas de Estudo 5.4 Outras Actividades 6. Actividades Lúdico-Pedagógicas 2º Período 6.1 Datas Comemorativas 6.2 Actividades Desportivas 6.3 Visitas de Estudo 6.4 Outras Actividades 7. Actividades Lúdico-Pedagógicas 3º Período 7.1 Datas Comemorativas 7.2 Actividades Desportivas 7.3 Visitas de Estudo 7.3 Outras Actividades 8. Actividades Lúdico-Pedagógicas Ao Longo do Ano Colégio D. Duarte Pág. 2

3 NOTA PRÉVIA O Plano Anual de Actividades para ano lectivo que se inicia, 2010/2011, resulta da organização das propostas dos grupos disciplinares apreciadas em Conselho Pedagógico com a colaboração da Direcção Pedagógica, tendo como base o Projecto Educativo da Escola, aprovado em 2006/2007, e visa contribuir para a sua concretização. As actividades propostas no Plano Anual de Actividades do presente ano lectivo, de acordo com o Projecto Educativo, pretendem: - tornar a escola um local privilegiado de aprendizagens significativas, não só para os alunos, mas para todos os elementos da comunidade educativa; - promover a concretização das normas, valores, atitudes e comportamentos que são representativos da cultura organizativa do Colégio e que constituem a sua identidade. O Plano Anual de Actividades (PAA) é um modelo aberto e reformulável ao longo do ano, de modo a permitir integrar mais actividades, desde que apresentadas em Conselho Pedagógico e devidamente planificadas pelos seus proponentes. Colégio D. Duarte Pág. 3

4 1. REUNIÕES PEDAGÓGICAS Actividades Intervenientes Data Prevista Reunião Geral de Professores - Todos os Professores do Colégio. Início e fim do ano lectivo e sempre que se justifique Reunião do Conselho Pedagógico - Presidente do Conselho Pedagógico; - Coordenadores dos Grupos Disciplinares, Coordenadora dos Directores de Turma, Coordenadora do Ensino Recorrente e Coordenadora dos C.E.F.; - Representante do Pessoal Não Docente, Representante dos Alunos e Representante dos Encarregados de Educação. Mensal Reuniões de Grupos disciplinares: - Planificações dos programas e das actividades curriculares e extracurriculares. Todos os Professores de cada Grupo Disciplinar Início do Ano Lectivo Reuniões de Grupos disciplinares: -Preparação dos momentos de avaliação; - Discussão de assuntos de natureza Pedagógica, Didáctica e Científica; - Elaboração de Exames de Equivalência à Frequência Todos os Professores de cada Grupo Disciplinar Mensal ou sempre que se justifique Reuniões dos Professores que leccionam a disciplina de Área de Projecto 12º Ano. Professores: Fátima Afonso; Ana Almeida; Carla Cardoso; Catarina Ribeiro; Cipriano Laranjeira; João Sá;Joana Noronha. Mensal ou sempre que se justifique Reuniões de coordenação dos Directores de Turma: - Reuniões Ordinárias; - Reuniões Extraordinárias. Coordenadores dos Directores de Turma do Ensino Básico e Ensino e Directores de Turma Ao longo do ano Reuniões de Coordenação do Ensino Recorrente Coordenadora e Professores do Ensino Recorrente Ao longo do ano Reuniões de Conselho de Turma dos Ensinos Básico e Todos os Professores da Turma No final de cada período e sempre que se justifique Colégio D. Duarte Pág. 4

5 2. ESTRUTURAS DE APOIO EDUCATIVO 2.1 SALA DE ESTUDO E ACTIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS SALA DE ESTUDO A sala de estudo, aberta a todos os alunos do Ensino Básico que se inscrevam previamente, visa ser um espaço que vai ao encontro dos objectivos definidos no Projecto Educativo, nomeadamente desenvolver competências, orientar os Alunos na realização de trabalhos, promover métodos de estudo e esclarecer dúvidas. Assim sendo, a sala de estudo deve ser valorizada e privilegiada dado que se trata de um complemento educativo extremamente importante na aprendizagem. O horário de funcionamento da Sala de Estudo é de Segunda a Sexta-Feira, das 17h às 18h AULAS DE APOIO As Aulas de Apoio, como complemento educativo no Ensino, pretendem essencialmente esclarecer dúvidas aos alunos e apoiar aqueles que revelem maiores dificuldades, orientando-os no seu estudo. Neste ano lectivo, o Colégio proporcionará a frequência às seguintes Aulas de Apoio (regime de frequência livre): - Filosofia; - Inglês; - Português; - Matemática. A calendarização das Aulas de Apoio, elaborada pela Direcção, encontra-se em anexo. 2.3 ACOMPANHAMENTO DE ALUNOS NA AUSÊNCIA DO PROFESSOR Na ausência do professor, o Colégio procede à sua substituição, ocupando os Alunos do ensino básico e secundário com actividades educativas na Biblioteca. Colégio D. Duarte Pág. 5

6 2.4 ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A orientação pedagógica desenvolve-se nos seguintes domínios: - Acompanhamento do Aluno ao longo do percurso escolar, contribuindo para identificar os seus interesses e aptidões, intervindo em áreas de dificuldade decorrentes do ensino/ aprendizagem, facilitando o desenvolvimento da sua identidade pessoal e a construção do seu próprio projecto de vida. - Aconselhamento de Alunos individualmente ou em grupo, numa perspectiva de apoio, consolidação ou reavaliação das escolhas vocacionais. 2.5 AULAS EXTRA No Colégio são leccionadas as seguintes aulas extra: - Matemática 5º ao 8º, 10º e 12º Ano; - Matemática Aplicada às Ciências Sociais; - Português 12º Ano; 10ºE e 9º Ano; - BG 1 e 2; - FQ 2; - História 10º e 12 º Anos; - Geografia - 11º Ano; - Geometria Descritiva 11º Ano; - Economia 10º e 11º Anos Plano de Acção da Matemática Na sequência das práticas lectivas e das actividades realizadas nos últimos anos, foi criada uma Aula Extra de Matemática de 45 minutos para o ensino básico e de 90 minutos para o 10º e 12º anos de escolaridade. É objectivo destas aulas, ajudar a desenvolver as competências específicas da disciplina, criar um reforço prático dos conteúdos programáticos leccionados e um apoio mais individualizado a eventuais dúvidas que vão surgindo ao longo do ano lectivo por parte dos alunos. Pretende-se também, em ano lectivo sujeito a exame, desenvolver actividades de apoio/ recuperação e de resolução de problemas de preparação para o Exame Nacional. Os alunos de 11º ano contarão com a existência de uma aula de 90 minutos de Apoio Semanal, onde, individualmente, poderão expor as suas dúvidas. Com a finalidade de aferir o desempenho dos alunos por referência a padrões de âmbito nacional, ajudar os alunos a uma melhor consciencialização da progressão da sua aprendizagem, tendo em conta estes padrões e ajudar na sua progressiva familiarização com instrumentos de avaliação externa, realizar-se-ão, com peso na avaliação final, Testes Nacionais Intermédios disponibilizados pelo GAVE, a realizar nos seguintes anos lectivos: 8º, 9º, 10º, 11º e 12º. No sentido de obter uma maior exigência e qualidade profissional, favorecer a reflexão sobre o processo educativo a partir dos resultados obtidos e medir a evolução ao longo dos anos, serão realizadas Provas Globais de conhecimentos e capacidades nos 5º e 7º anos do Ensino Básico. Colégio D. Duarte Pág. 6

7 Por ser essencial proporcionar aos alunos uma situação próxima à de exame nacional, permitindo-lhes aferir acerca da sua preparação para os mesmos, os segundos testes do 1º e 2º períodos do 12º anos de escolaridade serão realizados numa quarta-feira à tarde, em simultâneo para todas as turmas e com a duração de 120 minutos. No caso da disciplina de Matemática Aplicada Às Ciências Sociais, também para proporcionar aos alunos uma situação próxima à de exame nacional, permitindo-lhes aferir acerca da sua preparação para os mesmos e pelo facto do exame desta disciplina englobar conteúdos dos dois anos e desses conteúdos serem muito díspares, o último teste de avaliação será global, contendo conteúdos dos dois anos de escolaridade. Fora do contexto sala de aula, continua a ser fundamental organizar, dinamizar e desenvolver actividades como as Olimpíadas de Matemática, ciclos de cinema, visitas de estudo, palestras e jogos lúdicos que envolvam os alunos. Todas as actividades desenvolvidas têm como principais objectivos: Incentivar e desenvolver o gosto pela Matemática; Evidenciar o aspecto lúdico da Matemática; Proporcionar aos alunos a resolução de problemas numa perspectiva nacional; Desenvolver a capacidade de raciocínio; Reconhecer a importância da Matemática em outras disciplinas escolares e na vida real; Sensibilizar os alunos para os contributos reais da Matemática em diversas áreas; Desenvolver a capacidade de apreciar aspectos estéticos da Matemática; Reconhecer a beleza das formas, regularidades e estruturas Matemáticas; Desenvolver a capacidade de interpretar textos escritos em linguagem matemática, a capacidade de comunicar e o espírito crítico. Na sequência das práticas lectivas e das actividades realizadas nos últimos anos, foi criada uma Aula Extra de Matemática de 45 minutos para o ensino básico e de 90 minutos para o 10º e 12º anos de escolaridade. É objectivo destas aulas, ajudar a desenvolver as competências específicas da disciplina, criar um reforço prático dos conteúdos programáticos leccionados e um apoio mais individualizado a eventuais dúvidas que vão surgindo ao longo do ano lectivo por parte dos alunos. Pretende-se também, em ano lectivo sujeito a exame, desenvolver actividades de apoio/ recuperação e de resolução de problemas de preparação para o Exame Nacional. Os alunos de 11º ano contarão com a existência de uma aula de 90 minutos de Apoio Semanal, onde, individualmente, poderão expor as suas dúvidas. Com a finalidade de aferir o desempenho dos alunos por referência a padrões de âmbito nacional, ajudar os alunos a uma melhor consciencialização da progressão da sua aprendizagem, tendo em conta estes padrões e ajudar na sua progressiva familiarização com instrumentos de avaliação externa, realizar-se-ão, com peso na avaliação final, Testes Nacionais Intermédios disponibilizados pelo GAVE, a realizar nos seguintes anos lectivos: 8º, 9º, 10º, 11º e 12º. No sentido de obter uma maior exigência e qualidade profissional, favorecer a reflexão sobre o processo educativo a partir dos resultados obtidos e medir a evolução ao longo dos anos, serão realizadas Provas Globais de conhecimentos e Colégio D. Duarte Pág. 7

8 capacidades nos 5º e 7º anos do Ensino Básico. Por ser essencial proporcionar aos alunos uma situação próxima à de exame nacional, permitindo-lhes aferir acerca da sua preparação para os mesmos, os segundos testes do 1º e 2º períodos do 12º anos de escolaridade serão realizados numa quarta-feira à tarde, em simultâneo para todas as turmas e com a duração de 120 minutos. No caso da disciplina de Matemática Aplicada Às Ciências Sociais, também para proporcionar aos alunos uma situação próxima à de exame nacional, permitindo-lhes aferir acerca da sua preparação para os mesmos e pelo facto do exame desta disciplina englobar conteúdos dos dois anos e desses conteúdos serem muito díspares, o último teste de avaliação será global, contendo conteúdos dos dois anos de escolaridade. Fora do contexto sala de aula, continua a ser fundamental organizar, dinamizar e desenvolver actividades como as Olimpíadas de Matemática, ciclos de cinema, visitas de estudo, palestras e jogos lúdicos que envolvam os alunos. Todas as actividades desenvolvidas têm como principais objectivos: - Incentivar e desenvolver o gosto pela Matemática; - Evidenciar o aspecto lúdico da Matemática; - Proporcionar aos alunos a resolução de problemas numa perspectiva nacional; - Desenvolver a capacidade de raciocínio; - Reconhecer a importância da Matemática em outras disciplinas escolares e na vida real; - Sensibilizar os alunos para os contributos reais da Matemática em diversas áreas; - Desenvolver a capacidade de apreciar aspectos estéticos da Matemática; - Reconhecer a beleza das formas, regularidades e estruturas Matemáticas; - Desenvolver a capacidade de interpretar textos escritos em linguagem matemática, a capacidade de comunicar e o espírito crítico Aula extra de Português e OLE Além do estrito e obrigatório currículo escolar, o Colégio D. Duarte promove e enquadra nos horários dos alunos actividades diversificadas de leitura e escrita. Estas actividades concretizam-se e desenvolvem-se mais especificamente nas Oficinas de Leitura e Escrita (O.L.E.), nos ciclos do Ensino Básico, e nas actividades de Português Extra (P.E.), a nível do Ensino. Podemos dizer que estas actividades, incrementadas, de forma mais intencional e organizada, nos recentes anos lectivos, se inscrevem numa linha consentânea com o Plano Nacional de Leitura, procurando-se, assim, atingir os objectivos gerais. De entre os alargados objectivos, as actividades de leitura e escrita, acima referidas, procuram concretizar mais especificamente os que, a Colégio D. Duarte Pág. 8

9 seguir, se apontam. Assim, pretende-se que os alunos, de acordo com a sua faixa etária e com o nível de escolaridade, possam: - Adquirir e desenvolver o gosto/ prazer de ler; - Ganhar hábitos pessoais de leitura; - Consciencializar-se do contributo da leitura, para o enriquecimento pessoal e cultural; - Desenvolver a imaginação e a criatividade, através dos infinitos mun dos imagináveis dos livros; - Desenvolver o gosto estético, mediante exemplos da expressão literário; - Alargar o âmbito do seu vocabulário; - Corrigir dificuldades na ortografia; - Desenvolver a capacidade de compreensão e interpretação textual; - Aperfeiçoar a capacidade da expressão escrita correcta e mais rica; - Desenvolver a redacção de textos de diferentes tipologias e com finalidades diversas; - Descobrir o prazer da escrita, como expressão da personalidade; - Desenvolver a fluência verbal; - Ganhar automatismos de leitura e corrigir possíveis disfunções; - Saber consultar obras adequadas às finalidades pretendidas; - Ganhar o gosto/prazer de ouvir ler em sessões de leitura ou de ouvir recitar; - Intensificar o gosto e a capacidade de ler e recitar de forma expressiva, em público; - Descobrir o património da leitura infanto-juvenil; - Ganhar consciência do vasto património literário, a nível nacional e também internacional; - Aumentar o desejo/prazer de adquirir livros, revistas, jornais e outros suportes audiovisuais. Além destas actividades de carácter sistemático, o grupo de Línguas Românicas promoverá, ainda, várias actividades de enriquecimento curricular, a saber: Jornadas da Ciência e eloquência debates; Contrato de leitura/ leitura extensiva; Concurso de quadras de S. Martinho; Correio do amor e concurso de cartas de amor/amizade; Visitas de Estudo e Ida a Teatros Aula Extra de História (10º e 12º anos) Nestas aulas serão desenvolvidas estratégias diversificadas, e a indispensável individualização do ensino, para que os alunos obtenham as competências exigidas no final do ciclo de estudos: - Reconhecer a multiplicidade e complementaridade de factores condicionantes da realidade histórica; - Desenvolver técnicas específicas de análise de documentos de natureza diversa; - Situar cronológica e espacialmente acontecimentos e processos relevantes relacionando os com os contextos em que ocorreram; Colégio D. Duarte Pág. 9

10 - Reconhecer a complementaridade das perspectivas diacrónica e sincrónica; - Relacionar a história de Portugal com a história europeia e mundial; - Elaborar e comunicar, com correcção linguística e de forma criativa, sínteses dos temas tratados; - Mobilizar conhecimentos de realidades históricas estudadas para fundamentar opiniões Aula Extra de Geografia A Aula Extra de Geografia desenvolve-se com o propósito de rever conteúdos de Geografia A(1), no sentido de ajudar na preparação dos alunos para a realização do Exame Nacional. Pretende-se, de um modo geral, desenvolver a capacidade de autonomia, de organização e orientação do estudo, potenciar a capacidade de interpretação de documentos geográficos e incentivar para a importância da análise da imprensa escrita. A abordagem aos conteúdos de Geografia A(1) contemplará a análise de documentos de carácter geográfico (mapas, gráficos, textos, ), a realização de fichas de trabalho, a exploração de conteúdos on-line, a utilização de ferramentas de SIG e a recolha e interpretação de informação existente na imprensa diária e revistas científicas Aula Extra de Geometria Descritiva A (2) Esta aula é de carácter formativo e visa reforçar os conhecimentos adquiridos nas aulas. Assim, tem por objectivos principais: - Resolver de exercícios de Exame Nacional; - Esclarecer dúvidas; - Corrigir os testes de avaliação; - Corrigir os TPC Aula Extra de Economia A A aula extra de Economia A visa ajudar os alunos a desenvolver competências específicas da disciplina, no sentido de os preparar para a realização do Exame Nacional. Pretende-se com as aulas extra rever os conteúdos de Economia A (1) e aprofundar conhecimentos e esclarecer dúvidas do presente ano lectivo. Pretende-se desenvolver a capacidade de escrita e de interpretação dos alunos, através de análise de documentos de carácter económico tais como textos, gráficos e quadros estatísticos. Os conteúdos programáticos são abordados mediante o recurso aos seguintes instrumentos/actividades: - Resolução de Testes escritos e fichas de trabalho dos anos lectivos anteriores; - Organização/Constituição dos Dossiers temáticos com notícias económicas da actualidade; Colégio D. Duarte Pág. 10

11 - Realização de um glossário com conceitos/termos económicos; - Análise e debate/discussão de notícias da actualidade sobre as temáticas leccionadas; - Resolução de Exames Nacionais dos anos lectivos anteriores Aula Extra de Biologia e Geologia (1 e 2) As aulas extra de Biologia e Geologia (1 e 2) visam a aplicação dos conteúdos e o desenvolvimento de competências adquiridos na sala de aula. Permitem a realização de vários tipos de exercícios que potenciam a sua operacionalização no domínio conceptual (conhecimento, compreensão e a mobilização de dados, conceitos, modelos e teorias; Interpretação de dados fornecidos em diversos suportes; explicação de contextos em análise, com base em critérios fornecidos; estabelecimento de relações entre conceitos) e procedimental (reconhecimento da função da observação na investigação científica; identificação/formulação de problemas/hipóteses explicativas de processos naturais; identificação de argumentos a favor ou contra determinadas hipóteses/conclusões; interpretação/ alteração de procedimentos experimentais fornecidos; interpretação dos resultados de uma investigação científica; previsão de resultados/estabelecimento de conclusões). O intuito final destas aulas é potenciar uma melhor preparação dos alunos para a realização do Exame Nacional no final do 11º ano Aula Extra de Física e Química A (2) A aula extra de Física e Química destina-se a auxiliar os alunos na aquisição de competências específicas da disciplina, no sentido de promover uma preparação mais eficaz para o Exame Nacional. Assim, no decurso destas aulas, serão abordados temas associados às aulas teóricas, mas sob uma perspectiva diferente, isto é, pretende-se que os alunos exercitem a leitura, a escrita e a interpretação, em paralelo com a realização de exercícios de cálculo. Os conteúdos programáticos serão os constantes dos programas de Física e Química níveis 1 e 2 e serão abordados de uma perspectiva, sempre que possível, heurística, mas usualmente conduzida pelo apoio dos docentes. Far-se-á uso entre outros instrumentos considerados pertinentes, de exames de anos anteriores e de provas intermédias como método de aproximar os alunos a situações de exame. Colégio D. Duarte Pág. 11

12 3. ÁREAS CURRICULARES NÃO DISCIPLINAR 2º E 3º CICLOS 3.1 FORMAÇÃO CÍVICA, ÁREA DE PROJECTO E ESTUDO ACOMPANHADO 2º CICLO Estas áreas trabalham em parceria com a coordenadora de educação sexual. Conteúdos Experiências de Aprendizagem 5º ANO Viver com os outros (Carta dos Direitos Sexuais e reprodutivos; Comunicação com os outros; Diversidade e tolerância) Situações de conflito e violência (Prevenção de provocações/ vitimização; Abuso sexual) Segurança rodoviária (Comportamentos específicos de segurança: Protecção do corpo) 6º ANO Media (Tratamento da imagem corporal nos media; Conceito de beleza; Aspectos biológicos e emocionais da puberdade) - Eleição do Delegado e Subdelegado da turma; - Debate sobre a importância da existência do Regulamento Interno da Escola; - Leitura de parte do Regulamento Interno da Escola referente aos direitos e deveres dos alunos; - Leitura de parte do Regulamento Interno da Escola referente às estruturas existentes e seu funcionamento; - Assembleia de Turma; - Trabalho de Grupo; - Debates; -Análise e reflexão de documentos. Consumo Colégio D. Duarte Pág. 12

13 3.2 FORMAÇÃO CÍVICA, ÁREA DE PROJECTO E ESTUDO ACOMPANHADO 3º CICLO Estas áreas trabalham em parceria com a coordenadora de educação sexual. Conteúdos Experiências de Aprendizagem 7º ANO - Educação para a igualdade de oportunidades ( papeis sociais de homens e mulheres ; Sexualidade e género) - Media - Solidariedade 8º ANO - Educação sexual (Métodos contraceptivos e planeamento familiar; Parental idade) - Educação para o Consumo - Educação para os direitos humanos 9º ANO - Educação ambiental - O mundo do trabalho (Papel do Homem e da Mulher) - Doenças sexualmente transmissíveis - Eleição do Delegado e Subdelegado da turma; - Debate sobre a importância da existência do Regulamento Interno da Escola; - Leitura de parte do Regulamento Interno da Escola referente aos direitos e deveres dos alunos; - Leitura de parte do Regulamento Interno da Escola referente às estruturas existentes e seu funcionamento; - Assembleia de Turma; - Trabalho de Grupo; - Debates; -Análise e reflexão de documentos. Colégio D. Duarte Pág. 13

14 3.3 EDUCAÇÃO SEXUAL Introdução Todas as pessoas têm o direito de estar livres do medo, vergonha, culpa, falsas crenças ou mitos ou outros factores que inibam ou prejudiquem o seu relacionamento sexual ou resposta sexual in Carta dos Direitos Sexuais e Reprodutivos. Todos os seres humanos são, do ponto de vista biológico, seres sexuados. A sexualidade, porém, vai muito além da anatomia ou fisiologia. A resposta sexual de cada um depende também da identidade e orientação sexual, da personalidade e dos pensamentos, dos sentimentos e das relações que estabelecemos. A sexualidade tem, assim, muitas dimensões e múltiplas funções. Ao longo dos anos, a nossa sexualidade ou o modo como a vivemos vai sendo diferente. A sexualidade integra o conhecimento, as atitudes, os valores ou os comportamentos sexuais dos indivíduos. A expressão da sexualidade é influenciada por factores de natureza ética, espiritual, cultural e moral. É importante que as experiências e vivências da sexualidade sejam sempre fontes de bem-estar para nós e para os outros com quem as partilhamos. A Implementação da educação sexual passa pela conjugação de três vectores essenciais: - Abordagem pedagógica de temas da sexualidade humana, feita em contextos curriculares e extracurriculares, numa lógica interdisciplinar, privilegiando o espaço turma e as diferentes necessidades das crianças e dos jovens; - Apoio às famílias na educação sexual das crianças e dos jovens, nomeadamente através do seu envolvimento no processo de ensino/aprendizagem e/ ou promoção de actividades específicas de formação dirigidas aos Encarregados de Educação; - Estabelecimento de mecanismos de apoio individualizado e específico às crianças e jovens que dele necessitarem, através da criação e manutenção de parcerias no interior da escola e com outros serviços da comunidade, nomeadamente os serviços de saúde Objectivos Gerais Considera-se como grande objectivo da educação sexual contribuir para uma vivência mais informada, mais gratificante, mais autónoma e mais responsável da sexualidade. No domínio dos conhecimentos, a educação sexual pode contribuir para um maior e melhor conhecimento dos factos e componentes que integram a vivência da sexualidade, nomeadamente: - As várias dimensões da sexualidade; - A diversidade dos comportamentos sexuais ao longo da vida e das características individuais; Colégio D. Duarte Pág. 14

15 - Os mecanismos da resposta sexual, da reprodução, da contracepção e da prática de sexo seguro; - As ideias e valores com que as diversas sociedades foram encarando a sexualidade, o amor, a reprodução e as relações entre os sexos ao longo da história e nas diferentes culturas; - Os problemas de saúde - e as formas de prevenção - ligados à expressão da sexualidade, em particular as gravidezes não desejadas, as infecções de transmissão sexual, os abusos e a violência sexuais; - Os direitos, a legislação, os apoios e recursos disponíveis na prevenção, acompanhamento e tratamento destes problemas. Na esfera das atitudes, a educação sexual pode contribuir para: - Uma aceitação positiva e confortável do corpo sexuado, do prazer e da afectividade; - Uma atitude não sexista; - Uma atitude não discriminatória face às diferentes expressões e orientações sexuais; - Uma atitude preventiva face à doença e promotora do bem-estar e da saúde. O terceiro conjunto de objectivos situa-se no domínio das competências individuais, nomeadamente: - No desenvolvimento das competências para tomar decisões responsáveis; - No desenvolvimento das competências para recusar comportamentos não desejados ou que violem a dignidade e os direitos pessoais; - No desenvolvimento das competências de comunicação; - Na aquisição e utilização de um vocabulário adequado; - Na utilização, quando necessário, de meios seguros e eficazes de contracepção e de prevenção do contágio de infecções de transmissão sexual; - No desenvolvimento de competências para pedir ajuda e saber recorrer a apoios, quando necessário. Colégio D. Duarte Pág. 15

16 ENSINO BÁSICO Ano Área Curricular Temas/ Conteúdos Objectivos/ Competências 5º Ano Formação Cívica e Área Projecto Viver com os outros (1º período) Regras/leis que estabelecem os direitos e deveres (Carta dos Direitos Sexuais e reprodutivos) Comunicação com os outros (especificidades culturais, de género e outras) Diversidade e tolerância Normalidade, importância e frequência das suas variantes biopsicológicas Situações de conflito e violência (2º período) Várias formas de violência Prevenção de provocações/ vitimização Aproximações abusivas Comportamentos específicos de segurança (3º período) Segurança Rodoviária Prevenção de riscos naturais e Tecnológicos Protecção do corpo: - promoção do bem estar: aspectos biológicos e emocionais da puberdade; o corpo em transformação. - promoção da higiene e dos bons hábitos alimentares Promoção das actividades físicas. Promover a compreensão da importância do valor da relação com os outro e da construção de regras de convivência na escola e na sociedade; O respeito pela diferença entre as pessoas e pelas diferentes orientações sexuais; A promoção da igualdade de género; Aceitar os tipos de sentimentos que podem estar presentes nas diferentes relações entre as pessoas, incluindo os de âmbito da sexualidade; Desenvolver competência para adoptar comportamentos informados em matérias como a contracepção e a prevenção das infecções de transmissão sexual. Reconhecer situações de abuso sexual, identificar soluções e procurar ajuda. Colégio D. Duarte Pág. 16

17 Inglês A Família Relações de parentesco; Família nuclear e família extensiva Reconhecer a diferença entre a família tradicional e a família moderna. Educação Física Projecção de um filme (2º ou 3º período) Realização de um trabalho com base no filme (a definir) Desenvolver competências para: Expressar os seus sentimentos e opiniões; Comunicar acerca do tema da sexualidade; Comunicar com os outros (aspectos verbais e não verbais) 6º Ano Formação Cívica e Área Projecto Media (1º período) Analisar criticamente os conteúdos mediáticos; Tratamento da imagem corporal nos media Conceito de beleza evolução histórica Aspectos biológicos e emocionais da puberdade; o corpo em transformação. Desenvolver atitudes de aceitação das mudanças fisiológicas e emocionais próprias da sua idade; Desenvolver atitudes de aceitação da diversidade dos comportamentos sexuais ao longo da vida; Desenvolver a auto-estima e o gostar de si próprio Educação Física Projecção de um filme (2º ou 3º período) Realização de um trabalho com base no filme (a definir) Desenvolver competências para: Expressar os seus sentimentos e opiniões; Comunicar acerca do tema da sexualidade; Comunicar com os outros (aspectos verbais e não verbais) Colégio D. Duarte Pág. 17

18 Ciências da Natureza O corpo em transformação; Caracteres sexuais secundários; Sexualidade e género; Reprodução humana e crescimento; Contracepção e educação sexual; Ciclo menstrual e ovulatório. (3º período 8 tempos de 45 min) Adquirir conhecimentos: acerca das dimensões anátomo-fisiológica, psico-afectiva e sociocultural da expressão da sexualidade; do corpo sexuado e dos seus órgãos internos e externos; dos mecanismos da reprodução; Do planeamento familiar e, em particular, dos métodos contraceptivos; Desenvolver atitudes de: Aceitação das mudanças fisiológicas e emocionais próprias da sua idade; Desenvolver competências para: Expressar os seus sentimentos e opiniões; Comunicar acerca do tema da sexualidade; 7º Ano Formação Cívica e Área Projecto Educação para a Igualdade de oportunidades (1º período) Formas de discriminação social; Papeis sociais de homens e mulheres; Sexualidade e género; Prevenção de maus tratos. Aproximações abusivas; Dimensão ética da sexualidade humana. Compreensão da sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da pessoa humana, no contexto de um projecto de vida que integre valores e uma dimensão ética; Aceitar quem tenha estilos de vida diferentes; Evitar comportamentos não tolerantes e fundamentalistas; não aplicar estereótipos sobre a vivência sexual de indivíduos, grupos ou populações; Interagir com ambos os géneros, respeitando as diferenças; Assumir a sua orientação sexual e aceitar a das outras pessoas; Desenvolver relações com base no respeito mútuo. Colégio D. Duarte Pág. 18

19 Educação Física Projecção de um filme (2º ou 3º período) Desenvolver competências para: Realização de um trabalho com base no filme (a definir) Expressar os seus sentimentos e opiniões; Comunicar acerca do tema da sexualidade; Comunicar com os outros (aspectos verbais e não verbais) Inglês O Trabalho Estereótipos quanto a empregos/tarefas masculinos e femininos Reflectir face aos papéis estereotipados atribuídos socialmente a homens e mulheres; 8º Ano Educação Física Projecção de um filme (2º ou 3º período) Desenvolver competências para: Realização de um trabalho com base no filme (a definir) Expressar os seus sentimentos e opiniões; Comunicar acerca do tema da sexualidade; Comunicar com os outros (aspectos verbais e não verbais) Inglês Viver com risco Sentimentos e hábitos de risco as IST e outros perigos A redução de consequências negativas dos comportamentos sexuais, tais como infecções sexualmente transmissíveis; Formação Cívica e Área Projecto Educação Sexual Sexualidade e afectos. O amor Relações Sexuais Compreensão da sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da pessoa humana, no contexto de um projecto de vida que integre Colégio D. Duarte Pág. 19

20 Transformação do Corpo Métodos contraceptivos e planeamento familiar Parentalidade: Maternidade Gravidez na adolescência Interrupção voluntária da gravidez Legislação no âmbito da saúde sexual e reprodutiva. valores (por exemplo: afectos, ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética; Desenvolver relações com base no respeito mútuo; Aceitação das mudanças fisiológicas e emocionais próprias da idade; Do planeamento familiar e, dos métodos contraceptivos; Compreensão da epidemiologia e prevalência das principais infecções sexualmente transmitidas; Conhecimento das taxas e tendências nacionais de maternidade em geral e adolescência em particular e compreender o respectivo significado; Conhecimento das taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez e respectivo significado; Compreensão da noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável; Conhecimento da legislação existente e os serviços a que podem acorrer no âmbito da saúde sexual e reprodutiva. Colégio D. Duarte Pág. 20

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

Promoção da Educação para a Saúde - +Saúde EDUCAÇÃO SEXUAL

Promoção da Educação para a Saúde - +Saúde EDUCAÇÃO SEXUAL EDUCAÇÃO SEXUAL Distribuição de conteúdos Curriculares, tempos letivos e disciplinas intervenientes.º Ciclo 7.º Dimensão ética da sexualidade humana. Compreensão da sexualidade como uma das componentes

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

2011/2013. Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck)

2011/2013. Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) 2011/2013 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) Índice Introdução... 2 Caracterização... 4 Objectivos do Projecto... 4 Metodologia... 5 Identificação

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2011/2012 Formação Cívica 2º Ciclo

Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2011/2012 Formação Cívica 2º Ciclo Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 20/202 Formação Cívica 2º Ciclo Previsão do número de aulas disponíveis (45 minutos) Início das aulas...5-09-20 Fim do Primeiro Período...6-2-20 Número de aulas do º

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras:

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras: Escola Secundária de Valongo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia As Professoras: Cláudia Rocha Fátima Garcia Tema Organizador: Viver Melhor na Terra 1º PERÍODO

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck)

2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) 2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) Índice Introdução... 2 Caracterização... 4 Objetivos do Projecto... 4 Metodologia... 5 Identificação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde e Sexualidade

Projeto de Educação para a Saúde e Sexualidade AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO BRUNO ESCOLA E.B.I. de SÃO BRUNO Projeto de Educação para a Saúde e Sexualidade 2015/2016 «A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 09/13 INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 09/13 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A par do trabalho de transmissão de conhecimentos organizados em disciplinas, a escola deve, também, educar para os valores, promover a saúde, a formação e a participação cívica dos alunos,

Leia mais

Projeto Curricular do 1.º Ciclo

Projeto Curricular do 1.º Ciclo Projeto Curricular do 1.º Ciclo Tema Felizes os que constroem a vida na verdade e no bem. INTRODUÇÃO Este ano letivo 2014/2015 ficou definido como tema geral Felizes os que constroem a vida na verdade

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Ano lectivo 2014/2015 Introdução A Educação para a Cidadania é um processo ao longo da vida. Começa em casa e no meio próximo das crianças com as questões da identidade, relações

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Crescer com Saúde um Projeto de Educação e Promoção da Saúde

Crescer com Saúde um Projeto de Educação e Promoção da Saúde Plano Anual de Atividades Da Educação e Promoção da Saúde Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome? Tenho os três. E sou? Tenho de mudar quando

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2014 / 2015 Pré-escolar e 1º Ciclo Ação Local Objetivos Atividades Materiais Recursos Humanos Receção dos Fomentar a integração da criança

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO 1 Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO Setembro Acolhimento das crianças - Integração e adaptação das crianças ao Centro Infantil Setembro Reunião de Pais e Encarregados

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS 2006 / 2009 Setembro 2006 PROJECTO DE TRABALHO DO CENTRO DE RECURSOS - 2006/09 PLANO NACIONAL DE LEITURA Identificação

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Aneo 1 Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Quadro 1 Área a avaliar: Resultados do 1º Período Sucesso

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR INDÍCE A) Noção... 2 B) Objetivos... 2 C) Destinatários... 2 D) Serviços do Centro de Atividades e Recursos (C.A.R.)... 2 E) Atividades... 3 F) Condições

Leia mais

SEXUALIDADE.NÓS. Equipa do Projeto: Carla Santos e Silva. Elisabete Baptista. Susana Serra

SEXUALIDADE.NÓS. Equipa do Projeto: Carla Santos e Silva. Elisabete Baptista. Susana Serra SEXUALIDADE.NÓS Equipa do Projeto: Carla Santos e Silva Elisabete Baptista Susana Serra Índice Índice... 2 Introdução... 3 Legislação... 4 Lei n.º 3/84... 4 Lei 46/86 (Lei de Bases do Sistema Educativo)...

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA Para uma Educação e Formação Social, Humana e Profissional dos alunos da Escola Secundária Almeida Garrett 1. Orientações

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz PLANO ANUAL DE TRABALHO 05/06 8ºAno Código 070 Educação para a Cidadania Ano Letivo: 05 / 06 Plano Anual Competências a desenvolver Conteúdos Temas/Domínios Objetivos Atividades / Materiais 3 Períodos

Leia mais

PROPOSTAS PARA O PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2011/2012

PROPOSTAS PARA O PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2011/2012 PROPOSTAS PARA O PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2011/2012 PROJETO EDUCAR PARA A SAÚDE Atividades a desenvolver Dia mundial da alimentação - Disponibilizar fruta grátis no bar da escola. - Disponibilizar

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 Através do Programa Educação 2015, o Ministério da Educação lançou um desafio às escolas no sentido de cada

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Departamento de Psicologia e de Educação Especial

Departamento de Psicologia e de Educação Especial Departamento de Psicologia e de Educação Especial 1- Avaliação e acompanhamento psicológico Avaliação e acompanhamento psicológico e psicopedagógico individual (promoção da autoestima e comportamentos

Leia mais

Homem tropeça anda, corre voará...

Homem tropeça anda, corre voará... Professora: Isabel Maria Ribeiro Madureira de Sousa Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo Padrão da Légua C445 - Projecto de Formação para o Novo Programa de Português do Ensino Básico Turma - D Maio

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Projecto PES - Educação Sexual 2010-2011 /2011-2012. Agrupamento Vertical de Escolas nº2 de Elvas. Projecto PES. Educação Sexual

Projecto PES - Educação Sexual 2010-2011 /2011-2012. Agrupamento Vertical de Escolas nº2 de Elvas. Projecto PES. Educação Sexual Projecto PES Educação Sexual Ano Lectivo 2010-2011 / 2011-2012 Índice PREÂMBULO...3 Enquadramento Legal...4 OBJECTIVOS GERAIS...6 LOCAL DE REALIZAÇÃO DO PROJECTO...6 PLANIFICAÇÕES...7 PLANIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Curso de Técnico Comercial Bancário

Curso de Técnico Comercial Bancário Curso de Técnico Comercial Bancário Este curso é integralmente financiado pelo Estado Português e Fundo Social Europeu não tendo quaisquer custos para os participantes. OBJECTIVOS Os Cursos de Aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. FORMAÇÃO CÍVICA. Plano curricular 2014.2017. 1 linhas orientadoras. 2 Plano Curricular

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. FORMAÇÃO CÍVICA. Plano curricular 2014.2017. 1 linhas orientadoras. 2 Plano Curricular EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. FORMAÇÃO CÍVICA Plano curricular 2014.2017 Uma escola promotora de Educação para a Cidadania é aquela que educa pelo exercício e pela vivência quotidiana de cidadania. Apelar

Leia mais

CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011

CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011 Responsável pelo Clube de Francês Profª Ana Serra CLUBE DE FRANCÊS PROPOSTA - ANO LECTIVO 2010/2011 INTRODUÇÃO O Francês, como língua estrangeira

Leia mais