MECANISMOS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECANISMOS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO"

Transcrição

1 Secretaria Nacional de Habitação lano Nacional de Habitação: Definição dos Arranjos Institucionais e do apel dos Agentes MECANISMOS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO Consórcio julho de 2008 Via ública Brasília LabHab/FAUUS/FUAM Logos Engenharia

2 SUMÁRIO 1) Organização Institucional do Sistema Nacional de Habitação 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias ropostos 3) Modelo Operacional 4) Recursos

3 Organizaç 1) Organiza ção Institucional do SNH - ATUAL IN S T Â NC IA C E N T R AL DE CO O R D E N AÇ Ã O C on sel ho das Ci da de s M INIS T É RIO D A S CID A D E S / S NH (co o rd en açã o ) M IN IST É R IO D O T R A B A LH O E E M RE G O M IN IST É RIO DA FA Z E N D A C on fe r ê nc ia Na c io n al C onse lho G e stor FN H IS C on se lh os E st ad ua is e D F de H ab it aç ã o e C o nse lho s do s F EH IS C ons elho C ur a dor FD S C ons elho C ura dor FG TS C on se lh o D e libe ra tivo FA T Ó r g ão s e Inst it uiç õ e s úb lic as r e g io nais, m e t r o po lit an as, E st a dua is c o m fu nç õ e s c o m ple m e nt ar e s o u afin s c o m ha bita ç ã o C o nfe r ê n c ia s M unic ip a is CO NTRO LE SO C IA L E AR T IC I A Ç Ã O BACEN C onse l ho M o ne tá ri o N a ci ona l C A IX A E C O N Ô M IC A FE D ER A L SN H M ( Ag e nt e O pe r a do r e f in an c e ir o d o s r e cu r so s d o FN H IS, d o FG T S, d o FD S, d o F AR - SNH I S) e fin anc e ir o d o s re c u r so s d e m e r ca d o ( SN HM ) C on fe r ê nc ias Es tad u ais Co ns e lho s M unic ipa is de H ab it aç ão e Co nse lh os do s F M H IS STN Ó r gã o s e I nstit uiç õ e s úb lic a s M un ic ip ais c o m f unç õ e s c o m p le m e nta r e s ou af ins c o m ha bit aç ã o AG ENTES RO M O T O R E S (p riv ad os, e p úbli co s n ão esta tais) IN ST Ã N C IAS SU B NA C IO N AIS D E C OO R D E N A Ç ÃO SN HM + S N H IS AG ENTES T É C N IC O S / R E ST A DO RE S D E SE R V IÇ O A G E N T E S R OM O T O R E S Ú B L IC O S AG ENTES FIN AN C E IR O S SNH IS UB L ICO A L VO Ó R G Ã OS CO M LEM ENTARES

4 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Deve-se buscar a organização institucional para o aprimoramento das seguintes funções: - Direção e Coordenação; - romoção Habitacional; - articipação e Controle Social; - Articulação intersetorial e intergovernamental; - Operação do SNHIS; - Capacitação e Assistência Técnica; - Monitoramento e Avaliação; e - Regulação e Fiscalização.

5 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES oder úblico FUNÇÕES Diagnóstico e Formulação da olítica Formulação de lanos, rogramas e Ações Execução dos rogramas e Ações Identificação de Beneficiários oder Local (Estadual ou Municipal) Adm. Adm. Direta Indireta Outras Esferas Conselhos Locais 3º. Setor (ONGs, Associações, Cooperativas, etc.) Setor rivado CE CE CE E CE S E E CE E CE S E E E Controle Social Integração e Articulação C Monitoramento e Avaliação C Regulação e Fiscalização CE E E C coordenação E execução participação S supervisão

6 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 1 - DIREÇÃO E COORDENAÇÃO ÚNICA EM CADA ESFERA DE GOVERNO Nível federal: coordenação estratégica do Sistema Nacional de Habitação; formulação de programas e linhas de ação habitacional; e incentivos aos estados que tiverem promovido a melhoria da gestão habitacional nos municípios situados em seu território.

