SENSORIAMENTO REMOTO. Tipos de Fotografias Aéreas. Geometria de Fotografias Aéreas. Sensores Aerofotográficos PARTE II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENSORIAMENTO REMOTO. Tipos de Fotografias Aéreas. Geometria de Fotografias Aéreas. Sensores Aerofotográficos PARTE II"

Transcrição

1 UNIAMP G RADUAÇÃO EM IÊNIAS DA T ERRA INSTITUTO DE GEOIÊNIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE AMPINAS SENSORIAMENTO REMOTO Sensores Aerofotográficos PARTE II Tipos de Fotografias Aéreas (a) Vertical (b) Oblíqua aixa (c) Oblíqua Alta Relação entre o Ponto Principal e o Nadir nos diferentes tipos de fotos aéreas Foto Vertical: PontoPrincipal (P) e Nadir (N) são coincidentes (d) Oblíqua Alta (horizonte visível) (e) Fotografia Horizontal Foto Oblíquaaixa: Ponto Principal (P 2) e Nadir (N) são deslocados entre si Ponto Principal das cinco fotografias ampo de Visão Foto Oblíqua Alta: o ponto Nadir (N) não se encontra dentro do campo angular da foto e o Ponto Principal (P 3) FOTO VERTIAL FOTO HORIZONTAL Geometria de Fotografias Aéreas FOTO OLÍQUA 1

2 Negativo Negativo M =N Redução ópia de contato O - entro ótico Ampliação Distorções em Fotos Aéreas - Efeito do Relevo N Na natureza: M e N são iguais Na foto: M e N (=M ) são diferentes Escala (S) = f H Onde: f = distância focal H = altura de vôo Exemplo: Se f=150 mm e H=6.000 m então S = 1: M Superfície A D Na foto aérea vertical os objetos elevados em relação à superfície exibem os seus topos radialmente deslocados a partir do nadir da foto. Na figura ao lado existe uma elevação na parte superior da foto e, porisso, a estrada A parece fazer uma curva, quando na realidade é reta; já a estrada D permanece reta porque é irradiada a partir do nadir. Notar o deslocamento de relevo, de forma radial em relação ao Ponto Principal O - entro ótico Negativo Inclinado Negativo Horizontal 75º a 100º Fotografia tomada com objetiva normal (75º a 100º): produzem menos deformação; utilizadas em levantamentos com finalidade de produzir mapas topográficos. Distorções em Fotos Aéreas - Efeito da Inclinação da Aeronave: Na Natureza: MA = M No Negativo Horizontal: M A =M No Negativo Inclinado: M = M A > 100º Fotografia tomada com objetiva grande angular (>100º): produzem mais deformação; utilizadas em mapeamentos para levantamentos de grandes áreas, por motivos econômicos. A M Superfície 2

3 Ponto Principal Ponto Principal Definição do Ponto Principal a partir das marcas fiduciais Notar o deslocamento de relevo, de forma radial em relação ao Ponto Principal AQUISIÇÃO DE FOTOS AÉREAS A época do ano, hora do dia, condições meteorológicas, etc., devem ser cuidadosamente selecionados e planejados ao se elaborar um projeto de recobrimento aerofotogramétrico. onsiderações importantes: - estações do ano = Inverno!! Disposição dos Pontos Principais em Fotografias Aéreas Sucessivas ao Longo da Linha de Vôo obertura de nuvens >> no verão AQUISIÇÃO DE FOTOS AÉREAS AQUISIÇÃO DE FOTOS AÉREAS onsiderações importantes: - hora do dia = 10h < H > 14h Verão Inverno meio dia ± 2h = hotspot onsiderações importantes: - estações do ano = Inverno!! Massa foliar >> no verão VERÃO=> aplicações em topografia, geomorfologia, pedologia, geologia 3

4 Fotografias verticais de um modelo de relevo sob diferentes ângulos de iluminação (de 70 a 0 ). Note que os maiores detalhes do relevo topográfico são observados quando o ângulo de iluminação situa-se na faixa entre 10 e 20 (meio dia ± 2h) Estereoscopia: Teoria e Aplicações Visão Estereoscópica Visão Monocular: permite a percepção da forma, cores, tamanho e posição dos objetos dentro do campo de visão humana, num único plano. Ex.: uma fotografia simples A a 3 objetos (A,, ), vistos individualmente por um dos olhos, cada um com um respectivo ângulo (α, β, γ) Visão inocular: além desses atributos todos, permite a percepção de profundidade (três dimensões). Toda pessoa com visão normal possui essa capacidade de visualização em 3-D, graças ao espaçamento interpupilar (6 a 7 cm). Isso ocorre devido a: b 2 imagens de um só objeto visto pelos 2 olhos com posições de observação diferentes. o cérebro realiza o processo de fusão estereoscópica, que possibilita a visão em 3-D. a noção de profundidade é dada pela diferença de ângulos com que as imagens são percebidas olho esquerdo g olho direito A fusão estereoscópica feita pelo cérebro resulta na percepção tri-dimensional dos objetos 7 cm Obtenção de Fotos Aéreas Obtenção de Fotos Aéreas ada posição do avião ao bater a foto corresponde a um dos olhos, numa analogia à visão 3-D do ser humano. É necessário que haja um recobrimento parcial entre as duas fotos, para que os mesmos objetos na superfície sejam visíveis a partir das 2 posições do avião tipicamente 60% entre duas fotos sucessivas ao longo da linha de vôo). ada conjunto de 2 fotografias assim obtidas é chamado de estereopar. Entre 2 linhas de vôo vizinhas é necessário que haja também um recobrimento parcial, neste caso de 30% 4

5 Recobrimento Aerofotogramétrico de uma Área Mostrando as Sucessivas Fotografias Aéreas Tomadas ao Longo da Linha de Vôo Estereoscópio de lente ou de bolso DF VASONELOS - mantém os olhos trabalhando independentemente e suas linhas de visão aproximadamente paralelas. - as lentes são dispostas à uma distância do plano de apoio igual a distância focal das mesmas. - instrumento permite a regulagem da distância interpupilar entre 6 e 7 cm (intervalo típico para diferentes indíviduos). - lentes com poder de ampliação variando de 1,25X a 4 X. 5

6 OPERAÇÕES OM ESTEREOSÓPIO Estereoscópio de espelhos marca Wild (com barra de paralaxe) Ponto Principal Marca Fiducial OPERAÇÕES OM ESTEREOSÓPIO OPERAÇÕES OM ESTEREOSÓPIO linha de vôo = ponto principal da FOTO I = Imagem do p.p. da FOTO I na FOTO II A = ponto principal da FOTO II A = Imagem do p.p. da FOTO II na FOTO I Segmento A e A - direção da linha de vôo ORIENTAÇÃO DO ESTEREOPAR OPERAÇÕES OM ESTEREOSÓPIO A Verificar numeração Verificar recobrimento e orientar segundo a direção da sombra Montagem p/ estereoscópio de bolso Montagem p/ estereoscópio de espelho D 6

7 Linha de vôo com deriva ( Drift ) em relação à linha de vôo projetada orreção da linha de vôo sem correção da posição da câmera, provocando o desvio orreção da orientação da câmera ontrole das linhas de vôo e do movimento da câmera aérea - esse controle é feito pelo fotógrafo de bordo, que acompanha cada foto através de um visor Inclinação ( Tilt ) da câmera fotográfica no momento da tomada da foto 7

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Me. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Estereoscopia É um fenômeno natural; Resulta da aplicação da visão binocular na observação

Leia mais

Um espelho é uma superfície muito lisa e que permita alto índice de reflexão da luz que incide sobre ele. Espelhos possuem formas variadas:

Um espelho é uma superfície muito lisa e que permita alto índice de reflexão da luz que incide sobre ele. Espelhos possuem formas variadas: * 16/03/16 Um espelho é uma superfície muito lisa e que permita alto índice de reflexão da luz que incide sobre ele. Espelhos possuem formas variadas: * *Definição *Um espelho plano é aquele em que a superfície

Leia mais

Curso Básico de Fotografia Científica

Curso Básico de Fotografia Científica Curso Básico de Fotografia Científica INTRODUÇÃO -A palavra fotografia vem do Grego e significa escrever com a luz. -A luz é o elemento mais importante, aliada a outros elementos como: o assunto, a câmera,

Leia mais

GDC I AULA TEÓRICA 06

GDC I AULA TEÓRICA 06 GDC I AULA TEÓRICA 06 Perspectiva linear de quadro plano. - Análise de desenhos de perspectiva executados à mão levantada e de imagens fotográficas (perspectivas de 1, 2 e 3 pontos de fuga; noção de sombra

Leia mais

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre.

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre. MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO Modelagem Digital de Elevação Definição: UmModeloDigitaldeElevação (MDE) é uma UmModeloDigitaldeElevação (MDE) é uma representação matemática computacional da distribuição de

Leia mais

Metrologia Professor: Leonardo Leódido

Metrologia Professor: Leonardo Leódido Metrologia Professor: Leonardo Leódido Sumário Definição Conceitos Básicos Classificação de Forma de Orientação de Posição Definição Tolerância pode ser definida como um intervalo limite no qual as imperfeições

Leia mais

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol.

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol. Estações do Ano Aluno: Ricardo Augusto Viana de Lacerda Curso de Especialização em Astronomia (2009)-USP_leste Texto adaptado da Oficina de Astronomia do Prof. Dr. João Batista Garcia Canalle. a) A lâmpada

Leia mais

Cartas e Mapas. Planimetria e Altimetria. Fonte: IBGE, Noções de Cartografia, 1999.

Cartas e Mapas. Planimetria e Altimetria. Fonte: IBGE, Noções de Cartografia, 1999. Cartas e Mapas Planimetria e Altimetria Fonte: IBGE, Noções de Cartografia, 1999. Conceito de Mapa " Mapa é a representação no plano, normalmente em escala pequena, dos aspectos geográficos, naturais,

Leia mais

5. Derivada. Definição: Se uma função f é definida em um intervalo aberto contendo x 0, então a derivada de f

5. Derivada. Definição: Se uma função f é definida em um intervalo aberto contendo x 0, então a derivada de f 5 Derivada O conceito de derivada está intimamente relacionado à taa de variação instantânea de uma função, o qual está presente no cotidiano das pessoas, através, por eemplo, da determinação da taa de

Leia mais

1 - Introdução: Princípios da ótica geométrica

1 - Introdução: Princípios da ótica geométrica ÓTICA GEOMÉTRICA 1 - Introdução: Princípios da ótica geométrica Princípio da propagação retilínea da luz Princípio da independência dos raios luminosos Princípio da reversibilidade dos raios luminosos

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO : INSOLAÇÃO MÓDULO : ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO : ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

Leia mais

Características das Figuras Geométricas Espaciais

Características das Figuras Geométricas Espaciais Características das Figuras Geométricas Espaciais Introdução A Geometria espacial (euclidiana) funciona como uma ampliação da Geometria plana e trata dos métodos apropriados para o estudo de objetos espaciais,

Leia mais

O que é Fotogrametria?

O que é Fotogrametria? Fotogrametria O que é Fotogrametria? De acordo com ASPRS* (1966), é a arte, ciência e tecnologia de obter informações de confiança a respeito de objetos e fenômenos do meio ambiente através do registro,

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 6/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 6/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 6/5: 14. Perspectivas Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

Leia mais

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DA AULA

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DA AULA FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Curso: Engenharia Civil Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DA AULA INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA APLICADA CONSIDERAÇÕES Historicamente há relatos de que as práticas topográficas

Leia mais

MÓDULO 2 ÓPTICA E ONDAS Ronaldo Filho e Rhafael Roger

MÓDULO 2 ÓPTICA E ONDAS Ronaldo Filho e Rhafael Roger ELEMENTOS DOS ESPELHOS Os elementos geométricos que caracterizam um espelho esférico são: CAPÍTULO 03 ESPELHOS ESFÉRICOS Seccionando-se uma esfera por um plano, ela ficará dividida em duas partes ou Calotas

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO 2: ILUMINAÇÃO NATURAL Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo Conforto Ambiental: Insolação e Iluminação MÓDULO : INSOLAÇÃO MÓDULO : ILUMINAÇÃO NATURAL MÓDULO : ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

Leia mais

01. (UECE-1996) Um menino, parado em relação ao solo, vê sua imagem em um espelho plano E colocado à parede traseira de um ônibus.

01. (UECE-1996) Um menino, parado em relação ao solo, vê sua imagem em um espelho plano E colocado à parede traseira de um ônibus. Óptica Geométrica 3 o Ano - Lista exercícios sobre espelhos planos 01. (UECE-1996) Um menino, parado em relação ao solo, vê sua imagem em um espelho plano E colocado à parede traseira de um ônibus. Se

Leia mais

Escalas ESCALAS COTAGEM

Escalas ESCALAS COTAGEM Escalas Antes de representar objectos, modelos, peças, etc. Deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas no papel

Leia mais

Aula 1 Óptica geométrica, propagação retilínea e refração da luz

Aula 1 Óptica geométrica, propagação retilínea e refração da luz Aula 1 Óptica geométrica, propagação retilínea e refração da luz 1 Último bimestre Definição de corrente elétrica: Leis de Ohm e potência elétrica: i Carga totalque passa por A Intervalo de tempo V R.

Leia mais

Mini Pro DQ. *não indicada para equipamentos de peso superior a 450g

Mini Pro DQ. *não indicada para equipamentos de peso superior a 450g Mini Pro DQ Esse resistente tripé para viagem conta com uma cabeça ball head para facilitar o movimento de sua câmera. O Mini Pro DQ possui uma ventosa* na parte inferior da coluna, o que permite prender

Leia mais

AÇÃO FORMATIVA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

AÇÃO FORMATIVA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL AÇÃO FORMATIVA EM PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Fotograma Um Fotograma é cada uma das imagens fotográficas estáticas captadas pelo equipamento de filmagem, as quais, projetadas em uma certa velocidade, produzem

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula uma introdução aos elementos básicos da perspectiva. (Mateus Machado) 1. DEFINIÇÃO INTRODUÇÃO A PERSPECTIVA Podemos dizer que a perspectiva é sem dúvida uma matéria dentro do desenho

Leia mais

Levantamento Topográfico: é o conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais,

Levantamento Topográfico: é o conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais, DIVISÃO DA TOPOGRAFIA Levantamento Topográfico: é o conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais, verticais e inclinadas, com instrumental

Leia mais

Assunto: Estudo do ponto

Assunto: Estudo do ponto Assunto: Estudo do ponto 1) Sabendo que P(m+1;-3m-4) pertence ao 3º quadrante, determine os possíveis valores de m. resp: -4/3

Leia mais

Microsoft Word - DTec_05_-_Escalas-exercicios_2-questoes - V. 01.doc

Microsoft Word - DTec_05_-_Escalas-exercicios_2-questoes - V. 01.doc Página 1 de 7 EXERCÍCIOS DE ESCALAS Exercícios baseados em material didático da disciplina de Cartografia ministrada pelo Prof Severino dos Santos no Curso de Georeferenciamento Aplicado à Geodésia. o

Leia mais

CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL

CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL 1.0 Conceitos CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL Cinemática é a parte da Mecânica que descreve os movimentos. Ponto material é um corpo móvel cujas dimensões não interferem no estudo em questão. Trajetória é

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico 25 Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico Existem diversos tipos de aplicações já desenvolvidas envolvendo o uso de processamento de imagens médicas, a fim de auxiliar o

Leia mais

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016.

Prof. Neckel FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL POSIÇÃO. Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema 22/02/2016. FÍSICA 1 PROVA 1 TEMA 2 PARTE 1 PROF. NECKEL Cinemática 1D POSIÇÃO Sistema de Coordenadas Nome do sistema Unidade do sistema Reta numérica real com origem Crescimento para direita, decrescimento para esquerda

Leia mais

Precisão do fuso de esferas

Precisão do fuso de esferas Precisão do ângulo de avanço A precisão do fuso de esferas no ângulo de avanço é controlado de acordo com os padrões JIS (JIS B 1192-1997). As classes de precisão C0 a C5 são defi nidas na linearidade

Leia mais

Compreendendo os efeitos da projeção nas imagens aéreas. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Compreendendo os efeitos da projeção nas imagens aéreas. Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Compreendendo os efeitos da projeção nas imagens aéreas Fotogrametria e Fotointerpretação Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Geometria das Fotografias Aéreas A fotografia cônica ou é uma projeção central,

Leia mais

Geometria Descritiva Representação do Plano

Geometria Descritiva Representação do Plano Geometria Descritiva Representação do Plano Um plano pode ser determinado por uma das quatro possibilidades: - três pontos não alinhados; (1) - uma recta e um ponto exterior; (2) - duas rectas concorrentes;

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

Aula 8 Segmentos Proporcionais

Aula 8 Segmentos Proporcionais MODULO 1 - UL 8 ula 8 Segmentos Proporcionais Nas aulas anteriores, aprendemos uma formação geométrica básica, através da Geometria Plana de Posição. prendemos que: 1. soma das medidas dos ângulos internos

Leia mais

RETA. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Reta - 1

RETA. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Reta - 1 2 RETA O alfabeto da reta é o conjunto das posições genéricas que uma reta pode ter em relação aos planos de projeção. Neste capítulo apresentam-se essas posições, assim como posições particulares que

Leia mais

Figura 1 Figura 2 Figura 3

Figura 1 Figura 2 Figura 3 Para uso em salas de aula comuns, a Activboard possibilita a melhor utilização da sala de aula. As seguintes características são próprias de lousas Activboard 78 : 1. Uma marca proactiv em seu canto superior

Leia mais

2.1 Movimento Retilíneo Uniforme e Uniformemente Acelerado

2.1 Movimento Retilíneo Uniforme e Uniformemente Acelerado 44 CAPÍTULO 2. SÉRIE A 2.1 Movimento Retilíneo Uniforme e Uniformemente Acelerado 2.1.1 Material Necessário 01 rolo para movimento retilíneo; 01 rampa com régua de milimetrada e rampa auxiliar; 01 placa

Leia mais

EXPERIMENTO 5 ÓTICA GEOMÉTRICA: LENTES DELGADAS. Determinação das distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

EXPERIMENTO 5 ÓTICA GEOMÉTRICA: LENTES DELGADAS. Determinação das distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes. EXPERIMENTO 5 ÓTICA GEOMÉTRICA: LENTES DELGADAS 1. Objetivos Determinação das distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes. 2. Descrição da Experiência Equação dos pontos conjugados

Leia mais

Fotogrametria. Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES

Fotogrametria. Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES Fotogrametria FOTOGRAMETRIA Ciência, tecnologia e arte de obter informações seguras acerca de objetos físicos e do meio, através de processos de registro, medições e interpretações de imagens fotográficas

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ INSTITUTO E PLIÇÃO FERNNO RORIGUES SILVEIR 2ª SÉRIE O ENSINO MÉIO PROF. ILYIO PEREIR E SÁ Geometria Espacial: Elementos iniciais de Geometria Espacial Introdução: Geometria espacial (euclidiana) funciona

Leia mais

Centro de gravidade de um corpo é o ponto onde podemos supor que seu peso esteja aplicado.

Centro de gravidade de um corpo é o ponto onde podemos supor que seu peso esteja aplicado. Apostila de Revisão n 4 DISCIPLINA: Física NOME: N O : TURMA: 2M311 PROFESSOR: Glênon Dutra DATA: Mecânica - 4. Corpo Rígido 4.1. Torque análise semiquantitativa, na Primeira Etapa, e quantitativa, na

Leia mais

Por que as antenas são parabólicas?

Por que as antenas são parabólicas? Por que as antenas são parabólicas? Adaptado do artigo de Eduardo Wagner A palavra parábola está, para os estudantes do ensino médio, associada ao gráfico da função polinomial do segundo grau. Embora quase

Leia mais

Prática 1: RELAÇÃO ENTRE FORÇA E ACELERAÇÃO

Prática 1: RELAÇÃO ENTRE FORÇA E ACELERAÇÃO Prática 1: RELAÇÃO ENTRE FORÇA E ACELERAÇÃO 1.1 Objetivo: Estudar a relação entre a força, massa e aceleração. 1.2 Material Necessário: 01 Plano Inclinado com ajuste angular regulável 01 Carrinho de movimento

Leia mais

= i= Com a aplicação ou uso da primeira expressão obtém-se 18,50m 2. Area=(1*(1 5 )+ 3*(2 6)+ 5*(5 5)+ 7*(6-4) + 9*(5-2)+4*(4-1)+3*(2-2))/2= 18,50m 2.

= i= Com a aplicação ou uso da primeira expressão obtém-se 18,50m 2. Area=(1*(1 5 )+ 3*(2 6)+ 5*(5 5)+ 7*(6-4) + 9*(5-2)+4*(4-1)+3*(2-2))/2= 18,50m 2. 4.8.5 Avaliação de Área na Projeção UTM O valor numérico da área de um limite determinado por um conjunto de pontos unidos entre si por segmentos de linha reta sucessivos que não se cruzam pode ser calculado

Leia mais

Traçado e desenho de curvas de nível

Traçado e desenho de curvas de nível Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Topografia II Traçado e desenho de curvas de nível Renato de Oliveira Fernandes Engenheiro

Leia mais

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 )

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 ) Estudo da Reta no R 2 Condição de alinhamento de três pontos: Sabemos que por dois pontos distintos passa uma única reta, ou seja, dados A(x 1, y 1 ) e B(x 2, y 2 ), eles estão sempre alinhados. y. B(x

Leia mais

GEOMETRIA DESCRITIVA A (Bloco I)

GEOMETRIA DESCRITIVA A (Bloco I) ACTIVIDADES LECTIVAS 1º Período 2º Período 3º Período para o ano lectivo Apresentação 2 ----- ----- 2 x 45 minutos Avaliação 3 Testes 3 Testes 2 Testes 16 x 45 minutos Auto-avaliação 2 2 2 6 x 45 minutos

Leia mais

24/03/2014. AULA 02c Elementos, figuras e sólidos primários. Os elementos primários da forma:

24/03/2014. AULA 02c Elementos, figuras e sólidos primários. Os elementos primários da forma: 1 2 Os elementos primários da forma: Consideramos como elementos primários da forma, na ordem de seu desenvolvimento, o ponto, a reta, o plano e o volume. Conceitualmente, esses elementos não são visíveis.

Leia mais

PONTO E SEGMENTO DE RETA

PONTO E SEGMENTO DE RETA 1 PONTO E SEGMENTO DE RETA Neste capítulo aborda-se essencialmente o Ponto, elemento geométrico mais simples. Resultado da união de dois pontos, aborda-se também o Segmento de Reta. Com esses elementos

Leia mais

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1 Capítulo 7 Na aula anterior definimos o produto interno entre dois vetores e vimos como determinar a equação de uma reta no plano de diversas formas. Nesta aula, vamos determinar as bissetrizes de duas

Leia mais

Paquímetro: O pessoal da empresa está chegando à quarta. Um problema. Erros de leitura

Paquímetro: O pessoal da empresa está chegando à quarta. Um problema. Erros de leitura Paquímetro: conservação A UU L AL A O pessoal da empresa está chegando à quarta aula sobre paquímetro. Nesta aula, todos vão aprender a usar corretamente o paquímetro, quais os possíveis erros de leitura

Leia mais

FOTOGRAMETRIA: FUNDAMENTOS E PROCESSOS. LEB 450 Topografia e Geoprocessamento II Prof. Carlos A. Vettorazzi

FOTOGRAMETRIA: FUNDAMENTOS E PROCESSOS. LEB 450 Topografia e Geoprocessamento II Prof. Carlos A. Vettorazzi FOTOGRAMETRIA: FUNDAMENTOS E PROCESSOS LEB 450 Topografia e Geoprocessamento II Prof. Carlos A. Vettorazzi 1 Introdução Definição: Fotogrametria é a arte, ciência e tecnologia de se obterem informações

Leia mais

AQUISIÇÃO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

AQUISIÇÃO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA AQUISIÇÃO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Fotografia aérea LIDAR GEOMÁTICA - 20ª aula 2012/2013 UTILIZAÇÃO DA FOTOGRAFIA AÉREA EM CARTOGRAFIA FOTOINTERPRETAÇÃO interpretação da forma e aspecto (cor, textura,

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO GENERALIDADES Fotogrametria => é o processo de derivação de informação métrica de um objeto através de medições feitas em fotografias desse objeto Foto-interpretação =>

Leia mais

Física. Revisão de Espelhos Planos

Física. Revisão de Espelhos Planos Física Revisão de Espelhos Planos 01-(UFPR) Um objeto luminoso está colocado entre dois espelhos planos coaxiais que formam entre si um ângulo de 24 o.determine o número de imagens formadas e a posição

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1. Coordenadas UTM

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1. Coordenadas UTM UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP LABTOP Topografia 1 Coordenadas UTM Recife, 2014 Modelo Plano Considera a porção da Terra em estudo com sendo plana. É a simplificação

Leia mais

PRINCIPAIS ETAPAS DE UM PROJETO DE ENGENHARIA DE ESTRADAS

PRINCIPAIS ETAPAS DE UM PROJETO DE ENGENHARIA DE ESTRADAS PRINCIPAIS ETAPAS DE UM PROJETO DE ENGENHARIA DE ESTRADAS Introdução Projeto geométrico de uma estrada: processo de correlacionar os seus elementos físicos com as características de operação, frenagem,

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14 Ondas 5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Introdução: elementos básicos sobre ondas De maneira geral, uma onda é qualquer sinal que se transmite de um ponto a outro

Leia mais

A atmofera em movimento: força e vento. Capítulo 9 - Ahrens

A atmofera em movimento: força e vento. Capítulo 9 - Ahrens A atmofera em movimento: força e vento Capítulo 9 - Ahrens Pressão Lembre-se que A pressão é força por unidade de área Pressão do ar é determinada pelo peso do ar das camadas superiores Uma variação da

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

Capítulo 6 ESCALAS E DIMENSIONAMENTO

Capítulo 6 ESCALAS E DIMENSIONAMENTO Capítulo 6 ESCALAS E DIMENSIONAMENTO Introdução Ainda que o principal objetivo deste livro seja preparar para a leitura e interpretação de desenho técnico, é necessário abordar os princípios básicos de

Leia mais

Planificação do 2º Período

Planificação do 2º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Planificação do 2º Período Disciplina: Matemática A Grupo: 500 Ano: 10º Número de blocos de 45 minutos previstos: 0 Ano

Leia mais

Atividade experimental - Tema: Luz

Atividade experimental - Tema: Luz 1 Problema: As plantas precisam de luz? 1. Nesta experiência desafiamos-te a observar uma planta aquática a produzir bolhinhas de oxigénio graças à luz que nelas incide. Observa a instalação e regista

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS ÓTICOS

ASSOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS ÓTICOS ASSOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS ÓTICOS Neste artigo, a Equipe SEI aborda um assunto que é bastante cobrado nos concursos militares: a associação de instrumentos óticos. Você encontrará um resumo teórico, dois

Leia mais

Óptica Geométrica 9º EF

Óptica Geométrica 9º EF Óptica Geométrica 9º EF Fonte de luz Estrelas Lâmpada acesa Lua Lâmpada apagada Fonte Primária Fonte Secundária Classificação de fontes de luz Quanto a emissão a) Fonte Primária (luminoso): produz a luz

Leia mais

Análise de Regressão. Notas de Aula

Análise de Regressão. Notas de Aula Análise de Regressão Notas de Aula 2 Modelos de Regressão Modelos de regressão são modelos matemáticos que relacionam o comportamento de uma variável Y com outra X. Quando a função f que relaciona duas

Leia mais

Comportamento do mapeamento quando as cotas do Revit são exportadas para cotas do AutoCAD

Comportamento do mapeamento quando as cotas do Revit são exportadas para cotas do AutoCAD Comportamento do mapeamento quando as cotas do Revit são exportadas para cotas do AutoCAD Parâmetro da cota do Revit Mapeado para a propriedade de estilo de cota DWG Comentários Cota alinhada Cota linear

Leia mais

Aula 01 Introdução à Geometria Espacial Geometria Espacial

Aula 01 Introdução à Geometria Espacial Geometria Espacial Aula 01 Introdução à 1) Introdução à Geometria Plana Axioma São verdades matemáticas aceitas sem a necessidade de demonstração. 1 1.1) Axioma da Existência Existem infinitos pontos em uma reta (e fora

Leia mais

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta Capítulo 4 Retas e Planos Neste capítulo veremos como utilizar a teoria dos vetores para caracterizar retas e planos, a saber, suas equações, posições relativas, ângulos e distâncias. 4.1 A reta Sejam

Leia mais

Medida de ângulos. Há muitas situações em que uma pequena

Medida de ângulos. Há muitas situações em que uma pequena A UUL AL A Medida de ângulos Há muitas situações em que uma pequena mudança de ângulo causa grandes modificações no resultado final. Veja alguns casos nos quais a precisão dos ângulos é fundamental: Introdução

Leia mais

1.1 UFPR 2014. Rumo Curso Pré Vestibular Assistencial - RCPVA Disciplina: Matemática Professor: Vinícius Nicolau 04 de Novembro de 2014

1.1 UFPR 2014. Rumo Curso Pré Vestibular Assistencial - RCPVA Disciplina: Matemática Professor: Vinícius Nicolau 04 de Novembro de 2014 Sumário 1 Questões de Vestibular 1 1.1 UFPR 2014.................................... 1 1.1.1 Questão 1................................. 1 1.1.2 Questão 2................................. 2 1.1.3 Questão

Leia mais

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA RADIOLOGICA Prof. Emerson Siraqui RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Para concluirmos o que é radiações de forma bem simples é um transporte de energia que se propaga a partir de uma fonte em todas direções.

Leia mais

06-11-2015. Sumário. Da Terra à Lua. Movimentos no espaço 02/11/2015

06-11-2015. Sumário. Da Terra à Lua. Movimentos no espaço 02/11/2015 Sumário UNIDADE TEMÁTICA 1 Movimentos na Terra e no Espaço. Correção do 1º Teste de Avaliação. Movimentos no espaço. Os satélites geoestacionários. - O Movimentos de satélites. - Características e aplicações

Leia mais

Matemática Fascículo 07 Manoel Benedito Rodrigues

Matemática Fascículo 07 Manoel Benedito Rodrigues Matemática Fascículo 07 Manoel Benedito Rodrigues Índice Geometria Resumo Teórico...1 Exercícios...4 Dicas...5 Resoluções...7 Geometria Resumo Teórico 1. O volume de um prisma eodeumcilindro (retos ou

Leia mais

FÍSICA - Tomás ESPELHOS PLANOS ÓPTICA

FÍSICA - Tomás ESPELHOS PLANOS ÓPTICA CONCEITOS BÁSICOS LUZ Energia radiante que se propaga no espaço através de ondas eletromagnéticas e que sensibiliza nossa visão. C = 300.000km/s = 3.10 8 m/s Raio de luz - Segmento de reta que representa

Leia mais

cadeiras interstuhl everyis1 cadeiras interstuhl

cadeiras interstuhl everyis1 cadeiras interstuhl everyis1 everyis1 todo mundo. todo o tempo. em todos os lugares. Grande ângulo de abertura: opção de reclinação do encosto com sistema Autolift garante conforto e relaxamento. Bom design e conforto elevado,

Leia mais

A recuperação foi planejada com o objetivo de lhe oportunizar mais um momento de aprendizagem.

A recuperação foi planejada com o objetivo de lhe oportunizar mais um momento de aprendizagem. DISCIPLINA: MATEMÁTICA PROFESSORES: MÁRIO, ADRIANA E GRAYSON DATA: / 1 / 014 VALOR: 0,0 NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 9º ANO TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Prezado(a) aluno(a), A recuperação foi

Leia mais

MONTAGEM E ALINHAMENTO DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS

MONTAGEM E ALINHAMENTO DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS Programa de Iniciação Científica da Pró-Reitoria de Pesquisa da UNICAMP PIC Jr MONTAGEM E ALINHAMENTO DE SISTEMAS DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS Aluno: Rafael Pedro da Silva Orientador: Professor José Joaquín

Leia mais

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O Nome: N.º: Turma: Professor(a): Ano: 6º Data: / / 2014 2ª LISTA DE RECUPERAÇÃO - GEOGRAFIA 1) Para responder a esta questão, considere os mapas a seguir.

Leia mais

Relações Astronômicas Terra-Sol

Relações Astronômicas Terra-Sol Capítulo II Relações Astronômicas Terra-Sol Objetivos: 1. Determinar a distância da Terra em relação ao Sol; 2. Distinguir entre coordenadas geográficas e coordenadas celestes; 3. Analisar o triângulo

Leia mais

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010)

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010) Maranhão Em, no estado do Maranhão (MA), moravam 6,6 milhões de pessoas, onde parcela considerável (6,%, 396, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 217 municípios, dos quais um

Leia mais

TOPOGRAFIA II 2 NIVELAMENTO

TOPOGRAFIA II 2 NIVELAMENTO TOPOGRAFIA II 2 NIVELAMENTO Nivelamento O nivelamento é a operação topográfica utilizada para se determinar diferenças de nível entre dois ou mais pontos. Segundo a NBR 13.133/1994 o levantamento topográfico

Leia mais

Exercícios Selecionados de Física

Exercícios Selecionados de Física Exercícios Selecionados de Física Q.1 (Miakishev) Dois carros movem-se com velocidades constantes v 1 e v em estradas que se cruzam num ângulo α. Determinar a grandeza e a direção da velocidade de um carro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIDADES DE MEDIDAS LINEAR O metro (m) é uma unidade

Leia mais

FIGURAS DE LISSAJOUS

FIGURAS DE LISSAJOUS FIGURAS DE LISSAJOUS OBJETIVOS: a) medir a diferença de fase entre dois sinais alternados e senoidais b) observar experimentalmente, as figuras de Lissajous c) comparar a frequência entre dois sinais alternados

Leia mais

Fotogrametria: fundamentos e processos.

Fotogrametria: fundamentos e processos. Fotogrametria: fundamentos e processos. FOTOGRAFIAS AÉREAS Rio Mata Lago Estrada Cana-de-açúcar Área Urbana FOTOGRAFIAS AÉREAS 1993 2005 Histórico Origem vinculada a fotografia 1839 Invenção da fotografia

Leia mais

Cartografia: a arte de fazer mapas

Cartografia: a arte de fazer mapas Cartografia: a arte de fazer mapas 1. Os primeiros mapas A arte ou técnica de fazer mapas é conhecida como cartografia - palavra que vem de carta, sinônimo de mapa. A cartografia é uma técnica muito importante

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

Geografia CARTOGRAFIA

Geografia CARTOGRAFIA Geografia CARTOGRAFIA Professora: Diego CARTOGRAFIA 1 - INTRODUÇÃO: Os Criadores dos mapas possuem o poder de exprimir suas visões de mundo. Ex: Eurocentrismo cartográfico, Emblema da ONU, etc. POR QUE

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Erros e Tolerâncias

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Erros e Tolerâncias UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Erros e Tolerâncias Recife, 2014 Técnicas de Levantamento Planimétrico A Poligonação é um dos métodos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO Representação do Relevo DO RELEVO 1 FINALIDADE Registrar e permitir visualizar a forma da superfície terrestre, fornecendo com precisão cotas altimétricas de pontos de interesse. Em topografia:

Leia mais

TRABALHO DE TOPOGRAFIA LEVANTAMENTO TAQUEOMÉTRICO

TRABALHO DE TOPOGRAFIA LEVANTAMENTO TAQUEOMÉTRICO TRABALHO DE TOPOGRAFIA LEVANTAMENTO TAQUEOMÉTRICO 1. Poligonal Fechada: A poligonal fechada é caracterizada por ter o último vértice coincidindo com o vértice inicial, formando, desta forma, um POLÍGONO.

Leia mais

Unidade 11 Geometria Plana I. Congruência e semelhança de figuras planas Relações métricas do triângulo retângulo Triângulo qualquer

Unidade 11 Geometria Plana I. Congruência e semelhança de figuras planas Relações métricas do triângulo retângulo Triângulo qualquer Unidade 11 Geometria Plana I Congruência e semelhança de figuras planas Relações métricas do triângulo retângulo Triângulo qualquer Congruência e Semelhança de Figuras Planas TRIÂNGULOS SEMELHANTES Dois

Leia mais

SOMBRAS II. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Sombras II - 1

SOMBRAS II. Sumário: Manual de Geometria Descritiva - António Galrinho Sombras II - 1 14 SOMBRAS II Neste capítulo mostra-se como se determinam sombras próprias e projetadas de sólidos sobre os planos de projeção, nomeadamente de pirâmides, prismas, cones e cilindros. Sumário: 2. Sombras

Leia mais

O Sol nasce em pontos diferentes ao longo do ano. Nascer do Sol. Leste é o ponto onde o Sol nasce. (?!?)

O Sol nasce em pontos diferentes ao longo do ano. Nascer do Sol. Leste é o ponto onde o Sol nasce. (?!?) Relógios de Sol O Sol nasce em pontos diferentes ao longo do ano. Nascer do Sol Leste é o ponto onde o Sol nasce. (?!?) Ao longo de um dia, a sombra é máxima no nascer e no ocaso do Sol, e é mínima ao

Leia mais

PROVA PARA OS ALUNOS DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO. 4 cm

PROVA PARA OS ALUNOS DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO. 4 cm PROVA PARA OS ALUNOS DE º ANO DO ENSINO MÉDIO 1ª Questão: Um cálice com a forma de um cone contém V cm de uma bebida. Uma cereja de forma esférica com diâmetro de cm é colocada dentro do cálice. Supondo

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO. Data: 02/10/14 Nº: 038/14

RELATÓRIO DE ENSAIO. Data: 02/10/14 Nº: 038/14 Av. Rhodes, 01- Bairro: Santa Edwiges Cambuí MG CEP: 37600-000 CNPJ: 60.657.624/0001-08 I.E.: 106.743.864.0040 Email: laboratorio@rhodes.ind.br Telefone: (35) 3431-9243 Laboratório pertencente à Rede Brasileira

Leia mais

EQUIPE DE PROFESSORES DE DESENHO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPTO. DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL (PCC)

EQUIPE DE PROFESSORES DE DESENHO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPTO. DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL (PCC) PCC2110 DESENHO PARA GEOLOGIA VOL. I PERSPECTIVAS EQUIPE DE PROFESSORES DE DESENHO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPTO. DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL (PCC) 2005 ÍNDICE: 1. PERSPECTIVA

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi 1. SISTEMA DE PISTA: O sistema de pistas de pouso e decolagem de um aeroporto consiste do pavimento estrutural (a pista propriamente dita), os acostamentos,

Leia mais

Engrenagens são elementos de máquinas que transmitem o movimento por meio de sucessivos engates de dentes, onde os dentes atuam como pequenas

Engrenagens são elementos de máquinas que transmitem o movimento por meio de sucessivos engates de dentes, onde os dentes atuam como pequenas Engrenagens Engrenagens são elementos de máquinas que transmitem o movimento por meio de sucessivos engates de dentes, onde os dentes atuam como pequenas alavancas. Classificação das Engrenagens As engrenagens

Leia mais