Nomenclatura utilizada, principalmente, por Hans-Thiers Lehmann ao citar um teatro que possui características para além do drama.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nomenclatura utilizada, principalmente, por Hans-Thiers Lehmann ao citar um teatro que possui características para além do drama."

Transcrição

1 VIEWPOINTS DE TEMPO E A ATUAÇÃO NÁDIA YOSHI RIBEIRO HIGA 1 Narciso Telles 2 UFU FAFCS DEMAC Curso de Teatro Relato de Pesquisa Resumo: Nessa escrita serão palavreados relatos e reflexões a cerca de um trabalho realizado durante dois anos e seu contínuo caráter processual. Este caminho envolve a criação e a contínua apresentação do espetáculo Canoeiros da Alma 3, demonstrações de trabalho e de performances revelando incessantes descobertas sobre o fazer artístico. Incluindo, também a forma de escrita aqui apresentada já que as subjetividades dos trabalhos podem assim ser reveladas. Depois de um ano de pesquisa focado especificamente nos viewpoints (vps) de tempo, descobrindo suas nuances de sujeito pra sujeito e compreendendo, também praticamente, como esses exercícios se manifestam segundo o nosso entendimento sobre a escrita da diretora Anne Bogart pode-se esboçar algumas impressões experiênciadas. Além do olhar sobre esse ponto específico vários outros fatores contribuem na formação do entendimento sobre os vps e o teatro pós-dramático 4. O que faz com que haja uma relação muito forte entre diversas atividades vivênciadas ao longo deste último ano, principalmente, a realização de uma nova montagem do Coletivo teatro da Margem vinculada diretamente à disciplina Oficina de montagem 5. Realçando, ainda mais, a característica de atriz/pesquisadora que venho descobrindo ao longo desses últimos anos. DISCUSSÃO A busca de Bogart sobre o performer ganhou força em 1979 quando encontrou-se com outra bailarina e coreógrafa chamada Mary Overlie, inventora dos seis veiwpoints. Esses vps são: espaço, forma, tempo, emoção, movimento e história, caracterizando-se uma estrutura única de improvisação para dança. 1 Graduanda do Curso de Teatro. 2 Orientador Prof. Dr. Narciso Telles. 3 Espetáculo que estreou em 2008, vinculado a um grupo prático de estudo sobre os veiwpoints (objeto direto de estudo) denominado Coletivo Teatro da Margem. Já citado em artigos e relatórios anteriores. 4 Nomenclatura utilizada, principalmente, por Hans-Thiers Lehmann ao citar um teatro que possui características para além do drama. 5 Disciplina oferecida no oitavo período do Curso de Teatro da UFU, que no caso foi cursada pela aluna Camila Tiago Barbosa cujo objetivo foi a direção de um espetáculo. Participei enquanto atriz.

2 Os vps são a articulação de um jogo de nomes para coisas que já existem, ações que já são realizadas, com maior ou menor grau de consciência. São pontos que o performer e/ou o criador utilizam para trabalhar. Eles são subdivididos em tempo e espaço. O primeiro grupo se apresenta como: tempo, diretamente relacionado com as velocidades. Duração que é o tempo cronológico com que o movimento acontece ou volta a acontecer, este caso ligando-se com a freqüência, além da sustentação. Resposta Cinestésica: é uma reação espontânea a alguma coisa que acontece fora de você, movimentos e sons. Repetição: pode ser interna ou externa tendo como referencial o corpo de quem fez o movimento e levando em consideração que uma repetição nunca é exata e pode ser partimentalizada. Por sua vez, os vps de espaço são: forma, que pode ser estacionária ou em movimento. Ela ainda pode ser considerada sozinha no espaço, em relação a outros corpos e em relação à arquitetura. Gesto: pode ser comportamental ou expressivo, em ambos os casos o gesto se apresenta como uma forma que tem começo meio e fim. Arquitetura: é necessário aprender a dançar com o espaço, utilizar dele como um todo: as massas sólidas 6, texturas, luz, cor e som. Relação espacial: é a distância entre os corpos e a arquitetura do lugar onde se trabalha, pode-se acentuar essa distancias e a formações. Topografia: é a imagem que formamos através do movimento no espaço, ela pode ser percebida também a través do padrão de piso que é o caminho que fazemos, um percurso utilizado, como se tivessem tintas nos nossos pés. (BOGART & LANDAU, 2005). Durante os seis primeiros meses de pesquisa a prática do CTM com os vps foi eminentemente física. Não lemos nada para iniciar o trabalho. Penso que essa foi uma maneira que otimizou nossas relações com o objeto de estudo, apesar de muito confusa, no começo, para organização de um discurso. Após esses seis primeiros meses de exercitação percebemos que esse tipo de procedimento está muito ligado à criação e que não havia sentido fazê-lo sem esse intuito. De acordo com os temas que surgiram nos Opens (prática de vps que inclui todos os pontos num só momento, fornecendo a possibilidade do individuo que pratica pontuar aquele vps que quer utilizar. Lembrando que no período anteriormente citado e nessa prática a resposta cinestésica foi a mais utilizada, para que pudéssemos sempre estar em relação com o outro) até então realizados e na vontade de uma parceria com o dramaturgo Luiz Caros Leite, o professor/diretor Narciso Telles elegeu o tema água para o primeiro trabalho do CTM. 6 Paredes, assoalhos, teto, mobília, janelas, portas etc.

3 Para essa montagem, então, decidimos a partir de um roteiro do Luiz, ir ao Vale, já que experienciar a vida naquele lugar seria essencial. Desde o começo não pensamos em uma representação da vida como ela é, logo, nossa preocupação estava em simplesmente viver aquela viagem da maneira com que ela se desse, recolhendo sensações que poderiam nos ocorrer. Sempre estávamos atentos para a apreensão de impressões, sentimentos e sensação que estar daquele lugar, cuja presença do rio é tão marcante na vida das pessoas: seja fisicamente, emocionalmente ou em suas memórias. Voltando para a sala de trabalho retomamos aos Opens agora com o intuito criativo. Nessa etapa os vps mais utilizados, depois que os atores modificavam a cena extra ensaio, foram os de tempo que possibilitam uma mudança visivelmente forte em diversos trechos da montagem. Além fornecer uma característica marcante para a montagem como um todo. FALANDO NISSO. Há uma ligação direta desse tempo total do espetáculo com o conceito de Jo-ha-kyu. Segundo um antigo mestre japonês: Zeami, acredita-se que o universo segue uma progressão constante chamada jo-ha-kyu. (A palavra jo significa literalmente começo ou abertura, ha significa intervalo ou desenvolvimento, e kyu guarda o sentido de rápido ou clímax.) (OIDA, 2001). Ele tende a uma sutil progressão contínua. Muitos atores ocidentais utilizam-se do jo-ha-kyu inconscientemente. Jo-ha-kyu não é apenas um conceito teatral esotérico, mas um ritmo que o público sente tanto na pele quanto nos ossos. (OIDA, 2001). É na tentativa de encontrar o ritmo certo para o espetáculo que colocamos um olhar mais atencioso aos vps de duração, principalmente quando este liga-se a frequência, agora nos ensaios depois do espetáculo executando como um todo. Talvez o Canoeiros possua um tempo-ritmico que tende ao citado, porém com a variação de que ele acontece cena por cena e é evidentemente mais perceptível no momento das narrativas no qual o público, até então, diz compreender mais o espetáculo a partir desse momento que é, ao mesmo tempo, o meio do mesmo. Nesse todo há, também, a preocupação direta com a interpretação performática dos atores. Performática porque, em diversos momentos os atuantes procuram o estado de presença e não de representação. Hans Thiers Lehmann traz esse conceito como ele, de fato, se dá na performance, na qual a obra artística é construída no momento presente com aquele que participa dela (atuante e espectador).

4 Essa característica traz um pressuposto D E I N T E I R E Z A que é muito difícil de ser alcançado. Aquele que é propositor da obra deve experienciar cada segundo da realidade para que se possa ESTARPORINTEIRO no que se faz. Durante a maior parte desse primeiro espetáculo do CTM sempre temos alguém com essa intenção em cena, com exceção das narrativas nas quais o dito nome de personagens parece estar mais presente. Depois da estréia de Canoeiros da Alma no dia 27 de setembro de 2008 algumas coisas mudaram concretamente nos encontros do Coletivo e do grupo de pesquisa. Passamos a ensaiar uma vez por semana e, num outro dia _quartas_feiras_, a trabalhar exercícios específicos sobre os viewpoints. Como no processo de montagem havíamos focado apenas o Open, resolvemos que seria mais interessante para uma segunda etapa de contato e conhecimento sobre os vps, o estudo dos pontos separadamente. Focados de uma maneira diferente e com exercícios específicos para cada um deles. Houve alguns momentos interessantes nesses dois meses de encontros usados para exercitar os vps. + exercícios estes que incluíam a tentativa de uma prática de Suzuki concomitante aos vps, essa idéia surgiu porque é essa a prática na SITI Company, sendo possível de ser realizada uma vez que duas das integrantes do CTM (eu e Camila) havíamos aprendido alguns exercícios referente ao Suzuki numa oficina em Florianópolis oferecida por um integrante do Coletivo Improviso (Rio de Janeiro) +. Num dia, com essas atividades, em especial, no qual estávamos estudando forma surgiu a discussão sobre o que seria uma forma não fixa, ou seja, movente. Para Anne Bogart forma é o contorno que esboça os feitos que o corpo (ou os corpos) faz (fazem) no espaço. Toda forma pode ser subdividida em uma ou outra linha; curvas; uma combinação das linhas e das curvas. Além disso, a forma pode ser estacionária ou movente através do espaço. E por último ela pode feita em uma de três formas: o corpo no espaço; o corpo em relação à arquitetura que faz uma forma ou o corpo em relação a outros corpos que fazem uma forma. (BOGART & LANDAU, 2005) Com exceção dessas características sobre a forma o Viewpoints Book não traz grandes detalhes, logo, nosso maior conflito foi sobre a diferença de forma movente e repetição. A repetição pode ser interna e externa tendo em mente sempre a repetição é inexata, buscando acrescentar alguma característica própria ao movimento.

5 Qual seria então a real diferença? Para mim a repetição traz a noção de que ela é algo não exato, por mais que tentemos repetir sempre modificamos, e isso acontece conscientemente mesmo porque é um principio desse vp de tempo. Já a forma movente apresenta uma tentativa de reprodução exata do que se fez. É como se fosse um ciclo e o movimento não terminasse nunca. Em seu livro Yoshi fala sobre desenvolvimento e continuação do movimento quando foca o tempo. Para ele a simples repetição sem o intuito de acrescentar nada seria a continuação do movimento, o que a Anne parece chamar de forma movente. Em ambos os casos, temos a noção de algo que acontece sempre, que nunca muda. Já o desenvolvimento para Yoshi pode ser a ampliação, a redução ou a transformação do movimento, fato esse que me leva crer que a Anne chama de repetição. O que Oida diz desenvolvimento, por apresentarem características semelhantes e mutáveis. É preciso aprender a ouvir o que o corpo quer fazer e ouvir a noção de tempo do próprio corpo (OIDA, 2001) são idéias que também estabelecem uma ligação direta com os viewpoints, mais especificamente com a resposta cinestésica. Ela é a resposta do corpo e para isso deve-se saber ouvi-lo. Com essa escuta também podemos perceber qual é, de fato, o nosso tempo, e consequentemente tentar modificá-lo, indo para além dos limites que antes nem eram conhecidos. Logo, para os exercícios de vps é pressuposto que o ator saiba se escutar e alguns deles, muitos dos de tempo favorecem essa escuta mais aguçada. Um dos últimos exercícios que fizemos sobre o tempo foi o de escolher um gesto, modificar sua velocidade e nomear cada movimento (mesmo gesto e diferentes velocidades). O fato de dar nomes diferentes ao mesmo movimento, porém não executados num mesmo tempo fez toda a diferença para a minha percepção da discrepância de leitura, ou seja, do quanto pode ser grande a modificação proposta para aquele que vê. Foi incrível!!! Com o passar do tempo cronológico surgiram outras necessidades de manifestação artística dentro do CTM. Construímos, então, uma performance denominada Das Cadeiras cujo objetivo é a relação que se estabelece entre performer público. Descrição: cada integrante tem uma cadeira na qual se coloca sentado para que um outro possa amarrar-lhe. Junto de cada um existe um verbo reflexivo que foi escolhido individualmente (exemplos.: cheire-me, xingue-me, deguste-me, ouça-me, vista-me) e assim ficamos em exposição durante um tempo pré-determinado. Uma coisa que é extremamente diferente é o tempo em que cada um (performer e público) se encontram. Quando alguém vê sua cadeira e lê seu verbo pela primeira vez, a

6 maioria das pessoas paralisa e fica na mesma posição por um tempo consideravelmente longo, fato esse de d i l a t a m e n t o do tempo que, muitas vezes, não acontece com o performer. Devido a essa vontade de novas criações aliada à necessidade de uma das alunas do CTM (Camila Barbosa Tiago) iniciamos outro processo de montem apenas com parte do núcleo feminino do Coletivo. Queríamos falar sobre mulheres. Suas vidas. Nossas vidas. A direção tinha a proposta de trabalhar com um poema sobre O TEMPO e um espaço pré-determinado que seria um triângulo. Nessa montagem, como foi a segunda utilizando do mesmo processo de criação (vps), foi menos caótica na maneira de execução dos exercícios em si, mas mais complexa com relação à execução das funções de cada uma já que, dessa vez, uma aluna é quem assumiria o papel de direção, melhor dizendo para Camila coordenação dos ensaios. Durante esse tempo que passamos juntas o que mais me intrigava era a necessidade da direção em sempre querer mudar o tempo de algumas cenas apenas para ficar diferente, surpreendente, ou seja lá o que for, mas sem a tentativa de descobrir a real necessidade da cena. Contrariando todo um estudo sobre o tempo-ritmico de cada um e, principalmente, do envolvimento que cada cena traria para o espetáculo como um todo. As indicações eram sempre Mais rápido!, Mais lento! e Repete aquele movimento. enquanto estávamos montando as cenas ou apenas as repetindo para que ela fosse lapidada. Encontrei-me, então fazendo a seguinte pergunta: os vps nos trazem uma consciência maior sobre tudo o que fazemos, mas será que temos que usar vários recursos que conhecemos para a construção de uma cena? Minha resposta: não. Quanto mais soubermos selecionar, dentro de nosso repertório, e além dele, materiais que sejam úteis para a cena, melhor. Isso inclui velocidades, durações, repetições e resposta cinestésica. Sendo a terceira uma manufatura mais cabível à direção já que ela possui um campo de visão maior do que aquele indivíduo que se encontra em cena. E para que essa percepção toda sobre a cena, o espetáculos, e seus respectivos tempo aconteça é extremamente necessário manter o soft focus. Anne Bogart define o soft focus como um tipo de visão na qual o corpo é, como um todo, receptor de informações do espaço. O olhar deve ser mais relaxado e menos tenso, permitindo que o foco de atenção não permaneça apenas em uma ou duas coisas, mas sim em

7 muitas. Sem desejar obter algo para nós. Passamos a ter a função de apenas observar e receber. Todas nós, envolvidas no trabalho, independente da função que tínhamos pensamos ser de extrema necessidade o exercício desse olhar para tudo que fizermos. O que nos leva a outro conceito: o de presença. A idéia de presença, de alcance de um estado interno-externo ou externo-interno, e do poder, não da palavra em si, mas do como se fala são características que passam ou deveriam passar pelo meu fazer artístico. Tenho algumas sensações corporais sobre isso, mas não sei se as palavras usadas querem dizer o que sinto e tenho plena certeza de que alguns estados são efêmeros e de que outros eu ainda não consigo alcançar. Lehmann, Yoshi e Ryngaert falam sobre a presença. O estar e não o estar estando. O primeiro compara o ator com um performer que oferece ao público sua contemplação, a presença de um ato, o ator passa não mais a interpretar, mas estar presente e dividir esse momento único com o público. O segundo destaca a importância do instante, Yoshi diz que o teatro artístico ganha na clareza dos instantes em que se apresenta, ele fala ainda sobre a importância de se viver o instante um após o outro também no processo de construção do espetáculo, para que não quebre o jo-ha-kyu de cada movimento e da vida que deve ser seguido. O conceito de jo-ha-kyu ajudou, também, a reforçar a idéia de que todos têm um entendimento, acima de tudo corporal, sobre as diversas velocidades nas quais pode realizar um movimento. Levando em consideração que todos sabem que, por exemplo, o rápido é rápido, apesar de uns serem mais rápidos que outros. Ryngaert levanta o ponto de que a presença que deve ser vivida imparcialmente. Diz ainda que um jogo (durante o jogo durante a obra criativa) deve ser seco, nítido e preciso, mas não sem emoção, sendo que essa emoção vem da capacidade de mudança de um estado _o que pulsa dentro daquele que realiza determinada ação qualquer, o que detém a verdade o que se faz_ para o outro tendo uma precisão na qualidade de cada instante. Essa qualidade de estado citado por Ryngaert é uma busca minha constante e incessante: a presença de um estado. Essa relação de presentificação e forma-conteúdo da fala se fazem muito presentes no espetáculo atual pois parece que sempre que o texto entra e a força das palavras se perdem

8 nos movimentos anteriormente realizados. Como seria a melhor maneira de colagem de estado corporal, presença e fala? Ainda sigo procurando... Quando Ryngaert ainda falou sobre a palavra houve um momento no qual ele também focou a importância de saber o que se fala e como se fala. O professor acentua que a maneira com que se fala muda e afeta diretamente o pólo identitário do personagem (daquele que fala), que hoje desapareceu. Portanto a preocupação passa a ser no como se fala e não quem fala. Após um tempo de ensaio depois que já possuíamos a maioria das cenas prontas a dificuldade voltou-se para o texto. ((É interessante aqui lembrar que uma das partes nas quais o Canoeiros da Alma mais recebia crítica era no momento das narrativas. Os espectadores em geral diziam que perdia-se muita coisa _ penso ser isso a credibilidade do espetáculo_ quando entrava eminentemente na parte falada)). Temos a consciência de que nesse momento do trabalho poderíamos ter utilizado os vps de voz para melhor qualificar o que estamos nos propondo a fazer. Porém esses ainda não foram efetivamente utilizados. Por quê? Talvez também por falta de tempo, mas esse logologo será providenciado. REFERÊNCIAS Bogart, Anne. Seis coisas que eu conheço a propósito da formação de atores, in L École du Jeu: Former ou transmettre... lês chemins de l enseignemt théâtral Actes du colloque international sur la formation de l acteur organisé pae I Úniversité du Quebéc à Montreal et I Úniversité Paris X Nanterre au théâtre Naticnal de la Colline (Paris, avril 2001). Valence: L entretemps éditions, (The viewpoints book. New York: Theatre Communications Group, And tradução Irley Machado) & Landau, Tina And then, you act: Making Art in an Unpredictable World. New York, Routledge. Larrosa, Jorge Pedagogia Profana danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica. Lehmann, Hans-Thyes Teatro pós-dramático e Teatro político In: Sala Preta. Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, n. 3, p O teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac e Naif, Oida, Yoshi O Ator invisível. São Paulo: Beca. Pavis, Patrice Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 3 ed. p

VIEWPOINTS DE TEMPO E A ATUAÇÃO

VIEWPOINTS DE TEMPO E A ATUAÇÃO PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA Nádia Yoshi Ribeiro Higa 1 UFU FAFCS DEMAC Curso de Teatro nadia-higa@hotmail.com

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a

Oração. u m a c o n v e r s a d a a l m a Oração u m a c o n v e r s a d a a l m a 11 12 O Evangelho relata que por diversas vezes, quando ninguém mais estava precisando de alguma ajuda ou conselho, Jesus se ausentava para ficar sozinho. Natural

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta Raquel Guerra Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Graduação Programa de Pós-Graduação em Teatro - UDESC. Professora Resumo: Neste artigo

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO E ANDAMENTO E SUAS POSSÍVEIS APLICAÇÕES NA CENA TEATRAL Ernani de Castro Maletta Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Ritmo, andamento, encenação. O ritmo é um

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência)

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência) Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em uma agência) MANUAL final2.indd 1 14/3/2006 23:19:58 Flávio Waiteman Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 SUMÁRIO Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução A dança da vida 21 Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 Capítulo 2: Técnica Klauss Vianna:

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação POR RAQUEL PACHECO 1 Há muitos anos que o investigador David Buckingham (2009) aborda e baseia seu trabalho na Convenção

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

O CAMINHO DO ATOR BUSCADOR Mônica Mello Universidade Federal da Bahia UFBA Antropologia teatral, treinamento de ator, pré-expressivo.

O CAMINHO DO ATOR BUSCADOR Mônica Mello Universidade Federal da Bahia UFBA Antropologia teatral, treinamento de ator, pré-expressivo. O CAMINHO DO ATOR BUSCADOR Mônica Mello Universidade Federal da Bahia UFBA Antropologia teatral, treinamento de ator, pré-expressivo. O Caminho do Ator Buscador é um treinamento em bases pré-expressivas,

Leia mais

Roteiro Sugerido para Reuniões

Roteiro Sugerido para Reuniões Roteiro Sugerido para Reuniões Acreditamos que o uso consistente deste roteiro faz com que as reuniões sejam focadas na recuperação em CCA, fortalece nosso programa e estimula a unidade. Ele também oferece

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS

LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS RESUMO BÍBLICO I João 4:7-21; Jo 13:35 Tudo começou com o amor de Deus por nós. Ele nos amou primeiro e nós precisamos responder a isso. Ele provou seu amor, através

Leia mais

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator.

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator. A pedagogia pós-crítica na ação do professor-artista: a interação entre o pedagogo e o ator na sala de aula Heloise Baurich Vidor UDESC Palavras-chave: Professor-artista professor-personagem teatro na

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA

TESTE DE ELENCO COM UMA CENA. Por VINICIUS MOURA TESTE DE ELENCO COM UMA CENA Por VINICIUS MOURA * Embora seja uma cena que contenha dois atores os candidatos serão avaliados individualmente. Os critérios de avaliação se darão a partir da performace

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

STANISLÁVSKI E AS AÇÕES FÍSICAS: DAS PARTITURAS CORPORAIS ATÉ A DRAMATURGIA DO ATOR

STANISLÁVSKI E AS AÇÕES FÍSICAS: DAS PARTITURAS CORPORAIS ATÉ A DRAMATURGIA DO ATOR STANISLÁVSKI E AS AÇÕES FÍSICAS: DAS PARTITURAS CORPORAIS ATÉ A DRAMATURGIA DO ATOR STANISLÁVSKI E ESTADOS ANÍMICOS: Reflexões sobre Modos de Atuação no Trabalho do Núcleo de Pesquisa ÁQIS Patricia Leandra

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA Apenas uma experiência que pode ser recriada para outros conteúdos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Terminada a audição, eu escrevi na lousa o título da música, o nome

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

13 Como estudar Teclado - Conteúdo

13 Como estudar Teclado - Conteúdo Introdução Tempo dedicado ao estudo Alongamento e aquecimento Fatores para tornar a leitura mais ágil Fatores para tornar o estudo mais produtivo Preparação para apresentar a peça em público Prazer de

Leia mais

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ ALMEIDA, Patrícia Neves. O Como e suas formas de manifestação na prática do jogo teatral. Sorocaba: Universidade de Sorocaba; Professora Assistente. Arte-Educadora. RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA LINGUAGENS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA LINGUAGENS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA LINGUAGENS Título do Podcast Área Segmento Duração Modo indicativo e subjuntivo dos verbos Linguagens Ensino Médio 5min9seg Habilidades: Ensino Médio: 22 Tempo Estimado:

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital 8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital Empreender em negócios de marketing digital seguramente foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida. Além de eu hoje poder ter minha

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR MARINA COELHO PEREIRA (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), KAREN CERDEIRA BECK (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), TATIANA

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO.

DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA AÇÃO. TÍTULO: 4 a FEIRA CULTURAL O HOMEM E O CINEMA AUTORAS: EVANDRA CRISTINA DA SILVA E RENATA APARECIDA DOS SANTOS ESCOLA ESTADUAL JARDIM DAS ROSAS (SERRANA/SP) COMUNICAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA DESCRIÇÃO

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

FEED FORWARD #35 JANEIRO 2015. Propósito e Coaching. Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal WWW.MINDCOACH.

FEED FORWARD #35 JANEIRO 2015. Propósito e Coaching. Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal WWW.MINDCOACH. WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Propósito e Coaching #35 JANEIRO 2015 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal ZÉLIA OLIVEIRA MARQUES EXECUTIVE, BUSINESS & TEAM COACH

Leia mais