FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 14 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO JOSÉ SAMUEL DE MIRANDA MELO JÚNIOR LONGEVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DAS DIMENSÕES ORGANIZACIONAIS E SUAS IMPLICAÇÕES Rio de Janeiro 2012

2 15 JOSÉ SAMUEL DE MIRANDA MELO JÚNIOR LONGEVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DAS DIMENSÕES ORGANIZACIONAIS E SUAS IMPLICAÇÕES Tese submetida à banca examinadora como requisito para obtenção do grau de Doutor em Administração. Área de concentração: Estudos Organizacionais. Orientadora: Prof.ª Doutora Deborah Moraes Zouain Rio de Janeiro 2012

3 16 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Mario Henrique Simonsen/FGV Melo Júnior, José Samuel de Miranda Longevidade das micro e pequenas empresas prestadoras de serviços : um estudo das dimensões organizacionais e suas implicações / José Samuel de Miranda Melo Júnior f. Tese (doutorado) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa. Orientadora: Deborah Moraes Zouain. Inclui bibliografia. 1. Pequenas e médias empresas. 2. Desenvolvimento organizacional. I. Zouain, Deborah Moraes. II. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa. III. Título. CDD

4 17

5 18 Aos meus pais Samuel e Joana Melo (in memoriam). À minha esposa Ana Gabriela e filhos Samuel, Pedro e Matheus.

6 19 AGRADECIMENTOS A Deus, por me conceder o dom da vida.. Aos meus pais, pelo carinho e dedicação ao longo da minha vida. A minha esposa e filhos, pelo apoio e compreensão da ausência no decorrer dessa caminhada. Aos meus irmãos, Lucy, Lúcio, Paulo e Tatiana, pela amizade e preocupação constante. A Profª Doutora Deborah Moraes Zouain, pelos esclarecimentos e ensinamentos valiosos durante a execução deste trabalho. Ao Prof. Doutor Francisco Barone pelo início dessa jornada e incentivador. A Luís Carlos e Ana Beatriz pelo apoio, acolhida e amizade. Aos amigos Edson Diniz, Marilene, Dina, Vera e Maria Ivone pela enorme colaboração, compromisso e paciência. Aos amigos Júlio César Maciel e Carlos Ronchi, pelo incontestável companheirismo, amizade e apoio. A Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) pela oportunidade e valorização. Aos professores que contribuíram com fornecimento de informações, ajuda e compreensão. Aos colegas do curso de doutorado pelas críticas, sugestões e convívio fraterno.

7 20 "A ciência é, e continua a ser, uma aventura. A verdade da ciência não está unicamente na capitalização das verdades adquiridas, na verificação das teorias conhecidas. Está no caráter aberto da aventura que permite, melhor dizendo, que hoje exige a contestação das suas próprias estruturas de pensamento. Talvez estejamos num momento crítico em que o próprio conceito de ciência está a modificarse." Edgar Morin

8 21 RESUMO O presente estudo tem como objetivo fornecer subsídios para a discussão sobre a longevidade das micro e pequenas empresas (MPEs) prestadoras de serviços através da relação de parceria com a grande empresa. O enfoque delineia-se no espaço das dimensões organizacionais: estrutura e processos, comportamento, estratégias, tecnologia / inovação e ambiente. Tal escolha deu-se em função de duas razões: a primeira enquanto uma forma de recolocar na agenda de discussões brasileiras a questão da importância da vida longa às MPEs como agente dinamizador da economia; e a segunda, desmistificar a funcionalidade e indicadores de gestão a partir de sua longevidade. O estudo faz uma imersão diante dos desdobramentos das dimensões, com fatores que agregam um arcabouço de variáveis, discutidas à luz do referencial teórico do sistema sócio-técnico, estudos de ciclo de vida, na lógica da complexidade e nas evidências epistemológicas das dimensões organizacionais, creditando fatores tangíveis e intangíveis à margem de práticas da gestão das MPEs longevas. A estratégia metodológica sustentou-se em uma pesquisa quali-quantitativa, com investigação descritiva, explicativa e aplicada, com instrumentos de análise de dados primários e secundários e pesquisa de campo com aplicação de entrevistas e questionários. Foram pesquisadas 82 MPEs prestadoras de serviços com longevidade a partir de cinco anos e parceira da grande empresa. Após a análise dos dados evidenciou-se que as dimensões organizacionais alteram de forma sinérgica na vida dessas empresas. Os resultados comprovam ainda, que a parceria com a grande empresa explica significativamente na longevidade das MPEs. Ao final o estudo apresenta-se um quadro de indicadores de gestão das MPEs longevas, por dimensão organizacional. Palavras-chave: Micro e pequena empresa. Serviços. Longevidade. Parceria.

9 22 ABSTRACT This textis intended to present a basis for the discussion on the longevity of micro andsmall companies, denoted here by the Brazilian acronym MPEs, service providers based on the partnership withbig companies. The focus is put on the organizational dimensions space: structureand processes, behavior, strategy, technology/innovation and environment. Thereason for such choice is twofold: first, as a way of reviving the Brazilian discussionsabout the importance of the longevity of the MPEs as an agent of the economydynamics; second, to demystify its management functionality and indicatorsbased on its longevity. This study is immersed on the dimension manifolds, asfactors that aggregate a collection of variables, discussed under the light oftheory reference of the social-technological system, life-cycle analysis,complexity logic and epistemological evidences of organizational dimensions,accounting for marginal tangible and intangible factors of thelong-living MPEs management. The methodological strategy was based in qualitativeand quantitative survey, with descriptive investigation, explicit and applied,using instruments for primary and secondary data analysis and field research with application of interviews and questionnaires.eighty two service providers MPEs with longer than five years longevity and partnersof big companies were investigated. After the data analysis it is clear thatthe organizational dimension interfere in a synergistic way in the companies life. The results also support that the partnership with the big companyexplains in a large amount the longevity of the MPEs. At the end of the study, itis presented a frame with the management indicators of long-living MPEs byorganizational dimension. Keywords: MPEs. Services. Longevity. Partnership.

10 23 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Delimitação do Estudo Figura 2 Modelo de Análise Quadro 1 Especificidades que distinguem as empresas prestadoras de serviços de bens Quadro 2 Evidências das operações de serviços Quadro 3 Estímulos para economia de serviços - Políticas Governamentais Quadro 4 Estímulos para economia de serviços Mudanças Sociais Quadro 5 Estímulos para economia de serviços Tendências de Negócios Quadro 6 Estímulos para economia de serviços Avanço em Tecnologia de Informação Quadro 7 Estímulos para economia de serviços Internacionalização Figura 3 Evolução dos tipos de sistemas e funcionamento nas organizações 78 Quadro 8 Matriz de características do empreendedor e autores Quadro 9 Fatores de gestão e funcionalidade da longevidade na literatura Quadro 10 Estudos e Pesquisas sobre Longevidade com Tipologias da Empresa Quadro 11 Comparação da base de Análise das Dimensões das Pesquisas Quadro 12 Organização tradicional versus equipes autogerenciáveis Quadro 13 Perspectivas sobre estratégia Quadro 14 Definição do processo de aquisição, socialização e codificação Quadro 15 Principais características dos processos de aprendizagem Quadro 16 Dimensões organizacionais e variáveis contingenciais Quadro 17 Especificidades Estruturais das MPEs Quadro 18 Especificidades Comportamentais das MPEs Quadro 19 Especificidade Estratégica das MPEs Quadro 20 Especificidades Tecnológicas/inovação das MPEs Quadro 21 Especificidade Ambiental das MPEs Quadro 22 Indicadores de gestão das MPEs prestadoras de serviços longevas, por dimensão organizacional

11 24 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Evolução do número de estabelecimentos por porte Brasil (em milhões)... Gráfico 2 Evolução do número de empregos por porte Brasil (em milhões)... Gráfico 3 Distribuição das micro e pequenas empresas por setor de atividade econômica Brasil (em %) Gráfico 4 Metodologia Gráfico 5 Identificação do informante Gráfico 6 Escolaridade empreendedor/gestor Gráfico 7 Curso superior do empreendedor/gestor Gráfico 8 Ramo de atividade das MPEs Gráfico 9 Longevidade das MPEs Gráfico 10 Correlação de tempo real de parceria versus tempo real de existência - longevidade (com autliers) Gráfico 11 Correlação de tempo real de parceria versus tempo real de existência longevidade (sem autliers) Gráfico 12 Longevidade média por classe de receita bruta anual Gráfico 13 Número de empregados Gráfico 14 Correlação de tempo real de existência - longevidade versus número real de empregados Gráfico 15 Correlação de tempo real de parceria versus número real de empregados Gráfico 16 Receita bruta anual

12 25 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Receita Líquida - Ranking (250 empresas que mais crescem) Tabela 2 Critérios de classificação do tamanho das empresas Tabela 3 Taxas de sobrevivência e mortalidade consolidadas para o Brasil Tabela 4 Estudos sobre Ciclo de Vida Tabela 5 Resumo das proporções de maior frequência relativo ao perfil do empreendedor/gestor, com teste Qui-quadrado (χ²), segundo as variáveis Tabela 6 Resumo das proporções de maior frequência relativo ao perfil da empresa, com teste Qui-quadrado (χ²), segundo as variáveis Tabela 7 Dimensão de Estrutura e Processos frequência absoluta e percentual por pontuação atribuída e relação média/maior valor da escala, segundo as variáveis Tabela 8 Dimensão de Estrutura e Processos Resumo das proporções da pontuação de maior frequência, valor de Qui-quadrado (χ²) e valor médio, segundo as variáveis Tabela 9 Dimensão Comportamental frequência absoluta e percentual por pontuação atribuída e relação média/maior valor da escala, segundo as variáveis Tabela 10 Dimensão Comportamental Resumo das proporções da pontuação de maior frequência, valor de Qui-quadrado (χ²) e valor médio, segundo as variáveis Tabela 11 Dimensão de Estratégia frequência absoluta e percentual por pontuação atribuída e relação média/maior valor da escala, segundo as variáveis Tabela 12 Dimensão de Estratégia Resumo das proporções da pontuação de maior frequência, valor de Qui-quadrado (χ²) e valor médio, segundo as variáveis Tabela 13 Dimensão de Tecnologia/Inovação frequência absoluta e percentual por pontuação atribuída e relação média/maior valor da escala, segundo as variáveis Tabela 14 Dimensão de Tecnologia/Inovação Resumo das proporções da pontuação de maior frequência, valor de Qui-quadrado (χ²) e valor médio, segundo as variáveis Tabela 15 Dimensão Ambiental frequência absoluta e percentual por pontuação atribuída e relação média/maior valor da escala, segundo as variáveis Tabela 16 Dimensão Ambiental Resumo das proporções da pontuação de maior frequência, valor de Qui-quadrado (χ²) e valor médio, segundo as variáveis

13 26 LISTA DE SIGLAS ALUMAR Consórcio de Alumínio do Maranhão APL Arranjo Produtivo Local BM&F Bolsa de Mercadorias & Futuros BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BOVESPA Bolsa de Valores de São Paulo BRIC Brasil, Rússia, Índia e China CEBRASSE Conselho Deliberativo da Central Brasileira do Setor de Serviços CEMAR Companhia Energética do Maranhão CEPEAD Centro de Pós Graduação e Pesquisas em Administração CVO Ciclo de Vida da Organização EPP Empresas de Pequeno Porte EUA Estados Unidos da América FNQ Fundação Nacional da Qualidade GE Grande Empresa GEM Global Entrepreneurship Monitor IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística MDIC Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior ME Micro Empresa MERCOSUL Mercado Comum do Sul MGE Média e Grande Empresa MIT Massachusetts Institute of Technology MPE Micro e Pequena Empresa MTE Ministério do Trabalho e Emprego NUME Núcleo de Marketing OCDE Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico ONG Organização Não Governamental ORT Organização Racional do Trabalho P&D Pesquisa e Desenvolvimento PIB Produto Interno Bruto PME Pequena e Média Empresa RAIS Relação Anual de Informações Sociais SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas TEA Taxa de Empreendedores Iniciais TI Tecnologia de Informação TIC Tecnologias da Informação e Comunicação UACS Unidade de Atendimento Coletivo Comércio e Serviços UEMA Universidade Estadual do Maranhão UFMG Universidade Federal de Minas Gerais UNIURB Universidade de Urbino Carlo Bo

14 27 SUMÁRIO CAPÍTULO Introdução O problema da pesquisa Objetivo final Objetivos intermediários Demarcação científica Delimitação do estudo Relevância do estudo CAPÍTULO 2 - REFERENCIAL TEÓRICO Definição e classificação das MPEs Modalidades taxonômicas para classificação das empresas Serviços: particularidades e contemporaneidade Características das prestadoras de serviços Cenários e estímulos para economia de serviços Destruição criativa Empreendedorismo: semeando vida longa A micro e pequena empresa e a responsabilidade social Dimensão ontológica da complexidade Compreensão da complexidade organizacional Perspectivas de longevidade Ciclo de vida das organizações: constructos das pesquisas Homeostasia e delineamentos do CVO Dimensões organizacionais: constructo teórico Dimensão estruturas e processos Dimensão comportamental Dimensão estratégia Dimensão tecnologia/inovação Dimensão ambiental CAPÍTULO 3 - QUESTÕES EPISTEMO-METODOLÓGICAS Categoria de análise Tipo de pesquisa Universo e amostra Coleta e tratamento dos dados

15 Limitação do método CAPÍTULO 4 - ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Características do empreendedor / gestor Características das MPEs prestadoras de serviços Análise da dimensão estrutura e processos Análise da dimensão comportamental Análise da dimensão estratégia Análise da dimensão tecnologia/inovação Análise da dimensão ambiental CAPÍTULO 5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES

16 14 CAPÍTULO Introdução A complexidade que envolve a discussão e, principalmente, as proposições relacionadas ao desenvolvimento e longevidade das Micro e Pequenas Empresas (MPEs), com suas idiossincrasias e fenômenos, revelam que não há um modelo único de tratamento e análise, nem mesmo um único modelo de atuação pública nesse segmento de empresas, pois, para cada local, cada região e cada país há estruturas e comportamentos diferentes, que evidenciam dicotomias. Os problemas manifestados podem ser similares, mas as formas de expressarem-se são diferentes, o que demanda diferentes análises e soluções. Para essa constatação, verifica-se que as MPEs se manifestam em todos os setores seja primário, secundário e terciário, por intermédio de diferentes funcionalidades administrativas, com delineamentos, que podem ser formais e informais, independentes ou associadas a uma grande empresa ou a uma rede de pequenas empresas. As MPEs de serviços no Brasil despertam grandes interesses de diversos segmentos da sociedade tais como: instituições financeiras, órgãos de apoio e fomento, governos federal, estadual e municipal, fornecedores, dentre outros, em função de o setor de serviços representar mais de cinquenta por cento do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, conforme Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2011). Diante desse contexto e da complexidade que envolve essas organizações, compreende-se uma gama de variáveis e dimensões que precisam ser desmistificadas em prol da melhoria de resultados para o segmento em discussão. Gradualmente, as análises e estudos feitos sobre as MPEs foram capazes de revelar que, de fato, estão em curso vários processos de reposicionamento desse segmento no sistema de diversas economias. Estes processos envolvem desconcentração produtiva de grandes empresas, novas e diversificadas formas de articulação entre as MPEs e as grandes empresas como, por exemplo, o crescimento da terceirização 1 e a dinâmica de consolidação 1 Modo de utilização de serviços de pessoas físicas ou jurídicas não pertencentes ao quadro de pessoal da organização ou dele desvinculadas para realização de tarefas por seus próprios meios e responsabilidade, objetivando racionalizar custos operacionais, economizar recursos e desburocratizar sua administração (DUARTE, 2009, p. 538).

17 15 de redes 2 e federações de MPEs, tanto em setores industriais difusores de progresso técnico, quanto em indústrias tradicionais, assim como no setor de serviços. Evidencia-se que, nas últimas décadas do séc. XX esse segmento de empresa, obteve importantes transformações no contexto econômico e administrativo. É possível afirmar que as MPEs conquistaram uma agregação de valor enquanto função econômica adicional ou oposta, em certos enfoques, àquela que, tradicionalmente, lhe era conferida: gerar renda e emprego à margem do núcleo dinâmico da economia e em condições de produtividade e de trabalho (salário, qualificação de mão de obra, dentre outros) nitidamente inferiores às encontradas nas grandes empresas. De empresas de segunda categoria, MPEs foram alçadas à plena cidadania empresarial, posto que: [...] as pequenas empresas têm o seu dinamismo como pólo gerador de empregos e comprovadamente condicionadas a uma nova funcionalidade econômica, relacionada à superação do modelo fordista de produção e ao advento do pósfordismo ou especialização flexível. A revalorização das pequenas e médias empresas se desenvolveu no bojo da crise da produção em massa de bens padronizados, típica do fordismo, e das possibilidades abertas - pela introdução de tecnologias micro-eletrônica e de informação na produção industrial; pelas oscilações qualitativas e quantitativas da demanda; e pela crescente agregação de serviços à produção de bens (MOTTA, 1998, p. 18). La Rovere (1999) destaca que tais eventos exigiram das empresas novas formas de organização, delineadas pela necessidade de maior flexibilidade das estruturas capazes de traduzir dinamismo e desempenho consistente. De maneira geral, as novas condições criadas pela crise da produção fordista e pela emergência da especialização flexível 3 reduziam a desvantagem das MPEs vis-à-vis às grandes empresas, em termos de competitividade-custo, conferindo-lhes, ademais, vantagens competitivas (em relação às maiores) no que se refere ao atendimento dos requisitos de qualidade, de diferenciação dos produtos e de servicing 4. 2 A palavra rede remete à noção de interdisciplinaridade, pois tem várias definições em diversos campos de aplicação desde a computação passando pela teoria das organizações até a teoria da comunicação. A utilização geral do termo consolidação de redes refere-se a uma estrutura de ligações entre atores de um sistema social qualquer. Rede de empresas pode ser compreendida como um complexo de relações cooperativas que dinamizam a ação de seus agentes em torno de objetivos comuns ou complementares. 3 Modelo de organização industrial, com exemplos exitosos na Terceira Itália, Alemanha, França, que tiveram como base a expansão de pequenas e médias empresas, cuja adaptabilidade a flutuações de demanda e dinamismo inovador tornando-as organizações importantes neste novo modelo industrial que tem se delineado nas últimas décadas. É uma estratégia de inovação permanente: acomodação para a mudança ininterrupta, em vez de um esforço para controlá-la. Essa estratégia é baseada no equipamento flexível, multiuso; trabalhadores especializados e criação, através de políticas, de uma comunidade industrial que restringe as formas de competição àquelas inovações favoráveis. O termo abrange a situação de pequenas empresas que se articulam cooperativamente e também aquela em que uma grande firma subcontrata empresas pequenas. Engloba também o caso de grupos semi-autônomos, estrutura adotada internamente em certas empresas (AMARAL FILHO, 2011; CELESTE,1993). 4 Serviço.

18 16 Longenecker et al. (2007) afirmam que as pequenas empresas podem produzir bens e serviços com mais eficiência em algumas áreas, atuar como concorrentes econômicas vigorosas e desempenhar algumas funções nos negócios como distribuição e fornecimento com mais experiência que as grandes empresas. Outro viés de discussão está associado aos estudos da administração que, em todo seu processo evolutivo da teoria administrativa do movimento da administração científica ao movimento com enfoque sistêmico e contingencial, foram desenvolvidos através de análises e abordagens nas grandes corporações (impessoais, formais, e profissionais predominantemente) como forma de entender suas demandas e problemáticas. Cancellier; Almeida e Estrada (2005) descrevem que as teorias organizacionais têm se dedicado aos estudos que contemplam as grandes empresas, com pouca ou nenhuma atenção às pequenas. Há autores que afirmam que os estudos organizacionais, quando aplicados às questões das pequenas empresas merecem atenção particular, em função das diferenças existentes entre as empresas de grande e pequeno porte. Para estas empresas objetivarem a homeostase 5 e evitarem a estagnação, pressupõe o aprofundamento da análise científica como mecanismo de evidenciar suas dramaturgias e especificidades, obtendo uma orientação estratégica (KANTER, 2010; SANDERS, 2011; CASTOR, 2009; STURDY, 2004; LEONE, 1999). A discussão diante dessas constatações revela que as empresas, independentes do seu porte, deverão estabelecer mecanismos de reconhecimento, interdependência e dinamismo com os diversos fatores envolvidos no processo, como forma de obter maior sinergia e longevidade. Assim, não cabe, nesta análise, avaliar a competência das grandes empresas nesse cenário, mas revelar a funcionalidade das pequenas com suas características e dimensões, estabelecendo-se modelos de gestão viável para as MPEs no contexto das empresas prestadoras de serviços. Também, destaca-se, nessa discussão, a trajetória de parceria entre a grande e a pequena empresa, supondo-a conditio sine qua non para maior longevidade das micro e pequenas empresas. Apesar dos fatores evidenciados, esse segmento de empresas se revela ainda bastante incipiente de um tecido organizacional 6 consistente, com dinamismo apropriado e adaptável a turbulências ambiental e capaz de evidenciar melhores resultados diante do fenômeno da mortalidade das pequenas empresas no Brasil. O foco de atenção dos 5 Equilíbrio dinâmico do sistema. 6 Conhecimento acumulado nas rotinas organizacionais e gerenciais das empresas, nos procedimentos, nas instruções, na documentação, na implementação de técnicas de gestão. É a codificação dos processos organizacionais, de forma sinérgica pressupõe a interação e conjugação das partes do sistema (KIM, 2005).

19 17 pesquisadores sobre a temática das MPEs tem sido caracterizado sobre três temas que apresentam forte inter-relação: 1) o processo de criação de novas empresas, especialmente as de base tecnológica; 2) os Arranjos Produtivos Locais (APLs); e 3) a mortalidade empresarial. A elevada taxa de mortalidade é característica das pequenas empresas. Contudo, o diagnóstico das causas de mortalidade não é suficiente para compreender os fatores que levam à longevidade empresarial. Dessa forma, destaca-se a importância de se discutir a vida das organizações, suas características e fatores impulsionadores para uma maior longevidade. Embora as pesquisas estejam voltadas para a compreensão da mortalidade, entende-se que a imersão científica diante da longevidade das organizações torna-se imperativo nesse cenário de limitações das MPEs. A importância das pequenas empresas para o país é unanimidade na discussão da literatura. Nesse contexto, justifica-se o desenvolvimento deste trabalho como relevante para que o assunto seja amplamente debatido nas diversas esferas públicas, alcançando a atenção devida na agenda de discussão do desenvolvimento sustentável da região. Para isso, reputamse, também, de grande relevância que sejam compreendidas as especificidades associadas à longevidade das MPEs. Ratifica esse entendimento, a crítica de Hoffman (2004) de que há um distanciamento das pesquisas acadêmicas e o ambiente 7 de negócios. O autor acredita que o equilíbrio entre teoria e prática trará benefícios para o desenvolvimento de novas pesquisas na área organizacional. Mello e Melo Jr.; Mattar (2011) constatam essa afirmativa na pesquisa sobre o perfil do profissional administrador, o distanciamento da teoria com a prática nos cursos de graduação em administração, afirmação apontada com veemência pelos administradores, professores e empresários de segmentos diversos de empresas diante desse profissional. Logo, esta tese apresenta a devida importância das MPEs, em especial as prestadoras de serviços, no contexto social, econômico e tecnológico. Ela contém inquietações que são trabalhadas com visão crítica, compreendendo a teoria organizacional como objeto e a teoria social como sujeito para a construção de um conhecimento embasado na realidade social. Por sua vez, a funcionalidade corporativa da micro e pequena empresa são exploradas a partir da análise das dimensões organizacionais das MPEs, aqui traduzidas pelas variáveis: estrutura e processos, tecnologia/inovação, comportamento, estratégias e ambiente, com enfoque para as organizações de serviços no contexto brasileiro. 7 Representa tudo aquilo que cerca uma organização. Quando citado apenas a palavra ambiente significa ambiente externo (LACOMBE, 2004)

20 18 Adotou-se o modelo de análise semelhante ao utilizado pelo programa conduzido pelo Massachusetts Institute of Technology - MIT: "The Management in the 1990's Research Program" como uma referência para as suas diversas pesquisas. Com este modelo, delineado nas dimensões organizacionais, procura-se desmistificar e explicar as organizações de pequeno porte, quais fatores são determinantes na longevidade, e se as decisões tomadas pelos gestores geram as consequências sobre os resultados da empresa. Outro enfoque da pesquisa está relacionado com a parceria da pequena e da grande empresa, seus pressupostos e idiossincrasias que permeiam essa relação, entretanto, há o entendimento da importância do distanciamento de uma teoria única da grande empresa. 1.2 O problema da pesquisa Considerando-se que uma área temática tão abrangente como essa, configurada pelo conhecimento da organização, pode dar origem a diversas questões e a diferentes problemas de pesquisa, este estudo estabelece uma linha de investigação em determinado recorte do tema e com abordagem específica, em que levanta as seguintes indagações: Existem alterações significativas na longevidade das MPEs, a partir de suas dimensões organizacionais? Qual a relação e influência da parceria entre a pequena empresa e a grande empresa na longevidade daquela? De forma a responder às questões apontadas se faz necessário o desenvolvimento dos objetivos que passaram a direcionar e a articular os caminhos deste estudo Objetivo final Entender como as dimensões influenciam a longevidade das micro e pequenas empresas prestadoras de serviços através da relação de parceria com a grande empresa Objetivos intermediários serviços; Analisar a gestão das MPEs de serviços em suas dimensões organizacionais; Investigar as especificidades das MPEs de serviços, a partir de sua funcionalidade; Elucidar os fatores que contribuem para longevidade das MPEs prestadoras de Analisar o processo de ciclo de vida das organizações no contexto das MPEs;

21 19 Evidenciar as características de cada dimensão organizacional envolvida no processo de gestão das MPEs; Verificar a relação das MPEs prestadoras de serviços com a grande empresa e as possíveis consequências para sua longevidade; Propor um quadro de referências teórico-prático com direcionamentos para auxiliar a longevidade desse segmento. 1.3 Demarcação científica A trajetória da pequena empresa e sua longevidade de forma sustentável dependerá do aprofundamento da literatura diante de seus fenômenos e de suas dramaturgias. Desmistificar a funcionalidade desse segmento de empresa é imperativo e pressupõe compreender suas facetas e especificidades organizacionais. Nesse contexto, considera-se preponderante para a ampliação da abordagem de análise corporativa dessas empresas, analisar os fatores internos deste segmento de empresa, diante de suas dimensões organizacionais, características administrativas e limitações. Delineando-se dimensões organizacionais como: estrutura e processos, comportamento, estratégia, tecnologia / inovação e ambiente. Considerando o referencial conceitual, o estudo descreve como suposições / hipóteses as seguintes proposições e argumentos: Proposição 1: A primeira suposição está associada à existência de dimensões organizacionais que interferem de forma substancial nos resultados desse segmento de empresas, ou seja, que, se não bem elaboradas e desenvolvidas, tornam-se fatores restritores da longevidade das MPEs. As dimensões próprias das MPEs, estrutura, tecnologia/inovação, estratégia, comportamento e ambiente estabelecem suas especificidades geradas no sistema das pequenas empresas e são determinantes para longevidade desse segmento de empresa. Assim sendo, as dimensões organizacionais são geradoras de uma maior longevidade para as pequenas empresas? Há correlação da longevidade das MPEs e a condução das variáveis dimensionais no processo da ação administrativa? Argumentos: 1 Conforme o referencial explorado, as dimensões organizacionais das micro e pequenas empresas (MPEs) nas suas mais diversas especificidades, com suas peculiaridades, descrevem disfunções organizacionais e fatores impulsionadores nas suas características e práticas administrativas.

22 20 Hall (2004) evidencia que o entendimento dessas especificidades é pré-requisito para que se possa contribuir com a longevidade e o sucesso dessa categoria de empresas, seja em termos de melhoria de sua gestão e/ou na mudança de postura dos empreendedores. Entretanto, Figueiredo (2004) afirma que há uma tendência de se negligenciar a dimensão organizacional (gerencial) da capacidade tecnológica, ou seja, é bem maior a ênfase dada para o capital humano 8, em detrimento do capital organizacional 9. No entanto, a dimensão estrutural é uma dimensão organizacional e apresenta especificidades típicas das pequenas empresas. A suposição de que o segmento de empresas de pequeno porte tem uma melhor flexibilidade às mudanças ambientais que as grandes empresas, considerando sua anatomia simples e enxuta 10, lhes credenciam como empresas viáveis e prospectoras em cenário de turbulência. Nesse entendimento, segundo Crosta (2000), por serem menores, as MPEs permitem a seus proprietários uma visão mais privilegiada de seu dia a dia, em função do contato mais próximo com cada funcionário e, como consequência, alcança-se uma maior flexibilidade. Longenecker et al., (2007) creditam esse contato direto é apontado como uma das principais vantagens da pequena empresa. Tomando por base essa visão, De Sordi (2008) observa que, na busca por soluções eficazes, as empresas passaram a rever suas estruturas organizacionais e passaram a arquitetá-las com enfoque para o cliente e, não mais, por agrupamentos de atividades. Supõe-se, então, que o processo de formação da estruturação da empresa moderna vai além da visão contingencial, o que implicaria a interdependência e integração dessas dimensões, facilitando, assim, o processo de aprendizagem organizacional, traduzida pela maior flexibilidade e longevidade da empresa. Conforme os estudiosos clássicos, a dimensão tecnologia favorece a correlação de forças na ação administrativa, influenciando a estrutura e estratégia do sistema organizacional, podendo a tecnologia ser analisada e categorizada (OLIVEIRA, 2009; SOIFER, 2002; PERROW, 1976; THOMPSON, 1976; WOODWARD, 1965). Ademais, ela está na base do sistema produtivo e de prestação de serviço e, em diferentes momentos da 8 Refere-se tanto à capacidade, habilidade e experiência quanto ao conhecimento formal, que as pessoas detêm e que agregam valor a uma organização. 9 Potencializa a integração, de modo que cada ativo intangível humano e da informação, assim como os ativos tangíveis físicos e financeiros, não só se alinhem com a estratégia, mas também se integrem e atuem juntos para alcançarem os objetivos estratégicos da organização (KAPLAN; NORTON, 2004). 10 Com otimização dos níveis organizacionais, cargos e funções da empresa, tornado-a mais horizontal. Estruturação organizacional caracterizada por maior amplitude de controle/supervisão e poucos níveis hierárquicos.

23 21 civilização humana, verifica-se sua presença como fator de sustentação, estando associada à organização social (FLECK, 2005; WOOD JUNIOR, 2002). Por sua vez, a competição global e a aceleração da taxa de inovação tecnológica 11 implicam novas ameaças e oportunidades (WHITTINGTON, 2006). Figueiredo e Vendoveloo (2006) descrevem a inovação nas organizações como uma ocorrência por meio da absorção do novo saber e do velho conhecimento, reciclado via processos rápidos de aprendizagem, que quanto mais rápidos, melhores, desde que haja retenção. Nelson e Winter (2005) destacam que a inovação constitui o fator determinante do processo dinâmico da economia e, ao mesmo tempo, fundamental para definir os paradigmas de competitividade econômica, especialmente no atual crescimento da competitividade em nível regional e global. Isso significa que a tecnologia passou a ser considerada uma variável endógena ao processo de desenvolvimento e/ou sistema econômico e, sem dúvida, vem assumindo um papel crescente, sendo cada vez mais importante, na estrutura econômica determinante (DOSI, 2006; KIM, 2005; LEONARD- BARTON, 1998). Nesse contexto, para garantir sua capacidade de competir e sobreviver no mercado com exigências em nível internacional, as empresas, constantemente, procuram inovar, tanto em termos de tecnologia quanto por meio de novos modelos de gestão (HAMEL e PRAHALAD, 1995). Supondo a dimensão tecnologia / inovação, há uma insuficiência de recursos tecnológicos. Mas por outro lado, existe uma maior possibilidade de as MPEs produzirem inovações incrementais, desde que haja um tecido organizacional compatível para a assimilação, absorção e domínio da tecnologia (DOSI, 2006; KIM, 2005). O fator estratégia descreve-se a partir da análise do processo de planejamento, fatores de absorção de informação e condições de inovação associados à prestação de serviços. A estratégia é um padrão percebido em um conjunto de ações, frutos de decisões empresariais e gerenciais (MINTZBERG; QUIINN, 2001). Porter (1999) enuncia que a estratégia representa uma posição exclusiva e valiosa, envolvendo um diferente conjunto de atividades. Na possibilidade da especificidade para o tratamento das dimensões nesse segmento de empresas, aqui descrita, a estratégia representa que há uma adequação própria na condução da organização, estando as metas e os objetivos básicos do empreendimento atreladas ao empreendedor. 11 Representa a ampliação da produção e serviços à introdução do novo. Transformação do conhecimento em produtos, processos e serviços que possam ser colocados no mercado. Emergem, enquanto gênese, de processos que muitas vezes são desprezados nos estudos das novas combinações da estrutura produtiva (Kim, 2005).

24 22 A racionalidade no processo de decisões estratégicas inerentes à pequena empresa pressupõe um delineamento descrito pelo empreendedor e de forma centralizada. A dependência da estrutura organizacional à estratégia da empresa é moldada em grande parte, pelas condições do ambiente (GIANESI; CORRÊA, 2009; CHANDLER, 1962). Greiner (1998) apresenta a adequação da estrutura à estratégia como uma junção normativa, mas a descreve na prática como um ajuste necessário às pressões de mercado. A dimensão comportamental é uma variável a ser trabalhada considerando as organizações como entidades sociais complexas (MINTZBERG, 2007; MORIN, 2001). O gerenciamento profissional representa o fulcro do pensamento clássico, mas, recentemente surgiu um novo modelo para a gerência o líder heroico, cujas visões transcendem os cálculos secos da rotina profissional (WHITTINGTON, 2006; MINTZBERG, 2003). Da perspectiva sistêmica, o viés individualista da literatura de liderança subjuga os esforços coletivos que, afinal, fazem de uma organização o que ela é, ou seja, o individualismo heróico também obscurece as condições sociais para liderança (TENÓRIO, 2008; WHITTINGTON, 2006). Cygler (2001) expressa que, nesse novo cenário, as organizações devem combinar harmoniosamente, modelos de estrutura e comportamento, que trabalhem sem sobressaltos, características do caos e da ordem. A suposição é que haja pouca capacidade de entendimento da complexidade organizacional e confiança apenas na capacidade empreendedora individual do proprietário, estabelecendo-se uma gestão com poder de adaptabilidade, em determinadas contingências, embora centralizadora. O processo de gestão nas MPEs perpassa por uma maior compreensão das relações sociais e de trabalho do empreendedor e colaboradores, e, inclusive, das demandas dos stakeholders 12. As organizações se legitimam à margem do universo que as envolve. A discussão do ambiente no cenário das MPEs prestadoras de serviços pressupõe evidenciar os limites e fronteiras que as separam. O ambiente ambíguo, complexo, mutável e com diversidades estabelecem um fator restritor da percepção e interpretação por parte das organizações de pequeno porte. Nesse contexto, as suas linhas amplas de formação e seu senso de direção e criação ficam sob responsabilidade do executivo principal ou empreendedor, separando, desta forma, a concepção da implantação e o pensamento em ação de forma compartilhada. Além 12 Agentes que estão diretamente interessados nas ações e atividades da empresa.

25 23 disso, a concepção da organização como sistema aberto 13 reformula a visão reducionista da preocupação com as variáveis somente controláveis da organização e permeia a necessidade da sinergia organização versus ambiente. As organizações devem manter um alinhamento constante com o ambiente (LONGENECKER et al., 2007; WHITTINGTON, 2006; LIMA, 2003; PORTER, 1986). Barney e Hesterly (2011) evidenciam a suposição que se alicerça em três pontos: dependência excessiva de mecanismo de incentivo fiscal, influência imperativa dos fatores sociais e pouca identificação de marca do negócio. Proposição 2: O processo de gestão das micro e pequenas empresas tem especificidades diferentes e próprias que se distanciam das grandes empresas, não podendo ser tratadas de forma reducionista, quando associadas aos fenômenos das grandes corporações. Logo, as MPEs têm uma gestão com especificidades distintas da grande empresa? Argumento: 1 - Os estudos da administração, em todo seu processo evolutivo da teoria administrativa do movimento da administração científica ao movimento da contingência foram desenvolvidos por meio de análises e abordagens nas grandes corporações (impessoais, formais, e profissionais predominantemente) para entender suas demandas. A aplicação desses modelos à gestão das micro, pequenas e médias empresas é inadequada, em função das especificidades de cada uma delas (PINHEIRO, 1996, p.234). São, também, inadequadas quando associadas à realidade econômica de uma determinada região, com fenômenos diferentes e cenários distintos. Nesta perspectiva, referindo-se ao monitoramento ambiental, Cancellier; Almeida e Estrada (2005) comentam que as teorias organizacionais têm se dedicado aos estudos que contemplam as grandes empresas, com pouca ou nenhuma atenção às pequenas. Kanter (2010); Nonaka (2007) observam que os estudos organizacionais, quando aplicados às questões das pequenas empresas, merecem atenção particular, em função das diferenças existentes entre as empresas de grande e pequeno porte. A esse respeito, Faria; Imasato (2007) apontam que a literatura privilegia os interesses e necessidades dos estrategistas da grande empresa, o que reforça a lacuna de conhecimento para os estrategistas da pequena e média empresa no país. O estudo parte do conhecimento hipotético-dedutivo, considerando as teorias a serem analisadas e verificadas, podendo confirmar ou falsear os fenômenos. 13 Linguagem da abordagem de sistemas que conceitua como um sistema que troca energia com outros sistemas em forma de interdependência e integração.

26 24 Argumento: 2 - Há evidências de que o segmento de empresas de pequeno porte tem melhor flexibilidade às mudanças ambientais que as grandes empresas, considerando a dimensão estrutural; Argumento: 3 - O índice de mortalidade das pequenas empresas revela a necessidade de melhor compreensão dos fenômenos desse segmento de organizações, indicando ajustes na condução e adaptabilidade diante da realidade das pequenas empresas. Bortoli Neto (1980) explica que as MPEs não são miniaturas de uma grande empresa e que, portanto, uma uniformidade de tratamento para os problemas das MPEs e para as grandes empresas seria inadequada. Hessen (2003) formula que o racionalismo é um juízo de necessidade lógica e de validade universal do mundo da experiência e que está em permanente transformação, consequentemente, é incapaz de transmitir qualquer saber genuíno. As críticas de Longenecker et al. (2007) sobre a afirmação de que os problemas ou dimensões das pequenas empresas são necessariamente similares à das grandes empresas é de um racionalismo sem precedentes. Por sua vez, Dalsasso (2010) e Arruda et al., (2007) consideram que a ausência de uma melhor compreensão diante dos fenômenos da pequena empresa limita a possibilidade de sinergia em longevidade por parte destas. A suposição é que o processo de gestão das pequenas empresas tem especificidades diferentes e próprias que se diferem das grandes empresas, não podendo ser tratadas de forma reducionista, quando associadas aos fenômenos das grandes corporações. Proposição 3: Não há modelo único de análise, nem mesmo único modelo de intervenção para as micro e pequenas empresas; Argumento: 1 - Para cada local, cada setor, cada região e cada país há estruturas e comportamentos diferentes para esses segmentos. Argumento: 2 - Os problemas manifestados podem até ser parecidos e iguais, mas as formas de manifestações são diferentes, o que demanda diferentes análises e soluções. Para evidenciar essa constatação, Arbache (2001) afirma que as MPEs se manifestam em todos os setores e com efetiva contribuição para a competitividade da grande empresa, sendo uma parceira no seu processo de produção. Atuando formalmente e informalmente, independentes ou associadas a uma grande empresa ou a uma rede de pequenas empresas, elas representam um núcleo dinâmico da sociedade e da economia (SANDERS, 2011; CASTOR, 2009; LONGENECKER et al., 2007; LEONE, 1999; ROBBINS, 1998; KRUGLIANSKAS, 1996). A perspectiva de êxito na administração não se coaduna com o absoluto, o concreto ou com o pensamento linear para as coisas mutáveis e diferentes na sua essência.

27 25 Mintzberg (2007) argumenta que a teoria não pode ser considerada como uma verdade concreta, como um dogma, mas sim como uma possível explicação de um fenômeno. Ademais, Motta (2001) infere que possivelmente os fenômenos administrativos e organizacionais têm variedades e interdisciplinaridade, impossíveis de serem enquadrados em um modelo. Hamel e Prahalad (1995) indicam que a compreensão das dimensões e identidade organizacional pressupõem abordar o conjunto de valores e sentidos existentes de forma tangível e intangível por um grupo. Nesse sentido, Carvalho e Ronchi (2005) consideram que sendo a cultura organizacional um conjunto de valores percebidos e tidos como válidos pelo grupo, então esta cultura terá impacto no desempenho da organização. Logo, o estudo da longevidade das MPEs não pode estar condicionado a generalizações e de forma cartesiana. Logo, é necessário desmistificar o conteúdo cultural dessas empresas e suas interfaces. Faria e Imasato (2007) argumentam que o conhecimento produzido nos Estados Unidos é problemático no Brasil, porque não reconhece questões de poder e de política ressaltados por Weber (1999) nem os diferentes tipos de estrategistas que fazem parte de economias emergentes. [...] o conhecimento em estratégia produzida nos Estados Unidos reproduz dois pressupostos importantes: a) estrategistas do mundo público devem ser substituídos por estrategistas da grande empresa; b) outros tipos de capitalismo devem ser substituídos pelo modelo de capitalismo dos Estados Unidos. E estes pressupostos são efetivamente problemáticos quando tais conhecimentos são legitimados como verdade absoluta num contexto distinto, como o brasileiro (FARIA; IMASATO, 2007). Supõe-se, portanto, que é viável aprofundar as discussões diante desse segmento, sem determinismo da literatura da grande empresa e estabelecendo uma construção do conhecimento que contribua para a longevidade das MPEs. Proposição 4: As MPEs, quando associadas à grande empresa, obtêm uma melhor perspectiva de longevidade. Argumento: 1 Quando associadas à grande empresa as MPEs têm a possibilidade de construir um tecido organizacional com codificações administrativas sinérgicas, considerando a relação que permeia a prestação de serviços para a grande empresa. Essa relação condiciona-se à absorção de tecnologias e ferramentas de gestão para a viabilidade dos serviços. Argumento: 2 A aproximação da pequena empresa e a grande empresa permite repensar a identidade cultural da pequena empresa no momento em que sua dinâmica comportamental se reflete em novas práticas.

28 26 Argumento 3 O processo de inovação da Grande Empresa (GE) estabelece uma consonância de aproximação com os mecanismos de gestão das MPEs de serviço e, considerando a relação formal dessa prestação do serviço, a sua continuação estará associada à capacidade de absorção, manutenção e construção de um tecido tecnológico próprio da pequena empresa. Quanto à construção de parcerias entre as empresas para obtenção de capacidade tecnológica que lhe dará um tecido organizacional mais consistente e capaz de enfrentar a adversidade econômica e tecnológica, Figueiredo (2005) descreve: [...] as empresas que operam em economias emergentes ou de industrialização recente não detêm capacidades tecnológicas básicas exigindo dessas organizações a necessidade de estabelecerem um processo de aproximação chamado de fronteira tecnológica internacional como forma de obterem a aprendizagem para construir e acumular sua capacidade tecnológica (FIGUEIREDO, 2005, p. 14). Kim (2005) salienta que as empresas que desenvolvem uma rede ampla e ativa com organizações com tecido organizacional com base tecnológica, fortalecem suas habilidades em identificar a capacidade de outras empresas e em aprender com elas na construção de sua própria capacidade tecnológica 14. [...] as organizações e setores da economia, incluindo o Estado, que não procuram investir em tecnologia para poder inovar, acompanhada de um aparato institucional mais eficiente, estão condenados a desaparecer nesses mercados - isto é, a perder espaço para aquelas empresas que visualizam a inovação como meio de diferenciação (LEONARD-BARTON, 1998, p. 102). As suposições descritas são geradas a partir dessas proposições e argumentos estabelecidos neste trabalho, no qual se verificam fatores potencializadores e limitadores da longevidade das MPEs de serviços. Os resultados do desempenho desse segmento de empresas, com base em longevidade e mortalidade evidenciam disfunções, havendo de forma determinística fatores restritores de atuação e funcionalidade das MPEs, sendo essas dimensões influenciadoras nos seus resultados. A partir dessas suposições, determinam-se os núcleos principais, designados de dimensões organizacionais, classificadas em: estrutura e processos, comportamento, tecnologia e inovação, estratégias e ambiente. 14 Capacidade de assimilação, absorção e uso da tecnologia. São variáveis que agregam valor para o processo tecnológico, traduzindo um mecanismo de feedback para o sistema. Representa uma tipologia extremamente consistente a partir da construção do sistema físico com aparato de base de dados transferível, sistema recursos humanos compreendida pela experiência e talento acumulado, sistema organizacional / processos de gestão e produtos e serviços (FIGUEIREDO e VENDOVELOO, 2006, p. 213).

29 27 Reitera-se, por fim, que a literatura da administração, geralmente, evidencia uma funcionalidade das organizações de forma genérica, como se os fenômenos da grande empresa fossem os mesmos das pequenas, assim como, a solução para os referidos problemas. Na realidade, os estudos organizacionais, quando aplicados às questões das pequenas empresas merecem atenção particular, em função das diferenças existentes entre as empresas. 1.4 Delimitação do estudo O estudo pretende analisar as dimensões organizacionais e suas implicações na longevidade das micro e pequenas empresas prestadoras de serviço e a relação dessas empresas com a grande empresa. A análise explorará a área de serviços buscando desvendar suas principais particularidades e especificidades, limitando-se a discuti-las no bojo da abordagem para as MPEs. As prestadoras de serviços são correspondentes ao objeto de estudo, sendo um subconjunto das pequenas empresas que fazem parte do conjunto das empresas que, por sua vez, fazem parte do universo das organizações. Logo, a abrangência da pesquisa atinge: empresas empresas prestadoras de serviços parceiras da grande empresa - micro e pequenas empresas com suas interfaces com o ambiente e suas facetas no subsistema organizacional. Com relação à gestão organizacional das pequenas empresas, a tese versará sobre a dinâmica organizacional no tocante às dimensões: estrutura e processos, comportamento, estratégias, tecnologia/inovação e ambiente. Nessa análise, serão discutidos as inter-relações e indicadores de cada dimensão, necessárias para uma maior longevidade dessas organizações.

30 28 Figura 1 Delimitação do estudo A abrangência do estudo dessas abordagens referentes às MPEs de serviços darse-á sobre a realidade brasileira e mais especificamente no Maranhão em seus aspectos gerais. Em que pesem a relevância e a utilidade de diversas disciplinas para a compreensão do fenômeno, esse estudo priorizará a abordagem da administração e seus desdobramentos do saber: planejamento estratégico, gestão estratégica e análise ambiental, estruturas e processos organizacionais, recursos tecnológicos (aqui compreendido a tecnologia na sua forma concreta e abstrata), inovação, processo comportamental, gestão da produção e serviços, e gestão de marketing de serviços. Ressalta-se que essas disciplinas estarão sendo trabalhadas de forma interdependente e sistêmica para o alcance do objeto da pesquisa. As outras áreas do saber estão contempladas como: Psicologia, Sociologia, Antropologia e Filosofia, traduzindo-se a interfaces em suas relações. Considerações históricas e econômicas, por exemplo, são feitas ao longo do estudo, mas não constituirão referências prioritárias. Ademais, deve ser ressaltado que os campos de investigação são suficientemente diversos para possibilitar a desejada análise multipolares do fenômeno, mas haverá maior ênfase nas variáveis do tema central que se refere à questão das dimensões organizacionais, vulnerabilidade, competitividade e longevidade das MPEs prestadoras de serviços. Os estudos sobre esse segmento de empresas na sua grande maioria prioriza o processo de apoio e crédito às MPEs. Schumpeter (1982) afirma que o crédito é essencial ao processo econômico, pois parte das inovações são financiadas com recursos de terceiros. Embora a assertiva seja pertinente, nesta tese esse viés não será de forma prioritária foco de discussão. Quanto à inovação representa uma dimensão do estudo associada à tecnologia.

31 29 A delimitação do estudo quanto a sua abrangência e recorte teórico circundou os limites da pesquisa. Na busca de referendar essas empresas, trabalhou-se a relevância da pesquisa tanto para o mundo empresarial e acadêmico quanto para a sociedade. 1.5 Relevância do estudo A busca pela compreensão dos fenômenos organizacionais tem evidenciado os estudos da administração, com referenciais de forma multidisciplinar, nos últimos anos, tornando a discussão acalorada no momento em que se revela a interdependência da organização versus administração. Os estudos a respeito das MPEs não têm sido valorizados no Brasil. Borba e Piccoli (2005) pesquisaram 16 periódicos com conceitos A, B e C pelo Sistema Qualis/Capes, nos anos 2000 a 2004 e concluíram que, dos 1958 artigos publicados, apenas 3% (68 artigos) tratavam de pequenas e médias empresas. Leone (1999), citada por Cancellier; Almeida e Estrada (2005) afirmam que as pequenas empresas têm problemas e desafios particulares e que já merecem uma teoria específica que possa conduzi-las para a melhoria de suas ações administrativas e compreensão de suas relações de interdependência com as diversas dimensões organizacionais e ambientais. Na discussão longevidade, praticamente não há estudos direcionados a esse fenômeno na pequena empresa, restringindo-se, na maioria das vezes, a associá-los à realidade da Média e Grande Empresa (MGE). Essa descrição é endossada na afirmação de que: [...] Apesar de haver certo consenso, mesmo que velado, em relação à importância das micro e pequenas empresas no tocante ao crescimento econômico, à geração de empregos e à distribuição de renda, não há propriamente teorias ou ensaios teóricos robustos que justifiquem e expliquem a existência e a sobrevivência dos pequenos empreendimentos (AMARAL FILHO, 2011, p.17). Longenecker et al. (2007) evidenciam que no Brasil, as informações sobre as MPEs ainda são pouco levantadas e analisadas por órgãos oficiais, se comparadas a importância desse segmento na economia e no cotidiano da vida das pessoas. Isso ocasiona a pouca produção de conhecimento sobre o cenário e realidade dos pequenos negócios, limitando a construção de políticas públicas com direcionamento adequado para a promoção das empresas desse porte. Embora não haja prioridade nos estudos diante desse segmento de empresas, a importância das pequenas organizações para o país é uma constatação, uma vez que conforme

32 30 dados do Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico (IBGE, 2010), as empresas formais, no Brasil, alcançaram 6,88 milhões de unidades, dos quais as MPEs respondem por 99% do mercado brasileiro empresarial e ainda são responsáveis pelo emprego de 67% da população economicamente ativa do país no ambiente urbano, contribuindo com 20% do volume de riquezas gerado pela nação e 28% do faturamento bruto da atividade empresarial. Tais dados, quando associados às atividades empreendedoras, demonstram uma grande perspectiva para o País. A pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM, 2010), que é realizada anualmente pela Babson College dos Estados Unidos e pela London Business School da Inglaterra, destaca que nos países que constituem a União Europeia, os empreendimentos de micro e pequeno porte somam 19 milhões e representam 98% de todos os empreendimentos, enquanto na China, Japão e Austrália, os pequenos negócios representam, respectivamente, 99%, 99,7% e 96% dos empreendimentos totais. Nas nações em desenvolvimento, a sua participação é ainda mais expressiva e o seu papel mais relevante, pois contribuem para o crescimento econômico, a criação de empregos, geração de renda e o desenvolvimento local e regional. No caso do Brasil, a pesquisa aponta para o alcance em 2010 da maior taxa de empreendedorismo entre países membros do grupo que integra as maiores economias do mundo (G20) e do grupo que reúne os emergentes Brasil, Rússia, Índia e China (BRIC). Os dados da pesquisa revelam que o país registrou o melhor resultado dos últimos 11 anos em que participa da pesquisa, com a maior Taxa de Empreendedores Iniciais (TEA): 17,5% da população adulta (18 a 64 anos). Esse percentual revela que 21,1 milhões de brasileiros exerceram atividade empreendedora naquele ano e refere-se aos empreendimentos com até três anos e meio de atividade. O segmento das MPEs se destacou na década de 2000, pois suplantaram a barreira dos 6 milhões de estabelecimentos, segundo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE, 2011). A pesquisa revela que neste período, o crescimento médio do número de MPEs foi de 3,7% a.a. Entre 2000 e 2005, o crescimento médio chegou a 4,8% a.a., enquanto na segunda metade da década o ritmo de crescimento foi de 2,9% a.a. Em 2000, havia 4,2 milhões de estabelecimentos, chegando em 2010 a um total de 6,1 milhões em atividade. Portanto, nos anos 2000, houve criação de aproximadamente 1,9 milhão de novos estabelecimentos (Gráfico 1).

33 31 Gráfico 1 Evolução do número de estabelecimentos por porte Brasil (em milhões) Fonte: MTE. Rais Esses dados evidenciam a vocação empreendedora do brasileiro e sinalizam na importância de aprofundamento do conhecimento das dramaturgias desse porte de empresas, considerando que apesar da positiva correlação existente entre a importância das micro e pequenas empresas para o País e as altas taxas de empreendedorismo, o Brasil ainda hoje apresenta um índice alto de mortalidade para empreendimentos com até quatro anos de existência, quando comparado a países desenvolvidos da América do Norte e da Europa. Castor (2009) argumenta a importância da sobrevivência desses empreendimentos como condição indispensável para o desenvolvimento econômico do País. Tais fatores são ratificados por Wood Junior (2007) ao mencionar que são as pequenas empresas e microempresas quem distribuem renda, contribuindo para dirimir a dívida social como os menos favorecidos, abrindo-lhes novas oportunidades. Entretanto, Saviani (1995) aponta que os estudos de forma geral no Brasil e no mundo mostram que os dois primeiros anos de atividade de uma nova empresa são os mais difíceis, o que torna esse período o mais importante em termos de monitoramento da sobrevivência. Porter (1999) observa o fenômeno da mortalidade das empresas de pequeno porte no mundo com preocupação e propõe que deva ser tratado de forma sistêmica, ou seja, não basta o tratamento superficial das disfunções desse segmento. Arruda et al. (2007) destacam a necessidade do aprofundamento da discussão do aparato de sua longevidade e uma teoria que possa transpor essa ausência de informações com sustentação científica. Contudo, uma das principais explicações para ocorrência da mortalidade reside no fato de o empreendedor brasileiro não possuir conhecimento de gestão e enfrentar a competitividade de mercado de forma despreparada (AMARAL FILHO, 2011; LEMES, 2010; MACHADO, 2007).

34 32 Por outro lado, o faturamento das MPEs também cresceu consideravelmente nos últimos anos. No primeiro semestre de 2010, a receita real registrou aumento de 10,7% comparado ao mesmo período de Este indicador aponta que as pequenas empresas superam o ritmo de crescimento da economia brasileira (SEBRAE, 2011). Tal situação faz com que a maioria das MPEs apresente características administrativas peculiares e que influenciam diretamente na longevidade e no sucesso em longo prazo. Para essas empresas objetivarem uma maior sustentabilidade e evitarem a estagnação, é importante que busquem uma orientação estratégica para ganhar escala e longevidade. Quando a organização evolui para um crescimento diante de suas demandas, suas atividades se tornam mais complexas e sofisticadas, necessitando que o empreendedor reconheça suas características corporativas, com potencialidades e limitações (BARNEY e HESTERLY, 2011; MINTZBERG, 2007; PORTER, 1999). No entanto, deve-se considerar que saber o direcionamento do negócio em consonância com as oportunidades e o caminho viável para o alcance dos objetivos organizacionais torna-se de extrema relevância, mas também necessária se faz a obtenção de informações consistentes para auxiliar na gestão das empresas (MONTANA e CHARNOV, 2010; CERTO, 2010; GEUS, 1998). Associando-se às MPEs terem características bastante distintas e os estudos realizados em grandes empresas, como já descrito, não atendem as suas necessidades e não podem ser generalizados para compreendê-las. As MPEs contribuem excepcionalmente, ao fornecerem novos empregos, introduzirem inovações, estimularem a competição, auxiliarem as grandes empresas e produzirem bens e serviços com eficiência (LONGENECKER et al., 2007). Segundo o Anuário Estatístico da micro e pequena empresa (SEBRAE, 2011) entre 2000 e 2010, as micro e pequenas empresas criaram 6,1 milhões de empregos com carteira assinada, elevando o total de empregos nessas empresas de 8,6 milhões de postos de trabalho, em 2000, para 14,7 milhões, em 2010 (Gráfico 2). De 2000 a 2010, o crescimento médio do número de empregos nas MPEs foi de 5,5% a.a. Na primeira metade da década, foi gerado 2,4 milhões de postos de trabalho nas MPEs, com crescimento médio de 5,1% a.a. No período , esse movimento se intensifica resultando em 3,7 milhões de empregos, com crescimento médio de 6,1% a.a. O bom desempenho das MPEs na década apenas confirma a sua importância na economia.

35 33 Gráfico 2 Evolução do número de empregos por porte Brasil (em milhões) Fonte: MTE. Rais Pesquisa da Deloite (2011) com empresas que compõem o ranking das 250 Pequenas e Médias Empresas (PMEs) que mais crescem no Brasil totalizaram receitas líquidas que, juntas, somam R$ 12,26 bilhões (de acordo com as demonstrações financeiras referentes a 2010), com crescimento médio de 36% entre 2008 e Destaca-se da referida pesquisa a constatação da diversificação das atividades econômicas com preponderância para as pequenas empresas. Tabela 1 - Receita líquida - Ranking (250 empresas que mais crescem) R$ Bilhões Crescimento (%) Taxa Anual 7,56 9,39 12, Fonte: Deloite (2011) Os números indicam um reposicionamento das MPEs com crescimento e expansão dos negócios. Por exemplo, as 296 empresas da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA) que apresentaram suas respectivas informações financeiras até o final de 2010 obtiveram, nos mesmos períodos, um crescimento anual de 20% e consolidado de 80%. As MPEs representam um dos principais agentes de fomento da economia, não somente brasileira como mundial. Logo, desprezar o potencial desses empreendimentos significa desvalorizar importante agente de alavancagem do desenvolvimento e, na ponta do processo, subestimar a inclusão social. Dada essa relevância, a sua análise se faz necessária para compreensão dos fenômenos que envolvem esse segmento de empresas. Apesar de a maioria dos estudos sobre MPEs estarem atrelados à mortalidade e disfunções desse segmento de empresas, que se entende serem pertinentes, há poucas

36 34 produções científicas nessa área. O objetivo que permeia essa tese vai ao encontro da vida, com fatores que traduzem sobrevivência e longevidade. Desta forma, justifica-se o desenvolvimento deste trabalho como relevante para que o assunto seja amplamente debatido nas diversas esferas: pública e privada, alcançando a atenção devida na agenda de discussão do desenvolvimento sustentável da região. Para estabelecer a devida importância das MPEs, em especial as prestadoras de serviços, no contexto social, econômico e tecnológico em que estão inseridas, e, por conseguinte, a melhoria do quadro de desenvolvimento nacional. Por outro lado, pretende-se agregar e disseminar o instrumento desta pesquisa como fator de geração de conhecimento para as organizações de pequeno porte e, paralelamente, evidenciar as dimensões e sua dinâmica corporativa, traduzindo os modelos de gestão para adaptabilidade e longevidade das organizações.

37 35 CAPÍTULO 2 - REFERENCIAL TEÓRICO Para uma melhor compreensão do problema de pesquisa e sustentação da análise realizada, é utilizado referencial teórico da discussão sobre a longevidade das MPEs, contemplado a partir de fatores qualitativos e quantitativos dessas empresas. O estudo transcreve a dicotomia da aplicação teórica na funcionalidade das MPEs, focalizando as tendências (e não modismos) evolutivas no desenvolvimento das organizações e sinaliza para a necessária destruição criativa do que está posto na busca da desconstrução dessa lógica determinística nas organizações. A revisão da literatura é discutida com o acervo de teorias que ofereça explicações acerca dos fenômenos desse segmento de empresas e sua longevidade, evidenciando o pensamento crítico que deve permear a investigação e o contexto em que as organizações, e em especial as MPEs, se deparam, inclusive a partir da taxonomia e classificação das MPEs e prestadoras de serviço. O embasamento teórico do trabalho apresenta o ressurgimento desse segmento de empresas com perspectiva de inserção e participação crescente na economia nacional e maranhense. A parceria com a grande empresa representa um viés de discussão e evidencia-se o importe dessa união, sem dependência da MPE em relação à Grande Empresa (GE), mas com forte influência para a longevidade dessas empresas. A discussão perpassa inicialmente pela definição e classificação das MPEs no mundo e no Brasil, a taxonomia de classificação das empresas e as prestadoras de serviços com sua particularidade, características e estímulos à economia de serviços. São apresentadas as questões teóricas e epistemológicas que fundamentam esta tese no tocante ao processo de mudança de modelagens organizacionais, configurando a destruição criativa no sistema organizacional, com o empreendedorismo aduzido como elemento de destaque para a longevidade das empresas, assim como, a responsabilidade social sendo contextualizada a partir da reflexão da aproximação do relacionamento do negócio e a sociedade, analisando-se em pesquisas empíricas a forma e a condução das MPEs nessa perspectiva. Abordam-se de forma minuciosa as teorias do Ciclo de Vida Organizacional (CVO) e a condição de homeostasia, referenciada com explicações sobre processos em contextos locais identificáveis, que justifiquem a compreensão de vida longa para as empresas. A seguir, é descrita a tendência de integração e abordagem múltipla que permeiam o constructo sistêmico e entendimento da complexidade organizacional.

38 36 O tratamento teórico se legitima, nesta tese, diante das dimensões organizacionais com base em estrutura e processos, comportamento, estratégia, tecnologia / inovação e ambiente e consequentes indicadores de gestão e suas interfaces. O estudo se alicerça no sistema sócio-técnico, na lógica da complexidade e nas evidências epistemológicas das dimensões organizacionais, creditando fatores tangíveis e intangíveis à margem de práticas de gestão das MPEs longevas. Figura 2 Modelo de análise O modelo de análise apresenta o constructo teórico associado à longevidade das MPEs e os desdobramentos das dimensões organizacionais e sua interface endógena e exógena. Entretanto, a condição dos indicadores das dimensões é propositiva associando-se com o que é tangível e intangível por serem delineamentos distintos praticados. O objeto de pesquisa, as MPEs prestadoras de serviços longevas, é explorado com rigor científico. 2.1 Definição e classificação das MPEs O conceito do que seja pequeno, médio ou grande é relativo, ou seja, varia de país para país. A determinação da relação pequeno e grande quanto à classificação do tamanho da empresa, ou seja, ao porte da empresa dependerá do referencial trabalhado. Uma empresa considerada ou enquadrada como média em um determinado país, cujas condições econômicas do tipo capitalista, ainda não estejam devidamente consolidadas, ou apresentem

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores Coordenação Acadêmica: Prof. Edmarson Bacelar Mota, M. A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA Projeto de Tese Influência

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE)

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE) ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MEDIANTE USO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS NA CIDADE DE

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas

A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas Carlos Alberto Chagas Teixeira nelson.alonso@uninove.br UNI9 nelson.alonso@uninove.br nelson.alonso@uninove.br UNI9 Vera Lucia Chaves

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Estatísticas de Empreendedorismo 2008

Estatísticas de Empreendedorismo 2008 Notas técnicas estudo do empreendedorismo remonta a Cantillon, que imagina O o empreendedor como um portador de incerteza no mercado, aquele que é capaz de prever e investir no futuro, ajudando a ajustar

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Fausto de Bessa Braga, MBA Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro fausto.bessa@amrj.mar.mil.br Nélio Domingues Pizzolato, Ph.D

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica No início dos anos 90, as organizações passaram a incorporar a visão de processos nos negócios na busca pela qualidade, produtividade

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 6 As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP Sérgio Henrique Barszcz (União/UTFPR)

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 -

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Financeira. Conteúdo Programático. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO / 100h CAPITAL DE GIRO liquidez e capital circulante líquido rentabilidade do ativo estratégias de gerência fontes de financiamento estudo de caso orçamento de caixa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais