POLЭTICA DE ASSU N T O S ESTUDANTI S DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA Ч У O, CIЪNCI A E TECNOLO G IA FARROUPILHA CA P Э T U L O II DO S PRI N C Э P I O S

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLЭTICA DE ASSU N T O S ESTUDANTI S DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA Ч У O, CIЪNCI A E TECNOLO G IA FARROUPILHA CA P Э T U L O II DO S PRI N C Э P I O S"

Transcrição

1 POLЭTICA DE ASSU N T O S ESTUDANTI S DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA Ч У O, CIЪNCI A E TECNOLO G IA FARROUPILHA CA P Э T U L O I DO S PRI N C Э P I O S Art. 1К A Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis do Institut o Fed e r a l de Educ a ч у o, Ciъ n c i a e Tec n o l o g i a Farr o u p il h a (IF Farro u p il h a) abran g e r с todos os seus Ca m p i. Art. 2К A Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis do IF Farro u p il h a obe d e c e r с aos princэ pi o s de: I - Grat ui d a d e do ensin o; II - Igual d a d e de con diч ѕ e s para acess o e per m a n ъ n c i a no IF Farro u p ilh a; III - For m a ч у o am pla direci o n a d a ao des e n v o l v i m e n t o integral dos estu d a n t e s ; IV - Gar a n ti a da de m o c r a tiz a ч у o e da qualida d e dos serviч o s prest a d o s р co m u n i d a d e estu d a n til; V - Orie nt a ч у o hu m a n э s tic a e prep a r a ч у o para o exer c э c i o pleno da cida d a n i a; VI - Defe s a da justiч a social e elimin a ч у o de todas as for m a s de preconce i t o s; VII - Pluralis m o de idщia s e rec o n h e c i m e n t o da liberd a d e co m o valor щtico centr al; VIII - Integr a ч у o co m as ativid a d e s fins da Instituiчуo: ensin o, pes q ui s a e exte n s у o. CA P Э T U L O II DO S OB J E T I V O S Art. 3К A Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis do IF Farro u p ilh a, em cons o n т n c i a co m os princ э pio s esta b e l e c i d o s no art. 2К dest e regul a m e n t o, tem por objetiv o s: I - Pro m o v e r o aces s o e a per m a n ъ n c i a na pers p e c ti v a da inclus у o social e de m o c r a tiz a ч у o do ensin o; II - Ass e g u r a r aos estu d a n t e s iguald a d e de oportu ni d a d e no exer c э ci o das ativid a d e s aca d ъ m i c a s ; III - Co ntri b uir para a melh o ri a das con di ч ѕ e s eco n є m i c a s, sociais, polэtic a s, familiar e s, cultur ais, fэsic a s e saњ d e integral dos estu d a n t e s ; IV - Bus c a r altern ati v a s para a melh o ri a do des e m p e n h o aca d ъ m i c o dos estu d a n t e s, bus c a n d o preven ir e mini mi z a r a repro v a ч у o e a evas у o esc ol a r; V - Re d u z i r os efeitos das desig u a l d a d e s socioe c o n є m i c a s e cultur ais; 1 04/08/ :52

2 VI - Pro m o v e r e am pliar a for m a ч у o integr al dos estu d a n t e s, esti m u l a n d o e des e n v o l v e n d o a criativid a d e, a reflex у o crэtic a, as ativid a d e s e os interc т m b i o s de carсt e r cultur al, artэstic o, cientэfic o e tecn ol ѓ gi c o; VII - Pres e r v a r e difun dir os valor e s щtico s de liberd a d e, iguald a d e e de m o c r a c i a; VIII - Inter a gir co m a famэlia dos educ a n d o s co m o intuito de qualific ar o processo e os resulta d o s da apre n d i z a g e m, esta b e l e c e n d o relaч ѕ e s de coo p e r a ч у o ; IX - Esti m u l a r a particip a ч у o dos educ a n d o s, atrav щ s de suas repres e n t a ч ѕ e s, no proc e s s o de gest у o de m o c r с tic a; X - Esti m u l a r aчѕ e s volta d a s р Educ a ч у o em Saњ d e. Art. 4К O IF Farr o u p ilh a bus c a r с a cons e c u ч у o dos objetiv o s definid o s no artigo 3К deste Reg ul a m e n t o : I - Des e n v o l v e n d o mec a n i s m o s que gara nt a m a igual d a d e no acess o e per m a n ъ n c i a no IF Farro u p il h a; II - Estab e l e c e n d o e am pli a n d o progr a m a s projet o s e aчѕ e s refere n t e s, entre outro s, р mor a di a estu d a n til, alim e n t a ч у o, saњ d e, cultur a, esp orte, lazer e orient a ч ѕ e s : social, psic ol ѓ gi c a, ped a g ѓ g i c a e profissi o n a l, entre outras; III - Impla n t a n d o e am plia n d o progr a m a s de isenч у o e ince ntiv o nas сreas de alime n t a ч у o, mor a di a estu d a n til, mo nit o ri a, entre outra s, e se pos s э v el gratuid a d e ; IV - Con s tit ui n d o- se em age nt e de integra ч у o da cultur a nacio n a l e da for m a ч у o de cida d у o s, des e n v o l v e n d o junto р co m u n i d a d e estu d a n til um a consciъ n c i a щtica, social e profis si o n a l. V - Intervin d o no processo e nos resulta d o s da apre n d i z a g e m dos educ a n d o s atrav щ s do diag n ѓ s ti c o, proble m a t i z a ч у o e prop o s i ч у o de aчѕ e s afir m a tiv a s. VI - Ince ntiv a n d o a criaч у o de Nњcl e o s de Apoi o р Apre n d i z a g e m (NAA), os quais agirу o preventi v a m e n t e no sentido de que, os objetiv o s de apren d i z a g e m esta b el e c i d o s pelos currэc ul o s, disciplina s e ativid a d e s prop o s t a s seja m alca n ч a d o s. VII - Esti m u l a n d o a criaч у o de Grъ m i o Estu d a n til e Diretѓri o Estud a n til; VIII Pro p o n d o aчѕ e s, no que cou b e r, a partir dos dad o s de aco m p a n h a m e n t o dos egre s s o s do IF Farro u p il h a. Art. 5К Par a cu m p rir seus objetiv o s, o Nњcl e o de Assist ъ n c i a Estud a n til, no тm bit o da Reitori a, assi m co m o nos Ca m p i, dev e r с artic ular o trabal h o co m os de m a i s setor e s do IF Farro u p il h a. Art. 6К A Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis do IF Farro u p ilh a serс co m p o s t a por progra m a s, projet o s e aчѕ e s que contribu a m para a garanti a dos seg ui nt e s eixo s: 2 04/08/ :52

3 I - De m o c r a tiz a ч у o do aces s o de estu d a n t e s de seg m e n t o s em des v a n t a g e m eco n є m i c a, de pes s o a s co m nec e s s i d a d e s esp e c эfic a s (PNE s) e de seg m e n t o s sociais excluэd o s da esc ol a pњblic a atravщs de me did a s e progr a m a s que esti m u l e m e gara nt a m ess e acess o; II - Per m a n ъ n c i a do estu d a n t e no IF Farr o u p il h a e a concl u s у o de sua for m a ч у o co m qualida d e por meio de apoio socioe c o n є m i c o, psic o s s o c i al e educ a c i o n a l; III - Melh o ri a da qualid a d e do ensin o, por mei o de progr a m a s sѓcio- edu c a ti v o s e de ass e s s o r a m e n t o s a profess o r e s, dirige n t e s e educ a n d o s, que contribu a m para a for m a ч у o integr al dos estu d a n t e s ; IV - De m o c r a tiz a ч у o da edu c a ч у o e dos progr a m a s sociais, fome n t a n d o a participa ч у o da co m u n i d a d e esc ol a r nas prop o s i ч ѕ e s, exec u ч ѕ e s e avalia ч ѕ e s, co m trans p a r ъ n c i a na utiliza ч у o dos rec ur s o s e nos critщrios de aten di m e n t o ; V - Co n h e c i m e n t o da realid a d e do Ca m p u s e de seu pњblic o, atrav щ s de estu d o s e pes q uis a s, a fim de subsi di ar avaliaч ѕ e s e prop o s t a s de revis у o das divers a s polэtic a s da Instituiчуo. CA P Э T U L O III DO S PR O G R A M A S, PR O J E T O S E AЧ е E S S O C I A I S Art. 7К A Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis do IF Farro u p ilh a serс co m p o s t a por progra m a s, projet o s e aчѕ e s sociais, inserid o s nos eixos esta b e l e c i d o s no artig o 6К deste Reg ul a m e n t o, que dev e r у o ser orient a d o s pelos seg ui nt e s objetiv o s e diretriz e s: I De m o c r a ti z a ч у o do acess o: a) Ass e s s o r a r os setor e s res p o n s с v e i s pela realiz a ч у o dos proc e s s o s seletiv o s de ingress o na Instituiчуo, co m vistas a gara ntir a inclus у o, no IF Farro u p il h a, de seg m e n t o s em des v a n t a g e m eco n є m i c a, de pes s o a s que apresen t a m algu m tipo de deficiъ n c i a e seg m e n t o s sociais excluэ d o s ; b) Ass e s s o r a r as diretori a s em projet o s, progra m a s e aчѕ e s visa n d o garantir a inclus у o, no IF Farr o u p il h a, de seg m e n t o s em des v a n t a g e m sѓcio- eco n є m i c a, pes s o a s co m nec e s s i d a d e s esp e c эfic a s e seg m e n t o s sociais esp e c эfic o s. II Per m a n ъ n c i a do estu d a n t e no Ca m p u s : a) Pro gr a m a de bols a s, confor m e regul a m e n t o prѓpri o; b) Pro gr a m a de mo nit o ri a s, conf or m e regul a m e n t o prѓpri o; c) Pro gr a m a de alim e n t a ч у o, co m as seg ui nt e s diretriz e s: 1. Prioriz a ч у o do carсt e r social do progr a m a ; 2. Gar a n ti a da qualida d e da alim e n t a ч у o servid a; 3 04/08/ :52

4 3. Gar a n ti a de baix o custo ou gratuid a d e das refeiч ѕ e s, tend o em vista o objetiv o e o pњblic o prioritсrio do progr a m a ; 4. Univ e r s a li z a ч у o do atendi m e n t o para a co m u n i d a d e estu d a n til; 5. Estab e l e c e r nor m a s de uso do refeitѓri o. d) Pro gr a m a de mor a d i a estu d a n til, co m as seg ui nt e s diretriz e s: 1. Prioriz a ч у o do carсt e r social do progr a m a ; 2. Gar a n ti a da qualida d e das dep e n d ъ n c i a s da mor a d i a estu d a n til; 3. Estab e l e c e r nor m a s de convэ vi o para a mor a di a estu d a n til. e) Orie nta ч у o psic o p e d a g ѓ g i c a e social; f) Progr a m a de saњ d e fэsic a e me nt al; g) Projet o s integra d o s a outro s setor e s da Instituiч у o III - Melh o ri a da qualid a d e do ensin o, por mei o de progr a m a s sѓcio- educ a tiv o s co m ъnfa s e em: a) Deb a t e s sobr e o trabal h o; b) Orie nta ч у o afetivo- sex u al; c) Prev e n ч у o ao uso/abu s o de сlco ol e outras drog a s; d) Pes q ui s a aca d ъ m i c a e exte n s у o; e) Outr o s tem a s. IV - De m o c r a tiz a ч у o da edu c a ч у o e dos progr a m a s sociais: a) Fo m e n t a r a particip a ч у o da co m u n i d a d e esc ol a r nas prop o s i ч ѕ e s, exec u ч ѕ e s e avaliaч ѕ e s da polэtic a de ass u n t o s estu d a n tis, progr a m a s, projet o s e aчѕ e s sociais des e n v o l v i d a s ; b) Div ul g a r as infor m a ч ѕ e s atine nt e s р exec u ч у o dos progr a m a s, projet o s e aчѕ e s sociais des e n v o l v i d a s, visa n d o a trans p a r ъ n c i a na utilizaч у o dos rec ur s o s e nos critщrio s de atendi m e n t o. V - Co n h e c i m e n t o da realid a d e Instituci o n a l e de seu pњblic o: a) Contrib uir para a padr o ni z a ч у o da coleta, a interc o m u n i c a ч у o e atualiz a ч у o per m a n e n t e de dad o s sobr e os can di d a t o s, estu d a n t e s e egre s s o s do IF Farro u p ilh a, atravщs de siste m a s de infor m a ч у o integr a d o s entre os divers o s setor e s da Instituiчуo; 4 04/08/ :52

5 b) Realizar estu d o s e pes q ui s a s sobr e a realid a d e da Instituiчуo e de seu pњblic o; c) Aco m p a n h a r a trajetѓria e o des e m p e n h o aca d ъ m i c o dos estu d a n t e s atendi d o s pelos Pro gr a m a s const a n t e s no item II dest e artigo, co m vistas a: 1. Elab o r a r e/ou otimiz a r prop o s t a s que incida m sobr e as caus a s da evas у o e repet ъ n c i a; 2. Subsidiar prop o s i ч ѕ e s e avaliaч ѕ e s das divers a s polэtic a s da Instituiчуo. CA P Э T U L O IV DO S CRI T Щ R I O S DE AT E N D I M E N T O Art. 8К Ser у o atendi d o s prioritari a m e n t e os estu d a n t e s oriun d o s dos seg m e n t o s em des v a n t a g e m sѓcio- eco n є m i c a, nos progr a m a s definid o s no incis o II do artigo 7К des s a Res olu ч у o. Parс g r a f o кnic o - Ca b e r с ao Setor de Ass u n t o s Estud a n tis de cad a Ca m p u s, consi d e r a n d o as esp e c ificid a d e s do Ca m p u s, esta b el e c e r os critщrio s para o aten di m e n t o. CA P Э T U L O V DO Pк B L I C O DA PO LЭ T I C A DE AS S U N T O S ES T U D A N T I S Art. 9К O pњblic o alvo dos progra m a s, projet o s e aчѕ e s serс: I. Can di d a t o s aos curs o s regul ar e s ofereci d o s pelo IF Farro u p il h a, no que se refere a isenч у o de taxa de inscriч у o para o proc e s s o seletiv o; II. Estud a n t e s regul ar m e n t e matric ula d o s do IF Farro u p il h a; III. Ex- estu d a n t e s do IF Farro u p il h a (aco m p a n h a m e n t o de egressos); IV. Pais e/ou res p o n s с v e i s por estu d a n t e s do IF Farro u p il h a. CA P Э T U L O VI DO FIN A N C I A M E N T O Art. 10. A polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis e os progra m a s, projet o s e aчѕ e s sociais nela inserid o s sуo conc e b i d o s co m o direito do estu d a n t e e dev er у o ser garanti d o s e finan ci a d o s pela Instituiч у o. Art A previs у o orч a m e n t с r i a dos progr a m a s projet o s e aчѕ e s sociais relativ o s р Polэtica de Ass u n t o s Estud a n tis dev e r с ser prop o s t a pelo ѓrgу o res p o n s с v e l pela Assist ъ n c i a Estud a n til do Ca m p u s e enc a m i n h a d a ao Diretor- Geral anu al m e n t e, visan d o integr a r a previsуo orчa m e n t с r i a do Ca m p u s. 5 04/08/ :52

6 Art. 12. A dotaч у o orч a m e n t с r i a para ma n u t e n ч у o ou am pli a ч у o do aten di m e n t o dos progr a m a s, projet o s e aчѕ e s sociais, relativ a s р Polэtic a de Ass u n t o s Estu d a n tis, nуo pod e r с ser inferior a 05 % ao ano. 6 04/08/ :52

DAS FINALIDADE S DAS VAGA S E INSC R I Ç Õ E S

DAS FINALIDADE S DAS VAGA S E INSC R I Ç Õ E S R E G U L A M E N TO DA S AT I V IDA D E S E X T R A C U R R I C U L A R E S R E M U N E R AD A S DAS FINALIDADE S Art. 1º O Progr a m a de ativid a d e s extracurric ul a r e s rem u n e r a d a s do

Leia mais

VIA G E M DO REI T O R A BR A S Í L I A ATI VI D A D E S DE S E N V O L V I D A S DA T A: 01 / 03 / Reunião com o Coordenador de Orça mento

VIA G E M DO REI T O R A BR A S Í L I A ATI VI D A D E S DE S E N V O L V I D A S DA T A: 01 / 03 / Reunião com o Coordenador de Orça mento VIA G E M DO REI T O R A BR A S Í L I A ATI VI D A D E S DE S E N V O L V I D A S DA T A: 01 / 03 / 201 1 1 - Reunião com o Coordenador de Orça mento da Rede Federal, Orlando. Paut a: Recursos para co

Leia mais

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S SORO C R E D 1. DEFINIÇÕE S 1.1. AD M I N I S T R A D O R A S O R O C R E D AD M I N I S T R A D O R A DE CA R T Õ E S DE CR É D I T O LT D A. 1.2. AFILI A

Leia mais

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça 6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça Vive m o s um mo m e n t o cruci al para a Igreja Cristã, onde mais do que nunca é imp ort a n

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

I. Considera çõe s gerais

I. Considera çõe s gerais C e le b raçã o de M e m o rando de E n tendi m e nt o entre o M u n i c í p i o de A v e i r o, a M O V E A V E I R O E m p resa M u n i c i pal de M o b i l i dade, E E M e as e m p resas R o d o v i

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

1 3MINIST 0 7RIO P 0 3BLICO DO ESTADO DO AMAZONAS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTI 0 5A

1 3MINIST 0 7RIO P 0 3BLICO DO ESTADO DO AMAZONAS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTI 0 5A 1 3MINIST 0 7RIO P 0 3BLICO DO ESTADO DO AMAZONAS PROCURADORIA-GERAL DE JUSTI 0 5A VIII EXAME DE SELE 0 5 0 1O PARA O CREDENCIAMENTO DE ESTAGI 0 9RIOS DE DIREITO DO MINIST 0 7RIO P 0 3BLICO DO ESTADO DO

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Manual do Usu rio Perfil Benefici rio Portal Unimed Centro-Oeste e Tocantins

Manual do Usu rio Perfil Benefici rio Portal Unimed Centro-Oeste e Tocantins Manual do Usu rio Perfil Benefici rio P gina 1 de 13 1. Introdu 0 4 0 0o Est e do c u m e n t o te m co m o obj e ti v o de m o n s t r a r pa s s o a pa s s o as prin ci p a i s fu n ci o n a l i d a

Leia mais

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res T í t u l o I I D o P ro v i m e n t o, Va c â n c i a, R e m o

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

José Maurício Nunes Garcia ( )

José Maurício Nunes Garcia ( ) José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) ântico de Zacarias PM 0 Edição: Antonio amos coro, órgão (choir, organ) 12. Antonio amos licenciado ara Musica Brasilis, Rio de Janeiro, 2017 ântico de Zacarias Benedictus

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

A NÃO INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA EM RELAÇÃO AOS FATOS EMERGENTES DA ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS MÉDICAS

A NÃO INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA EM RELAÇÃO AOS FATOS EMERGENTES DA ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS MÉDICAS A NÃO INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA EM RELAÇÃO AOS FATOS EMERGENTES DA ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS MÉDICAS André L. Borges Netto Adv o g a d o em Ca m p o Gran d e/ M S (andreborges @ t e r r a. c o m. b r)...têm

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

MUNICIPIO DE PALMITINHO Planilhas Planejamento Receitas Por Exercício Plano Plurianual - PPA Ano Inicial: 2014 Ano Final: 2017 Versão PPA: 1

MUNICIPIO DE PALMITINHO Planilhas Planejamento Receitas Por Exercício Plano Plurianual - PPA Ano Inicial: 2014 Ano Final: 2017 Versão PPA: 1 Página 1 de 5 10000000000000 RECEITAS CORRENTES 19.904.400,00 21.313.258,00 22.807.726,06 24.395.616,88 88.421.000,94 11000000000000 RECEITA TRIBUTARIA 1.125.000,00 1.203.752,00 1.288.015,00 1.378.171,00

Leia mais

ж n dice destas p ginas impressas

ж n dice destas p ginas impressas E V E N TOS F I N A I S ж n dice destas p ginas impressas жndic e dest a s p gin a s impr e s s a s...1 жndic e do O RI G I N A L 1 A Иlti m a Cris e da Terra / 1 1 2 Sinais de que Cristo Voltar em Brev

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

Aula 4. Contribuição Social para a seguridade social - CONTRIBUINTES

Aula 4. Contribuição Social para a seguridade social - CONTRIBUINTES Aula 4 Contribuição Social para a seguridade social - CONTRIBUINTES I- CONTRIBUINTES Regra-matriz de incidência Consequente critério pessoal Sujeito passivo (contribuinte) LEI 8212/91 Art. 12 Segurados

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

Programa de Apoio Psicoterapêuticos - PAP

Programa de Apoio Psicoterapêuticos - PAP Programa de Apoio Psicoterapêuticos - PAP Encontro: Cascais Que Cuidados em Saúde Mental? PROGRAMA DE APOIOS PSICOTERAPÊUTICOS (PAP) 20 outubro 2016 Teresa Casaleiro Câmara Municipal de Cascais Contextualização

Leia mais

AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS

AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS DIGITAIS Claudia Carmem Baggio (UFSM) - ccbaggio@gmail.com Daniel Flores (UFSM) - dfloresbr@gmail.com José da Rosa (UFSC) - eddierosa777@gmail.com

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM (Nome do curso) Nome completo do estagiário (Iniciais maiúsculas)

CURSO TÉCNICO EM (Nome do curso) Nome completo do estagiário (Iniciais maiúsculas) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO IFMT PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTE RIO DA EDUCAÇA O SECRETARIA DE EDUCAÇA O SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANA CA MPUS IRATI PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Leia mais

C o p y r i g h t A r g e n s i n t e r S. R. L. T o d o s o s d i r e i t o s r e s e r v a d o s

C o p y r i g h t A r g e n s i n t e r S. R. L. T o d o s o s d i r e i t o s r e s e r v a d o s S e r r a s I n t e g r a i s d e M e t a l D u r o A r g e n s i n t e r standard C o p y r i g h t 2 0 1 1 - A r g e n s i n t e r S. R. L. T o d o s o s d i r e i t o s r e s e r v a d o s Serras Integrais

Leia mais

EDITAL Nº 46/2013 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO/CONCESSÃO DE AUXÍLIO TRANSPORTE TERRESTRE COLETIVO

EDITAL Nº 46/2013 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO/CONCESSÃO DE AUXÍLIO TRANSPORTE TERRESTRE COLETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS-PROEST PROGRAMA DE AUXÍLIO PARA EVENTOS EDITAL Nº 46/2013 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO/CONCESSÃO DE AUXÍLIO

Leia mais

nelson de oliveira ódio sustenido

nelson de oliveira ódio sustenido ódio sustenido sai da chu va, josé! Ah, José, que é que vo cê faz aí parado? Sai da chu va, José! Larga es sa tai nha e cor re pra varanda. Ah, José, a vi da não é só ga nhar ou per der. Você sa be dis

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 19 DE AGOSTO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 19 DE AGOSTO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.035, DE 19 DE AGOSTO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI EDITAL Nº 04/ SEMECT

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI EDITAL Nº 04/ SEMECT SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI EDITAL Nº 04/2016 - SEMECT SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA III FEIRA MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DE NITERÓI 1.

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

1ATA DA X ASSEMBLÉIA GERAL DO COLEGIADO ESTADUAL 2DE GESTORES MUNICIPAIS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO 3ESTADO DE SANTA CATARINA COGEMAS/SC.

1ATA DA X ASSEMBLÉIA GERAL DO COLEGIADO ESTADUAL 2DE GESTORES MUNICIPAIS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO 3ESTADO DE SANTA CATARINA COGEMAS/SC. 1ATA DA X ASSEMBLÉIA GERAL DO COLEGIADO ESTADUAL 2DE GESTORES MUNICIPAIS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO 3ESTADO DE SANTA CATARINA COGEMAS/SC. Aos três dias 4do mê s de mai o de dois mil e sete, realiz o u- se

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 173/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Institui as Diretrizes para implantação da Política Pública de Valorização da Família no âmbito do Distrito Federal. A CÂMARA LEGISLATIVA

Leia mais

EVASÃO EM CURSOS A DISTÂNCIA: ANÁLISE DOS MOTIVOS DE DESISTÊNCIA E PROPOSTAS DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA INTRODUÇÃO

EVASÃO EM CURSOS A DISTÂNCIA: ANÁLISE DOS MOTIVOS DE DESISTÊNCIA E PROPOSTAS DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA INTRODUÇÃO EVASÃO EM CURSOS A DISTÂNCIA: ANÁLISE DOS MOTIVOS DE DESISTÊNCIA E PROPOSTAS DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Adonias Soares da Silva Junior Universidade Federal de Rondônia- UNIR Anabela Aparecida Silva Barbosa

Leia mais

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP Serigrafados Bisotados Temperados Laminados Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) 2827-2100 Rua Pa dre Car va lho, 348 Pi nhei ros - São Pau lo - SP (11) 2142-8588 Rua Pa dre

Leia mais

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Governo Municipal de Parelhas Página : 0001 1000.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1100.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 1112.02.00.00.00 IMPOSTO SOBRE A PROPR IEDADE PREDIAL TERRIT 115.500,00 20.161,66 0,00

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA ANEXO I À OS N.º 53, DE 07MAI2010 DO ISCPSI MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA Rua 1.º de Maio, 3 1349 040 LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS POLICIAIS E SEGURANÇA INTERNA

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO III CLASSIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES O conceito obrigação Classificação das obrigações 24

ÍNDICE. CAPÍTULO III CLASSIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES O conceito obrigação Classificação das obrigações 24 CAPÍTULO I A RELAÇÃO OBRIGACIONAL 5 1. Noção de relação obrigacional 5 2. Conteúdo da relação obrigacional 5 2.1. Direito subjetivo v. dever jurídico 5 2.1.1. Deveres principais de prestação 6 2.1.2. Deveres

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

Versa o 006 13-jan-16

Versa o 006 13-jan-16 Versa o 006 13-jan-16 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU ADMINISTRAC A O FINANCEIRA A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente

Leia mais

ESTÁGIO E PRÁTICA PROFISSIONAL DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFSUDESTEMG

ESTÁGIO E PRÁTICA PROFISSIONAL DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFSUDESTEMG ESTÁGIO E PRÁTICA PROFISSIONAL DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFSUDESTEMG Frase Lei 11.788/2008 a Lei do Estágio Conceito: conforme art. 1º, Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente

Leia mais

SELEÇÃO DE PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - FUNASA RESUMO

SELEÇÃO DE PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - FUNASA RESUMO SELEÇÃO DE PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - FUNASA RESUMO OBJETO Seleção de projetos de municípios de todo país para a execução de ações de educação e m saúde ambiental, visando promover a saúde e contribuir

Leia mais

APROVADOS APRESENTAÇÃO ORAL

APROVADOS APRESENTAÇÃO ORAL APROVADOS APRESENTAÇÃO ORAL A AVALIAÇÃO DE INTERESSES PROFISSIONAIS (AIP) NO PROCESSO DE ESCOLHA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A ESCOLHA DA CARREIRA NA ADAPTAÇÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Revista Bioética ISSN: Conselho Federal de Medicina Brasil

Revista Bioética ISSN: Conselho Federal de Medicina Brasil Revista Bioética ISSN: 1983-8042 bioetica@portalmedico.org.br Conselho Federal de Medicina Brasil de Pontes Regis, Arthur Henrique; Cornelli, Gabriele Situação jurídica dos animais e propostas de alterações

Leia mais

Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 AMARRIBO A MA R R IB O

Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 AMARRIBO A MA R R IB O Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 A MA R R IB O A MA R R IB O w w w.a m a r r ib o.or g.b r f u n d a çã o: 1 4 d e n ov em b r o d e 1 9 9 9 loca liza çã o A MA R R IB O- A m igos A s s ocia d os d e R

Leia mais

VAGAS REMANESCENTES CURSINHO POPULAR DO IFSP CÂMPUS SÃO PAULO CAROLINA DE JESUS EDITAL Nº SPO.016 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2017

VAGAS REMANESCENTES CURSINHO POPULAR DO IFSP CÂMPUS SÃO PAULO CAROLINA DE JESUS EDITAL Nº SPO.016 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2017 O Cursinho Popular do IFSP Câmpus São Paulo Carolina Maria de Jesus torna público o edital para preenchimento das do processo seletivo para a turma de alunos do ano de 2017. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Versa o 006 13-jan-16

Versa o 006 13-jan-16 Versa o 006 13-jan-16 Curso de Po s-graduac a o em Ni vel de Especializac a o LATO SENSU GESTA O TRIBUTA RIA A Sustentare Escola de Nego cios tem como objetivo, desenvolver e prover permanentemente conhecimentos

Leia mais

Conferência internacional

Conferência internacional Conferência internacional Gestão da Informação dos Parlamentos em África: Desafios e oportunidades das TIC para consolidar a democracia e a governação parlamentar Nairobi 9-11 de Fevereiro de 2005 Senhor

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

Universidade Federal da Bahia. Sistema de Desenvolvimento Institucional PO Procedimento Operacional. Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas

Universidade Federal da Bahia. Sistema de Desenvolvimento Institucional PO Procedimento Operacional. Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas Sistema de Desenvolvimento Institucional PO Procedimento Operacional 1 de 6 Glossário de Siglas e Termos CDH Coordenação

Leia mais

Era Vargas: Governo Provisório e Governo Constitucional

Era Vargas: Governo Provisório e Governo Constitucional Aula 21 Era Vargas: Governo Provisório e Governo Constitucional Setor 1605 1 Governo Provisório ealvespr@gmail.com 1.1 Era Vargas (1930 1945): O Governo Provisório (1930 1934) O Governo Provisório da República

Leia mais

Nos Limites Da A By Elizabeth Tunes;Roberto Bartholo

Nos Limites Da A By Elizabeth Tunes;Roberto Bartholo Nos Limites Da A By Elizabeth Tunes;Roberto Bartholo If you are looking for a book by Elizabeth Tunes;Roberto Bartholo Nos limites da a in pdf form, then you have come on to the right site. We furnish

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Descentralização, focalização e par ce ria: uma aná li se das ten dên ci as nas po lí ti cas pú bli cas de edu ca ção de jo vens e adul tos

Descentralização, focalização e par ce ria: uma aná li se das ten dên ci as nas po lí ti cas pú bli cas de edu ca ção de jo vens e adul tos Descentralização, focalização e par ce ria: uma aná li se das ten dên ci as nas po lí ti cas pú bli cas de edu ca ção de jo vens e adul tos Ma ria Clara Di Pierro Pon ti fí cia Uni ver si da de Ca tó li

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

PACTO GLOBAL. Relatório de Progresso 2008 LISTAS TELEFÓNICAS DE MOÇAMBIQUE,LDA

PACTO GLOBAL. Relatório de Progresso 2008 LISTAS TELEFÓNICAS DE MOÇAMBIQUE,LDA PACTO GLOBAL Relatório de Progresso 2008 LISTAS TELEFÓNICAS DE MOÇAMBIQUE,LDA Dezembro, 2008 STATEMENT Partilhar e recolher experiências, que nos permita utilizar as melhores praticas de Responsabilidade

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Versa o 006 14-jan-16

Versa o 006 14-jan-16 Versa o 006 14-jan-16 Certificate Gestão Financeira Certificate Pós-Graduação Gestão Financeira (428 h/a) Módulos Transdisciplinares (104 h/a) Módulos EPR Educação Presencial em Rede (132 h/a) Módulos

Leia mais

RENAME: SITUAÇÃO ATUAL &

RENAME: SITUAÇÃO ATUAL & RENAME: SITUAÇÃO ATUAL & PERSPECTIVAS Sueli Miyuki Yamauti Farmacêutica Divisão de Farmácia do Hospital Universitário da UNIFESP Santos Março/2017 Declaração de Interesses Artigo: Essencialidade e racionalidade

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU EDITAL DRE n 059/17

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU EDITAL DRE n 059/17 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU EDITAL n 059/17 A PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS, por intermédio do Departamento de Relações Externas, torna pública a abertura

Leia mais

Curriculum vitae organization the Lattes software platform

Curriculum vitae organization the Lattes software platform Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):18-22 Organização do currículo plataforma Lattes Curriculum vitae organization the Lattes software platform Organizadora: Cristiane V. Amorin RESUMO: Cur ric u lum vitae

Leia mais

P R O J E Ç Õ E S. Produção Vendas Interna Importação Exportação Emprego ,1% -10,7% 6,2% -3,7% ,3% 2,0% 3,5% 5,0% 15.

P R O J E Ç Õ E S. Produção Vendas Interna Importação Exportação Emprego ,1% -10,7% 6,2% -3,7% ,3% 2,0% 3,5% 5,0% 15. BOLETIM TENDÊNCIAS DE CURTO PRAZO ANÁLISE GERAL J ANEIRO. 2017 L i d e r a d a p e l a i n d ú s t r i a T ê x t i l, a p r o d u ç ã o i n d u s t r i a l da c a d e i a de T ê x ti l & V e s t u á r

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Biologia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Biologia feita pelo Intergraus Q.01 BIOLOGIA O gráfico mostra os níveis de glicose medidos no sangue de duas pessoas, sendo uma saudável e outra com di a be tes melito, imediatamente após uma refeição e nas cinco horas seguintes. a)

Leia mais

Interação Escola-Família. Brasília, 2012

Interação Escola-Família. Brasília, 2012 educação Interação Escola-Família Brasília, 2012 A UNESCO e o Governo Federal Declarac a o Mundial sobre Educac a o para Todos (JOMNTIEN,1990), reafirmada pela Confere ncia de Dacar (2000), que estabeleceu

Leia mais

Disciplina 1º Período 2º Período 3º Período

Disciplina 1º Período 2º Período 3º Período Disciplina 1º Período 2º Período 3º Período Português ORALIDADE Compreensão do oral - Informação essencial e acessória; - Tema e assunto; - Reconto; Expressão oral - Vocabulário: campo semântico, campo

Leia mais

Iam Iniciativa Jovem Anhembi Morumbi Formulário de inscrição

Iam Iniciativa Jovem Anhembi Morumbi Formulário de inscrição Iam Iniciativa Jovem Anhembi Morumbi Formulário de inscrição Preencha todas as informações solicitadas. Você poderá salvar as etapas do processo de inscrição a qualquer momento. Quando concluir o preenchimento

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Política de Nivelamento

Faculdade de São Paulo. Política de Nivelamento Faculdade de São Paulo Política de Nivelamento 2 1. Introdução No Brasil, os alunos ingressantes no ensino superior apresentam muitas dificuldades em acompanhar os conteúdos ministrados, resultado de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA: Missão e desafios

UNIVERSIDADE CATÓLICA: Missão e desafios UNIVERSIDADE CATÓLICA: Missão e desafios UNIVERSIDADE CATÓLICA Missão e Desafios Esquema Geral LEMBRANÇAS HISTÓRICAS DESAFIOS DA IDENTIDADE PERSPECTIVAS PARA MISSÃO Universidade católica por quê? TRADIÇÃO

Leia mais