dio MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO (MDL) NA ITÁLIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS COM O BRASIL Índice

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "dio MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO (MDL) NA ITÁLIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS COM O BRASIL Índice"

Transcrição

1 dio MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO (MDL) NA ITÁLIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS COM O BRASIL Índice 1. INTRODUÇÃO O regime de comércio de quotas de emissões de gases de efeito estufa O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO NA EUROPA Funcionamento e arcabouço jurídico A atual tendência europeia em matéria de emissões O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO NA ITÁLIA O comércio de emissões na Itália (países de origem dos projetos, tipos e volumes) O plano nacional de atribuição de licenças de emissão Registro Nacional das emissões e das quotas de emissões O Fundo de Carbono Italiano BioCarbon Fund (BioCF) O ciclo de um projeto de mecanismo de desenvolvimento limpo na Itália O investimento italiano nos projetos de mecanismo para o desenvolvimento limpo PERSPECTIVAS PARA O INTERCÂMBIO E A COOPERAÇÃO ENTRE BRASIL E ITÁLIA CONCLUSÕES ANEXOS Órgãos Italianos Feiras na Itália Outros Fundos de Carbono gerenciados pelo Banco Mundial Memorandos de Entendimento Brasil-Itália BIBLIOGRAFIA SITOGRAFIA... 55

2 1. INTRODUÇÃO O Protocolo de Quioto prevê instrumento baseado nas forças de mercado para coibir as emissões de gases produtores do efeito estufa. Esse instrumento chama-se Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). Dessa forma, a um só tempo, estimula-se o emprego de tecnologias limpas, bem como o investimento estrangeiro direto. No âmbito do protocolo de Quioto, ratificado pela UE em maio de 2002 e que entrou em vigor três anos depois, em 16/02/2005, os países da UE-15 assumiram compromisso comum de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 8% em média, entre 2008 e 2012, em relação às emissões do ano de referência, Posteriormente, o compromisso foi prorrogado até 2017 durante a 17ª Conferência das Partes (COP, sigla em inglês) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês), realizada em finais de 2011, em Durban (África do Sul). Nesse contexto, desde o início da vigência do protocolo de Quioto, Brasil e Itália passaram a explorar com maior vigor essa nova dimensão em seu relacionamento bilateral, quando assinaram memorando de entendimento entre os dois países voltado à diminuição das emissões de gases de efeito estufa. O presente trabalho tem como objetivo analisar o funcionamento do mecanismo de desenvolvimento limpo na Itália e as perspectivas de incremento da cooperação com o Brasil. De início, será descrito o funcionamento do mercado de créditos de carbono na Europa. Posteriormente, será analisado o mercado italiano com ênfase nos tipos de projetos e volumes financiados por empresas italianas. Serão comentados o plano nacional de atribuição de licenças de emissão, os procedimentos para o registro nacional e o ciclo de um projeto de MDL na Itália. Também serão identificados os principais fundos para financiamento do comércio de créditos de carbono dos quais a Itália participa e identificadas as principais iniciativas desenvolvidas por empresas italianas. Por fim, serão tecidas conclusões e recomendações a empresas brasileiras para o incremento de parcerias com entidades italianas. 2

3 2. O regime de comércio de quotas de emissões de gases de efeito estufa O que torna os sistemas de comércio de emissões atraentes para a indústria e para os reguladores é a maior flexibilidade na escolha da redução das externalidades negativas (agentes poluidores) com a consequente possibilidade de obter custos mais baixos. Outras abordagens para enfrentar problemas ambientais como a taxação das externalidades ou instrumentos legislativos punitivos para resolver problemas ambientais não apresentam essa vantagem 1. Além disso, os custos da redução das externalidades negativas variam de empresa a empresa, o que significa que existe quase sempre potencial de ganho por meio de sistema de comércio de emissões. O proprietário de empresa pouco eficiente pode comprar a eficiência desenvolvida por outros a custo mais baixo da melhoria na própria empresa. O mercado será equilibrado de modo a estimular os comportamentos dos mais eficientes sem permitir aos menos eficientes manter nível de poluição excessivo. O regulador do sistema é o preço atribuído às emissões poluentes. Os sistemas de comércio de emissões incorporam o princípio do poluidor pagador. O comércio de emissões emergiu como alternativa às abordagens legislativas punitivas, principalmente após a entrada em vigor do Protocolo de Quioto. A principal vantagem ligada ao esquema dos direitos de emissão é representada pela possibilidade de reduzir as emissões poluentes a custos mais baixos. Quanto maiores forem as diferenças dos custos de redução entre os participantes do sistema de comércio de carbono, mais conveniente é a introdução do sistema por ser mais rica a possibilidade de comércio. O MDL, entretanto, ainda não foi capaz de estimular investimentos em larga escala, de forma a ter impacto infraestrutural significante nos sistemas de energia. Analistas apontam os seguintes desafios: Complexidade: o ciclo do projeto MDL é longo, complexo e custoso; logo, pode desencorajar investidores. 1 Veja os exemplos Atkinson e Tietenberg

4 Falhas no Regulamento: procedimentos relativos à validação e à verificação de projetos são, em geral, bastante vagos, o que resulta em interpretações substancialmente variadas em muitos países. Assim, criam-se incertezas da parte de desenvolvedores e compradores em potencial acerca da elegibilidade dos projetos e da quantidade de créditos que podem ser gerados. Falta de capacidade institucional: a capacidade de autoridades nacionais para gerenciar o processo nem sempre é adequada. Regulamentos locais, organização insuficiente e procedimentos pouco claros podem aumentar o risco dos investimentos, especialmente em certos países hospedeiros. Testes de Adicionalidade: a questão da adicionalidade continua sendo controversa. De acordo com as regras atuais, a avaliação da medida em que um projeto proporciona de fato emissões que sejam adicionais ao que ocorreria de outra forma é muitas vezes subjetiva. Além disso, dados específicos de um país para um cálculo das baselines são difíceis de encontrar. Isso representa mais uma fonte de incerteza para investidores, bem como fonte de preocupação para stakeholders ambientais. Apesar dos pontos fracos, o MDL provou ser ferramenta inovadora para promover a transferência de tecnologia para países emergentes e em desenvolvimento. Mecanismos similares ao MDL podem encorajar investimentos na redução de emissão pelo setor privado em todo o mundo, efetivamente contribuindo para o desenvolvimento global sustentável, ao proporcionar altas taxas de redução de emissões. As negociações em andamento para um acordo pós-quioto representam oportunidade de criar estratégias capazes de superar os pontos fracos apresentados do MDL e de desenvolver os pontos fortes para aumentar as potencialidades. 3. O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO NA EUROPA A União Europeia adotou o mercado de emissões dos gases de efeito estufa como um dos principais instrumentos para a sua política de combate às mudanças climáticas. Um dos motivos para esta escolha é a vantagem de redução das emissões do setor industrial em modo economicamente menos penalizador para as empresas. 4

5 Trata-se de grande desafio. Embora já tenham sido testados sistemas de comércio de emissões em alguns países, nunca tinha sido utilizado anteriormente esse tipo de sistema em escala tão grande como a da União Europeia. É o primeiro e maior sistema internacional para o comércio de certificados de emissões de gás de efeito estufa e atua em instalações energéticas e industriais em 30 países, ou seja, os 27 Estados-membros da União Europeia além da Islândia, Liechtenstein e Noruega. As fontes incluídas no sistema são: centrais de produção energética, instalações de combustão, refinarias de petróleo e estabelecimentos de produção de ferro, aço, vidro, cal, tijolos, cerâmica, cimento, celulose, papel e papelão. Além das emissões de CO2 citadas acima, foram incluídos posteriormente emissões de óxido nitroso provenientes de determinados processos. Em 2012, foram acrescentadas ao sistema, apesar de vários protestos, as companhias aéreas. Posteriormente o sistema europeu de comércio de emissões será estendido às indústrias petroquímicas de amônia e alumínio e incluirá, também, as emissões de outros gases de efeito estufa. 3.1 Funcionamento e arcabouço jurídico O mercado europeu para o comércio dos certificados de redução das emissões (introduzido em 2005, após a adoção da Diretriz 2003/87/CE) funciona com o mecanismo de cap-and-trade 2, com a regulamentação e com a possibilidade de credenciamento dos direitos adquiridos. De acordo com esse modelo, os Estados-membros definem teto máximo para as emissões totais de determinados gases de efeito estufa provenientes de instalações industriais e de produção energética incluídos no sistema e, por meio dos Planos Nacionais de Atribuição (PNA), determinam as quotas anuais de emissões a serem atribuídas a essas 2 Cap-and-trade: é definido o nível máximo de emissões poluentes considerado aceitável, o chamado cap. É um teto máximo das emissões que pode ser expresso seja em termos de concentração (mg/m3), seja em quantidade de substância poluente emitida, quilos ou toneladas. O teto é calculado considerando as consequências ambientais e sanitárias produzidas pelas emissões e, uma vez estabelecido, os certificados são obtidos calculando o diferencial entre o cap e a quantidade efetiva das emissões. No caso em que uma empresa obtenha redução das emissões superiores ao nível solicitado, pode vender a quota excedente das emissões reduzidas às empresas que são menos eficientes e, portanto, superaram as emissões previstas pelo cenário de base. 5

6 instalações. As empresas que possuem as instalações podem então vender as quotas de emissão não produzidas (se são muito eficientes e não as utilizam inteiramente) ou comprar outras (se são pouco eficientes e emitem quantidade maior do montante estabelecido), ao preço definido do mercado. Os controles são feitos depois de um ano e as emissões das várias empresas não devem exceder a quantidade de permissões concedidas: em caso de superação são previstas multas significativas. A empresa que reduzir as suas emissões abaixo do nível da sua dotação inicial de certificados pode obter o crédito de certificados, que pode ser utilizado no futuro ou serem vendidos. A Diretriz 2004/101/CE, conhecida como Diretriz Linking, estabelece uma ligação direta entre os projetos MDL e o sistema europeu para o comércio das quotas de emissão. O artigo 11 da Diretriz estabelece que, no âmbito do sistema comunitário de comércio das quotas de emissão de CO2, os Estados-membros podem autorizar os operadores a utilizar as RCE (Reduções Certificadas de Emissões) e as URE (Unidades de Redução das Emissões) para cumprir a obrigação anual de restituição das quotas. A Itália aproveitou essa oportunidade. No caso de projetos hidrelétricos com capacidade de geração acima de 20 MW a Diretriz prevê que seja verificado, na fase de aprovação do projeto, o respeito aos princípios estabelecidos pela World Commission on Dams 3. Para assegurar uma interpretação harmoniosa de tais princípios em nível europeu foram elaboradas diretrizes ad hoc 4. Em síntese, a União Europeia conseguiu criar mercado de certificados de emissões de gases de efeito estufa em escala continental e fazê-lo funcionar obtendo vantagens ambientais e econômicas: a eficiência de muitas empresas aumentou e as emissões das instalações que fazem parte do sistema estão diminuindo. Os próximos passos que serão adotados para melhorar ainda mais o sistema são: redução do número das quotas oferecidas às instalações (de modo a abaixar o nível de poluição e alcançar em 2020 a diminuição total de 21%, em relação a 2005); e um 3 Report "Dams and Development A New Framework for Decision-Making", November "Guidelines on a common understanding of Article 11b (6) of Directive 2003/87/EC as amended by Directive 2004/101/EC". 6

7 progressivo deslocamento da regulamentação para o leilão 5 no que se refere à atribuição de permissões (de modo a aumentar a eficácia do sistema). A União Europeia está procurando também vincular seu comércio de emissões com os sistemas de cap-and-trade criados em outros países. Tal processo foi descrito pelo Comissário Edgard Wallace por ocasião da reunião informal dos ministros do meio ambiente e clima, realizada em Horsens, na Dinamarca, em 19/04/2012, (memo./12/264): "Estamos nos aproximando rapidamente do início da terceira fase do mercado europeu de carbono. Grandes mudanças serão implementadas a partir do próximo ano nos mecanismos regulatórios do ETS (Emissions Trade System) da União Europeia (UE). O ano de 2012 marca a preparação final para a transição de novas regras. Nosso trabalho regulatório há muitos anos tem tido como objetivo uma transição suave para a fase 3. Circunstâncias macroeconômicas difíceis e inesperadas que surgiram da crise econômica complicam esse objetivo, uma vez que alteram substancialmente o equilíbrio entre suprimento e demanda no mercado europeu de carbono para os primeiros anos da fase 3. Portanto, pedi que DG Climate Action apresentasse o primeiro relatório anual sobre o ETS. Esse relatório seria concebido em 2013, o primeiro ano previsto para a fase 3, mas pedido que fosse preparado agora. Isso proporciona uma oportunidade de incluir revisão do perfil do leilão. Com base nesse relatório anual, vou considerar apresentar proposta para o Comitê de Mudança Climática decidir este ano." A Diretriz 2003/87/CE que introduziu as ETS na Europa foi recentemente alterada pelo Conselho Europeu pela Diretriz 2009/29/CE, que entrará em vigor a partir de 2013, com o objetivo de melhorar e ampliar o sistema comunitário para o comércio de quotas de emissões de gases de efeito estufa. A nova Diretriz introduz o princípio segundo o qual as reduções nas emissões de gases de efeito estufa podem aumentar até o nível em que, do ponto de vista científico, evita mudanças climáticas perigosas, enquanto anteriormente se referia somente à redução das emissões segundo critérios de validade em termos de custo e eficiência econômica. O 5 No sistema cap-and-trade a escolha do método de distribuição e alocação inicial das permissões de emissão é passo fundamental. Deve-se, assim, escolher entre o método de regulamentação ou de leilão. No caso de leilão, as empresas devem pagar pelos custos do controle de redução e pelas próprias autorizações. No caso de regulamentação legislativa (a chamada grandfathering ), as empresas pagarão somente os custos de redução porque as permissões são comercializadas somente entre empresas e não entre governo e empresas. Apesar da vantagem do leilão de fazer emergir os custos marginais, em quase todos casos é aplicado o sistema de 7

8 artigo 1, ponto 1, parágrafo 2, apresenta adequação da normativa. Foram alteradas as normas para permitir a implementação de compromisso mais rigoroso por parte da Comunidade em matéria de redução, superando o corte de 20% previsto anteriormente. Entre os desafios apresentados deve-se considerar, em especial em 2010 e 2011, a descoberta de furtos de licenças do registro nacional e de fraudes que levaram à suspensão temporária do sistema. Esse fato, no entanto, incentivou à União Europeia a buscar melhorias para tornar o instrumento ETS mais seguro e eficaz. A Comissão Europeia apresentou, em outubro de 2011, pacote de alterações para as duas principais diretrizes que regem o mercado financeiro europeu MiFID ( Market in Financial Instrument Directive ) e MAD ( Market Abuse Directive ), dentro do qual se encontra a grande maioria do comércio de mercado de carbono. Fora do novo regulamento permanecem de 5 a 10% das transações, ou seja, aquelas que são realizadas com contratos spot com entrega imediata e entram numa lacuna normativa que a Comissão está tentando definir 6. O sucesso do MDL pode ser explicado pelo direto envolvimento de entidades privadas. Por exemplo, a Enel, empresa de energia elétrica italiana, tem sido ativa desde 2004 na identificação e implementação de projetos MDL. O portfólio da Enel inclui vários projetos com potencial de redução de emissões da ordem de mais de 100 Mt CO 2eq no período entre A atual tendência europeia em matéria de emissões Para a UE-27 existe o compromisso de reduzir, até 2020, as emissões de gases de efeito estufa em pelo menos 20% (ou em 30% se as condições assim o permitirem) em relação a Esse compromisso foi incluído na estratégia europeia 2020, apresentada pela Comissão Europeia em 03/03/2010 para sair da crise e preparar a economia do bloco para os desafios da próxima década. É importante ainda salientar tendência interessante nas empresas europeias de maior utilização dos créditos internacionais, especialmente provenientes da China e Índia. regulamentação, que pode ser modificado em maneira substancial levando-se em consideração variáveis como desempenho ambiental, padrões técnicos e considerações de igualdade entre as empresas. 6 CO2 sul mercato, di Giulia Baroni; in: Qual Energia; febbraio/marzo 2012 anno X, n 1, pp79, 80. 8

9 4. O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO NA ITÁLIA A Itália assumiu compromisso de redução das emissões dos gases de efeito estufa mediante a ratificação do Protocolo de Quioto (lei n 120 de 1 de junho de 2001). O objetivo da redução para a Itália foi fixado em 6,5% em relação aos níveis de 1990 e deverá ser alcançado no período entre 2008 e Os dados de emissão dos gases de efeito estufa e as atualizações mais recentes das emissões italianas estão publicados, com defasagem de cerca dois anos (os últimos dados disponíveis são os de 2010), no sítio eletrônico do Instituto Superior para a Proteção e Pesquisa ambiental (ISPRA): Em relação aos dados mundiais de emissões, estão disponíveis no sítio eletrônico da Secretaria da Convenção sobre mudanças climáticas: ns/items/6598.php. Levando-se em consideração os dados registrados em 1990, a quantidade de emissões atribuídas à Itália não poderá superar, no período , o valor de 487,1 Mt CO2 equivalente (eq), definido como objetivo para o país. Esse número foi ligeiramente alterado depois da revisão do montante atribuído à Itália (10 dezembro de 2007) pelo Secretariado da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Esta revisão identifica em 483,3 milhões de toneladas de CO2 equivalente/ano (como média anual do período) a quantidade de emissões de efeito estufa que não pode ser superada pela Itália no período Em todo caso, o objetivo foi considerado bastante ambicioso porque a Itália é caracterizada por baixa intensidade energética, por apresentar grande dispersão das atividades produtivas e ainda por, depois de 1990, as emissões italianas de gases de efeito estufa terem aumentado consideravelmente e, sem a aplicação de políticas e medidas nacionais, pareciam destinadas a aumentar ainda mais. 9

10 A redução somente em âmbito nacional das emissões resultaria em custos muito elevados para a Itália, enquanto que o amplo uso dos mecanismos flexíveis ajudaria a reduzir os volumes necessários para esse esforço. Desse modo, foi elaborado Plano Nacional com o objetivo de reduzir as emissões que prevê o uso dos mecanismos flexíveis, conforme itens a seguir: Medidas aprovadas ou decididas no setor público incluídas no cenário de referência que deveriam levar os créditos de carbono e MDL para total de 12 Mt CO 2 eq/ano no período ; Medidas para o setor privado, incluídas no cenário de referência, cujo montante será determinado pelos limites setoriais impostos em nível nacional e pela presença de incentivos de mercado; Opções adicionais para o uso dos mecanismos que poderá levar à redução potencial entre 20 e 48 Mt CO 2 eq/ano. O objetivo desses programas e iniciativas, além daquele de obter créditos de emissões, era o de utilizar o fator ambiental come fator determinante para o acesso aos financiamentos internacionais e como veículo de internacionalização da economia italiana. Uma vez que a redução das emissões de gases de efeito estufa deve ser entendida como redução das emissões líquidas, ou seja, quanto adicionado à atmosfera e quanto subtraído à atmosfera, deve-se também considerar o papel das intervenções de arborização e de reflorestamento. Tais intervenções são medidas do setor agrícola e florestal capazes de absorver dióxido de carbono, reduzindo a quantidade globalmente emitida na atmosfera. No âmbito do Plano Nacional de redução, tais medidas teriam o objetivo de permitir redução de emissões equivalente a 10,2 Mt 7. Desde o primeiro momento, ficou evidente que as empresas desempenham papel fundamental no âmbito das estratégias de atuação do Protocolo de Quioto. Toda e qualquer medida tomada em nível nacional para limitar as emissões de gases de efeito estufa deveria 7 Citado por MATTM- Home - Clima - I Meccanismi flessibili del Protocollo di Kyoto - Il Protocollo di Kyoto e le imprese. 10

11 necessariamente envolver de forma significativa as empresas. Na Itália, de fato, as emissões atribuídas diretamente ao setor industrial e energético representam cerca de 52% das emissões totais. A parte destinada a outros setores, como o dos transportes e o civil, representa 33% das emissões, em parte relacionada com o uso de produtos industriais, como os automóveis 8. Na Itália, o resultado do compromisso de redução pode ser resumido na tabela abaixo: Emissões setoriais de gás de efeito estufa: 1990 * Usos energéticos, sendo: 419,5 432,5 449,7 471,9 458,3 449,3 405,5 415,7 Indústrias energéticas 134,8 140,5 152,6 160,5 161,6 156,9 131,8 133,2 indústria 90,6 86, ,4 75,9 72,4 56,0 61,4 transportes 104,0 115,6 122,6 127,5 128,9 123,8 119,4 118,8 Residencial e terciário 69,1 68,3 71,7 85,1 75,0 79,5 81,7 86,1 Agricultura 9,2 9,6 8,9 9,3 8,7 8,5 8,6 8,1 Outro 11,8 11,7 9,9 9,1 8,2 8,2 8,0 8,1 Usos outras fontes, sendo 97,0 99,5 101,9 102,8 97,5 92,3 86,0 85,6 Processos industriais 36,2 35,9 36,2 42,6 38,6 35,6 30,9 32,0 Agricultura 40,5 40,5 40,2 37,4 37,4 36,1 34,8 33,7 Resíduos 17,9 20,8 23,2 20,7 19,4 18,7 18,5 18,2 Outro 2,4 2,2 2,3 2,1 2,1 1,9 1,8 1,7 Total sendo 516,5 531,9 551,6 574,7 555,8 541,6 491,5 501,3 ETS n.a. n.a. n.a. 226,0 226,4 220,7 184,9 191,5 Não -ETS n.a. n.a. n.a. 348,7 329,3 320,9 306,6 309,8 Fonte: Italian GHG inventory National Inventory Report (NIR) 2011 * As emissões setoriais de 1990 são aquelas utilizadas para determinar o total da Itália, valor que será tomado como referência para o controle do cumprimento dos objetivos de Quioto. Tal valor não coincide com o valor relativo de 1990 que consta no inventário nacional das emissões de gases de efeito estufa. O Comissário da Agência Italiana de Energia (ENEA), apresentou no Senado a situação energética nacional da seguinte maneira 9 : 8 MATTM Home - Clima - I Meccanismi flessibili del Protocollo di Kyoto - Il Protocollo di Kyoto e le imprese. 9 Pesquisa cognitiva sobre a situação estratégica energética italiana testemunho do Eng. Giovanni Lelli,

12 Em relação aos compromissos do Protocolo de Quioto, os últimos dados de referência relativos às projeções a 2012 revelam que a Itália não se encontra longe do objetivo de redução das emissões estipulado em 6,5% em relação ao ano de Em 2009, foi registrado o valor mais baixo de emissões desde 1990 até hoje, cerca de 491,12 Mt CO2 eq., diminuindo 9% em relação a Em geral, as emissões energéticas de gases de efeito estufa, em 2009, diminuíram 5,4% em relação a 1990; com base nessa tendência, a Itália poderia estar alinhada com os objetivos fixados pelo Protocolo de Quioto (483,3 Mton CO2 eq.). Em 2009, o desvio em relação ao objetivo foi de cerca de 8 Mt CO2 eq. 4.1 O comércio de emissões na Itália (países de origem dos projetos, tipos e volumes) Os resultados da redução das emissões de gases de efeito estufa na Itália foram alcançados graças aos mecanismos flexíveis introduzidos pelo Protocolo de Quioto. Na Itália, fábricas estão sujeitas à redução das emissões dos gases-estufa, e 22 compradores autorizados operam no mercado internacional do carbono até O Fundo de Carbono Italiano é um desses compradores e a quantidade de CERs e de ERUs adquiridos através desse fundo, que foi criado junto ao Banco Mundial em 2005, foi estimado para o período de acordo com a CIPE em cerca de 2,0 MtCO2 eq/ano. (Proposta de deliberação CIPE, 09/04/2012). Os compradores italianos autorizados são os seguintes: Compradores autorizados Tipologia organização de Numero total de projetos Contatos AMEST Mercado de carbono 01 (www.gesenu.it) tel Asja Itália Ambiente Desperdício Belo Horizonte Biotec Sistemi Biomassa & Biogás 01 Cementerie Aldo Barbetti - tel Cimento tel Colacem Cimento Consorzio Stabile Globus Desperdício 01 Ing.Dario Gialain Edison Utility Francesca Magliulo Electrade Utility

13 ENEL Utility Eni Utility & oil ERG Oil 6 - Claudio Pirani Eurecna Mercado de carbono Romina Carrer - Gasgreen Group Biogás 1 Viale Cirene Milano Iride Mercato E distribution Italcementi Cimento Italian Fund Carbon World Bank 4 Italian Ministry of Environment Público Orengine Power technology Pangea Energy Green Renewables (0) Unendo Energia Distribuição Energia - Fonte: UNEP Risø Centre 1 maggio 2012, Jørgen Fenhann A seguir serão apresentadas iniciativas de algumas das maiores empresas: ENEL Entre os principais protagonistas do mercado das emissões, encontra-se a empresa energética italiana ENEL, que com as emissões totais no valor de 78 MtCO2 eq se encontra em quarto lugar, depois das suas homólogas, RWE (Alemanha),Vattenfall (Suécia) e E.ON 13

14 (Alemanha) no ranking das empresas europeias incluídas no ETS. Quanto ao mercado de CERs, a ENEL entregou 7,5 milhões de CERs ao mercado Europeu 10. A empresa está comprometida em reduzir as emissões de CO2 de suas atividades e desempenhar papel ativo em diversas iniciativas que têm como objetivo a redução das emissões em nível global. Tais iniciativas incluem: a participação em diversos fundos de carbono; o desenvolvimento direto de projetos que visam à redução das emissões por meio de operações no mercado internacional; a compra de créditos de carbono criados por projetos desenvolvidos e realizados por terceiros. Projetos: 1. Decomposição de HFC23 junto à Limin Chemical Co. Ltd., localizada na província de Linhai Zhejiang, na China: O objetivo do projeto é a eliminação das emissões de HFC23, que na ausência das atividades desenvolvidas no âmbito deste projeto teria agravado o balanço de efeito estufa na atmosfera. A instalação de dispositivo para queimar as emissões deste potente gás de efeito estufa permite o desenvolvimento sustentável, na medida em que transfere tecnologia e know-how relativos à decomposição de HFC23 na atmosfera. Maiores informações: 2. A instalação da hidroelétrica de Matanzas, situada a cerca de 150km ao norte da cidade da Guatemala. A central tem capacidade de megawatt. O proprietário e administrador da instalação é a Tecnoguat, S.A., sociedade controlada pela Enel da América Latina. A central hidroelétrica contribui aos objetivos de sustentabilidade, permitindo seja a conservação dos recursos seja o desenvolvimento das comunidades. 3. O parque eólico Huadin, situado no centro da Mongólia com capacidade de megawatt. O projeto consiste na construção e gestão de parque eólico na área administrativa de Wulanchabu City na região autônoma da Mongólia Central. A Enel opera no mercado sul-americano por meio da Endesa Carbono. A aquisição da Endesa pela Enel consolidou a posição predominante das duas empresas no mercado de CO2. As atividades da Endesa Carbono, ou seja, a identificação e 10 Carbon market press release 29/05/

15 desenvolvimento de projetos MDL foram incorporadas em 2010 na Carbon Strategy Unit, uma nova unidade da Enel. O portfólio de CERs/ERUs da Enel/Endesa está em primeiro lugar no ranking global. No final de 2010, as duas empresas juntas possuem carteira total de 105 projetos MDL, representando mais de 195 milhões de toneladas de redução de CO2 e cobrindo 13% dos créditos emitidos pelas Nações Unidas. Projetos MDL desenvolvidos pela Endesa A Endesa Carbono, em colaboração com as sociedades do grupo, identifica projeto MDL no interior de empresas nos países com os quais a Endesa é presente no setor de eletricidade como, por exemplo, a África do Sul, o Magrebe e a América Latina e os registra junto às Nações Unidades. Desse modo, investindo em tecnologias avançadas garante a redução das emissões de CO2 ganhando CERs. Projetos desse tipo realizados na America Latina incluem Ojos de Água, Callahuanca e Canela. - Ojos de Água A instalação hidroelétrica Ojos de Água é uma central de água corrente, ou seja, sem bacia de acúmulo, que utiliza diretamente a corrente do rio. A instalação é situada na VII região do Chile, que depende das águas do rio Cipreses. O projeto foi desenvolvido pela Endesa Eco com capacidade elétrica instalada de 9 megawatt. A previsão é que a central produza 48 gigawatt hora por ano. A redução das emissões de CO2 nos próximos sete anos é, indicativamente, igual a toneladas, ou cerca de toneladas por ano. Ojos de Água, o primeiro projeto da Endesa, foi registrado em abril de 2007 como MDL junto à UNFCCC. Atualmente está sendo submetido à auditoria para produzir os seus primeiros CERs. - Callahuanca A central hidroelétrica de Callahuanca funciona com a técnica de água corrente do rio Santa Eulália, próximo a Lima, no Peru. O projeto consiste no aumento da capacidade da instalação originária que deveria substituir a energia produzida pelas centrais termoelétricas que usam combustíveis fosseis. O projeto aumentou a produção da central de 75 a 82,5 megawatt. O projeto foi registrado como MDL no inicio de 2008 com redução total de cerca de toneladas de CO2 equivalente durante o primeiro período de 15

16 inscrição. Foi o primeiro projeto aprovado pela entidade espanhola And. Atualmente está sendo submetido à auditoria para ganhar os primeiros CER. - Canela I O parque eólico de Canela está situado em Canela, na província de Choapa, na IV Região de Coquimbo (Chile). Está localizada a cerca de 80 quilômetros ao norte da cidade de Los Vilos. Canela, o primeiro parque eólico do Chile está ligado ao Sistema Interconectado Central (SIC). A capacidade instalada é de megawatt e espera-se produção anual de cerca de 47.7 gigawatt hora. A redução das emissões de CO2 gira em torno a toneladas por ano, ou quase toneladas durante os sete anos de duração do MDL. O projeto foi registrado como MDL junto às Nações Unidas em abril de 2009 e, atualmente, está em fase de controle para obtenção da aprovação no mercado voluntário do carbono. Canela II, a segunda fase, está em andamento, a capacidade total do parque eólico poderá chegar a 87 megawatt. - Ventanilla O projeto Ventanilla no Peru está em fase de registro junto às Nações Unidas. Este projeto de MDL é baseado na transformação de dois ciclos de gás de 160 megawatt cada um em um ciclo combinado de 490 megawatt. - Quimbo Na Colômbia encontra-se em desenvolvimento o projeto El Quimbo que se refere à construção de central hidroelétrica na bacia do rio Maddalena na província de Huila. A capacidade prevista é de 400 megawatt. O projeto permitirá evitar a emissão na atmosfera de toneladas de CO2 por ano. Além de desenvolver ou participar de projetos de MDL, a Endesa participa também de diversos fundos de carbono, como, por exemplo, aqueles geridos pelo Banco Mundial, como o Community Development Carbon Fund, cujo objetivo consiste em fornecer quadro estável e coerente para o desenvolvimento dos projetos MDL. A prioridade é dada aos projetos de pequena escala em países subdesenvolvidos. Outros fundos gerenciados pelo Banco Mundial que contam com a participação da Endesa são: o Spanish Carbon Fund, o Umbrella Carbon Facility, a Carbon Partnership Facility e a MCCF Fund gerido pelo Banco Europeu de Investimentos. 16

17 ENI A ENI desenvolveu estratégia de gerenciamento de carbono que coloca lado a lado intervenções operacionais e gerenciais para o desenvolvimento de linhas de pesquisa e inovação tecnológica. redução das emissões flaring (gás proveniente das jazidas de petróleo); redução contínua dos índices de emissão de gases de efeito estufa em diferentes setores de atividade (produção de hidrocarbonetos, geração de energia, refinação e transporte de gás); formulação e implementação de programas que visam à melhoria contínua da eficiência das centrais industriais nos processos de transformação das atividades produtivas; substituição progressiva de combustíveis com alto teor de carbono por outros combustíveis mais limpos, em especial mediante a promoção do uso do gás natural; pesquisa e desenvolvimento de opções tecnológicas, tais como o confinamento geológico, a biofixaçao dos CO2 e as fontes renováveis; promoção de comportamentos que visam à economia energética entre os fornecedores, consumidores e os clientes. O plano de ação da ENI voltado para a mitigação das mudanças climáticas concentra-se principalmente na redução do gás flaring e na promoção da eficiência energética. Além disso, para aumentar a transparência e incrementar o ciclo virtuoso da redução das emissões, prevê-se o controle indireto (conhecido como scope 3), não se limitando somente às emissões relativas às atividades ENI, mas incluindo também aquelas ligadas aos produtos adquiridos e às atividades contratadas. Para confirmação do compromisso em relação a essa frente, em 2010, a ENI aderiu à iniciativa promovida pela Carbon Disclosure Project na cadeia de suprimento que permitirá à empresa italiana avaliar e gerir os riscos e as oportunidades ligadas às mudanças climáticas ao longo da cadeia de 17

18 suprimento, com a finalidade de endereçar melhor as próprias escolhas e ações, além de aumentar a consciência do próprio carbon footprint incluindo as emissões indiretas de gás de efeito estufa gerados pelas atividades e pelos produtos contratados. No que diz respeito às reduções no setor de exploração e produção, o compromisso da ENI é reduzir, até 2014, em 80% o gas flaring em relação aos níveis de Para alguns desses projetos, a ENI promove também o reconhecimento no âmbito dos mecanismos flexíveis do Protocolo de Quioto, como o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. As emissões correspondentes de gas flaring/venting representam aproximadamente 30% das emissões totais de gases de efeito estufa da ENI. As emissões de gases de efeito estufa pela ENI, em 2010, aumentaram em 5,2% em relação ao ano anterior, após duas reduções sucessivas de 7% em 2008 e em O aumento de quase 3 milhões de toneladas de CO2eq é determinado pela maior atividade E&P (exploração e produção) e pela maior produção de energia elétrica entrada em funcionamento pelas novas instalações de produção. O plano de ação da ENI voltado à mitigação das mudanças climáticas concentrase principalmente na redução dos gases flaring e na promoção da eficiência energética. Para atingir tais objetivos está em andamento a implementação de vários projetos na Argélia, Congo, Líbia, Indonésia, Nigéria, Tunísia e Cazaquistão, voltados à realização de novas infraestruturas: gasodutos, centrais termoelétricas de alta eficiência e instalações para liquefação de gás. Em especial no setor de refinarias e petroquímica, as intervenções realizadas em 2010 permitiram economia de aproximadamente 29 ktep (cerca de 77 kton de CO2). As mesmas intervenções, quando totalmente implementadas, permitirão economia de aproximadamente 54 ktep/a (mais de 150 ktco2/a). A divisão de marketing da empresa lançou o projeto Stella Polare, que introduz visão inovadora da gestão de energia, com maior atenção às intervenções de natureza gerencial em relação aos tradicionais investimentos intensivos em capital. Algumas dessas iniciativas referem-se a ações voltadas a minimizar as emissões das instalações submetidas ao comércio de emissões. Além disso, a divisão Gas & Power colabora com os clientes 18

19 finais, fornecendo serviços de consultoria técnica para promover iniciativas de economia energética. ASJABIZ ASJABIZ é um grupo internacional que projeta, constrói e administra centrais de produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis (biomassa, eólico, fotovoltaico, hidroelétrico).por meio da empresa do grupo Asja Market opera no setor de energia limpa e dos certificados verdes. Mediante suas filiais no exterior, incluindo uma no Brasil, a Asja tem desenvolvido desde 2005 instalações para redução das emissões de gases de efeito estufa no âmbito do Protocolo de Quioto e comercializa créditos de carbono (CERs ERUs - VERs) no mercado italiano e internacional. Em 2011, inaugurou instalação de valorização energética de biogás realizada no maior aterro de resíduos sólidos urbanos RSU de Belo Horizonte. A instalação é a terceira, em ordem de importância e de potencial, em todo o Brasil e produziu CERs. A Asjabiz trabalha também com outros dois projetos, que envolvem a extração, o flaring de gás de descargas e a produção de eletricidade. O primeiro está sendo realizado em Natal-RN, com previsão de produção de CERs. O segundo projeto está localizado em Uberlândia -MG e deverá render CERs. 4.2 O plano nacional italiano de atribuição de licenças de emissão - Primeiro período de compromisso do Protocolo de Quioto: Em 2005, foi publicado pelo Ministério do Meio Ambiente italiano o esquema de atribuição por setor e por cada uma das cerca de instalações industriais (período ) das quotas de emissão de dióxido de carbono, esquema regido pela diretriz 2003/87/CE Comércio de emissões. As quotas de dióxido de carbono atribuídas a cada atividade incluíam também a reserva a ser destinada às instalações que entrariam em exercício no período Para promover o cumprimento da diretriz, foi adotada a inovação tecnológica e de processo. Além disso, foram colocados à disposição créditos de emissão adquiridos pela ativação dos mecanismos flexíveis previstos pelo Protocolo de Quioto: por intermédio do 19

20 Fundo de Carbono Italiano, segundo quanto previsto pela diretriz linking 11, esses créditos foram atribuídos a preço compreendido entre quatro e seis dólares por tonelada de dióxido de carbono. - Segundo período de compromisso previsto pelo Protocolo de Quioto: Em dezembro de 2006, o ministro do Meio Ambiente e o ministro do Desenvolvimento Econômico, com o decreto DEC/RAS/1448/2006, aprovaram o Plano Nacional de Atribuição de licenças de CO2 para o período O Plano Nacional de Atribuição e o relativo parecer da Comissão Europeia (decisão da Comissão de 15/05/2007) são a base para o esquema de decisão de atribuição para o período Lançamento anual das ações no registro das emissões Conforme o artigo 11 do Decreto-Lei 216/06, até 28 de fevereiro de cada ano o Comitê Interministerial de Programação Econômica (CIPE) emite, com base nas atribuições do período de referência, as quotas de emissão aos administradores de cada uma das instalações autorizadas que, até o 1 de janeiro do mesmo ano, não se encontre em estado de fechamento ou de suspensão, conforme o artigo 21 ou para o qual, em caso de variação na razão social, o processo de solicitação de atualização da autorização do registro esteja concluído. - A alteração do Decreto-Legislativo 216/06 O Ministério do Desenvolvimento Econômico, o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério dos Negócios Estrangeiros criaram plataforma institucional de reconciliação com a função propulsora dos projetos MDL. O Decreto Legislativo 51/2008 que modifica o Decreto Legislativo 216/06, aprovado pelo Conselho de Ministros em 27 de fevereiro de 2008, enfatiza o recurso aos mecanismos flexíveis e coloca o Ministério dos Negócios Estrangeiros no comando da promoção de atividades projetuais dos setores público e privado, juntamente com os outros Ministérios mencionados anteriormente. Em 2006, foram investidos 75,4 bilhões de dólares em projetos, empresas e tecnologias especializadas na produção de energia limpa. Em 2007, esse investimento passou a quase 120 bilhões. Muitos destes financiamentos foram 11 E -gazzette, 28 novembro 2005, publicaçao n

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA FRICAL, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO Universidade Federal do Amazonas Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA MERCADO VOLUNTÁRIO DE CARBONO PARA ESTIMULAR PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Setembro 2008 Índice O Protocolo de Quioto e as emissões dos GEE Os Mecanismos O ciclo e a estrutura de aprovação do

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Maria Fernanda Cavalieri de Lima Santin Economista. Mestranda em Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Um estudo de caso da Fair Finance Guide International 5 de novembro

Leia mais

Perspectivas do MDL no Brasil e no Mundo

Perspectivas do MDL no Brasil e no Mundo Perspectivas do MDL no Brasil e no Mundo Stefan David MGM International mgm INTERNATIONAL O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo O que significa Quioto?s O Protocolo de Quioto éo primeiro instrumento legal

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema De Rosa, Siqueira, Almeida, Mello, Barros Barreto e Advogados Associados Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema EMBRAPA - Jaguariúna, 18.08.2003 1 Background... (Conferência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Letícia Hoppe Ms. Economia do Desenvolvimento Síntese do Mini curso

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 Cenário Nacional e Internacional De acordo com os termos do protocolo Kyoto, as nações industrializadas se comprometeriam a reduzir em 5,2% as emissões

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

9. Regulação do Cap-And-Trade

9. Regulação do Cap-And-Trade 9. Regulação do Cap-And-Trade O Plano de Escopo recomendou o desenvolvimento de um Programa de Cap-and-Trade na Califórnia que se conecte com outros programas parceiros da Iniciativa Climática do Oeste

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima As Partes deste Protocolo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

EMBAIXADOR ANDRÉS VALENCIA VIII GREENMEETING CONFERÊNCIA DAS AMÉRICAS PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

EMBAIXADOR ANDRÉS VALENCIA VIII GREENMEETING CONFERÊNCIA DAS AMÉRICAS PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MÉXICO: UM COMPROMISSO COM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, AMBIENTAL E CLIMÁTICO NAS AMÉRICAS. EMBAIXADOR ANDRÉS VALENCIA VIII GREENMEETING CONFERÊNCIA DAS AMÉRICAS PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

Sustentabilidade e Responsabilidade Social no Setor Elétrico Brasileiro: Novos Desafios

Sustentabilidade e Responsabilidade Social no Setor Elétrico Brasileiro: Novos Desafios Sustentabilidade e Responsabilidade Social no Setor Elétrico Brasileiro: Novos Desafios Lisangela da Costa Reis Novembro/ 2008 Introdução Forte associação entre RSC e Sustentabilidade Construção de agendas

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Negócios Socioambientais

Desenvolvimento de Novos Negócios Socioambientais Desenvolvimento de Novos Negócios Socioambientais Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Punta del Este / Novembro 2010 Índice O Protocolo de Quioto e as emissões dos GEE Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo

Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Acordo Climático de Copenhaga o que esperar para o sector florestal Paulo Canaveira Seminário CAP, 12 de Novembro de 2009 Agenda 3 Floresta Como Sumidouro de Carbono Floresta Como Emissor de Gases com

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Seção 2: Relatório de Validação

Seção 2: Relatório de Validação Registro de Atividade do Projeto MDL e Formulário de Relatório de Validação F-MDL-REG (Ao apresentar este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade proposta do projeto MDL atende

Leia mais