PLANO DE AULA. Atividade extraclasse. Aulas práticas. Básica:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AULA. Atividade extraclasse. Aulas práticas. Básica:"

Transcrição

1 PLANO DE AULA Disciplina: Ortopedia, Traumatologia e Reumatologia Professor(a): Prof. Msd. Marcus Vinicius Gonçalves Torres Azevedo Curso: Fisioterapia Semestre/Ano 3 / 2010 Turma: Atividades temáticas Estratégias/bibliografia Semana Aulas teóricas Apresentação da disciplina 1 2 Aulas práticas Atividade extraclasse Avaliação clínica ortopédica - Aspectos Gerais da avaliação (Anamnese, Queixa Principal, Hipótese Diagnóstica, Exame Físico Completo, Exames es, Objetivos e Condutas de tratamento). Avaliação clínica ortopédica - Aspectos Gerais da avaliação (Anamnese, Queixa Principal, Hipótese Diagnóstica, Exame Físico Completo, Exames es, Objetivos e Condutas de tratamento). - Hérnias Discais - Mecanismo de Lesão das hérnias discais - Quadro clínico das hérnias discais - Prognóstico e tratamento para as hérnias discais Aula prática Kapanji, I. A. Fisiologia articular. 5º ed.; Ed. Manole- 3 volumes. - Peterson L., Renstrom P.; Lesões do esporte Prevenção e tratamento 3º edição. Ed. Manole

2 Osteoartrose da Coluna Vertebral - Características da osteoartrose vertebral - Quadro clínico da Osteartrose vertebral - Tratamento da Osteoartrose vertebral Deformidades Vertebrais ( Espondilólise- Espondilolistese) - Características das deformidades - Quadro clínico das deformidades - Incidência populacional Tratamento cirúrgico e conservador Deformidades Vertebrais ( Escolioses e Cifose) - Características das deformidades - Quadro clínico das deformidades - Incidência populacional - Tratamento cirúrgico e conservador

3 Lesões Traumáticas da Coluna Vertebral (Fraturas de cervical,fraturas Torácicas e lombares) - Tipos de Fraturas Vertebrais - Comprometimento das fraturas vertebrais - Tratamento das fraturas vertebrais Semana de provas Bimestrais Trabalho de Corpo Discente Tema: Síndrome do impacto tratamento Ortopédico Fibromialgia - Características da Fibromialgia - Aspectos Gerais da Fibromialgia Tratamento conservador das Fibromialgia Patologias da Cintura Escapular ( Lesões do Manguito Rotador) - Aspectos Biomecânicos das Patologias - Quadro Clínico e Sintomatológico - Prognóstico evolutivo das Patologias Programas de tratamento adotados práticas. 2º e 3º ed.; Ed. Artmed

4 Patologias da Cintura Escapular ( Lesões da Acrômio clavicular) - Aspectos Biomecânicos das Patologias - Quadro Clínico e Sintomatológico - Prognóstico evolutivo das Patologias Programas de tratamento adotados Patologias da Cintura escapular ( Instabilidades da Gleno-umeral ) - Tipos de Instabilidades e lesões associadas - Quadro Clínico das instabildades - Aspectos Biomecânicos das Instabilidades - Tratamento Cirúrgico das Instabilidades Patologias da Cintura escapular (Capsulite Adesiva e Osteoartrose Glenoumeral) - Características da Capsulite Adesiva - Quadro evolutivo da Capsulíte Adesiva - Tratamento conservador da Capsulite Adesiva - Características Mecânicas da Osteartrose - Quadro Clínico das Osteartroses Glenoumerais Tratamento das Osteartroses Glenoumerais Fraturas da Cintura Escapular - Características Mecânicas das Fraturas

5 - Classificação das Fraturas da cintura escapular - Quadro Clínico das Fraturas da cintura escapular - Tratamento das fraturas da cintura escapular Fraturas do Cotovelo - Características Mecânicas das Fraturas - Classificação das Fraturas do - Quadro Clínico das Fraturas do - Tratamento das fraturas do Patologias de partes moles do (Síndromes Compressivas do Cotovelo) - Biomecânica das Lesões de - Causas das Lesões Compressivas - Tipos de Lesões do Cotovelo - Quadro clínico específico de cada patologia - Tratamento das Lesões de - Tratamento das Lesões compressivas do Patologias de partes moles do (epicondilite Lateral e medial) - Biomecânica das Lesões de - Causas das Lesões Compressivas - Tipos de Lesões do Cotovelo - Quadro clínico específico de cada patologia

6 - Tratamento das Lesões de Trabalho de Corpo Discente Tema Fraturas de Quadril Tratamento Ortopédico Aula: Cirurgia de MMSS: Tipos de Fios Parafusos Vias e Acesso Lesões traumáticas(fraturas) do Punho e Antebraço - Mecânica das fraturas de Punho e Mão - Classificação das fraturas de Punho e Mão - Principais fraturas de Punho e Mão - Tratamento conservador das Fraturas de Punho e Mão - Tratamento cirúrgico das fraturas de Punho e Mão Lesões traumática Fratura dos óssos do carpo e Falanges - Mecânica das fraturas de Punho e Mão - Classificação das fraturas de Punho e Mão - Principais fraturas de Punho e Mão - Tratamento conservador das Fraturas de Punho e Mão - Tratamento cirúrgico das fraturas de Punho e Mão (Fraturas Torácicas e lombares) São Paulo- SP

7 Síndromes Compressivas do Punho Lesão de Tendão flexor - Classificação das Síndromes compressivas de Punho - Tipos de compressão a nível do punho - Classificação das Lesões de Tendão flexor - Tratamento Conservador e Cirúrgico das Síndromes compressivas - Tratamento Cirúrgico das lesões tendinosas Síndromes Compressivas do Punho Lesão de Tendão extensor - Classificação das Lesões de Tendão extensor - Tratamento Conservador e Cirúrgico das Síndromes compressivas - Tratamento Cirúrgico das lesões tendinosas Patologias ortopédicas infantis ( L.C.Q.- Epifisiólise) - Características Gerais das patologias - Quadro clínico das Patologias - Classificação das patologias (LCQ- Epifisiólise) - Tratamento cirúrgico e Tratamento conservador Patologias ortopédicas infantis (Calvé-Legg- Perthes- Artrogripose) - Características Gerais das patologias - Quadro clínico das Patologias

8 - Classificação das patologias - Tratamento cirúrgico e Tratamento conservador Propedêutica Ortopédica MMSS Testes especiais para MMSS Patologias traumáticas do quadril (Fraturas) - Mecanismos de distribuição de forças no quadril - Mecanismos de fraturas proximais do quadril - Quadro clínico das fraturas do quadril - Fraturas e lesões associadas do quadril - Tratamento cirúrgico das fraturas do quadril Osteoartrose de quadril- Próteses de quadril - Forças degenerativas do quadril - Quadro clínico das osteoartroses do quadril - Tipos de Próteses do quadril - Mecanismo de carga nas Próteses de quadril - Complicações das Prótese de quadril

9 Propedêutica Ortopédica Testes especiais para Tronco e Quadril Patologias traumáticas do joelho (Fraturas) - Classificação das Fraturas de Joelho - Tratamento das fraturas de Joelho Cirúrgico e conservador Osteoartrose de joelho- Prótese total de Joelho. Forças (cargas) degenerativas do joelho - Deformidades rotacionais do Joelho - Osteoartrose de Joelho - Quadro clínico das Osteoartroses de Joelho - Tratamento das Osteoartroses de Joelho - Tipos de Próteses de Joelho - Características das Próteses de Joelho - Complicações das Próteses de Joelho Lesões ligamentares do Joelho- Lesões Meniscais do Joelho- Lesões Fêmoro Patelares Aula prática com utilização de maca e II. Ed. Manole,

10 - Biomecânica do Joelho - Mecanismo de Lesões Ligamentares do Joelho - Lesões do compartimento medial do Joelho - Lesões do compartimento lateral do Joelho - Lesões meniscais do joelho - Tratamento cirúrgico e conservador das lesões do Joelho - Prática de semiologia de Joelho Traumáticas do tornozelo (Fraturas) Lesões ligamentares do Tornozelo - Tipos de fraturas do Tornozelo - Classificação das fraturas de tornozelo - Quadro clínico das fraturas do tornozelo - Tratamento das fraturas do tornozelo - Lesões do compartimento lateral do tornozelo - Lesões do compartimento medial do tornozelo - Tratemento cirúrgico e conservador das lesões compartimentais do tornozelo - Prática de semiologia de tornozelo Alterações reumáticas sistêmicas ( A R J- Lúpus Eritematoso- Gota) - Características das Doenças Reumáticas - Quadro clínico geral - Incidência populacional - Tratamento conservador e cirúrgico Propedêutica Ortopédica MMII Testes especiais para lesões de MMII Aula prática com uso de maca

11 Fraturas por strees - Fisiopatologia - Quadro Clínico geral - Características clínica Tratamento cirúrgico e conservador 36 2 Sub-total: Horaaula Horas Total de horas integralizadas: 72

Definição: É a Quebra Estrutural da Continuidade Óssea, ou seja, é uma Solução de Continuidade no Tecido Ósseo.

Definição: É a Quebra Estrutural da Continuidade Óssea, ou seja, é uma Solução de Continuidade no Tecido Ósseo. André Montillo UVA Definição: É a Quebra Estrutural da Continuidade Óssea, ou seja, é uma Solução de Continuidade no Tecido Ósseo. Etiologia: Trauma Forças Físicas: Atuam no osso para produzir uma Fratura

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor 2016 Equipe de Controle de Dor da Divisão de Anestesia ICHC- FMUSP

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor 2016 Equipe de Controle de Dor da Divisão de Anestesia ICHC- FMUSP Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da Dor 2016 Equipe de Controle de Dor da Divisão de Anestesia ICHC- FMUSP Lombalgia Mario Augusto Taricco Lombalgia Conceito dor na região

Leia mais

Patologias dos membros superiores

Patologias dos membros superiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros superiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do ombro Doenças do cotovelo Doenças do punho e da mão Introdução Doenças

Leia mais

DISCIPLINAS DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 4º Ano Grupo B 1º Rodízio Bloco III 2013

DISCIPLINAS DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 4º Ano Grupo B 1º Rodízio Bloco III 2013 DISCIPLINAS DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 4º Ano Grupo B 1º Rodízio Bloco III 2013 Coordenador da Disciplina: Prof. Dr. Eduardo Sadao Yonamine Coordenadora Anatomia Patológica II: Dra. Geanete Pozzan Carga

Leia mais

ÓRTESES. Prof. Thiago Yukio Fukuda Profa. Alessandra Palazzin. Órtese: deriva da palavra grega orthósis, significa tornar correto

ÓRTESES. Prof. Thiago Yukio Fukuda Profa. Alessandra Palazzin. Órtese: deriva da palavra grega orthósis, significa tornar correto ÓRTESES Prof. Thiago Yukio Fukuda Profa. Alessandra Palazzin Definições Órtese: deriva da palavra grega orthósis, significa tornar correto Órtese é todo dispositivo destinado a sustentar todo ou parte

Leia mais

Artrose do Ombro ou Artrose Gleno Umeral

Artrose do Ombro ou Artrose Gleno Umeral Artrose do Ombro ou Artrose Gleno Umeral Artrose é o termo genérico usado para relatar o desgaste da cartilagem que recobre uma articulação. Diferentemente de outras articulações como joelho e quadril,

Leia mais

A R E M G PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 2014

A R E M G PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 2014 A R E M G PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 2014 PRÉ-REQUISITO ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 10 DE NOVEMBRO DE 2013 DETERMINAÇÕES 1. NÃO ABRA O CADERNO DE PROVA SEM AUTORIZAÇÃO. 2. Este teste consta de 30 questões

Leia mais

Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Fraturas em crianças Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Fise Tipos de ossificação - intramenbranosa, endocondral Tipos de fratura - descolamento

Leia mais

S UMÁRIO 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS TRAUMATOLOGIA CONSIDERAÇÕES GERAIS PREFÁCIOS...

S UMÁRIO 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS TRAUMATOLOGIA CONSIDERAÇÕES GERAIS PREFÁCIOS... S UMÁRIO PREFÁCIOS... 1-3 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 1.1 INTRODUÇÃO... 6 1.2 ANAMNESE... 8 1.2.1 DOR... 8 1.2.2 DEFORMIDADE... 10 1.2.3 IMPOTÊNCIA FUNCIONAL...

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

EVOLUÇÃO CLÍNICA FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTE COM CAPSULITE ADESIVA DE OMBRO.

EVOLUÇÃO CLÍNICA FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTE COM CAPSULITE ADESIVA DE OMBRO. EVOLUÇÃO CLÍNICA FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTE COM CAPSULITE ADESIVA DE OMBRO. Jordano Leite Cavalcante de Macedo* NOVAFAPI Karla Cristina Fianco* NOVAFAPI Klaus Avelino Santos e Silva* NOVAFAPI Ana Vannise

Leia mais

PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERV. DE REUMATOLOGIA

PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERV. DE REUMATOLOGIA PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERV. DE REUMATOLOGIA PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III PROGRAMA DE ENSINO TEÓRICO E PRÁTICO - MÓDULO VII ORTOPEDIA REUMATOLOGIA

Leia mais

Mielomeningocele. Mielomeningocele. Incidência. Etiologia. Profa. Andréa Cristina de Lima. As causas da mielomeningocele são multifatoriais incluindo:

Mielomeningocele. Mielomeningocele. Incidência. Etiologia. Profa. Andréa Cristina de Lima. As causas da mielomeningocele são multifatoriais incluindo: Mielomeningocele Mielomeningocele Devido a falha do fechamento do tubo neural entre a 3 a e 4 a semana de desenvolvimento intra-útero; A medula espinhal e as meninges ficam contidas na bolsa cística; O

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento x CBO Competencia: 03/2016 Filtros Utilizados Competencia:

Leia mais

Curso de Fisioterapia e Osteopatia nas Lesões Desportivas

Curso de Fisioterapia e Osteopatia nas Lesões Desportivas Curso de Fisioterapia e Osteopatia nas Lesões Desportivas www.cursosdesaude.com Conteúdo Programático Membros Inferiores - Anatomia, biomecânica e fisiopatologia; - Entorse do tornozelo (inversão e eversão);

Leia mais

Retificação Edital 08/2013. Anexo I

Retificação Edital 08/2013. Anexo I Retificação Edital 08/2013 Anexo I Monitoria Remunerada CURSO: Fisioterapia DISCIPLINA VAGAS HORÁRIO CARGA HORÁRIA SEMANAL REQUISITOS ESPECÍFICOS PROGRAMA DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA Fisioterapia em

Leia mais

BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO

BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO O pé é considerado como uma das mais importantes articulações do corpo, pois além de possuir importantes funções no suporte de peso e na marcha, ele é causa de várias patologias,

Leia mais

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE)

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) DESCRIÇÃO: Aulas interativas ao vivo pela internet. Participe ao vivo, respondendo as enquetes e enviando suas perguntas. Vale pontos para a Revalidação

Leia mais

EXAME DO PUNHO E DA MÃO

EXAME DO PUNHO E DA MÃO EXAME DO PUNHO E DA MÃO INTRODUÇÃO Mão e punho constituem as partes mais ativas da extremidade superior 28 ossos, numerosas articulações, 19 músculos intrínsecos e 20 músculos extrínsecos Mão atua como

Leia mais

Fraturas Osteocondrais. Dr. Paulo Rockett

Fraturas Osteocondrais. Dr. Paulo Rockett Fraturas Osteocondrais Dr. Paulo Rockett Freqüentes 80% das lesões do LCA apresentam lesões condrais ou osteocondrais Atingem a estrutura mais importante da articulação: CARTILAGEM Geralmente são negligenciadas

Leia mais

FRANCISCO FERREIRA. Universo. Saude. Desvios Posturais

FRANCISCO FERREIRA. Universo. Saude. Desvios Posturais FRANCISCO FERREIRA Saude Universo Desvios Posturais DESVIOS POSTURAIS E ATIVIDADE FÍSICA Muito se fala em desvios posturais, mas você sabe do que se trata realmente? A coluna vertebral é dividida em região

Leia mais

Artrose na coluna vertebral

Artrose na coluna vertebral 3º Curso CREMERJ / SBOT-RJ Problemas Ortopédicos Comuns no Consultório Artrose na coluna vertebral Flavio Cavallari 19 de julho de 2008 ARTROSE DA COLUNA VERTEBRAL Alterações degenerativas relacionadas

Leia mais

Actimove Feel good. Move better.

Actimove Feel good. Move better. Feel good. Move better. THERAPIES. HAND IN HAND. Confie em para seguir adiante Sinta-se bem Mova-se melhor 2 Physiopack Physiopack... 5 Cervical... 6 Clavicula... 7 Gilchrist... 8 Sling... 9 Abdominal

Leia mais

Dor Lombar. Fernando Buffon. 3500 ac relatos do dores lombares e deformidades. no tratamento da dor. Teoria evolucionária

Dor Lombar. Fernando Buffon. 3500 ac relatos do dores lombares e deformidades. no tratamento da dor. Teoria evolucionária Dor Lombar Fernando Buffon História 3500 ac relatos do dores lombares e deformidades. 460-370 ac Hipócrates: Manipulações e trações no tratamento da dor. Teoria evolucionária 1 Dor Lombar Sem comprometimento

Leia mais

Fraturas Pro r f Mo M isé s s é Me M n e d n e d s e

Fraturas Pro r f Mo M isé s s é Me M n e d n e d s e Fraturas Prof Moisés Mendes Fraturas - definição CONCEITO Corresponde a divisão brusca e violenta de um osso ou cartilagem. A incidência é maior no sexo masculino, devido a uma exposição maior aos traumas,

Leia mais

Nome da Disciplina: Carga Horária: Período:

Nome da Disciplina: Carga Horária: Período: 1 FACULDADES INTEGRADAS DA PLANO DE ENSINO CURSO DE ODONTOLOGIA (para alunos ingressantes a partir do 1º semestre letivo de 2006) Nome da Disciplina: Carga Horária: Período: ENDODONTIA I 72 H 4º Ementa

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

CINESIOLOGIA Planos, Eixos e Movimentos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA Planos, Eixos e Movimentos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA Planos, Eixos e Movimentos Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Planos Referenciais LOCALIZAÇÃO DIVIDE O CORPO EM PLANO SAGITAL (plano mediano) Verticalmente, da frente para trás; paralelo

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

Raio X: Radiografia Simples Descoberto em 8 de Novembro de 1895 Físico alemão Wilhelm Konrad Roentgen Radiação emitida pelo tubo de raios catódicos:

Raio X: Radiografia Simples Descoberto em 8 de Novembro de 1895 Físico alemão Wilhelm Konrad Roentgen Radiação emitida pelo tubo de raios catódicos: Prof André Montillo Raio X: Radiografia Simples Descoberto em 8 de Novembro de 1895 Físico alemão Wilhelm Konrad Roentgen Radiação emitida pelo tubo de raios catódicos: Ampola Os raios catódios emitidos

Leia mais

A brincadeira continua.

A brincadeira continua. A brincadeira continua. Produtos especialmente concebidos para crianças. medi. I feel better. medi ortopedia A solução de qualidade para os seus requisitos em termos de suportes e ortóteses especialmente

Leia mais

20103328 Lesão nervosa periférica afetando um nervo com alterações sensitivas e/ou motoras SIM PR

20103328 Lesão nervosa periférica afetando um nervo com alterações sensitivas e/ou motoras SIM PR PR VM PRF TA L - LEGENDA Consta no ROL / Consta na TUSS / valores tabela antiga com correções Não consta no ROL / Consta na TUSS / valores tabela antiga com correções Consta no ROL / Consta na TUSS / valores

Leia mais

- MÉTODO KABAT - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA

- MÉTODO KABAT - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA - MÉTODO KABAT - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA 1 KABAT BASES DO MÉTODO KABAT 1. Padrão de Facilitação -Movimentos nas diagonais (cabeça, MMSS/MMII, cintura escapular, cintura pélvica); -Movimento

Leia mais

Exame Físico Ortopédico

Exame Físico Ortopédico TAKE HOME MESSAGES! Exame Físico Ortopédico ANAMNESE REALIZAR UMA HISTÓRIA CLÍNICA DETALHADA, LEMBRANDO QUE DETALHES DA IDENTIFICAÇÃO COMO SEXO, IDADE E PROFISSÃO SÃO FUNDAMENTAIS, POIS MUITAS DOENÇAS

Leia mais

Nesse caso, responda aos itens a seguir:

Nesse caso, responda aos itens a seguir: 01 Uma mulher de 39 anos de idade, obesa mórbida, foi submetida à gastroplastia redutora. Evoluiu, no pós-operatório imediato, com dor abdominal intensa, hipotensão arterial, queda da saturação de oxigênio

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior

ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior Forma a porção ventral da cintura escapular. Osso longo com formato de S itálico alongado, situado quase que horizontalmente logo acima da primeira costela.

Leia mais

Área II: FISIOTERAPIA EM ORTOPEDIA, TRAUMATOLOGIA E REUMATOLOGIA

Área II: FISIOTERAPIA EM ORTOPEDIA, TRAUMATOLOGIA E REUMATOLOGIA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS, PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DE PROFESSOR DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA. Área II: FISIOTERAPIA EM ORTOPEDIA, TRAUMATOLOGIA E

Leia mais

Curso: Fisioterapia Professor: José Gláucio Disciplina: Ortopedia e Traumatologia Carga Horária: 72h. Ano: 2015 Semestre: 6º PROGRAMA DE CURSO

Curso: Fisioterapia Professor: José Gláucio Disciplina: Ortopedia e Traumatologia Carga Horária: 72h. Ano: 2015 Semestre: 6º PROGRAMA DE CURSO Curso: Fisioterapia Professor: José Gláucio Disciplina: Ortopedia e Traumatologia Carga Horária: 72h. Ano: 2015 Semestre: 6º PROGRAMA DE CURSO EMENTA: Semiologia, propedêutica e terapêutica fisioterápica

Leia mais

DOENÇAS OSTEOARTICULARES NA PRÁTICA CLÍNICA

DOENÇAS OSTEOARTICULARES NA PRÁTICA CLÍNICA DOENÇAS OSTEOARTICULARES NA PRÁTICA CLÍNICA Tópicos de Intervenção em Cuidados de Saúde Primários DOENÇAS OSTEOARTICULARES NA PRÁTICA CLÍNICA Tópicos de intervenção em Cuidados de Saúde Primários 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Pelve masculina e feminina. Observar as diferenças anatômicas

Pelve masculina e feminina. Observar as diferenças anatômicas Membros inferiores Pelve Pelve masculina e feminina Observar as diferenças anatômicas Estar atento as diferenças anatômicas Teste F F ou M?? Protocolo de proteção Incidências 1- AP de pelve: Perna afetada

Leia mais

FISIOTERAPIA Prevenção de Lesões

FISIOTERAPIA Prevenção de Lesões FISIOTERAPIA Prevenção de Lesões Fisioterapeuta Vinícius Santos Mestrando em Ciências da Reabilitação Especialista em Músculoesquelética Especialista em Esporte - SONAFE FISIOTERAPIA Prevenção de Lesões

Leia mais

ROGéRIO PEREIRA Rogério Pereira é Fisioterapeuta e docente universitário.

ROGéRIO PEREIRA Rogério Pereira é Fisioterapeuta e docente universitário. PREVENçãO DE LESõES E MELHORIA DA PERFORMANCE (NOV 2016) PORTO Os profissionais de saúde e desporto devem ter conhecimentos sólidos no âmbito da prevenção de lesões, recuperação e otimização do desempenho.

Leia mais

ORTESES PARA PARAPLEGIA E TRASTORNOS DO QUADRIL P R O F : A L A N D E S O U Z A A R A Ú J O

ORTESES PARA PARAPLEGIA E TRASTORNOS DO QUADRIL P R O F : A L A N D E S O U Z A A R A Ú J O ORTESES PARA PARAPLEGIA E TRASTORNOS DO QUADRIL P R O F : A L A N D E S O U Z A A R A Ú J O INTRODUÇÃO O retorno a caminhada é o objetivo principal tanto de pacientes quanto de fisioterapeutas. Várias

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Bassan Franco, Jose; Lucheta, Paulo Adolfo; dos Santos Teixeira, Leandro Projeto

Leia mais

ÓRTESE LOMBOSSACRAL. Pil Sun Choi ]

ÓRTESE LOMBOSSACRAL. Pil Sun Choi ] 1 ÓRTESE LOMBOSSACRAL Pil Sun Choi ] Muitas doenças clínicas, traumáticas e condições pósoperatórias da coluna lombossacral são tratadas com órteses lombossacral. HISTÓRIA: Existem relatos na literatura

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ROMA ESPORTE APUCARANA / APUCARANA-PR

PREVALÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ROMA ESPORTE APUCARANA / APUCARANA-PR PREVALÊNCIA DE LESÕES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ROMA ESPORTE APUCARANA / APUCARANA-PR LEITE, M.T.; ANDOLFATO, K.R. Resumo: O Futebol é uma das modalidades esportivas mais populares do mundo. Ocorrem muitas

Leia mais

Cinesiologia 19/4/2011. Classificação planar da posição e dos movimentos. Cinemática: Ciência do movimento dos corpos no espaço. Prof.

Cinesiologia 19/4/2011. Classificação planar da posição e dos movimentos. Cinemática: Ciência do movimento dos corpos no espaço. Prof. Cinesiologia Classificação planar da posição e dos movimentos Prof. Cláudio Manoel Cinemática: Ciência do movimento dos corpos no espaço Movimento de único ponto (C.G.) Posição de uma única articulação

Leia mais

TRIGGER POINTS (MAI 2017) - PORTO

TRIGGER POINTS (MAI 2017) - PORTO TRIGGER POINTS (MAI 2017) - PORTO O curso de Trigger Points expressa uma abordagem diferenciada na sindrome de dor miofascial orientada para a prática clínica. Engloba uma avaliação sistemática e identificação

Leia mais

Ossos Longos Diáfise Epífise Metáfise

Ossos Longos Diáfise Epífise Metáfise Fraturas diafisárias, metafisárias e epifisárias Edson Átila Islândia Cardoso Rebeca Veloso Kárita Pessoa Laís Coelho Luciane Santos Ossos Longos Diáfise Epífise Metáfise FRATURAS DIAFISÁRIAS FRATURAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Semiologia Geral ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Generalidades sobre diagnóstico e avaliação AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA EM II - Avaliação da coluna (postura) -

Leia mais

TRIGGER POINTS (NOV 2017) - PORTO

TRIGGER POINTS (NOV 2017) - PORTO TRIGGER POINTS (NOV 2017) - PORTO O curso de Trigger Points expressa uma abordagem diferenciada na sindrome de dor miofascial orientada para a prática clínica. Engloba uma avaliação sistemática e identificação

Leia mais

Capítulo. 11 Imobilização de fraturas. Conceitos Gerais de. Capítulo 11 Conceitos gerais de imobilização de fraturas 1. OBJETIVOS

Capítulo. 11 Imobilização de fraturas. Conceitos Gerais de. Capítulo 11 Conceitos gerais de imobilização de fraturas 1. OBJETIVOS Capítulo Conceitos Gerais de 11 Imobilização de fraturas 1. OBJETIVOS No final desta unidade modular formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as técnicas gerais e imobilização dos membros superiores

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

COLUNA LOMBAR 24/03/15 ANATOMIA VERTEBRAL

COLUNA LOMBAR 24/03/15 ANATOMIA VERTEBRAL ANATOMIA VERTEBRAL - Corpo: maior e mais largo (distribuição de cargas) - Apófise Espinhosa: mais espessa, retangular e horizontal - Facetas articulares: mais perpendiculares e posteriores FNC 1 ORIENTAÇÃO

Leia mais

Acessos cirúrgicos aos ossos e articulações dos membros

Acessos cirúrgicos aos ossos e articulações dos membros Universidade Paulista UNIP Medicina Veterinária Anatomia Topográfica Aplicada São José dos Campos, 10 de maio de 2012 Acessos cirúrgicos aos ossos e articulações dos membros Membro Torácico Corpo da escápula

Leia mais

ANDREY ROGÉRIO CAMPOS GOLIAS 1 JORGE LUIZ GRABOWSKI 1 ELOISA ORNELLAS 2

ANDREY ROGÉRIO CAMPOS GOLIAS 1 JORGE LUIZ GRABOWSKI 1 ELOISA ORNELLAS 2 ARTIGO INÉDITO Perfil epidemiológico do setor de Ortopedia e Traumatologia da Clínica Escola de Fisioterapia da Uningá do período de fevereiro a junho de 2007 Epidemiological profile of Orthopedics and

Leia mais

Músculos da Perna. Músculos da Perna. Músculos. Membros Inferiores. Músculos da Perna. Regiões. Perna e Pé. Tibial Anterior. Divisão.

Músculos da Perna. Músculos da Perna. Músculos. Membros Inferiores. Músculos da Perna. Regiões. Perna e Pé. Tibial Anterior. Divisão. Regiões Músculos dos Membros Inferiores Perna e Pé Marcelo Marques Soares Prof. Didi Região Anterior Região Lateral Região Posterior Superficial Região Posterior Profunda Músculos da Perna Região Anterior

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR: C/H Sem. TOTAL 23 360 100 460 - C/H Sem. 09 Anatomia Humana II 4 40 40 80 Anatomia Humana I

MATRIZ CURRICULAR: C/H Sem. TOTAL 23 360 100 460 - C/H Sem. 09 Anatomia Humana II 4 40 40 80 Anatomia Humana I MATRIZ CURRICULAR: Nº DISCIPLINA - 1 SEMESTRE 01. Anatomia Humana I 4 40 40 80 Não 02. Fundamentos Antropológicos 2 40-40 Não 03. Fundamentos de Biologia Celular e Genética 4 60 20 80 Não 04. Bioquímica

Leia mais

Rua Dr. Cesário Motta Jr., 61- CEP: 01221-020 - São Paulo - SP. Telefone: (55 11) 3367-7700

Rua Dr. Cesário Motta Jr., 61- CEP: 01221-020 - São Paulo - SP. Telefone: (55 11) 3367-7700 DISCIPLINA DE SISTEMA RESPIRATÓRIO e ANATOMIA PATOLÓGICA I Departamento de Clínica Médica da FCMSCSP Departamento de Ciências Patológicas da FCMSCSP 3º ANO/2012 1º RODÍZIO- GRUPO B Coordenador da Disciplina

Leia mais

A REGULAGEM DO SELIM NO CICLISMO

A REGULAGEM DO SELIM NO CICLISMO A REGULAGEM DO SELIM NO CICLISMO Fábio Nunes Ramos* Michael William Lima dos Santos* Francisco José Andriotti Prada** RESUMO A pedalada é o ponto de partida para o estudo da biomecânica do ciclismo, por

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

Lesões osteoarticulares e a prática desportiva em atletas jovens. Osteoarticular lesions and sport practice in young athletes

Lesões osteoarticulares e a prática desportiva em atletas jovens. Osteoarticular lesions and sport practice in young athletes Lesões osteoarticulares e prática desportiva Lesões osteoarticulares e a prática desportiva em atletas jovens Gustavo Velloso* Weldson Muniz** Luciano Barbosa*** RESUMO - Um dos principais objetivos da

Leia mais

Palavras-chave: Membro superior. Articulação do ombro. Anatomia. Clínica. Fisioterapia. Educação Física. RESUMO

Palavras-chave: Membro superior. Articulação do ombro. Anatomia. Clínica. Fisioterapia. Educação Física. RESUMO 16 ASPECTO ANATÔMICO E CLÍNICO DA ARTICULAÇÃO DO OMBRO PARA ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA E EDUCAÇÃO FÍSICA Ronald de M. S. Rega* Margareth Costa-Neves** Claudio de C. Piffer*** RESUMO O membro superior é

Leia mais

As escolioses estruturais podem ser idiopáticas, osteopáticas, neuropáticas ou miopáticas.

As escolioses estruturais podem ser idiopáticas, osteopáticas, neuropáticas ou miopáticas. O COLETE DE MILWAUKEE COMO TRATAMENTO PARA A ESCOLIOSE IDIOPÁTICA * Danielle Ferreira * Giselle Mazzoni * Juliana Carvalho * Lauren Alvarenga * Mayra Tostes * Antonio Vital Sampol ** RESUMO O presente

Leia mais

Apostila didática / Complexo articular do Ombro Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 22

Apostila didática / Complexo articular do Ombro Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 22 Apostila didática / Complexo articular do Ombro Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 22 Bibliografia CALAIS, G. B. Anatomia para o movimento. Ed. Manole São Paulo: 1991 vol1. KAPANDJI, I. A. Fisiologia

Leia mais

ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL EM FISIOTERAPIA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PARA O ANO DE 2014

ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL EM FISIOTERAPIA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PARA O ANO DE 2014 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL EM FISIOTERAPIA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PARA O ANO DE 2014 1 O Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé (UNIFEG), torna

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia Código: Fisio 221 Pré-Requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTADO DA ARTE EM DOENÇA DEGENERATIVA

Leia mais

1º. Período Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira

1º. Período Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 1º. Período Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 7:30 Saúde coletiva Prof. Ana Claudia Souza Saúde coletiva Prof. Ana Claudia Souza Biofísica Prof. Sauli Sala 3 (Central de aulas

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO APLICADO AO MÉTODO PILATES

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO APLICADO AO MÉTODO PILATES PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO APLICADO AO MÉTODO PILATES Formado em Fisioterapia pela Universidade Tiradentes UNIT - Aracaju, Se 2012 Especialista em Ortopedia e Traumatologia pela Universidade

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia Ortopedia e Traumatologia. Titulação: Especialista em Terapia Manual e Postural, CESUMAR/ PR PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia Ortopedia e Traumatologia. Titulação: Especialista em Terapia Manual e Postural, CESUMAR/ PR PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia Ortopedia e Traumatologia Código: Fisio 213 Pré-Requisito: -------

Leia mais

ROTEIRO CURSO DE LESÕES DO ESPORTE NA ATIVIDADE FÍSICA COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL 25/02/2016

ROTEIRO CURSO DE LESÕES DO ESPORTE NA ATIVIDADE FÍSICA COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL 25/02/2016 Jonas Wecker - Marcelo Marques Soares Douglas Lenz Prof. Didi CURSO DE LESÕES DO ESPORTE NA ATIVIDADE FÍSICA A coluna vertebral é constituída por 24 vértebras + sacro + cóccix. Estende-se do crânio até

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

Órteses para o Tronco e Coluna Cervical. Prof: Alan de Souza Araújo

Órteses para o Tronco e Coluna Cervical. Prof: Alan de Souza Araújo Órteses para o Tronco e Coluna Cervical Prof: Alan de Souza Araújo INTRODUÇÃO As órteses na coluna são utilizadas com o objetivo de estabilizar ou imobilizar, diminuir a dor estabilizando para que a dor

Leia mais

DEDOS ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA

DEDOS ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA DEDOS HÁLUX ADUZIDO HÁLUX HÁLUX ADUZIDO HÁLUX ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA Tornozelo: Observa-se a posição relativa dos maléolos tibial e fibular e a relação destes dois acidentes ósseos em conjunto com

Leia mais

Lesões Músculo-Esqueléticas Ligadas ao Trabalho:

Lesões Músculo-Esqueléticas Ligadas ao Trabalho: Prevenção de Riscos Profissionais: preservar o passado, proteger o futuro CNPCRP, 27/04/2011 Lesões Músculo-Esqueléticas Ligadas ao Trabalho: a necessidade de uma cultura de prevenção, 2011 Quadro teórico

Leia mais

Patologias, Planos de Tratamento e Reabilitação. Técnicas cirúrgicas, Tratamento Conservativo e Medicina Complementar: Quando, O Quê, Como e Por que?

Patologias, Planos de Tratamento e Reabilitação. Técnicas cirúrgicas, Tratamento Conservativo e Medicina Complementar: Quando, O Quê, Como e Por que? Patologias, Planos de Tratamento e Reabilitação Técnicas cirúrgicas, Tratamento Conservativo e Medicina Complementar: Quando, O Quê, Como e Por que? DIA 1 (21 de Abril) 08:00-08:15 Boas Vindas; Introduções;

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

Avaliação da Flexibilidade

Avaliação da Flexibilidade Curso de Pós Graduação em Golfe FMH Junho de 2005 Avaliação da Flexibilidade Pedro Mil-Homens, Jorge Infante, Maria João Valamatos FLEXIBILIDADE? Faculdade de efectuar movimentos de grande amplitude. (Zatsiorsky,1966)

Leia mais

PLANILHA GERAL - CIRURGIA III - 1º 2013

PLANILHA GERAL - CIRURGIA III - 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo 07:05 João Marcos 202 D DRENOS E SONDAS 08:00 Raphael 202 D História da Cirurgia TERÇA 11/3/2014 08:55 Fernanda 202 D CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS 10:00 Raphael 202 D Anatomia

Leia mais

Osteoartrose. Ms. Roberpaulo Anacleto

Osteoartrose. Ms. Roberpaulo Anacleto Osteoartrose Ms. Roberpaulo Anacleto Introdução Sinônimos: Osteoartrite; Doença Articular Degenerativa Não há sintomas sistêmicos Locais mais acometidos: Membros inferiores e segmentos vertebrais. Associação:

Leia mais

São Paulo, 10 de Novembro de 2015. À B. Braun Sr. Leandro Silva Celular: (21) 97538-8947 E-mail: leandro1.silva@bbraun.com.

São Paulo, 10 de Novembro de 2015. À B. Braun Sr. Leandro Silva Celular: (21) 97538-8947 E-mail: leandro1.silva@bbraun.com. São Paulo, 10 de Novembro de 2015. À B. Braun Sr. Leandro Silva Celular: (21) 97538-8947 E-mail: leandro1.silva@bbraun.com Prezado Leandro, Apresentamos a proposta comercial de patrocínio do Curso de Atualização

Leia mais

As Lâminas de Shaver TRAUMEC são fornecidas em embalagens individuais, estéreis por ETO (óxido etileno).

As Lâminas de Shaver TRAUMEC são fornecidas em embalagens individuais, estéreis por ETO (óxido etileno). INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Brocas Cirúrgicas NOME COMERCIAL: Lâminas de Shaver TRAUMEC PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções antes da utilização. Cumprir

Leia mais

relatam sentir somente a dor irradiada, não percebendo que sua origem está na coluna. Portanto, todo indivíduo com queixa de dor irradiada

relatam sentir somente a dor irradiada, não percebendo que sua origem está na coluna. Portanto, todo indivíduo com queixa de dor irradiada FISIOTERAPIA Coluna e Dores Irradiadas Dores musculoesqueléticas localizadas em pontos distantes da coluna podem ser causadas por distúrbios da própria coluna. Márcia Maria Cruz Problemas da coluna se

Leia mais

Cintura escapular. Prof. Caroline Bernardes. Articulações do ombro e cintura escapular

Cintura escapular. Prof. Caroline Bernardes. Articulações do ombro e cintura escapular Cintura escapular Prof. Caroline Bernardes Articulações do ombro e cintura escapular Esternoclavicular: sinovial do tipo selar; Elevação e retração do ombro. Acromioclavicular: sinovial do tipo plana;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Centro Cirúrgico e Centro de Material Esterilizado Código:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

MANUAL DO ALUNO: ESTÁGIO SUPERVISIONADO II FISIOTERAPIA Profª. ALICE COSTA. Facebook Twitter Instagram Linkedin ALICE COSTA MELO

MANUAL DO ALUNO: ESTÁGIO SUPERVISIONADO II FISIOTERAPIA Profª. ALICE COSTA. Facebook Twitter Instagram Linkedin ALICE COSTA MELO MANUAL DO ALUNO: ESTÁGIO SUPERVISIONADO II FISIOTERAPIA Profª. ALICE COSTA Facebook Twitter Instagram Linkedin ALICE COSTA MELO alicemacm@hotmail.com PROFESSORES E PRECEPTORES DE CAMPOS DE ESTÁGIO MANHÃ:

Leia mais

ANÁLISE DA POSTURA CORPORAL ADOTADA POR MULHERES COM SÍNDROME DE FIBROMIALGIA

ANÁLISE DA POSTURA CORPORAL ADOTADA POR MULHERES COM SÍNDROME DE FIBROMIALGIA ANÁLISE DA POSTURA CORPORAL ADOTADA POR MULHERES COM SÍNDROME DE FIBROMIALGIA DANIELA FRANCINE RADAELLI*, DANIELA PILOT FRANCIOZI**, ANA LÍGIA OLIVEIRA*** * Acadêmica do 7 período do curso de Fisioterapia

Leia mais

OMBRO E BRAÇO MÚSCULOS DO OMBRO MÚSCULOS DO OMBRO DIVISÃO PLEXO BRAQUIAL MÚSCULOS DOS MEMBROS SUPERIORES. Músculos do Braço.

OMBRO E BRAÇO MÚSCULOS DO OMBRO MÚSCULOS DO OMBRO DIVISÃO PLEXO BRAQUIAL MÚSCULOS DOS MEMBROS SUPERIORES. Músculos do Braço. MÚSCULOS DOS MEMBROS SUPERIORES OMBRO E BRAÇO MÚSCULOS DO OMBRO Marcelo Marques Soares Prof. Didi Músculos do Ombro 1 Deltóide 2 Supra-espinhal 3 Infra-espinhal 4 Redondo Menor 5 Redondo Maior 6 Subescapular

Leia mais

FORMAÇÃO. Diagnóstico Avançado em Terapia Manual. Raciocínio clínico, testes específicos, diagnóstico diferencial e terapia manual

FORMAÇÃO. Diagnóstico Avançado em Terapia Manual. Raciocínio clínico, testes específicos, diagnóstico diferencial e terapia manual FORMAÇÃO Diagnóstico Avançado em Terapia Manual Raciocínio clínico, testes específicos, diagnóstico diferencial e terapia manual INTRODUÇÃO Todo o tratamento deve realizar-se com base em objetivos concretos

Leia mais

Escola de Educação Física e Esporte Laboratório de Biofísica Universidade de São Paulo. Md. Janina M. Prado

Escola de Educação Física e Esporte Laboratório de Biofísica Universidade de São Paulo. Md. Janina M. Prado Escola de Educação Física e Esporte Laboratório de Biofísica Universidade de São Paulo Md. Janina M. Prado 1 Lesões musculoesqueléticas Tendíneas Musculares Ligamentres Capsulares Outras 2 Lesões Musculares

Leia mais