I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?"

Transcrição

1 1 SITES GOVERNAMENTAIS ENQUANTO MECANISMOS DE INFORMAÇÃO, TRANSPARÊNCIA E PARTICIPAÇÃO: TEORIA, INSTITUIÇÕES E ATORES Joscimar Souza Silva 1 Mestrando Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Resumo: O objetivo do presente trabalho centra se em discutir as temáticas da informação, da transparência e da participação política nos ambientes digitais providos institucionalmente. O trabalho discorre objetivamente sobre a análise de sites governamentais em nível subnacional no Brasil, agregando aos dados empíricos uma discussão teórica sobre as relações do Estado e dos governos com a internet, pensando nas instituições das unidades estaduais brasileiras e nos atores proeminentes nesse amplo debate sobre a relação internet e política. A discussão teórica é basilar na estruturação desse trabalho. Buscou se a utilização dos dados empíricos para fins de constatação do quantitativo e qualitativo uso da internet pelos governos subnacionais brasileiros e para testar algumas aplicações reais da rede mundial de computadores para fins de gestão do Estado e de ampliação dos espaços democráticos institucionalizados. Tomamos como considerações que o uso da internet pelo Estado e pelos governos subnacionais ainda é um tema em aberto para maiores reflexões e que, sua aplicação prática, ao mesmo tempo em que pode contribuir na alteração de toda uma estrutura de Estado e ampliar os espaços democráticos, ainda sofre com problemas de conjunturas institucionais, com o papel de atores políticos e com questões externas, a exemplo da democratização tecnológica e da cultura política. I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? A pesquisa Sites governamentais enquanto mecanismos de informação, transparência e participação: teoria, instituições e atores trabalha com a temática da democracia digital, especialmente o uso governamental da internet em web sites institucionais dos governos estaduais brasileiros, avaliando o uso desses sítios na internet como instrumentos para a promoção da informação, participação e transparência política. Os Executivos estaduais que tem seus web sites 1 Programa de Pós graduação em Ciência Política, Universidade Federal de São Carlos UFSCar. Mestrado. Professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA, Campus Barreiras e na Faculdade de Guanambi CESG.

2 2 compondo a amostra da pesquisa são Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. A área temática de concentração da pesquisa Comunicação política. As unidades da federação estudadas nesse trabalho foram escolhidas para se adequarem ao perfil partidário de maneira mais distribuída possível, pois um dos elementos para a análise dos dados empíricos dos web sites é, se há ou não, uma correlação entre o perfil partidário ideológico e o fornecimento via web de espaços de informação, participação e transparência. II. Qual é a problemática da presente pesquisa? Haja vista à permanência dos grupos de recente fixação no território brasileiro e consolidação dos mesmos como atores econômicos cada vez mais significativos no regime brasileiro, tem se observado, ainda que em grande medida intuitivamente, a germinação de um comportamento avesso e até mesmo hostil da sociedade civil brasileira em relação aos mesmos. Entre outras razões, acredita se que a presença de grupos com as características partilhadas por esses contingentes pode se converter, em um futuro próximo, em uma ameaça à economia do país e à estabilidade política. Ainda que essa aversão de determinados setores da sociedade civil brasileira a certos grupos estrangeiros esteja em fase germinal, as tensões intergrupos já existem, e passam a moldar a opinião pública quanto a essa temática. Analisando se a atual conjuntura brasileira, a pesquisa examina a passagem de um padrão de comportamento receptivo para um comportamento avesso à presença de estrangeiros no país. II. Qual a problemática da presente pesquisa? A questão central que norteia o estudo é buscar se há uma correlação entre ideologia partidária dos governos estaduais e da existência de espaços de participação tradicionais (sem uso direto das novas tecnologias da informação e comunicação TICs) com uma maior consolidação das políticas de democracia digital, com foco especialmente na informação, transparência e participação política via internet. III. Qual é o principal debate/referencial teórico que sua pesquisa utiliza?

3 3 A presente pesquisa tem um foco bem atual, pois se insere num amplo debate sobre ampliação dos espaços democráticos de estreitamento das relações entre cidadãos e Estado. Nossa perspectiva se concentra na ideia de que é urgente a criação de mais espaços de interação democrática e que a internet fornece os melhores instrumentos para que isso possa ocorrer, já que ela é o espaço por excelência da criação e do debate livres 2. Além disso, há demandas proeminentes para a ampliação da sensibilidade do Estado ante às necessidades dos cidadãos, expressas na teoria 3 e na prática, como a última tomada das ruas que estamos presenciando no Brasil e em diversos lugares do mundo. Essa proposta de pesquisa se insere na linha daqueles que apontam que os espaços demandados pelos públicos não vêm a degradar a experiência de democracia representativa, mas ampliar as suas possibilidades a fim de produção de políticas que represente maior e melhor as diversas composições sociais 4. IV. Quais são os objetivos? Nosso objetivo principal é auxiliar no aprofundamento das reflexões sobre a democracia digital e refletir sobre o processo de aproximação do Estado com os cidadãos através da internet, que agrega muitas possibilidades, especialmente a questões centrais ao processo democrático como são a transparência, a participação e a informação política. Falamos de potencialidades, e a pesquisa carrega essa carga de normatividade, pois partimos do pressuposto que, antes aos novos desafios que são colocados pelos novos públicos que são por natureza multicêntrica, com ampla diversidade de demandas e que tendem a expressão de forma individualizada. 2 CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. (Trad. Roneide Venâncio Majer). - A era da informação: economia, sociedade e cultura; v. 1. São Paulo: Paz e Terra, SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, (Coleção: Reinventar a emancipação social: para novos manifestos; 1). 4 IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Estado, instituições e democracia: democracia. Brasília: Ipea, 2010, v. 2. (Série Eixos Estratégicos do Desenvolvimento Brasileiro; Fortalecimento do Estado, das Instituições e da Democracia; Livro 9).

4 4 Além disso, a proposta apresenta também objetivos secundários, que são a avaliação dos web sites, a reflexão e o desenvolvimento sobre as metodologias para avaliação de sites governamentais e trazer teorias sobre informação política, participação e transparência, externas à democracia digital para aplicação ao campo de pesquisa sobre democracia digital. V. Quais são as suas hipóteses? A hipótese central do trabalho é que o partido político no governo tem pouca influência na criação via web de melhores espaços de informação, transparência e participação política, contudo, apostamos na ideia de que os espaços de participação tradicionais podem influenciar na criação de espaços on line, e isso seria um processo mais lógico já que as instituições políticas estaduais que já tem espaços de participação tradicionais consolidados seriam mais sensíveis às demandas dos cidadãos. Assim sendo, há ainda um debate que é precedente a esse: se o perfil ideológico dos partidos políticos influencia ou não a criação, manutenção e a qualidade dos espaços de participação tradicionais. A hipótese apresentada nesse trabalho é que o partido político no governo não exerce uma influência direta na criação desses espaços. VI. Qual a metodologia adotada na pesquisa? Quais são as etapas? A pesquisa se baseia numa avaliação quantitativa do fornecimento de mecanismos de informação, espaços de participação virtual e transparência política nos web sites dos governos estaduais brasileiros. Um conjunto de variáveis foi pré determinada, baseada especialmente em trabalho anterior empreendido por Bezerra 5 e colaboradores 6 para serem avaliadas 5 BEZERRA, Heloisa D. Atores políticos, informação e democracia. Opinião Pública, Campinas, v. 14, n. 2, nov. 2008, p Podemos destacar além de outros trabalhos BEZERRA, Heloisa D.; FREITAS, Marisleily R.; JORGE, Vladimyr L.; SILVA, Joscimar S. Democracia via web: direito à informação e transparência. Anais da II Conferência de Desenvolvimento do IPEA. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, nov e BEZERRA, Heloisa D.; JORGE, Vladimyr L.; CRUVINEL, Uianã; FREITAS, Marisleily. MARTINIANO, Mariana; SILVA, Joscimar. Democracia digital e participação política no Brasil.Anais do 7º Encontro da AssociaçãoBrasileira de Ciência Política. Recife: Associação Brasileira de Ciência Política, 2010.

5 5 qualitativamente para cada um dos três itens supracitados. A coleta de dados já foi concluída e agora os dados começaram a ser trabalhados em software estatístico (SPSS e Action). Além disso, está em andamento um levantamento sobre os espaços de participação tradicionais existentes nos órgãos dos Executivos estaduais cujo web site foi analisado. Por se tratar de uma pesquisa de Mestrado a discussão teórica com alguns dados preliminares em fase de finalização seguem para o exame e qualificação e depois de findadas as análises e escrito o texto final, este será defendido em formato de uma dissertação de Mestrado no Programa de Pós graduação em Ciência Política PPGPol, da Universidade Federal de São Carlos UFSCar. VII. Onde podemos encontrar mais sobre o seu trabalho? Mais informações sobre este trabalho e objeto de pesquisa podem ser encontradas com o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política, Informação e Novas Tecnologias POINT, sediado na Universidade Federal de Goiás UFG e pelo e mail

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS VIRTUAIS

REGULAMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS VIRTUAIS REGULAMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS VIRTUAIS Considerando: As profundas mudanças no mundo do trabalho e da produção, com destaque as novas tecnologias e instrumentos de informação e comunicação; A necessidade de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Antecedentes Questões relevantes (últimas décadas) Esgotamento do modelo de desenvolvimento

Leia mais

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO)

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) Palavras-chave: espaço público, cidade, capital. Patrícia Souza Rocha Marçal Universidade Federal de Goiás

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Ao tratar da questão da Qualidade de Vida nas Escolas, um grande

Ao tratar da questão da Qualidade de Vida nas Escolas, um grande 14 Elaboração de Projetos Voltados para a Qualidade de Vida na Escola Maria Auxiliadora de Freitas Reis Especialista em Ontologia da Linguagem na PUC Brasília Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro:

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Ao cumprimentá-lo cordialmente, vimos pelo presente, em nome do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas COMUNG,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Lições de Cidadania - um Projeto em Construção Área Temática de Direitos Humanos Resumo No presente

Leia mais

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? 1 XENOFOBIA À BRASILEIRA: A CRESCENTE AVERSÃO DA SOCIEDADE CIVIL BRASILEIRA À PRESENÇA DE POPULAÇÕES ESTRANGEIRAS Nathália França Figuerêdo Porto Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997.

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. I Introdução O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. 1 II O PNAFE e o processo de descentralização fiscal no Brasil: II.1 Descentralização Fiscal no Brasil Características

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA

EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS-CON- SUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS NOSSO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE Curso: Ciências Econômicas Disciplina: Teoria Política Professor: Francisco Mata Machado Tavares 2o Semestre / 2012 PROGRAMA / PLANO DE ATIVIDADES 1) Ementa da Disciplina:

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

A Educação Popular em Saúde e a Educação ao Longo da Vida

A Educação Popular em Saúde e a Educação ao Longo da Vida Coordenação de Educação Popular e Mobilização Social Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social Secretaria de Gestão Participativa Ministério da Saúde A Educação Popular em Saúde

Leia mais

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013 Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil Salvador, 08 de abril de 2013 Fundada em 1919 (Tratado de Versalhes) Mandato: promover a justiça social e o reconhecimento internacional dos direitos humanos e

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA 27 DE MARÇO DE 2015 CENTRO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA TEMA: POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Projeto BRA/12/018 Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

GESTÃO PARTICIPATIVA E TECNOLOGIA: UMA ABORDAGEM NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL

GESTÃO PARTICIPATIVA E TECNOLOGIA: UMA ABORDAGEM NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL GESTÃO PARTICIPATIVA E TECNOLOGIA: UMA ABORDAGEM NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Ana Paula Magalhães Maciel 1 A Administração Pública brasileira enfrentou a partir da década de 80 um processo

Leia mais

EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

A COMPREENSÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM UMA REDE DE INTER- RELAÇÕES: FRANQUIA ESCOLAR.

A COMPREENSÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM UMA REDE DE INTER- RELAÇÕES: FRANQUIA ESCOLAR. A COMPREENSÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM UMA REDE DE INTER- RELAÇÕES: FRANQUIA ESCOLAR. Jefferson Antonio do Prado, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho Campus de Rio Claro SP. pradoj2000@yahoo.com.br

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL CONFERÊNCIAS NACIONAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL CONFERÊNCIAS NACIONAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL CONFERÊNCIAS NACIONAIS Participação Social no Governo Federal Conferências Nacionais 2009/2010 Conferências Nacionais

Leia mais

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió Lívia Maria Omena da Silva liviamariaomena@gmail.com CESMAC Alexa Luiza Santos Farias alexafarias1@hotmail.com

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE.

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE. CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO EM SAÚDE. INTRODUÇÃO Esta nota técnica se propõe a apresentar alguns conceitos e ações desenvolvidas na área de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde e a atual situação.

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Trabalho de Curso apresentado em cumprimento parcial às exigências do Curso de da Universidade Estadual

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

Esforços Regionais e Redes: no Caminho da Qualidade na Gestão Acadêmica

Esforços Regionais e Redes: no Caminho da Qualidade na Gestão Acadêmica 1ª Conferência do FORGES Universidade de Lisboa e Universidade de Coimbra Portugal 14 a 16 de Novembro de 2011 Esforços Regionais e Redes: no Caminho da Qualidade na Gestão Acadêmica Pesquisadoras: Maria

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA

INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA Daniele Pinto Andres RESUMO Este artigo aborda uma análise das atividades realizadas na ULBRA de Guaíba sobre os cursos de informática

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA?

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? Laís Abramo Socióloga e Doutora em Sociologia pela USP Diretora do Escritório da OIT no Brasil XXII Encontro Brasileiro de Administração Painel V Rio de Janeiro

Leia mais

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos.

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos. PESQUISA SOBRE ARTIGOS ACERCA DA TEMÁTICA MOVIMENTOS SOCIAIS, MOBILIZAÇÃO SOCIAL E/OU PARTICIPAÇÃO POLÍTICA PUBLICADOS NA REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE ENTRE 1994 E 2011 (EDIÇÕES 45 A 108) Autor:

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NO ESTADO DE GOIÁS: QUE INCLUSÃO É ESTA?

INCLUSÃO DIGITAL NO ESTADO DE GOIÁS: QUE INCLUSÃO É ESTA? INCLUSÃO DIGITAL NO ESTADO DE GOIÁS: QUE INCLUSÃO É ESTA? Goiânia, GO, Maio de 2014 Alzino Furtado de Mendonça Faculdades Alves Faria (ALFA) - alzino.mendonca@alfa.br Ricardo Antonio Gonçalves Teixeira

Leia mais

Projeto de Monitoria 2010/2011

Projeto de Monitoria 2010/2011 Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2010/2011 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Silmara Cássia Barbosa Mélo Universidade Federal da Paraíba silmaracassia2008@hotmail.com Angela Maria Dias Fernandes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

João Ferreira de Oliveira 1 Lúcia Maria de Assis 2. Resumo: Abstract:

João Ferreira de Oliveira 1 Lúcia Maria de Assis 2. Resumo: Abstract: JORNAL DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS. N 12 Julho-Dezembro de 2012 PP. 31 36 Núcleo de Estudos, Pesquisa e Documentação Educação, Sociedade e Cultura (Nedesc) da Faculdade de Educação da Universidade Federal

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

FORMAÇÃO DO GESTOR ESCOLAR EM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA EM PERNAMBUCO

FORMAÇÃO DO GESTOR ESCOLAR EM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA EM PERNAMBUCO FORMAÇÃO DO GESTOR ESCOLAR EM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA EM PERNAMBUCO Darci Barbosa Lira de Melo darcilira@gmail.com RESUMO Este trabalho

Leia mais

SEMINÁRIOS DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS PARTICIPATIVOS MUNICIPAIS FASE I AULAS MAGNAS. Escola de Governo de São Paulo

SEMINÁRIOS DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS PARTICIPATIVOS MUNICIPAIS FASE I AULAS MAGNAS. Escola de Governo de São Paulo SEMINÁRIOS DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS PARTICIPATIVOS MUNICIPAIS FASE I AULAS MAGNAS Escola de Governo de São Paulo A Instituição Escola de Governo Nossa missão: Transformação da sociedade brasileira

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

EDITAL 003 Perfil 2 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 003 Perfil 2 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 003 Perfil 2 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

COLÉGIO BRSILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE RELATÓRIO DE GESTÃO DIREÇÃO NACIONAL BIÊNIO 2007-2009 2009 Fernando Mascarenhas Presidente Dinah Vasconcellos Terra Vice-Presidente Yara Maria de Carvalho Diretora

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE RELATÓRIO SÍNTESE DE PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA: DADOS Solicitante: Ubirajara Carnevale de Moraes Título do Projeto: Uma análise das questões ético-computacionais e suas conseqüências: como

Leia mais

Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA. Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA

Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA. Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA Estratégia de Institucionalização da Avaliação Institucional na UFBA Universidade Federal da Bahia (UFBA) Eixo I Criação de estratégias e metodologias para o trabalho da CPA Antonio Virgilio Bastos Bittencourt

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Formação Continuada em Educação a Distância no IFSC

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Formação Continuada em Educação a Distância no IFSC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS TRABALHO DE GESTÃO DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2010 PROFESSOR JOSÉ CARLOS VAZ São Paulo,

Leia mais

Rosa Maria Castilho Fernandes é doutora em Serviço Social (PUCRS); Coordenadora de Desenvolvimento Social da Fundação Irmão José Otão - FIJO.

Rosa Maria Castilho Fernandes é doutora em Serviço Social (PUCRS); Coordenadora de Desenvolvimento Social da Fundação Irmão José Otão - FIJO. O Desafio da Profissionalização do Terceiro Setor Ana Lúcia Suárez Maciel Rosa Maria Castilhos Fernandes Ana Lúcia Suárez Maciel é doutora em Serviço Social (PUCRS); Professora e Pesquisadora da Faculdade

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PESQUISA JURÍDICA E PODER JUDICIÁRIO O PAPEL DA ENFAM

WORKSHOP SOBRE PESQUISA JURÍDICA E PODER JUDICIÁRIO O PAPEL DA ENFAM WORKSHOP SOBRE PESQUISA JURÍDICA E PODER JUDICIÁRIO O PAPEL DA ENFAM por Rogério Gesta Leal No dia 2 de junho, no auditório da Escola da Magistratura do Rio de Janeiro (EMERJ), a ENFAM promoveu um workshop

Leia mais