Agrobiodiversidade e Desenvolvimento sustentável: a agricultura como mecanismos de efetivação dos direitos humanos dos agricultores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrobiodiversidade e Desenvolvimento sustentável: a agricultura como mecanismos de efetivação dos direitos humanos dos agricultores"

Transcrição

1 7º Encontro Anual da ANDHEP Direitos Humanos, Democracia e Diversidade. 23 a 25 de maio de 2012, UFPR, Curitiba (PR) Grupo de Trabalho - Desenvolvimento, Meio ambiente e Territorialidades Agrobiodiversidade e Desenvolvimento sustentável: a agricultura como mecanismos de efetivação dos direitos humanos dos agricultores Paulo Brasil Dill Soares (UFRRJ) Autor Andreza A. Franco Câmara (UFRRJ) Coautora

2 Agrobiodiversidade e Desenvolvimento sustentável: a agricultura como mecanismos de efetivação dos direitos humanos dos agricultores Paulo Brasil Dill Soares * Andreza A. Franco Câmara ** O desenvolvimento econômico nas atividades dos agricultores com sustentabilidade será alcançado mediante um crescimento econômico quantitativo e qualitativo que possibilite a manutenção e aumento por muito tempo através do conjunto de bens e valores socioeconômicos, ambientais e culturais. A implementação de técnicas alternativas de produção do tipo agricultura biodinâmica, agricultura biológica, agricultura natural e agricultura orgânica como um projeto político nacional baseado em experiências de desenvolvimento humano e nas especificidades territoriais locais para a inclusão social da população economicamente marginalizada pelos meios de produção da revolução verde. Objetiva-se examinar práticas e tecnologias de agricultura sustentável difundindo no Brasil os sistemas agroecológicos para elevar a ocupação terras com atividades de produção. Palavras-chaves: Desenvolvimento sustentável; Agrobiodiversidade; Técnicas agrícolas sustentáveis; Direitos humanos dos agricultores. Introdução O desenvolvimento econômico nas atividades dos agricultores com sustentabilidade será alcançado mediante um crescimento econômico quantitativo e qualitativo que possibilite a manutenção e aumento por muito tempo através do conjunto de bens e valores socioeconômicos, ambientais e culturais. Pretende-se com a implementação de técnicas alternativas de produção do tipo agricultura biodinâmica, agricultura biológica, agricultura natural e agricultura orgânica (DAROLT, 2000, p. 20) que representam um conjunto de normas bem definidas para a produção e comercialização determinadas e aceitas internacionalmente seja nos países de origem anglo-saxã, germânica e latina a adoção de um projeto político nacional baseado em experiências de desenvolvimento humano e nas especificidades territoriais locais para fazer a inclusão social da população economicamente marginalizada pelos meios de produção da revolução verde para incorporá-los ao processo produtivo nacional. * SOARES, Paulo Brasil Dill. Professor Assistente no Curso de Direito da UFRRJ/ITR. Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Informação Agropecuária da UFRRJ. Mestre em Direito pela UNESA. Pesquisador cadastrado no CNPQ. ** CÂMARA, Andreza A. Franco. Professora Assistente no Curso de Direito da UFRRJ/ITR. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da UFF. Mestre em Direito da Cidade pela UERJ. Pesquisadora cadastrada no CNPQ.

3 O presente trabalho aborda conceitualmente a dinâmica da inovação decorrente do conhecimento tecnológico apropriado na agricultura, com base nos instrumentos jurídicos de proteção da propriedade industrial e dos direitos de autor e outros que se relaciona aos conhecimentos tradicionais. Assim entendidos como fundamentais para a preservação ambiental; desenvolvimento sustentável da agricultura e da segurança alimentar; da medicina tradicional e outras fontes de cuidados da saúde. Tratando a da inovação na agricultura a partir das fontes de conhecimentos: complexos, fragmentados, superpostos e complementares. Objetiva-se examinar práticas e tecnologias de agricultura sustentável difundindo no Brasil os sistemas agroecológicos (Lei n /2003; MAPA Instrução Normativa n. 007/1999) para elevar a ocupação terras que 2005 eram de h/a com atividades de produção orgânica (LERNOUD; PIOVANO, 2005, p. 131). A agricultura sustentável será obtida a partir de uma ação local junto aos agricultores familiares, mantendo-os a salvo e autônomos em relação ao domínio do capital e do poder instituído, fortalecendo o poder local pelo aumento da rentabilidade obtida através da utilização de técnicas de produção consideradas sustentáveis acima referidas. O conhecimento poderá ser tratado como um ativo mensurável na atividade agrícola que merece ser protegido por meios jurídicos e por outras estratégias de mercado. Constata-se a necessidade de proteção à propriedade intelectual como mecanismo de garantia dos direitos legais estimulando os investimentos no desenvolvimento científico e tecnológico, à aproximação e interpenetração entre ciência e tecnologia. Tais fatores fazem parte da economia do conhecimento e do ambiente chamado de mundo pró-patente (Tang; et al., 2001), articulado com a capacidade de codificação de conhecimento gerado em novas áreas e nas tradicionais e mesmo derivadas da fusão de conhecimentos, justificando o aumento dos registro da propriedade intelectual (Castelo, 2000). Utilizaremos como metodologia a revisão de literatura e a análise dos dados divulgados por órgãos de fomento da agricultura referentes aos grupos principais de fontes de inovação e difusão. Partindo da premissa de que as relações no mundo dos negócios possuem diversas exigências para que a interação entre parceiros ocorra em condições mínimas de equilíbrio entre as partes envolvidas sendo a competência tecnológica apenas uma entre outras. A gestão não deve ser entendida como uma questão privada devendo mobilizar a formulação de políticas públicas de propriedade intelectual para ampliar os ganhos sociais associados ao desenvolvimento científico e tecnológico. Conclui-se que as estratégias de desenvolvimento sustentável devem ser elaboradas nos eixos local e regional considerando os paradigmas agroecológicos, considerando a importância da proteção jurídica para preservar a posição de mercado das instituições de geração de conhecimento técnico e

4 científico, que passa a deter ativos que as qualificam como agentes de trocas com os demais atores econômicos. Neste artigo propõem-se ainda a análise das interfaces entre os direitos dos agricultores e a agrobiodiversidade 1, por meio do Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura, datado de 2004 e ratificado no Brasil em 2008, em especial o art. 9º da norma internacional que regula os direitos dos agricultores Histórico do processo tecnológico na agricultura O processo de evolução tecnológica na agricultura decorreu de práticas voltadas ao melhoramento das técnicas agrícolas correntes atenuando os efeitos das restrições ambientais desta atividade mediante a obtenção de alimentos em quantidade e com qualidade nos padrões nutricionais e de sustentabilidade por meio do artificialismo do ambiente natural nas em todas as sociedades. O processo de inovação na agricultura caracterizou-se por tecnologias, como rotação de culturas e integração entre atividades de produção vegetal e animal, que respeitavam o ambiente ao procurarem superar as limitações ecológicas para a atividade agrícola, a partir da utilização inteligente das próprias leis da natureza, até a chamada Segunda Revolução Agrícola, ocorrida nos séculos XVIII e XIX, mediante a disseminação do sistema de rotação que ficou conhecido como Norfolk, condado britânico que originou o sistema. Este processo teve sua lógica modificada, passando-se, de maneira geral, a considerar não ser 1 Santilli (2009) considera que os direitos dos agricultores vai além do acesso à agrobiodiversidade, estendendo-se para direitos à terra e à reforma agrária, à segurança alimentar, à participação política, às políticas públicas de apoio à agricultura sustentável, entre outros. 2 De acordo com o Preâmbulo do Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura as contribuições passadas, presentes e futuras dos agricultores em todas as regiões do mundo são destinadas a conservação, melhoramento e na disponibilidade desses recursos constituem a base dos direitos do agricultor. Cabendo a presente norma em seu art. 9 a regulação dos direitos dos agricultores. Artigo 9º Direitos dos agricultores: 9.1 As Partes Contratantes reconhecem a enorme contribuição que as comunidades locais e indígenas e os agricultores de todas as regiões do mundo, particularmente dos centros de origem e de diversidade de cultivos, têm dado e continuarão a dar para a conservação e para o desenvolvimento dos recursos fitogenéticos que constituem a base da produção alimentar e agrícola em todo o mundo. 9.2 As Partes Contratantes acordam que a responsabilidade de implementar os direitos dos agricultores, no que diz respeito aos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura, é dos governos nacionais. De acordo com suas necessidades e prioridades, cada Parte Contratante deve, conforme o caso e sujeito a sua legislação nacional, tomar medidas para proteger e promover os direitos dos agricultores, inclusive:a) a proteção dos conhecimentos tradicionais relevantes para os recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura; b) o direito de participar de forma equitativa na repartição dos benefícios derivados da utilização dos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura; e c) o direito de participar na tomada de decisões, a nível nacional, sobre questões relativas à conservação e à utilização sustentável dos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura.9.3 Nada no presente artigo será interpretado no sentido de limitar qualquer direito que os agricultores tenham de conservar, utilizar, trocar e vender sementes ou material de propagação conservado nas propriedades, conforme o caso e sujeito às leis nacionais.

5 necessário seguir as regras ecológicas, a partir do século XIX, em decorrência da difusão dos conhecimentos da química agrícola. A caraterística ambientalmente agressiva da então chamada agricultura moderna era um mal necessário, que podia ser moderado com algumas práticas conservacionistas se comparada com as regras ecológicas básicas de gestão da natureza as quais passaram a ser vistas como desnecessárias à prática agrícola (Romeiro, 1996). Com a agricultura moderna a pesquisa e o desenvolvimento dos sistemas de produção foram orientados para a incorporação de pacotes tecnológicos de aplicação universal cujo objetivo era elevar ao máximo o rendimento dos cultivos, entretanto, as situações ecológicas eram radicalmente distintas. A Revolução Verde, representada pelas variedades selecionadas, agroquímicos e irrigação, era neutra sob a ótica da escala técnica, mas os relativamente elevados investimentos necessários para a adoção do pacote tecnológico e considerando o fato de que os recursos econômicos são escassos nos países pobres, o resultado esperado foi se tornando realidade, ou seja, as elites agrícolas foram os beneficiários. Ocorreu no Brasil e no resto do mundo subdesenvolvido o aumento da preocupação com o que seria tecnologicamente apropriado para a pequena produção familiar. E a exclusão dos agricultores pobres pela "barreira à entrada", representada pelos investimentos mínimos necessários, levou a uma alteração na postura das agências internacionais de pesquisa agropecuária. Estabeleceu-se o consenso de que para a grande maioria dos agricultores pobres a adoção dessas tecnologias não seria possível no curto e médio prazo sendo importante oferecer alternativas, apropriadas ou intermediárias, para a melhoria dos sistemas produtivos que fossem financeiramente acessíveis a esses produtores que lhes permitissem iniciar uma trajetória de capitalização para, no médio e no longo prazo pudessem adotar os pacotes tecnológicos mais eficientes. Passou-se a pesquisar alternativas de adaptação das variedades às restrições de cada ecossistema agrícola: variedades resistentes à seca, doenças, baixa fertilidade e/ou toxidez dos solos, fixação de nitrogênio atmosférico, em vez de adaptar o ecossistema agrícola às variedades de alta capacidade produtiva, por meio de investimentos elevados em agroquímicos e irrigação sem abandonar a busca de simplificação do ambiente agrícola como forma de maximizar a produtividade. No Brasil e no mundo, surgiram movimentos de agricultura alternativos ao convencional apregoando que a solução não estava em alternativas parciais, mas no rompimento com a monocultura e o redesenho dos sistemas de produção de forma a minimizar a necessidade de insumos externos à propriedade, se opunham ao uso abusivo de insumos agrícolas industrializados, a dissipação do conhecimento tradicional e a

6 deterioração da base social de produção de alimentos. A partir desses movimentos surgiram correntes de atuação com diversas denominações para diferentes sistemas de produção (Assis, 1993) empregados em diferentes condições ambientais, apresentando resultados satisfatórios do ponto de vista ecológico, agronômico, econômico e social. (Almeida, 1998; Assis, 1993; Carmo et al., 1988; Carmo e Magalhães, 1999; Darolt, 2000; Ndiaye et al., 1999). Como resultado houve a intensificação do reconhecimento de modelos agrícolas que considerassem a importância das diferentes interações ecológicas para a produção agrícola. Na década de 1970 surgiu a agroecologia 3, para estabelecer uma base teórica para os diferentes movimentos de agricultura não convencional tem por objetivo a redução do artificialismo no ambiente natural da agricultura apresentando uma série de princípios e metodologias de estudo, análise, direção, desenho e avaliação dos agroecossistemas, utilizado enfoque científico, e ferramentas, teorias e hipóteses, que permite trabalhar no âmbito dos agroecossistemas e no desenvolvimento de sistemas agrícolas complexos e diversificados. A agroecologia objetiva compreender o funcionamento de agroecossistemas 5 complexos, e as diferentes interações presentes, tendo como princípio a conservação e a ampliação da biodiversidade dos sistemas agrícolas para produzir autorregulação e, consequentemente, sustentabilidade. A agricultura é uma atividade que rompe com a estabilidade da natureza que está intimamente ligada à diversidade, ao estabelecer uma simplificação do ecossistema original e a consequência maior conforme afirma Romeiro (1996), é a perda da capacidade de autorregulação natural, fazendo com que o equilíbrio e a estabilidade da agricultura, passem a depender de uma permanente interferência do homem. A agroecologia como forma de atingir a sustentabilidade, enfatiza a importância dos parâmetros agronômicos, ecológicos e as questões socioeconômicas, resgatando o fato de que a agricultura é um processo ecológico e social fazendo com que o desenvolvimento tecnológico esteja inserido num processo para ser alcançado o desenvolvimento rural que atenda às demandas sociais e econômicas. 2. Sistemas agroecológicos de produção no Brasil A agroecologia se adequa mais facilmente à realidade de sistemas de organização familiar da produção agrícola que possuem estruturas de produção diversificadas e com um nível de complexidade desejado, sem prejuízo das atividades de supervisão e controle do 3 Segundo Assis e Romeiro (2002, p. 68) a agroecologia é uma ciência desenvolvida a partir da década de 1970, como consequência de uma busca de suporte teórico para as diferentes correntes de agricultura alternativa que já vinham se desenvolvendo desde a década de Surge como resposta aos críticos destes movimentos por uma nova agricultura integrada ao meio ambiente, que os definiam como uma tentativa retrógrada de volta ao passado na agricultura.

7 processo de trabalho consoante a analise dos seus princípios teóricos. Para os grandes produtores patronais a agricultura orgânica com base agroecológica é viável, mas, as dificuldades são maiores no que se refere à regra de diversificação desse sistema. Os grandes produtores patronais fazem a adoção de tecnologias que visam sempre aos ganhos imediatos de produtividade, independentemente do modo de produção que se caracteriza pela adoção intensiva do pacote da Revolução Verde, dificultando, para estes agricultores, a mudança para sistemas orgânicos de produção devido a perdas iniciais de produtividade que representam importante componente do custo deste processo de conversão. Verifica-se que o custo de conversão, para a agricultura orgânica com bases agroecológicas, é maior para agricultores com padrão inicial de produtividade mais elevado de acordo com Assis (2002) e os agricultores patronais apresentam maiores possibilidades no que se refere à recuperação da produtividade com aprendizado do manejo orgânico e da capacidade de investimento do agricultor para recondicionamento do solo e da planta ao novo sistema de produção, condições presentes, de forma mais favorável, neste estrato socioeconômico de agricultores que possuem maiores facilidades de acesso à informação e padrão de capitalização. Considerando que "Revolução Verde" se deu, em geral, de forma bem menos intensiva, ou mesmo não ocorreu, no caso da produção familiar de produtores simples de mercadorias ou semi-assalariados com frágil inserção no mercado ou produtores de subsistência a redução inicial de produtividade tem seu peso reduzido, posto que para este modo de produção, e na adoção de tecnologias agroecológicas intensivas em mão-de-obra, mas pouco intensivas em capital, pode determinar ganhos de produtividade e redução do risco econômico da atividade agrícola. Quando se analisa o componente custo de conversão para a agricultura orgânica com bases agroecológicas estamos tratando do acréscimo na demanda por trabalho que se observa quando da adoção deste sistema de produção e onde a produção agrícola é baseada na mão-de-obra familiar, o custo não é em geral percebido em virtude de não representar desembolso financeiro, diferentemente da produção empresarial em que este componente de custo tem grande peso na conversão. É possível observar que os consumidores se disponibilizam a pagar preços mais elevados no mercado de produtos orgânicos em razão da percepção de que existem eventuais custos de produção superiores para os fornecedores de produtos agroecológicos, mas, não se pode negar que os custos elevados se constituem em barreira à entrada no processo de transição para modelos agroecológicos de produção, dificultam uma resposta mais efetiva da maioria dos fornecedores e produtores agrícolas tradicionais.

8 Os consumidores brasileiros são protegidos nessa condição pela Constituição Federal de 1988, nos artigos 5º, inciso XXXII, e 170, inciso V, bem como pela Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, como nos lembra SOARES (2000, p. 42). Na verdade, se verifica é que o sobrepreço se deve a questões de oferta e procura presentes em um mercado diferenciado, composto por consumidores com limites em sua disposição a pagar, estabelecidos a partir do atendimento a exigências de padrões de consumo, que não se restringem à produção orgânica em si, referindo-se também a questões relacionadas a tamanho, cheiro e aparência em geral, trata-se de um mercado especializado, que apresenta restrições à entrada de agricultores que não possuam uma boa organização. Considerando que agricultura familiar segue padrões que fogem à lógica de mercado de máxima eficiência econômica, e trilham o caminho do ótimo e satisfatório possível, não visa atender às necessidades de satisfação e desejo subjetivadas na lógica dessa forma de produção e não aos padrões de demandas fixados pelo mercado consumidor. Os modelos agroecológicos de produção podem ser a opção de desenvolvimento para a agricultura familiar que em razão do custo, não utilizam o pacote agroquímico, encontramos dentro deste modelo os produtores simples de mercadoria e semiassalariados, conforme descritos por Payés (1993). Como já observado nesse caso, a baixa capacidade de investimento não representa uma barreira à entrada, pois a readequação tecnológica ocorre via introdução de práticas que requerem basicamente a reorientação do trabalho, entretanto, no que diz respeito à maior dificuldade de acesso a informações, percebe-se a necessidade de atuação estatal como facilitador neste processo. A proteção dos direitos dos agricultores é uma forma de justiça equilibrada entre os detentores de germoplasma vegetal, os agricultores que vivem nos centros de diversidade dos cultivos agrícolas, nos países do hemisfério sul e aqueles que são detentores da biotecnologia agrícola, sediados em países do hemisfério norte. A propriedade intelectual entre nós pode ser na forma de propriedade industrial como no caso das patentes, indicações geográficas e registros de marcas e desenhos industriais, ou como sendo os direitos de autor de softwares, músicas e obras de arte e literárias e ainda na forma de proteções sui generis que incluem cultivares, transgênicos e conhecimentos tradicionais. As variedades vegetais obtidas por melhoramento, convencionais ou transgênicas, são protegidas no País desde 1997 pela Lei de Proteção de Cultivares, Lei nº 9.456/97. Também chamada de direito de melhoristas, essa proteção é feita por meio da outorga de um certificado que reconhece a propriedade intelectual sobre uma nova variedade vegetal. Dessa maneira, o detentor pode cobrar royalties sobre os cultivares comercializados, garantindo o retorno sobre o investimento na pesquisa.

9 Os direitos de propriedade intelectual recompensam os detentores de patentes e os melhoristas estimulando-os a desenvolver novas variedades comerciais E mesmo que as inovações sejam na verdade a última etapa de conhecimentos acumulados ao longo de milênios por gerações anteriores, não compensação ou apoio aos agricultores para que continuem a conservar e utilizar, de forma sustentável, os recursos da agrobiodiversidade. O fundamental é reconhecer que os direitos dos agricultores sendo protegidos garantem a conservação dos recursos fitogenéticos e dos conhecimentos tradicionais garantido a segurança alimentar atual e futura em beneficio de todos, garantindo-lhes o empoderamento e a melhoria das suas condições de vida digna. A estratégia de proteção dos direitos dos agricultores é uma forma de garantir que os direitos dos melhoristas não inviabilizem as práticas agrícolas locais, como guardar, reutilizar, trocar e vender sementes, já que os seus direitos não se limitam ao chamado privilégio do agricultor, que é apenas uma isenção ao direito de melhorista, que permite aos agricultores utilizar sementes de variedades protegidas sem a autorização do melhorista em determinadas situações. Por meio da biotecnologia moderna, é possível desenvolver culturas que não produzam sementes germináveis ou que produzam sementes estéreis com genes específicos desativados. Gene Use Restriction Technology - GURT (Tecnologia de Restrição no Uso do Gene) inclui uma gama de tecnologias empregadas, destinadas a limitar o uso ou propagação de um material genético específico. A tecnologia de sementes estéreis é um tipo de GURT na qual as sementes produzidas por essa cultura não germinarão. Denominada "tecnologia terminator" na imprensa popular, muitos expressaram preocupação de que as sementes estéreis pudessem representar uma ameaça à sobrevivência de pequenos agricultores em países em desenvolvimento, pois há séculos, esses produtores têm salvado sementes para cultivar na próxima safra. Cabe ao Estado brasileiro a difusão deste modo de produção, desempenhando um papel fundamental, estabelecendo políticas públicas específicas, nas diferentes hierarquias de poder seja federal, estadual e municipal, e nas áreas de crédito, pesquisa e extensão, procurando abrir mercados, fomentar a produção e apoiar a organização autônoma de agricultores familiares, público este que apresenta maior potencial de inserção em um processo de desenvolvimento rural sustentável que tenha como mote tecnológico práticas agroecológicas. 3. O desenvolvimento sustentável e sua implementação O crescimento econômico é uma condição essencial para atingir o desenvolvimento econômico conhecido como desenvolvimentistas que considera poder elevar

10 indefinidamente o nível de riqueza material. Na crise da década de 1980 surgiu a visão crítica à ideia de que o crescimento econômico seria condição suficiente para o desenvolvimento econômico, percebendo-se que o crescimento econômico por si só podia ser extremamente excludente explicitando custos não contabilizados dos processos produtivos como o ecológico. Percebemos que é necessário conciliar o crescimento econômico, justiça social e conservação dos recursos naturais e o estabelecimento dessa interdependência favorece a igualdade de oportunidades, possibilitando um aumento do número de pessoas com uma maior formação intelectual, e a consequente maximização do crescimento econômico. Buscamos um desenvolvimento baseado no crescimento econômico qualitativamente distinto com a manutenção ou aumento, ao longo do tempo, do conjunto de bens econômicos, ecológicos e socioculturais. O desenvolvimento sustentável tem como eixo central a melhoria da qualidade de vida humana dentro dos limites da capacidade de suporte dos ecossistemas sendo necessário visar à harmonia e à racionalidade. As pessoas são beneficiários e instrumentos do processo para o alcance do sucesso desejado e na questão ambiental observamos que as populações mais pobres são as mais atingidas pela degradação ambiental, em razão do desprovimento de recursos e da falta de informação e são também agentes da degradação. As ações desenvolvimentistas devem priorizar investimentos e programas que tenham como lastro tecnologias e projetos comunitários que procurem sempre despertar a solidariedade e a mobilização por objetivos comuns nos grupos envolvidos. As pessoas são sujeitos ativos no processo de desenvolvimento, que não é um fim em si mesmo, mas meio de se obter a melhoria de qualidade de vida para diferentes populações, especialmente as mais pobres, respeitando-se as características étnico-culturais, com o resgate históricocultural das formas de relacionamento dos seres humanos entre si e com o meio ambiente nas diferentes sociedades como forma de definir o padrão de bem-estar adequado. O processo de globalização 4 se caracteriza pela padronização da produção, que, no caso da agricultura, como afirma Silva (1998), se estende em direção ao consumo e uniformização, como analisa Assis (2003), ela ocorre a partir de determinantes locais, na medida em que os atores globais determinam suas estratégias de atuação global em razão de vantagens ou desvantagens locacionais. E as decisões de alocação do capital global ocorrem pela busca da homogeneização, mas as decisões capitalistas são motivadas por 4 Segundo Sérgio Buarque (2008, p. 34) a globalização é um processo acelerado de internacionalização do capital com conotações muito particulares que resultam de dois fatores básicos: a natureza e intensidade da revolução científica e tecnológica que transforma as bases da competitividade internacional, com redução das distâncias físicas e quebra das barreiras e fronteiras territoriais e a integração dos mercados de bens e serviços (incluindo tecnologia e informação) e de capital, com a formação de megablocos econômico-comerciais.

11 características locais. Segundo Buarque (2008, p. 35) a globalização não é apenas uma etapa de expansão internacional do capital, mas consagra-se como a implantação e difusão de um novo paradigma de desenvolvimento, que altera os padrões de concorrência e competitividade e revoluciona as condições de acumulação de capital e as bases das vantagens competitivas das nações e regiões. Percebe-se que a questão ambiental apresentarem-se de forma cada vez mais global, com sua formação em condicionantes locais, determinando que as iniciativas de controle que se pretendam eficientes tenham seu início exatamente pela busca de formas de remover essas condicionantes. Sérgio Buarque (2008, p. 37-8) considera que o a contraface do processo de globalização acarreta a valorização do local e da diversidade, como diferencial de qualidade e competitividade pelo fato da cultura ser um processo permanente de criação e recriação nos espaços. E o processo coordenado de autodescobrimento das diferentes localidades de uma nação, que leve a investimentos em infraestrututuras que favoreçam o desenvolvimento humano local, podem tornar-se ao mesmo tempo um atrativo aos fluxos internacionais de fatores. Observamos que os acordos de integração regional buscam facilitar o acesso mútuo aos mercados internos, mas criam-se anteparos comuns contra a concorrência dos atores globais, como forma de permitir ganhos de economia de escala e vantagens comparativas intrabloco, e se os ganhos serem relevantes, é possível que o regionalismo estimule os investimentos globais, porém agora em outras bases. (Assis, 2003). Em 1980 foi cunhada a expressão direitos dos agricultores por Pat Mooney e Cary Fowler, dois ativistas da organização não governamental Rural Advancement Foundation International (Rafi, mais tarde ETC Group), enfatizando o relevante papel desempenhado pelos agricultores na conservação e o desenvolvimento dos recursos genéticos agrícolas com sementes e saberes agrícolas. Não devemos entender os saberes tradicionais como um degrau abaixo dos da ciência que sai das universidades. O "savoir faire" agrícola é resultado da experiência secular não sendo de grande relevância se a praticidade pode ser hoje demonstrada. O desejável é o diálogo em que a pesquisa e a ciência estejam colaborem sobre o mesmo plano paritário. A Rural Advancement Foundation International defendeu o reconhecimento dos direitos dos agricultores perante a Comissão de Recursos Fitogenéticos da FAO em 1986 através da equidade norte-sul e compensação pelos direitos de propriedade intelectual dos melhoristas sobre as variedades de plantas, que já existiam e eram assegurados legalmente. Os direitos dos agricultores foram reconhecidos formalmente, pela primeira vez, em 1989, quando a Conferência da FAO adotou a Resolução 5/89, que reconhece os direitos dos agricultores como direitos provenientes das contribuições passadas, presentes e futuras dos agricultores para a conservação, o desenvolvimento e a disponibilização dos

12 recursos fitogenéticos, particularmente aqueles dos centros de origem/diversidade. Esses direitos foram conferidos à comunidade internacional, como guardiã, em favor das presentes e futuras gerações de agricultores, e a fim de assegurar todos os benefícios aos agricultores e apoiar a continuidade de suas contribuições para o desenvolvimento da agricultura. A Resolução 5/89 foi adotada como um anexo ao Compromisso Internacional sobre Recursos Fitogenéticos, juntamente com a Resolução 4/89, que reconheceu os direitos de propriedade intelectual dos melhoristas de plantas (pesquisadores que desenvolvem novas variedades de plantas), previstos na Convenção para a Proteção das Obtenções Vegetais. Dois anos depois, a Conferência da FAO adotou uma nova resolução (03/91), que estabeleceu um fundo internacional para apoiar programas voltados para a conservação e a utilização dos recursos fitogenéticos, sobretudo nos países em desenvolvimento. Esse fundo recebeu poucas contribuições voluntárias e nunca se materializou. O reconhecimento dos direitos dos agricultores foi meramente formal. Na Conferência de Nairobi, no Quênia, que aprovou o texto final da Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), em 1992, foi adotada a Resolução nº 3, em que a realização dos direitos dos agricultores é apontada como uma das principais questões a serem enfrentadas. A Convenção sobre Diversidade Biológica não menciona explicitamente os direitos dos agricultores, mais estabelece, em seu artigo 8 (j), que os conhecimentos, inovações e práticas de comunidades locais e populações indígenas devem ser respeitadas e a aplicação de tais conhecimentos deve ser incentivada mediante a aprovação e participação de seus detentores e a repartição de benefícios com as comunidades locais e indígenas. Em 1996 o Plano Global de Ação para a Conservação e Utilização Sustentável dos Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura, adotado por 150 países em Leipzig, na Alemanha, previu, entre os seus objetivos de longo prazo, a realização dos direitos dos agricultores, no âmbito nacional, regional e internacional 2. Em 1999 um estudo do Conselho Econômico e Social sobre o direito à alimentação, submetido à Comissão de Direitos Humanos da ONU, sustentou que os direitos dos agricultores deveriam ser tratados e promovidos como uma parte integrante do direito humano à alimentação, já que o nosso futuro suprimento de comida, e a sua sustentabilidade, depende de que tais direitos (dos agricultores) sejam estabelecidos com firmeza. 4. O desenvolvimento sustentável e as políticas públicas voltadas ao meio rural O poder público terá ação incentivadora se apoiar a análise completa da situação e exerça a função de difusão ampliada da agroecologia, percebendo a importância do

13 planejamento de estratégias e políticas públicas que permitam implementar uma proposta de desenvolvimento rural sustentável, fazendo uma mudança de foco nas estratégias de desenvolvimento rural, historicamente utilizadas no Brasil, conforme afirma Ehlers (1996). O equívoco já ocorreu em outros países em desenvolvimento, onde as propriedades patronais foram consideradas mais adequadas para a implantação do padrão convencional, tendo a agricultura familiar sido relegada a plano secundário referentemente ao incentivos e ao acesso a crédito agrícola em condições favoráveis. Para ser implantado o desenvolvimento rural sustentável devemos construir uma lógica econômica e social que estimule o de múltiplas formas a agricultura familiar, fundamental na reprodução de conhecimentos e modos de vida tradicionais como sendo um indicador econômico-social de sustentabilidade. Autores diverso compartilha do entendimento como (Sachs, 2000, 1993, 1986a e 1986b) de que existe a necessidade da humanidade definir seu limite de produção e consumo dentro de uma nova ordem de organização social cujo centro de decisões seja ditado pelo poder econômico em conjunto com outros segmentos que possam exercer um controle social eficiente sobre esse tema. A Conferência de Estocolmo, realizada de 1972, forneceu a Sachs (1986a) os princípios do ecodesenvolvimento, base de qualquer projeto para se evitar o crescimento imitativo, pois, as soluções podem ser encontradas localmente ou adaptadas às realidades locais já que a imitação pura e simples tem provocado desigualdades sociais e degradação ambiental. As políticas devem ser construídas a partir da articulação das decisões locais e das demandas sociais e no Brasil devem propiciar o incremento e distribuição da renda e dos meios de produção a contingentes maiores da população que carecem de inclusão social no cenário atual As políticas agrícolas no Brasil Retomando o caso brasileiro se observa que historicamente, o processo de desenvolvimento ocorrido no País ocorreu pela forma da expansão da fronteira agrícola (Furtado, 1963 e 1975) apoiada na agricultura patronal com acesso a terra que foi o pressuposto básico dessa política. A reforma agrária se constitui como uma política fundamental para o desenvolvimento rural sustentável no Brasil, com inclusão de pessoas que viviam à margem da sociedade e reanimando economias locais. (Romeiro, 1994; Veiga, 2000). As primeiras experiências de crédito rural no Brasil datam dos anos 30, no entanto, entre 1940 e 1960, as principais políticas nesse sentido acabaram transferindo recursos do setor agrícola para os outros setores da economia, caracterizando a lógica do desenvolvimento econômico brasileiro, qual seja, a de estabelecer uma direção rumo à

14 urbanização. Pela falta de programas de investimento na agricultura verificou-se um período de crise de produtos e inquietação urbana, quando nos anos 50 ocorreram aumentos sucessivos de preços dos produtos agrícolas, culminando com uma crise de abastecimento de alimentos em 1959 (SPOLADOR, 2001; MEYER et al., 1977). A partir dos anos 60 o Ministério da Fazenda e o Banco Central criaram de medidas com o objetivo de estimular a produção agrícola brasileira, fortalecendo a situação financeira dos produtores rurais e propiciando a adoção de tecnologia moderna no setor rural. A Lei de 1965 foi criada com esse objetivo, estabelecendo que 10% dos depósitos a vista dos bancos comerciais deveriam ser alocados aos empréstimos agrícolas. A resolução 260 do mesmo ano alterou esse valor para 15% e garantiu que as taxas de juros cobradas nos empréstimos rurais seriam limitadas a 75% das taxas cobradas nos empréstimos comerciais. O crédito foi o aumento dos recursos para financiar o crédito rural, bem como o maior interesse das instituições financeiras em conceder os empréstimos. O Banco do Brasil S/A, que passou a ser responsável por 90% dos empréstimos concedidos, tornando o crédito rural mais acessível aos pequenos produtores (SPOLADOR, 2001). Para que este instrumento de política agrícola cumpra efetivamente seu papel fundamental na difusão da agroecologia, é necessário que este crédito de custeio esteja vinculado à utilização de práticas agroecológicas, servindo de estímulo a que um número maior de agricultores orgânicos certificados não se restrinja a uma prática de produção orgânica em que o mote seja apenas a substituição de insumos convencionais por orgânicos. Uma etapa importante no processo de transição de uma produção convencional para uma produção agroecológica é a substituição de insumos convencionais por orgânicos, mas deve garantir a sustentabilidade do sistema agrícola em suas dimensões econômicas, sociais, ecológicas e agronômicas. E além desse crédito de custeio se exige investimentos para a conversão para a agricultura orgânica, assistência técnica habilitada em agroecologia e à viabilização de canais de comercialização para uma produção agrícola diversificada via mercado local, voltados a atender, num processo de desenvolvimento rural sustentável, às demandas de agricultores familiares, simples produtores de mercadorias ou semiassalariados com frágil inserção no mercado ou produtores de subsistência. Quanto às questões relativas à pesquisa e extensão rural, não podem ser esperados resultados a curto prazo, na medida em que as mudanças não devem ocorrer somente em nível institucional, pois a atuação, neste caso, deve ocorrer não só visando ao estabelecimento de linhas de trabalho que priorizem a mudança do paradigma tecnológico atualmente em voga na agricultura brasileira, de um enfoque agroquímico para um enfoque agroecológico, mas acima de tudo deve-se trabalhar em busca de uma mudança de atitudes dos técnicos envolvidos em pesquisa e extensão rural nas instituições públicas.

15 Os serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) tiveram suas raízes nos Estados Unidos no inicio do século XX quando a agricultura escravista deu lugar a um modelo mercantil e capitalista. No Brasil, a primeira experiência foi no município de Santa Rita do Passa Quatro, em São Paulo, baseado no modelo americano do Cooperative Extension Service, em No mesmo ano o governo de Minas Gerais criou a Associação de Crédito e Assistência Rural (ACAR). No RS, a ASCAR foi criada em Em 1956 foi criada a ABCAR (Associação Brasileira de Crédito e Assistência Rural). Nas décadas de 70 e 80 do século passado os serviços tiveram grande impulso com a criação do Sibrater e a Embrater. O governo federal chegou a participar com 80% dos custos dos serviços nos estados da federação. O Governo Federal determinou a extinção da EMBRATER em A Extensão Rural é um serviço de assessoramento a agricultores, suas famílias, seus grupos e organizações, nos campos da tecnologia da produção agropecuária, administração rural, educação alimentar, sanitária, ecológica e associativismo. No entanto, ao longo da história, este serviço passou a exercer um papel ainda mais relevante ao se transformar no principal meio de ligação de políticas públicas e o meio rural. Políticas de Assistência Social, de Pesquisa Agropecuária, de Saúde, Crédito Rural e outras chegam ao meio rural através da Extensão Rural. A Lei , 11 de janeiro de 2010 instituiu Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária PRONATER, e, ainda, altera a Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, um importante passo para a concretização desta mudança legislativa será o estabelecimento das diversas experiências práticas de produção agroecológica de sucesso, aliado ao de ONGs com atuação na área de fomento de práticas agroecológicas, como referências que possibilitem a disseminação gradual, entre os técnicos das instituições públicas de pesquisa e extensão rural, da ideia de viabilidade da agroecologia como instrumento para viabilizar programa de desenvolvimento rural sustentável, especialmente entre pequenos agricultores familiares As políticas agroambientais e desenvolvimento sustentável O conceito de desenvolvimento sustentável é resultado da conscientização dos problemas ambientais e sociais e das ações políticas em torno do tema. Ignacy Sachs na década de 1970 difundiu a ideia do desenvolvimento sustentável ao mesmo tempo que as lideranças mundiais discutiam uma noção de desenvolvimento humano por meio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) que adota a concepção de desenvolvimento humano como

16 um processo abrangente de expansão do exercício do direito de escolhas individuais em diversas áreas: econômica, política, social ou cultural. Algumas dessas escolhas são básicas para a vida humana, as opções por uma vida longa e saudável, ou por adquirir conhecimento, ou por um padrão de vida decente, são fundamentais para os seres humanos. (Pnud, 1998, p. 35) Buarque (2008, p. 58) considera que para o desenvolvimento ampliar as potencialidades pessoais é necessário a melhoria nas condições de educação, treinamento, saúde, habitação, ambiente e alimentação com políticas de melhoria de condições de vida, e que permita que as pessoas tomem parte ativa, participando das decisões que influenciam suas vidas. Considerando esse ideário, alguns poucos países que podem apresentar planos e processos que permitam integrar suas políticas agrícolas e ambientais dentro do marco geral do desenvolvimento sustentável, segundo Almeida (2001), e raros são os casos que as políticas são basicamente orientadas para a mitigação dos efeitos mais nocivos da agricultura convencional. A construção de um processo de desenvolvimento que seja efetivamente sustentável via retomada do crescimento econômico convencional combinado com medidas de proteção ou conservação do meio ambiente e contabilização de custos ambientais, cobrança de custos de restauração etc. segundo Rattner (1992) representa uma ilusão ou mistificação. O estabelecimento de uma política ambiental, focada na agroecologia como ferramenta a auxiliar no incremento de processo de desenvolvimento agrícola sustentável, pode ocorrer por meio de incentivo ou instrumento econômico, e se caracteriza por mecanismos de mercado que afetam o cálculo de custos e benefícios do agente econômico em relação ao meio ambiente, influenciando suas decisões ou por mecanismos de regulação direta, também conhecidos como políticas de comando e controle, na medida em que determinam uma intervenção direta sobre a ação ambiental dos agentes econômicos. Existe um padrão ambiental que deve ser seguido, caso contrário, aplicam-se as penalidades previstas, sendo a multa a mais usual, as políticas de comando e controle impõem modificações no comportamento dos agentes sendo os agentes econômicos que degradam o meio ambiente tratados legalmente como "ecodeliquentes", não lhes sendo dada chance de escolha. (Almeida, 1997). O poder de escolha se mantém com os responsáveis pelo dano ambiental que procuram internalizar os custos ambientais nas atividades econômicas, como forma de influenciar os agentes responsáveis pelo dano ambiental a modificarem o padrão de uso dos recursos ambientais. Os meios utilizados são os que geram gastos para o agente regulador, no caso o Estado, ou que geram recursos do tipo subvenções, incentivos fiscais ou empréstimos subsidiados concedidos com o intuito de incentivar os agentes econômicos a

17 adotarem o padrão ambiental fixado. A outra forma de atuação é na forma de taxas e tarifas ou via comercialização de licenças de poluição estabelecimento de um ônus pela poluição. Tendo como referência os mecanismos de regulação direta, Assis e Arezzo (1997) propõem o uso da cobrança do custo ambiental dos insumos agrícolas industrializados como ferramenta de política que vise estimular a adoção, pelos agricultores, de práticas inerentes a sistemas orgânicos de produção e seu incremento favorece, indiretamente, a difusão de práticas agroecológicas ao restringir o uso de agroquímicos e internalização no custo ambiental de sua produção em seu preço final. Para uma difusão eficiente dos sistemas agroecológicos de produção, com base em mecanismos de política pública, é fundamental influir no comportamento social, econômico e político da sociedade. 5. Desenvolvimento rural sustentável e a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária A Lei n /10 que institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (PNATER) e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (PRONATER) se destaca pelo princípio da agricultura de base ecológica como enfoque preferencial para o desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis, com a consagração de um projeto político nacional voltado à promoção do desenvolvimento rural sustentável, compatível com a utilização adequada dos recursos naturais e com a preservação do meio ambiente, a gratuidade, qualidade e acessibilidade aos serviços de assistência técnica e extensão rural, a adoção de metodologia participativa, com enfoque multidisciplinar, interdisciplinar e intercultural, buscando a construção da cidadania e a democratização da gestão da política pública, a equidade nas relações de gênero, geração, raça e etnia e a contribuição para a segurança e soberania alimentar e nutricional, conforme estabelece o art. 3 da citada lei, promovendo o desenvolvimento humano e as potencialidades locais. Os objetivos da PNATER estão previstos no art. 4 da lei, sendo eles: a promoção do desenvolvimento rural sustentável, o apoio às iniciativas econômicas que promovam as potencialidades e vocações regionais e locais, o estímulo e o crescimento da produção, a qualidade e a produtividade das atividades e serviços agropecuários e não agropecuários, inclusive agroextrativistas, florestais e artesanais, além da melhoria da qualidade de vida de seus beneficiários, o desenvolvimento de ações voltadas ao uso, manejo, proteção, conservação e recuperação dos recursos naturais, dos agroecossistemas e da biodiversidade, com incentivo a produção sustentáveis a partir do conhecimento científico, empírico e tradicional. Além do desenvolvimento e a apropriação de inovações tecnológicas

18 e organizativas adequadas ao público beneficiário e a integração deste ao mercado produtivo nacional. O desenvolvimento rural sustentável deve ocorrer no plano regional e local onde será possível se interpor o controle social legitimamente instituído à capacidade de influência do grande capital, desde que as lideranças locais estejam articuladas entre si, de modo a garantir a autonomia em relação ao domínio do capital ou do poder instituído tendente a revigorar o poder conservador das classes dominantes locais. Significa pensar e agir localmente articulando os diferentes atores sociais, pois, como afirma Moreno (1997) essa prática pode nos levar a formulação de projeto político nacional calçado na disseminação de experiências baseadas no desenvolvimento humano e nas potencialidades locais, que incorporem ao processo produtivo a população excluída. Os assentamentos da reforma agrária no norte do Brasil demonstram um fato notório de que a inclusão social do agricultor é fator determinante do seu sucesso na atividade. O transporte, a saúde, a educação e a energia elétrica precisam de soluções concretas para que as comunidades possam produzir e escoar sua produção e comprar insumos para continuar vivendo condignamente em suas localidades. Devido às precárias condições de conservação, as estradas vicinais que ligam as rodovias aos assentamentos, não asseguram a mínima garantia de que os produtos da agricultura familiar cheguem aos consumidores da sede do município com a mesma qualidade que saem da área de produção. A lógica da complexidade presente nas sociedades camponesas tradicionais, integrando propostas agroecológicas com outras voltadas ao desenvolvimento da agricultura familiar, favorece a conciliação entre a complexidade desejada e a supervisão e controle do processo de trabalho na agroecologia reforçando a proposta de ação local como alternativa para o desenvolvimento sustentável.. Considerações finais Os direitos dos agricultores são reconhecidos pelo Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura, em seu preâmbulo, no artigo 9º, dedicado especificamente ao seu reconhecimento, e em outros dispositivos do tratado que tratam da conservação e do uso sustentável dos recursos fitogenéticos (arts. 5º e 6º). A responsabilidade pela viabilização dos direitos dos agricultores compete aos países, por meio da aprovação de leis nacionais. Com a entrada em vigor do tratado internacional no Brasil, o país deve reformular não só a sua legislação de acesso aos recursos fitogenéticos como as demais leis agrícolas que tem conexão com direitos dos agricultores de guardar, usar, trocar e vender sementes.

19 O processo de adoção de sistemas agroecológicos de produção não pode ser considerado como dependente exclusivamente da decisão do agricultor, devendo ser levado em consideração o contexto sócio-político em que o processo com a aproximação entre produtores, comerciantes e consumidores locais, amplia o espectro de pessoas envolvidas e comprometidas o desenvolvimento sustentável. Bibliografia básica consultada ALMEIDA, Dejair Lopes de. Sistema integrado de produção agroecológica Fazendinha Agroecológica km 47. In: Souza, J. L. de; Carmo, C. A. S. (eds.). Encontro Nacional sobre Produção Orgânica de Hortaliças, 1, Vitória, Anais... Vitória: Empresa Capixaba de Pesquisa Agropecuária (EMCAPA), p (EMCAPA. Documentos 96). Disponível em: Acesso em: 13 de abr. de ALMEIDA, Luciana Togeiro de. O debate internacional sobre instrumentos de política ambiental e questões para o Brasil. Anais... do 2º Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica (Eco-Eco), São Paulo, Disponível em: Acesso em: 12 de abr. de ALMEIDA, S. G. de; Petersen, P.; Cordeiro, A. Crise socioambiental e conversão ecológica da agricultura brasileira. Rio de Janeiro: AS-PTA, p. ASSIS, Renato Linhares. de. Agroecologia no Brasil: análise do processo de difusão e perspectivas p. Tese (Doutorado em Economia Aplicada), Universidade Estadual de Campinas, Campinas.. Diagnóstico da agricultura orgânica no Estado do Rio de Janeiro e propostas para sua difusão f. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Itaguaí.. Globalização, desenvolvimento sustentável, e ação local: o caso da agricultura orgânica. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 20, n. 1, p , jan./abr Disponível em: seer.sct.embrapa.br/index.php/cct/article/download/8735/4914. Acesso em: 15 de abr. de Agroecologia e agricultura orgânica: controvérsias e tendências. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 6, p , jul./dez. Editora UFPR, ASSIS, Renato Linhares de; AREZZO, Dryden Castro de. Propostas de difusão da agricultura orgânica. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 14, n. 2, p , Disponível em: seer.sct.embrapa.br/index.php/cct/article/download/8973/5084. Acesso em: 15 de abr. de 2012.

20 BUARQUE, Sérgio C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. 4. ed. Rio de Janeiro: Garamond, CARMO, M. S. do; Comitre, V.; Dulley, R. D. Balanço energético de sistemas de produção na agricultura alternativa. Agricultura em São Paulo, São Paulo, v. 35, n. 1, p , CARMO, M. S. do; Magalhães, M. M. Agricultura sustentável: avaliação da eficiência técnica e econômica de atividades agropecuárias selecionadas no sistema não convencional de produção. Informações Econômicas, São Paulo, v. 29, n. 7, p. 7-98, DAROLT, M. R. As Dimensões da Sustentabilidade: Um estudo da agricultura orgânica na região metropolitana de Curitiba-PR Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) - Universidade Federal do Paraná e Universidade de Paris VII, Curitiba. EHLERS, Eduardo. Agricultura sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. São Paulo: Livros da Terra, FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, Análise do modelo brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MEYER, R. L.; ADAMS, D.; RASK, N.; ARAÚJO, P. F. C. Mercados de crédito no Brasil e os pequenos agricultores no Brasil. In: ARAÚJO, P. F. C.; SCHUH, E. Desenvolvimento da agricultura: análise de política econômica. São Paulo: Pioneira, MORENO, J. L. S. Principios filosóficos de la gestión ambiental. In: Ballesteros, J.; Adán, J. P. (eds.), Sociedad y medio ambiente. Madrid: Editorial Trota, NDIAYE, A.; Baêta, L. M.; ASSIS, R. L. de; FEIDEN, A. Análise da viabilidade econômica de produção de olerícolas em sistemas agroecológicos de produção. Agricultura Biodinâmica, Botucatu, v. 82, p , Disponível em: Acesso em: 15 de abr. de PAYÉS, M. A. M. Sistemas de produção predominantes na região de Irati Paraná; Um estudo de tipologia e diferenciação de produtores rurais. Londrina: Fundação Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), p. (IAPAR. Boletim Técnico, 41). RATTNER, Henrique. Meio ambiente e desenvolvimento sustentável. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 1-2, p , Disponível em: Acesso em: 15 de abr. de ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Meio ambiente e dinâmica de inovações na agricultura. São Paulo: Annablume: FAPESP, Agricultura sustentável, tecnologia e desenvolvimento rural. Agricultura Sustentável. Jaguariúna, v. 3, n. 1/2, p , 1996.

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Entrevista com Maria Emília Lisboa Pacheco Presidente do CONSEA

Entrevista com Maria Emília Lisboa Pacheco Presidente do CONSEA Entrevista com Maria Emília Lisboa Pacheco Presidente do CONSEA Entrevistadores: Equipe PEAAF Dia 17 de abril de 2012, Maria Emília Lisboa Pacheco assume a presidência do CONSEA Conselho Nacional de Segurança

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil 8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil Ednaldo Michellon Professor, Pesquisador e Extensionista da Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Projeto Sementes Categoria

Projeto Sementes Categoria Banrisul S/A Porto Alegre (RS) Projeto Sementes Categoria Conservação de Recursos Naturais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome fantasia: - BANRISUL

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A questão da PRODUÇÃO florestal madeireira nos Sistemas tradicionais de exploração de Propriedades Rurais Paranaenses. Importância: crescente

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ

REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ Rafael Fuentes Llanillo 1, Edson Luiz Diogo de Almeida 2, Dimas Soares Júnior 3, Márcio Miranda 4 Sérgio Luís Carneiro

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

DOCUMENTO FINAL. Propostas da juventude do RS!

DOCUMENTO FINAL. Propostas da juventude do RS! DOCUMENTO FINAL Propostas da juventude do RS! Com a finalidade de fortalecer a organização e mobilização da juventude rural no Rio Grande do Sul diante dos desafios e das perspectivas da questão da sucessão

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO E O MINISTRO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso da atribuição que lhes confere o

Leia mais

FORTALECIMENTO DA AGENDA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA EDUCAÇÃO O Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE

FORTALECIMENTO DA AGENDA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA EDUCAÇÃO O Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE DIRETORIA DE AÇÕES EDUCACIONAIS DIRAE COORDENAÇÃO- GERAL DE PROGRAMAS DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CGPAE SBS Q.2 Bloco F Edifício FNDE

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

Termo de Referência para contratação de Consultoria Nº Pessoa física - por produto

Termo de Referência para contratação de Consultoria Nº Pessoa física - por produto Termo de Referência para contratação de Consultoria Nº Pessoa física - por produto Título do Projeto: Revitalização da Companhia Nacional de Abastecimento Número: BRA/03/034 Sub-projeto 4 Agência Implementadora:

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba Fotos: Aopa Dia de campo sobre sistemas agroflorestais na comunidade São Sebastião, Cerro Azul-PR Transição agroecológica na região metropolitana de Curitiba Paulo Henrique Mayer* A região metropolitana

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC

Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC Silvia do Amaral Rigon DNUT/UFPR CONSEA CORESAN - RMC Lei federal 11.346 de 2006 (LOSAN): assessoria à Presidência da República Controle Social Monitoramento das políticas/ controle social com base nas

Leia mais

O CONTRIBUTO DA PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A COESÃO DOS TERRITÓRIOS

O CONTRIBUTO DA PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A COESÃO DOS TERRITÓRIOS O CONTRIBUTO DA PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A COESÃO DOS TERRITÓRIOS ANTÓNIO REALINHO, ADRACES LISBOA 27-10-2014 2 PESO DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL 80% da mão-de-obra agrícola é assegurada

Leia mais

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br CICLO DOS ALIMENTOS Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde. Na feira, padaria ou no supermercado, devemos escolher os melhores legumes e frutas, pães frescos, leite e outros produtos de

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação

Promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, ampliando as oportunidades de emprego e renda, a inclusão social, a preservação GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável MicrobaciasII OBJETIVO GERAL Promover o desenvolvimento

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais