60 a 105 m/min A B AU OPH LU X Y1 (1) Y2 (3) (3) (3) (3)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "60 a 105 m/min A B AU OPH LU X Y1 (1) Y2 (3) 800 1750 1790 1830 (3) 8 1250 1200 800 1750 1590 1630 (3) 8 1300 1150 800 1750 1540 1580 (3)"

Transcrição

1 Cabinas export Dimensionamento Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao fundo Dimensões de cabina com porta abertura central Cap.de Cabina Porta 1 a 1,75 m/s passageiros Largura Profundidade Altura Largura 60 a A B AU OPH LU X Y1 Y (2) (2) (4) (4) Largura do contrapeso 140 Dimensões de cabina com porta abertura lateral Cap.de Cabina Porta 1 a 1,75 m/s passageiros Largura Profundidade Altura Largura 60 a A B AU OPH LU X Y1 Y (2) (2) (2) (4) (4) Largura do contrapeso 140 X = largura; Y = profundidade Obrigatório: Y1 (contrapeso de ) utilizado somente para velocidade até 60 e percurso até 40 m. (2) Para capacidades acima de 14 pessoas, utilizar as seguintes combinações de AUxOPH: 2200x2000, 2200x2130, 2400x2000, 2400x2130, 2600x2130, 2600x2400. s de 6 a 12 pessoas somente para velocidade 60. (4) s de 22 a 24 pessoas somente para velocidade 60 e. As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Caixa do elevador: outras dimensões, sob consulta. Quando existir passagem sob o poço, requer aparelho de segurança no contrapeso. Consulte a thyssenkrupp. Quando utilizar o opcional 209 (corrediça de rolo), deverá ser utilizado o valor do Y conforme abaixo: Abertura lateral: Y=Y2+65 (até 8 pessoas); Y=Y2+75 (de 10 a 24 pessoas) Abertura central: Y=Y2+70 (até 8 pessoas); Y=Y2+80 (de 10 a 24 pessoas) /1 Atualizado em Características técnicas Percurso máximo: m Comando: ACSD e ACS

2 Detalhes construtivos das frentes Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao fundo Porta abertura central Porta abertura lateral As golas devem ser acabadas e rebocadas internamente, antes do início da instalação, com exceção do pavimento de acesso. (As golas não deverão ser de concreto). As golas devem ser acabadas e rebocadas internamente, antes do início da instalação, com exceção do pavimento de acesso. (As golas não deverão ser de concreto). Marco largo - AC Marco estreito - AC Marco recuado - AC Marco largo - AL Marco estreito - AL Marco recuado - AL Fórmula para cálculo de golas (dependendo do tipo de marco) /2 Atualizado em Marco largo Vão altura OPH + Vão largura LU Golas p/ AC E=D=(X-LU-320)/2 Golas p/ AL D E=20 D=X-LU-340 Golas p/ AL E E=X-LU-340 D=20 Marco estreito Vão altura OPH Vão largura LU Golas p/ AC E=D=(X-LU-200)/2 Golas p/ AL D E=80 D=X-LU-280 Golas p/ AL E E=X-LU-280 D=80 Marco recuado Vão altura OPH Vão largura LU Golas p/ AC E=D=(X-LU-250)/2 Golas p/ AL D E=55 D=X-LU-305 Golas p/ AL E E=X-LU-305 D=55 Para caixa de corrida com dimensão de largura maior que a medida X mínima de tabela, dividir a diferença e somar o resultado nas golas E e D. Todos os valores são mínimos. Acabamento do piso junto as frentes da caixa do elevador, somente deverá ser executado após a instalação do pré-marco. A viga de fixação das portas somente deverá existir quando a distância entre o piso acabado e a viga de pavimento for maior que 2350 mm. Apoio de soleira somente metálica.

3 Casa de máquinas Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao fundo 1 elevador 2 elevadores 3 elevadores Corte B Tipo de máquina Alçapão horizontal (L x K) Ganchos (kg) TW X TW X TW X /3 Atualizado em

4 Corte lateral Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao fundo Corte A Velocidade Cargas (kg) Dimensões passageiros R1 R2 P1 P2 S T Tipo de máquina Alçapão vertical (L x K) CM (M) TW X TW X TW X M H (variável conf. altura da cabina) Última altura Corte A (Portas AC/AL) Casa de máquinas com um nível /4 Atualizado em Última parada Percurso AU Viga intermediária a ser construída se solicitada no Projeto Executivo Veloc. () Poço (P) Última altura (H) Altura útil (AU) Geral Cidade RJ Geral Cidade RJ Geral Cidade RJ Primeira parada P Poço P1 P2 Apoio de soleira

5 Dimensiomamento Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso lateral Dimensões de cabina com porta abertura central Dimensões da caixa de corrida Comum a todas as velocidades e percursos Cabina Porta de passageiros De 1,5 m/s até 1,75 m/s Largura Profundidade Altura Largura De até A B AU OPH LU X (largura) Y (profundidade) Largura do contrapeso 140 Dimensões de cabina com porta abertura lateral Dimensões da caixa de corrida Comum a todas as velocidades e percursos Cabina Porta de passageiros De 1,5 m/s até 1,75 m/s Largura Profundidade Altura Largura De até A B AU OPH LU X (largura) Y (profundidade) Largura do contrapeso 140 As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Caixa do elevador: outras dimensões, sob consulta. Quando existir passagem sob o poço, requer aparelho de segurança no contrapeso. Consulte a thyssenkrupp. Características técnicas Percurso máximo: m Comando: ACSD e ACS /5 Atualizado em

6 Casa de máquinas Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso lateral 1 elevador 2 elevadores 3 elevadores Corte B Tipo de máquina Alçapão horizontal (L x K) Ganchos (kg) TW X TW X TW X /6 Atualizado em

7 Corte lateral Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso lateral Corte A passageiros Velocidade. Cargas (kg) Dimensões R1 R2 P1 P2 S T Veloc. () Poço (P) Última altura (h) Altura útil (AU) Geral Cidade RJ Geral Cidade RJ Geral Cidade RJ Tipo de máquina Alçapão vertical (L x K) CM (M) TW X TW X TW X /7 Atualizado em

8 Dimensionamento Elevador com máquinas sem engrenagem contrapeso lateral Dimensões de cabina com porta abertura central Cabina Porta Dimensões da caixa de corrida Velocidade Largura Profundidade Altura Altura Largura Largura Profundidade () A B AU OPH LU X (min.) X (max.) Y passageiros As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Caixa do elevador: outras dimensões, sob consulta. Para caixas de corrida com largura superior às informadas na coluna X (máx), prever uma viga de redução em cada pavimento e, quando necessário, vigas intermediárias adicionais. Estas serão definidas no Projeto Executivo. Quando existir passagem sob o poço, requer aparelho de segurança no contrapeso. Consulte a thyssenkrupp. Duas partidas por minuto para a capacidade de 6 pessoas. Características técnicas Percurso máximo: 45 m Comando: ACSD e ACS /8 Atualizado em Dimensões de cabina com porta abertura lateral Cabina Porta Dimensões da caixa de corrida Velocidade Largura Profundidade Altura Altura Largura Largura Profundidade () A B AU OPH LU X (min.) X (max.) Y passageiros

9 Casa de máquinas Elevador com máquinas sem engrenagem contrapeso lateral 1 elevador 2 elevadores 3 elevadores Corte B Tipo de máquina Alçapão horizontal (L x K) Ganchos (kg) Gearless 0 x /9 Atualizado em

10 Corte lateral Elevador com máquinas sem engrenagem contrapeso lateral Corte A Velocidade Cargas (kg) Altura Dimensões Poço Última altura (H) de passageiros. R1 R2 P1 P2 útil (AU) S T P Geral Cidade RJ Tipo de Alçapão vertical CM (M) máquina (L x K) Gearless 0 x As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Prever portas de emergência no pavimento quando o percurso sem atender for igual ou maior a 11 m. As cargas são dinâmicas sem coeficiente de segurança. Para casa de máquinas em dois níveis deve existir guarda-corpo em toda sua extensão até a escada de acesso /10 Atualizado em

11 Dimensionamento Elevador com máquinas sem engrenagem Contrapeso ao fundo - porta abertura central passageiros Dimensões de cabina com porta abertura central Comum a todas as velocidades e percurso Cabina Porta Largura Profund. Altura Largura 1 m/s 60 1,5 a 1,75 m/s a 2 a 3 m/s a 180 As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Quando existir passagem sob o poço, requer aparelho de segurança no contrapeso. Consulte a thyssenkrupp. As velocidades de em diante, já contemplam aparelho de segurança no contrapeso. Para capacidades acima de 14 pessoas, utilizar as seguintes combinações de AU x OPH: 2200 x 2000, 2200 x 2130, 2400 x 2000, 2400 x 2130, 2600 x 2130 e 2600 x Para caixas de corrida com largura superior às informadas na coluna X (máx), prever uma viga de redução em cada pavimento e, quando necessário, vigas intermediárias adicionais. Estas serão definidas no Projeto Executivo. 3,5 a 4 m/s 210 a 240 Dimensões da caixa de corrida Velocidade 5 a 6 m/s 300 a m/s 60 1,5 a 1,75 m/s a A B AU OPH LU X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) Y (profundidade) a 2,5 m/s a150 3 m/s 180 3,5 m/s m/s a 6 m/s 300 a /1 Atualizado em Características técnicas Percurso máximo: 45 m para velocidade 60 m para velocidade a m para velocidade a 360 Comando: ACSD e ACS

12 Dimensionamento Elevador com máquinas sem engrenagem Contrapeso ao fundo - porta abertura lateral passageiros Dimensões de cabina com porta abertura lateral Comum a todas as velocidades e percurso Cabina Porta Largura Profund. Altura Largura 1 m/s 60 1,5 a 1,75 m/s a 2 a 3 m/s a 180 As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Quando existir passagem sob o poço, requer aparelho de segurança no contrapeso. Consulte a thyssenkrupp. As velocidades de em diante, já contemplam aparelho de segurança no contrapeso. Para capacidades acima de 14 pessoas, utilizar as seguintes combinações de AU x OPH: 2200 x 2000, 2200 x 2130, 2400 x 2000, 2400 x 2130, 2600 x 2130 e 2600 x Para caixas de corrida com largura superior às informadas na coluna X (máx), prever uma viga de redução em cada pavimento e, quando necessário, vigas intermediárias adicionais. Estas serão definidas no Projeto Executivo. 3,5 a 4 m/s 210 a 240 Dimensões da caixa de corrida Velocidade 5 a 6 m/s 300 a m/s 60 1,5 a 1,75 m/s a 2 a 2,5 m/s a150 A B AU OPH LU X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) X (mín) X (máx) Y (profundidade) m/s 180 3,5 m/s m/s a 6 m/s 300 a /1 Atualizado em Características técnicas Percurso máximo: 45 m para velocidade 60 m para velocidade a m para velocidade a 360 Comando: ACSD e ACS

13 Casa de máquinas Elevador com máquinas sem engrenagem contrapeso ao fundo 1 elevador 2 elevadores 3 elevadores Corte B /13 Atualizado em

14 Corte lateral Elevador com máquinas sem engrenagem contrapeso ao fundo Corte A Guarda - corpo Ver notas Corte A : Detalhe casa de máquinas com dois níveis Velocidade Cargas (kg) Dimensões passageiros. R1 R2 P1 P2 S T a a a a a a a a a Capac. passag Dimensões mínimas dos alçapões horizontais (L x C) Velocidade () ,9x1,2 0,9x1,2 Medidas em metros (m). 0,9x1,2 1,5x2,0 0,9x1,2 1,5x2,0 1,5x2,0 1,5x2,0 1,5x2,0 1,5x2,0 1,7x2,2 1,5x2,0 1,7x2,2 Capac. passag. M H (variável conf. altura da cabina) Última altura Última parada Percurso Primeira parada P Poço P1 P2 AU M Apoio de soleira Corte A (Portas AC/AL) Casa de máquinas com um nível 1100 K Velocidades apartir de 180, necessário abertura p/ ventilação conf. item NBR NM 207. Alçapãocom tampa metálica (ver tabela) Individualpara cada elevador Velocidades a partir de 180, necessário abertura p/ ventilação conf. item NBR NM 207. Viga intermediária a ser construída se solicitada no Projeto Executivo Dimensões mínimas dos alçapões verticais (L x H) Velocidade () ,9x1,2 12 0,9x1,2 0,9x1, ,5x1,5 0,9x1,2 1,5x1,7 1,5x1,5 1,5x1,7 1,5x1,5 1,5x1,7 1,5x1,8 1,5x1,8 1,5x1,7 1,7x2,0 1,7x2, /14 Atualizado em

15 Corte lateral Elevador com máquinas sem engrenagem contrapeso ao fundo passageiros M - Altura mínima da casa de máquinas Velocidade () ,2 2,2 2,3 2,3 2,3 2,3 2,6 2,8 2,6 3,1 2,8 3,1 Medidas em metros (m). H - Última altura mínima AU 60 a a 360 Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ última altura definida na Tabela Tabela 1 Veloc. AU 10P 12P 13P 14P 16P 18P 20/22P 24P 26P Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ Geral RJ P - Profundidade mínima do poço Velocidade () Poço (mm) As medidas constantes na tabela são mínimas acabadas (após prumada). Prever portas de emergência no pavimento quando o percurso sem atender for igual ou maior a 11 m. As cargas são dinâmicas sem coeficiente de segurança. Para casa de máquinas em dois níveis deve existir guarda-corpo em toda sua extensão até a escada de acesso /15 Atualizado em

60 a 105 m/min A B AU OPH LU X Y1 (1) Y2 (3) (3) (3) (3)

60 a 105 m/min A B AU OPH LU X Y1 (1) Y2 (3) (3) (3) (3) Cabinas amazon Dimensionamento Elevador com máquinas com engrenagem contrapeso ao fundo Dimensões de cabina com porta abertura central Cap.de Cabina Porta 1 a 1,75 m/s passageiros Largura Profundidade

Leia mais

Elevadores de carga. Dimensionamento Classe de carregamento: Classe A. Transporte de carga comum (NBR 14712) Entradas opostas - contrapeso na lateral

Elevadores de carga. Dimensionamento Classe de carregamento: Classe A. Transporte de carga comum (NBR 14712) Entradas opostas - contrapeso na lateral Elevadores de carga Classe de carregamento: Classe A Transporte de carga comum (NBR 14712) Entrada única - contrapeso no fundo Entrada única - contrapeso na lateral Entradas opostas - contrapeso na lateral

Leia mais

Grife Art Collection A sua verdadeira obra de arte em cabinas

Grife Art Collection A sua verdadeira obra de arte em cabinas Grife Art Collection A sua verdadeira obra de arte em cabinas ThyssenKrupp Elevadores A Empresa 3 Fábrica de Guaíba - RS Linha de Produtos Elevadores convencionais, panorâmicos e hidráulicos. Elevadores

Leia mais

Linha de Produtos. ThyssenKrupp Elevadores A Empresa. Elevadores convencionais, panorâmicos e. hidráulicos. Elevadores sem casa de máquinas.

Linha de Produtos. ThyssenKrupp Elevadores A Empresa. Elevadores convencionais, panorâmicos e. hidráulicos. Elevadores sem casa de máquinas. ThyssenKrupp Elevadores A Empresa Linha de Produtos Elevadores convencionais, panorâmicos e hidráulicos. Elevadores sem casa de máquinas. Home Lift. Escadas e esteiras rolantes. Fingers (passarelas para

Leia mais

A Empresa. Linha de Produtos

A Empresa. Linha de Produtos 2 A Empresa A ThyssenKrupp Elevadores atua em todo o território nacional, representada por suas unidades de negócios. Seus produtos também são exportados para diversos países da América Latina e outros

Leia mais

PRÉDIO DO CENTRO DE IDIOMAS ELEVADORES

PRÉDIO DO CENTRO DE IDIOMAS ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DO CENTRO DE IDIOMAS ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS JANEIRO / 2014 Página 1 de 28 Conteúdo

Leia mais

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil

Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele Pioneira em Acessibilidade No Brasil Plataformas Montele PL 220 e PL 240 PIONEIRA EM ACESSIBILIDADE NO BRASIL Fundada em 1982, a Montele é pioneira na fabricacão de elevadores e plataformas

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé)

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 03. Procedimento para GCR (Guarda Corpo e Rodapé) Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, assegurar que todas as obras efetuem o sistema de Guarda Corpo e Rodapé, o qual destina-se a promover a proteção contra riscos

Leia mais

SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL OBRA(S): EMT.rar INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO ESPECIFICAÇÂO TÉCNICA DOS ELEVADORES II - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS: Edifício: COMPLEXO SENAI Endereço: AV Norte Miguel

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 PISO ELEVADO PARA ÁREAS TEMPORÁRIAS PTEN 01_02_03 Descrição

Leia mais

Expert XXI O Roomless da ThyssenKrupp Elevadores

Expert XXI O Roomless da ThyssenKrupp Elevadores Expert XXI O Roomless da ThyssenKrupp Elevadores TK Elevadores 3 ThyssenKrupp Elevadores A Empresa Fábrica de Guaíba - RS Linha de Produtos Elevadores convencionais, panorâmicos e hidráulicos. Elevadores

Leia mais

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico fonte: PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Las Dimensiones en los Espacios Interiores. Mexico: Gustavo Gili, 1996 [1979]. Pg

Leia mais

IMAGENS DE EQUIPAMENTOS

IMAGENS DE EQUIPAMENTOS www.ortobras.com.br ÍNDICE 1 2 3 4 5 INTRODUÇÃO IMAGENS DE EQUIPAMENTOS DETALHAMENTO DO MODELO SEM CASA DE MÁQUINAS TABELA DE ESPECIFICAÇÕES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 02 03 04 05 06 www.ortobras.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS

PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS PLATAFORMAS PARA VENCER DESNÍVEIS DE ATÉ 2 OU ATÉ 4 METROS PL220 Solução para vencer percursos de até 2 metros, com adequação de obra simplificada e curto prazo de fornecimento e instalação Sistema de

Leia mais

Características Técnicas para Projeto

Características Técnicas para Projeto Características Técnicas para Projeto Projeto Geométrico É a fase do projeto de estradas que estuda as diversas características geométricas do traçado, principalmente em função da leis de movimento, características

Leia mais

Plataformas Verticais.

Plataformas Verticais. Elevator Technology Plataformas Verticais. Divisão de cessibilidade. 2 Divisão de cessibilidade 3 Plataformas Verticais Modelo enclausurado - desnível acima de 2 m. Para garantir segurança, confiabilidade

Leia mais

Plataformas Verticais.

Plataformas Verticais. Elevator Technology Plataformas Verticais. Divisão de cessibilidade. 2 Divisão de cessibilidade 3 Plataformas Verticais Modelo enclausurado - desnível acima de 2 m. Para garantir segurança, confiabilidade

Leia mais

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 5.1 COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA AGÊNCIAS Agências sem recuo em relação à calçada 1 2 3 4 Elementos de comunicação visual As fachadas das agências dos Correios, sem recuo em

Leia mais

Elevator Technology. Elevador easy load. Elevador de carga.

Elevator Technology. Elevador easy load. Elevador de carga. Elevator Technology Elevador easy load. Elevador de carga. Elevador easy load 3 O que é um elevador de carga? É um equipamento destinado exclusivamente ao transporte de cargas, no qual somente é permitido

Leia mais

Bloco de Concreto CONCEITO

Bloco de Concreto CONCEITO CONCEITO A alvenaria de bloco de concreto é empregada em paredes com função estrutural ou mesmo como vedação em edifícios com estrutura de concreto armado. Substituem a alvenaria de tijolos que, por falta

Leia mais

Especificação Técnica. Fresadora a frio W 35 DC

Especificação Técnica. Fresadora a frio W 35 DC Especificação Técnica Fresadora a frio W 35 DC Especificação Técnica Fresadora a frio W 35 DC Largura de fresagem máx. Profundidade de fresagem * 1 350 mm (opcionalmente 500 mm) 0 110 mm Tambor fresador

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

ThyssenKrupp Elevadores

ThyssenKrupp Elevadores 1 2 ThyssenKrupp Elevadores A empresa A ThyssenKrupp Elevadores atua em todo o território nacional, representada por suas unidades de negócios. Seus produtos também são exportados para diversos países

Leia mais

6. Conceito e dimensionamento do tronco em uma residência

6. Conceito e dimensionamento do tronco em uma residência AULA 7 6. Conceito e dimensionamento do tronco em uma residência Vamos pegar como primeiro exemplo uma residência térrea abastecida por um único reservatório superior. Esse reservatório vai atender um

Leia mais

1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS

1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS 1. SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIOS 1.1 - CONCEPÇÃO DO PROJETO: O projeto constará de plantas, detalhes, memória de cálculo e especificações, que sejam necessárias para que haja o perfeito entendimento. 1.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos.

MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO. O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. MANUAL DE INSTALAÇÃO ABRIGO MODELO O novo abrigo de ligação facilitará a vida de todos. ÍNDICE O QUE É ABRIGO MODELO? VANTAGENS DO NOVO ABRIGO COMO INSTALAR POSIÇÕES POSSÍVEIS PARA INSTALAÇÃO MATERIAIS

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:03 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

Recife, 30 de setembro de 2016.

Recife, 30 de setembro de 2016. Recife, 30 de setembro de 2016. CONCORRÊNCIA 004/2016 - Contratação de empresa especializada em construção civil para a execução da obra do complexo educacional SENAI de Santo Amaro ISI. RESPOSTA AO ESCLARECIMENTO

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL H3 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3 pessoas

Leia mais

Pavimentos: 0;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21 Percurso: 83,00 m

Pavimentos: 0;3;4;5;6;7;8;9;10;11;12;13;14;15;16;17;18;19;20;21 Percurso: 83,00 m Srs. Licitantes, Segue abaixo as respostas ao questionamento encaminhado por e-mail em 11.08.2017, às 10h:51: ESCLARECIMENTO 4 OBJETO: Contratação de serviços em regime de EMPREITADA POR PREÇO GLOBAL (MATERIAL

Leia mais

DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS

DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DIVISÃO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS TRANSPORTE VERTICAL - ELEVADOR PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE UBERLÁNDIA / MG

Leia mais

Yep. Balcão Inferior Porta Temperos 20-57cm. Partes do Produto. Componentes

Yep. Balcão Inferior Porta Temperos 20-57cm. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Balcão Inferior Porta Temperos 0-57cm Tampo Vendido Separadamente - Lateral Direita/Esquerda (x) - Base (x) 3- Travessa (x) Porta Vendida Separadamente 4- Traseiro (x) 5- Porta Temperos

Leia mais

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência

Banheiro. 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha. 7.3.4.1 Área de transferência Banheiro 7.3.4 Boxes para chuveiro e ducha 7.3.4.1 Área de transferência Para boxes de chuveiros deve ser prevista área de transferência externa ao boxe, de forma a permitir a aproximação paralela, devendo

Leia mais

Elevador residencial levità.

Elevador residencial levità. Elevador residencial levità 1 Elevator Technology Elevador residencial levità. Divisão de elevadores residenciais. 2 3 O elevador residencial da thyssenkrupp. O home lift levità é o primeiro elevador residencial

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE

NORMAS ELEVADORES E DE ACESSIBILIDADE ELEVADORES E S DE ACESSIBILIDADE Arquitetos e profissionais da construção civil tendem a começar suas pesquisas sobre acessibilidade buscando informações na 9050 ABNT NBR 9050:2015 Acessibilidade a edificações,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ANEXO I LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA DOS EQUIPAMENTOS E ESTOQUE OPERACIONAL

ANEXO I LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA DOS EQUIPAMENTOS E ESTOQUE OPERACIONAL ANEXO I LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA DOS EQUIPAMENTOS E ESTOQUE OPERACIONAL I. LOCAL: FÓRUM MINISTRO ARNALDO SÜSSEKIND Av. Presidente Antônio Carlos, nº 251 - Castelo - Rio de Janeiro, RJ. 1. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

PROVA DISCURSIVA. ano. Gráfico População Brasileira 1900-2050. IBGE 1940, 1950, 1960, 1970, 2000 E 2008b. Internet:<http://aplicativos.fipe.org.br>.

PROVA DISCURSIVA. ano. Gráfico População Brasileira 1900-2050. IBGE 1940, 1950, 1960, 1970, 2000 E 2008b. Internet:<http://aplicativos.fipe.org.br>. PROVA DISCURSIVA Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para as respectivas folhas do CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS ARQUITETÔNICAS

ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS ARQUITETÔNICAS ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS ARQUITETÔNICAS Este resumo foi preparado listando as informações mais importantes para que se desenvolvam desenhos de arquitetura com clareza, critério e precisão.

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS

EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS EXEMPLO DE PONTE DE CONCRETO ARMADO, COM DUAS VIGAS PRINCIPAIS ROTEIRO DE CÁLCULO I - DADOS Ponte rodoviária. classe 45 (NBR-7188) Planta, corte e vista longitudinal (Anexo) Fôrma da superestrutura e da

Leia mais

MANEJO DA VENTILAÇÃO PARA FRANGOS

MANEJO DA VENTILAÇÃO PARA FRANGOS Universidade Federal do Pampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Avicultura I MANEJO DA VENTILAÇÃO PARA FRANGOS Profa. Lilian Kratz Semestre 2016/1 Conceitos importantes Ventilação mínima

Leia mais

Grife Sky Versatilidade sem limites

Grife Sky Versatilidade sem limites Grife Sky Versatilidade sem limites TK Elevadores mericas usiness Unit ThyssenKrupp Elevadores Empresa 3 Fábrica de Guaíba - RS Linha de Produtos Elevadores convencionais, panorâmicos e hidráulicos. Elevadores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS ELÉTRICOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNCIA FOLHA 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio

L A U D O T É C N I C O. Segurança estrutural contra incêndio L A U D O T É C N I C O Segurança estrutural contra incêndio GINASIO POLIESPORTIVO TAPEJARA RS MAIO DE 2015 OBJETIVO: Este laudo tem por objetivo estabelecer as condições mínimas que os materiais existentes

Leia mais

SUPORTE FIXO DE PAREDE SIMPLE LED

SUPORTE FIXO DE PAREDE SIMPLE LED SUPORTE FIXO DE PAREDE SIMPLE LED MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 CARACTERÍSTICAS: - Fixação na parede. - Para TV's e monitores LED compatíveis com qualquer padrão de fixação a partir de 100 (H) x 100 (V) mm. -

Leia mais

Flex UP. Moderna, flexível, adaptável e sustentável. A 1ª solução total para modernização.

Flex UP. Moderna, flexível, adaptável e sustentável. A 1ª solução total para modernização. . Moderna, flexível, adaptável e sustentável. A 1ª solução total para modernização. Modernização Schindler . Mais completa do que uma modernização parcial, mais flexível e adaptável que um novo elevador.

Leia mais

Guia Linear. Tamanho. Curso 07 20. Patins. Características Técnicas Material das guias DIN 58 CrMoV4 Material dos patins DIN 16 MnCr5

Guia Linear. Tamanho. Curso 07 20. Patins. Características Técnicas Material das guias DIN 58 CrMoV4 Material dos patins DIN 16 MnCr5 Guias Lineares - Série GH G H Guia Linear - Guia Linear Tamanho Curso 07 20 Máx. 4000mm 09 25 12 35 Exemplo: GH20-200 15 45 GH35-100 Patins G H P - Guia Linear Tamanho 07 20 09 25 12 35 15 45 Patins ---

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS PARA O PROJETO DE UMA ESTRADA

ELEMENTOS BÁSICOS PARA O PROJETO DE UMA ESTRADA ELEMENTOS BÁSICOS PARA O PROJETO DE UMA ESTRADA Introdução Um bom projeto de uma estrada procura evitar: Curvas fechadas e frequentes Greide muito quebrado Declividades fortes Visibilidade deficiente Elementos

Leia mais

Estaca Escavada Circular

Estaca Escavada Circular Estaca Escavada Circular 1 Definição e Recomendações da Norma NBR 6122 / 96 A Norma NBR 6122 / 96 define estaca escavada como o tipo de fundação profunda executada por escavação mecânica, com uso ou não

Leia mais

FURADEIRAS COM BASE MAGNÉTICA

FURADEIRAS COM BASE MAGNÉTICA FURADEIRAS COM BASE MAGNÉTICA BASES MAGNÉTICAS BROCAS ANULARES 1 2 Você conhece as brocas A n u l a r e s? 3 Também chamadas de brocas copo ou brocas fresa, possuem enorme capacidade de corte! Devido ao

Leia mais

Elevador para Acessibilidade

Elevador para Acessibilidade Elevador para Acessibilidade ThyssenKrupp Elevadores 1 2 Fábrica de Guaíba - RS ThyssenKrupp Elevadores A Empresa A ThyssenKrupp Elevadores atua em todo o território nacional, representada por suas unidades

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO Os CORTES são representações de vistas ortográficas

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia. Manual de Orientações Básicas

Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Engenharia. Manual de Orientações Básicas Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Manual de Orientações Básicas Tema do concurso A tarefa proposta é a construção e o teste de carga de uma ponte treliçada, utilizando papel-cartão

Leia mais

CÓDIGO: DC 1.2/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 5

CÓDIGO: DC 1.2/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 5 CÓDIGO: DC 1.2/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 5 NBR 13966:1997 - Móveis para escritório - Mesas - Classificação e características físicas e dimensionais O Objetivo desta Norma é especificar as características

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

Agregados - análise granulométrica

Agregados - análise granulométrica MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO

ortobras A vida não para ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO ELEVADOR RESIDENCIAL USO RESTRITO O elevador de uso restrito é unifamiliar, adaptado para uso de pessoas com mobilidade reduzida. Pode ser instalado em residências, edifícios

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA 3.6. OBRAS DE CONTENÇÃO Sempre que a movimentação de terra implicar em riscos de perda de estabilidade do solo, há a necessidade da execução de estruturas ou obras de contenção para segurança da própria

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO ACESSIBILIDADE

DIRETRIZES BÁSICAS PARA EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO ACESSIBILIDADE DIRETRIZES BÁSICAS PARA EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO ACESSIBILIDADE julho de 2012 APRESENTAÇÃO Neste documento estão reunidas informações extraídas de normas técnicas e legislação vigente em esfera federal

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA COLETORES PREDIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência: 03/2016 Última atualização: 05/2016 GRUPO

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi 1. SISTEMA DE PISTA: O sistema de pistas de pouso e decolagem de um aeroporto consiste do pavimento estrutural (a pista propriamente dita), os acostamentos,

Leia mais

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo 1 05 Voo Horizontal, Voo Planado, Voo Ascendente Prof. Diego Pablo 2 Voo Horizontal Sustentação (L) Arrasto (D) Tração (T) L = W T = D Peso (W) 3 Voo Horizontal Alta velocidade Baixa velocidade L Maior

Leia mais

ANDAIMES. Andaimes e coberturas

ANDAIMES. Andaimes e coberturas uilt tbuild tbandaimes Andaimes e coberturas ANDAIMES Andaimes pré fabricados K-KZ 110 PE 120 SE 132 Andaimes multidirecional Tubo e Junto 144 Multidirecional MP 150 Plataforma de carga MP 162 Escada

Leia mais

1.2. Grandezas Fundamentais e Sistemas de Unidades

1.2. Grandezas Fundamentais e Sistemas de Unidades CAPÍTULO 1 Grandezas, Unidades e Dimensões 1.1. Medidas Uma grandeza física é uma propriedade de um corpo, ou particularidade de um fenómeno, susceptível de ser medida, i.e. à qual se pode atribuir um

Leia mais

NORMA TÉCNICA N. O 005/2008

NORMA TÉCNICA N. O 005/2008 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA N. O 005/2008 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA FORTALEZA CEARÁ FEVEREIRO/2008

Leia mais

Eficiência e flexibilidade de projeto

Eficiência e flexibilidade de projeto Comfort A Otis sabe que não se trata de qualquer projeto - é o seu projeto. Com o sistema Gen2, reexaminamos cada aspecto do elevador - desde o projeto e instalação até o completo funcionamento e a manutenção.

Leia mais

TESTES DE HABILIDADES TÉCNICAS: THT

TESTES DE HABILIDADES TÉCNICAS: THT TESTES DE HABILIDADES TÉCNICAS: THT OBJETIVO Analisar o nível de habilidade técnica de crianças escolares nas faixas etárias de 06 a 14 anos de idade; através dos procedimentos de avaliação específicos

Leia mais

PROTENSÃO AULA 2 PONTES DE CONCRETO ARMADO

PROTENSÃO AULA 2 PONTES DE CONCRETO ARMADO PROTENSÃO AULA 2 PONTES DE CONCRETO ARMADO PONTE - DEFINIÇÃO Construção destinada a estabelecer a continuidade de uma via de qualquer natureza. Nos casos mais comuns, e que serão tratados neste texto,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 02/2013 EXIGÊNCIAS DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE

Leia mais

Varandas SÉRIE VARANDAS. ed. 001

Varandas SÉRIE VARANDAS. ed. 001 Varandas SÉRIE VARANDAS VARANDAS SISTEMA DE VARANDAS VR - 01 Passamão Rectângular VR - 02 Passamão Redondo 60 66 53 40 VR - 03 Passamão Elíptico 86 VR - 05 Base 51 21 40 VR - 04 Passamão Elíptico C/ Entrada

Leia mais

uso externo Nº 2117 1

uso externo Nº 2117 1 Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 12 DESENHO 2 - CORPO DA CAIXA DISPOSITIVO PARA LACRE DE SEGURANÇA A B ROSCA M6 x 1 TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x 1,5 C TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x

Leia mais

BT 34. Boletim Técnico. Montagens. Destaques deste número. Dezembro / 2011. Revisão dos gráficos pressão de ensaio e segurança. Linha Master pag 8

BT 34. Boletim Técnico. Montagens. Destaques deste número. Dezembro / 2011. Revisão dos gráficos pressão de ensaio e segurança. Linha Master pag 8 Montagens BT 34 Boletim Técnico Dezembro / 2011 Destaques deste número inha Master pag 8 Revisão dos gráficos pressão de ensaio e segurança 1700 1500 1300 1100 Ínformações Gerais O Boletim Técnico é editado

Leia mais

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções.

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções. Manual de instruções. Esquadrias Metálicas Ltda. PORTA DE CORRER A Atimaky utiliza, na fabricação das janelas, aço galvanizado adquirido diretamente da Usina com tratamento de superfície de ultima geração

Leia mais

PORTÕES e GRADES. O portão de garagem tem, muitas vezes, de conjugar a vertente segurança com a vertente estética.

PORTÕES e GRADES. O portão de garagem tem, muitas vezes, de conjugar a vertente segurança com a vertente estética. PORTÕES e GRADES O portão de garagem tem, muitas vezes, de conjugar a vertente segurança com a vertente estética. De acordo com as necessidades e preferências pessoais, as opções são muitas e variadas.

Leia mais

Exemplos de lajes mistas

Exemplos de lajes mistas Lajes Mistas Exemplos de lajes mistas Exemplos de utilização de lajes mistas Estruturas novas Reabilitação de estruturas Edifícios comerciais Edifícios industriais Edifícios de escritórios Armazéns logísticos

Leia mais

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades:

Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: Plataformas Monta-Cargas Monta-Pratos Acessibilidades Segurança, Qualidade e Inovação para as suas necessidades: AFMO PO Capacidade: 100 kg a 10.000 kg. Velocidade: até 0,30 m/s. Curso Máximo: até 12 metros.

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA DE APROVAÇÃO DA NORMA TÉCNICA Nº 03/2015 - SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO PORTARIA N 09/2015 - CBMDF,

Leia mais

FEDERAÇÃO DE GINÁSTICA DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DE GINÁSTICA DE SANTA CATARINA 1 GENERALIDADES TORNEIO ESTADUAL DE GINÁSTICA RÍTMICA REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1.1 É aberta a participação no Torneio Estadual de Ginástica Rítmica a qualquer entidade filiada ou não à FGSC. 1.2 As inscrições

Leia mais

Aluguer. Visite o nosso novo website em: www.rentacesso.pt. Delegação no Porto Tel. 22 947 71 81 Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 N O R M A L

Aluguer. Visite o nosso novo website em: www.rentacesso.pt. Delegação no Porto Tel. 22 947 71 81 Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 N O R M A L Delegação no Porto Tel. 22 947 71 81 Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Aluguer N O R M A L I Z A D O S Visite o nosso novo website em: BASES SIMPLES / DUPLAS - ALUMÍNIO EN 1004 classe 3 EN 1298 DE

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS AS MELHORES MARCAS

LINHA DE PRODUTOS AS MELHORES MARCAS A MR SERVICE é uma empresa comprometida com a satisfação no atendimento do seu cliente, agregando produtos de qualidade com agilidade e eficiência na execução dos serviços. LINHA DE PRODUTOS Elevadores

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL. - projeto - LUIS ALBERTO CARVALHO 85-3244-3939 9982-4969. la99824969@yahoo.com.br

ALVENARIA ESTRUTURAL. - projeto - LUIS ALBERTO CARVALHO 85-3244-3939 9982-4969. la99824969@yahoo.com.br ALVENARIA ESTRUTURAL - projeto - Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br aspectos estruturais do PROJETO DE ARQUITETURA evitar-se, a todo custo, a arquitetura tipo caixão,

Leia mais

ELEVADORES PALESTRANTE : Engº Mecânico Ronaldo Chartuni BANDEIRA

ELEVADORES PALESTRANTE : Engº Mecânico Ronaldo Chartuni BANDEIRA ELEVADORES PALESTRANTE : Engº Mecânico Ronaldo Chartuni BANDEIRA VTC - EXEMPLOS DE SERVIÇOS CONSULTORIA CÁLCULO DE TRÁFEGO VILA OLÍMPICA - RJ EXEMPLOS DE SERVIÇOS - VTC GERENCIAMENTO CCBB - BH EXEMPLOS

Leia mais

Dependência 1ª série 2016. Conteúdo programático. 1- Cinemática. Cronograma de Avaliação

Dependência 1ª série 2016. Conteúdo programático. 1- Cinemática. Cronograma de Avaliação Dependência 1ª série 2016 Conteúdo programático 1- Cinemática 1.1 Movimento Uniforme 1.2 - Movimento Uniformemente Variado 1.3 Cinemática Vetorial 2 Dinâmica 2.1 Princípios Fundamentais da dinâmica 2.2

Leia mais

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador)

Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Anexo VI - Memorial Para Sistemas Mecânicos (Elevador) Nota: As especificações técnicas abaixo são um modelo a ser adaptado para cada caso. ELEVADOR ELÉTRICO AUTOMÁTICO PARA TRANSPORTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Serviços Preliminares

MEMORIAL DESCRITIVO. Serviços Preliminares MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial refere-se aos serviços a serem executados para construção de ponte mista, com longarinas em vigas metálicas perfil I bi-apoiadas, sendo as bases de apoio construídas

Leia mais

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH Nome: TODAS AS RESPOSTAS DEVERÃO SER JUSTIFICADAS Grupo 1 (7,5 valores) Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude

Leia mais

Projeto de Merchandising Salvador Trade Center

Projeto de Merchandising Salvador Trade Center Projeto de Merchandising Salvador Trade Center Ficha Técnica: Data de inauguração 19/12/2001 Fluxo de Pessoas/Dia 14.000/Dia Perfil dos Usuários: *Classe A/B 52,6% *Classe C 32,8% *Classe D 14,6% Área

Leia mais

Rodas Laminadas para Acabamento Rodas Laminadas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas para Acabamento Rodas Laminadas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas para Acabamento Rodas Laminadas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 6 Introdução: As Rodas Laminadas

Leia mais

GESTEC. Tecnologia da Construção de Edifícios Mestrado Integrado em Engenharia Civil. DECivil ESCORAMENTOS PARA CIMBRES AO SOLO CAP.

GESTEC. Tecnologia da Construção de Edifícios Mestrado Integrado em Engenharia Civil. DECivil ESCORAMENTOS PARA CIMBRES AO SOLO CAP. CAP.XVIII ESCORAMENTOS PARA CIMBRES AO SOLO 1/101 1. INTRODUÇÃO 2/101 1. INTRODUÇÃO ESCORAMENTO O CONJUNTO DE CONSTRUÇÕES PROVISÓRIAS, EM GERAL CONSTITUÍDAS POR PEÇAS ACOPLADAS E DEPOIS DESMONTÁVEIS, DESTINADAS

Leia mais

Portas seccionais de garagem

Portas seccionais de garagem Portas seccionais de garagem Dados de montagem: edição 01.07.2014 Índice Índice Página Modelo / Folha da porta 3 4 Modelo / Folha da porta 4 LTE 40, canelado S, Woodgrain 5 LTE 40, canelado M, Woodgrain

Leia mais

ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA SIMPLES Com Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca CONCEPÇÃO, TIPOS E CARACTERÍSTICAS

ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA SIMPLES Com Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca CONCEPÇÃO, TIPOS E CARACTERÍSTICAS B 206 ROLAMENTOS AXIAIS ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA SIMPLES Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca ROLAMENTOS AXIAIS DE ESFERAS DE ESCORA DUPLA Assento Plano, Assento Esférico ou Contraplaca

Leia mais

EVO900. FOGÕES 6/8 QUEIM. - Grelhas ferro fundido ZANUSSI COMPOSIÇÃO DA GAMA CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS E DE CONSTRUÇÃO

EVO900. FOGÕES 6/8 QUEIM. - Grelhas ferro fundido ZANUSSI COMPOSIÇÃO DA GAMA CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS E DE CONSTRUÇÃO COMPOSIÇÃO DA GAMA : uma série desenhada para garantir o mais alto nível de desempenho, fiabilidade, economia de energia, normas de segurança e utilização ergonómica. Estes conceitos são refletidos em

Leia mais

até 350 bar até 60 l/min Válvulas de retenção RVE

até 350 bar até 60 l/min Válvulas de retenção RVE até 350 bar até 60 l/min Válvulas de retenção RVE 1. DESCRIÇÃO 1.1. GENERALIDADES As válvulas de retenção HYDAC tipo RVE pertencem ao grupo de válvulas de bloqueio. São unidades conforme DIN-ISO 1219,

Leia mais

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim NBR 13103:2011 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos Eng Luiz Felipe Amorim Concentração de CO x tempo de aspiração Objetivos da Norma Aplicação da Norma Projetista x Norma Condições

Leia mais

Notícias PHD Barras de Apoio / PHD News Bath Seat

Notícias PHD Barras de Apoio / PHD News Bath Seat Notícias PHD Barras de Apoio / PHD News Bath Seat Este é o artigo para atender a Norma 9050/2004 A - 700mm B - 450mm C - 70mm Banco Articulado para Banho Articulated Seat for Bath A - 450mm B - 450mm C

Leia mais

À PROVA DE EXPLOSÃO INVÓLUCROS CAIXAS DE LIGAÇÃO

À PROVA DE EXPLOSÃO INVÓLUCROS CAIXAS DE LIGAÇÃO Esta linha de produtos é projetada para suportar as pressões resultantes de uma explosão interna no sistema instalado, proveniente da ignição de gases infl amáveis, de forma a evitar a ignição da mistura

Leia mais