7 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 1 - DIREÇÃO E COORDENAÇÃO Nível Estadual coordenação do sistema em nível estadual; formulação de políticas, diagnósticos e planos, constituição de conselhos e fundos e estímulo ao seu bom funcionamento e gestão; indução da implementação do SNH em seu território, coordenando as ações de DI; lanos Habitacionais: visando a consolidação dos municipais e resultante de concertação; e reservar às empresas de administração indireta um papel mais executivo, exclusivamente voltado às camadas de baixa renda.

8 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 1 - DIREÇÃO E COORDENAÇÃO Nível Municipal coordenação do sistema no município; formulação de políticas, diagnósticos e planos, constituição de conselhos e fundos e estímulo ao seu bom funcionamento e gestão; estímulo ao ingresso de novos agentes promotores (cooperativas e associações locais) e apoio com capacitação e assistência técnica; e desenvolvimento de suas capacidades institucionais.

9 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 2 - ROMOÇÃO HABITACIONAL Novos atores, cuja atuação deverá ser regulamentada associações e cooperativas. Aprimoramento da promoção pelos atuais atores Setor privado estimulado a ampliar atendimento ao público de HIS Função 3 - ARTICIAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Conselhos Gestores Locais protagonistas - papel e funções deve ser melhor e permanentemente esclarecidos e explicitados.

10 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 4a - ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL aprimorar articulação entre políticas urbanas e intersetoriais, e entre conselhos, reforçando esta função no Conselho das Cidades e nos conselhos locais; e Rede de instituições técnicas e tecnológicas - agentes técnicos do SNHIS.

11 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 4b - ARTICULAÇÃO INTERGOVERNAMENTAL Situação hoje: articulação entre governo federal e estadual ocorre por meio do Fórum dos Secretários Estaduais de Habitação e Desenvolvimento Urbano, de maneira informal, em reuniões mensais entre SNH e FNSHDU. roposta: Estabelecimento de agenda entre a SNH e o FNSHDU, que possibilite a interlocução permanente e regular entre os principais gestores do SNHIS para a coordenação do Sistema, especialmente no que se refere à promoção da melhoria das capacidades administrativas do setor público nos níveis subnacionais; e Reforço na participação dos municípios no Conselho das Cidades e sua articulação com os estados.

12 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 5 - OERAÇÃO DO SNHIS Estudo sobre a Caixa: seu papel, sua estrutura e sua capacidade operacional, na qualidade de agente operador exclusivo; Diversificação dos agente financeiros: bancos privados operando recursos do FNHIS, cooperativas de crédito, etc..

13 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 6 - CAACITAÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA voltadas a: atividades de autoconstrução dos grupos de renda mais baixa; estados e municípios na construção e implementação de suas políticas, planos, programas e projetos; e fortalecimento e estruturação de organizações comunitárias e organizações não-governamentais, voltadas à promoção de projetos habitacionais para população de baixa renda em sua montagem, viabilização e execução e na organização de grupos.

14 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 7 - REGULAMENTAÇÃO A ser exercida pelo MCidades/SNH, enfocando os seguintes temas: Conselhos Locais finalidades e regras de funcionamento; lanos Habitacionais análise qualitativa pelos conselhos locais; transformação dos planos em instrumentos legais; condicionalidades relacionadas ao não cumprimento de planos diretores; atuação de associações e cooperativas como agentes promotores e adequação da lei de cooperativas; e Assistência Técnica.

15 Organizaç FUNÇ 1) Organiza ção Institucional do SNH - FUN ÇÕES Função 8 - REGULAÇÃO TÉCNICA E FISCALIZAÇÃO Regulação técnica: colaborar na definição de requisitos mínimos para HIS em nível federal, induzindo o aprimoramento dos códigos de obras junto aos coordenadores dos sistemas de HIS locais (Estados, DF e municípios) e introduzindo requisitos desejáveis para a redução de custos sem o prejuízo de padrões de durabilidade, conforto termo-acústico e sustentabilidade ambiental. Fiscalização pode ser exercida pelo agente operador ou pela própria SNH e é importante instrumento de gestão da NH e da avaliação introdução de novos atores; Em discussão a legalidade de terceirizar esta função (TCU). ROOSTA: Criação de uma Instância de Regulação no âmbito do M Cidades/SNH.

16 SUMÁRIO 1) Organização Institucional do Sistema Nacional de Habitação 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias ropostos 3) Modelo Operacional 4) Recursos

17 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias GESTÃO DO SISTEMA Estrutura dos órgãos de coordenação e operação Central - estudo organizacional aprofundado da SNH/M Cidades e CEF, visando um re-desenho e redimensionamento Estrutura dos órgãos Estaduais e Municipais - Concebidas ou reconcebidas de acordo com os objetivos e estratégicos definidos nas políticas locais, para ser capaz de executar as funções indelegáveis: Formulação das políticas; lanejamento e coordenação da implementação dos instrumentos das política; Articulação e Integração; romoção do Controle Social e participação

18 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias ROVISÃO HABITACIONAL Em provisão pública direta: ampliar a capacidade de contratar serviços e conduzir processos licitatórios; terceirização de gerenciamento de projetos Apoio a programas de auto construção: assistência técnica e capacitação rogramas de lote urbanizado: demandam grande esforço de administração dos beneficiários e supervisão dos projetos, bem como uma constante assistência técnica às famílias para construção ou ampliação das unidades habitacionais; (continua)

19 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias ROVISÃO HABITACIONAL Reurbanização de favelas: aprimorar a articulação intersetorial e com as comunidades (negociações mais intensas e difíceis); Ocupações ilegais: apoio institucional para a efetivação da provisão de serviços e para legalização; e arcelamentos ilegais: parcerias com ONGs para negociações com as agências governamentais a fim de garantir segurança e provisão de serviços de infra-estrutura e consolidação geral dos parcelamentos.

20 SUMÁRIO 1) Organização Institucional do Sistema Nacional de Habitação 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias ropostos 3) Modelo Operacional 4) Recursos

21 3) Modelo Operacional Agente Operador (CAIXA) CGFNHI S Mi nis tério das Cidade s Aprova regiment o Int erno do CGFNHI S e as dire trizes da s a çõ es pro gram áticas do FNHIS Divulgam NH e regras para operação d o FNHI S, programas e ações, ouvido o Concidades De fine e im plemen ta os procedime ntos op eracionais ne cessário s à aplicaçã o de recurso s do FNHIS Governos Esta duais, Di strital e Municipal (proponentes / agentes exec utores) Outros Agentes romotore s (Ass oci ações e Cooperativas) rodutores de Bens e resta dores de Se rv iços Ins tâncias de arti cipação e Controle Social Conselho Gestor dos Fundos Loca is úbli co Alv o Celeb ra Cont rato co m a Caixa pa ra q ue esta a tue com o Age nte Op erad or d o FNHIS Toma conhecimen to da cele bração dos Term os de A desão (via diário of icial) Celebram Termos d e Adesão, com p razos regulame ntado s pelo CGFNHIS Elaboram diagnósticos habita cion ais com base n os diagnó st icos seto riais, análises conjunturais e plan os diret ores locais Recebe m cópia dos lanos Habitacionais E lab oram lanos Habitaciona is Lo ca is In tegrados com lan os Dire tore s e lanos de outros setores articipam da Ela bora çã o dos lanos e aprova m Recebe m cópia da lei (S uperint endên cias Re gionais) ro movem le gislação cria ndo o s Fun dos Hab it acion ais e os Conselhos Gestores Locais articipam da Ela bora çã o dos rojetos de Lei Fo rmu lam progra mas e ações a rticipam da fo rmu lação Info rma Ministério das Cida des sobre cumprimento d os requ isitos da Lei Recebe I nformação sob re e vo lução do cumpriment o dos requisitos Seleciona prop ostas com b ase nos limites orçam entários, e no s critérios e nas dire trizes do CGFNHI S Elaboram propo st a, sob form a de co nsulta prévia, de acordo com os lanos elab orad os e encam inham para an álise e apreciação articipam da elab oração das p ropo st as (exceto para lano s) Elaboram p ropo st a, sob f orm a de consulta prévia, de acordo com os lano s ela bora dos e e nca minham para a nálise e apreciação Encaminh am à CEF do cu menta çã o técnica, instituciona l e juríd ica relativa à prop osta selecion ada Encam inha à CEF do cum enta çã o técnica, institucional e juríd ica relativa à proposta se le cion ada Ce leb ram Co ntra tos de Repa sse Celeb ram Con trat os de Repasse Recebe e ana lisa do cum enta çã o técnica, institucional e juríd ica d as pro postas selecio nadas Celebram Con trat os de Repasse Ve rificam cum prime nto d a exigência de pre enchiment o de ca dastro s sócio-eco nômicos Ca dastra m be neficiá rios no CadÚnico (e xceto para a ação Apo io à Elabo ração de lano s) De po sse da relaçã o dos b eneficiários finais, consulta Cad Ùnico e CADMUT p ara ve rifica r, re sp ect ivam ente, duplicidades de bene fício s e registro s de fina nciam ento s de imóveis obt id os e informa restriçõe s detectad as (exceto para Elaboração d e plano s) Rece bem in form ação Re ce bem inf orm ação Exe cu tam projeto s e ações de acord o com m etas d o lan o, b eneficiários selecio nados e do Contrato de Re passe, acom panha m e ava liam o p rocesso de imp la ntação e elaboram presta çõe s de conta e relat órios de gestão relativos à a plicação dos fund os lo ca is (anuais); Atualizam relação d e be neficiá rios ao final da im plantação Exe cut am p rojeto s de acordo com cont rato s d e re passe e b eneficiários selecionado s e elabo ram pre sta çõ es de con ta. At ualizam re la çã o de b eneficiários ao final da im plantação rom ove m execução orçam entário-finan ce ira do s cont rato s d e re passe e a com panh am e atestam a execução do ob je to da s con trat ações efet uadas Recebe, analisa, ad ota p rovidências necessárias à baixa da s prest de conta s parciais e fina is, a tualiza re lação final de benef iciados e elabora relatório de gestão do FNHIS Elabora informes ao Min. das Cida des sobre o andam ento dos projetos e encaminha docum entos n ecessários ao processo de a co mpan hame nto e avaliação d a execução e dos re su lt ados das a çõ es Recebe informes periódico s so bre o andam ento físico financeiro dos contratos d e repasse e rea liza o monitoramento e av aliaç ão da ge st ão do SNHIS Rece be Relatório de g estão ANUAL do FNHIS e encam in ha pa ra a provação do CGFNHIS Fornece info rm açõ es fidedigna s p ara ca dastro articipam na ge st ão do s recursos financeiro s Aprovam relatório s de ge stã o articipam na ge st ão do s recurso s f in anceiros restam serviços e Forn ece m Ben s Recebem aprovaçã o dos Relatórios de Gestã o e e ncaminham cópia LEGENDA: relações de pre cedência Apro va relat órios de gestão dos recursos FNHIS Recebe cópia dos relatórios de ge st ão apro va dos pelos Conselhos Efe tua m onitorame nto e avalia ção da im plantação da NHI S relações de participação tra nsmissão de informação t ransferênc ia de recursos

22 3) Modelo Operacional lanos Habitacionais: estabelecer condicionantes vinculando o uso dos recursos do Fundo à consonância dos projetos aos planos habitacionais e aos planos diretores locais; Ingresso de Novos Atores: criar mecanismos que garantam o ingresso de novos atores na promoção, na produção e no financiamento habitacional; Descentralização: mecanismos de repasse fundo a fundo, a partir da análise de planos locais e da avaliação da capacidade institucional dos gestores (estados e municípios) implantação gradativa com definição de patamares de DI. Incentivos financeiros para a evolução institucional, incorporando os critérios de distribuição de recursos; (continua)

23 3) Modelo Operacional Subsídios: promoção habitacional financiada com recursos de subsídio deve ter desenho operacional diferenciado, simplificado, com repasse direto (cheque-moradia, etc.); Regulamento Operativo: elaborar regulamentos completos, acessíveis e claros para orientar todos os atores com relação aos processos.

24 SUMÁRIO 1) Organização Institucional do Sistema Nacional de Habitação 2) Arranjos Institucionais e Alternativas de arcerias ropostos 3) Modelo Operacional 4) Recursos

25 4) Recursos HUMANOS recrutar, formar e capacitar quadros com quantidades e perfis adequados para todos os órgãos responsáveis pela gestão do sistema em todas as esferas. INFRA-ESTRUTURA TECNOLÓGICA E LOGÍSTICA adequada e suficiente (em todos os níveis) para abrigar as bases de dados e extrair delas elementos que permitam, ao longo do horizonte temporal do LANHAB, aferir novamente contextos e cenários, revisar o próprio LANHAB e monitorar e avaliar a implementação dos instrumentos da olítica descentralizada e capilar, esta infraestrutura tecnológica deverá permitir a coleta periódica de informações nos níveis subnacionais (estados e municípios).

26 CRÉDITOS MINISTÉ MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro de Estado Marcio Fortes de Almeida Secretá Secretária Nacional de Habitaç Habitação Inês Magalhães DIRETORA DO DETO. DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E COO. TÉ TÉCNICA Júnia Santa Rosa DIRETORA DO DETO. DE URBANIZAÇ URBANIZAÇÃO DE ASSENTAMENTOS RECÁ Á RIOS REC Mirna Quinderé Belmiro Chaves DIRETOR DO DETO DE RODUÇ RODUÇÃO HABITACIONAL Daniel Nolasco EQUIE TÉ TÉCNICA DA SECRETARIA NACIONAL HABITAÇ HABITAÇ ÃO Antônio César Ramos Cleber Lago do Valle Mello Filho Marta Garske Nelson Teixeira da Silva EQUIE DETO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E COOERAÇ COOERAÇÃO TÉ TÉCNICA Flávio Henrique Ghilardi Marcos Silva Monteiro Marina A. Cavalcante de Oliveira Miguel Lodi Carvalho Sandro Eli Malcher de Alencar Silvana Tamiazi CONSULTORIA FUNDAÇ FUNDAÇÃO JOÃO INHEIRO Bernadete Araújo Laura Maria Irene de Michelis Mendonça Sergio Azevedo CONSULTORIA CEDELAR Cintia Agostinho Eduardo Rios Neto Elzira Lúcia de Oliveira Gustavo Givisiez CONSULTORIA CEM / CEBRA Daniel Vazquez Eduardo Marques Marta Arretche Sandra Gomes EQUIE DE CONSULTORES DA SECRETARIA NACIONAL DE HABITA HABITAÇ ÇÃO Anaclaudia Rossbach Ana Lúcia Ancona Érika Araújo Vera Viana CONSULTORIA ELABORAÇ ELABORAÇ ÃO DO LANHAB: CONSÓ CONSÓRCIO VIA Ú ÚBLICA / LABHABLABHAB-FUAM / LOGOS ENGENHARIA GRUO DE ACOMANHAMENTO DO LANHAB ConCidades COORDENAÇ COORDENAÇÃO edro aulo Martoni Branco Nabil Bonduki Márcia aterno Joppert Luiz Henrique roença Rossella Rossetto Kazuo Nakano CONSULTORES Adauto Lucio Cardoso Celso etrucci Ceres rates Claudia Magalhães Eloy Ermínia Maricato Gustavo Zimmerman Maria Alice Accorsi Maria Lucia Refinetti Martins Nádia Somekh Raquel Rolnik Rinaldo Barcia Movimento opular: Ênio Nonato de Oliveira, Miguel Lobato Silva, Marcos Cosmo da Silva e Benedito Roberto Barbosa, Gerson Brito da Silva, Silvio José Gonçalves, Marli Aparecida Carrara Verzegnassi e Antonia de ádua Trabalhadores: Ângelo Marcos Vieira de Arruda e Jair edro Ferreira Empresários: Miguel da Silva Sastre e Mario William Esper ONGs: Leonardo Roque essina Bernini e Ricardo de Gouvêa Corrêa Entidades rofissionais, Acadêmicas e de esquisa: Haroldo inheiro Villar de Queiros e Eleonora Lisboa Mascia oder úblico Estadual: Carlos Eduardo Xavier Marun, Rosa de Fátima Soares de Souza, Afonso Bandeira Florence e Aleandro Lacerda Gonçalves oder úblico Municipal: Luiz Antonio Grechi Gheller, Jeconias Rosendo da Silva Júnior, Edison Bastos Gasparyni Junior e Fernando Guilherme Bruno Filho EQUIE TÉ TÉCNICA Alexandre Guerra Alexandre iero Ana Cristina Ferreira Anamélia Gomes de Carvalho Andréa Villela Annez Andraus Troyano Daniella Klintowitz Fernanda Costa Janaina Rangel Joyce Reis Luanda Vanucchi Luis Augusto Corá aulo Fernandes edro Cortez Renata Rocha Gonçalves

27 Secretaria Nacional de Habitação lano Nacional de Habitação: Definição dos Arranjos Institucionais e do apel dos Agentes MECANISMOS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO julho de 2008 /

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências.

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005 Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, Faço saber a todos

Leia mais

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social SÃO VICENTE PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social Encontro Regional Discussão Pública do Plano Estadual de Habitação (PEH-SP) SEHAB - SECRETARIA DE HABITAÇÃO Prefeitura Municipal de São

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social.

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Júnia Santa Rosa Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA 1 Conferência Internacional de Crédito Imobiliário do Banco Central do Brasil Experiência Internacional

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2049 - Moradia Digna 00AF - Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento Residencial - FAR Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 28 - Encargos Especiais Subfunção: 845 -

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL. Como construir a Agenda 21 Local

AGENDA 21 LOCAL. Como construir a Agenda 21 Local AGENDA 21 LOCAL Como construir a Agenda 21 Local O Passo a Passo da Agenda 21 Local : Metodologia de construção de um processo de Agenda 21 local sugerida pela Coordenação da Agenda 21/MMA AGENDA 21 LOCAL

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI PETI MPMA 2015 2016 Procuradora Geral de Justiça VERSÃO 1.0 SÃO LUIS MA, 2014 Regina Lúcia de Almeida Rocha Procuradora de Justiça Diretor Geral Luís Gonzaga Martins Coelho

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 09. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 09. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 09 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua ALTERNATIVAS TÉCNICO-INSTITUCIONAIS DE IMPLEMENTAÇÃO CONSÓRCIOS PÚBLICOS: são meios de cooperação, ou seja, alternativas institucionais que

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Os caminhos para o Brasil de 2022

Os caminhos para o Brasil de 2022 Os caminhos para o Brasil de 2022 GOVERNANÇA PARA A COMPETITIVIDADE Gustavo Morelli Sócio diretor da Macroplan Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL NO RESIDENCIAL MORADA DOS CANÁRIOS CAMAÇARI PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Camaçari, 10 de julho de 2015. 1. ANTECEDENTES

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto

META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto META NACIONAL 20- ampliar o investimento público em educação pública de forma a atingir, no mínimo, o patamar de 7% (sete por cento) do Produto Interno Bruto - PIB do País no 5 o (quinto) ano de vigência

Leia mais

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e Ciclo de Palestras UDia do Farmacêutico OBJETIVO Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e a tua liza r os p rofissiona is c om

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação A avaliação constitui-se em um desafio da política educacional A avaliação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

Lei nº 17773 DE 29/11/2013

Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Norma Estadual - Paraná Publicado no DOE em 02 dez 2013 Dispõe sobre o Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte - SUSAF-PR.

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

Centro Mineiro de Referência em Resíduos Coleta Seletiva com inclusão sócio-produtiva dos Catadores de Materiais Recicláveis

Centro Mineiro de Referência em Resíduos Coleta Seletiva com inclusão sócio-produtiva dos Catadores de Materiais Recicláveis Centro Mineiro de Referência em Resíduos Coleta Seletiva com inclusão sócio-produtiva dos Catadores de Materiais Recicláveis O Centro Mineiro de Referência em Resíduos Criado em Junho de 2007, é uma iniciativa

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais