SÍNDROME DA RESPIRAÇÃO BUCAL EM ADOLESCENTES: ESTUDO SÉRIE DE CASOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNDROME DA RESPIRAÇÃO BUCAL EM ADOLESCENTES: ESTUDO SÉRIE DE CASOS."

Transcrição

1 INSTITUTO MATERNO-INFANTIL DE PERNAMBUCO (IMIP) PROGRAMA DE MESTRADO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL SÍNDROME DA RESPIRAÇÃO BUCAL EM ADOLESCENTES: ESTUDO SÉRIE DE CASOS. CONCIANA DUARTE MONTE RECIFE

2 SÍNDROME DA RESPIRAÇÃO BUCAL EM ADOLESCENTES: ESTUDO SÉRIE DE CASOS. DISSERTAÇÃO APRESENTADA BANCA EXAMINADORA DO CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL DO INSTITUTO MATERNO- INFANTIL DE PERNAMBUCO COMO PARTE DOS REQUISITOS PARA A OBTENÇÃO DE GRAU DE MESTRE EM SAÚDE MATERNO INFANTIL. ORIENTADOR: Prof. Dr. JOSÉ EULÁLIO CABRAL FILHO CO-ORIENTADOR: Prof. Dr. CARLOS MURILO AMORIM DE BRITTO RECIFE 2004

3 DEDICATÓRIA Esta dissertação é dedicada a: A essência da minha família, meus pais Fausto Duarte Cabral e Mireile de O Guedes Cabral, minhas irmãs Ceres Almeida e Cecile Cabral, meu marido Bruno Monte, meu cunhado Brivaldo Almeida e meu filho Bruno. Cada um deles com sua contribuição valiosa: Meus pais, meus ídolos e grandes amigos, procurando incentivar a busca do conhecimento através do aperfeiçoamento da profissão. Minha irmã, Ceres minha grande amiga, por fazer despertar a importância do mestrado na minha carreira acadêmica. E pela contribuição através dos seus conhecimentos como mestra e apoio incondicional em tudo da minha vida. Minha irmã, Cecile, pelos conhecimentos na área de fisioterapia e por estar presente em minha vida. Meu marido, Bruno, por ter contribuído para mais esta etapa de minha vida e entender a minha ausência em alguns momentos.

4 Meu cunhado, Brivaldo, pelo seu temperamento prestativo e amigo. Meu querido, Bruno Filho, que esteve presente no período mais importante da minha vida, proporcionando alegrias na conclusão desta pesquisa.

5 AGRADECIMENTOS

6 AGRADECIMENTOS A Deus, por ser um espírito de luz na minha vida. Ao IMIP pela viabilidade da realização deste sonho profissional ser alcançado. Ao meu Orientador, Prof. José Eulálio Cabral Filho, por acreditar nesse estudo e com seus sábios conhecimentos ter contribuído para sua finalização. Ao meu co-orientador, Prof. Murilo Amorim Britto, por contribuir com grandes sugestões na metodologia. Aos pacientes e responsáveis, pois a sua participação foi imprescindível. A Dra. Tânia Moísa Marinho, por ter contribuído de forma substancial, encaminhado os indivíduos com SRB para o ambulatório de fonoaudiologia. A minha amiga Lúcia Salerno pela alegria e atuação especialmente recebidas, o que me fez sentir uma profunda admiração revertida em amizade verdadeira. A minha amiga e colega de trabalho Cleide Teixeira pelo incentivo e apoio na realização deste curso. As estagiárias Taciana, Mirella, Bábara e Márcia por suprir a minha ausência nas avaliações auditivas.

7 A funcionária do Ambulatório Especializado Marlene Rosendo pela colaboração na marcação dos adolescentes. A secretária do mestrado Odimeres Oliveira da Silva, pela paciência e compreensão nos momentos difíceis. Ao Prof. Manoel Costa, por permitir a realização deste estudo no laboratório de ed.física da UPE. A Profa. Terezinha Lima, por contribuir com seus conhecimentos. Aos secretários do Laboratório de Educação Física da UPE, Nídia e Eduardo, pela paciência com os adolescentes ao realizarem os exames. A Dra. Dione do Valle, pelas discussões durante a elaboração dos primórdios objetivos deste estudo. A Dra. Niedje Fiqueira de Lima, pelo esforço para servir, nos momentos difíceis, comprovando o grande valor do seu caráter. Aos estatísticos Prof. Natal Figuerôa e Prof Edimilson Mazza pelas análises estatísticas. Aos colegas de turma e ao corpo docente do Mestrado em Saúde Materno Infantil do IMIP, pelo companheirismo e conhecimentos transmitidos.

8 SUMÁRIO Página LISTA DE TABELAS LISTA DAS ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS RESUMO ABSTRACT I. INTRODUÇÃO 02 II. OBJETIVOS Geral Específicos 14 III. MÉTODOS Local do estudo Desenho do estudo População do estudo Período do estudo Critérios e procedimentos para a seleção de sujeitos Variáveis estudadas Definição dos termos e variáveis Técnicas, testes, exames e procedimentos Processamento e análise de dados Revisão bibliográfica Aspectos éticos 27 IV. RESULTADOS 29 V. DISCUSSÃO 37 VI. RECOMENDAÇÕES 45 VII. CONCLUSÕES 47 VIII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 49 ANEXOS 60

9

10 viii LISTA DE TABELAS Página Tabela 1. Distribuição de adolescentes com SRB de acordo com 29 avaliações espirométricas, telerradiográficas e postural. Tabela 2. Distribuição de adolescentes com SRB segundo discrepância 30 do padrão facial avaliado pela altura facial ântero-inferior. Tabela 3. Distribuição dos adolescentes com SRB conforme alterações 31 posturais. Tabela 4. Valores percentuais médios em relação ao padrão das medidas 32 espirométricas e telerradiográficas dos adolescentes com SRB. Tabela 5. Valores percentuais médios com relação ao padrão da 32 Capacidade Vital Forçada e Volume Expiratório Forçado conforme altura facial ântero-inferior (leve/moderada e acentuada). Tabela 6. Valores percentuais médios em relação ao padrão da 33 Capacidade Vital Forçada e Volume Expiratório Forçado dos adolescentes com SRB conforme alterações posturais.

11 ix Tabela 7. Valores percentuais médios em relação ao padrão da 34 Capacidade Vital Forçada e do Volume Expiratório Forçado dos adolescentes com SRB conforme a presença de uma ou mais alterações posturais. Tabela 8. Coeficiente de correlação de Pearson entre comprimento 35 efetivo da maxila (Co-A), comprimento efetivo da mandíbula (Co-Gn) e altura facial ântero-inferior (AFAI) com Capacidade Vital Forçada e Volume Expiratório Forçado.

12 ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS x

13 xi ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS SRB CVF VEF AFAI Co-A Síndrome da Respiração Bucal Capacidade Vital Forçada Volume Expiratório Forçado Altura da face ântero-inferior Distância entre os pontos Côndilo (Co) e o ponto mais profundo da concavidade da maxila (A) Co-Gn Distância entre o côndilo (Co) e o gnátio (Gn)

14 xii RESUMO

15 xiii RESUMO OBJETIVOS: Investigar as alterações faciais, posturais e a Capacidade Vital Forçada e Volume Expiratório Forçado em adolescentes com Síndrome da Respiração Bucal (SRB). SUJEITOS E MÉTODOS: foi realizado um estudo descritivo do tipo série de casos com 31 adolescentes apresentando Síndrome da Respiração Bucal (SRB) na faixa etária de 13 a 18 anos. Realizaram avaliação telerradiográficas e espirométrica para a obtenção dos valores das seguintes variáveis Altura da face ântero-inferior (AFAI), Comprimento efetivo da maxila (Co-A) e Comprimento efetivo da mandíbula (Co-Gn), Capacidade Vital Forçada (CVF), Volume Expiratório Forçado (VEF), bem como a avaliação postural por computador. RESULTADOS: Dos 31 adolescentes iniciais, 24 realizaram a avaliação telerradiográfica, 26 a avaliação espirométrica e 20 a avaliação postural. Na telerradiografia 16 apresentaram alteração da AFAI de grau acentuado, sete de grau leve/moderado e um foi normal. Todos os pacientes tinham alteração postural (hipercifose, hiperlordose, escoliose e protusão abdominal). A maior incidência foi de protusão abdominal. Não foi observada diferença nos dados espirométricos (CVF e VEF) entre os padrões de AFAI nem em relação à postura.

16 xiv CONCLUSÕES: 1. Adolescentes com SRB apresentam alterações posturais, tipo protusão abdominal, escoliose, hipercifose e hiperlordose, em geral múltiplas; 2. A função respiratória não está comprometida no respirador bucal em esforço leve; 3. Não há relação entre alteração do padrão facial com a capacidade vital forçada ou com o volume expiratório forçado; 4. Não há relação entre alterações posturais com a capacidade vital forçada ou com o volume expiratório forçado. PALAVRAS-CHAVES: respiração bucal, postura, adolescentes, espirometria, face.

17 xv ABSTRACT

18 xvi ABSTRACT OBJECTIVE: The investigate alterations in the face, posture, forced vital capacity and forced expiratory volume of adolescents. SUBJECTS AND METHODS: This is a case series study including 31 adolescents suffering Breathing Mouth Syndrome (BMS) aged 13 to 18 years. Telerradiography, spirometric, lower anterior facial height and posture evaluation by computer were performed. RESULTS: Although 31 patients have been included at begin of the study, only 24 were submitted to teleradiographic examination, 26 to spirometric evaluation and 20 to posture evaluation. Twenty-three patients presented lower anterior facial height alterations (16 intense, 7 light/moderate degree). Twenty patients presented posture alterations (abdomen protusion, scoliosis, hipercyphosis and hiperlordosis), abdomen protusion being the more frequent. There was no difference in spirometric values between upper anterior facial height degrees (light and light/moderate). There was no difference in spirometric values of forced vital capacity or forced breathing volume among postures as well. CONCLUSIONS: 1. Adolescents suffering mouth-breathing syndrome have posture alteration such as abdomen protusion, scoliosis, hipercyphosis and

19 xvii hiperlordosis. As a rule they are multiple. 2. In mouth breathing individuals, respiratory function is not disturbed. 3. There is no a relationship between face alterations and forced vital capacity or forced breathing volume. 4. There is no relationship among posture alterations and forced vital capacity or forced breathing volume. Key words: mouth breathing; posture; adolescents; spirometry; face.

20 1 INTRODUÇÃO

21 2 I. INTRODUÇÃO Considera-se atualmente, que a normalidade da função nasorespiratória é um importante estímulo, entre outros, do crescimento e desenvolvimento facial normal. Caso esta função seja prejudicada, poderão acontecer desequilíbrios entre vários componentes morfo-funcionais e neuro-musculares provocando conseqüentemente alterações faciais e posturais. Uma das situações nas quais a função respiratória é prejudicada é Síndrome da Respiração Bucal. Pode-se afirmar que, dentre as patologias respiratórias, a Síndrome da Respiração Bucal (SRB) figura como de grande importância não só pelas perturbações funcionais do sistema respiratório que causam ao indivíduo, como pelas conseqüências deletérias para outros sistemas orgânicos (estruturas ósseas da face e do tronco) (Freitas et al., 2001). Trata-se de uma condição patológica crônica na qual o indivíduo respira predominantemente pela boca e que provoca alterações morfofuncionais no organismo (Petrelli, 1992; Carvalho, 1996). Ainda que importante devido à natureza dos sintomas que provocam no indivíduo não existem ao nosso conhecimento, informações sobre prevalência desta síndrome em populações de adolescentes conforme revisão em várias bases de dados.

22 3 Normalmente, esta síndrome ocorre devido a processos obstrutivos na região das vias aéreas superiores que pode instalar-se por vários motivos como, edema da mucosa nasal, pólipos nasais, hipertrofia de cornetos, rinite alérgica, hipertrofia de adenóide, aumento das amígdalas palatinas e desvio de septo (Marchesan, 1998; Prates, 1997 e Freitas et al., 2001). No entanto, considera-se que a hipertrofia de adenóide é a principal causa da respiração bucal (Freitas et al., 2001; Prates et al., 1997). Evidências de muitos estudos, indicam que pessoas com este modo respiratório inadequado apresentam características estruturais e funcionais específicas, tais como: lábios entreabertos, protusão da arcada dentária superior, mordida cruzada, mordida aberta anterior, respiração oral crônica, deglutição atípica, infecções repetitivas das vias aéreas superiores, olhos inclinados para baixo e olheiras (dando-lhes um aspecto facial de tristeza) (Carvalho, 1996; Ricketts, 1968; Prates et al., 1997; Petrelli, 1992 e Faria et al., 2002). Além destas, podemos citar alterações de comportamento como irritação, desatenção, ansiedade, impaciência, medo de realizar tarefas, depressão, sono agitado e claustrofóbico (Queluz, 2000). Vários autores concordam que a respiração bucal isolada é muito rara sendo mais freqüentemente encontrada a respiração mista: bucal e nasal (Carvalho, 1996 e Segóvia, 1979).

23 4 Para que se possa entender como estas alterações da respiração podem comprometer outros órgãos e estruturas, é importante rever sucintamente a anatomia e a fisiologia do sistema respiratório. Este sistema é um conjunto de órgãos tubulares e alveolares situado na cabeça, pescoço e cavidade torácica. Durante a inspiração o ar entra por sucção, circula pela cavidade nasal, seios paranasais, faringe, laringe, traquéia e brônquios antes de chegar aos pulmões. Um adulto inspira em média 7 litros de ar por minuto e, quando em exercícios físicos intensos, pode inspirar até 100 litros por minuto. O recém-nascido faz 40 inspirações por minuto, a criança de um ano, 24 e o adulto apenas 14. Enquanto a inspiração é um processo ativo, sendo o efeito da ação muscular voluntária e reflexa, a expiração é um processo passivo. A respiração predominantemente nasal além do seu papel fisiológico em relação às trocas gasosas, permite a olfação, condiciona o direcionamento e filtra o ar, auxilia a fala e tem extrema importância no adequado crescimento e desenvolvimento crânio-facial (Queluz, 2000). Em contrapartida, a respiração predominantemente bucal perturba o desenvolvimento normal, não somente da face como também do tronco (Prates et al., 1997). Para o bom funcionamento da respiração nasal é necessário que a boca se feche em algum ponto, anteriormente pelo selamento dos lábios, na

24 5 porção média com o dorso da língua em contato com o palato duro e, posteriormente, pela base da língua com o palato mole. Quando não há o selamento de pelo menos um destes pontos, ocorre flacidez dos músculos da face, o que pode levar a boca a se abrir durante o ato inspiratório, originando assim a respiração bucal (Marchesan, 1998). O hábito deste tipo de respiração, impede que a língua pressione o palato, ocasionando compressão externa da maxila pelo desenvolvimento dos sistemas ósseo e muscular da face. Nesta situação o palato duro apresenta-se ogival e a arcada dentária superior tende a deslocar-se para frente e para dentro, provocando mordida cruzada e outras alterações oclusivas, o que leva à modificação da altura da face ântero-inferior (AFAI) (Cintra et al., 2000). Esta medida corresponde a região que vai do ponto referente a concavidade máxima da maxila até o ponto anterior do mento (McNamara Jr, 1984). Weider et al. (2003), Faria et al. (2002), Bresolin et al. (1983) e Yang et al. (2002) mostraram que a persistência da respiração bucal interfere no padrão de oclusão dentária, por causa do posicionamento errôneo da língua e da mandíbula. Alterações estruturais foram também encontradas por Faria et al. (2002) que em estudo realizado com crianças na faixa etária de sete a 10 anos apresentando respiração bucal verificaram retrusão maxilo-mandibular em relação à base do crânio.

25 6 Em conseqüência da falta de aeração nasal, as pressões e distensões das estruturas que asseguram a correção dos seios maxilares deixam de ocorrer, isto é, o vedamento labial é executado de forma inadequada. Com isso são utilizadas intensamente as partes laterais do músculo orbicular dos lábios, dando a estes uma curvatura para baixo que compromete os grupos musculares do mento, e acarreta constantemente dores no pescoço ou na nuca, bem como alterações osteomusculares da região (Aragão, 1988). Quando há obstrução das vias aéreas superiores por longo período, agravase a mecânica ventilatória e ocorre um desequilíbrio das forças de distensão e contração dos músculos da porção inferior da face (principalmente o orbicular e o bucinador), provocando disfunções temporomandibulares. Para que o padrão respiratório aconteça de modo funcionalmente apropriado, é imprescindível que durante a infância sejam eliminados hábitos errôneos, adquiridos, os quais estão diretamente relacionados com sucção de chupeta, de mamadeira, do dedo polegar e da falta de aleitamento materno e, contribuem para deformações do palato, com o conseqüente desencadeamento da respiração bucal (Prates et al., 1997). Devido à forma anatômica do bico da mamadeira, a criança apresenta dificuldade para respirar pelo nariz, o que difere do ato da amamentação, pois nesta a sucção do leite ocorre quando o mamilo encontra-se entre os rebordos gengivais. De fato, ao realizar a sucção no peito, a mandíbula é posicionada para

26 7 frente, função esta auxiliada pelos músculos pterigóideos externos, exercendo estimulação dos côndilos mandibulares e levando à estimulação da musculatura da face. Isto proporciona o desenvolvimento adequado das estruturas do sistema estomatognático e favorece a respiração nasal (Aragão, 1988). Devido às alterações citadas, a musculatura e as estruturas esqueléticas faciais apresentam também modificações. É preciso salientar que, mesmo após tratamento cirúrgico que desobstrua as vias aéreas superiores, faz-se necessário um tratamento fisioterápico para reeducação muscular e postural, um tratamento ortodôntico e ortopédico bem como, paralelamente, terapia fonoaudiológica a fim de estabelecer padrões ideais do sistema estomatognático, recuperando suas funções e evitando recidiva. Além das assimetrias faciais citadas, a respiração inadequada acarreta prejuízos posturais bastante perceptíveis (Marchesan, 1998). É bem conhecido que na ontogênese a formação inicial da coluna vertebral é uma cifose a qual dura todo o período embrionário. Por outro lado a sustentação do corpo surge desde antes do nascimento e continua até os 2 anos de idade, ocorrendo neste período todo um desenvolvimento postural sendo no recém nascido uma lordose cervical, é uma extensão do pescoço aos 3 ou 4 meses e uma lordose lombar entre 12 e 18 meses (Lima, 2001). Durante o desenvolvimento dos indivíduos com respiração normal os

27 8 movimentos da flexão e extensão do tronco garantem a harmonia e o equilíbrio das cadeias musculares antero-posterior e ântero-medial do corpo. Nos casos em que surgem modificações do padrão postural normal, como nos respiradores bucais, a sinergia entre a primeira cadeia e a segunda se desfaz, por causa da inversão do ponto de inserção de alguns músculos, provocando assim uma lordose cervical. Esta desarmonia propicia uma má postura, pois a respiração bucal determina também uma anteriorização da cabeça proveniente das modificações no movimento de flexão que impedem a criação do espaço necessário para articulação entre as duas primeiras vértebras cervicais (Marins, 2001). Conhecendo melhor o desenvolvimento corporal é possível entender as seqüelas possíveis de ocorrer devido à obstrução nasal. Crianças com respiração bucal permanecem com a postura semelhante a menores de 8 anos enquanto que aquelas com respiração nasal, melhoram sua postura corporal após esta idade (Krakauer & Guilherme, 2000). Aragão (1988) e Gomes (1999), mostraram que, os respiradores bucais, a fim de facilitar a chegada do ar aos pulmões, sofrem distorções na postura tais como, flexão do pescoço para frente perdendo a sinuosidade natural. É interessante notar que esta alteração está conjugada a elevação das omoplatas e a depressão da região anterior do tórax, o que produz um perfil muito típico desta síndrome.

28 9 As alterações posturais têm sido fartamente descritas pela literatura, sendo relacionadas a diversas causas, entre elas a SRB. Segundo Lima (2001), tais alterações se originam de hipotonias musculares, distúrbios emocionais e hábitos nocivos adquiridos pela prática de posições corporais (estáticas e dinâmicas) inadequadas. Vários estudos verificaram que crianças ou adultos com respiração bucal apresentam, dentre as alterações posturais mais freqüentes, ombros anteriorizados, escápulas salientes, assimetria torácica, coluna cervical flexionada, hiperlordose, hipercifose e compressão do tórax (Köhler et al., 1995 e Felício, 1999). Devido a tais modificações, o movimento do diafragma se altera, os músculos abdominais tornam-se flácidos e os membros tanto inferiores como superiores assumem uma posição não anatômica comprometendo sua funcionalidade (Krakauer & Guilherme, 2000). Conforme indicam esses autores a harmonia morfo-funcional entre crânio, coluna cervical e sistema estomatognático garante a estabilidade da posição ereta do crânio (ortostática) através de um complexo mecanismo muscular do pescoço e da escápula. O equilíbrio da cabeça depende da sua porção posterior, dos músculos cervicais e suboccipitais, que relacionam o crânio com a coluna vertebral e a cintura escapular (Rahal & Krakauer, 2001). Os demais sistemas, isto é, o sensorial e o dentário também necessitam de uma relação sinérgica da anatomia do tronco em relação ao pescoço (Rolf, 1990). No

29 10 caso de distúrbios do padrão respiratório, esta sinergia é comprometida por causa das transformações das estruturas envolvidas a fim de o organismo se adaptar às exigências do padrão respiratório alterado. Assim, Weber et al. (1981), Bresolin et al. (1983), Kumar et al. (1995) e Wenzel et al. (1983) indicam que o modo respiratório (nasal e/ou oral), pode influenciar indiretamente a morfologia crânio-facial, através da mudança da posição da cabeça, sendo a extensão desta uma das características mais freqüentemente encontradas. A possibilidade desta Síndrome não ser detectada durante a infância, transformando os referidos sintomas em danos permanentes na adolescência, exige uma investigação melhor desta faixa etária. Segundo a OMS, a adolescência é definida cronologicamente pela idade dos 10 aos 20 anos. Nesta faixa etária observa-se que o pico de velocidade do crescimento segue a desaceleração gradual do ganho estatural até a parada de crescimento ao redor dos 15 a 16 anos para meninas e 17 a 18 para os meninos (Marcondes et al., 2002). No presente trabalho a população estudada foi composta por adolescentes. O motivo de escolha da faixa etária de 13 a 18 anos deu-se com o intuito de investigar as alterações posturais já instaladas decorrente da SRB. Se a respiração bucal não for diagnosticada e tratada precocemente os prejuízos posturais poderão transformar-se em deformidade esquelética

30 11 degenerativa provocando graves conseqüências na adolescência (Marins, 2001). Rahal & Krakauer (2001) constataram que a análise de postura corporal é fundamental para que a avaliação das conseqüências provocadas pela respiração bucal seja completa e com isso, se obtenha o diagnóstico preciso. As técnicas usualmente empregadas por fonoaudiólogos e outros profissionais que atuam com esta patologia, são observacionais através de exames clínicos, fotografias e filmagens posicionando o indivíduo em pé e avaliando-o nos planos frontal, sagital e dorsal. Entretanto análise da postura pode ser feita métodos computacionais (Costa et al., 1998). Diante desta apreciação verifica-se que em crianças, há abundante literatura da associação entre problemas estruturais, funcionais e emocionais com a respiração bucal (Bresolin et al., 1983; Faria et al., 2002; Weider et al., 2003). Para solução deste modo respiratório inadequado é necessária não só a remoção dos fatores que a produziram como também a sua reeducação e readaptação da musculatura envolvida visando uma melhor qualidade de vida (Araújo, 1988). O tratamento deverá ser iniciado na infância, pois é nesta fase que a prevenção evitará seqüelas, para os adolescentes com SRB, quando somente a cirurgia ortognática poderá recuperar as estruturas ósseas da face (Bresolin et al. 1983). Embora exista uma vasta literatura abordando separadamente os três grupos de alterações, isto é, alterações faciais, posturais e respiratórias

31 12 produzidas pela respiração bucal, são poucos estudos que investigaram as relações funcionais entre estes fatores, exceto alguns em crianças. Após extensa revisão da literatura nos bancos de dados (VIDE Métodos - item 3.10) entretanto não encontramos trabalhos buscando determinar estas possíveis associações em adolescentes. Em virtude da carência de dados, a relação da função respiratória com essas alterações nos adolescentes com a SRB, precisam ser melhor investigadas. De fato, é possível que nesta população as modificações faciais e posturais associam-se em variações respiratórias. Esta foi à razão que nos levou a investigar as modificações faciais, posturais e funcionais do aparelho respiratório em adolescentes com SRB.

32 13 OBJETIVOS

33 14 II. OBJETIVOS 2.1 GERAL Descrever as alterações faciais, posturais e a expirométricas em adolescentes com Síndrome da Respiração Bucal (SRB). 2.2 ESPECÍFICOS Em adolescentes com Síndrome da Respiração Bucal verificar a associação entre valores espirométricos com: Altura facial ântero-inferior (AFAI) Comprimento efetivo da mandíbula (Co-Gn) Comprimento efetivo da maxila (Co-A) Alterações posturais

34 15 MÉTODOS

35 16 III. MÉTODOS 3.1. LOCAL DO ESTUDO O estudo foi realizado no ambulatório de Adolescente do Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP), localizado na cidade do Recife - Pernambuco. O IMIP é uma instituição de referência Nacional do Ministério da Saúde, no que diz respeito à assistência materno-infantil, e reconhecida pelo Ministério de Educação como Hospital de Ensino. Dispõe de diversas especialidades, entre elas otorrinolaringologia e fonoaudiologia (audiologia, motricidade oral, linguagem e voz). No ambulatório de otorrinolaringologia são realizadas mensalmente cerca de 170 consultas. Quanto às cirurgias de hipertrofia de adenóide, hipertrofia de tonsilas palatinas e desvio de septo, no período de 2001 a 2004 foram realizadas 505 adenoidectomias, 215 amigdalectomias e 119 e septoplastias DESENHO DO ESTUDO Estudo descritivo do tipo série de casos, indicado para esta pesquisa pela disponibilidade apenas de um grupo pequeno de indivíduos portadores de SRB que freqüentaram o ambulatório de pediatria da Instituição.

36 POPULAÇÃO DO ESTUDO Participaram desse estudo 31 adolescentes de ambos os sexos, na faixa etária de 13 a 18 anos apresentando características da SRB. Deste total 24 avaliação telerradiográfica, 26 realizaram avaliação espirométrica e 20 avaliação postural PERÍODO DO ESTUDO O estudo desenvolveu-se durante os meses de janeiro a julho de 3.5. CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DOS SUJEITOS Critérios de Inclusão Síndrome da Respiração Bucal. Faixa etária de 13 a 18 anos. Sexos masculino e feminino Critérios de Exclusão Doenças genéticas, endócrinas e cardiovasculares que interfiram no crescimento e desenvolvimento. Fissuras labiais, palatinas, lábio-palatinas.

37 18 Doenças neurológicas que afetem o crescimento e desenvolvimento. Asma. Doenças ortopédicas congênitas ou traumáticas Procedimentos para a seleção dos sujeitos: Identificação por médico pediatra do indivíduo com SRB, a partir do diagnóstico de distúrbios de vias aéreas superiores e seu encaminhamento ao ambulatório de Fonoaudiologia. Realização da anamnese e avaliação fonoaudiológica (pela pesquisadora) a fim de complementar o diagnóstico da SRB. Esclarecimento aos responsáveis quanto ao objetivo e procedimentos do estudo e solicitação da participação do menor mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (ANEXO III). Após concordância os pacientes eram encaminhados para realização dos exames específicos desta pesquisa VARIÁVEIS ESTUDADAS Medidas telerradiográficas (mm): Altura facial ântero-inferior (AFAI), Comprimento efetivo da maxila (Co-A) e Comprimento efetivo da mandíbula (Co-Gn).

38 19 Medidas Espirométricas (cm 3 ): Capacidade Vital Forçada (CVF) e Volume Expiratório Forçado (VEF). Alterações Posturais: Hiperlordose, Hipercifose, escoliose e protusão abdominal DEFINIÇÃO DE TERMOS E VARIÁVEIS 1) Síndrome da Respiração Bucal: presença de qualquer obstáculo no sistema respiratório, especialmente na região nasal e/ou faríngea, que ocasiona obstrução nasal, obrigando o indivíduo a utilizar a cavidade bucal como um conduto passivo na respiração caracterizando-se por: face alongada, base do nariz alargada, olheiras (aspecto cansado), estreitamento da arcada superior, do palato e das narinas, alteração de tônus na musculatura dos lábios, aumento das infecções próprias do aparelho respiratório, músculos abdominais flácidos (Marchesan, 1997). 2) Doenças genéticas: são doenças que ocorrem como conseqüência de anomalias hereditárias da estrutura genética e que interfiram no crescimento e desenvolvimento ósseo do indivíduo, tais como, nanismo e Síndrome de Pierre Rubin.

39 20 3) Fissuras labiais, palatinas, lábio-palatina: são fendas decorrentes de malformações congênitas que ocorrem no período embriológico e provocam diversas seqüelas, podendo ocorrer isoladamente (labiais ou palatinas) ou associadas (lábio-palatina) (Lofiego, 1992 e Cardim, 1992). 4) Doenças neurológicas: as que atingem o sistema nervoso central alterando o mecanismo motor ou postural. 5) Asma: condição que se caracteriza por acessos recorrentes de dispnéia, tosse e sensação de constrição por efeito da contração espasmódica dos brônquios. 6) Doenças Ortopédicas Congênitas: doenças caracterizadas por defeitos ósseos ou das articulações adquiridas intra-útero, tais como, pé torto eqüinovaro congênito; pé plano/pé chato; escoliose congênita; joelho varo (genu varum); joelho valgo (genu valgum); torcicolo muscular congênito; luxação congênita do quadril; coxa valga; coxa vara; pé escavado ou pé cavo.

40 21 7) Altura Facial Ântero-inferior - AFAI: (relação maxilo-mandibular) sendo classificada como leve (até 2 mm), moderada (2 5 mm) e acentuada (>5 mm). 8) Comprimento efetivo da maxila - Co-A: distância entre os pontos côndilo (Co) e o ponto mais profundo da concavidade da maxila (A). 9) Comprimento efetivo da mandíbula - Co-Gn: distância entre o côndilo (Co) e o gnátio (Gn). 10) Alterações Posturais: Hiperlordose: aumento do ângulo de inclinação pélvica entre a superfície superior do sacro e a horizontal, ultrapassando 55 0 (Lima, 2001). Hipercifose: aumento anormal da concavidade posterior da região torácica da coluna vertebral. A deformidade pode tomar a forma de uma curva longa com o eixo em T7-T9, de uma cifose com o ápice em T11-T12 ou uma angulação posterior aguda localizada (Lima, 2001).

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO!

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! Dr. Euclides José Martins Amaral PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! : A importância da detecção precoce das deformidades da coluna na infância e adolescência, deve-se principalmente

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Definição A escoliose é uma disfunção da coluna vertebral que provoca uma angulação lateral desta. A coluna é torcida, de modo que cada vértebra gira em torno de seu próprio eixo, causando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenação da Rede de Atenção Primária em Saúde (CGRAPS) Área Técnica de Saúde Bucal HIGIENE BUCAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA A finalidade

Leia mais

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima

ESCOLIOSE. Prof. Ms. Marcelo Lima ESCOLIOSE Prof. Ms. Marcelo Lima DEFINIÇÃO A escoliose é um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita, resultando em um formato de "S" ou "C". É um desvio da coluna no plano frontal acompanhado

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESPIRAÇÃO ORAL, APRENDIZAGEM ESCOLAR E DESENVOLVIMENTO INFANTIL KAZAKEVICH, Juliana Godói (UEM) KAJIHARA, Olinda Teruko (Orientadora/UEM) Agência Financiadora CAPES INTRODUÇÃO A respiração nasal, condição

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Palavras-chave: Respiração oral. Problemas de Aprendizagem. Educação.

Palavras-chave: Respiração oral. Problemas de Aprendizagem. Educação. 1 O PROBLEMA DA OBSTRUÇÃO NASAL NA INFÂNCIA Profa Dra Olinda Teruko Kajihara (DTP- UEM) Juliana Godoi Kazakevich (PIC- UEM) Juliana Amazilia Neves (PIC-UEM) RESUMO Doenças que ocorrem na infância, como,

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal Mesa Redonda Moderador: Paulo L. Pontes Participantes: Ana Tereza Britto, Gabriela D. de Carvalho, Marcos Mocellin e Ricardo Godinho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development

Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Aleitamento Materno no Desenvolvimento e Formação Saudável da Cavidade Bucal do Bebê Breastfeeding and Baby s Oral Cavity healthy development Marila Rezende Azevedo Helio Gomes da Silva RESUMO É fundamental

Leia mais

PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL

PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL 1 PROBLEMAS DE VOZ EM ALUNOS RESPIRADORES ORAIS: REVISÃO INICIAL DA LITERATURA NACIONAL NISHIMURA, Cintia Megumi KAJIHARA, Olinda Teruko INTRODUÇÃO A respiração é uma função vital que interfere no funcionamento

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Metodologia. Pesquisa & Ciência. Professora Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Metodologia. Pesquisa & Ciência. Professora Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Metodologia Pesquisa & Ciência Professora Patrícia Cé Classificação Estudos Científicos Revisão Sistemática e Metanálise Revisão Sistemática

Leia mais

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos Crianças com deformidades na face Avaliação da via aérea difícil Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos anomalias anatômicas cavidade oral espaço mandibular anterior maxila articulação

Leia mais

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ Camila de

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Data: 01/02/2013. NTRR10/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0693.12.

Data: 01/02/2013. NTRR10/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0693.12. NTRR10/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0693.12.007900-1/001 Data: 01/02/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: ESCOLIOSE IDIOPÁTICA

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

Informações de Tratamento

Informações de Tratamento Informações de Tratamento 1. Introdução O tratamento orto-cirúrgico da deformidade dento-facial apresenta tanta complexidade que freqüentemente o paciente se sente perdido no meio de tantas informações.

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Fonodialogando. Sucção Digital UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA. Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança

Fonodialogando. Sucção Digital UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA. Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança Fonodialogando Sucção Digital Um hábito que poderá trazer consequências no desenvolvimento da criança UM OLHAR DA FONOAUDIOLOGIA O que é Sucção? Asucção é um reflexo próprio da espécie adquirido na o n

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE?

A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS DE HOJE? CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica Motricidade Oral A INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE AS ORTODONTIA E ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES E A FONOAUDIOLOGIA: EXISTE ESTA RELAÇÃO NOS DIAS

Leia mais

Como o diagnóstico pode ser feito através do exame de ultrassonografia morfológica, é de extrema importância o encaminhamento da gestante para os

Como o diagnóstico pode ser feito através do exame de ultrassonografia morfológica, é de extrema importância o encaminhamento da gestante para os Prevalência dos Tipos de Fissuras em Pacientes atendidos no Centro de Fissurados Labiopalatal (CEFIL) do Hospital Municipal Nossa Senhora do Loreto no Rio de Janeiro. Cruz, Ana Cláudia( Ortodontista- Coordenadora

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL

RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO ENTRE ALEITAMENTO MATERNO, MODO RESPIRATÓRIO E POSTURA CORPORAL Patrícia Tiemi Kikuti Orita

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 1 AVALIAÇÃO DE PROBLEMAS POSTURAIS EM RESPIRADORAS ORAIS: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 5ª SÉRIE Josiane Fujisawa Filus Universidade Adventista de São Paulo (UNASP) Olinda Teruko Kajihara Programa de Pós-graduação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL PARA A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS JULIANA GODOI KAZAKEVICH 1 JULIANA AMAZILIA NEVES 2 OLINDA TERUKO KAJIHARA 3 Introdução A Constituição

Leia mais

Palavras-chave: Respiração bucal, maloclusão, postura, coluna vertebral. Key-words: Mouth breathing, malocclusion, posture, Artigo Original ABSTRACT

Palavras-chave: Respiração bucal, maloclusão, postura, coluna vertebral. Key-words: Mouth breathing, malocclusion, posture, Artigo Original ABSTRACT Artigo Original Relação da oclusão dentária com a postura de cabeça e coluna cervical em crianças respiradoras orais Relationship between dental occlusion, the head and cervical spine-position in mouth

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

TRANSTORNOS ESPECÍFICOS DO DESENVOLVIMENTO DA FALA E DA LINGUAGEM F80.0 DISLALIA (ARTICULAÇÃO; COMUNICAÇÃO FONOLÓGICA; FUNCIONAL ARTICULAÇÃO)

TRANSTORNOS ESPECÍFICOS DO DESENVOLVIMENTO DA FALA E DA LINGUAGEM F80.0 DISLALIA (ARTICULAÇÃO; COMUNICAÇÃO FONOLÓGICA; FUNCIONAL ARTICULAÇÃO) 27/12/2007 ANEXO 49 TABELA da CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE FONOAUDIOLÓGICA CID 10 /OMS /1997 6ª VERSÃO 2008 CÓDIGO F80 DESCRIÇÃO TRANSTORNOS ESPECÍFICOS

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO

A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO A IMPORTÂNCIA DA ODONTOLOGIA NO ALEITAMENTO MATERNO FLÁVIA PEDREIRA CIRURGIÃ DENTISTA DO HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA 20 DE FEVEREIRO DE 2014 Se pretendermos que as crianças tenham uma qualidade

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise.

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Em função de ocorrer dúvidas em relação ao encaminhamento do benefício do passe-livre intermunicipal,

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Educação em Saúde como Princípio Básico para Prevenção de Alterações da Coluna Vertebral em Escolares

Educação em Saúde como Princípio Básico para Prevenção de Alterações da Coluna Vertebral em Escolares Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Educação em Saúde como Princípio Básico para Prevenção de Alterações da Coluna Vertebral em Escolares

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OBSTRUÇÃO RESPIRATÓRIA NASAL NO CRESCIMENTO VERTICAL MAXILAR

INFLUÊNCIA DA OBSTRUÇÃO RESPIRATÓRIA NASAL NO CRESCIMENTO VERTICAL MAXILAR 13 INFLUÊNCIA DA OBSTRUÇÃO RESPIRATÓRIA NASAL NO CRESCIMENTO VERTICAL MAXILAR http://sotau.sind.googlepages.com/revista The influence of nasal breath obstruction in maxillary vertical growth Silvia Mara

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Aleitamento materno Alimentação dos lactentes portadores de fissuras labiopalatais (FLP) M.Sc. Profª Viviane Marques

Aleitamento materno Alimentação dos lactentes portadores de fissuras labiopalatais (FLP) M.Sc. Profª Viviane Marques Aleitamento materno Alimentação dos lactentes portadores de fissuras labiopalatais (FLP) M.Sc. Profª Viviane Marques O fonoaudiólogo deve ter o primeiro contato com o portador de FLP ainda na maternidade

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE

RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE 238 RESPIRAÇÃO ORAL: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELO PROFESSOR NA ATUALIDADE Juliana Amazilia Neves (PIC-UEM) julianaamazilia@hotmail.com Juliana Godoi Kazakevich (PIC-UEM) Profa Dra Olinda Teruko Kajihara

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004).

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004). FONOAUDIOLOGIA CONCEITO "A FONOAUDIOLOGIA É A CIÊNCIA QUE TEM COMO OBJETO DE ESTUDO A COMUNICAÇÃO HUMANA, NO QUE SE REFERE AO SEU DESENVOLVIMENTO, APERFEIÇOAMENTO, DISTÚRBIOS E DIFERENÇAS, EM RELAÇÃO

Leia mais

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais.

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais. R.P.G. E A MECÂNICA DA NOSSA COLUNA VERTEBRAL * Dr. Gilberto Agostinho A coluna vertebral, do ponto de vista mecânico é um verdadeiro milagre. São 33 vértebras (7 cervicais + 12 torácicas + 5 lombares

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

UNITERMOS: Radiografia cefalométrica lateral; Hipertrofia de adenóides; Altura facial anterior inferior.

UNITERMOS: Radiografia cefalométrica lateral; Hipertrofia de adenóides; Altura facial anterior inferior. PESQUISA TRABALHO DE Avaliação Radiográfica da Altura Facial Anterior Inferior (AFAI) em Pacientes com e sem Obstrução da Nasofaringe Radiographic Evaluation of Anterior Lower Facial Height (AFAI) in Patients

Leia mais

ÓRTESES PARA ESCOLIOSE E CIFOSE PROF : ALAN DE SOUZA ARAUJO

ÓRTESES PARA ESCOLIOSE E CIFOSE PROF : ALAN DE SOUZA ARAUJO ÓRTESES PARA ESCOLIOSE E CIFOSE PROF : ALAN DE SOUZA ARAUJO Um grupo especial de otls e destinado a crianças e adolescentes portadores de escoliose e cifoses. As órteses anteriores são para que os pacientes

Leia mais

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE

MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE MELHORA NO PADRÃO DE TONICIDADE MUSCULAR DE PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN ESTIMULADOS PRECOCEMENTE Karla Larissa Vas Estero 1, Lizzie Ramos Moretti 1, Luciana Manzotti de Marchi 2, Maria Paula Jacobucci

Leia mais

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância Marchesan IQ. Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância. In: Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, Tratado de Otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2003. V.3 cap. 54 p.520-33. Distúrbios

Leia mais

SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO

SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO 1 SINTOMATOLOGIA DO RESPIRADOR ORAL MOUTH BREATHING SYMPTOMS CHRISTHIANE BLANCO PAULO Especialização em Motricidade Oral pelo Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica (CEFAC) Fonoaudióloga Formada

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO

CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO CURVA DE VELOCIDADE DE CRESCIMENTO E ESTÁGIOS DE OSSIFICAÇÃO Estimativa do crescimento normal A previsão da direção, do período, e da quantidade de crescimento residual na face de uma criança é importante

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA Data: Nome do Paciente: Orientador(es): Nome do Aluno: QUALIFICAÇÃO Nacionalidade: Naturalidade: Etnia: Gênero: Data Nascimento: IDADE: Anos: Meses: Endereço: Bairro:

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: análise postural, software Alcimagem, desvios laterais.

RESUMO. Palavras chave: análise postural, software Alcimagem, desvios laterais. ANALISE COMPARATIVA DA POSTURA DOS ACADÊMICOS DOS CURSOS DE DIREITO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS, FISIOTERAPIA E EDUCAÇÃO FÍSICA DAS FACULDADES SUDAMÉRICA DE CATAGUASES-MG Fernanda Martins Cazeta Lacerda Graduada

Leia mais