PAISAGEM PÉTREA. Ano 2 Nº 7 Nov 2013 ISSN por Jorge Soledar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAISAGEM PÉTREA. Ano 2 Nº 7 Nov 2013 ISSN 2316-8102. por Jorge Soledar"

Transcrição

1 Ano 2 Nº 7 Nov 2013 ISSN PAISAGEM PÉTREA por Jorge Soledar {Esculpir no outro horror que se tem medo de ver e tocar.} {Incidir instrução a um assombro.} 13 Rooms foi o título escolhido por Hans-Ulrich Obrist e Klaus Biesenbach para designar projeto de exposição ocorrido em abril desse ano, nos galpões 2/3 da Hickson Road, em Sidney, Austrália. O projeto consistiu em realizar por 11 dias, simultaneamente, 13 ações em 13 salas construídas especialmente no interior dos galpões, baseadas em instruções, segundo os curadores, com a ideia de living sculptures. Expressão que já aparece na divulgação do projeto promovido com eloquência pela Kaldor Public Art Projects: 13 Rooms brings together 13 famous artists and more than 100 performers to present an innovative group exhibition of living sculpture within 13 purpose-built rooms. This groundbreaking event will run for 11 days and has been curated by Hans- Ulrich Obrist and Klaus Biesenbach. [1] Com menor eloquência, living sculpture surge no Google para designar ornamentos vegetais usados em jardins. Em paisagismo, o termo é usado para tratar de categoria técnica no entalhamento decorativo de arbustos. Nas artes, contudo, tem sentido mais complexo e ainda pouco discutido em relação a trabalhos voltados a ações instruídas para outro executar (em lugar do artista). Voltando à exposição em Sidney, não houve de fato paisagismo, mas austeras salas brancas (de acordo com o modelo de white cube) servindo de recinto à visitação durante os 11 dias do evento, de modo a apresentar no corpo de modelos instruções préordenadas pelos seguintes artistas: Marina Abramović, John Baldessari, Joan Jonas, Damien Hirst, Tino Sehgal, Allora and Calzadilla, Simon Fujiwara, Xavier Le Roy, Roman Ondák, Santiago Sierra, Xu Zhen e Laura Lima.

2 Laura Lima, Man=flesh/Woman=flesh FLAT, Frame de 13 Rooms. Cortesia da artista Ideias do trabalho artístico como instruções para o outro estão no cerne da fase canônica do conceitualismo, ou em sua primeira fase, conforme apresentam Cecília Cotrim e Glória Ferreira (2006) nos célebres textos Art after Philosophy (1969), de Joseph Kosuth, e Paragraphs on Conceptual Art (1967), por Sol LeWitt. Na súmula das autoras sobre o escrito de Sol LeWitt: Utilizando-se de instruções escritas, como nos wall drawings, LeWitt assinala as diferenças entre o modo de informação conceitual e as implicações do reducionismo minimalista. Desenvolvido a partir de informações conceituais, linguísticas, ou seja, em intenções a priori, os cubos geométricos, baseados em permutações e acasos, tornam explícita a desordem introduzida pela exploração dos intervalos entre a percepção, descrição e representação, e dos problemas de cognição e percepção colocados pela linguagem para a leitura de imagens. [2] Laura Lima apresentou o trabalho exibido em Sidney, Man=flesh/Woman=flesh FLAT, anteriormente, em 2010, na individual Grande, realizada pela Casa França-Brasil, Rio de Janeiro. Em entrevista sobre a mostra, documentada em vídeo [3], a artista brasileira assinala que o trabalho referido, reapresentado em 13 Rooms, consiste numa ambiência perscrutadora, examinadora das modificações tanto da postura do público, que procura desvendar o que há no recinto aplainado a partir do teto, quanto pelo estranhamento do que se inscreve no seu interior: uma pessoa executando sua instrução de trabalho. Quais seriam as principais diferenças ou mudanças, considerando aspectos conceituais da arte como instrução, entre o referido trabalho de Laura Lima ( ) e as instruções presentes nos trabalhos conceitualistas da primeira fase, já mencionados por Cotrim e Ferreira (2006), no preâmbulo ao texto Paragraphs on Conceptual Art, de LeWitt no final do anos 60?

3 Em primeiro lugar, para o artista norte-americano, o cerne do trabalho conceitualista não é mais a expressão centrada no produto, mas na ideia que o motiva, a arte tornando-se, neste sentido, projeto calcado em instrução técnica e conceitual na direção de uma inscrição autoral no espaço. Mas, alerta o artista, esse tipo de arte não é teórico nem ilustra teorias; é intuitivo ( ). Normalmente é livre da dependência da habilidade do artista como artesão (p ). É preciso ter em mente o contexto de seus parágrafos em arte conceitual, que têm por alvo explícito opor-se à eloquência subjetivista da teoria à prática do discurso expressionista abstrato, pois, segundo ele, ( ) não haveria nenhuma razão para que o artista conceitual pretenda entediar o observador. Apenas a expectativa de um impacto emocional, com o qual uma pessoa condicionada à arte expressionista está acostumada, impediria o observador de perceber essa arte. [4] Em segundo lugar, ainda sobre esse célebre texto, parece mister fazer menção a que a ideia de instrução, implícita na ordem do discurso, ao invés de listar uma tipologia, enuncia-se a partir de uma própria instrução central: pela ideia enquanto intuição e máquina de fazer arte. [5] Assim, a instrução implicada no texto não tem uma única forma determinada de se manifestar como arte, mas pelo contrário, apresenta-se por uma potência de instrução a que se intuam novas instruções, dobrando-se na escrita para além de modos canônicos ou vencidos. Neste sentido, retomando a questão formulada em torno de Laura Lima, enfocada sob o prisma da ideia de instrução como trabalho conceitual, cabe frisar as palavras de Georges Didi-Huberman (2009) sobre o papel do artista menos como figura a responder questões, mas no papel que tem em encarná-las. [6] De modo que supostamente o trabalho FLAT encarna ideia designada por living sculpture no centro curatorial do projeto realizado em Sidney. Conforme a transcrição feita do vídeo já referido, Laura Lima diz que O movimento do corpo do espectador é um movimento que precisa se modificar para poder apreender o que está ali. Então ele abaixa, e perscruta o que está acontecendo. Vê um teto que está caído, que está noutra posição. Num espaço reconstruído e numa ambiência completamente diferente. E ali, uma pessoa. Uma pessoa com corpo ímpar reesculpido, porque o nosso deslocamento e as arquiteturas construídas têm muito a ver com ideias que precisam ser passadas. [7] Interessante notar que a artista usa o termo reesculpir, referindo-se ao modelo vivo por ela instruído a encarnar seu conceito artístico. A instrução, neste caso, é nitidamente dirigida ao outro ( reesculpir gestos, peles, máscaras e modos que correspondam à ambiência desejada por ela, ao trabalho executado por alguém), e não reesculpir-se

4 enquanto performer, mas a quem deseja reencarnar sua condição de escultura entalhada perante um olhar de Medusa. Quem são as pessoas e quais são os desejos que motivam encarnar e encarar uma condição de paisagem pétrea forjada pela ideia de ser objeto reesculpido por alguém e sob o desígnio da expressão living sculpture? De um lado, apresenta-se então o problema da tentativa, da démarche de inscrever essa expressão no vazio de nomes sobre modos de agir diretamente no corpo do outro, modos que se encontram, da dança à experimentação escultórica, no campo ampliado da arte contemporânea. Debate exposto em problemática a ser considerada com maior tempo, considerando os limites desse estudo. Por outro lado, de uma lista de artistas que poderíamos elencar sob essa ótica, se considerado o termo escultura como ideia ou conceito centrais ao encarne (entalhe) do outro como paisagem pétrea, desde os anos 90, a série One Minute Sculptures, do austríaco Erwin Wurn (1954-) pode figurar provavelmente no topo desta lista. Ele não participou de 13 Rooms, mas possui vasto trabalho de instruções e registros fotográficos de ações pétreas. Sobre One Minute Sculpture (Spinoza), apresentada no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque em 2001, Paulo Herkenhoff lista 60 aforismos sobre aquilo que considerou ter vivido através do trabalho de Wurn, citando as palavras do artista no item 5, o conceito (concept) da experiência: the One Minute Sculptures are sculptures which can last only for a very short period of time. [8] Erwin Wurm, Indoor sculpture Zürich (stand quiet for one minute), 2002 Ainda que a paisagem pétrea instruída por Wurm se manifeste no outro por brevíssimo período (dada a natureza das ações com objetos triviais de consumo), o que não é o caso dos trabalhos de Laura Lima com pessoas (FLAT, por exemplo, ocorria diariamente, ao longo do período da exposição, em horários acordados entre a instituição, a artista e o modelo/a escultura viva). Contudo, a instrução é nítida em ambos os casos, primeiramente, como

5 construção de um olhar calcado na ideia de petrificação do outro, ainda que seus sentidos e tempos divirjam do cinismo em série de Wurm à melancolia contemplativa de Lima. [9] Neste sentido, o desejo escópico de reconfigurar o outro em escultura remonta ao mito de Medusa, segundo Hal Foster (2004), configurado por diversas versões ligadas ao poder e às implicações do olhar, que representa ora o mal projetado na visão do monstro ctônico [10], ora a vacina, quando descrita miticamente como imagem apotropaica forjada no escudo do heroico Perseu. [11] O mito da Medusa parece chave de leitura tanto dos trabalhos designados por Hans-Ulrich Obrist e Klaus Biesenbach na curadoria de 13 Rooms, quanto aos artistas já mencionados que, de modos distintos, cerceiam a potência do outro por meio de instruções castradoras. Para Freud (1922), o mito da Górgona está ligado, sobretudo, à castração expressa no cabelo de serpente (snaky hair) e não no olhar, segundo Foster, como o cerne (the crux) do mito, pois não há relação deste breve texto de Freud à arte, assim como Freud enfoca a figura feminina e seus cabelos de serpente tanto em ambiguidade genital quanto no monstro da castração, motivo pelo qual seriam castrados em vida os gestos sob a forma de esculturas em pedra. Seriam então as instruções de esculturas vivas direções no sentido do mito de castrar o outro por através do olhar, como castigo dos gestos? O texto de Hal Foster Medusa and the real traça uma visão bastante complexa do assunto, que se engendra como diferentes prismas em torno de identidades míticas e variantes da Medusa, da monstruosidade ao apotropismo de seus reflexos, assim como dos aspectos psicanalíticos que se desdobram na relação com o outro. É interessante destacar também que o autor norte-americano representa a força da Górgona ainda por sua monstruosidade de obscurecer todas as categorias (blurring all the categories), pois, Often she is depicted as both young and old, beautiful and ugly, mortal and immortal, celestial and infernal, and sometimes with her snaky hair, leonien head, bovine ears, and boarish tuks, she appears both bestial and human as well. [12] A ambiguidade de sua aparição mítica é tão imprecisa quanto a posição curatorial de living sculptures como démarche no campo da arte contemporânea. Sendo assim, é curioso que a monstruosidade observada por Foster (a opacidade nas identidades de Medusa), no trecho acima, se reflita como paradoxo na flexibilidade que as esculturas vivas representam ao pensamento. Porém, o olhar de Medusa requer estratégias no campo estético, conforme concordam Foster e Vernant & Vidal-Naquet, de modo que é possível tratar da instrução conceitual na arte como hipótese de manifestação medusante no modo de entalhar o outro sob seu projeto/projeção, em oposição a visões heroicas ou olímpicas da sociedade. E, talvez por

6 isso, experimenta-se, na qualidade de paisagem pétrea ou medusada, ambiência semelhante ao estranhamento (Unheimlich) associado também por Foster à recepção da arte surrealista. Aos atos efêmeros, que normalmente cabe à fotografia e ao vídeo tornarem perenes enquanto objetos de coleção (Freire, 1999) e de registros documentais do processo, convergem aqui FLAT, de Laura Lima e One Minute Sculpture, de Erwin Wurm. De acordo com esse prisma, estaria então o papel do fotográfico condicionado pelo mero registro de trabalhos temporários e variantes de living sculptures? Ou o fotográfico estaria, portanto, na própria base do desejo de olhar medusante? Olhar que se projeta rebatido no enquadramento e fixação simbólicos do fluxo de vida em paisagem pétrea. Considerando tais questões, o olhar medusante, descarnado, que deseja se fixar no outro como estátua rebatida pelo disparo do olhar, aproxima-se do conceito-obra surrealista Explosante-fixe designado por Man Ray e André Breton. A expressão aparece como enunciado de proposição fotográfica de Man Ray (1934), transposto conceitualmente por André Breton, já no primeiro capítulo de L Amour fou (1937). Ela serve ainda como característica dos critérios estéticos atribuídos ao conceito de beleza convulsiva cognato poético do termo maravilhoso ou ideal surrealista assinalado por Aragon (1927), e ainda enquanto metáfora de erupção da contradição no real, associado por Breton (1937) a uma categoria de amor. Man Ray, Explosante-fixe, Fotografia publicada em Minotaure n 5, 1934 e incluída em André Breton, L Amour fou, Paris, Gallimard, Impressão gelatina e prata, cópia da época, 22,8 x 17,8 cm. Coleção particular, Paris

7 Na imagem, que consiste no retrato fotográfico de uma dançarina de tango em pleno movimento, gestos e feições aparecem como borrão fotossensível, decalcado pelo olhar que expõe um corte de vida diante da imagem. Arruinamento de olhar trágico, crítico, que expressa ainda a maneira pela qual a vanguarda surrealista desejou representar compulsivamente (Foster) um descarrilamento do real, como em Man Ray, usando o olhar fotográfico como disparo instruído a medusar mecanicamente imagens da vida. Por outro lado, ainda sobre o surrealismo, os artistas frequentemente associados ao movimento, Aragon, Breton, Man Ray, Magritte, Ernst, desenvolveram, como é sabido, escritos e imagens em torno de modos automatistas de criação, tomando como chaves o inconsciente, o sonho e a convulsão do real (do estado reprimido de consciência), como vias de liberdade e de amor. De modo que a explosão-fixa, à qual se refere a teoria surreal, expressaria em seus modos e suas visualidades a compulsão e o assombro (Unheimlich), na visão de Hal Foster, [13] podendo aqui ser cogitada como assombro atualizado diante da ambiência de esculturas vivas: seriam estas possibilidade estética de exposição de catarse diante das inúmeras repressões implicadas pela vida contemporânea? Como movimento da arte moderna, o surrealismo propôs formas, linguagens e maneiras que manifestaram atos, objetos e ideias tão variantes de identidade quanto de formas abertas a leituras da arte pela psicanálise e literatura, mantendo ligação com a arte conceitual no que tange certas teorias, enquanto instruções críticas de existência no mundo. Reesculpir o outro como entalhe de instruções conceituais, conforme Laura Lima apresenta seu trabalho designado, em 13 Rooms, pelo guarda-chuva conceitual de living sculpture propõe ao debate contemporâneo a presença do olhar de Medusa como desejo autoral de instrução variante à exaustão do movimento do outro, cujo assombro evoca lastros do surrealismo à arte conceitual. Enquanto démarche nos discursos estéticos do corpo, trabalhos efêmeros que convergem nestes modos medusantes de reconfigurar o outro em escultura viva assinalam a implicação da arte pela ideia (e vice-versa), conforme Lucy Lippard já percebera em 1967, sobre a arte como ideia e a arte como ação. A crítica de Lippard em particular sobre a possibilidade de a escultura ser absorvida por modos inesperados de performance realizouse como elemento de desmaterialização do objeto perene de arte, dado, ainda para a autora, que o elemento tempo se torna um ponto focal para tantos experimentos nas artes visuais, aspectos de dança, filme e música.

8 Por fim, se o cerne (the crux) do mito da Medusa está em geral no poder do olhar para Hal Foster, avista-se claramente a ideia de instrução medusante no cerne dos trabalhos implicados a atos de paisagem pétrea obscurecendo ainda mais os limites entre ideia, ação e desejo, quando a arte fixa momentaneamente a vida. Notas [1] Ver <http://kaldorartprojects.org.au/13rooms/>. Acesso em O realce em negrito é nosso. [2] Glória Ferreira; Cecília Cotrim. Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, p [3] Ver <http://www.youtube.com/watch?v=pgijtw3xe2c>. Acesso em [4] LEWITT, Sol. Parágrafos sobre Arte Conceitual. In: FERREIRA, Glória e COTRIM, Cecília (orgs.). Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p [5] Ibid., p [6] Georges Didi-Huberman. Ser crânio: lugar, contato, pensamento, escultura. Trad. de Augustin de Tugny e Vera Casa Nova. Belo Horizonte: C/Arte: p. 36. [7] Idem. O realce em negrito é nosso. [8] Ver <http://www.e-flux.com/projects/do_it/notes/essay/e001_text.html>. Acesso: [9] Sobre o aspecto cínico e melancólico dos trabalhos em living sculpture, pretende-se abordar em estudo particular, certas leituras de imagem que seus retratos evocam à luz de Walter Benjamin ou de suas diferenças alegóricas enquanto produções de retratos de alteridade em ruína. [10] De acordo com o dicionário Priberam, ctônico representa aquele que reside nas cavidades da terra, e conforme a mitologia grega, às criaturas que habitam as profundezas do mundo olímpico. [11] Hal Foster, Medusa and the real, in Prosthetic Gods (MIT Press, 2004). p. 02. [12] Hal Foster cita como referência vários trechos da obra de Jean-Pierre Vernant & Pierre Vidal- Naquet, Myth and Tragedy in Ancient Greece. Cambridge: MIT/Zone Books, [13] Hal Foster, Convulsive Beauty. Cambridge: October Press, O autor usa o termo freudiano Unheimlich [uncanny] como estranhamento de i/mobilidade que caracteriza o estado associado ao assombro por algo estranho e ao mesmo tempo familiar. Pretende-se retomar o assunto com mais tempo. Cf. p [14] Ver LIPPARD, Lucy. A desmateriazação da arte. In: Arte & Ensaios - revista do PGAV/EBA/UFRJ, n. 25, agosto de 2013, p Bibliografia Livros DIDI-HUBERMAN, Georges. Ser crânio: lugar, contato, pensamento, escultura. Trad. Augustin de Tugny e Vera Casa Nova. Belo Horizonte: C/Arte: p. FOSTER, Hal. Convulsive Beauty. Cambridge: MIT Press, p.

9 . Medusa and the real. Cambridge: MIT Press, p. FREIRA, Cristina. Poéticas do processo: arte contemporânea no museu. São Paulo: MAC/USP, p. FREUD, Sigmund. Medusa's Head. In: Sexuality and the Psychology of Love. Nova Iorque: Collier Books, p. LEWITT, Sol. Parágrafos sobre arte conceitual. In: FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília (orgs.). Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, LIPPARD, Lucy. A desmateriazação da arte. In: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais EBA/UFRJ. Rio de Janeiro, ano XXV, n. 25, Websites Entrevista de Laura Lima sobre a mostra "Grande", na Casa França-Brasil. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=pgijtw3xe2c>. Acesso em HERKENHOFF, Paulo. This is what I think about each second of experiencing Spinoza. In: Do It: exhibition catalogue. The University of Western Australia, Disponível em: <http://www.eflux.com/projects/do_it/notes/essay/e001_text.html>. Acesso em Mostra "13 Rooms". Disponível em: <http://kaldorartprojects.org.au/13rooms/>. Acesso em Jorge Soledar é artista e doutorando em Linguagens Visuais pelo PPGAV-EBA/UFRJ na cidade do Rio de Janeiro (Brasil) erevista Performatus e o autor

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro RESUMO: A autora problematiza a questão da imagem teatral, vista além do pictórico que se inscreve no tempo

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA BANCO DE QUESTÕES - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 1 =============================================================================================

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE Entretantos, 2014 Grupo: BOLETIM ONLINE Integrantes: Cristina Barczinski, Elaine Armênio, Maria Carolina Accioly, Mario Pablo Fuks, Nayra Ganhito e Sílvia Nogueira de Carvalho. Interlocutora: Sílvia Nogueira

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA Ano 3 Nº 14 Jul 2015 ISSN 2316-8102 PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA por Daniel Pinheiro, Lisa Parra O projeto visa abordar práticas no desenvolvimento de estruturas que potenciem

Leia mais

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Surrealismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento artístico moderno da representação do irracional e do subconsciente. Suas origens devem ser buscadas

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

Qual a origem da imagem de Saturno na capa de O seminário, livro 4: a relação de objeto? 1

Qual a origem da imagem de Saturno na capa de O seminário, livro 4: a relação de objeto? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 3 Novembro 2010 ISSN 2177-2673 Qual a origem da imagem de Saturno na capa de O seminário, livro 4: a relação de objeto? 1 Maria Noemi de Araújo Ao pesquisar

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

SANTA #07 ALEX GROSS. art magazine

SANTA #07 ALEX GROSS. art magazine SANTA art magazine #07 ALEX GROSS CRISTINA SALGADO DEBORAH ENGEL DOZE GREEN ESTELA SOKOL FABIO CARVALHO FILIPE BERNDT HELENA TRINDADE HILTON RIBEIRO JAMES KUDO JORGE RODRÍGUEZ AGUILAR LEONARDO RAMADINHA

Leia mais

Promover o cartaz como uma das mais importantes formas de comunicação e expressão.

Promover o cartaz como uma das mais importantes formas de comunicação e expressão. 1. APRESENTAÇÃO O VARAL DO DESIGN é uma mostra nacional de cartazes aberta a designers e artistas gráficos de todo o País. A cada edição o evento tem um tema único que pretende valorizar a criação autoral

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Por um contato com O QUE É ESSENCIAL NA ARTE

Por um contato com O QUE É ESSENCIAL NA ARTE TINO SEHGAL Por um contato com O QUE É ESSENCIAL NA ARTE A expansão superdimensionada da arte no mundo nesse momento não está em sintonia com o momento de reavaliação do sistema de valores que o planeta

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS Área temática: Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro Professora Drª Adriane Borda (coordenador da Ação de Extensão) Vanessa da Silva Cardoso 1,

Leia mais

Aulas expositivas, mesas-redondas e interação online. Cada mês, um tema para apreciação.

Aulas expositivas, mesas-redondas e interação online. Cada mês, um tema para apreciação. Universidade de Brasília Programa de Graduação em Comunicação Disciplina: Estética e Cultura de Massa (145548) Professor: Dr. Silva (1009478) Doutoranda: Segunda e quarta-feira (08h - 09h50) Xerox Elefante

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web.

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. 1 Andrea Capssa Lima Resumo Este artigo na área da Arte Contemporânea e Arte e Tecnologia, analisa as novas possibilidades

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Banda de rock Pau com Arame

Banda de rock Pau com Arame Banda de rock Pau com Arame A banda de rock Pau com Arame, de Belo Horizonte, foi formada em 1997 e trouxe para o mundo o rock "elíptico", moderno e original enfocando temas atuais e retratando o cotidiano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

Etnomatemática se ensina? 1 Ubiratan D Ambrosio 2

Etnomatemática se ensina? 1 Ubiratan D Ambrosio 2 Etnomatemática se ensina? 1 Ubiratan D Ambrosio 2 Bolema Boletim de Educação Matemática / eissn 1980-4415 Volume 03, Número 04, Rio Claro,1988 Márcia Ascher e Robert Ascher são conhecidos na América Latina

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Freud, que mostram a importância do inconsciente na

Leia mais

Arte e Cinema pelos posters. Convocatória

Arte e Cinema pelos posters. Convocatória Arte e Cinema pelos posters Convocatória Posters de filmes sempre foram uma referência sobre costumes, moda, design, tipologia. Narram, dessa forma, aspectos da cultura do período histórico em que foram

Leia mais

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015 Ara Pyaú Haupei Kyringue Paola Correia Mallmann de Oliveira Este ensaio fotográfico é uma aproximação ao ara pyaú (tempo novo) e às kiringue (crianças) no nhanderekó, modo de ser tradicional entre os mbyá

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

NACIONALIDADE: PIS (ou número de Inscrição do Contribuinte Individual junto a Previdência Social):

NACIONALIDADE: PIS (ou número de Inscrição do Contribuinte Individual junto a Previdência Social): EDITAL DE SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARTES VISUAIS PARA REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES NA GALERIA DE ARTES DO SESC LONDRINA 2013 FICHA DE INSCRIÇÃO NOME COMPLETO/RAZÂO SOCIAL: REPRESENTANTE LEGAL: NOME ARTÍSTICO:

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS. Território Modular 1 Coletivo MUDA TERRITÓRIO MODULAR 23 de agosto a 04 de outubro de 2013 2 Em movimento Felipe Scovino Para essa primeira exposição do MUDA em uma galeria comercial, uma questão importante

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Ví c t or Hug o I r ázab al Am az ona a l b or de, 199 3, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

ENTREVISTA COM MANUEL VASON

ENTREVISTA COM MANUEL VASON Ano 2 Nº 11 Jul 2014 ISSN 2316-8102 ENTREVISTA COM MANUEL VASON por Joanna Zylinska Manuel Vason representado na ilustração da artista Veridiana Scarpelli para a undécima edição da erevista Performatus

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Atividades complementares Festival ou mostra de: Atividades complementares visita a:

Atividades complementares Festival ou mostra de: Atividades complementares visita a: A1 Atividades complementares visita a: ( ) ACERVO OU RESERVA TÉCNICA DE MUSEU ( ) GALERIA DE ARTE ( ) ESPAÇO CULTURAL : A2 Atividades complementares Festival ou mostra de: ( ) VÍDEO ( ) CINEMA ( ) PERFORMANCE

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO

OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO Ano: 3º ANO Disciplina: História Professor Responsável: Wladson Quiozine OBJETIVOS 3º TRIMESTRE ENSINO MÉDIO 1. Retomar os aspectos essenciais do conteúdo programático da disciplina de História do Ensino

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA Amanda Cristina de Sousa 1 Alexandre França 2 Comunicação: Relato de Pesquisa Resumo: O seguinte trabalho trata

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO TURMA DE 2016

EDITAL DE SELEÇÃO TURMA DE 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes PPGCA-UFF EDITAL

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

III semana de pesquisa em artes 10 a 13 de novembro de 2009 art uerj processos artísticos contemporâneos

III semana de pesquisa em artes 10 a 13 de novembro de 2009 art uerj processos artísticos contemporâneos III semana de pesquisa em artes 10 a 13 de novembro de 2009 art uerj processos artísticos contemporâneos Primeiro ato do artista: Performance e Literatura Mariana Maia Mestrado em Artes Visuais PPGArtes

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

REVISÃO PARA PROVA. Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

REVISÃO PARA PROVA. Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes REVISÃO PARA PROVA Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O SURREALISMO foi o movimento artístico moderno da representação do irracional

Leia mais

ESPAÇOS HABITADOS O CORPO COMO FERRAMENTA VIVA

ESPAÇOS HABITADOS O CORPO COMO FERRAMENTA VIVA ESPAÇOS HABITADOS O CORPO COMO FERRAMENTA VIVA 19 e 20 Março 2011 10h00 > 13h00 14h30 > 17h30 Sinopse Muitos são os artistas para quem as fronteiras entre o corpo e a obra se esbatem, usando a Performance

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

São Francisco: arte, fotografia e cotidiano 1

São Francisco: arte, fotografia e cotidiano 1 São Francisco: arte, fotografia e cotidiano 1 Caroline Kwasnicki PEREIRA 2 Carolina Fernandes da Silva MANDAJI 3 Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR RESUMO A Rua São Francisco, uma

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Kelli Carvalho Melo Mestre em Geografia - PPGG/UNIR. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

Escola Artística de Soares dos Reis. Desenho 12º Ano A Planificação 2013-2014

Escola Artística de Soares dos Reis. Desenho 12º Ano A Planificação 2013-2014 Escola Artística de Soares dos Reis Desenho 12º Ano A Planificação 2013-2014 Desenho A 12º Ano Planificação 2013-2014 A planificação da disciplina de Desenho A do 12º ano é elaborada de acordo com indicações

Leia mais