I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL"

Transcrição

1 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ana Nunes* A ultra-sonografia do rim e aparelho urinário é um método importante na abordagem diagnóstica da patologia urológica, constituindo um exame de primeira linha. É um exame não invasivo, de baixo custo e sem necessidade de preparação prévia ou utilização de contraste. Para a exploração ecográfica urológica utiliza-se uma sonda convexa com baixas frequências (2,5 a 5 MHz) semelhante à utilizada para a exploração do restante abdómen. Poder-se-á utilizar o doppler a cores e o power-doppler para avaliação da vascularização. ANATOMIA Os rins apresentam dimensões variáveis, sendo considerado normal um diâmetro longitudinal de 10 a 12 cm e um diâmetro transversal de 4 a 6 cm. Os contornos renais são regulares e lisos, diferenciando-se da gordura peri-renal de aspecto hiperecogénico. A espessura do parênquima renal varia entre os 1,3 e 2,5 cm e diminui no indivíduo idoso, podendo apresentar apenas 1 cm. Em cerca de 10% dos doentes, o parênquima renal do bordo lateral esquerdo, próximo do pólo superior, pode atingir 3 cm de espessura originando *Hospital Garcia de Orta - Almada 65

2 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 um aspecto em bossa de camelo. O parênquima apresenta um aspecto homogéneo e uma ecogenecidade ligeiramente inferior à hepática e esplénica. É possível diferenciar o córtex das pirâmides medulares, que apresentam uma menor ecogenecidade e têm um aspecto triangular ou arredondado. O limite entre o parênquima renal e o seio renal está geralmente bem definido. O seio renal é constituído por tecido conjuntivo, pelos vasos renais, pelos vasos linfáticos e pelas vias excretoras proximais. É um estrutura hiperecogénica e apresenta uma configuração ovóide nos cortes longitudinais e arredondada nos cortes transversais. As vias excretoras proximais apresentam um conteúdo anecogénico devido à presença de urina, sendo o bacinete facilmente identificado com um diâmetro que varia entre 1 e 2,5 cm. A ultra-sonografia renal permite observar a relação dos rins com os vários órgãos adjacentes, nomeadamente o fígado, o baço, o cólon (ângulos hepático e esplénico) e o pâncreas, bem como com os planos musculares e os grandes vasos abdominais. AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DOS RINS A identificação dos rins é realizada durante a exploração do abdómen com o doente em decúbito dorsal. O rim direito é facilmente observado colocando a sonda abaixo do rebordo costal direito e utilizando o parênquima hepático como janela acústica. É, também, possível recorrer a cortes oblíquos no flanco direito com o 66

3 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 doente em decúbito lateral esquerdo parcial. O rim esquerdo identifica-se colocando a sonda abaixo do rebordo costal esquerdo. A sua visualização pode ser dificultada pela presença de gás nos órgãos digestivos ou pela interposição da grelha costal, pelo que poderá ser necessário colocar o doente em decúbito lateral direito ou pedir ao doente para realizar inspirações forçadas. O estudo dos rins deve ser realizado com cortes longitudinais e transversais e devem ser tidos em conta os seguintes aspectos: forma, dimensões e regularidade dos contornos renais; espessura, homogenecidade e reflectividade do parênquima; forma e dimensões do sistema excretor e permeabilidade dos vasos (Figuras 7.1 e 7.2). Existem múltiplas variantes anatómicas do normal que não deverão ser confundidas com situações patológicas. Algumas das variantes incluem alteração da forma, nomeadamente: lobulação fetal persistente, hipertrofia das colunas de Bertin, impressão esplénica, hipertrofia de um lábio do hilo ou má rotação renal. A loca renal pode estar vazia por agenésia, aplasia, hipoplasia ou rim atrófico, sendo habitual uma hipertrofia do rim contra-lateral. Podem surgir ectopias e união anómala dos rins (p.ex. rim em ferradura). 67

4 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 Figura 7.1 e 7.2 Corte longitudinal do rim esquerdo e rim direito AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DOS URETERES Os ureteros habitualmente não são visíveis, excepto em situações de dilatação. A dilatação da árvore excretora pode surgir secundariamente a uma bexiga muito distendida ou na mulher grávida, não tendo significado patológico nestas situações. AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DA BEXIGA O exame da bexiga deverá ser realizado com este órgão em replecção e com o doente em decúbito dorsal. A correcta observação deverá incluir cortes longitudinais e transversais supra-púbicos (Figuras 7.3 e 7.4). A bexiga apresenta-se como uma estrutura de aspecto rectangular nos cortes transversais e triangular nos cortes longitudinais, simétrica, com conteúdo anecogénico. Frequentemente observam-se artefactos de reverberação junto à parede anterior e 68

5 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 posterior. A parede é fina (1 a 3 mm), de contorno regular e ecogénica. É possível identificar o trígono (que mede 5 mm de espessura) e os orifícios uretrais que surgem como uma elevação hipoecogénica ao nível da base com cerca de 5 mm de espessura e 1 cm de comprimento. Por vezes, visualiza-se o jacto ureteral com aspecto de um trajecto ecogénico. A bexiga cheia funciona como janela acústica para a observação dos órgãos reprodutores, nomeadamente da próstata, glândulas seminais, útero e ovários. Figuras 7.3 e 7.4 Cortes transversal e longitudinal da bexiga AVALIAÇÃO ULTRA-SONOGRÁFICA DA PRÓSTATA E VESÍCULAS SEMINAIS A próstata encontra-se junto ao pavimento da bexiga e anteriormente ao recto. Tem uma forma ovóide ou semicónica, em forma de castanha, com ecoestrutura homogénea e fracamente ecogénica. No entanto, pode surgir alguma heterogenecidade no 69

6 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 parênquima ou calcificações, sem significado patológico. Os cortes transversais permitem medir o seu diâmetro antero-posterior que varia entre 2 e 3 cm e o transversal que varia entre 3 e 5 cm (Figuras 7.5 e 7.6). As vesículas seminais podem ser observadas nos cortes transversais da próstata como estruturas semilunares, de pequenas dimensões, hipoecogénicas, adjacentes à face posterior da próstata e ao colo vesical. Figuras 7.5 e 7.6 Cortes transversal e longitudinal da próstata ÚTERO E OVÁRIOS O útero relaciona-se posteriormente com o recto e anteriormente com a bexiga. A sua posição é variável com o estado de replecção da bexiga e do recto, encontrando-se com maior frequência em anteroversoflexão. O seu tamanho e forma variam com a idade e paridade da mulher. Na mulher adulta, mede cerca de 7 cm longitudinalmente e 5 cm transversalmente. Na parede uterina distingue-se o miométrio e o endométrio. A ecoestrutura do 70

7 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 endométrio varia em função da fase do ciclo menstrual. A sua espessura varia entre 3 e 8 mm na fase proliferativa e entre 7 e 14 mm na fase secretora. Na fase menstrual surge como uma linha fina hiperecogénica, na fase proliferativa inicial torna-se isoecoide, na fase proliferativa tardia tem um aspecto trilaminar e na fase secretora é mais ecogénica. Na pós-menopausa, o endométrio é fino e regular. (Figuras 7.5 e 7.6) Figuras 7.5 Cortes longitudinal e transversal do útero Figura 7.6 Corte longitudinal do útero e vagina Os ovários localizam-se, na maioria dos casos, lateralmente ao útero. Têm uma forma ovóide, de contornos nítidos e ecogenicidade intermédia, semelhante à do miométrio. A sua morfologia varia com a idade e estado reprodutivo da mulher, apresentando uma estrutura homogénea antes da menarca e na pós-menopausa. Durante o ciclo ovulatório a sua estrutura é muito variável. 71

8 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 CORTES ECOGRÁFICOS FUNDAMENTAIS FIGADO CORTES SAGITAIS LOBO CAUDADO 72

9 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 CORTES SUBCOSTAIS - VEIAS SUPRA-HEPÁTICAS VEIA PORTA E HILO HEPÁTICO 73

10 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 VESICULA BILIAR VIA BILIAR 74

11 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 PÃNCREAS 75

12 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 TRONCO CELÍACO VEIA ESPLÉNICA 76

13 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 BAÇO 77

14 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 PAREDE DIGESTIVA (ESTÔMAGO, CÓLON) RINS 78

15 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 BEXIGA ÚTERO PRÓSTATA 79

16 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 PLANOS ABDOMINAIS MAIS IMPORTANTES Abdomen sup Corte sagital Quadrante inf esq Corte para-iliaco obliquo Quadrante sup dto Corte oblíquo Quadrante sup dto Corte obliquo Abdomen sup Corte transversal Flanco dto Corte intercostal em decúbito lateral esq Abdómen sup Corte sagital na linha medioclavicular Quadrante sup esq Corte transversal Flanco esq Corte intercostal em decúbito lateral dto Abdómen inf Corte suprapúbico Flanco esq Corte alto em decúbito lateral dto Abdómen inf Corte transversal suprapúbico 80

17 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 ESTRUTURA FÍGADO - LINHA MEDIOCLAVICULAR FÍGADO - PLANO MEDIANO FÍGADO - LOBO CAUDADO VESÍCULA ESPESSURA PAREDE VBP VBP (COLECISTECTOMIZADO) C.WIRSUNG (CABEÇA-CORPO-CAUDA) BAÇO DIÂMETRO CRÂNEO-CAUDAL BAÇO - ESPESSURA BAÇO - ÁREA PAREDE DIGESTIVA RIM DIÂMETRO LONGITUDINAL RIM DIÂMETRO TRANSVERSAL RIM - PARÊNQUIMA RENAL VEIA PORTA VEIA CAVA INFERIOR VEIAS SUPRAHEPÁTICAS ART AORTA (ACIMA DO RIM) ART AORTA ECTASIA ART AORTA ANEURISMA VALORES DE REFERÊNCIA 12-13cm 15-16cm <35mm <3mm <6mm <9mm 3-2-1mm <13cm <5cm <50cm2 <5mm 10-12cm 4-6cm cm <13mm <2cm <6mm na periferia hepática >1cm junto à VCI <2,5cm 2-5-3cm >3cm 81

18 Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 REFERÊNCIAS DE ESTUDO - Abdominal Ultrasound, How, Why and When, Jane Bates, Second Edition, Color Atlas of Ultrasound Anatomy, B. Block, The Practice of Ultrasound A step-by-step guide to abdominal scanning, B. Block, Tratado de Ultrasonografia Abdominal, Asociación Española de Ecografía Digestiva,

RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS

RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS A exploração ecográfica do rim é essencial ao diagnóstico da maior parte da patologia do sistema genito-urinário. É um exame de primeira linha dado o seu carácter não-invasivo,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Introdução SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Wagner Iared; José Eduardo Mourão; David C. Shigueoka A ultrassonografia é provavelmente o método de imagem mais frequentemente solicitado

Leia mais

I. VESÍCULA E VIAS BILIARES

I. VESÍCULA E VIAS BILIARES Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. VESÍCULA E VIAS BILIARES Pedro Bastos* A patologia do sistema biliar é muito frequente na prática clínica. A avaliação de doentes com

Leia mais

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA 1 Sumário PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA... 4 Preâmbulo:... 4 Introdução... 4 Qualificações

Leia mais

ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V.

ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V. Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V.BAÇO 47

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço BAÇO

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço BAÇO 7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço Anatomia BAÇO O baço é um órgão linfático encapsulado, ricamente vascularizado, que levanta algumas dificuldades ao

Leia mais

Anatomia do abdome superior DEPARTAMENTO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM(H.U. H.U.-UNOESTE) UNOESTE) DR.FÁBIO VINICIUS DAVOLI BIANCO ESTÔMAGO CÁRDIA FUNDO CORPO CANAL PILÓRICO Relações anatômicas Fundo hemicúpula

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultrassonografia Clínica para Gastrenterologistas - Pâncreas PÂNCREAS

7º Curso Teórico-Prático de Ultrassonografia Clínica para Gastrenterologistas - Pâncreas PÂNCREAS Anatomia e Ecoanatomia PÂNCREAS Localização e meios de fixação O pâncreas é uma glândula volumosa anexa ao arco duodenal. Localiza-se transversalmente em frente dos grandes vasos e do rim esquerdo, desde

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário ANATOMIA HUMANA II Educação Física Sistema Genito-urinário Prof. Me. Fabio Milioni Sistema Urinário Função Excretar substâncias do corpo urina (Micção) (ác. úrico, ureia, sódio, potássio, etc) Órgãos rins

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

O Portal Saúde www.oportalsaude.com O Nosso Corpo Volume XVIII Aparelho Genital Feminino Parte 1 O Portal Saúde www.oportalsaude.

O Portal Saúde www.oportalsaude.com O Nosso Corpo Volume XVIII Aparelho Genital Feminino Parte 1 O Portal Saúde www.oportalsaude. O Nosso Corpo Volume XVIII Aparelho Genital Feminino Parte 1 um Guia de O Portal Saúde Fevereiro de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

24/02/2016 EXPELIDA DO ORGANISMO RIM. Armazenam e conduzem a urina dos rins para o meio externo. Produzem Urina URETER BEXIGA URETRA

24/02/2016 EXPELIDA DO ORGANISMO RIM. Armazenam e conduzem a urina dos rins para o meio externo. Produzem Urina URETER BEXIGA URETRA Marcelo Marques Soares Prof. Didi ARMAZENAM URINA (BEXIGA) 1 2 3 5 6 7 8 PRODUZEM URINA (RINS) São órgãos pares, com cerca de 11,25cm de comprimento por 5 a 7,5cm de largura e 2,5cm de espessura 9 10 11

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

Preparo para os Exames de Ultrassonografia A ultrassonografia é um método alicerçado no fenômeno de interação de som e tecidos. A partir da transmissão de onda sonora de alta frequência (>20.000 Hz), observamos

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas Equipamento e artefactos. Equipamento

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas Equipamento e artefactos. Equipamento Equipamento A ultra-sonografia é uma ferramenta na qual, através de um conjunto complexo de instrumentos e software, nos é permitido adquirir e aperfeiçoar projecções de imagens num monitor. Desta forma

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

rgmaia EVA MARIA MORAIS CASTANHA

rgmaia EVA MARIA MORAIS CASTANHA EVA MARIA MORAIS CASTANHA Sistema Urinário rio Definição: conjunto de órgãos responsáveis pela formação e eliminação da urina. A urina corresponde a um fluído produzido durante a filtração do sangue, e

Leia mais

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa 1 Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa Órgãos Reprodutores Externos (fig.01) - Monte de Vênus (monte pubiano): Constituído

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 86

PROVA ESPECÍFICA Cargo 86 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 86 QUESTÃO 26 Sobre os adenomas das glândulas adrenais, é INCORRETO afirmar: a) Os adenomas hiperfuncionantes dão origem a S. Cushing ou à D. de Conn. b) Ao ultra-som apresentam-se

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Fígado FÍGADO

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Fígado FÍGADO 7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Fígado FÍGADO Introdução A exploração ecográfica do fígado é, actualmente, um exame de primeira linha, seja no diagnóstico

Leia mais

[ECOGRAFIA ABDOMINAL]

[ECOGRAFIA ABDOMINAL] 2013 Universidade de Évora Margarida Fragoso Costa [ECOGRAFIA ABDOMINAL] Texto de apoio às aulas práticas de Imagiologia do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Índice 1. INTRODUÇÃO À

Leia mais

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II SEMIOLOGIA DO ABDOME Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II ABDOME ABDOME INSPEÇÃO PELE: CICATRIZES, ESTRIAS, VEIAS E LESÕES UMBIGO CONTORNO ABDOMINAL: FORMA, SIMETRIA, VOLUME, MASSAS E VÍSCERAS PERISTALSE

Leia mais

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Adaptações Celulares. Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider. h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Adaptações Celulares Carlos Cas4lho de Barros Augusto Schneider h:p://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Adaptações Celulares Alterações do: Volume celular aumento = hipertrofia - diminuição

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 USG Geral SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE Tomografia Axial Computorizada A Tomografia Axial Computorizada (TAC) define com nitidez os contornos dos órgãos, a sua densidade e a sua vascularização. Permite o diagnóstico

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2 um Guia de O Portal Saúde Dezembro 2010 / Janeiro 2011 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS RADIOLOGIA 21. A localização mais comum dos leiomiomas é: a) Subseroso. b) Submucoso. c) Intramural. d) Ligamento largo. 22. Um paciente de 45 anos, do sexo feminino,

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Hysterosalpingography: A Reemerging Study

Hysterosalpingography: A Reemerging Study Hysterosalpingography: A Reemerging Study William L. Simpson,, Laura G. Beitia, Jolinda Mester RadioGraphics 2006 Andrea a Canelas 31-05 05-2006 HSG - Introdução HSG avaliação radiológica do útero e trompas

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic Mal formações do trato urinário Luciana Cabral Matulevic Refluxo Vésico-Ureteral Fluxo anormal de urina da bexiga para o trato urinário superior Achado isolado ou associado a outras malformações Causas

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011 H Convencionados Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010 7 11 de Fevereiro de 2011 Título Actividade cirúrgica dos Convencionados Versão V1 Autores Unidade Central de Gestão

Leia mais

TABELA PARTICULAR DIMASUL

TABELA PARTICULAR DIMASUL TABELA PARTICULAR DIMASUL DOPPLER V.PART DESC. V. PARCERIA DOPPLER ABDOMINAL 23,170 4,634 18,536 DOPPLER ARTERIAL MEMB.INF. 23,170 4,634 18,536 DOPPLER ARTERIAL MEMB.SUP. 23,170 4,634 18,536 DOPPLER DOS

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos, isto é, incumbidos de elaborar a urina e armazená- la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior. Na urina

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOMEN DE QUATIS (NASUA NASUA)

PADRONIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOMEN DE QUATIS (NASUA NASUA) PADRONIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOMEN DE QUATIS (NASUA NASUA) Rejane Guerra RIBEIRO 1, Naida Cristina BORGES 2, Juan Carlos Duque MORENO 3 Ana Paula Araújo COSTA 4, Nathália BRAGATO 5, Angela

Leia mais

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia PATOLOGIA GERAL CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR VETERINÁRIA INDISPENSÁVEIS PARA OS SERES VIVOS CRESCIMENTO - multiplicação celular formação normal dos organismos e reposição TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA

MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Liga Acadêmica de Radiologia MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA 2013 Autores Ivan Barraviera Masselli

Leia mais

17 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. Trato urinário inferior

17 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. Trato urinário inferior 17 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. Trato urinário inferior A maioria dos estudos envolve contraste iodado intravenoso. O número de doenças é muito elevado e serão abordados tópicos principais.

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO Daniela Brum Anatomia do Sistema Urinário Rins Ureteres Bexiga Uretra Sistema Urinário - Funções Filtrar o sangue removem, armazenam e transportam produtos residuais meio

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno

Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno ntrodução à Anatomia e Fisiologia do Sistema Urinário Profa. Dra. Janaína Duarte Conceito Sistema responsável pela formação (rins) e eliminação (ureteres, bexiga urinária e uretra) a urina. Funções Órgãos

Leia mais

Aparelho Reprodutor Feminino

Aparelho Reprodutor Feminino Aparelho Reprodutor Feminino Profa Elaine C. S. Ovalle Aparelho Reprodutor Feminino Composto por: - ovários - tubas uterinas - útero - vagina - glândulas mamárias 1 Ovários Funções do Sistema Genital Feminino

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: SISTEMAS HUMANOS: EXCRETOR E CIRCULATÓRIO Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. Coloque C ou E e corrija se necessário: ( ) Os rins recebem sangue

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Aparelho Genital Feminino

Aparelho Genital Feminino Aparelho Genital Feminino Função : Produz óvulos; Secreção de hormonas; Nutre e protege o desenvolvimento do feto. Constituição: Ovários; Trompas uterinas; Útero; Vagina; Órgãos genitais externos; Mamas.

Leia mais

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL Investigação Imagens Anomalias obstrutivas do trato urinário Obstrução da junção ureteropélvica Obstrução

Leia mais

Validação Revalidação

Validação Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM ULTRASSONOGRAFIA GERAL Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço Membro Titular do CBR. Título de Especialista em Diagnóstico por

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara CASO CLÍNICO Geysa Câmara C.P.S,sexo feminino, 43 anos, parda, casada, dona de casa, natural de São Paulo,católica. QP: Cólicas fortes o H.D.A: Paciente refere que há 4 anos apresentava ardor miccional,

Leia mais

NEWS artigos CETRUS. Dr. Sebastião Zanforlin Filho. - Mestrado pela Escola Paulista de Medicina pela Universidade Federal de São Paulo.

NEWS artigos CETRUS. Dr. Sebastião Zanforlin Filho. - Mestrado pela Escola Paulista de Medicina pela Universidade Federal de São Paulo. NEWS artigos CETRUS Ultra-Som em Ginecologia Parte 2 Apresentação Os órgãos do aparelho reprodutor feminino apresentam complexas modifi cações fi siológicas durante o ciclo menstrual, muitas delas apresentando

Leia mais

Sistema urinário. Sistema urinário. Rins localização. urinário

Sistema urinário. Sistema urinário. Rins localização. urinário Sistema urinário Sistema urinário urinário Rins remoção de produtos residuais, regula composição do plasma, função hormonal (renina, eritropoietina). Rins localização Ureteres -condução da urina Bexiga

Leia mais

tract in children: lessons from the last 15 years Michael Riccabona Pediatr Radiol (2010) 40:947 955

tract in children: lessons from the last 15 years Michael Riccabona Pediatr Radiol (2010) 40:947 955 Obstructive diseases of the urinary tract in children: lessons from the last 15 years Michael Riccabona Pediatr Radiol (2010) 40:947 955 Resumo A obstrução do tracto urinário é um problema frequente em

Leia mais

SISTEMA UROGENITAL. Definição:

SISTEMA UROGENITAL. Definição: Definição: SISTEMA UROGENITAL 1 Parte do aparelho urogenital responsável pela uropoese e pela condução, armazenamento e eliminação de urina. Do Grego ouron, urina, poíein, formar, portanto, secreção de

Leia mais

PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe. Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário PROGRAMA DE ANATOMIA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Anatomia - 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

Ultra-sonografia. Notas de Aula

Ultra-sonografia. Notas de Aula Ultra-sonografia Notas de Aula Fev_2007 Ultra-sonografia Notas de Aula Sumário 1. NOTA DE AULA N.01 : FÍSICA DO ULTRA-SOM... 01 2. NOTA DE AULA N.02 : PLANOS E MÉTODOS DE EXAME, E ANATOMIA SECCIONAL...

Leia mais

DE ALTA VELOCIDADE. Pedro Henrique B. de Vasconcellos Serviço o de Cirurgia Geral Hospital Cardoso Fontes

DE ALTA VELOCIDADE. Pedro Henrique B. de Vasconcellos Serviço o de Cirurgia Geral Hospital Cardoso Fontes DE ALTA VELOCIDADE Pedro Henrique B. de Vasconcellos Serviço o de Cirurgia Geral Hospital Cardoso Fontes Para entendermos o que ocorre nas lesões por PAF, precisamos estudar a Balística envolvida, o armamento

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO ASPECTOS CLÍNICOS E ECOGRÁFICOS Miguel Branco MBB -CHC Definição é clínica: Contractilidade uterina com alteração características do colo ( mais específico se > 6 /h e >

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor Neoplasias Renais e das Vias Excretoras Dr.Daniel Bekhor CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Diagnóstico por imagem Neoplasias benignas Neoplasias malignas Sugestão de algoritmo de exames ANATOMIA Gore RM et al. The

Leia mais

Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia

Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas Disciplina de Histologia e Embriologia VI 1º período de Medicina Professor Lúcio Henrique de Oliveira Roteiro para acompanhamento das aulas

Leia mais

Director: Prof. Doutor Caseiro Alves. Andrea Canelas 29/05/2008

Director: Prof. Doutor Caseiro Alves. Andrea Canelas 29/05/2008 Director: Prof. Doutor Caseiro Alves Andrea Canelas 29/05/2008 Introdução TC tornou-se o método de imagem de escolha na investigação de practicamente todas as queixas abdominais Por TC, a maioria das massas

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana - Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Histologia e Embriologia Animal II Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Daniela dos Santos

Leia mais