PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2014/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2014/2015"

Transcrição

1 PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA 2014/2015 E.S.F.M.P., 22 de outubro de Página 1 de 39

2 ÍNDICE 1. ORGANIZAÇÃO 1.1. Calendário Escolar 1.2. Horário de Funcionamento da Escola 1.3. Estruturas de Orientação Educativa 1.4. Plano de Ocupação dos Tempos Escolares dos Alunos 2. OPÇÕES CURRICULARES 2.1. Ensino Básico 2.2. Ensino Secundário 2.3. Cursos Profissionais 3. ENSINO BÁSICO (Reorganização Curricular) 3.1. DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM Domínios de Carácter Transversal (DL 14/2011, 18 de novembro) Domínios Específicos das Disciplinas 3.2. OFERTA COMPLEMENTAR - Educação para a Cidadania Objetivos e Organização Temas Avaliação 3.3. AVALIAÇÃO Protocolo de Avaliação Professor / Aluno Protocolo de Avaliação Escola / Encarregado de Educação Critérios de Avaliação por Disciplina (Fichas de Registo de Avaliação) Critérios de Avaliação Global (Ficha de Registo de Avaliação Global) Avaliação Sumativa: Condições de Retenção / Progressão nos Anos Intermédios de Ciclo e de Transição no Final de Ciclo Assiduidade 4. ENSINO SECUNDÁRIO 4.1. DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM Domínios Específicos das Disciplinas 4.2. AVALIAÇÃO Critérios de Avaliação por Disciplina Condições de Transição 5. EDUCAÇÃO ESPECIAL 5.1. Objetivos 5.2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual 5.3. Ações no âmbito do Projeto Educativo 6. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) 6.1. Objetivos e Organização 6.2. Principais Atividades 7. Tutorias 8. Projeto Liga-TE 9. ANEXOS 9.1. Fichas de Registo de Avaliação do Ensino Básico 9.2. Ficha de Registo de Avaliação Global do Ensino Básico 9.3. Projeto Curricular de Turma do Ensino Básico Perfil de Turma 9.4. Fichas de Registo de Avaliação do Ensino Secundário 9.5. Fichas de Registo de Avaliação das ofertas Profissionalizantes Fichas do Curso Vocacional Fichas do Curso de Educação e Formação Fichas dos Cursos Profissionais 9.6. Plano Anual de Atividades 2 Página 2 de 39

3 1 ORGANIZAÇÃO 1.1. Calendário Escolar Receção aos Alunos 7º Ano 12/09 10:00 h. 10º Ano 12/09 15:00 h. Início das atividades letivas 15/09 Dia do Diploma e do Quadro de Mérito 2013/14 26/09 Conselhos de Turma Intercalares 30/10 a 7/11 1ª Interrupção 17/12 a 02/01 1º momento de Avaliação 16 a 18/12 Conselhos de Turma Intercalares 9 a 20/02 2ª Interrupção 16 a 18/02 3ª Interrupção 23/3 a 6/04 2º momento de Avaliação 20 a 24/03 Avaliação final: Básico Secundário 5 a 12/ Horário de Funcionamento da Escola Manhã Início Fim Tarde Início Fim 1º 8:00 13:25 2º 8:55 14:15 3º 9:50 15:10 4º 10:45 16:05 5º 11:40 17:00 6º 12:35 17:55 3 Página 3 de 39

4 1.3. Estruturas de Orientação Educativa Nos termos do Decreto-Lei nº75/2008, alterado pelo Decreto-Lei nº137/2012 de 2 de julho, o Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa da escola, nomeadamente nos domínios pedagógico-didático, da orientação e acompanhamento dos alunos e da formação inicial e contínua do pessoal docente e não docente. (artº31) No quadro do mesmo normativo, são definidas as competências do Conselho Pedagógico (artº33), a saber: a) Elaborar a proposta de projeto educativo a submeter pelo diretor ao Conselho Geral; b) Apresentar propostas para a elaboração do regulamento interno e dos planos anual e plurianual de atividade e emitir parecer sobre os respetivos projetos; c) Emitir parecer sobre as propostas de celebração de contratos de autonomia; d) Elaborar e aprovar o plano de formação e de atualização do pessoal docente; e) Definir critérios gerais nos domínios da informação e da orientação escolar e vocacional, do acompanhamento pedagógico e da avaliação dos alunos; f) Propor aos órgãos competentes a criação de áreas disciplinares ou disciplinas de conteúdo regional e local, bem como as respetivas estruturas programáticas; g) Definir princípios gerais nos domínios da articulação e diversificação curricular, dos apoios e complementos educativos e das modalidades especiais de educação escolar; h) Adotar os manuais escolares, ouvidos os departamentos curriculares; i) Propor o desenvolvimento de experiências de inovação pedagógica e de formação, no âmbito do agrupamento de escolas ou escola não agrupada em articulação com instituições ou estabelecimentos de ensino superior vocacionados para a formação e a investigação; j) Promover e apoiar iniciativas de natureza formativa e cultural; k) Definir os critérios gerais a que deve obedecer a elaboração de horários; l) Definir os requisitos para a contratação de pessoal docente e não docente, de acordo com o disposto na legislação aplicável; m) Propor mecanismos de avaliação dos desempenhos organizacionais e dos docentes, bem como da aprendizagem dos alunos, credíveis e orientados para a melhoria da qualidade do serviço de educação prestado e dos resultados das aprendizagens; n) Participar, nos termos regulamentados em diploma próprio, no processo de avaliação do desempenho do pessoal docente. Nos termos do Decreto-lei nº2/2008, é ainda da competência do Conselho Pedagógico a constituição da comissão de coordenação da avaliação de desempenho docente. Tendo em conta o carácter essencialmente técnico do órgão, as competências enunciadas anteriormente e o limite legal de membros definido pelo Decreto-Lei nº75/2008, alterado pelo Decreto-Lei nº137/2012 de 2 de julho (artº32), regista-se a seguinte composição: Composição do Conselho Pedagógico Diretor Coordenadores de Departamento Coordenadores de Diretores de Turma: Ensino Básico e Ensino Secundário Coordenador do Plano de Desenvolvimento Profissional Coordenador do Centro de Estudos para a Autoavaliação da Escola Professora Bibliotecária Representante da Educação Especial Representante do SPO (Serviço de Psicologia e Orientação Vocacional) Representante dos Cursos Profissionais Representante do PES (Programa de Educação para a Saúde) Coordenadores das Disciplinas com maior insucesso Total: 17 membros 4 Página 4 de 39

5 A Organização das atividades da Turma, as suas estruturas, funções e atividades, nomeadamente Conselhos de Turma, diretores de turma, conselho de diretores de turma não serão enunciadas neste documento, pois integram detalhadamente o Regulamento Interno da escola Plano de Ocupação dos Tempos Escolares dos Alunos O princípio básico a que obedece este plano é o cumprimento integral das atividades letivas previstas no início do ano letivo. Em situações excecionais e devidamente fundamentadas, as ausências a atividades letivas por parte dos docentes são preenchidas por: a) Permutas voluntárias entre professores do mesmo Conselho de Turma, previamente comunicadas e devidamente autorizadas pelo Diretor, a concretizar no espaço temporal de uma semana. b) Aulas de compensação, previamente comunicadas e devidamente autorizadas pelo Diretor, a realizar no prazo máximo de uma semana, em horário e sala acordados entre o docente e os alunos e comunicadas por escrito aos encarregados de educação. c) Aulas de substituição, quando for totalmente impossível a realização de permuta e compensação, previamente comunicadas e devidamente autorizadas pelo Diretor, garantidas por um professor voluntário do mesmo grupo disciplinar. d) Aulas de substituição, previamente autorizadas pelo Diretor, quando for totalmente impossível a permuta ou compensação, colmatadas por um professor da mesma disciplina (com horário incompleto ou, excecionalmente, em situação de hora extraordinária) indicado pelo respetivo coordenador. e) Atividades de enriquecimento curricular 2 OFERTA FORMATIVA 2.1.Desenho Curricular do 3º Ciclo Ensino Regular Turno M M M M TURMAS DISCIPLINAS 7º 1 7º 2 7º 3 7º 4 Português Língua I (a) I I I I Língua II (c) F A/F F A/F História Geografia Matemática Físico Química 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) Ciências Naturais 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) Educação Visual TIC OADM/ Oficina Dança (c) Educação Física Educação para a Cidadania (b) E.M.R.C. / D.P.S. 1* 1* 1* 1* 5 Página 5 de 39

6 OBS: A CARGA HORÁRIA INDICADA É EM TEMPO LETIVOS DE 45 MINUTOS - Nas disciplinas de Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas, a turma divide-se em dois turnos o que implica que o horário do Professor tenha mais 1 tempo letivo. - As disciplinas assinaladas a sombreado serão lecionadas no turno contrário. - Nas disciplinas de OADM e Oficina de Dança há junção das turmas (* #): 8º2 com 8º4. a) Língua iniciada no 2º Ciclo. b) Deve ser atribuído preferencialmente ao Diretor de Turma e, obrigatoriamente, a um professor do conselho de turma. c) Os alunos escolhem uma destas disciplinas. d) Disciplinas/Turmas com Reforço Curricular. DISCIPLINAS Turno M M M M M M TURMAS 9º 1 9º 2 9º 3 9º 4 9º 5 9º 6 Português 6 (d) 6 (d) 6 (d) 6 (d) 6 (d) 6 (d) Língua I (a) Língua II Turno T T T T T TURMAS DISCIPLINAS 8º 1 8º 2 8º 3 8º 4 8º5 Português 6 (d) 6 (d) 6 (d) 5 5 Língua I (a) I I I I I Língua II F F F F F História Geografia Matemática Físico Química 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) Ciências Naturais 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) Educação Visual TIC OADM/ Oficina Dança I 2 F 3 1 1* 1 1* 1 I 2 F /A 3 1# 1# Educação Física Educação para a Cidadania (b) E.M.R.C. / D.P.S. 1* 1* 1* História Geografia Matemática 6 (d) 6 (d) 6 (d) 6 (d) 6 (d) 6 (d) Físico Química 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) Ciências Naturais 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) 3(4) Educação Visual Educação Física Educação para a Cidadania (b) E.M.R.C. / D.P.S. 1* 1* 1* 1* 1* 1* I 2 F 3 I 2 F 3 I 2 F 3 I 2 F 3 6 Página 6 de 39

7 Curso Vocacional Turno M Formação Geral TURMAS DISCIPLINAS 9º 8 Portuguesa 5 Inglês 3 Educação Física 3 Matemática 5 História 2 Formação Complementar Geografia 2 Ciências Naturais 2 Físico Química 2 Francês/Alemão 2 Comércio 5 Formação Vocacional Artes 2 Tecnologias 3 Organização de Eventos Turísticos 5 TOTAL 41 OBS: A CARGA HORÁRIA INDICADA É EM TEMPO LETIVOS DE 45 MINUTOS 9º Ano - Curso de Educação e Formação Tipo 2 - Nível 2 - Empregado Comercial Turno M TURMAS DISCIPLINAS 9º 7 CEF Língua Portuguesa 4 Inglês 4 TIC 2 Cidadania e Mundo Atual 4 Educação Física 2 Matemática Aplicada 5 Atividades Económicas 3 Serviço Pós-Venda 6 Técnicas de Atendimento 10 TOTAL 40 OBS: A CARGA HORÁRIA INDICADA É EM TEMPO LETIVOS DE 45 MINUTOS - As disciplinas assinaladas a sombreado serão lecionadas no turno contrário 7 Página 7 de 39

8 Formação Específica Formação Geral Formação Específica Formação Geral Desenho Curricular do Ensino Secundário (10º, 11º e 12º Anos) Turno M M M M M M M M TURMAS 10º1 10º 2 10º 3 10º 4 10º 5 10º6 10º7 10º 8 DISCIPLINAS Português Filosofia Inglês Francês Cont. a) Educação Física Matemática A Matemática B M.A.C.S. 6 Física e Química A 7(10) 7(10) 7(10) Biologia e Geologia 7(10) 7(b) 7(10) Geometria Descritiva A 6 Economia A 6 6 Geografia A História A 6 6 História B 6 Literatura Portuguesa Francês 2 5(8) Desenho A 3 3(6) História da Cultura e Artes Alemão Educação Moral e Religiosa CURSO C. T. C. T. C. T. C. S.E. C. S.E. L.H. L.H. A. V. 6(b) Turno TURMAS DISCIPLINAS Português º1 11º 2 11º 3 11º 4 11º5 11º 6 11º 7 11º 8 Filosofia Inglês Francês (cont.) Educação Física PLNM Matemática A Matemática B M.A.C.S. 6(b)* 6(c)* Física e Química A 7(10) 7(10) 7 (10) Biologia e Geologia 7(10) 7(b) 7 (10) Geometria Descritiva A (cont) 6(7)*(b) 6(7)* Geografia A (c)* Economia A 6 6 História A 6 6 História B 6 História Cultura e Artes 6 Literatura Portuguesa Desenho A 6(9) Alemão 7(b)* 7(c)* Educação Moral e Religiosa 1* 1* CURSO C. T. C. T. C. T. C.S.E C.S.E. L.H. L.H. A. V. 6(c)* 8 Página 8 de 39

9 Formação Específica Formação Geral Turno M M M M M M M M TURMAS DISCIPLINAS Português º1 12º 2 12º 3 12º 4 12º 5 12º 6 12º 7 12º 8 Educação Física Matemática A Biologia 4 (6) 4 4(6) Química 4 (b) Física 4* 4* (b) Psicologia B 4 *(b) 4* (b) 4 Economia C 4 4 Sociologia 4 4 Ciência Política 4*(b) 4* História A 6 6 Inglês 4* (b) 4 (b) 4* Desenho A 6 Oficina de Artes 4 Aplicações Informáticas B 4* 4*(b) Oficina Multimédia B 4 E. M. R. C. CURSO C. T. C. T. C. T. C. S. E. C. S. E. C.L.H. C.L.H. A.V. OBS: A CARGA HORÁRIA INDICADA É EM TEMPO LETIVOS DE 45 MINUTOS O símbolo * indica junção de turmas numa disciplina. As disciplinas assinaladas a sombreado serão lecionadas no turno contrário As turmas 12º2 e 12º3 terão de ter professores distintos na disciplina de Biologia. b) Os alunos optam por uma das disciplinas. c) Os alunos frequentam apenas duas destas disciplinas CURSOS PROFISSIONAIS 10º CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO & CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS FORMAÇÃO CIENTÍFICA FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL CP TÉCNICO DE TURISMO CP TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS Turno TURMA DISCIPLINAS 10º 9 Português 5 Área de Integração 3 Inglês 3 Educação Física 2 TIC 4 Matemática 3 História e Cultura das Artes 4 Matemática 4 Física e Química 4 Comunicar Líng. Est. 4 M FORMAÇÃO TÉCNICA CP TÉCNICO DE TURISMO OTET TCAT 5 5 TIAT 7 9 Página 9 de 39

10 CP TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS Sist.Dig.Arq.Computadores 4 Comunicação de Dados 4 Eletrónica Fundamental 6 Inst.Man.Equip.Informáticos 2 Total de Tempos Letivos º CURSO PROFISSIONAL DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS & CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE DESIGN FORMAÇÃO CIENTÍFICA FORMAÇÃO TÉCNICA FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL CP Organização Eventos CP Técnico Design CP Organização Eventos CP Técnico Design 12º CURSO PROFISSIONAL DE TURISMO TURMA DISCIPLINAS 11º 9 Português 5 Área de Integração 3 Inglês 3 Educação Física 2 Matemática 2 Economia 4 Psicologia e Sociologia 2 2 Geometria Descritiva 5 História e Cultura das Artes 5 Gestão e Produção de Eventos 6 Marketing e Comunicação 4 Produção e Técnicas de Eventos 4 Desenho de Comunicação 4 Desenho Assistido por Computador 4 Materiais e Tecnologias 4 Design 8 Total de Tempos Letivos 43 FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL FORMAÇÃO CIENTIFICA FORMAÇÃO TÉCNICA Turno TURMA DISCIPLINAS 12º 9 Português 5 Área de Integração 3 Inglês 3 Educação Física 2 Geografia 3 História e Cultura das Artes 2 Comunicar em Francês 3 Turismo-Informação e Animação Turística 6 Técnicas de Comunicação em Acolhimento Turístico 3 Operações Técnicas em Empresas Turísticas 5 M Total Tempo Letivo Página 10 de 39

11 OBS: A CARGA HORÁRIA INDICADA É EM TEMPO LETIVOS DE 45 MINUTOS As disciplinas assinaladas a sombreado serão lecionadas no turno contrário 3. ENSINO BÁSICO Domínios de Aprendizagem Domínios de Carácter Transversal DOMÍNIOS Métodos de Trabalho e de Estudo Comunicação Relacionamento Interpessoal / Comportamento de Carácter Transversal Participar em atividades, individuais e coletivas, de acordo com regras estabelecidas. Identificar, selecionar e aplicar métodos de trabalho e de estudo. Exprimir dúvidas ou dificuldades. Avaliar a adequação dos métodos de trabalho e de estudo, formulando opiniões, sugestões e propondo alterações. Pesquisar, organizar, tratar e produzir informação em função das necessidades, problemas a resolver e dos contextos e situações. Utilizar diferentes formas de comunicação verbal, adequando a utilização do código linguístico, especialmente a Língua Portuguesa, aos contextos e às necessidades. Utilizar outras formas de comunicação, especialmente as T.I.C., aplicando técnicas e códigos apropriados. Conhecer e atuar de acordo com as normas estabelecidas no Regulamento Interno nos vários contextos, a começar pela sala de aula Domínios de Aprendizagem das Disciplinas Português DOMÍNIOS Competências Essenciais de PORTUGUÊS Ponde ração Compreensão de formas complexas do oral exigidas para o prosseguimento de estudos e para entrada na vida profissional. Capacidade de extrair informação de discursos de diferentes géneros formais e públicos do oral, cuja complexidade e duração exijam focalização da atenção por períodos prolongados. ORALIDADE (OUVIR /FALAR) Conhecimento das estratégias linguísticas e não linguísticas utilizadas explícita e implicitamente para realizar diferentes objetivos comunicativos. Fluência e adequação da expressão oral em contextos formais. Capacidade de utilização de recursos expressivos, linguísticos e não linguísticos, como estratégias de adesão, de oposição e de persuasão. 15% 80% Conhecimento vocabular e gramatical requerido nos géneros formais e públicos do oral necessários para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. LEITURA E EDUCAÇÃO LITERÁRIA Fluência de leitura e eficácia na seleção de estratégias adequadas ao fim em vista. Capacidade para reconstruir mentalmente o significado de um texto (literário e não literário) em função da relevância e da hierarquização das unidades informativas deste. Conhecimento das chaves linguísticas e textuais que permitem desfazer ambiguidades, deduzir sentidos implícitos e reconhecer usos figurativos % Página 11 de 39

12 Naturalidade e correção no uso multifuncional do processo de escrita. ESCRITA Capacidade para usar multifuncionalmente a escrita, com a consciência das escolhas decorrentes da função, forma e destinatário. Conhecimento dos géneros textuais e das técnicas de correção e aperfeiçoamento dos produtos do processo de escrita. 25% Conhecimento Explícito da Língua (GRAMÁTICA) Conhecimento sistematizado dos aspetos básicos da estrutura e do uso do Português. Capacidade de reflexão linguística com objetivos cognitivos gerais e específicos. Conhecimento sistematizado dos aspetos fundamentais da estrutura e do uso do Português padrão, pela apropriação de metodologias de análise da língua. 15% ATITUDES Participação ativa e pertinente nas atividades letivas. Cumprimento de tarefas e prazos. Saber estar na aula num clima de cooperação, em que se aceitam e integram diferenças pessoais e culturais e em que prevalecem a confiança e o respeito mútuos. 20% Cumprimento das regras sociais que regem o(s) espaço(s) de aprendizagem intra e extra-aula Francês COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO 7º 8º 9º COMPREENSÃO ORAL E ESCRITA Ouvir/ver textos orais e audiovisuais de natureza diversificada adequados ao desenvolvimento intelectual, socioafetivo e linguístico do aluno Ler textos escritos de natureza diversificada adequados ao desenvolvimento intelectual, socioafetivo e linguístico do aluno INTERAÇÃO ORAL E ESCRITA Ouvir/Falar em situações de comunicação diversificadas Ler/Escrever em situações de comunicação diversificadas PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA 30% 30% 30% 30% 30% 30% 80% COMUNICAÇÃO Falar/Produzir textos orais correspondendo a necessidades específicas de comunicação Escrever/Produzir textos escritos correspondendo a necessidades específicas de comunicação 20% 20% 20% SABER APRENDER ATITUDES Participar de forma consciente na construção de uma competência plurilingue e pluricultural. Utilizar estratégias de apropriação de língua estrangeira enquanto instrumento de comunicação. Utilizar estratégias de apropriação do sistema da língua estrangeira. Adequar estratégias e procedimentos adequados às necessidades de aprendizagem próprias. SABER SER E ESTAR Interagir no contexto da sala de aula de forma responsável e colaborativa, contribuindo para a criação de um bom clima de trabalho. Participar no contexto social da Escola de forma responsável e colaborativa. Assumir atitudes de solidariedade e de empenhamento face a problemas atuais de âmbito nacional e internacional. Ser assíduo e pontual. 5% 15% 20% 12 Página 12 de 39

13 Inglês DOMÍNIOS Competências Essenciais de INGLÊS (LE I) COMPREENDER INTERAGIR PRODUZIR ATITUDES e VALORES: SABER APRENDER SABER SER E SABER ESTAR Ouvir / Ver textos orais e audiovisuais Ler textos escritos Ouvir / Falar em situações de comunicação diversificada Ler / Escrever em situações de comunicação diversificada Ponde ração Falar / Produzir textos escritos Escrever / Produzir textos escritos 80% De modo a realizar atos de comunicação corretos e adequados, utilizando níveis e tipos de linguagem, bem como vocabulário e estruturas gramaticais apropriadas no âmbito das áreas temáticas selecionadas. Organização do Trabalho Autonomia Assiduidade / Pontualidade Respeito por si e pelos outros 20% Alemão DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DE ALEMÃO (LE II) PONDE RAÇÃO COMPREENDER INTERAGIR PRODUZIR Ouvir / Ver textos orais e audiovisuais Ler textos escritos Ouvir / Falar em situações de comunicação diversificada Ler / Escrever em situações de comunicação diversificada Falar / Produzir textos escritos Escrever / Produzir textos escritos De modo a realizar atos de comunicação corretos e adequados, utilizando níveis e tipos de linguagem, bem como vocabulário e estruturas gramaticais apropriadas no âmbito das áreas temáticas ATITUDES e VALORES: SABER APRENDER SABER SER E SABER ESTAR Organização do Trabalho Autonomia Assiduidade / Pontualidade Respeito por si e pelos outros 80% 20% 13 Página 13 de 39

14 História DOMÍNIOS Competências Essenciais de HISTÓRIA Ponde ração PESQUISA E ANÁLISE DE FONTES COMPREENSÃO HISTÓRICA Utilizar a metodologia específica da História Inferir conceitos históricos a partir da interpretação e análise de fontes. Temporalidade - Identificar e caracterizar as fases principais da evolução histórica e grandes momentos de rutura. Espacialidade - Localizar, no espaço, diferentes aspetos da sociedade humana. - Estabelecer relação entre a organização do espaço e os condicionalismos físico-naturais. Contextualização - Distinguir os aspetos de ordem demográfica, económica, social, política e cultural, e estabelecer conexões e inter-relações entre eles. - Interpretar o papel dos indivíduos e dos grupos na dinâmica social. - Reconhecer o carácter relativo dos valores culturais em diferentes espaços e tempos históricos. COMUNICAÇÃO Utilizar corretamente o vocabulário específico da História. Participação nas aulas ATITUDES: Realização das tarefas fora da aula Respeito pelas regras da comunidade 80% 20% Geografia DOMÍNIOS CONHECIMENTOS DE NATUREZA TÉCNICO-CIENTÍFICA CAPACIDADE DE COMUNICAÇÃO ATITUDES Competências Essenciais de GEOGRAFIA Ponde ração Comparar representações diversas da superfície terrestre, utilizando o conceito de escala. Ler e interpretar globos, mapas e plantas de várias escalas, utilizando a legenda, a escala e as coordenadas geográficas. Localizar Portugal e a Europa no Mundo, completando e construindo mapas. Descrever a localização relativa do lugar onde vive, utilizando como referência o país, a Europa e o Mundo. Utilizar o vocabulário geográfico com descrições orais e escritas de lugares, regiões e distribuições de fenómenos geográficos. Formular e responder a questões geográficas, utilizando atlas, fotografias aéreas, bases de dados, cd-roms e Internet. Analisar casos concretos e refletir sobre soluções possíveis, utilizando recursos, técnicas e conhecimentos geográficos. Desenvolver a utilização de dados/ índices estatísticos, tirando ilações a partir de exemplos reais, que justifiquem as conclusões apresentadas. Entender como o Homem pode atuar face às características físicas do território, utilizando histórias reais ou imaginárias, relatos apoiados por fotografias ou filmes, entrevistas com familiares e/ou elementos da comunidade. Expressar opiniões sobre características positivas e negativas do meio, sugerindo ações concretas e viáveis que contribuam para melhorar e tornar mais atrativo o ambiente onde os alunos vivem. Interpretar e analisar as inter-relações entre fenómenos naturais e humanos. Analisar casos concretos que mostrem a importância da preservação e conservação do ambiente. 80% Empenho na aprendizagem com a realização de trabalhos na aula e extraaula. Cumprimento das normas estabelecidas no Regulamento Interno. 20% 14 Página 14 de 39

15 Matemática DOMÍNIOS OBJETIVOS ESSENCIAS DA MATEMÁTICA Ponde ração RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Adotar estratégias adequadas à resolução de problemas para compreender situações da realidade, conjugar informação diversa, selecionar dados, relacionar e aplicar conceitos matemáticos. Compreender modelos matemáticos que envolvam raciocínio matemático (lógico e dedutivo), através da exploração de situações problemáticas de natureza numérica e/ou geométrica. CONCEITOS E PROCEDIMENTOS COMUNICAÇÃO MATEMÁTICA Adquirir e compreender conceitos matemáticos e identificar propriedades. Efetuar cálculos, identificar e praticar procedimentos matemáticos de forma compreensiva. Utilizar e manusear material de medição e de desenho. Utilizar as novas tecnologias calculadora e/ou computador. Usar uma linguagem clara e adequada para argumentar, discutir com os outros e comunicar descobertas, explicar raciocínios e ideias matemáticas. Interpretar e representar informações matemáticas e relações funcionais de vários modos. Pesquisar, interpretar nas vertentes oral e escrita, produzir conclusões e pequenos textos com informação matemática. 80% ATITUDES Participar nas atividades letivas. Participar nas atividades fora da aula. Respeitar as regras do Regulamento Interno. 20% Ciências Naturais DOMÍNIOS CONHECIMENTO Competências Essenciais de CIÊNCIAS NATURAIS Aquisição, compreensão e utilização de conceitos Ponde ração RACIOCÍNIO Análise de situações Resolução de problemas COMUNICAÇÃO / METODOLÓGICAS ATITUDES Exposição clara e organizada de ideias Uso correto de linguagem científica Domínio de métodos/atitudes de trabalho em ciência Empenho na aprendizagem Cumprimento das normas estabelecidas no Regulamento Interno 80% 20% 15 Página 15 de 39

16 Ciências Físico-Químicas DOMÍNIOS CONHECI- MENTO Competências Essenciais de CIÊNCIAS FÍSICO-QUIMICAS Conhecer conceitos, leis e modelos científicos Usar instrumentos e técnicas específicas, respeitando as regras de segurança Ponde ração RACIOCÍNIO COMUNI- CAÇÃO ATITUDES Selecionar, organizar e interpretar dados Interpretar cientificamente fenómenos físicos e químicos do mundo à sua volta Inferir da importância da Física e da Química no desenvolvimento sustentável da Ciência/Tecnologia Expor as ideias de forma organizada, objetiva e clara Usar corretamente linguagem científica Distinguir linguagem quotidiana de linguagem cientifica Domínio de métodos/atitudes de trabalho em Ciências 80% Participação nas atividades letivas Participação nas atividades fora da aula Respeito pelas regras da comunidade 20% Educação Visual DOMÍNIOS Objetivos Essenciais de EDUCAÇÃO VISUAL Ponde ração TÉCNICA Caraterizar procedimentos de carácter sistemático e metodológico com objetivo da aquisição de conhecimento teórico e prático e a ampliação de aptidões específicas 20% REPRESENTAÇÃO Caraterizar procedimentos de registo, comunicação, esquematização e visualização de simbologias gráficas de modo racional e conciso, conforme os propósitos a que se destina 20% DISCURSO Caraterizar procedimentos de registo, comunicação, esquematização e visualização de simbologias gráficas de modo racional e conciso, conforme os propósitos a que se destina 20% PROJECTO Caraterizar por procedimentos coordenados e interligados, executados com o intuito de cumprir um determinado objetivo específico, envolvendo ações de análise de requisitos e recursos disponíveis. 20% ATITUDES Empenho, na aprendizagem (trabalhos realizados em aula e extra aula Cumprimento das normas estabelecidas no Regulamento Interno 20% 16 Página 16 de 39

17 Oficina de Artes, Design e Multimédia DOMÍNIOS Objetivos Essenciais de OFICINA DE ARTES, DESIGN E MULTIMÉDIA Ponde ração APREENDER Adquirir conceitos. Mobilizar todos os sentidos na perceção do mundo envolvente. Descodificar e interpretar linguagens artísticas. Relacionar-se emotivamente com as manifestações artísticas. 15% PRODUZIR Participar em momentos de improvisação nos processos de criação artística. Procurar soluções originais, diversificadas e criativas nos desafios propostos. 25% CONTEXTUALIZAR Desenvolver projetos de pesquisa. Comparar diferentes formas de expressão artística. Identificar características de arte de diferentes povos, culturas e épocas. 25% CRIATIVIDADE NAS DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DE NOVOS SABERES Procurar soluções originais, diversificadas e criativas nos desafios propostos. Participar em momentos de improvisação nos processos de criação artística. 15% ATITUDES Empenho, na aprendizagem (trabalhos realizados em aula e extra aula Cumprimento das normas estabelecidas no RI 20% Tecnologias de Informação e Comunicação DOMÍNIOS COMPETÊN- CIAS ATITUDES Competências Essenciais de TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Aquisição / Compreensão Produção / Criação Qualidade do trabalho produzido Ponde -ração Apresentação de Trabalhos 80% Participar nas aulas. Ser assíduo e pontual. Respeitar-se a si e aos outros. 20% 17 Página 17 de 39

18 Educação Física CONHECIMENTOS ATIVIDADES FÍSICAS APTIDÃO FÍSICA ATITUDES Competências Essenciais de EDUCAÇÃO FÍSICA - Conhece os processos de elevação e manutenção das capacidades físicas - Realiza com oportunidade e correção as ações técnico-táticas do nível Introdução de dois jogos desportivos coletivos entre: Futsal, Basquetebol, Voleibol e Andebol, - Realiza, da ginástica, as destrezas do nível Introdução, do solo, dos saltos (plinto e mini trampolim) e da trave; - Realiza, do atletismo as seguintes modalidades: salto em altura, corta mato, 1000 m, 40m e estafetas, cumprindo as exigências do nível Introdução; - Realiza com oportunidade e correção as ações técnico-táticas do nível Introdução do Badminton; - Realiza com expressividade, as coreografias individuais e/ou de grupo, do nível Introdução; - Realiza percursos dentro ou fora da escola, interpretando os sinais da carta e do próprio percurso, preservando a qualidade do ambiente. - Atinge a zona saudável em três testes do Fitnessgram, sendo dois deles obrigatoriamente os de Resistência e Força Abdominal - Realiza com autonomia empenho, e responsabilidade, todas as tarefas de aprendizagem e de organização. Coopera com os colegas em todas as situações propostas. Respeita as regras de participação, normas de segurança e higiene, os colegas e o professor no desenvolvimento das várias atividades físicas. 10% 55% 15% 20% Oficina de Dança Executa os passos e as coreografias com coordenação e em sintonia com a música. 75% Apresenta propostas de aperfeiçoamento e melhoria das coreografias ensinadas. 5% Coopera com os colegas e participa ativamente nas tarefas. 20% Educação Moral e Religiosa Católica DOMÍNIOS Em atualização!! Ponderação COGNITIVO * 80% SOCIO-AFETIVO 20% 18 Página 18 de 39

19 3.2. Educação para a Cidadania A Educação para a Cidadania tem como objetivo central, proporcionar a construção de identidade e o desenvolvimento da consciência cívica dos alunos Objetivos e Organização Refletir acerca das oportunidades para participarmos ativamente de forma responsável, na construção de um mundo melhor, no qual todos tenham lugar como pessoas iguais e diferentes; Construir uma identidade pessoal (nos domínios afetivo, cognitivo e social) positiva, autónoma e cooperante; Desenvolver a consciência cívica e moral, pela interiorização das regras sociais, favorecendo a maturidade social; Valorizar as Relações Interpessoais, nomeadamente o valor do respeito por si, pelo outro e pelo bem comum; Conhecer e compreender o que nos cerca; Promover atitudes conducentes a uma educação para a paz; Desenvolver o espírito crítico, a criatividade e a solidariedade; Treinar a capacidade de expor, argumentar, escutar os outros e falar de si mesmo; Adquirir, desenvolver e atualizar conhecimentos sobre os temas escolhidos, expondo a sua opinião própria; Dialogar e refletir sobre experiências vividas, preocupações sentidas, temas e problemas sociais relevantes Temas a tratar ao longo do 3º ciclo 1º período 2º período 3º período 7º Ano 8º Ano 9º Ano Liberdade e responsabilidades Educação Ambiental Educação Sexual democráticas Direitos Humanos Direitos humanos Direitos humanos Educação Familiar Educação Sexual Educação para o consumo Educação Sexual Educação Financeira Empreendedorismo Educação para a saúde Educação para os Media Educação para o voluntariado Semana do Patrono Semana do patrono Semana do patrono Avaliação O principal objetivo da Educação para a Cidadania é proporcionar a aquisição de competências que propiciem a inserção responsável, e com gosto, do jovem na comunidade. A concretização destas competências, designadas de competências de vida, são objeto de avaliação, essencialmente através do comportamento e das atitudes manifestadas. Prevê-se uma avaliação essencialmente formativa, pois esta é mais condizente com a formação integral do aluno e simultaneamente constitui-se como forma de orientação, no sentido de proporcionar elementos que visem superar as dificuldades detetadas. Essa avaliação expressar-se-á de forma qualitativa (Não Satisfaz, Satisfaz e Satisfaz Bem). 19 Página 19 de 39

20 3.3. AVALIAÇÃO Protocolo Professores/Alunos Protocolo de Avaliação - Professores/Alunos Compete aos professores: Organizar os processos de ensino e de aprendizagem; Ensinar e criar condições de aprendizagem; Dar a conhecer os objetivos das disciplinas, das unidades didáticas e das aulas; Dar a conhecer os critérios de avaliação das disciplinas e respetiva ponderação; Participar na construção de regras e criar bom ambiente de trabalho; Zelar pelo cumprimento das regras definidas no Regulamento Interno; Conceber instrumentos para a avaliação dos alunos; Avaliar as aprendizagens dos alunos e o seu envolvimento na formação; Criar condições para que os alunos desenvolvam capacidades de aprender a aprender e de se autoavaliarem; Fornecer indicações sobre a evolução dos alunos e sobre as medidas que possam remediar e/ou enriquecer a aprendizagem. Compete aos alunos: Empenhar-se na construção das aprendizagens; Envolver-se na organização das tarefas escolares; Realizar todas as atividades sugeridas para a construção do saber; Cumprir as regras estabelecidas no Regulamento Interno, para que existam condições de trabalho na escola; Participar na construção de regras de conduta e funcionamento das aulas; Realizar as tarefas que lhe são atribuídas e pelas quais é responsável; Colaborar na divulgação do conhecimento que possui; Esforçar-se por resolver dificuldades; Participar na avaliação dos seus conhecimentos; Participar na avaliação das atitudes que revela na escola; Ser solidário com os outros. Assinatura do Diretor de Turma Assinatura do Aluno...[A devolver ao Diretor de Turma]... Tomei conhecimento do Protocolo de Avaliação - Professores/Alunos do meu educando,, aluno(a) nº, do ano/turma º. Data: / / 20 O Encarregado de Educação 20 Página 20 de 39

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos PORTUGUÊS 10º ano 2015-16 5% Oralidade e Educação Literária Leitura e Educação Literária Escrita e Educação Literária Educação Literária Gramática

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos PORTUGUÊS 2 2 2 1 Oralidade Leitura Escrita Funcionamento da Língua LITERATURA PORTUGUESA 90% Domínio do Conhecimento 3 3 Leitura Escrita Oralidade

Leia mais

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA)

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (10º, 11º e 12º anos) ENSINO SECUNDÁRIO ATITUDES E VALORES Assiduidade e Pontualidade 3% Fichas de registo de observação Responsabilidade e

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2015/2016 MN.FIJ.02.00 1/10 ANO LETIVO 2015/2016 Proposta da Direção Pedagógica Homologação pelo Conselho Pedagógico I- ENQUADRAMENTO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras Inglês

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS Conhecimentos e Competências Saber, Saber Fazer Atitudes e Comportamentos Saber Estar 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico Ano Letivo 2013/2014 Os professores dos grupos disciplinares de línguas estrangeiras

Leia mais

2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa

2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO RESULTADOS ESCOLARES 2013/2014 Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa A intencionalidade do Projeto Educativo a missão e visão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS INFANTE D. HENRIQUE 2015-2016 Índice Enquadramento 3 Referentes 4 Princípios orientadores 5 Intervenientes 5 Modalidades de 6 Atividades, Parâmetros e Descritores de 8 Conselho de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Os critérios definidos pelas docentes da disciplina de História

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ANO LETIVO 2014/2015

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ANO LETIVO 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ANO LETIVO 2014/2015 (ESTE DOCUMENTO É PARTE INTEGRANTE DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA QUE SE ENCONTRA EM PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO) ÍNDICE 2. Avaliação 3 2.1. Princípios orientadores

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação Área de Formação Pessoal e social Revelar autonomia na higiene e alimentação. Demonstrar controlo de emoções, reações e atitudes.

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial ANO LETIVO 2015 / 2016 Departamento de Educação Especial Proposta para o Ano Letivo 2015 / 2016 Avaliação dos alunos com NEE de carácter

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 6 de junho de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho normativo n.º 4/2013 Regulamenta a avaliação e certificação

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 14/ Terminologia a utilizar na classificação

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Carga Formação Total de. Carga. horária Semanal. Tempos letivos

Carga Formação Total de. Carga. horária Semanal. Tempos letivos GERAL CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1. Matriz Curricular dos Cursos (Educação Física) 1º ano 2º ano Componentes de Carga Carga Formação Total

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

Escola Secundária D. Sancho I

Escola Secundária D. Sancho I CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Secundária D. Sancho I Ano letivo: 2009-2013 Revisões em: Conselhos Pedagógicos de 9/9/2011 e 26/10/2011 ÍNDICE PARTE I A. Considerações Gerais ---------------------------------------------------------------------------pag.

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS INGLÊS ESPANHOL FRANCÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA REGULAMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS E FORMAÇÃO MODULAR Art.1º Disposições Gerais 1. No disposto nos parágrafos seguintes ressalvam-se as especificidades

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO GUIÃO DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR De acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (Despacho N.º 220/97, de 4 de Agosto), avaliar o processo e os efeitos, implica tomar consciência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 7 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 8 MODALIDADES DE AVALIAÇÃO 8 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 10 SUPORTE LEGISLATIVO 10 AVALIAÇÃO NO ENSINO BÁSICO 11 EFEITOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Animação Sócio Cultural, Serviço Social e Empreendedorismo e Inovação Social

Animação Sócio Cultural, Serviço Social e Empreendedorismo e Inovação Social Curso Vocacional para 2º Ciclo do Ensino Básico (1 ano) Comércio, Fotografia e Marketing e Publicidade Curso Vocacional para 3º Ciclo do Ensino Básico (2 anos) Informática, Multimédia e Eletrónica e Automação

Leia mais

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 O presente documento refere-se à Inglês 9.º ano (PET), a aplicar aos alunos do 9.º ano de escolaridade em 2016. Encontra-se disponível, para consulta, no site do iave.pt, na

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique...

O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique... Introdução O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique......pressupõe a prévia aceitação de uma conceção do homem na qual se reveja a ideia da construção de uma sociedade livre, plural, geradora

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS Os Critérios de Avaliação de Educação Física têm como base de referência os seguintes documentos: 1. Decreto-Lei nº 139 de 5 de julho de 2012 2. Currículo Nacional

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Índice Introdução... 3 Língua Portuguesa... 3 Inglês I... 3 Francês II... 3 Espanhol... 3 Matemática...

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de escolas de Santa Maria dos Olivais Escola Secundária António Damásio Escola Básica 2-3 dos Olivais GRUPO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 620 EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo e Ensino

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Avaliação das aprendizagens 2014/2015

Avaliação das aprendizagens 2014/2015 Avaliação das aprendizagens 2014/2015 Por uma Escola Viva e Exigente ÍNDICE ÍNDICE... I I - PRINCÍPIOS... 1 II - PROCESSO... 1 III - INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO... 2 IV - MODALIDADES DE AVALIAÇÃO... 2 V

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Ano Letivo 2014 2015. DISCIPLINA : Educação Visual -2º ciclo

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Ano Letivo 2014 2015. DISCIPLINA : Educação Visual -2º ciclo DISCIPLINA : Educação Visual -2º ciclo INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO % -Produzir trabalhos explorando temas, ideias e situações -Conhecer noções de volume, espaço e estrutura -Conhecer os principais meios

Leia mais

Critérios de avaliação 2015-2016

Critérios de avaliação 2015-2016 Agrupamento de Escolas de Amareleja 3.º ciclo Critérios de avaliação 2015-2016 Nomenclatura Co dos instrumentos de avaliação Classificação Nomenclatura 0% a 19% Fraco 20% a 49% Insuficiente 50% a 69 %

Leia mais

Critérios de avaliação da disciplina de Educação Tecnológica 2º Ciclo. Metas/Domínios Ano Parâmetros de Avaliação

Critérios de avaliação da disciplina de Educação Tecnológica 2º Ciclo. Metas/Domínios Ano Parâmetros de Avaliação Sócio-Afetivo Interesse e empenho Comportamento (respeito e sociabilidade) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS Ano Letivo de 2012/2013 Critérios de avaliação

Leia mais

Critérios e Instrumentos de Avaliação Ensino Básico

Critérios e Instrumentos de Avaliação Ensino Básico Critérios e Instrumentos de Avaliação Ensino Básico Português COMPETÊNCIAS NO DOMÍNIO COGNITIVO/MOTOR > 90% INSTRUMENTOS PESO Compreende criticamente discursos orais em diferentes variedades do Compreensão/expressão

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames.

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames. Disciplina Francês II Código: 16 Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2014/2015 Francês II Código da prova: 16 9º Ano de Escolaridade / 3º ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Gondomar

Agrupamento de Escolas de Gondomar Agrupamento de Escolas de Gondomar 1.Nota Prévia O projeto de intervenção pedagógica Aprender a Crescer visa contribuir para a atenuação das dificuldades na leitura e compreensão de textos, fatores determinantes

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO 171311 Sede Escola Secundária da Moita CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO Os Critérios de Avaliação para o 1.º ciclo do Ensino Básico foram definidos de acordo com as orientações do currículo nacional constituindo

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

Esta agenda é composta por materiais fotocopiáveis e editáveis* que o/a ajudarão na sua organização e informação escolar do dia a dia.

Esta agenda é composta por materiais fotocopiáveis e editáveis* que o/a ajudarão na sua organização e informação escolar do dia a dia. Agenda do Professor Esta agenda é composta por materiais fotocopiáveis e editáveis* que o/a ajudarão na sua organização e informação escolar do dia a dia. *Disponível em formato Word no e-manual Premium.

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE

2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE Página 1 de 5 TEMÁTICAS: 1- Educação para a sexualidade 2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 2. 2. Organização, Gestão e Funcionamento da Escola 2.1. Oferta Educativa... 3

ÍNDICE. 1. Introdução... 2. 2. Organização, Gestão e Funcionamento da Escola 2.1. Oferta Educativa... 3 2012/2013 www.esfhp.pt ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Organização, Gestão e Funcionamento da Escola 2.1. Oferta Educativa... 3 2.2. Planos Curriculares do Ensino Básico... 3 2.2.1. 3.º Ciclo Ensino Regular

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS ENSINO SECUNDÁRIO REGULAR

INFORMAÇÕES GERAIS ENSINO SECUNDÁRIO REGULAR COORDENAÇÃO DE DIRECTORES DE TURMAANO COORDENAÇÃO DE D COORDENAÇÃO DE DIRECTORES DE TURMA COORDENAÇÃO DE DIRECTORES DE TURMAANO IRECTORES DE TURMA COORDENAÇÃO DE DIRETORES DE TURMA ANO LETIVO 2012 2013

Leia mais

Anexo B Regulamento dos Cursos Profissionais. Preâmbulo

Anexo B Regulamento dos Cursos Profissionais. Preâmbulo Anexo B Regulamento dos Cursos Profissionais Preâmbulo O presente documento, elaborado de acordo com a legislação geral e específica 1 desta tipologia de ensino, define a organização, funcionamento, avaliação

Leia mais

Dec. Lei nº 7/2001, de 18 de Janeiro

Dec. Lei nº 7/2001, de 18 de Janeiro Dec. Lei nº 7/2001, de 18 de Janeiro O Programa do Governo assume como objectivo central assegurar aos jovens na faixa etária dos 15-18 anos o acesso a formações de nível secundário, consagrando, consequentemente,

Leia mais

Cursos Vocacionais Regulamento

Cursos Vocacionais Regulamento Cursos Vocacionais Regulamento Índice Capítulo I Funcionamento Geral... 1 Artigo 1º- Contextualização... 3 Artigo 2º -Matrícula e Renovação de Matrícula... 3 Artigo 3º- Constituição de Turmas... 3 Artigo

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Projeto Curricular de Escola Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Lisboa Projeto Curricular de Escola 2 O valor das coisas não está No tempo em que elas duram,

Leia mais