SINTOMAS ASSOCIADOS COM O PROLAPSO GENITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINTOMAS ASSOCIADOS COM O PROLAPSO GENITAL"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROLAPSO UTERINO ETIOLOGIA QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO CLASSIFICAÇÃO DAS DISTOPIAS GENITAIS TRATAMENTO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...14

2 2 1 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar as manifestações clínicas do prolapso uterino, assim como tratamento, quadro clínico e diagnóstico. O prolapso é considerado uma hérnia do conteúdo pélvico e/ou intraperitoneal no canal vaginal e vários fatores de risco para sua ocorrência são sugeridos. A doença pode ser atribuída a uma combinação de condições, que varia de paciente para paciente. Fatores de risco bem estabelecidos incluem idade, paridade, histerectomia cirúrgicas prévias para correção de distopia genital e desordens do colágeno. Porém, o papel de outros fatores potenciais ainda é controversos, como tipo de parto, obesidade, peso do recém nascido, tosse crônica e história familiar.

3 3 2 PROLAPSO UTERINO Alterações nas estruturas de suspensão, sustentação e combinação do útero na pelve permitem que ele desça gradativamente pela cavidade vaginal. As causas geralmente são obstétricas, mas existe prolapso uterino também virgens devido à fragilidade congênita das estruturas pélvicas (CAMARGOS, 2008).

4 4 3 ETIOLOGIA A etiologia da distopia genital é multifatorial, com diversos fatores predisponetes, incluindo gravidez, partos vaginais, idade avançada, variação de estrutura esquelética, comprometimento neuromuscular, fatores congênitos, fatores genéticos, raciais e doenças do tecido conjuntivo. Pode haver ainda fatores agravantes, como doenças pulmonares obstrutivas, hipoestrogenismo, constipação intestinal, obesidade, tumores, desnutrição, atividades profissionais e esportivas, tabagismo, cirurgias pélvicas prévias. Todas essas alterações contribuirão para a perda do apoio aponeurotico, ligamentoso e muscular e/ou aumento exagerado da pressão intra-abdminal, resultando no prolapso (CAMARGOS, 2008). A pariedade é considerada o maior fator de risco. Mulheres com pelo menos um parto vaginal apresentam maior incidência de distopia que nulíparas. A probabilidade de cirurgia para correção de prolapso aumenta cerca de cinco vezes em mulheres com quatro ou mais partos quando comporadas com mulheres com um parto vaginal (CAMARGOS, 2008). O prolaspo genital está também associado a uma fraqueza congênita da aponeurose endopélvica, sendo que as pacientes podem apresentar sinais de fraqueza dos sistemas de apoio aponeurótico em todo o organismo, como hérnias, varizes e problemas hemorroidários (CAMARGOS, 2008). Doenças do tecido conjuntivo aumentam a incidência de distopia genital, que pode alcançar 33% na presença de Síndrome de Marfan e 75% na Síndrome de Ehlers-Danlos (CAMARGOS, 2008). A atrofia genital conseqüente ao hispoestrogenismo da pós-menopausa também é importante fator precipitante do prolaspo genital, o que pode ser atenuado pela reposição estrogênica (CAMARGOS, 2008).

5 5 4 QUADRO CLÍNICO A sintomatologia das pacientes portadoras de prolapso genital varia de acordo com as estruturas lesadas e extensão da lesão. A maioria das pacientes é assintomática. De uma maneira geral, apenas 20% a 30% apresentam alguma queixa. Entre as queixas, a mais freqüente é a sensação de uma bola saindo pela vagina. Em estudo realizado, apenas 2% das pacientes avaliadas pela nova classificação (citadas a seguir) como o estádio 2 tinham queixa importante de bola na vagina, aumentando para 78% nas como estádio 3 (CAMARGOS, 2008). Os outros sintomas geralmente se relacionam com o local e tipo de prolapso: SINTOMAS ASSOCIADOS COM O PROLAPSO GENITAL Sintomas Urinários Incontinência de esforço; Disúria; Polaciúria; Nictúria; Urgência e urgeincontinência; Sensação de esvaziamento incompleto; Retenção urinária; Necessidade de redução manual do prolapso para inciar ou finalizar o esvaziamento vesical; Necessidade de mudanças de posição para iniciar ou finalizar o esvaziamento vesical; Infecção urinária de repetição; Sintomas Intestinais Constipação intestinal; Disquesia (grandes retocelos); Incontinência de flatos, fezes líquidas ou sólidas (lesão do esfíncter externo do ânus); Urgência para defecar; Necessidade de compressão da vagina, períneo ou ânus para completar defecação; Sensação de evacuação incompleta; Prolapso retal durante ou após a defecação;

6 6 Sintomas Sexuais Intolerância ao ato sexual; Coitos infrequentes; Dificuldade de penetração; Dispareunia; Anorgasmia ou falta de sensibilidade genital; Incontinência durante a relação sexual; Flatulência vaginal; Outros sintomas locais Sensação de pressão ou peso na vagina; Dor na vagina ou no períneo; Sensação de protusão pela vagina; Lombalgia, amenizada pelo decúbito; Dor ou pressão abdominal; Sagramento vaginal; Corrimento purulento. (CAMARGOS, 2008)

7 7 5 DIAGNÓSTICO O diagnóstico baseia-se em uma anamnese e exame pélvico adequados, sendo os métodos complementares menos importantes. Uma exceção é a ocorrência de prolapso uterino em nulíparas, quando se pode suspeitar da presença de espinha bífida. Nesse caso é indispensável à solicitação de uma radiografia de coluna lombo-sacra. (CAMARGOS, 2008) O exame pélvico é que vai definir o tipo e a extensão do prolapso. Deve ser realizada inspeção estática e dinâmica em posição ginecológica. Pela simples inspeção dos genitais externos, muitas vezes é possível observar, pela fenda vulvar entreaberta, as paredes vaginais e até mesmo o colo uterino. A inspeção dinâmica consiste em solicitar à paciente que realize uma manobra de Valsalva para promover um aumento da pressão abdominal. Durante a inspeção verifica-se o grau de lesão da parede vaginal anterior, da posterior e se existe prolapso de útero. Pode-se inserir uma das partes do especulo vaginal para contenção da parede vaginal posterior, permitindo melhor avaliação da parede anterior e vice-versa. (CAMARGOS, 2008) Na parede vaginal anterior, observa-se se existe uretrocele, cistocele e a extensão da lesão. (CAMARGOS, 2008) Na parede vaginal posterior, observa-se a lesão perineal, retocele e enterocele. È importante à realização de toque retal para verificar a extensão da retocele e diferenciá-la da enterocele. (CAMARGOS, 2008) Para distinguir entre o defeito central e paravaginal, deve-se elevar os fórnices vaginais laterais (com espátulas de Ayres, por exemplo). Se, ao levantarmos os fórnices laterais houver redução do prolapso, estaremos diante de um defeito paravaginal; permanecendo a procidência da parede vaginal anterior, estaremos diante do defeito central ou de uma combinação de defeitos. (CAMARGOS, 2008) O prolapso uterino pode ser diagnosticado apenas pela inspeção, mas, às vezes é necessário tracionar o colo com a pinça de Pozzi. (CAMARGOS, 2008)

8 8 6 CLASSIFICAÇÃO DAS DISTOPIAS GENITAIS A classificação do prolapso genital apresenta variabilidade muito ampla. Várias classificações usam termos indefinidos, não padronizados, que dificultam a comparação entre estudos do tema e as avaliações longitudinais (CAMARGOS, 2008). A classificação de Baden e Walker modificada é a mais difundida em nosso meio. Nela, termos distintos são utilizados para os diferentes compartimentos, como a seguir: Distopias da parede vaginal anterior Ureta: uretrocel descida nos 3 a 4cm proximais. Bexiga: cistocele herniação da bexiga nos 2/3 posteriores - 1º grau ou leve - 2º grau ou moderada bexiga prolapsada antinge intróito vaginal - 3º grau ou grave bexiga ultrapassa intróito vaginal Cistouretrocele Distopias da parede vaginal posterior Retocele herniação do reto acometendo apenas o 1/3 proximal da vagina ou toda a sua extensão; Enterocele herniação de alças intestinais através do fundo de saco posterior As distopias de parede vaginal posterior podem ser classificadas como leves, moderadas ou graves. Prolapso Uterino (com o colo pinçado e tradicionado durante o exame genital) 1º grau o colo do útero alcança o intróito vaginal, sem ultrapassá-lo; 2º grau apenas o colo ou o colo e uma parte do útero ultrapassa o intróito; 3º grau ou completo todo o útero está exteriozado além do intróito vaginal. Rotura Perineal 1º grau lesão apenas da mucosa vulvo perineal; 2 º grau lesão da mucosa e afastamento dos músculos do assoalho pélvico; 3º grau além das lesões anteriores há lesão do esfíncter externo do ânus; 4º grau lesão de reto. De acordo com essa classificação, o examinador deve identificar o ponto de maior prolapso, com a ajuda da paciente, após esforço (manobra de Valsalva), em ortostalismo ou por tração do ponto máximo de prolapso. O prolapso genital deve ser avaliado através de um

9 9 sistema padrão de referência que relaciona o hímen (ponto fixo) a seis pontos anatômicos: dois na parede vaginal anterior, dois na ápice vaginal e dois na parede vaginal posterior. As posições desses pontos são dadas em centímetros, com números negativos quando estiverem acima do hímen, e positivos quando distais a este. O hímen é definido como ponto zero (CAMARGOS, 2008). Os seis pontos citados são: Ponto Aa localiza-se na linha média da parede vaginal anterior, 3cm proximal ao meato uretral externo, correspondendo à junção uretrovesical. Sua posição varia de -3cm a +3cm. Para sua determinação coloca-se uma régua no ponto 3cm em repouso e observa-se onde ele se localiza quando a paciente faz esforço; Ponto Ba caracterizado como a posição mais distal de qualquer parte da parede vaginal anterior, corresponde ao ápice do prolapso desta parede. Para sua determinação, utiliza-se especulo de Sims para afastar a parede vaginal posterior e pede-se para a paciente fazer esforço, sendo que o ponto que mais se exteriorizou será o ponto Ba; Ponto C corresponde à parte ais distal da cérvix uterina ou da cúpula vaginal póshisterectomia. Para determinação do seu ponto, passa-se especulo de Sims e localiza-se o colo, encosta- se a régua no colo e pede-se para a paciente fazer esforço. Dessa forma, determina-se até onde o colo vai em direção ao hímen; Ponto D reflete a localização do fórnice posterior na mulher que tem colo uterino. Representa a altura em que os ligamentos útero-sacros se ligam à cérvix. É incluído como um ponto de avaliação para diferenciar a fraqueza dos ligamentos útero-sacros e cardinais da hipertrofia cervical. Se o ponto C é bem mais positivo que o ponto D, há hipertrofia de colo. Ao se determinar o fórnice posterior coloca-se a régua e pede-se a paciente para fazer esforço e, com isso, encontra-se o ponto D; Ponto Ap localiza-se na linha média da parede vaginal posterior, 3cm proximal à carúncula himenal. Sua posição varia de -3cm a +3cm; Ponto Bp representa a posição mais distal de qualquer parte da parede vaginal posterior, correspondendo ao ápice do prolapso desta parede (CAMARGOS, 2008). Cirurgia de Donald- Fothergill ou Manchester Indicada nos casos de prolapso uterino sintomático em pacientes que desejam engravidar. Consiste em cistopexia, ligadura a secção dos ligamentos cardinais, amputação plana do colo uterino e fixação dos ligamentos cardinais na porção ístima do útero. Esta técnica está praticamente abandonada (CAMARGOS, 2008).

10 10 Histerectomia Vaginal Cirurgia de escolha em pacientes com prolapso uterino e prole definida. A cirurgia consiste em: cistopexia, ligadura de secção dos ligamentos cardinais, artérias uterinas, ligamentos largos e tubo-ovarianos progressivamente até a retirada do útero, fechamento do peritôneo parietal, aproximação dos ligamentos entre si e na linha média e sua fixação à cúpula vaginal recém-formada. Trata-se de procedimento de baixa morbimortalidade; as complicações mais comuns são hemorragias, infecção do trato urinário, lesão vesical, entre outras (CAMARGOS, 2008). Colpocleise ou Cirurgia de Neugebauer-Le Fort Em pacientes idosas, com risco cirúrgico muito aumentado e sem vida sexual ativa, pode-se realizar a colpocleise que consiste na ressacção de um retalho retangular da mucosa vaginal anterior e posterior e aproximação das superfícies cruentas, promovendo a interiorização gradativa do útero dentro da vagina. Completa-se o procedimento com a cirurgia de Kahr que, por sua vez, consiste em uma episiocleise ou estreitamento do orifício vulvovaginal em que a fúrcula vaginal posterior fica situada no mesmo nível do meato uretral. A técnica tem como ponto negativo, a obliteração da cavidade vaginal, impedindo a vida sexual e visualização do colo uterino (CAMARGOS, 2008). Prolapso da Cúpula Vaginal O prolapso de cúpula vaginal ocorre principalmente após histerectomia; mais comumente após histerectomia vaginal do que abdominal. Pode ocorrer também devido ao hipoestrogenismo ou por excesso de esforços físicos. O prolapso pode ocorrer em pacientes jovens, mas é mais comum após os 60 anos (CAMARGOS, 2008). O tratamento cirúrgico ideal é aquele que preserva a atividade sexual, retornando a cúpula vaginal à sua posição anatômica. O tratamento cirúrgico pode ser via vaginal, abdominal ou laparoscópico. A colpoeleise é uma opção em pacientes selecionadas (CAMARGOS, 2008). A sacropexia infracoceígea ou IVS posterior consiste na colocação de faixa livre de tensão na porção posterior a vagina, para suspensão da cúpula vaginal, criando um novo ligamento útero-sacro. O procedimento é minimamente invasivo, com tempo cirúrgico curto e taxas de sucesso próximas a 90% (CAMARGOS, 2008).

11 11 7 TRATAMENTO Deve-se sempre lembrar que o melhor tratamento começa pela profilaxia do prolapso por hábitos de vida, assistência obstétrica adequada e correção criteriosa do prolapso genital quando em fase inicial. A conduta terapêutica frente às dispostas genitais vai depender da sintomatologia da paciente, da extensão da distopia, da idade, das condições clínicas da paciente e de seu desejo de reprodução futura. TRATAMENTO CONSERVADOR DO PROLAPSO UROGENITAL A maioria das pacientes com prolapso genital são oligossintomáticas ou sintomáticas. As pacientes que não desejam o tratamento cirúrgico ou apresentam alguma contra-indicação ao mesmo, devem ser tratadas conservadoramente. Nas pacientes que não têm prole definida e apresentam o desejo de ter filhos no futuro, o tratamento também deve ser conservador, postergando a cirurgia. O tratamento com pessários vaginais ainda é utilizado como tratamento conservador. Os pessários estão disponíveis em vários tamanhos e formas. A paciente deve ser orientada quanto às possíveis complicações do uso dos pessários, como ulceração da mucosa, incômodo na relação sexual e corrimento. Os pessários podem ser de suporte, que permanecem sob a sínfise púbica e o sacro, elevando a vagina, ou aqueles que ocupam toda a vagina. Nas pacientes em pós-menopausa, com hipoestrogenismo, o uso tópico de creme de estrogênio pode aumentar a tolerabilidade do uso dos pessários e diminuir a taxa de descontinuidade do tratamento. A fisioterapia parece evitar a progressão do prolapso, mas não há evidências de que os exercícios perineais melhorem o prolapso. TRATAMENTO CIRÚRGICO O tratamento de eleição dos prolapsos genitais é cirúrgico e seu objetivo é aliviar os sintomas, restaurar a anatomia e corrigir condições ginecológicas associadas, como incontinência urinária e/ou fecal. Como a maioria dos casos de prolapso é combinado, a cirurgia empregada deverá corrigir mais de um defeito anatômico, tanto das paredes anterior e posterior da vagina quanto do útero. As cirurgias conservadoras são preconizadas nas pacientes que desejam gestação futura. Nas demais pacientes, a cirurgia radical é mais indicada.

12 12 Nos casos de prolapso estádio II, pode-se realizar a colpoperineoplastia, que consiste em aproximação dos músculos elevadores do ânus e plástica vaginoperineal. Nos prolapsos estádio III, emprega-se a cirurgia de Lawson-Tait, que consiste na reparação das paredes do reto e da vagina, na aproximação do esfíncter externo do ânus na linha média e na colpoperineoplastia. Quando há retocele, deve-se corrigi-la com plicatura do septo retovaginal em sutura contínua ou em bolsa.

13 13 8 CONCLUSÃO Prolapso vaginal resulta, na maioria das vezes, dos estiramentos dos ligamentos úterosacrais externos a vagina.

14 14 9- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS -Camargos 2008, Ginecologia Ambulatorial. -Portal da Ginecologia 2011

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos O prolapso de órgão pélvico é uma condição muito comum, principalmente em mulheres maiores de quarenta anos. Estima-se que a metade das mulheres que têm filhos

Leia mais

Caso Clínico: Incontinência Urinária

Caso Clínico: Incontinência Urinária Caso Clínico: Incontinência Urinária e Prolapso Genital Luiz Gustavo Oliveira Brito Médico Assistente Setor de Uroginecologia, Cirurgia Ginecológica e Reconstrutiva Pélvica Departamento de Ginecologia

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

Material de Apoio ao aprendizado

Material de Apoio ao aprendizado Material de Apoio ao aprendizado 1 Anamnese pág. 4 - Identificação da paciente - Queixa e duração - História pregressa da moléstia atual - Interrogatório sobre os diversos aparelhos - Interrogatório ginecológico:

Leia mais

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara CASO CLÍNICO Geysa Câmara C.P.S,sexo feminino, 43 anos, parda, casada, dona de casa, natural de São Paulo,católica. QP: Cólicas fortes o H.D.A: Paciente refere que há 4 anos apresentava ardor miccional,

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Incompetência Cervico - Ístmica

Incompetência Cervico - Ístmica Incompetência Cervico - Ístmica Elsa Landim, Gonçalo Dias, Vanessa Santos Serviço de Obstetrícia Diretora: Dra. Antónia Nazaré Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. 13 de Outubro de 2011 Introdução

Leia mais

Semiologia Ginecológica. Profª. Keyla Ruzi

Semiologia Ginecológica. Profª. Keyla Ruzi Semiologia Ginecológica Profª. Keyla Ruzi Semiologia Ginecológica - Genitália Externa Anatomia Vulva monte de Vênus, grandes e pequenos lábios, clítoris e vestíbulo vaginal (onde se situam meato uretral,

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1. 1.1.1 Pré-operatório 1

1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1. 1.1.1 Pré-operatório 1 1. Considerações iniciais 1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1 1.1.1 Pré-operatório 1 No ambulatório/na internação 1 Esclarecimentos/perguntas de ordem legal 2 Anestesia 3 Exames laboratoriais e de imagem

Leia mais

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA SEXOLOGIA CLÍNICA Rafaela Prado M. Fleury Fisioterapeuta em Urologia, Ginecologia, Obstetrícia e recuperação pós retirada

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa 1 Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa Órgãos Reprodutores Externos (fig.01) - Monte de Vênus (monte pubiano): Constituído

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Infecção do trato urinário

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Infecção do trato urinário CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Ivaldo Silva Incontinência urinária Definição Incontinência é a perda involuntária de urina da bexiga. Uma avaliação mais completa pode determinar a sua causa. A incidência

Leia mais

06/02/2012. Sinais e Sintomas SINAIS E SINTOMAS APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA. Anamnese Sistema Genital Feminino

06/02/2012. Sinais e Sintomas SINAIS E SINTOMAS APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA. Anamnese Sistema Genital Feminino CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNA CURSO: ENFERMAGEM APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA Anamnese Sistema Genital Feminino Idade da menarca Duração do fluxo Periodicidade ou intervalo entre as menstruações.

Leia mais

Abstract Resumo. Defeitos do compartimento vaginal posterior: fisiopatologia e tratamento da retocele

Abstract Resumo. Defeitos do compartimento vaginal posterior: fisiopatologia e tratamento da retocele Defeitos do compartimento vaginal posterior: fisiopatologia e tratamento da retocele Defects of vaginal posterior compartment: pathophysioly and treatment of rectocele at u a l i z a ç ã o Abstract Resumo

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

Uroginecologia e Cirurgia Vaginal

Uroginecologia e Cirurgia Vaginal Uroginecologia e Cirurgia Vaginal Manual de Orientação Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia DIRETORIA Presidente Edmund Chada Baracat Vice-Presidente Região Nordeste Geraldez

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC Campus BOM DESPACHO Endometriose Integrantes: Amanda Gabriela Silva Alves Amanda Xavier Zica Graciete Meire Andrade Docente : Eduardo Nogueira Cortez Isa Raquel

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

Trabalho julgado adequado e aprovado com conceito A em 11/01/2012.

Trabalho julgado adequado e aprovado com conceito A em 11/01/2012. Revista Conceito A Revista dos Trabalhos de Conclusão de Curso RECIFE 2011 LIVIANNE LOPES SILVA CURSO DE FISIOTERAPIA LIVIANNE LOPES SILVA TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DAS DISTOPIAS GENITAIS TRATAMENTO

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem:

14/4/2015. Quando as bactérias entram nos rins ou na bexiga urinária, se multiplicam na urina e causam ITU. As ITU inferiores incluem: UNESC FACULDADES ENFERMAGEM NEFROLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES A infecção do trato urinário (ITU) é a infecção ou colonização do trato urinário (rins, ureteres, bexiga e uretra) por microorganismos. A infecção

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

Curso de Fisioterapia. Bruna Paz Rodrigues ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER IDOSA

Curso de Fisioterapia. Bruna Paz Rodrigues ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER IDOSA Curso de Fisioterapia Bruna Paz Rodrigues ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO NA MULHER IDOSA Rio de Janeiro 2008.01 2 BRUNA PAZ RODRIGUES ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA ICONTINÊNCIA

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade.

Leia mais

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed.

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Capítulo 1 A afirmativa I está incorreta, pois o teste de Schiller é considerado positivo quando não se cora pelo lugol. A afirmativa III está incorreta,

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Infecção urinária ria na mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Epidemiologia Queixa freqüente ente em atendimentos de ginecologia

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

PATOLOGIAS. hemorróidas O que são. Incidência. Factores agravantes. Queixas mais frequentes

PATOLOGIAS. hemorróidas O que são. Incidência. Factores agravantes. Queixas mais frequentes PATOLOGIAS hemorróidas O que são As hemorróidas são formações vasculares anatómicas normais presentes no canal anal desde a infância que contribuem para a continência anal e que podem ser responsáveis

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO ASPECTOS CLÍNICOS E ECOGRÁFICOS Miguel Branco MBB -CHC Definição é clínica: Contractilidade uterina com alteração características do colo ( mais específico se > 6 /h e >

Leia mais

Ambulatório de Infertilidade

Ambulatório de Infertilidade Ambulatório de Infertilidade Característica: Atendimento multidisciplinar. Consulta básica pelo ginecologista e colaboração do andrologista, psicólogo e nutricionista. 1. Critérios para admissão 1.1 Pacientes

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 10, n. 10, p. 01 08 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE CURSO DE FISIOTERAPIA ESTUDO INVESTIGATIVO DE CASOS DE

Leia mais

Deslocamento das vísceras pélvicas no sentido caudal em direção ao hiato genital.

Deslocamento das vísceras pélvicas no sentido caudal em direção ao hiato genital. Prlaps genital (distpias) Deslcament das vísceras pélvicas n sentid caudal em direçã a hiat genital. Sem diferenças entre as raças, idade média de 55 ans (aumentand a incidência cm a idade), 50% das multíparas,

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Tratamento cirúrgico da incontinência urinária de esforço

Tratamento cirúrgico da incontinência urinária de esforço Tratamento cirúrgico da incontinência urinária de esforço Rodrigo A. Castro, Diogo J. Palhares, Marair Gracio Ferreira Sartori, Edmund Chada Baracat, Manoel J. B. C. Girão. UNIFESP - Escola Paulista de

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Incontinência urinaria. Claudia witzel

Incontinência urinaria. Claudia witzel Incontinência urinaria Claudia witzel A Incontinência Urinária (IU) é a queixa de qualquer perda involuntária de urina, caracterizando uma condição que gera grandes transtornos para a vida das pessoas

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Incontinência Urinária

Incontinência Urinária Como funciona o sistema urinário? Para entender como ocorrem as perdas de urina, é importante conhecer o funcionamento básico do sistema urinário: A urina é produzida pelos rins, escoada pelos ureteres,

Leia mais

Líder Mundial em produtos para Incontinência Urinária. www.tena.com.br

Líder Mundial em produtos para Incontinência Urinária. www.tena.com.br Líder Mundial em produtos para Incontinência Urinária www.tena.com.br Guia Completo Sobre a Incontinência Sobre a Incontinência Nas páginas seguintes falaremos de uma maneira prática e ilustrada sobre

Leia mais

DISTOPIA GENITAL. Paulo Arlindo Polcheira Jânio Serafim de Sousa. Cássia Polcheira

DISTOPIA GENITAL. Paulo Arlindo Polcheira Jânio Serafim de Sousa. Cássia Polcheira DISTOPIA GENITAL Paulo Arlindo Polcheira Jânio Serafim de Sousa Cássia Polcheira Paulo Arlindo Polcheira Médico Ginecologista e Obstetra da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Hospital de

Leia mais

Médica Residente em Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de Belo Horizonte Belo Horizonte (MG), Brasil. 6

Médica Residente em Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de Belo Horizonte Belo Horizonte (MG), Brasil. 6 REVISÃO Prolapso genital Genital prolapse Maria Inês de Miranda Lima 1 Claudia Teixeira da Costa Lodi 2 Adriana de Almeida Lucena 3 Mirian Viviane Maciel Barros Guimarães 3 Helena Rabelo Castro Meira 4

Leia mais

HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS

HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS DEFINIÇÕES EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO HÉRNIA eventração eventração eventração evisceração HÉRNIAS Hérnias abdominais Hérnia abdominal interna Hérnias verdadeiras Hérnias falsas

Leia mais

PARTE I QUESTÕES 1 A 5 (RESPOSTAS ESCRITAS)

PARTE I QUESTÕES 1 A 5 (RESPOSTAS ESCRITAS) Instruções Prova teórico-prática de Ginecologia A prova teórico-prática de Ginecologia compõe-se de 5 (cinco) questões respondidas de forma escrita e 2 (duas) questões respondidas de forma oral. Para cada

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

Aparelho Genital Feminino

Aparelho Genital Feminino Aparelho Genital Feminino Função : Produz óvulos; Secreção de hormonas; Nutre e protege o desenvolvimento do feto. Constituição: Ovários; Trompas uterinas; Útero; Vagina; Órgãos genitais externos; Mamas.

Leia mais

O períneo na saúde feminina

O períneo na saúde feminina O períneo na saúde feminina Renata Olah Como vai seu períneo? Conhece ele? Já viu ele? Onde fica? Como é? Conversa sobre ele? Ele está bem? Está mal? Está mais ou menos? É forte? Ou fraco? Doula e Fisioterapeuta

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright BGC- 2009 1 O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é uma protrusão (abertura) na parede abdominal causada

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO!

PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! Dr. Euclides José Martins Amaral PREVINA AS DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL DO SEU FILHO! : A importância da detecção precoce das deformidades da coluna na infância e adolescência, deve-se principalmente

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL Investigação Imagens Anomalias obstrutivas do trato urinário Obstrução da junção ureteropélvica Obstrução

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

DISCIPLINA DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL ANAMNESE E EXAME GINECOLÓGICO

DISCIPLINA DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL ANAMNESE E EXAME GINECOLÓGICO DISCIPLINA DE SAÚDE MATERNO-INFANTIL ANAMNESE E EXAME GINECOLÓGICO ROTINA DO AMBULATÓRIO DE GINECOLOGIA HOSPITAL SÃO LUCAS DA PUC/RS A consulta consta basicamente de entrevista ou anamnese e do exame físico,

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013)

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Van Pinxteren B, Knottnerus BJ, Geerlings SE, Visser HS, Klinkhamer S, Van der Weele GM, Verduijn MM, Opstelten W, Burgers

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL NA CRIANÇA

PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL NA CRIANÇA Hérnia umbilical Hérnia inguinal Hérnia escrotal Hérnia genital Fimose Distopias testiculares o Criptoquirdia o Testículo retido o Testículo retrátil o Testículo ectópico Trauma testicular PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST

Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST Protocolo para diagnóstico e tratamento de DST Pela sua magnitude, transcendência, vulnerabilidade e factibilidade de controle, as Doenças Sexualmente Transmissíveis devem ser priorizadas enquanto agravos

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins ABORTAMENTO Profª Drª Marília da Glória Martins Definições É a interrupção espontânea ou provocada de concepto pesando menos de 500 g [500 g equivalem, aproximadamente, 20-22 sem. completas (140-154 dias)

Leia mais