Discriminant Rácios de Altman Output Created Comments Missing Value Handling

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Discriminant Rácios de Altman Output Created Comments Missing Value Handling"

Transcrição

1 Discriminant Rácios de Altman Output Created Comments Missing Value Handling Syntax Definition of Missing Cases Used User-defined missing values are treated as missing in the analysis phase. In the analysis phase, cases with no user- or system-missing values for any predictor variable are used. Cases with user-, system-missing, or out-ofrange values for the grouping variable are always excluded. DISCRIMINANT /GROUPS=(0 1) /VARIABLES=FMACT. RESULT.RET.ACT. EBITACT. CAP.PRORIOSPASS. V.P.S.ACTI /ANALYSIS ALL /PRIORS EQUAL /STATISTICS=MEAN STDDEV UNIVF BOXM COEFF TABLE /PLOT=MAP /CLASSIFY=NONMISSING POOLED. Resources Elapsed Time 0:00:00,11 Analysis Case Processing Summary Unweighted Cases N Percent Valid ,9 Excluded Missing or out-of-range group codes 0,0 At least one missing discriminating variable 3,1 Both missing or out-of-range group codes and at least one missing discriminating variable 0,0 Total 3,1 Total ,0 Para este modelo, verificam-se 2176 casos válidos, que correspondem a 99,9% da amostra, devido á existência de 3 casos de missing values. Analise discriminante racios Altman - VII Page 1

2 Group Statistics Mean Std. Deviation Valid N (listwise) Sem dívida FM/ACT., , ,000 Unweighted Weighted RESULT. RET./ACT. -, , ,000 EBIT/ACT., , ,000 2, , ,000 V. P. S./ACTI, , ,000 Com dívida FM/ACT. -, , ,000 RESULT. RET./ACT. -, , ,000 EBIT/ACT. -, , ,000, , ,000 V. P. S./ACTI, , ,000 Total FM/ACT., , ,000 RESULT. RET./ACT. -, , ,000 EBIT/ACT., , ,000 2, , ,000 V. P. S./ACTI, , ,000 Esta tabela resume a análise descritiva, que traduz as diferenças nas médias obtidas por cada uma situações nas variáveis, observando-se algumas diferenças entre o grupo com dividas e sem dividasna tabela do teste da igualdade das médias para cada uma das variáveis confirma-se o observado na tabela, ou seja, existem diferenças entre as duas situações, que são significativas para quatro das variáveis, sendo essas diferenças assinaladas a vermelho. Tests of Equality of Group Means Wilks' Lambda F df1 df2 Sig. FM/ACT.,968 71, ,000 RESULT. RET./ACT.,993 14, ,000 EBIT/ACT.,995 11, ,001 1,000, ,797 V. P. S./ACTI,995 9, ,002. Analise discriminante racios Altman - VII Page 2

3 Analysis 1 Box's Test of Equality of Covariance Matrices Log Determinants Rank Log Determinant Sem dívida 5 4,156 Com dívida 5-7,342 Pooled within-groups 5 4,328 The ranks and natural logarithms of determinants printed are those of the group covariance matrices. Test Results Box's M 1155,873 F Approx. 75,020 df1 15 df ,352 Sig.,000 Tests null hypothesis of equal population covariance matrices. O valor da prova é inferior a 5%, pelo que se rejeita a hipótese de igualdade das matrizes de variância-covariãncia para as duas situações em estudo Summary of Canonical Discriminant s Eigenvalues Canonical Eigenvalue % of Variance Cumulative % Correlation 1,043(a) 100,0 100,0,202 a First 1 canonical discriminant functions were used in the analysis. Wilks' Lambda Test of (s) Wilks' Lambda Chi-square df Sig. 1,959 90,539 5,000 Standardized Canonical Discriminant Coefficients FM/ACT.,816 RESULT. RET./ACT.,171 EBIT/ACT.,171 -,011 V. P. S./ACTI,474 1 Analise discriminante racios Altman - VII Page 3

4 Structure Matrix Coeficientes estruturais 1 FM/ACT.,880 RESULT. RET./ACT.,399 EBIT/ACT.,350 V. P. S./ACTI,327,027 Pooled within-groups correlations between discriminating variables and standardized canonical discriminant functions Variables ordered by absolute size of correlation within function. s at Group Centroids 1 Sem dívida,037 Com dívida -1,140 Unstandardized canonical discriminant functions evaluated at group means Classification Statistics Classification Processing Summary Processed 2179 Excluded Missing or out-of-range group codes 0 At least one missing discriminating variable 3 Used in Output 2176 Prior Probabilities for Groups Cases Used in Analysis Prior Specified Prior Effective Prior Unweighted Weighted Sem dívida, ,000 Com dívida, ,000 Total 1, ,000 Classification Coefficients (Funções lineares discriminantes de Fisher) Analise discriminante racios Altman - VII Page 4

5 Sem dívida Com dívida FM/ACT. -,249-2,356 RESULT. RET./ACT. -,102 -,220 EBIT/ACT. 2,981 2,296,001,001 V. P. S./ACTI 3,063 2,122 (Constant) -2,068-1,897 Fisher's linear discriminant functions Os coeficientes das funções lineares de Fisher apresentam maiores diferenças entre as duas situações para os rácios com maior poder discriminante identificados nas tabelas anteriores (coeficientes da Função discriminante e coeficientes estruturais). Classification Results(a) Predicted Group Membership Total Original Count Sem dívida Com dívida % Sem dívida 80,4 19,6 100,0 Com dívida 49,3 50,7 100,0 a 79,4% of original grouped cases correctly classified. Sem dívida Com dívida Discriminant Selecção Automática das Variáveis Significantes Unweighted Cases N Percent Valid ,9 Excluded Missing or out-of-range group codes 0,0 At least one missing discriminating variable 3,1 Both missing or out-of-range group codes and at least one missing discriminating variable 0,0 Total 3,1 Total ,0 Analise discriminante racios Altman - VII Page 5

6 Analysis Case Processing Summary Group Statistics Mean Std. Deviation Valid N (listwise) Sem dívida FM/ACT., RESULT. RET./ACT. -, EBIT/ACT., , V. P. S./ACTI, Com dívida FM/ACT. -, RESULT. RET./ACT. -, EBIT/ACT. -, , V. P. S./ACTI, Total FM/ACT., RESULT. RET./ACT. -, EBIT/ACT., , V. P. S./ACTI, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,000 Unweighted Weighted Tests of Equality of Group Means Wilks' Lambda F df1 df2 Sig. FM/ACT.,968 71, ,000 RESULT. RET./ACT.,993 14, ,000 EBIT/ACT.,995 11, ,001 1,000, ,797 V. P. S./ACTI,995 9, ,002 Analise discriminante racios Altman - VII Page 6

7 analysis 1 No teste de Box o valor de prova é inferior a 5% pelo que se rejeita a hipótese de igualdade das matrizes de variância - covariância para as duas situações em estudo, logo verifica-se o pressuposto da análise discriminante Box's Test of Equality of Covariance Matrices Log Determinants Rank Log Determinant Sem dívida 2-2,831 Com dívida 2-1,028 Pooled within-groups 2-2,629 The ranks and natural logarithms of determinants printed are those of the group covariance matrices. Test Results Box's M 314,606 F Approx. 103,752 df1 3 df ,37 4 Sig.,000 Tests null hypothesis of equal population covariance matrices. Stepwise Statistics Variables Entered/Removed(a,b,c,d) Wilks' Lambda Exact F Step Entered Removed 1 FM/ACT. 2 V. P. S./ACTI Statistic df1 df2 df3 Statistic df1 df2 Sig., ,000 71, ,000,000, ,000 44, ,000,000 At each step, the variable that minimizes the overall Wilks' Lambda is entered. a Maximum number of steps is 10. b Minimum partial F to enter is c Maximum partial F to remove is d F level, tolerance, or VIN insufficient for further computation. Analise discriminante racios Altman - VII Page 7

8 Variables in the Analysis Step Tolerance F to Remove Wilks' Lambda 1 Variables FM/ACT. 1,000 71,612 V. P. S./ACTI 2 Variables FM/ACT.,989 77,903,995 V. P. S./ACTI Variables Not in the Analysis,989 16,047,968 Step Tolerance Min. Tolerance F to Enter Wilks' Lambda 0 Variables FM/ACT. 1,000 1,000 71,612,968 RESULT. RET./ACT. 1,000 1,000 14,713,993 EBIT/ACT. 1,000 1,000 11,350,995 1,000 1,000,066 1,000 V. P. S./ACTI 1,000 1,000 9,902,995 1 Variables FM/ACT. RESULT. RET./ACT.,944,944 3,445,967 EBIT/ACT.,809,809,131,968,997,997,045,968 V. P. S./ACTI,989,989 16,047,961 2 Variables FM/ACT. RESULT. RET./ACT.,939,930 2,405,960 EBIT/ACT.,683,683 1,744,960,997,986,023,961 V. P. S./ACTI Wilks' Lambda Exact F Step Number of Variables Lambda df1 df2 df3 Statistic df1 df2 Sig. 1 1, , ,000, , , ,000,000 Analise discriminante racios Altman - VII Page 8

9 N a tabela dos valores próprios (Eigenvalues) a função discriminante constituida, corresponde a 100% da variância explicada em termos de diferenças entre grupos, observando-se uma correlação canónica entre a função discriminante e os grupos de 0,197. Summary of Canonical Discriminant s Eigenvalues Canonical Eigenvalue % of Variance Cumulative % Correlation 1,041(a) 100,0 100,0,197 a First 1 canonical discriminant functions were used in the analysis. O teste de Wilk permite concluir que a funçaõ discriminante é significativa (valor de prova de 0,0%), pelo que podemos concluir pela diferença entre as médias dos dois grupos (sem dívida e com dívida ) nesta função Wilks' Lambda Test of (s) Wilks' Lambda Chi-square df Sig. 1,961 86,414 2,000 Standardized Canonical Discriminant Coefficients FM/ACT.,948 V. P. S./ACTI 1,436 Variáveis seleccionadas como significantes para a função discriminante Structure Matrix FM/ACT.,901 V. P. S./ACTI,335 RESULT. RET./ACT.(a),245 EBIT/ACT. (a),240 (a),044 1 Pooled within-groups correlations between discriminating variables and standardized canonical discriminant functions Variables ordered by absolute size of correlation within function. a This variable not used in the analysis. Analise discriminante racios Altman - VII Page 9

10 s at Group Centroids 1 Sem dívida,036 Com dívida -1,113 Unstandardized canonical discriminant functions evaluated at group means Classification Statistics Classification Processing Summary Processed 2179 Excluded Missing or out-of-range group codes 0 At least one missing discriminating variable 1 Used in Output 2178 Prior Probabilities for Groups Cases Used in Analysis Prior Specified Prior Effective Prior Unweighted Weighted Sem dívida, ,000 Com dívida, ,000 Total 1, ,000 Classification Coefficients Sem dívida Com dívida FM/ACT.,434-1,956 V. P. S./ACTI 2,513 1,668 (Constant) -1,791-1,673 Fisher's linear discriminant functions Analise discriminante racios Altman - VII Page 10

11 Classification Results(a) Predicted Group Membership Total Original Count Sem dívida Com dívida % Sem dívida 79,1 20,9 100,0 Com dívida 50,7 49,3 100,0 a 78,1% of original grouped cases correctly classified. Sem dívida Com dívida Nos resultados da classificação verifica-se que 79,1% dos casos sem dívida foram classificados correctamente e 49,3% dos casos com dívida foram classificados correctamente, tendo portanto diminuído este valor,em relação á análise anterior. Analise discriminante racios Altman - VII Page 11

Regressão Linear em SPSS

Regressão Linear em SPSS Regressão Linear em SPSS 1. No ficheiro Calor.sav encontram-se os valores do consumo mensal de energia, medido em milhões de unidades termais britânicas, acompanhados de valores de output, em milhões de

Leia mais

Anexo 6 Testes de Fiabilidade

Anexo 6 Testes de Fiabilidade Variável: Empenho da gestão Reliability Anexo 6 Testes de Fiabilidade Cases a. Case Processing Summary Valid Excluded Total Listwise deletion based on all variables in the procedure. a N % 49 96, 2 3,9

Leia mais

Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557

Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557 ANEXO M: Output 1 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: meio rural e meio urbano. Group Statistics

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA APLICADA AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS ANÁLISE DISCRIMINANTE

ANÁLISE MULTIVARIADA APLICADA AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS ANÁLISE DISCRIMINANTE ANÁLISE MULTIVARIADA APLICADA AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CIÊNCIA DO SOLO: CPGA-CS ANÁLISE DISCRIMINANTE Carlos Alberto Alves Varella ÍNDICE ANÁLISE MULTIVARIADA APLICADA AS CIÊNCIAS

Leia mais

Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS

Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Análise de Variância Objectivo: comparar medidas de localização para mais do que

Leia mais

Revista Contabilidade & Finanças - USP ISSN: 1519-7077 recont@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista Contabilidade & Finanças - USP ISSN: 1519-7077 recont@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista Contabilidade & Finanças - USP ISSN: 1519-7077 recont@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Pompa Antunes, Maria Thereza; Corrar, Luiz João; Takashi Kato, Heitor A eficiência das informações

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo APLICAÇÕES NO SPSS Disciplina de Estatística Gestão Disciplina de Estatística Gestão Hoteleira Disciplina de Estatística Descritiva

Leia mais

APLICAÇÃO COLETIVA DA FIGURA COMPLEXA DE REY

APLICAÇÃO COLETIVA DA FIGURA COMPLEXA DE REY APLICAÇÃO COLETIVA DA FIGURA COMPLEXA DE REY Álvaro José Lelé (Centro Universitário de Lavras, Laboratório de Avaliação das Diferenças Individuais-UFMG), Marilourdes do Amaral Barbosa (Universidade da

Leia mais

Análise da sustentabilidade financeira das cooperativas de crédito singulares do Brasil 1

Análise da sustentabilidade financeira das cooperativas de crédito singulares do Brasil 1 Análise da sustentabilidade financeira das cooperativas de crédito singulares do Brasil 1 Edison Luiz Leismann Unioeste-PR Charles Ulises de Montreuil Carmona UFPE-PE Resumo: Este trabalho tem por objetivo

Leia mais

Análise de Variância simples (One way ANOVA)

Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de experiências com vários grupos de observações classificados através de um só factor (por exemplo grupos de indivíduos sujeitos a diferentes tratamentos

Leia mais

Análise Estatística Utilizando o SPSS Guia prático de comandos

Análise Estatística Utilizando o SPSS Guia prático de comandos Análise Estatística Utilizando o SPSS Guia prático de comandos de Sousa Guimarães. Salvador/BA Sumário 1. Introdução...3 2. Primeiro Passo...3 3. As Janelas...4 4. Os Menus...6 4.1 Data Editor...6 4.2

Leia mais

MODELO PREDITIVO DE INADIMPLÊNCIA EM PROCESSOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

MODELO PREDITIVO DE INADIMPLÊNCIA EM PROCESSOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 3 a 6 de outubro de 8 MODELO PREDITIVO DE INADIMPLÊNCIA EM PROCESSOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Marcos Antônio de Camargos (UNI-BH) mcamargos@cepead.face.ufmg.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 13.0

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 13.0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA Cadernos de Matemática e Estatística Série B: Trabalho de Apoio Didático INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 13.0 Elsa Mundstock

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 4 Análise dos Resultados 4.1 Construção do o de Regressão Logística No SPSS 13.0, foi aplicado o modelo de regressão logística binário, método stepwise foward, para definir o modelo final que minimiza

Leia mais

Análise De Fundos De Financiamento Para Organizações Do Terceiro Setor. No Ano De 2006

Análise De Fundos De Financiamento Para Organizações Do Terceiro Setor. No Ano De 2006 Análise De Fundos De Financiamento Para Organizações Do Terceiro Setor No Ano De 26 Jaqueline Abrantes e Matheus Iwao Oshikiri PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia

Leia mais

COOPERAÇÃO CE - PALOP. Programa PIR PALOP II. Projecto CONSOLIDAÇÃO DAS CAPACIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Tomo - I CO-FINANCIAMENTO

COOPERAÇÃO CE - PALOP. Programa PIR PALOP II. Projecto CONSOLIDAÇÃO DAS CAPACIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Tomo - I CO-FINANCIAMENTO COOPERAÇÃO CE - PALOP Programa PIR PALOP II Projecto CONSOLIDAÇÃO DAS CAPACIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA N.º IDENTIFICAÇÃO : REG/7901/013 N. CONTABILÍSTICO : 8 ACP MTR 5 * 8 ACP TPS 126 ACORDO DE FINANCIAMENTO

Leia mais

7.2. TESTE DE WILCOXON-MANN-WHITNEY

7.2. TESTE DE WILCOXON-MANN-WHITNEY CAPÍTULO 7 TESTES NÃO PARAMÉTRICOS No primeiro quadro aparece a estatística descritiva para as duas variáveis, no segundo quadro aparecem o número de sinais (+) e ( ) (na coluna N ), a média ( Mean Rank

Leia mais

PREÇOS E NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS PRATICADOS POR HOSPITAIS PRIVADOS JUNTO À OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE RESUMO

PREÇOS E NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS PRATICADOS POR HOSPITAIS PRIVADOS JUNTO À OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE RESUMO PREÇOS E ÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS PRATICADOS POR HOSPITAIS PRIVADOS JUTO À OPERADORAS DE PLAOS DE SAÚDE RESUMO Reinaldo Rodrigues Camacho UIVERSIDADE DE SÃO PAULO Welington Rocha UIVERSIDADE

Leia mais

TRABALHO FINAL. Análise Estatística da Pesquisa de Clima aplicada em operadores de uma empresa do segmento alimentício

TRABALHO FINAL. Análise Estatística da Pesquisa de Clima aplicada em operadores de uma empresa do segmento alimentício PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia e Administração Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração TRABALHO FINAL Análise Estatística da Pesquisa de Clima aplicada

Leia mais

DEFINIÇÃO DO TAMANHO AMOSTRAL USANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO PARA O TESTE DE NORMALIDADE BASEADO EM ASSIMETRIA E CURTOSE. II. ABORDAGEM MULTIVARIADA

DEFINIÇÃO DO TAMANHO AMOSTRAL USANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO PARA O TESTE DE NORMALIDADE BASEADO EM ASSIMETRIA E CURTOSE. II. ABORDAGEM MULTIVARIADA DEFINIÇÃO DO TAMANHO AMOSTRAL USANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO PARA O TESTE DE NORMALIDADE BASEADO EM ASSIMETRIA E CURTOSE. II. ABORDAGEM MULTIVARIADA ANDRÉA CRISTIANE DOS SANTOS DANIEL FURTADO FERREIRA RESUMO

Leia mais

Análise de componentes principais (PCA)

Análise de componentes principais (PCA) Análise de componentes principais (PCA) Redução de dados Sumarizar os dados que contém muitas variáveis (p) por um conjunto menor de (k) variáveis compostas derivadas a partir do conjunto original. p k

Leia mais

ESTUDO SOBRE EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA: APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA

ESTUDO SOBRE EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA: APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA ESTUDO SOBRE EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA: APLICAÇÃO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA Ricardo Ferreira Vitelli Universidade do Vale do Rio dos Sinos vitelli@unisinos.br

Leia mais

file://c:\documents and Settings\porlum\Local Settings\Temp\ca0d8908-118f-4768-a...

file://c:\documents and Settings\porlum\Local Settings\Temp\ca0d8908-118f-4768-a... Page 1 of 17 The MEANS Procedure Variable Label Mean Std Dev Minimum Maximum Range N Satisfação Global Satisfação Global 6.4000000 0.5163978 6.0000000 1.0000000 Expectativas cumpridas Expectativas cumpridas

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISA DE MERCADO

RELATÓRIO PESQUISA DE MERCADO RELATÓRIO PESQUISA DE MERCADO Aluno : Alexandro Vieira Lopes Professora : Profª Miriam Silvestre Presidente Prudente 2007 1 Alexandro Vieira Lopes Relatório da Disciplina Pesquisa de Mercado Estudo do

Leia mais

SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO

SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO Diretor Dr. Mesquita Rodrigues SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO A. GOULART, C. BRANCO, J. MAIA DA COSTA, F. MANSO, M. PEREIRA, A. FERNANDES, P. COSTA, P. LEÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Verificando a situação financeira dos estados brasileiros: uma proposta utilizando análise discriminante

Verificando a situação financeira dos estados brasileiros: uma proposta utilizando análise discriminante Verificando a situação financeira dos estados brasileiros: uma proposta utilizando análise discriminante Gilmar Ribeiro De Mello Valmor Slomski Resumo: Quando se estuda a situação financeira das entidades

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 18.0

INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 18.0 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE GRUPO DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO INTRODUÇÃO À ANÁLISE ESTATÍSTICA UTILIZANDO O SPSS 18.0 Marilyn Agranonik Vânia Naomi Hirakata Suzi Alves Camey Porto Alegre - Setembro

Leia mais

Avaliação da aprendizagem: do papel para o computador

Avaliação da aprendizagem: do papel para o computador Avaliação da aprendizagem: do papel para o computador Thácya A. F. Mattos 1, José Wilson da Costa 1 1 Mestrado em Educação Tecnológica Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Leia mais

Exemplo 1. a)faça a análise exploratória dos dados e verifique que a amostra é muito enviezada e não normal.

Exemplo 1. a)faça a análise exploratória dos dados e verifique que a amostra é muito enviezada e não normal. Exemplo 1 O tempo médio de de recuperação da daanestisia usada numa determinada cirurgia é de de 7 horas. Um novo agente anestésico está a ser proposto, com a vantagem de de ter um tempo de de recuperação

Leia mais

([DPHGH5HFRUUrQFLDGH0pWRGRV(VWDWtVWLFRV

([DPHGH5HFRUUrQFLDGH0pWRGRV(VWDWtVWLFRV Data: 09/07/2003 ([DPHGH5HFRUUrQFLDGH0pWRGRV(VWDWtVWLFRV Duração: 2 horas Nome: N.º: Curso: Regime: Número de folhas suplementares entregues pelo aluno: Declaro que desisto (VWDSURYDFRQVLVWHHPTXHVW}HVGHUHVSRVWDDEHUWDHDVUHVSHFWLYDVFRWDo}HVHQFRQWUDPVHQDWDEHODTXHVHVHJXH

Leia mais

Fernando Lang da Silveira - lang@if.ufrgs.br Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS

Fernando Lang da Silveira - lang@if.ufrgs.br Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS 1 Concurso Vestibular da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul: como variáveis sócio-econômico-culturais explicam o desempenho dos candidatos aos cursos de Engenharia Carlos Eduardo da

Leia mais

Medidas repetidas No.1

Medidas repetidas No.1 Medidas repetidas No.1 Fernando Lucambio Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná Curitiba/PR, 81531 990, Brasil email: lucambio@ufpr.br Agosto de 2008 1 Introdução Tempo de reação de

Leia mais

Resultados do tratamento de dados

Resultados do tratamento de dados Resultados do tratamento de dados Caracterização sociodemográfica dos participantes Género Frequency Valid Valid Masculino 64 54,2 54,2 54,2 Feminino 54 45,8 45,8 100,0 100,0 Idade Statistics N Valid 118

Leia mais

Previsão de Inadimplência em Processos de Concessão de Crédito a Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais

Previsão de Inadimplência em Processos de Concessão de Crédito a Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais Previsão de Inadimplência em Processos de Concessão de Crédito a Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais Autoria: Marcos Antônio de Camargos, Joab de Oliveira Lima RESUMO: O objetivo deste

Leia mais

4 Resultados e análises

4 Resultados e análises 4 Resultados e análises O Capítulo 4 apresenta elementos conseqüentes dos processos de análise e interpretação dos dados coletados, que configuram os resultados da presente pesquisa. Com base na metodologia,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Analisando Relações Entre Variáveis Para Justificar O Valor Gasto Com Cesta Básica Nas Principais Regiões Brasileiras Elaine Mandotti de Oliveira Britto PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA

Leia mais

ÍNDICE GERAL 1.2.1 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS...9 1.2.2 EDIÇÃO DE MATRIZES DE DADOS...13 1.3.1 CÁLCULO ENTRE VARIÁVEIS...18

ÍNDICE GERAL 1.2.1 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS...9 1.2.2 EDIÇÃO DE MATRIZES DE DADOS...13 1.3.1 CÁLCULO ENTRE VARIÁVEIS...18 ÍNDICE GERAL 1. ANÁLISE DE DADOS RECORRENDO AO SPSS 11.5...5 1.1 O QUE É UMA MATRIZ DE DADOS...6 1.2 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS E EDIÇÃO DE MA TRIZES DE DADOS...7 1.2.1 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS...9 1.2.1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA DIOGO MEDEIROS NÓBREGA ANÁLISE DISCRIMINANTE UTILIZANDO O SOFTWARE SPSS Campina Grande PB 2010 DIOGO MEDEIROS

Leia mais

NOVAS REGRAS DE SOLVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO ACERCA DO MODELO ADOTADO

NOVAS REGRAS DE SOLVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO ACERCA DO MODELO ADOTADO 1 NOVAS REGRAS DE SOLVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO ACERCA DO MODELO ADOTADO Resumo Betty Lilian Chan UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Fabiana Lopes da Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Gilberto

Leia mais

CONFLITOS DE AGÊNCIA E A PERFORMANCE DAS SUBSIDIÁRIAS DE MULTINACIONAIS ESTRANGEIRAS NO BRASIL

CONFLITOS DE AGÊNCIA E A PERFORMANCE DAS SUBSIDIÁRIAS DE MULTINACIONAIS ESTRANGEIRAS NO BRASIL V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L CONFLITOS DE AGÊNCIA E A PERFORMANCE DAS SUBSIDIÁRIAS DE MULTINACIONAIS ESTRANGEIRAS NO BRASIL Autor: Felipe Mendes

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação Correlação Canônica Outubro / 998 Versão preliminar Fabio Vessoni fabio@mv.com.br (0) 306454 MV Sistemas de Informação Introdução Existem várias formas de analisar dois conjuntos de dados. Um dos modelos

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA Faculdade de Economia e Administração Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO DOS RETORNOS

Leia mais

ATLAS BRASIL 2013 DIMENSÃO RENDA E OUTRAS VARIÁVEIS

ATLAS BRASIL 2013 DIMENSÃO RENDA E OUTRAS VARIÁVEIS PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuariais. ATLAS BRASIL 2013 DIMENSÃO RENDA E OUTRAS VARIÁVEIS Disciplina: Métodos Quantitativos Professor:

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS. Familiarização com o SPSS

ANÁLISE DE DADOS. Familiarização com o SPSS 1 ANÁLISE DE DADOS Familiarização com o SPSS 2 Statistical Package for the Social Sciences Programa de eleição dos cientistas das Ciências Sociais; O SPSS facilita a realização de numerosos métodos estatísticos;

Leia mais

6 Referencial Bibliográfico

6 Referencial Bibliográfico 69 6 Referencial Bibliográfico BISGAARD, S. The Design and Analysis of 2 k-p x 2 q-r Split Plot Experiments. Journal of Quality Technology; v. 32, ABI/INFORM Global pag. 39, Jan 2000. CSN Companhia Siderúrgica

Leia mais

Estimating the SF-6D value set for a population based sample of Brazilians

Estimating the SF-6D value set for a population based sample of Brazilians Estimating the SF-6D value set for a population based sample of Brazilians Luciane Cruz, Suzi Camey, Juliana Hoffmann, John Brazier, Donna Rowen, Marcelo Fleck, Carisi Polanczyk Federal University of Rio

Leia mais

O estudo cobre o período que vai de 1980 a 1997 e os resultados confirmam a nossa hipótese de mudança no padrão sazonal no período.

O estudo cobre o período que vai de 1980 a 1997 e os resultados confirmam a nossa hipótese de mudança no padrão sazonal no período. EAESP/FGV/NPP - NÚCLEO DE PESQUISAS E PUBLICAÇÕES 1/96 RESUMO Este trabalho tem por objetivo identificar os coeficientes sazonais de algumas variáveis econômicas (produção industrial, exportações e importações),

Leia mais

Comportamento Estratégico e Endividamento das Pequenas Empresas

Comportamento Estratégico e Endividamento das Pequenas Empresas Comportamento Estratégico e Endividamento das Pequenas Empresas Samuel Façanha Câmara samuel@insoft.softex.br Universidade Estadual do Ceará Rodrigo Santos de Melo rodrigo@insoft.softex.br Diana do Nascimento

Leia mais

Automação usando NORAN System SIX

Automação usando NORAN System SIX Automação usando NORAN System SIX 1. Alinhar o microscópio normalmente para: a. Tensão: 15 kv b. Magnificação: 500 X c. Distância de trabalho: 10 mm d. Spot Size: próximo de 43 e. Abertura: 2 2. Introduzir

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO BRASIL Focando principalmente indicadores relacionados a habitação, educação, saúde e muito particularmente TRABALHO

CLASSIFICAÇÃO DO BRASIL Focando principalmente indicadores relacionados a habitação, educação, saúde e muito particularmente TRABALHO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP CLASSIFICAÇÃO DO BRASIL Focando principalmente indicadores relacionados a habitação, educação, saúde e muito particularmente TRABALHO MÉTODOS QUANTITATIVOS

Leia mais

TUTORIAL SOBRE ANÁLISE DE REGRESSÃO

TUTORIAL SOBRE ANÁLISE DE REGRESSÃO TUTORIAL SOBRE ANÁLISE DE REGRESSÃO I. No R: ### Exemplo dados dos alunos: altura x peso ### x = altura e y = peso ############################################ # Entrada de Dados x

Leia mais

Teste t de Student para o caso de uma amostra (Teste de hipóteses

Teste t de Student para o caso de uma amostra (Teste de hipóteses Teste t de Student para o caso de uma amostra (Teste de hipóteses para a média populacional) Exemplo: Quinze alunos foram inquiridos quanto ao seu grau de satisfação (numa escala de 0 a 00) em relação

Leia mais

Insucesso de Grandes Bancos Privados Brasileiros de Varejo

Insucesso de Grandes Bancos Privados Brasileiros de Varejo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Administração Área de Finanças Insucesso de Grandes Bancos Privados Brasileiros de Varejo ALBERTO BORGES MATIAS

Leia mais

Sumário. Modelar relações entre variáveis quantitativas. Correlação. Modelar relações entre variáveis quantitativas

Sumário. Modelar relações entre variáveis quantitativas. Correlação. Modelar relações entre variáveis quantitativas Modelar relações entre variáveis quantitativas Doutoramento em Psicologia Abril Seminários de métodos e análise de dados Luís Faísca Sumário. Correlação entre duas variáveis. Regressão linear simples.

Leia mais

Métodos Estatísticos sticos Aplicados à Engenharia de Software Experimental

Métodos Estatísticos sticos Aplicados à Engenharia de Software Experimental A Utilização de Métodos M Estatísticos sticos no Planejamento e Análise de Estudos Experimentais em Engenharia de Software Marco Antônio P. Araújo CES/JF e Faculdade Metodista Granbery maraujo@acessa.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA

DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA LABFON - CLUL EXCL/MHC-LIN/0688/2012 DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA Bandeira de Lima 1,2, C., Severino,C.

Leia mais

A densidade de CoRoT-Exo-3b

A densidade de CoRoT-Exo-3b A densidade de CoRoT-Exo-3b Por Hindemburg Melão Jr. http://www.sigmasociety.com Em 6 de outubro foi anunciada a descoberta de um objeto com algumas características planetárias e outras estelares, situado

Leia mais

ESTUDO DA VARIAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS ALUNOS DURANTE UMA DISCIPLINA BÁSICA DE GRADUAÇÃO

ESTUDO DA VARIAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS ALUNOS DURANTE UMA DISCIPLINA BÁSICA DE GRADUAÇÃO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS ALUNOS DURANTE UMA DISCIPLINA BÁSICA DE GRADUAÇÃO Lucas A. Fiorani - fiorani@usp.br Osvaldo S. Nakao - osvaldo.nakao@poli.usp.br Viviane M. A. Fiorani - viviane.araujo@usp.br

Leia mais

Planejamento e Programa de Ação: Análise da Classificação das Agências de Determinada Instituição Financeira

Planejamento e Programa de Ação: Análise da Classificação das Agências de Determinada Instituição Financeira Planejamento e Programa de Ação: Análise da Classificação das Agências de Determinada Instituição Financeira RESUMO José Lira de Oliveira Neto e Heber José de Moura Universidade de Fortaleza - UNIFOR Muitas

Leia mais

Periódico Científico e Cultural da Faculdade 7 de Setembro

Periódico Científico e Cultural da Faculdade 7 de Setembro REVISTA DA FA7 Periódico Científico e Cultural da Faculdade 7 de Setembro FACULDADE 7 DE SETEMBRO Rua Maximiano da Fonseca, 1395 Bairro Eng. Luciano Cavalcante CEP: 60.811-024 - Fortaleza-CE www.fa7.edu.br

Leia mais

AS MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS NA AMÉRICA LATINA (1973-2008) E A SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRACIA

AS MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS NA AMÉRICA LATINA (1973-2008) E A SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRACIA AS MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS NA AMÉRICA LATINA (1973-2008) E A SUA RELAÇÃO COM A DEMOCRACIA Em que medida as mudanças constitucionais na América Latina 1, no período entre 1973 e 2008, provocam alterações

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Faculdade de Engenharia de Recursos Naturais. Estatística Experimental

UNIVERSIDADE DO ALGARVE Faculdade de Engenharia de Recursos Naturais. Estatística Experimental UNIVERSIDADE DO ALGARVE Faculdade de Engenharia de Recursos Naturais Estatística Experimental Trabalho Prático nº 0: Iniciação ao SPSS (SPSS for WINDOWS, versão 10.0.5; 27 Nov 1999) 1. Procedimento de

Leia mais

Curso Básico SPSS 7.5

Curso Básico SPSS 7.5 Curso Básico de SPSS 7.5 Juliana Mambrini Kleber Adriano Pansanato Natália Guimarães Duarte Sátyro PROAV-UFMG Coordenador Geral José Francisco Soares Belo Horizonte MG abril 1999 1 2 Índice I INFORMAÇÕES

Leia mais

Modelo de Regressão Linear e suas Aplicações

Modelo de Regressão Linear e suas Aplicações UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Modelo de Regressão Linear e suas Aplicações Sandra Cristina Antunes Rodrigues Relatório de Estágio para obtenção do Grau de Mestre em Ensino de Matemática no 3º

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD CONCEITO ENADE: REFLEXÕES SOBRE OS IMPACTOS DA CATEGORIA ADMINISTRATIVA E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA DAS IES E NÚMERO DE PARTICIPANTES NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES Marianna Corrêa Luciana Merlin

Leia mais

Adicione Análises Sofisticadas ao seu Repertório com Data Mining, Advanced Analytics e Integração R

Adicione Análises Sofisticadas ao seu Repertório com Data Mining, Advanced Analytics e Integração R Adicione Análises Sofisticadas ao seu Repertório com Data Mining, Advanced Analytics e Integração R Por Que Análises Avançadas? Empresas que injetam big data e análises em suas operações obtêm produtividade

Leia mais

T Ã O B O M Q U A N T O N O V O

T Ã O B O M Q U A N T O N O V O D I S S E R T A Ç Ã O D E M E S T R A D O M A S T E R I N G D I S S E R T A T I O N A V A L I A Ç Ã O D A C O N D I Ç Ã O D E T Ã O B O M Q U A N T O N O V O U M A A P L I C A Ç Ã O E N V O L V E N D O

Leia mais

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER

EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER EXEMPLOS DE COMANDOS NO SQL SERVER Gerenciando Tabelas: DDL - DATA DEFINITION LANGUAG Criando uma tabela: CREATE TABLE CLIENTES ID VARCHAR4 NOT NULL, NOME VARCHAR30 NOT NULL, PAGAMENTO DECIMAL4,2 NOT NULL;

Leia mais

Aplicação do Sistema Psicográfico VALS-2 em Alunos de Pós-graduação de Londrina- PR e Uberlândia-MG

Aplicação do Sistema Psicográfico VALS-2 em Alunos de Pós-graduação de Londrina- PR e Uberlândia-MG Aplicação do Sistema Psicográfico VALS-2 em Alunos de Pós-graduação de Londrina- PR e Uberlândia-MG Autoria: Dirceu Tornavoi de Carvalho, Gilberto Tadeu Shinyashiki, Thais Accioly Baccaro, Carolina Lasmar

Leia mais

Anova Univariada e Multivariada

Anova Univariada e Multivariada UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA Anova Univariada e Multivariada Curso: Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Nome: Denis

Leia mais

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009

Laboratório 3. Base de Dados II 2008/2009 Laboratório 3 Base de Dados II 2008/2009 Plano de Trabalho Lab. 3: Programação em Transact-SQL MYSQL Referências www.mysql.com MICROSOFT SQL SERVER - Procedimentos do Lado do Servidor (Stored Procedures)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS APRESENTAÇÃO os módulos de análise de dados em IBM SPSS Statistics, organizados pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS), pretendem contribuir para a difusão da utilização

Leia mais

Introdução ao SPSS. No SPSS podemos encontrar as seguintes janelas:

Introdução ao SPSS. No SPSS podemos encontrar as seguintes janelas: SPSS 10 1 Índice Introdução ao SPSS... 3 Interfaces do SPSS... 6 Abrir e gravar uma base de dados... 11 Criar uma base de dados... 14 COMO SUMARIAR, TRATAR E TRANSFORMAR VARIÁVEIS... 25 Frequências...

Leia mais

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca 1 Estatística II 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professor responsável Docentes 1.2. Síntese descritiva Psicologia

Leia mais

METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA: UMA INTRODUÇÃO NOS SOFTWARES R E STATISTICA. Resumo

METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA: UMA INTRODUÇÃO NOS SOFTWARES R E STATISTICA. Resumo METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA: UMA INTRODUÇÃO NOS SOFTWARES R E STATISTICA Anaisa Comparini, Gabriela Passos, Helton Graziadei, Paulo H. Ferreira-Silva e Francisco Louzada ICMC USP CP668 CEP 13.566-590,

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL E PORTE ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DAS CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE RODOVIAS PARANAENSES

ESTRUTURA DE CAPITAL E PORTE ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DAS CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE RODOVIAS PARANAENSES ESTRUTURA DE CAPITAL E PORTE ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DAS CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE RODOVIAS PARANAENSES Delci Grapegia Dal Vesco Msc delcigrape@msn.com Márcia Maria dos Santos Bortolocci

Leia mais

UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES

UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES Frederike Mette* Marco A. S. Martins** Resumo: Considerando o alto grau de globalização atingido pelo mercado de ações nos últimos

Leia mais

Codificação de Canal

Codificação de Canal Codificação de Canal Codificação de Canal Codificação de Canal Permite a detecção e correção de erros introduzidos pelos canal Tipos de Códigos Códigos de bloco Códigos convolucionais Modulação codificada

Leia mais

Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres

Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres Número de horas do programa: 60 horas Número de horas Semanal: 4 Horas Número

Leia mais

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS)

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS) ISCTE SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO An Lectiv 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II (Interpretaçã de Outputs de SPSS) Interval de Cnfiança para a Média Ppulacinal Ensai de Hipóteses para a Média

Leia mais

Testes não paramétricos

Testes não paramétricos Testes não paramétricos A designação de teste não paramétrico deve-se ao facto de não ser necessário especificar a distribuição da população de onde provém a amostra (até agora, na maior parte dos casos,

Leia mais

DEFINIÇÃO DO TAMANHO AMOSTRAL USANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO PARA O TESTE DE NORMALIDADE BASEADO EM ASSIMETRIA E CURTOSE. I. ABORDAGEM UNIVARIADA

DEFINIÇÃO DO TAMANHO AMOSTRAL USANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO PARA O TESTE DE NORMALIDADE BASEADO EM ASSIMETRIA E CURTOSE. I. ABORDAGEM UNIVARIADA DEFINIÇÃO DO TAMANHO AMOSTRAL USANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO PARA O TESTE DE NORMALIDADE BASEADO EM ASSIMETRIA E CURTOSE. I. ABORDAGEM UNIVARIADA RESUMO Uma forma alternativa para verificar suposição de

Leia mais

UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS INDICADORES DAS 500 EMPRESAS MAIS VALIOSAS DO MUNDO E DA POSIÇÃO DOS PAÍSES DO BRICS NO RANKING

UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS INDICADORES DAS 500 EMPRESAS MAIS VALIOSAS DO MUNDO E DA POSIÇÃO DOS PAÍSES DO BRICS NO RANKING PUC - SP UM ESTUDO DA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DOS INDICADORES DAS 5 EMPRESAS MAIS VALIOSAS DO MUNDO E DA POSIÇÃO DOS PAÍSES DO BRICS NO RANKING EDUARDO NOBORU KAWABUCHI MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados Estatística descritiva Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados 1 Estatística descritiva vs inferencial Estatística Descritiva: conjunto de métodos estatísticos que

Leia mais

O Modelo Fleuriet como Indicador Conjunto de Solvência e Rentabilidade

O Modelo Fleuriet como Indicador Conjunto de Solvência e Rentabilidade O Modelo Fleuriet como Indicador Conjunto de Solvência e Rentabilidade Autoria: Alisson Curátola de Melo, Eduardo Senra Coutinho RESUMO O Modelo Fleuriet mostrou-se eficiente na análise financeira das

Leia mais

I- Estatística Descritiva Exercícios

I- Estatística Descritiva Exercícios Estatística/ Bioestatística/ Métodos Estatísticos/ Bioestatística e Epistemologia da Educação I- Estatística Descritiva Exercícios 1. Considere a seguinte colecção de dados correspondentes ao comprimento

Leia mais

ÍNDICES DE FLUXO DE CAIXA VERSUS ÍNDICES TRADICIONAIS DE ANÁLISE DE BALANÇOS: UM ESTUDO COMPARATIVO NAS EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA

ÍNDICES DE FLUXO DE CAIXA VERSUS ÍNDICES TRADICIONAIS DE ANÁLISE DE BALANÇOS: UM ESTUDO COMPARATIVO NAS EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA ÍNDICES DE FLUXO DE CAIXA VERSUS ÍNDICES TRADICIONAIS DE ANÁLISE DE BALANÇOS: UM ESTUDO COMPARATIVO NAS EMPRESAS LISTADAS NA BM&FBOVESPA Edna Maria de Melo Vieira, ednamelo2@gmail.com Karenn Patrícia Silva

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Gerenciamento de Qualidade IBM Rational Quality Manager Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Introdução Jazz Rational Quality Manager Demonstração Agenda 2 Teste de software?!? O que é? Para que

Leia mais

Instructions. Instruções

Instructions. Instruções Instructions ENGLISH Instruções PORTUGUÊS This document is to help consumers in understanding basic functionality in their own language. Should you have any difficulty using any of the functions please

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

PUC - SP O INDICADOR AIDS ENTRE MULHERES ADULTAS COMPARADO AO TRABALHO E 1 GRAU DE INSTRUÇÃO FEMININO

PUC - SP O INDICADOR AIDS ENTRE MULHERES ADULTAS COMPARADO AO TRABALHO E 1 GRAU DE INSTRUÇÃO FEMININO PUC - SP O INDICADOR AIDS ENTRE MULHERES ADULTAS COMPARADO AO TRABALHO E 1 GRAU DE INSTRUÇÃO FEMININO JOSÉ RENATO LAMBERTI STELLA MILANEZ MESTRANDO EM ADMINISTRAÇÃO MÉTODOS QUANTITATIVOS PROF. DR. ARNOLDO

Leia mais

MANUAL DO EXCEL. Um campo é um espaço que contém determinada informação (ex: Nome do cliente X, Telefone do Sr. Y)

MANUAL DO EXCEL. Um campo é um espaço que contém determinada informação (ex: Nome do cliente X, Telefone do Sr. Y) MANUAL DO EXCEL BASE DE DADOS DEFINIÇÃO DE BASES DE DADOS Uma base de dados é um conjunto de informações, organizada segundo regras definidas à qual se pode aceder para extrair, actualizar, acrescentar

Leia mais

DEMANDA DE RESSEGUROS NO BRASIL

DEMANDA DE RESSEGUROS NO BRASIL 1 DEMANDA DE RESSEGUROS NO BRASIL Fabiana Lopes da Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Betty Lilian Chan UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Gilberto de Andrade Martins UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Luiz Paulo Lopes Fávero

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS FATORES DE DESEMPENHO FINANCEIRO: O CASO DAS LOJAS AMERICANAS S.A.

UMA ANÁLISE DOS FATORES DE DESEMPENHO FINANCEIRO: O CASO DAS LOJAS AMERICANAS S.A. Qualit@s Revista Eletrônica ISSN 1677 4280 Vol.9. No 1 (2010) 1 UMA ANÁLISE DOS FATORES DE DESEMPENHO FINANCEIRO: O CASO DAS LOJAS AMERICANAS S.A. RESUMO José Ribamar Marques de Carvalho Walmark Clay dos

Leia mais

Estilos de Liderança na Equipa Profissional do Estoril-Praia

Estilos de Liderança na Equipa Profissional do Estoril-Praia Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Estilos de Liderança na Equipa Profissional do Estoril-Praia Estudo de Grupo Mestrado em Treino Desportivo Orientador: Professor Doutor Luís

Leia mais