Determinação dos mecanismos de transporte de Na + em solo arenoso residual da Formação Adamantina, Grupo Bauru (K), por meio de ensaios de coluna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação dos mecanismos de transporte de Na + em solo arenoso residual da Formação Adamantina, Grupo Bauru (K), por meio de ensaios de coluna"

Transcrição

1 Determinação dos mecanismos de transporte de Na + em solo arenoso residual da Formação Adamantina, Grupo Bauru (K), por meio de ensaios de coluna Vanessa Almeida de Godoy Universidade de São Paulo, São Carlos, Brasil, Lázaro Valentín Zuquette Universidade de São Paulo, São Carlos, Brasil, Gian Franco Napa-García Universidade de São Paulo, São Carlos, Brasil, RESUMO: Efluentes de esgotos domésticos são utilizados na irrigação de terras agrícolas, mas possuem altas concentrações de sódio, Na +, que podem alterar a condutividade hidráulica, taxa de infiltração, salinização e retenção de água no solo. Assim, o estudo dos mecanismos de transporte do Na + é de fundamental importância para que assim possa haver um reuso mais sustentável na irrigação agrícola. Diante deste contexto, objetivou determinar os mecanismos de transporte de Na +, ou seja, coeficiente de dispersão hidrodinâmica, D h, e fator de retardamento, R d, em colunas indeformadas de solo residual de arenitos da Formação Adamantina, Grupo Bauru (K), que está presente em grande extensão no Estado de São Paulo. Para isso, ensaios de percolação em coluna foram realizados em amostras indeformadas. Caracterizações físicas, químicas, físico-químicas e mineralógicas foram relacionadas aos valores de D h e R d obtidos. A mineralogia do solo é composta por quartzo, caulinita, gibsita e haloisita. Texturalmente o solo é arenoso (79,4%). Constatou-se a presença de dupla porosidade e de macroporos. O valor de CTC obtido (1,52 mmolc /kg) indica que o material possui baixa capacidade de retenção de cátions por adsorção eletrostática. Os resultados de ph em H 2 e em KCl (5,23 e 4,2 respectivamente) indicam que o solo é ácido. O ph negativo (-1,3) e o PCZ (4,18) menor do que o ph indicam que há predomínio de cargas negativas no solo, o que pode favorecer a adsorção de cátions como o Na +. Os resultados mostram que os valores de D h e R d estão bastante diferentes entre os métodos e isto provavelmente se relaciona aos seus modelos conceituais. Nota-se que o sódio está sendo retido pelo solo, mas a rápida movimentação deste íon nas colunas e os valores do D h sugerem também o predomínio do movimento advectivo. A determinação do D h e R d foi fortemente influencia pela macroporosidade. Os principais mecanismos de transporte atuantes são a advecção e a adsorção não específica, especialmente devido às características de carga elétrica deste solo. Finalmente, os resultados mostraram que o uso de parâmetros de transporte em modelagem de contaminante transporte deve ser feito com cautela, observando tanto as características do solo, quanto os modelos conceituais e as limitações dos métodos utilizados para a determinação desses parâmetros. PALAVRAS-CHAVE: Ensaio de Coluna, Dispersão Hidrodinâmica, Fator de Retardamento. 1 INTRODUÇÃO Com o aumento da geração de esgotos dométiscos em decorrência do aumento populacional, há também aumento da geração de efluentes. Efluente é um dos produtos finais do tratamento de esgotos que devido à eficiência limitada de tais tratamentos, é rico em nutrientes (nitrogênio e fósforo) e sais (principalmente o cloreto de sódio) (Quadros et al.,21). Normalmente os efluentes são dispostos em corpos hídricos superficiais para que ocorra sua diluição. Contudo, isso pode provocar desequilíbrio nutricional, levando à eutrofização e redução da vida aquática, além de provocar riscos à saúde da população (Toze, 26; Al Salem, 1996; Couracci Filho et al., 22). Assim sendo desenvolveu-se a fertirrigação, ou seja, a prática de irrigação de terras agrícolas com os efluentes provenientes de tratamento de esgotos. A fertirrigação é utilizada em todo o mundo há varios anos, mas é mais importante em

2 regiões onde existem solos pobres em matéria orgânica e em nutrientes, e em áreas que sofrem com escassez de água para irrigação. Esta prática é baseada no princípio de que o solo retém os nutrientes presentes nos efluentes. Assim ocorre aumento da fertilidade dos solos e da produtividade agrícola. Também pode ocorrer redução da contaminação de corpos hídricos superficiais, do consumo de água potável e do uso de fertilizantes (Toze, 26; Kiziloglu et al., 27; Remirez-Fuentes et al., 22; Haruvy, 1997). No entanto, o uso indiscriminado deve ser visto com cautela. Nutrientes em excesso podem contaminar as águas subterrâneas e comprometer a saúde e o abastecimento da população. Além disso, a concentração de sais presentes no efluente pode causar aumento da salinidade dos solos, desequilíbrio nutricional nas plantas e alteações negativas na estrutura do solo (Toze, 26; Clanton e Lack, 1987; Cook et al., 1994; Rodrigues, 23). Desta maneira, é muito importante o desenvolvimento de estudos que avaliem o comportamento dos solutos presentes nas águas residuárias, quando estes entram em contato com o solo. Diante deste contexto, esta pesquisa buscou determinar os mecanismos de transporte de sódio em colunas indeformadas de material arenoso da Formação Adamantina, Grupo Bauru, que está presente em grande extensão no Estado de São Paulo e, portanto, sua preservação possui grande importância estratégica. 2 ÁREA DE ESTUDO A área de estudo localiza-se no município de Cabrália Paulista (Figura 1). Situa-se sobre material inconsolidado residual de arenitos da Formação Adamantina, Grupo Bauru, que compreende um pacote sedimentar de idade retácea, que aflora em área de cerca de 117. km² no Estado de São Paulo (DAEE 199; Paula e Silva, Cheng & Caetano-Chang, 23). Figura 1 Localização da área de estudo 3 METODOLOGIA Em campo realizaram-se ensaios de condutividade hidráulica de acordo com ABGE (1996) e coleta de amostras de solo indeformadas e deformadas à profundidade de 6 cm. Em laboratório realizaram-se caracterizações mineralógicas por meio da difração de raios X (Azaroff e Buerguer, 1953) e análise de energia dispersiva (EDS). Análise granulométrica conjunta (ABNT-NBR7181/1984, determinação da massa específica dos sólidos (ABNT NBR 658/1984) e análise de porosimetria por intrusão de mercúrio (Washburn, 1921), foram realizadas para caracterização física do solo. A caracterização físico-química deu-se por meio da determinação do ph (H2O e KCl), Eh e condutividade elétrica (EC) (EMBRAPA, 1997), delta ph (Mekaru e Uehara, 1972),

3 Point of zero charge (PCZ) (Keng e Uehara, 1974), teor de matéria orgânica (ABNT/NBR ) e Capacidade de troca (CEC)(PEJON, 1992). Após caracterização, iniciaram-se o ensaio de coluna para determinação dos índices físicos do solo (NOGUEIRA, 25) e dos parâmetros de fluxo i.e. velocidade linear média(v), velocidade de Darcy (q) e condutividade hidráulica (k). Em seguida, em cada uma das três colunas utilizadas percolou-se uma solução de NaCl (277, 5 e µmol/l) durante 15 volumes de poros. As concentrações de Na + foram determinadas por meio de um fotômetro de chama. Com isso, construíram-se se as curvas de chegada do Na + (Figura 7). Depois disso, determinou-se o D h e por meio de três métodos: Brigham (1974), Singh (1998), Bear (1961). O R d foi determinado de acordo com van Genuchten e Parker (1984), Freeze e Cherry (1979), Shackelford (1993;1994). 4 RESULTADOS A mineralogia do solo é composta por quartzo, caulinita, gibsita e haloisita, mineralogia típica para solos desta região (Figura 2). Difração de Raios X Antes do Ensaio de Coluna Natural Térmico Químico (Quartzo) Diâmetro dos Poros (1E-6 m) Figura 3 Frequência versus diâmetro dos poros. Frequência Porcentagem do Volume Total Introduzido (%) Topo Topo Meio Meio Base Base,1,1, Diâmetro dos Poros (1E-6 m) Figura 4 Diâmetro dos poros versus porcentagem do volume total de mercúrio introduzido No entanto, com a análise visual das colunas constatou-se que há muitos macroporos com diâmetro variando de 2 a 4 mm que não foram identificados no ensaio de porosimetria, mas que devem ser considerados na análise dos mecanismos de transporte (Figura 5). 8 cps (Haloisita) 7.25 (Caulinitas) 4.26 (Gibsita) 3.54 (Caulinita) θ Figura 2 Gráficos de difratometria de raios X para os três tratamentos realizados Texturalmente o solo estudado possui 79,4% de areia, 1, 5% argila e 1,1% de silte. A análise de porosimetria por intrusão de mercúrio constatou a presença de dupla porosidade (Figura 3). Além disso, segundo a classificação de Koorevaar, Menelik e Dirksen (1983), tem-se 5% de macroporos, ou seja, poros maiores que 1 µm (Figura 4). Macroporos Figura 5 Macroporosidade nas colunas de solo. A massa específica dos sólidos está de

4 acordo com materiais arenosos (26.4 kn/m³).). O valor de CTC obtido (1.52 mmolc /kg) indica que o material possui baixa capacidade de retenção de cátions por adsorção eletrostática. A condutividade elétrica mostra a existência de baixas concentrações de sais dissolvidos (55.7mS/m). Os resultados de ph em H 2 O e em KCl (5,23 e 4,2 respectively) indicam que o solo é levemente ácido, característico dos solos dessa região. O ph negativo (-1,3) e o PCZ (4,18) menor do que o ph do solo indicam que há predomínio de cargas negativas no solo, o que pode favorecer a adsorção de cátions como o Na +. Além disso, este solo possui baixo teor de matéria orgânica (1,18 %). Os valores de condutividade hidráulica foram consistentes com solos arenosos (com ordem de grandeza de 1-5 m/s). Os valores da velocidade de Darcy e da velocidade linear média foram da ordem de 1-4 m/s. Estes dois valores foram similares entre si e este resultado é reflexo da macroporosidade do solo. Durante os ensaios de coluna, foram monitorados o ph, a temperatua e a condutividade elétrica. Os valores de ph variaram entre 6,8 e 7,7 e a temperatura variou de 22,5 a 23 C. Notou-se aumenta da condutividade elétrica com o passar do volume de poros (Figura 5). Condutividade Elétrica (µs/cm) Condutividade Elétrica x Volume de Poros Coluna 1 Coluna 2 Coluna Volume de Poros Figura 6 Condutividade elétrica versus Volume de Poros Observando a curva de chegada (Figura 6) é possível notar a retenção do sódio, o que explica o aumento da C.E no solo. Esta retenção pode ocorrer devido à adsorção não específica, que, mesmo ocorrendo em pequena quantidade devido à mineralogia do solo, pode ser capaz de agir fortemente na retenção do sódio. A curva de chegada também mostra que no início do ensaio parte do soluto está deixando a coluna com a mesma velocidade linear média da água. Isto sugere a ocorrência de movimento advectivo por caminhos preferencias, como os macroporos. Concentração Relativa C//C Figura 7 Curvas de chegada de sódio. Os valores de Dh foram muito diferentes dependendo do método usado (Tabela 1.). Provavelmente, isto esta relacionado ao modelo conceitual de cada método. Os valores de Dh obtidos com o método proposto por Bear (1972) são dependentes dos valores do coeficiente de dispersividade longitudinal (α l ), que podem variar bastante, dependendo da escala de análise. Tabela 1. Valores do Coeficiente de Dispersão Hidrodinâmica do Na + Coeficiente de Dispersão Hidrodinâmica (m²/min) Método Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 Brigham et al. (1974) Curva de Chegada de Na + Coluna 1 Coluna 2 Coluna Volume de Poros 1,91E-3 2,24E-3 2,82E-3 Singh (1998) 2,96E-7 2,68E-7 6,54E-7 Bear (1961) 1,97E-4 2,25E-4 2,85E-4 Os valores de D h obtidos com o método proposto por Bringham et al. (1974) podem não ser apropriados quando houver macorporos na coluna, como neste caso estudado, pois a velocidade linear média calculada refletirá principalmente a velocidade pelos macroporos e não por toda a coluna de solo (Godoy, 213).

5 Por outro lado, o método proposto por Singh (1998), apesar de resultar em valores que podem variar bastante com pequenas alterações no formato da curva de chegada, não usa diretamente os valores da velocidade linear média na determinação do D h. Assim, este método é menos vulnerável a erros na medição da velocidade. Para determinar os valores de R d com o método proposto por Frreze e Cherry (1979), deve-se assumir que a sorção obedece a uma isoterma linear. Contudo, isto normalmente não ocorre em materiais geológicos, como pode ser visto no ajuste das isotermas para o solo estudado. Os valores de R d obtidos com este método são menores do que os valores obtidos com outros métodos (Tabela 2.). Tabela 2. Valores de Fator de Retardamento de Na + Método Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 van Genuchten e Parker (1984) Freeze e Cherry (1979) 5 CONCLUSÕES 5,6 3,79 2,74 3,5 2,2 1,9 Ensaios de caracterização foram fundamentais para que se interpretassem os possíveis mecanismos de transporte presentes no solo. A presença de dupla porosidade bem como de macroporosidade foram determinantes nos valores dos parâmetros de fluxo e transporte. O solo, apesar de arenoso e com baixa CTC, apresentou significante sorção. Com isto, podese concluir que as conhecer as características físico-químicas, mineralógicas e físicas, principalmente em relação á porosidade, são essenciais para entender o transporte de solutos no solo. O principal mecanismo de transporte atuando neste solo são advecção e adsorção não-específica. A análise dos modelos conceituais dos métodos utilizados para a determinar os valores de D h e R d permitiu que se identificassem as limitações e vantagens de cada método. Os resultados sugerem que o uso de parâmetros de transporte em modelagem do transporte de contaminantes deve ser feito com cautela. É necessário que se observe tanto as características do solo (mineralógicas, físicas, químicas, físico-químicas) quanto o modelo conceitual e as limitações do métodos usados na determinação desses parâmetros. AGRADECIMENTOS Agradecemos aos professores e aos funcionários da Escola Técnica Estadual Astor de Mattos Carvalho, à coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, por permitirem o desenvolvimento deste trabalho. REFERÊNCIAS Al Salem, S.S. (1996) Environmental considerations for wastewater reuse in agriculture. Water Science and Technology, v.33, n.1 11, p Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT NBR : Solo Determinação do teor de matéria orgânica por queima a 44 C. Rio de Janeiro, p. NBR a: Grãos de solos que passam na peneira de 4,8 mm: determinação da massa específica: método de ensaio. Rio de Janeiro, 7 p. NBR c: Solo - análise granulométrica. Rio de Janeiro, 13 p. Azaroff, L. V. Buerger, M. J. (1953) The powder method in X-ray crystallography. 342p. Bear, J. (1961) Some experiments in dispersion. Journal of Geophysical Research, v. 66, n. 8, p Brigham, W. E. et al.(1974) Mixing equations in short laboratory cores. Old Society of Petroleum Engineers Journal, v. 14, n. 1, p Clanton;, C.J. e Lack, D.C. (1987) Hydraulic properties of soils as affected by surface application of wastewater. Transactions of American Society of Agricultural Engineering, v.3, n.3, p Cook, F.J. e Kelliher, F.M.; Mcmahon, S.D. (1994) Changes In Infiltration And Drainage During Wastewater Irrigation Of A Highly Permeable Soil. J. Environ. Qual., v.23, n.3, p Coraucci Filho, B. et al. (22) Remoção natural de patógenos no sistema de pós-tratamento por escoamento superficial no solo. In: VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Anais...Vitória, ES, 5p. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. (1997) Centro Nacional de Pesquisa de

6 Solos. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro, 212p. Freeze, R. A. e Cherry, J. A. (1979) Groundwater, Prentice-Hall, Englewood Cliffs, Nova Jersey, 64 p. Godoy, V.A. (213) Estudo dos mecanismos de transporte de sódio, fosfato e amônio em colunas indeformadas de material inconsolidado residual de arenitos da Formação Adamantina. 255p. Dissertação (Mestrado), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, 213. Haruvy, N. (1997) Agricultural reuse of wastewater: nation-wide cost-benefit analysis. Agriculture, Ecosystems & amp; Environment, v.66, n.2, p Kiziloglu, M.F. et al. (27) Effects of wastewater irrigation on soil and cabbage-plant (brassica olerecea var. capitate cv. yalova-1) chemical properties. Journal of Plant Nutrition and Soil Science, v.17, n.1, p Paula E Silva, F.; Cheng, H.K. e Caetano-Chang, M.R. (23) Perfis de referência do Grupo Bauru (K) no Estado de São Paulo. Geociências, v. 22, n. especial, p Quadros, D.G.D. et al. (21) Anaerobic digestion of goat and sheep wastes in a continuous reactor of flexible PVC. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.14, n.3, p Ramirez-Fuentes, E. et al. (22) Characteristics, and carbon and nitrogen dynamics in soil irrigated with wastewater for different lengths of time. Bioresource Technology, v.85, n.2, p Rodrigues, R.A. (23) A influência do esgoto doméstico como fluido de saturação no colapso de um solo arenoso. 13 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Faculdade De Engenharia, Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, 23 Singh, S. K. (1998) Estimation of dispersion coefficient from data on soil column test. In: IX National Symposium on Hydrogeology (Amritsar).National Institute of Hydrology. Anais Roorkee, India, p Toze, S. (26) Reuse of effluent water: benefits and risks. Agricultural Water Management, v.8, n.1 3, p Van Genuchten e M. T; Parker, J. C. (1984) Boundary conditions for displacement experiments through short laboratory soil columns. Soil Science Society of America Journal, v. 48, n. 4, p Vilella Junior, L. V. E.; Araújo, J. A. C. e Factor, T.L. (23) Comportamento do meloeiro em cultivo sem solo com a utilização de biofertilizante. Horticultura Brasileira, Brasília, v.2, n.2, p

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO Suetônio Mota (1) Engenheiro Civil e Sanitarista. Doutor em Saúde Ambiental, pela Universidade de São Paulo. Professor Titular do Centro

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS Introdução Pavimentos permeáveis são definidos como aqueles que possuem espaços livres na sua estrutura onde a água pode atravessar. (FERGUSON, 2005).

Leia mais

Artigo. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Merten, Gustavo H.* Minella, Jean P.

Artigo. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Merten, Gustavo H.* Minella, Jean P. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura Merten, Gustavo H.* Minella, Jean P.** Resumo A ocupação e uso do solo pelas atividades agropecuárias alteram

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-189 - USO DE ESGOTOS TRATADOS EM LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA FERTIRRIGAÇÃO NAS CULTURAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido.

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 QUALIDADE DE SOLO IRRIGADO POR EFLUENTE TRATADO PELO BIOÁGUA FAMILIAR Fábio dos Santos Santiago 2 ; Solange Aparecida Goularte

Leia mais

Pavimentos Permeáveis

Pavimentos Permeáveis PRÁTICA RECOMENDADA PR- Sistemas construtivos Pavimentos Permeáveis Conceitos e Requisitos para Pavimentos Intertravado Permeável MSc. Mariana L. Marchioni e MSc. Cláudio Oliveira Silva Associação Brasileira

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO NA CAPACIDADE DE CAMPO E NO PONTO DE MURCHA PERMANENTE COM BASE EM ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO CAMILA CRISTINA ALVARENGA 1, CARLOS ROGÉRIO DE MELLO 2 ; LÉO FERNANDES ÁVILA

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

Palavras-Chave: (solo arenoso, retenção, analisador granulométrico)

Palavras-Chave: (solo arenoso, retenção, analisador granulométrico) XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo Estudo comparativo de métodos para a determinação da curva de retenção de água em um Neossolo Quartzarênico 1 PATRICIA DOS SANTOS NASCIMENTO (1), LUÍS HENRIQUE

Leia mais

Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva

Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva Paulo J. Ramísio 1, José M. P. Vieira 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P - 4800-058

Leia mais

EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III

EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III EVZ/UFG GESTÃO E PLANEJAMENTO AMBIENTAL Impactos Ambientais III COMPACTAÇÃO DE SOLOS Selma Simões de Castro 2012-2 Conceitos COMPACTAÇÃO 1. Compressão do solo não saturado durante a qual há aumento de

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

2 Revisão bibliográfica

2 Revisão bibliográfica 2 Revisão bibliográfica A motivação desta pesquisa surge dos problemas apresentados pela interação entre o efluente de uma fabrica de alumínio e seu solo de fundação; em linhas mais gerais poderia se falar

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

SIMONE HARTH OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO USO DE BORRA OLEOSA PROCESSADA EM SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERROS.

SIMONE HARTH OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO USO DE BORRA OLEOSA PROCESSADA EM SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERROS. SIMONE HARTH OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO USO DE BORRA OLEOSA PROCESSADA EM SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERROS. Dissertação apresentada ao Departamento de Engenharia Civil da PUC-Rio como parte dos requisitos

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE

LINEAMENTOS PARA MELHORAR A GESTÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS E FAZER MAIS SUSTENTÁVEL A PROTEÇÃO DA SAÚDE Primeiro lineamento geral: O TRATAMENTO E USO ADEQUADOS DAS ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS CONTRIBUEM A PROTEGER A QUALIDADE DOS CORPOS DE ÁGUA E DEVERIAM SER PARTE DE UMA GESTÃO MAIS EFICIENTE DOS RECURSOS

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

Conceitos e Requisitos para Pavimentos de Concreto Permeável

Conceitos e Requisitos para Pavimentos de Concreto Permeável prática recomendada pr-3 Conceitos e Requisitos para Pavimentos de Concreto Permeável MSc. Mariana L. Marchioni e MSc. Cláudio Oliveira Silva Associação Brasileira de Cimento Portland Engº Arcindo Vaquero

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água.

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE NASCENTES NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO, SUB BACIA DO MÉDIO RIO SÃO FRANCISCO. Ana Lídia Alves Rocha 1, Lucilia Maria Parron 2, Carlos José Domingos da Cruz 3,

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Provisioning Services Products obtained from ecosystems Food Fresh water Fuel wood Fiber Biochemical's Genetic resources Regulating Services Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Climate

Leia mais

Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical

Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo/Unicamp, Campinas, Brasil, E-mail: mgmiguel@fec.unicamp.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS Marco Túlio Rocha Porto* Engenheiro Civil, Mestrando em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

VI-021 - AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE IMPERMEABILIZAÇÃO DAS BACIAS DE CONTENÇÃO DE TRÊS TERMINAIS DE ARMAZENAMENTO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E ETANOL

VI-021 - AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE IMPERMEABILIZAÇÃO DAS BACIAS DE CONTENÇÃO DE TRÊS TERMINAIS DE ARMAZENAMENTO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E ETANOL VI-021 - AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE IMPERMEABILIZAÇÃO DAS BACIAS DE CONTENÇÃO DE TRÊS TERMINAIS DE ARMAZENAMENTO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E ETANOL Carlos José de Amorim Júnior (1) Mestre em Engenharia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison HIDRÁULICA DE POÇOS Prof. Marcelo R. Barison Infiltração e Escoamento - as zonas de umidade do solo - Aqüífero Livre; Aqüífero Confinado. TIPOS DE AQÜÍFEROS Representação Esquemática dos Diferentes Tipos

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 6 Água no Solo ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 6 Água no Solo ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 6 Água no Solo ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Fluxo de água no solo A água se desloca em resposta

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ I.22 I.22 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ Marco A. P. Reali (1) Engenheiro Civil pela Universidade de São Paulo EESC, Professor Doutor junto

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG)

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) Patrícia Bonolo Cruvinel 1 Universidade Federal

Leia mais

TRATAMENTO PRIMÁRIO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE SUINOCULTURA COM FIBRA DE COCO

TRATAMENTO PRIMÁRIO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE SUINOCULTURA COM FIBRA DE COCO V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 TRATAMENTO PRIMÁRIO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE SUINOCULTURA

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE EUCALIPTO

ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE EUCALIPTO ABSORÇÃO DE MICRONUTRIENTES APÓS APLICAÇÃO DE BIOSSÓLIDO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE EUCALIPTO Ivo Zution Gonçalves¹; Giovanni de Oliveira Garcia²; João Carlos Madalão³; Hanne Nippes Bragança 4 ; Glaucio

Leia mais

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2

QUI 116 Química do Meio Ambiente. Aula 1 Litosfera Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 116 Química do Meio Ambiente Aula 1 Litosfera Parte 2 Prof. Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2010 Solo O solo

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE Aline Cavalcanti e Cavalcante * ; Ana Claudia Carneiro da Silva Braid; Diego Magalhães Nascimento;

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados.

Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados. Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados. Rejane Nascentes Universidade Federal de Viçosa, Rio Paranaíba, Brasil, rejane.nascentes@ufv.br Pedro

Leia mais

O que são e como funcionam os Aquíferos e as Águas Subterrâneas

O que são e como funcionam os Aquíferos e as Águas Subterrâneas Águas subterrâneas: uso atual e potencial para a Segurança Hídrica Encontro Temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional São Paulo 23 e 24 de setembro de 2015 Osvaldo Aly Jr Engenheiro

Leia mais

I-018 - COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO PELO MÉTODO DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL

I-018 - COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO PELO MÉTODO DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL I-018 - COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO PELO MÉTODO DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Eng. Civil. M.Sc. em Engenharia Agrícola

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

Produção de Alimentos e Sustentabilidade

Produção de Alimentos e Sustentabilidade I SEMINÁRIO ESTADUAL DA REDE SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Produção de Alimentos e Sustentabilidade Profa. Dra. Tamara

Leia mais

René Porfirio Camponez do Brasil

René Porfirio Camponez do Brasil René Porfirio Camponez do Brasil 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL SOLUÇÃO DO SOLO = H 2 + ÍONS (NUTRIENTES) 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DINÂMICA DE SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

Elaboracao do Perfil Difusivo de Íons Inorgânicos Cl -, K + e Na + Presentes no Solo e no Lixiviado do Aterro de Volta Redonda R.J.

Elaboracao do Perfil Difusivo de Íons Inorgânicos Cl -, K + e Na + Presentes no Solo e no Lixiviado do Aterro de Volta Redonda R.J. Elaboracao do Perfil Difusivo de Íons Inorgânicos Cl -, K + e Na + Presentes no Solo e no Lixiviado do Aterro de Volta Redonda R.J. Izabella Christynne Ribeiro Pinto Valadão Departamento de Pós Graduação

Leia mais

INDICADORES AMBIENTAIS DE SOLOS DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA.

INDICADORES AMBIENTAIS DE SOLOS DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA. INDICADORES AMBIENTAIS DE SOLOS DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA. Francielly de Oliveira Pedralino (*), Bruno da Silva Barbosa, Ian Felipe Cabral, Laudyana Aparecida Costa

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil

Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil Tiago Garcia Rodriguez FEC/Unicamp / Fugro In Situ Geotecnia Jundiaí, São Paulo, Brasil,

Leia mais

REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES.

REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES. REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES. Thianne Silva BATISTA¹, Thacyanne Kataryne Barbosa LIRA¹, Josy Suyane de Brito SOUZA¹, Thiago Rodrigo Barbosa BARROS¹, Verônica

Leia mais

PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS. Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr.

PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS. Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr. PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO Envolvem transferência de elétrons Espécie oxidada x

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL ANDRADE NETO, C O de; HAANDEL, A van ; MELO, H N S. (2002). O Uso do Filtro Anaeróbio para Pós-Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios no Brasil. In: X SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SEDIMENTAÇÃO CAULIM DO EQUADOR/RN

INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SEDIMENTAÇÃO CAULIM DO EQUADOR/RN XXV Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa & VIII Meeting of the Southern Hemisphere on Mineral Technology, Goiânia - GO, 20 a 24 de Outubro 2013 INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DA

Leia mais

O SOLO NO MEIO AMBIENTE

O SOLO NO MEIO AMBIENTE Mini Curso O Solo e o Meio Ambiente Prof. Dr. Marcelo Ricardo de Lima IX EPEA 1 O SOLO NO MEIO AMBIENTE Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF 1* Ferreira, Ricardo R. F.; 1 Assunção, Hildeu Ferreira.; 1 Ribeiro, Dinalva Donizete Ribeiro; 1** Martins, Alessandro.

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Evanisa F. R. Q. Melo - evanisa@upf.br Eduardo P. Korf - eduardokorf@gmail.com Antônio Thomé

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA A QUALIDADE DO SOLO NO CONTEXTO DA POLUIÇÃO AMBIENTAL POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS ANÁLISE DE LEGISLAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO E NO BRASIL Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Leia mais

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA

SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA SUBSÍDIOS À GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS NA BORDA NORDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA Robério Bôto de Aguiar (REFO) Liano Silva Veríssimo (REFO) Sônia M. Silva Vasconcelos (UFC) Serviço

Leia mais

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE Cinthia Monteiro Hartmann (1) Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná

Leia mais

TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO COM USO DA TÉCNICA DE REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO 1 RESUMO

TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO COM USO DA TÉCNICA DE REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO 1 RESUMO Irriga, Botucatu, v. 1, n. 4, p. 393-2, novembro-dezembro, 5 ISSN 18-3765 393 TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO COM USO DA TÉCNICA DE REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO Tibério Santos Martins da Silva

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

COEFICIENTE DE PERMEABILIDADE EM ENSAIO DE POÇO INVERTIDO: efeito do tempo de umedecimento prévio e métodos de cálculo

COEFICIENTE DE PERMEABILIDADE EM ENSAIO DE POÇO INVERTIDO: efeito do tempo de umedecimento prévio e métodos de cálculo COEFICIENTE DE PERMEABILIDADE EM ENSAIO DE POÇO INVERTIDO: efeito do tempo de umedecimento prévio e métodos de cálculo Ademir Paceli Barbassa 1 ; Celso Xavier de Oliveira Junior 2 ; Lorena Avelina Rojas

Leia mais

XXXI CONGRESO INTERAMERICANO AIDIS Santiago CHILE Centro de Eventos Casa Piedra 12 15 Octubre de 2008

XXXI CONGRESO INTERAMERICANO AIDIS Santiago CHILE Centro de Eventos Casa Piedra 12 15 Octubre de 2008 e XXXI CONGRESO INTERAMERICANO AIDIS Santiago CHILE Centro de Eventos Casa Piedra 12 15 Octubre de 2008 AVALIAÇÃO DA PERDA DE NITROGÊNIO EM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE URINA COM ISOLAMENTO DA ATMOSFERA

Leia mais