ESTUDO DE MOTORIZAÇÂO DE MECANISMOS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE MOTORIZAÇÂO DE MECANISMOS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES"

Transcrição

1 ESTUDO DE MOTORIZAÇÂO DE MECANISMOS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES Carlos Barreira Martinez * Edna Maria de Faria* Jair Nascimento Filho* Marcelo Giulian. Marques** *UFMG/CPH Universidade Federal de Minas Gerais/Centro de Pesquisas Hidráulicas Av. Antônio Carlos 6 227, CEP Belo Horizonte-M.G. -Brasil **UFRGS/IPH - Universidade Federal do Rio Grande do Sul / Instituto de Pesquisa Hidráulicas Av. Bento Gonçalves 9500, Porto Alegre 9500 RS - Brasil. RESUMO A instalação de mecanismos de transposição de peixes no Brasil foi impulsionada com a edição de leis estaduais que visam atenuar os impactos dos barramentos sobre os peixes de piracema. A Lei , de 09/04/1997, torna obrigatória a construção de mecanismos de transposição de peixes em barragem a ser edificada em curso d'água no domínio do Estado de Minas Gerais, exceto quando em virtude das características do projeto a medida for considerada ineficaz. Ainda de acordo com esta lei, as barragens já existentes têm o prazo de 5 anos para se adaptarem à legislação. Além da Lei , o artigo 20 o do Decreto , de 10/04/1997, determina que para o licenciamento ambiental de novas usinas hidrelétricas, é exigida a construção destes mecanismos. Entretanto em alguns casos, principalmente no caso de pequenos aproveitamentos hidrelétricos, esta parcela pode corresponder a um valor significativo, chegando a valores superiores a 20 % da vazão de turbinamento. Este trabalho apresenta um estudo de motorização dos sistemas de atração de peixes onde é analisada a possibilidade de turbinamento deste fluxo, avaliando-se as perdas energéticas e os tempos de retorno do investimento. Para isso, adotou-se os critérios de análise econômica e energética das pequenas centrais hidrelétricas (PCH s). 1. INTRODUÇÃO Considera-se, atualmente, que uma das principais causas da diminuição dos peixes em diversas partes do mundo se deve a implantação de barragens nos rios (Bernacsek 1984, Pavlov 1989, Petts 1989, Swales 1989, Welcomme 1989, Woynarovich 1991, Godinho 1993, Godinho & Godinho 1994, Swales 1994). Os peixes migradores, também conhecidos no Brasil, como de piracema, são um dos mais afetados pelas barragens. A migração, na sua forma mais simples, é o deslocamento do peixe da área de alimentação para a de desova e seu pos terior retorno, após a reprodução, para a área de alimentação. Para os peixes de piracema, o barramento constituí-se num obstáculo que impede o seu livre deslocamento entre as áreas de alimentação e de desova. Com o objetivo de se atenuar esse efeito negativo tem-se implantado mecanismos de transposição de peixes (MTP s) que permitam a passagem dos peixes pelas barragens. Alguns resultados

2 positivos tem sido verificados com a implantação de MTPs (e.g. Moffitt et al. 1982, Moring 1993 e Clay 1994). A operação dos MTP s no entanto significa uma perda de água pela calha de passagem do mesmo. Este volume pode ser considerado pequeno no caso de aproveitamentos de grande porte e grande no caso de pequenas centrais hidrelétricas. A fim de se identificar o impacto da implantação dos MTP s em um empreendimento hidrelétrico faz-se um estudo visando quantificar as perdas energéticas e a partir destas sugere-se alternativas para a sua minimização. Procura-se atuar basicamente no sistema de atração dos peixes fazendo com que parte da energia que será dissipada no sistema seja convertida em energia mecânica através de uma pequena unidade geradora. 2. TIPOS DE MECANISMOS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES Os dispositivos de transposição de peixes podem ser agrupados, segundo Clay (1994), em três categorias gerais: elevadores, eclusas e escadas. Elevadores são definidos como quaisquer dispositivos, tais como tanques movimentados por cabos, caminhões-tanque, tanques em planos inclinados e etc, que transportem por meio de equipamentos mecânicos os peixes de jusante para montante de uma barragem. As eclusas são dispositivos que consistem em uma câmara na qual o peixe entra ao nível de água de jusante a qual é enchida até que o nível da água no seu interior permita que o peixe nade para o reservatório. As escadas são geralmente constituídas de uma série de tanques em desníveis que conduzem água do reservatório para o canal de fuga. Os tanques são separados por defletores que têm como objetivo dissipar a energia do escoamento de modo a permitir o deslocamento dos peixes, de jusante para montante, nadando ou saltando de um tanque para outro. Entretanto para atrair os peixes para a região de entrada da escada é usual se utilizar de um fluxo de atração que é desviado do reservatório e que permite o direcionamento dos cardumes para dentro do mecanismo. O fluxo de atração corresponde, na maior parte das vezes, a uma pequena parcela da vazão afluente ao aproveitamento. A utilização de escadas pode ser considerada prática usual em desníveis inferiores a 10 m. Na faixa de 10 a 20 m, escadas, eclusas e elevadores podem ser utilizados. As eclusas são utilizadas geralmente para a transposição de desníveis não superiores a 40 m (Pavlov 1989). Os elevadores possibilitam a transposição em qualquer faixa de desnível. A eficiência do MTP reside, fundamentalmente, no conhecimento das características biológicas das espécies que o utilizarão. Tal conhecimento pode ser denominado de base biológica dos mecanismos de transposição e inclui diversos aspectos, tais como: (i) habilidades natatórias dos peixes, em termos de velocidades mínimas de atração e velocidades máximas capazes de serem superadas; (ii) padrões migratórios, compreendendo a distribuição temporal e espacial das diferentes espécies; (iii) comportamento no canal de fuga, particularmente a distribuição das diferentes espécies em função de características do escoamento (i.e. profundidade, velocidade, nível de turbulência, qualidade da água, temperatura, oxigênio dissolvido, luminosidade, dentre outros); e (iv) a capacidade dos peixes de localizarem o caminho de volta durante a migração para jusante. 3. PRINCÍPIOS DE UMA ESCADA DE PEIXES

3 As principais partes que compõem as escadas são: entrada, centro e saída. Chama-se de entrada o local por onde entram os peixes (equivalente à saída do fluxo de água) e de saída o local por onde os peixes saem (equivalente à entrada de água). O centro da escada é constituído de uma série de tanques separados por barreiras que controlam o nível de água nos tanques. A Figura 1 mostra um esquema de uma escada para peixes instalada em uma hidroelétrica. A entrada é talvez a parte mais importante da escada,rainey (1991). Fluxos muito turbulentos que provocam redemoinhos próximo à entrada podem confundir os peixes, dificultando a sua localização. Em locais onde a vazão de água da escada é pequena comparada com a do rio, uma quantidade de água suplementar pode ser necessária para aumentar a vazão e a velocidade do fluxo de água na entrada da escada e com isto melhorar a atração dos peixes. Essa água suplementar é conhecida como água de atração e é geralmente tomada próximo à saída da escada e solta, através de difusores, próxima a entrada. Entretanto para o caso de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH s) a água de atração, quando necessária, pode representar um valor significativo da vazão disponível, comprometendo o empreendimento como um todo, se considerarmos a redução da energia disponível. No caso de aproveitamentos maiores, mesmo representando um valor marginal esta "perda" de água e conseqüente redução de geração pode significar valores econômicos consideráveis, apesar de normalmente não comprometer a viabilidade do empreendimento. Saída da escada de peixes Casa de válvulas de controle de vazão Sistema de água de atração Sentido do fluxo de água Detalhe da casa de válvulas Entrada da escada de peixes Figura 1 - Exemplo de uma escada de peixes a ser instalada em uma Usina Hidrelétrica. 4. A ALTERNATIVA DE MOTORIZAÇÃO DE ESCADAS DE PEIXES

4 Para se estudar a motorização dos MTP s é necessário que se faça uma série de considerações iniciais, quais sejam: O sistema de motorização deve ser considerado como uma unidade de pequeno porte, onde as restrições de geração são devidas a componentes ambientais e portanto todo esquema de geração deve ser direcionado para respeitar estas limitações. O tempo de operação desta unidade deve ser igual ao tempo de operação do MTP s, assim nos cálculos do retorno do empreendimento deve -se levar em consideração esta limitação. Além disso deve-se levar em consideração que a PCH deve ser interligada ao parque gerador da usina se constituindo em uma geração marginal. No caso de PCH s este esquema de recuperação de energia pode assumir dimensões proporcionais elevadas e deve ser considerada como uma unidade complementar à usina. O esquema de um MTP s do tipo escada de peixes pode ser visualizado pela figura 2. Sabe-se que e alguns casos a va zão de atração pode chegar a valores seis vezes superior a vazão que passa pela calha da escada de peixes. Saída da escada de peixes Reservatório Canal da escada de peixes Entrada da escada de peixes Traçado do conduto forçado do sistema de atração de peixes Casa de válvulas de controle de vazão Figura 2 - Esquema de um MTP s do tipo escada de peixes A proposta deste trabalho visa a instalação de uma unidade geradora na região da casa de válvulas do MTP s de modo a controlar a vazão de atração através do controle de geração da máquina e não pelo acionamento das válvulas. O esquema da instalação proposta pode ser visto pela figura 3. Nesta figura pode -se notar que a unidade geradora descarrega a vazão turbinada na região do mecanismo de transposição de peixes destinado a receber a água de atração. Desta forma o fluxo de atração será mantido permitindo a sinalização, para os cardumes de peixes que estão subindo o rio, da entrada do mecanismo.

5 Grupo gerador acoplado no sistema de atração Canal de entrada da escada de peixes Figura 3 - Esquema de um grupo gerador acoplado ao sistema de atração da escada de peixes 5. CRITÉRIOS ADOTADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DOS ESTUDOS Para a definição dos parâmetros de dimensionamento da motorização do mecanismo de transposição de peixes é necessário se adotar uma série de critérios de análise para a avaliação do empreendimento. Diferentemente dos critérios adotados para análise de Pequena centrais hidrelétricas (PCH s), neste caso tem-se que a vazão máxima de projeto é a vazão de atração dos peixes. Além disso, deve-se levar em consideração que esta central geradora irá obedecer critérios de geração baseados na operação do MTP s e não nos critérios tradicionais 1, que normalmente norteiam os trabalhos e estudos de viabilidade de PCH s. Assim a unidade geradora irá operar como unidade de base frente ao sistema elétrico. A estimativa inicial de custos pode ser feita mediante uma metodologia proposta por MARTINEZ (1988, 1994) ou por aquela de Sant Ana (1983). Neste trabalho iremos utilizar a metodologia proposta por MARTINEZ (1988, 1994). O resultado deste exercício de determinação de custos e da energia gerada na usina indica a viabilidade da instalação doe uma unidade geradora de energia elétrica no visando o controle da vazão de atração no MTP s. O método consiste na realização da simulação da alternativa de motorização do MTP s até um valor de potência máxima proporcional a máxima vazão aduzida pelo sistema de atração de peixes. Desta forma pode-se identificar uma matriz que irá fornecer dados indicando quais os benefícios correspondentes para cada índice de motorização do MTP s. É importante citar que para motorizações inferiores à vazão máxima de atração ter-se-á obrigatoriamente um sistema 1 Sant'Ana, (1983), Mínimo índice custo/benefício; Máximo benefício líquido; Máximo aproveitamento energético; Máxima taxa interna de retorno.

6 auxiliar para complementar a vazão de atração do mecanismo. O benefício corresponde à energia firme gerada para cada alternativa de motorização será valorado pelo custo marginal de expansão do sistema local, no nível de tensão imediatamente superior ao da interligação da central com o sistema. Esta valoração considera que toda energia gerada pela unidade será consumida em um nível de tensão não superior ao de interligação. Uma vez gerada a matriz para cada alternativa, seleciona-se aquela que apresentar o Índice Custo-Benefício próximo de 1. O beneficio liquido anual (BLA), associado a uma dada usina, pode ser calculado através da equação 1, dada a seguir: BLA = ( TE * E * 8760 ) Cu COM. (1) sendo: TE = tarifa média de energia, em US$/kWh; E = energia gerada anualmente pela unidade geradora, em quilowatt hora médio; Cu = custo total da motorização do MTP s, em US$; i = a taxa anual de juros; n = a vida útil econômica da central em anos ; e COM = custo anual de operação e manutenção da usina em US$. Sugere-se que se, pesquise taxas de juros que variaram de 10% a 30% a.a. e períodos de retorno do investimento de 5 a 30 anos. A adoção desta faixa se deve ao fato de se procurar mapear uma ampla faixa de alternativas deixando a decisão a encargo de uma análise posterior. Um fator que deve ser levado em consideração para a contabilização do benefício liquido da central é a produtividade da Usina para cada altura de operação. Isto se deve ao fato de em alguns aproveitamentos se ter um deplecionamento considerável do reservatório durante a operação da usina no período crítico. 6. ESTUDO DE CASO DE MOTORIZAÇÃO DE UM MTP s. De forma a ilustrar melhor a proposta deste trabalho será apresentada uma simulação sobre a motorização de um mecanismo de transposição de peixes instalado em uma usina hidrelétrica. O MTP s em questão tem as características apresentadas na tabela 1. Tabela 1 - Características do sistema de atração de peixes Tipo de estrutura Características Extensão da tubulação 300 (m) Tipo de válvula Borboleta Tipo de grupo gerador Francis / Síncrono Desnível 20 (m) Vazão de projeto 6,5 m 3 /s

7 A estimativa inicial da capacidade instalada e da energia gerada foi baseada nas alturas de quedas disponíveis, na vazão afluente ao aproveitamento e nas variações possíveis da taxa de retorno e vida útil. A altura de queda adotada inicialmente foi de 20 m. A adoção do desnível máximo como queda de projeto em uma primeira análise visa verificar a viabilidade do empreendimento sob a melhor condição de queda. Caso se tenha um indicativo de viabilidade sob esta hipótese deve -se fazer novas simulações para as diversas alturas disponíveis considerando-se as variações sazonais do nível do reservatório da usina.. Admite-se uma perda de carga inicial variando até um máximo de 3% no sistema de adução do grupo gerador. Desta forma, pode-se chegar ao equacionamento hidráulico e a otimização geral do sistema como um todo. O tempo de operação médio do mecanismo de transposição de peixes considerado é de 300 dias por ano. Assim tem-se uma operação anual de 7200 horas. A forma de funcionamento do sistema elétrico adotada considera que o grupo gerador instalado irá operar sempre como usina de base. O rendimento médio do grupo gerador / sistema de adução considerado foi de 83%. A estimativa inicial de custos foi efetuada a partir do programa computacional de um modelo de simulação de custos de usinas, parametrizado a partir de um conjunto de UHE s representativas do nível de tecnologia aplicado ao caso considerado. Com esse modelo é possível selecionar alternativas de motorização baseado no critério de tarifa de energia adotada como ponto de corte para análise. Assim, adotou-se o valor de R$ 42,96/MWh para o patamar de base. O resultado desta simulação está apresentada na tabela 2. Pode-se observar pela análise da tabela 2 que a motorização do MTP s apresenta as seguintes características: Mantendo-se a queda de projeto em 20 metros o aproveitamento se apresenta viável nas condições adotadas para o estudo, com as seguintes potências instaladas: 1060 kw para taxas de juros variando de 10 a 16% a/a e de 10 a 30 anos de período de retorno. 980 kw para taxas de juros variando de 10 a 20% a/a e de 10 a 30 anos de período de retorno. 900 kw para taxas de juros variando de 10 a 20% a/a e de 10 a 30 anos de período de retorno. A partir destes resultados deve-se iniciar uma simulação de geração incorporando a variação de nível do reservatório. Esta simulação indicar alternativas de motorização / taxas e tempos de retorno mais precisas, permitindo uma tomada de decisões mais segura. De modo geral procedendo-se a análise dos resultados da simulação chega-se a conclusão preliminar que a faixa de potência para a motorização do MTP s deve ficar entre 900 e 1100 kw.

8 Tabela 2 - Custos de energia gerada para as alternativas de motorização do MTP s Potência custo unitário Custo Total custo de energia gerada R$/Kwh (kw) R$/Kw R$ tempo de análise , , , , , , , , , ,00 taxa anual 16 0, , , % 18 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 taxa anual 16 0, , , % 18 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 taxa anual 16 0, , , % 18 0, , , , , , , , , , , , CONSIDERAÇÕES FINAIS A implantação de mecanismos de transposição de peixes tem esbarrado em uma resistência do meio técnico baseada na afirmação que estes irão reduzir as taxa interna de retorno dos empreendimentos. Entretanto este fato, apesar de correto, não pode ser utilizado como alegação para a não implantação destes sistemas uma vez que existe um dispositivo legal, no Estado de Minas Gerais, que regulamenta e obriga a sua implantação. Assim alguns MTP s certamente serão implantados em diferentes cursos da água do estado. Considerando-se que os novos aproveitamentos hidroelétricos tendem a ser de menor queda (uma vez que os de mais alta queda, via de regra, já foram implantados) acredita-se que no Brasil as escadas de peixes serão os mecanismos a serem adotados inicialmente em maior quantidade (Martinez 2000). A proposta apresentada neste trabalho visa iniciar uma discussão sobre a possibilidade de se implantar sistemas recuperadores de energia em usinas hidrelétricas de modo a permitir que os mecanismos de transposição de peixes possam ser instalados sem representar no

9 entanto um salto em termos de custo de energia gerada pelas mesmas. Este fato é necessário para permitir o aproveitamento econômico dos potenciais residuais sem causar um impacto ambiental de proporções difíceis de se prever com os dados atualmente disponíveis. Sugere-se a ampliação destes estudos visando a formulação de arranjos básicos que permitam a redução nos custos de implantação destes grupos geradores fornecendo uma alternativa factível para a implantação dos MTP s no País reduzindo o impacto da geração hidrelétrica sobre a vida aquática. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Bernacsek, G.M. Guidelines for dam design and operation to optimize fish production in impounded river basins. CIFA Tech. Pap., 11: 98p., Clay, C.H. Design of fishways and other fish facilities. (2nd ed). Boca Raton, Lewis, p. Godinho, A.L. E os peixes de Minas em 2010? Ciência Hoje, 16(91): 44-49, Godinho, H.P. & Godinho, A.L. Fish communities in southeastern Brazilian river basins submitted to hydroelectric impoundments. Acta Limnologica Brasiliensia, 5: , Ma rtinez, C.B., Pré-dimensionamento de Pequenas Centrais Hidrelétricas. Tese de mestrado, EFEI, Itajubá, Minas Gerais, Martinez, C.B. As interações entre o planejamento e o projeto de usinas hidrelétricas. O caso das PCH's no Brasil. Tese de doutorado, UNICAMP,1994. Martinez, C.B; Junho R. A. C.; Godinho A. L. ; Macedo A.A. " Mecanismos de Transposição de Peixes". II Simpósio Brasileiro Sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas. Canela, Rio Grande do Sul, Brasil Moffitt, C. M.; Kynard, B. & Rideout, S. G. Fish passage facilities and anadromous fish restoration in the Connecticut river basin. Fisheries, 7(6): 2-11, Moring, J. R. Anadromous stocks. In: Kohler, C.C. & Hubert, W. A. (eds). Inland fisheries management in North America. Bethesda: Maryland, American Fisheries Society, p Pavlov, D.S. Structures assisting the migrations of non-salmonid fish: USSR. FAO Fisheries Technical Paper, 308: 97p., Petts, G.E. Perspectives for ecological managemente of regulated rivers. In: Gore, J.A. & Petts, G.E. (eds). Alternatives in regulated river management. Boca Raton, CRC, p.3-24.

10 Rainey, W. S. Recent Adult fish passage projects on tributaries of Columbia River. American Fischeries Society Symposium. pp , Sant'Ana, R.F. - Assessing the Feasibility of Small Hydroelectric Power Plants. Tese de doutorado. Colorado State University. Fort Collins. Colorado 1983 Swales, S. Habitat restoration methods a synthesis. In: Cowx, I.G. Rehabilition of freshwater fisheries. Oxford, Fishing News Books, p Swales, S. The use of instream habitat improvement methodology in mitigating the adverse effects of river regulation on fisheries. In: Gore, J.A. & Petts, G.E. (eds). Alternatives in regulated river management. Boca Raton, CRC, p Welcomme, R.L. Floodplain fishereis management. In: Gore, J.A. & Petts, G.E. (eds). Alternatives in regulated river management. Boca Raton, CRC, p Woynarovich, E. The hydroelectric power plants and the fish fauna. Verh. Internat. Verein. Limnol., 24: , 1991.

XXI CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA SÃO PEDRO, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, OCTUBRE, 2004

XXI CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA SÃO PEDRO, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, OCTUBRE, 2004 Obras HidráulicasMonferrer IAHR AIPH XXI CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA SÃO PEDRO, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, OCTUBRE, 2004 A POSSIBILIDADE DE RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUA DE ATRAÇÃO DO ELEVADOR

Leia mais

COMPARAÇÃO DA DISSIPAÇÃO DE ENERGIA NA ESCADA DE PEIXES DO TIPO RANHURA VERTICAL COM DUAS FORMAS CONSTRUTIVAS DE TANQUES

COMPARAÇÃO DA DISSIPAÇÃO DE ENERGIA NA ESCADA DE PEIXES DO TIPO RANHURA VERTICAL COM DUAS FORMAS CONSTRUTIVAS DE TANQUES COMPARAÇÃO DA DISSIPAÇÃO DE ENERGIA NA ESCADA DE PEIXES DO TIPO RANHURA VERTICAL COM DUAS FORMAS CONSTRUTIVAS DE TANQUES Edna Maria de Faria Viana 1 & Carlos Barreira Martinez 2 RESUMO --- Os peixes migradores

Leia mais

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES EM BARRAGENS DE RIOS CASO DA

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2015 PROJETO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA ALTEAMENTO DO NIVEL NOMAL DO RESERVATÓRIO DO CIPÓ E AMPLIAÇÃO DAS USINAS BORTOLAN E VÉU DAS NOIVAS 1 - INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JANEIRO/ 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. MECANISMO DE PAGAMENTO... 1 3. REAJUSTES... 4 APÊNDICE 1... 6 CONSIDERAÇÕES SOBRE CGH E PCH... 6 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES DA CEMIG

GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES DA CEMIG Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO: XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS. Gramado, RS, de 5 a 8 de Outubro de 1998 SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV SISTEMA DE INVENTÁRIO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS- SINV Jorge M.Damazio 1, Fernanda da S. Costa 1, Fernando P. das Neves 1 Resumo - Este trabalho descreve as principais características do software SINV 3.1

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL Programa de Transposição da Ictiofauna CONTROLE DE REVISÃO CÓDIGO REVISÃO DATA P00.SM-025/14 00 30/01/2014 P00.SM-025/14 01 30/04/2014 P00.SM-025/14 02 08/10/2014

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 2 Centrais hidrelétricas Lineu Belico dos Reis Geração hidrelétrica e os outros usos da água Aspectos básicos de hidrologia e regularização de vazões Tecnologias e

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Viabilidade Econômica em Barragens de Concreto pela Ferramenta de Regresão Multivariável para Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétrica (PCH)

Viabilidade Econômica em Barragens de Concreto pela Ferramenta de Regresão Multivariável para Implantação de Pequenas Centrais Hidrelétrica (PCH) Energia 2030: Desafios para uma nova Matriz Energética 08 a 10 de setembro de 2010 São Paulo - SP Viabilidade Econômica em Barragens de Concreto pela Ferramenta de Regresão Multivariável para Implantação

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Complexo hidroelétrico de Lajes sub-sistema Paraíba Piraí Câmara de Válvulas Usina Elevatória de Vigário ( altura 35 m) Reservatório

Leia mais

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO

AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO 1!" AULA PRÁTICA 9 CARNEIRO HIDRÁULICO I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também chamado bomba de aríete hidráulico, balão de ar, burrinho, etc., foi inventado em 1796 pelo cientista francês Jacques

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos Hidráulica e Saneamento SHS0103 - Máquinas Hidráulicas. Pequenas Centrais Hidrelétricas

Escola de Engenharia de São Carlos Hidráulica e Saneamento SHS0103 - Máquinas Hidráulicas. Pequenas Centrais Hidrelétricas Escola de Engenharia de São Carlos Hidráulica e Saneamento SHS0103 - Máquinas Hidráulicas Pequenas Centrais Hidrelétricas Caio de Campos Ferreira 3653842 Daniel Gomes Pancieri 3691605 Luis Henrique da

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

ANDRITZ Atro Turbinas helicoidais

ANDRITZ Atro Turbinas helicoidais ANDRITZ Atro Turbinas helicoidais www.andritz.com ANDRITZ Atro Turbinas Helicoidais Efi cientes, robustas e ambientalmente sustentáveis Você pessoa física ou jurídica ou alguma autoridade local é detentor

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA DE GRANDES CONSUMIDORES COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA DE GRANDES CONSUMIDORES COMERCIAIS DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALESSANDRO FREDERICO SILVESTRI VINÍCIUS GARCIA TAKASAKI ANÁLISE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel.

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Aluno: Claudecir Ricardo Biazoli, RA: 038074. Orientador: Fernando Iikawa Sumário: 1- Introdução 3 2- Importâncias didática

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. marcelle@furnas.com.br FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. USINAS HIDRELÉTRICAS marcelle@furnas.com.br GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS DO SETOR ELÉTRICO HIDROELETRICOS CGH PCH UHE Potência Instalada < = 1,0 MW 1,0 MW

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica

Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Existem diversas maneiras de se gerar energia elétrica. No mundo todo, as três formas mais comuns são por queda d água (hidroelétrica), pela queima

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Gabarito. Construindo no presente um futuro melhor. Unidade 2

Gabarito. Construindo no presente um futuro melhor. Unidade 2 Gabarito Construindo no presente um futuro melhor Unidade 2 Curso: Ensino Médio Disciplina: Física Capítulo Página 81 1. a) Petróleo, quase 0% da produção mundial. b) Hidoelétrica, quase %. c) Como o Brasil

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia

Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia Há clareza no futuro da micro e minigeração fotovoltaica? Bruno Moreno, FGV Energia Rafael Nogueira, FGV Energia 1 MOTIVAÇÃO Geração Descentralizada é uma realidade em muitos países; É apontada como o

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Programa Peixe Vivo - Cemig

Programa Peixe Vivo - Cemig Programa Peixe Vivo - Cemig 4º Seminário Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais. 40 anos Uma Trajetória Ambiental no Setor Elétrico Vasco Campos Torquato Novembro 2014 Com muito orgulho

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP

AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS UNICAMP GOP / 3 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) AVALIAÇÃO DA ENERGIA SECUNDÁRIA DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Marcelo Augusto

Leia mais

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS Nome: n o MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS - OBJETIVO Consolidar o conceito de perda de carga a partir do cálculo das perdas localizadas em uma tubulação. - PERDA DE CARGA LOCALIZADA Na prática,

Leia mais

PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais. Marcos Cabral

PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais. Marcos Cabral Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 PCHs: Aspectos Regulatórios e Comerciais Marcos Cabral Definição

Leia mais

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica 57 9 Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica Neste capítulo será apresentada a metodologia utilizada para análise

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Oportunidades de eficiência energética em motores e em acionadores de velocidade ajustável (AVAs)

Oportunidades de eficiência energética em motores e em acionadores de velocidade ajustável (AVAs) 54 Capítulo II Oportunidades de eficiência energética em motores e em acionadores de velocidade ajustável (AVAs) Por Antonio Sergio Alves de Lima* Na edição anterior foram abordadas as perspectivas de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação

14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação 14º Congresso Brasileiro de Mineração O Papel do Órgão Ambiental, como Fiscalizador da Aplicação da Nova Legislação Rosangela Gurgel Machado Diretora de gestão de Resíduos Deliberação Normativa COPAM n.º

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Sumário Em março de 2015, a Itaú Asset Management publicou um white paper em que traçava o panorama da situação hídrica brasileira e da dependência

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos

A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos SEMINÁRIO DE GESTÃO DO USO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SANEAMENTO (ELETROBRÁS, 25 a 26 de Março de 2013) A Utilização de Bombas Funcionando como Turbinas (BFTs) em Pequenos Aproveitamentos Hidráulicos Prof.

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Bibliografia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Prentice Hall, 007. Equação da Energia em Regime Permanente com

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015.

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015. Geração de Energia Elétrica por Meio de Fonte Eólica: Simulação do desempenho de dois aerogeradores de pequeno porte com perfis aerodinâmicos diferentes Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil São

Leia mais

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5 MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5.1 MODELOS HIDROLÓGICOS PREVISÃO DE VAZÕES E GERAÇÃO DE CENÁRIOS NO ONS A previsão de vazões semanais e a geração de cenários hidrológicos

Leia mais

MODERNAS PRÁTICAS DE PROJETO

MODERNAS PRÁTICAS DE PROJETO AUTORES Palestrante: Eng Bruno Luiz Castro Martins Eng José Bernardino Botelho Eng José Henrique Rodrigues Lopes Eng Marcelo Miranda Botelho Eng Nathanael Villela de Ávila INTRODUÇÃO Os avanços nas tecnologias

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA Artigo referente à dissertação apresentada à Escola Politécnica da

Leia mais

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná

Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná Procedimentos de licenciamento ambiental para implantação de Empreendimentos Hidrelétricos no Paraná 1 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução Conjunta SEMA/IAP n 09 de 03 de novembro de 2010; Resolução Conjunta

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

II Fórum Técnico - "Matriz Energética Brasileira" Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões. Bloco Categoria Subcategoria

II Fórum Técnico - Matriz Energética Brasileira Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões. Bloco Categoria Subcategoria Bloco Categoria Subcategoria II Fórum Técnico - "Matriz Energética Brasileira" Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões 1. O empreendimento em geral 1.1. Materialização do empreendimento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais