Nomenclatura utilizada, principalmente, por Hans-Thiers Lehmann ao citar um teatro que possui características para além do drama.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nomenclatura utilizada, principalmente, por Hans-Thiers Lehmann ao citar um teatro que possui características para além do drama."

Transcrição

1 VIEWPOINTS DE TEMPO E A ATUAÇÃO NÁDIA YOSHI RIBEIRO HIGA 1 Narciso Telles 2 UFU FAFCS DEMAC Curso de Teatro Relato de Pesquisa Resumo: Nessa escrita serão palavreados relatos e reflexões a cerca de um trabalho realizado durante dois anos e seu contínuo caráter processual. Este caminho envolve a criação e a contínua apresentação do espetáculo Canoeiros da Alma 3, demonstrações de trabalho e de performances revelando incessantes descobertas sobre o fazer artístico. Incluindo, também a forma de escrita aqui apresentada já que as subjetividades dos trabalhos podem assim ser reveladas. Depois de um ano de pesquisa focado especificamente nos viewpoints (vps) de tempo, descobrindo suas nuances de sujeito pra sujeito e compreendendo, também praticamente, como esses exercícios se manifestam segundo o nosso entendimento sobre a escrita da diretora Anne Bogart pode-se esboçar algumas impressões experiênciadas. Além do olhar sobre esse ponto específico vários outros fatores contribuem na formação do entendimento sobre os vps e o teatro pós-dramático 4. O que faz com que haja uma relação muito forte entre diversas atividades vivênciadas ao longo deste último ano, principalmente, a realização de uma nova montagem do Coletivo teatro da Margem vinculada diretamente à disciplina Oficina de montagem 5. Realçando, ainda mais, a característica de atriz/pesquisadora que venho descobrindo ao longo desses últimos anos. DISCUSSÃO A busca de Bogart sobre o performer ganhou força em 1979 quando encontrou-se com outra bailarina e coreógrafa chamada Mary Overlie, inventora dos seis veiwpoints. Esses vps são: espaço, forma, tempo, emoção, movimento e história, caracterizando-se uma estrutura única de improvisação para dança. 1 Graduanda do Curso de Teatro. 2 Orientador Prof. Dr. Narciso Telles. 3 Espetáculo que estreou em 2008, vinculado a um grupo prático de estudo sobre os veiwpoints (objeto direto de estudo) denominado Coletivo Teatro da Margem. Já citado em artigos e relatórios anteriores. 4 Nomenclatura utilizada, principalmente, por Hans-Thiers Lehmann ao citar um teatro que possui características para além do drama. 5 Disciplina oferecida no oitavo período do Curso de Teatro da UFU, que no caso foi cursada pela aluna Camila Tiago Barbosa cujo objetivo foi a direção de um espetáculo. Participei enquanto atriz.

2 Os vps são a articulação de um jogo de nomes para coisas que já existem, ações que já são realizadas, com maior ou menor grau de consciência. São pontos que o performer e/ou o criador utilizam para trabalhar. Eles são subdivididos em tempo e espaço. O primeiro grupo se apresenta como: tempo, diretamente relacionado com as velocidades. Duração que é o tempo cronológico com que o movimento acontece ou volta a acontecer, este caso ligando-se com a freqüência, além da sustentação. Resposta Cinestésica: é uma reação espontânea a alguma coisa que acontece fora de você, movimentos e sons. Repetição: pode ser interna ou externa tendo como referencial o corpo de quem fez o movimento e levando em consideração que uma repetição nunca é exata e pode ser partimentalizada. Por sua vez, os vps de espaço são: forma, que pode ser estacionária ou em movimento. Ela ainda pode ser considerada sozinha no espaço, em relação a outros corpos e em relação à arquitetura. Gesto: pode ser comportamental ou expressivo, em ambos os casos o gesto se apresenta como uma forma que tem começo meio e fim. Arquitetura: é necessário aprender a dançar com o espaço, utilizar dele como um todo: as massas sólidas 6, texturas, luz, cor e som. Relação espacial: é a distância entre os corpos e a arquitetura do lugar onde se trabalha, pode-se acentuar essa distancias e a formações. Topografia: é a imagem que formamos através do movimento no espaço, ela pode ser percebida também a través do padrão de piso que é o caminho que fazemos, um percurso utilizado, como se tivessem tintas nos nossos pés. (BOGART & LANDAU, 2005). Durante os seis primeiros meses de pesquisa a prática do CTM com os vps foi eminentemente física. Não lemos nada para iniciar o trabalho. Penso que essa foi uma maneira que otimizou nossas relações com o objeto de estudo, apesar de muito confusa, no começo, para organização de um discurso. Após esses seis primeiros meses de exercitação percebemos que esse tipo de procedimento está muito ligado à criação e que não havia sentido fazê-lo sem esse intuito. De acordo com os temas que surgiram nos Opens (prática de vps que inclui todos os pontos num só momento, fornecendo a possibilidade do individuo que pratica pontuar aquele vps que quer utilizar. Lembrando que no período anteriormente citado e nessa prática a resposta cinestésica foi a mais utilizada, para que pudéssemos sempre estar em relação com o outro) até então realizados e na vontade de uma parceria com o dramaturgo Luiz Caros Leite, o professor/diretor Narciso Telles elegeu o tema água para o primeiro trabalho do CTM. 6 Paredes, assoalhos, teto, mobília, janelas, portas etc.

3 Para essa montagem, então, decidimos a partir de um roteiro do Luiz, ir ao Vale, já que experienciar a vida naquele lugar seria essencial. Desde o começo não pensamos em uma representação da vida como ela é, logo, nossa preocupação estava em simplesmente viver aquela viagem da maneira com que ela se desse, recolhendo sensações que poderiam nos ocorrer. Sempre estávamos atentos para a apreensão de impressões, sentimentos e sensação que estar daquele lugar, cuja presença do rio é tão marcante na vida das pessoas: seja fisicamente, emocionalmente ou em suas memórias. Voltando para a sala de trabalho retomamos aos Opens agora com o intuito criativo. Nessa etapa os vps mais utilizados, depois que os atores modificavam a cena extra ensaio, foram os de tempo que possibilitam uma mudança visivelmente forte em diversos trechos da montagem. Além fornecer uma característica marcante para a montagem como um todo. FALANDO NISSO. Há uma ligação direta desse tempo total do espetáculo com o conceito de Jo-ha-kyu. Segundo um antigo mestre japonês: Zeami, acredita-se que o universo segue uma progressão constante chamada jo-ha-kyu. (A palavra jo significa literalmente começo ou abertura, ha significa intervalo ou desenvolvimento, e kyu guarda o sentido de rápido ou clímax.) (OIDA, 2001). Ele tende a uma sutil progressão contínua. Muitos atores ocidentais utilizam-se do jo-ha-kyu inconscientemente. Jo-ha-kyu não é apenas um conceito teatral esotérico, mas um ritmo que o público sente tanto na pele quanto nos ossos. (OIDA, 2001). É na tentativa de encontrar o ritmo certo para o espetáculo que colocamos um olhar mais atencioso aos vps de duração, principalmente quando este liga-se a frequência, agora nos ensaios depois do espetáculo executando como um todo. Talvez o Canoeiros possua um tempo-ritmico que tende ao citado, porém com a variação de que ele acontece cena por cena e é evidentemente mais perceptível no momento das narrativas no qual o público, até então, diz compreender mais o espetáculo a partir desse momento que é, ao mesmo tempo, o meio do mesmo. Nesse todo há, também, a preocupação direta com a interpretação performática dos atores. Performática porque, em diversos momentos os atuantes procuram o estado de presença e não de representação. Hans Thiers Lehmann traz esse conceito como ele, de fato, se dá na performance, na qual a obra artística é construída no momento presente com aquele que participa dela (atuante e espectador).

4 Essa característica traz um pressuposto D E I N T E I R E Z A que é muito difícil de ser alcançado. Aquele que é propositor da obra deve experienciar cada segundo da realidade para que se possa ESTARPORINTEIRO no que se faz. Durante a maior parte desse primeiro espetáculo do CTM sempre temos alguém com essa intenção em cena, com exceção das narrativas nas quais o dito nome de personagens parece estar mais presente. Depois da estréia de Canoeiros da Alma no dia 27 de setembro de 2008 algumas coisas mudaram concretamente nos encontros do Coletivo e do grupo de pesquisa. Passamos a ensaiar uma vez por semana e, num outro dia _quartas_feiras_, a trabalhar exercícios específicos sobre os viewpoints. Como no processo de montagem havíamos focado apenas o Open, resolvemos que seria mais interessante para uma segunda etapa de contato e conhecimento sobre os vps, o estudo dos pontos separadamente. Focados de uma maneira diferente e com exercícios específicos para cada um deles. Houve alguns momentos interessantes nesses dois meses de encontros usados para exercitar os vps. + exercícios estes que incluíam a tentativa de uma prática de Suzuki concomitante aos vps, essa idéia surgiu porque é essa a prática na SITI Company, sendo possível de ser realizada uma vez que duas das integrantes do CTM (eu e Camila) havíamos aprendido alguns exercícios referente ao Suzuki numa oficina em Florianópolis oferecida por um integrante do Coletivo Improviso (Rio de Janeiro) +. Num dia, com essas atividades, em especial, no qual estávamos estudando forma surgiu a discussão sobre o que seria uma forma não fixa, ou seja, movente. Para Anne Bogart forma é o contorno que esboça os feitos que o corpo (ou os corpos) faz (fazem) no espaço. Toda forma pode ser subdividida em uma ou outra linha; curvas; uma combinação das linhas e das curvas. Além disso, a forma pode ser estacionária ou movente através do espaço. E por último ela pode feita em uma de três formas: o corpo no espaço; o corpo em relação à arquitetura que faz uma forma ou o corpo em relação a outros corpos que fazem uma forma. (BOGART & LANDAU, 2005) Com exceção dessas características sobre a forma o Viewpoints Book não traz grandes detalhes, logo, nosso maior conflito foi sobre a diferença de forma movente e repetição. A repetição pode ser interna e externa tendo em mente sempre a repetição é inexata, buscando acrescentar alguma característica própria ao movimento.

5 Qual seria então a real diferença? Para mim a repetição traz a noção de que ela é algo não exato, por mais que tentemos repetir sempre modificamos, e isso acontece conscientemente mesmo porque é um principio desse vp de tempo. Já a forma movente apresenta uma tentativa de reprodução exata do que se fez. É como se fosse um ciclo e o movimento não terminasse nunca. Em seu livro Yoshi fala sobre desenvolvimento e continuação do movimento quando foca o tempo. Para ele a simples repetição sem o intuito de acrescentar nada seria a continuação do movimento, o que a Anne parece chamar de forma movente. Em ambos os casos, temos a noção de algo que acontece sempre, que nunca muda. Já o desenvolvimento para Yoshi pode ser a ampliação, a redução ou a transformação do movimento, fato esse que me leva crer que a Anne chama de repetição. O que Oida diz desenvolvimento, por apresentarem características semelhantes e mutáveis. É preciso aprender a ouvir o que o corpo quer fazer e ouvir a noção de tempo do próprio corpo (OIDA, 2001) são idéias que também estabelecem uma ligação direta com os viewpoints, mais especificamente com a resposta cinestésica. Ela é a resposta do corpo e para isso deve-se saber ouvi-lo. Com essa escuta também podemos perceber qual é, de fato, o nosso tempo, e consequentemente tentar modificá-lo, indo para além dos limites que antes nem eram conhecidos. Logo, para os exercícios de vps é pressuposto que o ator saiba se escutar e alguns deles, muitos dos de tempo favorecem essa escuta mais aguçada. Um dos últimos exercícios que fizemos sobre o tempo foi o de escolher um gesto, modificar sua velocidade e nomear cada movimento (mesmo gesto e diferentes velocidades). O fato de dar nomes diferentes ao mesmo movimento, porém não executados num mesmo tempo fez toda a diferença para a minha percepção da discrepância de leitura, ou seja, do quanto pode ser grande a modificação proposta para aquele que vê. Foi incrível!!! Com o passar do tempo cronológico surgiram outras necessidades de manifestação artística dentro do CTM. Construímos, então, uma performance denominada Das Cadeiras cujo objetivo é a relação que se estabelece entre performer público. Descrição: cada integrante tem uma cadeira na qual se coloca sentado para que um outro possa amarrar-lhe. Junto de cada um existe um verbo reflexivo que foi escolhido individualmente (exemplos.: cheire-me, xingue-me, deguste-me, ouça-me, vista-me) e assim ficamos em exposição durante um tempo pré-determinado. Uma coisa que é extremamente diferente é o tempo em que cada um (performer e público) se encontram. Quando alguém vê sua cadeira e lê seu verbo pela primeira vez, a

6 maioria das pessoas paralisa e fica na mesma posição por um tempo consideravelmente longo, fato esse de d i l a t a m e n t o do tempo que, muitas vezes, não acontece com o performer. Devido a essa vontade de novas criações aliada à necessidade de uma das alunas do CTM (Camila Barbosa Tiago) iniciamos outro processo de montem apenas com parte do núcleo feminino do Coletivo. Queríamos falar sobre mulheres. Suas vidas. Nossas vidas. A direção tinha a proposta de trabalhar com um poema sobre O TEMPO e um espaço pré-determinado que seria um triângulo. Nessa montagem, como foi a segunda utilizando do mesmo processo de criação (vps), foi menos caótica na maneira de execução dos exercícios em si, mas mais complexa com relação à execução das funções de cada uma já que, dessa vez, uma aluna é quem assumiria o papel de direção, melhor dizendo para Camila coordenação dos ensaios. Durante esse tempo que passamos juntas o que mais me intrigava era a necessidade da direção em sempre querer mudar o tempo de algumas cenas apenas para ficar diferente, surpreendente, ou seja lá o que for, mas sem a tentativa de descobrir a real necessidade da cena. Contrariando todo um estudo sobre o tempo-ritmico de cada um e, principalmente, do envolvimento que cada cena traria para o espetáculo como um todo. As indicações eram sempre Mais rápido!, Mais lento! e Repete aquele movimento. enquanto estávamos montando as cenas ou apenas as repetindo para que ela fosse lapidada. Encontrei-me, então fazendo a seguinte pergunta: os vps nos trazem uma consciência maior sobre tudo o que fazemos, mas será que temos que usar vários recursos que conhecemos para a construção de uma cena? Minha resposta: não. Quanto mais soubermos selecionar, dentro de nosso repertório, e além dele, materiais que sejam úteis para a cena, melhor. Isso inclui velocidades, durações, repetições e resposta cinestésica. Sendo a terceira uma manufatura mais cabível à direção já que ela possui um campo de visão maior do que aquele indivíduo que se encontra em cena. E para que essa percepção toda sobre a cena, o espetáculos, e seus respectivos tempo aconteça é extremamente necessário manter o soft focus. Anne Bogart define o soft focus como um tipo de visão na qual o corpo é, como um todo, receptor de informações do espaço. O olhar deve ser mais relaxado e menos tenso, permitindo que o foco de atenção não permaneça apenas em uma ou duas coisas, mas sim em

7 muitas. Sem desejar obter algo para nós. Passamos a ter a função de apenas observar e receber. Todas nós, envolvidas no trabalho, independente da função que tínhamos pensamos ser de extrema necessidade o exercício desse olhar para tudo que fizermos. O que nos leva a outro conceito: o de presença. A idéia de presença, de alcance de um estado interno-externo ou externo-interno, e do poder, não da palavra em si, mas do como se fala são características que passam ou deveriam passar pelo meu fazer artístico. Tenho algumas sensações corporais sobre isso, mas não sei se as palavras usadas querem dizer o que sinto e tenho plena certeza de que alguns estados são efêmeros e de que outros eu ainda não consigo alcançar. Lehmann, Yoshi e Ryngaert falam sobre a presença. O estar e não o estar estando. O primeiro compara o ator com um performer que oferece ao público sua contemplação, a presença de um ato, o ator passa não mais a interpretar, mas estar presente e dividir esse momento único com o público. O segundo destaca a importância do instante, Yoshi diz que o teatro artístico ganha na clareza dos instantes em que se apresenta, ele fala ainda sobre a importância de se viver o instante um após o outro também no processo de construção do espetáculo, para que não quebre o jo-ha-kyu de cada movimento e da vida que deve ser seguido. O conceito de jo-ha-kyu ajudou, também, a reforçar a idéia de que todos têm um entendimento, acima de tudo corporal, sobre as diversas velocidades nas quais pode realizar um movimento. Levando em consideração que todos sabem que, por exemplo, o rápido é rápido, apesar de uns serem mais rápidos que outros. Ryngaert levanta o ponto de que a presença que deve ser vivida imparcialmente. Diz ainda que um jogo (durante o jogo durante a obra criativa) deve ser seco, nítido e preciso, mas não sem emoção, sendo que essa emoção vem da capacidade de mudança de um estado _o que pulsa dentro daquele que realiza determinada ação qualquer, o que detém a verdade o que se faz_ para o outro tendo uma precisão na qualidade de cada instante. Essa qualidade de estado citado por Ryngaert é uma busca minha constante e incessante: a presença de um estado. Essa relação de presentificação e forma-conteúdo da fala se fazem muito presentes no espetáculo atual pois parece que sempre que o texto entra e a força das palavras se perdem

8 nos movimentos anteriormente realizados. Como seria a melhor maneira de colagem de estado corporal, presença e fala? Ainda sigo procurando... Quando Ryngaert ainda falou sobre a palavra houve um momento no qual ele também focou a importância de saber o que se fala e como se fala. O professor acentua que a maneira com que se fala muda e afeta diretamente o pólo identitário do personagem (daquele que fala), que hoje desapareceu. Portanto a preocupação passa a ser no como se fala e não quem fala. Após um tempo de ensaio depois que já possuíamos a maioria das cenas prontas a dificuldade voltou-se para o texto. ((É interessante aqui lembrar que uma das partes nas quais o Canoeiros da Alma mais recebia crítica era no momento das narrativas. Os espectadores em geral diziam que perdia-se muita coisa _ penso ser isso a credibilidade do espetáculo_ quando entrava eminentemente na parte falada)). Temos a consciência de que nesse momento do trabalho poderíamos ter utilizado os vps de voz para melhor qualificar o que estamos nos propondo a fazer. Porém esses ainda não foram efetivamente utilizados. Por quê? Talvez também por falta de tempo, mas esse logologo será providenciado. REFERÊNCIAS Bogart, Anne. Seis coisas que eu conheço a propósito da formação de atores, in L École du Jeu: Former ou transmettre... lês chemins de l enseignemt théâtral Actes du colloque international sur la formation de l acteur organisé pae I Úniversité du Quebéc à Montreal et I Úniversité Paris X Nanterre au théâtre Naticnal de la Colline (Paris, avril 2001). Valence: L entretemps éditions, (The viewpoints book. New York: Theatre Communications Group, And tradução Irley Machado) & Landau, Tina And then, you act: Making Art in an Unpredictable World. New York, Routledge. Larrosa, Jorge Pedagogia Profana danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica. Lehmann, Hans-Thyes Teatro pós-dramático e Teatro político In: Sala Preta. Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, n. 3, p O teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac e Naif, Oida, Yoshi O Ator invisível. São Paulo: Beca. Pavis, Patrice Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 3 ed. p

VIEWPOINTS DE TEMPO E A ATUAÇÃO

VIEWPOINTS DE TEMPO E A ATUAÇÃO PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA Nádia Yoshi Ribeiro Higa 1 UFU FAFCS DEMAC Curso de Teatro nadia-higa@hotmail.com

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta Raquel Guerra Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Graduação Programa de Pós-Graduação em Teatro - UDESC. Professora Resumo: Neste artigo

Leia mais

Texto: (...) a voz como corpo dimensão orgânica que dará plenitude aos potenciais do ator (...) Fernando Aleixo

Texto: (...) a voz como corpo dimensão orgânica que dará plenitude aos potenciais do ator (...) Fernando Aleixo 1 VIEWPOINTS VOCAIS: AS POSSIBILIDADES DE EXPRESSÃO DA VOZ EM CONEXÃO COM O TRABALHO FÍSICO. Marcella Prado Ferreira (pesquisadora IC) Narciso Telles (orientador) mpradoferriera@gmail.com Universidade

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

STANISLÁVSKI E AS AÇÕES FÍSICAS: DAS PARTITURAS CORPORAIS ATÉ A DRAMATURGIA DO ATOR

STANISLÁVSKI E AS AÇÕES FÍSICAS: DAS PARTITURAS CORPORAIS ATÉ A DRAMATURGIA DO ATOR STANISLÁVSKI E AS AÇÕES FÍSICAS: DAS PARTITURAS CORPORAIS ATÉ A DRAMATURGIA DO ATOR STANISLÁVSKI E ESTADOS ANÍMICOS: Reflexões sobre Modos de Atuação no Trabalho do Núcleo de Pesquisa ÁQIS Patricia Leandra

Leia mais

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ ALMEIDA, Patrícia Neves. O Como e suas formas de manifestação na prática do jogo teatral. Sorocaba: Universidade de Sorocaba; Professora Assistente. Arte-Educadora. RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

ENSINO DE ARTE NA EMEF DES. THEODOMIRO DIAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA

ENSINO DE ARTE NA EMEF DES. THEODOMIRO DIAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA ENSINO DE ARTE NA EMEF DES. THEODOMIRO DIAS: RELATOS DE EXPERIÊNCIA Camila Neves Conti¹ - UNESP Thais C. da Luz Frederico² - UNESP Marcelo Farias Cardoso³ - UNESP Grupo de Trabalho - PIBID: Programa Institucional

Leia mais

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a Oração u m a c o n v e r s a d a a l m a 11 12 O Evangelho relata que por diversas vezes, quando ninguém mais estava precisando de alguma ajuda ou conselho, Jesus se ausentava para ficar sozinho. Natural

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 SUMÁRIO Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução A dança da vida 21 Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 Capítulo 2: Técnica Klauss Vianna:

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

O CAMINHO DO ATOR BUSCADOR Mônica Mello Universidade Federal da Bahia UFBA Antropologia teatral, treinamento de ator, pré-expressivo.

O CAMINHO DO ATOR BUSCADOR Mônica Mello Universidade Federal da Bahia UFBA Antropologia teatral, treinamento de ator, pré-expressivo. O CAMINHO DO ATOR BUSCADOR Mônica Mello Universidade Federal da Bahia UFBA Antropologia teatral, treinamento de ator, pré-expressivo. O Caminho do Ator Buscador é um treinamento em bases pré-expressivas,

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Palavras-chave: Dramaturgia do Ator, Tradução Intersemiótica, Inteligências Múltiplas

Palavras-chave: Dramaturgia do Ator, Tradução Intersemiótica, Inteligências Múltiplas Tradução Intersemiótica na elaboração da Dramaturgia do Ator Brenda de Oliveira Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas USP Mestranda Pedagogia do Teatro Or. Prof. Dr. Armando Sérgio da Silva Bolsa

Leia mais

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator.

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator. A pedagogia pós-crítica na ação do professor-artista: a interação entre o pedagogo e o ator na sala de aula Heloise Baurich Vidor UDESC Palavras-chave: Professor-artista professor-personagem teatro na

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO As três montagens dirigidas por Ingrid Koudela na Universidade de Sorocaba,

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Canais ou Sistemas Representacionais (VAC)

Canais ou Sistemas Representacionais (VAC) Canais ou Sistemas Representacionais (VAC) Exercícios de Aplicação: Exercício 1 Calibração Visual Parte 1 Vá a um local próximo de sua casa ou local de trabalho em que você possa sentar-se e ficar tranqüilo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO E ANDAMENTO E SUAS POSSÍVEIS APLICAÇÕES NA CENA TEATRAL Ernani de Castro Maletta Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Ritmo, andamento, encenação. O ritmo é um

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação POR RAQUEL PACHECO 1 Há muitos anos que o investigador David Buckingham (2009) aborda e baseia seu trabalho na Convenção

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Nome: Maurício Barbosa de Lima Informações da Escola: Nome da Escola: Creche Pequeno Príncipe Cidade: Cabedelo UF: PB Informações do Projeto:

Nome: Maurício Barbosa de Lima Informações da Escola: Nome da Escola: Creche Pequeno Príncipe Cidade: Cabedelo UF: PB Informações do Projeto: Nome: Maurício Barbosa de Lima Informações da Escola: Nome da Escola: Creche Pequeno Príncipe Cidade: Cabedelo UF: PB Informações do Projeto: Categoria: (TEMA LIVRE) Educação Infantil Projeto: Jogos corporais

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

Conceitos básicos de Coaching e Feedback

Conceitos básicos de Coaching e Feedback Conceitos básicos de Coaching e Feedback OBJETIVOS Apresentar os trainees aos seus coachs passar conceitos básicos de coaching e feedback "Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso

Leia mais

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. Priscilla Gaiba INTRODUÇÃO Se em algumas áreas do conhecimento o corpo tem sido o principal instrumento de

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142 CAPA PONTO DE APOIO CUIDAR RECONHECER QUE A HORTA ENVOLVE CUIDADOS, COMO IRRIGAÇÃO, DESBASTAÇÃO, ESPAÇAMENTO ENTRE AS MUDAS, COMPOSTAGEM, PODA, ENTRE OUTROS, ALÉM DO MONITORAMENTO DAS FASES DE CRESCIMENTO,

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira Quando falávamos em projetos nas cadeiras teóricas da faculdade não conseguia

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade.

Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade. Sou Patrícia Arantes, diretora da agência RZT Comunicação e psicanalista. Este e-book é um presente para você, que assistiu à palestra no Congresso de Acessibilidade. A comunicação eficaz se dá por uma

Leia mais

PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA

PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA 1. IDENTIFICAÇÃO PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA Elaborado pelos jovens, participantes da COJEDF de 2004 Executante: Diretoria de Infância e Juventude/DIJ da Federação Espírita do Distrito Federal/FEDF Previsão

Leia mais

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais Professor Assistente Doutorando em Artes EBA/UFMG

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

13 Como estudar Teclado - Conteúdo

13 Como estudar Teclado - Conteúdo Introdução Tempo dedicado ao estudo Alongamento e aquecimento Fatores para tornar a leitura mais ágil Fatores para tornar o estudo mais produtivo Preparação para apresentar a peça em público Prazer de

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Mediação: processo comunicacional não violento

Mediação: processo comunicacional não violento Mediação: processo comunicacional não violento Desde que comecei a escrever nessa coluna, preocupo-me em deixar muito claro do que se trata a mediação. Assim, a mediação é um processo conversacional pacífico,

Leia mais

O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual

O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual Fernanda de Morais Machado Para nós, designers, a criatividade é a principal ferramenta. Devemos saber como usá-la, como aproveitá-la integralmente,

Leia mais

Vamos explorar temas como:

Vamos explorar temas como: Esse curso tem o objetivo de aprofundar a prática e o estudo de desenho no formato cartoon para utilização em registros visuais, facilitação gráfica, ilustração e outras aplicações. Ao longo desses 2 meses

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO.

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO. TÍTULO: 4 a FEIRA CULTURAL O HOMEM E O CINEMA AUTORAS: EVANDRA CRISTINA DA SILVA E RENATA APARECIDA DOS SANTOS ESCOLA ESTADUAL JARDIM DAS ROSAS (SERRANA/SP) COMUNICAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA DESCRIÇÃO

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais