IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: MENÇÃO HONROSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: MENÇÃO HONROSA"

Transcrição

1 IX PRÊMIO SEAE 2014 Tema 1. Defesa da Concorrência Inscrição: 37 CLASSIFICAÇÃO: MENÇÃO HONROSA Título da Monografia: Mecanismos de Proteção ao programa de Leniência Brasileiro: um estudo sobre a confidêncialidade dos documentos e a responsabilidade civil à luz do direito europeu Nayara Mendonça Silva e Souza (23 anos) Belo Horizonte - MG Graduada em Direito UFMG Assistente - CADE

2 MECANISMOS DE PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE LENIÊNCIA BRASILEIRO Um estudo sobre a confidencialidade dos documentos e a responsabilidade civil à luz do direito europeu Resumo Este trabalho tem como objeto a análise prospectiva do programa de leniência brasileiro sob seus aspectos de maior relevo na atualidade: a responsabilidade civil do signatário de leniência e a confidencialidade dos documentos por ele fornecidos. Estes aspectos também encontram-se em discussão na União Europeia por conta de um projeto de Diretiva sobre ações de reparação de danos no domínio antitruste. Esta pesquisa realizou uma análise de direito comparado, subsidiada por entrevistas realizadas com integrantes e ex-integrantes do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência e de advogados que atuam na seara, verificou-se que propostas e iniciativas europeias podem ser transpostas ao ordenamento brasileiro, com as devidas adaptações ao quadro nacional. Propõe-se, em conclusão, que o direito nacional seja aprimorado nos seguintes tópicos: (i) limitação da responsabilidade civil do signatário de leniência aos danos causados somente a seus adquirentes ou fornecedores diretos ou indiretos; (ii) exclusão da responsabilidade solidária do signatário de leniência; (iii) promoção de cursos de atualização em direito antitruste para juízes; (iv) restrição absoluta do acesso aos documentos de leniência e impossibilidade de requisição judicial destes no bojo de processo de reparação civil. Destarte, o enforcement privado jusconcorrencial brasileiro terá uma evolução em direção a seus pares estrangeiros.

3 PALAVRAS-CHAVE: Direito Antitruste. Leniência. Reparação civil.

4 IX PRÊMIO SEAE TEMA 1: DEFESA DA CONCORRÊNCIA MECANISMOS DE PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE LENIÊNCIA BRASILEIRO Um estudo sobre a confidencialidade dos documentos e a responsabilidade civil à luz do direito europeu

5 Resumo Este trabalho tem como objeto a análise prospectiva do programa de leniência brasileiro sob seus aspectos de maior relevo na atualidade: a responsabilidade civil do signatário de leniência e a confidencialidade dos documentos por ele fornecidos. Estes aspectos também encontram-se em discussão na União Europeia por conta de um projeto de Diretiva sobre ações de reparação de danos no domínio antitruste. Esta pesquisa realizou uma análise de direito comparado, subsidiada por entrevistas realizadas com integrantes e ex-integrantes do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência e de advogados que atuam na seara, verificou-se que propostas e iniciativas europeias podem ser transpostas ao ordenamento brasileiro, com as devidas adaptações ao quadro nacional. Propõe-se, em conclusão, que o direito nacional seja aprimorado nos seguintes tópicos: (i) limitação da responsabilidade civil do signatário de leniência aos danos causados somente a seus adquirentes ou fornecedores diretos ou indiretos; (ii) exclusão da responsabilidade solidária do signatário de leniência; (iii) promoção de cursos de atualização em direito antitruste para juízes; (iv) restrição absoluta do acesso aos documentos de leniência e impossibilidade de requisição judicial destes no bojo de processo de reparação civil. Destarte, o enforcement privado jusconcorrencial brasileiro terá uma evolução em direção a seus pares estrangeiros. PALAVRAS-CHAVE: Direito Antitruste. Leniência. Reparação civil. 2

6 Sumário Resumo... 2 Introdução... 5 Capítulo 1. A tensão entre a proteção da eficácia dos programas de leniência e a efetividade do direito à reparação das vítimas de cartel na União Europeia... 6 I. A responsabilidade civil do beneficiário de imunidade na União Europeia... 7 II. Em busca de uma uniformização do direito europeu para o tratamento do beneficiário de acordo de leniência Capítulo 2. A responsabilidade civil do beneficiário de acordo de leniência no Brasil: estado da arte e propostas de aprimoramento I. Debates doutrinários sobre o instituto da leniência no Brasil II. Diagnóstico das fragilidades do programa de leniência brasileiro: risco de vazamento de informações e ações complementares de indenização 31 A. Risco perverso de vazamento de informações relativas à leniência Erro! Indicador não definido. B. O perigo das ações complementareserro! Indicador não definido. Capítulo 3. Sugestões de advocacy em direção ao fortalecimento do programa de leniência brasileiro I. Emergência de mudanças estruturais

7 II. Promoção de alterações interpretativas: um papel da advocacia da concorrência CONCLUSÃO ANEXO A - ENTREVISTA COM INTEGRANTES E EX-INTEGRANTES DO CADE Bibliografia

8 Introdução Este estudo visa identificar quais são os mecanismos que podem ser buscados pelo Brasil no direito europeu para melhorar seu programa de leniência no tocante à confidencialidade e à responsabilidade civil do beneficiário de imunidade 1. Tanto na Europa 2 quanto no Brasil 3, existe o risco de o beneficiário de imunidade responder a uma ação civil de reparação de danos pelo cartel (follow-on actions ou ações complementares 4 ). Se for o primeiro membro do conluio revelado, o beneficiário torna-se alvo mais frágil a este tipo de processo. Ademais, os documentos oferecidos pela empresa em troca do benefício podem ser demandados para fins de instrução do processo de reparação de danos. O programa de leniência brasileiro é recente se comparado àquele das autoridades mais maduras em disciplina da concorrência, e somente três casos 1 Neste trabalho, o termo beneficiário de leniência será utilizado para designar quem recebeu imunidade ou redução de punição administrativa e de isenção de responsabilidade penal por força de lei, após acordo com autoridade antitruste. Há divergência doutrinária quanto ao uso do termo leniente, corrente no âmbito do direito antitruste brasileiro. Segundo Martinez (2013, p ), leniente, pelo significado do termo, é o Estado brasileiro que assina o acordo com um delator. Por esse motivo, optamos por também não utilizar o termo leniente para designar o candidato à leniência. 2 Proposta de Diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho relativa a certas regras que regem as ações de indenização no âmbito do direito nacional por infrações às disposições do direito da concorrência dos Estados-Membros e da União Europeia (2013). 3 Nos Estados Unidos, os beneficiários de leniência ainda podem contar com a limitação de sua responsabilidade civil (civil leniency) caso cooperarem com o requerente em sua demanda de reparação de danos concorrenciais. Caso isso ocorra, o signatário de leniência pode contar com a detriplicação (detrebling) da indenização devida. Isto porque os EUA trabalham com a possibilidade do pagamento de danos punitivos (punitive damages), que no caso de infrações à concorrência é calculado em triplo (treble damages). Para maiores detalhes, veja Mahr e Lange (2010). 4 Na Proposta de Diretiva da União Europeia, a tradução utilizada para follow-on action foi ação de acompanhamento. No entanto, consideramos o termo ação complementar mais didático, por remeter claramente à complementaridade entre o processo na esfera administrativa e o processo civil de reparação de danos. 5

9 de leniência foram julgados pelo CADE 5. Esta razão e a recente cultura de reparação de danos concorrenciais justificam a falta de discussão quanto às ações complementares. A lei brasileira não trata da (im)possibilidade de divulgação dos documentos obtidos por leniência em caso de solicitação judicial. Outrossim, as falhas de confidencialidade demonstram que nosso sistema jurídico concorrencial precisa de aperfeiçoamento. Para iniciar as reflexões no Brasil sobre o tema, este trabalho apresenta a perspectiva europeia e faz um diagnóstico das fragilidades do programa de leniência brasileiro. Em conclusão, são apresentadas propostas para que seja fortalecida a persecução de cartéis no país. Capítulo 1. A tensão entre a proteção da eficácia dos programas de leniência e a efetividade do direito à reparação das vítimas de cartel na União Europeia O sistema brasileiro de responsabilidade civil por danos concorrenciais (private enforcement) guarda maiores semelhanças com o sistema europeu continental, sobretudo pela influência do direito romano, do que com o sistema anglo-saxão, que reconhece os danos punitivos como forma de dissuasão da conduta causadora do dano. Como exemplo, tem-se o direito civil francês, em que os requisitos para uma ação de responsabilidade civil são os mesmos exigidos no direito civil brasileiro (a saber, ato ilícito, dano e nexo causal). 5 Trata-se do cartel dos vigilantes, dos peróxidos e das cargas aéreas. Essa informação pode ser verificada ao checar a jurisprudência do Conselho por meio do site: 6

10 Ademais, como o direito da concorrência brasileiro ainda centra suas preocupações no public enforcement 6, como pareceu ser a tendência do modelo europeu 7 até o início dos estudos das ações privadas, este trabalho se dedicará a estudar com maior profundidade as discussões europeias sobre a responsabilidade civil do signatário de leniência e seus desdobramentos. Para tanto, é preciso apresentar o estado atual da responsabilidade civil por ilícito concorrencial na União Europeia em caso de leniência e, em seguida, verificar quais problemas dela já decorreram. A partir dessa apresentação geral, será possível analisar as proposições oficiais europeias para solucionar os problemas supracitados e as soluções paralelas nacionais que vigoram à espera de uma uniformização do direito europeu nesse sentido. I. A responsabilidade civil do beneficiário de imunidade na União Europeia Em direito europeu da concorrência, o fato de uma empresa beneficiar-se de leniência não a protege das consequências na esfera civil pela infração ao artigo 101 do Tratado de Funcionamento da União Europeia. (UNIÃO EUROPEIA, 2006, item 39) Por conta da falta de regulamentação específica sobre a responsabilidade civil do signatário de acordo de leniência no direito europeu, esta segue a regra geral de dever de reparação civil dos danos causados pelo infrator às regras 6 Neste trabalho public enforcement será traduzido, à inspiração de Amaro (2012), como contencioso público, ou seja, aquele conduzido pelas autoridades de concorrência. Por conseguinte, o private enforcement será tido como contencioso privado. 7 Ainda não existe um regulamento vinculante de ações privadas no âmbito concorrencial (o que deve ser modificado, ainda em 2014, com a adoção da Diretiva). Este trabalho trata, de maneira geral, como modelo europeu, as proposições dos Livros Branco e Verde e certas tendências observadas nos modelos nacionais ao longo desta pesquisa. 7

11 europeias de concorrência 8. Cabe aos tribunais nacionais permitir o acesso das vítimas à reparação civil 9. O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) não é competente para apreciar ações de reparação de danos, exceto nos casos de questões prejudiciais. Dessa maneira, é dos tribunais nacionais europeus o dever de aplicar as sanções civis no domínio antitruste (COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, 2005, p. 4). Conforme as decisões 10 do TJUE, qualquer pessoa tem o direito de reclamar uma indenização por danos causados por uma prática anticoncorrencial. As especificidades que regem a matéria estão dispostas no direito civil nacional. Disso decorre, no caso de condutas anticoncorrenciais que abranjam mais de um Estado europeu, o risco de forum shopping, ou seja, de que o titular do direito à reparação civil por dano concorrencial escolha, para entrar com um pedido judicial de indenização, um direito nacional mais favorável à 8 Notadamente, os artigos 101 e 102 do Tratado de Funcionamento da União Europeia (TFUE). Os tribunais nacionais são competentes para aplicar esses artigos do TFUE referentes ao direito da concorrência, conforme o art. 6º do Regulamento(CE) n.º 1/2003 do Conselho, de 16 de Dezembro de 2002, relativo à execução das regras de concorrência estabelecidas nos artigos 81 e 82 [101 e 102] do Tratado. 9 Contudo, na ausência de regulamentação comunitária na matéria, compete à ordem jurídica interna de cada Estado-Membro designar os órgãos jurisdicionais competentes e regular as modalidades processuais das ações judiciais destinadas a garantir a salvaguarda dos direitos que para os cidadãos resultam do efeito direto do direito comunitário, desde que essas modalidades não sejam menos favoráveis do que as das ações análogas de natureza interna (princípio da equivalência) e não tornem praticamente impossível ou excessivamente difícil o exercício dos direitos conferidos pela ordem jurídica comunitária (princípio da efetividade) (v. acórdão de 10 de Julho de 1997, Palmisani, C-261/95, Colect., p. I-4025, n. 27). (Acórdão Courage v Creham, C-435/99, do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias, parágrafo 92). 10 Decisões Courage (idem) e Manfredi e o., C 295/04 a C 298/04, Colect., p. I 6619, de 13 de Julho de 2006, parágrafos 59 e 61. 8

12 sua demanda. Na UE, os países mais favoráveis ao demandante de reparação de danos concorrenciais são Holanda e Dinamarca (informação verbal) 11. Uma vez que não há, no direito europeu, regra que exclua a responsabilidade civil do beneficiário de leniência, esse membro do cartel encontra-se sujeito a uma demanda consecutiva de reparação de danos. O principal objetivo do programa de leniência é o de descortinar uma conduta ilícita ainda não conhecida pela autoridade de concorrência, permitindo-a agir para resguardar a competitividade do mercado. Para tanto, o signatário do acordo assume sua participação e apresenta à autoridade de concorrência provas suficientes para a caracterização da conduta. Sua posição como colaborador da autoridade de concorrência demanda que ele entregue os documentos relativos à conduta que possua e descreva detalhadamente como participou da prática. Nesses documentos, estarão contidos certamente segredos de negócios, a data exata de início e fim da prática pela empresa candidata ao benefício da leniência, a quantidade de lucros gerada, entre outros. Esses dados não serão necessariamente obtidos pela autoridade de concorrência com tanta precisão em casos em que não há acordo de leniência. Nesses casos em que não houve colaboração de um participante do conluio, a obtenção de documentos decisivos e detalhados sobre a conduta estará condicionada a diversos elementos, tais como uma busca e apreensão bem feitas, a colaboração da empresa investigada e a competência da autoridade de concorrência na preparação do inquérito. Disso decorre que, numa ação de reparação de danos em que se demande o acesso 11 Informação fornecida por Jean-Christophe Grall e Martine Behar-Touchais, em sua palestra L action de groupe aux niveaux français et européen, apresentada no Atelier de la DGCCRF La réparation : un outil au service de la politique de concurrence, em Paris, no dia 4 de fevereiro de Disponível para acesso em: 9

13 aos documentos do processo administrativo relacionado, os dados do signatário do acordo de leniência estarão mais vulneráveis que os dos outros participantes da colusão. Por esse motivo, a quantificação dos danos concorrenciais causados pelo beneficiário de leniência será, geralmente, mais simples que o cálculo referente aos outros participantes da conduta. A base dos programas de leniência deve residir na confiança da empresa de que os documentos fornecidos para se beneficiar da imunidade não serão utilizados de forma que ele fique em desvantagem com relação aos demais cartelizados. Caso os documentos possam ser irrestritamente acessados por terceiros que desejam propor ações de reparação civil contra os membros do cartel, a leniência pode ser desencorajada. Esse quadro, no entender da maioria da doutrina 12, fragiliza o programa de leniência, uma vez que a empresa candidata poderia ver-se intimidada a participar do programa pelo risco de sofrer um impacto certeiro das demandas consecutivas de responsabilidade civil. Além do mais, os documentos fornecidos pela empresa tornariam mais precisa a complexa 13 determinação do montante a ser pago por ela àqueles que sofreram os reflexos de sua conduta anticoncorrencial. Este dilema foi apresentado ao TJUE em um pedido de decisão prejudicial no caso Pfleiderer 14. O Tribunal de Bonn (Alemanha) questionou ao Tribunal de Justiça da União Europeia se os dispositivos de direito europeu da concorrência com relação a cartéis vedariam às vítimas que desejam obter 12 Com esta opinião, temos Idot e Zivy, Livros Verde e Branco da Comissão Europeia e International Competition Network. Em oposição a esta ideia, tem-se o autor canadense Edward M. Iacobucci em seu artigo Cartel class actions and immunity programmes. 13 Sobre a complexidade da determinação do montante de danos concorrenciais, ver Comunicação da Comissão sobre a quantificação dos danos nas ações de indenização que tenham por fundamento as infrações aos artigos 101 e 102 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia. 14 TJUE (Grande Câmara), 14 de junho de 2011, Pfleiderer v. Bundeskartellamt, caso C- 360/09, Rec., p. I

14 reparação do prejuízo o acesso aos documentos obtidos sobre o seu caso no quadro de um programa de leniência à autoridade de concorrência. Neste processo, Pfleiderer, uma empresa adquirente de um cartel de papéis decorativos condenado pelo Bundeskartellamt (autoridade de concorrência alemã) em 2008, solicitou administrativamente o acesso aos documentos recebidos pela autoridade no âmbito de uma negociação de leniência para instruir um processo de pedido de reparação de danos concorrenciais. O Bundeskartellamt, por sua vez, utilizando-se da prerrogativa legal de negar o acesso das vítimas de condutas anticoncorrenciais em caso de oposição de interesses dignos de protecção, seja do arguido ou de outras pessoas, permitiu ao procurador de Pfleiderer o acesso somente a uma parte do processo que condenou o cartel, notadamente as cartas de condenação das empresas em versão anônima e uma lista dos meios de prova obtidos. Foram excluídos os documentos referentes aos segredos de negócios dos cartelistas, os documentos internos do Bundeskartellamt, todos os documentos recebidos em razão do programa de leniência, e os documentos do processo considerados confidenciais. A empresa recorreu dessa decisão da autoridade de concorrência ao Tribunal de Bonn, solicitando o acesso a todos os documentos obtidos para que fossem utilizados em sua demanda de reparação de danos concorrenciais contra os participantes do cartel em questão. O Tribunal de Bonn pediu esclarecimento ao Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) para verificar se sua decisão estava de acordo com o direito europeu. No aguardo da resposta à sua questão prejudicial perante o TJUE, o Tribunal de Bonn suspendeu a execução de sua decisão que permitia a divulgação dos 11

15 documentos (exceto dos documentos internos e da correspondência redigida no seio da Rede Europeia da Concorrência). A Corte disse que, na falta de um documento vinculativo em vigor na União Europeia sobre o assunto, cabe ao juiz nacional contrabalancear a efetividade do programa de leniência e o direito à reparação civil segundo o caso concreto. Depois do julgamento da questão prejudicial pelo TJUE em 2011, o processo retornou ao Tribunal de Bonn para julgamento. Em 2012, este Tribunal decidiu favoravelmente ao Bundeskartellamt e negou o acesso de Pfleiderer aos documentos relacionados à leniência. O tribunal alemão alegou que a autoridade germânica de concorrência havia prometido confidencialidade ao signatário de acordo de leniência. Além disso, invocou o direito de a empresa não produzir provas contra si mesma e de autodeterminação informacional. Por fim, salientou que o direito à reparação de Pfleiderer não seria subjugado, uma vez que o juiz tem um grande poder discricionário para determinar o montante da indenização (BIEN, 2012, p. 175). Ainda na Alemanha, no mesmo ano, outro caso teve solução parecida. O Tribunal de Düsseldorf também negou acesso aos documentos obtidos pelo Bundeskartellamt por meio de leniência a uma vítima de práticas anticoncorrenciais. O argumento desta Corte foi de que o comunicado da autoridade de concorrência alemã sobre seu programa de leniência promete confidencialidade aos seus beneficiários. Caso essa confidencialidade fosse quebrada pelo acesso das vítimas do cartel aos documentos fornecidos pelo beneficiário de leniência, seriam afetadas não só a relação deste com a autoridade, mas de todo o programa de leniência alemão (BIEN, 2012, p. 182). 12

16 No plano europeu, outro caso avançou a concepção neste sentido. Trata-se do caso Donau Chemie 15, que chegou ao TJUE com fundamento parecido ao Pfleiderer. Uma união de empresas, Verband Druck & Medientechnik ( VDMT ), solicitou ao tribunal da concorrência austríaco (Oberlandesgericht Wien) o acesso a documentos do processo judicial intentado pela autoridade de concorrência austríaca (Bundeswettbewerbsbehörde, a seguir, BWB ) que condenou a empresa Donau Chemie e outras por sua participação em um cartel de produtos químicos para impressão gráfica. A VDMT foi criada para defender o interesse dos seus membros, empresas de impressão gráfica, vítimas do cartel. Conforme a lei, a VDMT formulou o pedido de acesso aos documentos do processo BWB v. Donau Chemie e outras com o fito de obter informações que permitissem o cálculo do prejuízo causado pelo cartel à união de empresas, de forma a preparar uma ação de indenização. Segundo o direito austríaco, o acesso por terceiros a documentos relativos a processo perante o tribunal da concorrência só pode se dar com o consentimento das partes envolvidas. O tribunal da concorrência austríaco salientou que nem mesmo o juiz poderia suplantar essa regra, uma vez que o ordenamento jurídico já teria feito a ponderação dos valores envolvidos, decidindo pela confidencialidade dos documentos. Diante da oposição dessa regra do direito austríaco com a decisão tomada no acórdão Pfleiderer (C-360/09) supramencionado, o Oberlandesgericht Wien questionou ao TJUE se o direito da UE opõe-se a uma disposição nacional em 15 TJUE, 6 de junho de 2013, Donau Chemie, caso C-536/11. 13

17 matéria de carteis que condiciona a concessão do acesso aos autos a terceiros que visem instruir ações de reparação de danos à anuência de todas as partes no processo de cartel. O TJUE respondeu que o direito de reparação conferido às vítimas do cartel perderia seu efeito útil caso houvesse uma norma nacional que vedasse de maneira absoluta seu acesso aos documentos que comprovariam o dano sofrido. Desse modo, como já sustentado pelo TJUE no acordão Pfleiderer, respondeu que cabe aos órgãos jurisdicionais nacionais ponderar os interesses em causa quando do pedido de acesso aos documentos de um processo que condenou um cartel. Portanto, os documentos obtidos por meio de leniência seriam protegidos de maneira casuística, com base em interesse superior, e o direito de reparação das vítimas de um cartel não seria impedido sem a ponderação entre os interesses envolvidos, que deve ser feita caso a caso. Recentemente, em fevereiro de 2014, o Tribunal de Justiça da União Europeia manifestou-se, mais uma vez, sobre o tema do acesso aos documentos. No caso, a empresa de distribuição de energia EnBW 16 requereu a Comissão Europeia o acesso, com base no Regulamento n. 1049/2001, aos documentos que embasaram a decisão que condenou em 2007 um cartel no ramo de comutadores com isolamento a gás. Esse pedido foi negado pela Comissão, pois estes documentos enquadrar-se-iam nas exceções previstas no Regulamento n. 1049/2001, artigo 4º, n O TJUE entendeu que não 16 TJUE, Decisão C-365/12 P, de 27 de fevereiro de [...] 2. As instituições recusarão o acesso aos documentos cuja divulgação pudesse prejudicar a proteção de: interesses comerciais das pessoas singulares ou coletivas, incluindo a propriedade intelectual, processos judiciais e consultas jurídicas, objetivos de atividades de inspeção, inquérito e auditoria, exceto quando um interesse público superior imponha a divulgação. 14

18 basta uma negativa geral da Comissão como apresentada, mas que ela deveria ser motivada tendo em vista o prejuízo que a divulgação poderia causar a interesse protegido tratado no artigo. Acrescentou que compete ao requerente das informações provar a necessidade de obtê-las para a instrução de seu processo, para que se constitua interesse público superior digno de permitir o acesso a documentos em princípio confidenciais. No caso, decidiu que a EnBW não teria provado essa necessidade e (...) limitou-se a afirmar que estava «imperativamente dependente» do acesso aos documentos do processo em causa, sem demonstrar que o acesso a esses documentos lhe teria permitido dispor dos elementos necessários para fundamentar o seu pedido de indenização, uma vez que não dispunha de nenhuma outra possibilidade de obter esses elementos de prova. (TJUE, EnBW, C- 365/12, 27 de fevereiro de 2014, párágrafo 132) O pedido da EnBW foi, portanto, julgado improcedente 18. Desse caso, apesar da improcedência do pedido da vítima, extrai-se que pedidos bem fundamentados de acesso a documentos feitos por vítimas de cartel são uma questão de interesse público no direito europeu, e que as ações de reparação de danos concorrenciais não configuram interesse privado, conforme o Tribunal Geral da União Europeia havia decidido anteriormente no caso Royaume des Pays Bas v. Commission (T-380/08). (SAVOV, 2014, p. 2) Em 05 de junho de 2014, o Tribunal de Justiça da União Europeia proferiu mais uma decisão (C 557/12) relativa a ações de indenização contra 3. O acesso a documentos, elaborados por uma instituição para uso interno ou por ela recebidos, relacionados com uma matéria sobre a qual a instituição não tenha decidido, será recusado, caso a sua divulgação pudesse prejudicar gravemente o processo de decisão da instituição, exceto quando um interesse público superior imponha a divulgação. (CE) n. 1049/2001 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de maio de 2001, relativo ao acesso do público aos documentos do Parlamento Europeu, do Conselho e da Comissão (JO L 145, p. 43) artigo 4º. 18 Pontos 132 e 133 do acórdão. 15

19 beneficiário de leniência. Trata-se de decisão prejudicial relativa ao caso austríaco de reparação de danos, em que a empresa ÖBB Infrastruktur AG (a seguir, ÖBB ) opôs-se às empresas membros de um cartel Kone AG, Otis GmbH, Schindler Aufzüge und Fahrtreppen GmbH, Schindler Liegenschaftsverwaltung GmbH e ThyssenKrupp Aufzüge GmbH (esta última beneficiária de leniência), demandando a reparação dos danos causados por este cartel. A questão que foi posta ao Tribunal europeu foi de saber se a ÖBB teria legitimidade ativa para demandar a reparação do dano causado pelo sobrepreço pago por ela a uma empresa que não participou do cartel, mas beneficiou-se do aumento dos preços dos concorrentes para subir também o seu preço (fenômeno chamado de umbrella pricing ou umbrella effect). Isto porque o direito austríaco não permite esse tipo de indenização, por não considerar que haja nexo causal entre o ato ilícito e o dano. As recorrentes utilizaram, além do argumento da jurisprudência austríaca, também a fundamentação de que tal pedido de indenização poderia dissuadir possíveis candidatos a leniência. Nenhum dos argumentos foi aceito pelo TJUE, que considerou que a ÖBB poderia obter a reparação do dano sofrido, mesmo sem vínculo contratual com as empresas cartelizadas, desde que sejam cumpridos os seguintes requisitos: que esse cartel, de acordo com as circunstâncias do caso concreto e, especialmente, com as especificidades do mercado em causa, podia ter como consequência a aplicação de um preço de proteção por terceiros agindo de maneira autônoma e que essas circunstâncias e especificidades não podiam ser ignoradas pelos membros do dito cartel. 16

20 Quanto à proteção do programa de leniência, o TJUE ressaltou que este não pode privar os indivíduos do direito de obterem uma indenização, nos tribunais nacionais, pelo dano sofrido por causa de uma violação do artigo 101. TFUE. II. Em busca de uma uniformização do direito europeu para o tratamento do beneficiário de acordo de leniência Os casos citados acima, apesar de clarificarem em certa medida a questão da responsabilidade civil do beneficiário de acordo de leniência, sobretudo no que tange ao acesso aos documentos entregues por ele à autoridade de concorrência, não oferecem soluções bem delimitadas, deixando a cargo do juiz o cálculo de proporcionalidade dos interesses protegidos. Por esse motivo, permanece a dúvida sobre qual deve ser a abordagem dos sistemas nacionais de concorrência europeus para a manutenção da eficácia de seus programas de leniência em equilíbrio com o sucesso das demandas de reparação civil. A iniciativa europeia de tentativa de uniformização da aplicação das ações privadas para reparação de danos concorrenciais data de Trata-se do Livro Verde Ações de indenização devido à violação das regras comunitárias no domínio antitruste, lançado pela Comissão Europeia. Seu objetivo foi de identificar os principais obstáculos a um sistema mais eficaz para as ações de indenização e apresentar diferentes pistas de reflexão e de possível intervenção para melhorar o funcionamento das ações de indenização, quer se trate de ações de seguimento (ou seja, casos de instauração de uma ação civil na sequência da declaração de uma infração por parte de uma autoridade de concorrência), quer de ações independentes (ou seja, ações que não vêm na sequência de uma decisão anterior de uma autoridade de concorrência relativa a 17

Confidencialidade e CADE. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE

Confidencialidade e CADE. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE Confidencialidade e CADE Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE Sumário 1. Noções Gerais 2. Procedimentos Específicos 3. Judiciário e Confidencialidade 4. Observações Estrangeiras 5.

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Consulentes: Comércio de Bebidas Branco Ltda. Advogados: Nacir Sales Relator: Conselheiro Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer EMENTA:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo Formulário de Sugestões Consulta Pública nº 17 (28.09.11 a 28.11.2011) Minuta do Projeto de lei que altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884,

Leia mais

Perguntas & Respostas. Decisão Condenatória da SPORT TV por abuso de posição dominante

Perguntas & Respostas. Decisão Condenatória da SPORT TV por abuso de posição dominante Perguntas & Respostas Decisão Condenatória da SPORT TV por abuso de posição dominante 1. O que é um abuso de posição dominante? O conceito de abuso de posição dominante está relacionado com os comportamentos

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA Protocolado: 08012.000515/2003-33. Natureza: Averiguação Preliminar. Representante: Alexandre Soares Coelho.

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa

Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa Os representantes da Secretaria de Direito Econômico do Ministério

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU O Provedor de Justiça Europeu procede a inquéritos para esclarecer eventuais casos de má administração na atuação de instituições, organismos, gabinetes e agências da União

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO CONSELHEIRO LUÍS FERNANDO R. VASCONCELLOS. Processo Administrativo nº 08012.004025/2000-63

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA GABINETE DO CONSELHEIRO LUÍS FERNANDO R. VASCONCELLOS. Processo Administrativo nº 08012.004025/2000-63 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE GABINETE DO CONSELHEIRO LUÍS FERNANDO R. VASCONCELLOS Processo Administrativo nº 08012.004025/2000-63 Representante: MCA do Brasil

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais. Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade

Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais. Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade 1 O Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - SBDC Conselho Administrativo

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Em 19 de março de 2015, foi publicado o Decreto Federal nº 8.420, de 18 de março de 2015 ( Decreto ), que regulamenta a Lei Federal nº 12.846, de 1º

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos Processo Administrativo nº. 08012.002153/2000-72 Representante: Associação dos Médicos de Santos Representada: Comitê de Integração de Entidades Fechadas de Assistência à Saúde CIEFAS, Associação Beneficente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO

MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO O CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA, doravante designado CADE, neste ato representado por sua Presidente, Elizabeth Maria Mercier Querido Farina, conforme

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO ECONÓMICA REFORMAS EM CURSO NOS DOIS LADOS DO ATLÂNTICO (BRASIL E PORTUGAL)

CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO ECONÓMICA REFORMAS EM CURSO NOS DOIS LADOS DO ATLÂNTICO (BRASIL E PORTUGAL) CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO ECONÓMICA REFORMAS EM CURSO NOS DOIS LADOS DO ATLÂNTICO (BRASIL E PORTUGAL) 31 DE MAIO 2012, UNIVERSIDADE S. JUDAS TADEU, S. PAULO, BRASIL UM NOVO REGIME DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA. RESOLUÇÃO Nº 12, de 11 de março de 2015

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA. RESOLUÇÃO Nº 12, de 11 de março de 2015 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RESOLUÇÃO Nº 12, de 11 de março de 2015 Disciplina o procedimento de consulta previsto nos 4º e 5º do art. 9º da Lei n. 12.529/2011. O

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 44, de 2012 (Projeto de Lei nº 4.097, de 2004, na Casa de origem), do Deputado Zenaldo Coutinho,

Leia mais

Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado

Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado Ministério da Justiça CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado Processo Administrativo n.º 08012.000429/2003-21 Representante: SMS - Assistência

Leia mais

mpf.empauta.com Ministério Público Clipping da imprensa Brasília, 10 de maio de 2012 às 09h42 Seleção de Notícias

mpf.empauta.com Ministério Público Clipping da imprensa Brasília, 10 de maio de 2012 às 09h42 Seleção de Notícias Ministério Público Clipping da imprensa às 09h42 Seleção de Notícias Brasil Econômico/BR Outros assuntos Direitos do consumidor Peróxidos do Brasil, do Solvay, é multada pelo Cade por formação de cartel..................

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 7400.011101/201-6 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União NOTA TÉCNICA /2012/OGU/CGU-PR Referência: 99901.000228.2012-55 Assunto: Recurso de 3ª instância referente ao pedido de acesso à informação 99901.000228.2012-55, interposto por em face do Banco do Brasil

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

PEDRO DUTRA Advogado. São Paulo, 09 de outubro de 1998

PEDRO DUTRA Advogado. São Paulo, 09 de outubro de 1998 São Paulo, 09 de outubro de 1998 À ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações Protocolo Geral SAS, Quadra 6, Bloco H 70313-900 Brasília-DF Via E-mail PEDRO DUTRA, advogado inscrito na OAB-SP sob o nº

Leia mais

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013

4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 4.º Encontro de Tradutores da Administração Pública os novos desafios 7 de outubro de 2013 Transposição para Portugal da Diretiva 2010/64/UE Proposta de intervenção Exmas Senhoras e Senhores Caros colegas,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013]

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] PROGRAMA DE COMPLIANCE E ACORDO DE LENIÊNCIA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BELO HORIZONTE BRASÍLIA SALVADOR www.scbf.com. br SUMÁRIO A Lei Anticorrupção

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS CLÁUSULA OITAVA - SIGILO E CONFIDENCIALIDADE 8.1 - Cada Partícipe se compromete em manter sigilo sobre as informações trocadas e geradas durante a execução das atividades do

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC)

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) 14 DE MARÇO DE 2014 LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) FABIO VALGAS Chefe Regional Controladoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro Lei 12.846/2013 Lei Anticorrupção - LAC A Lei n.º 12.846/13

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Santa Cruz do Sul/RS Interessado(s) 1: SINDITAXI Sindicato dos Taxistas de Santa Cruz do Sul Interessado(s) 2: Município de Sobradinho Assunto(s): Liberdade e Organização Sindical

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF Curso de Cooperação Jurídica Internacional para membros e servidores da Procuradoria da República no Paraná 31

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Delação premiada e Acordo de Leniência. Uma análise comparativa entre os institutos.

Delação premiada e Acordo de Leniência. Uma análise comparativa entre os institutos. Delação premiada e Acordo de Leniência Uma análise comparativa entre os institutos. Delação premiada Conceito: Meio de investigação consistente em uma troca: O estado oferece benefícios àquele que vier

Leia mais