RadarInovação-Fevereirode2011. MariaCarolinaRocha,ManuelaSoareseKarenCassoni

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RadarInovação-Fevereirode2011. MariaCarolinaRocha,ManuelaSoareseKarenCassoni"

Transcrição

1 RadarInovação-Fevereirode2011 MariaCarolinaRocha,ManuelaSoareseKarenCassoni

2 UM OLHAR DA INVENTTA: A EFICIÊNCIA DOS MECANISMOS DE FOMENTO À INOVAÇÃO NO BRASIL Uma demonstração da evolução dos investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) e uma avaliação da eficiência das principais ferramentas disponibilizadas pelo governo para incentivar estas atividades

3 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objetivo demonstrar a evolução dos investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I) bem como avaliar a eficiência das principais ferramentas disponibilizadas pelo governo para incentivar os gastos com estas atividades. Como principal fonte de dados, foram utilizados o Relatório da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC 2008) e o Relatório de utilização dos Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica, publicado anualmente pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), além de pesquisas nos sítios da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). 2. CONTEXTO ATUAL A inovação é hoje uma das diretrizes fundamentais no desenvolvimento do Brasil, tendo em vista estar diretamente relacionada ao desenvolvimento sócio econômico do país. Tanto o é que diversas são as políticas públicas para se incentivar a promoção da inovação em seus principais agentes: universidades, instituições de pesquisa e empresas. A inovação é hoje uma das diretrizes fundamentais no desenvolvimento do Brasil, tendo em vista estar diretamente relacionada ao desenvolvimento sócio econômico do país. Dentre os diversos movimentos realizados pelo governo, destacamos a criação de mecanismos de fomento, tais como incentivos fiscais, subvenção econômica, financiamentos com juros baixos, entre outros, que são vistos como mecanismos de compartilhamento dos riscos inerentes às atividades de inovação, já que há o subsídio (direta ou indiretamente) dos investimentos com a mesma. Os diversos mecanismos existentes podem ser agrupados da seguinte forma: Figura 1 Representação mecanismos de fomento Apoio Indireto Incentivos Fiscais Apoio Direto Captação de Recursos Financiamento não reembolsável (+) Receita Aumento dos investimentos em PDI Cooperação Universidade - Empresa Subvenção econômica (-) CPV (-) Despesas (=) LAIR (-) IR/CSLL (=) Lucro Líquido Recursos Humanos para P,D,I Financiamento reembolsável Redução da carga tributária sobre as Recursos financeiros para financiar as atividades de P&D atividades de P&D Fonte: Inventta 2010 Neste contexto, segundo dados do Sistema de Contas Nacionais (SCN) do IBGE, o Brasil esta vivendo um cenário favorável às decisões de investimento em inovação por parte do empresariado, devido ao constante crescimento da economia desde 2006, apesar da crise econômica mundial de Pesquisa realizada pelo IBGE, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) com o objetivo de fornecer informações para a construção de indicadores das atividades de inovação tecnológica das empresas brasileiras.

4 Comprovando este bom cenário, verifica-se na PINTEC , que as empresas brasileiras inovadoras passaram de 95,3 mil em 2005 para 106,8 mil em 2008, sendo maior ainda o crescimento entre aquelas que implementaram produto e/ou processo novo ou substancialmente aprimorado, que hoje representa 41,3 mil (era 32,8 mil), resultando no aumento na taxa de inovação, que passou de 34,4% para 38,6%. O Brasil esta vivendo um cenário favorável às decisões de investimento em inovação por parte do empresariado. As empresas brasileiras inovadoras passaram de 95,3 mil em 2005 para 106,8 mil em Segundo a pesquisa, em 2008 foram despendidos com inovação 3 R$54,1 bilhões (31% a mais que em 2005), sendo que deste valor 66% (R$35,8 bilhões) corresponde a empresas com mais de 500 funcionários, ou seja, grandes empresas. Além do mais, verifica-se que os dispêndios com inovação correspondem a apenas 2,9% do faturamento líquido das empresas, indicador que é praticamente o mesmo desde 2005 (era de 3%). Ainda em relação aos dispêndios com inovação observa-se que quase a metade (45%) está relacionada à aquisição de máquinas e equipamentos. Isso mostra que o padrão de inovação continua baseado no acesso ao conhecimento através da incorporação de máquinas e equipamentos, fato que pode ser comprovado, ainda, pelo baixo percentual de investimento em atividades internas de P,D&I, que corresponde a 28% dos gastos (0,8% do faturamento das empresas), conforme o gráfico abaixo: Figura 2 - Identificação dos gastos com Inovação conforme a atividade inovativa 4 O padrão de inovação continua baseado no acesso ao conhecimento através da incorporação de máquinas e equipamentos, fato que pode ser comprovado, ainda, pelo baixo percentual de investimento em atividades internas de P,D&I. Fonte: PINTEC 2008 Segundo a PINTEC 2008, entre os dez setores que se destacaram com as maiores proporções de gasto em atividades inovativas sobre faturamento, três compõem serviços e os outros sete são indústrias, conforme 2 A referência conceitual e a metodológica da PINTEC 2008 é baseada na terceira edição do Manual Oslo (OSLO..., 2005). Seguindo tais referências, as informações da PINTEC continuam concentrando- se na inovação de produtos e processos, porém incorpora em seu escopo a inovação organizacional e a de marketing. 3 Segundo a PINTEC 2008, são contabilizados os gastos realizados nas inovações implementadas e nos projetos em andamento e abandonados 4 Segundo a PINTEC 2008, as atividades que as empresas empreendem para inovar são de dois tipos: Pesquisa e Desenvolvimento - P&D (pesquisa básica, aplicada ou desenvolvimento experimental); e outras atividades não relacionadas com P&D, envolvendo a aquisição de bens, serviços e conhecimentos externos.

5 demonstrado no gráfico abaixo: Figura 3 - Identificação dos setores com os maiores gastos em atividades inovativas Fonte: PINTEC 2008 Em relação à origem dos recursos para financiamento das atividades de P,D&I, pode-se perceber no gráfico abaixo que 76% das empresas estão utilizando recursos próprios para custear tais atividades, percentual considerável para um país onde há uma política de apoio a tais atividades. Figura 4 Fontes de financiamentos das atividades de P,D&I 76% das empresas estão utilizando recursos próprios para custear atividades de P&D&I, percentual considerável para um país onde há uma política de apoio a tais atividades. Fonte: PINTEC 2008 A seguir será apresentada uma breve explicação sobre os principais mecanismos de fomento disponíveis hoje para apoio à inovação: Incentivos Fiscais, Subvenção Econômica e outros mecanismos de fomento para P,D&I, bem como uma análise quanto à eficiência dos mesmos para a promoção da inovação no país. 3. MECANISMOS DE FOMENTO À INOVAÇÃO 3.1 Incentivos Fiscais Os incentivos fiscais à inovação tecnológica, em síntese, são mecanismos de renúncia fiscal por meio dos quais o governo vem apoiar indiretamente os investimentos nas atividades de P,D&I pelas empresas. Estes foram introduzidos no Brasil em 1993 por meio da Lei nº 8.661, que regulava o

6 chamado PDTI (Programa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial). Os novos incentivos foram regulamentados pela Lei /2005 ( Lei do Bem ) que em seu Capítulo III instituiu os incentivos a inovação tecnológica, revogando, portanto, o antigo mecanismo legal de renúncia fiscal, o PDTI. Dedutibilidade dos dispêndios Exclusão Adicional 60% a 100% Contratos com ICTs exclusão de 50% a 250% IRRF Depreciação/ Amortização Redução IPI Figura 5 - Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica ü Dedução dos dispêndios nacionais e classificáveis como despesas operacionais ü Exclusão do Lucro Real e da base de cálculo da CSLL dos dispêndios com atividades de inovação ü Exclusão do Lucro Real e da base de cálculo da CSLL dos dispêndios com atividades de inovação a serem executadas por ICTs ü Redução a zero da alíquota de IRRF sobre remessas para o exterior para registro ou manutenção de marcas e patentes ü Depreciação integral de máquinas e equipamentos utilizados para P,D&I ü Amortização Acelerada para bens intangíveis ü Redução de 50% do IPI incidente sobre máquinas e equipamentos utilizados para P,D &I Em 2004 foi publicada a Lei nº , também conhecida como Lei de Inovação, que dispõe principalmente sobre mecanismos de estímulo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo brasileiro. Tal lei trouxe a previsão de criação de incentivos fiscais para a inovação nas empresas. Os novos incentivos foram regulamentados pela Lei /2005 ( Lei do Bem ) que, em seu Capítulo III, instituiu os incentivos à inovação tecnológica, revogando, portanto, o antigo mecanismo legal de renúncia fiscal, o PDTI. Pode-se perceber a crescente adesão das empresas à Lei do Bem, que passou de 130 cadastramentos em 2006 para 635 em 2009, sendo que o número das beneficiárias passou de 130 a 542. Os novos incentivos mostraram-se bem mais abrangentes e de aplicação mais direta do que o PDTI, uma vez que, além de trazer uma maior recuperação para as empresas de seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, também dispensou a prévia aprovação junto ao MCT dos projetos a serem beneficiados, o que era obrigatório pela antiga legislação. O regime da Lei n /2005 estabelece incentivos fiscais aplicáveis à pessoa jurídica que declare seu Imposto de Renda pela modalidade de lucro real e que desenvolva, por si ou mediante associações com entidades públicas e privadas, atividades em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação. A tabela acima resume quais os incentivos fiscais previstos para apoio às atividades de inovação tecnológica. Analisando o número de organizações que se beneficiaram da Lei do Bem, desde a sua criação, pode-se perceber a crescente adesão das empresas, que passou de 130 cadastramentos, em 2006, para 635, em 2009, sendo que o número das beneficiárias passou de 130 a 542, conforme figura a seguir.

7 Figura 6 - Número de empresas beneficiárias da Lei do Bem Fonte: Relatório MCT 2009 Análise Inventta A Subvenção Econômica é um instrumento de estímulo à inovação tecnológica mediante o qual o governo, por intermédio das agências de fomento de ciência e tecnologia (FINEP), concede recursos não reembolsáveis (não precisam ser devolvidos) às empresas de qualquer porte para a realização de atividades de P,D&I. Em relação aos dispêndios de custeio com P,D&I, a partir do gráfico abaixo pode-se perceber que houve um aumento entre os anos de 2006 e Entretanto, para o ano de 2009, houve uma redução de 24% e, consequentemente, uma diminuição do valor dos benefícios fiscais tomados. Figura 7 - Dispêndios de custeio x Benefícios fiscais - Milhões Fonte: Relatório MCT 2009 Análise Inventta

8 3.2 Captação de Recursos Subvenção Econômica Analisando a distribuição dos recursos por ano e por porte, verifica-se que as micro e pequenas empresas, consequentemente, ficam com a maior partes dos valores contratados. A Subvenção Econômica é um instrumento de estímulo à inovação tecnológica mediante o qual o governo, por intermédio das agências de fomento de ciência e tecnologia (FINEP), concede recursos não reembolsáveis (não precisam ser devolvidos) às empresas de qualquer porte para a realização de atividades de P,D&I. O marco-regulatório que viabiliza a concessão de subvenção econômica foi estabelecido a partir da aprovação da Lei de Inovação e da Lei do Bem. A tabela a seguir resume as subvenções econômicas quanto à sua abrangência. Subvenção da remuneração de pesquisadores Subvenção da Lei da Inovação Subvenção da Lei do Bem Figura 8 - Abrangência Subvenção Econômica ü Destinada ao ressarcimento de parte do valor da remuneração de pesquisadores titulados como Mestres ou Doutores que venham a ser contratados ü Cobertura das despesas de custeio das atividades de inovação, incluindo pessoal, matérias primas, serviços de terceiros patentes e, ainda, despesas de conservação e adaptação de bens imóveis com destinação específica para inovação ü Custeio das atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico de produtos e processos inovadores nas empresas nacionais Observa-se no gráfico abaixo que as empresas que tiveram o maior número de propostas contratadas de subvenção econômica de 2006 a 2009 foram às micro e pequenas empresas. Figura 9 - Número de contratos de Subvenção por ano do Edital e Porte Sem Faturamento Micro e Pequenas Médias Grandes Fonte: Relatório FINEP Perfil das empresas apoiadas pelo programa de subvenção econômica 2006 a 2009 Análise Inventta Analisando a distribuição dos recursos por ano e por porte, verifica-se que as micro e pequenas empresas, consequentemente, ficam com a maior partes dos valores contratados, com exceção do ano de 2006, onde as grandes empresas foram as maiores beneficiárias.

9 Figura 10 - Valor dos contratos de Subvenção por Ano do Edital e Porte Milhões 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 Sem Faturamento Micro e Pequenas Médias Grandes 50,00 O faturamento médio das empresas representou um crescimento de 65,94%. Embora todas as empresas tenham declarado que concluíram o projeto apoiado, mais da metade delas não obteve ainda receita proveniente do projeto subvencionado Fonte: Relatório FINEP Perfil das empresas apoiadas pelo programa de subvenção econômica 2006 a 2009 A FINEP realizou em 2009 um evento que teve como objetivo a avaliação da contribuição do Programa de Subvenção Econômica para a inovação nas empresas brasileiras e o desenvolvimento nacional. Para essa primeira análise foram convidadas as empresas cujos projetos haviam recebido integralmente os recursos até setembro de Haviam, nessa posição, 27 projetos. Destes, 22 foram contratados no edital de 2006 e 5 no de Abaixo algumas conclusões constantes neste relatório a respeito dos resultados da Subvenção Econômica: O faturamento médio das empresas representou um crescimento de 65,94%; Embora todas as empresas tenham declarado que concluíram o projeto apoiado e, em sua maioria, tenham apresentado crescimento do faturamento, mais da metade delas não obteve ainda receita proveniente do projeto subvencionado. Isto significa que o incremento do faturamento veio de algum outro produto/prestação de serviços de que a empresa já dispunha; Todas as empresas declararam darem continuidade às atividades de P,D&I, sendo que 91% destas destinam usualmente um percentual do faturamento às atividades de P,D&I; 58% das empresas declararam utilizar outras fontes de financiamento às atividades de P,D&I, tais como recursos próprios, de terceiros, de agentes públicos ou privados, além da Subvenção Econômica; Analisando a relação entre o valor concedido a título de Subvenção Econômica e os gastos das empresas em P&D, chegou-se a 51%, significando assim que os gastos das empresas em P,D&I têm magnitude equivalente ao valor concedido na Subvenção; Diversas empresas reportaram que ter recebido a Subvenção viabilizou novos negócios por passar a caracterizar a empresa como inovadora, não necessariamente tendo se traduzido em vendas oriundas do projeto subvencionado; Algumas empresas relataram que, com a utilização das linhas da FINEP, passaram a compreender a importância de ter foco no negócio e na estratégia empresarial. Por outro lado, outras investiram em projetos fora de seu foco de negócio e não sabem como transformar em receita o que desenvolveram, pois se tratam de mercados desconhecidos para elas;

10 3.2.2 Outros mecanismos de fomento para P,D&I Além dos incentivos fiscais à inovação tecnológica e da subvenção econômica, diversos são os financiamentos oferecidos pelo governo federal através da FINEP, BNDES e outros órgãos com o objetivo de contribuir para o incremento das atividades de P,D&I realizadas pelas empresas brasileiras e instituições de pesquisa, dando suporte à Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do Governo Federal. Abaixo damos exemplos de alguns financiamentos disponibilizados pela FINEP e BNDES: Figura 11 - Exemplos de Financiamentos Analisando os recursos liberados pelo BNDES, verifica-se que este superou sua meta interna de desembolsos para inovação em No total, R$ 1,4 bilhão foi liberado para 274 empresas, valor 144% superior ao total de desembolsos de Não Reembolsável - FINEP Financiamento com encargos reduzidos - FINEP Financiamento com juro real zero - FINEP Capital Inovador - BNDES Linha Inovação Produção - BNDES Inovação Tecnológica (Foco no Projeto) - BNDES Cartão BNDES ü Consiste em apoio financeiro oferecido pelo Governo Federal, concedido a instituições públicas ou organizações privadas sem fins lucrativos, para a realização de projeto de pesquisa científica, tecnológica ou de inovação e, ainda, para a realização de estudos ou de eventos e seminários, voltados ao intercâmbio de conhecimento entre pesquisadores ü Constitui-se de financiamento com encargos reduzidos para a realização de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação de bens, serviços ou para capacitação tecnológica de empresas brasileiras ü Modalidade de financiamento para apoio a projetos desenvolvidos por micro e/ou pequenas empresas inovadoras, que representem uma inovação em seu setor de atuação, seja nos aspectos comerciais, de processo ou de produtos/serviços ü Apoio a empresas no desenvolvimento de capacidade para empreender atividades inovativas em caráter sistemático, por meio de investimentos tanto nos capitais intangíveis quanto nos tangíveis, incluindo a implementação de centros de pesquisa e desenvolvimento. ü Apoio a pesquisa e desenvolvimento ou inovação que apresentem oportunidade comprovada de mercado ou a projetos de investimentos que visem à modernização da capacidade produtiva necessária à absorção dos resultados do processo de pesquisa e desenvolvimento ou inovação ü Apoio a projetos de inovação de natureza tecnológica que busquem o desenvolvimento de produtos e/ou processos novos ou significativamente aprimorados (pelo menos para o mercado nacional) e que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado ü Para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) que pretendam investir em inovação, crédito a ser usado para financiar a contratação de serviços de pesquisa aplicada, desenvolvimento e inovação (P,D&I) voltados ao desenvolvimento de produtos e processos Analisando os recursos liberados pelo BNDES, verifica-se que este superou sua meta interna de desembolsos para inovação em No total, R$ 1,4 bilhão foi liberado para 274 empresas, valor 144% superior ao total de

11 desembolsos de 2009 e maior que a expectativa do banco para o ano, de chegar a R$ 1 bilhão. Abaixo, apresentamos uma tabela contendo a evolução dos desembolsos do BNDES por Programas/Linhas Operacionais/Produtos. Figura 12 - Evolução dos desembolsos do BNDES em 2009 e 2010 Fonte: BNDES 4. CONCLUSÕES QUANTO À EFICIÊNCIA DOS MECANISMOS DE FOMENTO À INOVAÇÃO Apesar dos números positivos, observa-se que as empresas inovadoras (que ainda estão utilizando em sua maioria recursos próprios para inovar) ainda estão acessando pouco, ou pelo menos timidamente, os diversos mecanismos criados pelo governo. Apenas 22% das empresas que implementaram inovações declararam utilizar pelo menos um incentivo público federal para inovar. A partir dos dados constantes neste estudo, pode-se perceber que em regra, vem crescendo ao longo do tempo os investimentos em P,D&I, bem como o número de empresas inovadoras. Da mesma forma, os órgãos de fomento vêm concedendo cada vez mais recursos aos investidores em inovação, bem como estes vem aumentando o acesso aos incentivos fiscais da Lei do Bem. Mas, apesar dos números positivos, observa-se que as empresas inovadoras (que ainda estão utilizando em sua maioria recursos próprios para inovar) ainda estão acessando pouco, ou pelo menos timidamente, os diversos mecanismos criados pelo governo. Neste sentido, observa-se na PINTEC 2008 que apenas 22% das empresas que implementaram inovações declararam utilizar pelo menos um incentivo público federal para inovar, sendo que a maioria das empresas procuram apoio do governo para obtenção de financiamento para compra de máquinas e equipamentos, de bolsas oferecidas pelas Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) e pelo Programa Recursos Humanos para Áreas Estratégicas (RHAE) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e os programas de aporte de capital de risco do BNDES e da FINEP. Destas empresas, apenas 1% se beneficiou dos Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica. Corroborando, este baixo percentual de adesão pode ser percebido no relatório de utilização dos Incentivos Fiscais a Inovação Tecnológica do MCT de 2009, que mostra que apenas 635 empresas se inscreveram para obtenção de incentivos fiscais, número bastante baixo tendo em vista a quantidade de organizações que estariam aptas a se beneficiar destes incentivos. Em relação à subvenção econômica, apenas 0,75% das empresas que implementaram inovações receberam apoio deste mecanismo, ou seja, este mecanismo ainda é restrito a um baixo número de empresas. A figura a seguir apresenta o número de empresas que utilizaram algum tipo de mecanismo de fomento.

12 Figura 13 - Nº de empresas apoiadas pelo o governo por tipo de programa Apenas 635 empresas se inscreveram para obtenção de incentivos fiscais, número bastante baixo tendo em vista a quantidade de empresas que estariam aptas a se beneficiar destes incentivos. Fonte: PINTEC 2008 Análise Inventta As empresas apontam como maior obstáculo para a implementação de inovações os fatores de ordem econômica. Talvez seja o momento do governo concentrar esforços para reavaliar e aprimorar as suas estratégias de fomento para promoção da inovação. Apesar da variedade de opções de fomento à inovação disponibilizada pelo governo, segundo a PINTEC 2008, as empresas apontam como maior obstáculo para a implementação de inovações os fatores de ordem econômica (elevados custos da inovação, riscos econômicos excessivos e escassez de fontes de financiamento). Sendo assim, os mecanismos de fomento (tanto os incentivos fiscais quanto as fontes de financiamento) ainda não têm cumprido o seu papel de minimização dos riscos da inovação a partir do compartilhamento dos custos da mesma. Percebe-se que houve uma melhoria dos mecanismos. No entanto, ainda precisamos evoluir bastante nos modelos de apoio governamental à inovação e à iniciativa privada de uma forma geral, seja na legislação ou até mesmo nos procedimentos burocráticos. Talvez seja o momento do governo concentrar esforços para reavaliar e aprimorar as suas estratégias de fomento para promoção da inovação, de forma a criar linhas e programas de financiamento mais adequados à realidade das empresas (liberação de recursos de forma menos burocrática, por exemplo) e que efetivamente venham instigar as empresas a inovarem mais. 5. ANEXO I GLOSSÁRIO TERMOS PINTEC a. Conceito de Inovação A PINTEC segue a recomendação do Manual Oslo, no qual a inovação de produto e processo é definida pela implementação de produtos (bens ou serviços) ou processos novos ou substancialmente aprimorados. A implementação da inovação ocorre quando o produto é introduzido no mercado ou quando o processo passa a ser operado pela empresa. Produto novo é aquele cujas características fundamentais (especificações técnicas, componentes e materiais, softwares incorporados, user friendliness, funções ou usos pretendidos) diferem significativamente de todos os produtos previamente produzidos pela empresa. A inovação de produto também pode ser progressiva, através de um significativo aperfeiçoamento de produto previamente existente, cujo desempenho foi substancialmente aumentado ou aprimorado. Um produto simples pode ser aperfeiçoado (no sentido de obter um melhor desempenho ou um menor custo) através da utilização de matérias-primas ou componentes de maior rendimento.

13 A inovação de produto e processo é definida pela implementação de produtos (bens ou serviços) ou processos novos ou substancialmente aprimorados. A implementação da inovação ocorre quando o produto é introduzido no mercado ou quando o processo passa a ser operado pela empresa. Inovação de processo refere-se à introdução de novos ou substancialmente aprimorados métodos de produção ou de entrega de produtos. Métodos de produção, na indústria, envolvem mudanças nas técnicas, máquinas, equipamentos ou softwares usados no processo de transformação de insumos em produtos; nos serviços, envolvem mudanças nos equipamentos ou softwares utilizados, bem como nos procedimentos ou técnicas que são empregados para criação e fornecimento dos serviços. Os novos ou aperfeiçoados métodos de entrega dizem respeito a mudanças na logística da empresa, que engloba equipamentos, softwares e técnicas de suprimento de insumos, estocagem, acondicionamento, movimentação e entrega de bens ou serviços. As inovações de processo também incluem a introdução de equipamentos, softwares e técnicas novas ou significativamente aperfeiçoadas em atividades de apoio à produção, tais como: planejamento e controle da produção, medição de desempenho, controle da qualidade, compra, computação (infraestrutura de tecnologia da informação - TI) ou manutenção. O resultado da adoção de processo novo ou substancialmente aprimorado deve ser significativo em termos: do nível e da qualidade do produto (bem/serviço) ou dos custos de produção e entrega. A introdução deste processo pode ter por objetivo a produção ou entrega de produtos novos ou substancialmente aprimorados que não possam utilizar os processos previamente existentes, ou simplesmente aumentar a eficiência da produção e da entrega de produtos já existentes, sendo excluídas as mudanças pequenas ou rotineiras nos processos produtivos existentes e aquelas puramente administrativas ou organizacionais. b. Categoria das atividades inovativas 1. Atividades internas de P&D - compreende o trabalho criativo, empreendido de forma sistemática, com o objetivo de aumentar o acervo de conhecimentos e o uso destes conhecimentos para desenvolver novas aplicações, tais como produtos ou processos novos ou substancialmente aprimorados. O desenho, a construção e o teste de protótipos e de instalações-piloto constituem, muitas vezes, a fase mais importante das atividades de P&D. Inclui também o desenvolvimento de software, desde que este envolva um avanço tecnológico ou científico; 2. Aquisição externa de P&D - compreende as atividades descritas acima, realizadas por outra organização (empresas ou instituições tecnológicas) e adquiridas pela empresa; 3. Aquisição de outros conhecimentos externos - compreende os acordos de transferência de tecnologia originados da compra de licença de direitos de exploração de patentes e uso de marcas, aquisição de know-how e outros tipos de conhecimentos técnicocientíficos de terceiros, para que a empresa desenvolva ou implemente inovações; 4. Aquisição de software - compreende a aquisição de software (de desenho, engenharia, de processamento e transmissão de dados, voz, gráficos, vídeos, para automatização de processos etc), especificamente comprados para a implementação de produtos ou processos novos ou substancialmente aprimorados. Não inclui aqueles registrados em atividades internas de P&D; 5. Aquisição de máquinas e equipamentos - compreende a aquisição de máquinas, equipamentos, hardware, especificamente comprados para a implementação de produtos ou processos novos ou substancialmente aprimorados; 6. Treinamento - compreende o treinamento orientado ao desenvolvimento de produtos/processos novos ou substancialmente aprimorados e relacionados às atividades inovativas da empresa, podendo incluir aquisição de serviços técnicos especializados externos;

14 7. Introdução das inovações tecnológicas no mercado - compreende as atividades de comercialização, diretamente ligadas ao lançamento de produto novo ou aperfeiçoado, podendo incluir: pesquisa de mercado, teste de mercado e publicidade para o lançamento. Exclui a construção de redes de distribuição de mercado para as inovações; 8. Projeto industrial e outras preparações técnicas para a produção e distribuição - refere-se aos procedimentos e preparações técnicas para efetivar a implementação de inovações de produto ou processo. Inclui plantas e desenhos orientados para definir procedimentos, especificações técnicas e características operacionais necessárias à implementação de inovações de processo ou de produto. Inclui mudanças nos procedimentos de produção e controle de qualidade, métodos e padrões de trabalho e software requeridos para a implementação de produtos ou processos novos ou significativamente aperfeiçoados, assim como as atividades de tecnologia industrial básica (metrologia, normalização e avaliação de conformidade), os ensaios e testes (que não são incluídos em P&D) para registro final do produto e para o início efetivo da produção. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Pintec 2008, IBGE Perfil das empresas apoiadas pelo programa de subvenção econômica 2006 a 2009 FINEP NOTAS DE RODAPÉ 1 Pesquisa realizada pelo IBGE, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) com o objetivo de fornecer informações para a construção de indicadores das atividades de inovação tecnológica das empresas brasileiras. 2 A referência conceitual e a metodológica da PINTEC 2008 é baseada na terceira edição do Manual Oslo (OSLO..., 2005). Seguindo tais referências, as informações da PINTEC continuam concentrando-se na inovação de produtos e processos, porém incorpora em seu escopo a inovação organizacional e a de marketing. 3 Segundo a PINTEC 2008, são contabilizados os gastos realizados nas inovações implementadas e nos projetos em andamento e abandonados. 4 Segundo a PINTEC 2008, as atividades que as empresas empreendem para inovar são de dois tipos: Pesquisa e Desenvolvimento - P&D (pesquisa básica, aplicada ou desenvolvimento experimental); e outras atividades não relacionadas com P&D, envolvendo a aquisição de bens, serviços e conhecimentos externos.

A EFICIÊNCIA DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A EFICIÊNCIA DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Radar Inovação Junho de 2011 A EFICIÊNCIA DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Maria Carolina Rocha 1. INTRODUÇÃO O presente estudo discute a eficiência dos incentivos fiscais trazidos pela Lei

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica: MCT divulga relatório anual (ano base 2009)

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica: MCT divulga relatório anual (ano base 2009) Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica: MCT divulga relatório anual (ano base 2009) Ao todo, 635 formulários foram enviados, sendo que 542 empresas foram efetivamente beneficiadas pelos incentivos,

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

ANÁLISE DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO NO BRASIL

ANÁLISE DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO NO BRASIL UM OLHAR DA INVENTTA: ANÁLISE DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO NO BRASIL Manuela Soares No dia 09 de dezembro, o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MTCI) publicou o Relatório anual de análise

Leia mais

Estudos Agosto de 2011

Estudos Agosto de 2011 Estudos Agosto de 2011 Um olhar da Inventta: PLANO BRASIL MAIOR NOVAS OPORTUNIDADES PARA INOVAR? A Inventta analisou as medidas implementadas pelo governo federal e explica as mudanças para o contexto

Leia mais

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Radar Inovação - Março de 2010 A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Bruna Soly, Carina Leão, Manuela Soares e Pollyana Souza A EVOLUÇÃO DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

Leia mais

UM OLHAR DA INVENTTA:

UM OLHAR DA INVENTTA: Atualização: Abril 2013 UM OLHAR DA INVENTTA: Análise do uso dos Incentivos Fiscais à Inovação em 2011 Bruna Soly, Manuela Soares e Maria Carolina Rocha I - Introdução Os incentivos fiscais à inovação

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado:

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 005 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem )

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 1. Nome do Programa/Atividade/Ação fomentado: Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 2. O que é? A Lei n.º 11.196, de 21 de novembro de 2005,

Leia mais

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Com quase 10 anos de atuação no Brasil, é uma das empresas pioneiras especializadas em mecanismos financeiros

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts.

Leia mais

do Bem e outras considerações

do Bem e outras considerações Politicas públicas de fomento a inovação: Lei do Bem e outras considerações 8 de setembro de 2014 Legislação Lei do Bem (Lei No. 11.196/2005) Decreto No. 5.798/2006 Lei No. 11.487/2007 (Dec. No. 6.260/2007)

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica São Paulo 28 de abril de 2010 Gilberto Ayres Moreira Ana Carolina Moreira Garcia Histórico Legisla/vo Lei do Bem Lei nº 8.661/1993 (PDTI/PDTA); Lei nº 10.973/2004

Leia mais

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Anexos Anexo - Questionário da Pesquisa de Inovação Tecnológica 008 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras CI1306 Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras Raoni Pereira, Hérica Righi, Marina Loures, Tiara Bicalho, Janayna Bhering, Bárbara Xavier - Núcleo de Inovação A Introdução inovação configura-se

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / -

IBGE PESQUISA DE INOVAÇÃO 2011. Informações adicionais. Identificação do questionário. Identificação da empresa / - IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO 0 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa são essenciais

Leia mais

OS INCENTIVOS FISCAIS À

OS INCENTIVOS FISCAIS À DECOMTEC OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA LEI Nº 11.196/2005 Departamento de Competividade e Tecnologia - DECOMTEC São Paulo, 08 de outubro de 2012 Principais incentivos da Lei do Bem (Cap.

Leia mais

Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008

Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008 Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008 Ana Paula Avellar * RESUMO O objetivo desse artigo é apresentar as principais políticas de inovação em vigência no Brasil e discutir

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Eduardo Grizendi Professor Titular egrizendi@inatel.br Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com Santa Rita do Sapucaí, 12 de Março de 2010

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO

MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO RESUMO Este artigo investigou quais são os mecanismos de fomento concedidos pelo Governo Federal como instrumentos de apoio aos projetos de inovação

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO MCTI. Lei 11.196 de 21.11.2005 Lei do Bem

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO MCTI. Lei 11.196 de 21.11.2005 Lei do Bem INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO MCTI Lei 11.196 de 21.11.2005 Lei do Bem Fevereiro/2015 ÍNDICE Quem somos e o que propomos...4 Programa de Inovação Tecnológica do MCTI...12 Metodologia de Trabalho...21 Relatório

Leia mais

ATHIS PROMOVENDO A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO, A INOVAÇÃO E O CRESCIMENTO

ATHIS PROMOVENDO A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO, A INOVAÇÃO E O CRESCIMENTO ATHIS PROMOVENDO A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO, A INOVAÇÃO E O CRESCIMENTO Nós acreditamos no senvolvimento e na riqueza uma nação pela capacida das pessoas e empresas competir pela criativida, traduzida

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 Márlon Alberto Be INVESTIMENTO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL? Márlon Alberto Be INVESTIMENTO

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM Denis Borges Barbosa Sobre a lei como um todo A lei compila a legislação existente de incentivos fiscais do setor, revogando toda a bateria existente.

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

Seminário: Investimentos e Incentivos Fiscais para Projetos de Inovação tecnológica. Câmara Brasil Alemanha Fevereiro - 2011

Seminário: Investimentos e Incentivos Fiscais para Projetos de Inovação tecnológica. Câmara Brasil Alemanha Fevereiro - 2011 Seminário: Investimentos e Incentivos Fiscais para Projetos de Inovação tecnológica Câmara Brasil Alemanha Fevereiro - 2011 A FINEP e as empresas inovadoras. Contexto Brasil - Baixo investimento em Inovação:

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ. O que é inovação?

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ. O que é inovação? Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ O que é inovação? Investimentos em Inovação X PIB O Brasil aplica 1,1% de seu Produto Interno Bruto

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 - Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações Foco do seminário em: Conceito (conceituando

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha Competitividade para Gerar Negócios Recursos subsidiados disponíveis hoje para investimentos, giro e inovação nas empresas Palestrante: Antônio Carlos Rocha Coordenação: Nicolás Honorato SINAIS DA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 63 - Data 7 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Normas Gerais de Direito Tributário Ementa: LEI Nº 11.196, DE 2005. INCENTIVO

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS Orientador Empresarial Incentivos Fiscais-Atividades de Pesquisa Tecnológica e Desenvolvimento de Inovação Tecnológica-

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo BRDE INOVA Joaçaba, 12 de maio de 2014 Apresentador: Paulo César Antoniollo Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Os desafios de obter recursos financeiros para o planejamento, implantação e operacionalização de parques tecnológicos

Os desafios de obter recursos financeiros para o planejamento, implantação e operacionalização de parques tecnológicos Os desafios de obter recursos financeiros para o planejamento, implantação e operacionalização de parques tecnológicos Bruna Soly, Maria Carolina Rocha, Marina Loures, Paula Azevedo, Tiara Bicalho e Vitor

Leia mais

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO BDMG Linhas de financiamento para INOVAÇÃO Setembro/2015 Portfólio BDMG em Inovação Participação em fundos de investimento BDMG TEC Estruturação de parques tecnológicos Financiamentos a projetos inovadores

Leia mais

MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise

MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise MEI Mecanismos de incentivo à inovação no contexto da crise Proposta de Trabalho Brasília, 27 de setembro de 2012 São Paulo, Agosto 2011 Apresentação do projeto PEDRO PASSOS 1 Baixo crescimento das economias

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação CAPÍTULO 6 Inovação na IBSS Apresentação Pesquisa realizada pelo Boston Consulting Group, envolvendo 1.070 executivos de 63 países, mostra uma ascensão considerável da inovação como prioridade estratégica

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Lei nº 11.196/2005 Julho 2014 Agenda Cenário de P&D no Brasil; Conceito de Inovação Tecnológica; Projeto identificação e descrição; Principais Incentivos Fiscais;

Leia mais

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Proposta de Projeto ANEXO C.1 Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Carta de Encaminhamento Ao (Nome do Agente Financeiro) Encaminhamos, em anexo, a proposta do projeto ao programa INOVACRED.

Leia mais

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I ANTEPROJETO DE LEI Dispõe sobre Medidas de Incentivo Fiscal à Pesquisa, ao Desenvolvimento Tecnológico e à Inovação. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico,

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS APLICÁVEIS NAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AO P&D

REFLEXÕES SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS APLICÁVEIS NAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AO P&D REFLEXÕES SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS APLICÁVEIS NAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AO P&D PALESTRANTES: MÁRCIO DA ROCHA MEDINA REFLEXÕES SOBRE INCENTIVOS FISCAIS

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Inova Pequena Empresa RS

Inova Pequena Empresa RS Inova Pequena Empresa RS 1 Bloco: : Conceituando Inovação; 2 Bloco: : Programa Inova Pequena Empresa RS / Chamada Pública P Nº N 01/2009; 3 Bloco: : Estruturação do projeto no Sistema de Gestão de Projetos

Leia mais

Pesquisa de Inovação Tecnológica

Pesquisa de Inovação Tecnológica Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria Pesquisa de Inovação Tecnológica 2008 Rio de Janeiro

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais. Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil

Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais. Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil Carlos Arruda Erika Barcellos Cleonir Tumelero Agenda Abertura e apresentação

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

A LEI DO BEM COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À P&D: ANÁLISE DOS RESULTADOS NA REGIÃO NORTE (2006-2010)

A LEI DO BEM COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À P&D: ANÁLISE DOS RESULTADOS NA REGIÃO NORTE (2006-2010) A LEI DO BEM COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À P&D: ANÁLISE DOS RESULTADOS NA REGIÃO NORTE (2006-2010) Moises Israel Belchior de Andrade Coelho (UEA) moises.acoelho@gmail.com O objetivo deste trabalho é apresentar

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica

Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica R&D TAX INCENTIVES Incentivos fiscais à Inovação Tecnológica Abril 2013 Agenda Incentivos fiscais da Lei do Bem Conceito de Inovação Tecnológica IN 1.187/11 Controles e Assuntos Controversos Diferenciais

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais