EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG"

Transcrição

1 EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 27/08/2008 Produção ASCOM

2 Cooperando 15/08 a 14/09/2008 Sete Lagoas segue...

3

4 Cooperando 15/08 a 14/09/2008 Sete Lagoas Segue...

5

6

7 Cooperando 15/08 a 14/09/2008 Sete Lagoas

8 Página Rural 26/08/ Tecnologia para a bananicultura irrigada é o tema do informe da Epamig Nova Porteirinha/MG A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) lança a revista Informe Agropecuário Bananicultura irrigada: inovações tecnológicas. A revista aborda aspectos socioeconômicos da bananicultura, práticas adequadas para lavouras, irrigação, doenças, manejo de pragas, cultivares e aproveitamento industrial dos descartes pós-colheita. A banana é a principal fruta no comércio internacional e a mais popular no mundo. A produção mundial é de 70,7 milhões de toneladas e o Brasil ocupa a segunda colocação entre os maiores produtores do mundo, com 7,1 milhões de toneladas produzidas em 504 mil hectares. Há várias décadas a EPAMIG realizada pesquisas sobre a banana, com especial destaque para as técnicas voltadas para produção no semi-árido e para o aumento da produtividade. Até a próxima sexta-feira (29) a EPAMIG realiza, em Nova Porteirinha, o 2º. Simpósio Norte-Mineiro sobre a Cultura da Banana (Simbanana). O evento foi aberto ontem (25) com o lançamento oficial dessa edição do Informe Agropecuário.

9 O Norte.Net 22/08/2008 Montes Claros Tecnologia do sorgo alça novos vôos e chega ao produtor rural do Norte de Minas Pesquisas sobre o sorgo desenvolvidas pelas instituições de pesquisa do Brasil ganham força nos Estados Unidos e cumpre seu papel no Norte de Minas. Com o intuito de fortalecer e difundir a tecnologia gerada nas terras das gerais, a Epamig realizou o segundo dia de campo sobre sorgo e oleaginosas no Centro Tecnológico em Nova Porteirinha. O evento contou com a participação de mais de 800 produtores rurais, e enquanto isso, desde a última terça-feira,19, até ontem, 22, a Embrapa- Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária é uma das instituições que participam da International Conference on Sorghum for Biofuel, evento que acontece em Houston, Texas. A conferência tem o objetivo de avaliar o potencial do sorgo como biocombustível, identificando os avanços científicos, desafios e propondo estratégias para superá-los. Pretende, ainda, identificar as oportunidades científicas para que o sorgo se torne uma das principais matérias-primas para a produção de energias renováveis. Entre os temas da programação, foram debatidos o potencial do sorgo na produção de biomassa e sua viabilidade econômica, impactos ambientais e questões agronômicas, como cultivares disponíveis para a produção de combustíveis, genômica e os últimos resultados e avanços científicos em biotecnologia para a produção de energia a partir do cereal. Após a conferência, serão definidas estratégias internacionais para o delineamento de pesquisas para a geração de biocombustível a partir do sorgo. A Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) desenvolve pesquisas com o sorgo sacarino que possui alta aptidão para a geração de energia desde a década de 1980, período no qual foram lançados os híbridos BR 601 e BR 602. No final dos anos 90, foi lançada a variedade BR 506, também com potencial para a produção de energia. Da Unidade, participam da conferência internacional a chefe-geral, Vera Maria Carvalho Alves, e os pesquisadores Jurandir Vieira Magalhães e Robert Eugene Schaffert. O SORGO E A AGROENERGIA A Agroenergia representa hoje, dentro do cenário regional, uma das apostas do desenvolvimento econômico, e certamente - conforme as tecnologias geradas pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais - tendem a colocar o Norte de Minas entre as regiões produtoras de grãos do estado e quiçá do Brasil. A produção, tanto de cana-de-açúcar como de oleaginosas, fará o Jaíba despontar para o mercado. É o que acreditam os especialistas. Tendo em vista as condições climáticas a que

10 cercam o Norte de Minas, o sorgo tem se apresentado como uma alternativa de cultura em substituição a cultura do milho, grão ultimamente bem cotado e quase em falta na região por conta da seca. Sabedores desta faceta tanto a Epamig como a Embrapa têm gerado tecnologia para atender os produtores rurais. - O nosso objetivo é sanar alguns entraves que culminam em gargalos, como o déficit hídrico no período de seca, na produção de sorgo e a eficiência em plantar cana tendo como base a irrigação certa - diz o chefe da Epamig, Marco Antônio Viana Leite. Vários estudos da Epamig e da Embrapa apontam mais competitividade do milho e sorgo e apresenta ainda resultados que apontam uma vantagem em trabalhar principalmente com o sorgo na região, devido a adaptação do mesmo com o clima e solo da região. Para Marco Antônio, a nova tecnologia possibilitará que a região desponte para ser grande produtora de grãos, bem como fomentar a cadeia produtiva da bovinocultura, avicultura, suinocultura entre outros.vale lembrar que uma das discussões que vão nortear a transferência de tecnologia do sorgo são as apresentações de possibilidades que tangem a vida do boi no pasto.

11 Folha Agrosul Agosto de 2008 Botelhos Epamig e Nepaflor promovem simpósio sobre paisagismo A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e o Núcleo de Estudo em Paisagismo e Floricultura (Nepaflor), da Universidade Federal de Lavras (UFLA), realizam, de 20 a 22 de agosto, no campus da UFLA, em Lavras, o 4º Simpósio Internacional de Paisagismo. O evento, que acontece a cada dois anos, tem o objetivo de atualizar e discutir conceitos e práticas do paisagismo. O Simpósio, que conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), terá a sustentabilidade como tema central: como os conceitos de sustentabilidade podem ser aplicados ao paisagismo. Da programação constam, ainda: Ética e estética no paisagismo; Patrimônio natural e cultural; Política nacional e internacional e Práticas do paisagismo contemporâneo. Entre os convidados,pesquisadores, empresários e representantes da classe política do Brasil, França, Canadá e Argentina. Os inscritos poderão participar de visitas técnicas ao Parque Ecológico Quedas do Rio Bonito, em Lavras, e ao Centro de Arte Contemporânea Inhotim, em Brumadinho.

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 6/11/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 6/11/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 6/11/2009 Produção ASCOM Hoje em Dia 6/11/2009 Economia Jornal do Comércio 4/11/2009 Porto Alegre Ceitec inicia testes de campo

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 03/02/2010 Produção Ascom Jornal Estado de S. Paulo 03/02/2010 Agrícola Página Rural 02/02/2010 www.paginarural.com.br MG: Estado

Leia mais

Florestas plantadas (cultivadas)

Florestas plantadas (cultivadas) Florestas plantadas (cultivadas) Curso de Engenharia Industrial Madeireira AT073 Introdução a Engenharia Industrial Madeireira Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Ciências Agrárias - CCA Grupo de Pesquisa Lavoura Xerófila - GPLX

Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Ciências Agrárias - CCA Grupo de Pesquisa Lavoura Xerófila - GPLX Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Ciências Agrárias - CCA Grupo de Pesquisa Lavoura Xerófila - GPLX Palma Forrageira (Opuntia fícus indica e Nopalea cochenilifera) Mauricio Luiz de Mello

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 13 a 16/11/2010 Produção Ascom Hoje em Dia 16/11/2010 Classificados/ Agronegócios Estado de Minas 15/11/2010 Agropecuário Estado

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Coordenação - Geral de Infraestrutura Rural e Logística da Produção 10 de julho de 2013 Demetrios

Leia mais

Visualização da Submissão

Visualização da Submissão Embrapa 1 de 5 16/02/2012 10:07 Formato de Impressão da Submissão Identificação Descrição e Estrutura Caracterização Equipe Detalhamento Anexos Questionários Plano de Ação Atividades Orçamento Orçamento

Leia mais

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL O FENÔMENO DOS CARROS FLEX E OS NOVOS USOS DO ETANOL 2 MERCADO AUTOMOTIVO BRASILEIRO Vendas de automóveis e comerciais leves por tipo de

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 16 a 18/01/2010 Produção Ascom Estado de Minas 18/1/2010 Caderno Agropecuário Hoje em dia 17/1/2010 Classificados Diário do Comércio

Leia mais

As Idéias e os Avanços da Biotecnologia

As Idéias e os Avanços da Biotecnologia As Idéias e os Avanços da Biotecnologia 1 2 ÍNDICE AS IDÉIAS E OS AVANÇOS DA BIOTECNOLOGIA PÁG. 5 BENEFÍCIOS DA BIOTECNOLOGIA PARA OS ALIMENTOS PÁG. 7 BENEFÍCIOS DA BIOTECNOLOGIA AO MEIO AMBIENTE PÁG.

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Variedades Nacionais de Milho em Lavras-MG Pedro Augusto Vilela Amui 1, Rafael Parreira Diniz 1, Carlos

Leia mais

COPA ORGÂNICA E SUSTENTÁVEL Copa FIFA 2014 Brasil

COPA ORGÂNICA E SUSTENTÁVEL Copa FIFA 2014 Brasil COPA ORGÂNICA E SUSTENTÁVEL Copa FIFA 2014 Brasil BRASIL - UM PAÍS DIFERENCIADO Megadiversidade ambiental e social Reconhecido como país estratégico no cenário global Sequência de mega eventos com visibilidade

Leia mais

Produtividade e investimento

Produtividade e investimento BOLETIM: Março/2016 Produtividade e investimento PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira Braga Tadeu

Leia mais

A DINÂMICA DA CULTURA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ: O PAPEL DA EMBRAPA ENTRE 1989 E 2002

A DINÂMICA DA CULTURA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ: O PAPEL DA EMBRAPA ENTRE 1989 E 2002 A DINÂMICA DA CULTURA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ: O PAPEL DA EMBRAPA ENTRE 1989 E 2002 Thiago André Guimarães No lastro das profundas transformações técnico-produtivas germinadas na agricultura brasileira,

Leia mais

Capítulo 10. Aspectos Econômicos da Comercialização e Custo de Produção do Milho Verde 10.1. Introdução

Capítulo 10. Aspectos Econômicos da Comercialização e Custo de Produção do Milho Verde 10.1. Introdução Capítulo 10. Aspectos Econômicos da Comercialização e Custo de Produção do Milho Verde 10.1. Introdução O milho verde é um tipo especial de milho, como o milho doce, milho pipoca, milho ceroso, milho branco,

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 12/7/2012 Produção Ascom Agrosoft 12/7/12 www.agrosoft.org.br 29º Congresso Nacional de Laticínios começa no dia 16 de julho Começa

Leia mais

O QUE É E O QUE OFERECE?

O QUE É E O QUE OFERECE? O QUE É E O QUE OFERECE? O que é? Um programa gratuito de aceleração em larga escala para negócios inovadores de qualquer setor e lugar do Brasil, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

OS FENOMENOS METEREOLOGICOS E O IMPACTO NA ATIVIDADE ECONOMICA RESUMO

OS FENOMENOS METEREOLOGICOS E O IMPACTO NA ATIVIDADE ECONOMICA RESUMO OS FENOMENOS METEREOLOGICOS E O IMPACTO NA ATIVIDADE ECONOMICA Autor: AGUILAR, Vladimir Antunes i Co-Autor: GOMES, Ezequiel ii RESUMO A pergunta básica que permeia este trabalho é: Dadas às projeções das

Leia mais

GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso

GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso Clayton Giani Bortolini Engº Agr. MSc Diretor de Pesquisas Fundação Rio Verde Formma Consultoria Agronômica Produção Agrícola no Mato Grosso Uma safra / ano:

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS

1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS 1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS FACULDADE DE ENGENHARIA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO 26 a 28 de maio de 2010 APRESENTAÇÃO Biocombustíveis são fontes renováveis de energia, produzidos

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 17/08/2007 Produção: ASCOM Página Rural 17/08/07 www.paginarural.com.br Minas Gerais: Epamig inaugura Núcleo Tecnológico de Batata

Leia mais

O projeto Florestas de Valor promove a conservação na Amazônia ao fortalecer as cadeias de produtos florestais não madeireiros e disseminar a

O projeto Florestas de Valor promove a conservação na Amazônia ao fortalecer as cadeias de produtos florestais não madeireiros e disseminar a Realização Patrocínio O projeto Florestas de Valor promove a conservação na Amazônia ao fortalecer as cadeias de produtos florestais não madeireiros e disseminar a agroecologia. Com o incentivo ao mercado

Leia mais

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS Andréia Cristina Silva Hirata Eng. Agr., Doutora, Pesquisadora científica do Polo Regional Alta Sorocabana/APTA andreiacs@apta.sp.gov.br Edson Kiyoharu

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 4/3/2010 Produção Ascom Agência Minas 3/3/2010 www.agenciaminas.mg.gov.br Seminário destaca potencial de jovens para a pesquisa

Leia mais

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado.

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Escrito por: Renato Anselmi Link: Panorama Rural A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Minas Gerais está se tornando berço

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Cultivares de Milho Disponíveis no Mercado de Sementes do Brasil para a Safra 2005/06

Cultivares de Milho Disponíveis no Mercado de Sementes do Brasil para a Safra 2005/06 ISSN 1679-1150 Cultivares de Milho Disponíveis no Mercado de Sementes do Brasil para a Safra 2005/06 62 Para a safra de 2005/06, estarão disponibilizadas para comercializaçãocerca de 237 cultivares de

Leia mais

RENDIMENTO EM ÓLEO DAS VARIEDADES DE GIRASSOL CULTIVADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O PROJETO RIOBIODIESEL

RENDIMENTO EM ÓLEO DAS VARIEDADES DE GIRASSOL CULTIVADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O PROJETO RIOBIODIESEL RENDIMENTO EM ÓLEO DAS VARIEDADES DE GIRASSOL CULTIVADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O PROJETO RIOBIODIESEL Leonardo Moreira de Lima, UFRRJ, wanderpesagro@yahoo.com.br Rafael Silveira Chiaro, UFRRJ,

Leia mais

Híbridos de. A Dow AgroSciences oferece um portifólio de híbridos com lançamentos projetados para os desafios de cada região do Brasil,

Híbridos de. A Dow AgroSciences oferece um portifólio de híbridos com lançamentos projetados para os desafios de cada região do Brasil, Híbridos de MILHO GRÃO E SILAGEM A Dow AgroSciences oferece um portifólio de híbridos com lançamentos projetados para os desafios de cada região do Brasil, aliado à biotecnologia PowerCore. Escolher a

Leia mais

Resumo Expandido Título da Pesquisa Palavras-chave Campus Tipo de Bolsa Financiador Bolsista Professor Orientador Área de Conhecimento Resumo

Resumo Expandido Título da Pesquisa Palavras-chave Campus Tipo de Bolsa Financiador Bolsista Professor Orientador Área de Conhecimento Resumo Resumo Expandido Título da Pesquisa: ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA OFERTA DE BANANA E MORANGO NA CEASAMINAS Palavras-chave: Banana Prata; Banana Nanica; Morango; CEASAMINAS. Campus: São João Evangelista Tipo

Leia mais

ARQUITETURA E VALOR DE CULTIVO DE LINHAGENS DE FEIJÃO- CAUPI DE PORTE PROSTRADO E SEMI-PROSTRADO, NO NORTE DE MINAS GERAIS.

ARQUITETURA E VALOR DE CULTIVO DE LINHAGENS DE FEIJÃO- CAUPI DE PORTE PROSTRADO E SEMI-PROSTRADO, NO NORTE DE MINAS GERAIS. Área: Fitotecnia ARQUITETURA E VALOR DE CULTIVO DE LINHAGENS DE FEIJÃO- CAUPI DE PORTE PROSTRADO E SEMI-PROSTRADO, NO NORTE DE MINAS GERAIS. Marina Borges de Oliveira 1 ; Kaesel Jackson Damasceno e Silva

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016 Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira

Leia mais

Oportunidade. para quem mais precisa

Oportunidade. para quem mais precisa Oportunidade para quem mais precisa 1.1 Estratégia de atuação 1 O que é o Programa Vida Melhor? Até 2015, um conjunto de ações será trabalhado com 120 mil famílias na área urbana e 280 mil famílias no

Leia mais

PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO

PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PRODUÇÃO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO Ricardo Cunha Michel rmichel@ima.ufrj.br Assunto da disciplina: Geração de Produtos e Soluções ligadas ao Ensino de Química para o Ensino Médio e Fundamental.

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DA MANGA PARA EXPORTAÇÃO CULTIVADA NO VALE DO SÃO FRANCISCO

GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DA MANGA PARA EXPORTAÇÃO CULTIVADA NO VALE DO SÃO FRANCISCO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DA MANGA PARA EXPORTAÇÃO CULTIVADA NO VALE DO SÃO FRANCISCO Givaldo Bezerra da Hora Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE givaldobezerra@bol.com.br Maria

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E SUAS TENDENCIAS inistério da Agricultura, ecuária e Abastecimento. GUSTAVO COSTA DE ALMEIDA ENG. AGRÔNOMO MS C Fotos: Thiago Ventura TENDÊNCIAS MUNDIAIS bilhões 12 8 4

Leia mais

AVEIA PRETA - ALTERNATIVA DE CULTIVO NO OUTONO/INVERNO. Vera Lucia Nishijima Paes De Barros

AVEIA PRETA - ALTERNATIVA DE CULTIVO NO OUTONO/INVERNO. Vera Lucia Nishijima Paes De Barros AVEIA PRETA - ALTERNATIVA DE CULTIVO NO OUTONO/INVERNO Vera Lucia Nishijima Paes De Barros Engª. Agrª., MSc., PqC do Polo Regional Sudoeste Paulista/APTA vpaes@apta.sp.gov.br Embora a aveia preta tenha

Leia mais

Goiás e Minas Gerais INTL FCStone

Goiás e Minas Gerais INTL FCStone Goiás e Minas Gerais Chegamos à! No Giro da Safra II, percorremos as regiões produtoras de soja dos estados de para avaliar a situação das lavouras que estão sendo colhidas. Neste ciclo, o padrão climático

Leia mais

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc SUSTENTAR 2013 - Fórum Mudanças Climáticas: Novos Rumos Belo Horizonte, 30 de agosto de 2013 Contribuição das Emissões Veiculares para o Aquecimento Global Efeito

Leia mais

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/07/2010 Caderno de prova Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique se você

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Departamento de Meio Ambiente - DMA - Divisão de Mudanças Climáticas - GESTÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA Um novo mercado para pequenas e médias empresas

Leia mais

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO CONJUNTURA BIMESTRAL: JULHO e AGOSTO/15 ANO 1. Nº 2 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre a safra brasileira

Leia mais

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli Antecedentes da globalização Década de 1970 Período de crises e ajustes: Crise da inflação Ajustes monetários e produtivos Economia política

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: QUESTÕES EMERGENTES NA ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS Oscar de Moraes Cordeiro Netto 1 ; Carlos Eduardo Morelli Tucci; Dalci Maria dos Santos & Marcio de Miranda Santos INTRODUÇÃO

Leia mais

Indústria e Industrialização. Prof. Melk Souza

Indústria e Industrialização. Prof. Melk Souza Indústria e Industrialização Prof. Melk Souza A Evolução da Indústria Indústria é a atividade por meio da qual os seres humanos transformam matéria-prima em produtos semi acabado (matéria-prima para outros

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem A produção brasileira de grãos e de café 1 cresceu expressivamente de 2007 a 2013, conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA)

Leia mais

Sexta-feira, 16.09.11

Sexta-feira, 16.09.11 Sexta-feira, 16.09.11 Veja o destaque de hoje: 1. Parcerias Jornal O Popular - 16.09.11 Educação superior Projeto muda estrutura da UEG Entre as propostas estão a criação de cursos tecnológicos e extinção

Leia mais

Bibliografia. EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p.

Bibliografia. EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p. Bibliografia EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p. Sartoratto, A.; Rava, C.A. Principais doenças do feijoeiro e seu controle. EMBRAPA, 1994, 300p. Feijão no inverno.

Leia mais

A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal. Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br

A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal. Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br Sustentabilidade Visão Antropocêntrica Visão Dinâmica de Longo Prazo As pessoas que plantam florestas

Leia mais

CONSUMO DA CARNE SUÍNA A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

CONSUMO DA CARNE SUÍNA A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA CONSUMO DA CARNE SUÍNA A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA Paulo Tramontini 1 Coordenador Fundo de Promoção da Carne Suína e seus derivados Presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos ACCS. A importância

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Primeiro Trimestre 2016 Principais Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

2.1 Educação. Por que Educação? Comparação Internacional. Visão 2022

2.1 Educação. Por que Educação? Comparação Internacional. Visão 2022 Por que Educação? Um dos principais determinantes da competitividade da indústria é a produtividade do trabalho. Equipes educadas e engenheiros bem formados utilizam melhor os equipamentos, criam soluções

Leia mais

I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ. O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional

I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ. O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional I Ciclo de Conferências: HIDROGÊNIO E O FUTURO ENERGÉTICO SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO CEARÁ O Programa do Hidrogênio na ITAIPU Binacional Fortaleza, março de 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ITAIPU 1.ITAIPU

Leia mais

Baixo carbono por natureza

Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza As florestas fazem parte da solução global para a mitigação dos efeitos das alterações climáticas na medida em que são um dos sistemas mais eficazes

Leia mais

Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014

Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014 O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR) 1, 2 (que mede

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1151

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1151 Página 1151 ANÁLISE DO CULTIVO DA MAMONEIRA NA MICRORREGIÃO DE IRECÊ BA Jalmi Guedes Freitas 1, Fábio Aquino de albuquerque¹, Márcia Barreto Medeiros da Nóbrega¹, Máira Milani¹ 1 Embrapa Algodão: Rua Oswaldo

Leia mais

III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br

III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013. www.aptel.com.br III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira 2013 Criação do fundo setorial CT ENERG (1999) Lei 9.991/2000 determina às concessionárias realizar investimentos mínimos em P&D Lei da Inovação

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

Foto - Participação dos alunos na visita ao polo de produção de sementes de Avaré.

Foto - Participação dos alunos na visita ao polo de produção de sementes de Avaré. O Campus Avaré antecipou as atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia e realizou, entre 3 e 7 de outubro, visitas técnicas, palestras e outras atividades envolvendo as áreas de Eventos e Agronegócios.

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EMERSON SHINJI IKUTA JÚNIOR FERNANDO TAKEO GOYA ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE

Leia mais

Produtividade de cafeeiros adultos e na primeira colheita pós-recepa adubados com materiais orgânicos em propriedades de base familiar

Produtividade de cafeeiros adultos e na primeira colheita pós-recepa adubados com materiais orgânicos em propriedades de base familiar Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Produtividade de cafeeiros adultos e na primeira colheita pós-recepa adubados com materiais orgânicos em propriedades de base

Leia mais

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS André Cesar Vitti Eng. Agr., Dr. PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA acvitti@apta.sp.gov.br Entre

Leia mais

Programa de Governo para o. Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado do Rio de Janeiro

Programa de Governo para o. Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado do Rio de Janeiro Programa de Governo para o Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado do Rio de Janeiro Empresas Vinculadas - PESAGRO Pesquisa Agropecuária - EMATER Assistência Técnica e Extensão Rural - CEASA/CASERJ

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO FLORESTAL 30/08/2013

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO FLORESTAL 30/08/2013 ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO FLORESTAL 30/08/2013 Objetivos da disciplina Visão de Administração e Planejamento Tomar decisões Fazer Planejamento Conhecimento para planejar e administrar Postura crítica

Leia mais

O BRASIL E O DESAFIO DE ALIMENTAR O MUNDO

O BRASIL E O DESAFIO DE ALIMENTAR O MUNDO O BRASIL E O DESAFIO DE ALIMENTAR O *Roberto Rodrigues A volatilidade dos preços agrícolas é uma constante neste importante setor da economia mundial. Sendo a produção rural uma atividade dependente das

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DA CULTURA DO COQUEIRO (COCUS NUCIFERA L.) NO MUNICÍPIO DE QUISSAMÃ - RJ

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DA CULTURA DO COQUEIRO (COCUS NUCIFERA L.) NO MUNICÍPIO DE QUISSAMÃ - RJ ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DA CULTURA DO COQUEIRO (COCUS NUCIFERA L.) NO MUNICÍPIO DE QUISSAMÃ - RJ FERNANDO RODRIGUES MOREIRA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; CARLOS OTÁVIO CONSTANTINO; KÁTIA RODRIGUES DE SOUSA

Leia mais

Informativo sobre a Estiagem no Nordeste - nº 12 03/08/2012

Informativo sobre a Estiagem no Nordeste - nº 12 03/08/2012 Informativo sobre a Estiagem no Nordeste - nº 12 03/08/2012 1. Região Nordeste Breve Panorama Econômico do Semi-árido Segundo estudo do ETENE/BNB, com base em dados do IBGE e do Ministério da Integração

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS

1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS 1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS APRESENTAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA DA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO 26 a 28 de maio de 2010 Biocombustíveis são fontes renováveis de energia, produzidos

Leia mais

Água da chuva. Ciclo Hidrológico. Água superficial. Água subterrânea. Previsão de tempo e clima [A ÁGUA QUE VEM DE CIMA]

Água da chuva. Ciclo Hidrológico. Água superficial. Água subterrânea. Previsão de tempo e clima [A ÁGUA QUE VEM DE CIMA] [A ÁGUA QUE VEM DE CIMA] Ciclo Hidrológico Água da chuva Previsão de tempo e clima Frederico O. M. Durães, Embrapa. In: Câmara Temática de Agricultura Sustentável e Irrigação (Reunião Ordinária N.28) -

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 05 Março, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA O ano de 2014 ficou marcado pelo regime de chuvas atípico que causou a atual crise

Leia mais

SETE LAGOAS. Dia 25/05/2015 SEGUNDA-FEIRA 8ª SEMANA DE INTEGRAÇÃO TECNOLÓGICA - SIT HORÁRIOS ATIVIDADES INFORMAÇÕES

SETE LAGOAS. Dia 25/05/2015 SEGUNDA-FEIRA 8ª SEMANA DE INTEGRAÇÃO TECNOLÓGICA - SIT HORÁRIOS ATIVIDADES INFORMAÇÕES PROGRAMAÇÃO MINAS GERAIS (por município) SETE LAGOAS Dia 25/05/2015 SEGUNDA-FEIRA 8ª SEMANA DE INTEGRAÇÃO TECNOLÓGICA - SIT 08h às 17h 08h às 12h Controle biológico e transição agroecológica Cursos: -

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE MAMONA, ALGODÃO E AMENDOIM COMO MATÉRIA-PRIMA DO BIODIESEL EM PERNAMBUCO

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE MAMONA, ALGODÃO E AMENDOIM COMO MATÉRIA-PRIMA DO BIODIESEL EM PERNAMBUCO VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE MAMONA, ALGODÃO E AMENDOIM COMO MATÉRIA-PRIMA DO BIODIESEL EM PERNAMBUCO Cidomar Alves dos Santos 1 ; Ana Rita Fraga Drummond 1 ; Francisco Sávio Gomes Pereira 1 ; Maria Helena

Leia mais

Os preços do tomate no IPT (Índice de Preços Toledo) e a sua relação com a inflação

Os preços do tomate no IPT (Índice de Preços Toledo) e a sua relação com a inflação Os preços do tomate no IPT (Índice de Preços Toledo) e a sua relação com a inflação João Cezario Giglio MARQUES 1 Palavras-chave: preço do tomate; inflação, sazonalidade, clima, agronegócio 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

HETEROGENEIDADE REGIONAL

HETEROGENEIDADE REGIONAL HETEROGENEIDADE REGIONAL Miguel Matteo*1 Uma das faces da heterogeneidade estrutural é representada pela profunda desigualdade regional brasileira. A distribuição dos setores é profundamente desigual em

Leia mais

2 PRESERVAÇÃO DE PLANTAS, SOBREVIVÊNCIA E TRÂNSITO DE ANIMAIS. NAS PAISAGENS,

2 PRESERVAÇÃO DE PLANTAS, SOBREVIVÊNCIA E TRÂNSITO DE ANIMAIS. NAS PAISAGENS, Carta da comunidade científica do VI Simpósio de Restauração Ecológica à população. Aprovada em plenária durante o VI Simpósio de Restauração Ecológica, a carta englobou diversas sugestões e considerações

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

REGULAMENTO COMPLEMENTAR DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE SUL BRASIL FASUL

REGULAMENTO COMPLEMENTAR DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE SUL BRASIL FASUL REGULAMENTO COMPLEMENTAR DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA FACULDADE SUL BRASIL FASUL A política de formação profissional da Faculdade Sul Brasil FASUL, em consonância

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 05 de setembro de 2014 Agricultores familiares vão receber investimentos através do ProRural Os agricultores familiares

Leia mais

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA 2º Fórum Brasileiro sobre Energias Renováveis veis Biocombustíveis Belo Horizonte Outubro 2007 O QUE É EXTENSÃO RURAL É um instrumento de política pública

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 24/09/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 24/09/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 24/09/2009 Produção ASCOM Hoje em Dia 24/09/2009 Minas Minas em Pauta 23/09/2009 http://minasempauta2.wordpress.com Empresa de

Leia mais

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA PRIMEIROS CAMPONESES Os primeiros camponeses foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos da natureza, sem qualquer controle

Leia mais

AFINAL, QUAL É A PRODUTIVIDADE DO REBANHO LEITEIRO?

AFINAL, QUAL É A PRODUTIVIDADE DO REBANHO LEITEIRO? AFINAL, QUAL É A PRODUTIVIDADE DO REBANHO LEITEIRO? Sebastião Teixeira Gomes 1 A maior abertura do Brasil para o mercado internacional ampliou a concorrência, exigindo maior produtividade e melhor qualidade

Leia mais

CHAMADA INTERNA N 01/2016 PROPPG

CHAMADA INTERNA N 01/2016 PROPPG CHAMADA INTERNA N 01/2016 PROPPG SELEÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA O PROJETO DE GESTÃO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DE TECNOLOGIAS NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA (IFPA) O Instituto Federal

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos de Milho em Diferentes Doses de Nitrogênio para Consumo in Natura Felipe Rodrigues Costa 1,

Leia mais

COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS

COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS COMPETITIVIDADE ECONÔMICA ENTRE AS CULTURAS DE MILHO SAFRINHA E DE SORGO NO ESTADO DE GOIÁS Alfredo Tsunechiro 1, Maximiliano Miura 2 1. Introdução O Estado de Goiás se destaca entre as Unidades da Federação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E LINHAGENS DE MAMONEIRA NA ZONA DA MATA DO ESTADO DE PERNAMBUCO

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E LINHAGENS DE MAMONEIRA NA ZONA DA MATA DO ESTADO DE PERNAMBUCO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E LINHAGENS DE MAMONEIRA NA ZONA DA MATA DO ESTADO DE PERNAMBUCO José Barbosa dos Anjos, Embrapa Semi-Árido, jbanjos@cpatsa.embrapa.br Marcos Antônio Drumond, Embrapa Semi-Árido,

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho CAPÍTULO 12 ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL Cenários de Longo Prazo e suas Implicações Mercado de Trabalho Objetivos Caracteriza o processo de transição demográfica

Leia mais

VIII Seminário Rio- Metrologia 2010. Sibratec- Sistema Brasileiro de Tecnologia: Instrumento de Incentivo à Inovação

VIII Seminário Rio- Metrologia 2010. Sibratec- Sistema Brasileiro de Tecnologia: Instrumento de Incentivo à Inovação VIII Seminário Rio- Metrologia 2010 Sibratec- Sistema Brasileiro de Tecnologia: Instrumento de Incentivo à Inovação Fonte: www.dw-word.de INOVAÇÃO É A PALAVRA-CHAVE Classe S da Mercedes-Benz: 944 componentes

Leia mais

Transformando uma tecnologia convencional em tecnologia social*

Transformando uma tecnologia convencional em tecnologia social* Transformando uma tecnologia convencional em tecnologia social* Autores: Adriano Borges & Kate Abreu Este artigo é parte do livro: COSTA, Adriano Borges, (Org.) Tecnologia Social e Políticas Públicas.

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Certificação Florestal: importância Estratégica para o Setor de Celulose e Papel Brasileiro

Certificação Florestal: importância Estratégica para o Setor de Celulose e Papel Brasileiro : importância Estratégica para o Setor de Celulose e Papel Brasileiro Seminário sobre Certificação Florestal Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2007 Rosane Borges Representante da Bracelpa junto ao INMETRO

Leia mais