PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA"

Transcrição

1 P R O V A S E L E T I V A PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA INSTRUÇÕES 1. A duração da prova, incluindo o tempo para a marcação dos cartões de respostas, é de 4h, tendo início às 8h30min e término às 12h30min. 2. Mantenha silêncio absoluto na sala durante a realização da prova. 3. Verifique se o caderno está sem defeito e contém 100 questões. 4. Verifique se o seu número de inscrição e o seu nome estão impressos corretamente nos cartões de respostas e coloque sua assinatura nos locais destinados para isso. 5. Leia com atenção, escolha apenas UMA das 5 opções que são apresentadas em cada questão e a assinale no cartão de respostas. Mais de uma opção assinalada anula a questão. 6. Utilize caneta esferográfica azul ou preta. 7. Entregue, no fim, o gabarito devidamente preenchido, SEM RASURAS, e a prova. Sugerimos que, para evitar problemas, utilize o gabarito para rascunho antes de passar as respostas para o gabarito definitivo. 8. O caderno de questões será disponibilizado no sítio eletrônico após o encerramento da prova.

2 01. João Antônio é um trabalhador na área de limpeza urbana. Tem 52 anos e é casado. No último mês, João conseguiu fazer um plano de saúde para ele, sua esposa e seus dois filhos. Resolveu, portanto, fazer uma revisão de saúde. Após a consulta, foi informado pelo médico que precisaria fazer alguns exames. Ao tentar autorizar seus exames, descobriu que o plano feito por ele não oferecia cobertura para exames complementares. Foi sugerido a ele que procurasse uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para realizar os exames. Considerando que você seja o médico dessa UBS, assinale a opção que contenha a conduta, a justificativa e o princípio do Sistema Único de Saúde (SUS) que sejam coerentes com a situação de João. (A) Você não pode pedir os exames ao João, mesmo que ele possua indicação, pois o mesmo tem plano de saúde e, portanto, conforme o principio da equidade, ele deve cobrar da operadora do plano a realização dos exames. (B) Você pode pedir os exames ao João, caso o mesmo possua indicação, respeitando o princípio da Universalidade, pois João marcou corretamente seu atendimento na UBS. (C) Você pode pedir os exames ao João e, como ele já foi avaliado por um colega, não precisa nem marcar atendimento, somente preencher as requisições pelo SUS. Dessa forma, você obedece ao princípio da Integralidade. (D) Você não pode pedir os exames ao João, pelo menos não na UBS, mas orienta que ele o procure no seu consultório particular, onde você preencherá as requisições dos exames pelo SUS e dará um desconto na consulta. Agindo dessa forma, você responde ao princípio da Integralidade. (E) Você pode pedir os exames para João após verificar se o mesmo tem indicação para fazê-los. Dessa forma, você estará obedecendo ao princípio do controle social, afinal João, mesmo tendo plano de saúde, é usuário do SUS.

3 02. Considerando os objetivos e atribuições do Sistema Único de Saúde (SUS), leia as afirmativas abaixo. I. Controlar e fiscalizar procedimentos e produtos de interesse para a saúde. II. Formular e executar a política de sangue e seus derivados. III. Realizar a vigilância nutricional e orientação alimentar. Pode (m) ser considerada (s) atribuição(ções) e/ou objetivo(s) do SUS: (A) Apenas I. (B) Apenas II. (C) Apenas III. (D) I e II. (E) I, II e III. 03. A Lei nº 8080/1990 trata dos seguintes assuntos listados nas alternativas abaixo, com EXCEÇÃO de qual alternativa? A) Da organização, da direção e da gestão do SUS. B) Do funcionamento e da participação complementar dos serviços privados de assistência à saúde. C) Da alocação dos recursos do Fundo Nacional de Saúde. D) Da política de recursos humanos. E) Da definição das competências e das atribuições das três esferas de governo. 2

4 04. A estratégia Saúde da Família iniciou o ano de 2010 com equipes prestando serviços de atenção primária em saúde em mais de municípios e cobertura de 96 milhões de habitantes (SIAB). Com esse resultado, tem havido uma redução significativa da mortalidade infantil, a ampliação do número de consultas de pré-natal, a diminuição da desnutrição e ampliação da adesão à vacinação. (CONASS, Coleção Progestores, 2011). Considerando as disposições sobre a Estratégia de Saúde da Família, assinale a alternativa que aponta o número mínimo de médicos de família necessários para a implantação total da estratégia em um município com habitantes e uma das características da Estratégia de Saúde da Família (ESF). (A) São necessários, pelo menos, 03 médicos. Uma das principais características da ESF é o trabalho com território definido. (B) São necessários, pelo menos, 24 médicos. A ESF valoriza o trabalho em equipe multidisciplinar. (C) São necessários 05 médicos. Nas equipes da ESF, pode estar presente o dentista. (D) São necessários 08 médicos. A principal característica da ESF é a perspectiva de mudança do modelo assistencial, integrando aspectos curativos e preventivos. (E) São necessários 12 médicos. A ESF pode ser minimamente composta pelo médico, enfermeiro, técnico em enfermagem e agentes comunitários de saúde. 05. A transferência de serviços, de responsabilidades, poderes e recursos da esfera federal para a estadual e a municipal após a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) constitui o seguinte princípio do mesmo: (A) Equidade na prestação dos serviços. (B) Hierarquização do Sistema. (C) Integralidade da assistência. (D) Universalidade da atenção. (E) Descentralização administrativa. 3

5 06. São espaços intergovernamentais que integram a estrutura decisória do SUS. Neles ocorrem o planejamento, a negociação e a implementação das políticas de saúde pública. Constituem uma estratégia de coordenação e negociação do processo de elaboração da política de saúde nas três esferas de governo, articulando-as entre si. As decisões dão-se por consenso (e não por votação), estimulando o debate e a negociação entre as partes. Esta definição pertence a qual instância de pactuação do Sistema Único de Saúde (SUS)? (A) Conselhos de Saúde. (B) Conferências de Saúde. (C) Comissões Intergestores. (D) Conselhos locais de Saúde. (E) Assembleias legislativas. 07. Elemento-chave na constituição dos sistemas nacionais de saúde, com capacidade de influir nos indicadores de saúde e com grande potencial regulador da utilização dos recursos de alta densidade tecnológica, garantindo o acesso universal aos serviços que tragam reais benefícios à saúde da população. (CONASS, Coleção Progestores, 2011). Essa definição pode ser claramente aplicada para a (A) Atenção Primária à Saúde. (B) Atenção Terciária à Saúde. (C) Atenção Secundária à Saúde. (D) Atenção Privada em Saúde. (E) Atenção Complementar em Saúde. 4

6 08. Sendo você um Secretário de Saúde e de posse do gráfico abaixo, assinale a opção que contenha uma interpretação/ação CORRETA dos dados apresentados. (CONASS, Coleção Progestores, 2011). (A) Você deve concentrar esforços para o combate às doenças infecciosas e parasitárias as quais contribuíram para uma diminuição de 5,1% da população feminina no Brasil. (B) Uma das metas que podem ser estabelecidas pela análise do gráfico é incrementar ações de prevenção secundária no que tange às neoplasias em mulheres. (C) As doenças do aparelho respiratório têm sido responsáveis três vezes menos pela causa de morte entre as mulheres. (D) As afecções do período perinatal estão aumentando 42% nos últimos anos. (E) Pode-se dizer, pela interpretação do gráfico, que ações em prevenção primária e secundária em doenças do aparelho circulatório não devem ser priorizadas entre as mulheres. 5

7 09. Considerando o Pacto pela Saúde, estabelecido como meta para a saúde brasileira e desafio para o Sistema Único de Saúde, são estratégias presentes no Pacto, com EXCEÇÃO de (A) Atenção à saúde do idoso. (B) Controle do câncer de colo de útero e de mama. (C) Priorização da atenção de média e alta complexidade. (D) Atenção integral às pessoas em situação ou risco de violência. (E) Saúde do Homem. 10. Observe as afirmativas abaixo referentes à recentemente discutida Emenda Constitucional nº 29 (EC nº29), neste ano de 2011, na perspectiva de sua regulamentação. I. A EC nº 29 acrescenta a possibilidade de intervenção da União nos estados, Distrito Federal e municípios, e do estado em seus municípios, no caso da não aplicação, em ações e serviços públicos de saúde, do mínimo previsto de suas receitas. II. Obriga a aplicação pelos municípios de, no mínimo, 15% dos recursos federais vinculados ao setor em ações e serviços básicos de saúde. III. No caso dos estados e do Distrito Federal, os recursos mínimos serão equivalentes a 20% da arrecadação de impostos e das transferências constitucionais. Está (ão) correta (as) (A) apenas I. (B) II e III. (C) I e III. (D) I e II. (E) I, II e III. 6

8 O caso clínico abaixo serve como subsídio para as respostas das questões 11 e 12. Um homem de 50 anos, sofrendo de dor torácica nos últimos meses, deseja saber sua opinião sobre uma possível intervenção cirúrgica no caso do diagnóstico da dor ser uma coronariopatia. Em um estudo que você encontrou, foram revisados os dados de 30 homens com coronariopatia. Desses, 20 foram submetidos à intervenção invasiva cirúrgica pela coronariopatia e 10 fizeram somente o tratamento clínico. O estudo comparou o grau de limitação funcional em decorrência de angina pós-intervenção. Os 20 pacientes que fizeram a cirurgia e 10 que fizeram o tratamento conservador foram acompanhados no período, sendo os graus de limitação funcional menores nos pacientes submetidos à intervenção cirúrgica. Escolha a alternativa que possa representar limitação à validade do estudo, com seu significado correspondente. 11. Pelo fato do n do estudo ser pequeno, o mesmo pode dar um resultado distorcido do efeito real do procedimento cirúrgico. (A) Viés de seleção. (B) Viés de aferição. (C) Confundimento. (D) Acaso. (E) Validade Externa. 12. Os pacientes sem co-morbidades apresentavam melhores condições para recuperação pós-intervenção cirúrgica e de serem encaminhados para o procedimento. (A) Viés de seleção. (B) Viés de aferição. (C) Confundimento. (D) Acaso. (E) Validade Externa. 7

9 13. Em um estudo para avaliar fatores de risco para neoplasia de mama, foram incluídas 680 mulheres, sendo 340 portadoras dessa neoplasia e 340 sadias. Entre as doentes, 240 tinham história familiar direta positiva para neoplasia de mama, enquanto entre as sadias, somente 20. Identifique o delineamento desse estudo e calcule sua medida de risco. (A) Casos e controles. 26,04. (B) Transversal. 38,4. (C) Coorte. 26,04. (D) Casos e controles. 38,4. (E) Coorte. 38,4. A tabela abaixo serve como subsídio para as respostas das questões 14 e 15. A tabela abaixo mostra a comparação entre um teste, considerado padrão-ouro, e um novo teste, mais conservador, para triagem de determinada doença cardiovascular. DOENÇA PRESENTE AUSENTE TOTAL TESTE POSITIVO NEGATIVO TOTAL Qual a sensibilidade e especificidade do novo teste, respectivamente? (A) 18% e 98%. (B) 85% e 24%. (C) 15% e 98%. (D) 43% e 10%. (E) 18% e 25%. 8

10 15. Quais os valores preditivos, positivo e negativo, do novo teste? (A) 43% e 90%. (B) 75% e 11%. (C) 15% e 98%. (D) 18% e 25%. (E) 75% e 25% 16. As perguntas abaixo poderiam ser respondidas por estudos de caso-controle, EXCETO (A) As Estatinas previnem a coronariopatia? (B) Qual a incidência de complicação da prostatectomia por laparoscopia? (C) A ingestão de gorduras é um fator de risco para neoplasia de intestino? (D) Qual a eficácia da Azitromicina para Sinusopatia Aguda? (E) As complicações cirúrgicas são mais comuns com a cirurgia laparoscópica ou convencional (aberta) para prostatectomia? 17. Um determinado estudo relata a evolução clínica de pacientes com uma doença reumatológica degenerativa. Eles são selecionados em um centro de referência em doenças reumatológicas, seus prontuários revisados quanto às características e tratamento propostos e relacionam-se os achados com a situação atual dos pacientes. Pode-se dizer que esse é um típico exemplo de qual estudo? (A) Estudo transversal. (B) Série de casos. (C) Estudo de caso-controle. (D) Ensaio clínico randomizado. (E) Estudo de coorte. 9

11 18. No Rio Grande do Sul, a incidência de doenças respiratórias nos trabalhadores em regiões industriais atinge cerca de 90/ Já nos trabalhadores de outros locais, a incidência chegou a 9/ A incidência na população total de trabalhadores é de 20/ O risco relativo (RR) da exposição e o risco atribuível (RA) são, respectivamente, (A) (B) (C) (D) (E) Foram feitas as seguintes afirmações sobre os testes diagnósticos. Assinale a CORRETA. (A) O teste sensível é útil para confirmar um diagnóstico sugerido por outros dados. (B) O teste denominado padrão-ouro sempre deve ser utilizado, pois é o mais fiel indicador da presença da doença, mesmo sendo dispendioso e invasivo. (C) Quanto mais sensível um teste, o resultado negativo dá mais segurança que um paciente não tenha a doença. (D) Quanto mais específico um teste, melhor ele é para rastreamento. (E) O teste específico é mais útil, quando o resultado é negativo. 20. Qual a melhor estratégia para controlar, na análise dos dados, os efeitos de potenciais fatores de confusão? (A) Emparelhamento. (B) Análise estatística. (C) Randomização. (D) Restrição. (E) Não é possível avaliar o efeito dos fatores de confusão na análise e, sim, antes, na construção do projeto de pesquisa. 10

12 21. Em relação ao Lúpus Eritematoso Sistêmico é correto afirmar que (A) a presença de anemia de doença inflamatória crônica é critério diagnóstico. (B) o derrame pleural contém baixa concentração de proteínas. (C) a cloroquina só é utilizada, se houver lesão cutânea discoide. (D) a síndrome antifosfolipídica ocorre em boa parte (um terço) dos pacientes. (E) a artrite é, geralmente, simétrica e erosiva. 22. A.S., 42 anos, sexo feminino, chega ao serviço de emergência em que você está de plantão, queixando-se de cefaleia, diminuição da acuidade visual em olho esquerdo e fadiga extrema. Ao exame, você percebe palidez cutâneo-mucosa, equimoses e petéquias, essas em membros inferiores. Você coleta exames de urgência. O plantonista do laboratório de análises clínicas, ao analisar os mesmos, telefona-lhe dizendo que a parte de bioquímica que você solicitou ainda não está pronta, mas que o hemograma está bastante alterado, com hemoglobina de 5,2, leucócitos normais e plaquetas de Além disso, ele acha importante informar-lhe que, na análise do esfregaço de sangue periférico, existem mais de 10% de fragmentação eritrocitária. Diante dessas informações, você pensa em qual diagnóstico, como sendo o mais provável para a paciente? (A) Síndrome hemolítico-urêmica. (B) Púrpura trombocitopênica idiopática. (C) Púrpura trombocitopênica trombótica. (D) Trombastenia de Glasman. (E) Síndrome de Bernard-Soulier. 11

13 23. Com relação à anemia com macrocitose, considere as assertivas a seguir. I. O álcool pode causar macrocitose por dano direto no precursor eritroide. II. A deficiência de vitamina B12 pode causar alteração/defeito de tubo neural. III. A deficiência de ácido fólico pode causar sintomas neurológicos por desmielinização. Marque a opção correta. (A) I está correta. (B) II está correta. (C) III está correta. (D) I e II estão corretas. (E) II e III estão corretas. 24. Paciente masculino, branco, 65 anos, hipertensão arterial estágio 1 há 8 anos, cardiopata isquêmico, mas com função sistólica preservada, tabagista há 40 anos, cerca de 20 cigarros/dia, é encaminhado ao nefrologista por apresentar creatinina plasmática em torno de 2mg/dL nos últimos quatro meses e progressivo aumento da dificuldade de controle pressórico no último ano, com instalação de hipertensão resistente. Exame comum de urina normal. Ultrassonografia abdominal mostrando Rim Direito com 10 cm e Rim Esquerdo com 8,4cm no eixo bipolar, ausência de hidronefrose, bexiga normal, próstata com 35g, resíduo pós-miccional de 30 ml. Qual é a principal hipótese diagnóstica para a etiologia da doença renal crônica? (A) Nefropatia obstrutiva. (B) Glomerulonefrite rapidamente progressiva. (C) Nefroesclerose hipertensiva. (D) Doença vascular da artéria renal. (E) Nefropatia do refluxo. 12

14 25. Paciente feminina, 60 anos, obesa, com diagnóstico de Diabete Mellitus (DM) há 2 anos, apresenta-se com creatinina plasmática de 3,2mg/dL, potássio 4,5mEq/L, glicemia de jejum 230mg/dL e ecografia renal normal, EQU com proteinúria ++ e glicosúria. O fundo de olho mostra exsudatos algodonosos e hemorragias retinianas. Apresenta edema de MMII ++/4+ e PA de 160/90 mmhg, sem uso de anti-hipertensivo. Marque a assertiva que melhor se relaciona com o caso proposto. (A) A paciente deverá ser submetida à punção biópsia renal, uma vez que o diagnóstico de nefropatia diabética é improvável tendo em vista o tempo de evolução da DM. (B) Deverá ser dosada a microalbuminúria da paciente e iniciado imediatamente inibidor da ECA e metformin. (C) Trata-se de provável doença vascular da artéria renal com nefropatia isquêmica e a paciente deverá ser submetida a uma angiotomografia renal. (D) Trata-se de provável nefropatia diabética e a principal medida a ser tomada nesse momento, em termos de nefroproteção, é o início de inibidor da ECA ou bloqueador do receptor da angiotensina. (E) Trata-se de provável nefropatia diabética e a principal medida a ser tomada nesse momento, em termos de nefroproteção, é a melhora do controle glicêmico. 26. Paciente masculino, branco, 18 anos, com os seguintes exames: Gasometria arterial: ph=7,2 HCO3=10mEq/L, PCO2 =23mmHg. Eletrólitos plasmáticos: Na=135mEq/L, Cl=98mEq/L, K=2,5mEq/L. O diagnóstico mais provável é (A) Cetoacidose diabética. (B) Acidose tubular renal tipo I. (C) Acidose tubular renal tipo II. (D) Diarreia. (E) Fístula biliar. 13

15 27. Assinale a opção incorreta em relações às patologias adrenais (A) O excesso de mineralocorticoide é, frequentemente, oligossintomático. (B) O diagnóstico de hiperaldosteronismo primário é sugerido pela relação entre aldosterona e atividade plasmática da renina superior a 20, independentemente do valor absoluto da aldosterona. (C) Muitos pacientes não apresentam resolução da hipertensão após a cirurgia para ressecção de adenoma adrenal produtor de aldosterona. (D) A insuficiência adrenal primária apresenta, como principais etiologias, a destruição autoimune, a tuberculose, a infecção por fungos, a adrenoleucodistrofia e a hiperplasia adrenal congênita. (E) Na insuficiência adrenal primária, pode haver deficiência associada de glicocorticoide e mineralocorticoide. 28. Considere as afirmativas sobre tireotoxicose. I. Sinais como taquicardia, hipertensão arterial diastólica, redução da pressão de pulso, pele quente e úmida podem ser detectados no exame físico. II. A doença de Graves costuma acometer mulheres adultas de, aproximadamente, 30 a 60 anos, enquanto o bócio multinodular tóxico costuma ocorrer em idosos. III. A oftalmopatia associada à Doença de Graves cursa com inflamação da gordura periorbitária, resultando em proptose, porém poupa a musculatura extraocular. IV. Carcinoma diferenciado de tireoide metastático é uma causa rara de hipertireoidismo. Marque a opção que contém assertivas corretas. (A) I e II (B) I e III (C) II e III (D) II e IV (E) III e IV 14

16 29. Considere o tratamento medicamentoso para cessação do tabagismo em um paciente com conhecida cardiopatia isquêmica. Assinale a opção correta. (A) O tratamento com reposição de nicotina é contraindicado em paciente com angina estável. (B) O tratamento com bupropiona é contraindicado em paciente com angina estável. (C) O tratamento com bupropiona é contraindicado em paciente com úlcera péptica em atividade. (D) O tratamento com vareniclina é contraindicado em paciente com histórico de convulsões. (E) Tanto o tratamento com bupropiona, quanto com reposição de nicotina, podem ser usados em pacientes com cardiopatia isquêmica estável. 30. Considerando o câncer de pulmão, assinale a opção correta. (A) O carcinoma epidermoide é o subtipo mais provável em não fumantes. (B) O carcinoma pequenas células e o adenocarcinoma apresentam, mais frequentemente, localização central. (C) Cerca de 50% dos tumores do sulco superiores apresentam histologia carcinoma epidermoide. (D) O carcinoma de células gigantes geralmente produz massa séssil central. (E) O carcinoma pequenas células raramente apresenta metástases no momento do diagnóstico. 15

17 31. Considere a avaliação gasométrica de um paciente em insuficiência respiratória em uma Unidade de Pronto Atendimento. Correlacione as situações clínicas propostas com os resultados gasométricos apresentados. Assinale a opção com a sequência numérica correta (de cima para baixo). (1) paciente de 50 anos em coma devido intoxicação por sedativos. (2) paciente de 20 anos com dispneia aguda devido à pneumonia extensa. (3) paciente de 63 anos com DPOC grave exacerbada devido infecção respiratória. ( ) PO2 = 50 mmhg PCO2 = 60 mmhg GradA-aO2 = 25 mmhg ( ) PO2 = 65 mmhg PCO2 = 30 mmhg GradA-aO2 = 30 mmhg ( ) PO2 = 55 mmhg PCO2 = 55 mmhg GradA-aO2 = 8 mmhg (A) 1, 2, 3 (B) 3, 2, 1 (C) 2, 1, 3 (D) 2, 3, 1 (E) 3, 1, Que opção terapêutica apresenta evidências de redução significativa na mortalidade do paciente com sepse grave? (A) Controle rigoroso da glicemia manter glicemia entre 80 e 110mg/dl. (B) Uso de corticosteroide em dose baixa 300mg/dia de hidrocortisona. (C) Ressuscitação agressiva nas primeiras 6 horas, baseada na terapia do Early goal direct therapy. (D) Uso de solução de albumina para ressuscitação volêmica. (E) Uso de inotrópicos como a dobutamina, para recuperar rapidamente o débito cardíaco. 16

18 33. Qual a estratégia ventilatória que comprovadamente reduz a morbimortalidade em pacientes com Síndrome do Desconforto Respiratório do Adulto ( SARA )? (A) PEEP elevado. (B) Recrutamento alveolar. (C) Pressão de palteau menor do que 30mmHg. (D) Ventilação controlada a volume. (E) Ventilação prona. 34. A imunodeficiência primária humoral mais comum é a (A) agamaglobulinemia ligada ao X. (B) deficiência isolada de IgA. (C) hiper IgM. (D) deficiência seletiva de subclasses de IgG. (E) deficiência de cadeia Kappa. 35. Em relação aos marcadores bioquímicos de dano miocárdio nas Síndromes Coronarianas Agudas, não podemos confirmar que (A) são úteis tanto no diagnóstico, quanto no prognóstico. (B) CK-MB massa e troponinas apresentam sensibilidades semelhantes no diagnóstico de IAM nas primeiras 24 horas e, portanto, são os marcadores de escolha. (C) troponinas, por serem marcadores mais específicos de dano do miocárdio, não apresentam falsos-positivos. (D) marcadores bioquímicos de dano miocárdio devem ser dosados na admissão de todos os pacientes com suspeita de Síndrome Coronariana Aguda e repetidos, ao menos uma vez, seis a nove horas após, caso o primeiro resultado seja normal. (E) CK-MB apresenta elevação, após quadro de IAM, em tempo semelhante às troponinas, porém essas se mantêm elevadas por cerca de 7 a 14 dias. 17

19 36. Em relação ao tratamento com betabloqueadores, podemos afirmar que (A) quando os betabloqueadores aprovados para uso em IC (metoprolol succinato, carvedilol, bisoprolol e nebivolol) não estiverem disponíveis, pode-se prescrever propranolol ou atenolol, já que o efeito é de classe. (B) o esquema de titulação tradicional dos betabloqueadores, com aumentos a cada duas semanas, costuma ser lento e trabalhoso. Esquemas alternativos com titulação rápida (em dias) devem ser preferidos. (C) durante a fase de titulação, pode haver piora da classe funcional, situação na qual a dose deve ser mantida ou retornada à dose anterior e feitos ajustes de volemia com emprego de diuréticos. (D) quando o paciente apresentar episódios de descompensação, requerendo internação domiciliar, o betabloqueador deverá ser suspenso para reintrodução após a alta. (E) os efeitos protetores sobre a mortalidade, conferidos pelos betabloqueadores, se manifestam já nas menores doses; portanto, não há obrigatoriedade de se tentar titular para as doses mais altas. 37. Quando empregamos um fibrinolítico, qual das condições abaixo não constitui contraindicação absoluta? (A) Período menstrual. (B) Sangramento intracraniano. (C) AVC isquêmico nos últimos 3 meses. (D) Neoplasia do sistema nervoso central. (E) Suspeita de dissecção aórtica. 18

20 38. Considere as assertivas abaixo, sobre uso de antimicrobianos. I. Amplo espectro é atributo necessário à escolha do antimicrobiano. II. A forma correta, racional, de prescrição de um antimicrobiano é aquela baseada em resultados de cultura. III. Por ser um antibiótico com perfil farmacocinético do tipo concentraçãodependente, o uso de concentrações plasmáticas de beta-lactâmicos muito acima de sua concentração inibitória mínima (CIM) não aumenta sua eficácia e pode aumentar sua toxicidade. IV. Quinolonas podem ter sua eficácia aumentada em pacientes com choque séptico, quando utilizadas em infusão contínua, conforme indica o seu perfil farmacocinético. Marque a opção correta. (A) I, II e III estão corretas. (B) I e III estão corretas. (C) II, III e IV estão corretas. (D) II e IV estão corretas. (E) Todas estão incorretas. 19

21 39. Considere as assertivas abaixo, sobre HIV-AIDS. I. A sorologia para o HIV deve sempre ser realizada em gestantes, pacientes com tuberculose e naqueles com diagnóstico de outras Doenças Sexualmente Transmissíveis. II. O diagnóstico de imunossupressão grave é clínico (doenças oportunistas, como candidíase oral e leucoplasia pilosa oral) e dispensa o uso de marcadores laboratoriais. III. PPD com reação maior que 5mm indica investigação de tuberculose ativa. Na ausência da doença, o paciente deverá receber profilaxia com isoniazida pelo período de seis meses. IV. No paciente severamente imunossuprimido, tosse seca persistente, hemiparesia de instalação insidiosa e aumento da pressão intracraniana sugerem, respectivamente, o diagnóstico de Pneumocistose pulmonar, Toxoplasmose cerebral e Meningite criptocócica. Marque a opção correta. (A) I, II e III estão corretas. (B) II e IV estão corretas. (C) I, III e IV estão corretas (D) II, III e IV estão corretas. (E) I e IV estão corretas. 40. Em relação à Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica (DHGNA), considere as assertivas a seguir. I. Não acomete crianças ou adultos jovens. II. É a causa mais frequente de elevação de transaminases séricas em pacientes ambulatoriais assintomáticos, não etilistas e sem hepatites virais. III. Está frequentemente associada à obesidade, diabetes mellitus tipo 2 e hiperlipidemia. (A) apenas a assertiva I está correta. (B) apenas a assertiva II está correta. (C) apenas as assertivas II e III estão corretas. (D) apenas as assertivas I e III estão corretas. (E) as assertivas I, II e III estão corretas. 20

22 41. A complicação infecciosa mais comum em paciente grande queimado (>30% da superfície corporal) é (A) pneumonia. (B) infecção urinária. (C) sepse por infecção de ferida. (D) abcesso hepático. (E) empiema pleural. 42. Mulher de 50 anos se apresenta com nódulo na região cervical anterior. Traz resultado de TSH e T3 dentro dos níveis da normalidade e Ecografia da região cervical que evidencia nódulo sólido de 1,2cm no lobo direito da tireóide. O próximo passo será (A) lobectomia direita da tireoide. (B) tireoidectomia total. (C) punção aspirativa por agulha fina (PAAF). (D) tomografia computadorizada da região cervical. (E) repetir exames em 3 meses. 43. Esôfago de Barret significa que ocorreu (A) substituição do epitélio colunar pelo escamoso. (B) modificação para epitélio transicional. (C) queratinização da mucosa esofágica. (D) substituição do epitélio escamoso pelo colunar. (E) formação de estrias na mucosa. 44. Normalmente a artéria gástrica direita é ramo da (A) artéria gastroduodenal. (B) artéria gastro-epiploica direita. (C) artéria pancreaticoduodenal. (D) artéria hepática própria. (E) artéria esplênica. 21

23 45. Com relação às hérnias umbilicais nas crianças, é correto afirmar que (A) são mais comuns nas brancas do que nas não brancas. (B) sempre que diagnosticadas deves ser operadas. (C) devem ser operadas se persistirem após os 6 meses de idade. (D) devem ser operadas apenas, se a criança for sintomática. (E) geralmente fecham espontaneamente. 46. A causa mais comum de apendicite aguda em crianças é (A) fecalito. (B) hipertrofia do tecido linfático. (C) áscaris. (D) semente de frutas. (E) idiopática. 47. Mulher de 65 anos apresenta-se com hemorragia digestiva baixa. Sua pressão arterial inicial é 80/60mmHg, com uma frequência cardíaca de 120bpm. Após ressuscitação com volume, a pressão passa a 120/80mmHg. Uma sonda nasogástrica é posicionada e não evidencia sangue no estômago. O próximo passo para o manejo desse paciente é (A) colonocopia. (B) arteriografia mesentérica. (C) cintilografia com hemácias marcadas. (D) proctoscopia. (E) laparotomia exploradora. 48. O sítio mais acometido pela doença de Crohn é (A) o reto. (B) o cólon. (C) o jejuno. (D) o íleo terminal. (E) o duodeno. 22

24 49. Estão relacionados com prognóstico na pancreatite aguda alcóolica, à admissão hospitalar, EXCETO (A) idade. (B) contagem de leucócitos. (C) amilase. (D) glicose. (E) desidrogenase láctica. 50. A causa mais comum de pancreatite crônica no mundo é (A) coledocolitíase. (B) abuso de álcool. (C) hereditária. (D) hipertrigliceridemia. (E) infecciosa. 51. Câncer gástrico precoce é definido como (A) o que cursa com linfonodos negativos. (B) limitado à mucosa. (C) limitado à mucosa e submucosa com linfonodos negativos. (D) limitado à mucosa e submucosa, independente dos linfonodos. (E) o que invade a serosa. 52. Homem de 24 anos, envolvido em acidente automobilístico, apresenta dor torácica bilateral e se mantém com hipóxia após administração de oxigênio por máscara. No Raio X de tórax realizado na emergência, apresenta infiltrado bilateral. Qual o provável diagnóstico? (A) Pneumonia bilateral. (B) Pneumotórax bilateral. (C) Aspiração de conteúdo gástrico. (D) Atelectasia. (E) Contusão pulmonar. 23

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome:

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: Data: / / Assinatura do Candidato 1. Segundo as DIRETRIZES PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO -MINISTÉRIO DA SÁUDE INCA O método

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MATERNIDADE ESCOLA JANUÁRIO CICCO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 01- CLÍNICA MÉDICA Insuficiência

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015 1. Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

ASSISTÊNCIA [DE ENFERMAGEM] À GESTANTE. Profa. Emília Saito setembro - 2015

ASSISTÊNCIA [DE ENFERMAGEM] À GESTANTE. Profa. Emília Saito setembro - 2015 ASSISTÊNCIA [DE ENFERMAGEM] À GESTANTE Profa. Emília Saito setembro - 2015 OBJETIVOS DA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL PRINCIPAL Acolher a mulher desde o início da gestação, assegurando, ao fim da gestação, o nascimento

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

03- GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

03- GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA 01- CLÍNICA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2010 - Edema Agudo

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 06 - Mastologia Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA Concurso Público 7. Prova Objetiva Médico Ginecologista Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 40 questões objetivas. Confira seu nome e número

Leia mais

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA Concurso Público 7. Prova Objetiva Médico Ginecologista Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 40 questões objetivas. Confira seu nome e número

Leia mais

NOVE MESES EMOCIONANTES, VOCÊ E SEU BEBÊ. Maria da Graça Guidotti dos Santos Ginecologia e Obstetrícia

NOVE MESES EMOCIONANTES, VOCÊ E SEU BEBÊ. Maria da Graça Guidotti dos Santos Ginecologia e Obstetrícia NOVE MESES EMOCIONANTES, VOCÊ E SEU BEBÊ Maria da Graça Guidotti dos Santos Ginecologia e Obstetrícia ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL O que é? É uma das aquisições mais valiosas da medicina preventiva que visa,

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 79

PROVA ESPECÍFICA Cargo 79 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 79 QUESTÃO 26 Sobre o recém nascido, é correto afirmar, EXCETO: a) A fratura de fêmur é um trauma raro e de fácil diagnóstico devido à dor. b) A extrofia de pequenos lábios é

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL Like A saúde da mãe e o desenvolvimento do bebé podem ser seguidos passo a passo, graças a um conjunto de exames clínicos que permitem manter a gravidez sob controlo. Além disso,

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez Revista Uningá, Nº 01, p. 39-46, jan./jun.2004 Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez MARI ELEN FERREIRA 1 HELLEN CARLA RICKLI CAMPANA 2 RESUMO A DHEG (Doença Hipertensiva

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999.

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Broncopneumonia não especificada 3388 2564 1637 1734 Diarréia e gastroenterite

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais