Universidade Federal de Roraima Projeto Político Pedagógico Engenharia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Roraima Projeto Político Pedagógico Engenharia Elétrica"

Transcrição

1 Apêndices do Projeto Político Pedagógico

2 Universidade Federal de Roraima Projeto Político Pedagógico Engenharia Elétrica Apêndice I Matriz Curricular das Disciplinas Obrigatórias Conteúdo: - Matriz curricular comum aos dois certificados - Matriz curricular específica do Certificado em Sistemas de Energia - Matriz curricular específica do Certificado em Eletrônica e Telecomunicações

3 Matriz Curricular Obrigatória do Curso de Graduação em Engenharia Elétrica UFRR CHST Carga Horária Semanal Teórica por disciplina CHSP Carga Horária Semanal Prática por disciplina CHT Carga Horária Semestral Total por disciplina 1 Período CHST CHSP CHT DEE100 Introdução à Engenharia Elétrica MAT04 Geometria Analítica MAE01 Cálculo I DCC105 Algoritmos CSC04 Metodologia do Trabalho Científico CIV01 Desenho Técnico TOTAL Período CHST CHSP CHT DCC205 Programação Estruturada MAT03 Introdução à Estatística MAT06 Álgebra Linear MAE02 Cálculo II QA100 Química Geral FIS01 Física I TOTAL Período CHST CHSP CHT DEE301 Ciência e Tecnologia dos Materiais DEE302 Circuitos Elétricos I DEE303 Laboratório de Circuitos Elétricos I MAE03 Cálculo III MAE04 Métodos Matemáticos FIS02 Física II FIS06 Física Experimental I TOTAL

4 4 Período CHST CHSP CHT DEE401 Circuitos II DEE402 Laboratório de Circuitos Elétricos II DEE403 Eletrônica Digital MAT12 Cálculo Numérico FIS03 Física III FIS07 Física Experimental II CIV05 Mecânica Geral TOTAL Período CHST CHTP CHT DEE501 Eletrônica Analógica I DEE502 Laboratório de Eletrônica Analógica I DEE503 Metrologia e Instrumentação DEE504 Microprocessadores e Microcontroladores DEE505 Eletromagnetismo FIS08 Física Experimental III CIV09 Fenômenos de Transporte TOTAL Período CHST CHSP CHT DEE601 Eletrônica Analógica II DEE602 Laboratório de Eletrônica Analógica II DEE603 Conversão de Energia I DEE604 Laboratório de Conversão de Energia I DEE605 Instalações Elétricas DEE606 Sistemas de Controle I DEE607 Fundamentos de Redes de Computadores TOTAL

5 7 Período CHST CHSP CHT DEE701 Conversão de Energia II DEE702 Laboratório de Conversão de Energia II DEE703 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica DEE704 Princípios de Comunicação DEE705 Eletrônica de Potência DEE706 Sistemas de Controle II DEE707 Processamento Digital de Sinais TOTAL Período CHST CHSP CHT DEE801 Projeto Interdisciplinar Específica I Específica II Específica III Específica IV Específica V AD320 Formação e Evolução da Ciência da Administração AD321 Fundamentos de Economia TOTAL Período CHST CHSP CHT DEE901 Trabalho de Conclusão de Curso I CIV45 Engenharia Ambiental Específica VI Específica VII Específica VIII TOTAL

6 10 Período CHST CHSP CHT DEE1001 Trabalho de Conclusão de Curso II DEE1002 Atividades Complementares DEE1003 Estágio Supervisionado DEE1004 Disciplina Optativa Eletiva I DEE1005 Disciplina Optativa Eletiva II TOTAL Disciplinas Específicas: Eletrônica e Telecomunicações CHST CHSP CHT DEE01 Antenas e Propagação DEE02 Comunicações Digitais DEE03 Eletrônica para Radiofreqüência DEE04 Sistemas de Telefonia DEE05 Redes para Telecomunicações I DEE06 Comunicações Via Satélite e Radares DEE07 Radiodifusão e Teledifusão DEE08 Redes para Telecomunicações II TOTAL 480 Disciplinas Específicas: Sistemas de Energia Elétrica CHST CHSP CHT DEE51 Acionamentos Elétricos DEE52 Análise de Sistemas de Potência I DEE53 Distribuição de Energia Elétrica DEE54 Geração de Energia Elétrica DEE55 Transmissão de Energia Elétrica DEE56 Análise de Sistemas de Potência II DEE57 Instalações Elétricas Industriais DEE58 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência TOTAL 480

7 Universidade Federal de Roraima Projeto Político Pedagógico Engenharia Elétrica Apêndice II Fichas de Disciplinas Obrigatórias Conteúdo: - Fichas de disciplinas obrigatórias básicas - Fichas de disciplinas obrigatórias profissionalizantes - Fichas de disciplinas obrigatórias específicas

8 Universidade Federal de Roraima Projeto Político Pedagógico Engenharia Elétrica APÊNDICE II - FICHAS DE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS BÁSICAS

9 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Código: AD320 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Oitavo Unidade Acadêmica: Departamento de Ciências Sociais Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): Nenhum OBJETIVOS Proporcionar o conhecimento teórico, capacitando a compreensão da formação e evolução ao estado atual da ciência administrativa e, através do estudo de casos, estimular a habilidade profissional para a resolução de problemas empresariais EMENTA Promover o conhecimento amplo sobre a evolução das teorias administrativas e a influência das demais ciências, estimulando a comparação e análise crítica das escolas abordadas. BIBLIOGRAFIA - BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1. RIBEIRO, Antonio de Lima. Teorias da Administração. Saraiva, SP. 2. ARANTES, Nélio. Sistemas de Gestão Empresarial. Atlas, SP. 3. BERNARDES, Cyro. Teoria Geral da Administração. 2ª. Ed. Atlas, São Paulo. 4. CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. McGraw Hill, São Paulo. 5. FAYOL, Henri. Administração Industrial e Geral. Atlas, São Paulo. 6. LODI, João Bosco. Administração por Objetivo. Pioneira, São Paulo. 7., História da Administração. Pioneira; São Paulo. 8. MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração: uma introdução. Pioneira, São Paulo.

10 9. TAYLOR, Frederick W. Princípios da Administração Científica. 8ª. Ed. Atlas, São Paulo. 10. BEER, Stafford. Cibernética e Administração Industrial. Zahar, Rio de Janeiro. 11. CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. McGraw Hill, São Paulo. 12. MOREIRA, Daniel Augusto. Reengenharia: dinâmica para mudanças. Pioneira, São Paulo. 13. MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração. Uma introdução. Pioneira, São Paulo. 14. SIMON, Herbert A. Comportamento Administrativo. FGV, Rio de Janeiro.

11 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA Código: AD321 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Oitavo Unidade Acadêmica: Departamento de Ciências Sociais Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): Nenhum OBJETIVOS Produzir a visão microeconômica necessária ao entendimento das disfunções financeiras e econômicas nas organizações. EMENTA Introdução geral à economia. Estudo dos problemas econômicos. Estudo do sistema econômico. Conceitos e cálculos dos principais agregados. Equilíbrio e flutuações da produção, da renda e do emprego. Desenvolvimento econômico internacional. Conceitos elementares de economia: objetivos da ciência econômica, problemas econômicos básicos. Organização econômica. Metodologia da Ciência econômica. Noções de Microeconomia: Teoria do consumidor. Teoria da firma. Teoria do mercado. Noções. Noções de Macroeconomia: o sistema macroeconômico. Medidas das atividades econômicas. O Sistema de contabilidade nacional. A teoria da determinação da renda. Moeda e sistema financeiro. Inflação. Comércio internacional. Noções de desenvolvimento econômico. BIBLIOGRAFIA - BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1. DRUCKER, Peter. Sociedade Pós-capitalista. São Paulo, Pioneira, EQUIPE DE PROFGESSORES DA USP. Manual de Introdução à Economia. São Paulo:Saraiva, KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do juro e da moeda. São Paulo, Atlas, 1983

12 4. MIGLIOLI, J. Acumulação de Capital e Demanda Efetiva. São Paulo: Ed. T. A Queiroz, ROSSETI. Introdução à Economia. São Paulo, Atlas, 1991.

13 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: DESENHO TÉCNICO Código: CIV01 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Primeiro Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Civil Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): Nenhum OBJETIVOS Ao final da disciplina o discente deverá ser capaz de: 1. Demonstrar capacidade interpretativa de desenho técnicos 2D 2. Representar graficamente projeções 3. Entender o processo de expressão gráfica para a engenharia EMENTA Normas técnicas. Construções geométricas. Noções de geometria descritiva. Desenho arquitetónico. Desenho de estruturas. Desenho de obras de arte. Desenho de instalações. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Instrumentação e Normas 1.1. Instrumentos. Equipamentos e Materiais 1.2. Normas no Desenho Técnico Formatos de Papel Letras e Algarismos Técnicos Legendas Escalas Linhas e Sinais Convencionais Sistema de Cotagem 2. Construções Geométricas

14 3. Noções básicas de geometria descritiva 3.1. Ponto 3.2. Retas 3.3. Planos 3.4. Noções de desenho projetivo e perspectivas 4. Desenho Arquitetônico 4.1. Código de Obras. Requisitos exigidos pelo código de obras Planta baixa, locação e situação, cortes, fachadas, coberturas, perspectivas e detalhes. 5. Desenho de Estruturas. Normas Técnicas 5.1. Estruturas de concreto armado 5.2. Estruturas de madeira 5.3. Estruturas metálicas 5.4. Desenho de Obras de Arte 6. Desenho de Instalações 6.1. Instalações hidráulicas 6.2. Instalações sanitárias 6.3. Instalações elétricas 6.4. Instalações especiais BIBLIOGRAFIA 1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas 2. CARVALHO, Benjamim de A. Desenho Geométrico. Editora - Ao Livro Técnico, Rio de Janeiro. 3. PRINCÍPE JÚNIOR, A. R. Noções de Geometria Descritiva. vol. 1, Editora Nobel, São Paulo. 4. OBERG, L. Desenho Arquitetónico. Editora Ao Livro Técnico, Rio de Janeiro. 5. MONTENEGRO, Gildo A. Desenho Arquitetônico. Editora Edgard Blucher, São Paulo. 6. FRENCH, Thomas E. Desenho Técnico. Editora Globo, Porto Alegre. 7. SOUZA, Arthur P. Desenho Topográfico e de Cartografia. 8. FORSETH, Kevin. Projetos em Arquitetura. São Paulo, Hemus Editora Ltda. 9. PRENZEL, Rudolf. Desenho e Técnica da Representação em Arquitetura. Editora Gustavo Gili S.A.

15 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: MECÂNICA GERAL Código: CIV05 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Quarto Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Civil Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): FIS OBJETIVOS Ao final da disciplina o discente deverá ser capaz de: 1. Empregar os princípios da mecânica e de cálculo vetorial à análise do equilíbrio estático de elementos estruturais simples. EMENTA Fundamentos da estática: forças, momentos, resultante de um sistema de forças. Forças distribuídas: centróides, baricentros e momentos de área. Condições de equilíbrio. Esforços internos em elementos estruturais. Análise de estruturas isostáticas: vigas e treliças planas. Trabalho e energia. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Revisão de álgebra vetorial 1.1. Quantidades escalares e vetoriais 1.2. Vetores 1.3. Módulo de um vetor 1.4. Vetores unitários 1.5. Operações vetoriais Soma e subtração de vetores Multiplicação de vetores: produto escalar e vetorial. 2. Fundamentos da Estática 2.1. Primeira, segunda e terceira Lei de Newton

16 2.2. Força: componentes cartesianas de uma força 2.3. Momento: componentes cartesianas de um momento 2.4. Conjugado (binário) 2.5. Resultante de um sistema de forças concorrentes 2.6. Resultante de um sistema de forças coplanares 2.7. Resultante de um sistema geral de forças no espaço 2.8. Redução de um sistema de forças a um ponto 3. Forças Distribuídas: centróides e centros de gravidade 3.1. Baricentro 3.2. Centróides de linhas, áreas e volumes Determinação do centróide por integração 3.4. Teorema de Pappus-Guldinus 3.5. Centróide de áreas simples e compostas 4. Forças Distribuídas: momentos de área Momento de inércia Definição de momento de inércia de área Momento de inércia de uma área por integração Momento de inércia de área composta Teorema dos eixos paralelos para momento de inércia 4.2. Momento de inércia polar 4.3. Raio de giração de uma área 4.4. Produto de inércia de uma área Definição de produto de inércia de área Produto de inércia de uma área por integração Produto de inércia de área composta Teorema dos eixos paralelos para produto de inércia 4.5. Transformação de coordenadas Translação de eixos Rotação de eixos Eixos e planos principais para momentos de inércia Circulo de Mohr aplicado às propriedades geométricas de áreas planas. 5. Condições de Equilíbrio 5.1. Diagramas de corpo livre 5.2. Equações de equilíbrio no plano e no espaço 5.3. Graus de liberdade 5.4. Tipos de apoios (vínculos) 5.5. Estaticidade e estabilidade 5.6. Esforços internos simples: esforço normal, esforço cortante, momento torçor e momento fletor. 6. Análise de Estruturas

17 6.1. Vigas Isostáticas Equações fundamentais da Estática. (Relações entre carga distribuída, força cortante e momento fletor) Cálculo de reações de apoio e diagramas de esforços solicitantes para vigas Vigas biapoiadas Carga concentrada Carga uniformemente distribuída Carga triangular Carga momento Caso geral de carregamento Vigas engastadas e livres Vigas biapoiadas com balanços Vigas Gerber Vigas inclinadas 6.2. Treliças Planas Isostáticas Classificação das treliças Quanto à estaticidade Quanto à lei de formação Métodos de Resolução Método dos Nós Método de Ritter 7. Trabalho e Energia 7.1. Definição de trabalho e trabalho virtual 7.2. Princípio do trabalho virtual para uma partícula e para um corpo rígido 7.3. Princípio do trabalho virtual para um sistema de corpos rígidos interligados 7.4. Forças conservativas 7.5. Energia potencial critério para o equilíbrio 8. Conceitos básicos sobre cinemática e dinâmica do ponto e dos sólidos BIBLIOGRAFIA - BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1. BEER, F.P.; Russel, Johnston, Jr. Mecânica Vetorial para Engenheiros, Estática.Vol. I, Dinâmica Vol. II, Editora Mc Graw-Hill, 3a Edição, SP, HIGDON, STILES, DAVIS, EVCES E WEESE, Mecânica. Vol.1 Estática, Vol.2 Dinâmica, Editora Prentice Hall do Brasil, RJ, SUSSEKIND, J. C. Curso de Análise Estrutural. Vol.I, Editora Globo, 12a Edição, RJ, 1994.

18 - BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 4. HIBBELER, R.C., Mecânica Estática, Editora LTC, 8ª Edição, RJ. 5. MERIAN, James L. Mecânica Estática. Editora LTC, 4ª Edição, RJ, TIMOSHENKO, S. P. e Gere, J. E., Mecânica dos Sólidos: Vol. I, Editora Livros Técnicos e Científicos Ltda, 1a Edição, RJ, TARTAGLIONE, Louis C.; Structural Analysis. Editora Mc Graw-Hill, SLP, 1991.

19 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: FENÔMENOS DE TRANSPORTE Código: CIV09 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Quinto Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Civil Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): CIV EMENTA Propriedades dos fluídos e definições. Estática dos fluidos. Cinemática dos fluidos: métodos de descrição do movimento, equação da continuidade, movimento com potencial de velocidade. Dinâmica dos fluidos perfeitos: equação de euler, equação geral da hidrodinâmica, teorema das quantidades de movimento. Dinâmica dos fluidos reais: regime laminar, regime turbulento, teorema de bernoulli adaptado aos fluidos reais, teorema das quantidades de movimento aplicado aos fluidos reais. Bases modernas da dinâmica dos fluidos: análise dimensional, método de buckinghan. Semelhança mecânica. Mecanismos de transmissão de calor. Condutividade térmica. Condução de calor em uma dimensão. Transmissão de calor por efeito combinado de condução e convecção. Transmissão de calor por radiação. Isolantes térmicos. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Introdução 1.1. Objeto da Mecânica dos Fluidos Propriedade dos fluidos. Definição de um fluido. Sistemas de unidades. Peso específico. Massa específica. Densidade. Viscosidade. Pressão. Capilaridade. Módulo de elasticidade volumétrico. Compressão de gases para condições isotérmicas e para condições adiabáticas. 2. Estática dos Fluidos 2.1. Definição. Pressão em um ponto. Manômetros. Pressão absoluta e relativa. Equação básica da estática dos fluidos. Superfície de nível. Superficie isotérmica.

20 2.2. Força exercida por um líquido em uma superfície plana. Centrode pressão. Aplicação à superfícies com forma geométrica regular Força exercida por um líquido em uma superfície curva. Componente vertical e horizontal. Centro de pressão Tensão de tração num tubo de parede fina. Tensão de tração numa esfera de parede fina Princípio de Arquimedes. Empuxo em corpos submersos e flutuantes. Equilíbrio dos corpos imersos e flutuantes Translação de massas líquidas. Movimentos horizontais e verticais. Recipientes abertos e fechados Rotação de massas líquidas.recipientes abertos e fechados. 3. Escoamento dos fluidos 3.1. Métodos de descrição do movimento de uma partícula fluida: método de Euler e método de Lagrange. Trajetórias de uma partícula. Linhas de corrente. Tubos de corrente. Movimento permanente, variado, uniforme, não uniforme, laminar ou turbulento Equações básicas para um volume de controle: conservação de massa, a segunda lei de Newton, o princípio da quantidade de movimento angular, a primeira lei da termodinâmica, a segunda lei da termodinâmica Equação da continuidade. Equação da energia. Teorema de Bernoulli. Aplicações do teorema de Bernoulli. Linha de energia, linha piezométrica, taquicarga Noções de viscosidade devidas a Newton. Escoamento laminar entre placas paralelas. Escoamento laminar em tubos.movimento turbulento. Estudo de Reynolds sobre a transição do movimento laminar para o turbulento Escoamento em tubos. Perda de carga contínua. Perda de carga localizada. Fórmula de Darcy Encanamento equivalente a outro: conduto simples, em série e em paralelo Medição de escoamento de fluido: medição de velocidade e vazão. Tubo de Pitot. Coeficiente de descarga, coeficiente de velocidade, coeficiente de contração Estudo do movimento permanente e uniforme nos condutos forçados e livres Análise dimensional. Teorema das variáveis Π de Buckingham. Semelhança geométrica, cinemática e dinâmica. Semelhança de escoamentos e estudo de modelos. 4. Transmissão de Calor 4.1. Mecanismos de transmissão de calor, condutividade térmica Leis fundamentais da condução, convecção e radiação.

21 Fatores que influem na condutividade térmica, predição da condutividade térmica dos gases, líquidos e sólidos Condução de calor em uma dimensão: regime estabelecido Balanço diferencial de energia térmica Condução de calor radial através de paredes cilíndricas e esféricas simples e compostas Conceitos de resistência térmica Transmissão de calor por efeito combinado de condução e convecção Transmissão de calor entre dois fluidos separados por uma parede plana. Transmissão de calor entre dois fluidos separados por uma parede cilíndrica Conceito de coeficiente global de transmissão de calor Conceito de diferença de temperatura média logarítmica Transmissão de calor em superfícies achatadas 4.4. Distribuição de temperatura em sólidos com fonte de calor regime estabelecido Condução com fonte viscosa de calor Condução com fonte elétrica de calor Condução de calor com fonte química ou nuclear de calor 4.5. Isolação térmica e equipamentos de transmissão de calor Tipos de isolantes térmicos Espessura ótima de um isolante térmico Espessura crítica da camada isolante de uma tubulação Tipos de trocadores de calor Dimensionamento e eficiência de trocadores de calor BIBLIOGRAFIA 1. Gilles, Ranald V. Mecânica dos Fluidos e Hidráulica. Editora McGraw-Hill do Brasil Ltda. São Paulo, Fox & McDonald. Introdução à Mecânica dos Fluidos. 5a Edição, Livros Técnicos e Científicos Editora AS. Rio de Janeiro, Streeter, Victor L. Mecânica dos Fluidos. Editora McGraw-Hill, São Paulo. 4. Bastos, Francisco A A. Problemas de Mecânica dos Fluidos. Editora Guanabara, Rio de Janeiro. 5. Vennard, Jonh K.; Steet, Robert L. Elementos de Mecânica dos Fluidos. 5a Edição, Editora Guanabara Dois AS, Rio de Janeiro. 6. Shames, I H. Mecânica dos Fluidos Análise dos escoamentos, 2 volumes, Editora McGraw-Hill do Brasil Ltda, 1973.

22 7. Kern, Donald Q. Processos de Transmissão de Calor. Editora Guanabara, Rio de Janeiro. 8. Sisson/ Pitts. Fenômenos de Transporte. Editora Guanabara, Rio de Janeiro. 9. Thomas. Fundamentos de Transmissão de Calor. Editora Guanabara, Rio de Janeiro.

23 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: ENGENHARIA AMBIENTAL Código: CIV45 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Nono Unidade Acadêmica: Departamento de Engenharia Civil Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): Nenhum EMENTA Ecologia. Meio ambiente. A biosfera e seu equilíbrio. Biodiversidade. Efeitos da presença humana e da tecnologia sobre o meio ambiente. Controle das diversas formas de poluição. Preservação de recursos naturais. Principais problemas ambientais da atualidade. Aspectos legais e institucionais no controle ambiental. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Noções Básicas de Ecologia 1.1. Introdução 1.2. Noções básicas e gerais de ecologia 1.3. Ciclos Biogeoquímicos 1.4. Estudo da Biosfera 1.5. População 1.6. Comunidade 2. Atividades Humanas e Poluição das Águas 2.1. Introdução 2.2. Poluição de Lagos 2.3. Rios e Canais 2.4. Lagoas de Estabilização 3. Poluição Introdução Agentes poluidores 3.3. O meio terrestre, ar, solo, resíduos sólidos e tóxicos e seus efeitos Sistema de coleta de lixos domiciliar, hospitalar e industrial.

24 3.5. Aterro Sanitário 3.6. Radiação e seus efeitos 3.7. Sistema de controle da qualidade do ar 4. Aspectos Legais e Institucional no Controle Ambiental 4.1. Legislação e Administração Ambiental 4.2. Política Ecológica 4.3. Planos Diretores 4.4. Ocupação e recursos naturais do solo 4.5. Planejamento e Controle integrado do meio ambiente BIBLIOGRAFIA 1. ARAÚJO, S. M., Ciências do Ambiente, Ecologia Geral, Universidade Federal da Paraíba, ARAÚJO, S. M., Ciências do Ambiente, A Degradação do Meio Ambiente, Universidade Federal de Paraíba, ARAÚJO, S. M., Ciências do Ambiente, Avaliação de Impacto Ambiental, Universidade Federal da Paraíba, BRANCO, S.M., Ecologia: Educação Ambiental, CETESB, São Paulo, 1980.

25 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Código: CSC04 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Primeiro Unidade Acadêmica: Departamento de Ciências Sociais Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): Nenhum EMENTA Preparar o aluno para desenvolver trabalhos acadêmicos, de acordo com as normas científicas, enfatizando os métodos de estudo, análise de textos, coleta de dados, estruturas formais e lógicas da prática científica. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Gênese e evolução do processo de conhecimento 1.1. Níveis de conhecimento de produção cultutal 1.2. Método das Ciências Humano-Sociais e Físico-Químicas 1.3. Sujeitos: objetos reais e cosntruídos 1.4. Crise e paradigmas no contexto científico 2. Pluralidade social, artimanhas e faces do real 2.1. Inerdisciplinaridade 2.2. Pluralismo 2.3. Movimentos sociais 2.4. Políticas sociais e questao do desenvolvimento 3. Metodologia da pesquisa 3.1. Definição, função e papel 3.2. Pólos epistemológicos, teórico-metodológico e instrumental Modalidades 3.4. Modos de investigaçao 4. Projeto de pesquisa 5. Fundamentos do trabalho científico: aspectos operacionais.

26 BIBLIOGRAFIA - BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1. ABBAGNNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Job, ASTIVERA, Armando. Metodologia da Pesquisa Científica. Porto Alegre: Globo, BARBIER, Renea. A pesquisa ação na instituição educativa. Rio de Janeiro: Zahar, BARBOSA FILHO, Manuel. Introdução à pesquisa: métodos técnicas e instrumentos. Rio de janeiro: Livros Técnicos e Científicos, BASTIDES, Roger, et alii. Pesquisa comparativa e interdisciplinar. Rio de Janeiro: FGV, BASTOS, Lília da Rocha, et alii. Manual para elaboração de Projetos e Relatórios de pesquisa, teses e dissertação. Rio de Janeiro: Zahar, BOBBIO, Norberto, et alii. Dicionário de Política. Brasília: UnB, BOTTOMORE, Tom, et alii. Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro: Zahar, BOUDON, Raymond. Métodos quantitativos em sociologia. Petrópolis: Vozes, BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org). Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense, , (org). Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, CARDOSO, Mirian Limoeiro. La construcción de conocimientos: cuestiones de teoria e método. México: Ediciones Era, CARDOSO, Ruth (org.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa. Rio de janeiro: Paz e Terra, CARVALHO, Maria Lecília M. de (org.) Construindo o saber: técnicas de metodologia científicas. Campinas: Papirus, CASTRO, Cláudio de Moura. A prática da pesquisa. São Paulo: Megraw-Hill do Brasil, CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica: para uso dos estudos universitários. São Paulo: Megraw-Hill, DEMO, Pedro. Metodologia Científica: em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Maria Marly de. Como Fazer Projetos, Relatórios, Monografias, Dissertações e Teses. Impetus, RJ. 19. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1996.

27 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: ALGORITMOS Código: DCC105 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Primeiro Unidade Acadêmica: Departamento de Ciência da Computação Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): Nenhum OBJETIVOS Ao final da disciplina o discente deverá ser capaz de: 1. Apresentar a abordagem de resolução de problemas de computador utilizando os conceitos de algoritmos com base no português estruturado e em diagramas de blocos. EMENTA Abordagem contextual; Introdução à lógica de algoritmos; Tipos de dados e instruções primitivas; Estrutura de controle (tomada de decisão); Estrutura de controle (Laços de repetição); Estrutura de dados homogêneas; Aplicações do uso de vetores; Aplicações do uso de matrizes; Estrutura de dados heterogêneas; Subrotinas; Parâmetros. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Abordagem contextual 1.1. Definições básicas 1.2. Aplicabilidade da lógica no auxílio do desenvolvimento 1.3. Definição de nomenclaturas 1.4. Formas de representação gráfica 1.5. Simbologias 2. Introdução à lógica de algoritmos 2.1. Princípios de resolução de problemas

28 2.2. Técnicas para resolução de problemas computacionais: 2.3. Linear 2.4. Estruturada 2.5. Modular 2.6. Diagrama de Chapin 2.7. Português estruturado 3. Tipos de dados e instruções primitivas 3.1. Tipo de informações (Dados e instruções) 3.2. Tipo de dados: 3.3. Inteiros 3.4. Reais 3.5. Caracteres 3.6. Lógicos 3.7. Variáveis 3.8. Constantes 3.9. Operadores aritméticos Expressões aritméticas Instruções básicas para o uso de diagrama de bloco e português estruturado 4. Estrutura de controle (tomada de decisão) 4.1. Desvio condicional simples 4.2. Operadores relacionais 4.3. Desvio condicional composto 4.4. Desvio condicional encadeado 4.5. Operadores lógicos 5. Estrutura de controle (laços de repetição) 5.1. Teste lógico no início do looping 5.2. Teste lógico no fim do looping 5.3. Variável de controle 5.4. Estrutura de controle encadeada 6. Estrutura de dados homogêneas 6.1. Matrizes de uma dimensão (Vetor) 6.2. Operações básicas: 6.3. Leitura 6.4. Atribuição 6.5. Escrita 7. Aplicações do uso de vetores 7.1. Classificação dos elementos de um vetor 7.2. Métodos de pesquisa: 7.3. Seqüencial

29 7.4. Binário 8. Aplicações do uso de matrizes 8.1. Matrizes com mais de uma dimensão 8.2. Operações básicas com matrizes de duas dimensões: 8.3. Leitura 8.4. Atribuição 8.5. Escrita 9. Estrutura de dados heterogêneas 9.1. Estrutura de um registro 9.2. Estrutura de um registro de conjuntos 9.3. Estrutura de um conjunto de registros 9.4. Operações básicas(leitura, atribuição e escrita) 10. Sub-Rotinas Introdução a sub-rotinas O método top-down Estrutura de controle de múltipla escolha Variáveis globais e locais 11. Parâmetro Parâmetros formais e reais Passagem de parâmetros Por valor Por referência BIBLIOGRAFIA - BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1. LOPES, A.; GARCIA G. Introdução à programação : 500 algoritmos resolvidos. Rio de Janeiro : ELSEVIER, FORBELLONE, A. L. V., HENRI F. E. Lógica de programação: a construção de algoritmos e estruturas de dados. São Paulo, SP : Makron Books, Farrer, Harry. Programação estruturada de computadores: algoritmos estruturados. Rio de Janeiro : LTC Livros Técnicos e Científicos, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 4. MANZANO, J. A. N. G., OLIVEIRA, J. F. Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação. 14a ed. São Paulo: Editora Érica, 2000.

30 5. Drozdek, Adam. Estrutura de dados e algoritmos em C++. São Paulo, SP : Thomson, Ziviani, Nivio. Projeto de algoritmos com implementações em Pascal e C. São Paulo, SP : Thomson, 2004.

31 FICHA DE DISCIPLINA Disciplina: PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Código: DCC205 ( X ) Obrigatória ( ) Optativa Período: Segundo Unidade Acadêmica: Departamento de Ciência da Computação Có-Requisito(s): Nenhum CH Teórica CH Prática CH Total Pré-Requisito(s): DCC OBJETIVOS Ao final da disciplina o discente deverá ser capaz de: 1. Desenvolver programas estruturados para solução de problemas em uma linguagem de programação de alto nível; compilar e executar os programas; fazer verificação e correção de programas estruturados; e implementar programas modularizados. EMENTA Fundamentos de uma Linguagem de Programação Estruturada; Conceitos Básicos; Estruturas de Seleção (Simples, Aninhadas e Múltiplas Escolhas); Estruturas de Repetição (Contada e Condicional); Estruturas Homogêneas (Vetores e Matrizes); Modularização de Programas; Arquivos. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA 1. Fundamentos de uma linguagem de programação estruturada 1.1. Conceitos básicos de uma linguagem de programação estruturada 1.2. Conhecendo e utilizando um ambiente de programação 2. Conceitos básicos 2.1. Variáveis e constantes 2.2. Expressões aritméticas e lógicas 2.3. Funções predefinidas 2.4. Atribuição

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Ensino Médio Profissionalizante nas áreas de Eletricidade, Eletrônica, Eletrotécnica ou Mecânica ou Ensino

Leia mais

Física Interação e Tecnologia

Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação as Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser

Leia mais

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª. Angela Emilia de Almeida Pinto Departamento de

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA Av. Gal. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 3000 Japiim CEP: 69077-000 - Manaus-AM, Fone/Fax (0xx92) 644-2006 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

EMENTA: PROGRAMA: MEDIÇÃO DE VETORES

EMENTA: PROGRAMA: MEDIÇÃO DE VETORES DISCIPLINA: FÍSICA I CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 h/a OBJETIVOS: Identificar fenômenos naturais em termos de quantidade e regularidade, bem como interpretar princípios fundamentais que generalizam as

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA COMPONENTE CURRICULAR:

MATRIZ DE REFERÊNCIA COMPONENTE CURRICULAR: I. MECÂNICA Conteúdo 1. Introdução à Física - Sistemas métricos. Conversão de unidades de medida. Notação científica. Ordem de grandeza. Operações com algarismos significativos. Regras de arredondamento.

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 CURSOS SUPERIORES DE - TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. CURSOS E VAGAS OFERECIDAS Cursos de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE PROGRAMA DAS PROVAS 1- REDAÇÃO Construção de textos dissertativos objetivos e/ou subjetivos abordando temas da atualidade. 2- LINGUA PORTUGUESA 2.1- Literatura Brasileira Literatura: conceito e funções,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ FÍSICA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA 1 MECÂNICA COMPETÊNCIAS 1.1 Conceitos fundamentais: Posição, deslocamento, velocidade e aceleração. 1.2 Leis de Newton e suas Aplicações. 1.3 Trabalho, energia e potência. 1.4 Momento linear e impulso. UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Associação de Ensino e Cultura Pio Décimo Faculdade Pio Décimo Engenharia Elétrica PROGRAMA DA DISCIPLINA Identificação Matéria de Ensino Matemática Código EE112 Disciplina Álgebra Linear Código MA100003

Leia mais

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno Engenharia da Computação Relação das s do Currículo Pleno O curso de Engenharia de Computação apresenta o seguinte currículo pleno, distribuído em 9 períodos letivos. 4 º Período 3 º Período 2 º Período

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

CONTEÚDOS DE FÍSICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE FÍSICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE FÍSICA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física. Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física. Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO UDESC Joinville Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física Grupo de Dinâmica Não-Linear Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO 1 Identificação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2014 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 228 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 1º Sem. 2014 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

1 2 Curso: Licenciatura em Física Semi Presencial Código: 112. 5 Turno(s): ( ) Diurno ( ) Noturno ( x) Virtual. Nome da Disciplina

1 2 Curso: Licenciatura em Física Semi Presencial Código: 112. 5 Turno(s): ( ) Diurno ( ) Noturno ( x) Virtual. Nome da Disciplina Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Pesquisa e Acompanhamento Docente CPAD Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINAS 1

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PONTOS PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL 001/2009 Matéria/Área do Conhecimento: MATEMÁTICA 1. Transformações Lineares e Teorema do Núcleo

Leia mais

Prefácio 11. Lista de Figuras 17. Lista de Tabelas 25

Prefácio 11. Lista de Figuras 17. Lista de Tabelas 25 Sumário Prefácio 11 Lista de Figuras 17 Lista de Tabelas 25 I INTRODUÇÃO 27 1 Vetores e Grandezas Vetoriais 29 1.1 Introdução aos Vetores......................... 29 1.2 Sistemas de Coordenadas Retangulares................

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 315 Física 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário da disciplina de Física, a realizar em 2012 pelos alunos

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35 Planilha atualizada em 21/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Administração

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURRICULO 20305/01036-FISICA LICENCIATURA HABILITAÇÃO: LICENCIADO EM FISICA RECONHECIDO: Portaria N 1030 D.O.U.

Leia mais

2FIS023 FÍSICA GERAL III

2FIS023 FÍSICA GERAL III 1ª Série 2MAT032 CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I A derivada: números reais. Planos cartesianos e gráficos de funções. Limite e continuidade de funções reais. Diferenciação de funções reais e aplicações.

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

3º SEMESTRE. Desenvolver no aluno uma visão factível da mecânica, criando no mesmo uma "intuição" correta dos fenômenos mecânicos.

3º SEMESTRE. Desenvolver no aluno uma visão factível da mecânica, criando no mesmo uma intuição correta dos fenômenos mecânicos. 3º SEMESTRE EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DISCIPLINA: Cinemática dos Sólidos CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 horas I - EMENTA Cinemática da partícula. Cinemática do sólido: translação, rotação em torno de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I 1 Funções de uma variável 2 Funções reais 3 Conceito, cálculo e aplicações de limites, continuidade, derivadas e diferenciais 4 Cálculos de pontos de máximos, mínimos

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina Prérequisitos Carga Horária

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO CÓDIGO PERÍODO DISCIPLINAS DO CRÉDITOS PRÉ- CO- PRIMEIRO PERÍODO TEÓRICOS PRÁTICOS TOTAL REQUISITO REQUISITO ENG1080 1 Introdução à Engenharia

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CICLO BÁSICO 1º BIMESTRE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 40 horas Fundamentos da Engenharia e Suas Grandes Áreas; Inovação e Desenvolvimento de Produto; O Modo

Leia mais

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36 Sumário Parte 1 CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2 1. Eletrização por atrito. Noção de carga elétrica, 2 Leitura A série triboelétrica, 4 2. Princípios da Eletrostática,

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PROCESSO nº. 039/10 Procedência: PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO. ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE ALTERAÇÃO NO EMENTÁRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PARECER nº. 035/10 DATA: 30/06/10 1 HISTÓRICO A

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões ANÁLISE DIMENSIONAL A análise dimensional é uma ferramenta poderosa e simples para avaliar e deduzir relações físicas. A similaridade é um conceito diretamente relacionado, que consiste basicamente na

Leia mais

FÍSICA GERAL III - 90 h

FÍSICA GERAL III - 90 h FÍSICA GERAL III - 90 h Em Física Geral III estudam-se os tópicos de Eletricidade, Magnetismo e Eletromagnetismo. A base tecnológica de nossa sociedade é o eletromagnetismo, por essa razão é de fundamental

Leia mais

Tecnólogo em Controle de Obras 1º Ano

Tecnólogo em Controle de Obras 1º Ano Tecnólogo em Controle de Obras 1º Ano Introdução à Indústria da Construção Civil Ementa: A história da Indústria da Construção Civil no Brasil e no mundo. Projeto; A Engenharia de Produção Civil e a Inovação

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA NATUREZA ANO ADM 006 Matemática Ob. 2012.2 CARGA HORÁRIA PRÉ-REQUISITO 72 h ----------------------- PROFESSOR RESPONSÁVEL Msc. Maria de Fatima C. Leal EMENTA Revisão

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

Programa para a 1ª ETAPA

Programa para a 1ª ETAPA PROGRAMA DE FÍSICA Comissão de Processos Orientação Geral : Este programa apresenta os conteúdos básicos da Física ensinados no Ensino Médio. Para a realização da prova, espera-se que o Candidato ou a

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1) Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 24/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1) Fase

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Fundamentos de Física 1

Fundamentos de Física 1 Coleção UAB UFSCar Engenharia Ambiental Física 1 Odila Florêncio Paulo Sergio da Silva Junior Sérgio de Aguiar Monsanto Sérgio Mergulhão Fundamentos de Física 1 Fundamentos de Física 1 Reitor Targino de

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Conteúdo de Física - (1ª série)

Universidade Federal do Pará. Conteúdo de Física - (1ª série) 1. Compreender a ciência Física como uma representação da natureza baseada na experimentação e abstração. 2. Relacionar fenômenos naturais com os princípios e leis físicas que os regem. 3. Compreender

Leia mais

Física. Sistema Positivo de Ensino 42

Física. Sistema Positivo de Ensino 42 A proposta O ensino da Física, no Material Didático Positivo, favorece o desenvolvimento de trabalhos com conhecimentos contextualizados e, por isso mesmo, integrados à vida. A proposta carrega, em suas

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - Conjunto Arete - EQ005.

Física Experimental - Mecânica - Conjunto Arete - EQ005. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 275/2014, que altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente BIOLOGIA I TRIMESTRE A descoberta da vida Biologia e ciência Origem da vida

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

Laboratório de Física Básica 2

Laboratório de Física Básica 2 Objetivo Geral: Determinar a aceleração da gravidade local a partir de medidas de periodo de oscilação de um pêndulo simples. Objetivos específicos: Teoria 1. Obter experimentalmente a equação geral para

Leia mais

Projecto Piloto para o Ensino à

Projecto Piloto para o Ensino à Projecto Piloto para o Ensino à Distância Universidade do Porto Abril de 2000 Disciplina: Curso de Física Geral Docente coordenador: Jaime Villate, Prof. Auxiliar, Faculdade de Engenharia. Identificação

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia Electrónica e Informática Unidade Curricular Física Geral I Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Carlos Alberto Rego de Oliveira

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód Disciplina Pré Req. I II III IV V

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

013/2013 Câmpus Juiz de Fora. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. 1.1. Sobre a vaga para o cargo de PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO e TECNOLÓGICO

013/2013 Câmpus Juiz de Fora. 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. 1.1. Sobre a vaga para o cargo de PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO e TECNOLÓGICO 013/2013 Câmpus Juiz de Fora O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, conferidas pelo decreto presidencial de 24.04.2013,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância)

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância) ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES Física 12º ano CÓDIGO 315 (1ª e 2ª Fases ) INFORMAÇÃO PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Alunos do Decreto-Lei nº 74/2004 Formação Específica Ano Letivo:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 3º PERÍODO CÓDIGO PERÍ DISCIPLINAS DO CRÉDITOS PRÉ - CO- ODO TERCEIRO PERÍODO TEÓRICOS PRÁTICOS TOTAL REQUISITOS REQUISITOS LET 4101 3 Lingua portuguesa

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 S Termologia Termometria Dilatação de sólidos e líquidos Calorimetria Mudanças de estado Estudo dos gases Termodinâmic a S ESPECÍFICOS OBJETIVOS METODOLOGI A Temperatura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA/ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA/ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA/ENG. COMPUTAÇÃO PLANO DE CURSO DISCIPLINA: MÉTODOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO CÓDIGO:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL COMPLENTAR N 001 AO EDITAL N 003/2012 UNAT A, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, Decreto

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL NOVA UNIÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FÍSICA

COLÉGIO ESTADUAL NOVA UNIÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FÍSICA COLÉGIO ESTADUAL NOVA UNIÃO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FÍSICA Apresentação da Disciplina O estudo da Física surgiu por meio do interesse das pessoas em conhecer e interagir

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br 216 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I

CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I 1ª Série 6MAT010 CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I A derivada: números reais. Planos cartesianos e gráficos de funções. Limite e continuidade de funções reais. Diferenciação de funções reais e aplicações.

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod Disciplina Pré-Req.

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - EQ005H.

Física Experimental - Mecânica - EQ005H. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

Curso de Medicina Veterinária. Disciplina: Biofísica 3 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz

Curso de Medicina Veterinária. Disciplina: Biofísica 3 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz Curso de Medicina Veterinária Disciplina: Biofísica 3 Período Prof.a: Msd. Érica Muniz BIOFÍSICA Estudo da Matéria, Energia, Espaço e Tempo nos sistemas biológicos. Esta disciplina aborda a célula e fluidos,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas 5/8/15 16:57 Centro de Ciências Tecnológicas Curso: 19 Engenharia Mecânica (Noturno) Currículo: 15/ 1 EDU.5.-5 Universidade, Ciência e Pesquisa Ementa: A função da Universidade como instituição de produção

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

Bacharelado em Engenharia Civil

Bacharelado em Engenharia Civil Bacharelado em Engenharia Civil Disciplina: Fenômenos de Transporte Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz EMENTA Conceitos e definições. Análise dimensional. Fluídos estáticos. Descrição de um fluído em

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A 1. (UFRGS-2) Ao resolver um problema de Física, um estudante encontra sua resposta expressa nas seguintes unidades: kg.m 2 /s 3. Estas unidades representam (A) força. (B) energia. (C) potência. (D) pressão.

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Mestrado e Doutorado em Física

Mestrado e Doutorado em Física UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO FUNDAÇÃO Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1996 São Luís Maranhão CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA Exame de Seleção

Leia mais