TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO"

Transcrição

1 TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO

2 FORÇA E ENVELHECIMENTO

3 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS COMPORTAMENTO FORÇA MUSCULAR Força Muscular 12 a 15% por década. Gobbi et al. (2005)

4 Sarcopenia é um termo genérico utilizado para toda a perda de massa muscular, com conseqüente diminuição força e qualidade muscular (composição estrutural, inervação, contratilidade, densidade capilar, fatigabilidade e metabolismo).

5 SARCOPENIA ASSOCIADA AOS SEGUINTES FATORES NEUROMUSCULARES - Diminuição de interações sinápticas, produção de neurotransmissores e velocidade na transmissão neuromuscular. - Degeneração da placa motora -Fibras desenervadas -Substituição parcial por tecido conjuntivo fibroso e adiposo.

6 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS

7 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS Hormônios anabólicos/androgênicos; nº e capacidade de ativação das Células Satélites. Trappe et al. (2001)

8 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS Massa Magra principalmente das Fibras do Tipo II; Necrose miofibrilar Tecido adiposo e conectivo; Agrupamento do Tipos de Fibras. Trappe et al. (2001)

9 Grupos de tipos de fibras no envelhecimento. Coloração por ATPase de um músculo jovem (22 anos) e idoso (87 anos). Note a distribuição aleatória de tipos de fibras no jovem e o pronunciado agrupamento no idoso. Fibras escuras = tipo I; brancas = tipo IIa e; cinzas tipo IIX (ou I/IIa). Barra -= 100 µm. ATPase coloração (PH 4,6). Andersen, 2003

10 Formas de fibras são comumente diferentes em músculos esqueléticos jovens e idosos. No jovem normalmente com 4 a 6 ângulos ou vértices, enquanto muitas fibras no idoso aparecem como se fossem achatadas ou comprimidas. Este achatamento é mais evidente nas fibras tipo II. Fibras escuras = tipo I; brancas = tipo IIa e; cinzas tipo IIX (ou I/IIA). Barra = 50 µm. Coloração ATPase (ph 4,6). Andersen, 2003

11 SARCOPENIA Força Muscular Potência Muscular Resistência Muscular Dificuldade Tarefas Peso Corporal Hunter et al. (2004) Fatigabilidade Atividade física Incapacidade Riscos Quedas/Fraturas

12 SARCOPENIA Fatigabilidade Força Muscular Resistência Muscular Atividade Física Dispêndio energético Obesidade/Gord. Abdominal Resistência a insulina Hipertensão DM T2 Dislipidemia DCV Nair (2005)

13 TREINAMENTO DA FORÇA MUSCULAR Benefícios para idosos 1. Prevenção (redução da taxa de declínio ou reversão ) da sarcopenia

14 TREINAMENTO DA FORÇA MUSCULAR Benefícios para idosos 2. Prevenção, proteção, reabilitação de DANT, em especial osteoporose 3. Prevenção de quedas e suas conseqüências para morbi-mortalidade 4. Manter/melhorar capacidade funcional para AVDs 5. Demais esferas de vivência humana (educação, lazer, auto-expressão, trabalho)

15 AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA Teste de uma repetição máxima (1-RM) Aquecimento: alongamento e 20 a 30 rep. com resistência baixa; Incremento da resistência (Percepção subjetiva de esforço) Máximo de cinco tentativas em um mesmo dia com 3-5 min recuperação. Resistência de Força - Teste de 10RM até carga máxima em 10 repetições.

16 2. Teste de 1RM carga inicial. escala de percepção subjetiva de esforço. Intervalo de 5 minutos. aumento progressivo da carga. até carga máxima em uma repetição. máximo de 3 a 5 tentativas em um dia. 48 horas reinício do teste.

17 AVALIAÇÃO DA FORÇA EM IDOSOS 1. Bateria de testes de campo da AAHPERD, para medir os componentes de capacidade funcional, especificamente para idosos (Osness et al., 1990).

18 Classificação dos resultados do teste de resistência de força da AAHPERD, em idosas de 60 a 70 anos (Zago; Gobbi, 2003) Classificação Resistência de força (repetições 30 seg) Muito Fraco Fraco Regular Bom Muito Bom < > 30

19 TREINAMENTO DA FORÇA MUSCULAR Resultados de estudos com idosos

20 ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO EFEITOS DO TREINAMENTO COM PESOS DE ALTA INTENSIDADE EM NONAGENÁRIOS (86-96 ANOS) 30 Teste de 1 repetição máxima ,6 Sedentarismo 19,3 Após 8 semanas de treinamento (Fiatarone et al., 1990)

21 Programa Específico para força. Período de Adaptação: 2 4 semanas (cargas leves) aprendizagem,postura e segurança Duração e Freqüência: 12 semanas; 3 sessões por semana; Duração aproximada da sessão: 40 minutos; Séries e repetições: 2 séries (10 a 12 repetições); Intervalo entre as séries: 2 minutos; Composição da Sessão: 8 exercícios empregando contração muscular concêntrica e excêntrica (peito, costas, ombro, flexores do cotovelo, extensores do cotovelo, flexores do joelho, extensores do joelho e adutores da coxa). Periodização: Estímulo a utilizar uma carga de no mínimo 10 e, no máximo 12 repetições. Quando maior que 12 repetições; a resistência era aumentada, para que não mais que 12 repetições pudessem ser realizadas.

22 GANHO M ÉDIO DE FORÇA 16,94 % * 36,67 % M INFERIOR M SUPERIOR Porcentagem de aumento de força máxima dos músculos dos membros superiores e inferiores [(% ganho dos flexores + % ganho dos extensores) / 2].

23 2. Programa Generalizado (diversos tipos de atividades) Exemplo: PROFIT: Tipos de atividades: alternância entre 3 dos seguintes: exercícios resistidos com cargas leves, dança, ginástica, esportes, alternativas. Parâmetros: 1.Intensidade: moderada para forte na escala de percepção subjetiva de esforço. 2. Freqüência: 3 vezes por semana. 3. Duração da sessão: 1 hora. 4. Controle: 4 reavaliações anuais. 5. Período do programa: anual.

24 Resultados de estudos em componentes de CF isolados Autores Componente Tempo de intervenção Resultados Rogatto; Poltronieri; Gobbi (1998) Força máxima estática de preensão manual > 1 ano transversal Treinados melhores que sedentários Rogatto; Gobbi (2000;2001) F máx dinâmica de flexão dos cotovelos > 1 ano transversal Maior força nos jovens Zago et al. (2002) Resistência de força 1 ano Aumento

25 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS HIPERTROFIA MUSCULAR >> Embora diminuída, o músculo preserva a capacidade de adaptação com o processo de envelhecimento. >> Programas de Treinamento com Pesos (TP): 2-3 x semanais 9-12 semanas 10% 62% na massa magra >> Häkken et al. (1998) Adultos jovens e idosos apresentaram ganhos relativos (% de aumento).

26 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS HIPERTROFIA MUSCULAR Diferenças entre sexos Bamman et al. (2003) Respostas hipertróficas em homens podem ser 5x maiores quando comparadas a mulheres.

27 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS HIPERTROFIA MUSCULAR Diferenças entre sexos >> Para mulheres, melhores respostas podem ser obtidas com treinamento não convencional << Melhores repostas hipertróficas são obtidas com: intensidade de treinamento ou; Freqüência de treinamento ( intensidade). (Hunter, 2004).

28 MODIFICAÇÕES MORFOLÓGICAS HIPERTROFIA MUSCULAR Pré Pós Esmarck et al. (2001)

29 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS Lynch et al. (1999) verificaram a qualidade muscular (força por unidade de massa muscular) em 224 Homens e 278 Mulheres. Tanto para H quanto para M a qualidade muscular de MS era maior do que MI (30%); Em H a taxa de redução QM de MS = para MS e MI; Em M a taxa de redução QM de MI (20%) quando comparado aos MS.

30 TP e POTÊNCIA POTÊNCIA MUSCULAR Por volta dos 40 anos inicia-se sua diminuição; Maior taxa de declínio; Mudanças no padrão de ativação neural Freqüência de ativação/ nº de Unidades Motoras Desinervação seletiva das Fibras do Tipo II Mudanças Morfo-funcionais das fibras musculares Liberação de Ca + e Propriedades contráteis Deschemes (2004)

31 TP e POTÊNCIA POTÊNCIA MUSCULAR Diretamente relacionada ao incremento no nº de quedas. Recomendação do ACSM (2004) DMO e Força/Potência muscular

32 TP e POTÊNCIA Ferri et al. (2003) Força Máxima e Potência Muscular Sujeitos: 16 Homens; Idade 65 a 81 anos. Protocolo Utilizado: 3 Séries 8 a 10 repetições a 80% 1-RM 3x por semana 16 semanas).

33 TP e POTÊNCIA Ferri et al. (2003) Força Máxima e Potência Muscular RESULTADOS Potência/Força Muscular

34 TP e POTÊNCIA Fielding et al. (2002) Força Máxima e Potência Muscular Sujeitos: 30 Mulheres; Idade média 71 anos. Protocolo Utilizado: 3 Séries 8 a 10 repetições a 70% 1-RM 3x por semana 16 semanas). Baixa velocidade de execução (BV) Alta velocidade de execução (AV)

35 TP e POTÊNCIA Fielding et al. (2002) Força Máxima e Potência Muscular

36 TP e POTÊNCIA Fielding et al. (2002) Força Máxima e Potência Muscular

37 TP e POTÊNCIA A velocidade de execução dos movimentos é um fator importante para o desenvolvimento da Potência Muscular. O TP convencional é suficiente para incrementar a Potência muscular (25%). Contudo, o treinamento específico é mais eficaz (97%).

38 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS TP e RESPOSTAS CARDIOVASCULARES Ades et al. (1996) 12 Semanas de TP (24 idosos 65 anos)

39 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS TP e RESPOSTAS CARDIOVASCULARES Ades et al. (1996) 12 Semanas de TP (24 idosos 65 anos)

40 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS TP e DESEMPENHO AERÓBIO Vincent et al. (1996) 12 Semanas de TP (62 idosos anos)

41 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS TP e DESEMPENHO AERÓBIO Izquierdo et al. (2003) 16 Semanas de TP (11 idosos 64 anos)

42 MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS TP e DESEMPENHO AERÓBIO PAS e FC em esforço; Tempo de Fadiga; Respostas Lactato sanguíneo em esforço.

43 TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO RECOMENDAÇÕES ACSM (2002)

44 TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO RECOMENDAÇÕES ACSM (2002) HIPERTROFIA: Intensidade: 60-80% 1-RM Séries/Repetições: 1-3 x 8-12 Intervalo de recuperação: 1-2 min Freqüência: 2-3 x Sem POTÊNCIA: Treinamento para Força/Hipertrofia Intensidade: 40-60% 1-RM Séries/Repetições: 1-3 x 6-10 Intervalo de recuperação: 1-2 min Freqüência: 2-3 x Sem

45 TREINAMENTO DA FORÇA MUSCULAR Osteoporose Cuidados: Problemas ortopédicos de coluna Hipertensão - Manobra de Valsalva; - Isometria.

46 Fonte: McArdle et al. Exercise Physiology. Malvern: Lea & Febiger. 1991, p. 239

47 PRESSÃO ARTERIAL : Manobra de Valsalva MaCDougall et al. (1992)

48 Referências American College of Sports Medicine position stand. Progression models in resistance training for healthy adults. Med Sci Sports Exerc v.34, p , Andersen, J.L. Muscle fibre type adaptation in the elderly human muscle. Scand J Med Sports v.13, p.40-7, Deschenes MR. Effects of aging on muscle fibre type and size. Sports Med v.34, p , Ferri A, Scaglioni G, Pousson M, Capodaglio P, Van Hoecke J, Narici MV. Strength and power changes of the human plantar flexors and knee extensors in response to resistance training in old age. Acta Physiol Scand v.177, p.69-78, Fielding RA, LeBrasseur NK, Cuoco A, Bean J, Mizer K, Fiatarone Singh MA.High-velocity resistance training increases skeletal muscle peak power in older women. J Am Geriatr Soc v.50, p , Hameed, M., S.D.R. Harridge, and G. Goldspink. Sarcopenia and hypertrophy: A role for insulin-like growth factor-1 in aged muscle? Exerc Sport Sci Rev v.30, p.15 9, Hunter GR, McCarthy JP, Bamman MM. Effects of resistance training on older adults. Sports Med v.34, p , 2004.

49 Referências Nair, K.S. Aging muscle. Am J Clin Nutr v.81, p , Smith K, Winegard K, Hicks AL, McCartney N. Two years of resistance training in older men and women: the effects of three years of detraining on the retention of dynamic strength. Can J Appl Physiol v.28, p , Trappe, T. A., D. M. Lindquist, and J. A. Carrithers. Muscle-specific atrophy of the quadriceps femoris with aging. J Appl Physiol v.90, p , 2001.

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO COM PESOS, PRESCRITO POR ZONA DE REPETIÇÕES MÁXIMAS, NA FORÇA MUSCULAR E COMPOSIÇÃO CORPORAL EM IDOSAS

EFEITO DO TREINAMENTO COM PESOS, PRESCRITO POR ZONA DE REPETIÇÕES MÁXIMAS, NA FORÇA MUSCULAR E COMPOSIÇÃO CORPORAL EM IDOSAS Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano ISSN 1415-8426 Artigo original Carla Micheli da Silva 1 André Luiz Demantova Gurjão 1,2 Leandro Ferreira 1,4 Lilian Teresa Bucken Gobbi 3 Sebastião

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS PRATICANTES DE PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SUPERVISIONADO

FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS PRATICANTES DE PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SUPERVISIONADO 176 FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS PRATICANTES DE PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SUPERVISIONADO Juliana Rosini da Silva 1 ; Tabata de Paula Facioli 1, Claudia Regina

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura

Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura Aging Related to decrease of muscle function and the influence in old-aged

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Treinamento concorrente

Treinamento concorrente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEPARTAMENTO DE ESPORTES MARCELO VIDIGAL COSCARELLI Treinamento concorrente Trabalho apresentado ao Curso de Especialização em Treinamento

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS CAPACIDADES FUNCIONAIS DE MULHERES IDOSAS PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS DURANTE OITO SEMANAS

COMPARAÇÃO DAS CAPACIDADES FUNCIONAIS DE MULHERES IDOSAS PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS DURANTE OITO SEMANAS COMPARAÇÃO DAS CAPACIDADES FUNCIONAIS DE MULHERES IDOSAS PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS DURANTE OITO SEMANAS 29 Nelson Hilário Carneiro 1,2, Carlos Onofre Vieira da Silva 1 Universidade do Oeste Paulista

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist AVALIAÇÃO DA COMPONENTE MÚSCULO-ESQUELÉTICA

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Identificação do limiar de lactato nos exercícios resistidos: rosca bíceps e mesa flexora

Identificação do limiar de lactato nos exercícios resistidos: rosca bíceps e mesa flexora Identificação do limiar de lactato nos exercícios resistidos: rosca bíceps e mesa flexora 1. Departamento de Educação Física da Faculdade Santa Giulia - Taquaritinga. Professor de Fisiologia Humana e Treinamento

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano

Treinador de força da atletas em nível olímpico e pan americano Doutor em Ciências da Saúde Mestre em Educação Física Pós graduado em Musculação e Treinamento de Força Pós graduado em Fisiologia do Exercício Graduado em Educação Física Professor do curso de Pós Graduação

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios

Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios UFBA Faculdade de Educação Física Treinamento Neuromuscular periodização e prescrição de exercícios Alexandre Veloso de Sousa A Ginástica como atividade física se confunde com a história do próprio homem;

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Alterações morfofuncionais decorrentes

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA

TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA TÍTULO: EFEITOS MORFOLÓGICOS FRENTE A DIVERSOS MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES):

Leia mais

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS

TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS VOLUME 2 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2006 TESTE DE 1RM E PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Roberto Fares Simão Junior 1 Marcelo S.Cáceres 2 Fabricio Bürger 2 Luciane Kovalczyk 2 Adriana Lemos 2 Resumo:

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica RELAÇÃO ENTRE TREINAMENTO DE FORÇA E REDUÇÃO DO PESO CORPORAL 605 Débora Paes de Arruda¹, Cláudio de Oliveira Assumpção¹, Christiano Bertoldo Urtado², Leandro Noedi de Oliveira Dorta³, Morgana Rejane Rabelo

Leia mais

OS EFEITOS DE DIFERENTES TIPOS DE TREINAMENTO CONTRA RESISTÊNCIA NA HIPERTROFIA MUSCULAR EM HOMENS IDOSOS

OS EFEITOS DE DIFERENTES TIPOS DE TREINAMENTO CONTRA RESISTÊNCIA NA HIPERTROFIA MUSCULAR EM HOMENS IDOSOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA OS EFEITOS DE DIFERENTES TIPOS DE TREINAMENTO CONTRA RESISTÊNCIA NA HIPERTROFIA MUSCULAR EM HOMENS IDOSOS Autor:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO: ESTUDO DE REVISÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Luiz Gomes Wallace Duncan

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO

OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO OS BENEFÍCIOS DO TREINAMENTO FÍSICO O ser humano, na sua preocupação com o corpo, tem de estar alerta para o fato de que saúde e longevidade devem vir acompanhadas de qualidade de vida, tanto no presente

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

www.redalyc.org Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto

www.redalyc.org Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Sistema de Información Científica Jambassi Filho, José Claudio; Demantova Gurjão, André Luiz; Costa Júnior, Marcelo; Gallo, Luiza

Leia mais

FISIOLOGIA DOS MÉTODOS DE TREINAMENTO NA MUSCULAÇÃO. Prof. Ms. Alexandre Sérgio Silva DEF/CCS/UFPB CREF 00926/G-PB

FISIOLOGIA DOS MÉTODOS DE TREINAMENTO NA MUSCULAÇÃO. Prof. Ms. Alexandre Sérgio Silva DEF/CCS/UFPB CREF 00926/G-PB FISIOLOGIA DOS MÉTODOS DE TREINAMENTO NA MUSCULAÇÃO Prof. Ms. Alexandre Sérgio Silva DEF/CCS/UFPB CREF 00926/G-PB INTRODUÇÃO Diferentemente de métodos para treino aeróbio, a maioria dos métodos desenvolvidos

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA MUSCULAR EM IDOSOS: CURIOSIDADES E RECOMENDAÇÕES

TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA MUSCULAR EM IDOSOS: CURIOSIDADES E RECOMENDAÇÕES TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA MUSCULAR EM IDOSOS: CURIOSIDADES E RECOMENDAÇÕES STRENGTH TRAINING AND MUSCLE POWER IN THE ELDERLY: CURIOSITIES AND RECOMMENDATIONS Ms. Mauro Lúcio Mazini Filho Ms. Dihogo

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS

EFEITO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS Recebido em: 27/02/2009 Emitido parece em: 17/03/2009 Artigo original EFEITO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS Suzana Raquel Carvalho Costa 1, André Gustavo

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Quem é o Idoso? ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS)

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física. Gabriela Bartholomay Kothe UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Escola de Educação Física Gabriela Bartholomay Kothe RELAÇÃO ENTRE O PERCENTUAL DE 1RM E O NÚMERO DE REPETIÇÕES MÁXIMAS EM EXERCÍCIOS DE MUSCULAÇÃO EM INDIVÍDUOS

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO COMBINADO NA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO E NA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA. Bruno Oliveira Fernandes

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA. Bruno Oliveira Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Bruno Oliveira Fernandes OS BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS RESISTIDOS PARA IDOSOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA Iporá

Leia mais

A Interferência da Musculação no Combate à Perda de Força em Idosos RESUMO. Este estudo tem como objetivo demonstrar a interferência da musculação no

A Interferência da Musculação no Combate à Perda de Força em Idosos RESUMO. Este estudo tem como objetivo demonstrar a interferência da musculação no FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA A Interferência da Musculação no Combate à Perda de Força em Idosos Fábio de Aguiar Guedes e Marcelo de Sant Anna Maximo Rio de Janeiro - 2003 Artigo Monográfico apresentado

Leia mais

TREINAMENTO EM IDOSOS, ATRAVÉS DA MUSCULAÇÃO, PARA GANHO DE FORÇA NOS MEMBROS INFERIORES

TREINAMENTO EM IDOSOS, ATRAVÉS DA MUSCULAÇÃO, PARA GANHO DE FORÇA NOS MEMBROS INFERIORES TREINAMENTO EM IDOSOS, ATRAVÉS DA MUSCULAÇÃO, PARA GANHO DE FORÇA NOS MEMBROS INFERIORES Patrícia Mozart Moura 1 ; Vera Lígia Montenegro de Albuquerque 1, Danilo Lopes Ferreira Lima 1 ; Liana Maria de

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES

GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES GUIA DE MUSCULAÇÃO PARA INICIANTES O QUE É MUSCULAÇÃO? A musculação é um exercício de contra-resistência utilizado para o desenvolvimento dos músculos esqueléticos. A partir de aparelhos, halteres, barras,

Leia mais

VANESSA FLORENCE DURÃES ANÁLISE DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA MUSCULAÇÃO PUBLICADOS EM REVISTAS DE CIRCULAÇÃO COMERCIAL A PARTIR DE 2008

VANESSA FLORENCE DURÃES ANÁLISE DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA MUSCULAÇÃO PUBLICADOS EM REVISTAS DE CIRCULAÇÃO COMERCIAL A PARTIR DE 2008 VANESSA FLORENCE DURÃES ANÁLISE DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO NA MUSCULAÇÃO PUBLICADOS EM REVISTAS DE CIRCULAÇÃO COMERCIAL A PARTIR DE 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

O INTERVALO DE RECUPERAÇÃO AFETA O VOLUME DA SESSÃO DE EXERCÍCIO RESISTIDO EM MULHERES?

O INTERVALO DE RECUPERAÇÃO AFETA O VOLUME DA SESSÃO DE EXERCÍCIO RESISTIDO EM MULHERES? ISSN 0103-5150 Fisioter. Mov., Curitiba, v. 22, n. 2, p. 239-247, abr./jun. 2009 Licenciado sob uma Licença Creative Commons O INTERVALO DE RECUPERAÇÃO AFETA O VOLUME DA SESSÃO DE EXERCÍCIO RESISTIDO EM

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

EXERCÍCIO RESISTIDO FRENTE À SARCOPENIA: UMA ALTERNATIVA EFICAZ PARA A QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO

EXERCÍCIO RESISTIDO FRENTE À SARCOPENIA: UMA ALTERNATIVA EFICAZ PARA A QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO EXERCÍCIO RESISTIDO FRENTE À SARCOPENIA: UMA ALTERNATIVA EFICAZ PARA A QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO Ronan Martins Cardoso¹; João Rezende da Costa Neto²; Leonardo Paul Ribeiro de Freitas³; Maria Paula Pereira

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Influência de 10 semanas de treinamento resistido em mulheres entre 50 e 75 anos

EDUCAÇÃO FÍSICA. Influência de 10 semanas de treinamento resistido em mulheres entre 50 e 75 anos EDUCAÇÃO FÍSICA Influência de 10 semanas de treinamento resistido em mulheres entre 50 e 75 anos Roseli Mendes Chife Pesquisadora Marco C. Uchida Orientador Resumo Introdução: Atualmente pessoas de todas

Leia mais

BENEFÍCIOS DA HIDROGINÁSTICA PARA OS PORTADORES DE OSTEOPOROSE

BENEFÍCIOS DA HIDROGINÁSTICA PARA OS PORTADORES DE OSTEOPOROSE BENEFÍCIOS DA HIDROGINÁSTICA PARA OS PORTADORES DE OSTEOPOROSE Linda Moreira lindapfrimer@hotmail.com Universidade Católica de Goiás Revista Estudos, v.31, n.1, p. 57-66, jan.2004. INTRODUÇÃO: A Osteoporose

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos

Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos Edison Alfredo de Araújo Marchand Graduação em Educação Física - URCAMP/RS Pós-Graduação em Ginástica Médica - FICAB/RJ

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

DÉBORA SHEMENNIA GULARTE DE SOUZA ADAPTAÇÕES CRÔNICAS AO EXERCÍCIO EXCÊNTRICO EM DIFERENTES VELOCIDADES DE EXECUÇÃO DO MOVIMENTO

DÉBORA SHEMENNIA GULARTE DE SOUZA ADAPTAÇÕES CRÔNICAS AO EXERCÍCIO EXCÊNTRICO EM DIFERENTES VELOCIDADES DE EXECUÇÃO DO MOVIMENTO DÉBORA SHEMENNIA GULARTE DE SOUZA ADAPTAÇÕES CRÔNICAS AO EXERCÍCIO EXCÊNTRICO EM DIFERENTES VELOCIDADES DE EXECUÇÃO DO MOVIMENTO Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso superior de Bacharelado

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

ARTIGO INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS

ARTIGO INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS ARTIGO INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS Rodrigo Eduardo Schneider* Newton Sanches Milani** Resumo Torna-se cada vez maior o número de pessoas com idade superior

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO

ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS: REVISÃO Eder Rodrigues Machado (ederrodriguesmachado@gmail.com) UNIFAN Patrícia Cândida de Matos Lima Martins (patycandida@hotmail.com) UNIFAN Denise

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA PARA IDOSOS ARACAJU -SE

TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA PARA IDOSOS ARACAJU -SE Artigo de Revisão Pós-graduação Lato Sensu em Fisiologia e Avaliação Morfofuncional - Universidade Gama Filho TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA PARA IDOSOS ARACAJU -SE Antônio Evaldo dos Santos Anderson

Leia mais

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação).

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Curso de Musculação. Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Periodização: o que é isso? É o período ou temporada de treinamento prédeterminado, em que se encontra um indivíduo, possuindo etapas

Leia mais

Metodologia do Treinamento Desportivo

Metodologia do Treinamento Desportivo Metodologia do Treinamento Desportivo PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Princípios do treinamento [5] Individualidade biológica Adaptação Sobrecarga Interdependência volume / intensidade Continuidade

Leia mais

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 65 ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS RESUMO Sônia Darque do Nascimento Brandão Thomaz Décio Abdalla

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais