am PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "am PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 1 am PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Brasília - DF 2010 Brasília - DF 2010 NÍVEL DE HIPERTROFIA MUSCULAR EM INDIVIDUOS DO SEXO MASCULINO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO SUPLEMENTADOS COM CREATINA lencarla Gonçalves de Miranda Orientador: Ronaldo Rodrigues da Silva Ph.D. Prática de Ensino I Brasília - DF 2010 Autor: Alencarla Gonçalves de Miranda Orientador: Prof. MSc.. Fábio Antônio Tenório de Melo Brasília - DF 2010 urso Brasília - DF 2011

2 2 Artigo de autoria de Alencarla Gonçalves de Miranda, intitulada NÍVEL DE HIPERTROFIA MUSCULAR EM INDIVÍDUOS DO SEXO MASCULINO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO SUPLEMENTADOS COM CREATINA apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharelado em Educação Física na Universidade Católica de Brasília, em junho de 2011, defendida e aprovada pela banca examinadora abaixo assinada: Prof. MSc. Fábio Antônio Tenório de Melo Orientador Educação Física-UCB Prof. PhD. Ronaldo Rodrigues da Silva Educação Física-UCB Brasília DF 2011

3 3 ALENCARLA GONÇALVES DE MIRANDA NÍVEL DE HIPERTROFIA MUSCULAR EM INDIVIDUOS DO SEXO MASCULINO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO SUPLEMENTADOS COM CREATINA Artigo apresentado ao curso de Bacharelado em Educação Física na Universidade Católica de Brasília como requisito parcial para obtenção de Título de Graduação em Educação. Orientador: Msc. Fábio Antônio Tenório de Melo Brasília DF 2011

4 4 NÍVEL DE HIPERTROFIA MUSCULAR EM INDIVIDUOS DO SEXO MASCULINO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO SUPLEMENTADOS COM CREATINA RESUMO Alencarla Gonçalves de Miranda 1 Fábio Antônio Tenório de Melo 2 Esta pesquisa objetivou verificar o nível de hipertrofia muscular em indivíduos do sexo masculino praticantes de musculação e suplementados com creatina durante 4 semanas de treino. A amostra foi composta de 7 universitários com média de idade anos, todos do sexo masculino, alunos da Universidade Católica de Brasília praticantes de musculação há pelos menos 1 ano e não usuários de nenhum tipo de suplemento alimentar. Foram submetidos à prática regular de 4 semanas de treinamento resistido à 65 a 85% de 1 RM e submetidos ao uso da suplementação de creatina monoidratada com doses diárias de 5g, ministradas ao final do treinamento.para mensuração dos dados, foi utilizado as medidas de dobras cutâneas pela equação de Jackson e Pollock, para homens, afim de estimar o percentual de massa gorda. Os dados estatísticos foram calculados pelo Teste t student no programa Excel 2007,tendo p<0,05 para nível de significância na massa magra comparando o pré e pós treinamento. Não foi encontrado dados estatisticamente significativos no nível de hipertrofia com o uso da creatina. Palavras chave: Hipertrofia. Sexo masculino. Musculação. Creatina. INTRODUÇÃO Exercícios resistidos, ou musculação, é a execução de movimentos biomecânicos localizados em segmentos musculares definidos como a utilização de sobrecarga externa ou peso do próprio corpo (GUEDES Jr., 1998 apud GUEDES et al 2006). O exercício contra resistência é uma metodologia de treinamento desportivo, cujo principal meio de treinamento é realizado com pesos (barras, anilhas, halteres etc.), e a principal capacidade física (motora) treinada é a força. (GUEDES et al., 2006). Na sua concepção histórica, a musculação organizou-se estruturalmente baseando-se em métodos e princípios que buscam maximizar a atuação muscular durante os exercícios físicos. Para Nieman (1999), a musculação deve ser utilizada de maneira a proporcionar o maior aumento possível nas estruturas musculares, ligamentares, tendinosas, articulares e ósseas, seja por estímulos na evolução da força máxima, ou na hipertrofia muscular, que, associada a outros métodos de treinamento, visam benefícios totais a saúde. Nos últimos anos, a musculação tornou-se um dos exercícios físicos com maior aderência em sua prática. Isso pode ser explicado pelos benefícios que esta modalidade promove aos seus praticantes, sejam eles estéticos, melhora da condição física, reabilitação e manutenção da saúde. Segundo Godoy (1994), no âmbito terapêutico é usado para tratamento de lesões corporais e correção da postura, na prevenção de doenças, no alívio das tensões do cotidiano, diminuição da agressividade e ansiedade. Alem disso, a cada dia, novas pesquisas comprovam os seus inúmeros benefícios para a saúde, que vão desde a prevenção até o 1 Aluna de Graduação do curso Educação Física da Universidade Católica de Brasília 2 Professor Mestre da Universidade Católica de Brasília

5 5 controle de doenças como osteoporose, obesidade, diabetes, artrite, sarcopenia, hipertensão e outros (SANDOR & SIMÃO, 2005) Praticantes de atividades físicas, em especial os praticantes de musculação, têm-se utilizado de produtos nutricionais com o objetivo de melhorarem sua performance. Dentre eles a creatina, devido aos seus possíveis efeitos ergogênicos sobre a massa muscular e o desempenho físico anaeróbio (ALVES, 2008). Substância essa recentemente legalizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, para comercialização como suplemento para atividade de alto rendimento. O comercio de suplementos tem crescido de acordo com o crescimento de praticantes de exercícios resistidos, que desestimulados pelo longo tempo para alcançar seus resultados, se apegam ao uso de recursos ergogênicos afim de atingi-los. Desse modo, a ingesta da creatina, sugere um aumento nas reservas musculares de creatina total (CrT) e de Fosforocreatina (CP) do organismo, induzido pela suplementação da mesma, monoidratada (Crm), aumentando a disponibilidade de CP e, conseqüentemente, acelerar a taxa de ressíntese de ATP durante os exercícios anaeróbios intermitentes (repetitivos), favorecendo a melhora do desempenho físico nesse tipo de exercício (ALVES, 2008). O ATP e a CP, juntos proporcionam energia para os músculos por um tempo de aproximadamente 30 segundos ou menos (FLECK & KRAEMER, 1999). A suplementação da creatina recebeu destaque em estudos científicos, os quais mostraram aumento do conteúdo total de fosfato de creatina (CrP) no músculo esquelético (HARRIS et al., 1992; GREENHAFF et al., 1993; GREENHAFF et al., 1994; FEBBRAIO et al., 1995; HULTMAN et al., 1996; PERSKY; BRASEAU, 2001; VAN LOON et al., 2003). Segundo Izquierdo (et al. 2002), esta suplementação pode aumentar em 20% seus estoques no músculo esquelético diminuindo o declínio no fornecimento de ATP durante exercícios intensos. Por ter características anaeróbias, a musculação apresenta variáveis de treinamento que interferem direta ou indiretamente na concentração da creatina no organismo, (ACMS, 2000 apud DONATTO, 2007). Para tanto o presente estudo teve como objetivo, verificar o nível de hipertrofia muscular em indivíduos do sexo masculino praticantes de musculação e que foram suplementados com creatina monoidratada. MATERIAIS E MÉTODOS População sete alunos da Universidade Católica de Brasília, entre 19 a 40 anos do sexo masculino, praticantes de musculação. Nenhum dos indivíduos apresentava doença aguda ou crônica e não utilizavam quaisquer tipos de drogas ou medicamentos. Como critérios de exclusão estão conexos problemas físicos apresentados pelo individuo, que o impeça de realizar, temporária ou definitivamente, as atividades programadas e a presença de alguma doença crônica prévia. As coletas só tiveram início após o projeto ter aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa em seres humanos da UCB e após assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, onde estão todos os procedimentos, benefícios e importância da pesquisa. Amostra - composta por n=7 alunos universitários do sexo masculino, praticantes de musculação há mais de um ano. Instrumentos - foi utilizado uma análise da condição física por meio dos testes de perimetria, percentual de gordura e índice de massa magra, segundo Jackson e Pollock (1978, apud

6 6 DONATTO et. al., 2007). Para medir o peso foi utilizada uma balança analógica da marca Techline, modelo Techsinc, a estatura foi medida com o estadiômetro tipo portátil, o paquímetro da marca WCS da Cardiomed e uma trena antropométrica em aço da marca Sanny com capacidade de 2 metros, graduação em milímetros e precisão de 1 mm foi usado para medir as circunferências. As avaliações antropométricas foram feitas conforme padronização proposta por Petroski (1999). Coleta de dados foi realizada entre os meses de agosto a dezembro de PROCEDIMENTOS A coleta foi realizada pelo grupo de estudos formado por estudantes de Educação Física da Universidade Católica de Brasília, orientados pelo professor Msc. Fábio Antônio Tenório de Melo. Realizou-se a coleta de dados entre os meses de agosto a dezembro de 2010 no Laboratório de Estudos da Força LABEF, Laboratório de Biomecânica - LABIOMEC, ambos da UCB. Os indivíduos tiveram suas avaliações antropométricas medindo-se peso e estatura conforme padronização proposto por Petroski (1999). A medida de peso foi realizada com o avaliado, na posição ortostática, vestidos apenas de short e camiseta, utilizando uma balança analógica da marca Techline, modelo Techsinc, com capacidade de kg e precisão de 1 kg, fabricado por Techine Asean Group. Para a estatura foi utilizado um estadiômetro tipo portátil da marca Seca, fixado à parede com capacidade de 220 cm, graduação em milímetros e precisão de 1 mm, onde o avaliado esteve na posição ortostática, pés descalços e unidos, mantendo os calcanhares e a região occipital em contato com uma superfície vertical e a cabeça ajustada ao plano de Frankfurt. Para mensurar a espessura das dobras cutâneas foi utilizado o compasso de dobras cutâneas da marca Lange. A predição da gordura corporal foi feita através da equação de Jackson e Pollock (1978, apud DONATTO et. al., 2007) para homens, que utiliza o somatório das dobras cutâneas peitoral, abdômen e coxa, estimando o percentual de massa gorda. Através desse valor e das medições do diâmetro ósseo (bi-estilóide e epicondilar do fêmur) com a utilização do paquímetro da marca WCS da Cardiomed, uma trena antropométrica em aço da marca Sanny com capacidade de 2 metros, graduação em milímetros e precisão de 1 mm, para medir as circunferências dos ombros, tórax, cintura, abdômen, quadril, coxa, perna e bíceps contraído, foram encontrados o percentual de massa muscular, massa óssea e visceral. O planejamento do treinamento resistido seguiu de acordo com as tabelas 1, 2 e 3. Tabela 1 Elaboração do treinamento quanto a sua composição. Composição Séries Rep. Carga Vel. Exec. Inter. 4 x p/semana a 85%

7 7 A periodização do treinamento consistiu em 4 semanas de treinamento Tabela 2 Composição semanal Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sáb/Dom Treino A Treino B Descanso Treino A Treino B Descanso O Treino foi segmentado, onde no Treino A compreendido dos grupos musculares peito, tríceps, posterior de coxa, ombros, panturrilha e reto abdominal e Treino B compreendido dos grupos musculares costas, bíceps, anterior de coxa, trapézio e eretores da coluna vertebral. Tabela 3 Elaboração do treinamento resistido por seção de treinamento. Exercícios realizados. Supino reto Treino A Supino Inclinado com Barra Fly Elevação Lateral Elevação Frontal Tríceps testa com barra Tríceps pulley com Barra Abdominal (porção sup. Do reto abdominal) Cadeira Flexora Stiff Leg Press 45º Banco Sóleo Flexão Plantar no Smith Treino B 1. Puxada de Frente 2. Remada Sentado 3. Remada Supinada na Barra 4. Rosca Bíceps na Barra 5. Rosca Alternada 6. Agachamento 7. Cadeira Extensora 8. Cadeira Adutora 9. Cadeira Abdutora 10. Remada Alta 11. Elevação da Escápula com Halter 12. Flexão de Quadril na mesa A amostra foi submetida a uma suplementação de 5g de creatina monoidratada por dia, durante 20 dias. Os voluntários receberam a suplementação ao final do treinamento, administrado e manipulado pelos pesquisadores, ingerindo a substância diante do pesquisador. A análise estatística descritiva compreendeu o cálculo das médias e desvio padrão e o coeficiente de correlação linear de Pearson que foi utilizado para avaliar o nível de correlação entre as variáveis avaliadas e o teste t de student usado para comparar os valores médios das variáveis, adotando um valor de p 0,05 para o nível de significância. Os dados foram tratados e analisados no programa Excel versão 2007, do pacote Office, fabricado pela Microsoft.

8 8 A presente pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética da UCB e após serem informados a respeito do propósito desta pesquisa e os procedimentos adotados para as avaliações e testes, os indivíduos assinaram um termo de consentimento livre esclarecido. RESULTADOS E DISCUSSÕES As tabelas a seguir mostram as características dos participantes com a média + e desvio padrão e os resultados da composição corporal pré e pós exercício com o uso da creatina. Tabela1: Valores de médias e desvios padrões das variáveis: Idade (anos), Peso (kg), Estatura (m), IMC (kg/m 2 ), Percentual de gordura (%) e Massa magra (%) VARIÁVEIS MÉDIA E DP Idade Peso Estatura IMC % G 13, % MM IMC= índice de massa corporal, G= gordura, MM= massa magra Tabela 2: Resultados da composição corporal (n=7) Pré Pós Valor de P Massa gorda Peso muscular Peso ósseo Peso residual Nível de significância = P< 0.05 Na tabela 1 são apresentados valores de média e desvio padrão entre a idade, peso, estatura, índice de massa corporal, percentual de gordura e de massa magra dos indivíduos. As variáveis massa corporal, massa magra e percentual de gordura não apresentaram alterações significativas entre os valores pré e pós treinamento (tabela 2), sendo p<0.05. A variável massa gorda como mostra a tabela acima houve uma significância pela diminuição do percentual dos indivíduos. Já a variável peso muscular no qual se refere ao objetivo deste estudo não teve aumento significativo de acordo com os dados estatísticos, apesar de ter havido um ganho em média de gramas de massa magra entre os indivíduos.

9 A creatina é um suplemento muito popular entre praticantes de vários esportes e, principalmente, freqüentadores de academias de ginástica, onde os maiores consumidores são os praticantes da musculação. Os aumentos na massa corporal se devem, em grande parte, à capacidade da creatina de alterar a osmolaridade celular, resultando na retenção hídrica (HULTMAN et al., 1996; POWERS et al., 2003); no entanto, outros mecanismos fisiológicos podem estar envolvidos neste aumento. Segundo Olsen (et al., 2006), o treinamento de força associado à creatina pode auxiliar no aumento do número de células-satélites e na concentração de mionúcleos nas fibras musculares, resultando no crescimento da fibra muscular em resposta ao treinamento de força. Corroborando os resultados encontrados no presente estudo, foram descritos na literatura aumentos de 1 a 2 Kg na massa corporal de indivíduos que fazem uso da creatina com saturação (JUHN; TARNOPOLSKY, 1998; TERJUNG et al.2000; VAN LOON et al., 2003). Kilduff (et al., 2003) observaram melhora na força muscular em um grupo suplementado com creatina associado a treinamento de força de 4 semanas. Outro estudo, realizado por Jonhson (et al., 1997), utilizou suplementação de creatina (20g/dia por 6 dias) em 18 homens e mulheres e realizou a medida de trabalho muscular concêntrico e excêntrico no teste de extensão bilateral até a exaustão. Foi observado um aumento de 25% e 15% no trabalho muscular para a perna dominante nos homens e mulheres, respectivamente. A creatina, sendo uma substância osmoticamente ativa, isto é, devido ao seu aumento intracelular na forma de creatina livre e creatina fosfato induzirem um influxo de água para dentro da célula é capaz de aumentar a água intracelular e, conseqüentemente, a massa corporal. Além disso, pesquisas de Volek (et al., 1997), resultaram num aumento de massa corporal média de 1,4 kg após a ingestão de 25 g de creatina durante uma semana, sugerindo que o aumento na hidratação celular e/ou creatina fosfato pode estimular a síntese protéica e diminuir a degradação de proteínas, possivelmente aumentando a massa isenta de gordura. Entretanto, a suplementação de creatina (20 g/dia) durante um pequeno período de tempo (5 dias) parece não influenciar alguns hormônios, tais como a testosterona, hormônio do crescimento e o cortisol, que poderiam influenciar na massa corporal. Contudo, cinco semanas de suplementação de creatina (10 g/dia) tendeu a manter o cortisol sérico mais elevado no grupo creatina que no placebo durante o período de recuperação (Op t Eijnde B., Hespel P., 2001). Becque (et al., 2000) submeteram 23 jovens ao treinamento de força para flexores do cotovelo e suplementação de creatina com saturação durante 6 semanas, tendo observado aumentos de 2 kg na massa corporal após o período de intervenção. Huso (et al., 2002) observaram aumento na massa corporal em homens submetidos à suplementação de creatina e treinamento de força três vezes por semana durante doze semanas. Em outro estudo, jovens do sexo masculino realizaram um treinamento de força e suplementação com creatina durante oito semanas, e o aumento médio de massa corporal foi de 4,5 kg (SOUZA JÚNIOR et al., 2007). Contrariamente, Bermon (et al., 1998) não verificaram adaptações positivas na composição corporal em idosos submetidos a oito semanas de treinamento de força e suplementação de creatina. Os trabalhos citados acima utilizaram a suplementação de creatina com saturação, porém Wilder (et al., 2001) citam a necessidade de se compararem as duas maneiras de suplementação - com saturação e sem saturação. As respostas da composição corporal e força máxima dinâmica a estes modos de suplementação precisam ser confrontadas. Similarmente a Wilder (et al., 2001), apesar do aumento observado na massa corporal e na massa magra nos grupos suplementados com e sem saturação, não foram observadas diferenças entre os grupos. Na comparação entre os dois modos de suplementação não foram observadas diferenças estatisticamente significantes na força máxima dinâmica, semelhantemente aos 9

10 10 resultados de Hultman (et al., 1996), que não encontraram diferença entre a utilização da suplementação de creatina com saturação e sem saturação nos níveis de força máxima dinâmica. CONSIDERAÇÕES FINAIS Considera-se nesse estudo ao verificar o nível de hipertrofia em praticantes de musculação do sexo masculino que o uso da creatina não foi significativamente favorável ao ganho de massa magra e em nenhuma das demais variáveis apresentadas na tabela 2. Portanto cinco semanas de treinamento com o uso da creatina podem não ser suficientes para provocar modificações positivas na massa muscular. Sugere-se que outros estudos sejam realizados aumentando a amostra, tempo de treinamento e a própria suplementação, objetivando novas respostas. REFERÊNCIAS ALVES, R. C. et. al.; Resposta da suplementação de creatina em praticantes de exercícios resistidos. Educação Física em Revista, Brasília, vol.2, n.1, BECQUE, M. D. et al. Effects of oral creatine supplementation on muscular strength and body composition. Medicine and Science in Sports and Exercise, Madison, v. 32, no. 3, p , BERMON, S. et al. Effects of creatine monohydrate ingestion in sedentary and weight-trained older adults Acta Physiologica Scandinavica, Stockholm, v. 164, no. 2, p , DONATTO, F. et. al.; Efeito da suplementação aguda de creatina sobre os parâmetros de força e composição corporal de praticantes de musculação. Rev. Brasil. de Nutrição Esportiva, São Paulo. Vol. 1, n. 2, p , mar/abr, FLECK, S.J.; KRAEMER, J.W. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, GODOY, E. S.; Musculação: Fitness. São Paulo: Sprint, p. GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Controle do peso corporal: composição corporal, atividade física e nutrição. Rio de Janeiro: Shape, GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Manual prático para avaliação física para educação física. São Paulo: Manole, HARRIS, R. C.; SÖDERLAND, K.; HULTMAN, E. Elevation of creatine in resting and exercised muscle of normal subjects by creatine supplementation. ClinicalScience, London. v. 83, no. 3, p , HULTMAN, E. et al. Muscle creatine loading in man. Journal Applied Physiology, Bethesda, v. 81, p , 1996.

11 11 HUSO, M. E. et al. Creatine supplementation influence substrate utilization at rest. Journal Applied Physiology, Bethesda, v. 93, no. 3, p , IZQUIERDO, M. et al. Effects of creatine supplementation on muscle power, endurance, and sprint performance. Medicine and Science in Sports and Exercise, Madison, v. 34, no. 2, p , JOHNSON, K. D.; SMODIC, B.; HILL, R. The effects of creatine monohydrate supplementation on muscular power and work. Medicine and Science in Sports and Exercise, Madison, v. 29, S251, Supplement. JUHN, M. S.; TARNOPOLSKY, M. Potential side effects of oral creatine supplementation: a critical review. Clinical Journal of Sport Medicine, Madison, v. 8, no. 4, p , KILDUFF, L. P.; PITSILADIS, Y. P.; TASKER, L.; ATTWOOD, J.; HYSLOP, P.; DAILLY, A.; DICKSON, I.; GRANT, S. Effects of creatine on body composition and strength gains after 4 weeks of resistance training in previously nonresistance-trained humans. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism, Champaign, v. 13, no. 4, p , NIEMAN, D. C.; Exercício e saúde: como se prevenir de doenças usando o exercício como seu medicamento. São Paulo: Manole, OLSEN, S. et al. Creatine supplementation augments the increase in satellite cell and myonuclei number in human skeletal muscle induced by strength training. Journal of Physiology, Somerset, v. 573, no. 2, p , OP T EIJNDE, B.; Hespel, P.; Short-term creatine supplementation does not alter the hormonal response to resistance training. Med Sci Sports Exerc; 33(3): PETROSKI, É. L. Antropometria: técnica e padronização. 1º Ed. Porto Alegre: Editora Palloti; SANDOR, B.; SIMÃO, R.. Treinamento de força para: Osteoporose, Fibromialgia, Diabetes Tipo 2, Artrite Reumatóide e Envelhecimento. São Paulo: Phorte VOLEK J. S.; Duncan N. D.; Mazzetti S. A.; Staron R. S.; Putukian M.; Gómez A. L.; Pearson D. R.; Fink W. J.; Kraemer W. J Performance and muscle fiber adaptations to creatine supplementation and heavy resistance training. Med Sci Sports Exerc; 31(8) WILDER, N. et al. The effects of low-dose creatine supplementation versus creatine loading in collegiate football players. Journal of Athletic Training, Columbus, v. 36, no. 2, p , 2001.

Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Avaliação Da Força E Hipertrofia Muscular Em Praticantes De Musculação Suplementados Com Creatina Após A Fase De Saturação Do Suplemento Siomara F. M. de Araújo, Ana Paula Perillo; Raphael M. Cunha. Universidade

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações antropométricas e na resultante força máxima

Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações antropométricas e na resultante força máxima Artigo Original Suplementação de creatina e treinamento de força: alterações antropométricas e na resultante força máxima Creatine supplementation and strength training: anthropometry and maximum force

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

Influência do treinamentocombinado de força e endurance nas respostas do taf de militares do 14º gac

Influência do treinamentocombinado de força e endurance nas respostas do taf de militares do 14º gac 163 ARTIGO Influência do treinamentocombinado de força e endurance nas respostas do taf de militares do 14º gac Prof. ALexandre dos Santos Universidade do Vale do Sapucaí Prof. Arthur Paiva Neto Universidade

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios UFBA Faculdade de Educação Física Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios Alexandre Veloso de Sousa A Ginástica como atividade física se confunde com a história do próprio homem;

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES DESAFIO VITA VERÃO PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES TREINO A - Agachamento livre COMPLETO: 8 a 10 repetições (3x) - Leg 45: 8 a 10 repetições (3x) - Cadeira extensora: 8 a 10 repetições

Leia mais

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM 1 ARTIGO ORIGINAL CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM Carlos Henrique Silva Leonardo Silva de Rezende Maria Amélia Paes Villas-Bôas da Fonseca Nádia Maria de Sales Pires Pós Graduação

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano Doutor em Ciências da Saúde Mestre em Educação Física Pós graduado em Musculação e Treinamento de Força Pós graduado em Fisiologia do Exercício Graduado em Educação Física Professor do curso de Pós Graduação

Leia mais

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL FRANKLIN GONÇALVES PEREIRA Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,

Leia mais

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento Planilha de Controle de Resultados e Treinamento CONTROLE DE TREINAMENTO INFORMAÇÕES BÁSICAS DO ATLETA NOME COMPLETO Renato Santiago GÊNERO IDADE PESO (KG) ALTURA (m) IMC ATUAL Masc. 24 100,0 1,82 30,2

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

ANÁLISE DOS EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTOS DE BICEPS SOBRE A CIRCUNFERENCIA DO BRAÇO

ANÁLISE DOS EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTOS DE BICEPS SOBRE A CIRCUNFERENCIA DO BRAÇO ANÁLISE DOS EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTOS DE BICEPS SOBRE A CIRCUNFERENCIA DO BRAÇO Luan Felipe de Moraes 1, Clodoaldo José Dechechi 2 RESUMO Com o aumento da procura de adolescentes por academias

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide 1 Agnelo de Almeida Martins 2 Thiago Chiarato 2 Resumo: O treinamento de força tornou-se

Leia mais

Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação

Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação Perfil somatotipológico e respostas hipertróficas do braço, após 12 semanas de treinamento tradicional de musculação Perfil somatotipológico y respuestas hipertróficas del brazo luego de 12 semanas de

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

TREINAMENTO COM PESOS: EFEITOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES JOVENS

TREINAMENTO COM PESOS: EFEITOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES JOVENS TREINAMENTO COM PESOS: EFEITOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES JOVENS WEIGHT TRAINING: EFFECTS ON THE BODY STRUCTURE OF YOUNG FEMALES Adauto João Pulcinelli * Paulo Gentil ** RESUMO Diante dos diversos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL Márcio Luis Carvalho 1 Gilson Brun 2 Matheus Uba Chupel 3 William Cordeiro de Souza 4 Wallace Bruno de Souza 5 Marcos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física Gabriela Bartholomay Kothe RELAÇÃO ENTRE O PERCENTUAL DE 1RM E O NÚMERO DE REPETIÇÕES MÁXIMAS EM EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EM INDIVÍDUOS

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO E INFLUÊNCIA NO AUMENTO DE MASSA MUSCULAR.

SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO E INFLUÊNCIA NO AUMENTO DE MASSA MUSCULAR. Artigo Original Pós-graduação Lato Sensu em Fisiologia e Avaliação Morfofuncional Universidade Gama Filho SUPLEMENTAÇÃO DE CREATINA NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO E INFLUÊNCIA NO AUMENTO DE MASSA MUSCULAR.

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

ANTROPOMETRIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS PESO CORPORAL (EM KG):

ANTROPOMETRIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS PESO CORPORAL (EM KG): ANTROPOMETRIA O método mais utilizado para avaliação da composição corporal é a Antropometria, devido à sua facilidade de aplicação, tanto no laboratório como no campo, na área clínica e em estudos populacionais.

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). Adriana Cristina Barriviera Prada 1 Eduardo Salerno 2 Rafael Andre de Araujo 3 Francisco José Andriotti Prada

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Alterações morfofuncionais decorrentes

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR

TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR TÍTULO: RELAÇÃO DE ALUNOS QUE CONSIDERAM A PAUSA NO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA MUSCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR 2 ELIANE SEGUNDA 1 ; 2 LORENE S. YASSIN ANZUATEGUI ; 3 ANTONIO CARLOS FRASSON. Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais, Ponta Grossa,

Leia mais

JAN/2013 JORNAL CIENTÍFICO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA. BAIXA E ALTA INTENSIDADE: implicações para o treinamento de hipertrofia

JAN/2013 JORNAL CIENTÍFICO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA. BAIXA E ALTA INTENSIDADE: implicações para o treinamento de hipertrofia JAN/2013 JORNAL CIENTÍFICO TREINAMENTO DE HIPERTROFIA BAIXA E ALTA INTENSIDADE: implicações para o treinamento de hipertrofia Jornal Científico Baixa intensidade aliado a movimentos rápidos: implicações

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não... Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

MALATO DE DICREATINA (2CM)

MALATO DE DICREATINA (2CM) MALATO DE DICREATINA (2CM) Fórmula Molecular: C 12 H 24 N 6 O 9 Peso molecular: 396,35 g/mol Descrição: É um sal de creatina altamente bio assimilável e biodisponível ao conter um precursor do ciclo de

Leia mais

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS VOLUME 2 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2006 TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Roberto Fares Simão Junior 1 Marcelo S.Cáceres 2 Fabricio Bürger 2 Luciane Kovalczyk 2 Adriana Lemos 2 Resumo:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS DURANTE UMA TEMPORADA REGULAR

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS DURANTE UMA TEMPORADA REGULAR Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Educação Física e Desportos Dhiego Gustavo Ferreira Torga Liliane Cunha Aranda INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS

Leia mais

Efeito do exercício resistido associado à suplementação de creatina ou glutamina na potência anaeróbia

Efeito do exercício resistido associado à suplementação de creatina ou glutamina na potência anaeróbia Efeito do exercício resistido associado à suplementação de creatina ou glutamina na potência anaeróbia Effects of resistive exercise associated with creatine or glutamine supplementation in anaerobic power

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais 2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais Musculação na academia De acordo com Chiesa (2002), a musculação, classicamente

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES O QUE É MUSCULAÇÃO? A musculação é um exercício de contra-resistência utilizado para o desenvolvimento dos músculos esqueléticos. A partir de aparelhos, halteres, barras,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES):

Leia mais

Fitness II PROF. FABIO DUTRA

Fitness II PROF. FABIO DUTRA Fitness II PROF. FABIO DUTRA Revisão Histórica O conceito de totalidade orgânica tem ganho adeptos desde a antiga Grécia. CLARKE (1976) cita que no século V antes de Cristo, os atenienses reconheciam a

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Taciana Alves Ribeiro Bianchi Scaldaferri SISTEMAS DE TREINAMENTO UTILIZADOS POR FISICULTURISTAS

Taciana Alves Ribeiro Bianchi Scaldaferri SISTEMAS DE TREINAMENTO UTILIZADOS POR FISICULTURISTAS Taciana Alves Ribeiro Bianchi Scaldaferri SISTEMAS DE TREINAMENTO UTILIZADOS POR FISICULTURISTAS Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Universidade Federal de Minas

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA TERCEIRA IDADE DO CDS/UFSC: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA RESISTÊNCIA MUSCULAR

PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA TERCEIRA IDADE DO CDS/UFSC: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA RESISTÊNCIA MUSCULAR PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA PARA TERCEIRA IDADE DO CDS/UFSC: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA RESISTÊNCIA MUSCULAR Ana Paula Kuhnen, Anne Lima de Oliveira, Fabiana Ferneda, Fernanda Sebastini, Ilana Carla

Leia mais

RESPOSTAS MECÂNICAS EM TESTES FÍSICOS DINÂMICOS E ESTÁTICOS EM INDIVÍDUOS DESTREINADOS NA PARAÍBA

RESPOSTAS MECÂNICAS EM TESTES FÍSICOS DINÂMICOS E ESTÁTICOS EM INDIVÍDUOS DESTREINADOS NA PARAÍBA Artigo original RESPOSTAS MECÂNICAS EM TESTES FÍSICOS DINÂMICOS E ESTÁTICOS EM INDIVÍDUOS DESTREINADOS NA PARAÍBA Resumo Sidney dos Santos Pinheiro, Maria do Socorro Cirilo de Sousa, João Marcos Ferreira

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica TESTE DE 1RM NA PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO DE FORÇA 543 Juan Marcelo Simões Cáceres 1, Ciane Vanessa Steinbach 1, Tiago Figueiredo 1,4, Belmiro Freitas de Salles 1, Renato Aparecido de Souza 2, Humberto

Leia mais

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal?

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Roberto Fernandes da Costa Mestrando em Educação Física da Escola de Educação Física e Esporte da USP E-mail: costa2001@fitmail.com.br Esta é

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA MUSCULAR E OSTEOPOROSE EM IDOSOS

EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA MUSCULAR E OSTEOPOROSE EM IDOSOS Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2007, 6 (3): 79-86 EXERCÍCIO DE RESISTÊNCIA MUSCULAR E OSTEOPOROSE EM IDOSOS Raquel Bakalow Trindades 2 Graciele Massoli Rodrigues 1,2 1 Escola Superior de

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Miguel Luiz Batista Júnior 1, Emerson Franchini 2, Marco Carlos Uchida 3, Luis Fernando Bicudo Pereira Costa Rosa 3

Miguel Luiz Batista Júnior 1, Emerson Franchini 2, Marco Carlos Uchida 3, Luis Fernando Bicudo Pereira Costa Rosa 3 Efeito da suplementação de creatina sobre o desempenho na velocidade do swing e no tempo para percorrer três bases (home base - terceira base) em atletas da seleção brasileira de beisebol juvenil (16 a

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC Corrêa 1, Renan Braz 2, André Luiz de Oliveira RESUMO A flexibilidade é uma das

Leia mais

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens.

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens. 1 Estudo comparativo do nível de força isométrica e estabilidade da musculatura do core entre indivíduos praticantes de treinamento funcional e de musculação. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE NUTRIÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO DE INSTRUTORES QUE ATUAM EM ACADEMIAS WILSON CÉSAR DE ABREU 1, ALESSANDRA BOUERI LAZARINI 2, CARLA MICHELLE FERREIRA DE ABREU 3 RESUMO: O presente

Leia mais