AS CATEGORIAS DOS MECANISMOS DE BUSCA: OBJETO EM CONSTRUÇÃO E EM PERMANENTE MODIFICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS CATEGORIAS DOS MECANISMOS DE BUSCA: OBJETO EM CONSTRUÇÃO E EM PERMANENTE MODIFICAÇÃO"

Transcrição

1 AS CATEGORIAS DOS MECANISMOS DE BUSCA: OBJETO EM CONSTRUÇÃO E EM PERMANENTE MODIFICAÇÃO THE SEARCH ENGINES CATEGORIES: AN OBJECT UNDER CONSTRUCTION AND IN CONSTANT CHANGING Silvana Drumond Monteiro Universidade Estadual de Londrina Renata Gonçalves Curty Universidade Estadual de Londrina Nelma Camêlo Araujo Universidade Estadual de Londrina Maria Júlia Carneiro Giraldes Universidade Estadual de Londrina Rogério Paulo Muller Fernandes Universidade Estadual de Londrina Joel Gomes Abreu Universidade Estadual de Londrina Resumo O trabalho analisa as categorias dos mecanismos de busca no ciberespaço, por meio de suas expressões linguísticas constantes na literatura. O método utilizado foi a análise de conteúdo, a partir de um corpus selecionado de acordo com critérios de representatividade e homogeneidade do tema. No sentido ontológico, categoria significa qualquer noção que sirva de regra para investigação ou sua expressão linguística. No sentido lógico, significa os modos mais gerais de predicar um sujeito ou substância. Os textos foram diagramados visando registrar as categorias explicitadas pelos autores para comparar e contrastar diferentes posicionamentos conceituais e classificatórios para estabelecer as categorias mais gerais a posteriori. A partir do trabalho semântico da ocorrência das expressões diagramadas, as categorias mais gerais são depreendidas: tipos de mecanismos de busca, anatomia, formas de ordenação e apresentação dos resultados e paradigmas semióticos. Percebe-se também que não há uma uniformização de terminologia para designar o objeto mecanismo de busca. O estudo evidencia no âmbito da linguagem a pragmática das múltiplas sintaxes dos mecanismos de busca no ciberespaço. Palavras-chave Mecanismos de Busca. Ciberespaço. Organização do Conhecimento.

2 1 INTRODUÇÃO Os complexos agenciamentos maquínicos e a multiplicidade das categorias dos mecanismos de busca reforçam a nossa tese das múltiplas sintaxes de organização e busca do conhecimento e da informação operadas no ciberespaço. Essa premissa poderá ser verificada a partir das várias categorias dos buscadores extraídas a partir da literatura pertinente sobre o assunto, especialmente quando consideradas as formas de ordenação e apresentação dos resultados de busca, ou ainda, um processo denominado searching. A quebra da sintaxe única e a heterogeneidade dos signos, base para estudo do paradigma semiótico, nos indicam que não há uma única e universal forma de organizar o conhecimento no ciberespaço. Além dos mecanismos, a questão da linguagem e sua consequente taxonomia na Web mundial é uma preocupação ou fato recorrente, seja de especialistas ou de usuários da rede. Assim, outras formas de organização emergem, na medida em que se aprimoram as tecnologias existentes. Dessa forma, nesse complexo cenário, estão presentes as ontologias, que são as semânticas específicas de domínio de conhecimentos e a folkosonomia ou ainda a tagosfera, que dizem respeito à etiquetagem coletiva praticada nas redes sociais. Este artigo tem como objetivo apresentar e comparar as categorias dos mecanismos de busca, apresentadas na literatura, com base em investigação realizada pelo grupo de pesquisa Informação e Conhecimento no Ciberespaço do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. 2 A LITERATURA: da definição do corpus à identificação das categorias Para efeito da análise de conteúdo, utilizamos um corpus composto por artigos que apresentam as categorias explícitas ou não, dos mecanismos de buscas, constituído especialmente pelos autores infracitados na seção 2.2. A partir da identificação dos autores, outro passo importante para a pesquisa foi a diagramação das categorias, com o objetivo de visualizá-las para estabelecer o estudo

3 comparativo sobre o tema. Com efeito, extraímos das representações sobre mecanismos de busca o conhecimento necessário para estudar o objeto em questão. Ainda no campo das representações, o diagrama faz-se importante para a pesquisa, pois do ponto de vista da Semiótica é um hipoícone de secundidade, ou seja, um signo icônico que expressa por similaridade ou por referência as relações internas do conteúdo de um texto (signo) e seu objeto. Dessa forma, entendemos que o diagrama permite uma identidade visual dos conceitos e das classificações atribuídas pelos autores, recurso esse que se faz essencial para as atividades em que buscamos comparar e contrastar diferentes posicionamentos conceituais e classificatórios para estabelecer as categorias mais gerais a posteriori. 2.1 A ANÁLISE DE CONTEÚDO O ponto de partida de análise de conteúdo é a mensagem, como destaca Franco (2003), seja ela verbal (oral ou escrita), gestual, figurativa e/ou documental. Bardin (1997, p.38) pondera que A análise de conteúdo pode ser considerada como um conjunto de técnicas de análises de comunicações, que utiliza procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens [ ]. Assim, diferentemente da análise do discurso, é o conteúdo manifesto e explícito que se inicia o processo de análise. O campo teórico da análise de conteúdo vai do domínio da Linguística, ou métodos lógico-estéticos e formais, passando pelos métodos lógico-semânticos até aos domínios da hermenêutica, isto é, os métodos semânticos e semântico- estruturais, de acordo com a Figura 1:

4 Figura 1: Os campos de análise de conteúdo. Fonte: Franco (2003, p. 29). O primeiro método trata das questões que buscam os aspectos formais típicos do autor ou do texto. Na dimensão central da análise de conteúdo, os métodos lógicosemânticos tornam-se importante porque está à função de um classificador e sua classificação é lógica frente aos conteúdos manifestos e também semânticos, uma vez que são interpretados. Reiterando os métodos lógico-semânticos, Franco (2003, p.31-32) salienta que: não se vinculam às pesquisas que se dedicam à análise de estrutura formal de um texto, como, por exemplo, o procedimento de sua construção ou de seu estilo; aplicam-se às mais variadas modalidades de textos, após o índex dos diversos conceitos utilizados (sua enumeração simples e seus desdobramentos) e a classificação dos elementos de informação (reagrupamento por categorias); em suma, esses métodos concentram semelhanças comuns em relação àqueles que precedem: inventários, desdobramentos, caracterização, codificação, pesquisa de eventuais correlações [...] mas sempre, e ao mesmo tempo, a partir da compreensão do sentido. Sentido das palavras, sentido expresso nas palavras, imagem e símbolos, sentido das percepções e analogias das mensagens (base de todos os reagrupamentos e classificações de sentido das hierarquias dos sentidos). Segundo Franco (2003), nos métodos na fronteira com a hermenêutica, a metodologia de análise deve ser considerada como uma das dimensões da compreensão e interpretação, muitas vezes de cunho de investigação sócio-semântica, mas comporta também a análise lógica, formal e objetiva dos campos lógicos. Ou seja, para além da linguagem, encontram-se territórios sociais conflituosos e um complexo processo

5 histórico. A nosso ver, essa dimensão da análise de conteúdo estaria mais relacionada à análise do discurso. A metodologia utilizada em nossa análise de conteúdo, na detecção das categorias para o estudo comparativo, insere-se no contexto dos métodos lógico-semânticos, uma vez que nos situamos na caracterização, codificação, pesquisa de eventuais correlações, tendo por objetivo após a leitura, a composição de "índex" diagramando a sintaxe das categorias para o estudo das tipologias dos mecanismos de busca. 2.2 O Corpus da pesquisa Corpus é o conjunto de documentos selecionados para ser submetidos aos procedimentos analíticos (BARDIN, 1977). Para Barthes (1997, p.104) O corpus é uma coleção finita de materiais, determinada de antemão pelo analista, conforme certa arbitrariedade (inevitável) em torno da qual ele vai trabalhar. Corpus de pesquisa é utilizado em trabalhos científicos cujo objeto específico é construído teoricamente e especialmente quando a coleta de dados é realizada em documentos e mensagens, e esses mesmos constituem-se no objeto observado a ser construído. Na Ciência da Informação a análise documental e de conteúdo (como métodos) podem e devem utilizar-se do corpus de pesquisa, ou seja, de uma amostra de documentos ou fontes pré-selecionados a priori, para o desenvolvimento do estudo. Assim, quando a coleta de dados é realizada na linguagem e documentos, tem-se o corpus, em vez do sujeito de pesquisa, próprio das investigações inseridas no contexto metodológico das Ciências Sociais. Os textos escolhidos para a composição do corpus respeitaram tanto a regra da representatividade quanto da homogeneidade, isto é, os documentos selecionados devem obedecer a critérios precisos e atender aos objetivos definidos da pesquisa, que é identificar e estudar as categorias dos mecanismos de busca, conforme segue a ordem de análise do corpus: 1 1 O corpus, neste trabalho, está listado em ordem de análise dos artigos.

6 CENDÓN, Beatriz V. Ferramentas de busca na web. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p , jan./abr MONTEIRO, Silvana Drumond. Os mecanismos de busca: à guisa de uma tipologia das múltiplas sintaxes. In: TOMAÉL, Maria Inês. Fontes de informação na Internet. Londrina: EDUEL, Cap.5, p MOSTAFA, Javed. WWW procura indolor. Scientific American Brasil, p , Disponível em: <www.sciam.com.br >. Acesso em: 28 out FIORAVANTE, Felipe. Tendências emergentes em mecanismos de busca. Disponível em: < Acesso: 20 abr BRANSKI, Regina Meyer. Recuperação de informações na Web. Perspect. cienc. inf., Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p , jan./jun SOARES, Claudio. A anatomia da busca. In: Pontolit, Disponível em: <http://blog.pontolit.com.br/autor/>. Acesso em: 08 abr DETERS, Janice Inês, ADAIME, Silsomar Flôres. Um estudo comparativo dos sistemas de busca na web. In: SEMINCO, 9. Anais... Disponível em: < Acesso em: 08 abr É importante salientar que outro corpus será consultado, visando atender a regra da exaustividade, contemplando a literatura internacional sobre o tema. 2.3 AS CATEGORIAS Categoria, no sentido lógico, significa os modos mais gerais de predicar o sujeito, no sentido ontológico é qualquer noção que sirva de regra para investigação ou sua expressão linguística em qualquer campo (ABBAGNANO, 2003). Os autores, citados no corpus, em extensão maior ou menor, intencionalmente ou não, estão realizando um estudo ontológico acerca dos mecanismos de busca. Isso significa que, por meio da ontologia, os esquemas categóricos podem ser aperfeiçoados para que possam acomodar a inserção de novos objetos, visto que um esquema categórico geral baseia-se em uma ontologia ou a abrange. Nesse sentido, os mecanismos de busca, considerados como máquinas semióticas e de organização, são um objeto novo nas ciências, e seu conhecimento empírico fornece categorias pelas quais podem ser agrupados e discutidos teoricamente nos artigos científicos. Com efeito, a literatura, nesses termos, pode fornecer recursos sintáticos para

7 a formulação semântica de categorias gerais que possam expressar a tipologia dos mecanismos de busca. 3 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DAS CATEGORIAS O objeto mecanismo de busca será analisado e diagramado visando a identificar as principais categorias ou distinções apresentadas pelos autores citados no corpus de pesquisa para a criação a posteriori de categorias mais gerais que possam agrupar e ilustrar partícipes da mesma propriedade. Inicialmente, Cendón (2001) apresenta um cenário acerca dos mecanismos de busca e, apesar de o artigo ter sido publicado há oito anos, para um tema em constante atualização, sua análise mostrou-se relevante, portanto, sendo considerado um artigo que atende o critério de representatividade sobre o tema. Para Cendón (2001), o termo ferramentas de busca é utilizado como gênero e, motores de busca e diretórios como espécies. Percebe-se que as categorizações descritas na literatura, a partir desse artigo, não apresentam a mesma curva de crescimento dos buscadores, no ciberespaço. Com efeito, os itens forma de ordenação e forma de apresentação são os mais comentados por abrigar, implícita ou explicitamente, a atualização dos mecanismos que surgem no espaço virtual do ciberespaço.

8 1) FERRAMENTAS DE BUSCA Motores de busca Diretórios CATEGORIAS MOTORES DE BUSCA Robô ou crawler Indexador Motor de busca Interface a) Temáticos b) Tamanho da base de dados c) Critérios para indexação d) Critérios para inclusão de páginas e) Frequência de atualização de dados f) Interfaces e recursos para busca g) Critérios de ordenação dos resultados: metatags; popularidade dos links; direct hit; inclusão do site; conceitos; pagamentos; spam; forma de apresentação dos resultados. 2) METAMOTORES Permitem a execução de uma mesma busca em mais de uma ferramenta (motores ou diretórios) Diagrama 1: Tipologia dos mecanismos de acordo com Cendón (2001) Analisando o diagrama feito para abrigar a ontologia de Cendón, a categoria que diz respeito à anatomia dos mecanismos encontra-se implicitamente alocada na descrição dos motores de busca. Quer dizer o funcionamento básico das máquinas de indexação no ciberespaço por meio dos robôs que rastreiam e coletam as páginas - os crawlers - dos indexadores dos serviços de busca e o motor de busca propriamente dito, que é a interface. Assim como Cendón (2001), Monteiro (2008) apresenta na categoria geral anatomia, os processos crawling, indexing e searching. Comparativamente com Cendón (2001), Monteiro (2008) organiza um eixo classificatório em que dá destaque à forma de organização ou indexação dos mecanismos de busca, como categoria geral, uma vez que é a forma mais geral de organização da informação e do conhecimento no ciberespaço. Abriga os mecanismos de busca como gênero, os diretórios, motores, mecanismos híbridos e metabuscadores como espécies.

9 1) ANATOMIA Crawling (varrer) Indexing (indexar ou gerar o índice a partir da base de dados) Searching (buscar através da interface de busca) 2) FORMA GERAL DE ORGANIZAÇÃO OU INDEXAÇÃO DOS MECANISMOS DE BUSCA (indexing) Diretórios ou Catálogos Programas ou robôs de Busca Híbridos Metabuscadores CATEGORIAS 3) ORDENAÇÃO DOS RESULTADOS (searching) 4) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS (searching) Localização/frequência do termo Análise de links Relevância Agrupamento ou clusterização: a) Textual b) Visual Especializados Personalizados Ontoweb Web Semântica 5) PARADIGMA SEMIÓTICO (indexing e searching) Sonoro Visual a) Espacial Verbal escrito Híbridos Diagrama 2: Tipologia dos mecanismos de acordo com Monteiro (2008) Monteiro (2008) contempla ainda, no eixo forma de organização ou indexação, os mecanismos híbridos, posto que aqueles que se denominam eminentemente ora em um ora em outro estão apresentando as duas maneiras de organização, observado especialmente os mecanismos gerais mais populares como o Google e o Yahoo!. De acordo com Monteiro (2008) os metabuscadores estão alocados nessa categoria, mas poderiam ser considerados também buscadores de agrupamento (quanto à forma de ordenação e apresentação dos resultados). Cabe ressaltar que, a apresentação dos resultados em Cendón (2001) é uma subcategoria da ordenação dos resultados, porque discute, nesta, o formato de

10 exibição da página de resultado da busca, o número de itens listados, se há ou não resumo, entre outros, quer seja, o layout da página. Monteiro (2008) também considera esses dois elementos em uma pressuposição recíproca, fazendo referência ao conceito de dobra, em que [...] é a continuidade do avesso e do direito, a arte de instaurar essa continuidade, de tal maneira que o sentido na superfície se distribui dos dois lados ao mesmo tempo. (DELEUZE, p. 130, 1998). Essa separação é tênue e tensionada entre um processo e outro, e é apresentada tão somente para fins didáticos e representada por linha pontilhada no diagrama. Com efeito, a autora apresenta os princípios filosóficos das máquinas de busca, situados em teoria pós-moderna da linguagem, para comprovação da tese das múltiplas sintaxes de organização e busca do conhecimento e da informação no ciberespaço. Monteiro (2008) na categoria apresentação dos resultados propõe a tipologia exaustiva de acordo com os vários buscadores existentes no ciberespaço, como os especializados (que CENDÓN, 2001, designa temáticos), os personalizados, os de agrupamento e aqueles que apresentam ontologias ou alguma semântica de indexação e busca do conhecimento no ciberespaço. Reserva à ordenação dos resultados os atributos dos algoritmos dos buscadores responsáveis pelos critérios de relevância, citação, frequência e localização do léxico nos resultados, item no qual Cendón (2001) arrola mais exemplos, como: ordenação do resultado conforme pagamento, spam, inclusão do site pelo autor ou editor e direct hit. Este último seria um critério por relevância de acordo com a escolha de sites pelos usuários. Monteiro (2008) afirma que ao estudarmos a organização do conhecimento no ciberespaço tendo como premissa o conceito filosófico rizoma de Deleuze e Guattari (1995), que se distancia do conceito da Árvore de Porfírio, já consolidado do esquema sobre o qual paira a organização do conhecimento, faz-se necessário observar que esse ambiente cognitivo se difere da linguagem verbal escrita. O ciberespaço reúne a nova sociedade da informação; uma sociedade que se reorganiza num espaço sociotécnico, suportada por uma linguagem hipertextual de códigos, o HTML 2, que consiste em diferentes nós de texto digital. (NICOLA, 2004, p.26). 2 Hypertext Markup Language (linguagem de marcação hipertextual)

11 Assim, Monteiro (2008) e Nicola (2004), citados acima, compactuam sobre as novas formas para organizar o conhecimento em ambiente virtual. O formato como se apresentam a informação e o conhecimento nesse novo meio é o que determina essa nova forma, pois o conteúdo deixa de ser uma representação apenas gráfica, permitindo outros formatos de entrada e saída para a busca do usuário. Esse novo formato descrito por Monteiro (2008) está relacionado aos aspectos da Semiótica, aspectos filosóficos e da cognição (representação do conhecimento por parte do usuário), representando uma nova forma de se entender a lógica para organizar e buscar as informações no ciberespaço, principalmente no que se refere aos motores de busca, pois, por meio dessas ferramentas que se tem acesso ao conteúdo armazenado no ambiente virtual. Do ponto de vista terminológico, Mostafa (2003) chama o objeto de mecanismos não se atendo na categoria clássica de tipos de buscadores. Traz, em relação aos diagramas anteriores, menção à busca geográfica, assim como Monteiro (2008), que menciona como categoria semiótica da matriz visual as buscas realizadas por parâmetros geoespaciais. Outro aspecto interessante são os crawlers denominados Wrappers que indexam a Web oculta, uma vez Que exploram a sintaxe habitual dos pedidos de busca e formatos padrão dos recursos on-line para obter acesso a conteúdos ocultos. (MOSTAFA, 2005, p. 87).

12 1) FUNCIONAMENTO Crawler Índice Busca 2) ORDENAÇÃO Freqüência Análise de links 3) MECANISMOS SUPERIORES AGRUPAMENTO Aglutina os resultados baseados em termos relevantes verbais e visuais CATEGORIAS BUSCA IMPLÍCITA Extrai características do disco rígido da máquina do usuário para melhorar a busca PERSONALIZADA Esses mecanismos focam o hábito, temas, traçam o perfil do usuário SONORA GEOGRÁFICA Conversão da consulta musical em forma prontamente computável; armazenamento e pesquisas digitais de partituras musicais e a computação das consultas com os dados musicais armazenados Complementa a busca textual, utilizando tecnologia de GPS para localizar resultados geograficamente próximos IMAGEM WEB OCULTA Buscador de conteúdo gráfico Pesquisa arquivos que não estão conectados por hiperconexões Diagrama 3: Tipologia dos mecanismos de acordo com Mostafa (2005) Ainda no mesmo artigo, o autor faz menção à classe de mecanismos de busca não verbais, como os sonoros, imagens e geográficos em que Monteiro (2008) formaliza e desenvolve a categoria paradigma semiótico, utilizando as matrizes da linguagem para classificá-los e estudá-los: sonoro, visual, verbais escritos e híbridos. Portanto, a Semiótica vem corroborar com a análise quanto à organização do conhecimento sobre os mecanismos de busca no ciberespaço, pois caracteriza a linguagem em toda a sua forma de expressão, verbal escrita ou não. Monteiro (2008, p.116) faz uso dos conceitos e princípios da Semiótica peirciana para o [...] estudo das linguagens nos mecanismos de busca [...], conforme Diagrama 2.

13 Dando continuidade na análise, observa-se no artigo de Fioravante (2009) e Mostafa (2005) alguns tipos de mecanismos que dizem respeito à forma de apresentação e ordenação dos resultados, a saber: CATEGORIAS 1) MECANISMOS DE BUSCA, BUSCADORES FERRAMENTAS a) INTEGRAÇÃO Vários arquivos: MP3, PDF, HTML.. VISUALIZAÇÃO POR AGRUPAMENTO LINGUAGEM NATURAL SEGMENTAÇÃO PERSONALIZAÇÃO Complementa a integração e o AGRUPAMENTO Compreende a linguagem do usuário Foca um público, a audiência, crianças, acadêmicos... Perfil e contexto da busca Diagrama 4: Tipologia dos mecanismos de acordo com Fioravante (2009) Fioravante (2009) também não se atém na discussão sobre tipos de mecanismos, utilizando várias terminologias, como mecanismos de busca, ferramenta de busca e buscadores. Comparando essas categorias com o Diagrama 2 pode-se depreender similaridades com a integração, isto é, corresponde aos mecanismos híbridos em Monteiro (2008), com o agrupamento ou clusterização, com a personalização. Já a segmentação equivale aos especializados e, tanto a linguagem natural quanto à visualização seriam os mecanismos contidos nos paradigmas semióticos. Na mesma medida, a comparação do Diagrama 3 e 4 são coincidentes nas categorias agrupamento, personalização e visualização. Para Branski (2004), buscadores, ferramentas de busca ou mecanismos de busca são sistemas especializados utilizados na recuperação de informação na Internet. Não obstante, considera buscadores como gênero e diretórios e programas como espécies. Apresenta uma tipologia não muito diferenciada das comentadas anteriormente. Por um lado, não privilegia as formas de ordenação e apresentação. Por outro, discorre minuciosamente o refinamento de busca a partir dos operadores e conectivos lógicos e booleanos, bem como de estratégias avançadas de busca, pois esse é o foco do texto, ou seja, a recuperação de informações na Web.

14 Dessa forma, mostra as diferentes formas de coletar e estruturar as informações que caracterizam os diversos buscadores disponíveis na Internet, conceituando a estrutura da informação como a [...] organização lógica para posterior recuperação e linguagem de busca como os comandos que permitem a recuperação da informação através de palavras contidas nos títulos, resumos ou outros campos de dados. (BRANSKI, 2004, p.71). A partir do diagrama abaixo, as categorias implícitas da autora são representadas da seguinte forma: CATEGORIAS 1) FUNCIONAMENTO 2) ORDENADORES Coleta Base de dados Interface Localização e frequência Análise de links 3) BUSCADORES Diretórios Programas de busca 4) REFINAMENTO DE BUSCA Apresenta e compara os operadores e conectivos lógicos e booleanos de vários mecanismos de busca 5) OUTRAS FORMAS DE Especialistas ou temáticas LOCALIZAR INFORMAÇÕES Bibliotecas virtuais Metabuscadores Web oculta Diagrama 5: Tipologia dos mecanismos de acordo com Branski (2004) Soares (2008) em um artigo sobre anatomia da busca considera os mecanismos como oráculos pós-modernos e apresenta uma categoria mais diferenciada dos demais textos no que tange aos tipos de mecanismos de busca, conforme item 3) no Diagrama 6. CATEGORIAS 1) ANATOMIA 2) CRITÉRIOS DE ORDENAÇÃO Interface de busca Crawlers, spiders e robots Banco de dados Algoritmos de busca Localização Frequência Quantidade de links Click-though Primários 3) TIPOS DE MECANISMOS DE BUSCA Secundários Segmentados Diagrama 6: Tipologia dos mecanismos de acordo com Soares (2008)

15 Os processos básicos de funcionamento dos mecanismos de busca, em Soares (2008), estão aqui explicitados como tal, tanto quanto em Monteiro (2008), apenas discriminando os algoritmos de busca. Quanto à ordenação, apresenta um elemento novo, em relação aos anteriores, a saber, click-though, ou seja, quantidade de vezes que as páginas são consultadas ou pelo menos clicadas coincidindo com o Direct-hit de Cendón (2001). A categoria tipos de mecanismos de buscas, de Soares (2008), em relação aos demais autores é a mais diferenciada. Considera os mecanismos de busca primários aqueles mais conhecidos e gerais, como o Google, Yahoo!... Já os secundários atingem audiências mais específicas e são apropriados para pesquisas mais focadas e cita como exemplos o Lycos e o LookSmart. Os segmentados são aqueles mecanismos organizados por tópicos específicos, no que corresponderiam aos especializados ou segmentados de Monteiro (2008) e Fioravante (2009), respectivamente. Assim, para Soares (2008) os mecanismos de busca são o gênero e as espécies são os mecanismos primários, secundários e segmentados. Deters e Adaime (2003) descrevem a categoria usual de tipos de mecanismos, conforme Diagrama 7, considerando sistemas de busca como o gênero e mecanismos de busca como espécie, além dos diretórios, sistemas de metabusca e sistemas híbridos. Diretórios CATEGORIAS 1) SISTEMAS DE BUSCA Mecanismos de busca (robôs) a) base de dados b) software de interface Sistemas de metabusca Sistemas híbridos Diagrama 7: Tipologia dos mecanismos de acordo com Deters e Adaime (2003) Os sistemas apresentados são exemplificados e detalhados de acordo com o seu funcionamento, inclusive com a sistematização das vantagens e desvantagens de uso. Uma tabela, reproduzida na íntegra no Diagrama 8, é apresentada comparando os processos básicos de funcionamento dos mesmos.

16 SISTEMAS Descobrimento de páginas Representação do conteúdo do documento Representação da consulta Apresentação dos resultados 1) DIRETÓRIOS Realizada manualmente (por pessoas) Classificação manual Implícita mediante navegação pelas categorias Páginas de resultados previamente construída. Os resultados são mostrados de forma bastante precisa 2) MECANISMOS DE BUSCA Principalmente de forma automática mediante robots Indexação automática Explícita mediante palavra-chave Página criada de forma dinâmica para cada consulta. Pouca precisão 3) METABUSCA Não possuem mecanismos de descobrimento próprio Usam a base de dados de outros sistemas de busca, não indexam o conteúdo Explícita mediante palavra-chave Páginas criadas de forma dinâmica apresentam uma maior cobertura, mas os resultados são pouco precisos 4) SISTEMA HÍBRIDOS De acordo com o sistema o descobrimento pode ser manual ou automático Conforme o sistema a indexação pode ser automática ou manual, trabalham em parceria com outro sistema Ela pode ser implícita como explícita Diagrama 8: Principais características dos sistemas de busca Fonte: Deters e Adaime (2003) Páginas criadas de forma dinâmica Assim, desdobram os sistemas de busca que Monteiro (2008) denomina anatomia em análise do funcionamento básico das máquinas em: descobrimento de páginas, a etapa de crawlin ou captura no ciberespaço, representação do conteúdo do documento, o processo de indexing e representação da consulta e apresentação dos resultados, os processos de searching, ou seja, a interface de busca. CONSIDERAÇÕES FINAIS A categorização, no sentido da análise de conteúdo, é uma operação de classificação de elementos [...] constitutivos de um conjunto, por diferenciação seguida de um reagrupamento baseado em analogias, a partir de critérios definidos. (FRANCO, 2003, 51). As categorias diagramadas, neste trabalho, por meio da análise do conteúdo, refletem a parte metodológica da pesquisa, ora em desenvolvimento.

17 De maneira geral, percebe-se que não há uma padronização na literatura quanto ao assunto, como não há no objeto estudado. Quanto à terminologia sobre os buscadores, categoria mais geral designada tipos de mecanismos, encontramos esse exemplo mais premente: para Cendón (2001) ferramentas de busca é o gênero e motores de busca e diretórios os tipos ou espécie; para Monteiro (2008) mecanismos de busca é o gênero e, diretórios, programas de busca, mecanismos híbridos e metabuscadores são as espécies. Aqui, em especial, a autora designa como categoria mais geral dos tipos de buscadores como forma geral de organização e indexação dos mecanismos de busca, explicitando assim, que essa divisão diz respeito à forma como os buscadores organizam a informação e o conhecimento no ciberespaço; para Mostafa (2005) não há essa apresentação, partindo para a classificação dos mecanismos quanto à sua ordenação e apresentação dos resultados, não obstante sua terminologia seja mecanismos de busca ; para Fioravante (2009) a terminologia utilizada, ora é mecanismo de busca, ora, ferramenta de busca, também não fazendo distinção com relação ao tipos de mecanismos de busca. Apresenta uma tipologia com relação às múltiplas formas de ordenação e apresentação dos resultados; para Branski (2004) buscadores são o gênero e diretórios e programas suas espécies; para Soares (2008) a terminologia utilizada é mecanismos de busca tendo como espécies os mecanismos primários, secundários e segmentados, ou seja, a classificação mais diferenciada, da literatura, no tocante a essa categoria; para Deters e Adaime (2008) sistemas de busca são o gênero e as espécies são: diretórios, mecanismos de busca, sistema de metabusca e sistemas híbridos. Essa análise de conteúdo, como instrumento metodológico, que teve como objetivo a análise sintática, nos evidencia a tese das múltiplas sintaxes não só de organizar e buscar a informação e o conhecimento no ciberespaço, mas também designar, linguisticamente, esse objeto.

18 Percebe-se também, que cada autor traz em seu texto o corpus de sua área de formação. Com efeito, os textos inseridos no corpus da Ciência da Informação apresentam preocupação em discorrer sobre os tipos de mecanismos de busca posto que essa é a categoria que se assemelha com a organização do conhecimento, seja por meio do conceito de diretórios ou catálogos, seja por meio de índices. Em especial no texto de Deters e Adaime (2003) o emprego do léxico sistema da tipologia dos mecanismos reflete o corpus da área da Ciência da Computação. Outra categoria mais geral apreendida é o processo básico de funcionamento ou anatomia dos mecanismos de busca: o crawler, o índice e a interface de busca, como evidenciado, não há padronização do termo. As formas de ordenação e apresentação dos mecanismos de busca são categorias que se apresentam em vários textos, sendo inclusive, mesmo que implicitamente, objeto de análise e exemplificação prioritária do objeto de investigação, como nos artigos de Fioravante (2009) e Mostafa (2005). Monteiro (2008) relata a dificuldade de separar esses dois processos e o faz, mediante a apresentação de uma linha pontilhada ilustrando o conceito de dobra de Deleuze (1998) que é arte de instaurar o sentido na continuidade entre o avesso e o direito, na distribuição em que se dá em pressuposição recíproca. A última categoria mais geral detectada, a partir da diagramação efetuada na análise de conteúdo, explicitada por Monteiro(2008) é a designada paradigmas semióticos, que visa classificar e estudos os mecanismos de busca com base na Semiótica peirciana, compreendendo os mesmos como objetos sígnicos. De uma forma geral, o trabalho que mais se engajou nas questões filosóficas e da linguagem, dentre o corpus estudado, foi o de Monteiro (2008) que também reflete sua formação em contexto mais abrangente que as áreas supracitadas. Foi também o que manifestamente apresentou as categorias mais gerais pelas quais subcategorias e exemplos partícipes possam ser relacionados e agrupados. A partir deste trabalho, ou do levantamento das múltiplas sintaxes dos mecanismos de busca, o diagrama desenvolvido anteriormente, pelo grupo de pesquisa, será aperfeiçoado, no que tange especialmente às subcategorias partícipes das formas de

19 ordenação e apresentação de resultados, em que, na literatura, foram mais diversificados em sua apresentação. A partir da literatura internacional e da exaustividade, como critérios de seleção do corpus, outras categorias mais gerais possam emergir, mediante a análise de conteúdo. Não obstante, o exemplo desta análise no âmbito da linguagem evidencia a pragmática das múltiplas sintaxes dos mecanismos de busca no ciberespaço. REFERÊNCIAS ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed.70, BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. 11. ed. São Paulo: Cultrix, BRANSKI, Regina Meyer. Recuperação de informações na Web. Perspect. Cienc. Inf., Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p , jan./jun CENDÓN, Beatriz V. Ferramentas de busca na web. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p , jan./abr DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectivas, DETERS, Janice Inês, ADAIME, Silsomar Flôres. Um estudo comparativo dos sistemas de busca na web. In: SEMINCO, 9. Anais... Disponível em: <www.ulbrato.br/.../sistemasbuscaweb-encoinfo.2003.pdf>. Acesso em: 8 abr FRANCO, Maria Laura P. B. Análise de conteúdo. Brasília: Plano, FIORAVANTE, Felipe. Tendências emergentes em mecanismos de busca. Disponível em: < Acesso: 20 abr MONTEIRO, Silvana Drumond. Os mecanismos de busca: à guisa de uma tipologia das múltiplas sintaxes. In: TOMAÉL, Maria Inês. Fontes de informação na Internet. Londrina: EDUEL, Cap.5, p MOSTAFA, Javed. WWW procura indolor. Scientific American Brasil, p , Disponível em: <www.sciam.com.br>. Acesso em: 28 out NICOLA, Ricardo. Cibersociedade: quem é você no mundo on-line? São Paulo: SENAC, (Série Ponto Futuro; 16) SOARES, Claudio. A anatomia da busca. In: Pontolit, Disponível em: <http://pontolit.com.br/blog/2009/01/a-anatomia-da-busca/>. Acesso em: 8 abr

20 Title The search engines categories: an object under construction and in constant changing Abstract The article investigates the search engines categories in cyberspace, through the linguistic expressions presented in the literature. The Content Analysis method was adopted to analyze the selected corpus according to the correlation between representativeness and homogeneity criteria of the subject. In the ontological sense, category means any notion that serves as a rule for researching or as its own linguistic expression. In the logical sense, means the more general ways of predicating a subject or substance. The texts were diagrammatized in order to register the categories presented by the authors as well as to compare and contrast different positions and conceptual classifications and, lately, to establish more general categories. From the diagrammatized expressions general semantic categories can be inferred, such as: search engines types, anatomy, ways of organizing and presenting the results, and semiotic paradigms. It also became evident that there is no terminological standardization to describe the object "search engine". The study provides evidence of the pragmatics of the multiple language syntax concerning the search engines in cyberspace. Keywords Search Engines. Cyberspace. Knowledge Organization.

PARADIGMA SEMIÓTICO DOS MECANISMOS DE BUSCA NO CIBERESPAÇO

PARADIGMA SEMIÓTICO DOS MECANISMOS DE BUSCA NO CIBERESPAÇO PARADIGMA SEMIÓTICO DOS MECANISMOS DE BUSCA NO CIBERESPAÇO Joel Gomes de Abreu, (IC Fundação Araucária), Silvana Drumond Monteiro (Orientadora), email: . Universidade Estadual

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

Análise do Conteúdo e a Análise Documental

Análise do Conteúdo e a Análise Documental Análise do Conteúdo e a Análise Documental P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conceito

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO NA INTERNET

FONTES DE INFORMAÇÃO NA INTERNET FONTES DE INFORMAÇÃO NA INTERNET O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (TIC) facilita o aparecimento, cada vez mais rápido, de fontes de informação na internet. Porém, nem todas

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Otimização da exposição de websites em mecanismos de busca vista como atividade de indexação

Otimização da exposição de websites em mecanismos de busca vista como atividade de indexação Otimização da exposição de websites em mecanismos de busca vista como atividade de indexação Bruno Viana Rezende 1 Marcello Peixoto Bax 2 Resumo O artigo apresenta a atividade considerada de webmarketing

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Web Marketing. Introdução. Números dos sites de busca. A Web é o maior depósito de informações do mundo:

Web Marketing. Introdução. Números dos sites de busca. A Web é o maior depósito de informações do mundo: Web Marketing Anhanguera Taboão da Serra Disciplina: Comércio Eletrônico Introdução A Web é o maior depósito de informações do mundo: As informações estão dispersas na rede. Entre estas informações estão

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

05/05/2015. Recuperação de Informação

05/05/2015. Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperar consiste em identificar, em um conjunto de documentos (corpus), quais atendem à necessidade de do usuário. O usuário de um sistema de recuperação

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Língua(gem), Tecnologia e Informação

Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua, Tecnologia e Informação A Ciência da Informação estuda vários aspectos sobre o acesso ao registro, acesso ideal de maneira eficiente e eficaz O registro de

Leia mais

GLOSSÁRIO SOBRE SEARCH ENGINE MARKETING (SEM)

GLOSSÁRIO SOBRE SEARCH ENGINE MARKETING (SEM) SUMÁRIO EXECUTIVO Este documento é uma iniciativa do Comitê de SEM (Search Engine Marketing) do IAB Brasil e é fruto de ampla discussão e consulta. O objetivo é torná-lo uma fonte de referência para o

Leia mais

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback

25/05/2015. Relevance Feedback. Expansão de Consulta. Relevance Feedback Relevance Feedback Expansão de Consulta Relevance Feedback 1 Relevance Feedback Baeza-Yates; Ribeiro-Neto, (2011, cap 5) distinguem dois métodos: Explicit Relevance Feedback a informação para a reformulação

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Planejamento Estratégico Participativo

Planejamento Estratégico Participativo Planejamento Estratégico Participativo AMBIENTE INTERNO: PROPÓSITO MISSÃO VISÃO PRINCÍPIOS VALORES O SENTIDO OU A RAZÃO DA EXISTÊNCIA DA INSTITUIÇÃO DIREÇÃO DESEJADA, O CAMINHO QUE SE PRETENDE PERCORRER,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

SEO Search Engine Optimization

SEO Search Engine Optimization SEO Search Engine Optimization 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 1 Introdução Contatos Carlos José carlos.jose.r2n@gmail.com www.carlosjose.net @carlosjoser2n SEO Introdução Atualmente

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Análise do Conteúdo Laurence Bardin. Profª Dra Rute Grossi Milani Seminários de Pesquisa

Análise do Conteúdo Laurence Bardin. Profª Dra Rute Grossi Milani Seminários de Pesquisa Análise do Conteúdo Laurence Bardin Profª Dra Rute Grossi Milani Seminários de Pesquisa Definição A análise de Conteúdo se define como um conjunto de técnicas de análise das comunicações (quantitativos

Leia mais

2 - Recuperação da Informação:

2 - Recuperação da Informação: 2 - Recuperação da Informação: 2.1. Conceitos 2.1.1 - Conceitos de Informação e Comunicação: Já vimos que Informação é o resultado do processamento, manipulação e organização de dados, de tal forma que

Leia mais

Um estudo sobre o uso de agentes de internet em buscas (Junho 2010)

Um estudo sobre o uso de agentes de internet em buscas (Junho 2010) IA009 INTRODUÇÃO À TEORIA DE AGENTES 1 Um estudo sobre o uso de agentes de internet em buscas (Junho 2010) Alexandre Fatayer Canova, RA 107214, UNICAMP Agentes de internet são parte integrante da web na

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Específica Inglês (cont.) 12º Ano Código 358 2015 1 - Introdução: O presente documento visa

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012. GT 8 Informação e Tecnologia

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012. GT 8 Informação e Tecnologia XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 8 Informação e Tecnologia PANORAMA ATUAL DO USO DOS MECANISMOS DE BUSCA NA WEB Comunicação Oral Rogerio Paulo Muller Fernandes

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

04/03/2013. Gerenciamento de Dados e Informação. Recuperação de Dado X Informação. Histórico

04/03/2013. Gerenciamento de Dados e Informação. Recuperação de Dado X Informação. Histórico Recuperação de Dado X Informação Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Comparação (matching) Recuperação de Dados Exata Recuperação de Informação Aproximada Dados

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS

IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS P Ô S T E R IDENTIFICAÇÃO DE CATEGORIAS INFORMACIONAIS PARA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS FIXAS EM BANCOS DE IMAGENS COMERCIAIS Joice Cleide Cardoso Ennes de Souza, Rosali Fernandez de Souza Resumo:

Leia mais

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas ESCOLA: Dr. Solano de Abreu DISCIPLINA:TIC ANO: 1 ANO 2013/2014 CONTEÚDOS Conceitos básicos Informática

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Programação para Internet I

Programação para Internet I Programação para Internet I Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br) Vantagens da HTML 5 Código notadamente semântico;

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO - 160568 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês 10º/11º

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Ferramentas de Busca na Web para Pesquisa em Saúde

Ferramentas de Busca na Web para Pesquisa em Saúde Ferramentas de Busca na Web para Pesquisa em Saúde Marisa I. Corradi, Sandra Honorato da Silva Programa de Pós-Graduação em Tecnologia em Saúde, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Brasil

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

ROTEIRO DE IMPLANTAÇÃO

ROTEIRO DE IMPLANTAÇÃO Implantação Framework Essential ROTEIRO DE IMPLANTAÇÃO Detalhes Imprescindíveis nessa Implantação: Importação Após criar as planilhas seguir a ordem de importação abaixo: 1) Departamentos; 2) Produtos;

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS Janine Soares de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina Markus Johannes Weininger Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE BUSCA NA WEB

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE BUSCA NA WEB ANÁLISE DOS SISTEMAS DE BUSCA NA WEB GISELE VASCONCELOS DZIEKANIAK* RESUMO O estudo aborda o cenano informacional no qual a sociedade da informação está inserida, buscando exaltar a importância na classificação

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. WEB OF SCIENCE - Tutorial

T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. WEB OF SCIENCE - Tutorial T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS WEB OF SCIENCE - Tutorial O que é? O Web of Science é uma base de dados que disponibiliza acesso a mais de 9.200 títulos

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos

Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos Grupo: André Gustavo Almeida Bernardo Gonçalves Marcel Damásio Rodolfo Gabri Vitória 2007/02

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax Objetivo A tarefa consiste em criar um editor gráfico de cenários para jogos 2D com visão lateral. O editor deve permitir que o usuário trabalhe com camadas, para simular o efeito parallax. O usuário pode

Leia mais

Laboratório de Mídias Sociais

Laboratório de Mídias Sociais Laboratório de Mídias Sociais Aula 02 Análise Textual de Mídias Sociais parte I Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade Federal de Goiás O que é Análise Textual? Análise

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Recuperação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Recuperação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Recuperação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília 1 2 Contexto Grande quantidade de informações são produzidas e disponibilizadas diariamente Com a elevada

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1 Guilhermina de Melo Terra 2 Universidade Federal do Amazonas Resumo Discute o processo de produção, armazenamento e disseminação da informação que se encontra

Leia mais

Utilização de Hipermídia para Criação de Help: Estudo de Caso Software para Auxílio no Ensino de Linguagens Regulares

Utilização de Hipermídia para Criação de Help: Estudo de Caso Software para Auxílio no Ensino de Linguagens Regulares Utilização de Hipermídia para Criação de Help: Estudo de Caso Software para Auxílio no Ensino de Linguagens Regulares Juliana Leontina da Silva 1, Frederico Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Classificação / Indexação

Classificação / Indexação Classificação / Indexação Classificação Entende-se por classificação: o processo pelo qual se torna possível dispor de uma forma ordenada, um determinado conjunto de elementos, de molde a facilitar a sua

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

Programação para Internet I. 10. Motores de busca. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet I. 10. Motores de busca. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet I 10. Motores de busca Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt A Internet assume-se como a maior fonte de informação de todos os tempos No entanto, a informação encontra-se

Leia mais

Cartão de consulta rápida

Cartão de consulta rápida Web of Science Cartão de consulta rápida ISI WEB OF KNOWLEDGE SM Pesquise mais de 9.200 periódicos em mais de 5 idiomas diferentes nas áreas de ciências, ciências sociais, e artes e humanidades para encontrar

Leia mais

T U T O R I A I S SCOPUS TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. SCOPUS - Tutorial

T U T O R I A I S SCOPUS TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. SCOPUS - Tutorial T U T O R I A I S SCOPUS TUTORIAL O que é? O Scopus é uma base de dados que disponibiliza acesso a mais de 16.000 títulos de periódicos, mais de 1.200 revistas de livre acesso, mais de 500 anais de conferências

Leia mais

Organização e Recuperação da Informação

Organização e Recuperação da Informação GSI024 Organização e Recuperação da Informação Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/ori UFU/FACOM - 2011/1 Arquivo 1a Introdução Porque RI? Problemas da solução

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais