Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Meio-Norte. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Meio-Norte. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento."

Transcrição

1

2 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN X Dezembro, 2010 Documentos 202 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança Antônio de Pádua Soeiro Machado Marcos Lopes Teixeira Neto Francisco das Chagas Monteiro Robério dos Santos Sobreira José Alves da Silva Câmara Fabíola Helena dos Santos Fogaça Fábia de Mello Pereira Embrapa Meio-Norte Teresina, PI 2010

3 Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Meio-Norte Av. Duque de Caxias, 5.650, Bairro Buenos Aires Caixa Postal 01 CEP Teresina, PI Fone: (86) Fax: (86) Home page: Comitê de Publicações Presidente: Flávio Favaro Blanco, Secretária-executiva: Luísa Maria Resende Gonçalves Membros: Paulo Sarmanho da Costa Lima, Fábio Mendonça Diniz, Cristina Arzabe, Eugênio Celso Emérito Araújo, Danielle Maria Machado Ribeiro Azevêdo, Carlos Antônio Ferreira de Sousa, José Almeida Pereira e Maria Teresa do Rêgo Lopes Supervisão editorial: Lígia Maria Rolim Bandeira Revisão de texto: Francisco De Assis David da Silva Normalização bibliográfica: Orlane da Silva Maia Editoração eletrônica: Jorimá Marques Ferreira 1 a edição 1 a impressão (2010): 300 exemplares Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Embrapa Meio-Norte Diagnóstico socioeconômico-cultural e ambiental dos municípios do Projeto Boa Esperança/ Antônio de Pádua Soeiro Machado... [et al.]. -Teresina : Embrapa Meio-Norte, p. ; 21 cm. - (Documentos / Embrapa Meio-Norte, ISSN X ; 202). 1. Comunidade rural. 2. Nível de vida. 3. Cadeia produtiva. 4. Integração. I. Machado, Antônio de Pádua Soeiro. II. Embrapa Meio-Norte. III. Série. CDD (21. ed.) Embrapa, 2010

4 Autores Antônio de Pádua Soeiro Machado Administrador, M.Sc. em Marketing, analista da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Marcos Lopes Teixeira Neto Engenheiro agrônomo, M.Sc. em Produção Vegetal, pesquisador da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Francisco das Chagas Monteiro Engenheiro agrônomo, M.Sc. em Produção Vegetal, analista da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Robério dos Santos Sobreira Zootecnista, analista da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI José Alves da Silva Câmara Engenheiro agrônomo, M.Sc. em Agronomia, analista da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Fabíola Helena dos Santos Fogaça Zootecnista, M.Sc. em Aquicultura pesquisadora da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI Fábia de Mello Pereira Engenheira agrônoma, D.Sc. em Produção Animal, pesquisadora da Embrapa Meio-Norte, Teresina, PI

5 Apresentação A Embrapa Meio-Norte, por iniciativa da Chesf, com a qual estabeleceu uma parceria, vem desenvolvendo o Projeto Boa Esperança, visando resultar na melhoria dos níveis de produtividade e renda da atividade agropecuária, de forma participativa, além da mitigação da degradação ambiental. A importância desse projeto baseia-se na interação entre pesquisadores, extensionistas, agricultores familiares e pescadores organizados das comunidades, objetos de intervenção por intermédio do processo de difusão e transferência de alternativas tecnológicas. O projeto é composto de vários planos de ação, dos quais um pretende avaliar os aspectos sociotécnico-culturaleconômicos dos membros das comunidades, objeto das ações propostas no projeto, bem como levantar e organizar um sistema de informação de mercado da produção agrícola familiar em apoio ao projeto na geração de renda. Para a realização dos objetivos propostos, o projeto prevê que sejam realizados três diagnósticos participativos, no início, no meio e no final da sua execução, nas diversas comunidades da área de sua abrangência, onde se pretende implementar as atividades, com aplicação de questionário sociotécnico-cultural-econômico para identificação dos tipos de sistemas praticados, evolução da adoção das tecnologias e resultados finais obtidos pelos agricultores familiares e pescadores. Este documento traz o resultado do trabalho de prospecção realizado nas comunidades do entorno da Barragem de Boa Esperança, o qual contém dados sobre o agricultor/pescador, sua família e suas atividades, considerando o momento inicial de implementação do projeto. Hoston Tomás Santos do Nascimento Chefe-Geral da Embrapa Meio-Norte

6 Sumário Diagnóstico Sócioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança... 9 Caracterização do estudo... 9 Problema a ser diagnosticado Objetivos do diagnóstico Procedimentos metodológicos Caracterização da região. Dados do PLANAP/CODEVASF Caracterização da região Características ambientais Características socioeconômicas Mapeamento das atividades produtivas desenvolvidas na região Visão geral dos municípios. Dados do IBGE Visão geral dos municípios Caracterização dos municípios Município de Antônio Almeida, PI Município de Benedito Leite, MA Município de Guadalupe, PI Município de Nova Iorque, MA Município de Porto Alegre, PI Município de São João dos Patos, MA Município de Uruçuí, PI... 53

7 Diagnóstico das comunidades. Dados da pesquisa de campo - Projeto Boa Esperança Chesf/Embrapa Diagnóstico das comunidades Diagnóstico dos pescadores. Dados da pesquisa de campo - Projeto Boa Esperança Chesf/Embrapa Diagnóstico dos pescadores Diagnóstico dos agricultores. Dados da pesquisa de campo - Projeto Boa Esperança Chesf/Embrapa Diagnóstico dos agricultores Considerações finais Atividades de aquicultura e pesca Atividades de apicultura e meliponicultura Atividades de criação de galinha caipira e suínos Considerações sobre aspectos socioeconômicos

8 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 1 Antônio de Pádua Soeiro Machado Marcos Lopes Teixeira Neto Francisco das Chagas Monteiro Robério dos Santos Sobreira José Alves da Silva Câmara Fabíola Helena dos Santos Fogaça Fábia de Mello Pereira Caracterização do Estudo Em 1963, foi criada a Companhia Hidrelétrica de Boa Esperança (COHEBE), cujo fim específico é promover o aproveitamento hidráulico do Rio Parnaíba no local denominado Boa Esperança. O aproveitamento hidrelétrico de Boa Esperança foi implantado pela COHEBE a partir de 1968 e posteriormente transferido para a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF). A barragem localiza-se no município piauiense de Guadalupe, aproximadamente 80 km a montante da cidade de Floriano, PI. Boa Esperança tem uma área de drenagem de km2 e está instalada no Rio Parnaíba, cuja bacia hidrográfica ocupa uma área na ordem de km2, com extensão de km da sua nascente, na Chapada das Mangabeiras, até o Oceano Atlântico. Os diagnósticos realizados na época da construção da barragem apresentavam aspectos socioeconômico-culturais muito abaixo dos níveis desejados. A construção da barragem teve como um de seus objetivos, além de suprir a demanda de energia elétrica, promover a melhoria daqueles aspectos relacionados às populações ribeirinhas do entorno da barragem. A região do entorno da Barragem de Boa Esperança é composta pelos municípios de Antônio Almeida, Guadalupe, Porto Alegre e Uruçuí, PI; Benedito Leite, Nova Iorque e São João dos Patos, MA. Visando avaliar os aspectos socioeconômico-culturais das comunidades do entorno da Barragem de Boa Esperança, a CHESF, em parceria com a Embrapa Meio-Norte, realizou estudo das condições dessas populações, de forma a subsidiar ações a serem implementadas, no intuito de permitir uma melhor qualidade de vida às comunidades da região conforme estabelecido no Plano de Ação 2 do Projeto Boa Esperança. O estudo realizado foi caracterizado da seguinte forma: 1 Trabalho executado com recursos da Chesf - Projeto Boa Esperança.

9 10 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança Problema a Ser Diagnosticado Qual a atual situação socioeconômica e cultural das comunidades ribeirinhas do entorno da Barragem de Boa Esperança? Objetivos do Diagnóstico Objetivo geral Descrever a atual situação socioeconômica e cultural das comunidades localizadas nos sete municípios que se limitam com a represa da Barragem de Boa Esperança, tornando-se o marco zero para a avaliação das ações a serem implementadas em conformidade com o projeto, no período de 5 anos. Objetivos específicos a) Identificar quem está envolvido em atividades produtivas na região do entorno da Barragem de Boa Espeança. b) Levantar aspectos sociais e estruturais das comunidades do entorno da Barragem de Boa Esperança: - Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). - Nível de escolaridade. - População por faixa etária. - Ocupação no mercado de trabalho. - Características dos domicílios. - Energia. - Coleta de Lixo. - Acesso/estradas. - Comunicação. - Educação. - Saúde.

10 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 11 c) Levantar a existência de atividades culturais das comunidades do entorno da Barragem de Boa Esperança: - Manifestações: esportivas, artísticas e religiosas. d) Levantar aspectos econômicos das comunidades do entorno da Barragem de Boa Esperança: - Nível de renda/pib por município e per capita. - Atividades produtivas: produção e produtividade. - Rentabilidades das atividades produtivas. - Comercialização da produção. - Consumo/demanda de produtos alimentares. e) Levantar aspectos ambientais. Procedimentos Metodológicos Para que fossem alcançados os objetivos propostos no diagnóstico, optou-se por uma combinação de métodos de pesquisa que incluiu uma natureza descritiva quanto ao relacionamento entre as variáveis estudadas (MATTAR, 1999); qualitativa, de forma a identificar a presença ou a ausência das variáveis propostas nos objetivos (MALHOTRA, 2001; MATTAR, 1999), e quantitativa, de forma a permitir a quantificação dos dados (MALHOTRA, 2001; MATTAR, 1999; RICHARDSON, 1999). A dicotomia entre o método qualitativo e o quantitativo se deu pela complementaridade de ambos (RICHARDSON, 1999). O método estatístico forneceu uma descrição quantitativa de experimentação e prova (LAKATOS; MARCONI, 2001). Os dados foram coletados em documentos fornecidos pelo IBGE, IPEA, CODEVASF/PLANAP, DNOCS, entre outros, e por intermédio da aplicação de questionário semiestruturado não disfarçado (MALHOTRA, 2001; MATTAR, 1999) junto a membros das comunidades do entorno da Barragem de Boa Esperança. Os respondentes foram pessoas-chave que detêm informações sobre as comunidades, envolvendo produtores e pescadores. O processamento dos dados foi realizado no software Microsoft Excel para execução de estatística básica de distribuição de frequências e descritiva, com elaboração de gráficos e tabelas. Também foi utilizado o software Microsoft Word para elaboração dos textos.

11 CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO Dados do PLANAP/CODEFASF

12 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 15 Caracterização da Região A elaboração deste diagnóstico é baseada em informações primárias cujos dados foram coletados junto aos produtores da região da Barragem de Boa Esperança, sendo, portanto, expressão das afirmações dos entrevistados durante o período de atividades no campo. A inclusão de alguns dados secundários enriqueceu o trabalho e permitiu uma análise sistemática da situação atual da região, especificada nas dimensões geoambiental, sociocultural e econômica. As informações a seguir, que caracterizam a região, foram obtidas no Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba - PLANAP, CD-ROM (CODEVASF, 2006). Economicamente, a região conta com algumas atividades consolidadas (bordado, criação de galinha caipira, cultivo e industrialização da mandioca e culturas tradicionais de sequeiro) e outras em expansão, com tendência a se consolidarem, apesar das limitações físicas e humanas, como infraestrutura, assistência técnica e prestação de serviços. No que se refere à infraestrutura física, tanto as estradas quanto a energia elétrica e o abastecimento de água são oferecidos em condições inadequadas e, em alguns casos, insuficientes para atender à demanda da região, principalmente na área rural. Com relação à oferta de serviços no setor educacional, pôde-se observar que a qualidade do ensino, as condições físicas de algumas escolas, a dificuldade de acesso ao material didático e a inadequação do calendário escolar, entre outros, contribuem para a permanência dos elevados índices de analfabetismo, repetência, distorção idade-série e evasão escolar, conforme dados da Secretaria Estadual de Educação. Na saúde, a maior dificuldade é a carência de recursos humanos (médicos, enfermeiros e dentistas) e equipamentos hospitalares, fazendo que a população se desloque para centros fora da região à procura de atendimento médico de média complexidade. Características Ambientais A Tabela 1 traz informações ambientais da região da Barragem de Boa Esperança, caracterizando seu relevo, clima, geologia e vegetação, de forma a permitir uma visão ambiental da região orientadora das ações do projeto.

13 16 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança Tabela 1. Características fisiográficas e ambientais da região. Relevo Principais rios e lagoas Água subterrânea Clima Temperatura Solos Geologia Vegetação Característica A região é constituída por uma sequência de sedimentos clásticos, além de coberturas detríticas de planalto. Apesar do relevo variado, predominam as chapadas planas ou suavemente onduladas. Presença de superfícies aplainadas baixas, englobando encostas e restos de topos de chapadas; superfícies medianamente altas com topos planos, extensos, separados por vales amplos com vertentes íngremes; relevo moderadamente dissecado e com grandes elevações; superfícies onduladas com solos pedregosos e concrecionários, englobando a calha do Rio Parnaíba; superfícies pouco entalhadas com topos planos e vales abertos. Altitudes variam de 300 m a 800 m A região é rica em águas superficiais, sendo banhada por vários rios, entre os quais se destacam: Parnaíba, Uruçuí Preto, Gurgueia, Balsas e Itapecuru; riachos perenes, lagoas naturais e a Barragem de Boa Esperança (5 bilhões de m 3 ). Integra a bacia difusa Médio Parnaíba e UHE Boa Esperança Principal sistema aquífero: Poti-Piauí O clima é diversificado, entretanto predomina o tropical subúmido quente com duas estações do ano bem-definidas, uma seca e outra úmida. O período chuvoso situase entre novembro e março e o período seco, com deficit hídrico, de abril a outubro. O veranico ocorre geralmente nos meses de janeiro e fevereiro, com pouca inundação. A pluviosidade média fica em torno de mm anuais. A evapotranspiração é de mm a mm anuais A temperatura média é de 25 ºC, registrando máximas de 40 ºC no período de veraneio. A estação seca normalmente começa em abril e continua até setembro Predominam os latossolos vermelho-amarelos, de textura média, bem-drenados, de baixa disponibilidade de nutrientes e ácidos na grande maioria. Aparecem, ainda, os plintossolos, os planossolos e as areias quartzosas A maior parte do território está inserida na bacia sedimentar Piauí Maranhão, fazendo parte da era geológica do Farenozoico. Outra parte é formada por embasamento cristalino, inserido nas eras Proterozoico e Arqueano. As formações rochosas são representadas pelos grupos Cabeças, Longa, Motuca, Pedra de Fogo, Piauí, Pimenteiras, Poti e Serra Grande, além das formações Areado, Corda, Exu, Mosquito, Pastos Bons, Gnaisse, Granitos, Mignatitos e outros A cobertura vegetal predominante é o cerrado, caracterizado por árvores de baixo e médio portes, galhos e troncos tortuosos, casca grossa e folhas largas. Verifica-se ainda a mata dos cocais e nos vales dos rios e riachos encontram-se matas ciliares, com ocorrência de buritizeiros. Ocorrência de caatinga e coexistência de elementos de ambos. Ocorrência natural de carnaúba e babaçu. Ocorrência ainda de cerradão no topo das chapadas, escarpas e vales Fonte: ANA (2002); BRASIL (2005); CODEVASF (2006).

14 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 17 Características Socioeconômicas Na região, a agropecuária destaca-se como a principal atividade econômica e contempla tanto a agricultura de subsistência quanto a empresarial ou agronegócio, caracterizada, principalmente, pelo cultivo de grãos de soja, arroz e milho. O comércio apresenta-se com bastante diversificação, destacando-se o município de Uruçuí, PI, por possuir uma rede atacadista de gêneros alimentícios, insumos e bens duráveis. Observa-se o crescente comércio de equipamentos tecnológicos modernos, como máquinas e implementos agrícolas, necessários aos cultivos empresariais dos cerrados. A presença da Bünge e dos empreendimentos agropecuários têm promovido maior mobilidade do comércio da região, entretanto a quase totalidade dos produtos que são movimentados no comércio da região têm origem externa, com pouca valorização e presença/existência de produtos locais. Com relação às infraestruturas físicas de apoio à produção, pode-se ressaltar que são péssimas as condições de trafegabilidade das estradas importantes para o escoamento da produção. O serviço de abastecimento de água é precário e a energia elétrica é insuficiente para atender à demanda regional, principalmente na área rural e, mais especificamente, nos municípios do Estado do Piauí. Quanto às organizações sociais, relata-se a existência de um bom número de associações de produtores, conselhos municipais e colônias de pescadores. No entanto muitas dessas são criadas com base em interesses imediatos, não desempenhando atividades associativas importantes para o desenvolvimento dessas organizações. O setor educacional, embora venha apresentando melhorias significativas, principalmente pela disponibilidade dos programas educacionais, como o Bolsa-escola, o EJA, o Escola Ativa, bem como com a presença recente da UESPI e CEFET em Uruçuí, PI, e UEMA em São João dos Patos, MA, ofertando educação superior, ainda apresenta elevados índices de analfabetismo, repetência e evasão escolar, justificados pelos atores locais como resultado da baixa qualidade do ensino, das condições físicas inadequadas de algumas escolas, da dificuldade de acesso a materiais didáticos e da inadequação do calendário escolar. O baixo nível escolar torna-se fator limitante do desenvolvimento da região. Na saúde, um dos gargalos está na indisponibilidade dos profissionais em cumprir carga horária integral, principalmente das equipes Programa de Saúde da Família e Agente Comunitário de Saúde, e nas condições precárias de funcionamento das infraestruturas de atendimentos médico e laboratorial. Na região, existem alguns hospitais regionais públicos para atendimento de média complexidade que seriam suficientes para solucionar a maioria dos casos encaminhados a Teresina. Entretanto os atendimentos não acontecem em razão das condições em que se encontram os equipamentos e a infraestrutura física hospitalar como um todo. As Tabelas 2 a 6 contêm informações sobre as características das atividades agrícola, pecuária, educação e cultura, saúde e saneamento, extrativismo e agroindústria, pesca e piscicultura, abordando as potencialidades e as limitações.

15 18 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança Tabela 2. Características das atividades agrícolas e pecuárias na região. Potencialidades Área cultivada anualmente em regime de sequeiro para produção de grãos: milho (produtividade média de 960 a kg ha -1 ), arroz (produtividade média entre 800 e kg ha -1 ) e feijão (produtividade média de 270 a 540 kg ha -1 ) Produtividade média anual de mandioca entre 8 e 18 t ha -1, de castanha-de-caju entre 300 e 400 kg ha -1 Maioria dos municípios incluídos no zoneamento agroclimático para o cultivo do cajueiro Posição de destaque para a colheita de castanha-de-caju na geração de emprego e renda, principalmente na época da entressafra da agricultura de sequeiro tradicional da região Cultivo de hortaliças em pequenas propriedades rurais às margens do Parnaíba Projeto Cidadão-Cidadã em alguns municípios, envolvendo a implantação de sistemas mandalas para o cultivo de FLV (frutas, legumes e verduras) e criação de peixes Larga disponibilidade de terras aptas ao desenvolvimento da agricultura irrigada, principalmente nas áreas rebaixadas dos vales Tentativa dos governos estaduais em retomar a cotonicultura na região, apesar de limitar-se ainda a pequenas áreas de produção em apenas alguns municípios Expectativa de expansão do cultivo de mamona na região Capacitações tecnológicas pelo SENAR e SEBRAE Distribuição pelo governo do Estado do Piauí, em 2005, de mudas enxertadas de clones selecionados de cajueiro-anão-precoce Recomendações técnicas da Embrapa, seguidas pelo sistema de produção de mamona adotado no Núcleo de Produção Comunitária Santa Clara Agricultura familiar de subsistência: arroz (produtividade de a kg ha -1 ); feijão ha -1 ); milho (1.200 kg ha -1 ); mandioca (10 a 12 t ha -1 ) Cultivo de cana-de-açúcar em pequenas áreas para fabricação de cachaça artesanal (570 kg Cultivo empresarial de soja (produtividade média de kg ha -1 ); cana-de-açúcar para produção de álcool, algodão (kg ha -1 ); além desses, identificou-se também cultivo empresarial de arroz, milho, sorgo e milheto, porém em menores escalas Cultivo de melancia irrigada (produtividade média de kg ha -1 ), cultivo de coco-da-praia em Guadalupe, PI, e Benedito Leite, MA, cultivo em pequenas e médias propriedades de caju (produtividade de 800 a kg de castanha por hectare), cultivo de banana (produtividade média de kg ha -1 ) Em todos os municípios, os pequenos agricultores cultivam frutas em pomares domésticos (caju, melancia, banana, laranja e manga) A região possui rebanhos: bovinos, ovinos, caprinos, aves caipiras e suínos Pecuária extensiva em praticamente toda a regiãoprodutividade Perímetro irrigado: Platô de Guadalupe em uma área de ha e lotes para irrigantes e empresários; cerca de 400 ha são utilizados pelos irrigantes, explorando alguma atividade agrícola, e 250 ha equipados com sistema de irrigação pivô central, explorados por empresários Introdução de animais PO: bovinos (Nelore), caprinos (Anglonubiana) e ovinos (Santa Inês) em Porto Alegre do Piauí Indústria esmagadora de soja (Bünge Alimentos) para produção de óleo bruto e farelo em Uruçuí, PI Continua...

16 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 19 Tabela 2. Continuação. Potencialidades Uso de tração animal para preparo da terra Sindicato dos Trabalhadores Rurais em todos os municípios e dos Produtores Rurais em Uruçuí, PI Associações comunitárias de pequenos produtores rurais Cooperativas de pequenos produtores rurais em Uruçuí e Antônio Almeida, ambos no PI Rebanho bovino com aptidão basicamente para corte Rusticidade no padrão genético do gado bovino para suportar o extenso período de estiagem característico da região Rebanho de ovinos e caprinos com aptidão para corte Condições ambientais favoráveis à criação de caprinos e ovinos, tradição da atividade e hábito crescente de consumo da carne pela população local Diversas instituições atuando na cadeia produtiva da ovinocaprinocultura Avicultura e suinocultura amplamente difundidas em pequenas criações familiares Incremento das criações de aves caipiras, ovinos e caprinos decorrente do crédito do PRONAF B acessado pelos produtores Comercialização de ovinos e caprinos realizada na própria região durante praticamente todo o ano e com demanda garantida Limitações Subaproveitamento das áreas agricultáveis disponíveis como resultado da deficiência na divulgação das potencialidades naturais e de crédito específico e na prestação de assessoria técnica por parte do poder público. Variação das perdas de safra na região entre 15% e 80% nos cultivos de sequeiro tradicionais em virtude da irregularidade pluviométrica Deficit de eletrificação em áreas propícias à irrigação Poucos produtores familiares trabalham na agricultura irrigada, pois a maioria não dispõe de condições financeiras e tecnológicas Abastecimento dos municípios com FLV suprido basicamente pelo polo do Submédio São Francisco, já que é insignificante a produção local de frutas, legumes e verduras Marcante presença de intermediários na comercialização de grãos, castanha e mandioca Deficit de máquinas e implementos agrícolas nas prefeituras para disponibilização aos produtores de menor poder aquisitivo e às associações Baixo nível tecnológico adotado pelos produtores familiares na maioria das explorações agrícolas, resultando em baixa produtividade Limitado uso da irrigação como alternativa tecnológica para contornar o problema da estiagem e das consecutivas perdas de safra Inexistência de estudos sobre necessidade de drenagem nas áreas rebaixadas dos diversos vales existentes (passíveis de alagamento) Inexistência de serviço de assessoria técnica especializada em agricultura irrigada Elevada infestação de bicudo e dificuldade dos produtores em conviver com a praga Reduzida diversificação de culturas exploradas Utilização de grãos como sementes no plantio Prestação de serviços em assessoria técnica por empresas particulares não satisfatória Continua...

17 20 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança Tabela 2. Continuação. Limitações Boa parte das áreas implantadas com cajueiro no passado provenientes de mudas de pé-franco Distribuição de mudas de cajueiro-anão-precoce em período inadequado ao plantio e com problemas fitossanitários Desperdício entre 80% e 90% do pseudofruto do caju Redução de áreas para a cultura de subsistência devido à implantação de grandes projetos agrícolas Agricultores familiares cultivam apenas de 1 a 2 ha de terra Elevado êxodo rural ocasionado pela falta de infraestruturas produtiva e social e a distância da sede municipal Emprego de pouca mão de obra para a pecuária extensiva A maior parte dos criadores de bovino não faz melhoramento do plantel, cria raças mestiças ou SRD Irrisória assistência técnica pública para a demanda dos municípios Diminuição dos rebanhos ovino e caprino por causa da expansão da monocultura da soja Baixa produtividade em razão de as lavouras familiares serem cultivadas com pouca tecnologia A cultura da soja emprega pouca mão de obra em virtude do alto nível tecnológico exigido Contaminação de rios, riachos, nascentes, plantas, animais e seres humanos em virtude do uso de agrotóxico e pulverização aérea dos plantios de soja Criação extensiva sem manejo adequado do rebanho Falta de melhoramento de raça pela maioria dos agricultores familiares Deficiência na fiscalização do controle sanitário dos animais Equipamentos de irrigação subutilizados, sem manutenção e ausência de assistência técnica permanente no Platô de Guadalupe Pouca atuação das organizações que representam agricultores Associações comunitárias formadas com o intuito apenas de receber projetos, com pouca formação e pouco espírito associativista Cooperativas com carência de organização e gestão Baixa assistência técnica para os pequenos agricultores Rebanhos bovino, caprino e ovino com baixo padrão genético e zootécnico Limitação da criação de ovinos e caprinos por pequenas áreas, considerando-se o sistema extensivo de criação adotado pelos produtores Proibição do trânsito de animais vivos do Piauí para outros estados por conta do risco da febre aftosa, limitando-se à venda para abate e o intercâmbio de animais para fins de melhoramento genético do rebanho (feiras e leilões agropecuários) Abatedouros existentes fora das normas sanitárias recomendadas Ausência de equipes de vigilância sanitária municipal e/ou de veterinário na maioria dos municípios para as atividades de inspeção do abate, transporte e venda dos animais Restrição da compra de reprodutores de melhor padrão racial por causa do valor do financiamento adquirido pelo PRONAF B Sistema de abate predominante aquele realizado na propriedade do criador Fonte: CODEVASF (2006).

18 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 21 Tabela 3. Educação e cultura Potencialidades Existência de aproximadamente 720 escolas nas redes municipal, estadual e particular de ensino Ensinos infantil, fundamental e médio em todos os municípios Ensinos superior público (UESPI e UEMA) em Uruçuí, PI, e em municípios próximos: Pastos Bons, Balsas, Fortaleza dos Nogueiras, Riachão e São Raimundo das Mangabeiras, todos no Maranhão Cursos ofertados: Matemática, Pedagogia, normal superior, História, Geografia, Letras, Química e Agronomia (regime regular ou férias) Faculdade: FESTEMA, em Nova Iorque, MA Aproximadamente 80% dos professores com curso superior ou cursando Manifestações populares: festas juninas, festejos dos padroeiros, festa do caju, carnaval de rua, reisado, aniversários das cidades, dança de roda, São Gonçalo, etc. Veículos para transportar alunos Limitações Cerca de 70% das escolas da zona rural não possuem energia elétrica Índice de analfabetismo de aproximadamente 35%; distorção idade/série de 50%; índice de reprovação de 5%; evasão escolar de 15% Distorção idade/série e evasão escolar resultantes do pouco interesse dos pais, do êxodo rural e do trabalho nas lavouras, segundo gestores da educação Inexistência de ensino médio na zona rural e poucas escolas com ensino fundamental de 5ª a 8ª séries Inexistência de biblioteca em Benedito Leite, MA, e as existentes nos outros municípios têm acervo limitado e desatualizado Veículos que transportam alunos, em sua maioria, alugados e inadequados (alguns carros são abertos, tipo D-20 e caminhonetes) Inexistência de veículos para o transporte de alunos em Benedito Leite, MA Inexistência, na maioria dos municípios, de espaços públicos adequados para práticas esportivas Fonte: CODEVASF (2006).

19 22 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança Tabela 4. Saúde e saneamento. Potencialidades Hospital regional com atendimento de média complexidade (Uruçuí, PI), um estadual (Guadalupe, PI) e hospitais municipais Unidades mistas e centros de saúde com atendimento de baixa complexidade Agência do HEMOPI em Uruçuí, PI Postos de saúde distribuídos pelas zonas rural e urbana, equipes do PSF (inclusa saúde bucal) e ACS Ambulâncias mantidas pelas prefeituras e Farmácia Básica em todos os municípios Cerca de 80% das residências das sedes dos municípios possuem abastecimento d água e 70% possuem fossas sépticas (maioria na zona urbana) Coleta de lixo regular em alguns municípios Existência de matadouros municipais e matadouro industrial (particular) em Uruçuí, PI Limitações Inexistência na região de hospital de alta complexidade Além de insuficientes, as equipes do PSF descumprem a carga horária obrigatória Número de ACS insuficiente Recursos humanos (médicos e especialistas) e ambulâncias insuficientes ao atendimento nos hospitais Principais doenças endêmicas: tuberculose, verminose, hipertensão, dengue, hanseníase, diabetes, desnutrição, dermatite, etc. Inexistência de fossas sépticas (cerca de 90%) nas residências da zona rural Consumo de água não tratada nas comunidades rurais Lixo transportado em veículos inadequados e jogado em áreas a céu aberto Ausência de aterro sanitário Matadouros, açougues e mercados públicos com instalações e funcionamento inadequados Ausência de unidade de recolhimento de embalagens de agrotóxicos Fonte: CODEVASF (2006).

20 Diagnóstico Socioeconômico-Cultural e Ambiental dos Municípios do Projeto Boa Esperança 23 Tabela 5. Extrativismo e agroindústria. Potencialidades Extrativismo do coco babaçu para a produção de azeite, carvão e comercialização da amêndoa; a produção envolve, principalmente, mulheres Extração de buriti para a produção de doces, comercialização da massa e fabricação de óleo com fins medicinais; da fava-danta para fins medicinais e ração animal; do pequi para sabão e óleo; da carnaúba para a extração do pó (concentrada no município de Guadalupe, PI) Cerâmicas de médio porte para a produção de tijolos e telhas, com ocupação de mão de obra local Existência de pequenas casas de farinha, beneficiadoras de arroz e engenhos para a produção de cachaça e rapadura Produção artesanal de doces, licor e cajuína (bebida feita com caju) Existência de uma fábrica de farinha de nível industrial e de secagem de grãos (arroz e soja), beneficiamento e empacotamento de arroz Limitações Erosão do solo e formação de lagoas artificiais provocadas pela extração do calcário. A maioria das unidades de beneficiamento de arroz, mandioca e cana-de-açúcar é de pequeno porte e com infraestrutura precária. Fonte: CODEVASF (2006). Tabela 6. Pesca artesanal e piscicultura. Potencialidades Grande potencial para pesca artesanal em rios, lagoas e no lago de Boa Esperança Pesca artesanal com produtividade média de 25 kg a 30 kg de pescado por semana por pescador Experiências de piscicultura em Porto Alegre do Piauí, Guadalupe, PI Indústria de pesca com câmara fria em Uruçuí, PI Rendimento em média de kg a kg por período com as experiências de criação em tanques de terra Estação de piscicultura em Porto Alegre do Piauí com incubadoras, máquina de fletagem, beneficiamento do couro e ração Limitações Pesca predatória Falta de repovoamento de peixes nativos nos rios e lagos Atividade artesanal em desvantagem quando da competição com a piscicultura, que, além da criação intensiva, utiliza-se de espécies exóticas e melhoradas Número de técnicos insuficiente para a fiscalização da pesca, principalmente na época da piracema Projetos de piscicultura desativados devido ao alto custo da ração e dos alevinos, que são adquiridos fora da região, assim como, pela falta de capacitação gerencial Entreposto pesqueiro de Uruçuí desativado Não funcionamento da estação de piscicultura em Porto Alegre do Piauí em razão da não conclusão da adutora para abastecimento dos tanques, assim como falta de alguns equipamentos Pouca atuação das organizações de representação dos pescadores Fonte: CODEVASF (2006).

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais

ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais ABELHAS SEM FERRÃO Transferência de Ninhos para Colmeias Racionais Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ABELHAS SEM FERRÃO

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Sumário Executivo Rio Longá

Sumário Executivo Rio Longá Sumário Executivo Rio Longá 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Bacia Hidrográfica do Rio Longá recorte de atuação nas nascentes do Rio dos Matos e Rio Correntes, afluentes do Rio Longá. Mapa da bacia e do recorte espacial

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

desmatamento acentuado que ocorre no Estado, principalmente nas nascentes e nas margens dos rios.

desmatamento acentuado que ocorre no Estado, principalmente nas nascentes e nas margens dos rios. O Estado do Piauí Situado entre 2º 44' 49" e 10º 55' 05" de latitude sul e entre 40º 22' 12" e 45º 59' 42" de longitude oeste, o Estado do Piauí limita-se com os Estados do Ceará e Pernambuco a leste,

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA DECRETO N. 5109, DE 05 JULHO DE 2011. Regulamenta as Leis Municipal nrs. 2.067/2007 e 2.425/2011 as quais dispõe sobre o Programa de Atendimento ao Produtor Rural, Pró-Rural, e dá outras providências.

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir,

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir, CONCLUSÃO O Maranhão é o Estado brasileiro com o menor grau de urbanização, o décimo colocado entre os Estados em relação à população total e o quarto em relação à população rural, abrigando 7,39% da população

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Potencial Agropecuário da

Potencial Agropecuário da Potencial Agropecuário da região Centro Norte de MT Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO... 3 2.1 CARACTERIZAÇÃO DAS ÁREAS E PRODUÇÃO DA REGIÃO... 5 2.2 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA... 7 B Geração

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL

DESENVOLVIMENTO RURAL Território de Identidade Bacia do Rio Grande Perfil Sintético SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Rui Costa Governador do Estado da Bahia João Leão Vice-Governador do Estado da Bahia Jerônimo Rodrigues

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

INSTITUT0 AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS

INSTITUT0 AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS Instituto Agronômico de Pernambuco-IPA POTENCIALIDADES AGRÍCOLAS DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE. PESQUISAS E DIFUSÃO DE CONHECIMENTOS Distribuição das áreas da Chapada do Araripe para os estados de Ceará,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 O SISTEMA PAIS (PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA E SUSTENTÁVEL) COMO INDUTOR DA DIVERSIFICAÇÃO PRODUTIVA E DO REDESENHO DO AGROECOSSISTEMA DE UMA PROPRIEDADE RURAL DO

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Agropecuária 1. Federal. SEADE 153. 1 Este item está baseado na publicação do Censo Agropecuário 1995/96, número 26, Distrito

Agropecuária 1. Federal. SEADE 153. 1 Este item está baseado na publicação do Censo Agropecuário 1995/96, número 26, Distrito Agropecuária 1 O, desmembrado do Estado de Goiás, possui uma área de 5.794 km 2. Situado no Planalto Central, suas altitudes variam de 750 a 1.340 metros, com topografia suave, predominando superfícies

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Legenda da priorização das propostas: Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017

Legenda da priorização das propostas: Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017 Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida do possível. Legenda da priorização

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Ronda Alta. Construindo hoje um futuro melhor.

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Ronda Alta. Construindo hoje um futuro melhor. Estado do Rio Grande do Sul Gestão Pública P de Qualidade Construindo hoje um futuro melhor. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Porte: Pequeno. População: 10.051 Urbana: 5.663 Rural: 4.338 Área Total= 418,69

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006)

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1.1) Considerações preliminares O Censo Agropecuário de 2006 veio possibilitar o preenchimento de uma importante lacuna

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva

Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva Codevasf investe mais de R$ 260 milhões em ações de inclusão produtiva A realidade de milhares de famílias da zona rural está mudando graças ao apoio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

O APL da. Ovinocaprinocultura Granito-PE

O APL da. Ovinocaprinocultura Granito-PE O APL da Ovinocaprinocultura Granito-PE Nível de Organização Comissão Estadual de Caprinovinocultura da FAEPE Fórum da Ovinocaprinocultura do Araripe ACOCAG Associação dos Criadores de Ovinos e Caprinos

Leia mais

ATALAIA DO NORTE Ato de Criação do município: Lei n. º 96 de 19/12/1955.

ATALAIA DO NORTE Ato de Criação do município: Lei n. º 96 de 19/12/1955. @ ATALAIA DO NORTE Ato de Criação do município: Lei n. º 96 de 19/12/1955. ATALAIA DO NORTE I ASPECTOS FÍSICOS E GEOGRÁFICOS: Localização: Situado na 1ª Sub-Região - Região do Alto Solimões. Limites: Benjamin

Leia mais

CREA- São Paulo. PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO

CREA- São Paulo. PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO CREA- São Paulo PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO LEGISLAÇÃO E EXERCÍCIO PROFISSIONAL Câmara Especializada de Agronomia CREA/SP Eng. Agr. Daniel Antonio Salati Marcondes ( CEA (Coordenador

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto A Zona da Mata é uma sub-região costeira da Região Nordeste do Brasil que se estende do estado do Rio Grande do Norte até o sul da Bahia, formada por uma estreita faixa de terra

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Governador do Estado Mário Covas. Vice-Governador Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho

Governador do Estado Mário Covas. Vice-Governador Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho Governador do Estado Mário Covas Vice-Governador Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho Secretário de Economia e Planejamento André Franco Montoro Filho SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados

Leia mais

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção.

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. bb.com.br/agronegocio O Banco do Brasil acredita na força da agricultura familiar brasileira. O Banco do Brasil reconhece a importância

Leia mais

HUMAITÁ Ato de Criação: Decreto Nº 31 de 04/02/1890.

HUMAITÁ Ato de Criação: Decreto Nº 31 de 04/02/1890. HUMAITÁ Ato de Criação: Decreto Nº 31 de 04/02/1890. @ HUMAITÁ ASPECTOS FÍSICOS E GEOGRÁFICOS: Localização: Situado na 5ª Sub-Região Região do Madeira. Limites: Manicoré, Rondônia, Canutama e Tapauá. Área

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Tema Agricultura e Segurança Alimentar Painel: Celso Vainer Manzatto, Embrapa Meio Ambiente

Tema Agricultura e Segurança Alimentar Painel: Celso Vainer Manzatto, Embrapa Meio Ambiente Tema Agricultura e Segurança Alimentar Painel: Celso Vainer Manzatto, Embrapa Meio Ambiente IV CONFERÊNCIA REGIONAL SOBRE MUDANÇAS GLOBAIS Agricultura e Segurança Alimentar Celso Vainer Manzatto Embrapa

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A revitalização da cultura do cajueiro em Olho D água do Casado/AL

A revitalização da cultura do cajueiro em Olho D água do Casado/AL Professoara da Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL Lúcia Bezerra Guerra luciabguerra@hotmail.com Aluno da Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Eudes Soares Silva Eudes_k9@hotmail.com A revitalização

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais