MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS"

Transcrição

1 MECANISMO DE ATENUAÇÃO NATURAL DE METAIS EM SOLOS DE ANTIGAS ÁREAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Evanisa F. R. Q. Melo - Eduardo P. Korf - Antônio Thomé - Pedro A. V. Escosteguy - Graziele S. B. Zanchetta - Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Engenharia e Arquitetura Campus I, km 171, BR 285, Bairro São José CEP Passo Fundo RS Resumo: A crescente contaminação de solos, pelos resíduos sólidos produzidos diariamente nas cidades, ascende a necessidade de estudos adequados que elaborem diagnósticos capazes de determinar a atenuação desses contaminantes no solo. Neste trabalho, o foco de pesquisa foi a capacidade de atenuação de metais tóxicos em solos característicos de dois antigos lixões. Para tal avaliação adotou-se o ensaio de coluna, que é capaz de reproduzir a percolação de um contaminante através do solo. Os ensaios investigaram a capacidade natural de retenção pelo solo de diversos metais normalmente presentes nestas áreas: Cromo, Zinco, Cobre, Manganês, Cádmio e Chumbo. Foi submetido à percolação pelo solo um lixiviado artificial com concentrações de metais inseridas. Foram realizados dois ensaios para cada área de estudo. Os resultados confirmaram a capacidade de atenuação do solo do local, sendo que os metais estudados apresentaram significativa retenção no solo. Palavras-chave: Resíduos sólidos, Atenuação, Ensaio de coluna. MECHANISM OF NATURAL METALS ATTENUATION IN SOILS OF ANCIENT AREAS OF DISPOSAL OF URBAN SOLID WASTE Abstract: The crescent soils contamination by urban solid waste denotes the necessity for adequate studies to elaborate solution to determine the soils attenuation capacity. This paper has as objective the investigation of the natural toxic metals attenuation capacity in two soils from two different sites of disposal of urban solid waste. Columns test was carried out for simulates the flux of contaminant by soil. The metals analyzed in this work were: Cr, Zn, Cu, Mn, Cd and Pb. It was used an artificial leaching containing these metals. Two tests was carried out for each soil. The results confirmed the natural metals attenuation capacity for both soils from different sites. Keywords: Solid waste, Attenuation, Columns test. 1 INTRODUÇÃO Os resíduos sólidos gerados nas cidades têm sido responsáveis por causar poluições e impactos ambientais muitas vezes irreversíveis. Hoje, muitos locais de disposição ainda são irregulares, os lixões, onde não é encontrada qualquer ação no sentido de evitar as contaminações dos solos e águas

2 subterrâneas. A forma mais sujeita de contaminação pode ocorrer através do lixiviado resultante da decomposição, que traz consigo compostos tóxicos em solução, como os metais. (SERAFIM, 2003) Uma alternativa que é aplicada para sanar o problema é os aterros sanitários. Nestes locais a contaminação do solo, do ar e das águas é evitada, os efluentes gerados são tratados e existem barreiras capazes de retardar o deslocamento de frentes de contaminações. Estando o poluente em contato direto com uma solução e a camada de solo, existem vários processos que regem o seu transporte sub-superficial. O seu deslocamento ocorrerá por diversas formas, onde irá haver a interação com o solo por fenômenos físicos, químicos e biológicos. A Figura 1 relaciona os processos de transporte de contaminantes, segundo Knop (2005): Migração de contaminantes pelo solo Processos Físicos Processos Bio-físico-químicos Advecção Dispersão hidrodinâmica Dispersão mecânica Difusão molecular Retardamento ou Aceleração Adsorção/Dessorção Precipitação/dissolução Troca iônica, Óxido-redução Co-solvência Complexação, Ionização Sorção biológica Filtração Degradação ou decaimento Óxido-redução Hidrólise Metabolização Volatilização Figura 1 - Mecanismos de transporte de contaminantes [Adaptado de Knop (2005)] Esses processos naturais de transporte de contaminantes pelo solo, ou seja, os mecanismos de atenuação natural, são responsáveis por causar o retardamento e a degradação de frentes de contaminação. Diversos estudos têm demonstrado que os processos bio-físico-químicos de atenuação limitam bastante o transporte dos contaminantes e, portanto reduzem a extensão de contaminações. (CORSEUIL e MARINS, 1997) O principal objetivo do trabalho consistiu na verificação da capacidade de atenuação de metais em solos de antigas áreas de disposição de resíduos sólidos urbanos de Passo Fundo e Lagoa Vermelha. 2 METODOLOGIA 2.1 Locais de estudo Lixão Invernadinha A área de estudo, em Passo Fundo, é um antigo local de disposição de resíduos sólidos urbanos do município. Esta área, conhecida como Invernadinha, serviu da década de 70 até o ano de 1991 como local de disposição de resíduos urbanos. A coleta de amostra de solo foi realizada em três pontos amostrais: uma área de disposição recente de resíduos (ponto 1), uma área de disposição antiga de resíduos sólidos (ponto 2) e um solo original em um talude (ponto 3). A Figura 2 apresenta visão da área no ano de 2006 e a Figura 3 uma planta com os pontos de coleta de amostra:

3 Figura 2 - Vista da área de disposição de resíduos no lixão Invernadinha, Passo Fundo, RS Ponto 3 Solo natural Ponto 2 Ponto 1 Rod. BR Figura 3 Planta do lixão Invernadinha indicando os pontos de amostragem Lixão Rincão do engenho Este local constitui uma antiga área de disposição de resíduos sólidos urbanos que se encontra em fase de monitoramento e recuperação, do município de Lagoa Vermelha. A coleta de amostra de solo foi realizada em dois pontos amostrais: um local com solo original e um solo de fundo à área de disposição de resíduos sólidos. Para o solo de fundo o procedimento de coleta do material envolveu o auxílio de retroescavadeira para remoção das camadas e o material foi extraído de forma indeformada à aproximadamente 2 metros de profundidade. A Figura 4 apresenta uma vista do antigo lixão no ano de 2006 e a Figura 5 os pontos de coleta de amostra: Figura 4 - Vista da área de disposição de resíduos no lixão Rincão do engenho, Lagoa Vermelha, RS

4 Figura 5 Pontos de Amostragem: Solo Original (à esquerda) e Lixão (à direita) 2.2 Caracterização do solo Foram realizados ensaios de caracterização e classificação geotécnica. A condutividade hidráulica dos solos foi determinada nos ensaios de coluna com carga constante. A classificação pedológica foi determinada segundo Streck (2002). Além disso, foi realizada caracterização da concentração de metais presentes, seguindo o método 3050B proposto por U. S Environmental Protection Agency - EPA (2006) e os resultados foram comparados com os valores orientadores da CETESB (2005). 2.3 Ensaios de coluna Para avaliação da capacidade de atenuação natural, adotou-se o ensaio de coluna de acordo com ASTM (1995), que, por meio de um equipamento de colunas, reproduz o transporte de um poluente pelo solo. A Figura 6 permite visualizar o equipamento de coluna em laboratório: Contaminante Coleta de Aplicação de pressão confinante ao corpo de prova Fluxo ascendente Corpo de Prova Figura 6 - Equipamento de coluna O ensaio é executado em duas etapas, sendo a primeira de saturação do solo com água e a segunda da percolação do contaminante e geração de um líquido percolado (Figura 6). Dois ensaios foram realizados para cada área de estudo. Um lixiviado artificial foi elaborado, em laboratório, onde foram inseridas concentrações pré-estabelecidas de um dado contaminante, neste caso, metais tóxicos. Os metais estudados foram: Cobre, Cromo, Manganês e Zinco, Cádmio e Chumbo. Extrapolou-se o valor máximo permitido para águas subterrâneas, estabelecido na portaria n.518/2004 do ministério da saúde (BRASIL, 2004). Os valores inseridos estão apresentados na Tabela 1:

5 Tabela 1 - Valores inseridos no lixiviado Metal Portaria 518/2004 (mg/l) Extrapolação Concentração inserida (mg/l) Cádmio 0, ,05 Chumbo 0, ,10 Cobre Cromo 0, ,5 Manganês 0, Zinco Corpos de prova de 5 cm de diâmetros e 10 cm de altura foram moldados com ajuste de umidade e densidade equivalente a campo, utilizando o solo coletado do lixão Invernadinha, na área original não contaminada por resíduos. Em virtude de não haver possibilidade de coleta em profundidade optou-se em ensaiar o material original. Para o caso do lixão Rincão do engenho as amostras extraídas tiveram presença de resíduos inertes (plásticos) e alto grau de umidade, não permitindo a moldagem indeformada. A moldagem de corpos de prova com 5 cm de diâmetro e 5 cm de altura foi realizada em laboratório com ajuste de umidade e densidade de campo. As análises dos metais presentes nas amostras de percolado, após a realização de cada ensaio, foram efetuadas nos laboratórios de águas e análise de solos da Universidade de Passo Fundo. O método de análise foi através de espectrofotometria de absorção atômica. Os parâmetros observados foram à atenuação natural dos metais presentes no contaminante em estudo, em termos de concentração final obtida no líquido percolado. As concentrações finais do líquido percolado foram medidas ao longo de volumes de poros ou vazios percolados pelos corpos de prova ensaiados. 3 RESULTADOS Para os solos de ambas as áreas de estudos a classificação geotécnica obtida com base em ensaios de caracterização indicou serem A-7-5 e MH, de acordo com o sistema rodoviário de classificação e com o sistema unificado respectivamente. São solos siltosos e de alta compressibilidade. Uma exceção ocorreu na área de disposição recente do lixão Invernadinha onde se observou a classificação A-7-6 e CH, indicando um solo argiloso e de alta compressibilidade. No lixão Invernadinha os solos são classificados como Latossolos Vermelhos distróficos típicos e no lixão Rincão do Engenho os solos são classificados como Latossolos Brunos alumínicos câmbicos, pela classificação pedológica. Estes solos possuem boa drenagem, são muito intemperizados e classificados como profundos a muito profundos, apresentando transição gradual entre os horizontes. As Tabelas 2 e 3 representam os resultados de análise de alguns metais ambientalmente disponíveis nas amostras de solo coletadas no lixão Invernadinha e Rincão do engenho, respectivamente. Estão inseridos valores orientadores conforme CETESB (2005). Para os dois locais, observa-se que as concentrações de cobre e zinco se apresentaram acima dos valores orientadores, o que indica contaminação. Tabela 2 - Concentração de metais presentes no solo do lixão Invernadinha Zinco Cobre Manganês Ferro mg/kg Ponto 1 62,78 47,90 437, ,32 Ponto 2 192,5 108, , ,02 Ponto 3 42,10 44,34 423, ,97 CETESB

6 Tabela 3 - Concentração de metais presentes no solo do lixão Rincão do engenho Solo de Fundo Solo Original CETESB Horiz. A Horiz. C mg/kg Zinco 158,75 136,07 157,72 179,34 118,24 60 Cobre 167,04 130,29 76,38 249,04 247,26 35 Manganês 3.576, ,29 343, , ,22 - Ferro , , , ,8 - Chumbo 4,20 1,40 ND * ND ND 17 Cádmio 0,40 0,00 ND ND ND <0,5 Cromo 14,10 3,40 ND ND ND 40 * ND = Não detectado pelo método. 3.1 Lixão Invernadinha: Ensaios de coluna As Tabelas 4 e 5 apresentam os resultados observados após a realização de dois ensaios de coluna, utilizando o solo da área original (Ponto 3). No segundo ensaio, submeteu-se a uma quantidade maior de vazios percolados. A condutividade hidráulica (k) para o solo ensaiado variou de 10-7 a 10-8 m/s. Tabela 4 - Resultados observados no Ensaio 1 Ensaio 1 Cr Zn Cu Mn Vpercolado C o (mg/l) * 0, Vvazios Leitura do C ** (mg/l) 1 0 0,28 0 0,1 1, ,18 0 0,11 2, ,16 0 0,12 3, ,22 0,04 0,13 4, ,28 0,01 0,14 5,09 * C O = Concentração de metal inserida no lixiviado artificial. ** C = Concentração obtida nas leituras de percolado. Tabela 5 - Resultados observados no Ensaio 2 Ensaio 2 Cr Zn Cu Mn Vpercolado C o (mg/l) 0, Vvazios Leitura do C (mg/l) 1 0 0,15 0 0,02 1, ,17 0 0,08 5, ,31 0 0,21 9, ,59 0 0,89 12, ,66 0 1,13 16,43 A Figura 7 apresenta o comportamento do Manganês (Mn) ao longo dos vazios percolados pela solução de lixiviado para os ensaios realizados. A curva de transporte foi construída apenas para este metal, pois para os outros elementos não se atingiu a relação C/Co = 1, ou seja, a saturação no solo. Na relação C/C o, C é a concentração nas leituras de percolado e C o é a concentração inserida no lixiviado artificial.

7 1,2 1 0,8 C/Co 0,6 Ensaio 2 Ensaio 1 0,4 0,2 0 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 18,00 Vperc/Vv Figura 7 - Comportamento do Manganês nos ensaios 3.2 Lixão Rincão do engenho: Ensaios de coluna As Tabelas 6 e 7 apresentam os resultados do ensaio de coluna, observados para a área de disposição irregular de lagoa vermelha, utilizando como material o solo coletado de fundo à camada de resíduos. A condutividade hidráulica (k) variou de 10-8 a 10-9 m/s. Tabela 6 - Resultados observados no Ensaio 1 Ensaio 1 Cr Zn Cu Mn Cd Pb Vpercolado C o (mg/l) ** 0, ,05 0,1 Vvazios Leitura do C (mg/l) 1 0,085 0,35 0,07 0,31 ND * 0,14 0, ,081 0,4 0,09 0,23 ND 0,05 2,00 3 0,047 0,37 0,07 0,17 ND 0,05 3,00 4 0,05 0,36 0,07 0,2 ND 0,03 3,97 5 0,052 0,35 0,07 1,17 ND 0,02 5,06 * ND= não detectado pelo método. ** C O = Concentração de metal inserida no lixiviado artificial. *** C = Concentração obtida nas leituras de percolado. Tabela 7 - Resultados observados no Ensaio 2 Ensaio 2 Cr Zn Cu Mn Cd Pb Lixiviado C o (mg/l) 1 0 0,75 0,83 0,49 ND * ND 0, ,25 0,37 0,24 ND ND 1, ,07 0,08 0,11 ND ND 1, ,1 0,03 0,23 ND ND 3,13 Leitura do C (mg/l) Vpercolado 0, ,1 ** 0,1 Vvazios 5 0 0,11 0,11 0,24 ND ND 3,91 * Não detectado pelo método. ** Concentração extrapolada em 20 vezes em relação à portaria 518/04 em função do limite de detecção da análise nas leituras de percolado. Os resultados destacam o significativo retardamento do contaminante de estudo, ao longo de uma alta quantidade de poros percolados. As concentrações nas leituras do percolado apresentaram valores mínimos em relação à inserida e o comportamento de atenuação do solo foi confirmado para ambas as áreas. Mediante análise de metais realizada, verifica-se que, apesar de haver no solo uma certa concentração, a atenuação de metais ainda persiste.

8 A capacidade de atenuação do manganês é cessada para ambas as áreas, pois foi atingida a relação C/C o = 1. Para o material do lixão Invernadinha essa relação foi atingida com a percolação de cerca de 16,5 volumes de vazios, o que significa que, a partir disso não ocorre mais retenção do metal. Para o solo do lixão Rincão do engenho a atenuação foi cessada com cerca de 5 volumes de vazios percolados, indicando uma capacidade menor, sendo isto explicado pela utilização do material de fundo do aterro que apresenta maior contaminação que o solo natural do lixão Invernadinha. Essa rápida saturação do manganês pelos solos é explicada pela alta concentração presente conforme visualizado nas Tabelas 2 e 3, em que o mesmo se apresenta como segundo metal com maior concentração nos solos de ambas as áreas. 4 CONCLUSÕES Para a maioria dos metais, não foi possível atingir o limite máximo de atenuação dos solos ao longo de uma quantidade significativa de volume de lixiviado percolado. Apenas para o manganês o limite de atenuação foi atingido para o solo original do lixão Invernadinha e para o solo de fundo do lixão Rincão do engenho. A atenuação de metais nestes materiais é relevante, sendo mais significativa para o solo original do lixão Invernadinha que apresenta menor contaminação por metais. 5 AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao apoio fornecido pelo CNPq pelo financiamento de bolsa de pesquisa ao primeiro (processo ), e segundo autor (processo ) e a FAPERGS (projeto PRONEX-FAPERGS ) pelo apoio financeiro concedido. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS ASTM. D4874: Standard Test Method for leaching solid material in a Column Apparatus. Philadelphia, BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 518, de 25 de março de Estabelece procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial da república federativa do Brasil. Brasília, DF, nº 59, 26 de março de Seção 1, p 266. CETESB, Companhia De Tecnologia Em Saneamento Ambiental, Decisão de diretoria nº E. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/solo/relatorios/tabela_valores_2005.pdf>. Acesso em 28. junho CORSEUIL, H.X. MARINS, M. D. M. Contaminação de águas subterrâneas por derramamentos de gasolina: o problema é grave? Disponível em: <http://www.remas.ufsc.br/donwload/publicacao_08.pdf>. Acesso em: 18. Junho KNOP, A.;. CONSOLI, N. C. Transporte de contaminantes em solos: Processos físicos do transporte.in: Seminário De Engenharia Geotécnica Do Rio Grande Do Sul, 3., Passo Fundo. Anais... Passo Fundo: ABMS/PPGENG, CD ROM. STRECK, E. V. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EMATER, 2002, 107 p. SERAFIM, A. F. et. al. Chorume, Impactos ambientais e possibilidades de tratamento Disponível em:<http://www.cetesb.sp.gov.br/solo/relatorios/tabela_valores_2005.pdf>. Acesso em: 28. junho U.S. Environmental Protection Agency EPA. Method 3050B Disponível em: <http://www.epa.gov/epaoswer/hazwaste/test/pdfs/3050b.pdf>. Acesso em 25. Ago

Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados.

Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados. Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados. Rejane Nascentes Universidade Federal de Viçosa, Rio Paranaíba, Brasil, rejane.nascentes@ufv.br Pedro

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS X RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDOS NO LIXÃO SANTA MADALENA, SÃO CARLOS, SP

RESÍDUOS SÓLIDOS X RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDOS NO LIXÃO SANTA MADALENA, SÃO CARLOS, SP Programa de Pós- Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento RESÍDUOS SÓLIDOS X RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDOS NO LIXÃO SANTA MADALENA, SÃO CARLOS, SP Tema: Saneamento Ambiental e Qualidade da Água Autores:

Leia mais

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Engª MSc. Thelma Sumie Kamiji Junho/2014 GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL EOLUÇÃO DO IDH BRASILEIRO DESTINAÇÃO FINAL ATERRO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PH DA SOLUÇÃO CONTAMINANTE E ESTRUTURA DO SOLO NOS PARÂMETROS DE TRANSPORTE R d e K d PARA CÁDMIO NO SOLO RESIDUAL DE PASSO FUNDO - RS

INFLUÊNCIA DO PH DA SOLUÇÃO CONTAMINANTE E ESTRUTURA DO SOLO NOS PARÂMETROS DE TRANSPORTE R d e K d PARA CÁDMIO NO SOLO RESIDUAL DE PASSO FUNDO - RS INFLUÊNCIA DO PH DA SOLUÇÃO CONTAMINANTE E ESTRUTURA DO SOLO NOS PARÂMETROS DE TRANSPORTE R d e K d PARA CÁDMIO NO SOLO RESIDUAL DE PASSO FUNDO - RS Rafael de Souza Tímbola rafaeltimbola@hotmail.com Universidade

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

Monitoramento das Águas Subterrâneas e Lixiviado do Local de Disposição dos Resíduos Sólidos Urbanos do Município de Passo Fundo - RS

Monitoramento das Águas Subterrâneas e Lixiviado do Local de Disposição dos Resíduos Sólidos Urbanos do Município de Passo Fundo - RS Monitoramento das Águas Subterrâneas e Lixiviado do Local de Disposição dos Resíduos Sólidos Urbanos do Município de Passo Fundo - RS Márcia Helena Beck Eduardo Pavan Korf Viviane Rocha dos Santos Antonio

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Classificação dos resíduos sólidos urbanos do Aterro Invernadinha - Passo Fundo Mozara Benetti 1, Evanisa Fátima Reginato Quevedo Melo 2, Francisco G. Magro³ e Rubens Marcon Astolfi 4 1 Universidade de

Leia mais

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte : Lixiviação Humberto Naoyuki Yoshimura*, Antonio Carlos de Camargo, José Carlos da Silva Portela

Leia mais

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Patrício José Moreira Pires e José Tavares Araruna Departamento de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Obtenção Analítica de Parâmetros de Transporte de Contaminantes Metálicos em Solo Argiloso sob diferentes phs

Obtenção Analítica de Parâmetros de Transporte de Contaminantes Metálicos em Solo Argiloso sob diferentes phs Obtenção Analítica de Parâmetros de Transporte de Contaminantes Metálicos em Solo Argiloso sob diferentes phs Rafael de Souza Tímbola Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil, rafaeltimbola@hotmail.com

Leia mais

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS Ioana Nicoleta Firta (1) Engenheira Hidráulica, pela Universidade Técnica de

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66 Artigo Caracterização e Classificação de Resíduo Gerado na Indústria de Metal-Mecânica Characterization and Classification of Waste Generated in Metal-Mechanical Industry Resumo O objetivo do presente

Leia mais

Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical

Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo/Unicamp, Campinas, Brasil, E-mail: mgmiguel@fec.unicamp.br

Leia mais

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro Gersina N. da R. Carmo Junior Objetivo: avaliar as conseqüências da presença dos efluentes do aterro no meio ambiente. Sistema de Monitoramento do Aterro

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Luiza Ferreira Campos Maragno (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Professora Adjunto 1 da Faculdade

Leia mais

MONITORAMENTO DA ATENUAÇÃO NATURAL DO SOLO DE COBERTURA EM UM ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM PASSO FUNDO, RS

MONITORAMENTO DA ATENUAÇÃO NATURAL DO SOLO DE COBERTURA EM UM ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM PASSO FUNDO, RS MONITORAMENTO DA ATENUAÇÃO NATURAL DO SOLO DE COBERTURA EM UM ATERRO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM PASSO FUNDO, RS Evanisa Fátima Reginato Quevedo Melo 1 Liliane Ribeiro Rebechi Meneghetti 2 Rubens Marcon

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA A QUALIDADE DO SOLO NO CONTEXTO DA POLUIÇÃO AMBIENTAL POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS ANÁLISE DE LEGISLAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO E NO BRASIL Eng. MARCUS VINICIUS BERGONZINI DO PRADO Profa. Dra. DIONE MARI MORITA

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB José Dantas de Lima (1) Engenheiro Civil pela UFPB (1987), Mestre em Engenharia Sanitária pela UFPB(2001), Diretor Operacional

Leia mais

Rafael Gerard de Almeida Demuelenaere Eurípedes do Amaral Vargas Júnior Franklin dos Santos Antunes José Marcus de Oliveira Godoy

Rafael Gerard de Almeida Demuelenaere Eurípedes do Amaral Vargas Júnior Franklin dos Santos Antunes José Marcus de Oliveira Godoy Rafael Gerard de Almeida Demuelenaere Eurípedes do Amaral Vargas Júnior Franklin dos Santos Antunes José Marcus de Oliveira Godoy MOBILIDADE DE METAIS PESADOS EM SOLOS RESIDUAIS DO RIO DE JANEIRO: DETERMINAÇÃO

Leia mais

MONITORAMENTO DE SOLO CONTAMINADO COM METAIS EM SANTO AMARO (BA)

MONITORAMENTO DE SOLO CONTAMINADO COM METAIS EM SANTO AMARO (BA) Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente Doutorado Multidisciplinar MONITORAMENTO DE SOLO CONTAMINADO COM METAIS EM SANTO AMARO (BA) Disciplina: Monitoramento

Leia mais

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG

Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Barragem em Concreto Produzida com Agregado Brita Corrida: PCH SANTA FÉ MG Antônio Eduardo Polisseni 1 Resumo O trabalho tem por objetivo mostrar as características e qualidades da Brita Corrida que foi

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

INFLUÊNCIA DO DICROMATO DE POTÁSSIO NO TEMPO DE PEGA E RESISTÊNCIA MECÂNICA DO CIMENTO PORTLAND E DO CIMENTO ALUMINOSO

INFLUÊNCIA DO DICROMATO DE POTÁSSIO NO TEMPO DE PEGA E RESISTÊNCIA MECÂNICA DO CIMENTO PORTLAND E DO CIMENTO ALUMINOSO INFLUÊNCIA DO DICROMATO DE POTÁSSIO NO TEMPO DE PEGA E RESISTÊNCIA MECÂNICA DO CIMENTO PORTLAND E DO CIMENTO ALUMINOSO Marta Arnold (1), Eloise A. Langaro (2), Raphael Coelli Ivanov (3), Caroline Angulski

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS

CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS 1 OBJETIVO Estabelecer as responsabilidades, os procedimentos e os critérios técnicos para o credenciamento de laboratórios. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma é aplicada aos laboratórios públicos ou privados

Leia mais

MONITORAMENTO GEOTÉCNICO DO ATERRO SANITÁRIO DE BELO HORIZONTE, BRASIL.

MONITORAMENTO GEOTÉCNICO DO ATERRO SANITÁRIO DE BELO HORIZONTE, BRASIL. MONITORAMENTO GEOTÉCNICO DO ATERRO SANITÁRIO DE BELO HORIZONTE, BRASIL. Gustavo Ferreira Simões (*) Engenheiro Civil UFMG (1990); Mestre em Engenharia Civil PUC-Rio (1994) Doutor em Engenharia Civil PUC-Rio

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

ESTUDO DOS DADOS DA LIXIVIAÇÃO DOS MATERIAIS DE ELETRODOS DE PILHAS EM HCl POR REDE NEURAL

ESTUDO DOS DADOS DA LIXIVIAÇÃO DOS MATERIAIS DE ELETRODOS DE PILHAS EM HCl POR REDE NEURAL ESTUDO DOS DADOS DA LIXIVIAÇÃO DOS MATERIAIS DE ELETRODOS DE PILHAS EM HCl POR REDE NEURAL Macêdo, M. I. F 1, Rosa, J. L. A. 2, Gonçalves, F. 2, Boente, A. N. P. 2 1 Laboratório de Tecnologia de Materiais,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS TÓXICOS EM CHORUME COLETADO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS TÓXICOS EM CHORUME COLETADO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS TÓXICOS EM CHORUME COLETADO NO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR Endrigo Antônio de Carvalho, Gustavo Coelho, Gilmar Divino Gomes, Leonardo Strey,

Leia mais

PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS

PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS PQ R 03 PARQUE DE RECICLAGEMIII III PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS PORTARIA Portaria 24 h para a recepção, registro de entradas e saídas e orientações de direcionamento para pesagem e descarga

Leia mais

Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico

Leia mais

ESTUDO DE REGULAMENTOS PARA RECEBIMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA PÚBLICO DE ESGOTOS

ESTUDO DE REGULAMENTOS PARA RECEBIMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA PÚBLICO DE ESGOTOS ESTUDO DE REGULAMENTOS PARA RECEBIMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA PÚBLICO DE ESGOTOS Rosane Ebert Eng. Civil pela Universidade Federal de Santa Maria, RS, Mestre em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Montagem de um experimento piloto in situ para avaliação do bioventing de um solo argiloso contaminado com biodiesel

Montagem de um experimento piloto in situ para avaliação do bioventing de um solo argiloso contaminado com biodiesel Montagem de um experimento piloto in situ para avaliação do bioventing de um solo argiloso contaminado com biodiesel Liliane Rebechi Ribeiro Meneghetti Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva

Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva Paulo J. Ramísio 1, José M. P. Vieira 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P - 4800-058

Leia mais

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Castellón, 23-24 de julio de 28. MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Resumo Nóbrega, C. C. * ; Ferreira, J. W. O.; Athayde Jr., G. B.; Gadelha, C. L.; Costa,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS INDICADORES DE POLUIÇÃO POR

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS INDICADORES DE POLUIÇÃO POR AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS INDICADORES DE POLUIÇÃO POR EFLUENTE LÍQUIDO DE UM ATERRO SANITÁRIO EVALUATION OF INDICATIVE PARAMETERS OF POLLUTION FOR LIQUID EFFLUENT OF A SANITARY LANDFILL SELENE DE OLIVEIRA

Leia mais

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SOIL COMPOSITE /CONCRETE SYSTEMS: CHARACTERIZATION OF THE GEOCOMPOSITE- SOIL INTERFACE Carlos, Karina Gonçalves, UM, Guimarães,

Leia mais

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas (12/11/15) Canoas/RS Vinhedo/SP Rio de Janeiro São

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARA USO AGRÍCOLA

CARACTERIZAÇÃO DE LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARA USO AGRÍCOLA CARACTERIZAÇÃO DE LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARA USO AGRÍCOLA Simone Damasceno CERAT (Centro de Raízes Tropicais)/UNESP-Botucatu/Brasil Caixa postal 237 CEP: 18603-970; FAX: (014)

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

DELIBERAÇÃO CRH Nº 052, DE 15 DE ABRIL DE 2005. O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CRH considerando que:

DELIBERAÇÃO CRH Nº 052, DE 15 DE ABRIL DE 2005. O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CRH considerando que: DELIBERAÇÃO CRH Nº 052, DE 15 DE ABRIL DE 2005 O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CRH considerando que: Institui no âmbito do Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos - SIGRH diretrizes

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

CALIBRAÇÃO EM AR E DETERMINAÇÃO DO K 0 EM LABORATÓRIO ATRAVÉS DE CÉLULAS DE TENSÃO TOTAL

CALIBRAÇÃO EM AR E DETERMINAÇÃO DO K 0 EM LABORATÓRIO ATRAVÉS DE CÉLULAS DE TENSÃO TOTAL CALIBRAÇÃO EM AR E DETERMINAÇÃO DO K 0 EM LABORATÓRIO ATRAVÉS DE CÉLULAS DE TENSÃO TOTAL Rafael Tímbola Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo - RS, Brasil, rafaeltimbola@hotmail.com Maciel Donato Universidade

Leia mais

3.6 Formação de plumas e modelagem matemática

3.6 Formação de plumas e modelagem matemática A abordagem profissional e racional a respeito dos riscos que as obras civis e as atividades humanas podem causar ao meio ambiente é cada vez mais importante e valorizada nas sociedades modernas. Nesse

Leia mais

SIMONE HARTH OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO USO DE BORRA OLEOSA PROCESSADA EM SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERROS.

SIMONE HARTH OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO USO DE BORRA OLEOSA PROCESSADA EM SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERROS. SIMONE HARTH OLIVEIRA AVALIAÇÃO DO USO DE BORRA OLEOSA PROCESSADA EM SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE ATERROS. Dissertação apresentada ao Departamento de Engenharia Civil da PUC-Rio como parte dos requisitos

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DOS METAIS PESADOS EM ÁGUAS SUPERFICIAIS PROVOCADOS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS DISPOSTOS NO LIXÃO DE JUAZEIRO DO NORTE- CE

CONTAMINAÇÃO DOS METAIS PESADOS EM ÁGUAS SUPERFICIAIS PROVOCADOS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS DISPOSTOS NO LIXÃO DE JUAZEIRO DO NORTE- CE CONTAMINAÇÃO DOS METAIS PESADOS EM ÁGUAS SUPERFICIAIS PROVOCADOS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS DISPOSTOS NO LIXÃO DE JUAZEIRO DO NORTE- CE Rodolfo Jose Sabia (URCA ) rodolfo.sabia@urca.br dagmar landim silva

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas ABES-RS Porto Alegre, 03 de Setembro de

Leia mais

VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DOS LÍQUIDOS PERCOLADOS DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO - CAXIAS DO SUL - RS

VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DOS LÍQUIDOS PERCOLADOS DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO - CAXIAS DO SUL - RS ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental III - 26 VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DOS LÍQUIDOS PERCOLADOS DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO - CAXIAS DO SUL - RS Neide Pessin (1) Biólogo.

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais

III-142 - AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO APLICADA A RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM CABINES DE PINTURA

III-142 - AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO APLICADA A RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM CABINES DE PINTURA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-142 - AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DE SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO APLICADA A RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO A densidade do solo é definida como sendo a relação existente entre a massa de uma amostra de solo seca a 105ºC e

Leia mais

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Remoção de metais num sistema de tratamento de esgoto por Filtro Lento Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Crescimento acelerado

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

NO RIBEIRÃO SÃO BARTOLOMEU, MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE AGUAPÉS

NO RIBEIRÃO SÃO BARTOLOMEU, MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE AGUAPÉS VI-040 -BIOMONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE Cd E Pb NO RIBEIRÃO SÃO BARTOLOMEU, MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE AGUAPÉS (Eichhornia crassipes (Mart.) Solms) Juraci Alves de Oliveira (1) Professor

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Vigilância em Saúde Ambiental Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE UMA ÁREA DEGRADADA POR EFLUENTE INDUSTRIAL Édio Damásio da Silva Junior (1) Graduando em Engenharia Ambiental pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Isac

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos

Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos PHD2537 Introdução A poluição das águas é gerada por: - efluentes domésticos (poluentes orgânicos biodegradáveis, nutrientes e bactérias); - efluentes

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

ANÁLISE DE IMPACTO CAUSADO NO MEIO FÍSICO PELO VAZADOURO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE LONDRINA E MEDIDAS MITIGADORAS PROPOSTAS

ANÁLISE DE IMPACTO CAUSADO NO MEIO FÍSICO PELO VAZADOURO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE LONDRINA E MEDIDAS MITIGADORAS PROPOSTAS ANÁLISE DE IMPACTO CAUSADO NO MEIO FÍSICO PELO VAZADOURO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE LONDRINA E MEDIDAS MITIGADORAS PROPOSTAS FERNANDO FERNANDES 1 SANDRA MÁRCIA CESÁRIO PEREIRA DA SILVA 1 CLEVERSON VITÓRIO

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Uso agrícola de composto orgânico: controle ambiental e informatização Fábio Cesar da Silva próxima 1 USO AGRÍCOLA DE COMPOSTO ORGÂNICO: controle ambiental e informatização

Leia mais

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS II-8 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS Marcelus Alexander Acorinte Valentim (1) Mestre em Engenharia Agrícola

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco GT Micronutrientes Resíduos de Zinco Produto Fonte geradora (processo) Exemplos de empresas geradoras no Brasil Cinza de Zn SHG Fusão de placa catódica Votorantim Metais Zinco Fusão de Zn SHG para anodos

Leia mais

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo.

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo. CONCURSO PREVISÃO DE PROVA DE CARGA EM PLACA O concurso de previsão de prova de carga em placa será realizado no dia 27 de novembro de 2015 durante o ÑSAT2015. O concurso tem por objetivo a previsão de

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE SEDIMENTOS CONTAMINADOS DE DRAGAGEM EM TUBOS GEOTÊXTEIS

DISPOSIÇÃO DE SEDIMENTOS CONTAMINADOS DE DRAGAGEM EM TUBOS GEOTÊXTEIS DISPOSIÇÃO DE SEDIMENTOS CONTAMINADOS DE DRAGAGEM EM TUBOS GEOTÊXTEIS Analucia Meyrelles Monteiro*, José Carlos Cesar Amorim, Maria Esther Soares Marques Instituto Militar de Engenharia - Pós-Graduação

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 D.O.U de 26/11/08 PLANO DE CURSO

CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 D.O.U de 26/11/08 PLANO DE CURSO CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/08 D.O.U de 26/11/08 Componente Curricular: Materiais Elétricos Código: ENG -383 Pré-requisito: --- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA FERTIRRIGAÇÃO DE EUCALIPTO COM PERCOLADO DE ATERRO SANITÁRIO TRATADO ELETROQUIMICAMENTE

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA FERTIRRIGAÇÃO DE EUCALIPTO COM PERCOLADO DE ATERRO SANITÁRIO TRATADO ELETROQUIMICAMENTE Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia Limeira - SP Programa de Pós-Graduação em Tecnologia AVALIAÇÃO AMBIENTAL DA FERTIRRIGAÇÃO DE EUCALIPTO COM PERCOLADO DE ATERRO SANITÁRIO TRATADO

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE FUNILARIAS

DIAGNÓSTICO PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE FUNILARIAS DIAGNÓSTICO PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS... 39 DIAGNÓSTICO PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE FUNILARIAS Elcio Eiti Maeda Graduando em Engenharia Ambiental, Departamento

Leia mais

Técnicas Empregadas na Remediação de Solos Contaminados

Técnicas Empregadas na Remediação de Solos Contaminados Técnicas Empregadas na Remediação de Solos Contaminados Anderson Fonini, José Waldomiro Jiménez Rojas Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

Leia mais