Setor de Gestão do Ensino

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Setor de Gestão do Ensino"

Transcrição

1 Setor de Gestão do Ensino Gerência de Ensino e Pesquisa do Hospital de Clínicas UFTM/EBSERH Relatório da avaliação inicial das ações de ensino (técnico, graduação e pós-graduação) e extensão no âmbito do HC UFTM/EBSERH Equipe: Profa. Luciana de Almeida Silva Teixeira - Coordenadora do Setor de Ensino Profa. Divanice Contim Coordenadora da Unidade de Graduação e Técnico Profa. Marlene dos Reis - Coordenadora da Unidade de Pós- Graduação Prof. Gilberto de Araújo Pereira Coordenador do Setor de Pesquisa Profa. Maria Isabel G. B. Moreira Colaboradora da Pró-reitoria de Extensão Profa. Marta Regina Farinelli Colaboradora da Residência Multiprofissional Profa. Sueli Riul Colaboradora docente do Curso de Enfermagem Profa. Marilita F. Accioly Colaboradora docente do Curso de Fisioterapia Karoline Faria de Oliveira, Mona Lisa Fabiana da Silva, Isadora Cristina Camargo Cerqueira, Renata Martins Silva Ribeiro, Giovanna Gaudenci Nardelli, Thaís Almeida Soares, Jorge Luis Soares de Castro, Cairo Tadeu Bizzinotto, Andréia Batista Andrade e Bizzinotto Colaboradores discentes dos cursos de graduação e pós-graduação da área da saúde Uberaba, outubro de 2014

2 2 INTRODUÇÃO Desde a composição do Setor de Gestão do Ensino/EBSERh, em Novembro de 2013, consideramos de grande importância a caracterização das atividades de ensino (técnico, graduação e pós-graduação) e de extensão realizadas no âmbito do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Entendendo as limitações dos registros acadêmicos, constituímos um grupo de trabalho para traçar as ações referentes a este diagnóstico situacional. O grupo foi composto pelo Gerente de Ensino e Pesquisa, demais docentes que compunham a gerência, docentes e discentes convidados que se disponibilizaram a se reunir semanalmente, durante nove meses, para delinear os melhores caminhos a serem percorridos. Este esforço resultou em um projeto de extensão aprovado em junho/2014, intitulado: Gestão do Ensino das profissões da saúde dentro do Hospital de Clínicas da UFTM/ EBSERH: o desafio de conhecer e harmonizar as ações neste campo de prática. O presente relatório tem por objetivo apresentar o primeiro consolidado das informações obtidas por este grupo, bem como registrar as próximas ações planejadas. 1. Atividades de ensino de graduação e técnico A caracterização de tais atividades foi realizada por meio de dois instrumentos construídos com vistas a obter informações de duas vias: 1) docentes responsáveis por disciplinas realizadas dentro do HC, 2) responsáveis técnicos pelos diversos setores do HC os quais são utilizados como cenário de prática. Para o preenchimento do primeiro instrumento foram buscados os docentes de disciplinas dos cursos de graduação em Medicina, Biomedicina, Enfermagem, Fisioterapia, Serviço Social, Terapia Ocupacional, Psicologia, Nutrição, Educação Física, bem como dos cursos técnicos em Radiologia, Enfermagem e Saúde Bucal. Com a ajuda dos alunos colaboradores, foram levantados planos de ensino das disciplinas com atividades dentro do HC. Foi possível obter informação de 69 das 80 disciplinas identificadas (não foram incluídas 6 disciplinas do Curso de Medicina e 5 do Curso de Fisioterapia). A distribuição de tais disciplinas, conforme o curso de graduação, pode ser verificada na Figura 1.

3 3 Com relação ao tipo de atividade realizada no ambiente hospitalar, na maioria das situações as disciplinas estavam realizando Ensino Clínico, ou Estágio Supervisionado, como pode ser verificado na Figura 2. Os docentes referiram que a supervisão dos alunos era presencial na maioria 56 (81%) das disciplinas. Também foi relatado que em 47 (68,1%) delas, o aluno tinha contato direto com o paciente.

4 4 Os principais locais de concentração dos alunos no ambiente hospitalar foram as enfermarias, contando com 37 disciplinas e os ambulatórios, referido por 25 disciplinas. Foi descrito que 328 alunos de graduação e ensino técnico freqüentam o hospital para atividade didática no período matutino/vespertino. Os alunos em atividades de ensino clínico ou estágio supervisionado somam 226 nas enfermarias apenas no período matutino. As disciplinas que realizam ensino clínico e/ou estágio supervisionado estão mostradas no Quadro 1. Quadro 1- Relação das disciplinas levantadas que realiza ensino clínico e/ou estágio supervisionado Ao final do questionário foi deixado um espaço para que o docente descrevesse alguma demanda percebida no exercício da sua disciplina. Cinquenta e dois docentes usaram este espaço, e o consolidado das queixas e solicitações está descrito na Figura 3.

5 5

6 6 Os dados obtidos do segundo instrumento foram referentes a 18 dos 24 setores visitados, sendo eles: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Unidade de Doenças Infecciosas e Parasitárias, Onco-Hematologia, Bloco Cirúrgico, Ginecologia/Obstetrícia, Berçário, Ortopedia, Pediatria, CTI Neonatal, CTI Coronariano, Hemodinâmica, Neurologia, Pronto Socorro Adulto, Pronto Socorro Infantil, Unidade de Terapia Renal, Acolhimento e Radiologia. De forma geral, foi estimada pelos chefes dos setores a presença diária de 416 alunos de graduação e ensino técnico nos referidos setores. A distribuição destes alunos segundo o curso de graduação pode ser verificada na Tabela 1. Tabela 1- Número diário de alunos estimado pelos chefes de setores segundo curso de graduação Curso Nº de alunos Medicina 218 Enfermagem 28 Biomedicina 22 Nutrição 8 Fisioterapia 52 TO 36 Psicologia 6 Serviço Social 3 Educ. Física 6 Técnico 37 TOTAL 416 Houve uma queixa recorrente dos chefes dos setores sobre a deficiência de comunicação entre a academia e o serviço. Frequentemente, os alunos adentram os setores sem estarem acompanhados de docentes, sem se identificarem e gerando desconhecimento quase completo da sua atividade no setor. Este tipo de informação era obtida pela busca ativa do chefe do setor junto aos diferentes acadêmicos.

7 7 2. Atividades de ensino de pós-graduação No HC-UFTM são realizadas atividades de pós-graduação lato sensu, e Stricto sensu. 325 alunos desenvolvem atividades no HC-UFTM: (a) 44 residentes na Residência Integrada Multiprofissional em Saúde (RIMS) (Figura 4), oriundos da graduação em Serviço Social, Psicologia, Nutrição, Fisioterapia, Enfermagem, Educação Física e Biomedicina, distribuídos nas seguintes áreas: Saúde da Criança e adolescente, Saúde do Adulto e Saúde do Idoso; (b) 179 residentes na Residência Médica (Figuras 5 a 8) e (c) 102 pós-graduandos, que desenvolve o Mestrado ou Doutorado em cinco Programas: Ciências da Saúde, Medicina Tropical e Infectologia, Atenção à Saúde, Ciências Fisiológicas e Educação Física. Figura 4. Residência Integrada Multiprofissional em Saúde HC - UFTM Terapia Ocupacional Serviço Social Psicologia Nutrição Fisioterapia Número Residentes Enfermagem Educação Física Biomedicina Na Residência Médica há 179 residentes (Figuras 6 a 8), distribuídos em 27 especialidades: Anestesiologia, Cardiologia, Cirurgia do Aparelho Digestivo, Cirurgia Geral, Cirurgia Plástica, Clínica Médica, Coloproctologia, Dermatologia, Endocrinologia, Gastroenterologia, Hematologia e Hemoterapia, Infectologia, Mastologia, Medicina de Família e Comunidade, Medicina Intensiva, Neurologia, Obstetrícia e Ginecologia, Oftalmologia, Ortopedia e Traumatologia, Patologia, Pediatria, Radiologia e Diagnóstico por imagem, Reumatologia, R3 Op. em Ped. na subespecialidade Hemat. e Hem. Pediátrica, R4 Op. em Obst. Ginec, na subespecialidade Medicina Fetal, R3 e R4 Op. em Ped. na subespecialidade Endocrinologia Pediátrica, R3 Op. em End. na

8 8 subespecialidade Endocrinologia Pediátrica, R3 e R4 Op. em Ped. na subespecialidade Medicina Intens. Pediátrica e Urologia. Figura 5. Residência Médica HC - UFTM Radiologia e Diagnóstico por imagem Pediatria Patologia Ortopedia e Traumatologia Oftalmologia Obstetrícia e Ginecologia Neurologia Clínica Médica Cirurgia Geral Anestesiologia Figura 6. Residência Médica HC - UFTM Número de Residentes Radiologia e Diagnóstico por imagem Pediatria Patologia Ortopedia e Traumatologia Oftalmologia Obstetrícia e Ginecologia Neurologia Clínica Médica Cirurgia Geral Anestesiologia Número de Residentes

9 9 Figura 7. Residência Médica HC - UFTM Mastologia Infectologia Hematologia e Hemoterapia Gastroenterologia Endocrinologia Dermatologia Numero Residentes Coloproctologia Cirurgia Plástica Cirurgia Ap Digestivo Cardiologia Figura 8. Residência Médica HC - UFTM Urologia R3 R4 Ped.Med Intens. Ped R3 R4 Ped. Endoc Ped R4 Obst. Ginec, Med Fetal Numero Residentes R3 em Ped. Hem. Pediátrica Reumatologia Med Família Comunidade

10 10 Em relação à Pós-graduação Stricto sensu, dos 10 Programas da UFTM (quadro 2), cinco deles têm atividades no HC-UFTM: Ciências da Saúde, Medicina Tropical e Infectologia, Atenção à Saúde, Ciências Fisiológicas e Educação Física (Figuras 9 a 12). Quadro 2. Programas de Pós-graduação na UFTM Curso de Pós-Graduação em Atenção à Saúde - PGAS Curso de Pós-Graduação em Medicina Tropical e Infectologia - PGMTI Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - PGCS Curso de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas - PGCF Curso de Pós-Graduação em Educação Física - PGEF Programa de Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica - PGIT Programa de Mestrado Profissional em Matemática - PGMat Programa de Pós-Graduação Multicêntrico em Química - PGMQ Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Biociências Aplicadas - PGIBA Curso de Pós-Graduação em Educação - PGE Os dados sobre os Projetos de Pesquisa destes Programas foram solicitados por e.mail e recebemos informações de oito deles, sendo que a Pós-graduação em Educação não tem atividades no HC-UFTM. Dos Programas que recebemos as informações, os dados estão nas Figuras 9 a 12, sendo que dos 253 Projetos que estão em andamento, 102 (40,3%) deles são realizados no HC- UFTM. Figura 9 - Programas de Pós Graduação Stricto Sensu n n Sim Não Duv PG CS PG AS PG CF PG EF PG IT PG MAT PG MQ n = 253

11 11 Figura 10 - Programas de Pós Graduação Stricto Sensu que realizam ou não atividades no HC - UFTM n Sim Não Duv 10 0 PG CS PG AS PG CF PG EF PG IT PG MAT PG MQ n = 253 Figura 11 - Programas de Pós Graduação Stricto Sensu que realizam ou não atividades no HC - UFTM 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% PG CS PG AS PG CF PG EF Duv Não Sim n = 253

12 Figura 12 - Programas de Pós Graduação Stricto Sensu que realizam atividades no HC - UFTM 12

13 13 3. Atividades de extensão Com o objetivo de dimensionar quantitativa e qualitativamente as atividades de extensão que ocorrem no âmbito do Hospital de Clínicas e ambulatórios, foi realizado levantamento de dados em uma planilha Excel na qual são registradas as atividades extensionistas na Pró-Reitoria de Extensão (ProExt). Foi realizada também consulta aos registros físicos das Propostas e em seus Relatórios Mensais e Finais, uma vez que a referida Planilha não continha todos os dados necessários para alcançar o objetivo desta tarefa. Havia uma hipótese inicial de que as Ligas seriam as grandes responsáveis pelo afluxo de discentes nos diferentes espaços do HC e Ambulatórios. Assim, no primeiro levantamento, buscamos caracterizar estas atividades, e isto se confirmou. Das 19 Ligas na época do estudo cadastradas na ProExt, 12 desenvolvem atividades no complexo hospitalar do HC-UFTM. Nestas Ligas, estão situados um total de 415 estudantes, sendo 414 de Graduação e um do CEFORES. Estes estudantes circulam principalmente pelo HC UFTM (n=86 ou 21%) e Ambulatório de Pediatria (n=20 ou 5%). Os demais (n=309 ou 74%) circulam em vários espaços, incluindo o HC e o Ambulatório de Pediatria. Circulando no HC UFTM temos 395 estudantes, ou seja, 95% do total de estudantes destas Ligas (Figura 13) Figura 13. Distribuição de discentes das Ligas, segundo espaços de desenvolvimento das atividades, setembro % 5% HC (n=86) Ambulatório de Pediatria (n=20) 74% Diferentes espaços (n=309). Fonte: Registros da ProExt UFTM

14 14 Não vinculados às Ligas, são 58 os Projetos desenvolvidos no HC, Laboratórios e Ambulatórios. A maioria deles vincula-se aos Cursos de Graduação, seguido pela Residência Multiprofissional (Figura 14). Figura 14. Distribuição de Projetos de Extensão desenvolvidos no HC-UFTM não vinculados às Ligas, segundo nível do curso de origem do coordenador. 17% Curso Pósgraduação RIMS (n=10) 4% Cursos Técnicos CEFORES (n=2) 79% Cursos de Graduação (n=46) Fonte: Registros da ProExt UFTM Nestes Projetos, 213 estudantes circulam no Hospital de Clínicas e suas unidades. A maioria pertence aos cursos de graduação (n=184), depois ao CEFORES (n=16), e à Residência multiprofissional em Saúde (n=13), conforme Figura 15. Figura 15 Distribuição dos estudantes de projetos de extensão do HC UFTM, segundo nível do curso de origem do coordenador. Pós-graduação (RIMS) 6% 8% Ensino Técnico (CEFORES) 86% Cursos de Graduação Fonte: Registros da ProExt UFTM

15 15 Novamente é o Hospital de Clínicas o principal lócus dos Projetos de Extensão, sendo que 40 destes desenvolvem-se neste espaço. Figura 16 Distribuição dos projetos de extensão do HC UFTM, segundo local de realização*. Ambulatório Pediatria (10) Centro de Reabilitação (6) 12% Ambulatório Especialidades (4) 7% 5% 48% Hospital de Clínicas (40) Ambulatório Maria da Glória (23) 28% Fonte: Registros da ProExt UFTM * Um projeto pode se desenvolver em vários espaços Os docentes dos cursos de Medicina e Enfermagem são os mais freqüentes dentre os coordenadores dos Projetos de Extensão, conforme Figura 17. Tabela 2. Distribuição dos coordenadores dos Projetos de Extensão do HC-UFTM, segundo curso de origem. Curso Número de coordenadores % Enfermagem 16 25,8 Medicina 16 25,8 Fisioterapia 09 14,5 Nutrição 04 6,5 Serviço Social 03 4,8 CEFORES 02 3,2 Educação Física 02 3,2 Engenharia Elétrica 02 3,2 Engenharia Mecânica 02 3,2 Terapia Ocupacional 02 3,2 Outros 04 6,5 Total 62* 100,0 Fonte: Registros da ProExt UFTM

16 16 * Existem projetos com mais de um coordenador Considerando todas as atividades de extensão desenvolvidas no complexo HC-UFTM, 628 estudantes circulam no HC, ambulatórios e laboratórios desenvolvendo Projetos de Extensão. As Ligas respondem por 66% do total destes estudantes. Importa salientar que a distribuição é mais ou menos homogênea em todas as enfermarias do HC. Os estudantes estão distribuídos, segundo curso, conforme gráfico abaixo. Figura 17. Distribuição dos estudantes que desenvolvem atividades de extensão no HC-UFTM, segundo nível do curso de origem do coordenador. 2% 3% (95%) CEFORES Graduação RIMS

17 17 CONSIDERAÇÕES FINAIS Por meio deste relatório, é possível verificar objetivamente o grande número de alunos de todos os níveis, docentes e técnico administrativos que freqüentam o complexo do Hospital de Clínicas da UFTM/EBSERh com objetivos diversos. A presença concomitante de atividades voltadas para o ensino, pesquisa e extensão das profissões da saúde no âmbito hospitalar é desejável e enriquece a assistência à saúde. No entanto, cabe a reflexão sobre questionamentos levantados pelos docentes, em especial o relacionado ao espaço físico apropriado para o exercício de tais atividades. Sabe-se que a certificação de um hospital como Hospital de Ensino, requer que sejam preenchidos vários requisitos institucionais, dentre eles o: VI - dispor de instalações adequadas ao ensino, com salas de aula e recursos audiovisuais, de acordo com a legislação vigente para a avaliação das condições de ensino e da Residência Médica. PORTARIA INTERMINISTERIAL nº 2.400/2007, de 2 de outubro de A atual estrutura do Hospital de Clínicas carece de espaços específicos destinados para as atividades de ensino, pesquisa e extensão de boa qualidade. Isso faz com que vários docentes, alunos e técnicos administrativos utilizem espaços improvisados e freqüentemente se favoreça um contato direto com pacientes e enfermarias, o que pode influenciar inclusive na segurança do paciente.

TÉCNICO EM CONTABILIDADE Código 101

TÉCNICO EM CONTABILIDADE Código 101 TÉCNICO OPERACIONAL DE SAÚDE-TOS NÍVEL II GRAU A TÉCNICO EM CONTABILIDADE Código 101 Questão 01: D Questão 11: C Questão 21: D Questão 31: B Questão 02: A Questão 12: A Questão 22: A Questão 32: C Questão

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 01/2016-EBSERH/CH-UFPA ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 27 DE JUNHO DE 2016 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 01/2016-EBSERH/CH-UFPA ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 27 DE JUNHO DE 2016 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 01/2016-EBSERH/CH-UFPA ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 27 DE JUNHO DE 2016 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 006 Médico - Anestesiologia

Leia mais

Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo. Medicina. Centro de Ciências da Saúde

Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo. Medicina. Centro de Ciências da Saúde Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo Medicina Centro de Ciências da Saúde Medicina O Curso de Medicina da Ufes começou a funcionar efetivamente,

Leia mais

Anexo I. Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS

Anexo I. Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS Anexo I Quadro de vagas por Hospital / Especialidades COD.101 - CLÍNICA MÉDICA AREAS BÁSICAS 1 Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus (UNOESTE) 3 2 Conjunto Hospitalar do Mandaqui

Leia mais

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 1. Conceituação Número médio de consultas médicas apresentadas 1 no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço geográfico, no

Leia mais

01. Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HU-UFPI Vagas (Ampla Concorrência)

01. Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HU-UFPI Vagas (Ampla Concorrência) CONCURSO PÚBLICO 09/2015 EBSERH/CONCURSO NACIONAL ANEXO I DO EDITAL Nº 02 EBSERH ÁREA MÉDICA, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2015 QUADRO DE VAGAS, SALÁRIO E CARGA HORÁRIA SEMANAL RETIFICADO 01. Hospital Universitário

Leia mais

LEIA-SE: Edital N.º 398/2015-PROGESP Boa Vista, 30 de dezembro de 2015

LEIA-SE: Edital N.º 398/2015-PROGESP Boa Vista, 30 de dezembro de 2015 Edital N.º 3/26-PROGESP Boa Vista, 13 de janeiro de 26. A PRÓ-REITORA DE GESTÃO DE PESSOAS, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, considerando

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul CLASSIFICADOS PARA SEGUNDA FASE POR NÚMERO DE INSCRIÇÃO 1- ACESSO DIRETO Anestesiologia 107432 107463 107594 107643 107756 107927 107935 108135 108404 108533 108550 108571 108582 Cirurgia Geral 107377

Leia mais

COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS

COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS AREAS BÁSICAS 1 Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus (UNOESTE) 12 2 Complexo Hospitalar Ouro Verde 12 3 Faculdade de Medicina de Catanduva 10 4

Leia mais

ANEXO I ESPECIALISTA EM SAÚDE MÉDICO

ANEXO I ESPECIALISTA EM SAÚDE MÉDICO ANEXO I ESPECIALISTA EM SAÚDE MÉDICO Cód Denominação do Emprego público Nº de vagas* Nº de vagas (Lei nº 13.398/02)** Carga Horária Semanal Vencimentos Padrão ESM-1 R$ 1.432 Grat. Esp. Prest. Serv. Assist.

Leia mais

Associação Médica de Assistência I ntegrada

Associação Médica de Assistência I ntegrada Circular aos Associados (Convênio BACEN) 39/10 Comunicamos aos associados que a partir de 15 de abril de 2010 as guias de atendimento, relativas às consultas e visitas hospitalares deverão ser preenchidas

Leia mais

ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO 2015

ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO 2015 ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO 2015 Seguem abaixo a data e o local para entrevistas e formas de envio dos currículos para os candidatos aprovados para a 2ª Fase. A lista com número de inscrição, nome e

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2015 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2015 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO Acupuntura - 2 anos 2 2 1,0 Anestesiologia - 3 anos 33 290 8,8 Cirurgia Geral - 2 anos 42 294 7,0 Clínica Médica - 2 anos 86 435 5,1 Dermatologia - 3 anos 10 110 11,0

Leia mais

MÉDICO - CANCEROLOGIA CLÍNICA C A D B E C E A D A B C D A E B C D C D A D E B B MÉDICO - CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA E D D E A C D C C E E D B C E A C C E

MÉDICO - CANCEROLOGIA CLÍNICA C A D B E C E A D A B C D A E B C D C D A D E B B MÉDICO - CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA E D D E A C D C C E E D B C E A C C E Gabarito Definitivo MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - MEAC-UFC E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - HUWC-UFC CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Programa de Residência Médica em Pneumologia

Programa de Residência Médica em Pneumologia Programa de Residência Médica em Pneumologia Proposta da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia - 2010 A formação do Especialista em Pneumologia deve se pautar nos Programas de Excelência de

Leia mais

QUADRO I - VAGAS POR ESPECIALIDADE. Vagas Oferecidas

QUADRO I - VAGAS POR ESPECIALIDADE. Vagas Oferecidas COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS - CGP COMISSÃO DE RESIDÊNCIAS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO COMUNICADO Nº. 001/2015 SMS.G/CGP Dirigido aos candidatos que prestarão a prova da Seleção Pública para RESIDÊNCIA

Leia mais

03 Aprimoramento em Terapia Nutricional para Nutricionistas Forma de envio do Currículo: no dia da Entrevista

03 Aprimoramento em Terapia Nutricional para Nutricionistas Forma de envio do Currículo: no dia da Entrevista FORMAS DE ENVIO DOS CURRÍCULOS Seguem abaixo formas de envio dos Currículos, para os candidatos aprovados para a Entrevista (2ª Fase). A lista com número de inscrição, nome e nota de todos os candidatos

Leia mais

Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2

Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2 Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) F.2 Número de procedimentos diagnósticos por consulta médica (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia

Leia mais

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Conceituação Número médio de consultas médicas apresentadas 1 no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço geográfico, no ano

Leia mais

Enfermagem em Centro Cirúrgico. Código Instituição Vagas Duração (Anos) Hospital da Restauração 2 2. Enfermagem em Emergência Geral

Enfermagem em Centro Cirúrgico. Código Instituição Vagas Duração (Anos) Hospital da Restauração 2 2. Enfermagem em Emergência Geral Onde se lê 3. Das Vagas por Instituição de Saúde e Durações dos Programas O número de vagas oferecidas pelas diversas instituições de saúde participantes e as durações dos respectivos programas encontram-se

Leia mais

Concurso para Emprego Público Nível Superior

Concurso para Emprego Público Nível Superior PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA FUNDAÇÃO SAÚDE DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA ESTADO DE MINAS GERAIS Concurso para Emprego Público Nível Superior REF. EDITAL N 01/2015 GABARITO PÓS-RECURSOS MANHÃ NÍVEL

Leia mais

PROJETO REVIVENDO O IASERJ

PROJETO REVIVENDO O IASERJ PROJETO REVIVENDO O IASERJ Proposta alternativa à cessão do IASERJ CENTRAL ao INCa Considerando que o servidor público estadual e seus dependentes ( aproximadamente 1.200.000 pessoas ) precisam ter suas

Leia mais

I FÓRUM DE PEDIATRIA DO CFM

I FÓRUM DE PEDIATRIA DO CFM I FÓRUM DE PEDIATRIA DO CFM O currículo atual é suficiente? Christianne Martins Coordenadora da RM de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas/UERJ Membro do Comitê de Ensino da SOPERJ RESOLUÇÃO CNRM

Leia mais

Grupo de Pesquisa Clínica, Tecnologias e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE

Grupo de Pesquisa Clínica, Tecnologias e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE Grupo de Pesquisa Clínica, Tecnologias e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES: Art.1º - O Grupo Pesquisa Clínica, Tecnologia e Informática

Leia mais

Pós-Graduação. Ampliação da abrangência da pós-graduação da UFMG, através de mudanças

Pós-Graduação. Ampliação da abrangência da pós-graduação da UFMG, através de mudanças Pós-Graduação Ampliação da abrangência da pós-graduação da UFMG, através de mudanças Na concepção do processo seletivo, de modo a ampliar a abrangência regional e nacional da pós-graduação; Número de Alunos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. 10 PÓS-GRADUAÇÃO EM EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS - BH Unidade

Leia mais

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS A Beneficência Portuguesa de São Paulo e a Casa de Portugal tem a mesma origem e cooperam entre si há mais de 80 anos.

Leia mais

Curso de Integração. Competência do HSPM no atendimento ao Servidor Público Municipal

Curso de Integração. Competência do HSPM no atendimento ao Servidor Público Municipal SAÚDE Curso de Integração Competência do HSPM no atendimento ao Servidor Público Municipal Realização: DERH/Cogep/Sempla Apoio: Gestão de Talentos/HSPM/SMS NÚCLEO ADMINISTRATIVO DO HSPM: Dra. Regina Lúcia

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS EME01 - INTERNAR PACIENTE DO PRONTO SOCORRO

MANUAL DE PROCESSOS EME01 - INTERNAR PACIENTE DO PRONTO SOCORRO MANUAL DE PROCESSOS EME01 - INTERNAR PACIENTE DO PRONTO SOCORRO SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 5 IV.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068/2013 (Publicada no D.O.U. de 03 de janeiro de 2014, Seção I, p. 76)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068/2013 (Publicada no D.O.U. de 03 de janeiro de 2014, Seção I, p. 76) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.068/2013 (Publicada no D.O.U. de 03 de janeiro de 2014, Seção I, p. 76) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 2.005/12, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

EDITAL DE MATRÍCULA - VAGAS REMANESCENTES - ANEXO I - 04/03/2016

EDITAL DE MATRÍCULA - VAGAS REMANESCENTES - ANEXO I - 04/03/2016 EDITAL DE MATRÍCULA - VAGAS REMANESCENTES - ANEXO I - 04/03/2016 PROGRAMA -> HOSPITAL VAGAS ANESTESIOLOGIA 7 HOSPITAL GERAL ROBERTO SANTOS - SESAB 2 HOSPITAL MUNICIPAL DR. ESAÚ MATOS 2 ANGIORRADIOLOGIA

Leia mais

PARTE C SAÚDE. 21292-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 131 11 de julho de 2016. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde

PARTE C SAÚDE. 21292-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 131 11 de julho de 2016. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde 21292-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 131 11 de julho de 2016 PARTE C SAÚDE Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde Despacho n.º 8896-A/2016 Sendo inquestionável que o Serviço Nacional

Leia mais

Grade Curricular - Medicina

Grade Curricular - Medicina Grade Curricular - Medicina SEMESTRE 1 RCG0111 Bases Biológicas da Medicina 34 0 34 RCG0121 Iniciação à Saúde 5 0 5 RCG0130 Fundamentos Humanísticos do Saber Médico I 4 0 4 Total: 43 SEMESTRE 2 RCG0121

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - SC CONCURSO PÚBLICO EDITAL SES Nº 001/2012 - FEV/2012

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - SC CONCURSO PÚBLICO EDITAL SES Nº 001/2012 - FEV/2012 CONCURSO PÚBLICO EDITAL SES Nº 00/0 - FEV/0 LOCAL DE EXERCÍCIO - CENTRO CATARINENSE DE REABILITAÇÃO FISIOTERAPEUTA MÉDICO ESPECIALISTA EM CARDIOLOGIA NUTRICIONISTA 47 85 3 48 35 47.00 85.00 3.00 48.00

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2017 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

PROCESSO SELETIVO DA RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2017 RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 01 - A REAS BA SICAS COM ACESSO DIRETO ACUPUNTURA 2 2 1,00 ANESTESIOLOGIA 32 320 10,00 CIRURGIA GERAL 36 360 10,00 CLI NICA ME DICA 94 480 5,11 DERMATOLOGIA 10 151 15,10 INFECTOLOGIA 9 14 1,56 MEDICINA

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Áreas científicas O curso de Mestrado Integrado em Medicina está organizado de acordo com o sistema de unidades de crédito (ECTS) e encontra -se distribuído pelas seguintes áreas de ensino e investigação

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE SANTO AMARO AVALIAÇÃO 3 ANO 2009

FACULDADE DE MEDICINA DE SANTO AMARO AVALIAÇÃO 3 ANO 2009 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM: Propedêutica Médico Cirúrgica DIA: 02/03/09 ( 2ª feira) N DE ALUNOS:? 1. PROFESSORES PRESENTES (Escrever abaixo o nome dos professores presentes para ministrar as atividades

Leia mais

Hospital Central do Algarve

Hospital Central do Algarve Hospital Central do Algarve Perfil Assistencial, Área de Influência e Dimensionamento 29 Julho 2007 Faro POPULAÇÃO ALGARVE Censo 2001: 395.218 habitantes 4% população Portugal 2005 (INE): 416.847 habitantes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.149/2016

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.149/2016 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.149/2016 (Publicada no D.O.U. de 03 de agosto de 2016, Seção I, p. 99) Homologa a Portaria CME nº 02/2016, que aprova a relação de especialidades e áreas de atuação médicas aprovadas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 16 de junho de

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

Anexo I Quadro de Opções de Vagas (Consolidado em 01 de setembro de 2016) Edital nº 293 de 10 de agosto de 2016

Anexo I Quadro de Opções de Vagas (Consolidado em 01 de setembro de 2016) Edital nº 293 de 10 de agosto de 2016 Anexo I Quadro de Opções de (Consolidado em 01 de setembro de 2016) Edital nº 293 de 10 de agosto de 2016 As opções de vagas estão agrupadas por Classe do Cargo ( C, D ou E ) e quantidade de fases (provas).

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS LOCALIDADE DA VAGA. NE P01 Desenvolvimento Institucional Rio de Janeiro 2 - - P02 VAGA VAGA VAGA

ANEXO I QUADRO DE VAGAS LOCALIDADE DA VAGA. NE P01 Desenvolvimento Institucional Rio de Janeiro 2 - - P02 VAGA VAGA VAGA 15.19. As despesas relativas à participação no Concurso Público e a apresentação para exames pré-admissionais correrão às expensas do próprio candidato. 15.20. Integram este Edital os seguintes Anexos:

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV NUTRIÇÃO. COORDENADORA Ana Íris Mendes Coelho aicoelho@ufv.br

Currículos dos Cursos UFV NUTRIÇÃO. COORDENADORA Ana Íris Mendes Coelho aicoelho@ufv.br 134 NUTRIÇÃO COORDENADORA Ana Íris Mendes Coelho aicoelho@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 135 Bacharelado ATUAÇÃO O Nutricionista é um profissional de saúde, legal e tecnicamente habilitado para

Leia mais

Nº de Vagas Turno Curso Instituição de Ensino Superior

Nº de Vagas Turno Curso Instituição de Ensino Superior Nº de Vagas Turno Curso Instituição de Ensino Superior 1 MATUTINO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIA - CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA - (242) 1 NOTURNO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIA

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM. 12 Semiologia e Semiotécnica aplicada à Enfermagem 60 30 90

CURSO DE ENFERMAGEM. 12 Semiologia e Semiotécnica aplicada à Enfermagem 60 30 90 CURSO DE ENFERMAGEM I Curso: Graduação em Enfermagem Carga Horária Total do Curso: 4170 horas Turno de Aplicação: Noturno Regime: Seriado Semestral Vigência: 2016/2 Tempo de Integralização: Mínimo - 05

Leia mais

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA s com Acesso Direto Anestesiologia Cirurgia Geral Clínica Médica Dermatologia Infectologia Medicina da Família e Comunidade Medicina Nuclear Neurocirurgia Neurologia

Leia mais

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA

ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA s com Acesso Direto Anestesiologia Cirurgia Geral Clínica Médica Dermatologia Infectologia Medicina da Família e Comunidade Medicina Nuclear Neurocirurgia Neurologia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1. IDENTIFICAÇÃO DO DOCENTE DOCENTE: NICOLLE MARRA IVANOSKI SIAPE: 2213521 REGIME DE TRABALHO: ( X ) Dedicação Exclusiva ( X ) 40 h ( ) 20 h CONTRATO: ( X ) EFETIVO ( ) TEMPORÁRIO

Leia mais

01223800 RESIDÊNCIA EM SAÚDE DA CRIANÇA ENFERMAGEM 2016

01223800 RESIDÊNCIA EM SAÚDE DA CRIANÇA ENFERMAGEM 2016 01223800 RESIDÊNCIA EM SAÚDE DA CRIANÇA ENFERMAGEM 2016 C A D B E A B D C E C B D E B C A D E A C B D E A D C A E B B D A C E B D B E D A C E C A A B E D C 02223800 RESIDÊNCIA EM SAÚDE DA CRIANÇA CIÊNCIAS

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO E CREDENCIAMENTO DE PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE N. 001/2013 ANEXO III RELAÇÃO DAS CIDADES E ESPECIALIDADES

EDITAL DE CHAMAMENTO E CREDENCIAMENTO DE PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE N. 001/2013 ANEXO III RELAÇÃO DAS CIDADES E ESPECIALIDADES EDITAL DE CHAMAMENTO E CREDENCIAMENTO DE PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE N. 001/2013 ANEXO III RELAÇÃO DAS CIDADES E ESPECIALIDADES CIDADE / CATEGORIA / ESPECIALIDADE VAGAS ADELÂNDIA ÁGUAS LINDAS DE GOIÁS

Leia mais

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Luciane Berto Benedetti (GHC) - lucianeberto@yahoo.com.br Resumo: Relata a experiência

Leia mais

MISSÃO: VISSÃO DE FUTURO. Ser reconhecido como Hospital de Excelência no Ensino ESTRUTURA ORGANIZACIONAL:

MISSÃO: VISSÃO DE FUTURO. Ser reconhecido como Hospital de Excelência no Ensino ESTRUTURA ORGANIZACIONAL: MISSÃO: O Centro de Estudos Aperfeiçoamento e Pesquisa tem como missão atuar no fomento ao ensino e pesquisa, através do desenvolvimento de uma Politica de Educação Permanente, da regulação dos campos

Leia mais

Diretor técnico: ANTONIO DE ALMEIDA PEREIRA (CRM: 11.481)

Diretor técnico: ANTONIO DE ALMEIDA PEREIRA (CRM: 11.481) Relatório de Fiscalização Diretor técnico: ANTONIO DE ALMEIDA PEREIRA (CRM: 11.481) Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento. Participaram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 15/7/2015, Seção 1, Pág. 9. Portaria n 710, publicada no D.O.U. de 15/7/2015, Seção 1, Pág. 8. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

Horário de Aula do 2º ao 8º Períodos *Veja o Horário da Distribuição de Salas no Site

Horário de Aula do 2º ao 8º Períodos *Veja o Horário da Distribuição de Salas no Site Horário de Aula do 2º ao 8º Períodos *Veja o Horário da Distribuição de Salas no Site Curso de Medicina HISTOL. MÉDICA (P1) (P1) (T) P.S.P.S. (T) HISTOL. MÉDICA (T) Profª Josefa Lab. de Histologia P.S.P.S.

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2005-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 002/2005-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 002/2005-COU/UNICENTRO Autoriza a realização de Teste Seletivo para admissão de Professor Colaborador e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

Resolução UNESP 75, de dezembro de 2004 alterada pela Resolução UNESP 63/06

Resolução UNESP 75, de dezembro de 2004 alterada pela Resolução UNESP 63/06 Resolução UNESP 75, de dezembro de 2004 alterada pela Resolução UNESP 63/06 1ª Série Anatomia Humana 432 Anatomia Radiológica 36 Bioestatística I 30 Bioestatística II 36 Biofísica 108 Biologia Celular

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO CARGO DE MÉDICO EDITAL Nº 73 MS MÉDICO, DE 2 DE MARÇO DE 2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO CARGO DE MÉDICO EDITAL Nº 73 MS MÉDICO, DE 2 DE MARÇO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO CARGO DE MÉDICO EDITAL Nº 73 MS MÉDICO, DE 2 DE MARÇO DE 2010 A SECRETÁRIA-EXECUTIVA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) torna pública a retificação

Leia mais

EDITAL GR Nº QUADRO DE VAGAS COMPLEMENTAR AO EDITAL GR Nº 777/2015 - HISTÓRICO ESCOLAR

EDITAL GR Nº QUADRO DE VAGAS COMPLEMENTAR AO EDITAL GR Nº 777/2015 - HISTÓRICO ESCOLAR EDITAL GR Nº QUADRO DE VAGAS COMPLEMENTAR AO EDITAL GR Nº 777/2015 - HISTÓRICO ESCOLAR Edital Complementar referente ao Edital GR Nº 777/2015 de oferta de Vagas em Cursos de Graduação Presenciais da Unisul

Leia mais

AVISO N.º 06 GABARITO OFICIAL DAS PROVAS OBJETIVAS

AVISO N.º 06 GABARITO OFICIAL DAS PROVAS OBJETIVAS 1 HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO S.A. (Matriz) e suas Filiais, que compõem o chamado GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO: Hospital Fêmina Hospital Cristo Redentor Hospital Criança Conceição Unidade de Pronto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA A Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA, autarquia federal instituída pela Lei nº 11.640, de 11 de janeiro de 2008, vinculada ao Ministério da Educação, tem sede e foro na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Criação UFG: 14 de dezembro de 1960 1920: primeira universidade brasileira RJ 1934: USP 1808: primeiros estabelecimentos de ensino superior do Brasil em Salvador e Rio de

Leia mais

*1 Não inclui o curso de Radiologia, em função da carga horária e conteúdo.

*1 Não inclui o curso de Radiologia, em função da carga horária e conteúdo. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA Nº 015/2015 O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situada à Rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do Uruguai,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 1. Do fato Assunto: Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Solicitado parecer por enfermeiro sobre a realização de cálculo de dimensionamento

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE VAGAS - Atualizado em 23/11/ Em Vagas Oferecidas/Ano estão incluídas, também, as Vagas Reservadas às Forças Armadas

ANEXO I. QUADRO DE VAGAS - Atualizado em 23/11/ Em Vagas Oferecidas/Ano estão incluídas, também, as Vagas Reservadas às Forças Armadas ANEXO I QUADRO DE - Atualizado em 23/11/2015 1- Em Vagas Oferecidas/Ano estão incluídas, também, as Vagas Reservadas às Forças Armadas 2- O Quadro de Vagas poderá sofrer alterações com a inclusão de novas

Leia mais

As Licenciaturas nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior (ICES)

As Licenciaturas nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior (ICES) As Licenciaturas nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior (ICES) - relatório preliminar da pesquisa- 1. Instituições participantes A pesquisa obteve respostas de 35 ICES, filiadas à ABRUC. 1 Centro

Leia mais

Resultado Geral 02/02/2016 17:30:46. Etec Profª. Drª. Doroti Quiomi K. Toyohara - São Paulo. Resultado Geral

Resultado Geral 02/02/2016 17:30:46. Etec Profª. Drª. Doroti Quiomi K. Toyohara - São Paulo. Resultado Geral 2/2/16 17:3:46 Resultado Geral 4 86,67 75,27 75,71 Parecer da Supervisão Regional A figura do observador no momento da visita de consenso do Observatório Escolar, deve ter o olhar externo que o leve ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Concurso Público para provimento efetivo de vagas no cargo de Professor da Carreira de Magistério Superior

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Concurso Público para provimento efetivo de vagas no cargo de Professor da Carreira de Magistério Superior UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento efetivo de vagas no cargo de Professor da Carreira de Magistério Superior Edital Nº 5, de 9 de junho de 06 Anexo III - Quadro de

Leia mais

Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de:

Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de: Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de: Gestão do Meio Ambiente: Educação, Direito e Análise Ambiental; Gestão Pública Municipal Integrada; Tecnologia de Informação e Comunicação

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP

HOSPITAL DAS CLÍNICAS FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP PORTARIA SHCFMB nº 48 de 24 fevereiro de 2015. Dispõe sobre a distribuição, quantificação e seleção de Médicos do quadro permanente da Autarquia para fins de percebimento de Gratificação de Preceptoria

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX. Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA

COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX. Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CCEX Av. Dr. Arnaldo, 455 1º andar sala 1301 FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA Nome do Programa Programa de Complementação Especializada

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS EME02 - TRANSFERIR PACI- ENTE DO PRONTO SOCORRO PARA UNID. ASSISTENCIAL

MANUAL DE PROCESSOS EME02 - TRANSFERIR PACI- ENTE DO PRONTO SOCORRO PARA UNID. ASSISTENCIAL MANUAL DE PROCESSOS EME02 - TRANSFERIR PACI- ENTE DO PRONTO SOCORRO PARA UNID. ASSISTENCIAL SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO DO HCPA PARA RESIDÊNCIAS MÉDICAS/2017 COM ACESSO DIRETO

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO DO HCPA PARA RESIDÊNCIAS MÉDICAS/2017 COM ACESSO DIRETO MÉDICAS/2017 COM ACESSO DIRETO GABARITO DEFINITIVO DA PROVA OBJETIVA APLICADA EM 27/11/2016 01 C 26 C 51 B 76 B 02 B 27 B 52 E 77 A 03 D 28 A 53 C 78 E 04 A 29 E 54 A 79 B 05 E 30 D 55 D 80 D 06 A 31 B

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA - BH

Leia mais

Mercado de trabalho para o médico no Brasil

Mercado de trabalho para o médico no Brasil Mercado de trabalho para o médico no Brasil 17º Semestre de Debate GVSaude Didier Roberto Torres Ribas 10 de setembro de 2013 Contexto Político-Institucional 1964SECONCI-SP inicia suas atividades de assistência

Leia mais

01. Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HU-UFPI. Vagas Ampla Concorrência

01. Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí - HU-UFPI. Vagas Ampla Concorrência CONCURSO PÚBLICO 13/2014 EBSERH/CONCURSO NACIONAL ANEXO I DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 QUADRO DE VAGAS, SALÁRIO E CARGA HORÁRIA SEMANAL RETIFICADO 01. Hospital Universitário

Leia mais

SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160

SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160 SAÍDAS HOSPITALARES Serviços Contratados Meta Realizado % Alcance das Metas Clínica Médica 136 146 93,38 % Saídas Clínica Cirúrgica 160 83 63,75% Hospitalares TOTAL DE SAÍDAS 296 229 77,36% Fonte: MV SOUL:

Leia mais

SISU/UFMG 1ª EDIÇÃO DE 2016 Máximos e Mínimos por Curso/Modalidade

SISU/UFMG 1ª EDIÇÃO DE 2016 Máximos e Mínimos por Curso/Modalidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Registro Discente Departamento de Registro e Controle Acadêmico SISU/UFMG 1ª EDIÇÃO DE 2016 Máximos e Mínimos por Curso/Modalidade Informações geradas Após após 3ª

Leia mais

ANEXO I. 2- O Quadro de Vagas poderá sofrer alterações com a inclusão de novas vagas em Programas já existentes, pendentes de autorização da CNRM.

ANEXO I. 2- O Quadro de Vagas poderá sofrer alterações com a inclusão de novas vagas em Programas já existentes, pendentes de autorização da CNRM. ANEXO I QUADRO DE 1- Em Vagas Oferecidas/Ano estão incluídas, também, as Vagas Reservadas às Forças Armadas 2- O Quadro de Vagas poderá sofrer alterações com a inclusão de novas vagas em Programas já existentes,

Leia mais

LATO SENSU CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

LATO SENSU CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nº ÁREA SOCIAL 01 GESTÃO DO SUAS - SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 495 HORAS 02 INSTRUMENTALIDADE DO SERVIÇO SOCIAL 495 HORAS 03 PEDAGOGIA SOCIAL E ELABORAÇÃO DE

Leia mais

Qtde Monitores Solicitados. Aprovados com bolsa. Aprovados Voluntários STATUS

Qtde Monitores Solicitados. Aprovados com bolsa. Aprovados Voluntários STATUS Digital Digital Gráfico 1- Introdução à Programação 2- Introdução à Programação Avançada EIXO DE IMAGNES EM MOVIMENTOS 1- Fundamentos da Imagem em Movimento 2- Introdução aos Efeitos Especiais 3- Vídeo

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Introdução A presente Nota Técnica apresenta as diretrizes para a implementação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI E D I T A L DE ABERTURA CPD Nº 015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO, DE 16

Leia mais

Anatomia Humana I 60. Biologia Humana 80. Bioestatística 20. Comunicação e Expressão 20. Fundamentos da Fisioterapia 60. Metodologia Científica 60

Anatomia Humana I 60. Biologia Humana 80. Bioestatística 20. Comunicação e Expressão 20. Fundamentos da Fisioterapia 60. Metodologia Científica 60 1º PERÍODO - FISIOTERAPIA SEGUNDA 19h00 22h15 BIOLOGIA HUMANA Dr. Renato Maluta TERÇA 19h00-21h00 SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA DA SAÚDE Esp. Paulo Moacyr TERÇA 21h15 22h15 BIOESTATÍSTICA Esp. Dorival Pinheiro

Leia mais

S.R. DA PRESIDÊNCIA PARA AS FINANÇAS E PLANEAMENTO, S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 62/1997 de 7 de Agosto

S.R. DA PRESIDÊNCIA PARA AS FINANÇAS E PLANEAMENTO, S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 62/1997 de 7 de Agosto S.R. DA PRESIDÊNCIA PARA AS FINANÇAS E PLANEAMENTO, S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 62/1997 de 7 de Agosto A escassez de profissionais de saúde, designadamente nalgumas especialidades da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO PARA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ANO BASE 2014 2014 Apresentação A Comissão Própria de Avaliação CPA, órgão vinculado à Reitoria da Universidade Federal de Roraima, que tem por fundamentos

Leia mais

Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos

Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos Ministério da Saúde / Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos Michelly Geórgia

Leia mais

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 1 Ações em curso no âmbito da segurança e saúde do Trabalho em Ciências ext. 24126 sht@ciencias.ulisboa.pt 4

Leia mais

EDITAL N.º 089/2014 INSCRIÇÕES E MATRICULAS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE DE 2015

EDITAL N.º 089/2014 INSCRIÇÕES E MATRICULAS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE DE 2015 EDITAL N.º 089/2014 INSCRIÇÕES E MATRICULAS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE DE 2015 Prof. Me. João Batista Gomes de Lima, Magnifico Reitor do Centro Universitário São Camilo, no

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS RELAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO UNISANTOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DESCONTO DE 20% ADMINISTRAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS ECONÔMICAS COMÉRCIO

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO PARA MÉDICO RESIDENTE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2014

CRONOGRAMA DE ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO PARA MÉDICO RESIDENTE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2014 CRONOGRAMA DE ENTREVISTAS PROCESSO SELETIVO PARA MÉDICO RESIDENTE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA PARA O ANO DE 2014 SEGUNDA ETAPA - PRIMEIRA CHAMADA (Análise e arguição de Curriculum Vitae) PERÍODO DE

Leia mais

INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS

INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS Jederson Willian Pereira de Castro Helena Libardi Escola Estadual Sinhá Andrade SEE/MG Universidade Federal de Lavras Eixo Temático: Pesquisa e inovação

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

Desafios da Auditoria de OPMES em Centro Cirúrgico. Como Fazer? Uberaba MG 295.988 habitantes IBGE

Desafios da Auditoria de OPMES em Centro Cirúrgico. Como Fazer? Uberaba MG 295.988 habitantes IBGE Desafios da Auditoria de OPMES em Centro Cirúrgico. Como Fazer? Uberaba MG 295.988 habitantes IBGE Caracterização da Unimed Uberaba Clientes: 60.118 Sinistralidade: 69,37% Cooperados: 543 Colaboradores:

Leia mais

A - FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor)(esse formulário não deve ser modificado e/ou substituído)

A - FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor)(esse formulário não deve ser modificado e/ou substituído) A - FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor)(esse formulário não deve ser modificado e/ou substituído) ALTA COMPLEXIDADE EM TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA NOME DA UNIDADE:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINEIROS DEPARTAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS OBRIGATÓRIOS, TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T.C.C) E ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL PRÁTICO MINEIROS - GOIÁS 2014

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA

RELATÓRIO DE CONCORRÊNCIA 23 - ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA 11 65 5,9 ENFERMAGEM EM CANCEROLOGIA 8 41 5,1 ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA 9 41 4,6 ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO 2 11 5,5 ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA GERAL 5 40 8,0 ENFERMAGEM

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA REPESCAGEM

NOTA EXPLICATIVA REPESCAGEM NOTA EXPLICATIVA REPESCAGEM O Coordenador Geral da Seleção Unificada para os Programas de Residência Médica do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições, considerando a necessidade de preenchimento

Leia mais