Título: EMBOLIZAÇÃO ARTERIAL GÁSTRICA COM FINALIDADE ANOXERÍGENA: VALIDAÇÃO DE UM MODELO EXPERIMENTAL BRASILEIRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: EMBOLIZAÇÃO ARTERIAL GÁSTRICA COM FINALIDADE ANOXERÍGENA: VALIDAÇÃO DE UM MODELO EXPERIMENTAL BRASILEIRO."

Transcrição

1

2 Número do Painel: 1 Código: Título: EMBOLIZAÇÃO ARTERIAL GÁSTRICA COM FINALIDADE ANOXERÍGENA: VALIDAÇÃO DE UM MODELO EXPERIMENTAL BRASILEIRO. Temário: Embolização Transcateter Autores: Rafael Dahmer Rocha; Francisco Leonardo Galastri; Breno Boueri Affonso; Priscila Mina Falsarella; Leonardo Guedes Moreira Valle; André Arantes Azevedo; Joaquim Maurício da Motta Leal Filho; Rafael Noronha Calvante; Vanderlei Segatelli; Feipe Nasser; Instituição: HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN Introdução: O estabelecimento de um modelo experimental (ME) in vivo para a embolização arterial gástrica (EAG) é uma etapa pré-clínica importante para o aperfeiçoamento da embolização bariátrica (EB), técnica recentemente proposta para o tratamento da obesidade humana. No Brasil, até a presente data, não há ME para a EAG. Objetivo: Validar um ME brasileiro para a EAG. Materiais e Métodos: Dois suínos, raça Large White, foram submetidas a EAG via acesso arterial femoral. Realizou-se a arteriografia do tronco celíaco (TC) com cateter Cobra-2 5F (J&J). Foram realizadas arteriografias seletivas, via cateter Progreat 2.7 (Terumo), das artérias gástrica esquerda (AGE), gastroepiplóica direita e fúndica (AF). A AGE foi embolizada com partículas Bead-Block µm (Terumo) até a estase do vaso. Procedeu-se com a eutanásia e retirada cirúrgica em bloco desde a junção gastroesofágica (JEG) até o duodeno, incluindo o baço. Os animais receberam cuidados de acordo com as leis nacionais. Análise estatística: frequência. Resultados: A partir da arteriografia do TC observou-se a emergência de uma artéria hepática e uma artéria esplênica (AE). No terço proximal da AE originou-se a artéria AGE, enquanto que no terço distal originou-se a AF. A circulação do fundo gástrico (FG) deu-se preferencialmente pela AF. No estudo histopatológico, a maioria das partículas encontrava-se na região da JEG. Discussão: Identificou-se poucos trabalhos internacionais em modelos animais a despeito da EB. Entre os principais questionamentos destacam-se a necessidade de reconhecimento da anatomia arterial e a escolha de um agente embolizante ideal. O suíno brasileiro apresentou compatibilidade anatômica favorável, entretanto notou-se que a embolização isolada da AGE não foi efetiva em atingir o FG. Desperta-se assim, a ideia de que outras artérias contribuam expressivamente na irrigação fúndica, sobretudo a AF. Conclusão: O modelo suíno brasileiro testado para a EAG foi validado com sucesso.

3 Número do Painel: 2 Código: Título: EMBOLIZAÇÃO COM MOLA E COLA DA ARTÉRIA PULMONAR DIREITA EM AMEAÇA DE SANGRAMENTO. Temário: Embolização Transcateter Autores: Charles Edouard Zurstrassen; Luiz Paulo de Oliveira Gireli; Natalia Faria Delmonte; Aline Cristine Barbosa Santos; João Paulo Matushita Jr; Magnum de Oliveira Matos; Mauricio Kauark Amoedo; Chiang Jeng Tyng; Instituição: A.C. CAMARGO CANCER CENTER Relato de caso de paciente do sexo feminino, 80 anos, DPOC, ICC grave, portadora de carcinoma espinocelular pouco diferenciado de pulmão com tratamento prévio por quimioterapia e radioterapia há 6 anos. Internada por quadro pneumônico que evoluiu com hidropneumotórax e necessidade de drenagem torácica direita. Biópsia pulmonar por broncoscopia confirmou recidiva tumoral. Paciente sem performance para pneumectomia Realizou tomografia de tórax que evidenciou sinais radiológicos de hemorragia inevitável por invasão tumoral e exposição de artéria pulmonar direita localizada em caverna provocada por destruição do parênquima pulmonar adjacente. Foi realizada cintilografia pulmonar que demonstrou déficit perfusional pulmonar à direita e perfusão pulmonar preservada à esquerda. Prova de função pulmonar não realizada pelo risco de ruptura arterial durante o exame. Ecocardiograma pré-operatório: fração de ejeção de 31%. Ventrículo esquerdo apresenta comprometimento importante de seu desempenho sistólico. Ausência de sinais de hipertensão pulmonar. Paciente submetida à embolização de ramo descendente e ascendente da artéria pulmonar direita utilizando molas de destaque controlado e embolizante líquido (cola + lipiodol). Evolui com extubação no primeiro dia pós-operatório e alta da UTI no sexto dia. Apresentou lesão renal aguda por contraste (tratada durante internação). Ecocardiograma pós-operatório não evidenciou sinais de hipertensão pulmonar. Recebeu alta hospitalar 30 dias após procedimento devido comorbidades e tratamento de pneumonia. Encontra-se em acompanhamento ambulatorial 2 meses após embolização.

4 Número do Painel: 3 Código: Título: EMBOLIZAÇÃO DE PSEUDOANEURISMA DE ARTERIA HEPATICA EM ENXERTO DE TRANSPLANTE MULTIVICERAL: RELATO DE CASO Temário: Embolização Transcateter Autores: Susyanne de Lavor Cosme; Macello José Sampaio Maciel; Moises Amâncio de Souza; Aline Cristine Barbosa Santos Calvacante; Airton Mota Moreira; Bruna Ferreira Pilan; Rafael Noronha Cavalcante; Guilherme Rebello Soares; Evelyn Boliani de Andrade; Francisco Cesar Carnevale; Instituição: INRAD-HC-USP O transplante multivisceral representa uma crescente opção de tratamento para pacientes com trombose difusa do sistema mesentérico portal. Dado o seu desenvolvimento, torna-se importante ao radiologista intervencionista o seu conhecimento anatômico e de suas possíveis complicações. Relatar a embolização de pseudoaneurisma arterial hepático em paciente submetido a transplante multivisceral. Paciente masculino, 46 anos, com diagnóstico de cirrose hepática alcoólica(meld:11) e trombose portal mesentérica complicado com ascite refratária e hemorragia digestiva alta de repetição. Foi submetido a transplante multiviceral incluindo: fígado, baço, estômago, pâncreas, intestino delgado e cólon com conduto aórtico. No 11 pósoperatório, evoluiu com leucocitose, coleção gástrica e pancreatite leve diagnosticadas por tomografia computadorizada. Realizada laparotomia exploradora com rafia de úlcera gástrica e biópsia hepática. No 12 PO apresentou choque hivolêmico e foi submetido a arteriografia diagnóstica seguida de embolização de pseudoaneurisma de ramo da artéria hepática com mola Vortex 3x3,3 mm, sendo estabilizados os parâmetros hemodinâmicos. O transplante multivisceral tem sido proposto como alternativa para insuficiência intestinal e em casos de tromboses complexas do sistema mesentérico portal com ou sem disfunção hepática. A reconstrução arterial dos órgãos em bloco normalmente requer um conduto aórtico único do doador com segmento de aorta torácica. Durante a reconstrução vascular, o conduto arterial é implantado diretamente ou através de outro canal arterial ao tronco supracelíaco / aorta infrarenal. Estes pacientes apresentam risco de degeneração aneurismática das anastomoses, principalmente com quadro de infecção abdominal. Também podem sofrer lesões traumáticas e iatrogênicas. Nesse cenário, o radiologia intervencionista com as modernas técnicas endovasculares poderá oferecer um tratamento minimamente invasivo e resolutivo.

5 Número do Painel: 4 Código: Título: EMBOLIZAÇÃO PERCUTÂNEA DE RAMO PORTAL APÓS PASSAGEM DE PERMCATH TRANS- HEPÁTICO. Temário: Embolização Transcateter Autores: Moises Amancio de Souza; Osvaldo Ignácio Pereira; Joaquim Maurício da Motta Leal Filho; Susyanne de Lavor Cosme; Macello José Sampaio Maciel; Evelyn Boliani de Andrade; Guilherme Rebello Soares; Enio Ziemiecki Junior; Francisco Cesar Carnevale; Instituição: INTITUTO DE RADIOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DA USP Relato de caso Acesso venoso trans-hepático percutâneo para hemodiálise é uma opção para pacientes,em regime de hemodiálise, que já exauriram acessos venosos tradicionais. Paciente feminino,46 anos de idade, portadora de IRC dialítica,com falência de acessos para hemodiálise, foi submetida a colocação de permicath trans-hepático direito, em sala de hemodinâmica. Evoluiu com dor abdominal de forte intensidade, ultrassom abdominal evidenciou presença de liquido livre na cavidade. Paciente levada de volta a sala de hemodinâmica sendo submetida a p portografia indireta que evidenciou sangramento portal ativo.optou-se pela punção direta da veia porta e embolização de ramo sangrante de veia porta direita com micropartículas e obtevese o controle do sangramento. O implante de cateter de longa permanência trans- hepático percutâneo vem sendo descrito como uma via de acesso de exceção para a realização de hemodiálise em pacientes que não dispõe mais de outros acessos convencionais. O radiologista intervencionista que se dispõe a realizar esse tipo de acesso precisa estar familiarizado com a técnica e apto para corrigir as eventuais complicações inerentes ao procedimento

6 Número do Painel: 5 Código: Título: EMBOLIZAÇÃO PERCUTÂNEA NO TRATAMENTO DO TRAUMA Temário: Embolização Transcateter Autores: Evelyn Boliani de Andrade; Macello José Sampaio Maciel; Susyanne de Lavor Cosme; Moisés Amâncio de Souza; Guilherme Rebello Soares; Osvaldo Ignácio Pereira; Airton Mota Moreira; Francisco Cesar Carnevale; Instituição: HCFMUSP A radiologia intervencionista possui uma variedade de técnicas para controle da hemorragia pós-trauma, tanto como tratamento adjuvante ao cirúrgico quanto como terapêutica exclusiva. Lesões vasculares traumáticas podem ser decorrentes de trauma contuso, perfurante ou iatrogênico. Dentre as lesões abdominais contusas, o baço é o órgão mais comumente associado à lesão vascular. Relatamos a casuística de um serviço terciário no período de setembro de 2013 a abril de 2015, com o objetivo de avaliar a segurança e a eficiência do tratamento endovascular da hemorragia pós-trauma. O total de 42 procedimentos de embolização para tratamento de lesões traumáticas foram realizados, a maioria acometendo o gênero feminino (n=23 / 54,76%). Destes, 29 (69,05%) foram lesões iatrogênicas (LI) e 13 (30,95%) lesões não iatrogênicas (LNI). Nas LNI, o gênero masculino foi mais acometido (n=9 / 69,23%), enquanto nas LI o feminino foi predominante (n= 17 / 40,47%). O fígado foi o órgão mais frequentemente envolvido, correspondendo a 40,47 % do total dos traumas (n=17), sendo a maioria causada por lesão iatrogênica (n=15 / 88,23%). As lesões vasculares torácicas, pélvicas ou de membros inferiores corresponderam a 45,23% dos casos. Em 38 casos (90,47%), os agentes embolizantes utilizados foram molas e/ou partículas. Nos demais casos (n=4 / 9,52%), foram utilizados cola biológica ou material sintético absorvível (Gelfoam). A taxa de sucesso técnico foi de 100% (n=42), com necessidade de apenas uma abordagem em cada um dos casos. Complicações decorrentes dos procedimentos não foram observadas. Conclui-se que a técnica endovascular é atualmente uma escolha a ser considerada no tratamento de pacientes vítimas de trauma, especialmente os hemodinamicamente estáveis, devido a sua segurança e a elevada taxa de sucesso técnico associada à reduzida morbidade.

7 Número do Painel: 6 Código: Título: EMBOLIZAÇÃO TRANSHEPÁTICA DE ANEURISMAS PULMONARES EM PACIENTE COM DOENÇA DE BEHÇET Temário: Embolização Transcateter Autores: Guilherme Seizem Nakiri; Lucas Moretti Monsignore; Flavio Meirelles de Siqueira; Luis Henrique de Castro Afonso; Pedro Pompilio Vilas Boas; Daniel Giansante Abud; Instituição: Hospital das Clínicas - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Introdução:A doença de Behçet (DB) é um distúrbio inflamatório crônico de etiologia desconhecida, que apresenta dentre suas características patológicas, vasculite de pequenos ou grandes vasos, levando à oclusão vascular ou à formação de aneurisma. Os aneurismas associados à doença de Behçet tendem a ser múltiplos, e a presença de aneurisma da artéria pulmonar (AAP) é relativamente comum, com incidência de 1% - 10 % dos pacientes. Objetivo: Descrever a técnica de acesso transhepático como alternativa para o tratamento endovascular do AAP em paciente sem vias de acesso venoso por abordagem femoral ou cervical. Relato de Caso: Paciente masculino, 28 anos, com diagnóstico de DB e AAP bilateral, apresentando hemoptise maciça em vigência de terapia anticoagulante para trombose ilíaca bilateral. Angiotomografia de tórax evidenciou hemorragia alveolar ao redor do AAP direita, além de estenose da veia cava superior e da veia cava inferior infrahepática. Foi realizada punção de veia hepática, por via percutânea pelo método de Seldinger, guiada por ultrassom. Após posicionamento do introdutor intrahepático, a embolização dos AAP foi conduzida de forma habitual. Paciente evoluiu sem recorrência da hemoptise. Discussão: A ruptura do AAP pode desencadear quadro de hemoptise maciça, com altas taxas de morbi-mortalidade. Embora o uso de corticóides sistêmicos combinados com imunossupressores tem sido a base do tratamento dos aneurismas na DB, tratamentos intervencionistas são necessários nos casos de hemoptise importante. No entanto, dentre as características da DB também existe a predisposição à formação de trombose venosa, o que pode inviabilizar o acesso endovascular convencional à abordagem terapêutica dos AAP. Apresentamos um relato de caso descrevendo uma via de acesso endovascular não convencional, possibilitando um tratamento alternativo à cirurgia aberta.

8 Número do Painel: 7 Código: Título: ESTRATÉGIA PARA EMBOLIZAÇÃO DA MAV LINGUAL Temário: Embolização Transcateter Autores: Natália Faria Delmonte; Francisco Ramos Junior; jose luiz orlando; mauricio kauark amoedo; Luiz Paulo de Oliveira Gireli; Charles Edouard Zurstrassen; Instituição: AC CAMARGO As malformações arteriovenosas de língua são extremamente raras e apresentam grande impacto funcional podendo ao longo de sua evolução ocorrer ulcerações associadas a sangramento de difícil controle. O tratamento, quando indicado, oferece grande dificuldade técnica para cirurgia convencional e risco de mutilação. O objetivo deste trabalho é apresentar nossa experiência com 4 casos tratados por embolização, descrever os materiais utilizados e a estratégia de abordagem. Foi utilizada a técnica de embolização transarterial com agentes embolizantes líquidos em todos os casos. Houve associação com micropartículas e complementação com acesso percutâneo. Concluimos que o tratamento da mav lingual é complexo e carece de consenso na literatura. O desfecho dos casos sintomáticos não tratados é potencialmente grave e até mesmo fatal. A embolização destas lesões representa uma terapêutica eficaz e segura quando bem compreendida e devidamente aplicada.

9 Número do Painel: 8 Código: Título: ESTUDO DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DA HEPASPHERE ΜICRAS COMO AGENTE EMBOLIZANTE NO TRATAMENTO DO CARCINOMA HEPATOCELULAR. Temário: Embolização Transcateter Autores: Charles Edouard Zurstrassen; Luiz Paulo de Oliveira Gireli; Natalia Faria Delmonte; Aline Cristine Barbosa Santos,; João Paulo Matushita Jr,; Magnum de Oliveira Matos,; Mauricio Kauark Amoedo; Chiang Jeng Tyng; Instituição: A.C. CAMARGO CANCER CENTER Objetivo: Avaliar os efeitos de HepaSphere (Merit Medical, Estados Unidos) como agente embolizante carreador de doxorrubicina no tratamento do carcinoma hepatocelular (HCC). Métodos: Foi realizada uma análise prospectiva englobando 18 pacientes de um centro nacional de tratamento de câncer. A análise avaliou a eficácia e a segurança da HepaSphere de acordo com a taxa de resposta ao tratamento, medido por meio do critério modificado de avaliação de resposta em tumores sólidos (mrecist), e da prevalência de eventos adversos relacionados ao tratamento. Resultados: O coorte apresentou uma população predominantemente masculina, com idade média de 69 anos. Em relação à eficácia, a taxa de resposta objetiva (Resposta completa + Resposta parcial) foi de 53,3%. A variável que apresentou maior probabilidade de associação à taxa de resposta objetiva foi o critério de estadiamento BCLC. Os eventos adversos mais prevalentes foram náusea, vômito e dor abdominal. Conclusão: A avaliação da eficácia e segurança de HepaSphere como agente embolizante apresentou resultados positivos quando utilizado no tratamento de pacientes acometidos por HCC.

10 Número do Painel: 9 Código: Título: FÍSTULA ARTERIOVENOSA HEPATOPORTAL POR PROJÉTIL DE ARMA DE FOGO Temário: Embolização Transcateter Autores: Márcio Fernando Costa Medeiros; Ângelo Mário de Sá Bomfim Filho; Marcos Roberto Correia Silva; Dominique Rodas Costa; Daniel Florêncio Ferro; Instituição: HOSPITAL DO AÇÚCAR OBJETIVO: Relatar o tratamento e evolução clínica de um paciente com fístula hepatoportal por projétil de arma de fogo. RELATO DE CASO: Paciente, sexo masculino, 42 anos, com passado de ferimento abdominal por arma de fogo. Evoluiu com quadro de hipertensão portal, com hemorragia digestiva, sendo submetido a ligadura elástica de varizes esofágicas. Angiografia mesentérica verificou presença de fístula arteriovenosa entre ramo anterior da artéria hepática direita e veia porta, com volumoso pseudoaneurisma. Indicou-se a embolização do pseudoaneurisma e do ramo arterial principal da fístula com molas de liberação controlada. Devido à persistência do enchimento do pseudoaneurisma por ramos da artéria gastroduodenal, esta foi embolizada com partículas de PVA. Paciente evoluiu com novo episódio hemorrágico, sendo submetido a nova embolização. Percebeu-se enchimento tardio do pseudoaneurisma pela da arcada pancreatoduodenal e de ramos da artéria supraduodenal, com drenagem venosa para veia porta. Foi feita a embolização da artéria supraduodenal, com molas em sua porção distal, e de ramos nutridores da fístula com N-butil cianoacrilato. Verificou-se a exclusão do pseudoaneurisma e oclusão da artéria supraduodenal. Paciente evoluiu sem recidiva de sangramentos. DISCUSSÃO: Fístulas arteriovenosas intra-hepáticas são congênitas ou adquiridas, associadas a cirrose, hepatocarcinoma e trauma. São descritos cinco tipos de fístulas: hepato-portal, mais comum; hepato-hepática (entre artéria e veia hepáticas); porto-cava; entre ramos portais; e entre veias hepáticas. Quando a taxa de shunt é maior que 60%, o tratamento é mandatório pelo ao alto risco de complicações. Apesar da necessidade de mais de uma sessão em até 25% dos casos, a embolização tornou-se o tratamento de escolha por diminuir riscos de complicações da hipertensão portal, garantindo um controle hemostático intraoperatório e menor morbidade.

11 Número do Painel: 10 Código: Título: OCLUSÃO TEMPORÁRIA E EMBOLIZAÇÃO PROFILÁTICA DAS ARTÉRIAS ILÍACAS INTERNAS EM GESTANTES COM ACRETISMO PLACENTÁRIO SUBMETIDOS A PARTO CESÁREA E HISTERECTOMIA PUERPERAL Temário: Embolização Transcateter Autores: Lucas Moretti Monsignore; Salomão Faroj Chodraui Filho; Rafael Kiyuze de Freitas; Rafael Kioshi Yano; Geraldo Duarte; Daniel Giansante Abud; Instituição: Hospital das Clínicas - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Objetivo: Avaliar a segurança e eficácia da oclusão temporária e embolização profilática das ilíacas internas em gestantes com acretismo placentário (AP) submetidos a parto cesárea (PC) e histerectomia puerperal (HP). Materiais e Métodos: Vinte e três gestantes consecutivas (média de idade de 34 anos, variando de 28 a 43 anos) com AP foram submetidas a PC seguida de oclusão temporária e embolização profilática das ilíacas internas com micropartículas de PVA e fragmentos de gelatina hemostática, e HP de 2012 a Resultados: Sucesso técnico obtido em todos os casos. A perda média sanguínea estimada foi de 1150 ml (variando de 100 a 3015 ml). Em quatro pacientes houve a necessidade de transfusão de concentrados de hemácias (CH) no intra-operatório, com média de 4 CH (variando de 2 a 8 concentrados de hemácias). Os níveis pré-operatórios de hemoglobina médios foram de 11,14 g/dl (variando de 8,0 a 14,4 g/dl) e os níveis pós-operatórios de hemoglobina foram de 9,34 g/dl (variando de 7,5 a 13,4 g/dl). Entre as pacientes que não necessitaram transfusão estes valores foram de 11,41 g/dl e 9,59 g/dl, respectivamente. A avaliação anatomopatológica classificou 11 pacientes como apresentando placenta increta e 12 como apresentando placenta percreta. Não foram relatados óbitos maternos. Entre os recém-nascidos, três apresentavam malformações, uma delas incompatível com a vida, sendo o único óbito fetal apresentado no estudo. Discussão: O AP é patologia obstétrica potencialmente grave com risco à vida materna. É associada a grandes perdas sanguíneas, estimadas em alguns estudos em 2600 a 3800 ml, com taxas de transfusões ao redor de 55%, com uso de uma média de 7,9 CH. Conclusão: Os resultados sugerem que o PC acompanhado de oclusão temporárias das ilíacas internas seguida de embolização e HP seja eficaz e seguro na redução de perdas sanguíneas e da necessidade de transfusão.

12 Número do Painel: 11 Código: Título: PERISTOMAL VARICEAL BLEEDING TREATED BY COIL EMBOLIZATION USING PERCUTANEOUS TRANSHEPATIC APPROACH Temário: Embolização Transcateter Autores: Macello José Sampaio Maciel; Osvaldo Ignácio Pereira; Joaquim Maurício da Motta Leal Filho; Moisés Amâncio de Souza; Susyanne de Lavor Cosme; Evelyn Boliani de Andrade; Guilherme Rebello Soares; Enio Ziemiecki Junior; Francisco Cesar Carnevale; Instituição: HCFMUSP Peristomal variceal bleeding in patients with portal hypertension is a well-described entity but has rarely been reported. Risk of death from an episode of bleeding is estimated to be 3 to 4%. A 68-year-old woman, who had undergone palliative colostomy due to colorectal carcinoma, presented with massive hemorrhage from the colostomy conduit. Considering her oncological status with medial and right hepatic veins thrombosis by liver metastasis invasion, an emergency transhepatic coil embolization was successfully performed. Standard treatment modality for these cases has not been established. TIPS has demonstrated effectiveness because it treats the underlying pathological process. However, percutaneous transhepatic coil embolization of varices is a safe and effective choice in patients who present with life threatening bleeding and have contraindication for TIPS.

13 Número do Painel: 12 Código: Título: TÉCNICAS DE EMBOLIZAÇÃO DE PSEUDOANEURISMAS: SÉRIE DE CASOS Temário: Embolização Transcateter Autores: Guilherme de Araujo Gomes; Ricardo de Souza Divino; Guilherme Centofante; Marcelo Giuste; Guilherme de Souza Mourao; Roberto Schultz; mariana estacia ambros; Ricardo Lubokenski; Gabriela Estacia Ambros; Daniel Vaconcellos Fonseca; Instituição: HOSPITAL SAO VICENTE DE PAULA O pseudoaneurisma decorre de trauma à parede de um vaso, determinando exposição luminal, com sangramento contido por um hematoma. Tem como causas principais os traumas penetrantes e acidentes de punções. Com o avanço das técnicas endovasculares, esta complicação tem se tornado mais frequente, sendo observada em até 2% de procedimentos diagnósticos e em até 5 % de procedimentos terapêuticos. O tratamento minimamente invasivo do pseudoaneurisma é técnica de domínio do Radiologista Intervencionista e elimina a necessidade de cirurgia aberta para rafia primária da lesão vascular. A localização, tempo de surgimento e dimensões do colo, são dados de fundamental importância para a seleção da melhor técnica de embolização a ser adotada. Pseudoaneurismas recentes, superficiais e com colo favorável podem eventualmente ser ocluídos pela compressão externa guiado por ultrassonografia. Os demais casos exigem técnicas percutâneas ou endovasculares. No presente estudo apresentamos e discutimos as diferentes abordagens terapêuticas no tratamento de três casos de pseudoaneurismas em diferentes locais e com diferentes agentes causais (retroperitôneo - pós cirúrgico - emboização com cianocrilato; mão - pós lesão por arma branca - embolização com molas; braço - pós anngioplastia - oclusão com cola de fibrina).

14 Número do Painel: 13 Código: Título: TRATAMENTO DA ADENOMIOSE SINTOMÁTICA COM EMBOLIZAÇÃO DAS ARTÉRIAS UTERINAS Temário: Embolização Transcateter Autores: Shanna Kiyoshi Sugai; Joao Eduardo da Rocha França; Henrique Elkis; Instituição: HOSPITAL PAULISTANO Adenomiose é definida pela presença de glândulas e estroma endometriais dentro do miométrio, em geral abaixo da zona juncional. Afeta principalmente a parede uterina posterior de forma difusa ou focal. A frequência relatada na literatura varia amplamente, de 8,8% para 31%. Os pacientes freqüentemente apresentam com sintomas inespecíficos de metrorragia, menorragia, dismenorreia, além de aumento do volume uterino. A embolização das artérias uterinas é um tratamento alternativo à histerectomia. Descreveremos caso de embolização das artérias uterinas para tratamento de adenomiose sintomática. Paciente, 34 anos, branca, nuligesta, ciclos menstruais irregulares, sem comorbidades, com dismenorreia e metrorragia há 1 ano, e exames de ultrassonografia transvaginal e ressonância magnética evidenciando aumento das dimensões uterinas e alterações sugestivas de adenomiose. Foi tratada com embolização das artérias uterinas e acompanhada há quase 1 ano, apresentando-se assintomática, com redução de 80% do volume uterino. Referências apontam resultados positivos a curto prazo para adenomiose sintomática. Apesar de uma recorrência que varia de 15 a 40%, segundo a literatura, a embolização das artérias uterinas mostra-se como excelente alternativa a histerectomia. Acreditamos que a embolização das artérias uterinas é um tratamento alternativo eficaz para a adenomiose sintomática, determinando uma importante redução dos sintomas após o procedimento e com uma taxa de sucesso razoável a longo prazo, além de preservar o útero em pacientes nuligestas. Apesar da possibilidade de falha do tratamento com retorno sintomático em graus variados a longo prazo, apresenta também vantagens como a baixa taxa de complicação, curto período de internação e rápido tempo de recuperação. Diante disto, as pacientes devem ser orientadas antes do procedimento sobre a possibilidade de retorno dos sintomas em graus variados e a necessidade de histerectomia posterior como tratamento definitivo.

15 Número do Painel: 14 Código: Título: TRATAMENTO DE FÍSTULA ARTERIOVENOSA PULMONAR SINTOMÁTICA EM JOVEM. Temário: Embolização Transcateter Autores: João Eduardo da Rocha França; Shanna Kiyoshi Sugai; Henrique Elkis; Instituição: HOSPITAL PAULISTANO OBJETIVO: Relatar um caso de tratamento endovascular de embolização de fístula arteriovenosa pulmonar e relacioná-lo com as perspectivas atuais de tratamento. RELATO DE CASO: Paciente do sexo feminino, 14 anos que apresentava histórico de adinamia, cansaço aos médios esforços, cianose em extremidades intermitente e presença de alteração hematológica como policitemia. Prosseguindo a investigação, foi realizada arteriografia pulmonar onde verificou-se a presença de quatro fístulas arteriovenosas pulmonares, sendo duas em lobo inferior à esquerda e outras duas em segmento basal à direita. Observou-se à angiotomografia de tórax enovelados vasculares, sendo um em hemitórax direito e dois em hemitórax esquerdo sugestivos de MAVs. Sendo assim, a paciente foi tratada através de embolização utilizando molas e balões destacáveis. Foram necessárias 5 sessões para o tratamento das lesões, onde posteriormente, em exames de controle, observou-se a persistência de pequenas dilatações aneurismáticas saculares em base pulmonar direita, não havendo mais sinais de recanalização. Após três anos de seguimento a paciente não apresentava mais as queixas anteriores. DISCUSSÃO: A literatura atual traz trabalhos evidenciando taxas de reperfusão das embolizações de fístulas arteriovenosas pulmonares de até 49% em 24 meses de seguimento. Em uma revisão realizada por Van Driel ML et al (2015), quando o tratamento de embolização de fístula arteriovenosa pulmonar foi comparado à ressecção cirúrgica, não foi encontrada evidência de estudos controlados e randomizados em relação esse tema, porém quando encontrados dados de ensaios observacionais os mesmos sugerem que a embolização reduz a morbidade. CONCLUSÃO: Conclui-se que apesar das várias sessões de tratamento a melhora clínica dos sintomas foi sensível melhorando a qualidade de vida da paciente e diminuindo sua morbidade.

16 Número do Painel: 15 Código: Título: ABLAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA (RFA) PÓS RECIDIVA CIRÚRGICA DE CEC DO CANAL ANAL: UMA ALTERNATIVA SEGURA E EFICAZ. Temário: Intervenções em Oncologia Autores: Daniel Simões de Oliveira; Lucas Fiore; Mauricio Ruettimann Liberato de Moura; Guilherme lopes Pinheiro Martins; Renato Norberto Zangiacomo; Publio César Cavalcante Viana; Giovanni Guido Cerri; Marcos Roberto de Menezes; Instituição: INSTITUTO DO CORAÇÃO (INCOR) OBJETIVO: Demonstrar a utilização da RFA como opção factível e segura para o tratamento de tumores do canal anal recidivados após radioterapia e ou cirurgia. RELATO DO CASO: Mulher, 52 anos. Diagnosticado CEC do canal anal em 2011 ( T4N3M0 ). Submetida à radioterapia, com excelente resposta clínica inicial. Após 01 ano de seguimento clínico e imaginológico por Ressonância Magnética (RM): sinais de recidiva local confirmada por biópsia guiada por TC. Realizado resgate cirúrgico (amputação abdomino-perineal), complicado por deiscência e infecção de ferida operatória, implicando em 45 dias de internação hospitalar. Novo follow-up de 01 ano (2014), nova lesão suspeita por RM, comprovada por biópsia. Radiocirurgia impossibilitada por obesidade mórbida. Realizada RFA guiada por TC (2015), sem intercorrências, com alta hospitalar em 3 dias. Controles por RM com 1 e 4 semanas evidenciando zona de ablação satisfatória, sem lesão residual. DISCUSSÃO: O CEC de canal anal raramente produz metástase à distância, sendo a propagação linfática para gânglios regionais a forma mais frequente de disseminação da doença. Neste contexto, a radioterapia (associada ou não à quimioterapia)constitui-se a primeira opção terapêutica,. Em casos de não resposta, têmse como opção a ressecção cirúrgica. Em consenso multidisciplinar, após recidiva da doença, optou-se por realização da RFA. Trabalhos na literatura apresentam resultados satisfatórios de controle tumoral local, com baixos índices de complicações, sobretudo quando comparados aos de procedimentos mais invasivos e agressivos. O procedimento proposto foi realizado com sucesso oncológico, sem complicações. Concluímos que a RFA pode ser aplicada em casos selecionados de CEC do canal anal, como uma alternativa eficaz, segura e de baixa morbidade. Se fazem necessários estudos comparativos avaliando terapêuticas convencionais x RFA para melhor embasamento técnico-científico e possível ampliação da utilização da RFA no cenário descrito.

17 Número do Painel: 16 Código: Título: ABLAÇÃO PULMONAR POR RÁDIO FREQUÊNCIA COM AGULHA IRRIGADA: O QUE ESPERAR APÓS O TRATAMENTO? Temário: Intervenções em Oncologia Autores: Lucas Rostom; Denis Szejnfeld; Vinicius Adami Vayego Fornazari; Hugo Alexandre Sócrates de Castro; Harley De Nicola; Janaina Johsson; Marlon Augusto Schiocchet Monarim; Sergio Ajzen; Instituição: UNIFESP Relato de um caso no qual foi utilizada agulha irrigada de radiofrequência para ablação de nódulo pulmonar, apresentando a técnica e os aspectos de imagem posteriores ao procedimento. Um paciente do sexo masculino foi encaminhado ao setor de radiologia intervencionista, para avaliação e conduta, com passado de Sarcoma alveolar de coxa esquerda, tratado com amputação do membro. Alguns anos após evoluiu com múltiplos nódulos pulmonares bilaterais (cerca de 110 nódulos), foi tratado com diversas nodulectomias (4 cirurgias distintas). Em julho de 2014, caracterizaram-se novos nódulos pulmonares, sendo tratado com novas nodulectomias em outros tempos cirúrgicos distintos. Levando-se em conta a dificuldade técnica e risco cirúrgico, uma equipe multidisciplinar optou por realizar ablação de um nódulo à direita. Atualmente, a ablação de nódulo pulmonar é indicada em pacientes com tumores primários ou secundários (em particular, a partir de câncer colorretal) que são considerados inoperáveis, seja por condições médicas ou por localização do tumor. Concluímos que o método é eficaz e quando executado por profissional treinado e habilitado, expõe o paciente a baixos índices de complicação. Embora não existam ainda protocolos consolidados para o follow-up pós procedimento; a ablação de nódulos pulmonares está bem estabelecida como método de escolha para pacientes selecionados em muitas instituições, proporcionando altas taxas de controle local do tumor. Porém é necessário que toda a equipe envolvida no caso esteja apta à acompanhar a evolução clínica e em especial dos aspectos de imagem, a fim de evitar aumentar a ansiedade do paciente e de todos os profissionais envolvidos.

18 Número do Painel: 17 Código: Título: ACESSO MEDIASTINAL PERCUTÂNEO POR VIA POSTERIOR PARAVERTEBRAL COM TÉCNICA DE HIDROSSECÇÃO Temário: Intervenções em Oncologia Autores: Henrique Serrão; Igor Faria; Roberto Souza; Danilo Rocha; Tiago Nepomuceno; Hugo Gouveia; Henrique Salas; José Hugo Luz; Instituição: INCA Introdução A punção mediastinal percutânea permite acesso a praticamente todos os compartimentos mediastinais proporcionando diagnóstico e tratamento precoce. A utilização da técnica de hidrossecção no acesso posterior paravertebral é útil, pois desloca a pleura parietal facilitando o acesso extrapleural. Objetivos O objetivo deste estudo é de apresentar e ilustrar através de uma série de três casos, utilizando o acesso mediastinal percutâneo posterior paravertebral, com auxílio da técnica de hidrossecção. Material e método Foram selecionados três casos de uma instituição pública oncológica, sendo uma biópsia de linfonodomegalia subcarinal, uma biópsia de massa torácica e uma drenagem percutânea de coleção esofageana. Tais procedimentos foram guiados por tomografia computadorizada (TC) com multidetectores, utilizando-se o acesso paravetrebral e técnica de hidrodissecção do espaço paravertebral extrapleural, com soro fisiológico. Esta série de casos visa demonstrar as relações anatômicas e considerações técnicas, bem como limitações envolvidas nesta abordagem pela radiologia intervencionista. Foi ainda realizada criteriosa revisão bibliográfica dos estudos mais relevantes sobre o tema. Discussão O acesso percutâneo do mediastino guiado por imagem é um método eficaz e seguro. Entretanto, o acesso mediastinal direto por via percutânea, pode se tornar um desafio devido à grande quantidade de estruturas nobres que podem se interpor no trajeto. A abordagem através do acesso paravertebral com hidrossecção, guiada por TC, permite a localização e acesso preciso das lesões do mediastino posterior, já que facilita o acesso pelo espaço extrapleural, reduzindo de forma significativa o risco de pneumotórax. Além disso, este método é uma alternativa excelente em relação aos métodos cirúrgicos, já que possui menor índice de morbidade. Conclusão A técnica de hidrodissecção é uma ferramenta útil, eficaz e de baixa morbidade para o acesso mediastinal posterior guiado por TC

19 Número do Painel: 18 Código: Título: ADIÇÃO DE N-BUTIL CIANOACRILATO À QUIMIOEMBOLIZAÇÃO TRANSARTERIAL CLÁSSICA PODE MELHORAR A RESPOSTA RADIOLÓGICA EM PACIENTES COM CARCINOMA HEPATOCELULAR Temário: Intervenções em Oncologia Autores: Lucas Moretti Monsignore; Jorge Elias-Junior; Valdair Francisco Muglia; Andreza Correa Teixeira; Enio David Mente; Ana de Lourdes Candolo Martinelli; Daniel Giansante Abud; Instituição: Hospital das Clínicas - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Objetivo: Avaliar a resposta radiológica e a evolução clínica em pacientes com carcinoma hepatocelular (HCC) submetidos a quimioembolização transarterial (TACE) modificada pela adição de n-butil cianoacrilato (NBCA-TACE) em comparação àqueles submetidos a TACE convencional (ctace). Materiais e Métodos: Avaliação retrospectiva identificou 80 pacientes com HCC submetidos a ctace ou NBCA-TACE entre 2006 e 2011 em nossa instituição. Destes, 47 foram submetidos a NBCA-TACE e 33 a ctace. A resposta radiológica foi avaliada através do RECIST modificado. Taxas de resposta completa sustentada (SCR), tempo para progressão (TTP) e sobrevida global (OS) também foram avaliadas. Resultados: Resposta completa no primeiro exame de imagem controle foram maiores no grupo NBCA-TACE em relação ao ctace (61,7% e 24,3%; P < 0.001). SCR foi maior no grupo NBCA-TACE comparado ao ctace (mediana de 236 e 37 dias; P < 0,001). TTP foi maior no grupo NBCA-TACE comparado ao ctace (mediana de 424 e 201 dias; P = 0,042). Não houve diferença entre OS dos grupos NBCA-TACE e ctace (mediana de 483 e 399 dias; P = 0,316) Discussão: Não há dados claros na literatura que defendam a TACE frente à embolização transarterial, bem como dados que justifiquem o uso de um quimioterápico na TACE frente ao uso de outros quimioterápicos, o que pode sugerir uma predominância da isquemia sobre a ação quimioterápica. As melhores respostas tumorais locais da NBCA-TACE observadas neste estudo em relação ao grupo controle e a estudos da literatura sugerem uma preponderância do efeito isquêmico sobre o quimioterápico. Estudos prospectivos controlados são necessários para confirmar tais achados. Conclusão: NBCA-TACE foi superior à ctace na resposta radiológica avaliada pelo mrecist no primeiro exame de imagem controle. Apesar do SCR e do TTP terem sido maiores no grupo NBCA-TACE, não foi observada diferença na OS.

20 Número do Painel: 19 Código: Título: ANÁLISE DA EFICÁCIA E DO CUSTO DA EMBOLIZAÇÃO PORTAL EM UM HOSPITAL PÚBLICO, UTILIZANDO-SE N-BUTIL-CIANOCRILATO COMBINADO COM ÓLEO IODADO. Temário: Intervenções em Oncologia Autores: Roberto Rômulo de Medeiros Souza; Henrique Serrão; Igor Faria; Tiago Nepomuceno; Henrique Salas; Hugo Gouveia; José Hugo Luz; Instituição: INCA Introdução A embolização da veia porta é um procedimento usado no pré-operatório de hepatectomia. O objetivo dessa terapia é redirecionar o sangue portal para segmentos do futuro fígado remanescente. Os agentes incluem n-butil-cianocrilato combinado com óleo iodado, cola de fibrina, etanol, trombina, molas metálicas, e micropartículas. Objetivos O objetivo deste estudo foi avaliar o a eficácia e o custo médio da embolização da veia porta utilizando-se n-butilcianocrilato em um hospital público. Material e método Foi realizada uma pesquisa retrospectiva dos prontuários de 30 pacientes submetidos a embolização portal, sem outros procedimentos associados, durante o período de 30 meses. Num primeiro momento foram analisados o sucesso técnico e a eficácia do procedimento. Posteriormente foi realizado um inventário de todos os recursos materiais consumidos por procedimento. Para isso foi levado em consideração a quantidade de materiais, tais como bainhas, cateteres, fios guias, a mistura de n-butil-cianocrilato com óleo iodado, entre outros. Discussão A embolização portal é uma terapia segura em bem estabelecida. Uma gama de agentes embolizantes estão disponíveis no mercado, e segundo a literatura atual não existe diferenças marcantes entre a efetividade dos agentes para o propósito do procedimento - hipertrofia do futuro fígado remanescente. De modo geral, a escolha do agente embolizante fica ao cuidado do radiologista intervencionista, e essa decisão baseia-se na extensão da embolização, na preferencia e experiência com cada agente específico. A análise do sucesso técnico, da eficácia e do custo médio por procedimento pode impactar numa futura análise de custo-efetivo do uso de materiais embolizantes nas instituições públicas de saúde. Conclusão Este trabalho permitiu estimar um valor médio por embolização portal utilizando-se n-butil-cianocrilato combinado com óleo iodado, bem como a avaliação da eficácia deste procedimento em um hospital público.

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30 Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira INTRODUÇÃO Para o ano de 2010, o INCA estima que ocorrerão cerca de 500mil novos casos de câncer no Brasil. Hoje cerca de 60% destes pacientes terão seus tumores controlados

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA I CONGRESSO DA REGIONAL NORDESTE DO CAPITULO BRASILEIRO DA IHPBA SALA C 21/10/10 Quinta-feira 08:00-09:15 Mesa-Redonda: Fígado I Moderador: Dr. José Huygens Garcia (CE) Secretário:

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia AUDITÓRIO II PROGRAMA SIMPÓSIO SBNRDT 09h00-12h30 12h30-14h00 14h00-15h45 14h00-14h35 14h35-15h10 15h10-15h45 15h45-16h15 16h15-16h45 16h45-18h30 STROKE I Tratamento do AVCI Agudo - Indicações Clínicas

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica Toracoscopia no tratamento do câncer de esôfago Rubens Antonio Aissar Sallum, Flavio Roberto Takeda, Ivan Cecconello Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica e com estadiamento

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2 I CONGRESSO SUL-SUDESTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA VI JORNADA DE ONCOLOGIA DO CEPON 25 e 26 de Novembro de 2016 Centro de Convenções - Majestic Palace Hotel - Florianópolis - SC PROGRAMAÇÃO

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE)

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE) XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA V CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS E BRONCOPLEURAIS - DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO - JORGE ROLDÃO VIEIRA BRASILIA NOVEMBRO

Leia mais

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO Guth, G. Z. 1 ; Martins, J. F. F. 2 ; Lourenço, L. A. 3 ; Ataíde, L. O. 4 ; Richwin, N. J. 5 ; Oliveira, J. M. X. 6 ; 1 Diretor do Departamento de Cirurgia

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir Yara Furtado Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Durante a

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

10h35 11h00 INTERVALO 10h15 10h45 INTERVALO. 11h55 12h25. 12h30 ALMOÇO 12h30 ALMOÇO. Moderadora: Drª Ada Almeida (PE)

10h35 11h00 INTERVALO 10h15 10h45 INTERVALO. 11h55 12h25. 12h30 ALMOÇO 12h30 ALMOÇO. Moderadora: Drª Ada Almeida (PE) SEXTA-FEIRA 17 DE SETEMBRO SÁBADO 18 DE SETEMBRO CURSO BI -RADS Coordenador: CURSO DE MAMA Coordenadora: Drª Norma Maranhão(PE) Moderador: Moderadora: Drª Ana Carolina Brandão (PE) 08h30 9h30 Aula Teórica

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos ao risco cirúrgico. Julgue os itens subsequentes, acerca do quilotórax. UnB/CESPE INCA 41 Os elementos para avaliação do risco cirúrgico são

Leia mais

Serviço de Oncologia Médica; Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga

Serviço de Oncologia Médica; Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga Serviço de Oncologia Médica Director: Prof. Dr. António Araújo CONTRIBUIÇÃO PARA A MELHORIA DOS CUIDADOS AOS DOENTES COM CANCRO DO RIM CASO CLÍNICO Vânia Peixoto 1, Sónia Rego 1, Ana Luísa Faria 1, Manuela

Leia mais

Controle loco-regional na doença metastática

Controle loco-regional na doença metastática Câncer de pâncreas Controle loco-regional na doença metastática Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia Hospital Nove de Julho Não tenho conflitos de interesse FIGURE 1 Ten Leading Cancer Types for the

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 V Congresso Internacional de Uro-Oncologia Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 Afonso C Piovisan Faculdade de Medicina da USP São Paulo Ari Adamy Hospital Sugusawa e Hospital Santa

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO GUIA PET-CT TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a angioplastia arterial periférica associada ao uso de prótese endovascular

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

ISGE & SBE Joint Meeting I Congresso Brasileiro de Endometriose e Endoscopia Ginecológica 2009 Questões Pontuais

ISGE & SBE Joint Meeting I Congresso Brasileiro de Endometriose e Endoscopia Ginecológica 2009 Questões Pontuais ISGE & SBE Joint Meeting I Congresso Brasileiro de Endometriose e Endoscopia Ginecológica 2009 Questões Pontuais Prof Dr André Luis F Santos Disciplina de Ginecologia UNITAU / 2009 PÓLIPOS DEVEMOS RESSECAR

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais