MECANISMOS DE CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO SUPERIOR DE GESTÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECANISMOS DE CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO SUPERIOR DE GESTÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 MECANISMOS DE CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO SUPERIOR DE GESTÃO EMPRESARIAL PRISCILA AMANDA RODRIGUES DE SOUZA ALCIENE RIBEIRO FEITOZA DA SILVA São Sebastião 2012

2 PRISCILA AMANDA RODRIGUES DE SOUZA MECANISMOS DE CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA EM UM CURSO SUPERIOR DE GESTÃO EMPRESARIAL Artigo apresentado como Trabalho de Graduação do Curso de Tecnologia em Gestão Empresarial da Faculdade de Tecnologia de São Sebastião FATEC, para obtenção do título de Tecnólogo em Gestão Empresarial, sob orientação da Professora Mestre Alciene Ribeiro Feitoza da Silva São Sebastião 2012

3 RESUMO Ao atuar como Professora no ensino de Inglês com fim específico em um curso superior de educação tecnológica e em discussões com uma aluna-monitora de Inglês foi possível perceber lacunas no processo de ensino-aprendizagem da língua em questão, por parte de muitos alunos, assim, pudemos destacar as principais dificuldades e demonstrar possíveis ações para minimizar as dificuldades. Nesta perspectiva, esta pesquisa tem por objetivo apresentar e demonstrar as experiências e contribuições no processo de ensino-aprendizagem da língua inglesa em um curso superior tecnológico de Gestão Empresarial. Palavras-chave: Ensino-aprendizagem. Língua inglesa. Curso superior tecnológico..

4 ABSTRACT Acting as Professor and teaching English for a specific purpose in a college of technology education and in discussions with a student-monitor of English, was revealed gaps in the teaching-learning process of the language acquisition by many students, so, we highlight the main difficulties and demonstrate possible actions to minimize the difficulties. In this perspective, this research aims to present and demonstrate the experiences and contributions in the teaching-learning process of English in a technological college of Business Management. Key-words: Teaching-learning. English language. Technological college.

5 SUMÁRIO Introdução Referencial Teórico A Língua Estrangeira no cenário empresarial atual A Língua Estrangeira com fim específico Estratégias de Aprendizagem A construção da aprendizagem por meio da autonomia Metodologia Resultados e Discussão A grade curricular de um curso superior tecnológico de gestão empresarial O processo de avaliação de proficiência da LI Principais dificuldades no aprendizado de ESP Desafios no processo de ensino-aprendizagem da LI num curso de Gestão Empresarial Os mecanismos de contribuição da faculdade no processo de ensino-aprendizagem da LI Experiências e contribuições: visão de uma aluna-monitora Conclusões Referências Anexo Apêndice... 27

6 1 Introdução Diante de um cenário empresarial totalmente competitivo e globalizado, somente aqueles profissionais que estiverem capacitados e prontos para exercer suas funções de maneira efetiva serão selecionados e terão a oportunidade de participar deste ambiente. Preparar-se para o ambiente turbulento de negócios é principalmente atender às exigências demandadas por este, atualizando-se constantemente no sentido de adquirir novas técnicas e conhecimento para estar capacitado. Tal descrição faz menção ao contexto empresarial encontrado na região de São Sebastião - São Paulo, que busca no recurso humano, habilidades que se apresentem no desenvolvimento de atividades e funções do cotidiano empresarial, principalmente no que diz respeito à comunicação. Uma ferramenta importante para a comunicação dentro deste ambiente é o domínio de pelos menos uma língua estrangeira (LE), fator facilitador de suas possíveis negociações. Com esta visão, surgiu a preocupação de como o processo de ensino-aprendizagem da Língua Inglesa para fins específicos (LinFE), neste caso, aplicada ao ambiente de negócios, possa ser fator vantajoso e determinante para que os futuros profissionais possam se destacar neste mercado competitivo. Baseado neste ambiente e voltando-se para a necessidade de melhorias dentro do processo de ensino-aprendizagem de uma LinFE, este trabalho buscou identificar quais contribuições para este processo que a Instituição de Ensino superior (IES), neste caso, a Faculdade de Tecnologia de São Sebastião (Fatec) podem propiciar, ou seja, quais as ferramentas disponíveis na instituição para que o graduando em Tecnologia de Gestão Empresarial possa usar efetivamente o Inglês como LE em seu currículo. Assim, esta pesquisa procurou demonstrar que ao final da aprendizagem, o resultado pode ser positivo se associado a mecanismos de contribuições para este processo, como turmas de nivelamento para tornar este grupo de alunos o mais

7 2 homogêneo possível, monitorias e plantões de dúvidas como forma de auxílio às aulas da grade. Devido à relevância do tema, o propósito fundamental deste trabalho foi apresentar e demonstrar as experiências e as contribuições de uma professora e uma monitora de Inglês, no processo de ensino-aprendizagem da Língua Inglesa com fim específico (LinFE), em um curso superior tecnológico de Gestão Empresarial. Como forma de atingir o objetivo citado, pretendeu-se, identificar e destacar qual o impacto social da Língua Inglesa no processo de ensino aprendizagem dos graduandos de Tecnologia em Gestão Empresarial; identificar quais são as dificuldades comuns encontradas, elencar possíveis ações para saná-las ou minimizá-las, e demonstrar quais as vantagens proporcionadas pelas aulas de nivelamento e de monitoria. Buscou-se também discutir como se dá a construção da aprendizagem por meio da autonomia; demonstrar os desafios ligados ao ensino-aprendizagem da LI no contexto empresarial (como os alunos chegam até a faculdade e o que se espera destes), além de correlacionar com o conteúdo programático do curso numa perspectiva evolucional. Dentre os objetivos também estão elencar e demonstrar quais as ferramentas disponíveis na Fatec São Sebastião, para que o graduando possa usar efetivamente a LE em seu currículo e relatar as experiências e as contribuições do ponto de vista de uma aluna-monitora de forma pragmática (por meio das aulas-auxílio). Como embasamento teórico, para justificar e valorizar o tema delimitado foram elencados autores que proporcionaram conhecimentos relevantes para compor esta pesquisa, na perspectiva da LI no contexto empresarial, encontrou-se principalmente os trabalhos de Ribeiro (2008) e Kobayashi (2010), no qual o primeiro aborda a temática do ponto de vista dos desafios do professor de LI diante de um cenário empresarial globalizado, e o segundo, do ponto de vista de como as empresas avaliam o conhecimento acerca da LI, dos funcionários e candidatos a funcionários da empresa.

8 3 Quanto à construção do conceito de língua estrangeira para fim específico e sua aplicação no mundo dos negócios, encontrou-se o trabalho de Vian Jr (1999), que alerta os seus leitores para a escassez de pesquisas voltadas a este tema, sendo esse um dos motivos que levou as pesquisadoras a desenvolver esse trabalho. Para fundamentar os conceitos de estilos de aprendizagem e suas principais estratégias, Paiva (2007) aborda a existência de diferentes estilos e preferências de acordo com cada indivíduo; já Vilaça (2010) reconhece que as estratégias de aprendizagem são como ferramentas peculiares de escolha particular e sua identificação deve permitir melhor desempenho neste processo. Com relação à construção do conhecimento de uma língua estrangeira por meio da autonomia, Vilaça (2010) ainda afirma que aprendizes autônomos tendem a empregar melhor suas estratégias de aprendizagem, adequando-as ao seu perfil, preferência, necessidade e metodologia de estudo. O desenvolvimento da presente pesquisa construiu-se por meio de pesquisa de campo, bibliográfica e documental. Para a coleta de dados, usou-se como instrumento questionário composto por questões fechadas e de múltipla escolha, aplicado aos alunos participantes das aulas de suporte de Inglês, cedidas pela IES escolhida. Deste processo, originaram-se ricas informações para compor esta pesquisa, que foram devidamente selecionadas e organizadas, facilitando a ações posteriores a análise e discussão.

9 4 1. Referencial Teórico 1.1 A Língua Estrangeira no cenário empresarial atual O cenário empresarial encontrado nos dias atuais é oriundo da globalização e da internacionalização dos negócios, que por consequência, tornou as relações interculturais algo mais comum para as pessoas e as organizações (RIBEIRO, 2008). Partindo desse princípio, de acordo com o autor, as empresas que não respeitarem tais diferenças culturais estarão cometendo grave erro, impossibilitando a realização de negócios internacionais ou até mesmo a utilização de um sistema operacional, o que pode levar a prejuízos consideráveis, tanto monetários quanto na qualidade relativa à comunicação entre clientes e colaboradores (idem). Pode-se afirmar então que o sucesso de um profissional no âmbito empresarial corresponde às habilidades de comunicação que o permitam estabelecer, com qualidade, relações de negócios e lidar com os mais variados clientes de sua empresa. Assim, diante deste cenário empresarial globalizado surge a preocupação, do ponto de vista do professor de LI, de como lidar com os desafios que a ascensão deste ambiente trouxe às relações empresa/cliente (RIBEIRO, 2008). Um exemplo destes desafios encontra-se no processo de seleção e contratação de pessoal, no qual o mercado de trabalho vem impondo cada vez mais regras para a escolha de profissionais baseadas principalmente na facilidade de que

10 5 a LI oferece no acesso ao conhecimento, tecnologia, cultura e comunicação (KOBAYASHI, 2010, p. 3). Com destaque entre as línguas estrangeiras (LE) utilizadas nas relações comerciais do mundo, a Língua Inglesa é a mais usada, segundo Crystal apud Ribeiro (2008) a LI é: Usada como oficial ou semi-oficial em mais de 60 países e ocupa posição importante em outros 20. Ela é dominante ou está firmemente estabelecida em todos os seis continentes. É a língua mais usada em livros, jornais, aeroportos e controle aéreo, negócios internacionais e conferências acadêmicas, ciências, tecnologia, medicina, diplomacia, esporte competições internacionais, música popular e propaganda (...). Todos os anos o Conselho Britânico ajuda 25 milhões de estudantes estrangeiros a aprender a língua inglesa em vários países do mundo. Considerada como fator fundamental para o estabelecimento de uma comunicação de sucesso entre culturas, a LI, não deve ser interpretada apenas pela sua boa fluência ou conhecimento gramatical, mas sim abrangendo os aspectos culturais nela inseridos, ou seja, a adaptação do profissional perante a diversidade de culturas (RIBEIRO, 2008). Assim, o autor identifica o desafio de trazer tais diversidades culturais para dentro do processo de ensino-aprendizagem de LI, que justifica as mudanças necessárias quanto à inserção de conceitos e troca de experiências voltadas ao aprofundamento destas questões. Isso acarretará na percepção por parte dos aprendizes de que diferenças entre povos existem e que precisam ser entendidas e respeitadas, tornando-os capazes de lidar e amenizar certas questões que poderão surgir em futuros relacionamentos. Por outro lado, o autor contrasta que os formadores de futuros gestores empresariais possuem a responsabilidade de qualificar esses profissionais e necessitam estar em constante atualização, buscando nas mais diversas áreas, as mudanças e suas adaptações relevantes ao âmbito empresarial. Como principal exigência de grande parte das organizações, o conhecimento a cerca da LI é fator fundamental para a inserção dos profissionais no mercado de trabalho, segundo Kobayashi (2010) as empresas são os principais locais de

11 6 investigação sobre o aproveitamento e o uso efetivo desta língua, visto que em muitos casos, é tal habilidade que viabiliza o emprego de muitos indivíduos. Dentro destas empresas, Kobayashi (2010) identifica três momentos onde os colaboradores devem demonstrar a capacidade de uso da LI, sendo eles: O primeiro seria o processo de seleção de emprego, no qual o candidato realiza testes que podem ser escritos e/ou orais. Já o segundo momento englobaria as tarefas desempenhadas no dia a dia. A situação seguinte seria consequência de uma promoção ou mudança de funções, quando o profissional, que não utilizava a língua em sua posição anterior, passa a utilizá-la devido ao novo posto. Nesse caso, o inglês torna-se uma exigência anteriormente não existente. Entretanto, a identificação desta capacidade faz parte de um processo avaliativo de proficiência errôneo, pois, de acordo com Kobayashi (2010), as organizações, em sua grande maioria, carecem de parâmetros estimados relativos a sua visão de comunicação e linguagem, e não estão avaliando apropriadamente seus funcionários e futuros candidatos a funcionários para assumirem tais cargos e funções. A partir deste contexto apresentado, busca-se maneiras para atender às necessidades demandas dos profissionais ingressantes neste mercado, como a constante atualização acadêmica e o aperfeiçoamento de ferramentas de comunicação. Nesta perspectiva, a Fatec São Sebastião, no curso de Gestão Empresarial, ambiente foco desta pesquisa, busca qualificar seus graduandos através de um conteúdo programático de seis períodos direcionado à LI com fim específico: o mundo dos negócios. 1.2 A Língua Estrangeira com fim específico Partindo de um breve histórico do ensino de uma LinFE, no Inglês chamada de Language for Specific Purposes (LSP), que a partir de agora denominamos

12 7 English for Specific Purposes (ESP), podemos então defini-lo, como o ensino da LI com uma abordagem específica que vai ao encontro das necessidades do aprendiz e que permite que este desempenhe funções comunicativas nos mais diferentes aspectos, seja oral, escrita ou interpretativa (VIAN JR, 1999). Num breve histórico podemos dizer que o ensino de uma LinFE começou a ser classificado como tal, por volta dos anos 60, por Swales apud Vian Jr (1999), ou seja, a partir desse período, começam as publicações a respeito do tema. No Brasil, dá-se o crescimento do assunto, por volta dos anos 70, por meio de programas que atendessem às necessidades dos alunos de programas de mestrado em Linguística Aplicada e culmina com o período atual, no qual o ensino do Inglês, em cursos como o de Gestão Empresarial, se dá por meio de uma abordagem acerca dos aspectos profissionais do meio. Assim, podemos dizer que o termo ESP permite uma melhor interpretação em relação ao termo mais comumente usado nas ruas: Inglês Instrumental, o qual é marcado pelo aspecto voltado apenas para a leitura, o que diferencia do ESP, uma vez que este aborda funções comunicativas com foco nos propósitos do aprendiz (SWALES apud VIAN JR, 1999), que tem uma duração previamente determinada e os aprendizes normalmente são adultos, que segundo Robinson apud Vian Jr (1999, p. 441): An ESP course is purposeful and is aimed at the successful performance of occupational or educational roles. It is based on a rigorous analysis of students needs and should be tailor-made. (...) It is likely to be of limited duration. Students are more often adults and may be at any level of competence. Esse aspecto demonstra bem o que acontece no curso de Gestão Empresarial, uma vez que os alunos são adultos com foco na empregabilidade da região e passam por vestibular, o qual inclui questões de Inglês, mas estudam na mesma sala com níveis dos mais diferenciados possíveis. Apesar de passarem por exame de proficiência no início do 1º semestre, o que pode dispensá-los ou não da disciplina, mesmo assim, permanecem na mesma sala, porém com níveis diferentes e com o mesmo objetivo.

13 8 De acordo com Dudley-Evans & St John (apud VIAN JR, 1999), o ESP tem algumas características fixas, sendo elas o fato do curso ser preparado para atender às necessidades do aprendiz, usa metodologia e atividades que atendam à disciplina em questão, tem o foco na língua, em habilidades, estratégias, discurso e gêneros apropriados às atividades. Já como características variáveis, o ESP pode ser delineado para atender disciplinas específicas, pode usar metodologias diferenciadas às aplicadas no ensino do Inglês de forma geral, pois pode estar envolvida em situações do dia a dia do aprendiz. Normalmente é aplicado ao ensino profissionalizante de adultos, que pode ser no ensino superior ou técnico, o aprendiz precisa ter um conhecimento básico da língua em questão, pois o foco será nas situações específicas da área de atuação. Assim, podemos definir como características essenciais do ESP, o ensino que envolva a análise de necessidades, os objetivos claramente definidos, e por fim o conteúdo específico, pois ainda segundo Vian Jr (1999, p. 444), os: Aprendizes no contexto empresarial têm objetivos claramente definidos e os querem atingir em curto prazo, além do fato de que tais objetivos devem contemplar a equação custo/benefício. Com o desenvolvimento do Inglês como língua internacional e a globalização, tornou-se necessário a utilização de ferramentas que pudessem mensurar e conferir ao aprendiz uma documentação formal que refletisse o nível de utilização da língua em questão, com isso, vários certificados de proficiência passaram a ser utilizados, entre eles podemos citar o TOEIC (Test of English for International Communication), o qual vem sendo aplicado nos alunos do 6º semestre da Fatec, desde dezembro de 2012, sendo considerado também uma ferramenta de contribuição no processo de ensino-aprendizagem de uma LInFE. Portanto, percebemos que os aprendizes do curso de Gestão Empresarial, precisam ter, além do conhecimento em LI, o conhecimento da língua aplicado às situações relativas ao meio empresarial, que Vian Jr (1999, p. 452), denomina de performance skills, que podem ser atender telefone, participar de reuniões, fazer

14 9 apresentações, negociações, entre outras, (idem), para tanto, essa pesquisa busca mostrar, como ferramentas, do tipo nivelamento e a monitoria de LI, podem contribuir para a melhora nessas performance skills, desenvolvidas nas aulas que compõem a grade de ensino. 1.3 Estratégias de Aprendizagem Dentro deste ambiente de troca de informações, com relação aos estilos de aprendizagem e suas estratégias voltados à aquisição de conhecimento acerca de uma LE, Paiva (2007, p. 12) aborda a existência de diferentes estilos e preferências de acordo com cada indivíduo. Em sua tese, a autora afirma que: Na mesma sala de aula temos alunos de temperamentos diferentes: introvertidos e extrovertidos; os que agem mais pela emoção e os que utilizam mais a razão. Quanto à percepção há os alunos que aprendem melhor ouvindo; outros utilizando a visão; outros usando as mãos ou fazendo movimentos com o corpo. (grifos do autor) Quanto à cognição, Paiva (2007, p.12) ainda afirma que existe a possibilidade de dividir este estilo de aprendizagem em dois tipos básicos: 1º - aprende passo a passo, gosta de ver o conteúdo em uma sequência e de analisar os fatos. Aprende melhor de forma individual. No 2º tipo - O aprendiz adquire conhecimento de maneira global, contextualizada e a partir de experiências significantes, interagindo com os outros indivíduos. A partir desse pensamento, afirma-se que com a existência de diferentes estilos de aprendizagem, como mencionados acima, deve-se, portanto estabelecer ações que estimulem a aprendizagem de cada indivíduo. Nas palavras de Paiva (2007, p. 13), essas ações são caracterizadas como estratégias de aprendizagem.

15 10 Como forma de contribuição para a construção do conhecimento acerca de uma nova língua, as estratégias de aprendizagem, conforme afirma Oxford citada por Vilaça (2010, p. 22) são: Passos dados pelos estudantes para melhorar sua aprendizagem. As estratégias são especialmente importantes na aprendizagem de línguas porque elas são ferramentas para um envolvimento ativo e autodirigido, o que é essencial para o desenvolvimento da competência comunicativa. Estratégias de aprendizagem de línguas apropriadas resultam em proficiência aperfeiçoada e maior autoconfiança. Como afirma a pesquisadora citada, as estratégias de aprendizagem como ferramentas peculiares são de escolha particular, as quais o próprio aprendiz adéqua-as ao percurso de seu aprendizado. Para isso, faz-se necessário à identificação de qual ou quais estratégias se deve fazer uso. Segundo Oliveira & Chadwick (apud VILAÇA, 2010) este processo de identificação de estratégias de aprendizagem permite melhor compreensão do desempenho dos aprendizes na construção deste conhecimento, transparecendo a maneira com que estes agem durante o processo de ensino-aprendizagem de línguas. Outro conceito originado pela adaptação dessas ferramentas efetivas aos passos da aprendizagem de um graduando é chamado de estratégias produtivas (RUBIN apud VILAÇA, 2010, p. 24). Segundo o trabalho desta autora, o objetivo era dirigir o emprego positivo de diversas estratégias pelos bons aprendizes de línguas estrangeiras para aqueles menos competentes, por meio da instrumentalização deste conceito, buscando a igualdade de níveis motivacionais e comportamentais dentro desta aprendizagem, tão diferenciada e que ocorre em um mesmo espaço, ou seja, em uma mesma sala de aula. Partindo deste interesse voltado aos bons alunos, existem ainda outros dois aspectos importantes dentro do contexto de estratégias de aprendizagem, como afirma Vilaça (2010): a autonomia do aprendiz e o ensino de estratégias de aprendizagem.

16 A construção da aprendizagem por meio da autonomia Atualmente tem-se observado que aprendizes autônomos tendem a empregar melhor suas estratégias de aprendizagem, adequando-as ao seu perfil, preferência, necessidade e metodologia de estudo. De acordo com Vilaça (2010), o principal resultado disso é a diminuição da dependência do professor, que por outro lado, é a característica fundamental em alunos passivos para o percurso do aprendizado. Este importante fator deve-se a mudança de foco, do professor para o aprendiz, dentro do processo ensino-aprendizagem, o qual tem sido amplamente aceito no contexto de aprendizagem linguística (ibidem). Tal foco pôde ser identificado a partir de avanços no processo de aprendizagem de LE nos anos 70, que segundo as pesquisas de Brown (apud MOURA FILHO, 2005, p. 6), observou-se que não há apenas um método que possa garantir sucesso dessa aprendizagem, mas que devido a diferenças individuais, alguns aprendizes conquistavam a meta independente da metodologia de ensino aplicada. O ensino de estratégias de aprendizagem busca transmitir maior autonomia ao aprendiz na construção de seu conhecimento acerca de uma nova língua, Vilaça (2010) expõe que este aprendizado ou treinamento estratégico dá-se de diversas formas e critérios, basta selecioná-los de acordo com o interesse do próprio aprendiz. Dessa forma, a atual pesquisa terá o enfoque voltado para as contribuições da Faculdade no processo de ensino-aprendizagem dos alunos, ou seja, quais as ferramentas disponíveis na instituição para que o graduando em Tecnologia de Gestão Empresarial possa usar efetivamente o Inglês como LE em seu currículo e também aplicá-lo em situações de um ambiente empresarial que necessitem de

17 12 certo conhecimento específico desta língua, dentro da perspectiva de uma alunamonitora de Inglês.

18 13 2. Metodologia Para o desenvolvimento da presente pesquisa utilizou-se o método Hipotético-dedutivo, classificado como um dos métodos de abordagem, que podem ser definidos como um [...] conjunto de procedimentos utilizados na investigação de fenômenos ou no caminho para chegar-se à verdade. (ANDRADE, 2009, p. 120). Após o processo de formulação de hipóteses que buscou solucionar a questão a seguir levantada: Como desenvolver mecanismos de contribuições que possibilitem expressar qualitativamente o real aproveitamento de alunos formados no curso acima citado, em relação ao aprendizado da Língua Inglesa como um todo (aulas presentes na grade curricular juntamente com aulas-auxílio cedidas pela faculdade)?, estas foram verificadas por meio de técnicas de pesquisa de campo, bibliográfica e documental. A aplicação desta pesquisa ocorreu em uma parcela da população do corpo discente da Faculdade de Tecnologia de São Sebastião, ou seja, neste trabalho o campo de pesquisa foi uma amostra deste universo, pois apenas foram analisados os alunos participantes das aulas de auxílio (nivelamentos e monitorias), foco de estudo deste projeto, que de acordo com Lakatos (2009) amostra é uma porção ou parcela, convenientemente selecionada do universo (população); é um subconjunto do universo. Com relação à forma de levantamento de dados ou o objeto de estudo, os tipos de pesquisa mais adequados são: pesquisa de campo, bibliográfica e documental. A pesquisa de campo aborda o objeto em seu próprio ambiente, segundo Severino (2007, p. 123) a coleta de dados é feita nas condições naturais em que os fenômenos ocorrem, sendo assim diretamente observados, sem intervenção e manuseio por parte do pesquisador. Como técnica comumente utilizada e considerada indispensável para qualquer pesquisa científica, a pesquisa bibliográfica, conforme ainda afirma Severino (2007), designa a investigação através de registros disponíveis resultantes

19 14 de pesquisas realizadas anteriormente sobre um determinado fato ou fenômeno similar, em documentos impressos. Por fim, a pesquisa documental, no qual o estudo e a análise foram feitos a partir de documentos de fonte primária. De acordo com Rampazzo (2005), além de prover ao pesquisador, baixos custos em relação aos outros tipos de pesquisa, também proporcionam melhor visão do problema identificado. Como forma de coleta de dados, o instrumento questionário foi aplicado, como já mencionado, aos alunos participantes das aulas de suporte da LI cedidas pela IES escolhida. Segundo Severino (2007, p. 125), um questionário é o: Conjunto de questões, sistematicamente articuladas, que se destinam a levantar informações escritas por parte dos sujeitos pesquisados, com vista a conhecer a opinião dos mesmos sobre os assuntos em estudo. As questões devem ser pertinentes ao objeto e claramente formuladas, de modo a serem bem compreendidas pelos sujeitos. As questões devem ser objetivas, de modo a suscitar respostas igualmente objetivas, evitando provocar dúvidas, ambiguidades e respostas lacônicas. A coleta de dados para esta pesquisa foi realizada por meio de um questionário aplicado à amostra constituída pelos alunos participantes das aulas auxílio-suporte (monitoria e nivelamento) dos períodos vespertino e noturno, no final do primeiro semestre e começo do segundo no ano letivo de A amostra foi devidamente orientada, tomando conhecimento de que tal pesquisa poderá ser novamente solicitada no segundo semestre deste ano. O cenário desta pesquisa encontrava-se em certa tensão, pois neste período geralmente ocorrem as divulgações de notas e realizações de avaliações substitutivas e de exames. O processo da coleta de dados foi realizado a partir da explicação do preenchimento do questionário e de suas particularidades, como o termo de sigilo e de privacidade quanto aos dados recolhidos 1. Neste questionário não há a necessidade de identificação do aluno, pois ambos serão tratados por meio de nomenclaturas e siglas, ambas também inseridas no termo citado. 1 Buscando manter o sigilo quanto à privacidade dos participantes na pesquisa, estes serão identificados por meio de siglas e números, como: aluna-pesquisadora (AP) e os alunos participantes das aulas de suporte à LI (AAS). Com o acréscimo de um número, o código resulta em AP 1, AAS 1, AAS 2, etc. Quanto ao uso de todos os dados resultantes dessa pesquisa, estes apenas serão única e exclusivamente utilizados para a elaboração deste Trabalho de Graduação.

20 15 Após a devida coleta e seleção destes dados, a organização dos mesmos deu-se a partir de recursos como tabelas e gráficos, evidenciando o resultado obtido. Essa representação ocorreu de forma clara e objetiva, facilitando a ação posterior de análise e discussão destes dados, e proporcionando uma ferramenta efetiva de tomada de decisão para o graduando.

21 16 3. Resultados e Discussão 3.1 A grade curricular de um curso superior tecnológico de gestão empresarial Diante do ambiente foco desta pesquisa, o curso superior de Gestão Empresarial: processos gerenciais, da Fatec São Sebastião, que possui em sua grade curricular seis períodos de ensino da LI, a partir desta observação, criou-se a preocupação relativa ao acompanhamento e principalmente à identificação de questões que necessitem de melhorias. Partindo da visão estratégica da instituição que busca a qualificação de seus aprendizes para o mercado empresarial, que abrange principalmente as relações de negócios que serão estabelecidas pelos graduandos com parceiros globais, para suprir a demanda de tal cenário, surge a necessidade de capacitar estes futuros profissionais e de avaliá-los ao final deste processo, garantindo assim o êxito do ensino. Tal percepção estratégica pode ser confirmada por meio da Matriz Curricular do curso citado, encontrada no Anexo I deste trabalho, permitindo também a identificação do alto grau de constância da disciplina de Língua Inglesa presente durante todos os semestres deste curso. Tal língua está contida no grupo de disciplinas básicas do curso, na área de Comunicação em LE, juntamente com a língua espanhola, totalizando 11,5% dos 39% referentes a este eixo, estando apenas atrás de disciplinas como Administração, Contabilidade, Economia, Sociologia e Direito (12,5%).

22 O processo de avaliação de proficiência da LI O processo avaliação da LI é composto pelo exame de proficiência inicial que, segundo o Núcleo de Ensino-aprendizagem e Pesquisa em Línguas Estrangeiras (NEPLE) 2, busca compreender e avaliar o nível de conhecimento linguístico dos alunos ingressantes na instituição, e pelo exame de proficiência final, o qual se dá por meio do TOEIC. A avaliação de proficiência da instituição é fundamentada nas instruções definidas pelo NEPLE, e sua aplicação estrutura-se da seguinte maneira: Exame escrito (online) ocorre no ato da matrícula ou até a primeira semana de aula. A segunda chamada desta avaliação acontece até a primeira semana depois do dia da matrícula final do semestre; e o exame oral ocorre do primeiro dia de aula até a primeira semana depois do dia da matrícula final do semestre e é aplicado somente aos alunos que se classificarem do nível três em diante, no exame escrito. O objetivo da aplicação da avaliação de proficiência em LI é formar classes de acordo com cada nível atingido com uma infraestrutura personalizada, ou seja, turmas compostas de alunos heterogêneos que precisem de orientações relativas aos níveis alcançados no teste, com recursos didáticos apropriados. Outro objetivo identificado neste tipo de avaliação de conhecimento linguístico, é a dispensa de alunos, eliminando disciplinas em que este aluno já esteja hábil para exercer as habilidades nela requeridas. Dessa forma, o aluno não precisará participar das aulas desta disciplina, pois já possui o conhecimento que ali será ministrado, mensurado através do exame de proficiência. Este aluno terá a disciplina registrada em seu histórico escolar, com código específico, sendo-lhe atribuída à carga horária correspondente. A avaliação final dá-se por meio do TOEIC, constituído de duzentas questões de múltipla escolha em um teste impresso, com a finalidade de avaliar as 2 O NEPLE foi criado por um grupo de professores de Línguas Estrangeiras (Inglês e Espanhol) e de Informática do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, e tem por objetivo divulgar pesquisas realizadas pelos integrantes do grupo e desenvolver pesquisas conjuntas sobre questões relacionadas ao processo de ensino-aprendizagem de LE

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

O EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DAS Fatecs PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 1

O EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DAS Fatecs PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 1 O EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DAS Fatecs PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 1 Esta instrução foi elaborada com base no Regulamento da Graduação e seu objetivo principal é orientar Gestores e

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv

PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv PROPOSTA DE PARCERIA WIZARD E Aspuv Viçosa Agosto 2015 APRESENTAÇÃO A Wizard Idiomas é a maior rede de franquias no segmento de ensino de idiomas do Brasil. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação O Sindusfarma deseja oferecer aos seus associados à possibilidade de

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia INGLÊS BÁSICO Ceilândia, Outubro de 2014. Reitoria Wilson Conciani Reitor Adilson Cesar de Araújo Pró - Reitoria

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM MARKETING E GESTÃO DE EQUIPES ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo e Marketing e

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS

Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Espaço destinado

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR MANUAL DO TUTOR EAD Facinter SUMÁRIO Assuntos 1. Introdução 2. O que é o tutor na Facinter Páginas 04 05 3. A importância do trabalho do tutor no processo de educação

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES:

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 MBA em Gestão de Negócios 1 Apresentação O MBA em Gestão de Negócios visa preparar empresários e profissionais do Mato Grosso

Leia mais

Directive. Ensino especializado de idiomas com foco em sua área de atuação. Inglês e Espanhol para adultos

Directive. Ensino especializado de idiomas com foco em sua área de atuação. Inglês e Espanhol para adultos Directive Professional Language School Business and Management School Inglês e Espanhol para adultos Ensino especializado de idiomas com foco em sua área de atuação Professores Para ser um professor da

Leia mais

MANUAL DO ALUNO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LATINO AMERICANA INSTITUTO SUL-AMERICANO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO SETOR ACADÊMICO

MANUAL DO ALUNO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LATINO AMERICANA INSTITUTO SUL-AMERICANO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO SETOR ACADÊMICO 2015 MANUAL DO ALUNO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LATINO AMERICANA INSTITUTO SUL-AMERICANO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO SETOR ACADÊMICO Organizadores: Setor Acadêmico e Administrativo do ISPED Mmanmanual Página

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

SPEEXX Empowering Communication

SPEEXX Empowering Communication Empowering Communication Empowering communication speexx Coach... 38 speexx Live... 38 speexx Phone... 39 speexx 1:1... 39 Encontrar a sua formação Índice do Guia 2 Índice detalhado 10 Procura por palavras-chave

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais