PROXY COLABORATIVO: um software para auxiliar pequenas empresas a controlar acessos a internet.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROXY COLABORATIVO: um software para auxiliar pequenas empresas a controlar acessos a internet."

Transcrição

1 PROXY COLABORATIVO: um software para auxiliar pequenas empresas a controlar acessos a internet. Rafael Ferroni Mendes 1 Weider Pereira Rodrigues RESUMO Com este trabalho, pretende-se desenvolver um aplicativo que realize a função de um Proxy, permitindo ou bloqueando o acesso à internet, que fique hospedado em um servidor remoto, trabalhe como um webservice através de solicitações ao servidor e verifique se as mesmas são permitidas pelas regras de acesso pré-definidas. Também se propõe a permitir que seja, compartilhado estas regras entre várias pessoas ou empresas que devem se conectar a internet obrigatoriamente pelo navegador desenvolvido especificamente para este trabalho. Assim foi desenvolvida uma área administrativa para controle das regras de acesso e controle de usuários onde os administradores podem criar listas de acesso ou utilizar listas já criadas pelo super usuário Deste modo as empresas aderentes ao projeto podem deixar de se preocupar com a infraestrutura física de proxy da empresa e o processo de filtro de conteúdo web se torna mais rápido devido poder escolher listas já prontas economizando tempo. Ao final podemos concluir que apesar de agilizar no processo de filtro de acessos o sistema ainda não está pronto para o mercado comercial, já ainda não possui um sistema de logs. Palavras-chave: Proxy. Colaboração. Servidor web. Controle de internet. 1 Introdução Este artigo descreve o desenvolvimento de um aplicativo cliente-servidor 2 que funcione como um proxy para conexões a internet através de um navegador desenvolvido para se conectar ao aplicativo servidor que permite gerenciar os acessos através de listas de regras. Tal abordagem se justifica devido a pequenas empresas não possuírem recursos e nem conhecimento para se beneficiar de um sistema proxy fácil de se configurar as permissões e ao mesmo tempo eliminando a necessidade de uma estrutura física dentro da empresa para realizar este monitoramento, pois apenas será necessário instalar o navegador desenvolvido neste projeto. 1 Rafael Ferroni Mendes, graduando em Ciência da Computação pelo Centro Universitário do Sul de Minas. 2 A característica de cliente-servidor descreve a relação de programas em um aplicativo. O componente de servidor fornece uma função ou serviço a um ou muitos clientes, que iniciam os pedidos de serviços.

2 O objetivo deste trabalho é propiciar um ambiente onde pequenas instituições possam criar suas regras de acesso à internet de forma rápida e simples, que com apenas um login seja possível produzir e gerenciar suas regras de bloqueios além de se beneficiar de listas de regras já cadastradas pelo super usuário. A seguir vamos conhecer um pouco sobre as ferramentas utilizadas e posteriormente o desenvolvimento deste trabalho. 2 Referencial teórico 2.1 Banco de dados Microsoft SQL Server Bancos de dados são usados para armazenar informações digitais para serem posteriormente utilizadas por aplicações diversas. Date (2003) afirma que Um banco de dados é uma coleção de dados persistentes, usada pelos sistemas de aplicação de uma determinada empresa. Mistry e Misner (2010) consideram que o Microsoft SQL Server 2008 é o mais avançado, confiável e escalável plataforma de dados já lançados até hoje facilitando a colaboração entre administradores de banco de dados e desenvolvedores de aplicativos suportando uma carga de trabalho muito grande, assim conseguindo atender às pressões altas para alcançar as metas exigidas. Abaixo são apresentadas as linguagens que foram utilizadas para o desenvolvimento da codificação do trabalho. 2.2 Microsoft Visual Studio C# É necessário destacar que o Microsoft Visual Studio foi o ambiente de desenvolvimento utilizado para desenvolver o navegador em questão e o webservice e foi escolhido devido o autor já possuir experiência com esta ferramenta. Segundo WATSON et al (2010) C# é uma linguagem relativamente nova, apresentada em julho de 2000 junto com a suíte de desenvolvimento.net 3. É derivada do C++ porém com uma sintaxe mais clara, porém sem perder o poder do seu antecessor e fácil de ser aprendida. A linguagem está em sua quarta versão e traz muitos ajustes e melhorias para facilitar a vida do desenvolvedor. 3 Microsoft.NET é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas e aplicações.

3 2.3 ASP.NET O ASP.NET é uma evolução do ASP, porém oferece maiores facilidades ao desenvolvedor nos mais variados tipos de projetos, desde sites até webservices. O principal objetivo do ASP.NET é diminuir as barreiras do desenvolvimento de aplicações web. [ ] Ou seja, temos um modelo de programação orientado a eventos no qual os desenvolvedores adicionam controles aos formulários e escrevem códigos para manipular os eventos associados a esses controles. (ARAUJO, 2006). Entre as facilidades oferecidas pelo ASP.NET é a simplicidade em criar aplicativos que utilizem transferência de XML Proxy De acordo com Ricci e Mendonça (2006) O conceito de proxy refere-se a um software que atua como gateway de aplicação entre o cliente e o serviço a ser acessado, interpretando as requisições e repassando-as ao servidor de destino. Empresas frequentemente utilizam este recurso para filtrar o conteúdo acessado pelos usuários de computadores e funcionários, no intuito de impedir o acesso a páginas de internet que não seja de interesse delas. Outro aspecto levantado por Ricci, Mendonça (2006) é que o servidor proxy analisa os pacotes da camada de aplicação do modelo OSI 5 permitindo filtrar o tráfego de dados dos protocolos HTTP e FTP sendo ideal para nosso propósito pois o acesso a internet é realizado principalmente através destes protocolos. 2.5 Webservice Basiura et al (2003) argumenta que Um webservice é uma lógica de aplicação acessível a programas protocolos-padrão da web em uma maneira independente de plataforma, ou seja é considerado um programa que pode realizar qualquer tarefa 4 XML (Extensible Markup Language) é uma linguagem de marcação criada para ser flexível e simples, pois permite ao autor do documento criar suas próprias marcas. 5 É uma arquitetura que divide as redes de computadores em 7 camadas, de forma a que venha obter camadas de abstração, para facilitar a interconexão de computadores, as sete camadas são: Aplicação, Apresentação, Sessão, Transporte, Rede, Enlace e Física.

4 computacional, porém não são utilizados diretamente por nós humanos e sim por outros programas utilizando os protocolos da web para realizar a comunicação entre aplicações distintas, não importando a plataforma da aplicação pois webservice utiliza a linguagem de marcação XML para comunicação entre esses programas. Em nosso caso o webservice é chamado pelo navegador que vamos conhecer abaixo. 2.6 Orientação à Objeto A orientação à objeto foi uma evolução das técnicas de desenvolvimento de sistemas onde seu objeto principal está na representação do mundo real como objetos dentro de um sistema computacional. Os objetos em programação são trechos de códigos que possuem características parecidas com os objetos do mundo real. Por exemplo o objeto do mundo real carro possui a característica cor vermelha e isto pode ser representado através da programação orientada à objetos. Barnes e Kolling (2004) afirmam que se escrever um programa de computador em uma linguagem orientada à objetos, você criará em seu computador um modelo de alguma parte do mundo. Os princípios básicos sobre os quais se apoiam as técnicas de Orientação a Objetos são: Abstração, Encapsulamento, Herança e Polimorfismo Abstração Segundo Sintes (2002) Abstração é o processo de simplificar um problema difícil. Quando começa a resolver um problema, você não se preocupa com cada detalhe., isto quer dizer que por exemplo se você for escrever o código de um programa que controla um semáforo você não precisa se preocupar em representar os cachorros que passam na rua, ou mesmo a marca do carro que passa por ele. Você representa apenas o que é importante para o seu sistema no caso o semáforo e os carros Encapsulamento Encapsulamento é a característica da OO de ocultar partes independentes da implementação. O encapsulamento permite que você construa partes ocultas da implementação do software, que atinjam uma funcionalidade e ocultam os detalhes de implementação do mundo exterior. (SINTES, 2002). O código encapsulado possui uma interface externa que é ela quem realiza toda a

5 comunicação entre o mundo externo e os métodos do objeto, você simplesmente envia a mensagem à interface externa e não precisa saber o que acontece dentro do objeto. Pode ser citado o exemplo de uma televisão, você consegue usa-lá mas você não sabe como funciona a parte eletrônica dela Herança A herança permite que você crie uma classe se baseando em outra classe já existente que herdará todos os métodos, atributos e comportamentos da classe original. Podemos reforçar isto com o que diz Sintes (2002) Herança é um mecanismo que permite a você basear uma nova classe na definição de uma classe previamente existente Polimorfismo O polimorfismo garante que um certo método pode produzir resultados diferentes quando aplicado a objetos pertencentes a classes diferentes. Ainda Sintes (2002) afirma que Polimorfismo significa muitas formas. [ ] Em termos de programação muitas formas, significa que um único nome pode representar um código diferente, selecionado por algum mecanismo automático. 2.7 Navegador Wbrowser Este foi o navegador utilizado para o início do projeto já que o foco do trabalho não era desenvolver o navegador e sim incrementar a área de login em um já existente e desenvolver o proxy, este navegador foi disponibilizado por Claudia Goga no site Ela esclarece que este é seu primeiro projeto em C#, porém o aplicativo possui todas as funções básicas de um navegador, o é que suficiente para a utilização do mesmo neste trabalho. Na figura 1 é exibido o navegador desenvolvido por Claudia junto com a implementação realizada em destaque de vermelho.

6 Figura 1: Navegador Wbroser Fonte: Print do navegador WBrowser Dentro das implementações realizadas no navegador estão as telas de cadastro de regras, que utilizam como filtro a url acessada ou alguma palavra-chave ou o ip do computador, mas é válido dar destaque a tela de cópia de regras, pois é nela que outros usuários/empresas podem se beneficiar das listas de acesso já cadastradas com poucas iterações (Figura 2). Ao pesquisar a classificação que se deseja consultar as regras a ela pertencentes, as mesmas são exibidas no grid da tela, caso o usuário queira utilizar estas regras basta marcar a opção Copiar regras e salvar. Desde modo todas as regras presentes na classificação selecionada serão copiadas para a empresa que o usuário faz parte, permitindo que sejam customizadas sem alterar as regras que são padrões. Figura 2: Tela Copia lista de regras Fonte: Print da tela Copia lista de regras Foi utilizado para o desenvolvimento das telas de cadastros o conceito de orientação a objetos, que permite reaproveitar o código em outras telas e até mesmo outros projetos. O principal recurso de orientação a objetos utilizado neste trabalho além da criação de objetos foi a herança. Foi desenvolvido apenas uma tela de cadastro principal com os botões: salvar, excluir, pesquisar, limpar, e sair e nenhum outro componente a mais nesta tela, as demais telas de cadastros herdam deste cadastro principal essas cinco funcionalidades e foram incrementadas com outros componentes

7 específicos à cada situação. Através da utilização da classe Control, classe à qual derivam todos os componentes gráficos da linguagem C#, foi possível criar a string sql dinamicamente através de uma estrutura de repetição que varre todo o formulário em busca de componentes, onde cada um possui como propriedade name o nome do campo no banco de dados, desde modo a estrutura de repetição se utiliza do nome do componente e do valor na sua propriedade text para montar a string sql passada ao WebService para realizar a inclusão ou exclusão do registro. 2.8 Metodologia de desenvolvimento Extreme Programming Esta metodologia de desenvolvimento se caracteriza pelo desenvolvimento iterativo e a grande quantidade de testes realizados durante o desenvolvimento, isso permite que releases do sistema sejam liberados em um pequeno intervalo de tempo. Sommerville (2007) comenta que a Extreme Programming descarta um preceito fundamental da engenharia de software que é projetar a mudança alegando que isto é inútil, já que as mudanças antecipadas muitas vezes não acontecem. Todos os requisitos são chamados de histórias e cada história pode se dividir em várias tarefas, na figura 3 pode-se verificar um incremento de uma nova funcionalidade em um sistema. Figura 3: Incremento em funcionalidade de sistema Fonte: Sommerville (2007, p. 264) 2.9 Controle de versões Uma versão de um sistema é uma implementação de parte do projeto com o objetivo de somar essas partes até que o projeto seja finalizado, além de garantir versões anteriores que já foram testadas com êxito sofram alterações comprometendo o desenvolvimento do projeto. Cada versão possui pode atribuir uma nova funcionalidade, ao sistema, aumentar o desempenho, realizar reparos no software e também há

8 possibilidade de ocorrer um erro durante a codificação que o desenvolvedor não consiga resolver ou que leve muito tempo para resolver. Neste caso basta voltar a versão anterior do software e implementar novamente a última etapa do código, poupando tempo. Este controle é realizado através de uma numeração sempre sequencial que de acordo com Sommerville (2007) Se, por exemplo, a primeira versão for chamada de 1.0, as próximas versões com as alterações serão chamadas de 1.1, 1.2, 1.3, e assim por diante, até que em certo estágio será criado um novo release 6 com o nome 2.0 e seguindo sequência como seu anterior. Neste trabalho cada versão não se divide em decimais como o padrão comercial de desenvolvimento de software, mas são utilizados números inteiros para representar as etapas do desenvolvimento. 3 Desenvolvimento do sistema. 3.1 Principais Funcionalidades do sistema Antes de iniciar o projeto foi necessário desenvolver o diagrama de caso de uso para melhor visualizar as funcionalidades principais do sistema. Com o diagrama apresentado na figura 4 fica claro o que cada ator pode realizar dentro do software. Figura 4: Caso de uso do sistema Fonte: Próprio autor Os atores identificados foram: 6 Refere-se ao lançamento de uma nova versão oficial de um produto de software. A cada vez que um produto de software é modificado, os programadores e a empresa que executam o trabalho decidem sobre como distribuir as modificações ou o produto modificado às pessoas que o utilizam.

9 Usuário: Que acessará a internet através do navegador de acordo com as políticas de acesso da empresa. Administrador: Que realizará o cadastro das regras de acesso dentro da empresa que pertence e também poderá acessar a internet. Super Usuário: Pode cadastrar regras globais e Classificações que todas as empresas podem utilizar cadastrar regras, além de acessar a internet normalmente. 3.2 Banco de dados É no banco de dados onde estão gravados os dados das regras de acesso, tais como ip, url, palavra-chave e permissão, de forma que o Webservice consulte estes dados e de acordo com os valores retorne ao navegador se ele deve ou não liberar o acesso a página solicitada. Através da estrutura simples demonstrada na figura 5 foi possível realizar este controle, de modo que cada empresa possa utilizar as listas de acesso padrão ao mesmo tempo em que customiza a sua lista. Figura 5: Banco de dados do sistema Fonte: Print do diagrama de banco de dados no SQLServer Heuser (2001, p.54) afirma que Um modelo [de banco de dados] deve ser mínimo, isto é não deve conter conceitos redundantes, mas para ser possível compartilhar as regras e customiza-las sem que sejam alteradas as regras padrões conforme citado no item 2.6 foi necessário na tabela Regra utilizar dados redundantes. Nesta tela ao marcar a opção copiar regras as regras presentes na classificação selecionada são gravadas novamente no banco alterando apenas o campo cod_empresa para a empresa do usuário que está ativo.

10 3.3 Proxy WebService O proxy desenvolvido neste trabalho se baseia no conceito de Webservice que pode ser considerado um programa que é utilizado por outro programa, podendo realizar qualquer função de um software independente da plataforma utilizada (BASIURA et al, 2003, p.10). O proxy fica hospedado em um servidor remoto e trabalha recebendo requisições do navegador WBrowser, o navegador realiza uma chamada ao método de consulta do webservice enviando como parâmetros a url, o ip da máquina local e o nome da empresa, o proxy realiza a consulta ao banco analisando se os parâmetros se encontram registrados no banco. Caso sejam encontrados registros, ele analisa o campo permissão e retorna com a resposta ao navegador se a url ou ip de máquina podem navegar ou não. Caso não seja encontrado nenhum registro a navegação é permitida. Foi utilizado webservice no desenvolvimento deste trabalho por que a aplicação principal que é o proxy fica totalmente independente do sistema operacional que o usuário utiliza, bastando apenas possuir um navegador que rode no sistema operacional utilizado e este realize a chamada dos métodos do proxy. Outro aspecto levantado por (BASIURA et al, 2003, p.8) é que os webservices facilitam a centralização de dados, já que existe apenas um ponto de comunicação entre a aplicação que consome recursos e o servidor que provê recursos. Esta implementação portabiliza muito a aplicação que presta o serviço podendo facilmente ser utilizada nas mais variadas plataformas e economizar recursos da máquina local. Esta facilidade de poder utilizar o webservice em qualquer plataforma se deve a utilização do XML como linguagem de comunicação entre a aplicação e o servidor e ao conceito de encapsulamento da Orientação à Objeto que permite utilizarmos os métodos do webservice sem saber como ele funciona internamente, basta saber o que deve ser enviado ao método e o que ele retorna. Através disto podemos realizar os filtros, gravar e consultar as regras de forma fácil. Os métodos que constam hoje no sistema são: Método Entrada Retorno Função RedordDados RedordBool Consulta em SQL; Tabela à ser consultada Consulta em SQL; Tabela à ser consultada Dataset com resultados da consulta Verdadeiro ou Falso Utilizado para retornar dados para um Datagrid por exemplo Consultar se existe algum registro no

11 ConsultaBool CriptografaEmpresa DecriptografaEmpresa CaminhoNomeEmpresa VerificaAcesso Tabela 1: Métodos do Webservice Fonte: Próprio autor Consulta em SQL; Tabela à ser consultada Nome da empresa que é informado na tela de configuração de empresa Nome da empresa criptografado que esta gravado em um arquivo XML na máquina local URL; Conteúdo html da página; Ip da máquina local; Nome da empresa Verdadeiro ou Falso Nome da empresa criptografado Nome da empresa descriptograf ado Caminho onde será armazenado o arquivo com nome da empresa Verdadeiro ou Falso banco de acordo com a consulta passada como parâmetro Consultar se existe algum registro no banco de acordo com a consulta, caso o resultado da consulta retorne um ou mais registro o método retorna Verdadeiro caso contrário retorna Falso Criptografar o nome da empresa para que seja gravado em um arquivo XML na máquina local e dificulte o usuário burlar o proxy alterando o nome da empresa. Descriptografar o nome da empresa para este ser informado ao proxy no momento da solicitação de acesso a internet. Define o caminho onde ficará armazenado o arquivo com nome da empresa que acessara o proxy É responsável por consultar no banco de dados se o site requisitado pode ou não ser acessado conforme as regras cadastradas e baseado nos parâmetros passados

12 As chamadas aos métodos do WebService pode ser verificada através do código exibido abaixo: [WebMethod] public DataSet RedordDados(string Sql, string ptabela) { try { string conexao = "data source=.\\sqlexpress; Initial Catalog=WebService; Integrated Security=SSPI"; SqlConnection sqlconn = new SqlConnection(conexao); sqlconn.open(); SqlDataAdapter objadapter = new SqlDataAdapter(); objadapter.selectcommand = new SqlCommand(Sql, sqlconn); DataSet dset = new DataSet(); objadapter.fill(dset, ptabela); return dset; } catch { } } return null; Este é um exemplo de método utilizado no WebService que após criado, para ser utilizado basta disponibilizá-lo no servidor IIS e será gerado a URL de acesso a todos os métodos, esta URL deve ser adicionada como uma WebReference no projeto de software que pretende consumir recursos do servidor. Neste projeto o WebService ainda não foi disponibilizado no IIS, porém através do Visual Studio e possível executar o serviço, obter a URL e adicioná-la como WebReference em nosso projeto. Após isso basta que seja declarado um objeto para ela e a utilize como um método local do programa que está sendo desenvolvido. Porém ainda há outra grande vantagem em se utilizar esta tecnologia, a utilização de recursos em escala, ou seja, utilizar uma nuvem para hospedar o servidor, pois geralmente qualquer prestação de serviço inicia-se com um fluxo de utilização baixo e posteriormente ele aumenta, muitas vezes obrigando o prestador de serviço a investir valores altos em infraestrutura, mas com esta tecnologia o prestador pode simplesmente hospedar seu serviço na nuvem com um servidor de pequeno porte e com o sucesso do serviço aumentar os recursos sem investir grandes valores ou mesmo adquirir equipamentos físicos diminuindo os custos. Podemos observar na figura 6 como ocorre o acesso a internet através do proxy.

13 Figura 6: Fluxograma de atividades do sistema Fonte: Próprio autor 4 Conclusão Ao final do projeto conclui-se que com a estrutura atual podemos realizar um controle básico de acesso à internet compartilhando recursos entre vários clientes, porém ainda não possui maturidade para ser lançado como um software comercial, já que não possui relatórios para análise de bloqueios ou acessos realizados o que dificulta o monitoramento da rede. Apesar de não ser possível acompanhar os acessos realizados o projeto traz grandes ganhos ao usuário já que agiliza consideravelmente a criação da lista de acesso através do compartilhamento além de oferecer apenas as opções mais utilizadas visto que muitas vezes os softwares existentes no mercado possuem tantas opções que o usuário fica confuso e não consegue utilizá-los. Também foi possível analisar o quanto o orientação a objetos agiliza no desenvolvimento de um projeto ao se reutilizar o mesmo código em várias tarefas além de facilitar o entendimento do código.

14 PROXY COLLABORATIVE: a software to help small businesses control access to the Internet. ABSTRACT With this work, we intend to develop an application that performs the function of a proxy, allowing or blocking access to the internet, that it is hosted on a remote server, work as a webservice through requests to the server and check if they are allowed access rules for pre-defined. It is also proposed to allow it, these rules shared among several people or companies must connect to the internet browser must specifically developed for this work. Once an area has been developed to control the administrative rules of access and control of users where administrators can create access lists or using lists already created by the superuser Thus the project member businesses can stop worrying about the physical infrastructure of proxy business process and web content filter becomes faster because you can choose ready lists save time. At the end we can conclude that although the process of speeding up access filter system is not yet ready for the commercial market, it does not have a logging system. Keywords: Proxy. Collaboration. Web server. Control of the Internet. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAUJO, Anderson Viçoso de. TREINAMENTO AVANÇADO EM.NET. São Paulo: Digerati Books, p. ISBN BARNES, David J.; KOLLING, Michael. Programação Orientada à Objetos com Java: Uma Introdução Prática Utilizando o Blue J. São Paulo: Pearson Education, p. ISBN BASIURA, Russ et al. Professional ASP.NET Web Services. São Paulo: Pearson Education, p. ISBN DATE, C. J. Introdução a sistema de banco de dados. 8.ed Rio de Janeiro: Elsevier, p. ISBN

15 GOGA,Claudia. Download source code Wbrowser. Disponível em: Acesso em 18 fev HEUSER, Carlos. Projeto de banco de dados. 4.ed. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, p. ISBN MISTRY, Ross; MISNER, Stacia. Introducing Microsoft SQL Server 2008 R2. Redmond : Microsoft Press, p. RICCI, Bruno; MENDONÇA, Nelson. Squid-Solução definitiva. Rio de Janeiro: Ciência Moderna p. ISBN SINTES, Tony. Aprenda Programação Orientada à Objetos em 21 Dias. São Paulo: Pearson Education, p. ISBN X. SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 8. ed. São Paulo: Pearson Addison - Wesley, p. ISBN WATSON, Karli. Beginning Visual C# Indianapolis: Wiley Publishing, Inc, p. ISBN:

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Access 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Alterar o tamanho da tela ou fechar

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Ontologia Navegadores_Codigo-Aberto

Ontologia Navegadores_Codigo-Aberto Ontologia Navegadores_Codigo-Aberto Documento Lista de Termos (versão 1.0) 04-04-2008 report by ontokem Web Tool - ontologies for Knowledge Engineering and Management 1) bookmark: instância da característica

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Usar o Office 365 no iphone ou ipad

Usar o Office 365 no iphone ou ipad Usar o Office 365 no iphone ou ipad Guia de Início Rápido Verificar o email Configure o seu iphone ou ipad para enviar e receber emails de sua conta do Office 365. Verificar o seu calendário onde quer

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães O ASP.NET que é a camada de desenvolvimento de aplicações web da plataforma.net vem agradando em muito os desenvolvedores de todo o mundo desde o

Leia mais

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Acadêmico: Leonardo Chagas D Ippolito Orientador: Prof. Marcel Hugo Blumenau, Dezembro de 2004

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO Versão: BETA Última atualização: 24/06/2012 Índice O sistema de banco de imagens 03 Pesquisa de fotos 04 Pautas e eventos 08 Cadastro de fotos 09 Edição e indexação

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais ASP.NET > WebService herman_arais@yahoo.com.br Introdução Um WebService é um componente, ou unidade lógica de aplicação, acessível através de protocolos padrões de Internet. Como componentes, esses serviços

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03 Thiago Duarte Mota (Engenheiro, IVIG/COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

Iniciando a configuração do BOT

Iniciando a configuração do BOT Iniciando a configuração do BOT Traduzido por: Antonio Edivaldo de O. Gaspar, edivaldo.gaspar(at)gmail(dot)com Texto original: http://www.blockouttraffic.de/gettingstarted.php Revisado em: 25/07/06 09:00

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 10 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir os conceitos de coesão e acoplamento. DESENVOLVIMENTO Projetar

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais