Capítulo 9. Lesões inflamatórias do colo uterino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 9. Lesões inflamatórias do colo uterino"

Transcrição

1 Cpítulo 9 Lesões inflmtóris do colo uterino As lesões inflmtóris d mucos cervicl e vginl estão ssocids corrimento brnco, cinz ou mrelo-esverdedo excessivo, fétido ou inodoro, com ou sem formção de espum, e sintoms como dor bdominl bix, dor lombr, prurido e dispreuni. As crcterístics colposcópics d inflmção cervicl, como pontilhdo, congestão e ulcerção inflmtórios, ssim como o cetobrnquemento ml definido e irregulr são mpl e difusmente distribuídos no colo uterino e n vgin e não ficm restritos à zon de trnsformção. As lesões inflmtóris do colo uterino e d vgin são comumente observds, prticulrmente em mulheres de píses tropicis em desenvolvimento. A inflmção cervicl é devid principlmente infecção (em gerl, mist ou por vários microorgnismos); outrs cuss compreendem corpos estrnhos (dispositivo intr-uterino, tmpão retido, etc.), trumtismo e irritntes químicos, como géis ou cremes. Neste cpítulo são descrits s crcterístics clínics e dignóstics desss lesões pr fcilitr o dignóstico diferencil de lesões cervicis. As lesões inflmtóris estão ssocids corrimento mucopurulento, soropurulento, brnco ou seroso e sintoms como dor bdominl bix, dor lombr, prurido e dispreuni. Como menciondo nteriormente, são mis comumente cusds por infecções ou corpos estrnhos irritntes. Os microorgnismos infecciosos comumente cusdores de tis lesões incluem protozoários, como Trichomons vginlis; fungos, como Cndid lbicns; crescimento excessivo de bctéris neróbis (Bcteriodes, Peptostreptococcus, Grdnerell vginlis, Grdnerell mobiluncus) em um fecção como vginose bcterin; e outrs bctéris, como Chlmydi trchomtis, Hemophilus ducreyi, Mycoplsm hominis, Streptococcus, Escherichi coli, Stphylococcus e Neisseri gonorrhoe e vírus, como o vírus do herpes simples. A inflmção cervicl provoc um corrimento diário, que pode ser ou não pruriginoso, purulento, fétido ou espumoso, que mnch roup de bixo e requer o uso regulr de bsorventes higiênicos. Esss fecções inflmtóris são sintomátics e devem ser identificds, diferencids d neoplsi cervicl e trtds. Em cso de dúvid, deve-se fzer um biopsi. O exme nogenitl externo, d vgin e do colo uterino, em busc de vesículs, úlcers pouco profunds e úlcers em botão, e d região inguinl, pr detectr gnglios linfáticos inflmdos e/ou hipertrofidos, e plpção bix do bdome e bimnul, pr vlir sensibilidde pélvic e presenç de msss, devem fzer prte do exme clínico pr descrtr qudros infecciosos. Cervicovginite O termo cervicovginite refere-se à inflmção do epitélio escmoso d vgin e do colo uterino. Nesse qudro, mucos cervicl e vginl responde à infecção com um reção inflmtóri crcterizd pel destruição ds céluls superficiis. Est conduz à descmção e à ulcerção, que cusm um redução d espessur epitelil por cus d perd de céluls d cmd superficil e de prte d cmd intermediári (que contêm glicogênio). Ns cmds mis profunds, s céluls sofrem tumefção com infiltrção de neutrófilos no espço intercelulr. A superfície do epitélio é recobert por resíduos celulres e secreções inflmtóris mucopurulents. O tecido conjuntivo subjcente sofre congestão, com diltção dos vsos superficiis e hipertrofi e diltção ds ppils do estrom. Cervicite Cervicite é o termo usdo pr indicr inflmção que comete o epitélio colunr do colo uterino. Cus 79

2 Cpítulo 9 congestão do tecido conjuntivo subjcente, descmção celulr e ulcerção com secreção mucopurulent. Se inflmção persiste, s vilosiddes tornm-se mis delgds, há perd do specto botrióide (semelhnte à uv) e mucos pode secretr menos muco. Em mbs s fecções nteriores, depois de inflmção e necrose tecidul repetids, s lesões regenerm-se e o tecido necrótico é elimindo. O epitélio recém-formdo present numerosos vsos, e proliferção de tecido conjuntivo dá origem fibrose de gru vriável. Aspectos colposcópicos Antes d plicção de ácido cético O exme, ntes d plicção do ácido cético, revel secreções cervicis e vginis, de moderds excessivs, que às vezes podem indicr nturez d infecção subjcente. N infecção por T. vginlis (tricomoníse), bstnte comum em áres tropicis, há um corrimento copioso, fétido, mrelo-esverdedo, mucopurulento, com formção de bolhs e espum. As infecções bcterins estão ssocids um corrimento rlo, líquido e soropurulento. O corrimento pode ser de odor fétido em cso de excessiv proliferção bcterin neróbi, vginose bcterin e infecção por Trichomons. N cndidíse (monilíse) e outrs infecções por levedurs, secreção é brnc grumos (cseos) e espess, com intenso prurido, que result em vermelhidão vulvr. Os corrimentos mucopurulentos de odor fétido e de cor escur estão ssocidos qudros inflmtórios devidos corpos estrnhos (por exemplo, um tmpão retido). A gonorréi produz exsudto vginl purulento e umento d sensibilidde cervicl. Vesículs pequens com mteril seroso são observds no colo uterino e n vgin n fse vesiculr d infecção virl por herpes simples. As infecções herpétics estão ssocids episódios de ulcerção doloros vulvr, vginl e cervicl, com durção de dus semns. Escorições são evidentes com tricomoníse, cndidíse e infecções bcterins mists. Um grnde úlcer colescente por herpes ou outrs fecções inflmtóris pode ter specto semelhnte o de um neoplsi invsiv. A inflmção crônic pode cusr ulcerção recorrente e cictrizção do colo uterino, resultndo n su deformção por cus d fibrose cictricil. Pode hver tmbém áres necrótics ssocids. Em cso de dúvid, deve-se relizr um biopsi dirigid. Infecções cervicis rrs, em rzão de tuberculose, esquistossomose e mebíse, cusm ulcerção e necrose extens do colo uterino, com sintoms e sinis que imitm neoplsi invsiv. A confirmção do dignóstico é feit com um biopsi. Se o processo infeccioso vem compnhdo de ulcerção centud (com ou sem necrose), áre ulcerd pode ficr recobert de exsudto purulento e hver diferençs mrcntes n superfície do colo uterino. Pode hver exsudção de gotículs seross. A inflmção e infecção bcterin, fúngic ou protozoári de long dt podem cusr fibrose, que tem um specto brnco ou róseo, dependendo do seu gru. O epitélio que recobre o tecido conjuntivo é frágil, levndo à ulcerção e à hemorrgi. O specto depois d plicção de ácido cético e de iodo é vriável, dependendo d integridde do epitélio superficil. No cso d cervicite, o epitélio colunr é intensmente vermelho, sngr o toque e há um corrimento purulento opco. Pode hver perd do specto viloso colunr ou botrióide por cus do chtmento ds vilosiddes, d inflmção repetid e por não hver ppils clrmente definids (figur 9.1). Observm-se áres vermelhds extenss do colo uterino e d mucos vginl infectd em rzão d congestão do tecido conjuntivo subjcente. FIGURA 9.1: Epitélio colunr vermelhdo com specto irdo, inflmdo, com perd d vilosidde e exsudto inflmtório (ntes d plicção de ácido cético 5%) 80

3 Lesões inflmtóris do colo uterino Depois d plicção de ácido cético A plicção profus de ácido cético elimin s secreções do colo uterino e d vgin, ms pode cusr dor. A cervicovginite está ssocid edem, diltção cpilr, hipertrofi ds ppils do estrom que contêm os feixes vsculres e à infiltrção do estrom com céluls FIGURA 9.2: Cervicite crônic: este colo está extensivmente inflmdo com specto vermelhdo e sngrmento o toque; há áres cetobrncs ml definids, em tirs, disperss em todo o colo, pós plicção de ácido cético inflmtóris. O colo uterino cronicmente inflmdo pode presentr-se vermelhdo, com áres cetobrncs ml definids, irregulres e difuss, não restrits à zon de trnsformção, e pode sngrr o toque (figurs 9.2 e 9.3). As ppils hipertrófics do estrom presentmse como pontos vermelhos (pontilhdo vermelho) em um fundo brnco-róseo, em gerl n infecção pelo T. vginlis, depois d plicção de ácido cético. Um colposcopist sem experiênci pode confundir os pontilhdos inflmtórios com queles vistos n neoplsi intr-epitelil cervicl (NIC). Contudo, podese fzer diferencição com os seguintes critérios: pontilhdos inflmtórios são delicdos, com distncis intercpilres mínims e de distribuição difus (não restrit à zon de trnsformção) e brngem o epitélio escmoso originl e vgin com mucos inflmd interpost. Se inflmção persiste e torn-se crônic, precem pontilhdos vermelhos grndes e focis por cus dos grndes cúmulos de cpilres grupdos, que se presentm como mnchs vermelhs de tmnhos vridos, visíveis contr um fundo brnco-róseo, denominds ssim de mnchs moriformes (figur 9.4). N colposcopi, o colo uterino com inflmção crônic às vezes pode se ssemelhr à neoplsi invsiv do colo uterino (figur 9.5). Depois d plicção de iodo O resultdo do teste depois d plicção d solução de Lugol depende d descmção e d perd ds cmds FIGURA 9.3: Cervicite crônic: o colo uterino fic extremmente inflmdo e erodido com áres em tirs cetobrncs, ml definids e disperss FIGURA 9.4: Múltipls mnchs vermelhs () sugestivs de colpite por Trichomons vginlis (specto moriforme) (pós plicção de ácido cético 5%) 81

4 Cpítulo 9 FIGURA 9.6: Aspecto pontilhdo () por cus d colpite por Trichomons vginlis pós plicção de solução de Lugol Após plicção de ácido cético 5% Após plicção de solução de Lugol FIGURA 9.5: Aspecto colposcópico de um colo uterino com inflmção crônic, com áres de ulcerção, necrose e cictrizção. As áres em regenerção ficm um pouco brncs () pós plicção de ácido cético. As áres inflmds não cptm iodo de céluls com glicogênio. Se descmção está limitd o topo ds ppils do estrom, onde o epitélio escmoso é mis fino, pode ser vist um série de fins mnchs mrels contr um fundo cstnho escuro, produzindo um specto de pontilhdo (figur 9.6). Qundo FIGURA 9.7: Colpite por Trichomons vginlis pós plicção de solução de Lugol (specto de pele de leoprdo) inflmção persiste e infecção torn-se crônic, s pequens áres descmds confluem pr formr grndes áres descmds que levm o ssim denomindo specto de pele de leoprdo (figur 9.7). Esss crcterístics são freqüentemente encontrds n infecção por Trichomons, ms tmbém podem ser observds em infecções fúngics e bcterins. Se há descmção centud, o colo uterino present um cor vermelho-mreld, com comprometimento d vgin (figur 9.8). 82

5 Lesões inflmtóris do colo uterino Em resumo, os qudros inflmtórios do colo uterino estão ssocidos corrimentos copiosos, em gerl fétidos, mucopurulentos, soropurulentos, esbrnquiçdos, pontilhdos vermelho, ulcerção e cictrizção por fibrose. A secreção é espumos com bolhs no cso d tricomoníse, e cseos, brnc e pegjos n cndidíse. As lesões inflmtóris do colo uterino podem ser diferencids d NIC por seu comprometimento extenso e difuso do colo uterino, com extensão à vgin, tonlidde de cor vermelh e sintoms ssocidos, como corrimento e prurido. FIGURA 9.8: Cervicite crônic: existem áres em tirs, ml definids e disperss, que não cptm iodo no colo uterino e n vgin. Além disso, o colo uterino tem um colorção vermelhomreld 83

6 Cpítulo 13 gerdor eletrocirúrgico pr o modo de fulgurção. A superfície d crter excisionl é fulgurd com um eletrodo esférico de 3 mm 5 mm no modo de cogulção. As mrgens d crter tmbém devem ser fulgurds pr preservr junção escmocolunr n ectocérvix visível. Se há hemorrgi tiv que dificult o controle do eletrodo de bol, pode-se recorrer um eletrodo de mcrogulh pr fulgurr um áre hemorrágic de modo muito mis concentrdo (mior densidde de corrente) e loclizdo. Se é obtid um hemostsi stisftóri, superfície d crter é então recobert com solução de Monsel e o espéculo é retirdo. Costum-se observr que um pciente extremmente nervos tende sngrr mis que um que se encontr relxd, um outr bo rzão pr flr com pciente durnte todo o procedimento e procurr trnqüilizá-l. Se o sngrmento é difícil de ser controldo, pesr do uso dos métodos descritos nteriormente, deve-se recobrir bse d crter excisionl com solução de Monsel em profusão e brrotr vgin com gzes. Devese pedir à pciente que espere por váris hors ntes de retirr s gzes. Ess complicção ocorre com mior freqüênci em mulheres com cervicite. Excisão de um lesão ectocervicl com múltipls pssgens d lç ditérmic (figur 13.6) Se o dimetro de um lesão excede lrgur mior d lç ditérmic (em gerl 2 cm), lesão deve ser excisd com múltipls pssgens d lç ditérmic, que pode ser de tmnhos vridos. Com o método básico descrito nteriormente (figur 13.3), costum-se excisr primeirmente prte centrl d lesão. As prtes restntes d lesão n periferi são em seguid excisds com um ou mis pssgens. Tods s mostrs são envids pr exme ntomoptológico. Excisão combind de lesões ectocervicis e endocervicis (figurs 13.7 e 13.8) Se um lesão ocupr o cnl endocervicl, dificilmente será excisd com profundidde d pssgem hbitul de cmd únic descrit nteriormente (figurs 13.4 e 13.5), podendo-se recorrer um método de excisão em dus cmds. A mior prte ds lesões que ocupm o cnl cervicl costum estender-se um profundidde de té 1 cm. Pcientes com idde mis vnçd e queles com NIC 3 em gerl presentm lesões mis FIGURA 13.6: Excisão de um lesão ectocervicl em váris pssgens 108

7 Trtmento d neoplsi intr-epitelil cervicl pel cirurgi de lt freqüênci (CAF) FIGURA 13.7: Excisão de lesões ectocervicis e endocervicis b c d e f FIGURA 13.8: Excisão de um lesão ectocervicl que se estende pr o cnl endocervicl por meio de método de excisão de dus cmds; () specto de lesão NIC 3 pós plicção de ácido cético 5%; (b) specto pós plicção de solução de Lugol; (c) excisão de lesão ectocervicl em progressão; (d) incisão ectocervicl complet; (e) incisão endocervicl complet e mostr no lugr (sets fins); (f) mostr endocervicl retird e pontos hemorrágicos no ssolho d crter que pssrm por fulgurção pr hemostsi 109

8 Cpítulo 13 profunds, cuj excisão requer um outr pssgem num segund cmd do cnl endocervicl. Em gerl, porção ectocervicl desse tipo de lesão que se estende no cnl pode ser excisd com um pssgem de um lç ditérmic ovl grnde (2 cm x 0,8 cm). O restnte do tecido no cnl endocervicl pode ser excisdo com um lç ditérmic menor, que costum ser qudrd com 1 cm x 1 cm. Deve-se tomr cuiddo pr não profundr mis que o necessário pr excisr completmente lesão, evitndo-se retird de um mrgem de tecido norml. Esse tipo de excisão pode penetrr té 1,6 cm no cnl endocervicl (figur 13.7). A excisão ness profundidde deve ser tentd somente qundo for bsolutmente necessário, em rzão de um mior risco de sngrmento e estenose com o umento d profundidde de excisão. A CA não deve ser usd se não for visto o limite distl ou crnil d lesão no cnl ou se prte distl d lesão se estender mis do que 1 cm no cnl. Deve ser feit um conizção com bisturi frio em tis pcientes. Como esse método em dus pssgens requer hbilidde no desempenho d CA básic, recomend-se que est não deve ser tentd té que o operdor estej bem fmilirizdo e domine seu procedimento básico. As pcientes com lesões que se estendem ind mis profundmente no cnl endocervicl devem ser submetids à conizção com bisturi frio pr vlir dequdmente o cnl. FIGURA 13.9: Aspecto do colo três meses pós CAF; observe os vsos sngüíneos prlelos no colo cictrizdo (set) Lesões com extensão vginl Se lesão se estende pr vgin, é preferível usr o eletrodo esférico pr fulgurr prte periféric (vginl) d lesão e relizr CA n prte centrl (cervicl). O trtmento ds lesões vginis foge o mbito deste mnul; o trtmento com CA descrito qui bord somente o tipo de lesões presentdo ns figurs 13.4 e Os leitores interessdos podem consultr os livros de texto pdrão (Wright et l., 1992; Wright et l., 1995). Acompnhmento médico depois d CAF As mulheres devem ser orientds sobre os cuiddos pessois e os sintoms que podem vir presentr depois do trtmento. Se proprido, esss orientções devem ser dds por escrito. As mulheres devem ser informds de que terão um corrimento mrrom ou preto que dur de uns dis dus semns. Els devem informr sem demor cso o corrimento persist por mis de dus semns, se este se tornr fétido e/ou estiver ssocido dor bdominl bix ou ocorrer hemorrgi intens. As mulheres devem ser desconselhds usr duch vginl ou FIGURA 13.10: Aspecto do colo uterino um no pós CAF tmpões e ter coito durnte um mês depois do trtmento. O specto do colo uterino os três meses e um no depois d CA é presentdo ns figurs 13.9 e Não se conhece o efeito d CA sobre trnsmissibilidde em potencil (pr ou de mulheres) d infecção pelo vírus d imunodeficiênci humn (HIV) durnte fse de cictrizção. Demonstrou-se eliminção do HIV-1 ns secreções vginis depois do trtmento d NIC em mulheres HIV-positivs (Wright et l., 2001). Portnto, os utores sugerem que se informe tods s mulheres que CA pode umentr trnsmissibilidde do HIV e que o uso de preservtivos é um meio eficz de prevenção. 110

9 Trtmento d neoplsi intr-epitelil cervicl pel cirurgi de lt freqüênci (CAF) Preservtivos devem ser usdos por um período de 6 8 semns. Em condições ideis, deve hver distribuição grtuit de preservtivos em consultórios de colposcopi em locis onde infecção pelo HIV é endêmic. Deve ser mrcd um consult de compnhmento 9 12 meses depois do trtmento. O plno de condut segue o esquem presentdo no cpítulo 11. N seção seguir, é discutid condut pr mulheres que presentm lesões persistentes n(s) consult(s) de compnhmento. Efeitos dversos, complicções e seqüels d CAF longo przo A miori ds mulheres present um pouco de dor trnsitóri pel injeção do nestésico locl no colo uterino. Hemorrgi periopertóri grve ocorre em té 2% dos procedimentos d CA. As mulheres devem ser orientds entrr em contto com o consultório se tiverem dúvids durnte o período pós-opertório. É conselhável dr instruções por escrito no pós-opertório que cubrm os spectos que se seguem. Poucs mulheres queixm-se de dor no pós-opertório. Se houver dor, em gerl costumm ser semelhntes cólics; deve-se orientr s pcientes usr nlgésicos oris como prcetmol ou ibuprofeno, se necessário. Um corrimento mucoso cstnho escuro com livos de sngue (d solução de Monsel) pode persistir um dus semns depois do trtmento. Algums mulheres trtds presentm hemorrgi pós-opertóri moderd ou intens, precisndo ser exminds sem demor. A cictrizção depois d CA ocorre, em gerl, em um mês. Qundo ocorre hemorrgi no pós-opertório, costumr precer 4 6 dis depois do trtmento e com freqüênci origin-se no lábio posterior do colo uterino. Ess hemorrgi em gerl pode ser controld com fulgurção, plicção d solução de Monsel ou uso de plicdor de nitrto de prt. Em rrs ocsiões, é necessário fzer um sutur no locl d hemorrgi. O risco de infecção no pós-opertório é muito pequeno e provvelmente pode ser reduzido ind mis o postergr-se o trtmento cirúrgico té um pciente com um provável dignóstico de DPI, cervicite, tricomoníse vginl ou vginose bcterin ser trtd de modo dequdo e se recuperdo. Se um pciente presentr no pós-opertório um corrimento fétido, se possível deve ser feit cultur e prescrito trtmento empírico com ntibióticos eficzes pr DPI (ver qudro 11.1). Em píses em desenvolvimento, é preferível instituir o trtmento presuntivo rotineiro com ntibióticos depois d CA (doxiciclin 100 mg por vi orl, dus vezes o di, por sete dis, e metronidzol 400 mg por vi orl, três vezes o di, por sete dis). N vlição de compnhmento, em proximdmente 2% ds mulheres pode-se observr que junção escmocolunr está no cnl endocervicl. Isso present dificulddes pr o exme colposcópico e colet dequd d mostr. Deve-se lertr s pcientes que rrs vezes (provvelmente menos de 1%) ocorre estenose prcil ou complet do cnl cervicl, mis comum em mulheres n menopus. Condut pr mulheres com lesões persistentes no compnhmento Tods s mulheres, independentemente de o exme ntomoptológico indicr mrgens excisionis sem comprometimento, devem retornr pr consult de compnhmento 9 12 meses depois do trtmento pr vlir regressão ou persistênci ds lesões e ds complicções. Insucesso de trtmento (lesões persistentes no compnhmento) ocorre em menos de 10% ds mulheres controlds. Pr descrtr presenç de crcinom invsivo ou não-suspeito, é conselhável biopsir tods s lesões persistentes. As lesões persistentes devem ser trtds novmente com crioterpi, CA ou conizção frio, como for proprido. 111

Citologia das alterações leucocitárias

Citologia das alterações leucocitárias Citologi ds lterções leucocitáris Principis lterções leucocitáris recionis o Infecções bcterins e processos inflmtórios gudos: frequentemente há leucocitose com desvio à esquerd gerlmente esclondo nesss

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Sporanox é um medicamento para o tratamento de infecções fúngicas.

Sporanox é um medicamento para o tratamento de infecções fúngicas. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Spornox 100 mg cápsuls Itrconzol Lei tentmente este folheto ntes de tomr este medicmento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidde de o reler. - Cso

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

NEURO-BEHÇET Características Imagiológicas

NEURO-BEHÇET Características Imagiológicas NEURORRADIOLOGIA Act Med Port 2006; 19: 494-498 NEURO-BEHÇET Crcterístics Imgiológics CRISTINA RAMOS, GORETI SÁ, VÍTOR TEDIM CRUZ, ALEXANDRA LOPES, JOÃO XAVIER, ROMEU CRUZ Serviço de Neurorrdiologi. Hospitl

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

GRAVIDEZ E INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

GRAVIDEZ E INSUFICIÊNCIA CARDÍACA QUAL O DIAGNÓSTICO? / WHAT S THE DIAGNOSIS? GRAVIDEZ E INSUFICIÊNCIA CARDÍACA 1 1 1 2 Cristine Crolin d Cost, Delmo Skbe, Pulo N. de Mello Teixeir, Hudson Hübner Frnç RELATO DE CASO A pciente refere ter

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Lesões cariosas incipientes e formação de cavidades durante o tratamento ortodôntico

Lesões cariosas incipientes e formação de cavidades durante o tratamento ortodôntico Controvérsi Lesões crioss incipientes e formção de cviddes durnte o trtmento ortodôntico É ppel do ortodontist dignosticr, prevenir e té trtr mnchs brncs crioss e não crioss no esmlte? Por Alberto Consolro*

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica SRPA- Sl de Recuperção Pós-Anestésic Locl destindo receber o pciente em pós-opertório imedito té que recupere consciênci e tenh seus sinis vitis estáveis; A ssistênci prestd o pciente n SRPA requer cuiddos

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Manual de Operações Atualização do KIT I

Manual de Operações Atualização do KIT I Mnul de Operções Atulizção do KIT I ÍNDICE ANTES DE INICIAR... 2 NOVOS RECURSOS...2 EXIBIÇÃO DO TECIDO DURANTE O ALINHAMENTO DA POSIÇÃO DO BORDADO... 3 ALTERAÇÃO DO TAMANHO DO DESENHO, MANTENDO A DENSIDADE

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

14. Geradores de Vapor

14. Geradores de Vapor 14. Gerdores de Vpor 14.1. Introdução Equipmento destindo à produção de por. O por gerdo pode ser utilizdo pr diersos fins: quecimento, processos industriis, como fluido de trblho em máquins motors. Pr

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Colposcopia na Gravidez

Colposcopia na Gravidez Colposcopia na Gravidez José Eleutério Junior A colposcopia é um método de excelência, associado ao Papanicolaou, no rastreio de lesões intra-epiteliais escamosas e neoplásicas, sendo usada para identificar

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo GEO046 Geoísic Aul n o 09 MÉTODOS ELÉTRICOS Polrizção induzid e potencil espontâneo enômeno observdo Após interrupção de um corrente elétric contínu, observse que o potencil elétrico não deci instntnemente

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Obrigado por escolher Besafe izi Kid i-size. Informação vital. Preparação para instalação SIP+

Obrigado por escolher Besafe izi Kid i-size. Informação vital. Preparação para instalação SIP+ 1 6 d c e Mnul de utilizção f h g i j k l m 7 8 10 2 3 9 c e d no sentido inverso o d mrch Altur 61-105 cm 4 5 11 12 Peso máximo 18 kg Idde 6m-4 UN regultion no. R129 i-size 8 9 Origdo por escolher Besfe

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA Vestiulndo We Pge www.vestiulndowe.com.r UNIVERSIDDE FEDERL DE JUIZ DE FOR PROV DE IOLOGI- VESTIULR 2007 ERT 01) O esquem ixo ilustr de form sintétic o processo de formção de gmets (meiose) de um indivíduo

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

INQUÉRITO DEMOGRÁFICO E DE SAÚDE REPRODUTIVA 1998 QUESTIONÁRIO DO AGREGADO FAMILIAR

INQUÉRITO DEMOGRÁFICO E DE SAÚDE REPRODUTIVA 1998 QUESTIONÁRIO DO AGREGADO FAMILIAR INQUÉRITO DEMOGRÁFICO E DE SÚDE REPRODUTIV 1998 QUESTIONÁRIO DO GREGDO FMILIR Confidencial SEGREDO ESTTÍSTICO (RT.7 D LEI N0.15/V/96) informação solicitada neste questionário é confidencial e só será utilizada

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA. Sarah Freygang Mendes Pilati

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA. Sarah Freygang Mendes Pilati UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Srh Freygng Mendes Pilti ESTUDO DE CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E HISTOPATOLÓGICAS DA QUEILITE ACTÍNICA E CARCINOMA EPIDERMÓIDE

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

COBERTURAS. Ficha Técnica 01. Nomenclatura. Tipos

COBERTURAS. Ficha Técnica 01. Nomenclatura. Tipos Fich Técnic 01 COBERTURAS Nomencltur 1 Pendente 2 Cumeeir 3 Rincão 4 Tcniç 5 Lró 6 Bordo lterl de empen 7 Alpendre 8 Beir 8b Beirdo 9 Empen 10 Linh de máxim pendente Tipos Telhdo de um águ Telhdo de qutro

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais