ADB51 PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADB51 PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:"

Transcrição

1 PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I ADB51 CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 5 (cinco) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que, na primeira hora de prova, se ausentar da sala e a ela não retornar será eliminado. 3 - Os 3 (três) últimos candidatos a terminar a prova permanecerão na sala e somente poderão sair juntos do recinto, após aposição em ata de suas respectivas assinaturas. 4 - O candidato NÃO poderá levar o seu Caderno de Questões (provas objetivas) e NÃO poderá copiar o gabarito (assinalamentos). A imagem do seu Cartão de Respostas será disponibilizada na página do concurso em na data prevista no cronograma. INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA 1 - Confira atentamente se este Caderno de Questões, que contém 50 (cinquenta) questões objetivas, está completo. 2 - Cada questão da prova objetiva contém 5 (cinco) opções, somente uma correta. 3 - Confira se seus dados pessoais e o cargo/perfil escolhido, indicados no cartão de respostas, estão corretos. Se notar qualquer divergência, notifique imediatamente o Fiscal de Sala ou o Chefe de Local. Terminada a conferência, você deve assinar o cartão de respostas no espaço apropriado. 4 - Confira atentamente se o cargo/perfil e o número do caderno que estão no caderno de questões são os mesmos que constam em seu cartão de respostas e na etiqueta com seus dados colada na mesa/cadeira designada para você sentar. Se notar qualquer divergência, notifique imediatamente o Fiscal de Sala ou o Chefe de Local. 5 - Cuide de seu cartão de respostas. Ele não pode ser rasurado, amassado, dobrado nem manchado. 6 - Se você marcar mais de uma alternativa, sua resposta será considerada errada mesmo que uma das alternativas indicadas seja a correta. 7 - No decorrer da prova objetiva o fiscal de sala irá colher a sua digital no selo que está no seu cartão de respostas. AGENDA 13/04/2014, Provas Objetivas/ Discursivas e Entrega de Títulos (candidatos de Nível Superior). 14/04/2014, Divulgação dos Exemplares dos Cadernos de Questões (Provas) das Provas Objetivas e das Provas Discursivas. 14/04/2014, Divulgação dos Gabaritos Preliminares das Provas Objetivas e das Provas Discursivas 15/04/2014, Disponibilização das Imagens dos Cartões Respostas das Provas Objetivas. 16/04 e 17/04/2014, Interposição de Recursos contra as questões das Provas Objetivas e das questões das Provas Discursivas. 28/04/2014, Divulgação dos Gabaritos Definitivos das Provas Objetivas e das Provas Discursivas. 28/04/2014, Divulgação das Notas Preliminares das Provas Objetivas. 06/05 e 07/05/2014, Interposição de Recursos contra das Notas Preliminares das Provas Objetivas. 05/05/2014, Resultado dos Recursos contra as Notas Preliminares das Provas Objetivas. INFORMAÇÕES: Tel: das 9 às 18h Internet:

2 TEXTO ADB51 PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I CADERNO 2 LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÃO 2 Os termos do título maconha / classe social aparecem relacionados, no texto, do seguinte modo: MACONHA E CLASSE SOCIAL Em recente entrevista, o presidente Barak Obama afirmou que fumar maconha é menos nocivo do que ingerir álcool. Defensor da legalização do uso recreativo, acrescentou que a criminalização dessa droga prejudica mais os jovens negros e latinos das classes pobres do que os garotos de classe média, que raramente vão para a prisão pelo seu uso. Os dois argumentos revelam muito da ideologia dita progressista do presidente. Adepto do que se convencionou chamar de Estadobabá, ele pauta suas opiniões e decisões de acordo com o perigo que determinada atividade possa representar aos cidadãos. Assim, se a maconha é menos nociva que o tolerado álcool, pode ser liberada. Já o argumento segundo o qual a legalização beneficiará os mais pobres, que costumam ser punidos com mais rigor pela lei opressora, denota sua firme adesão à teoria da luta de classes. O consumo e comercialização da maconha devem ser liberados sim, mas não pelos fracos argumentos usados pelo presidente. O primeiro é cientificamente controverso e o segundo, embora verdadeiro, é tosco, uma vez que, no limite, pode ser usado para defender a descriminalização de qualquer atividade ilícita, inclusive os crimes contra a vida e a propriedade. Afinal, os mais pobres costumam ser punidos com mais rigor por quaisquer crimes, e não só tráfico e consumo de drogas. A questão relevante aqui deveria ser: devemos criminalizar atividades que não prejudiquem ninguém, além dos próprios agentes? Ora, se uma atividade deve ser proibida ou autorizada de acordo com os níveis de risco à vida ou à saúde de seus praticantes, deveríamos aplaudir a proibição de esportes radicais, consumo de açúcares, gorduras, álcool, cigarros e, até mesmo, guiar automóveis. Se tais atividades são admitidas, malgrado todos os perigos a elas inerentes, é porque consideramos que temos o direito de escolher o nosso próprio caminho, de buscar a própria felicidade de acordo com os nossos valores e avaliações, não os do governo, dos cientistas ou de qualquer outra atividade. João Luiz Mauad, o Globo, 19/02/2014 QUESTÃO 1 Ora, se uma atividade deve ser proibida ou autorizada de acordo com os níveis de risco à vida ou à saúde de seus praticantes, deveríamos aplaudir a proibição de esportes radicais, consumo de açúcares, gorduras, álcool, cigarros e, até mesmo, guiar automóveis. O argumento do autor do texto, nesse caso, se apoia num(a): (A) os mais ricos fumam mais maconha que os pobres, mas são menos penalizados. (B) os mais pobres fumam maconha, mas por uso recreativo. (C) o uso da maconha está disseminado por todas as classes sociais. (D) os mais pobres são mais penalizados que os que pertencem à classe média. (E) os mais ricos defendem a legalização do uso recreativo da maconha. QUESTÃO 3 Infere-se da declaração inicial do presidente Obama que: (A) fumar maconha e ingerir álcool são atos de diferentes graus de nocividade. (B) fumar maconha é mais benéfico do que ingerir bebida alcoólica. (C) devemos fumar maconha, mas não ingerir álcool. (D) fumar maconha é menos nocivo do que ingerir álcool, desde que em uso recreativo. (E) ingerir álcool é tão nocivo quanto fumar maconha, mas deve-se preferir aquele a essa. QUESTÃO 4 A frase abaixo que NÃO está estruturada na voz passiva é: (A)...pode ser usado para defender a descriminalização de qualquer atividade.... (B)...se a maconha é menos nociva que o tolerado álcool, pode ser liberada. (C) Se tais atividades são admitidas,.... (D) O consumo e comercialização da maconha devem ser liberados sim.... (E) A questão relevante aqui deveria ser: devemos criminalizar atividades.... QUESTÃO 5 Adepto do que se convencionou chamar de Estado-babá... ; a designação se prende ao fato de as autoridades (A) tratarem todos os cidadãos como irresponsáveis. (B) se atribuírem a proteção de todos os cidadãos. (C) considerarem os jovens como adultos em miniatura. (D) decidirem os pleitos sem consulta à população. (E) informarem continuamente à população os problemas encontrados. (A) apelo ao absurdo (B) estatística tendenciosa (C) generalização excessiva (D) fuga do assunto (E) analogia com outro elemento 2

3 QUESTÃO 6 Observe as frases abaixo: I....a criminalização dessa droga prejudica mais os jovens negros.... II....a legalização beneficiará os mais pobres... III....costumam ser punidos com mais rigor pela lei... Sobre o emprego do vocábulo sublinhado, podemos afirmar com correção que: (A) todas as frases apresentam formas de comparativo ou superlativo. (B) em todas as frases o vocábulo sublinhado pertence à mesma classe. (C) na frase III, o vocábulo mais pertence a uma classe diferente das demais. (D) nas frases II e III, o vocábulo mais pertence à classe dos advérbios. (E) em todas as frases o vocábulo mais apresenta classes diferentes. QUESTÃO 7 Segundo o texto, os argumentos do presidente Obama devem ser considerados (A) igualmente errados. (B) atualmente ultrapassados. (C) cientificamente ultrapassados. (D) diferentemente condenados. (E) socialmente preconceituosos. QUESTÃO 8 O primeiro é cientificamente controverso e o segundo, embora verdadeiro, é tosco, uma vez que, no limite, pode ser usado para defender a descriminalização de qualquer atividade ilícita, inclusive os crimes contra a vida e a propriedade. Nesse caso, o argumento do autor do texto apela para: (A) uma analogia indevida. (B) uma estatística falsa. (C) uma simplificação exagerada. (D) uma fuga do assunto. (E) uma fragmentação argumentativa. QUESTÃO 9 A alternativa em que a equivalência das estruturas não é verdadeira é: QUESTÃO 10 Ora, se uma atividade deve ser proibida ou autorizada... ; o vocábulo ora, nesse segmento do texto, tem valor de: (A) oposição (B) explicação (C) conclusão (D) comparação (E) concessão QUESTÃO 11 A conclusão do texto permite reconhecer que o objetivo do texto é: (A) condenar as declarações do presidente Obama. (B) defender as liberdades individuais. (C) criticar a condenação generalizada da maconha. (D) advogar em favor dos mais pobres. (E) alertar as autoridades para os desvios de conduta. QUESTÃO 12 Em recente entrevista, o presidente Barak Obama afirmou que fumar maconha é menos nocivo do que ingerir álcool. Defensor da legalização do uso recreativo, acrescentou que a criminalização dessa droga prejudica mais os jovens negros e latinos das classes pobres do que os garotos de classe média.... Entre esses dois períodos, poderíamos, respeitando o sentido do texto, inserir o seguinte conectivo: (A) como (B) embora (C) já que (D) apesar de (E) visto que QUESTÃO 13 Os dois argumentos revelam muito da ideologia dita progressista do presidente. Sobre os componentes desse segmento do texto, a afirmação inadequada é: (A) o termo muito se prende à forma verbal revelam. (B) o termo dita mostra distanciamento do autor em face da declaração do presidente. (C) o termo presidente estabelece coesão com um termo anterior a que se refere. (D) o termo progressista traz uma ironia crítica. (E) os dois argumentos vão ser citados na progressão do texto. (A) proibir uma atividade / proibição de uma atividade (B) ingerir álcool / a ingerência de álcool (C) defender a criminalização / defesa da criminalização (D) buscar a felicidade / busca da felicidade (E) escolher nosso próprio caminho / escolha de nosso próprio caminho 3

4 QUESTÃO 14 Se tais atividades são admitidas, malgrado todos os perigos a elas inerentes, é porque consideramos que temos o direito de escolher o nosso próprio caminho, de buscar a própria felicidade de acordo com os nossos valores e avaliações, não os do governo, dos cientistas ou de qualquer outra atividade. Nesse segmento do texto, os elementos que se ligam por coesão a qualquer elemento anterior são: (A) a elas / que / os nossos (B) tais atividades / elas / os (C) tais atividades / que /os (D) que / elas / os (E) os nossos valores / os do governo / dos cientistas QUESTÃO 15 Se tais atividades são admitidas, malgrado todos os perigos a elas inerentes, é porque consideramos que temos o direito de escolher o nosso próprio caminho, de buscar a própria felicidade de acordo com os nossos valores e avaliações, não os do governo, dos cientistas ou de qualquer outra atividade. O vocábulo malgrado é equivalente semanticamente a: (A) apesar de (B) ainda que (C) mesmo que (D) assim que (E) embora QUESTÃO 17 O MS SQL Server 2008 é instalado com um conjunto de ferramentas para gerenciar as instâncias do SQL Server e interagir com os dados. Duas dessas ferramentas são descritas a seguir. I - Fornece uma interface de automação rica e completa com substituição de variável e criação/execução de código dinâmico. II - É uusada para exportar dados de uma tabela para um arquivo bem como para importar dados de um arquivo para uma tabela. As ferramentas I e II são conhecidas, respectivamente, como: (A) RESOURCE GOVERNOR e SQLDIAG (B) RESOURCE GOVERNOR e BCP (C) SQLCMD e TABLEDIFF (D) SQLCMD e SQLDIAG (E) SQLCMD e BCP QUESTÃO 18 A figura a seguir mostra os elementos estruturais de um banco de dados no MS SQL Server CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 16 O HTML5, disponibiliza a API de Drag and Drop, que é relativamente simples, bastando inserir o atributo draggable= true, que torna o elemento arrastável. Há diversos eventos associados ao objeto arrastado, sendo dois caracterizados a seguir: I - O objeto começou a ser arrastado. II - O objeto sendo arrastado se move sobre o objeto target. Os eventos I e II são conhecidos, respectivamente, por: (A) dragend e dragenter (B) dragend e dragover (C) dragstart e dragleave (D) dragstart e dragover (E) dragstart e dragenter As extensões padrão para arquivos de dados primário, secundário e de log de transações são respectivamente: (A).PDF,.SDF e.ldf (B).PDF,.SDF e.tdf (C).MDF,.NDF e.ldf (D).MDF,.SDF e.ldf (E).MDF,.SDF e.tdf 4

5 QUESTÃO 19 Com relação aos filegroups do MS SQL Server 2008, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) O filegroup mais comum será usado para armazenar dados de tabelas e índices. ( ) Podem ser criados três tipos de filegroups em uma instância: DADOS, FULL-TEXT e FILESTREAM ( ) Os filegroups podem ser criados com duas propriedades opcionais: PRIMARY e SECONDARY. As afirmativas são respectivamente: (A) F, V e F. (B) F, V e V. (C) V, F e F. (D) V, V e F. (E) F, F e V. QUESTÃO 20 Com relação às triggers no MS SQL Server 2008, analise as afirmativas a seguir. I - Triggers DML são criadas em uma tabela ou view, e são definidas para um evento específico INSERT, UPDADE e DELETE. II - Quando uma trigger é definida como AFTER, ela é disparada antes que da modificação passar por todas as restrições. III - Para definir uma trigger DDL no nível de instância usa-se a opção ON DATABASE. Assinale: (A) se somente a afirmativa I estiver correta. (B) se somente a afirmativa II estiver correta. (C) se somente a afirmativa III estiver correta. (D) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. (E) se todas as afirmativas estiverem corretas. QUESTÃO 22 Na criação de um banco de dados no MS SQL Server 2008, considerando suas características, as seguintes informações podem ser utilizadas como chave primária: (A) cargo e matrícula (B) nome e estado (C) cpf e nome (D) estado e cargo (E) matrícula e cpf QUESTÃO 23 Restrições são usadas com o SQL Server 2008 para definir os elementos estruturais que vinculam os dados e reforçam a consistência. Entre os tipos de restrições, duas são descritas a seguir. I - É usada para definir a coluna os colunas que precisam ser exclusivas em uma tabela, impedindo a duplicação de linhas em uma tabela, mas permitindo uma única linha com um valor nulo na tabela. II - É usada para restringir o intervalo de valores permitidos em uma coluna dentro de uma tabela, como por exemplo, não permitir que um cliente faça um pedido de quantidade negativa. Essas restrições são denominadas respectivamente: (A) unique e check (B) default e check (C) unique e default (D) constraint e unique (E) constraint e check QUESTÃO 21 Leia o fragmento a seguir, relacionado à definição de tipos de dados no MS SQL Server refere-se à definição de um tipo compreendido no intervalo de valores entre a e espaço de armazenamento de 4 bytes. - refere-se à definição de um tipo numérico com espaço de armazenamento de 1 byte por caractere até um máximo de 2 GB. - refere-se à definição de um tipo de data e hora compreendido no intervalo de valores entre 01/01/0001 a 12/31/9999 com precisão de 1 dia e espaço de armazenamento de 3 bytes. As lacunas ficam corretamente preenchidas respectivamente por: QUESTÃO 24 O particionamento de tabelas foi introduzido primeiramente no MS SQL Server 2005 para permitir que os usuários dividissem grandes tabelas em múltiplas estruturas de armazenamento. Com os dados se alterando constantemente, as partições raramente são estáticas. Entre os operadores disponíveis, um introduz um novo ponto limite enquanto outro elimina um ponto limite em uma função de partição. Esses operadores são conhecidos, respectivamente, como: (A) SPLIT e SWITCH (B) SPLIT e MERGE (C) SWITCH e MERGE (D) INSERT e MERGE (E) INSERT e SWITCH (A) int char date (B) real char time (C) int text date (D) real text date (E) int text time 5

6 QUESTÃO 25 No MS SQL Server 2008, para obter uma nova tabela ordenada ascendente por CODIGO a partir de uma tabela PESSOAS, deve-se utilizar o seguinte comando SQL: (A) select * over PESSOAS sort by CODIGO (B) select * over PESSOAS order by CODIGO (C) select * on PESSOAS order by CODIGO (D) select * from PESSOAS order by CODIGO (E) select * from PESSOAS sort by CODIGO QUESTÃO 26 No MS SQL Server 2008 diversas funções de agregação podem ser empregadas em um comando SQL. Para fornecer o valor médio deve ser usada a seguinte função: (A) AVG (B) SUM (C) MAX (D) MIN (E) RMS QUESTÃO 27 O MS SQL Server 2008 permite a realização de diferentes tipos de backups, sendo que um deles captura todas as transações que foram alteradas desde o último backup completo. Sua principal finalidade é reduzir o número de backups de log de transações que precisam ser restaurados. Esse tipo de backup é denominado: (A) particionado (B) segmentado (C) otimizado (D) diferencial (E) incremental QUESTÃO 28 No MS SQL Server 2008 pode-se configurar o espelhamento do banco de dados para três modos operacionais diferentes, dos quais dois são descritos a seguir. I - Modo que fornece transferência síncrona durável entre os bancos de dados principal e espelho, assim como a detecção de falha automática e o failover automático. II - Modo que usa um banco de dados principal e um espelho, mas não precisa de um servidor testemunha (witness), fornece uma configuração standby warm que não suporta detecção de falha automática ou failover automático. Os modos I e II são denominados, respectivamente, de: (A) alta segurança e alto desempenho (B) alta disponibilidade e alto desempenho (C) alta operacionalidade e alto desempenho (D) alta disponibilidade e alto controle (E) alta segurança e alto controle QUESTÃO 29 No MS SQL Server 2008, as restrições de integridade constituem um objetivo, e as regras de consistência de dados devem ser garantidas pelo próprio SGBD, sem auxílio de validações externas. Existem basicamente três tipos de integridade, um deles caracterizado a seguir: o valor dos campos que constituem a chave estrangeira de uma tabela deve estar presente também na chave primária da tabela que referenciam ou, quando muito, podem ter o valor NULL. tem por finalidade manter os dados sincronizados entre tabelas que estejam relacionadas. Esse tipo é denominado integridade: (A) operacional (B) referencial (C) organizacional (D) relacional (E) funcional QUESTÃO 30 No MS SQL Server 2008, independente da forma como foi iniciada, a transação sempre será finalizada por meio de dois comandos, um que elimina as alterações realizadas, ficando o banco de dados no estado em que se encontrava antes da transação ser iniciada, e outro que faz todas as alterações realizadas se tornarem definitivas. Esses comandos são respectivamente: (A) rollback e grant (B) deadlock e grant (C) abort e commit (D) deadlock e commit (E) rollback e commit QUESTÃO 31 ASP Active Server Pages é uma tecnologia que combina HTML, comandos script e componentes ActiveX, para criar páginas web com conteúdo dinâmico. Os scripts são diferenciados de textos e HTML pelo elemento <SCRIPT RUNAT= SERVER >...</ SCRIPT> ou pelos seguintes delimitadores: (A) <#...#> (B) <$... $> (C) <%...%> (D) <&...&> (E) QUESTÃO 32 Uma aplicação ASP pode utilizar diferentes linguagens de scripting. Por default, duas linguagens instaladas são: (A) VBScript e JScript (B) JScript e ActionScript (C) ActionScript e JavaScript (D) JavaScript e ShellScript (E) ShellScript e VBScript 6

7 QUESTÃO 33 Em ASP, as diretivas SSI Server Side Includes são executadas no servidor web, as quais permitem inserção dinâmica de informações como a data corrente, por exemplo. Para usar diretivas SSI, deve-se renomear as extensões.htm ou.html para.shtml. Entre as diretivas, a que especifica o formato usado para mensagens de erro, datas e tamanhos de arquivo retornados para o browser cliente é: (A) #exec (B) #echo (C) #flastmod (D) #include (E) #config QUESTÃO 34 Em ASP, o objeto ASPError é usado para obter informações sobre um erro ocorrido em uma página ASP, sendo retornado por meio do objeto Server.GetLastError. Entre suas propriedades, uma retorna o código, se disponível, da linha que causou o erro e outra indica a fonte de erros IIS, linguagem de scripting ou um componente. As duas propriedades descritas são referenciadas, respectivamente, por: (A) ASPError.Description() e ASPError.Category() (B) ASPError.Source() e ASPError.Category() (C) ASPError.Number() e ASPError.Category() (D) ASPError.Source() e ASPError.File() (E) ASPError.Description() e ASPError.File() QUESTÃO 35 Em ASP, um objeto fornece acesso às informações passadas na solicitação do browser ao servidor. Essas informações são armazenadas nas coleções do objeto denominado: (A) Session (B) Response (C) Application (D) Request (E) Query QUESTÃO 36 Em ASP, o componente Logging Utility é usado para criar um objeto IISLog, que permite a leitura do arquivo de log do IIS. Entre as propriedades do componente empregado, um retorna a data e a hora da solicitação, enquanto que outro retorna o endereço IP do servidor IIS. Essas propriedades são respectivamente: (A) DateTime e ServerIP (B) TimeTaken e ServerIP (C) ServiceTime e ServerIP (D) TimeTaken e ServerPort (E) DateTime e ServerPort QUESTÃO 37 Na guia da Faixa de Opções do Access 2010 BR, o ícone que permite migrar um banco de dados do Access, no todo ou em parte, para um novo ou existente no Microsoft SQL Server é: (A) (B) (C) (D) (E) QUESTÃO 38 Quando se cria um novo banco de dados no Access 2010 BR, o arquivo é gravado num formato default conhecido como: (A).accdb (B).ace (C).mdb (D).dbf (E).bdacs QUESTÃO 39 O Access 2010 BR permite o uso de diversos tipos para armazenamento de dados. Um deles é usado para números inteiros entre 0 e 255, por exemplo para escolha de opções em Qual o seu estado civil? 0 para Solteiro; 1 para Casado; 2 para Divorciado. Nesse caso, esse tipo é definido como: (A) real (B) byte (C) word (D) inteiro (E) simples 7

8 QUESTÃO 40 Os objetos de banco de dados são os elementos fundamentais. O Access 2010 tem sete tipos de tais objetos em cada banco de dados, dos quais três são caracterizados a seguir. I - Serve para armazenar e exibir dados, sendo a base de qualquer banco de dados. II - Serve para automatizar ações repetitivas para executar tarefas especificadas. III - Serve para exibir dados em um layout personalizado para visualização, inserção ou edição de dados. Os objetos I, II e III são denominados respectivamente: (A) tabelas, macros e formulários (B) páginas, módulos e formulários (C) tabelas, macros e relatórios (D) páginas, macros e consultas (E) tabelas, módulos e consultas QUESTÃO 41 No Access 2010 BR, os atributos servem para o programador ter um controle sobre os dados que serão inseridos no banco de dados. Na propriedade Formato, os dados são formatados na hora da exibição, sendo que se o campo estiver em branco não haverá formatação. A configuração dessa propriedade é feita por meio de um código. Nesse contexto, analise as situações a seguir. I - A palavra access inserida num campo de texto em que o formato é C1, O texto será formatado para ACCESS. II - Se inserir os dados num campo cujo formato é C2, ele será exibido no formato Para as situações I e II, C1 e C2 são representados, respectivamente, por: (A) > e XXX-XX-XXX (B) < e XXX-XX-XXX (C) > e (D) < e???-??-??? (E) > e???-??-??? QUESTÃO 42 No projeto e desenvolvimento de software, a fase de elicitação de requisitos tem como finalidade principal: (A) a obtenção de requisitos. (B) a coleta de dados para análise. (C) a implantação do sistema projetado. (D) a avaliação da qualidade do software implantado. (E) a especificação do software a partir dos requisitos. QUESTÃO 43 No que diz respeito às entrevistas realizadas nos processos de engenharia de requisitos, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) Nas entrevistas abertas, o stakeholder responde a um conjunto de perguntas predefinidas, enquanto que nas fechadas não existe um roteiro pré-estabelecido. ( ) Os especialistas de domínio utilizam terminologia e jargões específicos, o que provoca mal entendidos por parte dos engenheiros de requisitos. ( ) Alguns stakeholders como as bibliotecárias, por exemplo, não sentem a necessidade de dizer que todas as aquisições são catalogadas antes de serem colocadas na biblioteca, para elas essa informação é óbvia, o que pode não ser para o entrevistador, fazendo com que não seja levada em consideração nos requisitos. As afirmativas são respectivamente: (A) F, V e F. (B) F, V e V. (C) V, F e F. (D) V, V e F. (E) F, F e V. QUESTÃO 44 Com relação às atividades desenvolvidas durante a elicitação de requisitos, analise as afirmativas a seguir. I - Fatores políticos não influenciam os requisitos do sistema. II - O ambiente econômico e de negócios sobre o qual a análise é realizada é dinâmico. III - Os engenheiros de software trabalham com os clientes e os usuários finais do sistema para aprender sobre o domínio da aplicação, quais serviços o sistema deve fornecer, o desempenho esperado do sistema e restrições do hardware. Assinale: (A) se somente a afirmativa I estiver correta. (B) se somente a afirmativa II estiver correta. (C) se somente a afirmativa III estiver correta. (D) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas. (E) se todas as afirmativas estiverem corretas. QUESTÃO 45 Uma técnica baseada em cenários para elicitação de requisitos constitui uma característica fundamental da notação UML para descrição de modelos de sistemas orientados a objetos. Em sua forma mais simples, nessa técnica é empregado um diagrama que identifica o tipo de interação, representado por elipses - e os agentes envolvidos, representados por bonecos -. Tal diagrama é conhecido como diagrama de: (A) classes (B) estados (C) interações (D) casos de uso (E) fluxo de dados 8

9 QUESTÃO 46 Com relação aos benefícios do uso da prototipação na elicitação de requisitos, analise as afirmativas a seguir. I - Força um estudo detalhado dos requisitos que revela inconsistências e omissões. II - Estabelece a viabilidade e utilidade antes que altos custos de desenvolvimento tenha sido realizado. III - Permite que os usuários experimentem e descubram o que eles realmente necessitam para suportar o trabalho deles. Assinale: (A) se somente a afirmativa I estiver correta. (B) se somente a afirmativa II estiver correta. (C) se somente a afirmativa III estiver correta. (D) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas. (E) se todas as afirmativas estiverem corretas. QUESTÃO 47 Um webdesigner do CEPEL está elaborando uma página para um site na Internet e inclui um formulário codificado em HTML, cujo código é mostrado a seguir. <form> <div align= left ><h1><font face= Arial Rounded MT Bold size= 4 ><b>cepel2014</b></font></h1></div> <p><b><font face= Arial Rounded MT Bold size= 4 >Nome: <input type= text nome= Nome size= 40 ><BR>Bairro: < input type= radio name= BAIRRO value= copa >COPACABANA < input type= radio name= BAIRRO value= lebl >LEBLON < input type= radio name= BAIRRO value= tiju checked>tijuca</font></b></p> </form> O formulário gerado pelo código é: (A) (B) (C) (D) (E) QUESTÃO 48 Há variados dispositivos que acessam a internet, como tablets, micros, notebooks e smartphones. Cada um desses meios de acesso utiliza um determinado browser para navegar na web. Não há como os desenvolvedores manterem um bom nível de compatibilida de com todos esses browsers levando em consideração a particularidade de cada um. Uma maneira mais segura de manter o código compatível é nivelar o desenvolvimento pelos motores de renderização, sendo que cada browser utiliza um motor de renderização que é responsável pelo processamento do código da página. Para os browsers Internet Explorer, Firefox Mozilla e Google Chrome, os motores de renderização são denominados respectivamente: (A) Trident, Gecko e Webkit (B) Presto, Robin e Trident (C) Gecko, Webkit e Presto (D) Robin, Trident e Gecko (E) Webkit, Presto e Robin QUESTÃO 49 Para definir o fundo de uma página em HTML, um dos modos empregados utiliza o parâmetro bgcolor, usando as cores primitivas vermelho (R), verde(g) e azul(b), conforme exemplificado a seguir: <body bgcolor= R1R2G1G2B1B2 Outra forma é implementada pela substituição do código R1R2G1G2B1B2 pelo nome em inglês da cor desejada. Nesse contexto, para bgcolor= #FFFFFF e bgcolor= #FFFF00 podem ser utilizadas respectivamente as seguintes sintaxes: (A) bgcolor= WHITE e bgcolor= CIAN (B) bgcolor= BLACK e bgcolor= CIAN (C) bgcolor= WHITE e bgcolor= YELLOW (D) bgcolor= BLACK e bgcolor= YELLOW (E) bgcolor= WHITE e bgcolor= MAGENTA QUESTÃO 50 Há dois tipos de links no HTML5: a tag A, que são links que levam o usuário para outros documentos e a tag LINK, que são links para fontes externas que serão usadas no documento. Por exemplo, no caso de se desejar importar um CSS para a página, a tag correta é: (A) <link rel= stylesheet type= text/css file= estilo.css > (B) <href rel= stylesheet type= text/css link= estilo.css > (C) <link rel= stylesheet type= text/css name= estilo.css > (D) <href rel= stylesheet link= text/css name= estilo.css > (E) <link rel= stylesheet type= text/css href= estilo.css > 9

10

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas e

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 3 ESPECIALIDADE: ANALISTA DE SISTEMAS/ÁREA III (SUPORTE TÉCNICO) PROVA: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

ARD52 PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

ARD52 PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR I ARD52 CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 5 (cinco) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico CSS3 - Fundamentos E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP Rubens Prates Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP de Rubens Prates Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA

CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA COV40-COVEIRO COZ41-COZINHEIRO OMP42-OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS (E) ASG52-AJUDANTE DE SERVIÇOS GERAIS - SAAETRI MOT53-MOTORISTA (D) - SAAETRI OMS54-OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS (E) - SAAETRI CADERNO:

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES O BANCO DO DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS BRASILEIROS BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES JANEIRO / 2008 PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

ACD46 AGENTE CADASTRAL CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

ACD46 AGENTE CADASTRAL CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: AGENTE CADASTRAL ACD46 CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que, na

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL)

ROTEIRO. A Linguagem SQL (I parte) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva. As partes da linguagem SQL. A Linguagem de Definição de Dados (SQL-DDL) CEFET.PHB - PI Prof. Jefferson Silva SQL (MySql) ROTEIRO I PARTE - INTRODUÇÃO AO SQL COMANDOS E SUAS PARTES DA LINGUAGEM SQL II PARTE ADMINSTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS UTILIZANDO MYSQL PRINCIPAIS INSTRUÇÕES

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Banco de Dados Prof. Gilberto B. Oliveira Tópicos Projeto de Banco de Dados (Button-Up) Modelagem conceitual Modelagem lógica Exemplo: Implementação do modelo Escola

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA AGENDA

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA AGENDA TEI52 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira hora de prova, se ausentar da sala

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL Helena Galhardas Bibliografia Raghu Ramakrishnan, Database Management Systems, Cap. 3 e 5 1 1 Sumário Restrições de Integridade (RIs) em SQL Chave

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Processo Seletivo 2016-1 Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA

Processo Seletivo 2016-1 Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA ENGENHARIA Processo Seletivo 2016-1 Vestibular de Acesso aos Cursos LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES CADERNO: 1 AGENDA 1 - A duração da prova é de 3 (três) horas, já incluído o tempo de preenchimento do

Leia mais

Processo Seletivo 2016-1 Vestibular de Acesso aos Cursos ENGEMHARIA CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA

Processo Seletivo 2016-1 Vestibular de Acesso aos Cursos ENGEMHARIA CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA ENGEMHARIA Processo Seletivo 2016-1 Vestibular de Acesso aos Cursos LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES CADERNO: 2 AGENDA 1 - A duração da prova é de 3 (três) horas, já incluído o tempo de preenchimento do

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

SQL. Structured Query Language

SQL. Structured Query Language SQL Structured Query Language Construções básicas Junção de Tabelas Join O uso da operação JOIN numa cláusula FROM especifica como se deseja que as tabelas sejam vinculadas. Use INNER JOIN para associar

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Conteúdo Programático do Web Design

Conteúdo Programático do Web Design Conteúdo Programático do Web Design O Ambiente Macromedia Dreamweaver Instalação do Dreamweaver Arquivos Utilizados na Apostila A Inicialização de Dreamweaver Área de Trabalho Dreamweaver Criação de uma

Leia mais

Linguagem SQL Parte I

Linguagem SQL Parte I FIB - Centro Universitário da Bahia Banco de Dados Linguagem SQL Parte I Francisco Rodrigues Santos chicowebmail@yahoo.com.br Slides gentilmente cedidos por André Vinicius R. P. Nascimento Conteúdo A Linguagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Engenharia de Requisitos Níveis de Descrição dos Requisitos Tipos

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta útima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes Yahoo! Mail

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A. Criar uma relação mestre-detalhe. Pesquisa de informação

P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A. Criar uma relação mestre-detalhe. Pesquisa de informação P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A Módulo 18 Ferramentas de Desenvolvimento de Páginas Web Criar uma relação mestre-detalhe 1. Cria uma cópia da página «listaferram.php»

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Mini-curso de PHP. Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva

Mini-curso de PHP. Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva Mini-curso de PHP Aulas ministradas por: André Luis de Paula Arthur Kalsing Diego Silva Aula 1 Breve introdução de HTML, Conceitos básicos de PHP, Sintaxe, Separador de instruções e Comentários (Cap 1

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Tarefa Orientada 19 Triggers

Tarefa Orientada 19 Triggers Tarefa Orientada 19 Triggers Objectivos: Criar triggers AFTER Criar triggers INSTEAD OF Exemplos de utilização Os triggers são um tipo especial de procedimento que são invocados, ou activados, de forma

Leia mais

RELEASE F-STORE v. 3.0.0.0

RELEASE F-STORE v. 3.0.0.0 Curitiba (2015) ÍNDICE Aumento de performance no carregamento de imagens Assinatura de produtos Barra de busca flutuante Boleto como imagem Cadastro de cliente com Double opt-in Cadastro de SEO Carrinho

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04

PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 10 PROVA ESPECÍFICA Cargo 04 QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas: I. Uma das funções de um DBA é gerenciar os mecanismos de segurança de acesso aos dados armazenados em um SGBD (Sistema Gerenciador

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de

Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de BD Esta aula tem o objetivo de nos orientar durante este período em nossas aulas de Banco de Dados, não tem a pretensão de ser a única fonte de informação para nosso êxito no curso. A intenção de elaborar

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 14 CEFET CARGOS DE CLASSE E EDITAL N o 0011/2014, DE 25 DE MARÇO DE 2014 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais