PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE)"

Transcrição

1 PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE)

2 1. INTRODUÇÃO Entender quais mecanismos determinam os padrões locais de diversidade está entre os principais objetivos da ecologia (Cody & Diamond 1975, Rosenzweig 1995, Tokeshi 1998, Morin, 1999, Hubbell 2001). O estudo destes mecanismos avançou consideravelmente nas últimas décadas, incluindo a integração de processos em diferentes escalas de espaço (ex. a influência do conjunto regional de espécies) e de tempo (escalas ecológicas/evolutivas) (Ricklefs & Schluter 1993, Schluter 2000, Hanski & Gaggiotti 2004). Contudo, a maior parte dos estudos integrando mecanismos ecológicos e evolutivos têm se baseado em contextos específicos, particularmente em ambientes insulares, como os lagartos Anolis no Caribe (Losos et al. 1998), os tentilhões de Galápagos (Grant & Grant 2003) e os peixes ciclídeos dos grandes lagos africanos (Kornfield & Smith, 2000). O motivo para isso é simples: comunidades insulares possuem menos espécies e representam sistemas mais simples de serem descritos e compreendidos. Por outro lado, há uma falta de estudos como estes em ambientes continentais, onde se concentra a maior parte da biodiversidade, principalmente pela escassez de táxons-modelo apropriados para responder estas questões. O estudo de guildas de formigas representa uma importante ferramenta para os estudos de regulação de comunidades (Wilson 1990). Suas espécies distribuem-se por todos os ambientes terrestres do planeta, desde o círculo ártico às partes mais remotas do Hemisfério Sul, como a Terra do Fogo, África do Sul e Tasmânia, representando um dos grupos mais bem sucedidos ecologicamente dentre os insetos, sendo dominante na maioria dos ecossistemas terrestres (Hölldobler & Wilson, 1990). Em particular, formigas são importantes por manterem diversas relações ecológicas com muitos organismos, incluindo predação, mutualismo, comensalismo e parasitismo (Wilson 1971, Hölldobler & Wilson,

3 1990). Finalmente, a facilidade na amostragem e identificação de formigas as tornam excelentes modelos para monitoramento ambiental, respondendo rapidamente as alterações ambientais (Culler et al. 2003, Soares et al. 2007). Embora têm-se demonstrado uma influência de fatores climáticos e de complexidade da vegetação em determinar a riqueza local de guildas de formigas, acredita-se que o fator preponderante na regulação de comunidades de formigas é a competição interespecífica (Greenslade & Greenslade 1977, Caldas & Moutinho 1993, Hölldobler & Wilson 1990, Parr 2008). Isto se reflete em uma variedade de fenômenos, como uma hierarquia de dominância interespecífica (Ribas & Shoereder 2002); territorialidade (Andersen & Patel 1994) e interações agonísticas (Andersen et al. 1991). Contudo, esta preponderância da competição interespecífica em comunidades de formigas é intrigante tendo em vista que a teoria ecológica clássica sugere que tais situações levariam a uma grande freqüência de exclusão competitiva, especialmente em comunidades altamente diversas como nos trópicos (Rosenzweig 1995). O gênero Pheidole representa um caso particularmente agudo deste paradoxo. Este gênero é considerado hiperdiverso, com mais de 600 espécies somente no Novo Mundo e possivelmente mais de 1000 espécies em todo o globo (Wilson 2003). Espécies deste gênero são elementos dominantes da fauna de solo de formigas em diversos tipos de ecossistemas, chegando a mais de 30 espécies em poucos kilômetros quadrados de floresta amazônica (Wilson 2003). Embora exista uma considerável variabilidade morfológica, aparentemente há limitações fortes na extensão da diversificação fenotípica do grupo (Pie & Traniello 2007). Compreender os mecanismos que permitem a coexistência de tantas espécies ecologicamente similares poderá representar um considerável avanço, não só para o estudo da biologia destas formigas como para o entendimento da organização de

4 comunidades hiperdiversas. Duas hipóteses tem sido particularmente suportadas em estudos empíricos de comunidades naturais como mecanismos potencialmente importantes para a coexistência de espécies. A primeira é o balanço competição/colonização: espécies estariam distribuídas em um contínuo entre boas competidoras e más colonizadoras até más competidoras e boas colonizadoras, sendo que as suas interações ao longo do tempo permitiriam um estado de constante fluxo ao longo deste contínuo (Yu & Wilson 2001, Calcagno et al. 2006, Adler et al. 2007). A segunda hipótese é a de agregação espacial (Murrell et al. 2002, Hatley & Shorrocks 2002). Nesta proposta, espécies ecologicamente dominantes possuem uma distribuição espacial agregada, a qual aumentaria competição intraespecífica e permitiria coexistência com espécies subordinadas. A diferenciação destas hipóteses não é trivial, necessitando de esforços de longo prazo para que suas respectivas pré. 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo Geral Analisar, através de um estudo de longo prazo, os mecanismos ecológicos que permitem a coexistência local de guildas de formigas do gênero Pheidole Objetivos Específicos Inventariar as espécies de formigas Pheidole presentes em uma floresta subtropical do litoral paranaense e descrever aspectos sobre suas histórias de vida (tamanho corporal, tipo de nidificação, comportamento de recrutamento, período de atividade, tamanho de área de forrageamento); Realizar um estudo de longo prazo para o monitoramento da posição espacial de colônias de Pheidole spp. e de sua dinâmica ao longo do tempo para determinar o grau de agregação intraespecífica e o padrão de colonização/extinção local.

5 Integrar as informações obtidas nos objetivos anteriores para testar hipóteses alternativas sobre os mecanismos de coexistência de Pheidole spp. 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Local de coleta Coletas serão realizadas na Reserva Naturaldo Morro da Mina, uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) de 3,3 mil hectares localizada na Área de Proteção Ambiental (APA) deantonina, PR e pertencente à Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS). A vegetação na área corresponde à Floresta Ombrófila Densa e é muito bem preservada, permitindo o estudo de uma comunidade altamente diversa de formigas. O estudo como um todo envolverá várias teses e dissertações e tem uma extensão planejada de 4 anos, podendo ser estendido posteriormente Inventariamento geral da fauna de formigas O primeiro passo para descrever as espécies de Pheidole na área de estudo é uma caracterização abrangente da fauna de formigas do local. Para isso, utilizaremos o ALLprotocol (Agosti & Alonso 2000), o qual é implementado pelo uso integrado de diversos tipos de métodos de amostragem (ex. coleta manual, uso de iscas e mini-winklers, etc.) e que já tem sido empregado com sucesso em diversas partes do mundo (Fisher et al. 2000). O conjunto de dados obtidos através deste protocolo permitirão a caracterização das espécies de Pheidole presentes e suas abundâncias relativas, como também servirão de padrão para avaliar os esforços de amostragem posterior Definição de pontos para monitoramento em longo prazo

6 Serão delineadas quatro grades de 50 X 50 m 2 em dois locais bem preservados com o auxílio de trenas, bússolas e estacas coloridas. Cada grade será dividida em quadrados de 1 m 2 e cada vértice resultante representará um ponto de coleta, para um total de 5000 pontos por grade. Durante um evento de coleta, cada vértice receberá um tubo Eppendorf de 2 ml contendo aproximadamente 10 gramas de isca preparada a partir de sardinhas enlatadas. Estas iscas serão utilizadas por serem reconhecidamente muito atrativas a Pheidole spp.. Cada tubo será depositado sobre o solo e recolhido após 60 min. Todas as coletas serão realizadas entre 10:00 e 16:00. Estudos prévios indicam que o período de espera é suficiente para que operárias encontrem o alimento e realizem o recrutamento de mais operárias. Caso mais de uma espécie esteja presente na isca no momento de recolhe-la, as interações agonísticas interespecíficas serão registradas e descritas. Cada ponto da grade será amostrado ao longo de 4 coletas ao ano durante 2 anos. Após a identificação das espécies coletadas de acordo com Wilson (2003), a posição de cada amostra será representada em um mapa dos grids, o qual permitirá representar o tamanho da área de forrageamento de cada colônia (número de vértices adjacentes) e a dinâmica de colonização (um ponto desocupado em uma coleta passar a ter uma colônia na coleta seguinte) e extinção (a inexistência de amostras de locais onde havia colônia da espécie sendo avaliada) História natural de Pheidole spp. na área de estudo Os dados obtidos nos esforços indicados no item 3.3. serão integrados com outros dados sobre a história de vida das espécies estudadas. Exemplos incluem tamanho de corpo, tipo de nidificação, estratégia de forrageamento e tamanho de colônia. Por exemplo, ao serem detectadas espécies diferem na sua capacidade de colonização, estas serão avaliadas para determinar quais características sociobiológicas e morfológicas são correlacionadas.

7 4. REFERÊNCIAS CITADAS Adler, F.R., E. G. LeBrun, and D. H. Feener Jr.. (2007) Maintaining Diversity in an Ant Community: Modeling, Extending, and Testing the Dominance-Discovery Trade-Off.. The American Naturalist 169:3, Agosti, D., and L.E. Alonso The ALL Protocol: A Standard Protocol for the Collection of Ground-Dwelling Ants. Agosti, D., Majer, J., Alonso, E. and Schultz, T.R. (Editors.) Ants: Standard Methods for Measuring and Monitoring Biodiversity. Biological Diversity Handbook Series. Smithsonian Institution Press. Washington D.C. Andersen, A.N. & Patel, A.D. (1994) Meat ants as dominant members of Australian ant communities: an experimental test of their influence on the foraging success and forager abundance of other species. Oecologia, 98, Andersen, A.N., Blum, M.S. & Jones, T.M. (1991) Venom alkaloids in Monomorium rothsteini Forel repel other ants: is this secret to success by Monomorium in Australian ant communities? Oecologia, 88, approach for ants. American Naturalist, 165, Calcagno, V., N. Mouquet, P. Jarne, P. David. (2006) Coexistence in a metacommunity: the competition colonization trade-off is not dead. Ecology Letters 9:8, Caldas A, Moutinho P R S (1993) Composição e diversidade da fauna de formigas (Hymenoptera, Formicidae) em áreas sob remoção experimental de árvores na Reserva Florestal de Linhares, ES, Brasil. Rev Brasil Entomol 37(2):

8 Cody, M., Diamond, J Ecology and Evolution of Communities. Belknap Press, Cambridge, MA. Culler Jr, L. & C. B. Valladares-Pádua Métodos para estudos de ecologia, manejo e conservação de primatas na natureza. In: C. B. Valladares-Pádua; R. E. Bodmer & L. Cullen Jr. (eds.), Manejo e Conservação de Vida Silvestre no Brasil. Sociedade Civil de Mamirauá, Belém. 285 p. Fisher, B.L., A.K.F. Malsch, R. Gadagkar, J.H.C. Delabie, H.L. Vasconcelos, and J.D. Majer Applying the ALL Protocol: Selected Case Studies. Agosti, D., Majer, J., Alonso, E. and Schultz, T.R. (Editors.) Ants: Standard Methods for Measuring and Monitoring Biodiversity. Biological Diversity Handbook Series. Smithsonian Institution Press. Washington D.C. Grant, B.R. and P.R. Grant, What Darwin s finches can teach us about the evolutionary origin and regulation of biodiversity, Bioscience 53 (2003), pp Greenslade P J M, Greenslade P (1977) Some effects of vegetation cover and disturbance on a tropical ant fauna. Ins Soc 24: Hanski, I. & Gaggiotti, O. (Eds.) Ecology, genetics, and evolution of metapopulations. Edited by Hanski, I. & Gaggiotti, O. Elsevier Academic Press, Amsterdam, 696 pp. Hartley, S. & Shorrocks, B A general framework for the aggregation model of coexistence. Journal of Animal Ecology 71: Hölldobler, B. & Wilson, E.O. (1990) The Ants. Springer, Berlin, Heidelberg,New York. Hubbell, S.P The Unified Neutral Theory of Biodiversity and Biogeography. Princeton University Press, Princeton.

9 Kornfield, Irv and Smith, Peter F. (2000) African Cichlid Fishes: Model Systems for Evolutionary Biology. Annual review of ecology, evolution and systematics Losos, J.B., T.R. Jackman, A. Larson, K. de Queiroz, and L. Rodríguez-Schettino Historical Contingency and determinism in replicated adaptive radiations of island lizards. Science 279: Morin, P.J Community Ecology. Wiley-Blackwell, New York. Murrell D.; Purves D.; Law R Intraspecific aggregation and species coexistence. Trends in Ecology and Evolution 17: Parr C. L Dominantes ants can control assemblage species richeness in a South African savanna. Journak of Animal Ecology, 77, Pie, M. R., Traniello, J. F. A Morphological evolution in a hyperdiverse clade: the ant genus Pheidole. J. Zool. 271: Ribas, C.R. & Schoereder, J.H Are all ant mosaics caused by competition? Oecologia, 131, Ricklefs, R. E. and D. Schluter (editors) Species diversity in ecological communities: historical and geographical perspectives. University of Chicago Press, Chicago, IL, USA. Rosenzweig, M. L Species Diversity in Space and Time. Cambridge University Press, Cambridge. Schluter, D The ecology of adaptive radiation. Oxford University Press, Oxford, UK.

10 Soares, S. A.; D. Lange, & W. F. Antonialli-Jr Communities of Epigeic Ants (Hymenoptera: Formicidae) in Area of Reforestation and in Native Forest. Sociobiology 49: Tokeshi, M Species Coexistence: Ecological and Evolutionary Perspectives. Wiley/Blackwell. Wilson, E. O Insect Societies. Harvard University Press, Cambridge, MA. Wilson, E. O Success and Dominance in Ecosystems. The Case of the Social Insects. Inter-Research. Wilson, E.O Pheidole in the new world: a dominant, hyperdiverse ant genus. Harvard University Press, Harvard. Yu, D.W. & Wilson, H.B The Competition-Colonization Trade-off Is Dead; Long Live the Competition-Colonization Trade-off. Am Nat 158:

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Estímulos químicos induzem recrutamento de formigas na mirmecófita Maieta guianensis (Melastomataceae) Introdução Material & métodos

Estímulos químicos induzem recrutamento de formigas na mirmecófita Maieta guianensis (Melastomataceae) Introdução Material & métodos Estímulos químicos induzem recrutamento de formigas na mirmecófita Maieta guianensis (Melastomataceae) Simone B. Vosgueritchian, Adaíses Simone M. da Silva, Daniel M.G. Tokman & Thiago Santos Introdução

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES Adriana Mohr, Ana Cristina Silva, Danilo Fortunato, Keila Nunes Purificação, Leonardo Gonçalves Tedeschi, Suelem Leão, Renan Janke e David Cannatella

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável.

O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável. O conceito de nicho ecológico considera as condições e os recursos necessários para a manutenção da população viável. Definição da especificidade de nicho: Duas espécies quando ocupam o mesmo biótopo devem

Leia mais

A ocupação de troncos de sub-bosque por briófitas e líquens é determinada pela orientação geográfica de vertentes?

A ocupação de troncos de sub-bosque por briófitas e líquens é determinada pela orientação geográfica de vertentes? A ocupação de troncos de sub-bosque por briófitas e líquens é determinada pela orientação geográfica de vertentes? Rodrigo Marciente Introdução A distribuição espacial de organismos pode ser explicada

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

Prova de seleção de candidatos a Mestrado e Doutorado para PG Entomologia-UFV

Prova de seleção de candidatos a Mestrado e Doutorado para PG Entomologia-UFV Prova de seleção de candidatos a Mestrado e Doutorado para PG Entomologia-UFV 1 Contexto A seleção de candidatos consistirá de prova escrita eliminatória, análise de Curriculum Vitae (CV) e, para o caso

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Marina Xavier da Silva

Marina Xavier da Silva Composição de espécies e padrão de forrageamento de formigas em Talipariti pernambucense (Malvaceae) em uma área de restinga Marina Xavier da Silva RESUMO: Plantas com nectários extraflorais são utilizadas

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

INFLUÊNCIA DA COMPETIÇÃO NA ESTRUTURA DA COMUNIDADE META

INFLUÊNCIA DA COMPETIÇÃO NA ESTRUTURA DA COMUNIDADE META INFLUÊNCIA DA COMPETIÇÃO NA ESTRUTURA DA COMUNIDADE META Nessa aula é importante aprender relações de competição dentro da comunidade. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Definir competição

Leia mais

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini

ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini Lucena, R.C. (1) ; Vieira, L.A.F. (1) raissa.lucen@gmail.com (1) Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa PB, Brasil. RESUMO

Leia mais

Ecologia das comunidades

Ecologia das comunidades Ecologia das comunidades Relações ecológicas Intraespecífica ou interespecífica Harmônica ou desarmônica Intraespecíficas harmônicas Disponível em: .

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Tiago Garcia PEREIRA 1 ; Eriks Tobias VARGAS 2 Cássia Maria Silva Noronha 2 Sylmara Silva

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish EM TRÊS SETORES FLORESTAIS, SOB DIFERENTES PRESSÕES AMBIENTAIS, EM LAVRAS, SUL DE MINAS GERAIS. MATHEUS HENRIQUE M. BENÍCIO 1,

Leia mais

Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais 6 Dinâmica Biológica RESUMO O objetivo deste projeto foi o de estudar os efeitos ecológicos da fragmentação florestal em alguns grupos importantes como árvores, palmeiras, sapos e formigas. Por fragmentação

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Efeito do tamanho das larvas da formiga-leão Myrmeleon brasiliensis (Neuroptera: Myrmeleontidae) sobre a seleção de habitats

Efeito do tamanho das larvas da formiga-leão Myrmeleon brasiliensis (Neuroptera: Myrmeleontidae) sobre a seleção de habitats Efeito do tamanho das larvas da formiga-leão Myrmeleon brasiliensis (Neuroptera: Myrmeleontidae) sobre a seleção de habitats Thallita Oliveira de Grande Introdução A seleção de habitat é um processo em

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Comunicado. Local e Período de Inscrições

Comunicado. Local e Período de Inscrições Comunicado Abertura de Processo Seletivo de Ingresso no programa de Pós-Graduação em Ecologia, cursos de Mestrado, Doutorado e Doutorado Direto. O Programa de Pós-Graduação em Ecologia do Instituto de

Leia mais

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque Otimização do tempo de recrutamento máximo de operárias de Allomerus octoarticulatus (Hymenoptera: Formicidae) frente à herbivoria induzida em Hirtella mirmecophila (Chrysobalanaceae) Emília Zoppas de

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta

A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta Felipe Cito Nettesheim INTRODUÇÃO O DIVERSIDADE Riqueza Abundância DIVERSIDADE Riqueza Abundância Número de espécies

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Relações ecológicas Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Classificação Intraespecífica: entre indivíduos da mesma espécie. Interespecífica: entre indivíduos de espécies

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL Marco Crocco Ricardo Machado Ruiz Anderson Cavalcante Março de 2008 Ficha catalográfica 333.73981

Leia mais

Pesquisa científica, agricultura e conservação na Amazônia: Gestão e desafios para a sustentabilidade

Pesquisa científica, agricultura e conservação na Amazônia: Gestão e desafios para a sustentabilidade Pesquisa científica, agricultura e conservação na Amazônia: Gestão e desafios para a sustentabilidade Prof. Dr. Richard J. Ladle UFAL & University of Oxford 1 A agricultura sustentável busca soluções integradas

Leia mais

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 233 Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica Sabrina Soares Simon 1 & Sara Soares Simon 2 1 Mestrado em

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

046 - AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGEM DO PONTAL DO PARANAPANEMA: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR.

046 - AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGEM DO PONTAL DO PARANAPANEMA: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR. Uso e Conservacao dos Recursos Naturais Monferrer 046 - AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGEM DO PONTAL DO PARANAPANEMA: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR. RESUMO Christian Marques Rodello 1

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA

PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 9º ANO PROFESSORA: ROSI MAGDA

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

SELEÇÃO MESTRADO 2014 15

SELEÇÃO MESTRADO 2014 15 INSTRUÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO SELEÇÃO MESTRADO 2014 15 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Escreva seu Nome Completo, Número do RG e Número de Inscrição nos espaços indicado abaixo. Não

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB

Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB 1 INCT-SERVAMB: Relatório MCT (of. Circ. 0247/10) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia SERVAMB Coordenador: Philip Martin Fearnside (pmfearn@inpa.gov.br) Vice-coordenador:

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Interação solo/planta; fertilizante orgânico; ecologia.

RESUMO. Palavras chave: Interação solo/planta; fertilizante orgânico; ecologia. PROJETO: Interação Solo Planta: fatores edáficos no desenvolvimento vegetal. Prof. Theodoro Guerra de Oliveira Júnior Aluna: Juliana Cristina da Silveira RESUMO A Mata Atlântica é um dos ecossistemas mais

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Simpósio 4: O SNUC e a proteção da fauna silvestre brasileira: o vazio das florestas e o dilema da reintrodução Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Pedro F. Develey

Leia mais

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO IPEF n.47, p.62-65, mai.1994 FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO Mário Augusto Gonçalves Jardim (1) Paulo Yoshio Kageyama

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Leonardo de Carvalho Valentim da Silva Bolsista de Programa de Capacitação Interna, Geógrafo, M.Sc. Zuleica Carmen Castilhos Orientadora,

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Abordagem teórica na ecologia: uma visão do mundo através de modelos Theoretical approach in ecology: a worldview through models

Abordagem teórica na ecologia: uma visão do mundo através de modelos Theoretical approach in ecology: a worldview through models Revista da Biologia (214) 12(1): 1- DOI: 1.794/revbio.12.1.1 Revisão Abordagem teórica na ecologia: uma visão do mundo através de modelos Theoretical approach in ecology: a worldview through models Camila

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO II ENCONTRO DE GERENTES DE EXPLORAÇÃO MINERAL Desafios das

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Um Mergulho na Biologia (Ecologia) Alana Bavaro Nogueira Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO O biólogo é um profissional que atua nos diversos campos da Biologia, ou seja, em todas as áreas

Leia mais