Escola Secundária da Moita PROJECTO EDUCATIVO A Escola é uma casa de sonhos, onde cada um desenvolve o seu dom, a sua paixão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Secundária da Moita PROJECTO EDUCATIVO 2009-2013. A Escola é uma casa de sonhos, onde cada um desenvolve o seu dom, a sua paixão"

Transcrição

1

2 A Escola é uma casa de sonhos, onde cada um desenvolve o seu dom, a sua paixão 1

3 Índice Preâmbulo 3 PARTE I 1. A Escola - Contextualização Geográfica e Populacional 1.1 Território e Povoação 2. A Escola - Caracterização História Meios Físicos e Humanos Organigrama da Escola A População escolar Alunos a) Oferta Educativa b)análise comparativa dos resultados escolares do Triénio 2006 a 2009 c) Colocações no Ensino Superior Professores Funcionários PARTE II Unidade e Diversidade Valores Fundamentais Vectores Estratégicos Objectivos Iniciativas Avaliação

4 PREÂMBULO A roda do tempo não pára, com ela as mudanças sucedem-se num infinito rodopio. Mudanças científicas, tecnológicas, sociais, intrinsecamente ligadas, conferem ao tempo uma velocidade alucinante, o que por vezes permite esquecer a diversidade do ser humano, a igualdade de oportunidades que merece. Para que todos possam acompanhar a marcha do tempo torna-se necessário reunir esforços. É neste contexto que as famílias e a escola devem assumir o seu papel de protagonistas na criação de condições favoráveis ao desenvolvimento de um ser humano pleno, saudável, equilibrado. No caso específico da escola o seu contributo deverá concentrar-se no reconhecimento da diversidade, na construção de um espaço comum que possa simultaneamente permitir um crescimento individual, mas também a preparação de uma efectiva coesão social. Uma escola com todos e para todos deve ser uma escola de valores sólidos, de qualidade humana e educativa. Permitindo a concretização dos sonhos pessoais, através do acesso ao conhecimento, à informação, a novas ferramentas, novas experiências e oportunidades, a escola faz o seu papel de mediadora. Construindo o indivíduo, ela contribui para a construção de uma sociedade livre, justa, solidária e democrática. É pois neste contexto que julgamos que um projecto educativo deve significar encontrar uma filosofia de actuação comum a toda a comunidade educativa, abrindo-se também à comunidade envolvente a possibilidade de interacção para a consecução mais abrangente dos princípios e das prioridades definidas. Nesta nossa busca de uma filosofia de actuação foi fundamental interpretar por um lado, a história da nossa escola, os anseios e expectativas dos alunos, pais, professores e funcionários, que fazem diariamente a ESCOLA, e por outro conhecer o meio envolvente através de uma análise dos dados fornecidos pela Câmara Municipal da Moita. 3

5 PARTE I 1. A Escola - contextualização geográfica e populacional 1.1 Território e Povoação O Concelho da Moita situa-se na NUT II da Região de Lisboa, pertence ao Distrito de Setúbal e confina a norte com o Concelho do Montijo, a Nascente e a Sul com o Concelho de Palmela e a Poente com o Concelho do Barreiro. Faz parte da área Metropolitana de Lisboa, (1) situando-se na Margem Esquerda do Estuário do Tejo, com uma frente ribeirinha superior a 20 km. A nova centralidade e a acessibilidade trazidas pela construção da Ponte Vasco da Gama constituem um trunfo no posicionamento deste concelho na região de Setúbal, nomeadamente para a valorização dos seus recursos naturais e zona ribeirinha, constituindo um atractivo para a instalação de novos equipamentos, novas empresas e novos residentes. O Concelho tem 55,337 Km 2 e é composto por 6 freguesias: Alhos Vedros, Baixa da Banheira, Gaio Rosário, Moita, Sarilhos Pequenos e Vale da Amoreira. Figura 1 Mapa Concelho da Moita (1 (1) in Diagnóstico Social do Concelho da Moita, Setembro de

6 Dos dados que é possível recolher em termos de freguesias, conclui-se que o Concelho da Moita é composto por freguesias com carácter marcadamente urbano, como o caso da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, onde reside a maior parte da população (53% da população residente do Concelho) e cuja estrutura etária é marcadamente mais jovem do que nas restantes. ) Por outro lado, temos as freguesias do Gaio - Rosário e de Sarilhos Pequenos, com um carácter marcadamente rural, com uma percentagem reduzida do total da população (3%) e onde se registam índices de envelhecimento muito acima da média. Ainda relativamente ao envelhecimento da população do Concelho da Moita, é de referir o aumento do índice de envelhecimento que, apesar de ser baixo relativamente à Península e ao País, aumentou bastante, com tendência para continuar a aumentar. (1) O Anuário Estatístico da Região de Lisboa, editado pelo INE, refere que em 2007 a população ascendia a habitantes. Evolução da População Residente no Concelho da Moita (1) in Diagnóstico Social do Concelho da Moita, Setembro de Escola caracterização e funcionamento 2.1 História A Escola foi inicialmente construída para funcionar como liceu. Até ao final do ano lectivo 2007/2008, a escola era constituída na sua quase totalidade por vários pavilhões préfabricados, apresentando um acentuado desgaste, constituindo por si só, um aspecto pouco motivador para quem pretende ensinar e aprender dentro dela. Com efeito, os espaços gimnodesportivos eram pouco seguros, apresentavam um nível de degradação muito elevado, inviabilizando a pluri-oferta de actividades físicas e 5

7 desportivas, e até, o cumprimento dos programas nacionais de educação física. O acesso às salas de aula frias, com janelas partidas, com infiltrações e material degradado - era feito pelo exterior, em todas as salas, ficando todos os utilizadores sujeitos às intempéries e, quantas vezes, obrigados a entrar nas salas de aula saltando sobre poças de água de grande dimensão. Todas as salas apresentavam um desgaste interior, pelo que foram feitas várias tentativas no sentido de melhorar, de forma a motivar os alunos, especificamente, e a comunidade escolar, em geral, a fim de projectar uma imagem mais positiva da mesma junto da população que serve, há cerca de 35 anos. No início do ano lectivo 2008/2009 ficou pronta a primeira fase da escola nova, implantada no mesmo terreno e, até ao final do segundo período, esteve em funcionamento em simultâneo com uma parte da escola antiga. No fim do segundo período foi entregue a 2ª fase da obra pelo que todas as aulas passaram a funcionar no edifício da escola nova. Em Setembro/Outubro de 2009 deu-se por concluída a construção da terceira fase os campos de jogos Meios Físicos e Humanos Fisicamente, podemos definir a escola como um espaço amplo e agradável, que se desenvolve à volta do pavilhão gimnodesportivo. Tendo este como centro, estruturam-se as salas onde funcionam os serviços administrativos e, a partir de dois grandes corredores que circundam toda a escola, acede-se às salas de aula, a maioria das quais no piso térreo. Destes corredores, pode ter-se acesso a um jardim interior com cerca de 300 m2, no qual são levadas a cabo algumas actividades no âmbito da Área de Projecto de turmas do 12º ano. Grandes espaços exteriores envolvem o edifício da escola, aqui se integrando os recintos exteriores para educação física e algumas zonas verdes para área ajardinada. Para além destes aspectos arquitectónicos, a escola conta com os seguintes serviços: Gabinetes do Órgão de Gestão Gabinete dos Serviços de Psicologia e Orientação Secretaria PBX Bufete e Refeitório Arquivo 2 Instalações Sanitárias de alunos e 2 Instalações Sanitárias de alunas 2 Instalações Sanitárias de professores e funcionários 2 Instalações Sanitárias para deficientes Sala de Directores de Turma Sala de Atendimento aos Encarregados de Educação Salas do CNO Sala dos Professores Sala de Gestão e Arquivo da Biblioteca Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos Auditório 6

8 Papelaria e Reprografia Laboratório de Física Laboratório de Química Laboratório de Matemática Laboratório de Biologia Laboratório de Geologia 25 Salas de aula normal 7 Salas de Informática 3 Laboratórios de Informática Pavilhão de Educação Física 1 Sala para o grupo de Educação Física e balneários femininos e masculinos Pavilhão da Construção Civil, com salas de aula, sala de desenho técnico, oficinas, balneários e Gabinete de Apoio ao Aluno. A escola vem beneficiando do Projecto Tecnológico da Educação por via do qual foram equipadas com material informático todas as salas de aula e demais espaços de trabalho de docentes e órgãos da escola Organigrama da Escola A Escola Secundária da Moita apresenta a estrutura organizativa constante no seguinte organigrama: 7

9 Conselho Geral Subdirector Director Adjuntos Assessorias Conselho Administrativo Conselho Pedagógico Assistentes Técnicas Assistentes Operacionais Representação de Alunos e Encarregados de Educação Estruturas de Supervisão, Coordenação Pedagógica e Orientação Educativa Projectos Educativos Departamentos Curriculares Centro Novas Oportunidades Coordenação das Ofertas Educativas Serviços de Psicologia e Orientação Biblioteca Grupos Curriculares Directores de Curso Directores de Turma Conselhos de Turma

10 2.4 A População escolar Alunos a) Oferta Educativa No ano lectivo 2009/2010 estão matriculados na Escola Secundária da Moita 816 alunos distribuídos pelas várias modalidades oferecidas pela escola. Cursos de Educação e Formação (Tipo 2/3) Práticas Técnico - Comerciais Práticas Administrativas Alvenarias e Revestimentos Instalação e Reparação de Computadores Instalação e Operação de Sistemas Informáticos Cursos Científico Humanísticos Ciências e Tecnologias Línguas e Humanidades Cursos Profissionais Informática de Gestão Apoio Psicossocial Contabilidade Gestão do Ambiente Turismo Marketing Ensino Recorrente por Módulos Capitalizáveis - Secundário Curso de Ciências Sociais e Humanas Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) - Secundário Unidades de Formação de Curta Duração (Conclusão de 12º Ano) Formações Modulares Inglês Informática Centro Novas Oportunidades (CNO) 9

11 b) Análise comparativa dos resultados escolares do Triénio 2006 a 2009 CEFS 8º e 9º anos No 8º ano os melhores resultados verificam-se nas disciplinas da componente sociocultural, à excepção de TIC, em 2008/2009. Os piores registam-se, sobretudo, na componente tecnológica, nomeadamente Actividades Económicas ou Serviços Pós Venda, no curso de Práticas Técnico - Comerciais ou Alvenarias / Coberturas no curso de Alvenarias e Revestimentos. Por vezes também se verificam maus resultados nas disciplinas da componente científica, casos de Matemática Aplicada, Química Aplicada e até TIC. No 9º ano verifica-se uma melhoria generalizada dos resultados, o que poderá ficar a dever-se a uma melhor integração dos alunos e também ao abandono dos que, eventualmente, se sentem menos vocacionados para os diferentes cursos. 10º Ano dos Cursos Científico - Humanísticos No 10º ano a área mais crítica é a científica, verificando-se os piores resultados, no ano lectivo de 2006/07, nas disciplinas de História A, Matemática A e B, Física e Química. Já em 2007/08 a situação melhorou bastante, excepto a Matemática. Ao longo do triénio os resultados melhoraram visivelmente, embora haja ainda algum insucesso em diversas disciplinas, talvez com mais significado em Matemática e Física e Química, com percentagens entre os 20% e 30%. No entanto, até há quatro anos, a preocupação era de que as percentagens de insucesso não ultrapassassem os 50%, o que revela ter havido uma significativa evolução desde essa altura. 11º Ano dos Cursos Científico - Humanísticos Em 2006/07 houve mudança de programas nas disciplinas de Matemática, Matemática A e Matemática B, coexistindo na mesma turma alunos com programas diferentes, o que dificultou muito a gestão dos currículos e as actividades lectivas. Isso reflectiu-se na taxa de insucesso na disciplina (cerca de 50%). As restantes disciplinas obtiveram níveis muito satisfatórios de sucesso. Nos anos seguintes a situação alterou-se por completo, reduzindo-se a taxa de insucesso a Matemática progressivamente para níveis na ordem dos 30%. Acresce que os critérios de exigência naquela disciplina têm aumentado no ensino regular, participando a escola no Projecto Testes Intermédios da DGIDC, cujos testes têm sido considerados pelo Grupo Curricular como mais um teste, com consequente reflexo na classificação interna dos alunos. 12º Ano dos Cursos Científico - Humanísticos Em 2006/07 as disciplinas com piores resultados são Física e MACS Bloco 2. No ano lectivo seguinte não se registam taxas de insucesso altas, sendo Bases de Programação a disciplina com classificações mais baixas. No último ano do triénio em análise, todas as disciplinas apresentam 10

12 bons resultados, excepto MACS Bloco 2, explicados pelo facto de apenas quatro alunos terem frequentado a disciplina, tendo dois deles reprovado, o que revela, em consequência, uma taxa de insucesso de 50%. Neste triénio, o ano terminal do secundário na nossa escola evidenciou boas taxas de sucesso, que melhoraram de ano para ano, revelando o bom trabalho desenvolvido pelos docentes. Também a adesão ao projecto de testes intermédios, que prepara os alunos para o nível de complexidade dos exames nacionais, conjugado com a sua melhor integração, motivação e maturidade, porque têm como objectivo o prosseguimento de estudos, concorre para a referida melhoria de resultados. Facilmente se verifica que, ao longo do triénio, aumentaram as taxas de sucesso, enquanto baixaram significativamente as de insucesso. Em relação ao abandono escolar, nota-se que há oscilações ao longo do triénio, que não são controláveis pela escola, dado que a maior parte delas se devem a situações pessoais e/ou profissionais. A diferença entre a CIF (Classificação Interna Final) e a classificação de exame foi diminuindo ao longo do triénio, apesar de se verificarem flutuações diferenciadas em algumas disciplinas. Na 2ª fase de exames, como se verifica habitualmente, aquela diferença acentua-se. 11

13 1ª Fase 2 ª Fase c) Colocações no Ensino Superior Estatística de alunos da Escola Secundária da Moita colocados no Ensino Superior atendendo à opção indicada: Analisados os resultados providenciados pelo ENES 2007, 2008 e 2009, a primeira constatação é que, ao longo do triénio, tem aumentado o número de alunos que se candidatou ao Ensino Superior e também o número e a percentagem daqueles que efectivamente entraram. Na 1ª fase a percentagem de alunos que entrou na 1ª opção tem permanecido muito equivalente. 12

14 ANO: ª Fase 2ª Fase ANO: ª Fase 2ª Fase ANO: ª Fase 2ª Fase (Fonte: ENES 2007, 2008 e 2009) 13

15 2.4.2 Professores Na Escola encontram-se em funções 112 professores, sendo 86 do quadro de escola, distribuídos pelos seguintes grupos disciplinares: Grupo Curricular Nº de Docentes Artes Visuais (600) 1 Biologia e Geologia (520) 6 Economia e Contabilidade (430) 19 Educação Física (620) 9 Educação Tecnológica (530) 4 Filosofia (410) 7 Física e Química (510) 11 Francês (320) 1 Geografia (420) 6 História (400) 5 Informática (550) 12 Inglês (330) 11 Matemática (500) 11 Português (300) Funcionários O número de funcionários da Escola Secundária da Moita, como tem sido apanágio ao longo dos últimos anos, é escasso, atendendo às suas necessidades reais. Acresce ainda a este facto, que grande parte do pessoal não docente já se encontra perto da idade da reforma. Funções Nº de Funcionários Assistentes Técnicos 6 Assistentes Operacionais 25 Técnico Superior 5 14

16 Parte II Unidade e Diversidade A educação é um dos bens mais preciosos das sociedades humanas, permitiu a nossa evolução no sentido da constante culturalização e consequente humanização. A educação é o pilar principal do desenvolvimento das sociedades modernas, da implementação dos valores e princípios que lhe estão subjacentes, em particular, da democracia, da justiça social, da cidadania e da integração plena de todos em situação de igualdade de oportunidades. Esta é a condição basilar de uma sociedade moderna, promotora do desenvolvimento pleno e integral de todos os seres humanos, que só se pode tornar efectiva mediante a aposta incondicional na educação. Apostar no desenvolvimento integral do ser humano, apostar na educação significa eleger valores fundamentais, valores que fomentem a UNIDADE e respeitem a DIVERSIDADE. Qualidade Integridade Credibilidade Solidariedade Cooperação Empreendedorismo Excelência Valores Fundamentais Fomentar a eficácia e eficiência no relacionamento de todos os elementos que actuam de forma directa ou indirecta na organização. Reger-se por uma conduta ética, educada, imparcial e briosa. Ter uma imagem forte, respeitada que confira à Escola a gratificação de seus intervenientes e a preferência dos alunos, garantindo o sucesso. Intervenção activa na prevenção e no combate ao abandono escolar e na promoção da plena integração social e profissional dos jovens. Actuar conjuntamente, contando com a ajuda das empresas regionais, da Câmara Municipal da Moita, das Juntas de Freguesia e de outras Instituições, no sentido de encontrar soluções para os mais variados problemas dos jovens. Fomentar a criatividade, o espírito de iniciativa e a capacidade de aceitar o risco, apostando na formação. Pretender um ensino de elevada qualidade em todos os níveis de ensino e cursos ministrados na nossa Escola. 15

17 Pretende-se para missão da Escola Secundária da Moita a promoção de um ensino secundário de prosseguimento de estudos, um ensino profissional de qualidade e a certificação e qualificação de Jovens e Adultos por forma à integração social plena. Para cumprir a missão, a Escola Secundária da Moita considera como prioritárias as áreas de intervenção: - Sucesso Educativo - Qualidade e Inovação - Integração Social - Parcerias e Identidade E assumirá como vectores estratégicos: Vectores Estratégicos Primado de critérios de natureza pedagógica e científica; Promover o Ensino Secundário para prosseguimento de estudos e um Ensino Profissional de qualidade Disponibilizar um conjunto de ofertas nas Áreas de Educação e Formação de Jovens e no Ensino e Certificação de Adultos Unir esforços no sentido de garantir uma Integração Social Plena Envolver a comunidade na concretização de acções que se irão traduzir no Reconhecimento Público da Escola Qualidade do Ensino Aprendizagem; Partilha de informações, experiências e saberes Cooperação no trabalho de equipa Equidade, visando a concretização da igualdade de oportunidades; Diversidade e flexibilidade de ofertas em função do grau de desenvolvimento dos alunos; Iniciativas dos membros da comunidade educativa, na dupla perspectiva de satisfação dos objectivos pedagógicos / curriculares e da realidade social e cultural em que a escola se insere; Democraticidade e participação de todos os intervenientes no processo educativo, de modo adequado às características específicas dos vários níveis de educação e de ensino; Promoção de uma cultura de escola inclusiva Integração comunitária, através da qual a escola se insere numa realidade concreta, com características e recursos específicos; Estabelecimento de parcerias com estruturas do poder autárquico, entidades e instituições ligadas à educação, emprego e saúde; Garantia de existência de mecanismos de comunicação e informação. Construir uma Identidade de Escola Participação de toda a comunidade 16

18 educativa na construção de uma identidade de Escola face ao meio envolvente Estabelecidos os valores fundamentais e os vectores estratégicos, cumpre-nos ainda definir um conjunto de objectivos, iniciativas e indicadores que pensamos ser os mais apropriados para o desenvolvimento pessoal e social de todos os intervenientes no processo educativo. Para definirmos esse conjunto de objectivos, iniciativas e indicadores foi necessário reflectir acerca dos problemas educativos existentes na nossa escola. Assim, a nossa reflexão teve por base os seguintes elementos: Projecto de Intervenção da Directora da Escola Secundária da Moita Dados relativos aos inquéritos aplicados à comunidade educativa Análise comparativa dos resultados escolares do Triénio 2006 a 2009 (índices de sucesso escolar, abandono e ingresso no Ensino Superior). É neste quadro que surge a definição de uma dinâmica a instaurar na escola, no sentido de resolver os problemas com que se depara e prosseguir a sua tarefa de prestação de um serviço público de qualidade. Objectivos 1. Valorizar processos de ensino e aprendizagem de excelência conducentes ao sucesso escolar; 2. Promover e divulgar boas práticas (quer dentro, quer fora da escola); 3. Reavaliar e adequar a oferta educativa da escola tornando-a uma referência pelo prosseguimento de estudos, pelas saídas profissionais e pelas parcerias estabelecidas no seio da comunidade; 4. Promover a qualidade e a Inovação; 5. Assegurar o trabalho de equipa entre professores, e em particular em Conselho de Turma/Equipa Pedagógica; 6. Favorecer a circulação de informação; 7. Melhorar o capital humano; 8. Educar para uma perspectiva integradora da mente e do corpo e para a importância da aquisição de hábitos de vida saudáveis; 9. Fomentar os hábitos de partilha, solidariedade, iniciativa entre todos os membros da comunidade educativa; 10. Melhorar a imagem pública da escola; 17

19 11. Construir uma Identidade de Escola. Iniciativas A acção da escola na formação permanente, pessoal, cultural e social implica uma grande responsabilidade e fundamenta-se numa concepção global do ser humano, razão pela qual esta formação integral não pode, nem deve ser fragmentada entre a escola, a família e a comunidade. Auscultados estes elementos da comunidade educativa, através da aplicação de um inquérito de opinião, foram apontados como pontos fracos: O comportamento dos alunos Os níveis de sucesso educativo A relação escola/família Com vista a criar a unidade sem perder de vista a diversidade, apresentamos um conjunto de iniciativas que visam atingir os objectivos definidos e assim responder aos principais problemas. Iniciativas Sucesso Educativo Obj. 1 Obj. 2 Obj. 3 Obj. 4 Qualidade e Inovação Obj. 5 Obj. 6 Obj. 7 Integração Social Obj. Obj. 8 9 Esquema de informação eficiente e X X X eficaz Promoção da interacção com as famílias X X X X X Prevenção da Indisciplina X X X Melhoria da imagem da escola perante a X X X X comunidade Organização e divulgação da oferta X X X X educativa Promoção do trabalho de equipa X X X X X Parcerias e Identidade Obj. Obj

20 Formação dos recursos humanos X X X X Construção de uma identidade de escola X X X X X Sucesso Educativo, Qualidade e Inovação Os alunos são os actores principais do processo do ensino aprendizagem e o seu sucesso, escolar e educativo, é a meta essencial de qualquer projecto educativo. A escola deverá ser o espaço privilegiado onde o aluno se possa formar, educar numa perspectiva que se entende cada vez mais multifacetada e abrangente. Nesse sentido, é necessário proporcionar condições que permitam flexibilizar o percurso escolar dos alunos, recorrendo a acções educativas diferenciadas que permitam a equidade da aprendizagem. Com vista à concretização das iniciativas previstas nas áreas de intervenção Sucesso Educativo, Qualidade e Inovação propomos implementar as seguintes acções. Elaborar e organizar a distribuição do serviço lectivo tendo em conta a optimização das instalações, dos recursos tecnológicos e da prática pedagógica, tentando sempre que possível favorecer a continuidade pedagógica e atribuindo os cargos tendo em conta o perfil do docente e as condições que os mesmos exigem; Fomentar o trabalho em equipa dentro do conselho de turma e do mesmo grupo disciplinar Normalizar os circuitos e os instrumentos de Comunicação Elaborar um diagnóstico das necessidades para cada departamento/grupo e tomar as iniciativas necessárias para a satisfação das necessidades encontradas; Definir Plano de Formação de Pessoal Docente e não Docente em função das necessidades específicas; 19

21 Promover acções de formação em novas tecnologias e quadros interactivos; Optimizar os recursos humanos ao nível do pessoal não docente; Promover boas práticas pedagógicas; Normalização do modelo de apresentação do trabalho escolar; Reforçar o apoio às disciplinas de maior insucesso com aulas de TOA e apoios individuais; Reforçar a articulação entre a biblioteca e a sala de aula; Promover o desenvolvimento de competências na área das TIC; Proporcionar aos Alunos a utilização e aprendizagem das Novas Tecnologias na sala de aula e na biblioteca escolar, de modo a que adquiram conhecimentos que lhes permitam a aplicação das TIC a novas situações; Divulgar a informação através da internet com interacção dos alunos; Actualização constante da página da escola; Fomentar hábitos de leitura e investigação; Participar no Plano Nacional de Leitura, no Projecto de Testes Intermédios, no Projecto Educação para a Saúde e em iniciativas/projectos locais e nacionais que visem melhorar o desempenho escolar dos alunos; Incentivar a frequência da Biblioteca Escolar; Criação do jornal da Biblioteca Escolar; Promover projectos inovadores; Sensibilizar para a importância do sucesso pessoal, profissional e social; Sensibilização dos Encarregados de Educação para uma co-responsabilização no processo de aprendizagem e acompanhamento de seus educandos, em cumprimento da legislação em vigor; Criação do Quadro de Mérito e Valor; Promover momentos de reconhecimento público do mérito e de valor, com atribuição de diplomas; Promover o debate, a reflexão em torno de boas práticas pedagógicas; Divulgação das boas práticas, iniciativas e actividades da Escola nas reuniões internas e externas, através do Site da Escola, do Jornal da Biblioteca e em Jornais Locais; Prevenir as situações de indisciplina; Aplicar com eficácia e rapidez as medidas correctivas e disciplinares necessárias; 20

22 Criação de um gabinete de acompanhamento dos casos de indisciplina, integrando o SPO, que se articule com os Conselhos de Turma e o Gabinete de apoio ao aluno; Responsabilização de cada turma pela(s ) sala(s) usadas; Constituir uma equipa de trabalho para organizar, informar e divulgar a oferta educativa; Elaborar o diagnóstico das necessidades do mercado de trabalho, na região, a médio e longo prazo; Definir, organizar e divulgar uma oferta de cursos diversificada para prosseguimento de estudos, cursos profissionais, cursos de educação e formação de jovens (CEF) cursos de educação e formação de adultos (EFA), formações modulares e respectivos planos e cargas curriculares; Promover a orientação vocacional e profissional dos alunos; Organização de reuniões de trabalho com os diferentes estabelecimentos de ensino com vista à divulgação da escola e seus cursos. Integração Social, Parcerias e Identidade A educação e a formação são factores determinantes para uma integração plena dos cidadãos em sociedades cada vez mais multiculturais em permanente transformação. A escola deverá ser, por isso, um espaço privilegiado para gerar a igualdade de oportunidades, a aceitação da diversidade e a valorização da identidade. Com vista à concretização das iniciativas previstas nas áreas de intervenção Integração Social, Parcerias e Identidade propomos implementar as seguintes acções. Reforçar a actuação do Gabinete de Apoio ao Aluno; Promover o debate e a reflexão sobre as temáticas da Educação e Saúde; Avaliação nutricional dos produtos comercializados pela escola tendo em conta as prioridades alimentares: diversificação e qualidade; Valorização do Desporto Escolar, tornando a Escola um veículo promotor de saúde; Promoção de hábitos, atitudes e conhecimentos que valorizem a iniciativa e a responsabilidade pessoal; a cooperação e a solidariedade; a ética desportiva; a higiene e a segurança pessoal e colectiva; a consciência cívica na preservação de condições de realização das actividades físicas, em especial da qualidade do ambiente; Aperfeiçoar os canais de comunicação/ informação entre todos os intervenientes da Comunidade Escolar e Local; Criação de uma bolsa de empréstimo de manuais escolares para alunos carenciados com a ajuda da comunidade escolar; Incentivar os alunos para uma participação nas escolhas dos, seus órgãos representativos, favorecendo o desenvolvimento pessoal e social dos alunos, tendo em vista a formação de cidadãos tolerantes, autónomos e civicamente responsáveis; 21

23 Promover nos alunos comportamentos correctos de cidadania; Promover a participação dos alunos no Jornal da Biblioteca Escolar; Assegurar novas parcerias com empresas da região; Escola Secundária da Moita Fomentar a participação da comunidade educativa na criação de uma identidade de Escola; Utilização do jornal da biblioteca escolar como vector de integração social; Promover a interacção com as famílias e fomentar a comunicação Escola/ Encarregados de Educação; Incentivar a participação das famílias nas actividades educativas e de orientação profissional; Desenvolver programas de formação e informação que envolvam as famílias dos alunos; Estimular a cooperação das Associações e Autarquias em parceria com a Escola. Avaliação A avaliação do projecto educativo deve implicar todos os intervenientes de modo a torná-lo operacional e eficaz. 22

24 QUALIDADE E INOVAÇÃO SUCESSO EDUCATIVO Escola Secundária da Moita A coordenação deste processo é feita pela Comissão de Avaliação da escola em articulação com a Direcção da seguinte forma: 1.Ao longo do desenrolar do processo para se proceder às reformulações pontuais, sempre que necessárias, possibilitando a existência de mecanismos de regulação. 2.No final de cada ano lectivo para detectar obstáculos à concretização do projecto e formas de os superar. 3.No final do projecto para realizar um balanço final e a reformulação do projecto educativo para o ciclo seguinte. 4. O processo de avaliação do Projecto Educativo da Escola será sustentado na matriz que se segue, a qual é constituída por vários indicadores de desempenho. Tais indicadores estão organizados em torno das áreas de intervenção do Projecto Educativo. Tolerância Peso no Objectivos Indicadores Meta até 2013 Objectivo Taxa de abandono escolar Reduzir em 10% 5% 25% 1.Valorizar processos de ensino e aprendizagem de excelência conducentes ao sucesso escolar 2.Promover e divulgar boas práticas (quer dentro, quer fora da escola) 3.Reavaliar e adequar a oferta educativa da escola tornando-a uma referência pelo prosseguimento de estudos, pelas saídas profissionais e pelas parcerias estabelecidas no seio da comunidade 4.Promover a qualidade e a Inovação; 5.Assegurar o trabalho de equipa entre professores, e em particular em Conselho de Turma/Equipa Pedagógica; 6.Favorecer a circulação de informação 7.Melhorar o capital humano Taxa de insucesso escolar Reduzir em 10% 5% 50% Taxa de classificações Reduzir em 10% 5% 25% inferiores a 9,5 nos exames nacionais. Identificar boas práticas % Taxa de alunos que pretendem prosseguir estudos (nível superior) Taxa de alunos que pretendem integrar o mercado de trabalho após conclusão do 12º ano Nº de projectos Inovadores com qualidade Identificar acções inovadores e com qualidade no processo de ensino aprendizagem Taxa de utilização da plataforma Moodle Número de reuniões de trabalho realizadas ao longo do ano Taxa de utilização da plataforma Moodle e da página da escola para divulgação da informação Taxa de reclamações relativas ao pessoal não docente e pessoal docente Nº de pessoal docente e pessoal não docente em acções de formação Número de horas anuais de formação de pessoal docente e de pessoal não docente Aumentar em 5% 2,5% 50% Aumentar em 5% 2,5% 50% % % Aumentar em 20% 10% 50% Aumentar em 10% 5% 50% Aumentar em 50% 10% 100% Diminuir em 2% em cada ano 1% 30% Aumentar em 20% 10% 35% Aumentar em 10% 5% 35% 23

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1.1- Enquadramento territorial e contexto físico O Concelho da Moita onde se localiza o Agrupamento de escolas Fragata do Tejo está situado na região de

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 Através do Programa Educação 2015, o Ministério da Educação lançou um desafio às escolas no sentido de cada

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente

Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES 402424 Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente 1.1 Objectivos e metas do projecto educativo Cada escola, como parte integrante

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Escola Secundária do Forte da Casa Delegação Regional de Lisboa da IGE Datas da visita: 25 e 26 de Novembro de 2008 2 I INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010 2011

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010 2011 ESCOLA SECUNDÁRIA ANTÓNIO INÁCIO DA CRUZ PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010 2011 Relatório Final de Execução (alínea f) do ponto 1 do art. 13º, do Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril) JULHO 2011 Introdução

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

11. EDUCAÇÃO ESPECIAL

11. EDUCAÇÃO ESPECIAL 11. EDUCAÇÃO ESPECIAL 11.1 ORDENAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL De acordo com o estatuto na Lei de Bases do Sistema Educativo a educação especial organiza-se preferencialmente segundo modelos diversificados

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

CHAVE DO FUTURO. está nas tuas. mãos. Oferta. Oferta. Centro Novas Oportunidades. Ensino Nocturno. Cursos Profissionais. Cursos

CHAVE DO FUTURO. está nas tuas. mãos. Oferta. Oferta. Centro Novas Oportunidades. Ensino Nocturno. Cursos Profissionais. Cursos A CHAVE DO FUTURO está nas tuas mãos Centro Novas Oportunidades Ensino Nocturno Cursos Profissionais Cursos Científico-Humanísticos Oferta Oferta Cursos Educação e Formação ÍNDICE Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE 2010-2012 2 ÍNDICE 1. Nota introdutória. 3 2. Enquadramento do Plano de Formação.. 4 3. Recursos humanos, físicos e financeiros. 6 4. Objetivos gerais 7

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto A educação é aquilo que permanece depois de esquecermos tudo o que nos foi ensinado Halifax Índice 1 Introdução... 1 2 - Enquadramento legal... 1 I - Perfil...

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS OFERTA DO COLÉGIO (2010/2011) CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior. Têm a duração de 3 anos de escolaridade. Conferem um diploma de conclusão do

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJECTO EDUCATIVO 2009/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJECTO EDUCATIVO 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJECTO EDUCATIVO 2009/2013 1 INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 115-A/98 de Maio, alterado pela Lei n.º 24/99 de 22 de Abril, conferiu às Escolas a responsabilidade,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Agrupamento de Escolas D. Sancho I PONTÉVEL

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Agrupamento de Escolas D. Sancho I PONTÉVEL Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Agrupamento de Escolas D. Sancho I PONTÉVEL Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo da IGE Datas da visita: 4 a 6 de Março de 2009 I INTRODUÇÃO A Lei

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica

Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Conferência Nacional sobre Educação Profissional e Tecnológica 5 a 8 de Novembro de 2006 Sistemas de Educação e de Formação em Portugal ENSINO

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras ESCOLA TECNOLÓGICA DO LITORAL ALENTEJANO ETLA Localização A Escola Tecnológica do Litoral Alentejano fica situada no Complexo Petroquímico da empresa Repsol na ZILS. Perto da realidade industrial, a sua

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

Sumário. 1. Introdução... 2. 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4. 3. Planeamento das acções... 7

Sumário. 1. Introdução... 2. 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4. 3. Planeamento das acções... 7 A Internet no 1º Ciclo do Ensino Básico 1 Sumário 1. Introdução... 2 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4 3. Planeamento das acções... 7 4. O Site de apoio ao projecto... 9 5. O contacto

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Agrupamento de Escolas. Dr. Jorge Augusto Correia Tavira

Agrupamento de Escolas. Dr. Jorge Augusto Correia Tavira Agrupamento de Escolas Dr. Jorge Augusto Correia Tavira Oferta Educativa Ano Letivo 2015/2016 Cursos Vocacionais Básico Cursos Científico Humanísticos Cursos Profissionais Cursos Vocacionais Secundário

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

A Qualificação de Jovens e Adultos

A Qualificação de Jovens e Adultos A Qualificação de Jovens e Adultos Na região do Algarve, a rede de oferta formativa tem vindo a ser construída, alargada e consolidada com a colaboração e empenho de um número crescente de entidades públicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º A g r u p a m e n t o Ve r t i c a l d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s 1 Preâmbulo 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos têm vindo a afirmar-se como um instrumento central das políticas

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Literacia, Cidadania, Sucesso

Literacia, Cidadania, Sucesso Literacia, Cidadania, Sucesso A existência humana é uma tarefa permanente de leitura da vida: ler a vida é escrever e reescrever o mundo. Rosa (2008: 107) Projecto Educativo 2010 / 2013 2 INTRODUÇÃO Dando

Leia mais

INTRODUÇÃO. Atendendo às características deste meio, são finalidades desta escola: Escola Secundária Vitorino Nemésio 3

INTRODUÇÃO. Atendendo às características deste meio, são finalidades desta escola: Escola Secundária Vitorino Nemésio 3 INTRODUÇÃO A EB3/S Vitorino Nemésio localizada na Praia da Vitória, Ilha Terceira, única Escola com Ensino Secundário num concelho de cerca de 20 500 habitantes, tem vindo, e é seu objectivo continuar,

Leia mais

ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE

ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Trás-Os-Montes E Alto Douro A.1.a.

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO. Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO. Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos Cursos Tecnológicos (estes cursos não constituem opção para novos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA PROF. JOSÉ AUGUSTO LUCAS PLANO PLURIANUAL DE ACTIVIDADES 2010-2013 ENSINAR E APRENDER COM QUALIDADE

ESCOLA SECUNDÁRIA PROF. JOSÉ AUGUSTO LUCAS PLANO PLURIANUAL DE ACTIVIDADES 2010-2013 ENSINAR E APRENDER COM QUALIDADE ESCOLA SECUNDÁRIA PROF. JOSÉ AUGUSTO LUCAS PLANO PLURIANUAL DE ACTIVIDADES 200-203 ENSINAR E APRENDER COM QUALIDADE ÍNDICE. INTRODUÇÃO 3 2. PRINCÍPIOS ORIENTADORES LINHAS DE ACTUAÇÃO 4 3. ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008 Associação de Pais e Encarregados de Educação Plano de Actividades 2007/2008 A nível interno 1. Promover o bom Funcionamento administrativo da Associação Objectivo: Continuar a melhorar a organização e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto APRESENTAÇÃO AEFCUP Informações AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Rua do Campo Alegre, 1021 4150 180 Porto GPS: 41º 11'10.25'' N 8º41'25.32''W Tlf. AEFCUP

Leia mais